SlideShare uma empresa Scribd logo
TEXTO INFORMATIVO – EXPOSITIVO

       O termo exposição é associado a explanar ou explicar uma temática de
forma denotativa, procurando informar, esclarecer acerca daquela matéria. E é
esta a essência de um texto informativo-explicativo.

       Tal como os restantes textos, enquadra-se na estrutura canónica
(introdução, desenvolvimento e conclusão), incluindo, geralmente, as seguintes
fases:

   • Introdução ao tema;
   • Definição do propósito da exposição;
   • Comentário sobre os pontos de maior relevo, que devem ser
     encadeados sequencialmente e corroborados por evidências;
   • Conclusão, onde frequentemente se recapitulam as ideias principais da
     exposição.

TEXTO EXPOSITIVO – ARGUMENTATIVO

       Em comum com o texto informativo-expositivo há a origem semântica e
a maioria das características. Contudo, o objectivo do texto faz com que estes
dois textos sejam substancialmente divergentes.

       Se a função do texto informativo-expositivo é informar, a finalidade do
expositivo-argumentativo é mais ambiciosa: tenciona persuadir e convencer o
público-alvo quanto a uma tese ou um juízo.

     Para tal, expõem-se argumentos de vários tipos, recorre-se à
exemplificação e, na melhor das hipóteses, deitar-se “por terra” qualquer teoria
em oposição.

       Estruturalmente, não existem diferenças de maior entre os dois tipos de
texto, mas neste último, existe uma certa liberdade no que diz respeito à
sequência dos argumentos: por uma questão estratégica, podem ser dispostos
por ordem crescente ou decrescente de relevância, conseguindo assim captar
a atenção e a credibilidade do destinatário.

TEXTO DE OPINIÃO

       Quem escreve propõe-se conquistar adeptos para um ponto de vista,
investindo especialmente na clareza e na retórica.

       Enquanto o texto arumentativo-explicativo se serve da dialética para
fazer as suas demonstrações ( a dialética pode ser definida como a “lógica da
aparência”), o texto de opinião, menos objectivo, emprega instrumentos de
retórica (tais como deduções, induções, etc. que não são técnicas
potencialmente exactas…) para convencer.


                                                                               1
Muitas vezes, o texto de opinião surge na sequência de um assunto
controverso, sobre o qual o autor é capaz de tomar uma posição peremptória,
recorrendo à argumentação e à exemplificação na apresentação e explicação
dos dados que sustentam o seu modo de encarar o problema.

TEXTO DE REFLEXÃO (ou REFLEXIVO)

      Pretende-se somente sugerir uma análise à realidade, sob o prisma de
um indivíduo que está a redigir o texto.

      Por meio de juízos de valor e exemplos devidamente articulados, este
não deseja mais do que insinuar um ideal, não se confundindo este propósito
com o do texto de opinião. Estes dois textos de apreciação crítica terão em
comum, porém, a obediência à forma canónica textual, e, apesar de tudo,
comunicam ao leitor uma posição parcial face a uma matéria.

A DISSERTAÇÃO

      Vagamente definida pelo dicionário da Priberam como exposição
minuciosa, oral ou escrita, de um assunto doutrinário”.
     Faltou-lhes acrescentar que a dissertação visa a defesa, a contestação
ou meramente a discussão de um tema.
       Por razões de alongamento e clareza, convém que o tema a explorar
seja delimitado e equilibrado. Desta forma, poder-se-ão reunir argumentos
apropriados e eficazes, que farão parte de uma fase de desenvolvimento do
texto, obviamente consecutiva à introdução e à conclusão.
       Ao plano dialético (onde a dissertação desempenha um papel de
destaque), fazem parte três momentos fulcrais: a tese, a antítese (que nega a
tese) e a síntese (que supera a tese e a antítese, tomando de cada uma os
pontos mais difíceis de refutar).
CONCLUSÃO
Todas as tipologias textuais têm em comum: a frase declarativa, o tempo
presente do indicativo, as expressões de caráter modal, os articuladores do
discurso, o discurso na terceira pessoa, a estrutura canónica…
Para além disto, o texto expositivo é quase imparcial, ao passo que o texto
expositivo-argumentativo é totalmente partidário; o texto de opinião persuade
para uma crença, enquanto o texto reflexivo sugere uma ideia; e a dissertação,
o texto mais extenso dos cinco, mostra um raciocínio do seu autor, na direção
de uma conclusão que é a síntese.




                                                                             2
Tipos de argumentos
Genericamente, consideram-se cinco tipos:
• asserção axiomática – afirmação que considera como incontestáveis os
aspectos desenvolvidos a partir dela. Um exemplo é o axioma cartesiano
«Penso, logo existo». Ao ligar estas duas asserções – pensar e existir -
Descartes criou uma verdadeira estrutura argumentativa.
• raciocínio lógico – operação discursiva mental que nos permite determinar a
validade ou a falsidade ou a probabilidade de uma ou várias proposições,
tendo em vista convencer um destinatário da impossibilidade de refutar o
encadeamento das ideias. Podemos distinguir:


a) causa / efeito / consequência

b) antecedente / consequente

c) pressuposição / inferência / conclusão (de uma hipótese é possível

extrair uma ilação e, desta, chegar a uma conclusão

d) asserção / relacionação / confrontação / indução (parte-se de uma

afirmação inicial para a relacionação dos seus termos, daqui se

levantando semelhanças e diferenças que podem ser confrontadas,

para se extrair uma verdade geral

e) silogismo lógico: generalização / inferência / dedução (parte-se de

uma premissa considerada como uma verdade geral; o segundo termo

é um caso particular extraído do primeiro; daqui se conclui um caso

particular. Este tipo de raciocínio difere do indicado em c), na

medida em que a pressuposição estabelece uma conexão mental entre

dados supostos, não estando estabelecido que qualquer deles tenha o

valor lógico de verdadeiro ou falso).

