SlideShare uma empresa Scribd logo
nzagalo@ics.uminho.pt | virtual-illusion.blogspot.com
Aspectos Criativos do Design de Jogos
Nelson Zagalo, Universidade do Minho
Universidade do Minho
Workshop na Universidade de Cabo Verde
19 Outubro 2016
nzagalo@ics.uminho.pt | virtual-illusion.blogspot.com
Brincar [Play]
Brincar =
Espontaneidade
Actividade que se define por uma motivação intrínseca que
nos leva a agir, a engajar numa acção, que se define pelas
seguintes características:
. Espontâneo
. Não Estruturado
. Não Linear
. Sem Objectivos
Sem condições de vitória ou término. No brincar social
espontâneo não há vencedores nem vencidos, dado
que a ordem da interacção está sujeita ao tipo
de lógica “soma não zero”, (Watzlawick, 1983). No jogar,
há vencedores e vencidos, a ordem da interacção
é regulada pela lógica de tipo “soma zero” (Lopes, 1998).
Para saber mais sobre a actividade de Brincar, aconselha-
se o visionamento da Ted Talk de Stuart Brown
http://www.ted.com/talks/stuart_brown_says_play_is_more_than_fun_it_s_vit
al.html
nzagalo@ics.uminho.pt | virtual-illusion.blogspot.com
O brinquedo
nzagalo@ics.uminho.pt | virtual-illusion.blogspot.com
”O jogo é um sistema no qual os jogadores se
envolvem num conflito artificial, definido por regras, e
que resulta em algo quantificável" (Salen e
Zimmerman, 2004)
Caillois (1957) define o jogo através das seguintes
características:
. Divertido (não sério)
. Separado (no tempo e espaço)
. Incerto (não se pode adivinhar o resultado)
. Não-produtivo (a participação não deve ter
como resultado algo útil)
. Regras (diferentes do dia-a-dia)
. Ficcional (realidade distinta)
Jogar [Play]
Jogar = Estruturado
nzagalo@ics.uminho.pt | virtual-illusion.blogspot.com
As componentes dos Jogos
Os jogos são criados a partir de três grandes componentes:
Arte - Imagens, Gráficos, Formas, Sons e Música
Material - Plástico, Madeira, Pedra, Digital
Design - Jogabilidade (Gameplay)
nzagalo@ics.uminho.pt | virtual-illusion.blogspot.com
O Designer de Jogos
O que faz o Designer de Videojogos? Desenha a
jogabilidade, ou seja, os aspectos interativos do jogo. A
jogabilidade, não é mais do que aquilo que o jogador
faz no jogo.
Isto não está relacionado com o grafismo, a cor, a
forma, ou som. Nem está relacionado com a robustez
ou qualidade do objeto. Está apenas e só relacionado
com o conjunto de regras que regem as ações do
jogador, as suas obrigatoriedades e liberdades, os
objetivos do jogo, e as condições de vitória ou perda.
nzagalo@ics.uminho.pt | virtual-illusion.blogspot.com
O Designer de Jogos
As componentes da jogabilidade
- Ambiente, objetos manipuláveis e não manipuláveis.
- Como se manipulam e modificam os objetos dentro do
ambiente
- As regras que permitem os objetos modificarem-se.
(Ex. Mudança de posição de um objeto como resposta
a outro objeto ou às ações do jogador)
- As recompensas e castigos resultantes das ações do
jogador
- As ações do jogador, as suas obrigatoriedades e
liberdades
- Os objetivos do jogo, e as condições de vitória ou
perda.
Board games
Video games
Card games
Dice games
Pencil-and-paper games
Role-playing games
Alternate reality games
Educational games
Creative games
Mathematical games
Conversation games
Daring games
Guessing games
Singing games
Puzzles
Quizzes
Travel games
Wargames
Word games
Skill games
Sports
nzagalo@ics.uminho.pt | virtual-illusion.blogspot.com
Resolução
de problemas
Observação
de eventos
Participação
em decisões
Construção
de mundos
Narrativas lineares
Walking Simulations
Storytelling Ambiental
Ultrapassar obstáculos
Competição e desafio
Mundos regrados
Criar
Brincar
Improvisar
Escolha e Dilemas
Role-play
Storytelling Interativo
Narrativa
Liberdade
Jogo
Controlo
Experiência de Videojogos
nzagalo@ics.uminho.pt | virtual-illusion.blogspot.com
O jogo ou a experiência
Engage
Qual é então o objectivo último do designer?
Desenhar jogos? Não.
O jogo é apenas meio para atingir o fim.
Os jogos não passam de artefatos, objetos, coisas.
Os jogos não valem nada sem as pessoas.
Então o que é que acontece quando uma pessoa
joga?
A pessoa tem uma Experiência.
É então esta experiência que interessa ao designer.
Sem a experiência, os jogos não são relevantes.
nzagalo@ics.uminho.pt | virtual-illusion.blogspot.com
Definir a Experiência
Flow = Sentimentos
positivos
nzagalo@ics.uminho.pt | virtual-illusion.blogspot.com
Feedback claro
Sensação de Progresso
Possibilidade de Sucesso
Exercitar Mente/Corpo
Satisfação de Curiosidade
Resolver um Problema
Sentimento de Liberdade
Definir a Experiência
nzagalo@ics.uminho.pt | virtual-illusion.blogspot.com
Feedback claro
Sensação de Progresso
Possibilidade de Sucesso
Exercitar Mente/Corpo
Satisfação de Curiosidade
Resolver um Problema
Sentimento de Liberdade
Definir a Experiência
nzagalo@ics.uminho.pt | virtual-illusion.blogspot.com
Feedback claro
Sensação de Progresso
Possibilidade de Sucesso
Exercitar Mente/Corpo
Satisfação de Curiosidade
Resolver um Problema
Sentimento de Liberdade
Definir a Experiência
nzagalo@ics.uminho.pt | virtual-illusion.blogspot.com
Feedback claro
Sensação de Progresso
Possibilidade de Sucesso
Exercitar Mente/Corpo
Satisfação de Curiosidade
Resolver um Problema
Sentimento de Liberdade
Definir a Experiência
nzagalo@ics.uminho.pt | virtual-illusion.blogspot.com
Feedback claro
Sensação de Progresso
Possibilidade de Sucesso
Exercitar Mente/Corpo
Satisfação de Curiosidade
Resolver um Problema
Sentimento de Liberdade
Definir a Experiência
nzagalo@ics.uminho.pt | virtual-illusion.blogspot.com
Feedback claro
Sensação de Progresso
Possibilidade de Sucesso
Exercitar Mente/Corpo
Satisfação de Curiosidade
