SlideShare uma empresa Scribd logo
REALISMO – NATURALISMO –
       SIMBOLISMO

      Prof. Márcio Duarte
           FAIP/FAEF
1800          1850                     1900
                         1880


Romantismo
             Realismo
                        Naturalismo
                            Impressionismo
                                     Expressionismo
                                         Simbolismo
Segunda metade do século XIX

REALISMO
Origem
•   O realismo foi um movimento artístico e cultural que se desenvolveu na
    segunda metade do século XIX, surgido na França, e cuja influência se
    estendeu a numerosos países europeus.

•   A característica principal deste movimento foi a abordagem de temas
    sociais e um tratamento objetivo da realidade do ser humano.

•   Possuía um forte caráter ideológico, marcado por uma linguagem política
    e de denúncia dos problemas sociais como, por exemplo, miséria,
    pobreza, exploração, corrupção entre outros.

•   Com uma linguagem clara, os artistas e escritores realistas iam
    diretamente ao foco da questão, reagindo, desta forma, ao subjetivismo
    do romantismo. Uma das correntes do realismo foi o Naturalismo, onde a
    objetividade está presente, porém sem o conteúdo ideológico.
A angústia de um
operário em greve é o
tema de OnStrike (Em
Greve), 1891, óleo
sobre tela, famoso
quadro de Hubertvon
Herkomer, um dos
maiores nomes da
arte realista.
História do realismo na arte

• Esta corrente aparece no momento em que
  ocorrem as primeiras lutas sociais, sendo
  também objeto de ação contra o capitalismo
  progressivamente mais dominador.

• Das influências intelectuais que mais ajudaram
  no sucesso do Realismo denota-se a reação
  contra as excentricidades românticas e contra as
  suas falsas idealizações da paixão amorosa.
Comparação com o Romantismo
"O Bar do Folies-Bergère" de Édouard
            Manet (1882)
Características
• Retrato da sociedade e das suas relações sem
  idealização. Exclui-se da obra tudo o que vier da sorte,
  do acaso, do milagre. Tudo é regido por leis naturais.
• Cientificismo – uso de teorias científicas e filosóficas,
  como o determinismo, o evolucionismo, a psicologia, o
  positivismo.
• Linguagem simples e direta.
• Tempo da narrativa – preferencialmente o presente, o
  que faz com que a literatura sirva de denúncia dos
  aspectos sociais e políticos.
• Espaço urbano.
Características
• Personagens caricaturados das pessoas do dia-a-dia,
  retratando-se ou o aspecto psicológico ou o biológico
  desses.
• Preferência pela individualidade dos personagens.
• Romance documental.
• Observação direta e interpretação crítica da
  realidade.
• Objetividade.
• Análise psicológicas dos personagens.
• Materialismo.
• Crítica às instituições burguesas, à monarquia, a
  religiosidade, às crendices populares.
"O almoço sobre a relva", de Manet
The Uprising (1860), Honoré Daumier
Realismo na literatura

• Motivados pelas teorias científicas e filosóficas da
  época, os escritores realistas desejavam retratar o homem e a
  sociedade em sua totalidade. Não bastava mostrar a face sonhadora e
  idealizada da vida como fizeram os românticos; era preciso
  mostrar a face nunca antes revelada: a do cotidiano
    massacrante, do amor adúltero, da falsidade e do egoísmo humano, da
    impotência do homem comum diante dos poderosos.

•   Uma característica comum ao Realismo é o seu forte poder de
    crítica, porém sem subjetividade. Grandes escritores realistas descrevem
    o que está errado de forma natural. Em lugar do egocentrismo romântico,
    verifica-se um enorme interesse de descrever, analisar e até em criticar a
    realidade. Em lugar de fugir à realidade, os realistas procuram apontar
    falhas como forma de estimular a mudança das instituições
    e dos comportamentos humanos. Na Europa, o realismo teve
    início com a publicação do romance realista Madame Bovary (1857) de
    Gustave Flaubert.
Artistas do realismo
•   Édouard Manet
•   Gustave Courbet
•   Honoré Daumier
•   Jean-Baptiste Camille Corot
•   Jean-François Millet
•   Theódore Rousseau
O REALISMO
                               Gustave Coubert
                               (1819-1877) foi o grande
                               teorizador do realismo
                               pictórico. Com uma visão
                               socialista, pinta temas
                               sociais, paisagens
                               campestres, operários e
                               retratos.

