SlideShare uma empresa Scribd logo
ARTE CONTEMPORÂNEA
Do op-art a videoarte
OP ART | POP ART |
MINIMALISMO
No início da segunda metade do século XX, os grandes centros urbanos já estão
recuperados dos danos causados pela Segunda Guerra Mundial. A indústria tem
sua capacidade de produção redobrada, colocando no mercado artigos que são
largamente consumidos pelos habitantes das cidades, que crescem sem parar.”
Foi dentro deste contexto social, que ganhou força dois modos de expressão
artística.
Op-Art Pop-Art
Op Art
Este tipo de arte tem como principal função
substituir a noção de beleza natural pela
beleza artificial.
Esta arte define-se pela representação do
abstrato e na maior parte das peças as cores
mais utilizadas são o preto e o branco.
Quando observados, dão a impressão de
movimento, clarões ou vibração, ou por vezes
parecem inchar ou deformar.
Principal autor desta obra foi Victor Vasarely, pintor que partiu de influências
abstrato-geométricas. “Introduziu a noção de movimento e de espaço tempo”.
Dinamizou a forma quadrada e o circulo.
Victor Vasarely afirmou que “criar uma obra de arte não significa que se está a imitar
a Natureza, mas sim que estamos em pé de igualdade com ela e que até a
ultrapassarmos utilizando meios que, de entre todos os seres vivos, só são acessíveis
ao homem”
Movement in squares - Bridget Riley 1961
Tempera on board 122x122
Para a Op-Art a arte deveria simbolizar a
possibilidade constantes de modificações da
realidade em que o homem vive.
A expressão Op Art vem do inglês (optical art) e significa
“arte óptica”. O seu precursor é Victor Vasarely (1908-
1997), criador da plástica do movimento.
Arte Cinética
A arte cinética, é uma das principais
corrente das artes plásticas que
explora efeitos visuais por meio de
movimentos físicos ou pela procura de
ilusão óptica ou truques de
posicionamento de peças.
Victor Vasarely, Vega 200, 1968, acrílico
sobre tela, 200 X200 cm
Vitor Vasarely dedicou-se a aspectos cinéticos da arte, as suas telas são abstratas e
pretendem criar uma ilusão de movimento com elementos geométricos padronizados e cores
contrastantes numa progressão matemática. Podemos dizer que as suas obras são uma
celebração à velocidade da vida contemporânea. Este é um poeta do cinético.
As obras da Op-Art
apresentam diferentes
figuras geométricas, em
preto e branco ou
coloridas, combinadas de
modo a provocar no
espectador sensações de
movimento.
Trata-se de uma arte que da mesma forma que a vida
contemporânea; Está em constante alteração.
As pesquisas de sugestão do movimento a partir das sensações ópticas
desenvolveram-se principalmente na década de 60.
Essa concepção plástica contribuiu para a invenção de móbiles, uma
vez que estes dão a idéia de movimento.
Embora os móbiles pareçam simples, sua montagem é muito
complexa, pois exige o conhecimento da matemática; com
peso e contrapeso muito bem estudados, para que o
movimento tenha ritmo e sua duração se prolongue.
OP ART - 1950
• VITOR VASARELY – 2197 CHEVY
Op art, Pop art e outras artes
Op art, Pop art e outras artes
Op art, Pop art e outras artes
Op art, Pop art e outras artes
Op art, Pop art e outras artes
Op art, Pop art e outras artes
Op art, Pop art e outras artes
Op art, Pop art e outras artes
Op art, Pop art e outras artes
Op art, Pop art e outras artes
Op art, Pop art e outras artes
Op art, Pop art e outras artes
Op art, Pop art e outras artes
Op art, Pop art e outras artes
Op art, Pop art e outras artes
Op art, Pop art e outras artes
Op art, Pop art e outras artes
Op art, Pop art e outras artes
Op art, Pop art e outras artes
Op art, Pop art e outras artes
Op art, Pop art e outras artes
Op art, Pop art e outras artes
Op art, Pop art e outras artes
ESCHER
Escher – ascendente e descendente
anjos
Op art, Pop art e outras artes
Op art, Pop art e outras artes
Op art, Pop art e outras artes
Op art, Pop art e outras artes
Op art, Pop art e outras artes
Op art, Pop art e outras artes
Op art, Pop art e outras artes
Op art, Pop art e outras artes
Op art, Pop art e outras artes
Op art, Pop art e outras artes
Op art, Pop art e outras artes
Op art, Pop art e outras artes
Pop Art.
• Pop Art, movimento que usava figuras e ícones
populares como tema de suas pinturas
• Com o objetivo da crítica irônica do
bombardeamento da sociedade pelos objetos de
consumo
• Operava com signos estéticos massificados da
publicidade e do consumo, usando como materiais
principais, tinta acrílica, poliéster, látex, produtos
com cores intensas, brilhantes e
vibrantes, reproduzindo objetos do cotidiano em
tamanho consideravelmente grande, transformando
o real em hiper-real.
Alguns artistas pop
• Roy Fox Lichtenstein
• Wayne Thiebaud
• Yayoi Kusama
• Peter Blake
• Andy Warhol
Pop Art
Roy Lichtenstein, rapariga Lavada em Lágrimas,
acrílico sobre tela, 171,6 X 169,5 cm
Pop art era um movimento que tinha
como principais características o uso de
figuras e ícones populares como tema
das suas obras.
Era um movimento que se baseava
numa linguagem figurativa. A principal
temática deste movimento estava
relacionada com “a cultura popular” que
era composta por: imagens do cotidiano,
retiradas das revistas e dos jornais, da
fotografia, do cinema e da televisão.
A imagem utilizada demonstra uma
certa frieza e impessoalidade.
Enquanto a Op Art procurava expressar as constantes
modificações da realidade em que o homem vive; A Pop Art
procurava expressar a realidade contemporânea, sobretudo
a cultura da cidade, dominada pela tecnologia industrial.
A expressão “Pop-Art” vem do inglês e significa “arte popular”.
Procura expressar a realidade contemporânea, sobretudo a
cultura da cidade, dominada pela tecnologia social.
A fonte de criação para os artistas ligados a esse movimento, era o dia-a-dia das
grandes cidades norte-americanas, pois sua proposta era romper qualquer
barreira entre a arte e a vida comum.
Para a Pop Art interessam as imagens, o ambiente, enfim, a vida que a tecnologia
industrial criou nos grandes centros urbanos.
Os recursos expressivos da Pop-Art são semelhantes ao do meio de comunicação
de massa, como o cinema, a publicidade e a tevê.
Os temas da Pop-Art são os símbolos e os produtos industriais dirigidos as
massas urbanas:
Lâmpadas elétricas, automóveis, sinais de trânsito, eletrodomésticos,
enlatados e até mesmo imagens de grandes estrelas.
Um exemplo bastante ilustrativo é o trabalho de Marilyn Monroe, feito por
Andy Warhol (1930-1987).
Neste trabalho realizado em uma fotografia, Andy Warhol reproduz, em
sequência, as imagens da atriz de Hollywood de muito sucesso na época.
Apesar das variações de cor os traços da atriz permanecem invariáveis.
POP – ART 1950
outro artista que também representava a estética da Pop Art é Roy
Lichtenstein (1923-1997), que apreciava a construção das imagens
publicitárias e das histórias em quadrinhos.
O emprego dos pontos que se tornou uma característica peculiar desse artista,
relaciona-se ao tipo de impressão que os ilustradores das revistas norte-
americanas, conseguiram fazer no final do século XIX. Nesta época, com os
recursos inexistentes, as imagens impressas apresentavam pequenos pontos
muito próximos uns dos outros. Apenas com o desenvolvimento tecnológico é que
a impressão de imagens em jornais e revistas, torna-se cada vez mais nítidas e
desaparecem os pequenos pontos.
David Hockney, o mergulho
Alan D’Arcangelo, auto-estrada
Andy Warhol -16 jackies
Warhol, elvis e Marilyn, serigrafia
Warhol, mao tse tung
Warhol, levante racial vermelho
Resenquist, presidente eleito
Peter Blake, na sacada
Peter Blake, autoretrato com distintivos
Hamilton, eu te amo com meu ford
Lichtenstein
Op art, Pop art e outras artes
Lichtenstein, Popeye
Op art, Pop art e outras artes
Wesselman, natureza-morta
Op art, Pop art e outras artes
Op art, Pop art e outras artes
Pin-ups – desenvolvidas para o público masculino, eram carregadas de
sensualidade e influenciaram ícones do cinema.
Bet Boop - 1930
Daves & Max Fleischer
MINIMALISMO
• O minimalismo surgiu em Nova York no fim da década de 1960.
Caracteriza-se pela extrema simplicidade de formas e pela abordagem
literal e objetiva dos temas.
• As primeiras manifestações dos escultores e pintores minimalistas
nasceram de sua insatisfação com a action painting, ramo do
expressionismo abstrato que dominou a arte americana de vanguarda
durante grande parte da década de 1950.
• Os minimalistas consideravam a action painting, de traço intuitivo e
espontâneo, muito personalista e sem substância. Defendiam que a obra
de arte não deveria referir-se a outra coisa a não ser a si própria e, em
seus trabalhos, evitaram associações extra-visuais.
» Fonte: www.pitoresco.com.br
Minimalismo
• Desenvolveu-se nos EUA durante os anos 50 e só usava as
formas geométricas mais simples. O caráter impessoal
desse gênero é visto como reação à emotividade do
expressionismo abstrato.
• Surgiu da arte contida e espartana de expressionistas
abstratos como Mark Rothko e Barnett Newman.
• Alude ou à redução da variedade visual numa
imagem, ou ao nível de esforço artístico necessário para
produzir tal redução.
• Forma de arte pura e livre de mistura, despojada de
referências não-essenciais e incontaminada pela
subjetividade.
Ad Reinhardt
(1913 – 1967) foi o
minimalista por
excelência.
Acreditava
ardorosamente em
reduzir a arte à
forma mais pura