Resolver um Problema
Sentimento de Liberdade
Definir a Experiência
nzagalo@ics.uminho.pt | virtual-illusion.blogspot.com
Feedback claro
Sensação de Progresso
Possibilidade de Sucesso
Exercitar Mente/Corpo
Satisfação de Curiosidade
Resolver um Problema
Sentimento de Liberdade
Definir a Experiência
nzagalo@ics.uminho.pt | virtual-illusion.blogspot.com
Mecânicas (Gameplay)
nzagalo@ics.uminho.pt | virtual-illusion.blogspot.com
Todos os jogos têm um espaço. Este espaço é aquilo a que chamamos “círculo
mágico” do gameplay. Define os lugares que existem no jogo, e como estes se
relacionam entre si.
Em termos mecânicos, o espaço é uma abstração matemática. Por isso vemo-nos
obrigados a extrair toda a componente visual, e a olhar apenas para aquilo que
abstratamente constrói o espaço do jogo
1. Discreto ou Contínuo
2. Tem um certo número de dimensões
3. Possui zonas delimitadas, que podem ou não estar ligadas.
Mecânica 1: Espaço
No Jogo do Galo a espacialidade contínua existe apenas na representação gráfica. Em
termos de mecânica, são 9 pontos discretos apenas.
Cada ponto em si é de Dimensão Zero, sendo as adjacências que determinam as regras do
jogo, este assume então um carácter bi-dimensional, com fronteiras claras 3X3
nzagalo@ics.uminho.pt | virtual-illusion.blogspot.com
Um espaço per se não faz um jogo, precisa de objectos.
Os objectos são os substantivos do jogo. Esses objectos por
sua vez possuem algum tipo de atributos.
Os atributos são categorias de informação de cada objecto.
Definem-se na posição do objecto, ou na sua velocidade.
Estes atributos podem ser estáticos como a cor de um
objecto (), ou dinâmicos como a posição. Em termos de
mecânica são mais relevantes os dinâmicos, porque
possuem estados associados.
Os estados são categorias de informação de cada atributo.
Podem definir por exemplo a velocidade máxima, ou a
velocidade corrente de um objecto.
Os Atributos e os Estados funcionam como Adjectivos dos
Objectos.
Exemplo: Rei no Xadrez, tem o atributo de movimento, que
por sua vez tem 3 estados possíveis: livre, xeque, e xeque-
mate.
Mecânica 2: Objectos
nzagalo@ics.uminho.pt | virtual-illusion.blogspot.com
Respondem à questão,
“O que é que o Jogador pode fazer?”
As ações podem ser de 2 tipos:
operativas ou resultantes.
Ações Operativas nas Damas: As acções básicas
1. Mover as peças em frente
2. Saltar por cima de uma peça do oponente
3. Mover uma peça para trás (quando Rainha)
Ações Resultantes nas Damas: Uso de operativas para atingir
fins maiores
1.Proteger uma peça, movendo outra para trás
2.Forçar o oponente a fazer um salto não pretendido
3.Sacrificar uma peça para tramar o oponente
4.Chegar ao lado oponente, para passar a Rainha
As resultantes, normalmente não estão estabelecidas como
regras, emergem do jogo naturalmente com a jogabilidade.
Destes modo assumem uma relevância vital para a criação de
envolvimento e interesse no jogo.
Mecânica 3: Ações
Objectos: Substantivos
Atributos: 1º Adjectivos
Estados: 2º Adjectivos
Acções: Verbos
nzagalo@ics.uminho.pt | virtual-illusion.blogspot.com
As regras são o fundamento de todas as restantes mecânicas. Elas definem o espaço, as
acções, as consequências das acções, os constrangimentos às acções e aos objectivos.
Elas fazem do jogo um jogo, porque adicionam um elemento crucial, os objectivos, as metas, a
finalidade.
Mecânica 4: Regras
Parlett, 2005
nzagalo@ics.uminho.pt | virtual-illusion.blogspot.com
Aqui passamos o foco do jogo para o jogador,
nomeadamente para o desenho de elementos em
função daquilo que queremos que o jogador traga
para o jogo.
1. Competências Físicas: Força, destreza,
coordenação e endurance.
2. Competências Cognitivas: Memória,
observação, resolução de problemas.
3. Competências Sociais: Ler o oponente,
adivinhar o que ele está a pensar, enganar o
oponente, e coordenação com os colegas de
equipa.
Mecânica 5: Competências
nzagalo@ics.uminho.pt | virtual-illusion.blogspot.com
Mecânica 6: Incerteza
A incerteza, é um, se não mesmo o elemento mais importante no
desenho de um jogo. É uma mecânica que interage directamente com
todas as anteriores: espaço, objectos, acções, regras e competências.
O que é a Incerteza?
É simplesmente a base de toda e qualquer Narrativa. Sem incerteza,
não há Surpresa, e sem Surpresa não há Interesse.
Num filme é através da criação de “estados de incerteza e atraso que
se desenvolve a ansiedade [interesse intenso e focado] no espectador
enquanto este espera pelo resultado de uma situação” (Wied, 1994).
O Envolvimento só acontece quando os níveis de Interesse se
elevam, logo sem Incerteza, não conseguimos criar envolvimento.
Eu sei que o objectivo do Xadrez é capturar o Rei, mas vivo na total
incerteza de o conseguir capturar até que realizo um cheque-mate. E é
esta incerteza que me mantém a jogar.
Pikul – “What precisely is
the goal of the game that
we're playing now?”
Allegra - “You have to play
the game to find out why
you're playing the
game.”
eXistenZ (1998)
nzagalo@ics.uminho.pt | virtual-illusion.blogspot.com
Exercício
nzagalo@ics.uminho.pt | virtual-illusion.blogspot.com
High Concept (Ideia) (2 linhas)
Quem é, e o que faz
Game Concept (5 linhas)
Onde, o quê, quem, como e porquê.
Ou seja, é necessário que estas 5 linhas sejam capazes de situar a acção,
definir quem é o jogador e depois expliquem em traços largos o que é que o
jogador pode e necessita de fazer. Se quiserem podem definir ainda o porquê,
ou seja, qual é o grande objectivo das acções, ou então optar por deixar o
final em aberto.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Criando Jogos
Criando JogosCriando Jogos
Criando Jogos
Geraldo Xexéo
 
