SlideShare uma empresa Scribd logo
1º ano: Apostila 01 / Aula 02
Professor Claudio Henrique Ramos Sales
SOCIOLOGIA
• Isso significa que estamos sempre sujeitos a
coerções sociais, isto é, a aceitar valores que podem
não ser compatíveis com nossas opiniões e crenças
pessoais.
• Valores que, em última instância, poderiam ser bem
diferentes, se cada um pudesse escolhê-los de
acordo com sua vontade.
• A noção de coerção social é a base para entendermos
um dos conceitos mais relevantes da Sociologia
moderna: o de FATO SOCIAL, proposto por Émile
Durkheim em sua obra As regras do método
sociológico.
• Quando nascemos já encontramos um mundo
pronto, com suas leis, suas regras de
funcionamento os padrões de comportamento
institucionalizados e as normas de conduta a
serem seguidas.
• Querendo ou não, de modo inconsciente ou
não, acabamos pautando nosso modo de agir
por essas regras
 Seja para referendá-las;
 seja para discordar delas.
• Muitas vezes, por influência da família, da
religião, da escola, dos hábitos de nossos
amigos, acabamos vestindo “máscaras”
sociais;
• Agimos assim pois sabemos que nossas
atitudes estão sempre sendo julgadas;
• Por isso, podemos sentir necessidade de
adequar nosso comportamento e nosso
pensamento aos valores estabelecidos.
Na obra As regras do método sociológico,
Durkheim definiu o que entendia por fatos sociais.
- Fatos Sociais: São os modos de pensar, sentir e
agir de um grupo social.
- Durkheim via o fato social como “coisa”, ou seja,
algo objetivo, capaz de ser estudado, analisado,
compreendido e explicado racionalmente.
- Os fatos sociais têm a seguinte característica:
• GENERALIDADE;
• EXTERIORIDADE;
• COERÇÃO SOCIAL.
- Os fatos sociais não se apresentam como fatos
isolados.
- Envolvem muitos indivíduos e muitos grupos ao longo
do tempo, repetem-se e difundem-se.
- O fato social é comum a todas as pessoas do grupo,
está presente em boa parte da sociedade ou dentro do
processo histórico; como por exemplo, o desemprego.
- A assiduidade com que determinados fatos ocorrem
na sociedade indica a sua importância e a necessidade
de estudá-los.
- Isso torna a estatística uma das ferramentas que
garante ao sociólogo a objetividade do controle.
- É pela generalidade que os fatos sociais exibem a sua
natureza coletiva, sejam eles fatos observáveis, como o
modelo da habitação de um grupo, sejam fatos morais
como valores e crenças.
- Ao nascer, já encontramos regras sociais,
costumes e leis que somos coagidos a
aceitar por meio de mecanismos de coerção
social, como a educação.
- Não nos é dada a possibilidade de opinar
ou escolher, sendo, assim, independente de
nós, de nossos desejos e vontades
- O Fato social existe independente da
vontade das pessoas, por isso ele é exterior
ao indivíduo; como, por exemplo, a
educação e a escola.
- Os fatos sociais são coisas externas e
objetivas, que não dependem da consciência
individual das pessoas para existir
- O fato social não é estabelecido pelo
individuo. Quando entramos em um grupo
social, tal norma já existia e, quando sairmos
dele, provavelmente ela continuara
existindo.
- Podemos experimentar a exterioridade dos
fatos sociais nas formas de agir e pensar que
não adotaríamos de modo espontâneo ou
como resultado apenas de nossa vontade.
- Por exemplo, ao nos sentirmos
pressionados a obedecer nosso lugar na
numa fila quando nosso desejo nos impede a
passar os outros para trás.
- Os fatos sociais distinguem-se dos fatos
orgânicos ou psicológicos por se imporem ao
individuo como uma poderosa força coerciva
à qual ele deve, obrigatoriamente, se
submeter.
- A adoção de um idioma, a organização
familiar e o sentimento de pertencer a uma
nação são manifestações co comportamento
humano dotadas dessa força impositiva
sobre o individuo.
- Essa força que Durkheim denominou
coerção social.
- Há um comportamento determinado que as
pessoas são obrigadas a seguir
independente de sua vontade.
- Os fatos sociais, segundo Durkhein, são
maneiras de “agir ou de pensar”. Eles possuem
existência própria e são capazes de obrigar
(“influência coerciva”) a se comportarem dessa ou
daquela maneira
- Muitas vezes nos comportamos como achamos
que devemos nos comportar, mas, por traz dessa
aparente liberdade irrestrita existem hábitos,
costumes coletivos, ou mesmo regras, que nós
aceitamos como validas e nos induzem a assumir
certas atitudes
- Quer a pessoa queira ou não, ela é obrigada a
seguir o costume geral.
- Porém, se não seguir, sofrerá uma punição
(ridicularização, isolamento ou até sansão
penal).
- A força coerciva dos fatos sociais se manifesta
pelas "sanções legais" ou "espontâneas" a que o
individuo está sujeito quando o sujeito tenta
rebelar-se contra ela.
- "Legais" são as sanções prescritas pela
sociedade, sob a forma de leis, nas quais se
define a infração e se estabelece a penalidade
correspondente.
- "Espontânea" são as que afloram como
resposta a uma conduta considerada
inadequada por um determinado grupo ou uma
- Multas de transito, por exemplo, fazem parte
das coerções legais, pois estão previstas e
organizadas pela legislação que regulamenta o
tráfego de veículos e pessoas pelas vias
publicas.
- Já os olhares de reprovação de que somos
alvo quando comparecemos a um local com a
roupa inadequada constituem sanções
espontâneas. Embora não codificados em lei,
esses olhares têm o poder de conduzir o
infrator para o comportamento esperado
"[...] a coerção é menos violenta; mas não deixa de existir. Se não me
submeto às convenções mundanas; se, ao me vestir, não levo em
consideração os usos seguidos em meu país e na minha classe, o risco que
provoco, o afastamento em que os outros me conservam, produzem, embora
de maneira mais atenuada, os mesmos efeitos que uma pena propriamente
dita."
RODRIGUES, José Albertino (Org.). Durkheim.
São Paulo: Ática, 1981. p. 47.
- O comportamento desviante em um grupo social pode não
ter penalidade prevista por lei, mas o infrator pode ser
espontaneamente punido pelo grupo na medida em que suas
ações ferem determinados valores e princípios.
- A reação negativa da sociedade a certas atitudes ou
comportamentos é, muitas vezes, mais intimidadora do que a
lei.
- A "educação" - entendida de forma geral, ou seja, a
educação formal e informal - desempenha, segundo
Durkheim, uma importante tarefa nessa adequação dos
indivíduos à sociedade em que vivem, a ponto de, após
algum tempo, as regras estarem internalizadas nos membros
do grupo e transformadas em habito.
- O uso de uma determinada língua ou o gosto por
determinada comida são internalizados no indivíduo, que
passa a considerar tais hábitos como pessoais.
FATO SOCIAL
(características)seria
realidade
do
individuo
composta de
regras, leis,
costumes, rituais
caracteriza-se
por
GENERALIDADE
ou seja
tudo
aquilo
que é
repetido
por todos
os
indivíduos
EXTERIORIDADE
ou seja
é exterior
ao individuo
assim como
regras e leis sociais
COERÇÃO
SOCIAL
manifestando-se
quando
adotamos
um
idioma
ou uma
forma
apresenta-se
sob forma
de SANÇÕES
como
força que os
fatos exercem
sobre os indivíduos
 São fatos sociais: Modos de vestir, a língua,
o sistema monetário, a religião, as leis, etc.
 Exemplo 01: Imagine um professor nesse
exato momento entrando na sala de aula
vestindo somente uma sunga...
Sala de aula
não é lugar
para vestir
sunga.
Mas na praia, está tudo bem!
 Exemplo 02: Imagine o seu professor se
comportando na sala de aula como se
estivesse em um estádio, berrando feito um
doido, xingando, cantando roucamente,
chorando, provocando.
Sala de aula
não é lugar
para
comportament
os
escandalosos.
Curitiba-PR (Final da Copa do Brasil de 2008)
Professor Henry
ensandecido
Mas no estádio, está
tudo bem!
 Exemplo 03: Imagine que você está na
recepção de uma delegacia de polícia,
pronto para prestar uma queixa, e do nada,
tem início uma balada com efeito de luzes e
fumaça, acompanhado de musica
eletrônica, e o delegado começa a dançar
sensualmente junto com a investigadora de
plantão.
Delegacia não
é espaço para
festa ou para
qualquer outra
forma de
entretenimento
.
 O conceito de fato social pode passar a
impressão de que os indivíduos estão sempre
obrigados a respeitar um padrão de
comportamento, uma norma de conduta,
uma lei, uma ideologia, que lhes são
impostos, sem que haja a possibilidade de
discordar da força coercitiva dos fatos
sociais. Isso não é verdade.
 Em relação ao comportamento dos indivíduos
diante da coerção social, pode-se destacar
duas posturas: ALIENAÇÃO e TRANSGRESSÃO
ALIENAÇÃO
 Ocorre toda vez que os indivíduos seguem
as determinações da sociedade de
maneira inconsciente, sem que haja
nenhum tipo de questionamento a essas
determinações.
TRANSGRESSÃO
 Ocorre toda vez que os indivíduos se negam
a respeitar as coerções sociais.
 Os indivíduos em uma sociedade
democrática, podem cometer essas
transgressões.
 PORÉM...
 Toda transgressão resulta em uma punição.
 As punições variam de acordo com a
transgressão cometida, indo de práticas
preconceituosas até a pena de morte,
dependendo da sociedade.
http://www.consciencia.org/durkheim-e-a-
sociologia
http://www.airtonjo.com/socio_antropologic
o02.htm
http://www.infoescola.com/sociologia/emile-
durkheim/
Dicas De Sites para pesquisa:
Émile Durkheim
(1858 – 1917) é considerado um dos pais da sociologia
moderna. Fundador da escola francesa de sociologia, que
combinava a pesquisa empírica com a teoria sociológica, é
reconhecido como um dos melhores teóricos do conceito de
coerção social. Suas principais obras são: Da divisão social do
trabalho (1893), Regras do método sociológico (1895), O
suicídio (1897) e As formas elementares de vida religiosa
(1912).
http://blogdoprofessorhenry.blogspot.com.b
r/search/label/Emile%20Durkheim
Aula 02 - Liberdades individuais e Coerção Social (A Sociologia de Émile Durkheim e os Fatos Sociais)

