SlideShare uma empresa Scribd logo
CADEIA DE VALOR COMO
ELEMENTO DE CENTRALIDADE DA
GESTÃO
Outubro 2015
1 543 6
Cadeia de Valor
BCB & Equipe Metodologia
A Cadeia de Valor Governança
Centralidade da Gestão
Próximos Passos
Estrutura A experiência do BCB,
métodos e técnicas
Os processos Gestão da CV Utilização futura e desafios
Utilização atual “elemento vivo”
2
1 Banco Central do Brasil
Estrutura
A Experiência com o processo de validação da Cadeia de Valor do
BCB.
A governança da Cadeia de Valor do BCB.
Como transformar a Cadeia de Valor de apenas uma figura estática
para um elemento “vivo” - usabilidade.
Os desafios para transformar a cultura de uma gestão somente
hierárquica para uma gestão também por processos.
EXPERIÊNCIA
1 Banco Central do Brasil
Estrutura
MISSÃO
Assegurar a estabilidade do poder
de compra da moeda e um sistema
financeiro sólido e eficiente.
1 Banco Central do Brasil
Estrutura
O BCB TEM POR FINALIDADE:
 A formulação, a execução, o acompanhamento e
o controle das políticas monetária, cambial, de
crédito e de relações financeiras com o exterior
 A organização, disciplina e fiscalização do
Sistema Financeiro Nacional (SFN) e do Sistema
de Consórcio
 A gestão do Sistema de Pagamentos Brasileiro
(SPB) e dos serviços do meio circulante
1 Banco Central do Brasil
Estrutura
OBJETIVOS ESTRATÉGICOS 2010- 2015
1. Assegurar o cumprimento das metas de inflação
estabelecidas pelo Conselho Monetário Nacional;
2. Assegurar a solidez e o regular funcionamento do
Sistema Financeiro Nacional;
3. Promover a eficiência do Sistema Financeiro
Nacional e a inclusão financeira da população;
4. Assegurar o suprimento de numerário adequado
às necessidades da sociedade;
5. Aprimorar o marco regulatório para o
cumprimento da missão institucional;
6. Promover melhorias na comunicação e no
relacionamento com os públicos interno e
externo;
7. Aprimorar a governança, a estrutura e a gestão da
Instituição;
8. Fortalecer a inserção internacional da Instituição.
1 Banco Central do Brasil
BCB EM NÚMEROS
3469
611
182
QUADRO FUNCIONAL
Analistas Técnicos Procuradores
Presente em 10 Cidades:
1. Brasília
2. São Paulo
3. Rio de Janeiro
4. Belo Horizonte
5. Curitiba
6. Porto Alegre
7. Belém
8. Fortaleza
9. Salvador
10. Recife
Total: 4262
1 Banco Central do Brasil
Estrutura
Escritório de Soluções em Organização Administrativa e Processos de Trabalho –
ESORG
6 servidores
DEPOG
DEPOG
ESPRO ESPLA ESORG ESCOM
GEPRO GESOR
Departamento de Planejamento,
Orçamento e Gestão - Depog
48
servidores
1 Banco Central do Brasil
Estrutura
2 Cadeia de Valor
Processos
Cadeia de Valor em números
7 Processos de 1º
nível
32 Processos de 2º
nível
244 Processos de
3º nível
2 Cadeia de Valor
Processos
BACEN - A cadeia de valor como elemento de centralidade da gestão
BACEN - A cadeia de valor como elemento de centralidade da gestão
BACEN - A cadeia de valor como elemento de centralidade da gestão
3 Metodologia
A experiência do BCB, método e técnicas
3 Metodologia
A experiência do BCB, métodos e técnicas
CADEIA DE VALOR
A Cadeia de Valor é expressa na forma de um diagrama que contém a
arquitetura de processos do BCB
Explicita os valores entregues à sociedade, numa sequência lógica de
agregação e de entrega de resultados, permitindo visualizar o
cumprimento da missão institucional.
A Cadeia de Valor do BCB é o conjunto de processos de trabalho,
hierarquizados e logicamente relacionados, e de seus produtos, por meio
dos quais a organização busca alcançar seus resultados e entregar valor
para o cliente.
CADEIA DE VALOR
É um meio de organizar as ações do BCB para prestar informações à
sociedade, aos órgãos de controle e a outros públicos de interesse de
forma
Permite visualizar a contribuição de cada unidade para o cumprimento
da missão institucional.
Ao representar de forma concisa todos os esforços do BCB, o diagrama
da Cadeia de Valor torna-se um valioso instrumento de comunicação
interna e externa.
Serve como elemento de centralidade da gestão do BCB, com linguagem
única dos processos do Banco.
(Gestão de riscos, estratégia, capacitação, etc...)
3 Metodologia
A experiência do BCB, métodos e técnicas
• Identificação da Cadeia
de Processos
• Desenho do mapa de
relacionamento
• Identificação de produtos
operacionais
Versão inicial
(consultoria)
• Identificação dos
Macroprocessos
• Identificação dos
Processos
• Identificação de
Subprocessos e
atividades nos processos
de modelagem
Estudo da Missão do BCB, Base legal, Funções
Versões posteriores
Equipe BCB
A
G
R
E
G
A
Ç
Ã
O
• Identificação dos
macroprodutos
• Desdobramento em
produtos entregáveis
• Desdobramento em
produtos operacionais
3 Metodologia
A experiência do BCB, métodos e técnicas
D
E
S
D
O
B
R
A
M
E
N
T
O
Banqueiro do Governo
Monopólio da emissão
de moeda
Banco dos Bancos
Executor da Política
Cambial
Executor da Política
Monetária
Regulador e
supervisor do SF
Funções Legais Macroprodutos
Estabilidade do Poder
de Compra da Moeda
assegurada
SFN sólido e
eficiente
assegurado
Demandas do
Governo e
Sociedade
atendidas
Infraestrutura
financeira provida
IdentificaçãodosMacroprodutos
3 Metodologia
A experiência do BCB, métodos e técnicas
Macroprodutos
Estabilidade do
Poder de Compra
da Moeda
assegurada
SFN sólido e
eficiente
assegurado
Demandas do
Governo e
Sociedade
atendidas
Infraestrutura
financeira provida
IdentificaçãodosClientes
Estado/Governo
Sociedade/Cidadão Entidades
Supervisionadas do
Sistema Financeiro
3 Metodologia
A experiência do BCB, métodos e técnicas
Como foi construída a versão atual da Cadeia de Valor e
quem participou?
Cadeia de
Valor
atualizada
350 servidores
(5 níveis hierárquicos +
Diretoria Colegiada)
+ 130 reuniões
Método
Especialista da Unidade, Chefe de
Subunidade, Chefe Adjunto, Chefe
de Unidade, Chefe de Gabinete de
Diretor, Diretoria Colegiada
3 Metodologia
A experiência do BCB, métodos e técnicas
AÇÃO NOMENCLATURA RESULTADO NÍVEL DE GESTÃO