Design de Jogos I - Fundamentos principais (Grupo de estudos ETEC)
Design de Jogos I - Fundamentos principais (Grupo de estudos ETEC)Design de Jogos I - Fundamentos principais (Grupo de estudos ETEC)
Design de Jogos I - Fundamentos principais (Grupo de estudos ETEC)
Cícero Liberato
 
Inteligência Artificial em Jogos Eletrônicos
Inteligência Artificial em Jogos EletrônicosInteligência Artificial em Jogos Eletrônicos
Inteligência Artificial em Jogos Eletrônicos
André Kishimoto
 
Gamification, Gaming Concepts & Game Design
Gamification, Gaming Concepts & Game DesignGamification, Gaming Concepts & Game Design
Gamification, Gaming Concepts & Game Design
vincevader
 
Workshop kodu
Workshop kodu Workshop kodu
Workshop kodu
ejml
 
Programação em Kodu como instrumento de aprendizagem
Programação em Kodu como instrumento de aprendizagemProgramação em Kodu como instrumento de aprendizagem
Programação em Kodu como instrumento de aprendizagem
Fernanda Ledesma
 
Workshop Fischer
Workshop FischerWorkshop Fischer
Workshop Fischer
vincevader
 
Irradiar #03
Irradiar #03Irradiar #03
Desenvolvimento de Jogos - Game Design
Desenvolvimento de Jogos - Game DesignDesenvolvimento de Jogos - Game Design
Desenvolvimento de Jogos - Game Design
Fabio Moura Pereira
 
Games e inovacao tecnologica
Games e inovacao tecnologicaGames e inovacao tecnologica
Games e inovacao tecnologica
Alexsandro
 
Introdução ao Desenvolvimemto de Jogos com Unity
Introdução ao Desenvolvimemto de Jogos com UnityIntrodução ao Desenvolvimemto de Jogos com Unity
Introdução ao Desenvolvimemto de Jogos com Unity
Wandreson Souza
 
Gamification
GamificationGamification
Gamification
famecos2013B
 
O que é Game Designer
O que é Game Designer O que é Game Designer
O que é Game Designer
Rodolfo Barbosa
 
SB Games 2013 - Kodu Game Lab Brasil
SB Games 2013 - Kodu Game Lab BrasilSB Games 2013 - Kodu Game Lab Brasil
SB Games 2013 - Kodu Game Lab Brasil
Paulo Roberto
 
Como criar jogos? Dicas, metodologias e etapas de desenvolvimento.
Como criar jogos? Dicas, metodologias e etapas de desenvolvimento.Como criar jogos? Dicas, metodologias e etapas de desenvolvimento.
Como criar jogos? Dicas, metodologias e etapas de desenvolvimento.
Caio Vinicius Marques Teixeira
 
O que é Gamificação? Apresentação no SIP de 2018
O que é Gamificação? Apresentação no SIP de 2018 O que é Gamificação? Apresentação no SIP de 2018
O que é Gamificação? Apresentação no SIP de 2018
ProfThiagoAAlves
 
Criação de jogos game maker - férias
Criação de jogos   game maker - fériasCriação de jogos   game maker - férias
Criação de jogos game maker - férias
Instituto Inovar
 
Cp game design
Cp game designCp game design
Cp game design
Campus Party Brasil
 
Aprendendo a Construir jogos com o Construct 2
Aprendendo a Construir jogos com o Construct 2 Aprendendo a Construir jogos com o Construct 2
Aprendendo a Construir jogos com o Construct 2
Diogo Padilha
 
Artigo inteligencia artifical-jogos
Artigo inteligencia artifical-jogosArtigo inteligencia artifical-jogos
Artigo inteligencia artifical-jogos
Fernando Vargas
 

Mais procurados (20)

Criando Jogos
Criando JogosCriando Jogos
Criando Jogos
 
Design de Jogos I - Fundamentos principais (Grupo de estudos ETEC)
Design de Jogos I - Fundamentos principais (Grupo de estudos ETEC)Design de Jogos I - Fundamentos principais (Grupo de estudos ETEC)
Design de Jogos I - Fundamentos principais (Grupo de estudos ETEC)
 
Inteligência Artificial em Jogos Eletrônicos
Inteligência Artificial em Jogos EletrônicosInteligência Artificial em Jogos Eletrônicos
Inteligência Artificial em Jogos Eletrônicos
 
Gamification, Gaming Concepts & Game Design
Gamification, Gaming Concepts & Game DesignGamification, Gaming Concepts & Game Design
Gamification, Gaming Concepts & Game Design
 
Workshop kodu
Workshop kodu Workshop kodu
Workshop kodu
 
Programação em Kodu como instrumento de aprendizagem
Programação em Kodu como instrumento de aprendizagemProgramação em Kodu como instrumento de aprendizagem
Programação em Kodu como instrumento de aprendizagem
 
Workshop Fischer
Workshop FischerWorkshop Fischer
Workshop Fischer
 
Irradiar #03
Irradiar #03Irradiar #03
Irradiar #03
 
Desenvolvimento de Jogos - Game Design
Desenvolvimento de Jogos - Game DesignDesenvolvimento de Jogos - Game Design
Desenvolvimento de Jogos - Game Design
 