A origem do mundo 1866.
Os Quebradores de Pedras – Courbet
Enterro em Ornans - Coubert
Auto-retrato – Gustave Coubert
Jean-François Millet (1814-1875)
                pinta cenas do trabalho rural


As respigadoras do trigo, 1857                   Angelus, 1859
Realismo no Brasil
• No Brasil, esse contexto se inicia em 1881, com Machado de
  Assis, que publica Memórias póstumas de Brás Cubas
  (primeiro romance realista do Brasil).

• Durante o período de passagem do Romantismo para o
  Realismo , o Brasil sofreu inúmeras mudanças na história
  econômica, política e social.

• O Realismo encontrou no Brasil uma realidade propícia para a
  ascensão da literatura, já que escritores como Castro Alves e
  José de Alencar haviam preparado o terreno.
Iniciou-se com a Escola de Barbizon (1880)

naturalismo
• O Naturalismo é a
  radicalização do Realismo.

• Iniciou-se com a Escola de
  Barbizon (1880) - essa nova
  escola literária baseava-se
  na observação fiel da
  realidade e na
  experiência, mostrando
  que o indivíduo é
  determinado pelo ambiente
  e pela hereditariedade.
Naturalismo na Literatura
• Os romances naturalistas se destacam pela
  abordagem extremamente aberta do sexo e
  pelo uso da linguagem falada. O resultado é
  um diálogo vivo e extraordinariamente
  verdadeiro, que na época foi considerado até
  chocante de tão inovador. Ao ler uma obra
  naturalista, tem-se a impressão de estar
  lendo uma obra contemporânea, que acabou
  de ser escrita.
Imagens do Naturalismo
J-B. Camille Corot, 1796-1875   A Ponte de Nantes
NATURALISMO
Os progressos da vida
citadina no séc. XIX
levaram à laicização do
pensamento, a um maior
racionalismo e
pragmatismo.

Na ciência, surge o
positivismo e o cientismo.

Os artistas aumentaram o
interesse pela vida real e
condenaram o rigoroso
academismo da época que
se ensinava nas Escolas;

Nas telas, focam atenção
pormenorizada na luz e
seus efeitos.

                             As Casas de Cabassud na Vila d’Avray.
Johan B. Jongkind (1819-1891), Paisagem com
                   moinho.
James Whistler (1834-1903) EUA, Retrato da
          Mãe do pintor, 1871
Eugène Boudin (1824-1898), Praia em
        Trouville, 1860-70
Os pintores da “Escola de Barbizon”
• Barbizon é uma aldeia a 30km de Paris, na floresta de
  Fontainebleau. Alguns pintores parisienses fixaram-se aí para
  pintar a Natureza em plena natureza. É o início da pintura
  fora dos ateliês. Esta proximidade da natureza levou os
  artistas a pormenorizarem brilhos, tonalidades, texturas,
  cambiantes de atmosfera, etc.

• Pintores que passaram por Barbizon: Théodore Rousseau,
  Constant Troyon, Charles Daubigny, Camile Corot, Gustave
  Courbet, etc.
Os naturalistas pintam
paisagens, cenas do
quotidiano e retratos, e
abandonam os temas
dos pintores românticos
(temas de inspiração
literária ou histórica,
fantasias) e o
sentimentalismo.


