Afirmação do Norteda Europa
O Antigo Regime em Portugal
O Antigo Regime europeu: regra e exceção
Parte II
Fonte: http://ab...
Descritores de desempenho
4. Conhecer e compreender a afirmação política e económica
da Holanda e da Inglaterra, nos sécul...
Descritores de desempenho
5. Conhecer as diferentes etapas da evolução de Portugal, em termos
políticos, sociais e económi...
A organização política das Províncias Unidas
Em meados do século XVI, os Países Baixos do
Norte eram governados por Filipe...
A recusa do absolutismo em Inglaterra
Poder dos reis limitado desde a Idade Média:
 Pela Magna Carta;
 Pelo Parlamento (...
Capitalismo comercial e novos instrumentos comerciais e financeiros
 Definição de capitalismo comercial (p. 105 do manual...
D. João V governou entre 1706 e 1750 seguindo
o modelo de governo do rei francês, Luís XIV.
O poder absoluto e sociedade d...
A economia portuguesa ao longo do século XVII
Economia portuguesa no século XVII
Primeira metade
 Crise do comércio orien...
Resultados: diminuição do défice da balança comercial
Incentivos para técnicos estrangeiros se
instalarem em Portugal.
L...
Tratado de Methuen
Redução das importações de
vinho do Porto
Tratado de Methuen
1703
Reação dos Ingleses face às
restriçõe...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Antigo regime ii

933 visualizações

Publicada em

Os países do Norte da Europa, o Antigo Regime em Portugal

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
933
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
371
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
7
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Antigo regime ii