Processo de 1º nível Macroprocesso Macroproduto Estratégico
Processo de 2º nível Processo Produto Entregável Estratégico/ Tático
Processo de 3º nível Subprocesso Produto Final
Tático/
Operacional
Processo de 4º nível
Processo de 5º nível
Atividade
Tarefa
Produto
Intermediário
Operacional
Arquitetura da Cadeia de Valor
3 Metodologia
A experiência do BCB, métodos e técnicas
3 Metodologia
A experiência do BCB, métodos e técnicas
3 Metodologia
A experiência do BCB, métodos e técnicas
CADEIA DE VALOR – MÉTODO DE AVALIAÇÃO E VALIDAÇÃO
Validação pelo
ESPECIALISTA
Validado pelas
SUBUNIDADES
Validado pelo
DEPARTAMENTO
Validado pela
DIRETORIA PUBLICADOVERSÃO
ATUAL
3 Metodologia
A experiência do BCB, métodos e técnicas
Experiência da
Terceira Atualização da Cadeia de Valor
3 Metodologia
A experiência do BCB, métodos e técnicas
3 Metodologia
A experiência do BCB, métodos e técnicas
Aproximadamente 100
dias de trabalho...
Participação de 100%
das Unidades do BCB
(37) no processo de
atualização
3 Metodologia
A experiência do BCB, métodos e técnicas
Redução de processos de 3º nível
2 Metodologia
A experiência do BCB, métodos e técnicas
274 244
-11%
3 Metodologia
A experiência do BCB, métodos e técnicas
 Maior apropriação da Cadeia de Valor pelas
Unidades e pelos processos de gestão do BCB.
 Refinamento dos processos.
4 Governança
Gestão da C.V.
1º nível - Diretoria Colegiada
2º nível - Dirad + Diretores
envolvidos
3º nível - Chefes de Unidade
envolvidos + Diretores Envolvidos +
Dirad
4º nível - unidades BCB + Depog
5º nível - gestão atribuída às
Unidades do BCB
A Cadeia de Valor do BCB possui até 5 níveis de processos, mas
é representada graficamente só até o terceiro nível
4 Governança
Gestão da C.V.
5 Centralidade da Gestão
Utilização atual “elemento vivo”
CADEIA
DE VALOR
Gestão da
Informação
Estratégia
Classificação
de
documentos
Desempenho
Competências
Normativos
e Manuais
Conhecimento
organizacional
Auditoria
Comunicação
Custos e FTE
Treinamento e
desenvolvimento
Projetos
Riscos
Estrutura
Organizacio
nal
5 Centralidade da Gestão
Utilização atual “elemento vivo”
LEVANTAMENTO DAS CAPACIDADES
ORGANIZACIONAIS
A Cadeia de Valor do Banco Central do Brasil é
uma hierarquia estruturada dos processos
organizados para entregar resultados. Neste
sentido, o levantamento e o entendimento do
desempenho desses processos (em 1º e 2º
níveis) constituem importante fonte de
informação para a formulação estratégica e o
seu desdobramento no âmbito das diversas
áreas e unidades.
Com base na Cadeia de Valor, cada unidade do
BC avalia as capacidades organizacionais para
realização dos seus processos, com a posterior
validação pelo respectivo Diretor, Secretário-
Executivo ou Procurador-Geral. Neste
diagnóstico também são identificados os
principais stakeholders externos, por
macroproduto.
O diagnóstico de levantamento das
capacidades organizacionais é realizado para
os processos de 2º nível da cadeia de valor
identificando:
• Pontos fortes: O que fazemos bem e somos
reconhecidos por isso?
• Pontos de melhoria: O que a organização
não faz bem hoje, mas precisa fazer?
Para cada ponto forte e de melhoria são
identificadas também evidências que
esclarecem o diagnóstico realizado.
Este documento tem como objetivo descrever
o método para realizar o levantamento das
capacidades organizacionais
Processos de 2º Nível
Capacidades Organizacionais
Stakeholders
PONTOS FORTES
O que fazemos bem e
somos reconhecidos por
isso?
PONTOS DE MELHORIA
O que a organização não faz
bem hoje, mas precisa
fazer?
Evidências
Evidências
 Quais são as expectativas dos
stakeholders em relação ao BCB?
 Qual o valor que deveria ser entregue
para cada grupo de stakeholders
 Qual o valor entregue para cada grupo
de stakeholders?
Modelo Conceitual
Macroprodutos
PROJETO BC 2020 – CAPACIDADES ORGANIZACIONAIS
“Nós temos a capacidade de...”
QUANTIDADE DE PONTOS FORTES:
O que fazemos bem e somos reconhecidos
por isso?
“Nós precisamos melhorar a
capacidade de...”
QUANTIDADE DE PONTOS DE MELHORIA:
O que a organização não faz bem hoje, mas
precisa fazer?
19
7
9
8
14’
3
8
2
3
3
3
2
21
4
1
16
16
4
11
4
4
3
3
1
5
4
4
2
14
5
1
10
7
6
7
6
3
3
7
4
16
8
2
10
6
3
8
3
6 77 6 17 19
2 1
2 3
1 1
Gestão de Riscos
5 Centralidade da Gestão
Utilização atual “elemento vivo”
5 Centralidade da Gestão
Utilização atual “elemento vivo”
Organização das
competências dos
componentes das
unidades BCB
Organização
da estrutura
das unidades
Outros Exemplos de Utilização da Cadeia de Valor
Plano
Anual de
Capacitação
Gestão da
Informação
do BCB
Comunicação
Interna e
externa
5 Centralidade da Gestão
Utilização Atual “elemento vivo”
6 Próximos passos
Utilização futura, desafios e dicas
Transformar a
cultura de uma
gestão somente
hierárquica para
uma gestão também
por processos
Manter a Cadeia de
Valor sempre
atualizada e ao
mesmo tempo estável
em algum nível
6 Próximos passos
Utilização futura, desafios
Exemplos:
 Discutir pontos fortes e pontos de melhorias,
 PAC – Plano Anual de Capcitação,
 PDTI – Plano Diretor de TI,
 Analisar prioridades e indicadores,
 Envolver outras unidades no desenho ou redesenho de processos,
 Criar atividades de integração entre unidades, etc...
6 Próximos passos
Utilização futura, desafios e dicas
Garantir a
confiabilidade das
informações
constantes na Cadeia
de Valor
Informar
constantemente as
alterações para os
parceiros que
utilizam
internamente
Manter a lógica de
agregação de valor e
a proporcionalidade
dos níveis
6 Próximos passos
Utilização futura, desafios
CADEIA
DE
VALOR
Gestão da
Informação
Estratégia
Classificação
de
documentos
Desempenho
Competências
Normativos e
Manuais
Conhecimento
organizacional
Auditoria
Comunicação
Custos e FTE
Treinamento e
desenvolvimento
Projetos
Riscos
Estrutura
Organizacional
6 Próximos passos
Utilização futura, desafios
Obrigada!!!
Ana Virginia
ana.virginia@bcb.gov.br
(61) 3414-2295

