SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 4
Baixar para ler offline
1
As propostas socialistas
de transformação revolucionária da
sociedade
Por Raul Silva
Na sociedade Oitocentista, no grupo dos assalariados, a classe operária era aquela que apresentava piores
condições de trabalho, situação a que muitos contemporâneos, de vários setores, se referiam como a
Questão Social. A vida dos operários - o proletariado -, aqueles que que viviam exclusivamente da venda
da sua força de trabalho, era marcada por longas jornadas de trabalho e baixos salários, e
encontravam-se numa condição social e económica inferior, oposta à da alta burguesia. Sujeitos às regras
do mercado e do trabalho, sem especialização, estavam à mercê do sistema capitalista. O facto de
constituírem mão de obra abundante obrigava a que se sujeitassem a condições de trabalho e a salários
de miséria.
As duras condições de trabalho e os baixos salários motivaram o descontentamento no seio do
operariado. Foi em consequência destes fatores que surgiram as associações mutualistas de operários,
destinadas a auxiliar os associados. A criação de associações, as Trade Unions ou sindicatos, que fizeram da
luta por melhores salários e melhores condições de trabalho o seu objetivo. Os patrões reagiram ao
movimento sindical, com despedimentos e interpondo ações legais nos tribunais contra os operários.
A defesa de uma sociedade mais justa e igualitária era comum aos que pensavam que o sistema
económico liberal e capitalista e a sociedade de classes, existentes no século XIX, eram geradoras de
profundas desigualdades sociais e económicas. O socialismo integrava os que criticavam o capitalismo e o
liberalismo individualista, que consideravam responsáveis pelas más condições de trabalho e de vida do
operariado. Defendiam a abolição da propriedade privada e o fim da exploração dos trabalhadores pelo
patronato. As várias propostas socialistas diferenciavam-se pelo modo como a transformação social
deveria ser concretizada.
CADERNODIÁRIO
EXTERNATO LUÍS DE
CAMÕES
N.º 12
https://
www.facebook.com/
historia.externato
http://
externatohistoria.blog
spot.pt
externatohistoria@gm
ail.com
23deFevereirode2015
2
CADERNODIÁRIO23deFevereirode2015
A condição
operária
e o modo de vida
Na sociedade Oitocentista, no grupo
dos assalariados, a classe operária ou
proletariado era a que apresentava
condições de trabalho mais
degradantes:
• longas jornadas de trabalho e baixos
salários; estava à mercê do sistema
capitalista e a situação do operariado
agravava-se durante as crises cíclicas
do capitalismo;
• o trabalho fabril foi alargado tanto às
mulheres como às crianças; a mão de
obra feminina e infantil era mais
barata fazendo o mesmo trabalho
dos homens, por baixos salários;
• os horários de trabalho
prolongavam-se entre as 12 e as 16
horas diárias, sem fins de semana,
feriados ou férias;
• as fábricas não tinham instalações
arejadas, condições de higiene e os
espaços eram insalubres, propícios ao
desenvolvimento de doenças e aos
acidentes; favoreciam a propagação
de doenças; em caso de acidentes, de
invalidez ou doença, o operário era
despedido.
As condições de vida do operariado
eram difíceis:
• má alimentação e subnutrição, nos
períodos de maior crise, agravadas
pela falta de condições de higiene;
• más condições de alojamento
(humidade, falta de luz, famílias
numerosas a viverem em espaços
reduzidos), contribuíram para a
propagação de doenças como a
cólera, o tifo e as doenças intestinais;
• havia elevada mortalidade, sobretudo
infantil, nos bairros operários;
• a degradação do modo de vida do
operariado era acentuada por
problemas sociais como o alcoolismo,
a criminalidade, a prostituição, a
violência e o analfabetismo.
A partir da segunda metade do século,
houve uma ligeira melhoria das
condições de trabalho e de vida do
operariado, em alguns países europeus,
proporcionada por:
• progressos técnicos associados à
industrialização que melhoraram as
condições das fábricas;
• desenvolvimento dos meios de
transporte que facilitaram a
emigração e a circulação da mão de
obra;
• promulgação de legislação social por
vários governos que contribuiu para
melhorar os salários e as condições de
trabalho do operariado.
Responder:
a) Caracterize a situação do
operariado do século XIX.
Pesquisar:
proletariado, trismo, raquitismo e
saturnismo
O operariado
e as condições de vida
Por Eugène Buret
“Cada grande cidade de Inglaterra tem
um verdadeiro gueto, um bairro
maldito onde a miséria é deixada ao
desprezo. Em Liverpool, que põe à
admiração do viajante ruas inteiras de
palácios, a parte inferior da população
apodrece nas caves; em Londres, a
maravilha da cidade pela elegância das
habitações e ruas, os pobres são
amontoados em cabanas infetas, que
ameaçam ruir, construídas em ruas
medonhas, desordenadas, com terra
coberta de imundices, sem ruas
planeadas, sem iluminação nem
pavimentação, e onde as águas,
saturadas de matérias vegetais e animais
em putrefação, apodrecem ao ar livre
(...). Um outro sinal menos repugnante,
mas mais revelador da miséria britânica
é o grande número de casas para
internar os pobres (...). Ainda que a
workhouse, não tenha aspeto de uma
prisão, não é senão um meio severo de
repressão e quase um instrumento de
punição (...). Em França como em
Inglaterra há uma miséria oficial, cuja
lei reconhece a existência, que procura
disciplinar (...). O governo aceita a
pobreza com um facto; administra-o
mais do que o combate.”
“Puxo vagões de carvão;
trabalho das seis da
manhã às seis da tarde.
Dão-me pão e manteiga,
mas nada para beber. (...)
Eu puxava esses vagões
quando estava grávida.
(...) Nos poços onde
trabalho, há seis
mulheres e meia dúzia de
rapazes e de garotas (...).
A cova é muito húmida e
a água cobre sempre os
nossos sapatos. (...)
Puxei esses vagões até
arrancar a pele; a correia
e a corrente são ainda
piores nas crianças.”
Relatório Parlamentar Inglês, 1842
Proletariado
Não tinham capital nem controlavam os meios
de produção e, por isso, dependiam para
sobreviver da venda da sua força de trabalho
em troca de um salário.
3
A melhoria das condições da classe operária foi o
resultado de uma luta constante para obter o
reconhecimento e a consagração legislativa de
direitos:
• surgiram as associações mutualistas de
operários;
• a partir de 1824, na Inglaterra, o direito de
associação foi reconhecido, o que abriu
caminho ao surgimento de associações, as Trade
Unions ou sindicatos;