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Trabalho e Sociedade
Trabalho e SociedadeTrabalho e Sociedade
Trabalho e Sociedade
Portal do Vestibulando
 
Sociologia, Cultura e Sociedade
Sociologia, Cultura e SociedadeSociologia, Cultura e Sociedade
Sociologia, Cultura e Sociedade
Moacyr Anício
 
Introdução à Sociologia
Introdução à SociologiaIntrodução à Sociologia
Introdução à Sociologia
Alison Nunes
 
Indústria Cultural
Indústria CulturalIndústria Cultural
Indústria Cultural
Munis Pedro
 
01 - O que é Sociologia
01 - O que é Sociologia01 - O que é Sociologia
01 - O que é Sociologia
Claudio Henrique Ramos Sales
 
Movimentos Sociais na Atualidade
Movimentos Sociais na AtualidadeMovimentos Sociais na Atualidade
Movimentos Sociais na Atualidade
Brenda Grazielle
 
As origens e os principais teóricos da sociologia
As origens e os principais teóricos  da sociologiaAs origens e os principais teóricos  da sociologia
As origens e os principais teóricos da sociologia
Lucio Oliveira
 
Introduçao a sociologia
Introduçao a sociologiaIntroduçao a sociologia
Introduçao a sociologia
Marcelo Freitas
 
Sociologia: Principais correntes
Sociologia: Principais correntes Sociologia: Principais correntes
Sociologia: Principais correntes
Edenilson Morais
 
Sociologia e Sociedade
Sociologia e SociedadeSociologia e Sociedade
Sociologia e Sociedade
Rosane Domingues
 
Os Clássicos da Sociologia (Émile Durkheim)
Os Clássicos da Sociologia (Émile Durkheim)Os Clássicos da Sociologia (Émile Durkheim)
Os Clássicos da Sociologia (Émile Durkheim)
e neto
 
INTRODUÇÃO AOS DIREITOS HUMANOS
INTRODUÇÃO AOS DIREITOS HUMANOSINTRODUÇÃO AOS DIREITOS HUMANOS
INTRODUÇÃO AOS DIREITOS HUMANOS
Isabela Espíndola
 
O QUE É SOCIOLOGIA?
O QUE É SOCIOLOGIA?O QUE É SOCIOLOGIA?
O QUE É SOCIOLOGIA?
guest6a86aa
 
Aula 4-sociologia-aula-4-antropologia
Aula 4-sociologia-aula-4-antropologiaAula 4-sociologia-aula-4-antropologia
Aula 4-sociologia-aula-4-antropologia
Suely Lima Lopes
 
4 filosofia e senso comum
4 filosofia e senso comum 4 filosofia e senso comum
4 filosofia e senso comum
Erica Frau
 