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Como e Quando Montar a sua Cadeia de Valor
Como e Quando Montar a sua Cadeia de ValorComo e Quando Montar a sua Cadeia de Valor
Como e Quando Montar a sua Cadeia de Valor
EloGroup
 
Gestão por processos
Gestão por processosGestão por processos
Gestão por processos
Coelho Assessoria
 
KPI Indicadores de Desempenho Financeiro
KPI Indicadores de Desempenho FinanceiroKPI Indicadores de Desempenho Financeiro
KPI Indicadores de Desempenho Financeiro
Luciano Morato
 
BPM: Conceitos de Gestão de Processos de Negócios
BPM: Conceitos de Gestão de Processos de NegóciosBPM: Conceitos de Gestão de Processos de Negócios
BPM: Conceitos de Gestão de Processos de Negócios
Sergio Sorrentino Moraes
 
Mapeamento de Processos
Mapeamento de ProcessosMapeamento de Processos
Mapeamento de Processos
Templum Consultoria Online
 
Gestao por Processos
Gestao por ProcessosGestao por Processos
Gestao por Processos
Adeildo Caboclo
 
Gerencia projeto e pmo
Gerencia projeto e pmoGerencia projeto e pmo
Gerencia projeto e pmo
Eduardo Castro
 
Gestão de Documentos - Metodologia Documentar
Gestão de Documentos - Metodologia DocumentarGestão de Documentos - Metodologia Documentar
Gestão de Documentos - Metodologia Documentar
Documentar Tecnologia e Informação
 
Estrutura organizacional
Estrutura organizacionalEstrutura organizacional
Estrutura organizacional
Letícia Vilela de Aquino
 
Gestão de Projetos - Prof. João Frederico Gonzales
Gestão de Projetos - Prof. João Frederico GonzalesGestão de Projetos - Prof. João Frederico Gonzales
Gestão de Projetos - Prof. João Frederico Gonzales
Marcus Vinícius Godinho, MBA BPM
 
[Palestra] Gestão de Processos
[Palestra] Gestão de Processos[Palestra] Gestão de Processos
[Palestra] Gestão de Processos
Alessandro Almeida
 
Gestao De Projetos
Gestao De ProjetosGestao De Projetos
Elo Group Repensando O Papel Da GestãO De Processos (Webinar)
Elo Group   Repensando O Papel Da GestãO De Processos (Webinar)Elo Group   Repensando O Papel Da GestãO De Processos (Webinar)
Elo Group Repensando O Papel Da GestãO De Processos (Webinar)
EloGroup
 
Planeamento e gestão orçamental
Planeamento e gestão orçamentalPlaneamento e gestão orçamental
Planeamento e gestão orçamental
Leonel Boano
 
Lições aprendidas em Projetos
Lições aprendidas em ProjetosLições aprendidas em Projetos
Lições aprendidas em Projetos
Ernani Marques, MBA, PRINCE2, PgMP/PMP, CBAP
 
Aula Pronta - Gerenciamento de Projetos
Aula Pronta - Gerenciamento de ProjetosAula Pronta - Gerenciamento de Projetos
Aula Pronta - Gerenciamento de Projetos
AyslanAnholon
 
Project Model Canvas (PM Canvas)
Project Model Canvas (PM Canvas)Project Model Canvas (PM Canvas)
Project Model Canvas (PM Canvas)
Evandro Paes
 
Gestão da qualidade
Gestão da qualidadeGestão da qualidade
Gestão da qualidade
Alexandre Porto Araujo
 
Business Consultoria - Apresentação Case Modelo de Gestão Paraná Júnior 2010 ...
Business Consultoria - Apresentação Case Modelo de Gestão Paraná Júnior 2010 ...Business Consultoria - Apresentação Case Modelo de Gestão Paraná Júnior 2010 ...
Business Consultoria - Apresentação Case Modelo de Gestão Paraná Júnior 2010 ...
Felipe Torres Sahão
 
Criação e gestão de indicadores processo - 2a parte
Criação e gestão de indicadores processo - 2a parte Criação e gestão de indicadores processo - 2a parte
Criação e gestão de indicadores processo - 2a parte
Stratec Informática
 

Mais procurados (20)

Como e Quando Montar a sua Cadeia de Valor
Como e Quando Montar a sua Cadeia de ValorComo e Quando Montar a sua Cadeia de Valor
Como e Quando Montar a sua Cadeia de Valor
 
Gestão por processos
Gestão por processosGestão por processos
Gestão por processos
 
KPI Indicadores de Desempenho Financeiro
KPI Indicadores de Desempenho FinanceiroKPI Indicadores de Desempenho Financeiro
KPI Indicadores de Desempenho Financeiro
 
BPM: Conceitos de Gestão de Processos de Negócios
BPM: Conceitos de Gestão de Processos de NegóciosBPM: Conceitos de Gestão de Processos de Negócios
BPM: Conceitos de Gestão de Processos de Negócios
 
Mapeamento de Processos
Mapeamento de ProcessosMapeamento de Processos
Mapeamento de Processos
 
Gestao por Processos
Gestao por ProcessosGestao por Processos
Gestao por Processos
 
Gerencia projeto e pmo
Gerencia projeto e pmoGerencia projeto e pmo
Gerencia projeto e pmo
 
Gestão de Documentos - Metodologia Documentar
Gestão de Documentos - Metodologia DocumentarGestão de Documentos - Metodologia Documentar
Gestão de Documentos - Metodologia Documentar
 
Estrutura organizacional
Estrutura organizacionalEstrutura organizacional
Estrutura organizacional
 
Gestão de Projetos - Prof. João Frederico Gonzales
Gestão de Projetos - Prof. João Frederico GonzalesGestão de Projetos - Prof. João Frederico Gonzales
Gestão de Projetos - Prof. João Frederico Gonzales
 
[Palestra] Gestão de Processos
[Palestra] Gestão de Processos[Palestra] Gestão de Processos
[Palestra] Gestão de Processos
 
Gestao De Projetos
Gestao De ProjetosGestao De Projetos
Gestao De Projetos
 
Elo Group Repensando O Papel Da GestãO De Processos (Webinar)
Elo Group   Repensando O Papel Da GestãO De Processos (Webinar)Elo Group   Repensando O Papel Da GestãO De Processos (Webinar)
Elo Group Repensando O Papel Da GestãO De Processos (Webinar)
 
Planeamento e gestão orçamental
Planeamento e gestão orçamentalPlaneamento e gestão orçamental
Planeamento e gestão orçamental
 
Lições aprendidas em Projetos
Lições aprendidas em ProjetosLições aprendidas em Projetos
Lições aprendidas em Projetos
 
Aula Pronta - Gerenciamento de Projetos
Aula Pronta - Gerenciamento de ProjetosAula Pronta - Gerenciamento de Projetos
Aula Pronta - Gerenciamento de Projetos
 
Project Model Canvas (PM Canvas)
Project Model Canvas (PM Canvas)Project Model Canvas (PM Canvas)
Project Model Canvas (PM Canvas)
 
Gestão da qualidade
Gestão da qualidadeGestão da qualidade
Gestão da qualidade
 
Business Consultoria - Apresentação Case Modelo de Gestão Paraná Júnior 2010 ...
Business Consultoria - Apresentação Case Modelo de Gestão Paraná Júnior 2010 ...Business Consultoria - Apresentação Case Modelo de Gestão Paraná Júnior 2010 ...
Business Consultoria - Apresentação Case Modelo de Gestão Paraná Júnior 2010 ...
 