e, por extensão, ao
estado espiritual
mais puro.
Abstract painting number 5 - nessa superfície uniforme, intensa e negro-
azulada, a mão do artista faz-se propositalmente invisível.
Outros artistas minimalistas : Frank Stella, Agnes
Martin e Dorothea Rockburne
• As obras minimalistas possuem um
mínimo de recursos e elementos. A
pintura minimalista usa um número
limitado de cores e privilegia
formas geométricas simples,
repetidas simetricamente.
A segunda e mais importante fase do
movimento surgiu de artistas como
Sol LeWitt, Frank Stella, Donald Judd
e Robert Smithson, cuja produção
tendia ultrapassar os conceitos
tradicionais sobre a necessidade do
suporte: procuravam estudar as
possibilidades estéticas a partir de
estruturas bi ou tridimensionais.
MINIMALISMO
Carl André, 4 Fe On
Op art, Pop art e outras artes
Op art, Pop art e outras artes
Op art, Pop art e outras artes
Op art, Pop art e outras artes
Donal Judd
Op art, Pop art e outras artes
Arte conceitual
• Movimento que defende a superioridade das idéias veiculadas pela
obra de arte, deixando os meios usados para a criar em lugar
secundário.
• A obra do artista francês Marcel Duchamp, nas décadas de 1910 e
1920 tinha prenunciado o movimento conceitualista, ao propor
vários exemplos de trabalhos que se tornariam o protótipo das
obras conceptuais, como os readymades, ao desafiar qualquer tipo
de categorização.
• Um trabalho de arte conceitual, em sua forma mais
típica, costumava ser apresentado ao lado da teoria. Pôde-se
assistir a um gradual abandono da realização artística em si, em
nome das discussões teóricas.
• Artistas: Josef Beuys, Piero Manzoni, Robert Barry
• Recorre freqüentemente ao uso de fotografias, mapas
e textos escritos (como definições de dicionário). Em
alguns casos, como no de Sol Lewitt, Yoko Ono e
Lawrence Weiner, reduz-se a um conjunto de
instruções escritas que descrevem a obra, sem que
esta se realize de fato, dando ênfase à idéia no lugar
do artefato.
• Alguns artistas tentam, também, desta forma,
mostrar a sua recusa em produzir objetos de luxo -
função geralmente ligada à idéia tradicional de arte -
como os que podemos ver em museus.
• O movimento estendeu-se, aproximadamente, de
1967 a 1978. Foi muito influente, contudo, na obra de
artistas como Mike Kelley ou Tracy Emin que são por
vezes referidos como conceitualistas da segunda ou
terceira geração, ou pós-conceitualistas.
Joseph Beuys.
Felt Suit,1970
Piero Manzoni
("Merda d'artista").
A arte conceitual é um processo de contra-cultura que
cresceu no pós-guerra é uma arte engajada
politicamente e subversiva que costuma questionar
parâmetros de valor da própria produção artística.
Ready made – Marcel Duchamp
Action painting – Jackson Pollock
Graffite (Pixação)
A definição mais popular diz que o grafite é um tipo
de inscrição feita em paredes, dessa maneira temos
relatos e vestígios do mesmo desde o Império
Romano. Seu aparecimento na idade contemporânea
se deu na década de 1970, em Nova Iorque, nos
Estados Unidos.
Graffite (Pixação)
• Grafite é uma forma
de manifestação
artística em espaços
públicos.
• O que a arte de rua
(graffite) faz é
subverter estes
conceitos.
Happenings
• O happening (do inglês, acontecimento) é uma forma de
expressão das artes visuais que, de certa maneira,
apresenta características das artes cênicas. Neste tipo de
obra, quase sempre planejada, incorpora-se algum
elemento de espontaneidade ou improvisação, que nunca
se repete da mesma maneira a cada nova apresentação.
• Apesar de ser definida por alguns historiadores como um
sinônimo de performance, o happening é diferente porque,
além do aspecto de imprevisibilidade, geralmente envolve
a participação direta ou indireta do público espectador.
Para o compositor John Cage, os happenings eram "eventos
teatrais espontâneos e sem trama".
Happening
• Principais artistas
– Allan Kaprow
– Claes Oldenburg
– Jim Dine
– John Cage
– Robert Rauschenberg
– Roy Lichtenstein
– Wolf Vostell
O termo happening, como
categoria artística, foi
utilizado pela primeira vez
pelo artista Allan
Kaprow, em 1959. Como
evento artístico, acontecia
em ambientes
diversos, geralmente fora
de museus e
galerias, nunca
preparados previamente
para esse fim.
Allan Kaprow, Fluids, October 1967
Allan Kaprow
Body Art
• A Body Art (do inglês, arte do corpo) está associada à
arte conceitual e ao minimalismo. É uma manifestação
das artes visuais onde o corpo do artista é utilizado
como suporte ou meio de expressão.
• O espectador pode atuar não apenas de forma
passiva, mas também como voyeur ou agente
interativo. Via de regra, as obras de body art, como
criações conceituais, são um convite à reflexão.
• Foi na década de 1960 que essa forma de arte se
popularizou e se espalhou pelo mundo.
Body art
• Há casos em que a body art assume o papel de ritual ou
apresentação pública, apresentando, portanto, ligações
com o Happening e a Performance. Outras vezes, sua
comunicação com o público se dá através de
documentação, por meio de videos ou fotografia.
• Suas origens encontram referências no início do séc. XX na
premissa de Marcel Duchamp em que "tudo pode ser
usado como uma obra de arte", inclusive o corpo. Além de
Duchamp, podem ser considerados precursores da body art
o francês Yves Klein, que usava corpos femininos como
"pincéis vivos", do americano Vito Acconci e do italiano
Pedro Manzoni.
Principais artistas
• Bob Flanagan
• Bruce Nauman
• Chris Burden
• Dennis Oppenheim
• Gina Pane
• Marina Abramovic
• Mona Hatoum
• Piero Manzoni
• Rudolf Schwarzkogler
• Stuart Brisley
• Vito Acconci
• Yves Klein
• Youri Messen-Jaschin
Marina Abramovic
Yves Klein
Piero Manzoni
Land Art
• A Land Art, também conhecida como Earth Art ou
Earthwork é o tipo de arte em que o terreno
natural, em vez de prover o ambiente para uma obra
de arte, é ele próprio trabalhado de modo a integrar-se
à obra.
• A Land Art surgiu em finais da década de 1960, em
parte como conseqüência de uma insatisfação
crescente em face da deliberada monotonia cultural
pelas formas simples do minimalismo, em parte como
expressão de um desencanto relativo à sofisticada
tecnologia da cultura industrial, bem como ao aumento
do interesse às questões ligadas à ecologia.
• O conceito estabeleceu-se numa exposição
organizada na Dwan Gallery, Nova York em 1968, e na
exposição Earth Art, promovida pela Universidade de
Cornell, em 1969.
• É um tipo de arte que, por suas características, não é
possível expor em museus ou galerias (a não ser por
meio de fotografias). Devido às muitas dificuldades
de colocar-se em prática os esquemas de land
art, suas obras muitas vezes não vão além do estágio
de projeto.
• Dentre as obras de land art que foram efetivamente
realizadas, a mais conhecida talvez seja a Plataforma
Espiral (Spiral Jetty), de Robert Smithson
(1970), construída no Grande Lago Salgado, em
Utah, nos Estados Unidos da América.
Principais artistas
• Robert Smithson (1938-1973)
• Sol LeWitt (1928)
• Robert Morris (1931)
• Carl Andre (1935)
• Christo & Jeanne-Claude (ambos nascidos em
1935)
• Walter de Maria (1935)
• Dennis Oppenheim (1938)
• Richard Long (1945).
Robert Smithson
Carl André
Stone Field Sculpture Rise, 2011
Instalações
• Arte de instalações (krafts) é uma manifestação
artística onde a obra é composta de elementos
organizados em um ambiente fechado. A
disposição de elementos no espaço tem a
intenção de criar uma relação com o espectador.
• Uma das possibilidades da instalação é provocar
sensações: frio, calor, odores, som ou coisas que
simplesmente chamem a atenção do público ao
redor.
Artistas
• Spencer Tunick
• Barbara Kruger
• Lee Bul
• Misha Kuball
• Diller + Scofidio
• Christo et Jeanne-
Claude
• Anish Kapoor
• Wim Delvoye
• Gary Hill
• Vanessa Beecroft
• Wolf Vostell
• Ange Leccia
• Norman Dilworth
• Ruediger John
• Artur Barrio
• Joana Vasconcelos
Mischa Kuball
Broca Re:Mix, 2007, multimedia
installation, dimensions variable "space-speech-speed" 1998
Norman Dilworth
Puff Ball and Parts of a
Circle, 2008
White overlap - 1966 - guache
e crayon sobre papel
Performances
• A Performance é uma modalidade de artes visuais que, assim como
o happening, apresenta ligações com o teatro e, em algumas
situações, com a música, poesia, o vídeo.
• Difere do happening por ser mais cuidadosamente elaborada e não
envolver necessariamente a participação dos espectadores. Assim,
como geralmente possui um "roteiro" previamente definido, é
passível de ser reproduzida fielmente, em outros momentos ou
locais.
• Como muitas vezes a performance é realizada para uma platéia
restrita ou mesmo ausente, seu conhecimento depende de
registros através de fotografias, vídeos e/ou memoriais descritivos.
Principais artistas
• Artur Barrio
• Chris Burden
• Corpos Informáticos
• Gilbert & George
• Hermann Nitsch
• Joseph Beuys
• Marina Abramovic
• Otto Müehl
• Paulo Nazareth
• Rudolf Schwarzkogler
• Vito Acconci
• Youri Messen-Jaschin
Otto Müehl
Corpos Informáticos
Vídeoarte
• A videoarte é uma forma de expressão artística
que utiliza a tecnologia do vídeo em artes visuais.
• Desde os anos 1960, a videoarte está associada a
correntes de vanguarda.
• Alguns dos principais representantes deste tipo
de arte são Nam June Paik, Bill Viola e, no Brasil,
Eder Santos, Paulo Bruscky , Fernando
Cocchiarale, Corpos Informáticos, entre diversos
outros.
Nam June Paik