Identidade cultural no Mundo
Identidade cultural no MundoIdentidade cultural no Mundo
Identidade cultural no Mundo
Escola Estadual Alonso de Morais Andrade
 
Poder, Política e Estado.
Poder, Política e Estado.Poder, Política e Estado.
Poder, Política e Estado.
Paula Raphaela
 
Cidadania
CidadaniaCidadania
Processo de socialização
Processo de socializaçãoProcesso de socialização
Processo de socialização
homago
 
Movimentos sociais
Movimentos sociaisMovimentos sociais
Movimentos sociais
Juliana Corvino de Araújo
 

Mais procurados (20)

Trabalho e Sociedade
Trabalho e SociedadeTrabalho e Sociedade
Trabalho e Sociedade
 
Sociologia, Cultura e Sociedade
Sociologia, Cultura e SociedadeSociologia, Cultura e Sociedade
Sociologia, Cultura e Sociedade
 
Introdução à Sociologia
Introdução à SociologiaIntrodução à Sociologia
Introdução à Sociologia
 
Indústria Cultural
Indústria CulturalIndústria Cultural
Indústria Cultural
 
01 - O que é Sociologia
01 - O que é Sociologia01 - O que é Sociologia
01 - O que é Sociologia
 
Movimentos Sociais na Atualidade
Movimentos Sociais na AtualidadeMovimentos Sociais na Atualidade
Movimentos Sociais na Atualidade
 
As origens e os principais teóricos da sociologia
As origens e os principais teóricos  da sociologiaAs origens e os principais teóricos  da sociologia
As origens e os principais teóricos da sociologia
 
Introduçao a sociologia
Introduçao a sociologiaIntroduçao a sociologia
Introduçao a sociologia
 
Sociologia: Principais correntes
Sociologia: Principais correntes Sociologia: Principais correntes
Sociologia: Principais correntes
 
Sociologia e Sociedade
Sociologia e SociedadeSociologia e Sociedade
Sociologia e Sociedade
 
Os Clássicos da Sociologia (Émile Durkheim)
Os Clássicos da Sociologia (Émile Durkheim)Os Clássicos da Sociologia (Émile Durkheim)
Os Clássicos da Sociologia (Émile Durkheim)
 
INTRODUÇÃO AOS DIREITOS HUMANOS
INTRODUÇÃO AOS DIREITOS HUMANOSINTRODUÇÃO AOS DIREITOS HUMANOS
INTRODUÇÃO AOS DIREITOS HUMANOS
 
O QUE É SOCIOLOGIA?
O QUE É SOCIOLOGIA?O QUE É SOCIOLOGIA?
O QUE É SOCIOLOGIA?
 
Aula 4-sociologia-aula-4-antropologia
Aula 4-sociologia-aula-4-antropologiaAula 4-sociologia-aula-4-antropologia
Aula 4-sociologia-aula-4-antropologia
 
4 filosofia e senso comum
4 filosofia e senso comum 4 filosofia e senso comum
4 filosofia e senso comum
 
Identidade cultural no Mundo
Identidade cultural no MundoIdentidade cultural no Mundo
Identidade cultural no Mundo
 
Poder, Política e Estado.
Poder, Política e Estado.Poder, Política e Estado.
Poder, Política e Estado.
 
Cidadania
CidadaniaCidadania
Cidadania
 
Processo de socialização
Processo de socializaçãoProcesso de socialização
Processo de socialização
 
Movimentos sociais
Movimentos sociaisMovimentos sociais
Movimentos sociais
 

Destaque

Liberdades individuais e coerção social
Liberdades individuais e coerção socialLiberdades individuais e coerção social
Liberdades individuais e coerção social
sociologianocivitatis
 
Liberdades Individuais e Coerção Social / Instituiçoes Sociais
Liberdades Individuais e Coerção Social / Instituiçoes SociaisLiberdades Individuais e Coerção Social / Instituiçoes Sociais
Liberdades Individuais e Coerção Social / Instituiçoes Sociais
Erica Frau
 
Aula durkheim
Aula durkheimAula durkheim
Aula durkheim
roberto mosca junior
 
Aula 01 - Individualismo e coletividade
Aula 01 - Individualismo e coletividadeAula 01 - Individualismo e coletividade
Aula 01 - Individualismo e coletividade
Claudio Henrique Ramos Sales
 
Dürkheim e os fatos sociais
Dürkheim e os fatos sociaisDürkheim e os fatos sociais
Dürkheim e os fatos sociais
Aline Rodrigues
 
EMILE DURKHEIM EDUCAÇÃO E SOCIOLOGIA
EMILE DURKHEIM EDUCAÇÃO E SOCIOLOGIAEMILE DURKHEIM EDUCAÇÃO E SOCIOLOGIA
EMILE DURKHEIM EDUCAÇÃO E SOCIOLOGIA
Victor Said
 
Fatos sociais
Fatos sociaisFatos sociais
Fatos sociais
Fabson Calixto
 
Indivíduo e sociedade
Indivíduo e sociedadeIndivíduo e sociedade
Indivíduo e sociedade
Silvia Cintra
 
Resumo do livro o que é sociologia
Resumo do livro o que é sociologia  Resumo do livro o que é sociologia
Resumo do livro o que é sociologia
Maira Conde
 
Aula 03 - Instituições Sociais Num Mundo de Mudanças
Aula 03 - Instituições Sociais Num Mundo de MudançasAula 03 - Instituições Sociais Num Mundo de Mudanças
Aula 03 - Instituições Sociais Num Mundo de Mudanças
Claudio Henrique Ramos Sales
 
Durkheim: a educação como fato social!
Durkheim: a educação como fato social!Durkheim: a educação como fato social!
Durkheim: a educação como fato social!
Marcelo Saturnino da Silva
 
Emile durkheim
Emile durkheimEmile durkheim
Emile durkheim
Portal do Vestibulando
 
A Sociologia De Émile Durkheim
A Sociologia De Émile DurkheimA Sociologia De Émile Durkheim
A Sociologia De Émile Durkheim
guestdc18d25
 
Sociologia - Durkheim
Sociologia - Durkheim  Sociologia - Durkheim
Sociologia - Durkheim
Nayanne Santos
 
Aula mundo vivo biodiversidade e níveis de organização
Aula mundo vivo biodiversidade e níveis de organizaçãoAula mundo vivo biodiversidade e níveis de organização
Aula mundo vivo biodiversidade e níveis de organização
Lucas Roberto
 
Regras do método sociológico
Regras do método sociológicoRegras do método sociológico
Regras do método sociológico
Davi Islabao
 