Criação e gestão de indicadores processo - 2a parte
Criação e gestão de indicadores processo - 2a parte Criação e gestão de indicadores processo - 2a parte
Criação e gestão de indicadores processo - 2a parte
 

Semelhante a BACEN - A cadeia de valor como elemento de centralidade da gestão

8 bsc
8 bsc8 bsc
8 bsc
musicum
 
Cban comite 03
Cban comite 03Cban comite 03
Cban comite 03
Giana Araujo
 
Gestão administrativa de pessoal
Gestão administrativa de pessoalGestão administrativa de pessoal
Gestão administrativa de pessoal
Rodrigo Cristóvão
 
Gestao projetos luis_marques_24_ec_finalizado_ead
Gestao projetos luis_marques_24_ec_finalizado_eadGestao projetos luis_marques_24_ec_finalizado_ead
Gestao projetos luis_marques_24_ec_finalizado_ead
Suemi Iarussi
 
[BPM Congress GP 2012] Como e Quando Montar a sua Cadeia de Valor
[BPM Congress GP 2012] Como e Quando Montar a sua Cadeia de Valor[BPM Congress GP 2012] Como e Quando Montar a sua Cadeia de Valor
[BPM Congress GP 2012] Como e Quando Montar a sua Cadeia de Valor
EloGroup
 
BPM Day SP - 2016 - Conhecimento sobre bpm gerando evolução na gestão por pro...
BPM Day SP - 2016 - Conhecimento sobre bpm gerando evolução na gestão por pro...BPM Day SP - 2016 - Conhecimento sobre bpm gerando evolução na gestão por pro...
BPM Day SP - 2016 - Conhecimento sobre bpm gerando evolução na gestão por pro...
Lecom Tecnologia
 
Ebook controles internos - Instituições Financeiras
Ebook controles internos - Instituições FinanceirasEbook controles internos - Instituições Financeiras
Ebook controles internos - Instituições Financeiras
LaraMorais20
 
Fortalecimento da Rede BVS Brasil – Plano Ação 2021 - I reunião
Fortalecimento da Rede BVS Brasil – Plano Ação 2021 - I reuniãoFortalecimento da Rede BVS Brasil – Plano Ação 2021 - I reunião
Fortalecimento da Rede BVS Brasil – Plano Ação 2021 - I reunião
http://bvsalud.org/
 
Gerenciamento de Processos de Negócios - Cap 2 CBoK-V3(pt)
Gerenciamento de Processos de Negócios - Cap 2 CBoK-V3(pt)Gerenciamento de Processos de Negócios - Cap 2 CBoK-V3(pt)
Gerenciamento de Processos de Negócios - Cap 2 CBoK-V3(pt)
Jorge Ramalho
 
Encontros CBOK 2017 - BA capítulo 2
Encontros CBOK 2017 - BA capítulo 2Encontros CBOK 2017 - BA capítulo 2
Encontros CBOK 2017 - BA capítulo 2
Jorge Ramalho
 
Apresentação CBAN GT 07 - out 2012
Apresentação CBAN GT 07 - out 2012Apresentação CBAN GT 07 - out 2012
Apresentação CBAN GT 07 - out 2012
Giana Araujo
 
Balanced Scorecard
Balanced ScorecardBalanced Scorecard
Balanced Scorecard
Marcus Vinícius
 
COBIT - Control Objectives for Information and related Technology
COBIT - Control Objectives for Information and related TechnologyCOBIT - Control Objectives for Information and related Technology
COBIT - Control Objectives for Information and related Technology
Deroci Nonato Júnior
 
vitoriadaconquista-gp2-pmo-olinadgroupco
vitoriadaconquista-gp2-pmo-olinadgroupcovitoriadaconquista-gp2-pmo-olinadgroupco
vitoriadaconquista-gp2-pmo-olinadgroupco
Marco Coghi
 
A importância da Qualificação de Pessoas para uma Boa Governança de TI
A importância da Qualificação de Pessoas para uma Boa Governança de TIA importância da Qualificação de Pessoas para uma Boa Governança de TI
A importância da Qualificação de Pessoas para uma Boa Governança de TI
Blue Hawk - B&IT Management
 
CHECK LIST DE AUDITORIA ISO 9001_2015.pdf
CHECK LIST DE AUDITORIA ISO 9001_2015.pdfCHECK LIST DE AUDITORIA ISO 9001_2015.pdf
CHECK LIST DE AUDITORIA ISO 9001_2015.pdf
tjoana
 
CAMP-2014
CAMP-2014CAMP-2014
CAMP-2014
Marco Coghi
 
Estruturando um modelo de gestão de competências utilizando a ISO 10.015
Estruturando um modelo de gestão de competências utilizando a ISO 10.015Estruturando um modelo de gestão de competências utilizando a ISO 10.015
Estruturando um modelo de gestão de competências utilizando a ISO 10.015
Claudemir Oribe
 
Catálogo de serviços das unidades de gestão e mercado da CNI
Catálogo de serviços das unidades de gestão e mercado da CNICatálogo de serviços das unidades de gestão e mercado da CNI
Catálogo de serviços das unidades de gestão e mercado da CNI
Gestão Pública: Pensando Diferente
 
CNI - Catálogo de serviços das unidades de gestão e mercado
CNI - Catálogo de serviços das unidades de gestão e mercadoCNI - Catálogo de serviços das unidades de gestão e mercado
CNI - Catálogo de serviços das unidades de gestão e mercado
EloGroup
 

Semelhante a BACEN - A cadeia de valor como elemento de centralidade da gestão (20)

8 bsc
8 bsc8 bsc
8 bsc
 
Cban comite 03
Cban comite 03Cban comite 03
Cban comite 03
 
Gestão administrativa de pessoal
Gestão administrativa de pessoalGestão administrativa de pessoal
Gestão administrativa de pessoal
 
Gestao projetos luis_marques_24_ec_finalizado_ead
Gestao projetos luis_marques_24_ec_finalizado_eadGestao projetos luis_marques_24_ec_finalizado_ead
Gestao projetos luis_marques_24_ec_finalizado_ead
 
[BPM Congress GP 2012] Como e Quando Montar a sua Cadeia de Valor
[BPM Congress GP 2012] Como e Quando Montar a sua Cadeia de Valor[BPM Congress GP 2012] Como e Quando Montar a sua Cadeia de Valor
[BPM Congress GP 2012] Como e Quando Montar a sua Cadeia de Valor
 
BPM Day SP - 2016 - Conhecimento sobre bpm gerando evolução na gestão por pro...
BPM Day SP - 2016 - Conhecimento sobre bpm gerando evolução na gestão por pro...BPM Day SP - 2016 - Conhecimento sobre bpm gerando evolução na gestão por pro...
BPM Day SP - 2016 - Conhecimento sobre bpm gerando evolução na gestão por pro...
 
