SlideShare uma empresa Scribd logo
A arte do século XVII
Com o Renascimento, o Homem ganhou o papel 
de senhor dos mares, dos conhecimentos, etc. 
Esse era o Antropocentrismo. 
Com o século XVII, por força de acontecimentos 
religiosos, como a Contrarreforma, os valores 
religiosos e espirituais reaparecem. 
Ressurge o Teocentrismo, que passa a conviver 
com os valores renascentistas.
O Barroco ou Seiscentismo é um estilo 
artístico que predominou no século XVII, e que, 
portanto, se refletiu na pintura, na arquitetura e 
na literatura. 
Igreja barroca em Ouro Preto - MG 
São Jerônimo - Caravaggio
 O Barroco marca um período de crise espiritual; 
 Havia duas mentalidades diferentes: o pensamento 
antropocêntrico do Renascimento e a religiosidade 
teocêntrica; 
 Confusão de ideias: 
 Aproveitar a vida x Se preparar para a morte;
Características da pintura 
 Claro e escuro; 
 Expressão de 
sentimentos; 
 Luz projetada 
para direcionar o 
observador para 
o tema central 
Judith e Holofernes (Caravaggio)
 Conflito antropocentrismo x teocentrismo 
 Mundo material x mundo espiritual 
 Fé x razão 
 Corpo e alma 
 Idealização amorosa 
 Culpa cristã 
 Raciocínios complexos 
 Carpe diem 
 Gosto pelo soneto
 Antítese: jogo de ideias opostas 
 Nasce o sol, e não dura mais que um dia, / Depois da Luz se segue a noite 
escura. 
 Paradoxos: união de ideias que se anulam 
 Incêndio em mares de água disfarçado; / Rio de neve em fogo convertido. 
 Metáfora: comparação implícita 
 Se és fogo, como passas brandamente? / Se és neve, como queimas com 
porfia? 
 Inversões: frases com disposição inversa 
 Ofendido vos tem minha maldade. (Minha maldade vos tem ofendido)
 Cultismo: gosto pelo rebuscamento formal, 
jogos de palavras, grande uso de figuras de 
linguagem e vocabulário sofisticado. 
Usa também elementos sensoriais: som, cor, 
forma, volume, etc. 
 Conceptismo: jogo de ideias, sutilezas do 
pensamento lógico, analogias, paradoxos, etc.
Precursor do Barroco no Brasil
 Foi a obra que propagou o estilo barroco no 
Brasil e é, também, a primeira obra 
realmente literária entre nós, sendo, por 
isto, um marco da nossa literatura. 
 É um poema épico a Jorge de Albuquerque 
Coelho, donatário da capitania de 
Pernambuco, publicado em 1601, em versos 
decassílabos, dispostos em oitava rima. 
Frequentemente imita os Lusíadas e reflete 
pouco o ambiente da Colônia.
I 
Cantem Poetas o Poder Romano, 
Sobmetendo Nações ao jugo 
duro; 
O Mantuano pinte o Rei Troiano, 
Descendo à confusão do Reino 
escuro; 
Que eu canto um Albuquerque 
soberano, 
Da Fé, da cara Pátria firme 
muro, 
Cujo valor e ser, que o Ceo lhe 
inspira, 
Pode estancar a Lácia e Grega 
lira. 
II 
As Délficas irmãs chamar não 
quero, 
que tal invocação é vão estudo; 
Aquele chamo só, de quem 
espero 
A vida que se espera em fim de 
tudo. 
Ele fará meu Verso tão sincero, 
Quanto fora sem ele tosco e 
rudo, 
Que per rezão negar não deve o 
menos 
Quem deu o mais a míseros 
terrenos. 
TEIXEIRA, Bento.
 Esse poema, além de traçar elogios aos 
primeiros donatários da capitania de 
Pernambuco, narra o naufrágio sofrido por 
um deles, o donatário Jorge Albuquerque 
Coelho. Apesar de os críticos o considerarem 
de pouco valor literário, o texto tem seu 
valor histórico.
O orador barroco português no Brasil
 Antônio Vieira nasceu em Portugal, em 1608. 
Veio para o Brasil com 7 anos e começou a 
estudar com os jesuítas. 
 Entrou, por vontade própria, na Companhia de 
Jesus, iniciando seu noviciado com 15 anos. 
 Suas obras pertencem tanto à literatura 
portuguesa quanto à brasileira.
 Pe. Antônio pode ser visto como orador, por 
causa de seus sermões, mas também como 
visionário e “homem de ação”, por ter se 
envolvido em causas políticas.
 Antônio Vieira ligava sua formação jesuítica 
à estética barroca, produzindo sermões que 
tiveram grande repercussão, como: 
 “Sermão da Sexagésima” (arte de pregar) 
 “Sermão pelo bom sucesso das armas de Portugal contra as da 
Holanda” (contra a invasão holandesa) 
 “Sermão de Santo Antônio (aos peixes)” (contra a escravidão 
indígena) 
 “Sermão do mandato” (amor místico)
 Antônio Vieira escreveu três obras com um 
tema profético, sonhador, baseado em 
textos bíblicos e nas professias. 
 Histórias do futuro; 
 Esperanças de Portugal; (ressurreição de D. 
João IV) 