Games e inovacao tecnologica
Games e inovacao tecnologicaGames e inovacao tecnologica
Games e inovacao tecnologica
 
Introdução ao Desenvolvimemto de Jogos com Unity
Introdução ao Desenvolvimemto de Jogos com UnityIntrodução ao Desenvolvimemto de Jogos com Unity
Introdução ao Desenvolvimemto de Jogos com Unity
 
Gamification
GamificationGamification
Gamification
 
O que é Game Designer
O que é Game Designer O que é Game Designer
O que é Game Designer
 
SB Games 2013 - Kodu Game Lab Brasil
SB Games 2013 - Kodu Game Lab BrasilSB Games 2013 - Kodu Game Lab Brasil
SB Games 2013 - Kodu Game Lab Brasil
 
Como criar jogos? Dicas, metodologias e etapas de desenvolvimento.
Como criar jogos? Dicas, metodologias e etapas de desenvolvimento.Como criar jogos? Dicas, metodologias e etapas de desenvolvimento.
Como criar jogos? Dicas, metodologias e etapas de desenvolvimento.
 
O que é Gamificação? Apresentação no SIP de 2018
O que é Gamificação? Apresentação no SIP de 2018 O que é Gamificação? Apresentação no SIP de 2018
O que é Gamificação? Apresentação no SIP de 2018
 
Criação de jogos game maker - férias
Criação de jogos   game maker - fériasCriação de jogos   game maker - férias
Criação de jogos game maker - férias
 
Cp game design
Cp game designCp game design
Cp game design
 
Aprendendo a Construir jogos com o Construct 2
Aprendendo a Construir jogos com o Construct 2 Aprendendo a Construir jogos com o Construct 2
Aprendendo a Construir jogos com o Construct 2
 
Artigo inteligencia artifical-jogos
Artigo inteligencia artifical-jogosArtigo inteligencia artifical-jogos
Artigo inteligencia artifical-jogos
 

Semelhante a Aspectos Criativos do Design de Jogos

News games
News gamesNews games
News games
Victor Abreu Vhka
 
Gamificação na prática: slides palestra innovation experts
Gamificação na prática: slides palestra innovation expertsGamificação na prática: slides palestra innovation experts
Gamificação na prática: slides palestra innovation experts
Samara Tanaka
 
Gamificação nos negócios (Pós Graduação IMED - Gerenciamento de Projetos)
Gamificação nos negócios (Pós Graduação IMED - Gerenciamento de Projetos)Gamificação nos negócios (Pós Graduação IMED - Gerenciamento de Projetos)
Gamificação nos negócios (Pós Graduação IMED - Gerenciamento de Projetos)
Gláuber Guilherme Signori
 
Webinar leya educacao_jogo_estrategia_aprendizagem_27mai_13
Webinar leya educacao_jogo_estrategia_aprendizagem_27mai_13Webinar leya educacao_jogo_estrategia_aprendizagem_27mai_13
Webinar leya educacao_jogo_estrategia_aprendizagem_27mai_13
Sofia Barcelos
 
Conectando Conceitos a partir dos Jogos
Conectando Conceitos a partir dos JogosConectando Conceitos a partir dos Jogos
Conectando Conceitos a partir dos Jogos
Julio Matos
 
Game Design para quem não é Game Designer
Game Design para quem não é Game DesignerGame Design para quem não é Game Designer
Game Design para quem não é Game Designer
André Kishimoto
 
teorias jogos digitais para aula em ensino médio.pdf
teorias jogos digitais para aula em ensino médio.pdfteorias jogos digitais para aula em ensino médio.pdf
teorias jogos digitais para aula em ensino médio.pdf
LuanaBarbosa89
 
Roteiro jogosdigitaisav2
Roteiro jogosdigitaisav2Roteiro jogosdigitaisav2
Roteiro jogosdigitaisav2
Diego Moreau
 
Criação de Jogos 2D com Técnicas 3D Utilizando Python e C
Criação de Jogos 2D com Técnicas 3D Utilizando Python e CCriação de Jogos 2D com Técnicas 3D Utilizando Python e C
Criação de Jogos 2D com Técnicas 3D Utilizando Python e C
Leinylson Fontinele
 
Criação de jogos scratch - férias
Criação de jogos   scratch - fériasCriação de jogos   scratch - férias
Criação de jogos scratch - férias
Instituto Inovar
 
tecnologia em design
tecnologia em designtecnologia em design
tecnologia em design
Allan Almeida de Araújo
 
tecnologia em design
tecnologia em designtecnologia em design
tecnologia em design
Allan Almeida de Araújo
 
Inteligência artificial algumas técnicas aplicadas em jogos
Inteligência artificial  algumas técnicas aplicadas em jogosInteligência artificial  algumas técnicas aplicadas em jogos
Inteligência artificial algumas técnicas aplicadas em jogos
CRISLANIO MACEDO
 
Aprender com Jogos
Aprender com JogosAprender com Jogos
Aprender com Jogos
Nelson Zagalo
 
Frameworks Formais de Game Design.
Frameworks Formais de Game Design.Frameworks Formais de Game Design.
Frameworks Formais de Game Design.
Pedro Emil Freme
 
4 game design_atomos_do_game_unibero_2010
4 game design_atomos_do_game_unibero_20104 game design_atomos_do_game_unibero_2010
4 game design_atomos_do_game_unibero_2010
Kao Tokio
 
Mini curso Gamificação nos negócios
Mini curso Gamificação nos negóciosMini curso Gamificação nos negócios
Mini curso Gamificação nos negócios
Gláuber Guilherme Signori
 
Teoria dos jogos
Teoria dos jogos Teoria dos jogos
Teoria dos jogos
Edkallenn Lima
 
Compreendendo Dinamicas De Jogo
Compreendendo  Dinamicas De  JogoCompreendendo  Dinamicas De  Jogo
Compreendendo Dinamicas De Jogo
Interaction Design Association Chapter São Paulo
 