• o sindicalismo tornou-se a base do movimento
operário e fez das manifestações e da greve
formas de luta para pressionar os patrões a
reconhecer os direitos dos trabalhadores.
O movimento operário, através dos sindicatos,
lutou pela estabilidade do emprego; por melhores
condições de vida; pelo aumento dos salários, por
melhores condições de higiene e de segurança no
trabalho e pela regulamentação do horário de
trabalho.
O movimento operário acabou por ganhar
dimensão internacional apoiado no sindicalismo e
numa nova consciência social e política:
• no sentido de adquirir uma maior coesão e
capacidade reivindicativa, os operários
reuniram-se na I Internacional Operária;
• o alargamento do direito de voto contribuiu
para concretizar algumas aspirações do
movimento operário;
• a sensibilidade face às degradantes condições de
trabalho e de vida dos operários levou o papa
Leão XIII a condenar os excessos do
capitalismo e a apelar à criação de associações
de operários como forma de superar as questões
entre o patronato e os trabalhadores.
“O grande acontecimento da semana
é a formidável insurreição operária
que rebentou nos Estados Unidos. As
companhias de caminhos de ferro
reduziram os salários dos
empregados e aumentaram duas
horas de trabalho por dia. Isto
originou uma greve. As companhias
recrutaram novo pessoal, mas os
grevistas atacaram estes intrusos,
espancaram a polícia e, finalmente,
resistiram à Guarda Nacional. O
movimento espalhou-se então como
fogo em restolho (...) esteve-se em
véspera de uma temerosa guerra civil
(...). Ora a crise prolongada dos
negócios, na América, tem dado a
esta população dias prolongados de
miséria; e já há tempos se notava nela
uma funda e crescente irritação. O
sentimento que domina é uma espécie
de cólera bruta contra uma sociedade
rica, onde eles são mendigos (...).”
Eça de Queirós, 1877
Responder:
a) Refira as características do movimento
operário e do sindicalismo.
b) Destaque o papel dos sindicatos na
melhoria das condições de trabalho.
Associativismo e sindicalismo
e a conquista de direitos
CADERNODIÁRIO23deFevereirode2015
Movimento operário
Designa a luta da
classe operária,
mediante a
organização dos
trabalhadores, tendo
em vista a melhoria
das condições de
trabalho e de vida,
bem como a defesa
dos seus direitos. O
movimento operário
estruturou-se, a partir
de meados do século
XIX, pela via sindical.
4
CADERNODIÁRIO23deFevereirode2015
O Manifesto Comunista
e a revolução do
operariado
Por Karl Marx e Friedrich Engels
“A história de todas as sociedades até ao
momento é a história da luta de classes.
Homem livre e escravo, patrício e
plebeu, senhor e servo, patrão e
assalariado, em resumo, opressor e
oprimido, envolveram-se numa luta
ininterrupta. (...) Não são apenas
escravos da classe burguesa, do Estado
burguês: dia a dia, hora a hora, são
convertidos em escravo da máquina (...).
O que há são apenas instrumentos de
trabalho que, segundo a idade e o sexo,
têm custos diferentes. (...) Os
comunistas fazem prevalecer os
interesses comuns de todo o
proletariado, independentemente da
nacionalidade e pelo facto de que,
representam sempre o interesse do
movimento como um todo. (...) Ficam
horrorizados por querermos abolir a
propriedade privada, mas na vossa
sociedade ela está vedada a nove
décimos dos seus membros. (...) Os
comunistas rejeitam disfarçar as suas
convicções e objetivos. Declaram que os
seus propósitos só podem ser
alcançados quando toda a ordem social
vigente for violentamente derrubada.”
As propostas
socialistas
e a transformação
revolucionária da
sociedade
Os problemas sociais e económicos das
classes trabalhadoras e o movimento
sindicalista, inspiraram novas propostas
de transformação da sociedade que
tinham o intuito de operar uma
modificação na sociedade:
• essas propostas integram-se no
socialismo, ideologia que surgiu no
século XIX, que criticava o
capitalismo e o liberalismo
individualista, responsáveis pelas más
condições de trabalho e de vida do
operariado;
• defendiam a abolição da
propriedade privada e a sua
apropriação pelo Estado ou pelo
proletariado, pondo fim à exploração
e subjugação dos trabalhadores pelo
patronato;
• as primeiras propostas socialistas, o
socialismo utópico, pretendiam criar
comunidades ideais, assentes em
novos modelos de organização da
sociedade, sem defenderem a
apropriação do Estado por parte das
classes trabalhadoras.
Ao socialismo utópico, visão pouco
realista do mundo, contrapôs-se uma
nova forma de pensamento sobre a
sociedade e a sua transformação: o
socialismo científico. Karl Marx e
Friedrich Engels expuseram os
princípios da teoria marxista:
• teoria económica e política que
centrava a transformação da
sociedade na luta de classes e na
revolução que levaria o proletariado
ao poder e ao controlo dos meios de
produção;
• defendia que o desenvolvimento da
sociedade era determinado por um
sucessão de modos de produção e que
a passagem de um modo de produção
a outro assentava na luta de classes;
• apelava à união mundial dos
operários, ou seja, à
internacionalização do movimento
sindical e operário, baseado na
solidariedade de classe entre os
trabalhadores;
• considerava que as sociedades
contemporâneas eram marcadas pela
oposição entre a classe capitalista - a
burguesia - e a classe trabalhadora - o
proletariado;
• defendia que a passagem para um
novo estádio na evolução da
sociedade implicava a abolição da
propriedade privada e do lucro;
• propunha a ditadura do proletariado
como uma etapa intermédia na
construção do comunismo;
• o capitalismo era substituído pelo
comunismo marcado por uma
sociedade sem classes, na qual os
meios de produção estavam nas mãos
dos trabalhadores e o próprio Estado
deixava de ser necessário.
Responder:
a) Refira os princípios ideológicos
do marxismo.
“O socialismo, tão antigo
como a injustiça e a
opressão do pobre pelo
rico, do desvalido pelo
poderoso, não é mais do
que o protesto dos que
sofrem, contra a
organização viciosa que
os faz sofrer. É a
reclamação da justiça e
da igualdade nas
relações dos homens. (...)
O povo, depois de iludido
durante centenas de
anos por falsas
promessas (...)
convenceu-se (...) da sua
virtude e da sua união.”
Antero de Quental, 1871
Marxismo
Teoria económica e política que assentava na
sucessão dos modos de produção através da
luta de classes. Defendia a tomada do poder
pelo operariado e uma sociedade comunista,
marcada pela inexistência de classes.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