Obs. A argumentação por raciocínio lógico leva a que os termos se encadeiem
gramaticalmente,


                                                                              3
o que é feito por intermédio dos conectores frásicos que indicam quer a simples
sucessão das

proposições, quer as relações de causalidade, de consequência, de
temporalidade, de referência,

estabelecidas entre aquelas.



• provas, exemplos, citações – as provas retiram-se dos referentes reais:
factos históricos, acontecimentos verídicos, investigações científicas,
estatísticas, testemunhos pessoais, etc. Os exemplos funcionam como
provas, mas apresentam ilustrações, explicações, aplicações concretas e
confirmações.


• exemplos fictícios – são elementos com carácter de alegoria, fábula,
parábola, que se utilizam como comparação com o que se apresenta,
tornando-o quase incontestável.


• conselhos e ordens – que podem apresentar-se na forma de:
prescrições, utilizando o imperativo ou formas de conjuntivo;
sugestões, recorrendo ao condicional ou ao futuro dubitativo.


Organização do discurso argumentativo
Como vimos, a oratória estrutura o sermão, o discurso político e o discurso
forense através de um plano em cinco fases – Exórdio, Narração ou Exposição,
Confirmação, Refutação e Peroração.


Um texto argumentativo escrito prefere o plano que apresenta:
• Introdução – parágrafo inicial que dá conta da matéria a tratar e da tese a
provar;
• Desenvolvimento – que corresponde à antítese, ou seja, à prova e
contraprova da tese através da exposição dos argumentos; análise/explicitação
da tese; apresentação dos argumentos que provam a verdade da tese: factos,


                                                                                4
exemplos, testemunhos, citações, dados estatísticos…. e os contra-
argumentos
• Conclusão – corresponde à síntese, onde se manifesta o ponto a que se
chegou depois da demonstração.
Toda a arte tem as suas normas e a argumentação não foge à regra. As etapas
para a construção do texto são: encontrar o problema, procurar os argumentos
e os contra-argumentos, dispô-los adequadamente, usar as figuras de estilo
que mais agradam, formular juízos de valor, etc.
O encadeamento das ideias e dos argumentos deve respeitar uma progressão
interna: levantamento e apresentação das características e dos traços
marcantes da situação ou do problema a tratar; organização cronológica dos
factos ou dos aspetos significativos; demonstração da validade da tese com
argumentos pertinentes; inclusão de elementos de prova que validem as
opiniões expressas (provas, exemplos, citações).



A Lógica dos argumentos
Escolha e ordenação dos argumentos
Para uma correta construção argumentativa é fundamental a escolha dos
argumentos que suportam a demonstração da tese. Eles devem ser pertinentes
e coerentes, apresentados de forma lógica e articulada e organizados por
ordem crescente de importância.


Articulação e coesão do discurso
As qualidades principais do discurso argumentativo são o rigor, a clareza, a
objetividade, a coerência, a sequencialização e a riqueza lexical. Para tal,
devem ter-se em conta os seguintes elementos linguísticos:
• correta estruturação e ordenação das frases;
• uso correto dos conectores do discurso (de causa-efeito-consequência,
hipótese-solução, oposição, disjunção, etc.);
• respeito pelas regras da concordância;
• uso adequado dos deícticos (determinantes, pronomes, advérbios) que
evitam as repetições dos nomes;
• utilização de um vocabulário variado, com recurso a sinónimos,
antónimos, hipónimos e hiperónimos.


                                                                               5
Síntese da metodologia para escrever um texto argumentativo


1. Preparação da argumentação:
_ procurar argumentos (seleção, número, precisão)
_ dispor os argumentos (plano, encadeamento)
_ procurar de figuras de estilo
_ encontrar respostas para as seguintes perguntas:
_ que quero eu provar?
_ estes argumentos são realmente válidos?
_ de que factos disponho? serão sólidos? quais vou utilizar?
quais devo manter em reserva?
_ haverá pontos fracos na minha argumentação?
_ em que ponto posso ou devo ceder?


2. Etapas do texto argumentativo:
2.1. encontrar o problema
2.2. analisar os dados
2.3. dispor adequadamente os argumentos e contra-argumentos
2.4. reformular
2.5. enunciar soluções e propostas
2.6. usar figuras de estilo adequadas
2.7. formular juízos de valor (concordância ou discordância final)
3. Qualidades do texto argumentativo:
rigor, clareza, objetividade,
coerência, sequencialização, riqueza lexical
4. Estrutura do texto argumentativo:
- Introdução: um parágrafo único; afirmação polémica
- Desenvolvimento: dois ou mais parágrafos; argumentos e contra-
argumentos, exemplos (cada parágrafo do desenvolvimento deve decompor-se

                                                                       6
em três elementos: ponto de partida, argumento e exemplo; os parágrafos
devem ser encadeados uns nos outros pelos conectores lógicos)
- Conclusão: um parágrafo único; retoma da afirmação inicial confirmada ou
contrariada.