T. Rousseau, Paisagem. Este
pintor é considerado o
precursor do
Impressionismo.
Naturalismo no Brasil
• No país, a tendência manifesta-se nas artes
  plásticas e na literatura. Não há produção de
  textos para teatro, que se limita a encenar
  peças francesas.
• Na literatura, em geral não há fronteiras
  nítidas entre textos naturalistas e realistas. No
  entanto, o romance O Mulato (1881), de
  Aluísio Azevedo (1857-1913), é considerado o
  marco inicial do naturalismo no país.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Ppt realismo (1)
Ppt realismo (1)Ppt realismo (1)
Ppt realismo (1)
Equipemundi2014
 
Surrealismo
SurrealismoSurrealismo
Surrealismo
Ellen_Assad
 
Neoclassicismo
NeoclassicismoNeoclassicismo
Neoclassicismo
Arte Educadora
 
Barroco contexto e caract
Barroco   contexto e caractBarroco   contexto e caract
Barroco contexto e caract
Helena Coutinho
 
Vanguardas Europeias
Vanguardas EuropeiasVanguardas Europeias
Vanguardas Europeias
Hely Costa Júnior
 
Romantismo em Portugal
Romantismo em PortugalRomantismo em Portugal
Romantismo em Portugal
Fábio Guimarães
 
Modernismo
Modernismo Modernismo
Modernismo
Cláudia Heloísa
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
Lucas Queiroz
 
O realismo e o naturalismo em portugal e no brasil
O realismo e o naturalismo em portugal e no brasilO realismo e o naturalismo em portugal e no brasil
O realismo e o naturalismo em portugal e no brasil
Jose Arnaldo Silva
 
O Realismo
O RealismoO Realismo
O Realismo
MissBlackBerryBush
 
Realismo
RealismoRealismo
Realismo
martinsramon
 
1ª fase do modernismo
1ª fase do modernismo1ª fase do modernismo
1ª fase do modernismo
Luciene Gomes
 
Naturalismo, realismo
Naturalismo, realismo Naturalismo, realismo
Naturalismo, realismo
Ana Barreiros
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
Prof Palmito Rocha
 
Pós - Impressionismo
Pós - ImpressionismoPós - Impressionismo
Pós - Impressionismo
Andrea Dressler
 
Toda a Literatura
Toda a LiteraturaToda a Literatura
Toda a Literatura
Hildalene Pinheiro
 
Realismo x Romantismo
Realismo x RomantismoRealismo x Romantismo
Realismo x Romantismo
Amanda Rodrigues
 
Realismo no brasil
Realismo no brasilRealismo no brasil
Realismo no brasil
Karoline Tavares
 
O que é arte?!
O que é arte?!O que é arte?!
O que é arte?!
Mary Lopes
 
Realismo
RealismoRealismo
Realismo
Carla Teixeira
 

Mais procurados (20)

Ppt realismo (1)
Ppt realismo (1)Ppt realismo (1)
Ppt realismo (1)
 
Surrealismo
SurrealismoSurrealismo
Surrealismo
 
Neoclassicismo
NeoclassicismoNeoclassicismo
Neoclassicismo
 
Barroco contexto e caract
Barroco   contexto e caractBarroco   contexto e caract
Barroco contexto e caract
 
Vanguardas Europeias
Vanguardas EuropeiasVanguardas Europeias
Vanguardas Europeias
 
Romantismo em Portugal
Romantismo em PortugalRomantismo em Portugal
Romantismo em Portugal
 
Modernismo
Modernismo Modernismo
Modernismo
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
O realismo e o naturalismo em portugal e no brasil
O realismo e o naturalismo em portugal e no brasilO realismo e o naturalismo em portugal e no brasil
O realismo e o naturalismo em portugal e no brasil
 
O Realismo
O RealismoO Realismo
O Realismo
 
Realismo
RealismoRealismo
Realismo
 
1ª fase do modernismo
1ª fase do modernismo1ª fase do modernismo
1ª fase do modernismo
 
Naturalismo, realismo
Naturalismo, realismo Naturalismo, realismo
Naturalismo, realismo
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Pós - Impressionismo
Pós - ImpressionismoPós - Impressionismo
Pós - Impressionismo
 
Toda a Literatura
Toda a LiteraturaToda a Literatura
Toda a Literatura
 
Realismo x Romantismo
Realismo x RomantismoRealismo x Romantismo
Realismo x Romantismo
 
Realismo no brasil
Realismo no brasilRealismo no brasil
Realismo no brasil
 
O que é arte?!
O que é arte?!O que é arte?!
O que é arte?!
 