9 03 portugal no novo quadro internacional
9 03 portugal no novo quadro internacional9 03 portugal no novo quadro internacional
9 03 portugal no novo quadro internacionalVítor Santos
 
Mutações nos Comportamentos e na Cultura
Mutações nos Comportamentos e na CulturaMutações nos Comportamentos e na Cultura
Mutações nos Comportamentos e na Culturagofontoura
 
5 04 a implantacao do liberalismo em portugal
5 04 a implantacao do liberalismo em portugal5 04 a implantacao do liberalismo em portugal
5 04 a implantacao do liberalismo em portugalVítor Santos
 
8 02 portugal do autoritarismo à democracia alunos
8 02 portugal do autoritarismo à democracia alunos8 02 portugal do autoritarismo à democracia alunos
8 02 portugal do autoritarismo à democracia alunosVítor Santos
 
7 03 a degradação do ambiente internacional
7 03  a degradação do ambiente internacional7 03  a degradação do ambiente internacional
7 03 a degradação do ambiente internacionalVítor Santos
 
A construção do modelo soviético
A construção do modelo soviéticoA construção do modelo soviético
A construção do modelo soviéticoCarlos Vieira
 
Construção da União Europeia 12º ano
Construção da União Europeia 12º anoConstrução da União Europeia 12º ano
Construção da União Europeia 12º anoDaniela Azevedo
 
A Revolução industrial
A Revolução industrialA Revolução industrial
A Revolução industrialCarlos Pinheiro
 
Resumos história (2º teste)
Resumos história (2º teste)Resumos história (2º teste)
Resumos história (2º teste)Ana Beatriz Neiva
 
7 01 parte_1_as_transformações_das_primeiras_décadas_do_século_xx
7 01 parte_1_as_transformações_das_primeiras_décadas_do_século_xx7 01 parte_1_as_transformações_das_primeiras_décadas_do_século_xx
7 01 parte_1_as_transformações_das_primeiras_décadas_do_século_xxVítor Santos
 
O agudizar das tensões politicas e sociais a partir dos anos 30
O agudizar das tensões politicas e sociais a partir dos anos 30O agudizar das tensões politicas e sociais a partir dos anos 30
O agudizar das tensões politicas e sociais a partir dos anos 30Ana Vilardouro
 
8 02 portugal do autoritarismo à democracia alunos
8 02 portugal do autoritarismo à democracia alunos8 02 portugal do autoritarismo à democracia alunos
8 02 portugal do autoritarismo à democracia alunosVítor Santos
 
A segunda fase da revolução industrial
A segunda fase da revolução industrialA segunda fase da revolução industrial
A segunda fase da revolução industrialHerminio Banze
 
O Mundo Industrializado no século XIX e o Caso Português
O Mundo Industrializado no século XIX e o Caso PortuguêsO Mundo Industrializado no século XIX e o Caso Português
O Mundo Industrializado no século XIX e o Caso PortuguêsCarlos Vieira
 
6 01 as transformacoes economicas na europa e no mundo
6 01 as transformacoes economicas na europa e no mundo6 01 as transformacoes economicas na europa e no mundo
6 01 as transformacoes economicas na europa e no mundoVítor Santos
 