                                                                             7

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A métrica e a rima
A métrica e a rimaA métrica e a rima
A métrica e a rima
Isabel DA COSTA
 
Texto expositivo argumentativo
Texto expositivo argumentativoTexto expositivo argumentativo
Texto expositivo argumentativo
Antonio Chimuzu
 
Estrutura+do+ensaio
Estrutura+do+ensaioEstrutura+do+ensaio
Estrutura+do+ensaio
Adriele Leal
 
O comentário
O comentárioO comentário
O comentário
Josete Perdigao
 
Proposição
ProposiçãoProposição
Proposição
Paula Oliveira Cruz
 
Exemplo De Um Bom Resumo
Exemplo De Um Bom ResumoExemplo De Um Bom Resumo
Exemplo De Um Bom Resumo
Profmaria
 
Redação- texto expositivo
Redação- texto expositivoRedação- texto expositivo
Redação- texto expositivo
Jaicinha
 
O que é argumentar
O que é argumentarO que é argumentar
O que é argumentar
Helena Coutinho
 
Romance
RomanceRomance
Comparação cantigas trovadorescas e musicas atuais
Comparação cantigas trovadorescas e musicas atuaisComparação cantigas trovadorescas e musicas atuais
Comparação cantigas trovadorescas e musicas atuais
Wesley Germano Otávio
 
Categorias da narrativa
Categorias da narrativaCategorias da narrativa
Categorias da narrativa
Cristina Fontes
 
Estrutura externa e interna d'os lusíadas
Estrutura externa e interna d'os lusíadasEstrutura externa e interna d'os lusíadas
Estrutura externa e interna d'os lusíadas
claudiarmarques
 
Recursos expressivos
Recursos expressivosRecursos expressivos
Recursos expressivos
Ana Arminda Moreira
 
AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURA
AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURAAULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURA
AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURA
Marcelo Cordeiro Souza
 
Texto narrativo
Texto narrativoTexto narrativo
Texto narrativo
Ana Arminda Moreira
 
Orações coordenadas e subordinadas esquema
Orações coordenadas e subordinadas   esquemaOrações coordenadas e subordinadas   esquema
Orações coordenadas e subordinadas esquema
Paulo Portelada
 
Sílabas Métricas
Sílabas MétricasSílabas Métricas
Sílabas Métricas
713773
 
1. sequências textuais
1. sequências textuais1. sequências textuais
1. sequências textuais
Willame Raphael
 
Guiao: Como fazer uma entrevista
Guiao: Como fazer uma entrevistaGuiao: Como fazer uma entrevista
Guiao: Como fazer uma entrevista
bedjoaoii
 
Texto argumentativo exemplo
Texto argumentativo exemploTexto argumentativo exemplo
Texto argumentativo exemplo
FJDOliveira
 

Mais procurados (20)

A métrica e a rima
A métrica e a rimaA métrica e a rima
A métrica e a rima
 
Texto expositivo argumentativo
Texto expositivo argumentativoTexto expositivo argumentativo
Texto expositivo argumentativo
 
Estrutura+do+ensaio
Estrutura+do+ensaioEstrutura+do+ensaio
Estrutura+do+ensaio
 
O comentário
O comentárioO comentário
O comentário
 
Proposição
ProposiçãoProposição
Proposição
 
Exemplo De Um Bom Resumo
Exemplo De Um Bom ResumoExemplo De Um Bom Resumo
Exemplo De Um Bom Resumo
 
Redação- texto expositivo
Redação- texto expositivoRedação- texto expositivo
Redação- texto expositivo
 
O que é argumentar
O que é argumentarO que é argumentar
O que é argumentar
 
Romance
RomanceRomance
Romance
 
Comparação cantigas trovadorescas e musicas atuais
Comparação cantigas trovadorescas e musicas atuaisComparação cantigas trovadorescas e musicas atuais
Comparação cantigas trovadorescas e musicas atuais
 
Categorias da narrativa
Categorias da narrativaCategorias da narrativa
Categorias da narrativa
 
Estrutura externa e interna d'os lusíadas
Estrutura externa e interna d'os lusíadasEstrutura externa e interna d'os lusíadas
Estrutura externa e interna d'os lusíadas
 
Recursos expressivos
Recursos expressivosRecursos expressivos
Recursos expressivos
 
AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURA
AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURAAULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURA
AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURA
 
Texto narrativo
Texto narrativoTexto narrativo
Texto narrativo
 
Orações coordenadas e subordinadas esquema
Orações coordenadas e subordinadas   esquemaOrações coordenadas e subordinadas   esquema
Orações coordenadas e subordinadas esquema
 
Sílabas Métricas
Sílabas MétricasSílabas Métricas
Sílabas Métricas
 
1. sequências textuais
1. sequências textuais1. sequências textuais
1. sequências textuais
 
Guiao: Como fazer uma entrevista
Guiao: Como fazer uma entrevistaGuiao: Como fazer uma entrevista
Guiao: Como fazer uma entrevista
 
Texto argumentativo exemplo
Texto argumentativo exemploTexto argumentativo exemplo
Texto argumentativo exemplo
 