Realismo
RealismoRealismo
Realismo
 

Semelhante a Aula 06 naturalismo e realismo

Naturalismo e realismo
Naturalismo e realismoNaturalismo e realismo
Naturalismo e realismo
William Marques
 
Aula 06 naturalismo-realismo
Aula 06 naturalismo-realismoAula 06 naturalismo-realismo
Aula 06 naturalismo-realismo
Marcio Duarte
 
Realismo narturalismo 2016
Realismo narturalismo 2016Realismo narturalismo 2016
Realismo narturalismo 2016
Josi Motta
 
a cultura da gare.realismo.ppt
a cultura da gare.realismo.ppta cultura da gare.realismo.ppt
a cultura da gare.realismo.ppt
Patrícia Alves
 
Trabalho portugues realismo naturalismo
Trabalho portugues realismo naturalismoTrabalho portugues realismo naturalismo
Trabalho portugues realismo naturalismo
LuizBraz9
 
Realismo
RealismoRealismo
Realismo
Thaynara Ferraz
 
Realismo
RealismoRealismo
Realismo
carolpixel
 
O Realismo E O Simbolismo
O Realismo E O SimbolismoO Realismo E O Simbolismo
O Realismo E O Simbolismo
Beatriz Dias
 
Realismo.pdf
Realismo.pdfRealismo.pdf
Realismo.pdf
NAIARAJOHN
 
História da Arte: Realismo
História da Arte: RealismoHistória da Arte: Realismo
História da Arte: Realismo
Raphael Lanzillotte
 
O realismo
O realismoO realismo
O realismo
miovi
 
Realismo e naturalismo
Realismo e naturalismoRealismo e naturalismo
Realismo e naturalismo
Natália Araújo
 
Romantismo I
Romantismo IRomantismo I
Romantismo I
Ana Karina Silva
 
Realismo
RealismoRealismo
Aula 2 objetivo
Aula 2 objetivoAula 2 objetivo
Aula 2 objetivo
CLEBER LUIS DAMACENO
 
Gustave Courbet
Gustave CourbetGustave Courbet
Gustave Courbet
hcaslides
 
Realismo naturalismo
Realismo   naturalismoRealismo   naturalismo
Realismo naturalismo
nagelaviana
 
Aula realismo
Aula realismoAula realismo
Aula realismo
Engelis Oliveira
 
Romantismo1836 1881-121031124003-phpapp02
Romantismo1836 1881-121031124003-phpapp02Romantismo1836 1881-121031124003-phpapp02
Romantismo1836 1881-121031124003-phpapp02
Alexandre Barbosa
 
Literaturas sobre realismo (2)
Literaturas sobre realismo (2)Literaturas sobre realismo (2)
Literaturas sobre realismo (2)
Equipemundi2014
 

Semelhante a Aula 06 naturalismo e realismo (20)

Naturalismo e realismo
Naturalismo e realismoNaturalismo e realismo
Naturalismo e realismo
 
Aula 06 naturalismo-realismo
Aula 06 naturalismo-realismoAula 06 naturalismo-realismo
Aula 06 naturalismo-realismo
 
Realismo narturalismo 2016
Realismo narturalismo 2016Realismo narturalismo 2016
Realismo narturalismo 2016
 
a cultura da gare.realismo.ppt
a cultura da gare.realismo.ppta cultura da gare.realismo.ppt
a cultura da gare.realismo.ppt
 