Teoria_dos_Jogos_-_Irineu_-_slides_aulas_01_02_03_e_04.ppt
Teoria_dos_Jogos_-_Irineu_-_slides_aulas_01_02_03_e_04.pptTeoria_dos_Jogos_-_Irineu_-_slides_aulas_01_02_03_e_04.ppt
Teoria_dos_Jogos_-_Irineu_-_slides_aulas_01_02_03_e_04.ppt
Marcelo Cleto Chagas
 

Semelhante a Aspectos Criativos do Design de Jogos (20)

News games
News gamesNews games
News games
 
Gamificação na prática: slides palestra innovation experts
Gamificação na prática: slides palestra innovation expertsGamificação na prática: slides palestra innovation experts
Gamificação na prática: slides palestra innovation experts
 
Gamificação nos negócios (Pós Graduação IMED - Gerenciamento de Projetos)
Gamificação nos negócios (Pós Graduação IMED - Gerenciamento de Projetos)Gamificação nos negócios (Pós Graduação IMED - Gerenciamento de Projetos)
Gamificação nos negócios (Pós Graduação IMED - Gerenciamento de Projetos)
 
Webinar leya educacao_jogo_estrategia_aprendizagem_27mai_13
Webinar leya educacao_jogo_estrategia_aprendizagem_27mai_13Webinar leya educacao_jogo_estrategia_aprendizagem_27mai_13
Webinar leya educacao_jogo_estrategia_aprendizagem_27mai_13
 
Conectando Conceitos a partir dos Jogos
Conectando Conceitos a partir dos JogosConectando Conceitos a partir dos Jogos
Conectando Conceitos a partir dos Jogos
 
Game Design para quem não é Game Designer
Game Design para quem não é Game DesignerGame Design para quem não é Game Designer
Game Design para quem não é Game Designer
 
teorias jogos digitais para aula em ensino médio.pdf
teorias jogos digitais para aula em ensino médio.pdfteorias jogos digitais para aula em ensino médio.pdf
teorias jogos digitais para aula em ensino médio.pdf
 
Roteiro jogosdigitaisav2
Roteiro jogosdigitaisav2Roteiro jogosdigitaisav2
Roteiro jogosdigitaisav2
 
Criação de Jogos 2D com Técnicas 3D Utilizando Python e C
Criação de Jogos 2D com Técnicas 3D Utilizando Python e CCriação de Jogos 2D com Técnicas 3D Utilizando Python e C
Criação de Jogos 2D com Técnicas 3D Utilizando Python e C
 
Criação de jogos scratch - férias
Criação de jogos   scratch - fériasCriação de jogos   scratch - férias
Criação de jogos scratch - férias
 
tecnologia em design
tecnologia em designtecnologia em design
tecnologia em design
 
tecnologia em design
tecnologia em designtecnologia em design
tecnologia em design
 
Inteligência artificial algumas técnicas aplicadas em jogos
Inteligência artificial  algumas técnicas aplicadas em jogosInteligência artificial  algumas técnicas aplicadas em jogos
Inteligência artificial algumas técnicas aplicadas em jogos
 
Aprender com Jogos
Aprender com JogosAprender com Jogos
Aprender com Jogos
 
Frameworks Formais de Game Design.
Frameworks Formais de Game Design.Frameworks Formais de Game Design.
Frameworks Formais de Game Design.
 
4 game design_atomos_do_game_unibero_2010
4 game design_atomos_do_game_unibero_20104 game design_atomos_do_game_unibero_2010
4 game design_atomos_do_game_unibero_2010
 
Mini curso Gamificação nos negócios
Mini curso Gamificação nos negóciosMini curso Gamificação nos negócios
Mini curso Gamificação nos negócios
 
Teoria dos jogos
Teoria dos jogos Teoria dos jogos
Teoria dos jogos
 
Compreendendo Dinamicas De Jogo
Compreendendo  Dinamicas De  JogoCompreendendo  Dinamicas De  Jogo
Compreendendo Dinamicas De Jogo
 
Teoria_dos_Jogos_-_Irineu_-_slides_aulas_01_02_03_e_04.ppt
Teoria_dos_Jogos_-_Irineu_-_slides_aulas_01_02_03_e_04.pptTeoria_dos_Jogos_-_Irineu_-_slides_aulas_01_02_03_e_04.ppt
Teoria_dos_Jogos_-_Irineu_-_slides_aulas_01_02_03_e_04.ppt
 

Mais de Nelson Zagalo

Engagement Design
Engagement DesignEngagement Design
Engagement Design
Nelson Zagalo
 
Ciência e Mitos sobre os efeitos dos Videojogos
Ciência e Mitos sobre os efeitos dos VideojogosCiência e Mitos sobre os efeitos dos Videojogos
Ciência e Mitos sobre os efeitos dos Videojogos
Nelson Zagalo
 
Learning with Games
Learning with GamesLearning with Games
Learning with Games
Nelson Zagalo
 
Evolução Tecnológica e Literacia
Evolução Tecnológica e LiteraciaEvolução Tecnológica e Literacia
Evolução Tecnológica e Literacia
Nelson Zagalo
 
Aplicações do 3D (CGI)
Aplicações do 3D (CGI)Aplicações do 3D (CGI)
Aplicações do 3D (CGI)
Nelson Zagalo
 
Gamifying Motivation
Gamifying MotivationGamifying Motivation
Gamifying Motivation
Nelson Zagalo
 
Deepfake and the future of Audiovisual Simulacra
Deepfake and the future of Audiovisual SimulacraDeepfake and the future of Audiovisual Simulacra
Deepfake and the future of Audiovisual Simulacra
Nelson Zagalo
 
Complementaridade Tecnológica e o Fator Humano
Complementaridade Tecnológica e o Fator HumanoComplementaridade Tecnológica e o Fator Humano
Complementaridade Tecnológica e o Fator Humano
Nelson Zagalo
 