Destaque

Auto da barca do inferno - texto expositivo
Auto da barca do inferno - texto expositivoAuto da barca do inferno - texto expositivo
Auto da barca do inferno - texto expositivo
franciscaf
 
Texto expositivo
Texto expositivoTexto expositivo
Texto expositivo
jlsr1970
 
Dissertação Expositiva
Dissertação ExpositivaDissertação Expositiva
Dissertação Expositiva
Kelly Ruas
 
As 10 classes morfológicas
As 10 classes morfológicasAs 10 classes morfológicas
As 10 classes morfológicas
José Leandro Santana
 
Texto expositivo
Texto expositivoTexto expositivo
Texto expositivo
panchalandia
 
Sequencia didatica _fabulas
Sequencia didatica _fabulasSequencia didatica _fabulas
Sequencia didatica _fabulas
Professora Cida
 
Funções sintáticas ao nível da frase
Funções sintáticas ao nível da fraseFunções sintáticas ao nível da frase
Funções sintáticas ao nível da frase
António Fernandes
 
Projeto o uso da fábula e a mída no processo de ensino - aprendizagem
Projeto   o uso da fábula e a mída no processo de ensino - aprendizagemProjeto   o uso da fábula e a mída no processo de ensino - aprendizagem
Projeto o uso da fábula e a mída no processo de ensino - aprendizagem
Auxiliadora Vasconcelos
 
Morfologia - Classes Gramaticais
Morfologia - Classes GramaticaisMorfologia - Classes Gramaticais
Morfologia - Classes Gramaticais
Portal do Vestibulando
 
Texto de opinião
Texto de opiniãoTexto de opinião
Texto de opinião
Cláudia Cardoso
 
Leitura e interpretação de texto
Leitura e interpretação de textoLeitura e interpretação de texto
Leitura e interpretação de texto
Augusto Bertotto
 
4 fases para fazer um texto expositivo
4 fases para fazer um  texto expositivo4 fases para fazer um  texto expositivo
4 fases para fazer um texto expositivo
Jaicinha
 
Texto de opinião
Texto de opiniãoTexto de opinião
Texto de opinião
Susana Sobrenome
 

Destaque (13)

Auto da barca do inferno - texto expositivo
Auto da barca do inferno - texto expositivoAuto da barca do inferno - texto expositivo
Auto da barca do inferno - texto expositivo
 
Texto expositivo
Texto expositivoTexto expositivo
Texto expositivo
 
Dissertação Expositiva
Dissertação ExpositivaDissertação Expositiva
Dissertação Expositiva
 
As 10 classes morfológicas
As 10 classes morfológicasAs 10 classes morfológicas
As 10 classes morfológicas
 
Texto expositivo
Texto expositivoTexto expositivo
Texto expositivo
 
Sequencia didatica _fabulas
Sequencia didatica _fabulasSequencia didatica _fabulas
Sequencia didatica _fabulas
 
Funções sintáticas ao nível da frase
Funções sintáticas ao nível da fraseFunções sintáticas ao nível da frase
Funções sintáticas ao nível da frase
 
Projeto o uso da fábula e a mída no processo de ensino - aprendizagem
Projeto   o uso da fábula e a mída no processo de ensino - aprendizagemProjeto   o uso da fábula e a mída no processo de ensino - aprendizagem
Projeto o uso da fábula e a mída no processo de ensino - aprendizagem
 
Morfologia - Classes Gramaticais
Morfologia - Classes GramaticaisMorfologia - Classes Gramaticais
Morfologia - Classes Gramaticais
 
Texto de opinião
Texto de opiniãoTexto de opinião
Texto de opinião
 
Leitura e interpretação de texto
Leitura e interpretação de textoLeitura e interpretação de texto
Leitura e interpretação de texto
 
4 fases para fazer um texto expositivo
4 fases para fazer um  texto expositivo4 fases para fazer um  texto expositivo
4 fases para fazer um texto expositivo
 
Texto de opinião
Texto de opiniãoTexto de opinião
Texto de opinião
 

Semelhante a Texto expositivo, argumentativo, reflexivo, dissertativo e tipos de argumentos

Texto Argumentativo
Texto ArgumentativoTexto Argumentativo
Texto Argumentativo
complementoindirecto
 
TEXTO DISSERTATIVO ARGUMENTATIVO.pptx
TEXTO DISSERTATIVO ARGUMENTATIVO.pptxTEXTO DISSERTATIVO ARGUMENTATIVO.pptx
TEXTO DISSERTATIVO ARGUMENTATIVO.pptx
Paulo Ricardo Dias Fernandes
 
FACELI - D1 - Zilda Maria Fantin Moreira - Linguagem Jurídica - AULA 10
FACELI - D1 - Zilda Maria Fantin Moreira  -  Linguagem Jurídica - AULA 10FACELI - D1 - Zilda Maria Fantin Moreira  -  Linguagem Jurídica - AULA 10
FACELI - D1 - Zilda Maria Fantin Moreira - Linguagem Jurídica - AULA 10
Jordano Santos Cerqueira
 
Texto Dissertativo-Argumentativo
Texto Dissertativo-ArgumentativoTexto Dissertativo-Argumentativo
Texto Dissertativo-Argumentativo
7 de Setembro
 