Mais procurados (20)

9 03 portugal no novo quadro internacional
9 03 portugal no novo quadro internacional9 03 portugal no novo quadro internacional
9 03 portugal no novo quadro internacional
 
Mutações nos Comportamentos e na Cultura
Mutações nos Comportamentos e na CulturaMutações nos Comportamentos e na Cultura
Mutações nos Comportamentos e na Cultura
 
China
ChinaChina
China
 
5 04 a implantacao do liberalismo em portugal
5 04 a implantacao do liberalismo em portugal5 04 a implantacao do liberalismo em portugal
5 04 a implantacao do liberalismo em portugal
 
8 02 portugal do autoritarismo à democracia alunos
8 02 portugal do autoritarismo à democracia alunos8 02 portugal do autoritarismo à democracia alunos
8 02 portugal do autoritarismo à democracia alunos
 
O Estado Novo
O Estado NovoO Estado Novo
O Estado Novo
 
7 03 a degradação do ambiente internacional
7 03  a degradação do ambiente internacional7 03  a degradação do ambiente internacional
7 03 a degradação do ambiente internacional
 
A construção do modelo soviético
A construção do modelo soviéticoA construção do modelo soviético
A construção do modelo soviético
 
Construção da União Europeia 12º ano
Construção da União Europeia 12º anoConstrução da União Europeia 12º ano
Construção da União Europeia 12º ano
 
A Revolução industrial
A Revolução industrialA Revolução industrial
A Revolução industrial
 
Revolução Industrial
Revolução IndustrialRevolução Industrial
Revolução Industrial
 
New deal
New dealNew deal
New deal
 
Resumos história (2º teste)
Resumos história (2º teste)Resumos história (2º teste)
Resumos história (2º teste)
 
7 01 parte_1_as_transformações_das_primeiras_décadas_do_século_xx
7 01 parte_1_as_transformações_das_primeiras_décadas_do_século_xx7 01 parte_1_as_transformações_das_primeiras_décadas_do_século_xx
7 01 parte_1_as_transformações_das_primeiras_décadas_do_século_xx
 
O agudizar das tensões politicas e sociais a partir dos anos 30
O agudizar das tensões politicas e sociais a partir dos anos 30O agudizar das tensões politicas e sociais a partir dos anos 30
O agudizar das tensões politicas e sociais a partir dos anos 30
 
8 02 portugal do autoritarismo à democracia alunos
8 02 portugal do autoritarismo à democracia alunos8 02 portugal do autoritarismo à democracia alunos
8 02 portugal do autoritarismo à democracia alunos
 
A segunda fase da revolução industrial
A segunda fase da revolução industrialA segunda fase da revolução industrial
A segunda fase da revolução industrial
 
O Mundo Industrializado no século XIX e o Caso Português
O Mundo Industrializado no século XIX e o Caso PortuguêsO Mundo Industrializado no século XIX e o Caso Português
O Mundo Industrializado no século XIX e o Caso Português
 
Modulo 8 e 9 historia A 12ºano
Modulo 8 e 9 historia A 12ºanoModulo 8 e 9 historia A 12ºano
Modulo 8 e 9 historia A 12ºano
 
6 01 as transformacoes economicas na europa e no mundo
6 01 as transformacoes economicas na europa e no mundo6 01 as transformacoes economicas na europa e no mundo
6 01 as transformacoes economicas na europa e no mundo
 

Destaque

Caderno diário os loucos anos 20 n.º 17 1415
Caderno diário os loucos anos 20 n.º 17 1415Caderno diário os loucos anos 20 n.º 17 1415
Caderno diário os loucos anos 20 n.º 17 1415Laboratório de História
 
Caderno Diário A revolução russa e o marxismo leninismo n.º 16 1415
Caderno Diário A revolução russa e o marxismo leninismo n.º 16 1415Caderno Diário A revolução russa e o marxismo leninismo n.º 16 1415
Caderno Diário A revolução russa e o marxismo leninismo n.º 16 1415Laboratório de História
 
Caderno Diário Portugal e o Estado Novo n.º 20 1415
Caderno Diário Portugal e o Estado Novo n.º 20 1415Caderno Diário Portugal e o Estado Novo n.º 20 1415
Caderno Diário Portugal e o Estado Novo n.º 20 1415Laboratório de História
 
Caderno diário as opções totalitárias n.º 19 1415
Caderno diário as opções totalitárias n.º 19 1415Caderno diário as opções totalitárias n.º 19 1415
Caderno diário as opções totalitárias n.º 19 1415Laboratório de História
 
Apresentação Portugal coordenadas económicas e demográficas
Apresentação Portugal coordenadas económicas e demográficasApresentação Portugal coordenadas económicas e demográficas
Apresentação Portugal coordenadas económicas e demográficasLaboratório de História
 
Caderno Diário A Primeira Guerra Mundial e as transformações do pós-guerra n...
Caderno Diário A Primeira Guerra Mundial e as transformações do pós-guerra n...Caderno Diário A Primeira Guerra Mundial e as transformações do pós-guerra n...
Caderno Diário A Primeira Guerra Mundial e as transformações do pós-guerra n...Laboratório de História
 
Caderno Diário Roma 1213
Caderno Diário Roma 1213Caderno Diário Roma 1213
Caderno Diário Roma 1213Escoladocs
 