Fatos Sociais Durkheim, Mtdo C So, 2010 2
Fatos Sociais  Durkheim, Mtdo  C So, 2010 2Fatos Sociais  Durkheim, Mtdo  C So, 2010 2
Fatos Sociais Durkheim, Mtdo C So, 2010 2
Simone Braghin
 
Émile Durkheim
Émile DurkheimÉmile Durkheim
Émile Durkheim
91016131373
 
As relações entre indivíduo e sociedade
As relações entre indivíduo e sociedadeAs relações entre indivíduo e sociedade
As relações entre indivíduo e sociedade
jefersondutra08
 
Sociologia
SociologiaSociologia
Sociologia
Giorgia Marrone
 

Destaque (20)

Liberdades individuais e coerção social
Liberdades individuais e coerção socialLiberdades individuais e coerção social
Liberdades individuais e coerção social
 
Liberdades Individuais e Coerção Social / Instituiçoes Sociais
Liberdades Individuais e Coerção Social / Instituiçoes SociaisLiberdades Individuais e Coerção Social / Instituiçoes Sociais
Liberdades Individuais e Coerção Social / Instituiçoes Sociais
 
Aula durkheim
Aula durkheimAula durkheim
Aula durkheim
 
Aula 01 - Individualismo e coletividade
Aula 01 - Individualismo e coletividadeAula 01 - Individualismo e coletividade
Aula 01 - Individualismo e coletividade
 
Dürkheim e os fatos sociais
Dürkheim e os fatos sociaisDürkheim e os fatos sociais
Dürkheim e os fatos sociais
 
EMILE DURKHEIM EDUCAÇÃO E SOCIOLOGIA
EMILE DURKHEIM EDUCAÇÃO E SOCIOLOGIAEMILE DURKHEIM EDUCAÇÃO E SOCIOLOGIA
EMILE DURKHEIM EDUCAÇÃO E SOCIOLOGIA
 
Fatos sociais
Fatos sociaisFatos sociais
Fatos sociais
 
Indivíduo e sociedade
Indivíduo e sociedadeIndivíduo e sociedade
Indivíduo e sociedade
 
Resumo do livro o que é sociologia
Resumo do livro o que é sociologia  Resumo do livro o que é sociologia
Resumo do livro o que é sociologia
 
Aula 03 - Instituições Sociais Num Mundo de Mudanças
Aula 03 - Instituições Sociais Num Mundo de MudançasAula 03 - Instituições Sociais Num Mundo de Mudanças
Aula 03 - Instituições Sociais Num Mundo de Mudanças
 
Durkheim: a educação como fato social!
Durkheim: a educação como fato social!Durkheim: a educação como fato social!
Durkheim: a educação como fato social!
 
Emile durkheim
Emile durkheimEmile durkheim
Emile durkheim
 
A Sociologia De Émile Durkheim
A Sociologia De Émile DurkheimA Sociologia De Émile Durkheim
A Sociologia De Émile Durkheim
 
Sociologia - Durkheim
Sociologia - Durkheim  Sociologia - Durkheim
Sociologia - Durkheim
 
Aula mundo vivo biodiversidade e níveis de organização
Aula mundo vivo biodiversidade e níveis de organizaçãoAula mundo vivo biodiversidade e níveis de organização
Aula mundo vivo biodiversidade e níveis de organização
 
Regras do método sociológico
Regras do método sociológicoRegras do método sociológico
Regras do método sociológico
 
Fatos Sociais Durkheim, Mtdo C So, 2010 2
Fatos Sociais  Durkheim, Mtdo  C So, 2010 2Fatos Sociais  Durkheim, Mtdo  C So, 2010 2
Fatos Sociais Durkheim, Mtdo C So, 2010 2
 
Émile Durkheim
Émile DurkheimÉmile Durkheim
Émile Durkheim
 
As relações entre indivíduo e sociedade
As relações entre indivíduo e sociedadeAs relações entre indivíduo e sociedade
As relações entre indivíduo e sociedade
 
Sociologia
SociologiaSociologia
Sociologia
 

Semelhante a Aula 02 - Liberdades individuais e Coerção Social (A Sociologia de Émile Durkheim e os Fatos Sociais)

Fato social Durkheim
Fato social   DurkheimFato social   Durkheim
Fato social Durkheim
Carlos Alberto Monteiro
 
Facto social
Facto socialFacto social
Facto social
Filipe Simão Kembo
 
Indivíduo e Sociedade
Indivíduo e SociedadeIndivíduo e Sociedade
Indivíduo e Sociedade
NAPNE
 
Ordem social e controlo social
Ordem social e controlo socialOrdem social e controlo social
Ordem social e controlo social
Fábio Tavares
 
Aula durkheim
Aula durkheimAula durkheim
Aula durkheim
roberto mosca junior
 
Relacao sociedade individuo
Relacao sociedade individuoRelacao sociedade individuo
Relacao sociedade individuo
Loredana Ruffo
 
Sociologia
Sociologia Sociologia
Sociologia
Ítalo Vieira
 
apostila2.pdf
apostila2.pdfapostila2.pdf
apostila2.pdf
RaynaSantos3
 
sociologia.pdf
sociologia.pdfsociologia.pdf
sociologia.pdf
Daiani Wagner
 
2014 conceitos básicos sociologia
2014 conceitos básicos sociologia2014 conceitos básicos sociologia
2014 conceitos básicos sociologia
Felipe Hiago
 
Objeto de estudo da sociologia segundo durkheim
Objeto de estudo da sociologia segundo durkheimObjeto de estudo da sociologia segundo durkheim
Objeto de estudo da sociologia segundo durkheim
José Soares Filho
 
durkheim
 durkheim  durkheim
durkheim
Matias Silva
 
Humbertorevisado
HumbertorevisadoHumbertorevisado
Humbertorevisado
retkelly
 
Fato social epistemologia - apresentação Ana Luiza Monte
Fato social   epistemologia - apresentação Ana Luiza MonteFato social   epistemologia - apresentação Ana Luiza Monte
Fato social epistemologia - apresentação Ana Luiza Monte
grupoppga
 
Relacao sociedade individuo_resumo
Relacao sociedade individuo_resumoRelacao sociedade individuo_resumo
Relacao sociedade individuo_resumo
Loredana Ruffo
 
Aula-5-processo-de-socializacao-e-instituicoes-sociais.pptx
Aula-5-processo-de-socializacao-e-instituicoes-sociais.pptxAula-5-processo-de-socializacao-e-instituicoes-sociais.pptx
Aula-5-processo-de-socializacao-e-instituicoes-sociais.pptx
ssuser132405
 