Trabalho portugues realismo naturalismo
Trabalho portugues realismo naturalismoTrabalho portugues realismo naturalismo
Trabalho portugues realismo naturalismo
 
Realismo
RealismoRealismo
Realismo
 
Realismo
RealismoRealismo
Realismo
 
O Realismo E O Simbolismo
O Realismo E O SimbolismoO Realismo E O Simbolismo
O Realismo E O Simbolismo
 
Realismo.pdf
Realismo.pdfRealismo.pdf
Realismo.pdf
 
História da Arte: Realismo
História da Arte: RealismoHistória da Arte: Realismo
História da Arte: Realismo
 
O realismo
O realismoO realismo
O realismo
 
Realismo e naturalismo
Realismo e naturalismoRealismo e naturalismo
Realismo e naturalismo
 
Romantismo I
Romantismo IRomantismo I
Romantismo I
 
Realismo
RealismoRealismo
Realismo
 
Aula 2 objetivo
Aula 2 objetivoAula 2 objetivo
Aula 2 objetivo
 
Gustave Courbet
Gustave CourbetGustave Courbet
Gustave Courbet
 
Realismo naturalismo
Realismo   naturalismoRealismo   naturalismo
Realismo naturalismo
 
Aula realismo
Aula realismoAula realismo
Aula realismo
 
Romantismo1836 1881-121031124003-phpapp02
Romantismo1836 1881-121031124003-phpapp02Romantismo1836 1881-121031124003-phpapp02
Romantismo1836 1881-121031124003-phpapp02
 
Literaturas sobre realismo (2)
Literaturas sobre realismo (2)Literaturas sobre realismo (2)
Literaturas sobre realismo (2)
 

Mais de Marcio Duarte

Produção de Roteiro Publicitário para TV
Produção de Roteiro Publicitário para TVProdução de Roteiro Publicitário para TV
Produção de Roteiro Publicitário para TV
Marcio Duarte
 
Introdução a Internet
Introdução a InternetIntrodução a Internet
Introdução a Internet
Marcio Duarte
 
Egito
EgitoEgito
Arte grega
Arte gregaArte grega
Arte grega
Marcio Duarte
 
Pre-história
Pre-históriaPre-história
Pre-história
Marcio Duarte
 
Alfabetismo Visual na Moda
Alfabetismo Visual na ModaAlfabetismo Visual na Moda
Alfabetismo Visual na Moda
Marcio Duarte
 
Gestalt
GestaltGestalt
Gestalt
Marcio Duarte
 
Processo criativo
Processo criativoProcesso criativo
Processo criativo
Marcio Duarte
 
O Designer Valorizado
O Designer ValorizadoO Designer Valorizado
O Designer Valorizado
Marcio Duarte
 
Conceitos de Design
Conceitos de DesignConceitos de Design
Conceitos de Design
Marcio Duarte
 
Wordpress
WordpressWordpress
Wordpress
Marcio Duarte
 
História do Design (2016)
História do Design (2016)História do Design (2016)
História do Design (2016)
Marcio Duarte
 
Op art, Pop art e outras artes
Op art, Pop art e outras artesOp art, Pop art e outras artes
Op art, Pop art e outras artes
Marcio Duarte
 
Metodologia para produtos de moda
Metodologia para produtos de modaMetodologia para produtos de moda
Metodologia para produtos de moda
Marcio Duarte
 
Aula 07 impressionismo-expressionismo
Aula 07 impressionismo-expressionismoAula 07 impressionismo-expressionismo
Aula 07 impressionismo-expressionismo
Marcio Duarte
 
Aula 05 neoclassicismo-romantismo
Aula 05 neoclassicismo-romantismoAula 05 neoclassicismo-romantismo
Aula 05 neoclassicismo-romantismo
Marcio Duarte
 
Aula 04 barroco-e_rococo
Aula 04 barroco-e_rococoAula 04 barroco-e_rococo
Aula 04 barroco-e_rococo
Marcio Duarte
 