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Pop Art
Pop ArtPop Art
Pop Art
Bruna M
 
Concretismo Brasileiro - Arte Concreta
Concretismo Brasileiro  - Arte ConcretaConcretismo Brasileiro  - Arte Concreta
Concretismo Brasileiro - Arte Concreta
Andrea Dressler
 
O que é a arte
O que é a arteO que é a arte
O que é a arte
Ana Barreiros
 
Expressionismo
Expressionismo Expressionismo
Arte Conceitual
Arte ConceitualArte Conceitual
Arte Conceitual
Luan Lucena
 
Aula de arte urbana
Aula de arte urbanaAula de arte urbana
Aula de arte urbana
CLEBER LUIS DAMACENO
 
O que é arte?!
O que é arte?!O que é arte?!
O que é arte?!
Mary Lopes
 
Grafite
GrafiteGrafite
Prova de arte II bimestre
Prova de arte II bimestreProva de arte II bimestre
Prova de arte II bimestre
Mary Alvarenga
 
Historia da arte
Historia da arteHistoria da arte
Historia da arte
julio2012souto
 
Arte - Missão artística francesa
Arte - Missão artística francesa Arte - Missão artística francesa
Arte - Missão artística francesa
Mary Alvarenga
 
Prova de artes 6 ano
Prova de artes 6 anoProva de artes 6 ano
Prova de artes 6 ano
Bárbara Fonseca
 
AVALIAÇÃO DE ARTES: EJA - 6° AO 9º ANO
AVALIAÇÃO DE ARTES: EJA - 6°  AO  9º ANOAVALIAÇÃO DE ARTES: EJA - 6°  AO  9º ANO
AVALIAÇÃO DE ARTES: EJA - 6° AO 9º ANO
Secretaria de Estado de Educação e Qualidade do Ensino
 
Arte contemporânea
Arte contemporâneaArte contemporânea
Arte contemporânea
annaartes
 