18 - Áreas do filosofar - 53. Ética e moral..pptx
18 - Áreas do filosofar - 53. Ética e moral..pptx18 - Áreas do filosofar - 53. Ética e moral..pptx
18 - Áreas do filosofar - 53. Ética e moral..pptx
Rafael Monteiro Moyses
 
I.E.D - Norma Jurídica: Conceito e Elementos Constitutivos (2)
I.E.D - Norma Jurídica: Conceito e Elementos Constitutivos (2)I.E.D - Norma Jurídica: Conceito e Elementos Constitutivos (2)
I.E.D - Norma Jurídica: Conceito e Elementos Constitutivos (2)
Diego Sampaio
 
Sociologia mecanismos de sustentacao dos grupos sociais
Sociologia   mecanismos de sustentacao dos grupos sociaisSociologia   mecanismos de sustentacao dos grupos sociais
Sociologia mecanismos de sustentacao dos grupos sociais
Gustavo Soares
 
DURKHEIM.pptx
DURKHEIM.pptxDURKHEIM.pptx
DURKHEIM.pptx
LeandroBrando21
 

Semelhante a Aula 02 - Liberdades individuais e Coerção Social (A Sociologia de Émile Durkheim e os Fatos Sociais) (20)

Fato social Durkheim
Fato social   DurkheimFato social   Durkheim
Fato social Durkheim
 
Facto social
Facto socialFacto social
Facto social
 
Indivíduo e Sociedade
Indivíduo e SociedadeIndivíduo e Sociedade
Indivíduo e Sociedade
 
Ordem social e controlo social
Ordem social e controlo socialOrdem social e controlo social
Ordem social e controlo social
 
Aula durkheim
Aula durkheimAula durkheim
Aula durkheim
 
Relacao sociedade individuo
Relacao sociedade individuoRelacao sociedade individuo
Relacao sociedade individuo
 
Sociologia
Sociologia Sociologia
Sociologia
 
apostila2.pdf
apostila2.pdfapostila2.pdf
apostila2.pdf
 
sociologia.pdf
sociologia.pdfsociologia.pdf
sociologia.pdf
 
2014 conceitos básicos sociologia
2014 conceitos básicos sociologia2014 conceitos básicos sociologia
2014 conceitos básicos sociologia
 
Objeto de estudo da sociologia segundo durkheim
Objeto de estudo da sociologia segundo durkheimObjeto de estudo da sociologia segundo durkheim
Objeto de estudo da sociologia segundo durkheim
 
durkheim
 durkheim  durkheim
durkheim
 
Humbertorevisado
HumbertorevisadoHumbertorevisado
Humbertorevisado
 
Fato social epistemologia - apresentação Ana Luiza Monte
Fato social   epistemologia - apresentação Ana Luiza MonteFato social   epistemologia - apresentação Ana Luiza Monte
Fato social epistemologia - apresentação Ana Luiza Monte
 
Relacao sociedade individuo_resumo
Relacao sociedade individuo_resumoRelacao sociedade individuo_resumo
Relacao sociedade individuo_resumo
 
Aula-5-processo-de-socializacao-e-instituicoes-sociais.pptx
Aula-5-processo-de-socializacao-e-instituicoes-sociais.pptxAula-5-processo-de-socializacao-e-instituicoes-sociais.pptx
Aula-5-processo-de-socializacao-e-instituicoes-sociais.pptx
 
18 - Áreas do filosofar - 53. Ética e moral..pptx
18 - Áreas do filosofar - 53. Ética e moral..pptx18 - Áreas do filosofar - 53. Ética e moral..pptx
18 - Áreas do filosofar - 53. Ética e moral..pptx
 
I.E.D - Norma Jurídica: Conceito e Elementos Constitutivos (2)
I.E.D - Norma Jurídica: Conceito e Elementos Constitutivos (2)I.E.D - Norma Jurídica: Conceito e Elementos Constitutivos (2)
I.E.D - Norma Jurídica: Conceito e Elementos Constitutivos (2)
 
Sociologia mecanismos de sustentacao dos grupos sociais
Sociologia   mecanismos de sustentacao dos grupos sociaisSociologia   mecanismos de sustentacao dos grupos sociais
Sociologia mecanismos de sustentacao dos grupos sociais
 
DURKHEIM.pptx
DURKHEIM.pptxDURKHEIM.pptx
DURKHEIM.pptx
 

Mais de Claudio Henrique Ramos Sales

Capitulo 02 - Elementos da Cartografia - caderno de exercícios
Capitulo 02 - Elementos da Cartografia - caderno de exercíciosCapitulo 02 - Elementos da Cartografia - caderno de exercícios
Capitulo 02 - Elementos da Cartografia - caderno de exercícios
Claudio Henrique Ramos Sales
 
Capitulo 01 - Globalização 01 (Slides) - gabarito
Capitulo 01 - Globalização 01 (Slides) - gabaritoCapitulo 01 - Globalização 01 (Slides) - gabarito
Capitulo 01 - Globalização 01 (Slides) - gabarito
Claudio Henrique Ramos Sales
 
Aula 04 - A desigualdade social e econômica no mundo globalizado
Aula 04 - A desigualdade social e econômica no mundo globalizadoAula 04 - A desigualdade social e econômica no mundo globalizado
Aula 04 - A desigualdade social e econômica no mundo globalizado
Claudio Henrique Ramos Sales
 
Aulas 05 e 06 - Movimento de rotação: os fusos horários
Aulas 05 e 06 - Movimento de rotação: os fusos horáriosAulas 05 e 06 - Movimento de rotação: os fusos horários
Aulas 05 e 06 - Movimento de rotação: os fusos horários
Claudio Henrique Ramos Sales
 
Aula 04 Movimento de Translação -As Estações do Ano (sem vídeos)
Aula 04   Movimento de Translação -As Estações do Ano (sem vídeos)Aula 04   Movimento de Translação -As Estações do Ano (sem vídeos)
Aula 04 Movimento de Translação -As Estações do Ano (sem vídeos)
Claudio Henrique Ramos Sales
 
Aulas 05 e 06 - Elementos da Cartográfia - II
Aulas 05 e 06 - Elementos da Cartográfia - IIAulas 05 e 06 - Elementos da Cartográfia - II
Aulas 05 e 06 - Elementos da Cartográfia - II
Claudio Henrique Ramos Sales
 
Aula 04 - Elementos da Cartográfia - I
Aula 04 - Elementos da Cartográfia - IAula 04 - Elementos da Cartográfia - I
Aula 04 - Elementos da Cartográfia - I
Claudio Henrique Ramos Sales
 
Modulo 02 - Economia rural - a pecuária
Modulo 02 - Economia rural - a pecuáriaModulo 02 - Economia rural - a pecuária
Modulo 02 - Economia rural - a pecuária
Claudio Henrique Ramos Sales
 