Caderno diário As Transformações Económicas na Europa e no Mundo n.º10 1415
Caderno diário As Transformações Económicas na Europa e no Mundo n.º10 1415Caderno diário As Transformações Económicas na Europa e no Mundo n.º10 1415
Caderno diário As Transformações Económicas na Europa e no Mundo n.º10 1415Laboratório de História
 
O Associativismo e Sindicalismo
O Associativismo e SindicalismoO Associativismo e Sindicalismo
O Associativismo e SindicalismoMafalda Batista
 
Guia de estudo n.º3 A Europa nos séculos XIII e XIV 1516
Guia de estudo n.º3 A Europa nos séculos XIII e XIV 1516Guia de estudo n.º3 A Europa nos séculos XIII e XIV 1516
Guia de estudo n.º3 A Europa nos séculos XIII e XIV 1516Laboratório de História
 
Caderno Diário Imobilismo político e crescimento político do pós guerra a 1974
Caderno Diário Imobilismo político e crescimento político do pós guerra a 1974Caderno Diário Imobilismo político e crescimento político do pós guerra a 1974
Caderno Diário Imobilismo político e crescimento político do pós guerra a 1974Laboratório de História
 
A Construção do Estado Novo
A Construção do Estado NovoA Construção do Estado Novo
A Construção do Estado NovoAna Batista
 
Portugal: Do Autoritarismo a Democracia
Portugal: Do Autoritarismo a DemocraciaPortugal: Do Autoritarismo a Democracia
Portugal: Do Autoritarismo a DemocraciaJoão Fernandes
 
Portugal do autoritarismo à democracia
Portugal do autoritarismo à democraciaPortugal do autoritarismo à democracia
Portugal do autoritarismo à democraciamaria40
 

Destaque (20)

Caderno diário os loucos anos 20 n.º 17 1415
Caderno diário os loucos anos 20 n.º 17 1415Caderno diário os loucos anos 20 n.º 17 1415
Caderno diário os loucos anos 20 n.º 17 1415
 
Caderno Diário A revolução russa e o marxismo leninismo n.º 16 1415
Caderno Diário A revolução russa e o marxismo leninismo n.º 16 1415Caderno Diário A revolução russa e o marxismo leninismo n.º 16 1415
Caderno Diário A revolução russa e o marxismo leninismo n.º 16 1415
 
Caderno diário a grande depressão 1314
Caderno diário a grande depressão 1314Caderno diário a grande depressão 1314
Caderno diário a grande depressão 1314
 
Caderno diário marxismo leninismo
Caderno diário marxismo leninismoCaderno diário marxismo leninismo
Caderno diário marxismo leninismo
 
Caderno Diário Portugal e o Estado Novo n.º 20 1415
Caderno Diário Portugal e o Estado Novo n.º 20 1415Caderno Diário Portugal e o Estado Novo n.º 20 1415
Caderno Diário Portugal e o Estado Novo n.º 20 1415
 
Caderno diário as opções totalitárias n.º 19 1415
Caderno diário as opções totalitárias n.º 19 1415Caderno diário as opções totalitárias n.º 19 1415
Caderno diário as opções totalitárias n.º 19 1415
 
Apresentação Portugal coordenadas económicas e demográficas
Apresentação Portugal coordenadas económicas e demográficasApresentação Portugal coordenadas económicas e demográficas
Apresentação Portugal coordenadas económicas e demográficas
 
Caderno Diário Portugal e o Estado Novo
Caderno Diário Portugal e o Estado NovoCaderno Diário Portugal e o Estado Novo
Caderno Diário Portugal e o Estado Novo
 
Caderno Diário A Primeira Guerra Mundial e as transformações do pós-guerra n...
Caderno Diário A Primeira Guerra Mundial e as transformações do pós-guerra n...Caderno Diário A Primeira Guerra Mundial e as transformações do pós-guerra n...
Caderno Diário A Primeira Guerra Mundial e as transformações do pós-guerra n...
 
Caderno Diário Roma 1213
Caderno Diário Roma 1213Caderno Diário Roma 1213
Caderno Diário Roma 1213
 
Caderno diário As Transformações Económicas na Europa e no Mundo n.º10 1415
Caderno diário As Transformações Económicas na Europa e no Mundo n.º10 1415Caderno diário As Transformações Económicas na Europa e no Mundo n.º10 1415
Caderno diário As Transformações Económicas na Europa e no Mundo n.º10 1415
 
Caderno diário marxismo leninismo
Caderno diário marxismo leninismoCaderno diário marxismo leninismo
Caderno diário marxismo leninismo
 
Caderno diário os loucos anos 20
Caderno diário os loucos anos 20Caderno diário os loucos anos 20
Caderno diário os loucos anos 20
 
O Associativismo e Sindicalismo
O Associativismo e SindicalismoO Associativismo e Sindicalismo
O Associativismo e Sindicalismo
 
Caderno Diário 1ª guerra mundial
Caderno Diário 1ª guerra mundialCaderno Diário 1ª guerra mundial
Caderno Diário 1ª guerra mundial
 
Guia de estudo n.º3 A Europa nos séculos XIII e XIV 1516
Guia de estudo n.º3 A Europa nos séculos XIII e XIV 1516Guia de estudo n.º3 A Europa nos séculos XIII e XIV 1516
Guia de estudo n.º3 A Europa nos séculos XIII e XIV 1516
 
Caderno Diário Imobilismo político e crescimento político do pós guerra a 1974
Caderno Diário Imobilismo político e crescimento político do pós guerra a 1974Caderno Diário Imobilismo político e crescimento político do pós guerra a 1974
Caderno Diário Imobilismo político e crescimento político do pós guerra a 1974
 