Narrativa y Significado
Narrativa y SignificadoNarrativa y Significado
Narrativa y Significado
Nelson Zagalo
 
Persuasive Game Design
Persuasive Game DesignPersuasive Game Design
Persuasive Game Design
Nelson Zagalo
 
Tendências dos Jogos Digitais na Educação
Tendências dos Jogos Digitais na EducaçãoTendências dos Jogos Digitais na Educação
Tendências dos Jogos Digitais na Educação
Nelson Zagalo
 
VR Engagement
VR EngagementVR Engagement
VR Engagement
Nelson Zagalo
 
Multimedia and Arts
Multimedia and ArtsMultimedia and Arts
Multimedia and Arts
Nelson Zagalo
 
Narrative Design, the case of “Horizon Zero Dawn”
Narrative Design, the case of “Horizon Zero Dawn”Narrative Design, the case of “Horizon Zero Dawn”
Narrative Design, the case of “Horizon Zero Dawn”
Nelson Zagalo
 
Problematização do Dataismo
Problematização do DataismoProblematização do Dataismo
Problematização do Dataismo
Nelson Zagalo
 
Competências Multimédia 12º
Competências Multimédia 12ºCompetências Multimédia 12º
Competências Multimédia 12º
Nelson Zagalo
 
Videogames and Multimodal Literacy
Videogames and Multimodal LiteracyVideogames and Multimodal Literacy
Videogames and Multimodal Literacy
Nelson Zagalo
 
Futuro do criativo
Futuro do criativoFuturo do criativo
Futuro do criativo
Nelson Zagalo
 
Cinema, janela intercultural
Cinema, janela interculturalCinema, janela intercultural
Cinema, janela intercultural
Nelson Zagalo
 
Web documentary media language
Web documentary media languageWeb documentary media language
Web documentary media language
Nelson Zagalo
 

Mais de Nelson Zagalo (20)

Engagement Design
Engagement DesignEngagement Design
Engagement Design
 
Ciência e Mitos sobre os efeitos dos Videojogos
Ciência e Mitos sobre os efeitos dos VideojogosCiência e Mitos sobre os efeitos dos Videojogos
Ciência e Mitos sobre os efeitos dos Videojogos
 
Learning with Games
Learning with GamesLearning with Games
Learning with Games
 
Evolução Tecnológica e Literacia
Evolução Tecnológica e LiteraciaEvolução Tecnológica e Literacia
Evolução Tecnológica e Literacia
 
Aplicações do 3D (CGI)
Aplicações do 3D (CGI)Aplicações do 3D (CGI)
Aplicações do 3D (CGI)
 
Gamifying Motivation
Gamifying MotivationGamifying Motivation
Gamifying Motivation
 
Deepfake and the future of Audiovisual Simulacra
Deepfake and the future of Audiovisual SimulacraDeepfake and the future of Audiovisual Simulacra
Deepfake and the future of Audiovisual Simulacra
 
Complementaridade Tecnológica e o Fator Humano
Complementaridade Tecnológica e o Fator HumanoComplementaridade Tecnológica e o Fator Humano
Complementaridade Tecnológica e o Fator Humano
 
Narrativa y Significado
Narrativa y SignificadoNarrativa y Significado
Narrativa y Significado
 
Persuasive Game Design
Persuasive Game DesignPersuasive Game Design
Persuasive Game Design
 
Tendências dos Jogos Digitais na Educação
Tendências dos Jogos Digitais na EducaçãoTendências dos Jogos Digitais na Educação
Tendências dos Jogos Digitais na Educação
 
VR Engagement
VR EngagementVR Engagement
VR Engagement
 
Multimedia and Arts
Multimedia and ArtsMultimedia and Arts
Multimedia and Arts
 
Narrative Design, the case of “Horizon Zero Dawn”
Narrative Design, the case of “Horizon Zero Dawn”Narrative Design, the case of “Horizon Zero Dawn”
Narrative Design, the case of “Horizon Zero Dawn”
 
Problematização do Dataismo
Problematização do DataismoProblematização do Dataismo
Problematização do Dataismo
 
Competências Multimédia 12º
Competências Multimédia 12ºCompetências Multimédia 12º
Competências Multimédia 12º
 
Videogames and Multimodal Literacy
Videogames and Multimodal LiteracyVideogames and Multimodal Literacy
Videogames and Multimodal Literacy
 
Futuro do criativo
Futuro do criativoFuturo do criativo
Futuro do criativo
 
Cinema, janela intercultural
Cinema, janela interculturalCinema, janela intercultural
Cinema, janela intercultural
 
Web documentary media language
Web documentary media languageWeb documentary media language
Web documentary media language
 

Último

Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
pamellaaraujo10
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de GeografiaAula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
WELTONROBERTOFREITAS
 
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdfAula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Marília Pacheco
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
MatheusSousa716350
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
joaresmonte3
 
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdfAula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
vitorreissouzasilva
 
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
SidneySilva523387
 
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
AdrianoMontagna1
 
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
Gênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9ºGênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9º
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
sjcelsorocha
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
geiseortiz1
 
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
GracinhaSantos6
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
TiagoLouro8
 
A importância das conjunções- Ensino Médio
A importância das conjunções- Ensino MédioA importância das conjunções- Ensino Médio
A importância das conjunções- Ensino Médio
nunesly
 
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdfUFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
Manuais Formação
 
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdfConcurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
TathyLopes1
 
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.pptFUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
MarceloMonteiro213738
 

Último (20)

Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de GeografiaAula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
 
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdfAula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
 
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdfAula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
 
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
 
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
 
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
Gênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9ºGênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9º
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
 
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
 
A importância das conjunções- Ensino Médio
A importância das conjunções- Ensino MédioA importância das conjunções- Ensino Médio
A importância das conjunções- Ensino Médio
 
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdfUFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
 
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdfConcurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
 
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.pptFUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
 