Expressionismo slide
Expressionismo slideExpressionismo slide
Expressionismo slide
Apoliana Oliveira
 
Cubismo
CubismoCubismo
Arte Contemporanea no Brasil
Arte Contemporanea no BrasilArte Contemporanea no Brasil
Arte Contemporanea no Brasil
pagodes
 
Apostila de Artes Visuais (revisada e ampliada 2014)
Apostila de Artes Visuais (revisada e ampliada 2014)Apostila de Artes Visuais (revisada e ampliada 2014)
Apostila de Artes Visuais (revisada e ampliada 2014)
Secretaria de Educação do Maranhão e Imagética Consultoria e Design
 
Op Art
Op ArtOp Art
Slide autorretrato
Slide autorretratoSlide autorretrato
Slide autorretrato
Lismara de Oliveira
 

Mais procurados (20)

Pop Art
Pop ArtPop Art
Pop Art
 
Concretismo Brasileiro - Arte Concreta
Concretismo Brasileiro  - Arte ConcretaConcretismo Brasileiro  - Arte Concreta
Concretismo Brasileiro - Arte Concreta
 
O que é a arte
O que é a arteO que é a arte
O que é a arte
 
Expressionismo
Expressionismo Expressionismo
Expressionismo
 
Arte Conceitual
Arte ConceitualArte Conceitual
Arte Conceitual
 
Aula de arte urbana
Aula de arte urbanaAula de arte urbana
Aula de arte urbana
 
O que é arte?!
O que é arte?!O que é arte?!
O que é arte?!
 
Grafite
GrafiteGrafite
Grafite
 
Prova de arte II bimestre
Prova de arte II bimestreProva de arte II bimestre
Prova de arte II bimestre
 
Historia da arte
Historia da arteHistoria da arte
Historia da arte
 
Arte - Missão artística francesa
Arte - Missão artística francesa Arte - Missão artística francesa
Arte - Missão artística francesa
 
Prova de artes 6 ano
Prova de artes 6 anoProva de artes 6 ano
Prova de artes 6 ano
 
AVALIAÇÃO DE ARTES: EJA - 6° AO 9º ANO
AVALIAÇÃO DE ARTES: EJA - 6°  AO  9º ANOAVALIAÇÃO DE ARTES: EJA - 6°  AO  9º ANO
AVALIAÇÃO DE ARTES: EJA - 6° AO 9º ANO
 
Arte contemporânea
Arte contemporâneaArte contemporânea
Arte contemporânea
 
Expressionismo slide
Expressionismo slideExpressionismo slide
Expressionismo slide
 
Cubismo
CubismoCubismo
Cubismo
 
Arte Contemporanea no Brasil
Arte Contemporanea no BrasilArte Contemporanea no Brasil
Arte Contemporanea no Brasil
 
Apostila de Artes Visuais (revisada e ampliada 2014)
Apostila de Artes Visuais (revisada e ampliada 2014)Apostila de Artes Visuais (revisada e ampliada 2014)
Apostila de Artes Visuais (revisada e ampliada 2014)
 
Op Art
Op ArtOp Art
Op Art
 
Slide autorretrato
Slide autorretratoSlide autorretrato
Slide autorretrato
 

Destaque

Novo Realismo Europeu
Novo Realismo EuropeuNovo Realismo Europeu
Novo Realismo Europeu
Michele Pó
 
Grafite x pichação
Grafite x pichaçãoGrafite x pichação
Grafite x pichação
Junior Onildo
 
Grafite slides aula oitavas série
Grafite  slides aula oitavas sérieGrafite  slides aula oitavas série
Grafite slides aula oitavas série
cleorosa89
 
Academicismo no brasil c/ resumo do impressionismo.
Academicismo no brasil c/ resumo do impressionismo.Academicismo no brasil c/ resumo do impressionismo.
Academicismo no brasil c/ resumo do impressionismo.
Gliciane S. Aragão
 
Século xix no brasil a modernização da arte
Século xix no brasil  a modernização da arteSéculo xix no brasil  a modernização da arte
Século xix no brasil a modernização da arte
ArtesElisa
 
realismo e naturalismo na europa
realismo e naturalismo na europarealismo e naturalismo na europa
realismo e naturalismo na europa
whybells
 
Arte acadêmica no Brasil
Arte acadêmica no BrasilArte acadêmica no Brasil
Arte acadêmica no Brasil
Cieja Narede
 
Op Art & Pop Art
Op Art & Pop ArtOp Art & Pop Art
Op Art & Pop Art
Marcia Alvares
 
8o. ano século xix na europa- as inovações na arte- neoclassicismo
8o. ano  século xix na europa- as inovações na arte- neoclassicismo8o. ano  século xix na europa- as inovações na arte- neoclassicismo
8o. ano século xix na europa- as inovações na arte- neoclassicismo
ArtesElisa
 
Apresenta o - realismo
Apresenta  o - realismoApresenta  o - realismo
Apresenta o - realismo
Arielly Winchester
 
Arte - Realismo
Arte - RealismoArte - Realismo
Arte - Realismo
Maiara Giordani
 
Aula arte realista
Aula   arte realistaAula   arte realista
Aula arte realista
Abrahão Costa de Freitas
 
O Realismo
O RealismoO Realismo
O Realismo
MissBlackBerryBush
 
Realismo
RealismoRealismo
Realismo
CrisBiagio
 
Realismo
RealismoRealismo
Realismo
martinsramon
 

Destaque (15)

Novo Realismo Europeu
Novo Realismo EuropeuNovo Realismo Europeu
Novo Realismo Europeu
 
Grafite x pichação
Grafite x pichaçãoGrafite x pichação
Grafite x pichação
 
Grafite slides aula oitavas série
Grafite  slides aula oitavas sérieGrafite  slides aula oitavas série
Grafite slides aula oitavas série
 
Academicismo no brasil c/ resumo do impressionismo.
Academicismo no brasil c/ resumo do impressionismo.Academicismo no brasil c/ resumo do impressionismo.
Academicismo no brasil c/ resumo do impressionismo.
 
Século xix no brasil a modernização da arte
Século xix no brasil  a modernização da arteSéculo xix no brasil  a modernização da arte
Século xix no brasil a modernização da arte
 
realismo e naturalismo na europa
realismo e naturalismo na europarealismo e naturalismo na europa
realismo e naturalismo na europa
 
Arte acadêmica no Brasil
Arte acadêmica no BrasilArte acadêmica no Brasil
Arte acadêmica no Brasil
 
Op Art & Pop Art
Op Art & Pop ArtOp Art & Pop Art
Op Art & Pop Art
 
8o. ano século xix na europa- as inovações na arte- neoclassicismo
8o. ano  século xix na europa- as inovações na arte- neoclassicismo8o. ano  século xix na europa- as inovações na arte- neoclassicismo
8o. ano século xix na europa- as inovações na arte- neoclassicismo
 
Apresenta o - realismo
Apresenta  o - realismoApresenta  o - realismo
Apresenta o - realismo
 
Arte - Realismo
Arte - RealismoArte - Realismo
Arte - Realismo
 
Aula arte realista
Aula   arte realistaAula   arte realista
Aula arte realista
 
O Realismo
O RealismoO Realismo
O Realismo
 
Realismo
RealismoRealismo
Realismo
 
Realismo
RealismoRealismo
Realismo
 

Semelhante a Op art, Pop art e outras artes

OP - ART e POP - ART
OP - ART e POP - ARTOP - ART e POP - ART
OP - ART e POP - ART
Cristiane Seibt
 