A Construção do Estado Novo
A Construção do Estado NovoA Construção do Estado Novo
A Construção do Estado Novo
 
Portugal: Do Autoritarismo a Democracia
Portugal: Do Autoritarismo a DemocraciaPortugal: Do Autoritarismo a Democracia
Portugal: Do Autoritarismo a Democracia
 
Portugal do autoritarismo à democracia
Portugal do autoritarismo à democraciaPortugal do autoritarismo à democracia
Portugal do autoritarismo à democracia
 

Semelhante a As propostas socialistas para transformar a sociedade

Mundo industrializado no século xix
Mundo industrializado no século xixMundo industrializado no século xix
Mundo industrializado no século xixmaria40
 
Antagonismos sociais no_seculo_xix
Antagonismos sociais no_seculo_xixAntagonismos sociais no_seculo_xix
Antagonismos sociais no_seculo_xixCarla Silva
 
Trabalho de historia
Trabalho de historiaTrabalho de historia
Trabalho de historiaeb23ja
 
Aula 11 rev. industrial e socialismo
Aula 11   rev. industrial e socialismoAula 11   rev. industrial e socialismo
Aula 11 rev. industrial e socialismoJonatas Carlos
 
PP_O TRAB, EVOLUÇÃO E ESTATUTO OCIDENTE.pptx
PP_O TRAB, EVOLUÇÃO E ESTATUTO OCIDENTE.pptxPP_O TRAB, EVOLUÇÃO E ESTATUTO OCIDENTE.pptx
PP_O TRAB, EVOLUÇÃO E ESTATUTO OCIDENTE.pptx600RuiDrioTeixeiraSo
 
Serviço Social : Surgimento e Institucionalização no Brasil
Serviço Social : Surgimento e Institucionalização no BrasilServiço Social : Surgimento e Institucionalização no Brasil
Serviço Social : Surgimento e Institucionalização no BrasilIlana Fernandes
 
VIDEO- AULA 9º ANOS REVISÃO ILUMINISMO E DOUTRINAS SOCIAIS DO SÉCULO XIX
VIDEO- AULA 9º ANOS  REVISÃO ILUMINISMO E DOUTRINAS SOCIAIS DO SÉCULO XIXVIDEO- AULA 9º ANOS  REVISÃO ILUMINISMO E DOUTRINAS SOCIAIS DO SÉCULO XIX
VIDEO- AULA 9º ANOS REVISÃO ILUMINISMO E DOUTRINAS SOCIAIS DO SÉCULO XIXMárcia Diniz
 
Revolução Industrial (Inglaterra, século XVIII).ppt
Revolução Industrial (Inglaterra, século XVIII).pptRevolução Industrial (Inglaterra, século XVIII).ppt
Revolução Industrial (Inglaterra, século XVIII).pptEvertonDemetrio
 
4 o mundo industrializado no século xix
4   o mundo industrializado no século xix4   o mundo industrializado no século xix
4 o mundo industrializado no século xixsofiasimao
 
A evolução do operariado
A evolução do operariadoA evolução do operariado
A evolução do operariadoJoão Grego
 
A evolução do operariado
A evolução do operariadoA evolução do operariado
A evolução do operariadoJoão Grego
 
O mundo industrializado no século xix
O mundo industrializado no século xixO mundo industrializado no século xix
O mundo industrializado no século xixmaria40
 
Jr e jt 8º.a
Jr e jt 8º.aJr e jt 8º.a
Jr e jt 8º.aeb23ja
 
Jr e jt 8º.a
Jr e jt 8º.aJr e jt 8º.a
Jr e jt 8º.aeb23ja
 
Aula revolução industrial
Aula revolução industrialAula revolução industrial
Aula revolução industrialMarcos Azevedo
 

Semelhante a As propostas socialistas para transformar a sociedade (20)

Mundo industrializado no século xix
Mundo industrializado no século xixMundo industrializado no século xix
Mundo industrializado no século xix
 
Capitalismo
CapitalismoCapitalismo
Capitalismo
 
Doutrinas sociais
Doutrinas sociaisDoutrinas sociais
Doutrinas sociais
 
Antagonismos sociais no_seculo_xix
Antagonismos sociais no_seculo_xixAntagonismos sociais no_seculo_xix
Antagonismos sociais no_seculo_xix
 
Tcc
TccTcc
Tcc
 
Trabalho de historia
Trabalho de historiaTrabalho de historia
Trabalho de historia
 
Aula 11 rev. industrial e socialismo
Aula 11   rev. industrial e socialismoAula 11   rev. industrial e socialismo
Aula 11 rev. industrial e socialismo
 
PP_O TRAB, EVOLUÇÃO E ESTATUTO OCIDENTE.pptx
PP_O TRAB, EVOLUÇÃO E ESTATUTO OCIDENTE.pptxPP_O TRAB, EVOLUÇÃO E ESTATUTO OCIDENTE.pptx
PP_O TRAB, EVOLUÇÃO E ESTATUTO OCIDENTE.pptx
 
Serviço Social : Surgimento e Institucionalização no Brasil
Serviço Social : Surgimento e Institucionalização no BrasilServiço Social : Surgimento e Institucionalização no Brasil
Serviço Social : Surgimento e Institucionalização no Brasil
 
