Literatura.ppt

7.144 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
5 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
7.144
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
392
Comentários
0
Gostaram
5
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Literatura.ppt

  1. 1. LITERATURA
  2. 2. "A única literaturahonrada é a quepode melhorar o homem." José María Vigil
  3. 3. CARTÁTICA LIBERASENTIMENTOS ESTÉTICA ATRAVÉS DALITERATURA. EXISTE PARA SER ADIMIRADA, POQUE É BELA.
  4. 4. NAVIO NEGREIRO CASTROSenhor Deus dos ALVESdesgraçados! Senhor Deus!Dizei-me vós,Se é loucura... se é verdadeTanto horror perante os céus?Ó mar, por que não apagasDe teu manto este borrão?..
  5. 5. Astros! noites! tempestades!Rolai das imensidades!Varrei os mares, tufão!São os filhos do deserto,Onde a terra esposa a luz.Onde vive em campo abertoA tribo dos homens nus...São os guerreiros ousadosCombatem na solidão.OntemHoje míserossimples, fortes, bravos.escravos,Sem luz, sem ar, sem razão..
  6. 6. COGNITIVA POLÍTICO-SOCIAL DE PASSAR INTERFERE NACONHECIMENTO SOCIEDADE, TEM S, SER USADA A OPNIÃO DEPARA ENSINAR PESSOAS.ALGUMA COISA.
  7. 7. O termo “gênero” origina- se do latim genus, eris,que significa nascimento, descendência, origem, e refere-se a um conjunto de características temáticas e formais intrínsecas àsmanifestações literárias.
  8. 8. Denominação genérica de todas asmanifestaçõe s literáriasocorridas no Brasil durante o século XVI
  9. 9. MOMENTO SOCIOCULTURAL Início da exploração da colônia: extração de pau-brasil e do cultivo da cana de açúcar. Expedições de exploração e reconhecimento da nova terra.  Vinda dos jesuítas: trabalho decatequese dos índios e formação dos primeiros colégios.
  10. 10. Carta de Pero Vaz de Caminha ("certidão denascimento" do Brasil)Literatura de informação. : História da província deSanta Cruz a que vulgarmente chamamos Brasil Tratado descritivo doBrasilLiteratura de catequese. Diálogo sobre aconversão do gentio. Na festa de SãoLourenço (peça teatral), Poema à Virgem (detradição medieval)
  11. 11. BARROCO Momento socioculturalCentros econômicose culturais: Bahia e Pernambuco. Período áureo do ciclo da cana-de- açúcar.
  12. 12. Poder econômico: senhores deengenho. Relação básica: senhor e escravo.Ausência de centros urbanos e de vidacultural. .Ampliação do território pelos bandeirantes.
  13. 13. CARACTERÍSTICAS 1) A arte da contrarreforma A ideologia do Barroco é fornecida pelaContrarreforma. Em nenhuma outra época se produziu tamanha quantidade de igrejas, capelas, estátuas de santos emonumentos sepulcrais. As obras de artedeviam falar aos fiéis com a maior eficáciapossível, mas em momento algum descer até eles. A arte barroca tinha queconvencer, conquistar e impor admiração.
  14. 14. O Renascimento definiu-se pela valorização do profano, pondo em vogao gosto pelas satisfações mundanas. Os intelectuais barrocos, no entanto, não alcançam tranquilidade agindo de acordo com essa filosofia. A influência da Contrarreforma fez com que houvesse oposição entre os ideais devida eterna em contraposição com a vidaterrena e do espírito em contraposição à
  15. 15. Na visão barroca, não há possibilidadede conciliar essas antíteses: ou se vive a vida sensualmente, ou se foge dos gozos humanos e se alcança a eternidade. A tensão de elementos contrários causa no artista umaprofunda angústia: após arrojar-se nos prazeres mais radicais, ele se sente culpado e busca o perdão divino. Assim, ora ajoelha-se diante de Deus, ora celebra as delícias da vida.
  16. 16. 3) O tema da passagem do tempo O homem barroco assume consciênciaintegral no que se refere à fugacidade da vida humana (efemeridade): o tempo, veloz e avassalador, tudo destrói em sua passagem. Por outro lado, diante das coisas transitórias (instabilidade), surge a contradição: vivê-las, antes que terminem, ou renunciar ao passageiro e entregar-se à eternidade?
  17. 17. 4) Forma tumultuosa O estilo barroco apresenta forma conturbada, decorrente da tensão causada pela oposição entre os princípios renascentistas e a ética cristã. Daí a frequente utilização de antíteses, paradoxos e inversões, estabelecendo uma forma contraditória, dilemática. Além disso, a utilização de interrogações revela asincertezas do homem barroco frente ao seu período e a inversão de frases a sua tentativa na conciliação dos elementos
  18. 18. O cultismo Caracteriza-se pelo uso de linguagem rebuscada, culta, extravagante, repleta de jogos depalavras e do emprego abusivo defiguras de estilo, como a metáforae a hipérbole. Veja um exemplo de poesia cultista:
  19. 19. O conceptismoQue ocorre principalmente na prosa, é marcado pelo jogo de ideias, de conceitos, seguindo um raciocínio lógico, nacionalista, que utiliza uma retórica aprimorada. A organização da frase obedece a uma ordemrigorosa, com o intuito de convencere ensinar. Veja um exemplo de prosa conceptista:
  20. 20. FIGURAS DE LINGUAGEM NO BARROCO METÁFORA: É uma comparação implícita. Tem-secomo exemplo o trecho a seguir, escrito por Gregório de Matos:
  21. 21. Se és fogo, como passasbrandamente?Se és neve, como queimas com porfia?
  22. 22. Antítese Reflete a contradição do homem barroco, seu dualismo. Revela ocontraste que o escritor vê em quase tudo. Observe a seguir o trecho deManuel Botelho de Oliveira, no qual édescrita uma ilha, salientando-se seus elementos contrastantes:
  23. 23. Vista por fora é pouco apetecidaPorque aos olhos por feia é parecida;Porém, dentro habitadaÉ muito bela, muito desejada,É como a concha tosca e deslustrosa,Que dentro cria a pérola formosa.
  24. 24. ParadoxoCorresponde à união de duas ideias contrárias num só pensamento. Opõe-se ao racionalismo da arterenascentista. Veja a estrofe aseguir, de Gregório de Matos:
  25. 25. Ardor em firme Coração nascido;pranto por belos olhos derramado; em mares dedisfarçado;rio de neve em fogo convertido.
  26. 26. Hipérbole traduz ideia de grandiosidade,pompa. Veja mais um exemplo de Gregório de Matos:
  27. 27. É a vaidade, Fábio, nesta vida, Rosa, que da manhã lisonjeada,Púrpuras mil, com ambição dourada, Airosa rompe, arrasta presumida.
  28. 28. Prosopopeia personificação de seres inanimadospara dinamizar a realidade. Observeum trecho escrito pelo Padre Antônio Vieira:
  29. 29. No diamante agradou-me o forte,no cedro o incorruptível, na águiao sublime, no ,no Sol o excesso de Luz.

×