História da Arte - do Construtivismo à Arte Contemporanea
História da Arte - do Construtivismo à Arte ContemporaneaHistória da Arte - do Construtivismo à Arte Contemporanea
História da Arte - do Construtivismo à Arte Contemporanea
Raphael Lanzillotte
 
Arte na segunda metade do século xx
Arte na segunda metade do século xxArte na segunda metade do século xx
Arte na segunda metade do século xx
Itamir Beserra
 
Pós Modernismo
Pós ModernismoPós Modernismo
Pós Modernismo
Bruno Conti
 
POP ART, OP ART & LAND ART
POP ART, OP ART & LAND ARTPOP ART, OP ART & LAND ART
POP ART, OP ART & LAND ART
danf97
 
Pop art lele
Pop art   lelePop art   lele
Pop art lele
Karoline Oliveira
 
Seminário Pop Art and Op Art
Seminário Pop Art and Op Art Seminário Pop Art and Op Art
Seminário Pop Art and Op Art
Everton Rodrigues
 
Pop art trabalho
Pop art   trabalhoPop art   trabalho
Pop art trabalho
Mário Sérgio
 
A cultura no espaço visual
A cultura no espaço visualA cultura no espaço visual
A cultura no espaço visual
Rita Lampreia
 
pop art.pptx
pop art.pptxpop art.pptx
pop art.pptx
Lú Feitosa
 
Pop Arte
Pop ArtePop Arte
Arte moderna
Arte modernaArte moderna
Arte moderna
Lú Carvalho
 
Pop Art
Pop ArtPop Art
Um pouco de arte parte 3
Um pouco de arte parte 3Um pouco de arte parte 3
Um pouco de arte parte 3
renatamruiz
 
Futurismos
FuturismosFuturismos
Futurismos
ISJ
 
Arte contemporânea
Arte contemporânea Arte contemporânea
Arte contemporânea
vinicius teles
 
A Arte Contemporânea
A   Arte ContemporâneaA   Arte Contemporânea
A Arte Contemporânea
rosangela13
 
A Arte ContemporâNea
A   Arte ContemporâNeaA   Arte ContemporâNea
A Arte ContemporâNea
rosangela13
 
A Arte ContemporâNea
A   Arte ContemporâNeaA   Arte ContemporâNea
A Arte ContemporâNea
rosangela13
 
Um Pouco De Arte Parte III
Um Pouco De Arte Parte IIIUm Pouco De Arte Parte III
Um Pouco De Arte Parte III
renatamruiz
 

Semelhante a Op art, Pop art e outras artes (20)

OP - ART e POP - ART
OP - ART e POP - ARTOP - ART e POP - ART
OP - ART e POP - ART
 
História da Arte - do Construtivismo à Arte Contemporanea
História da Arte - do Construtivismo à Arte ContemporaneaHistória da Arte - do Construtivismo à Arte Contemporanea
História da Arte - do Construtivismo à Arte Contemporanea
 
Arte na segunda metade do século xx
Arte na segunda metade do século xxArte na segunda metade do século xx
Arte na segunda metade do século xx
 
Pós Modernismo
Pós ModernismoPós Modernismo
Pós Modernismo
 
POP ART, OP ART & LAND ART
POP ART, OP ART & LAND ARTPOP ART, OP ART & LAND ART
POP ART, OP ART & LAND ART
 
Pop art lele
Pop art   lelePop art   lele
Pop art lele
 
Seminário Pop Art and Op Art
Seminário Pop Art and Op Art Seminário Pop Art and Op Art
Seminário Pop Art and Op Art
 
Pop art trabalho
Pop art   trabalhoPop art   trabalho
Pop art trabalho
 
A cultura no espaço visual
A cultura no espaço visualA cultura no espaço visual
A cultura no espaço visual
 
pop art.pptx
pop art.pptxpop art.pptx
pop art.pptx
 
Pop Arte
Pop ArtePop Arte
Pop Arte
 
Arte moderna
Arte modernaArte moderna
Arte moderna
 
Pop Art
Pop ArtPop Art
Pop Art
 
Um pouco de arte parte 3
Um pouco de arte parte 3Um pouco de arte parte 3
Um pouco de arte parte 3
 
Futurismos
FuturismosFuturismos
Futurismos
 
Arte contemporânea
Arte contemporânea Arte contemporânea
Arte contemporânea
 
A Arte Contemporânea
A   Arte ContemporâneaA   Arte Contemporânea
A Arte Contemporânea
 
A Arte ContemporâNea
A   Arte ContemporâNeaA   Arte ContemporâNea
A Arte ContemporâNea
 
A Arte ContemporâNea
A   Arte ContemporâNeaA   Arte ContemporâNea
A Arte ContemporâNea
 
Um Pouco De Arte Parte III
Um Pouco De Arte Parte IIIUm Pouco De Arte Parte III
Um Pouco De Arte Parte III
 

Mais de Marcio Duarte

Produção de Roteiro Publicitário para TV
Produção de Roteiro Publicitário para TVProdução de Roteiro Publicitário para TV
Produção de Roteiro Publicitário para TV
Marcio Duarte
 
Introdução a Internet
Introdução a InternetIntrodução a Internet
Introdução a Internet
Marcio Duarte
 
Egito
EgitoEgito
Arte grega
Arte gregaArte grega
Arte grega
Marcio Duarte
 
Pre-história
Pre-históriaPre-história
Pre-história
Marcio Duarte
 
Alfabetismo Visual na Moda
Alfabetismo Visual na ModaAlfabetismo Visual na Moda
Alfabetismo Visual na Moda
Marcio Duarte
 
Gestalt
GestaltGestalt
Gestalt
Marcio Duarte
 
Processo criativo
Processo criativoProcesso criativo
Processo criativo
Marcio Duarte
 
O Designer Valorizado
O Designer ValorizadoO Designer Valorizado
O Designer Valorizado
Marcio Duarte
 
Conceitos de Design
Conceitos de DesignConceitos de Design
Conceitos de Design
Marcio Duarte
 
Wordpress
WordpressWordpress
Wordpress
Marcio Duarte
 
História do Design (2016)
História do Design (2016)História do Design (2016)
História do Design (2016)
Marcio Duarte
 
Metodologia para produtos de moda
Metodologia para produtos de modaMetodologia para produtos de moda
Metodologia para produtos de moda
Marcio Duarte
 
Aula 07 impressionismo-expressionismo
Aula 07 impressionismo-expressionismoAula 07 impressionismo-expressionismo
Aula 07 impressionismo-expressionismo
Marcio Duarte
 
Aula 06 naturalismo-realismo
Aula 06 naturalismo-realismoAula 06 naturalismo-realismo
Aula 06 naturalismo-realismo
Marcio Duarte
 
Aula 05 neoclassicismo-romantismo
Aula 05 neoclassicismo-romantismoAula 05 neoclassicismo-romantismo
Aula 05 neoclassicismo-romantismo
Marcio Duarte
 
Aula 04 barroco-e_rococo
Aula 04 barroco-e_rococoAula 04 barroco-e_rococo
Aula 04 barroco-e_rococo
Marcio Duarte
 