VIDEO- AULA 9º ANOS REVISÃO ILUMINISMO E DOUTRINAS SOCIAIS DO SÉCULO XIX
VIDEO- AULA 9º ANOS  REVISÃO ILUMINISMO E DOUTRINAS SOCIAIS DO SÉCULO XIXVIDEO- AULA 9º ANOS  REVISÃO ILUMINISMO E DOUTRINAS SOCIAIS DO SÉCULO XIX
VIDEO- AULA 9º ANOS REVISÃO ILUMINISMO E DOUTRINAS SOCIAIS DO SÉCULO XIX
 
Revolução Industrial (Inglaterra, século XVIII).ppt
Revolução Industrial (Inglaterra, século XVIII).pptRevolução Industrial (Inglaterra, século XVIII).ppt
Revolução Industrial (Inglaterra, século XVIII).ppt
 
O movimento operário
O movimento operárioO movimento operário
O movimento operário
 
4 o mundo industrializado no século xix
4   o mundo industrializado no século xix4   o mundo industrializado no século xix
4 o mundo industrializado no século xix
 
A evolução do operariado
A evolução do operariadoA evolução do operariado
A evolução do operariado
 
A evolução do operariado
A evolução do operariadoA evolução do operariado
A evolução do operariado
 
O mundo industrializado no século xix
O mundo industrializado no século xixO mundo industrializado no século xix
O mundo industrializado no século xix
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
 
Jr e jt 8º.a
Jr e jt 8º.aJr e jt 8º.a
Jr e jt 8º.a
 
Jr e jt 8º.a
Jr e jt 8º.aJr e jt 8º.a
Jr e jt 8º.a
 
Aula revolução industrial
Aula revolução industrialAula revolução industrial
Aula revolução industrial
 

Mais de Laboratório de História

Apresentação n.º3 A Europa nos séculos XIII a XIV 1516
Apresentação n.º3 A Europa nos séculos XIII a XIV 1516Apresentação n.º3 A Europa nos séculos XIII a XIV 1516
Apresentação n.º3 A Europa nos séculos XIII a XIV 1516Laboratório de História
 
Caderno diário a grande depressão n.º 18 1415
Caderno diário a grande depressão n.º 18 1415Caderno diário a grande depressão n.º 18 1415
Caderno diário a grande depressão n.º 18 1415Laboratório de História
 
Caderno diário O Liberalismo em Portugal n.º9 1415
Caderno diário O Liberalismo em Portugal n.º9 1415Caderno diário O Liberalismo em Portugal n.º9 1415
Caderno diário O Liberalismo em Portugal n.º9 1415Laboratório de História
 
Apresentação A Revolução Francesa 1415
Apresentação A Revolução Francesa 1415Apresentação A Revolução Francesa 1415
Apresentação A Revolução Francesa 1415Laboratório de História
 
Caderno diário A Revolução Francesa n.º8 1415
Caderno diário A Revolução Francesa n.º8 1415Caderno diário A Revolução Francesa n.º8 1415
Caderno diário A Revolução Francesa n.º8 1415Laboratório de História
 
Caderno diário A Filosofia das Luzes n.º7 1415
Caderno diário A Filosofia das Luzes n.º7 1415Caderno diário A Filosofia das Luzes n.º7 1415
Caderno diário A Filosofia das Luzes n.º7 1415Laboratório de História
 
Apresentação Portugal Coordenadas Económicas e Demográficas
Apresentação Portugal Coordenadas Económicas e DemográficasApresentação Portugal Coordenadas Económicas e Demográficas
Apresentação Portugal Coordenadas Económicas e DemográficasLaboratório de História
 

Mais de Laboratório de História (20)

Apresentação n.º3 A Europa nos séculos XIII a XIV 1516
Apresentação n.º3 A Europa nos séculos XIII a XIV 1516Apresentação n.º3 A Europa nos séculos XIII a XIV 1516
Apresentação n.º3 A Europa nos séculos XIII a XIV 1516
 
Apresentação n.º 2 O Modelo Romano
Apresentação n.º 2 O Modelo RomanoApresentação n.º 2 O Modelo Romano
Apresentação n.º 2 O Modelo Romano
 
Guia de estudo n.º 2 O Modelo Romano
Guia de estudo n.º 2 O Modelo RomanoGuia de estudo n.º 2 O Modelo Romano
Guia de estudo n.º 2 O Modelo Romano
 
Guia de estudo n.º 1 O Modelo Ateniense
Guia de estudo n.º 1 O Modelo AtenienseGuia de estudo n.º 1 O Modelo Ateniense
Guia de estudo n.º 1 O Modelo Ateniense
 
Apresentação n.º 1 O Modelo Ateniense
Apresentação n.º 1 O Modelo AtenienseApresentação n.º 1 O Modelo Ateniense
Apresentação n.º 1 O Modelo Ateniense
 
Caderno diário a grande depressão n.º 18 1415
Caderno diário a grande depressão n.º 18 1415Caderno diário a grande depressão n.º 18 1415
Caderno diário a grande depressão n.º 18 1415
 
Caderno diário O Liberalismo em Portugal n.º9 1415
Caderno diário O Liberalismo em Portugal n.º9 1415Caderno diário O Liberalismo em Portugal n.º9 1415
Caderno diário O Liberalismo em Portugal n.º9 1415
 
Apresentação A Revolução Francesa 1415
Apresentação A Revolução Francesa 1415Apresentação A Revolução Francesa 1415
Apresentação A Revolução Francesa 1415
 