  1. 1. Afirmação do Norteda Europa O Antigo Regime em Portugal O Antigo Regime europeu: regra e exceção Parte II Fonte: http://abrancoalmeida.files.wordpress.com/2009/03/grande-panorama-de- lisboa_terreiro-do-paco2_sec-xvii1.jpg
  2. 2. Descritores de desempenho 4. Conhecer e compreender a afirmação política e económica da Holanda e da Inglaterra, nos séculos XVII e XVIII 1. Apontar as características da organização política das Províncias Unidas (República com um governo federal). 2. Referir a recusa da sociedade inglesa em aceitar a instauração do absolutismo. 3. Reconhecer, nas Províncias Unidas e na Inglaterra, no século XVII, a existência de uma burguesia urbana, protestante, com capacidade de intervenção política e de pôr o seu poder económico ao serviço do Estado. 4. Relacionar o dinamismo e os valores dessa burguesia com a criação de instrumentos comerciais, financeiros e políticos inovadores e eficazes. 5. Reconhecer a capacidade que ingleses e holandeses demonstraram ao nível da acumulação de capital e do seu reinvestimento no comércio internacional (capitalismo comercial).
  3. 3. Descritores de desempenho 5. Conhecer as diferentes etapas da evolução de Portugal, em termos políticos, sociais e económicos, no século XVII e na primeira metade do século XVIII 1. Reconhecer o reinado de D. João V como um momento de afirmação da monarquia absoluta de direito divino em Portugal, mas limitado pela necessidade de respeitar os costumes, a justiça e as leis fundamentais do reino. 2. Caracterizar a sociedade portuguesa como uma sociedade de ordens, salientando o predomínio das ordens privilegiadas na apropriação dos recursos económicos e da existência de uma burguesia sem grande aptidão pelo investimento nas atividades produtivas e com aspirações de ascender à nobreza e ao seu modo de vida. 3. Caracterizar da economia portuguesa na primeira metade do século XVII, salientando a prosperidade dos tráfegos atlânticos (especialmente a rota do comércio triangular). 4. Identificar as dificuldades da economia portuguesa no final do século XVII. 5. Relacionar as dificuldades vividas pela economia portuguesa no final do século XVII com a implementação de medidas mercantilistas. 6. Avaliar o impacto das medidas mercantilistas no sector manufatureiro e na balança comercial portuguesa. 7. Explicar o impacto do Tratado de Methuen e do afluxo do ouro brasileiro no sector manufatureiro e na balança comercial portuguesa. 8. Avaliar as consequências internas e externas do afluxo do ouro do Brasil a Portugal.
  4. 4. A organização política das Províncias Unidas Em meados do século XVI, os Países Baixos do Norte eram governados por Filipe II de Espanha: Maioria da população aderiu à religião protestante, que não se opunha à obtenção de lucro;(mapa p.102 do manual) Aliança das sete províncias do Norte contra o domínio espanhol - União de Utreque; 1581: declaram a sua independência, passando a designar-se Províncias Unidas e instituindo 7 anos depois uma República Federal. Cada província tinha órgãos de governo próprios elegia delegados para os órgãos de governo central: os Estados Gerais e o Conselho de Estado. A chefia do Estado cabia ao Grande Pensionário, eleito pelo Conselho. A participação da burguesia rica no governo levou à rejeição do mercantilismo e à defesa da liberdade de iniciativa. Reunião dos estados Gerais das Províncias Unidas, 1651 Fonte: http://www.dbnl.org/tekst/frij005bevo01_01/frij005bevo01ill05col.gif Províncias Unidas, 1609 Fonte: http://www.biel.ca/gville/unitedpr.jpg
  5. 5. A recusa do absolutismo em Inglaterra Poder dos reis limitado desde a Idade Média:  Pela Magna Carta;  Pelo Parlamento (Câmara dos Lordes e Câmara dos Comuns). Tentativa de imposição do absolutismo (meados do século XVII):  Obrigatoriedade de adoção do anglicanismo;  Carlos I foi executado: a monarquia dá lugar à república, chefiada por Oliver Cromwell. Triunfo da monarquia parlamentar (Finais do século XVII - 1688):  Carlos II reforça as liberdades individuais;  Jaime II tenta impor a religião católica;  Guilherme de Orange casado com Maria, filha de Jaime I, destitui o sogro e ocupa o trono inglês: Gloriosa Revolução (1688);  Guilherme e Maria aceitam a “Declaração dos Direitos”. Monarquia parlamentar O rei João Sem Terra assinando a Carta Magna., 1215 Fonte: http://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/thumb/f/fc/Joao_sem_terra_as sina_carta_Magna.jpg/250px-Joao_sem_terra_assina_carta_Magna.jpg Ilustração contemporânea da decapitação de Carlos. Fonte: http://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/thumb/6/6f/Contem porary_German_print_depicting_Charles_Is_beheading.jpg/220px- Contemporary_German_print_depicting_Charles_Is_beheading.jpg Guilherme e Maria Fonte: http://cdn0.sbnation.com/imported_assets/349737/william- mary-237x300.jpg
  6. 6. Capitalismo comercial e novos instrumentos comerciais e financeiros  Definição de capitalismo comercial (p. 105 do manual) Comércio lucro acumulação de capitais reinvestimento no comércio  Novos instrumentos comerciais e financeiros Companhia de comércio holandesa das Índias Orientais Fonte: http://www.sahistory.org.za/sites/default/files/ general_pics/voc.jpg Bolsa de Valores de Amesterdão Fonte: http://cdn.static- economist.com/sites/default/files/imagecache/full- width/images/print-edition/20130420_FNP001_0.jpg Fundação do banco de Inglaterra, 1694 Fonte: http://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/0/09/Ba nk_of_England_Charter_sealing_1694.jpg Origem da Bolsa de Valores de Londres, 1698 Fonte: http://youngsday.com/wp- content/uploads/2014/06/jonathans1- 300x189.jpg
  7. 7. D. João V governou entre 1706 e 1750 seguindo o modelo de governo do rei francês, Luís XIV. O poder absoluto e sociedade de ordens em Portugal Fonte: http://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/1/12/ John_V_of_Portugal_Pompeo_Batoni.jpg A sociedade portuguesa continuava hierarquizada e estratificada: clero e nobreza eram as ordens privilegiadas e o terceiro estado a ordem não privilegiada. Fonte: http://canais.sol.pt/photos/olindagil4/image s/1469499/425x311.aspx Convento de Mafra Fonte: http://www.visitlisboa.com/%2FConteudos%2FEntidades%2FTravel- Planner%2FPalacio-Convento-de-Mafra%2FPercursos-roma_18-DSCF2809- jpg.aspx
  8. 8. A economia portuguesa ao longo do século XVII Economia portuguesa no século XVII Primeira metade  Crise do comércio oriental;  Intensificação do comércio nos territórios atlânticos;  Produção de açúcar no Brasil permitiu aumentar os lucros. Prosperidade comercial Segunda metade  Dificuldades económicas;  Elevados gastos com a guerra da Restauração;  Diminuição dos lucros do comércio do açúcar;  Concorrência dos Holandeses, Ingleses e Franceses acentua-se. Crise económica Engenho colonial: principal unidade de produção de açúcar Fonte: http://www.suapesquisa.com/uploads/ site/156x133_ciclo_acucar.jpg Fonte: http://2.bp.blogspot.com/_qeBKuiTr3Q4/TRtJfLps3FI/AA AAAAAAABA/tRJwAPnDCAs/s320/cronograma.jpg.jpeg
  9. 9. Resultados: diminuição do défice da balança comercial Incentivos para técnicos estrangeiros se instalarem em Portugal. Leis Pragmáticas. Criação de manufaturas têxteis na Covilhã, Guarda, Fundão e Portalegre. A economia portuguesa ao longo do século XVII Conde de Ericeira (1632-1690) Fonte: http://www.arqnet.pt/imagens3/ericeira3c.jpg Medidas Mercantilistas:
  10. 10. Tratado de Methuen Redução das importações de vinho do Porto Tratado de Methuen 1703 Reação dos Ingleses face às restrições das exportações de tecidos para Portugal Estabelecia-se a livre entrada dos lanifícios ingleses em Portugal e uma redução nas tarifas impostas aos vinhos portugueses que entravam na Inglaterra, o que colocava os vinhos portugueses numa situação privilegiada em relação aos vinhos franceses. Abandono do apoio às manufaturas Fonte: http://arttattler.com/Images/ NorthAmerica/Massachusetts/ Boston/Museum%20of%20Fine %20Arts/And%20So%20to%20 Bed/1_WideCurtain.jpg Fonte: http://www.mariajoaodealmeida.com/im g_upload/ArmazenarVinho3_Site.jpg

×