Dissertação
DissertaçãoDissertação
Dissertação
Viviane Calasans
 
Metolodogia daniela cartoni - slides - parte 12 - redação técnica
Metolodogia   daniela cartoni - slides - parte 12 - redação técnicaMetolodogia   daniela cartoni - slides - parte 12 - redação técnica
Metolodogia daniela cartoni - slides - parte 12 - redação técnica
Daniela Cartoni
 
Redação: Texto dissertivo-argumentativo
Redação: Texto dissertivo-argumentativoRedação: Texto dissertivo-argumentativo
Redação: Texto dissertivo-argumentativo
7 de Setembro
 
Modelo analise _ MARATONA CIENTÍFICA QUARKS
Modelo analise _ MARATONA CIENTÍFICA QUARKSModelo analise _ MARATONA CIENTÍFICA QUARKS
Modelo analise _ MARATONA CIENTÍFICA QUARKS
Rodrigo Sampaio
 
3s anos argumentação imagens com frases redes sociais
3s anos argumentação imagens com frases redes sociais3s anos argumentação imagens com frases redes sociais
3s anos argumentação imagens com frases redes sociais
MarisaAlcantaraGoula
 
Texto dissertativo argumentativo
Texto dissertativo argumentativoTexto dissertativo argumentativo
Texto dissertativo argumentativo
Vanessa Guimarães
 
jeovanna 1 - Copia.pptx
jeovanna 1 - Copia.pptxjeovanna 1 - Copia.pptx
jeovanna 1 - Copia.pptx
Josebarbosamacario
 
Redacao enem - 3 anos 2013
Redacao   enem - 3 anos 2013Redacao   enem - 3 anos 2013
Redacao enem - 3 anos 2013
Matheus Milani
 
Redação (texto dissertativo argumentativo)
Redação (texto dissertativo argumentativo)Redação (texto dissertativo argumentativo)
Redação (texto dissertativo argumentativo)
NAPNE
 
Guia de redação do enem
Guia de redação do enemGuia de redação do enem
Guia de redação do enem
Thaiza Oliveira
 
90226300 redacao
90226300 redacao90226300 redacao
90226300 redacao
Edna Odhara Santana
 
Produção de texto - Percursos da escrita - Texto argumentativo
Produção de texto - Percursos da escrita - Texto argumentativoProdução de texto - Percursos da escrita - Texto argumentativo
Produção de texto - Percursos da escrita - Texto argumentativo
complementoindirecto
 
Expositivo argumentativo
Expositivo argumentativoExpositivo argumentativo
Expositivo argumentativo
Amonelocadia
 
Resumo - Dissertação.pptx
Resumo - Dissertação.pptxResumo - Dissertação.pptx
Resumo - Dissertação.pptx
CarlosValnicio1
 
Dissertação argumentativa - TJ.pptx
Dissertação argumentativa - TJ.pptxDissertação argumentativa - TJ.pptx
Dissertação argumentativa - TJ.pptx
BerlaPaiva
 
Ot 26 05[1]
Ot 26 05[1]Ot 26 05[1]
Ot 26 05[1]
AdemildePCNP
 

Semelhante a Texto expositivo, argumentativo, reflexivo, dissertativo e tipos de argumentos (20)

Texto Argumentativo
Texto ArgumentativoTexto Argumentativo
Texto Argumentativo
 
TEXTO DISSERTATIVO ARGUMENTATIVO.pptx
TEXTO DISSERTATIVO ARGUMENTATIVO.pptxTEXTO DISSERTATIVO ARGUMENTATIVO.pptx
TEXTO DISSERTATIVO ARGUMENTATIVO.pptx
 
FACELI - D1 - Zilda Maria Fantin Moreira - Linguagem Jurídica - AULA 10
FACELI - D1 - Zilda Maria Fantin Moreira  -  Linguagem Jurídica - AULA 10FACELI - D1 - Zilda Maria Fantin Moreira  -  Linguagem Jurídica - AULA 10
FACELI - D1 - Zilda Maria Fantin Moreira - Linguagem Jurídica - AULA 10
 
Texto Dissertativo-Argumentativo
Texto Dissertativo-ArgumentativoTexto Dissertativo-Argumentativo
Texto Dissertativo-Argumentativo
 
Dissertação
DissertaçãoDissertação
Dissertação
 
Metolodogia daniela cartoni - slides - parte 12 - redação técnica
Metolodogia   daniela cartoni - slides - parte 12 - redação técnicaMetolodogia   daniela cartoni - slides - parte 12 - redação técnica
Metolodogia daniela cartoni - slides - parte 12 - redação técnica
 
Redação: Texto dissertivo-argumentativo
Redação: Texto dissertivo-argumentativoRedação: Texto dissertivo-argumentativo
Redação: Texto dissertivo-argumentativo
 
Modelo analise _ MARATONA CIENTÍFICA QUARKS
Modelo analise _ MARATONA CIENTÍFICA QUARKSModelo analise _ MARATONA CIENTÍFICA QUARKS
Modelo analise _ MARATONA CIENTÍFICA QUARKS
 
3s anos argumentação imagens com frases redes sociais
3s anos argumentação imagens com frases redes sociais3s anos argumentação imagens com frases redes sociais
3s anos argumentação imagens com frases redes sociais
 