Aula 03 renascimento-maneirismo
Aula 03 renascimento-maneirismoAula 03 renascimento-maneirismo
Aula 03 renascimento-maneirismo
Marcio Duarte
 
Aula 02 arte-crista- id_media
Aula 02 arte-crista- id_mediaAula 02 arte-crista- id_media
Aula 02 arte-crista- id_media
Marcio Duarte
 
Aula 08 fauvismo-expressionismo_futurismo_cubismo
Aula 08 fauvismo-expressionismo_futurismo_cubismoAula 08 fauvismo-expressionismo_futurismo_cubismo
Aula 08 fauvismo-expressionismo_futurismo_cubismo
Marcio Duarte
 

Mais de Marcio Duarte (20)

Produção de Roteiro Publicitário para TV
Produção de Roteiro Publicitário para TVProdução de Roteiro Publicitário para TV
Produção de Roteiro Publicitário para TV
 
Introdução a Internet
Introdução a InternetIntrodução a Internet
Introdução a Internet
 
Egito
EgitoEgito
Egito
 
Arte grega
Arte gregaArte grega
Arte grega
 
Pre-história
Pre-históriaPre-história
Pre-história
 
Alfabetismo Visual na Moda
Alfabetismo Visual na ModaAlfabetismo Visual na Moda
Alfabetismo Visual na Moda
 
Gestalt
GestaltGestalt
Gestalt
 
Processo criativo
Processo criativoProcesso criativo
Processo criativo
 
O Designer Valorizado
O Designer ValorizadoO Designer Valorizado
O Designer Valorizado
 
Conceitos de Design
Conceitos de DesignConceitos de Design
Conceitos de Design
 
Wordpress
WordpressWordpress
Wordpress
 
História do Design (2016)
História do Design (2016)História do Design (2016)
História do Design (2016)
 
Metodologia para produtos de moda
Metodologia para produtos de modaMetodologia para produtos de moda
Metodologia para produtos de moda
 
Aula 07 impressionismo-expressionismo
Aula 07 impressionismo-expressionismoAula 07 impressionismo-expressionismo
Aula 07 impressionismo-expressionismo
 
Aula 06 naturalismo-realismo
Aula 06 naturalismo-realismoAula 06 naturalismo-realismo
Aula 06 naturalismo-realismo
 
Aula 05 neoclassicismo-romantismo
Aula 05 neoclassicismo-romantismoAula 05 neoclassicismo-romantismo
Aula 05 neoclassicismo-romantismo
 
Aula 04 barroco-e_rococo
Aula 04 barroco-e_rococoAula 04 barroco-e_rococo
Aula 04 barroco-e_rococo
 
Aula 03 renascimento-maneirismo
Aula 03 renascimento-maneirismoAula 03 renascimento-maneirismo
Aula 03 renascimento-maneirismo
 
Aula 02 arte-crista- id_media
Aula 02 arte-crista- id_mediaAula 02 arte-crista- id_media
Aula 02 arte-crista- id_media
 
Aula 08 fauvismo-expressionismo_futurismo_cubismo
Aula 08 fauvismo-expressionismo_futurismo_cubismoAula 08 fauvismo-expressionismo_futurismo_cubismo
Aula 08 fauvismo-expressionismo_futurismo_cubismo
 

Último

Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
arodatos81
 
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
LeilaVilasboas
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdfOficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
beathrizalves131
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Seminário de Gestão Pública e Defesa Civil
Seminário de Gestão Pública e Defesa CivilSeminário de Gestão Pública e Defesa Civil
Seminário de Gestão Pública e Defesa Civil
EduardoLealSilva
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
Ligia Galvão
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
Espanhol Online
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Mary Alvarenga
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Leonel Morgado
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Mary Alvarenga
 
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdfCALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CristviaFerreira
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Mary Alvarenga
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da químicaTEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
VictorEmanoel37
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
marcos oliveira
 

Último (20)

Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
 
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdfOficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
 
Seminário de Gestão Pública e Defesa Civil
Seminário de Gestão Pública e Defesa CivilSeminário de Gestão Pública e Defesa Civil
Seminário de Gestão Pública e Defesa Civil
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
 
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
 
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdfCALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da químicaTEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
 