 Clavis prophetarum. (chave dos profetas)
 Antônio Vieira pôs seus sermões no ramo 
político. 
 Aproveitando-se do púlpito e da catequese 
(únicas formas de propagação de ideias da 
época), espalhou sua visão acerca da defesa 
do índio, da invasão holandesa,
O “Boca do Inferno”
 Gregório nasceu em Salvador, em 1633. Estudou no 
Colégio dos Jesuítas e em Coimbra. Lá, formou-se e 
tornou-se juiz. 
 Ficou conhecido por suas sátiras e, por causa delas, 
foi perseguido pelo governador da Bahia. Foi exilado 
em Angola e, ao voltou doente. 
 Proibido de entrar na Bahia, morreu em Recife, em 
1696.
 Gregório foi extremamente irreverente, ao 
apontar as contradições da sociedade, a 
falsa moral baiana; e ao criticar todo e 
qualquer grupo social: comerciantes, 
governantes, escravos, mulheres, fidalgos, 
etc. 
 Por esse motivo, recebeu a alcunha de BOCA 
DO INFERNO. 
 Suas obras apresentam críticas, vocábulos 
indígenas e africanos e palavras de baixo 
calão
POESIA 
LÍRICA SATÍRICA 
AMOROSA FILOSÓFICA RELIGIOSA
 O amor é 
retratado como 
fonte de prazer e 
sofrimento; 
 A mulher é 
retratada como um 
anjo e fonte de 
perdição (pois 
desperta o desejo 
carnal); 
 Dualismo carne x 
espírito. 
Anjo no nome, Angélica na cara, 
Isso é ser flor, e Anjo juntamente, 
Ser Angélica flor, e Anjo florente, 
Em quem, se não em vós se uniformara? 
Quem veria uma flor, que a não cortara 
De verde pé, de rama florescente? 
E quem um Anjo vira tão luzente, 
Que por seu Deus, o não idolatrara? 
Se como Anjo sois dos meus altares, 
Fôreis o meu custódio, e minha guarda, 
Livrara eu de diabólicos azares. 
Mas vejo, que tão bela, e tão galharda, 
Posto que os Anjos nunca dão pesares, 
Sois Anjo, que me tenta, e não me guarda. 
Vocabulário 
Uniformar: tornar uniforme, com uma só 
forma 
Galharda: elegante
 Angústia diante da 
vida 
 Temas abordando o 
desconcerto do mundo 
e a instabilidade dos 
bens materiais 
 Efemeridade das 
coisas 
Moraliza o Poeta nos Ocidentes do Sol a 
Inconstância dos Bens do Mundo 
Nasce o Sol, e não dura mais que um dia, 
Depois da Luz se segue a noite escura, 
Em tristes sombras morre a formosura, 
Em contínuas tristezas a alegria. 
Porém se acaba o Sol, por que nascia? 
Se formosa a Luz é, por que não dura? 
Como a beleza assim se transfigura? 
Como o gosto da pena assim se fia? 
Mas no Sol, e na Luz, falte a firmeza, 
Na formosura não se dê constância, 
E na alegria sinta-se tristeza. 
Começa o mundo enfim pela ignorância, 
E tem qualquer dos bens por natureza 
A firmeza somente na inconstância. 
Vocabulário: 
Pena: dor, sofrimento
 O autor está dividido 
entre pecado e virtude 
(sente culpa por pecar e 
busca a salvação) 
 O autor vê o pecado como 
um erro humano, mas 
também, como a única 
forma de Deus cometer o 
ato do perdão. 
 O eu-lírico, muitas vezes, 
se comporta como 
advogado que faz a 
própria defesa diante de 
Deus (para tal, usava, até 
mesmo, trechos da Bíblia) 
Ofendi-vos, meu Deus, bem é verdade; 
É verdade, meu Senhor, que hei delinquido, 
Delinquido vos tenho, e ofendido, 
Ofendido vos tem minha maldade. 
Maldade, que encaminha à vaidade, 
Vaidade, que todo me há vencido; 
Vencido quero ver-me, e arrependido, 
Arrependido a tanta enormidade. 
Arrependido estou de coração, 
De coração vos busco, dai-me abraços, 
Abraços, que me rendem vossa luz. 
Luz, que claro me mostra a salvação, 
A salvação pretendo em tais abraços, 
Misericórdia, amor, Jesus, Jesus!
 O autor critica a situação 
econômica da Bahia; 
 Há críticas aos moradores 
e ao governo em geral. 
 Vocabulário: 
 Carepa: caspa, sujeira; 
 Vil: ordinário; 
 Increpar: censurar, 
repreender; 
 Garlopa: ferramenta de 
marcenaria, termo usado 
como sinônimo de trabalho 
braçal. 
Cousas da Vida 
Neste mundo é mais rico, o que mais rapa: 
Quem mais limpo se faz, tem mais carepa: 
Com sua língua ao nobre o vil decepa: 
O Velhaco maior sempre tem capa. 
Mostra o patife da nobreza o mapa: 
Quem tem mão de agarrar, ligeiro trepa 
Quem menos falar pode, mais increpa: 
Quem dinheiro tiver, pode ser Papa. 
A flor baixa se inculca por Tulipa; 
Bengala hoje na mão, ontem garlopa: 
Mais isento se mostra, o que mais chupa. 
Para a tropa do trapo vazo a tripa, 
E mais não digo, porque a Musa topa 
Em apa, epa, ipa, opa, upa.
Anielly Santos 
Luiz Pedro Mendes 
Matheus Henrique 
Rikally Vitória Cordeiro

