Caderno diário A Filosofia das Luzes n.º7 1415

141 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
141
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
6
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Caderno diário A Filosofia das Luzes n.º7 1415

  1. 1. 1 O Antigo Regime e a Filosofia das Luzes Por Raul Silva Os revolucionários do século XVIII, querem mudar o Estado e a sociedade. Recusam os princípios em que se baseia a ordenação da sociedade em que nascemos, pois não consideram justa uma sociedade em que a condição de cada um é marcada pelo nascimento. Acreditam que a sociedade se deve basear na fraternidade e os indivíduos nascem livres e iguais. Têm uma nova visão do mundo e da vida. Recusam a superstição e o tradicionalismo porque acreditam, por isso, na possibilidade da Humanidade dominar a Natureza e creem profundamente no progresso do conhecimento humano e da civilização. Defendem a abolição dos princípios da ordenação social e política criados e desenvolvidos desde os tempos medievais. Para eles, o ponto de partida é o indivíduo e não o corpo a que ele pertence e querem quebrar todas as grilhetas que o tolhem: o movimento da História que daí resultará não pode ser senão a ascensão para a libertação da Humanidade. CADERNODIÁRIO EXTERNATO LUÍS DE CAMÕES N.º 7 https:// www.facebook.com/ historia.externato http:// externatohistoria.blog spot.pt externatohistoria@gm ail.com 25deNovembrode2014
  2. 2. 2 CADERNODIÁRIO25deNovembrode2014 Crença no progresso e o valor da educação Por Condocert As nossas esperanças sobre o estado futuro da espécie humana reduzem-se a estes três pontos: a destruição da desigualdade entre as nações, os progressos da igualdade num mesmo povo, enfim, o aperfeiçoamento real do Homem. (…) Por escolha feliz e pelos próprios conhecimentos e métodos de ensino pode-se instruir todo um povo de tudo o que cada homem tem necessidade de saber para a economia doméstica, para a administração dos seus negócios, para o livre desenvolvimento da sua indústria, e das suas faculdades, para reconhecer os seus direitos (…), para ser senhor de si próprio. A igualdade da instrução corrigiria a desigualdade das faculdades, assim como uma legislação previdente diminuiria a desigualdade das riquezas, aceleraria o progresso das ciências e das artes, criando-lhes um meio favorável (…). O efeito seria um aumento do bem-estar para todos. A Filosofia das Luzes princípios e crenças A corrente filosófica iluminista acreditava na existência de um direito natural, ou seja, um conjunto de direitos próprios na natureza humana, nomeadamente: a igualdade entre todos homens; a liberdade de todos os homens (em consequência da igualdade, “nenhum homem tem uma autoridade natural sobre o seu semelhante”, escrevia Jean-Jacques Rosseau; porém, este direito natural não previa a abolição das diferenças sociais); o direito à posse de bens (tendo em conta que o pensamento iluminista se identifica com os anseios da burguesia em ascensão); o direito a um julgamento justo; o direito à liberdade de consciência (a moral era entendida como natural, independentemente da crença religiosa). O pensamento iluminista defendia, assim, que estes direitos eram universais, isto é, diziam respeito a todos os seres humanos e, por isso, estavam acima das leis de cada Estado. Os Estados deveriam, antes usar o poder político como meio de assegurar os direitos naturais do Homem e de garantir a sua felicidade. Paralelamente, o Iluminismo pugnava pelo individualismo: cada indivíduo deveria ser valorizado, independentemente dos grupos em que se integrasse. Destacam-se os seguintes pensadores iluministas pela sua perspectiva revolucionária de encarar o homem e a sociedade: Jean-Jacques Rosseau defende a soberania (poder político) do povo. É o povo que, de livre vontade, transfere o seu poder para os governantes mediante um pacto (ou contrato social). Consegue, desta forma, respeitar a vontade da maioria sem perder a sua liberdade. Em troca, os governantes têm de actuar com justiça, sob pena de serem depostos. Montesquieu defende a doutrina da separação dos poderes (legislativo, executivo e judicial) como garantia de liberdade dos cidadãos. Voltaire advoga a tolerância religiosa e a liberdade de consciência: a religião que criou, o deísmo, rejeita as religiões instituídas, centrando-se na adoração a um Deus bom, justo e poderoso, criador do Universo. Responder: a) Explicite os pontos-chave do pensamento iluminista. b) Avalie o seu caráter revolucionário. Pesquisar: Condorcet, Diderot, D’Alembert, Rosseau, Montesquieu, Voltaire “Chegará o momento em que o sol iluminará sobre a Terra dos homens livres, não reconhecendo outro mestre além da sua Razão (…). Irão todas as nações aproximar-se um dia do estado de civilização a que chegaram os povos mais esclarecidos, mais livres, menos presos a preconceitos (…)?” Condocert Jean-Jacques Rousseau Desenvolve as teorias do bom selvagem, acusando a sociedade de corromper o Homem, e do contrato social, celebrado entre o indivíduo e a sociedade, e ainda um ensaio sobre a educação e a pedagogia.