Op art, Pop art e outras artes

  • 2. OP ART | POP ART | MINIMALISMO
  • 3. No início da segunda metade do século XX, os grandes centros urbanos já estão recuperados dos danos causados pela Segunda Guerra Mundial. A indústria tem sua capacidade de produção redobrada, colocando no mercado artigos que são largamente consumidos pelos habitantes das cidades, que crescem sem parar.” Foi dentro deste contexto social, que ganhou força dois modos de expressão artística. Op-Art Pop-Art
  • 4. Op Art Este tipo de arte tem como principal função substituir a noção de beleza natural pela beleza artificial. Esta arte define-se pela representação do abstrato e na maior parte das peças as cores mais utilizadas são o preto e o branco. Quando observados, dão a impressão de movimento, clarões ou vibração, ou por vezes parecem inchar ou deformar. Principal autor desta obra foi Victor Vasarely, pintor que partiu de influências abstrato-geométricas. “Introduziu a noção de movimento e de espaço tempo”. Dinamizou a forma quadrada e o circulo. Victor Vasarely afirmou que “criar uma obra de arte não significa que se está a imitar a Natureza, mas sim que estamos em pé de igualdade com ela e que até a ultrapassarmos utilizando meios que, de entre todos os seres vivos, só são acessíveis ao homem” Movement in squares - Bridget Riley 1961 Tempera on board 122x122
  • 5. Para a Op-Art a arte deveria simbolizar a possibilidade constantes de modificações da realidade em que o homem vive.
  • 6. A expressão Op Art vem do inglês (optical art) e significa “arte óptica”. O seu precursor é Victor Vasarely (1908- 1997), criador da plástica do movimento.
  • 7. Arte Cinética A arte cinética, é uma das principais corrente das artes plásticas que explora efeitos visuais por meio de movimentos físicos ou pela procura de ilusão óptica ou truques de posicionamento de peças. Victor Vasarely, Vega 200, 1968, acrílico sobre tela, 200 X200 cm Vitor Vasarely dedicou-se a aspectos cinéticos da arte, as suas telas são abstratas e pretendem criar uma ilusão de movimento com elementos geométricos padronizados e cores contrastantes numa progressão matemática. Podemos dizer que as suas obras são uma celebração à velocidade da vida contemporânea. Este é um poeta do cinético.
  • 8. As obras da Op-Art apresentam diferentes figuras geométricas, em preto e branco ou coloridas, combinadas de modo a provocar no espectador sensações de movimento.
  • 9. Trata-se de uma arte que da mesma forma que a vida contemporânea; Está em constante alteração.
  • 10. As pesquisas de sugestão do movimento a partir das sensações ópticas desenvolveram-se principalmente na década de 60. Essa concepção plástica contribuiu para a invenção de móbiles, uma vez que estes dão a idéia de movimento.
  • 11. Embora os móbiles pareçam simples, sua montagem é muito complexa, pois exige o conhecimento da matemática; com peso e contrapeso muito bem estudados, para que o movimento tenha ritmo e sua duração se prolongue.
  • 12. OP ART - 1950 • VITOR VASARELY – 2197 CHEVY
  • 37. Escher – ascendente e descendente
  • 38. anjos
  • 51. Pop Art. • Pop Art, movimento que usava figuras e ícones populares como tema de suas pinturas • Com o objetivo da crítica irônica do bombardeamento da sociedade pelos objetos de consumo • Operava com signos estéticos massificados da publicidade e do consumo, usando como materiais principais, tinta acrílica, poliéster, látex, produtos com cores intensas, brilhantes e vibrantes, reproduzindo objetos do cotidiano em tamanho consideravelmente grande, transformando o real em hiper-real.
  • 52. Alguns artistas pop • Roy Fox Lichtenstein • Wayne Thiebaud • Yayoi Kusama • Peter Blake • Andy Warhol
  • 53. Pop Art Roy Lichtenstein, rapariga Lavada em Lágrimas, acrílico sobre tela, 171,6 X 169,5 cm Pop art era um movimento que tinha como principais características o uso de figuras e ícones populares como tema das suas obras. Era um movimento que se baseava numa linguagem figurativa. A principal temática deste movimento estava relacionada com “a cultura popular” que era composta por: imagens do cotidiano, retiradas das revistas e dos jornais, da fotografia, do cinema e da televisão. A imagem utilizada demonstra uma certa frieza e impessoalidade.
  • 54. Enquanto a Op Art procurava expressar as constantes modificações da realidade em que o homem vive; A Pop Art procurava expressar a realidade contemporânea, sobretudo a cultura da cidade, dominada pela tecnologia industrial.
  • 55. A expressão “Pop-Art” vem do inglês e significa “arte popular”. Procura expressar a realidade contemporânea, sobretudo a cultura da cidade, dominada pela tecnologia social.
  • 56. A fonte de criação para os artistas ligados a esse movimento, era o dia-a-dia das grandes cidades norte-americanas, pois sua proposta era romper qualquer barreira entre a arte e a vida comum. Para a Pop Art interessam as imagens, o ambiente, enfim, a vida que a tecnologia industrial criou nos grandes centros urbanos.
  • 57. Os recursos expressivos da Pop-Art são semelhantes ao do meio de comunicação de massa, como o cinema, a publicidade e a tevê.
  • 58. Os temas da Pop-Art são os símbolos e os produtos industriais dirigidos as massas urbanas: Lâmpadas elétricas, automóveis, sinais de trânsito, eletrodomésticos, enlatados e até mesmo imagens de grandes estrelas.
  • 59. Um exemplo bastante ilustrativo é o trabalho de Marilyn Monroe, feito por Andy Warhol (1930-1987). Neste trabalho realizado em uma fotografia, Andy Warhol reproduz, em sequência, as imagens da atriz de Hollywood de muito sucesso na época. Apesar das variações de cor os traços da atriz permanecem invariáveis.
  • 60. POP – ART 1950
  • 61. outro artista que também representava a estética da Pop Art é Roy Lichtenstein (1923-1997), que apreciava a construção das imagens publicitárias e das histórias em quadrinhos. O emprego dos pontos que se tornou uma característica peculiar desse artista, relaciona-se ao tipo de impressão que os ilustradores das revistas norte- americanas, conseguiram fazer no final do século XIX. Nesta época, com os recursos inexistentes, as imagens impressas apresentavam pequenos pontos muito próximos uns dos outros. Apenas com o desenvolvimento tecnológico é que a impressão de imagens em jornais e revistas, torna-se cada vez mais nítidas e desaparecem os pequenos pontos.
  • 62. David Hockney, o mergulho
  • 64. Andy Warhol -16 jackies
  • 65. Warhol, elvis e Marilyn, serigrafia
  • 69. Peter Blake, na sacada
  • 70. Peter Blake, autoretrato com distintivos
  • 71. Hamilton, eu te amo com meu ford
  • 79. Pin-ups – desenvolvidas para o público masculino, eram carregadas de sensualidade e influenciaram ícones do cinema. Bet Boop - 1930 Daves & Max Fleischer
  • 80. MINIMALISMO • O minimalismo surgiu em Nova York no fim da década de 1960. Caracteriza-se pela extrema simplicidade de formas e pela abordagem literal e objetiva dos temas. • As primeiras manifestações dos escultores e pintores minimalistas nasceram de sua insatisfação com a action painting, ramo do expressionismo abstrato que dominou a arte americana de vanguarda durante grande parte da década de 1950. • Os minimalistas consideravam a action painting, de traço intuitivo e espontâneo, muito personalista e sem substância. Defendiam que a obra de arte não deveria referir-se a outra coisa a não ser a si própria e, em seus trabalhos, evitaram associações extra-visuais. » Fonte: www.pitoresco.com.br
  • 81. Minimalismo • Desenvolveu-se nos EUA durante os anos 50 e só usava as formas geométricas mais simples. O caráter impessoal desse gênero é visto como reação à emotividade do expressionismo abstrato. • Surgiu da arte contida e espartana de expressionistas abstratos como Mark Rothko e Barnett Newman. • Alude ou à redução da variedade visual numa imagem, ou ao nível de esforço artístico necessário para produzir tal redução. • Forma de arte pura e livre de mistura, despojada de referências não-essenciais e incontaminada pela subjetividade.
  • 82. Ad Reinhardt (1913 – 1967) foi o minimalista por excelência. Acreditava ardorosamente em reduzir a arte à forma mais pura e, por extensão, ao estado espiritual mais puro. Abstract painting number 5 - nessa superfície uniforme, intensa e negro- azulada, a mão do artista faz-se propositalmente invisível.
  • 83. Outros artistas minimalistas : Frank Stella, Agnes Martin e Dorothea Rockburne
  • 84. • As obras minimalistas possuem um mínimo de recursos e elementos. A pintura minimalista usa um número limitado de cores e privilegia formas geométricas simples, repetidas simetricamente.