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Arcadismo no Brasil
Arcadismo no BrasilArcadismo no Brasil
Arcadismo no Brasil
Rayane Anchieta
 
O romantismo da segunda geração
O romantismo da segunda geraçãoO romantismo da segunda geração
O romantismo da segunda geração
Antonio Minharro
 
Simbolismo
SimbolismoSimbolismo
Simbolismo
Cláudia Heloísa
 
Quinhentismo
Quinhentismo Quinhentismo
Quinhentismo
Cláudia Heloísa
 
Ppt realismo (1)
Ppt realismo (1)Ppt realismo (1)
Ppt realismo (1)
Equipemundi2014
 
00 - Introdução a Literatura.pdf
00 - Introdução a Literatura.pdf00 - Introdução a Literatura.pdf
00 - Introdução a Literatura.pdf
geroboaosouza
 
Linha do tempo - Literatura
Linha do tempo - LiteraturaLinha do tempo - Literatura
Linha do tempo - Literatura
Marô de Paula
 
Aula barroco 1ano
Aula barroco 1anoAula barroco 1ano
Aula barroco 1ano
Luis Fernando
 
Barroco
Barroco   Barroco
Realismo no brasil
Realismo no brasilRealismo no brasil
Realismo no brasil
Karoline Tavares
 
O Humanismo
O Humanismo O Humanismo
O Humanismo
Jose Arnaldo Silva
 
Augusto dos Anjos
Augusto dos AnjosAugusto dos Anjos
Augusto dos Anjos
Sarah Fernandes Mendonça
 
Terceira geração romântica
Terceira geração românticaTerceira geração romântica
Terceira geração romântica
Viviane Gomes
 
Arcadismo[1]..
Arcadismo[1]..Arcadismo[1]..
Arcadismo[1]..
guesta61019
 
Poesia e poema
Poesia e poemaPoesia e poema
Poesia e poema
ionasilva
 
Slide introdução à literatura
Slide introdução à literaturaSlide introdução à literatura
Slide introdução à literatura
fabrinnem
 
Realismo e Naturalismo - Literatura
Realismo e Naturalismo - LiteraturaRealismo e Naturalismo - Literatura
Realismo e Naturalismo - Literatura
Cynthia Funchal
 
Modernismo 2 fase (geração de 30)
Modernismo 2 fase (geração de 30)Modernismo 2 fase (geração de 30)
Modernismo 2 fase (geração de 30)
Josie Ubiali
 
Barroco contexto e caract
Barroco   contexto e caractBarroco   contexto e caract
Barroco contexto e caract
Helena Coutinho
 
Ppt texto literário e texto não literário
Ppt texto literário e texto não literárioPpt texto literário e texto não literário
Ppt texto literário e texto não literário
Eugénia Soares
 

Mais procurados (20)

Arcadismo no Brasil
Arcadismo no BrasilArcadismo no Brasil
Arcadismo no Brasil
 
O romantismo da segunda geração
O romantismo da segunda geraçãoO romantismo da segunda geração
O romantismo da segunda geração
 