Aspectos Criativos do Design de Jogos

  • 1. nzagalo@ics.uminho.pt | virtual-illusion.blogspot.com Aspectos Criativos do Design de Jogos Nelson Zagalo, Universidade do Minho Universidade do Minho Workshop na Universidade de Cabo Verde 19 Outubro 2016
  • 2. nzagalo@ics.uminho.pt | virtual-illusion.blogspot.com Brincar [Play] Brincar = Espontaneidade Actividade que se define por uma motivação intrínseca que nos leva a agir, a engajar numa acção, que se define pelas seguintes características: . Espontâneo . Não Estruturado . Não Linear . Sem Objectivos Sem condições de vitória ou término. No brincar social espontâneo não há vencedores nem vencidos, dado que a ordem da interacção está sujeita ao tipo de lógica “soma não zero”, (Watzlawick, 1983). No jogar, há vencedores e vencidos, a ordem da interacção é regulada pela lógica de tipo “soma zero” (Lopes, 1998). Para saber mais sobre a actividade de Brincar, aconselha- se o visionamento da Ted Talk de Stuart Brown http://www.ted.com/talks/stuart_brown_says_play_is_more_than_fun_it_s_vit al.html
  • 4. nzagalo@ics.uminho.pt | virtual-illusion.blogspot.com ”O jogo é um sistema no qual os jogadores se envolvem num conflito artificial, definido por regras, e que resulta em algo quantificável" (Salen e Zimmerman, 2004) Caillois (1957) define o jogo através das seguintes características: . Divertido (não sério) . Separado (no tempo e espaço) . Incerto (não se pode adivinhar o resultado) . Não-produtivo (a participação não deve ter como resultado algo útil) . Regras (diferentes do dia-a-dia) . Ficcional (realidade distinta) Jogar [Play] Jogar = Estruturado
  • 5. nzagalo@ics.uminho.pt | virtual-illusion.blogspot.com As componentes dos Jogos Os jogos são criados a partir de três grandes componentes: Arte - Imagens, Gráficos, Formas, Sons e Música Material - Plástico, Madeira, Pedra, Digital Design - Jogabilidade (Gameplay)
  • 6. nzagalo@ics.uminho.pt | virtual-illusion.blogspot.com O Designer de Jogos O que faz o Designer de Videojogos? Desenha a jogabilidade, ou seja, os aspectos interativos do jogo. A jogabilidade, não é mais do que aquilo que o jogador faz no jogo. Isto não está relacionado com o grafismo, a cor, a forma, ou som. Nem está relacionado com a robustez ou qualidade do objeto. Está apenas e só relacionado com o conjunto de regras que regem as ações do jogador, as suas obrigatoriedades e liberdades, os objetivos do jogo, e as condições de vitória ou perda.
  • 7. nzagalo@ics.uminho.pt | virtual-illusion.blogspot.com O Designer de Jogos As componentes da jogabilidade - Ambiente, objetos manipuláveis e não manipuláveis. - Como se manipulam e modificam os objetos dentro do ambiente - As regras que permitem os objetos modificarem-se. (Ex. Mudança de posição de um objeto como resposta a outro objeto ou às ações do jogador) - As recompensas e castigos resultantes das ações do jogador - As ações do jogador, as suas obrigatoriedades e liberdades - Os objetivos do jogo, e as condições de vitória ou perda. Board games Video games Card games Dice games Pencil-and-paper games Role-playing games Alternate reality games Educational games Creative games Mathematical games Conversation games Daring games Guessing games Singing games Puzzles Quizzes Travel games Wargames Word games Skill games Sports
  • 8. nzagalo@ics.uminho.pt | virtual-illusion.blogspot.com Resolução de problemas Observação de eventos Participação em decisões Construção de mundos Narrativas lineares Walking Simulations Storytelling Ambiental Ultrapassar obstáculos Competição e desafio Mundos regrados Criar Brincar Improvisar Escolha e Dilemas Role-play Storytelling Interativo Narrativa Liberdade Jogo Controlo Experiência de Videojogos
  • 9. nzagalo@ics.uminho.pt | virtual-illusion.blogspot.com O jogo ou a experiência Engage Qual é então o objectivo último do designer? Desenhar jogos? Não. O jogo é apenas meio para atingir o fim. Os jogos não passam de artefatos, objetos, coisas. Os jogos não valem nada sem as pessoas. Então o que é que acontece quando uma pessoa joga? A pessoa tem uma Experiência. É então esta experiência que interessa ao designer. Sem a experiência, os jogos não são relevantes.
  • 10. nzagalo@ics.uminho.pt | virtual-illusion.blogspot.com Definir a Experiência Flow = Sentimentos positivos
  • 11. nzagalo@ics.uminho.pt | virtual-illusion.blogspot.com Feedback claro Sensação de Progresso Possibilidade de Sucesso Exercitar Mente/Corpo Satisfação de Curiosidade Resolver um Problema Sentimento de Liberdade Definir a Experiência
  • 12. nzagalo@ics.uminho.pt | virtual-illusion.blogspot.com Feedback claro Sensação de Progresso Possibilidade de Sucesso Exercitar Mente/Corpo Satisfação de Curiosidade Resolver um Problema Sentimento de Liberdade Definir a Experiência
  • 13. nzagalo@ics.uminho.pt | virtual-illusion.blogspot.com Feedback claro Sensação de Progresso Possibilidade de Sucesso Exercitar Mente/Corpo Satisfação de Curiosidade Resolver um Problema Sentimento de Liberdade Definir a Experiência
  • 14. nzagalo@ics.uminho.pt | virtual-illusion.blogspot.com Feedback claro Sensação de Progresso Possibilidade de Sucesso Exercitar Mente/Corpo Satisfação de Curiosidade Resolver um Problema Sentimento de Liberdade Definir a Experiência
  • 15. nzagalo@ics.uminho.pt | virtual-illusion.blogspot.com Feedback claro Sensação de Progresso Possibilidade de Sucesso Exercitar Mente/Corpo Satisfação de Curiosidade Resolver um Problema Sentimento de Liberdade Definir a Experiência