Texto dissertativo argumentativo
Texto dissertativo argumentativoTexto dissertativo argumentativo
Texto dissertativo argumentativo
 
jeovanna 1 - Copia.pptx
jeovanna 1 - Copia.pptxjeovanna 1 - Copia.pptx
jeovanna 1 - Copia.pptx
 
Redacao enem - 3 anos 2013
Redacao   enem - 3 anos 2013Redacao   enem - 3 anos 2013
Redacao enem - 3 anos 2013
 
Redação (texto dissertativo argumentativo)
Redação (texto dissertativo argumentativo)Redação (texto dissertativo argumentativo)
Redação (texto dissertativo argumentativo)
 
Guia de redação do enem
Guia de redação do enemGuia de redação do enem
Guia de redação do enem
 
90226300 redacao
90226300 redacao90226300 redacao
90226300 redacao
 
Produção de texto - Percursos da escrita - Texto argumentativo
Produção de texto - Percursos da escrita - Texto argumentativoProdução de texto - Percursos da escrita - Texto argumentativo
Produção de texto - Percursos da escrita - Texto argumentativo
 
Expositivo argumentativo
Expositivo argumentativoExpositivo argumentativo
Expositivo argumentativo
 
Resumo - Dissertação.pptx
Resumo - Dissertação.pptxResumo - Dissertação.pptx
Resumo - Dissertação.pptx
 
Dissertação argumentativa - TJ.pptx
Dissertação argumentativa - TJ.pptxDissertação argumentativa - TJ.pptx
Dissertação argumentativa - TJ.pptx
 
Ot 26 05[1]
Ot 26 05[1]Ot 26 05[1]
Ot 26 05[1]
 

Mais de complementoindirecto

Cavalo Lusitano
Cavalo LusitanoCavalo Lusitano
Cavalo Lusitano
complementoindirecto
 
O Estudante do Ensino Secundário
O Estudante do Ensino SecundárioO Estudante do Ensino Secundário
O Estudante do Ensino Secundário
complementoindirecto
 
O Espectador
O EspectadorO Espectador
O Espectador
complementoindirecto
 
O riso
O risoO riso
Cindy Sherman
Cindy ShermanCindy Sherman
Cindy Sherman
complementoindirecto
 
flávia
fláviaflávia
A Pantera Cor-de-Rosa
A Pantera Cor-de-RosaA Pantera Cor-de-Rosa
A Pantera Cor-de-Rosa
complementoindirecto
 
Árvore Prometeu
Árvore PrometeuÁrvore Prometeu
Árvore Prometeu
complementoindirecto
 
Robert Mapplethorpe
Robert MapplethorpeRobert Mapplethorpe
Robert Mapplethorpe
complementoindirecto
 
Pink Slime
Pink SlimePink Slime
BrickArt
BrickArtBrickArt
Big Brother
Big BrotherBig Brother
Testes em Animais
Testes em AnimaisTestes em Animais
Testes em Animais
complementoindirecto
 
Body Art
Body ArtBody Art
Charles Manson
Charles MansonCharles Manson
Charles Manson
complementoindirecto
 
12 k erica-
12 k erica-12 k erica-
Wearable Art
Wearable ArtWearable Art
Wearable Art
complementoindirecto
 
História da Tatuagem
História da Tatuagem História da Tatuagem
História da Tatuagem
complementoindirecto
 
Escova de dentes
Escova de dentesEscova de dentes
Escova de dentes
complementoindirecto
 
Aldous Huxley
Aldous HuxleyAldous Huxley
Aldous Huxley
complementoindirecto
 

Mais de complementoindirecto (20)

Cavalo Lusitano
Cavalo LusitanoCavalo Lusitano
Cavalo Lusitano
 
O Estudante do Ensino Secundário
O Estudante do Ensino SecundárioO Estudante do Ensino Secundário
O Estudante do Ensino Secundário
 
O Espectador
O EspectadorO Espectador
O Espectador
 
O riso
O risoO riso
O riso
 
Cindy Sherman
Cindy ShermanCindy Sherman
Cindy Sherman
 
flávia
fláviaflávia
flávia
 
A Pantera Cor-de-Rosa
A Pantera Cor-de-RosaA Pantera Cor-de-Rosa
A Pantera Cor-de-Rosa
 
Árvore Prometeu
Árvore PrometeuÁrvore Prometeu
Árvore Prometeu
 
Robert Mapplethorpe
Robert MapplethorpeRobert Mapplethorpe
Robert Mapplethorpe
 
Pink Slime
Pink SlimePink Slime
Pink Slime
 
BrickArt
BrickArtBrickArt
BrickArt
 
Big Brother
Big BrotherBig Brother
Big Brother
 
Testes em Animais
Testes em AnimaisTestes em Animais
Testes em Animais
 
Body Art
Body ArtBody Art
Body Art
 
Charles Manson
Charles MansonCharles Manson
Charles Manson
 
12 k erica-
12 k erica-12 k erica-
12 k erica-
 
Wearable Art
Wearable ArtWearable Art
Wearable Art
 
História da Tatuagem
História da Tatuagem História da Tatuagem
História da Tatuagem
 
Escova de dentes
Escova de dentesEscova de dentes
Escova de dentes
 
Aldous Huxley
Aldous HuxleyAldous Huxley
Aldous Huxley
 

Último

Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
CarinaSantos916505
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
YeniferGarcia36
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Érika Rufo
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
HisrelBlog
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
eaiprofpolly
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
Manuais Formação
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
wagnermorais28
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
LucianaCristina58
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
MateusTavares54
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
todorokillmepls
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 