Simbolismo
SimbolismoSimbolismo
Simbolismo
 
Quinhentismo
Quinhentismo Quinhentismo
Quinhentismo
 
Ppt realismo (1)
Ppt realismo (1)Ppt realismo (1)
Ppt realismo (1)
 
00 - Introdução a Literatura.pdf
00 - Introdução a Literatura.pdf00 - Introdução a Literatura.pdf
00 - Introdução a Literatura.pdf
 
Linha do tempo - Literatura
Linha do tempo - LiteraturaLinha do tempo - Literatura
Linha do tempo - Literatura
 
Aula barroco 1ano
Aula barroco 1anoAula barroco 1ano
Aula barroco 1ano
 
Barroco
Barroco   Barroco
Barroco
 
Realismo no brasil
Realismo no brasilRealismo no brasil
Realismo no brasil
 
O Humanismo
O Humanismo O Humanismo
O Humanismo
 
Augusto dos Anjos
Augusto dos AnjosAugusto dos Anjos
Augusto dos Anjos
 
Terceira geração romântica
Terceira geração românticaTerceira geração romântica
Terceira geração romântica
 
Arcadismo[1]..
Arcadismo[1]..Arcadismo[1]..
Arcadismo[1]..
 
Poesia e poema
Poesia e poemaPoesia e poema
Poesia e poema
 
Slide introdução à literatura
Slide introdução à literaturaSlide introdução à literatura
Slide introdução à literatura
 
Realismo e Naturalismo - Literatura
Realismo e Naturalismo - LiteraturaRealismo e Naturalismo - Literatura
Realismo e Naturalismo - Literatura
 
Modernismo 2 fase (geração de 30)
Modernismo 2 fase (geração de 30)Modernismo 2 fase (geração de 30)
Modernismo 2 fase (geração de 30)
 
Barroco contexto e caract
Barroco   contexto e caractBarroco   contexto e caract
Barroco contexto e caract
 
Ppt texto literário e texto não literário
Ppt texto literário e texto não literárioPpt texto literário e texto não literário
Ppt texto literário e texto não literário
 

Destaque

www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Literatura - Barroco
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Literatura - Barrocowww.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Literatura - Barroco
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Literatura - Barroco
Annalu Jannuzzi
 
O Barroco
O BarrocoO Barroco
O Barroco
Sandra Alves
 
O barroco
O barrocoO barroco
Barroco português
Barroco portuguêsBarroco português
Barroco português
ProfCharlesChristie
 
O barroco
O barrocoO barroco
O barroco
Tiago Lott
 
Neoclassicismo brasileiro
Neoclassicismo brasileiroNeoclassicismo brasileiro
Neoclassicismo brasileiro
Andréia Peixoto
 
Barroco
BarrocoBarroco
Barroco
Luiz Lisboa
 
Quinhentismo/ Literatura de informação.
Quinhentismo/ Literatura de informação.Quinhentismo/ Literatura de informação.
Quinhentismo/ Literatura de informação.
AyandraGomes17
 
Barroco em Português
Barroco em PortuguêsBarroco em Português
Barroco em Português
thiago2013
 
Quinhentismo no brasil
Quinhentismo no brasilQuinhentismo no brasil
Quinhentismo no brasil
Hildalene Pinheiro
 
O barroco português
O barroco portuguêsO barroco português
O barroco português
gean caboclo
 
O Barroco na Literatura
O Barroco na LiteraturaO Barroco na Literatura
O Barroco na Literatura
Joana Filipa Rodrigues
 
Academicismo e neoclassicismo no brasil
Academicismo e neoclassicismo no brasilAcademicismo e neoclassicismo no brasil
Academicismo e neoclassicismo no brasil
marylusilva
 
O Barroco no Brasil
O Barroco no BrasilO Barroco no Brasil
O Barroco no Brasil
jonatasyuk
 
Características do barroco português slide
Características do barroco português slideCaracterísticas do barroco português slide
Características do barroco português slide
Igor Ribeiro
 
Romantismo no Brasil
Romantismo  no BrasilRomantismo  no Brasil
Romantismo no Brasil
NathalyNara
 
Barroco
BarrocoBarroco
Brasil Imperial - Profº Alexandre Morais
Brasil Imperial - Profº Alexandre MoraisBrasil Imperial - Profº Alexandre Morais
Brasil Imperial - Profº Alexandre Morais
Curso Livre Redação-Eliani Martins
 
Barroco - Literatura.
Barroco - Literatura.Barroco - Literatura.
Barroco - Literatura.
Julia Maldonado Garcia
 
Barroco
BarrocoBarroco
Barroco
mirandakika
 

Destaque (20)

www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Literatura - Barroco
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Literatura - Barrocowww.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Literatura - Barroco
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Literatura - Barroco
 
O Barroco
O BarrocoO Barroco
O Barroco
 
O barroco
O barrocoO barroco
O barroco
 
Barroco português
Barroco portuguêsBarroco português
Barroco português
 
O barroco
O barrocoO barroco
O barroco
 
Neoclassicismo brasileiro
Neoclassicismo brasileiroNeoclassicismo brasileiro
Neoclassicismo brasileiro
 
Barroco
BarrocoBarroco
Barroco
 
Quinhentismo/ Literatura de informação.
Quinhentismo/ Literatura de informação.Quinhentismo/ Literatura de informação.
Quinhentismo/ Literatura de informação.
 