Aulas 02 e 03 - Blocos econômicos
Aulas 02 e 03 - Blocos econômicosAulas 02 e 03 - Blocos econômicos
Aulas 02 e 03 - Blocos econômicos
Claudio Henrique Ramos Sales
 
Aula 01 Elementos da orientação (Sistema Anglo)
Aula 01   Elementos da orientação (Sistema Anglo)Aula 01   Elementos da orientação (Sistema Anglo)
Aula 01 Elementos da orientação (Sistema Anglo)
Claudio Henrique Ramos Sales
 
Aulas 02 e 03 Elementos da Cartografia (Sistema Anglo)
Aulas 02 e 03 Elementos da Cartografia (Sistema Anglo)Aulas 02 e 03 Elementos da Cartografia (Sistema Anglo)
Aulas 02 e 03 Elementos da Cartografia (Sistema Anglo)
Claudio Henrique Ramos Sales
 
Aulas 02 e 03 - As coordenadas geográficas (Sistema Anglo)
Aulas 02 e 03 - As coordenadas geográficas (Sistema Anglo)Aulas 02 e 03 - As coordenadas geográficas (Sistema Anglo)
Aulas 02 e 03 - As coordenadas geográficas (Sistema Anglo)
Claudio Henrique Ramos Sales
 
Modulo 01 - Economia rural - extrativismo vegetal (sem vídeos) - Sistema Anglo
Modulo 01 - Economia rural - extrativismo vegetal (sem vídeos) - Sistema AngloModulo 01 - Economia rural - extrativismo vegetal (sem vídeos) - Sistema Anglo
Modulo 01 - Economia rural - extrativismo vegetal (sem vídeos) - Sistema Anglo
Claudio Henrique Ramos Sales
 
Aula 01 - Globalização da economia (Apostila Anglo)
Aula 01 - Globalização da economia (Apostila Anglo)Aula 01 - Globalização da economia (Apostila Anglo)
Aula 01 - Globalização da economia (Apostila Anglo)
Claudio Henrique Ramos Sales
 
Aula 01 - Os pontos de orientação (Sistema Anglo)
Aula 01 - Os pontos de orientação (Sistema Anglo)Aula 01 - Os pontos de orientação (Sistema Anglo)
Aula 01 - Os pontos de orientação (Sistema Anglo)
Claudio Henrique Ramos Sales
 
Modulo 18 - A população brasileira - os brancos (apostila Anglo)
Modulo 18 - A população brasileira - os brancos (apostila Anglo)Modulo 18 - A população brasileira - os brancos (apostila Anglo)
Modulo 18 - A população brasileira - os brancos (apostila Anglo)
Claudio Henrique Ramos Sales
 
O outro lado do fem
O outro lado do femO outro lado do fem
O outro lado do fem
Claudio Henrique Ramos Sales
 
[Sociologia] PEC 241 - PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO 241/2016
[Sociologia] PEC 241 - PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO 241/2016[Sociologia] PEC 241 - PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO 241/2016
[Sociologia] PEC 241 - PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO 241/2016
Claudio Henrique Ramos Sales
 
Modulo 16 - Brasil - um país multicultural
Modulo 16 - Brasil - um país multiculturalModulo 16 - Brasil - um país multicultural
Modulo 16 - Brasil - um país multicultural
Claudio Henrique Ramos Sales
 
Modulo 17 - População brasileira - os indígenas (Apostila Anglo)
Modulo 17 - População brasileira - os indígenas (Apostila Anglo)Modulo 17 - População brasileira - os indígenas (Apostila Anglo)
Modulo 17 - População brasileira - os indígenas (Apostila Anglo)
Claudio Henrique Ramos Sales
 

Mais de Claudio Henrique Ramos Sales (20)

Capitulo 02 - Elementos da Cartografia - caderno de exercícios
Capitulo 02 - Elementos da Cartografia - caderno de exercíciosCapitulo 02 - Elementos da Cartografia - caderno de exercícios
Capitulo 02 - Elementos da Cartografia - caderno de exercícios
 
Capitulo 01 - Globalização 01 (Slides) - gabarito
Capitulo 01 - Globalização 01 (Slides) - gabaritoCapitulo 01 - Globalização 01 (Slides) - gabarito
Capitulo 01 - Globalização 01 (Slides) - gabarito
 
Aula 04 - A desigualdade social e econômica no mundo globalizado
Aula 04 - A desigualdade social e econômica no mundo globalizadoAula 04 - A desigualdade social e econômica no mundo globalizado
Aula 04 - A desigualdade social e econômica no mundo globalizado
 
Aulas 05 e 06 - Movimento de rotação: os fusos horários
Aulas 05 e 06 - Movimento de rotação: os fusos horáriosAulas 05 e 06 - Movimento de rotação: os fusos horários
Aulas 05 e 06 - Movimento de rotação: os fusos horários
 
Aula 04 Movimento de Translação -As Estações do Ano (sem vídeos)
Aula 04   Movimento de Translação -As Estações do Ano (sem vídeos)Aula 04   Movimento de Translação -As Estações do Ano (sem vídeos)
Aula 04 Movimento de Translação -As Estações do Ano (sem vídeos)
 
Aulas 05 e 06 - Elementos da Cartográfia - II
Aulas 05 e 06 - Elementos da Cartográfia - IIAulas 05 e 06 - Elementos da Cartográfia - II
Aulas 05 e 06 - Elementos da Cartográfia - II
 
Aula 04 - Elementos da Cartográfia - I
Aula 04 - Elementos da Cartográfia - IAula 04 - Elementos da Cartográfia - I
Aula 04 - Elementos da Cartográfia - I
 
Modulo 02 - Economia rural - a pecuária
Modulo 02 - Economia rural - a pecuáriaModulo 02 - Economia rural - a pecuária
Modulo 02 - Economia rural - a pecuária
 
Aulas 02 e 03 - Blocos econômicos
Aulas 02 e 03 - Blocos econômicosAulas 02 e 03 - Blocos econômicos
Aulas 02 e 03 - Blocos econômicos
 
Aula 01 Elementos da orientação (Sistema Anglo)
Aula 01   Elementos da orientação (Sistema Anglo)Aula 01   Elementos da orientação (Sistema Anglo)
Aula 01 Elementos da orientação (Sistema Anglo)
 
Aulas 02 e 03 Elementos da Cartografia (Sistema Anglo)
Aulas 02 e 03 Elementos da Cartografia (Sistema Anglo)Aulas 02 e 03 Elementos da Cartografia (Sistema Anglo)
Aulas 02 e 03 Elementos da Cartografia (Sistema Anglo)
 