Ebook controles internos - Instituições Financeiras
Ebook controles internos - Instituições FinanceirasEbook controles internos - Instituições Financeiras
Ebook controles internos - Instituições Financeiras
 
Fortalecimento da Rede BVS Brasil – Plano Ação 2021 - I reunião
Fortalecimento da Rede BVS Brasil – Plano Ação 2021 - I reuniãoFortalecimento da Rede BVS Brasil – Plano Ação 2021 - I reunião
Fortalecimento da Rede BVS Brasil – Plano Ação 2021 - I reunião
 
Gerenciamento de Processos de Negócios - Cap 2 CBoK-V3(pt)
Gerenciamento de Processos de Negócios - Cap 2 CBoK-V3(pt)Gerenciamento de Processos de Negócios - Cap 2 CBoK-V3(pt)
Gerenciamento de Processos de Negócios - Cap 2 CBoK-V3(pt)
 
Encontros CBOK 2017 - BA capítulo 2
Encontros CBOK 2017 - BA capítulo 2Encontros CBOK 2017 - BA capítulo 2
Encontros CBOK 2017 - BA capítulo 2
 
Apresentação CBAN GT 07 - out 2012
Apresentação CBAN GT 07 - out 2012Apresentação CBAN GT 07 - out 2012
Apresentação CBAN GT 07 - out 2012
 
Balanced Scorecard
Balanced ScorecardBalanced Scorecard
Balanced Scorecard
 
COBIT - Control Objectives for Information and related Technology
COBIT - Control Objectives for Information and related TechnologyCOBIT - Control Objectives for Information and related Technology
COBIT - Control Objectives for Information and related Technology
 
vitoriadaconquista-gp2-pmo-olinadgroupco
vitoriadaconquista-gp2-pmo-olinadgroupcovitoriadaconquista-gp2-pmo-olinadgroupco
vitoriadaconquista-gp2-pmo-olinadgroupco
 
A importância da Qualificação de Pessoas para uma Boa Governança de TI
A importância da Qualificação de Pessoas para uma Boa Governança de TIA importância da Qualificação de Pessoas para uma Boa Governança de TI
A importância da Qualificação de Pessoas para uma Boa Governança de TI
 
CHECK LIST DE AUDITORIA ISO 9001_2015.pdf
CHECK LIST DE AUDITORIA ISO 9001_2015.pdfCHECK LIST DE AUDITORIA ISO 9001_2015.pdf
CHECK LIST DE AUDITORIA ISO 9001_2015.pdf
 
CAMP-2014
CAMP-2014CAMP-2014
CAMP-2014
 
Estruturando um modelo de gestão de competências utilizando a ISO 10.015
Estruturando um modelo de gestão de competências utilizando a ISO 10.015Estruturando um modelo de gestão de competências utilizando a ISO 10.015
Estruturando um modelo de gestão de competências utilizando a ISO 10.015
 
Catálogo de serviços das unidades de gestão e mercado da CNI
Catálogo de serviços das unidades de gestão e mercado da CNICatálogo de serviços das unidades de gestão e mercado da CNI
Catálogo de serviços das unidades de gestão e mercado da CNI
 
CNI - Catálogo de serviços das unidades de gestão e mercado
CNI - Catálogo de serviços das unidades de gestão e mercadoCNI - Catálogo de serviços das unidades de gestão e mercado
CNI - Catálogo de serviços das unidades de gestão e mercado
 

Mais de EloGroup

Modelos de Excelência Operacional: Boas práticas para implantação de uma cult...
Modelos de Excelência Operacional: Boas práticas para implantação de uma cult...Modelos de Excelência Operacional: Boas práticas para implantação de uma cult...
Modelos de Excelência Operacional: Boas práticas para implantação de uma cult...
EloGroup
 
Como otimizar despesas corporativas e implementar uma cultura de produtividad...
Como otimizar despesas corporativas e implementar uma cultura de produtividad...Como otimizar despesas corporativas e implementar uma cultura de produtividad...
Como otimizar despesas corporativas e implementar uma cultura de produtividad...
EloGroup
 
Corporate Venture: como as grandes empresas estão colaborando com as startups...
Corporate Venture: como as grandes empresas estão colaborando com as startups...Corporate Venture: como as grandes empresas estão colaborando com as startups...
Corporate Venture: como as grandes empresas estão colaborando com as startups...
EloGroup
 
Fluxos Lúdicos: Representando processos com foco no usuário
Fluxos Lúdicos: Representando processos com foco no usuárioFluxos Lúdicos: Representando processos com foco no usuário
Fluxos Lúdicos: Representando processos com foco no usuário
EloGroup
 
BPM DAY Campinas - Palestra com Ricardo Gonçalves
BPM DAY Campinas - Palestra com Ricardo GonçalvesBPM DAY Campinas - Palestra com Ricardo Gonçalves
BPM DAY Campinas - Palestra com Ricardo Gonçalves
EloGroup
 
Template - Ficha do Indicador
Template - Ficha do IndicadorTemplate - Ficha do Indicador
Template - Ficha do Indicador
EloGroup
 
Template - Diagrama de Escopo
Template - Diagrama de EscopoTemplate - Diagrama de Escopo
Template - Diagrama de Escopo
EloGroup
 
BPM Day Curitiba - Palestra de Inovação e BPM palestra com Lucas Sales
BPM Day Curitiba - Palestra de Inovação e BPM palestra com Lucas SalesBPM Day Curitiba - Palestra de Inovação e BPM palestra com Lucas Sales
BPM Day Curitiba - Palestra de Inovação e BPM palestra com Lucas Sales
EloGroup
 
EloGroup BPT - Ebook Business Process Transformation
EloGroup BPT - Ebook Business Process Transformation EloGroup BPT - Ebook Business Process Transformation
EloGroup BPT - Ebook Business Process Transformation
EloGroup
 
WEBINAR BPT EloGroup 30/09/2016 - Business Process Transformation
WEBINAR BPT EloGroup 30/09/2016 - Business Process TransformationWEBINAR BPT EloGroup 30/09/2016 - Business Process Transformation
WEBINAR BPT EloGroup 30/09/2016 - Business Process Transformation
EloGroup
 
Integrando BPM na Agenda de Inovação da Empresa - Rafael Clemente
Integrando BPM na Agenda de Inovação da Empresa - Rafael ClementeIntegrando BPM na Agenda de Inovação da Empresa - Rafael Clemente
Integrando BPM na Agenda de Inovação da Empresa - Rafael Clemente
EloGroup
 
Palestra BH BPM 12/Julho - BPM como alternativa para transformações organizac...
Palestra BH BPM 12/Julho - BPM como alternativa para transformações organizac...Palestra BH BPM 12/Julho - BPM como alternativa para transformações organizac...
Palestra BH BPM 12/Julho - BPM como alternativa para transformações organizac...
EloGroup
 
3º Edição - Direto ao Ponto - eSocial
3º Edição - Direto ao Ponto - eSocial3º Edição - Direto ao Ponto - eSocial
3º Edição - Direto ao Ponto - eSocial
EloGroup
 