Barroco em Português
Barroco em PortuguêsBarroco em Português
Barroco em Português
 
Quinhentismo no brasil
Quinhentismo no brasilQuinhentismo no brasil
Quinhentismo no brasil
 
O barroco português
O barroco portuguêsO barroco português
O barroco português
 
O Barroco na Literatura
O Barroco na LiteraturaO Barroco na Literatura
O Barroco na Literatura
 
Academicismo e neoclassicismo no brasil
Academicismo e neoclassicismo no brasilAcademicismo e neoclassicismo no brasil
Academicismo e neoclassicismo no brasil
 
O Barroco no Brasil
O Barroco no BrasilO Barroco no Brasil
O Barroco no Brasil
 
Características do barroco português slide
Características do barroco português slideCaracterísticas do barroco português slide
Características do barroco português slide
 
Romantismo no Brasil
Romantismo  no BrasilRomantismo  no Brasil
Romantismo no Brasil
 
Barroco
BarrocoBarroco
Barroco
 
Brasil Imperial - Profº Alexandre Morais
Brasil Imperial - Profº Alexandre MoraisBrasil Imperial - Profº Alexandre Morais
Brasil Imperial - Profº Alexandre Morais
 
Barroco - Literatura.
Barroco - Literatura.Barroco - Literatura.
Barroco - Literatura.
 
Barroco
BarrocoBarroco
Barroco
 

Semelhante a Barroco literatura

Barroco
BarrocoBarroco
Barroco e-arcadismo-no-brasil
Barroco e-arcadismo-no-brasilBarroco e-arcadismo-no-brasil
Barroco e-arcadismo-no-brasil
joelson1
 
Barroco.pptx
Barroco.pptxBarroco.pptx
Barroco.pptx
Camila24463
 
Barroco
BarrocoBarroco
Barroco
Dai Pinheiro
 
Literatura
LiteraturaLiteratura
Literatura
LiteraturaLiteratura
Literatura.ppt
Literatura.pptLiteratura.ppt
Literatura.ppt
preuniversitarioitab
 
Barroco 2.0
Barroco 2.0Barroco 2.0
Barroco 2.0
José Ricardo Lima
 
Barroco e-arcadismo-no-brasil
Barroco e-arcadismo-no-brasilBarroco e-arcadismo-no-brasil
Barroco e-arcadismo-no-brasil
Adriana Jacob
 
Barroco aula
Barroco aulaBarroco aula
Barroco aula
colveromachado
 
Gregório de Mattos. O grande poeta brasileiro
Gregório de Mattos. O grande poeta brasileiroGregório de Mattos. O grande poeta brasileiro
Gregório de Mattos. O grande poeta brasileiro
KarolineBritoVeiga1
 
Movimento Literário Barroco no Brasil
Movimento Literário Barroco no BrasilMovimento Literário Barroco no Brasil
Movimento Literário Barroco no Brasil
Murilo Donini
 
Material de apoio trabalho de sala literatura
Material de apoio trabalho de sala literaturaMaterial de apoio trabalho de sala literatura
Material de apoio trabalho de sala literatura
Karla Mascarenhas
 
Barroco
BarrocoBarroco
Barroco 1 ano
Barroco 1 anoBarroco 1 ano
Barroco 1 ano
Marilene dos Santos
 
Barroco
BarrocoBarroco
Barroco ou seiscentismo brasileiro (1601 1768)
Barroco ou seiscentismo brasileiro (1601 1768)Barroco ou seiscentismo brasileiro (1601 1768)
Barroco ou seiscentismo brasileiro (1601 1768)
Chrys Novaes
 
Unidade ii
Unidade iiUnidade ii
LITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIAS
LITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIASLITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIAS
LITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIAS
Amelia Barros
 
O barroco no brasil
O barroco no brasilO barroco no brasil
O barroco no brasil
carvalho31
 

Semelhante a Barroco literatura (20)

Barroco
BarrocoBarroco
Barroco
 
Barroco e-arcadismo-no-brasil
Barroco e-arcadismo-no-brasilBarroco e-arcadismo-no-brasil
Barroco e-arcadismo-no-brasil
 