Aula 03 renascimento-maneirismo
Aula 03 renascimento-maneirismoAula 03 renascimento-maneirismo
Aula 03 renascimento-maneirismo
Marcio Duarte
 
Aula 02 arte-crista- id_media
Aula 02 arte-crista- id_mediaAula 02 arte-crista- id_media
Aula 02 arte-crista- id_media
Marcio Duarte
 
Aula 08 fauvismo-expressionismo_futurismo_cubismo
Aula 08 fauvismo-expressionismo_futurismo_cubismoAula 08 fauvismo-expressionismo_futurismo_cubismo
Aula 08 fauvismo-expressionismo_futurismo_cubismo
Marcio Duarte
 

Mais de Marcio Duarte (20)

Produção de Roteiro Publicitário para TV
Produção de Roteiro Publicitário para TVProdução de Roteiro Publicitário para TV
Produção de Roteiro Publicitário para TV
 
Introdução a Internet
Introdução a InternetIntrodução a Internet
Introdução a Internet
 
Egito
EgitoEgito
Egito
 
Arte grega
Arte gregaArte grega
Arte grega
 
Pre-história
Pre-históriaPre-história
Pre-história
 
Alfabetismo Visual na Moda
Alfabetismo Visual na ModaAlfabetismo Visual na Moda
Alfabetismo Visual na Moda
 
Gestalt
GestaltGestalt
Gestalt
 
Processo criativo
Processo criativoProcesso criativo
Processo criativo
 
O Designer Valorizado
O Designer ValorizadoO Designer Valorizado
O Designer Valorizado
 
Conceitos de Design
Conceitos de DesignConceitos de Design
Conceitos de Design
 
Wordpress
WordpressWordpress
Wordpress
 
História do Design (2016)
História do Design (2016)História do Design (2016)
História do Design (2016)
 
Op art, Pop art e outras artes
Op art, Pop art e outras artesOp art, Pop art e outras artes
Op art, Pop art e outras artes
 
Metodologia para produtos de moda
Metodologia para produtos de modaMetodologia para produtos de moda
Metodologia para produtos de moda
 
Aula 07 impressionismo-expressionismo
Aula 07 impressionismo-expressionismoAula 07 impressionismo-expressionismo
Aula 07 impressionismo-expressionismo
 
Aula 05 neoclassicismo-romantismo
Aula 05 neoclassicismo-romantismoAula 05 neoclassicismo-romantismo
Aula 05 neoclassicismo-romantismo
 
Aula 04 barroco-e_rococo
Aula 04 barroco-e_rococoAula 04 barroco-e_rococo
Aula 04 barroco-e_rococo
 
Aula 03 renascimento-maneirismo
Aula 03 renascimento-maneirismoAula 03 renascimento-maneirismo
Aula 03 renascimento-maneirismo
 
Aula 02 arte-crista- id_media
Aula 02 arte-crista- id_mediaAula 02 arte-crista- id_media
Aula 02 arte-crista- id_media
 
Aula 08 fauvismo-expressionismo_futurismo_cubismo
Aula 08 fauvismo-expressionismo_futurismo_cubismoAula 08 fauvismo-expressionismo_futurismo_cubismo
Aula 08 fauvismo-expressionismo_futurismo_cubismo
 

Último

-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
fagnerlopes11
 
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdfAula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Marília Pacheco
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
MatheusSousa716350
 
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.pptFUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
MarceloMonteiro213738
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica BasicaExercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
ElinarioCosta
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
silvamelosilva300
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
ARIADNEMARTINSDACRUZ
 
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
SidneySilva523387
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
ProfessoraTatianaT
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdfAula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
vitorreissouzasilva
 
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
AdrianoMontagna1
 
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de GeografiaAula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
WELTONROBERTOFREITAS
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
ANDRÉA FERREIRA
 

Último (20)

-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
 
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdfAula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
 
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.pptFUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica BasicaExercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
 