"Direto ao Ponto - eSocial"
"Direto ao Ponto - eSocial""Direto ao Ponto - eSocial"
"Direto ao Ponto - eSocial"
EloGroup
 
Direto ao Ponto eSocial: Notícias e Principais Informações sobre o impacto do...
Direto ao Ponto eSocial: Notícias e Principais Informações sobre o impacto do...Direto ao Ponto eSocial: Notícias e Principais Informações sobre o impacto do...
Direto ao Ponto eSocial: Notícias e Principais Informações sobre o impacto do...
EloGroup
 
Como viabilizar a adequação dos processos ao eSocial
Como viabilizar a adequação dos processos ao eSocialComo viabilizar a adequação dos processos ao eSocial
Como viabilizar a adequação dos processos ao eSocial
EloGroup
 
Artigo EloGroup: Como viabilizar a adequação dos processos ao eSocial?
Artigo EloGroup: Como viabilizar a adequação dos processos ao eSocial? Artigo EloGroup: Como viabilizar a adequação dos processos ao eSocial?
Artigo EloGroup: Como viabilizar a adequação dos processos ao eSocial?
EloGroup
 
Café da manhã ciclo de gestão de serviços públicos
Café da manhã ciclo de gestão de serviços públicosCafé da manhã ciclo de gestão de serviços públicos
Café da manhã ciclo de gestão de serviços públicos
EloGroup
 
Da Melhoria Contínua para Grandes Transformações (Ricardo Ávila – EloGroup)
Da Melhoria Contínua para Grandes Transformações (Ricardo Ávila – EloGroup)Da Melhoria Contínua para Grandes Transformações (Ricardo Ávila – EloGroup)
Da Melhoria Contínua para Grandes Transformações (Ricardo Ávila – EloGroup)
EloGroup
 
Como implantar transformações organizacionais a partir de uma plataforma de B...
Como implantar transformações organizacionais a partir de uma plataforma de B...Como implantar transformações organizacionais a partir de uma plataforma de B...
Como implantar transformações organizacionais a partir de uma plataforma de B...
EloGroup
 

Mais de EloGroup (20)

Modelos de Excelência Operacional: Boas práticas para implantação de uma cult...
Modelos de Excelência Operacional: Boas práticas para implantação de uma cult...Modelos de Excelência Operacional: Boas práticas para implantação de uma cult...
Modelos de Excelência Operacional: Boas práticas para implantação de uma cult...
 
Como otimizar despesas corporativas e implementar uma cultura de produtividad...
Como otimizar despesas corporativas e implementar uma cultura de produtividad...Como otimizar despesas corporativas e implementar uma cultura de produtividad...
Como otimizar despesas corporativas e implementar uma cultura de produtividad...
 
Corporate Venture: como as grandes empresas estão colaborando com as startups...
Corporate Venture: como as grandes empresas estão colaborando com as startups...Corporate Venture: como as grandes empresas estão colaborando com as startups...
Corporate Venture: como as grandes empresas estão colaborando com as startups...
 
Fluxos Lúdicos: Representando processos com foco no usuário
Fluxos Lúdicos: Representando processos com foco no usuárioFluxos Lúdicos: Representando processos com foco no usuário
Fluxos Lúdicos: Representando processos com foco no usuário
 
BPM DAY Campinas - Palestra com Ricardo Gonçalves
BPM DAY Campinas - Palestra com Ricardo GonçalvesBPM DAY Campinas - Palestra com Ricardo Gonçalves
BPM DAY Campinas - Palestra com Ricardo Gonçalves
 
Template - Ficha do Indicador
Template - Ficha do IndicadorTemplate - Ficha do Indicador
Template - Ficha do Indicador
 
Template - Diagrama de Escopo
Template - Diagrama de EscopoTemplate - Diagrama de Escopo
Template - Diagrama de Escopo
 
BPM Day Curitiba - Palestra de Inovação e BPM palestra com Lucas Sales
BPM Day Curitiba - Palestra de Inovação e BPM palestra com Lucas SalesBPM Day Curitiba - Palestra de Inovação e BPM palestra com Lucas Sales
BPM Day Curitiba - Palestra de Inovação e BPM palestra com Lucas Sales
 
EloGroup BPT - Ebook Business Process Transformation
EloGroup BPT - Ebook Business Process Transformation EloGroup BPT - Ebook Business Process Transformation
EloGroup BPT - Ebook Business Process Transformation
 
WEBINAR BPT EloGroup 30/09/2016 - Business Process Transformation
WEBINAR BPT EloGroup 30/09/2016 - Business Process TransformationWEBINAR BPT EloGroup 30/09/2016 - Business Process Transformation
WEBINAR BPT EloGroup 30/09/2016 - Business Process Transformation
 
Integrando BPM na Agenda de Inovação da Empresa - Rafael Clemente
Integrando BPM na Agenda de Inovação da Empresa - Rafael ClementeIntegrando BPM na Agenda de Inovação da Empresa - Rafael Clemente
Integrando BPM na Agenda de Inovação da Empresa - Rafael Clemente
 
Palestra BH BPM 12/Julho - BPM como alternativa para transformações organizac...
Palestra BH BPM 12/Julho - BPM como alternativa para transformações organizac...Palestra BH BPM 12/Julho - BPM como alternativa para transformações organizac...
Palestra BH BPM 12/Julho - BPM como alternativa para transformações organizac...
 
3º Edição - Direto ao Ponto - eSocial
3º Edição - Direto ao Ponto - eSocial3º Edição - Direto ao Ponto - eSocial
3º Edição - Direto ao Ponto - eSocial
 
"Direto ao Ponto - eSocial"
"Direto ao Ponto - eSocial""Direto ao Ponto - eSocial"
"Direto ao Ponto - eSocial"
 
Direto ao Ponto eSocial: Notícias e Principais Informações sobre o impacto do...
Direto ao Ponto eSocial: Notícias e Principais Informações sobre o impacto do...Direto ao Ponto eSocial: Notícias e Principais Informações sobre o impacto do...
Direto ao Ponto eSocial: Notícias e Principais Informações sobre o impacto do...
 
Como viabilizar a adequação dos processos ao eSocial
Como viabilizar a adequação dos processos ao eSocialComo viabilizar a adequação dos processos ao eSocial
Como viabilizar a adequação dos processos ao eSocial
 
Artigo EloGroup: Como viabilizar a adequação dos processos ao eSocial?
Artigo EloGroup: Como viabilizar a adequação dos processos ao eSocial? Artigo EloGroup: Como viabilizar a adequação dos processos ao eSocial?
Artigo EloGroup: Como viabilizar a adequação dos processos ao eSocial?
 