Barroco.pptx
Barroco.pptxBarroco.pptx
Barroco.pptx
 
Barroco
BarrocoBarroco
Barroco
 
Literatura
LiteraturaLiteratura
Literatura
 
Literatura
LiteraturaLiteratura
Literatura
 
Literatura.ppt
Literatura.pptLiteratura.ppt
Literatura.ppt
 
Barroco 2.0
Barroco 2.0Barroco 2.0
Barroco 2.0
 
Barroco e-arcadismo-no-brasil
Barroco e-arcadismo-no-brasilBarroco e-arcadismo-no-brasil
Barroco e-arcadismo-no-brasil
 
Barroco aula
Barroco aulaBarroco aula
Barroco aula
 
Gregório de Mattos. O grande poeta brasileiro
Gregório de Mattos. O grande poeta brasileiroGregório de Mattos. O grande poeta brasileiro
Gregório de Mattos. O grande poeta brasileiro
 
Movimento Literário Barroco no Brasil
Movimento Literário Barroco no BrasilMovimento Literário Barroco no Brasil
Movimento Literário Barroco no Brasil
 
Material de apoio trabalho de sala literatura
Material de apoio trabalho de sala literaturaMaterial de apoio trabalho de sala literatura
Material de apoio trabalho de sala literatura
 
Barroco
BarrocoBarroco
Barroco
 
Barroco 1 ano
Barroco 1 anoBarroco 1 ano
Barroco 1 ano
 
Barroco
BarrocoBarroco
Barroco
 
Barroco ou seiscentismo brasileiro (1601 1768)
Barroco ou seiscentismo brasileiro (1601 1768)Barroco ou seiscentismo brasileiro (1601 1768)
Barroco ou seiscentismo brasileiro (1601 1768)
 
Unidade ii
Unidade iiUnidade ii
Unidade ii
 
LITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIAS
LITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIASLITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIAS
LITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIAS
 
O barroco no brasil
O barroco no brasilO barroco no brasil
O barroco no brasil
 

Último

Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdfAula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Marília Pacheco
 
Curativo de cateter venoso central na UTI.pdf
Curativo de cateter venoso central na UTI.pdfCurativo de cateter venoso central na UTI.pdf
Curativo de cateter venoso central na UTI.pdf
BiancaCristina75
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
silvamelosilva300
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
fagnerlopes11
 
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
vinibolado86
 
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.pptFUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
MarceloMonteiro213738
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica BasicaExercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
ElinarioCosta
 
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
samucajaime015
 
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
AntonioLobosco3
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Mary Alvarenga
 
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....pptA Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
WilianeBarbosa2
 
7 ano - Rede e hierarquia urbana - Geografia - Alpha.pptx
7 ano - Rede e hierarquia urbana - Geografia - Alpha.pptx7 ano - Rede e hierarquia urbana - Geografia - Alpha.pptx
7 ano - Rede e hierarquia urbana - Geografia - Alpha.pptx
alphabarros2
 
Atividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docxAtividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docx
MARCELARUBIAGAVA
 
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
Gênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9ºGênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9º
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
sjcelsorocha
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
Crisnaiara
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
AntonioAngeloNeves
 

Último (20)

Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdfAula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
 
Curativo de cateter venoso central na UTI.pdf
Curativo de cateter venoso central na UTI.pdfCurativo de cateter venoso central na UTI.pdf
Curativo de cateter venoso central na UTI.pdf
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
 
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
 
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.pptFUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica BasicaExercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
 
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
 
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
 
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....pptA Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
 
7 ano - Rede e hierarquia urbana - Geografia - Alpha.pptx
7 ano - Rede e hierarquia urbana - Geografia - Alpha.pptx7 ano - Rede e hierarquia urbana - Geografia - Alpha.pptx
7 ano - Rede e hierarquia urbana - Geografia - Alpha.pptx
 
Atividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docxAtividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docx
 
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
Gênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9ºGênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9º
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
 