  • 85. A segunda e mais importante fase do movimento surgiu de artistas como Sol LeWitt, Frank Stella, Donald Judd e Robert Smithson, cuja produção tendia ultrapassar os conceitos tradicionais sobre a necessidade do suporte: procuravam estudar as possibilidades estéticas a partir de estruturas bi ou tridimensionais.
  • 93. Arte conceitual • Movimento que defende a superioridade das idéias veiculadas pela obra de arte, deixando os meios usados para a criar em lugar secundário. • A obra do artista francês Marcel Duchamp, nas décadas de 1910 e 1920 tinha prenunciado o movimento conceitualista, ao propor vários exemplos de trabalhos que se tornariam o protótipo das obras conceptuais, como os readymades, ao desafiar qualquer tipo de categorização. • Um trabalho de arte conceitual, em sua forma mais típica, costumava ser apresentado ao lado da teoria. Pôde-se assistir a um gradual abandono da realização artística em si, em nome das discussões teóricas. • Artistas: Josef Beuys, Piero Manzoni, Robert Barry
  • 94. • Recorre freqüentemente ao uso de fotografias, mapas e textos escritos (como definições de dicionário). Em alguns casos, como no de Sol Lewitt, Yoko Ono e Lawrence Weiner, reduz-se a um conjunto de instruções escritas que descrevem a obra, sem que esta se realize de fato, dando ênfase à idéia no lugar do artefato. • Alguns artistas tentam, também, desta forma, mostrar a sua recusa em produzir objetos de luxo - função geralmente ligada à idéia tradicional de arte - como os que podemos ver em museus. • O movimento estendeu-se, aproximadamente, de 1967 a 1978. Foi muito influente, contudo, na obra de artistas como Mike Kelley ou Tracy Emin que são por vezes referidos como conceitualistas da segunda ou terceira geração, ou pós-conceitualistas.
  • 95. Joseph Beuys. Felt Suit,1970 Piero Manzoni ("Merda d'artista").
  • 96. A arte conceitual é um processo de contra-cultura que cresceu no pós-guerra é uma arte engajada politicamente e subversiva que costuma questionar parâmetros de valor da própria produção artística.
  • 97. Ready made – Marcel Duchamp
  • 98. Action painting – Jackson Pollock
  • 99. Graffite (Pixação) A definição mais popular diz que o grafite é um tipo de inscrição feita em paredes, dessa maneira temos relatos e vestígios do mesmo desde o Império Romano. Seu aparecimento na idade contemporânea se deu na década de 1970, em Nova Iorque, nos Estados Unidos.
  • 100. Graffite (Pixação) • Grafite é uma forma de manifestação artística em espaços públicos. • O que a arte de rua (graffite) faz é subverter estes conceitos.
  • 101. Happenings • O happening (do inglês, acontecimento) é uma forma de expressão das artes visuais que, de certa maneira, apresenta características das artes cênicas. Neste tipo de obra, quase sempre planejada, incorpora-se algum elemento de espontaneidade ou improvisação, que nunca se repete da mesma maneira a cada nova apresentação. • Apesar de ser definida por alguns historiadores como um sinônimo de performance, o happening é diferente porque, além do aspecto de imprevisibilidade, geralmente envolve a participação direta ou indireta do público espectador. Para o compositor John Cage, os happenings eram "eventos teatrais espontâneos e sem trama".
  • 102. Happening • Principais artistas – Allan Kaprow – Claes Oldenburg – Jim Dine – John Cage – Robert Rauschenberg – Roy Lichtenstein – Wolf Vostell O termo happening, como categoria artística, foi utilizado pela primeira vez pelo artista Allan Kaprow, em 1959. Como evento artístico, acontecia em ambientes diversos, geralmente fora de museus e galerias, nunca preparados previamente para esse fim.
  • 103. Allan Kaprow, Fluids, October 1967
  • 105. Body Art • A Body Art (do inglês, arte do corpo) está associada à arte conceitual e ao minimalismo. É uma manifestação das artes visuais onde o corpo do artista é utilizado como suporte ou meio de expressão. • O espectador pode atuar não apenas de forma passiva, mas também como voyeur ou agente interativo. Via de regra, as obras de body art, como criações conceituais, são um convite à reflexão. • Foi na década de 1960 que essa forma de arte se popularizou e se espalhou pelo mundo.
  • 106. Body art • Há casos em que a body art assume o papel de ritual ou apresentação pública, apresentando, portanto, ligações com o Happening e a Performance. Outras vezes, sua comunicação com o público se dá através de documentação, por meio de videos ou fotografia. • Suas origens encontram referências no início do séc. XX na premissa de Marcel Duchamp em que "tudo pode ser usado como uma obra de arte", inclusive o corpo. Além de Duchamp, podem ser considerados precursores da body art o francês Yves Klein, que usava corpos femininos como "pincéis vivos", do americano Vito Acconci e do italiano Pedro Manzoni.
  • 107. Principais artistas • Bob Flanagan • Bruce Nauman • Chris Burden • Dennis Oppenheim • Gina Pane • Marina Abramovic • Mona Hatoum • Piero Manzoni • Rudolf Schwarzkogler • Stuart Brisley • Vito Acconci • Yves Klein • Youri Messen-Jaschin
  • 111. Land Art • A Land Art, também conhecida como Earth Art ou Earthwork é o tipo de arte em que o terreno natural, em vez de prover o ambiente para uma obra de arte, é ele próprio trabalhado de modo a integrar-se à obra. • A Land Art surgiu em finais da década de 1960, em parte como conseqüência de uma insatisfação crescente em face da deliberada monotonia cultural pelas formas simples do minimalismo, em parte como expressão de um desencanto relativo à sofisticada tecnologia da cultura industrial, bem como ao aumento do interesse às questões ligadas à ecologia.
  • 112. • O conceito estabeleceu-se numa exposição organizada na Dwan Gallery, Nova York em 1968, e na exposição Earth Art, promovida pela Universidade de Cornell, em 1969. • É um tipo de arte que, por suas características, não é possível expor em museus ou galerias (a não ser por meio de fotografias). Devido às muitas dificuldades de colocar-se em prática os esquemas de land art, suas obras muitas vezes não vão além do estágio de projeto. • Dentre as obras de land art que foram efetivamente realizadas, a mais conhecida talvez seja a Plataforma Espiral (Spiral Jetty), de Robert Smithson (1970), construída no Grande Lago Salgado, em Utah, nos Estados Unidos da América.
  • 113. Principais artistas • Robert Smithson (1938-1973) • Sol LeWitt (1928) • Robert Morris (1931) • Carl Andre (1935) • Christo & Jeanne-Claude (ambos nascidos em 1935) • Walter de Maria (1935) • Dennis Oppenheim (1938) • Richard Long (1945).
  • 115. Carl André Stone Field Sculpture Rise, 2011
  • 116. Instalações • Arte de instalações (krafts) é uma manifestação artística onde a obra é composta de elementos organizados em um ambiente fechado. A disposição de elementos no espaço tem a intenção de criar uma relação com o espectador. • Uma das possibilidades da instalação é provocar sensações: frio, calor, odores, som ou coisas que simplesmente chamem a atenção do público ao redor.
  • 117. Artistas • Spencer Tunick • Barbara Kruger • Lee Bul • Misha Kuball • Diller + Scofidio • Christo et Jeanne- Claude • Anish Kapoor • Wim Delvoye • Gary Hill • Vanessa Beecroft • Wolf Vostell • Ange Leccia • Norman Dilworth • Ruediger John • Artur Barrio • Joana Vasconcelos
  • 118. Mischa Kuball Broca Re:Mix, 2007, multimedia installation, dimensions variable "space-speech-speed" 1998
  • 119. Norman Dilworth Puff Ball and Parts of a Circle, 2008 White overlap - 1966 - guache e crayon sobre papel
  • 120. Performances • A Performance é uma modalidade de artes visuais que, assim como o happening, apresenta ligações com o teatro e, em algumas situações, com a música, poesia, o vídeo. • Difere do happening por ser mais cuidadosamente elaborada e não envolver necessariamente a participação dos espectadores. Assim, como geralmente possui um "roteiro" previamente definido, é passível de ser reproduzida fielmente, em outros momentos ou locais. • Como muitas vezes a performance é realizada para uma platéia restrita ou mesmo ausente, seu conhecimento depende de registros através de fotografias, vídeos e/ou memoriais descritivos.
  • 121. Principais artistas • Artur Barrio • Chris Burden • Corpos Informáticos • Gilbert & George • Hermann Nitsch • Joseph Beuys • Marina Abramovic • Otto Müehl • Paulo Nazareth • Rudolf Schwarzkogler • Vito Acconci • Youri Messen-Jaschin
  • 124. Vídeoarte • A videoarte é uma forma de expressão artística que utiliza a tecnologia do vídeo em artes visuais. • Desde os anos 1960, a videoarte está associada a correntes de vanguarda. • Alguns dos principais representantes deste tipo de arte são Nam June Paik, Bill Viola e, no Brasil, Eder Santos, Paulo Bruscky , Fernando Cocchiarale, Corpos Informáticos, entre diversos outros.