Aulas 02 e 03 - As coordenadas geográficas (Sistema Anglo)
Aulas 02 e 03 - As coordenadas geográficas (Sistema Anglo)Aulas 02 e 03 - As coordenadas geográficas (Sistema Anglo)
Aulas 02 e 03 - As coordenadas geográficas (Sistema Anglo)
 
Modulo 01 - Economia rural - extrativismo vegetal (sem vídeos) - Sistema Anglo
Modulo 01 - Economia rural - extrativismo vegetal (sem vídeos) - Sistema AngloModulo 01 - Economia rural - extrativismo vegetal (sem vídeos) - Sistema Anglo
Modulo 01 - Economia rural - extrativismo vegetal (sem vídeos) - Sistema Anglo
 
Aula 01 - Globalização da economia (Apostila Anglo)
Aula 01 - Globalização da economia (Apostila Anglo)Aula 01 - Globalização da economia (Apostila Anglo)
Aula 01 - Globalização da economia (Apostila Anglo)
 
Aula 01 - Os pontos de orientação (Sistema Anglo)
Aula 01 - Os pontos de orientação (Sistema Anglo)Aula 01 - Os pontos de orientação (Sistema Anglo)
Aula 01 - Os pontos de orientação (Sistema Anglo)
 
Modulo 18 - A população brasileira - os brancos (apostila Anglo)
Modulo 18 - A população brasileira - os brancos (apostila Anglo)Modulo 18 - A população brasileira - os brancos (apostila Anglo)
Modulo 18 - A população brasileira - os brancos (apostila Anglo)
 
O outro lado do fem
O outro lado do femO outro lado do fem
O outro lado do fem
 
[Sociologia] PEC 241 - PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO 241/2016
[Sociologia] PEC 241 - PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO 241/2016[Sociologia] PEC 241 - PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO 241/2016
[Sociologia] PEC 241 - PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO 241/2016
 
Modulo 16 - Brasil - um país multicultural
Modulo 16 - Brasil - um país multiculturalModulo 16 - Brasil - um país multicultural
Modulo 16 - Brasil - um país multicultural
 
Modulo 17 - População brasileira - os indígenas (Apostila Anglo)
Modulo 17 - População brasileira - os indígenas (Apostila Anglo)Modulo 17 - População brasileira - os indígenas (Apostila Anglo)
Modulo 17 - População brasileira - os indígenas (Apostila Anglo)
 

Último

Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
joaresmonte3
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
beatrizsilva525654
 
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdfAula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Pedro Luis Moraes
 
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
JoanaFigueira11
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
JoeteCarvalho
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
LILIANPRESTESSCUDELE
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
ANDRÉA FERREIRA
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdfAULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
SthafaniHussin1
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
KleginaldoPaz2
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIAAPRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
karinenobre2033
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
silvamelosilva300
 

Último (20)

Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
 
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdfAula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
 
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdfAULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIAAPRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
 

Aula 02 - Liberdades individuais e Coerção Social (A Sociologia de Émile Durkheim e os Fatos Sociais)