Barroco literatura

  • 1. A arte do século XVII
  • 2. Com o Renascimento, o Homem ganhou o papel de senhor dos mares, dos conhecimentos, etc. Esse era o Antropocentrismo. Com o século XVII, por força de acontecimentos religiosos, como a Contrarreforma, os valores religiosos e espirituais reaparecem. Ressurge o Teocentrismo, que passa a conviver com os valores renascentistas.
  • 3. O Barroco ou Seiscentismo é um estilo artístico que predominou no século XVII, e que, portanto, se refletiu na pintura, na arquitetura e na literatura. Igreja barroca em Ouro Preto - MG São Jerônimo - Caravaggio
  • 4.  O Barroco marca um período de crise espiritual;  Havia duas mentalidades diferentes: o pensamento antropocêntrico do Renascimento e a religiosidade teocêntrica;  Confusão de ideias:  Aproveitar a vida x Se preparar para a morte;
  • 5. Características da pintura  Claro e escuro;  Expressão de sentimentos;  Luz projetada para direcionar o observador para o tema central Judith e Holofernes (Caravaggio)
  • 6.
  • 7.
  • 8.
  • 9.  Conflito antropocentrismo x teocentrismo  Mundo material x mundo espiritual  Fé x razão  Corpo e alma  Idealização amorosa  Culpa cristã  Raciocínios complexos  Carpe diem  Gosto pelo soneto
  • 10.  Antítese: jogo de ideias opostas  Nasce o sol, e não dura mais que um dia, / Depois da Luz se segue a noite escura.  Paradoxos: união de ideias que se anulam  Incêndio em mares de água disfarçado; / Rio de neve em fogo convertido.  Metáfora: comparação implícita  Se és fogo, como passas brandamente? / Se és neve, como queimas com porfia?  Inversões: frases com disposição inversa  Ofendido vos tem minha maldade. (Minha maldade vos tem ofendido)
  • 11.  Cultismo: gosto pelo rebuscamento formal, jogos de palavras, grande uso de figuras de linguagem e vocabulário sofisticado. Usa também elementos sensoriais: som, cor, forma, volume, etc.  Conceptismo: jogo de ideias, sutilezas do pensamento lógico, analogias, paradoxos, etc.
  • 12.
  • 13. Precursor do Barroco no Brasil
  • 14.  Foi a obra que propagou o estilo barroco no Brasil e é, também, a primeira obra realmente literária entre nós, sendo, por isto, um marco da nossa literatura.  É um poema épico a Jorge de Albuquerque Coelho, donatário da capitania de Pernambuco, publicado em 1601, em versos decassílabos, dispostos em oitava rima. Frequentemente imita os Lusíadas e reflete pouco o ambiente da Colônia.
  • 15. I Cantem Poetas o Poder Romano, Sobmetendo Nações ao jugo duro; O Mantuano pinte o Rei Troiano, Descendo à confusão do Reino escuro; Que eu canto um Albuquerque soberano, Da Fé, da cara Pátria firme muro, Cujo valor e ser, que o Ceo lhe inspira, Pode estancar a Lácia e Grega lira. II As Délficas irmãs chamar não quero, que tal invocação é vão estudo; Aquele chamo só, de quem espero A vida que se espera em fim de tudo. Ele fará meu Verso tão sincero, Quanto fora sem ele tosco e rudo, Que per rezão negar não deve o menos Quem deu o mais a míseros terrenos. TEIXEIRA, Bento.
  • 16.  Esse poema, além de traçar elogios aos primeiros donatários da capitania de Pernambuco, narra o naufrágio sofrido por um deles, o donatário Jorge Albuquerque Coelho. Apesar de os críticos o considerarem de pouco valor literário, o texto tem seu valor histórico.
  • 17. O orador barroco português no Brasil
  • 18.  Antônio Vieira nasceu em Portugal, em 1608. Veio para o Brasil com 7 anos e começou a estudar com os jesuítas.  Entrou, por vontade própria, na Companhia de Jesus, iniciando seu noviciado com 15 anos.  Suas obras pertencem tanto à literatura portuguesa quanto à brasileira.
  • 19.  Pe. Antônio pode ser visto como orador, por causa de seus sermões, mas também como visionário e “homem de ação”, por ter se envolvido em causas políticas.
  • 20.  Antônio Vieira ligava sua formação jesuítica à estética barroca, produzindo sermões que tiveram grande repercussão, como:  “Sermão da Sexagésima” (arte de pregar)  “Sermão pelo bom sucesso das armas de Portugal contra as da Holanda” (contra a invasão holandesa)  “Sermão de Santo Antônio (aos peixes)” (contra a escravidão indígena)  “Sermão do mandato” (amor místico)
  • 21.  Antônio Vieira escreveu três obras com um tema profético, sonhador, baseado em textos bíblicos e nas professias.  Histórias do futuro;  Esperanças de Portugal; (ressurreição de D. João IV)  Clavis prophetarum. (chave dos profetas)