  • 16. nzagalo@ics.uminho.pt | virtual-illusion.blogspot.com Feedback claro Sensação de Progresso Possibilidade de Sucesso Exercitar Mente/Corpo Satisfação de Curiosidade Resolver um Problema Sentimento de Liberdade Definir a Experiência
  • 17. nzagalo@ics.uminho.pt | virtual-illusion.blogspot.com Feedback claro Sensação de Progresso Possibilidade de Sucesso Exercitar Mente/Corpo Satisfação de Curiosidade Resolver um Problema Sentimento de Liberdade Definir a Experiência
  • 19. nzagalo@ics.uminho.pt | virtual-illusion.blogspot.com Todos os jogos têm um espaço. Este espaço é aquilo a que chamamos “círculo mágico” do gameplay. Define os lugares que existem no jogo, e como estes se relacionam entre si. Em termos mecânicos, o espaço é uma abstração matemática. Por isso vemo-nos obrigados a extrair toda a componente visual, e a olhar apenas para aquilo que abstratamente constrói o espaço do jogo 1. Discreto ou Contínuo 2. Tem um certo número de dimensões 3. Possui zonas delimitadas, que podem ou não estar ligadas. Mecânica 1: Espaço No Jogo do Galo a espacialidade contínua existe apenas na representação gráfica. Em termos de mecânica, são 9 pontos discretos apenas. Cada ponto em si é de Dimensão Zero, sendo as adjacências que determinam as regras do jogo, este assume então um carácter bi-dimensional, com fronteiras claras 3X3
  • 20. nzagalo@ics.uminho.pt | virtual-illusion.blogspot.com Um espaço per se não faz um jogo, precisa de objectos. Os objectos são os substantivos do jogo. Esses objectos por sua vez possuem algum tipo de atributos. Os atributos são categorias de informação de cada objecto. Definem-se na posição do objecto, ou na sua velocidade. Estes atributos podem ser estáticos como a cor de um objecto (), ou dinâmicos como a posição. Em termos de mecânica são mais relevantes os dinâmicos, porque possuem estados associados. Os estados são categorias de informação de cada atributo. Podem definir por exemplo a velocidade máxima, ou a velocidade corrente de um objecto. Os Atributos e os Estados funcionam como Adjectivos dos Objectos. Exemplo: Rei no Xadrez, tem o atributo de movimento, que por sua vez tem 3 estados possíveis: livre, xeque, e xeque- mate. Mecânica 2: Objectos
  • 21. nzagalo@ics.uminho.pt | virtual-illusion.blogspot.com Respondem à questão, “O que é que o Jogador pode fazer?” As ações podem ser de 2 tipos: operativas ou resultantes. Ações Operativas nas Damas: As acções básicas 1. Mover as peças em frente 2. Saltar por cima de uma peça do oponente 3. Mover uma peça para trás (quando Rainha) Ações Resultantes nas Damas: Uso de operativas para atingir fins maiores 1.Proteger uma peça, movendo outra para trás 2.Forçar o oponente a fazer um salto não pretendido 3.Sacrificar uma peça para tramar o oponente 4.Chegar ao lado oponente, para passar a Rainha As resultantes, normalmente não estão estabelecidas como regras, emergem do jogo naturalmente com a jogabilidade. Destes modo assumem uma relevância vital para a criação de envolvimento e interesse no jogo. Mecânica 3: Ações Objectos: Substantivos Atributos: 1º Adjectivos Estados: 2º Adjectivos Acções: Verbos
  • 22. nzagalo@ics.uminho.pt | virtual-illusion.blogspot.com As regras são o fundamento de todas as restantes mecânicas. Elas definem o espaço, as acções, as consequências das acções, os constrangimentos às acções e aos objectivos. Elas fazem do jogo um jogo, porque adicionam um elemento crucial, os objectivos, as metas, a finalidade. Mecânica 4: Regras Parlett, 2005
  • 23. nzagalo@ics.uminho.pt | virtual-illusion.blogspot.com Aqui passamos o foco do jogo para o jogador, nomeadamente para o desenho de elementos em função daquilo que queremos que o jogador traga para o jogo. 1. Competências Físicas: Força, destreza, coordenação e endurance. 2. Competências Cognitivas: Memória, observação, resolução de problemas. 3. Competências Sociais: Ler o oponente, adivinhar o que ele está a pensar, enganar o oponente, e coordenação com os colegas de equipa. Mecânica 5: Competências
  • 24. nzagalo@ics.uminho.pt | virtual-illusion.blogspot.com Mecânica 6: Incerteza A incerteza, é um, se não mesmo o elemento mais importante no desenho de um jogo. É uma mecânica que interage directamente com todas as anteriores: espaço, objectos, acções, regras e competências. O que é a Incerteza? É simplesmente a base de toda e qualquer Narrativa. Sem incerteza, não há Surpresa, e sem Surpresa não há Interesse. Num filme é através da criação de “estados de incerteza e atraso que se desenvolve a ansiedade [interesse intenso e focado] no espectador enquanto este espera pelo resultado de uma situação” (Wied, 1994). O Envolvimento só acontece quando os níveis de Interesse se elevam, logo sem Incerteza, não conseguimos criar envolvimento. Eu sei que o objectivo do Xadrez é capturar o Rei, mas vivo na total incerteza de o conseguir capturar até que realizo um cheque-mate. E é esta incerteza que me mantém a jogar. Pikul – “What precisely is the goal of the game that we're playing now?” Allegra - “You have to play the game to find out why you're playing the game.” eXistenZ (1998)
  • 26. nzagalo@ics.uminho.pt | virtual-illusion.blogspot.com High Concept (Ideia) (2 linhas) Quem é, e o que faz Game Concept (5 linhas) Onde, o quê, quem, como e porquê. Ou seja, é necessário que estas 5 linhas sejam capazes de situar a acção, definir quem é o jogador e depois expliquem em traços largos o que é que o jogador pode e necessita de fazer. Se quiserem podem definir ainda o porquê, ou seja, qual é o grande objectivo das acções, ou então optar por deixar o final em aberto.