Último (20)

Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 

Texto expositivo, argumentativo, reflexivo, dissertativo e tipos de argumentos

  • 1. TEXTO INFORMATIVO – EXPOSITIVO O termo exposição é associado a explanar ou explicar uma temática de forma denotativa, procurando informar, esclarecer acerca daquela matéria. E é esta a essência de um texto informativo-explicativo. Tal como os restantes textos, enquadra-se na estrutura canónica (introdução, desenvolvimento e conclusão), incluindo, geralmente, as seguintes fases: • Introdução ao tema; • Definição do propósito da exposição; • Comentário sobre os pontos de maior relevo, que devem ser encadeados sequencialmente e corroborados por evidências; • Conclusão, onde frequentemente se recapitulam as ideias principais da exposição. TEXTO EXPOSITIVO – ARGUMENTATIVO Em comum com o texto informativo-expositivo há a origem semântica e a maioria das características. Contudo, o objectivo do texto faz com que estes dois textos sejam substancialmente divergentes. Se a função do texto informativo-expositivo é informar, a finalidade do expositivo-argumentativo é mais ambiciosa: tenciona persuadir e convencer o público-alvo quanto a uma tese ou um juízo. Para tal, expõem-se argumentos de vários tipos, recorre-se à exemplificação e, na melhor das hipóteses, deitar-se “por terra” qualquer teoria em oposição. Estruturalmente, não existem diferenças de maior entre os dois tipos de texto, mas neste último, existe uma certa liberdade no que diz respeito à sequência dos argumentos: por uma questão estratégica, podem ser dispostos por ordem crescente ou decrescente de relevância, conseguindo assim captar a atenção e a credibilidade do destinatário. TEXTO DE OPINIÃO Quem escreve propõe-se conquistar adeptos para um ponto de vista, investindo especialmente na clareza e na retórica. Enquanto o texto arumentativo-explicativo se serve da dialética para fazer as suas demonstrações ( a dialética pode ser definida como a “lógica da aparência”), o texto de opinião, menos objectivo, emprega instrumentos de retórica (tais como deduções, induções, etc. que não são técnicas potencialmente exactas…) para convencer. 1
  • 2. Muitas vezes, o texto de opinião surge na sequência de um assunto controverso, sobre o qual o autor é capaz de tomar uma posição peremptória, recorrendo à argumentação e à exemplificação na apresentação e explicação dos dados que sustentam o seu modo de encarar o problema. TEXTO DE REFLEXÃO (ou REFLEXIVO) Pretende-se somente sugerir uma análise à realidade, sob o prisma de um indivíduo que está a redigir o texto. Por meio de juízos de valor e exemplos devidamente articulados, este não deseja mais do que insinuar um ideal, não se confundindo este propósito com o do texto de opinião. Estes dois textos de apreciação crítica terão em comum, porém, a obediência à forma canónica textual, e, apesar de tudo, comunicam ao leitor uma posição parcial face a uma matéria. A DISSERTAÇÃO Vagamente definida pelo dicionário da Priberam como exposição minuciosa, oral ou escrita, de um assunto doutrinário”. Faltou-lhes acrescentar que a dissertação visa a defesa, a contestação ou meramente a discussão de um tema. Por razões de alongamento e clareza, convém que o tema a explorar seja delimitado e equilibrado. Desta forma, poder-se-ão reunir argumentos apropriados e eficazes, que farão parte de uma fase de desenvolvimento do texto, obviamente consecutiva à introdução e à conclusão. Ao plano dialético (onde a dissertação desempenha um papel de destaque), fazem parte três momentos fulcrais: a tese, a antítese (que nega a tese) e a síntese (que supera a tese e a antítese, tomando de cada uma os pontos mais difíceis de refutar). CONCLUSÃO Todas as tipologias textuais têm em comum: a frase declarativa, o tempo presente do indicativo, as expressões de caráter modal, os articuladores do discurso, o discurso na terceira pessoa, a estrutura canónica… Para além disto, o texto expositivo é quase imparcial, ao passo que o texto expositivo-argumentativo é totalmente partidário; o texto de opinião persuade para uma crença, enquanto o texto reflexivo sugere uma ideia; e a dissertação, o texto mais extenso dos cinco, mostra um raciocínio do seu autor, na direção de uma conclusão que é a síntese. 2
  • 3. Tipos de argumentos Genericamente, consideram-se cinco tipos: • asserção axiomática – afirmação que considera como incontestáveis os aspectos desenvolvidos a partir dela. Um exemplo é o axioma cartesiano «Penso, logo existo». Ao ligar estas duas asserções – pensar e existir - Descartes criou uma verdadeira estrutura argumentativa. • raciocínio lógico – operação discursiva mental que nos permite determinar a validade ou a falsidade ou a probabilidade de uma ou várias proposições, tendo em vista convencer um destinatário da impossibilidade de refutar o encadeamento das ideias. Podemos distinguir: a) causa / efeito / consequência b) antecedente / consequente c) pressuposição / inferência / conclusão (de uma hipótese é possível extrair uma ilação e, desta, chegar a uma conclusão d) asserção / relacionação / confrontação / indução (parte-se de uma afirmação inicial para a relacionação dos seus termos, daqui se levantando semelhanças e diferenças que podem ser confrontadas, para se extrair uma verdade geral e) silogismo lógico: generalização / inferência / dedução (parte-se de uma premissa considerada como uma verdade geral; o segundo termo é um caso particular extraído do primeiro; daqui se conclui um caso particular. Este tipo de raciocínio difere do indicado em c), na medida em que a pressuposição estabelece uma conexão mental entre dados supostos, não estando estabelecido que qualquer deles tenha o valor lógico de verdadeiro ou falso). Obs. A argumentação por raciocínio lógico leva a que os termos se encadeiem gramaticalmente, 3