Café da manhã ciclo de gestão de serviços públicos
Café da manhã ciclo de gestão de serviços públicosCafé da manhã ciclo de gestão de serviços públicos
Café da manhã ciclo de gestão de serviços públicos
 
Da Melhoria Contínua para Grandes Transformações (Ricardo Ávila – EloGroup)
Da Melhoria Contínua para Grandes Transformações (Ricardo Ávila – EloGroup)Da Melhoria Contínua para Grandes Transformações (Ricardo Ávila – EloGroup)
Da Melhoria Contínua para Grandes Transformações (Ricardo Ávila – EloGroup)
 
Como implantar transformações organizacionais a partir de uma plataforma de B...
Como implantar transformações organizacionais a partir de uma plataforma de B...Como implantar transformações organizacionais a partir de uma plataforma de B...
Como implantar transformações organizacionais a partir de uma plataforma de B...
 

BACEN - A cadeia de valor como elemento de centralidade da gestão

  • 1. CADEIA DE VALOR COMO ELEMENTO DE CENTRALIDADE DA GESTÃO Outubro 2015
  • 2. 1 543 6 Cadeia de Valor BCB & Equipe Metodologia A Cadeia de Valor Governança Centralidade da Gestão Próximos Passos Estrutura A experiência do BCB, métodos e técnicas Os processos Gestão da CV Utilização futura e desafios Utilização atual “elemento vivo” 2
  • 3. 1 Banco Central do Brasil Estrutura
  • 4. A Experiência com o processo de validação da Cadeia de Valor do BCB. A governança da Cadeia de Valor do BCB. Como transformar a Cadeia de Valor de apenas uma figura estática para um elemento “vivo” - usabilidade. Os desafios para transformar a cultura de uma gestão somente hierárquica para uma gestão também por processos. EXPERIÊNCIA 1 Banco Central do Brasil Estrutura
  • 5. MISSÃO Assegurar a estabilidade do poder de compra da moeda e um sistema financeiro sólido e eficiente. 1 Banco Central do Brasil Estrutura
  • 6. O BCB TEM POR FINALIDADE:  A formulação, a execução, o acompanhamento e o controle das políticas monetária, cambial, de crédito e de relações financeiras com o exterior  A organização, disciplina e fiscalização do Sistema Financeiro Nacional (SFN) e do Sistema de Consórcio  A gestão do Sistema de Pagamentos Brasileiro (SPB) e dos serviços do meio circulante 1 Banco Central do Brasil Estrutura
  • 7. OBJETIVOS ESTRATÉGICOS 2010- 2015 1. Assegurar o cumprimento das metas de inflação estabelecidas pelo Conselho Monetário Nacional; 2. Assegurar a solidez e o regular funcionamento do Sistema Financeiro Nacional; 3. Promover a eficiência do Sistema Financeiro Nacional e a inclusão financeira da população; 4. Assegurar o suprimento de numerário adequado às necessidades da sociedade; 5. Aprimorar o marco regulatório para o cumprimento da missão institucional; 6. Promover melhorias na comunicação e no relacionamento com os públicos interno e externo; 7. Aprimorar a governança, a estrutura e a gestão da Instituição; 8. Fortalecer a inserção internacional da Instituição. 1 Banco Central do Brasil
  • 8. BCB EM NÚMEROS 3469 611 182 QUADRO FUNCIONAL Analistas Técnicos Procuradores Presente em 10 Cidades: 1. Brasília 2. São Paulo 3. Rio de Janeiro 4. Belo Horizonte 5. Curitiba 6. Porto Alegre 7. Belém 8. Fortaleza 9. Salvador 10. Recife Total: 4262 1 Banco Central do Brasil Estrutura
  • 9. Escritório de Soluções em Organização Administrativa e Processos de Trabalho – ESORG 6 servidores DEPOG DEPOG ESPRO ESPLA ESORG ESCOM GEPRO GESOR Departamento de Planejamento, Orçamento e Gestão - Depog 48 servidores 1 Banco Central do Brasil Estrutura
  • 10. 2 Cadeia de Valor Processos
  • 11. Cadeia de Valor em números 7 Processos de 1º nível 32 Processos de 2º nível 244 Processos de 3º nível 2 Cadeia de Valor Processos
  • 15. 3 Metodologia A experiência do BCB, método e técnicas
  • 16. 3 Metodologia A experiência do BCB, métodos e técnicas CADEIA DE VALOR A Cadeia de Valor é expressa na forma de um diagrama que contém a arquitetura de processos do BCB Explicita os valores entregues à sociedade, numa sequência lógica de agregação e de entrega de resultados, permitindo visualizar o cumprimento da missão institucional. A Cadeia de Valor do BCB é o conjunto de processos de trabalho, hierarquizados e logicamente relacionados, e de seus produtos, por meio dos quais a organização busca alcançar seus resultados e entregar valor para o cliente.
  • 17. CADEIA DE VALOR É um meio de organizar as ações do BCB para prestar informações à sociedade, aos órgãos de controle e a outros públicos de interesse de forma Permite visualizar a contribuição de cada unidade para o cumprimento da missão institucional. Ao representar de forma concisa todos os esforços do BCB, o diagrama da Cadeia de Valor torna-se um valioso instrumento de comunicação interna e externa. Serve como elemento de centralidade da gestão do BCB, com linguagem única dos processos do Banco. (Gestão de riscos, estratégia, capacitação, etc...) 3 Metodologia A experiência do BCB, métodos e técnicas
  • 18. • Identificação da Cadeia de Processos • Desenho do mapa de relacionamento • Identificação de produtos operacionais Versão inicial (consultoria) • Identificação dos Macroprocessos • Identificação dos Processos • Identificação de Subprocessos e atividades nos processos de modelagem Estudo da Missão do BCB, Base legal, Funções Versões posteriores Equipe BCB A G R E G A Ç Ã O • Identificação dos macroprodutos • Desdobramento em produtos entregáveis • Desdobramento em produtos operacionais 3 Metodologia A experiência do BCB, métodos e técnicas D E S D O B R A M E N T O
  • 19. Banqueiro do Governo Monopólio da emissão de moeda Banco dos Bancos Executor da Política Cambial Executor da Política Monetária Regulador e supervisor do SF Funções Legais Macroprodutos Estabilidade do Poder de Compra da Moeda assegurada SFN sólido e eficiente assegurado Demandas do Governo e Sociedade atendidas Infraestrutura financeira provida IdentificaçãodosMacroprodutos 3 Metodologia A experiência do BCB, métodos e técnicas
  • 20. Macroprodutos Estabilidade do Poder de Compra da Moeda assegurada SFN sólido e eficiente assegurado Demandas do Governo e Sociedade atendidas Infraestrutura financeira provida IdentificaçãodosClientes Estado/Governo Sociedade/Cidadão Entidades Supervisionadas do Sistema Financeiro 3 Metodologia A experiência do BCB, métodos e técnicas
  • 21. Como foi construída a versão atual da Cadeia de Valor e quem participou? Cadeia de Valor atualizada 350 servidores (5 níveis hierárquicos + Diretoria Colegiada) + 130 reuniões Método Especialista da Unidade, Chefe de Subunidade, Chefe Adjunto, Chefe de Unidade, Chefe de Gabinete de Diretor, Diretoria Colegiada 3 Metodologia A experiência do BCB, métodos e técnicas