  • 22.  Antônio Vieira pôs seus sermões no ramo político.  Aproveitando-se do púlpito e da catequese (únicas formas de propagação de ideias da época), espalhou sua visão acerca da defesa do índio, da invasão holandesa,
  • 23. O “Boca do Inferno”
  • 24.  Gregório nasceu em Salvador, em 1633. Estudou no Colégio dos Jesuítas e em Coimbra. Lá, formou-se e tornou-se juiz.  Ficou conhecido por suas sátiras e, por causa delas, foi perseguido pelo governador da Bahia. Foi exilado em Angola e, ao voltou doente.  Proibido de entrar na Bahia, morreu em Recife, em 1696.
  • 25.  Gregório foi extremamente irreverente, ao apontar as contradições da sociedade, a falsa moral baiana; e ao criticar todo e qualquer grupo social: comerciantes, governantes, escravos, mulheres, fidalgos, etc.  Por esse motivo, recebeu a alcunha de BOCA DO INFERNO.  Suas obras apresentam críticas, vocábulos indígenas e africanos e palavras de baixo calão
  • 26. POESIA LÍRICA SATÍRICA AMOROSA FILOSÓFICA RELIGIOSA
  • 27.  O amor é retratado como fonte de prazer e sofrimento;  A mulher é retratada como um anjo e fonte de perdição (pois desperta o desejo carnal);  Dualismo carne x espírito. Anjo no nome, Angélica na cara, Isso é ser flor, e Anjo juntamente, Ser Angélica flor, e Anjo florente, Em quem, se não em vós se uniformara? Quem veria uma flor, que a não cortara De verde pé, de rama florescente? E quem um Anjo vira tão luzente, Que por seu Deus, o não idolatrara? Se como Anjo sois dos meus altares, Fôreis o meu custódio, e minha guarda, Livrara eu de diabólicos azares. Mas vejo, que tão bela, e tão galharda, Posto que os Anjos nunca dão pesares, Sois Anjo, que me tenta, e não me guarda. Vocabulário Uniformar: tornar uniforme, com uma só forma Galharda: elegante
  • 28.  Angústia diante da vida  Temas abordando o desconcerto do mundo e a instabilidade dos bens materiais  Efemeridade das coisas Moraliza o Poeta nos Ocidentes do Sol a Inconstância dos Bens do Mundo Nasce o Sol, e não dura mais que um dia, Depois da Luz se segue a noite escura, Em tristes sombras morre a formosura, Em contínuas tristezas a alegria. Porém se acaba o Sol, por que nascia? Se formosa a Luz é, por que não dura? Como a beleza assim se transfigura? Como o gosto da pena assim se fia? Mas no Sol, e na Luz, falte a firmeza, Na formosura não se dê constância, E na alegria sinta-se tristeza. Começa o mundo enfim pela ignorância, E tem qualquer dos bens por natureza A firmeza somente na inconstância. Vocabulário: Pena: dor, sofrimento
  • 29.  O autor está dividido entre pecado e virtude (sente culpa por pecar e busca a salvação)  O autor vê o pecado como um erro humano, mas também, como a única forma de Deus cometer o ato do perdão.  O eu-lírico, muitas vezes, se comporta como advogado que faz a própria defesa diante de Deus (para tal, usava, até mesmo, trechos da Bíblia) Ofendi-vos, meu Deus, bem é verdade; É verdade, meu Senhor, que hei delinquido, Delinquido vos tenho, e ofendido, Ofendido vos tem minha maldade. Maldade, que encaminha à vaidade, Vaidade, que todo me há vencido; Vencido quero ver-me, e arrependido, Arrependido a tanta enormidade. Arrependido estou de coração, De coração vos busco, dai-me abraços, Abraços, que me rendem vossa luz. Luz, que claro me mostra a salvação, A salvação pretendo em tais abraços, Misericórdia, amor, Jesus, Jesus!
  • 30.  O autor critica a situação econômica da Bahia;  Há críticas aos moradores e ao governo em geral.  Vocabulário:  Carepa: caspa, sujeira;  Vil: ordinário;  Increpar: censurar, repreender;  Garlopa: ferramenta de marcenaria, termo usado como sinônimo de trabalho braçal. Cousas da Vida Neste mundo é mais rico, o que mais rapa: Quem mais limpo se faz, tem mais carepa: Com sua língua ao nobre o vil decepa: O Velhaco maior sempre tem capa. Mostra o patife da nobreza o mapa: Quem tem mão de agarrar, ligeiro trepa Quem menos falar pode, mais increpa: Quem dinheiro tiver, pode ser Papa. A flor baixa se inculca por Tulipa; Bengala hoje na mão, ontem garlopa: Mais isento se mostra, o que mais chupa. Para a tropa do trapo vazo a tripa, E mais não digo, porque a Musa topa Em apa, epa, ipa, opa, upa.
  • 31. Anielly Santos Luiz Pedro Mendes Matheus Henrique Rikally Vitória Cordeiro