  • 4. o que é feito por intermédio dos conectores frásicos que indicam quer a simples sucessão das proposições, quer as relações de causalidade, de consequência, de temporalidade, de referência, estabelecidas entre aquelas. • provas, exemplos, citações – as provas retiram-se dos referentes reais: factos históricos, acontecimentos verídicos, investigações científicas, estatísticas, testemunhos pessoais, etc. Os exemplos funcionam como provas, mas apresentam ilustrações, explicações, aplicações concretas e confirmações. • exemplos fictícios – são elementos com carácter de alegoria, fábula, parábola, que se utilizam como comparação com o que se apresenta, tornando-o quase incontestável. • conselhos e ordens – que podem apresentar-se na forma de: prescrições, utilizando o imperativo ou formas de conjuntivo; sugestões, recorrendo ao condicional ou ao futuro dubitativo. Organização do discurso argumentativo Como vimos, a oratória estrutura o sermão, o discurso político e o discurso forense através de um plano em cinco fases – Exórdio, Narração ou Exposição, Confirmação, Refutação e Peroração. Um texto argumentativo escrito prefere o plano que apresenta: • Introdução – parágrafo inicial que dá conta da matéria a tratar e da tese a provar; • Desenvolvimento – que corresponde à antítese, ou seja, à prova e contraprova da tese através da exposição dos argumentos; análise/explicitação da tese; apresentação dos argumentos que provam a verdade da tese: factos, 4
  • 5. exemplos, testemunhos, citações, dados estatísticos…. e os contra- argumentos • Conclusão – corresponde à síntese, onde se manifesta o ponto a que se chegou depois da demonstração. Toda a arte tem as suas normas e a argumentação não foge à regra. As etapas para a construção do texto são: encontrar o problema, procurar os argumentos e os contra-argumentos, dispô-los adequadamente, usar as figuras de estilo que mais agradam, formular juízos de valor, etc. O encadeamento das ideias e dos argumentos deve respeitar uma progressão interna: levantamento e apresentação das características e dos traços marcantes da situação ou do problema a tratar; organização cronológica dos factos ou dos aspetos significativos; demonstração da validade da tese com argumentos pertinentes; inclusão de elementos de prova que validem as opiniões expressas (provas, exemplos, citações). A Lógica dos argumentos Escolha e ordenação dos argumentos Para uma correta construção argumentativa é fundamental a escolha dos argumentos que suportam a demonstração da tese. Eles devem ser pertinentes e coerentes, apresentados de forma lógica e articulada e organizados por ordem crescente de importância. Articulação e coesão do discurso As qualidades principais do discurso argumentativo são o rigor, a clareza, a objetividade, a coerência, a sequencialização e a riqueza lexical. Para tal, devem ter-se em conta os seguintes elementos linguísticos: • correta estruturação e ordenação das frases; • uso correto dos conectores do discurso (de causa-efeito-consequência, hipótese-solução, oposição, disjunção, etc.); • respeito pelas regras da concordância; • uso adequado dos deícticos (determinantes, pronomes, advérbios) que evitam as repetições dos nomes; • utilização de um vocabulário variado, com recurso a sinónimos, antónimos, hipónimos e hiperónimos. 5
  • 6. Síntese da metodologia para escrever um texto argumentativo 1. Preparação da argumentação: _ procurar argumentos (seleção, número, precisão) _ dispor os argumentos (plano, encadeamento) _ procurar de figuras de estilo _ encontrar respostas para as seguintes perguntas: _ que quero eu provar? _ estes argumentos são realmente válidos? _ de que factos disponho? serão sólidos? quais vou utilizar? quais devo manter em reserva? _ haverá pontos fracos na minha argumentação? _ em que ponto posso ou devo ceder? 2. Etapas do texto argumentativo: 2.1. encontrar o problema 2.2. analisar os dados 2.3. dispor adequadamente os argumentos e contra-argumentos 2.4. reformular 2.5. enunciar soluções e propostas 2.6. usar figuras de estilo adequadas 2.7. formular juízos de valor (concordância ou discordância final) 3. Qualidades do texto argumentativo: rigor, clareza, objetividade, coerência, sequencialização, riqueza lexical 4. Estrutura do texto argumentativo: - Introdução: um parágrafo único; afirmação polémica - Desenvolvimento: dois ou mais parágrafos; argumentos e contra- argumentos, exemplos (cada parágrafo do desenvolvimento deve decompor-se 6
  • 7. em três elementos: ponto de partida, argumento e exemplo; os parágrafos devem ser encadeados uns nos outros pelos conectores lógicos) - Conclusão: um parágrafo único; retoma da afirmação inicial confirmada ou contrariada. 7