  3. 3. 3 O Iluminismo, apesar da oposição que sofreu na sociedade do seu tempo, foi-se difundindo graças a alguns apoios importantes, como sejam: • a admiração que alguns monarcas nutriam por estes novos ideais; • os salões, espaços privados da aristocracia que se abriam ao debate das novas propostas filosóficas; • os cafés, locais de aceso debate político-cultural e de apresentação de artistas; • a Maçonaria, sociedade secreta com origem na Inglaterra do século XVIII que pugnava pela liberdade política e pelo progresso científico; • o uso da língua francesa, conhecida dos inteletuais europeus, nas obras filosóficas editadas; • a Enciclopédia publicada por Diderot e D’ Alembert, que reunia em vários volumes os conhecimento mais avançados da época sobre a ciência e a técnica e dava voz às propostas iluministas; • os clubes privados, a imprensa e as academias, que faziam eco das novas propostas. As ideias iluministas contribuíram para acabar com o Antigo Regime, pois: A defesa do contrato social transforma o súbdito passivo e obediente em cidadão interventivo; deste modo, e ao contrário do que acontecia no Antigo Regime, “um povo livre (...) tem chefes e não senhores”. A teoria da separação dos poderes acaba com o poder arbitrário exercido no Antigo Regime. A ideia de tolerância religiosa conduz à separação entre a Igreja e o Estado, presente nos regimes liberais. A teoria do direito natural leva a que os iluministas condenem todas as formas de desrespeito pelos direitos humanos (tortura, pena de morte, escravatura...), contribuindo para alterar a legislação sobre a justiça em vários países. Responder: a) Distinga os meios de divulgação de difusão do pensamento das Luzes b) Relacionar o Iluminismo com a desagregação do Antigo Regime e a construção da modernidade europeia Pesquisar: Soberania popular, contrato social, separação dos poderes A soberania popular e o contrato social Por Diderot Nenhum homem recebeu da Natureza o direito de comandar os outros. A liberdade é um presente do céu, e cada indivíduo da mesma espécie tem o direito de gozar dela logo que goze da Razão (...). O poder que vem do consentimento dos povos supões necessariamente condições que tornem o seu uso legítimo útil à sociedade (…). O Príncipe recebe dos seus súbditos a autoridade que tem sobre eles, e esta autoridade é limitada pelas leis da natureza e do Estado. (…) Ele jamais se pode servir dessa autoridade para destruir o contrato pelo qual ela lhe foi concedida: procederia, desde então, contra si próprio, pois a autoridade depende desse contrato. “A igualdade natural ou moral tem, portanto, base na constituição da natureza humana comum a todos os homens, que nascem, crescem, subsistem e morrem da mesma maneira.” Cavaleiro de Jaucourt A Filosofia das Luzes e a desagregação do Antigo Regime CADERNODIÁRIO25deNovembrode2014 A Enciclopédia Uma das obras de maior repercussão do Iluminismo. A primeira edição era composta por 28 volumes, onde, sob a coordenação dos filósofos franceses Diderot e d’Alembert e com a colaboração de muitas outras personalidades, se compilaram os mais modernos e atualizados conhecimentos da época sobre todos os ramos do saber e da atuação humanos. A separação dos poderes e a liberdade Por Montesquieu Há em cada Estado três qualidades de poderes: o poder legislativo, o poder de fazer leis para certo tempo ou para sempre e corrige ou revoga as que estão feitas. Poder executivo (…) e o poder judicial. Pelo segundo, o príncipe ou magistrado faz a paz ou a guerra, envia ou recebe embaixadores, garante a segurança, repele as invasões. Pelo terceiro, castiga os crimes ou julga as questões dos particulares (…). Para que não se possa abusar do poder, é preciso que, pela disposição das coisas, o poder faça parar o poder. (…). Quando na mesma pessoa e no mesmo corpo de magistrados o poder legislativo está reunido ao poder executivo, não há liberdade (...). Não há liberdade se o poder de julgar não estiver separado do poder legislativo. Se estivesse ligado ao poder executivo, o juiz poderia ter a força de um opressor.

×