A cultura da gare

15.313 visualizações

Publicada em

0 comentários
4 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
15.313
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
7
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
409
Comentários
0
Gostaram
4
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

A cultura da gare

  1. 1. Módulo 8 – A Cultura da GareCourbet, A origem do mundo 1866; Os Britadores de pedra. Trabalho realizado por:
  2. 2. Curso Profissional: Técnico de Multimédia 11ºano História e Cultura e das Artes Módulo 8- A Cultura da Gare Introdução A elaboração deste trabalho deve-se ao facto de na disciplinade História e Cultura e das Artes, estarmos a abordar no módulo 8,diferentes temas entre os quais o Romantismo, o Realismo e oImpressionismo. Durante as aulas foram-nos fornecidas algumas fichas ondeexplicavam as diferentes correntes artísticas, bem como os seusartistas, foi ainda proposto desenvolvermos um trabalho ondeorganizássemos uma visita de estudo. Essa visita de estudo deveriaenglobar os seguintes temas: A Europa e as linhas férreas; As Revoluções Industriais e a Cultura da Gare; Os novos materiais (ferro e vidro); O Romantismo (arquitectura, escultura e pintura); O Realismo (pintura e escultura); O Impressionismo (pintura); A arquitectura do ferro e a Arte Nova. História e Cultura e das Artes Página 2 de 12
  3. 3. Curso Profissional: Técnico de Multimédia 11ºano História e Cultura e das Artes Módulo 8- A Cultura da Gare Desenvolvimento A Europa e as linhas férreas; As linhas férreas fizeram o seu aparecimento ainda no séculoXVIII, na actividade mineira e nas pedreiras. Mas no século XIX, emInglaterra, que o engenheiro de minas George Stephernson criou aprimeira linha comercial que ligava Stockton a Darlington, o que fezsurgir o comboio a vapor. A Revolução Industrial e a Cultura da Gare. A Revolução Industrial implicou a mudança na economia debase agrícola e artesanal para uma economia de base industrial emecanizada. Esta mudança iniciou-se em Inglaterra, em meados doséculo XVIII e expandiu-se a outros lugares ao longo do século XIX. A segunda revolução Industrial alia a ciência e a técnica, autilização de novas fontes de energia, o desenvolvimento de novossectores de produção e a racionalização do trabalho. As Gares, eram os locais fixos de paragem onde, a horas certas, aspessoas apanhavam o comboio ou esperavam quem neles viajava. Os novos materiais (o ferro e o vidro); Embora o ferro e o vidro já fossem usados há muito tempo, aRevolução Industrial inglesa (nos finais do século XVIII), fez com queestes fossem fabricados em massa e acima de tudo utilizado empontes, fabricas entre outras coisas. Esta nova arquitectura de carácter utilitário tem uma forterelação com a Revolução Industrial e dá resposta às necessidades de História e Cultura e das Artes Página 3 de 12
  4. 4. Curso Profissional: Técnico de Multimédia 11ºano História e Cultura e das Artes Módulo 8- A Cultura da Gareespaços amplos, de estruturas para vias de comunicação e docrescimento das cidades, como por exemplo as Gares. Um exemplo disso é a torre Eiffel. O Romantismo (arquitectura, escultura e pintura); O Romantismo voltou-se para o passado medieval, suapermanente fonte inspiradora. Na Arquitectura: O Palácio da Pena, em Sintra, é um grandeexemplo de arquitectura Romântica. Na Escultura: A Dança de Jean-Baptiste Carpeaux, que estáintegrado na fachada da opera de Paris. Na Pintura: Francisco Goya “brinda-nos” com “A Maja Nua” e“ A Maja Vestida”, expostas ambas no museu do Prado. O Realismo (pintura e escultura); O Realismo surgiu nas últimas décadas do século XIX naEuropa, mais especificamente na França, em reacção ao Romantismo,este movimento caracterizava-se pela representação da realidade. Na Pintura: Gustave com “Enterro em Ornans”. Na Escultura: O Desterrado de An tónio Soares dos Reis. O Impressionismo (pintura); O Impressionismo surge na segunda metade do século XIX,contra os valores académicos da arte oficial. Destaca-seessencialmente por uma pintura onde a temática (nu, cenas da vidaquotidiana) eram motivo de escândalo, colocavam tons claros sobretons escuros, desprezando a paleta sombria da pintura tradicional. Na Pintura: Edouard Manet, Olympia, 1863. História e Cultura e das Artes Página 4 de 12
  5. 5. Curso Profissional: Técnico de Multimédia 11ºano História e Cultura e das Artes Módulo 8- A Cultura da Gare Arte Nova; A Arte Nova (1892-1914) iniciou-se no final do século XIX, naEuropa. Nesta altura, antes da guerra, a Europa detinha muitariqueza, as classes média e alta, podiam investir em pequenosobjectos decorativos, para poder afirmar a sua posição social. Devidoàs exposições mundiais que começaram a aparecer nesta altura, aArte Nova, surgiu simultaneamente em vários pontos da Europa,dadas as novas melhorias nas vias de transporte, comunicação etrocas comerciais entre os países. O exemplo desta arte é a obraarquitectónica Dr. Anastácio Gonçalves. Proposta de Visita de Estudo Saída da Escola Secundária Sá de Miranda; Rumo ao Museu Soares dos Reis no Porto onde podemos veruma escultura Realista de António Soares dos Reis, o Desterrado; História e Cultura e das Artes Página 5 de 12