  • 22. AÇÃO NOMENCLATURA RESULTADO NÍVEL DE GESTÃO Processo de 1º nível Macroprocesso Macroproduto Estratégico Processo de 2º nível Processo Produto Entregável Estratégico/ Tático Processo de 3º nível Subprocesso Produto Final Tático/ Operacional Processo de 4º nível Processo de 5º nível Atividade Tarefa Produto Intermediário Operacional Arquitetura da Cadeia de Valor 3 Metodologia A experiência do BCB, métodos e técnicas
  • 23. 3 Metodologia A experiência do BCB, métodos e técnicas
  • 24. 3 Metodologia A experiência do BCB, métodos e técnicas
  • 25. CADEIA DE VALOR – MÉTODO DE AVALIAÇÃO E VALIDAÇÃO Validação pelo ESPECIALISTA Validado pelas SUBUNIDADES Validado pelo DEPARTAMENTO Validado pela DIRETORIA PUBLICADOVERSÃO ATUAL 3 Metodologia A experiência do BCB, métodos e técnicas
  • 26. Experiência da Terceira Atualização da Cadeia de Valor 3 Metodologia A experiência do BCB, métodos e técnicas
  • 27. 3 Metodologia A experiência do BCB, métodos e técnicas Aproximadamente 100 dias de trabalho...
  • 28. Participação de 100% das Unidades do BCB (37) no processo de atualização 3 Metodologia A experiência do BCB, métodos e técnicas
  • 29. Redução de processos de 3º nível 2 Metodologia A experiência do BCB, métodos e técnicas 274 244 -11%
  • 30. 3 Metodologia A experiência do BCB, métodos e técnicas  Maior apropriação da Cadeia de Valor pelas Unidades e pelos processos de gestão do BCB.  Refinamento dos processos.
  • 32. 1º nível - Diretoria Colegiada 2º nível - Dirad + Diretores envolvidos 3º nível - Chefes de Unidade envolvidos + Diretores Envolvidos + Dirad 4º nível - unidades BCB + Depog 5º nível - gestão atribuída às Unidades do BCB A Cadeia de Valor do BCB possui até 5 níveis de processos, mas é representada graficamente só até o terceiro nível 4 Governança Gestão da C.V.
  • 33. 5 Centralidade da Gestão Utilização atual “elemento vivo”
  • 34. CADEIA DE VALOR Gestão da Informação Estratégia Classificação de documentos Desempenho Competências Normativos e Manuais Conhecimento organizacional Auditoria Comunicação Custos e FTE Treinamento e desenvolvimento Projetos Riscos Estrutura Organizacio nal 5 Centralidade da Gestão Utilização atual “elemento vivo”
  • 35. LEVANTAMENTO DAS CAPACIDADES ORGANIZACIONAIS A Cadeia de Valor do Banco Central do Brasil é uma hierarquia estruturada dos processos organizados para entregar resultados. Neste sentido, o levantamento e o entendimento do desempenho desses processos (em 1º e 2º níveis) constituem importante fonte de informação para a formulação estratégica e o seu desdobramento no âmbito das diversas áreas e unidades. Com base na Cadeia de Valor, cada unidade do BC avalia as capacidades organizacionais para realização dos seus processos, com a posterior validação pelo respectivo Diretor, Secretário- Executivo ou Procurador-Geral. Neste diagnóstico também são identificados os principais stakeholders externos, por macroproduto. O diagnóstico de levantamento das capacidades organizacionais é realizado para os processos de 2º nível da cadeia de valor identificando: • Pontos fortes: O que fazemos bem e somos reconhecidos por isso? • Pontos de melhoria: O que a organização não faz bem hoje, mas precisa fazer? Para cada ponto forte e de melhoria são identificadas também evidências que esclarecem o diagnóstico realizado. Este documento tem como objetivo descrever o método para realizar o levantamento das capacidades organizacionais Processos de 2º Nível Capacidades Organizacionais Stakeholders PONTOS FORTES O que fazemos bem e somos reconhecidos por isso? PONTOS DE MELHORIA O que a organização não faz bem hoje, mas precisa fazer? Evidências Evidências  Quais são as expectativas dos stakeholders em relação ao BCB?  Qual o valor que deveria ser entregue para cada grupo de stakeholders  Qual o valor entregue para cada grupo de stakeholders? Modelo Conceitual Macroprodutos
  • 36. PROJETO BC 2020 – CAPACIDADES ORGANIZACIONAIS “Nós temos a capacidade de...” QUANTIDADE DE PONTOS FORTES: O que fazemos bem e somos reconhecidos por isso? “Nós precisamos melhorar a capacidade de...” QUANTIDADE DE PONTOS DE MELHORIA: O que a organização não faz bem hoje, mas precisa fazer? 19 7 9 8 14’ 3 8 2 3 3 3 2 21 4 1 16 16 4 11 4 4 3 3 1 5 4 4 2 14 5 1 10 7 6 7 6 3 3 7 4 16 8 2 10 6 3 8 3 6 77 6 17 19 2 1 2 3 1 1
  • 37. Gestão de Riscos 5 Centralidade da Gestão Utilização atual “elemento vivo”
  • 38. 5 Centralidade da Gestão Utilização atual “elemento vivo”
  • 39. Organização das competências dos componentes das unidades BCB Organização da estrutura das unidades Outros Exemplos de Utilização da Cadeia de Valor Plano Anual de Capacitação Gestão da Informação do BCB Comunicação Interna e externa 5 Centralidade da Gestão Utilização Atual “elemento vivo”
  • 40. 6 Próximos passos Utilização futura, desafios e dicas
  • 41. Transformar a cultura de uma gestão somente hierárquica para uma gestão também por processos Manter a Cadeia de Valor sempre atualizada e ao mesmo tempo estável em algum nível 6 Próximos passos Utilização futura, desafios
  • 42. Exemplos:  Discutir pontos fortes e pontos de melhorias,  PAC – Plano Anual de Capcitação,  PDTI – Plano Diretor de TI,  Analisar prioridades e indicadores,  Envolver outras unidades no desenho ou redesenho de processos,  Criar atividades de integração entre unidades, etc... 6 Próximos passos Utilização futura, desafios e dicas
  • 43. Garantir a confiabilidade das informações constantes na Cadeia de Valor Informar constantemente as alterações para os parceiros que utilizam internamente Manter a lógica de agregação de valor e a proporcionalidade dos níveis 6 Próximos passos Utilização futura, desafios
  • 44. CADEIA DE VALOR Gestão da Informação Estratégia Classificação de documentos Desempenho Competências Normativos e Manuais Conhecimento organizacional Auditoria Comunicação Custos e FTE Treinamento e desenvolvimento Projetos Riscos Estrutura Organizacional 6 Próximos passos Utilização futura, desafios

Notas do Editor

  1. Esse slide fala do esforço para ATUALIZAÇÃO da cadeia de valor. Qual a metodologia utilizada para atualizar a cadeia? Foram aplicados formulários de pesquisa? Foram feitas entrevista? Quais os critérios utilizados para modificar a cadeia? Antes desse slide deveria ter outro pra abordar a metodologia de criação da cadeia de valor...o método construtivo.