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
 
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdfAula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
 
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
 
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de GeografiaAula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
 

Aula 06 naturalismo e realismo

  • 1. REALISMO – NATURALISMO – SIMBOLISMO Prof. Márcio Duarte FAIP/FAEF
  • 2. 1800 1850 1900 1880 Romantismo Realismo Naturalismo Impressionismo Expressionismo Simbolismo
  • 3. Segunda metade do século XIX REALISMO
  • 4. Origem • O realismo foi um movimento artístico e cultural que se desenvolveu na segunda metade do século XIX, surgido na França, e cuja influência se estendeu a numerosos países europeus. • A característica principal deste movimento foi a abordagem de temas sociais e um tratamento objetivo da realidade do ser humano. • Possuía um forte caráter ideológico, marcado por uma linguagem política e de denúncia dos problemas sociais como, por exemplo, miséria, pobreza, exploração, corrupção entre outros. • Com uma linguagem clara, os artistas e escritores realistas iam diretamente ao foco da questão, reagindo, desta forma, ao subjetivismo do romantismo. Uma das correntes do realismo foi o Naturalismo, onde a objetividade está presente, porém sem o conteúdo ideológico.
  • 5. A angústia de um operário em greve é o tema de OnStrike (Em Greve), 1891, óleo sobre tela, famoso quadro de Hubertvon Herkomer, um dos maiores nomes da arte realista.
  • 6. História do realismo na arte • Esta corrente aparece no momento em que ocorrem as primeiras lutas sociais, sendo também objeto de ação contra o capitalismo progressivamente mais dominador. • Das influências intelectuais que mais ajudaram no sucesso do Realismo denota-se a reação contra as excentricidades românticas e contra as suas falsas idealizações da paixão amorosa.
  • 7. Comparação com o Romantismo
  • 8. "O Bar do Folies-Bergère" de Édouard Manet (1882)
  • 9. Características • Retrato da sociedade e das suas relações sem idealização. Exclui-se da obra tudo o que vier da sorte, do acaso, do milagre. Tudo é regido por leis naturais. • Cientificismo – uso de teorias científicas e filosóficas, como o determinismo, o evolucionismo, a psicologia, o positivismo. • Linguagem simples e direta. • Tempo da narrativa – preferencialmente o presente, o que faz com que a literatura sirva de denúncia dos aspectos sociais e políticos. • Espaço urbano.
  • 10. Características • Personagens caricaturados das pessoas do dia-a-dia, retratando-se ou o aspecto psicológico ou o biológico desses. • Preferência pela individualidade dos personagens. • Romance documental. • Observação direta e interpretação crítica da realidade. • Objetividade. • Análise psicológicas dos personagens. • Materialismo. • Crítica às instituições burguesas, à monarquia, a religiosidade, às crendices populares.
  • 11. "O almoço sobre a relva", de Manet
  • 12. The Uprising (1860), Honoré Daumier
  • 13. Realismo na literatura • Motivados pelas teorias científicas e filosóficas da época, os escritores realistas desejavam retratar o homem e a sociedade em sua totalidade. Não bastava mostrar a face sonhadora e idealizada da vida como fizeram os românticos; era preciso mostrar a face nunca antes revelada: a do cotidiano massacrante, do amor adúltero, da falsidade e do egoísmo humano, da impotência do homem comum diante dos poderosos. • Uma característica comum ao Realismo é o seu forte poder de crítica, porém sem subjetividade. Grandes escritores realistas descrevem o que está errado de forma natural. Em lugar do egocentrismo romântico, verifica-se um enorme interesse de descrever, analisar e até em criticar a realidade. Em lugar de fugir à realidade, os realistas procuram apontar falhas como forma de estimular a mudança das instituições e dos comportamentos humanos. Na Europa, o realismo teve início com a publicação do romance realista Madame Bovary (1857) de Gustave Flaubert.