  6. 6. Curso Profissional: Técnico de Multimédia 11ºano História e Cultura e das Artes Módulo 8- A Cultura da Gare Esta Obra-prima do século XIX, que Soares dos Reis expos emMadrid exprime a solidão e nostalgia, identifica-se também umpessimismo saudosista. Seguimos para o Palácio da Pena em Sintra, ondeencontramos uma obra arquitectónica do Romantismo. Obra do arquitecto militar alemão barão de Eschwege –edificado entre 1839 e 1849, por encomenda do rei D. Fernando.Aproveitando uma parte do convento ali existente, que tinha sidodanificado pelo terramoto de 1755, foi erguido naquele espaço umedificio estranho, cheio de reminiscencias mouriscas e manuelinas. Seguimos para a casa Museu Dr. Anastácio Gonçalves,obra arquitectónica da Arte Nova, no Lisboa. História e Cultura e das Artes Página 6 de 12
  7. 7. Curso Profissional: Técnico de Multimédia 11ºano História e Cultura e das Artes Módulo 8- A Cultura da Gare Num edifício com motivos Arte Nova, que pertenceu ao pintorJosé Malhoa, esta casa guarda o espólio do banqueiro Henri Burnay,coleccionador de pintura portuguesa do século XIX, porcelanachinesa, móveis e tecidos. Seguimos para o Museu Del Prado, em Madrid, Espanha,onde estão expostas as obras “a Maja Nua” e “a Maja Vestida”,obras-primas de Francisco Goya. História e Cultura e das Artes Página 7 de 12
  8. 8. Curso Profissional: Técnico de Multimédia 11ºano História e Cultura e das Artes Módulo 8- A Cultura da Gare Estas Obras levaram Goya aos tribunais da Inquisição.Segundo algumas lendas as pinturas representam a duquesa de Alba,a viúva, cujo relacionamento com Goya causou escândalo em Madrid. A Maja de Goya não é nenhuma Vénus; o que vemos aqui nãoé sensualidade sublimada na forma de antiguidade, mas a própriasensualidade. A sua pose é inequívoca, o seu desafio arrojado. Goyamostra-a vestida e despida: a nudez não é aqui um atributomitológico, mas apenas um estado de vulgaridade. Dispensando os padrões tradicionais, o artista cria uma cenade realidade provocante. Seguimos para o Museu d’Orsay em Paris, onde estãoexpostas as obras “Olympia” e “Enterro em Ornans”, obras-primasde Gustave Courbet e Edouard Manet. História e Cultura e das Artes Página 8 de 12
  9. 9. Curso Profissional: Técnico de Multimédia 11ºano História e Cultura e das Artes Módulo 8- A Cultura da Gare Esta Obra “Enterro em Ornans” que simbolicamente marca aruptura definitiva com o estilo romântico. Esta tela despertou aprofunda admiração do ideólogo Proudhon, amigo íntimo de Courbet,que afirmaria na época “nele tudo era verdadeiro, extraído danatureza... de uma verdade a tal ponto exacta que a tela lembra umafotografia”. Com esta obra, Edouard Manet (1832-1883) abordou o assuntomais utilizado naquele tempo, o nu feminino. A forma como a roupade cama é dobrada, a extensão da folha, a sua pele é um brancobrilhante, e não existem meios-tons, assim que as transições visuaisda luz à sombra são duras e acima de tudo os seus olhos grandes enegros, leva o público a pensar se o ar de Olympia transmitemelancolia, desprezo ou mesmo gozo. Continuamos em Paris onde iremos visitar a Torre Eiffel, obraque utiliza dos novos materiais ferro e vidro. História e Cultura e das Artes Página 9 de 12
  10. 10. Curso Profissional: Técnico de Multimédia 11ºano História e Cultura e das Artes Módulo 8- A Cultura da Gare A ideia da sua construção nasceu de um estudo feito aospilares das pontes. A beleza residia na resposta eficiente e bemestudada da sua estrutura. Sem outra função, a Torre Eiffel foi ummonumento que fez triunfar decididamente a construção do ferro. Seguimos para a Ópera de Paris onde podemos ver na suafachada, inúmeras esculturas de Carpeaux entre as quais “a Dança”. História e Cultura e das Artes Página 10 de 12
  11. 11. Curso Profissional: Técnico de Multimédia 11ºano História e Cultura e das Artes Módulo 8- A Cultura da Gare Conclusão Este trabalho foi realizado com o objectivo de desenvolvermosas nossas capacidades relativamente ao módulo 8 de História eCultura e das Artes. Serviu-nos ainda como ajuda na organização de uma visita deEstudo. História e Cultura e das Artes Página 11 de 12
  12. 12. Curso Profissional: Técnico de Multimédia 11ºano História e Cultura e das Artes Módulo 8- A Cultura da Gare BibliografiaWikipédia;Folhas Fornecidas pela Professora;Caderno diário;Blog da Professora (RoHist); História e Cultura e das Artes Página 12 de 12

×