  • 1. 1º ano: Apostila 01 / Aula 02 Professor Claudio Henrique Ramos Sales SOCIOLOGIA
  • 2.
  • 3.
  • 4.
  • 5.
  • 6.
  • 7.
  • 8. • Isso significa que estamos sempre sujeitos a coerções sociais, isto é, a aceitar valores que podem não ser compatíveis com nossas opiniões e crenças pessoais. • Valores que, em última instância, poderiam ser bem diferentes, se cada um pudesse escolhê-los de acordo com sua vontade. • A noção de coerção social é a base para entendermos um dos conceitos mais relevantes da Sociologia moderna: o de FATO SOCIAL, proposto por Émile Durkheim em sua obra As regras do método sociológico.
  • 9. • Quando nascemos já encontramos um mundo pronto, com suas leis, suas regras de funcionamento os padrões de comportamento institucionalizados e as normas de conduta a serem seguidas. • Querendo ou não, de modo inconsciente ou não, acabamos pautando nosso modo de agir por essas regras  Seja para referendá-las;  seja para discordar delas.
  • 10. • Muitas vezes, por influência da família, da religião, da escola, dos hábitos de nossos amigos, acabamos vestindo “máscaras” sociais; • Agimos assim pois sabemos que nossas atitudes estão sempre sendo julgadas; • Por isso, podemos sentir necessidade de adequar nosso comportamento e nosso pensamento aos valores estabelecidos.
  • 11.
  • 12. Na obra As regras do método sociológico, Durkheim definiu o que entendia por fatos sociais. - Fatos Sociais: São os modos de pensar, sentir e agir de um grupo social. - Durkheim via o fato social como “coisa”, ou seja, algo objetivo, capaz de ser estudado, analisado, compreendido e explicado racionalmente. - Os fatos sociais têm a seguinte característica: • GENERALIDADE; • EXTERIORIDADE; • COERÇÃO SOCIAL.
  • 13. - Os fatos sociais não se apresentam como fatos isolados. - Envolvem muitos indivíduos e muitos grupos ao longo do tempo, repetem-se e difundem-se. - O fato social é comum a todas as pessoas do grupo, está presente em boa parte da sociedade ou dentro do processo histórico; como por exemplo, o desemprego. - A assiduidade com que determinados fatos ocorrem na sociedade indica a sua importância e a necessidade de estudá-los. - Isso torna a estatística uma das ferramentas que garante ao sociólogo a objetividade do controle. - É pela generalidade que os fatos sociais exibem a sua natureza coletiva, sejam eles fatos observáveis, como o modelo da habitação de um grupo, sejam fatos morais como valores e crenças.
  • 14.
  • 15. - Ao nascer, já encontramos regras sociais, costumes e leis que somos coagidos a aceitar por meio de mecanismos de coerção social, como a educação. - Não nos é dada a possibilidade de opinar ou escolher, sendo, assim, independente de nós, de nossos desejos e vontades - O Fato social existe independente da vontade das pessoas, por isso ele é exterior ao indivíduo; como, por exemplo, a educação e a escola. - Os fatos sociais são coisas externas e objetivas, que não dependem da consciência individual das pessoas para existir
  • 16. - O fato social não é estabelecido pelo individuo. Quando entramos em um grupo social, tal norma já existia e, quando sairmos dele, provavelmente ela continuara existindo. - Podemos experimentar a exterioridade dos fatos sociais nas formas de agir e pensar que não adotaríamos de modo espontâneo ou como resultado apenas de nossa vontade. - Por exemplo, ao nos sentirmos pressionados a obedecer nosso lugar na numa fila quando nosso desejo nos impede a passar os outros para trás.
  • 17.
  • 18. - Os fatos sociais distinguem-se dos fatos orgânicos ou psicológicos por se imporem ao individuo como uma poderosa força coerciva à qual ele deve, obrigatoriamente, se submeter. - A adoção de um idioma, a organização familiar e o sentimento de pertencer a uma nação são manifestações co comportamento humano dotadas dessa força impositiva sobre o individuo. - Essa força que Durkheim denominou coerção social. - Há um comportamento determinado que as pessoas são obrigadas a seguir independente de sua vontade.
  • 19. - Os fatos sociais, segundo Durkhein, são maneiras de “agir ou de pensar”. Eles possuem existência própria e são capazes de obrigar (“influência coerciva”) a se comportarem dessa ou daquela maneira - Muitas vezes nos comportamos como achamos que devemos nos comportar, mas, por traz dessa aparente liberdade irrestrita existem hábitos, costumes coletivos, ou mesmo regras, que nós aceitamos como validas e nos induzem a assumir certas atitudes
  • 20. - Quer a pessoa queira ou não, ela é obrigada a seguir o costume geral. - Porém, se não seguir, sofrerá uma punição (ridicularização, isolamento ou até sansão penal). - A força coerciva dos fatos sociais se manifesta pelas "sanções legais" ou "espontâneas" a que o individuo está sujeito quando o sujeito tenta rebelar-se contra ela. - "Legais" são as sanções prescritas pela sociedade, sob a forma de leis, nas quais se define a infração e se estabelece a penalidade correspondente. - "Espontânea" são as que afloram como resposta a uma conduta considerada inadequada por um determinado grupo ou uma
  • 21. - Multas de transito, por exemplo, fazem parte das coerções legais, pois estão previstas e organizadas pela legislação que regulamenta o tráfego de veículos e pessoas pelas vias publicas. - Já os olhares de reprovação de que somos alvo quando comparecemos a um local com a roupa inadequada constituem sanções espontâneas. Embora não codificados em lei, esses olhares têm o poder de conduzir o infrator para o comportamento esperado
  • 22. "[...] a coerção é menos violenta; mas não deixa de existir. Se não me submeto às convenções mundanas; se, ao me vestir, não levo em consideração os usos seguidos em meu país e na minha classe, o risco que provoco, o afastamento em que os outros me conservam, produzem, embora de maneira mais atenuada, os mesmos efeitos que uma pena propriamente dita." RODRIGUES, José Albertino (Org.). Durkheim. São Paulo: Ática, 1981. p. 47.
  • 23. - O comportamento desviante em um grupo social pode não ter penalidade prevista por lei, mas o infrator pode ser espontaneamente punido pelo grupo na medida em que suas ações ferem determinados valores e princípios. - A reação negativa da sociedade a certas atitudes ou comportamentos é, muitas vezes, mais intimidadora do que a lei. - A "educação" - entendida de forma geral, ou seja, a educação formal e informal - desempenha, segundo Durkheim, uma importante tarefa nessa adequação dos indivíduos à sociedade em que vivem, a ponto de, após algum tempo, as regras estarem internalizadas nos membros do grupo e transformadas em habito. - O uso de uma determinada língua ou o gosto por determinada comida são internalizados no indivíduo, que passa a considerar tais hábitos como pessoais.
  • 24.
  • 25. FATO SOCIAL (características)seria realidade do individuo composta de regras, leis, costumes, rituais caracteriza-se por GENERALIDADE ou seja tudo aquilo que é repetido por todos os indivíduos EXTERIORIDADE ou seja é exterior ao individuo assim como regras e leis sociais COERÇÃO SOCIAL manifestando-se quando adotamos um idioma ou uma forma apresenta-se sob forma de SANÇÕES como força que os fatos exercem sobre os indivíduos
  • 26.  São fatos sociais: Modos de vestir, a língua, o sistema monetário, a religião, as leis, etc.  Exemplo 01: Imagine um professor nesse exato momento entrando na sala de aula vestindo somente uma sunga...
  • 27. Sala de aula não é lugar para vestir sunga.
  • 28. Mas na praia, está tudo bem!
  • 29.  Exemplo 02: Imagine o seu professor se comportando na sala de aula como se estivesse em um estádio, berrando feito um doido, xingando, cantando roucamente, chorando, provocando.
  • 30. Sala de aula não é lugar para comportament os escandalosos.
  • 31. Curitiba-PR (Final da Copa do Brasil de 2008) Professor Henry ensandecido Mas no estádio, está tudo bem!
  • 32.  Exemplo 03: Imagine que você está na recepção de uma delegacia de polícia, pronto para prestar uma queixa, e do nada, tem início uma balada com efeito de luzes e fumaça, acompanhado de musica eletrônica, e o delegado começa a dançar sensualmente junto com a investigadora de plantão.
  • 33. Delegacia não é espaço para festa ou para qualquer outra forma de entretenimento .
  • 34.
  • 35.
  • 36.  O conceito de fato social pode passar a impressão de que os indivíduos estão sempre obrigados a respeitar um padrão de comportamento, uma norma de conduta, uma lei, uma ideologia, que lhes são impostos, sem que haja a possibilidade de discordar da força coercitiva dos fatos sociais. Isso não é verdade.  Em relação ao comportamento dos indivíduos diante da coerção social, pode-se destacar duas posturas: ALIENAÇÃO e TRANSGRESSÃO
  • 37. ALIENAÇÃO  Ocorre toda vez que os indivíduos seguem as determinações da sociedade de maneira inconsciente, sem que haja nenhum tipo de questionamento a essas determinações.
  • 38. TRANSGRESSÃO  Ocorre toda vez que os indivíduos se negam a respeitar as coerções sociais.  Os indivíduos em uma sociedade democrática, podem cometer essas transgressões.  PORÉM...  Toda transgressão resulta em uma punição.  As punições variam de acordo com a transgressão cometida, indo de práticas preconceituosas até a pena de morte, dependendo da sociedade.
  • 39. http://www.consciencia.org/durkheim-e-a- sociologia http://www.airtonjo.com/socio_antropologic o02.htm http://www.infoescola.com/sociologia/emile- durkheim/ Dicas De Sites para pesquisa: Émile Durkheim (1858 – 1917) é considerado um dos pais da sociologia moderna. Fundador da escola francesa de sociologia, que combinava a pesquisa empírica com a teoria sociológica, é reconhecido como um dos melhores teóricos do conceito de coerção social. Suas principais obras são: Da divisão social do trabalho (1893), Regras do método sociológico (1895), O suicídio (1897) e As formas elementares de vida religiosa (1912). http://blogdoprofessorhenry.blogspot.com.b r/search/label/Emile%20Durkheim