  • 14. Artistas do realismo • Édouard Manet • Gustave Courbet • Honoré Daumier • Jean-Baptiste Camille Corot • Jean-François Millet • Theódore Rousseau
  • 15. O REALISMO Gustave Coubert (1819-1877) foi o grande teorizador do realismo pictórico. Com uma visão socialista, pinta temas sociais, paisagens campestres, operários e retratos. A origem do mundo 1866.
  • 16. Os Quebradores de Pedras – Courbet
  • 17. Enterro em Ornans - Coubert
  • 19. Jean-François Millet (1814-1875) pinta cenas do trabalho rural As respigadoras do trigo, 1857 Angelus, 1859
  • 20. Realismo no Brasil • No Brasil, esse contexto se inicia em 1881, com Machado de Assis, que publica Memórias póstumas de Brás Cubas (primeiro romance realista do Brasil). • Durante o período de passagem do Romantismo para o Realismo , o Brasil sofreu inúmeras mudanças na história econômica, política e social. • O Realismo encontrou no Brasil uma realidade propícia para a ascensão da literatura, já que escritores como Castro Alves e José de Alencar haviam preparado o terreno.
  • 21. Iniciou-se com a Escola de Barbizon (1880) naturalismo
  • 22. • O Naturalismo é a radicalização do Realismo. • Iniciou-se com a Escola de Barbizon (1880) - essa nova escola literária baseava-se na observação fiel da realidade e na experiência, mostrando que o indivíduo é determinado pelo ambiente e pela hereditariedade.
  • 23. Naturalismo na Literatura • Os romances naturalistas se destacam pela abordagem extremamente aberta do sexo e pelo uso da linguagem falada. O resultado é um diálogo vivo e extraordinariamente verdadeiro, que na época foi considerado até chocante de tão inovador. Ao ler uma obra naturalista, tem-se a impressão de estar lendo uma obra contemporânea, que acabou de ser escrita.
  • 25.
  • 26.
  • 27. J-B. Camille Corot, 1796-1875 A Ponte de Nantes
  • 28. NATURALISMO Os progressos da vida citadina no séc. XIX levaram à laicização do pensamento, a um maior racionalismo e pragmatismo. Na ciência, surge o positivismo e o cientismo. Os artistas aumentaram o interesse pela vida real e condenaram o rigoroso academismo da época que se ensinava nas Escolas; Nas telas, focam atenção pormenorizada na luz e seus efeitos. As Casas de Cabassud na Vila d’Avray.
  • 29. Johan B. Jongkind (1819-1891), Paisagem com moinho.
  • 30. James Whistler (1834-1903) EUA, Retrato da Mãe do pintor, 1871
  • 31. Eugène Boudin (1824-1898), Praia em Trouville, 1860-70
  • 32. Os pintores da “Escola de Barbizon” • Barbizon é uma aldeia a 30km de Paris, na floresta de Fontainebleau. Alguns pintores parisienses fixaram-se aí para pintar a Natureza em plena natureza. É o início da pintura fora dos ateliês. Esta proximidade da natureza levou os artistas a pormenorizarem brilhos, tonalidades, texturas, cambiantes de atmosfera, etc. • Pintores que passaram por Barbizon: Théodore Rousseau, Constant Troyon, Charles Daubigny, Camile Corot, Gustave Courbet, etc.
  • 33. Os naturalistas pintam paisagens, cenas do quotidiano e retratos, e abandonam os temas dos pintores românticos (temas de inspiração literária ou histórica, fantasias) e o sentimentalismo. T. Rousseau, Paisagem. Este pintor é considerado o precursor do Impressionismo.
  • 34. Naturalismo no Brasil • No país, a tendência manifesta-se nas artes plásticas e na literatura. Não há produção de textos para teatro, que se limita a encenar peças francesas. • Na literatura, em geral não há fronteiras nítidas entre textos naturalistas e realistas. No entanto, o romance O Mulato (1881), de Aluísio Azevedo (1857-1913), é considerado o marco inicial do naturalismo no país.