Caderno diário A Revolução Francesa n.º8 1415
Caderno diário A Revolução Francesa n.º8 1415Caderno diário A Revolução Francesa n.º8 1415
Caderno diário A Revolução Francesa n.º8 1415
 
Apresentação A Filosofia das Luzes 1415
Apresentação A Filosofia das Luzes 1415Apresentação A Filosofia das Luzes 1415
Apresentação A Filosofia das Luzes 1415
 
Caderno diário A Filosofia das Luzes n.º7 1415
Caderno diário A Filosofia das Luzes n.º7 1415Caderno diário A Filosofia das Luzes n.º7 1415
Caderno diário A Filosofia das Luzes n.º7 1415
 
Apresentação O Absolutismo 1415
Apresentação O Absolutismo 1415Apresentação O Absolutismo 1415
Apresentação O Absolutismo 1415
 
Caderno diário O Absolutismo n.º6 1415
Caderno diário O Absolutismo n.º6 1415Caderno diário O Absolutismo n.º6 1415
Caderno diário O Absolutismo n.º6 1415
 
Apresentação A Sociedade de Ordens 1415
Apresentação A Sociedade de Ordens 1415Apresentação A Sociedade de Ordens 1415
Apresentação A Sociedade de Ordens 1415
 
Guia de estudo o modelo romano 1415
Guia de estudo o modelo romano 1415Guia de estudo o modelo romano 1415
Guia de estudo o modelo romano 1415
 
O modelo romano 1415
O modelo romano 1415O modelo romano 1415
O modelo romano 1415
 
Apresentação O modelo ateniense
Apresentação O modelo atenienseApresentação O modelo ateniense
Apresentação O modelo ateniense
 
Caderno Diário O modelo ateniense
Caderno Diário O modelo atenienseCaderno Diário O modelo ateniense
Caderno Diário O modelo ateniense
 
Apresentação Portugal Coordenadas Económicas e Demográficas
Apresentação Portugal Coordenadas Económicas e DemográficasApresentação Portugal Coordenadas Económicas e Demográficas
Apresentação Portugal Coordenadas Económicas e Demográficas
 
Apresentação O Estado Novo
Apresentação O Estado NovoApresentação O Estado Novo
Apresentação O Estado Novo
 

Último

Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresaulasgege
 
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxApostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxIsabelaRafael2
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfaulasgege
 
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirFCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirIedaGoethe
 
activIDADES CUENTO lobo esta CUENTO CUARTO GRADO
activIDADES CUENTO  lobo esta  CUENTO CUARTO GRADOactivIDADES CUENTO  lobo esta  CUENTO CUARTO GRADO
activIDADES CUENTO lobo esta CUENTO CUARTO GRADOcarolinacespedes23
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Atividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu AbrigoAtividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu AbrigoMary Alvarenga
 
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptxA experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptxfabiolalopesmartins1
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxIsabellaGomes58
 
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolaresALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolaresLilianPiola
 
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptxAula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptxpamelacastro71
 
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024Jeanoliveira597523
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISVitor Vieira Vasconcelos
 
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e TaniModelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e TaniCassio Meira Jr.
 
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasPrograma de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasCassio Meira Jr.
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfIedaGoethe
 
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptxSlides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Regência Nominal e Verbal português .pdf
Regência Nominal e Verbal português .pdfRegência Nominal e Verbal português .pdf
Regência Nominal e Verbal português .pdfmirandadudu08
 

Último (20)

Em tempo de Quaresma .
Em tempo de Quaresma                            .Em tempo de Quaresma                            .
Em tempo de Quaresma .
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
 
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxApostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
 
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirFCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
 
activIDADES CUENTO lobo esta CUENTO CUARTO GRADO
activIDADES CUENTO  lobo esta  CUENTO CUARTO GRADOactivIDADES CUENTO  lobo esta  CUENTO CUARTO GRADO
activIDADES CUENTO lobo esta CUENTO CUARTO GRADO
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
 
Atividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu AbrigoAtividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu Abrigo
 
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptxA experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
 
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolaresALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
 
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptxAula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
 
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
 
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e TaniModelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
 
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA -
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA      -XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA      -
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA -
 
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasPrograma de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
 
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptxSlides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
 
Regência Nominal e Verbal português .pdf
Regência Nominal e Verbal português .pdfRegência Nominal e Verbal português .pdf
Regência Nominal e Verbal português .pdf
 

As propostas socialistas para transformar a sociedade

  • 1. 1 As propostas socialistas de transformação revolucionária da sociedade Por Raul Silva Na sociedade Oitocentista, no grupo dos assalariados, a classe operária era aquela que apresentava piores condições de trabalho, situação a que muitos contemporâneos, de vários setores, se referiam como a Questão Social. A vida dos operários - o proletariado -, aqueles que que viviam exclusivamente da venda da sua força de trabalho, era marcada por longas jornadas de trabalho e baixos salários, e encontravam-se numa condição social e económica inferior, oposta à da alta burguesia. Sujeitos às regras do mercado e do trabalho, sem especialização, estavam à mercê do sistema capitalista. O facto de constituírem mão de obra abundante obrigava a que se sujeitassem a condições de trabalho e a salários de miséria. As duras condições de trabalho e os baixos salários motivaram o descontentamento no seio do operariado. Foi em consequência destes fatores que surgiram as associações mutualistas de operários, destinadas a auxiliar os associados. A criação de associações, as Trade Unions ou sindicatos, que fizeram da luta por melhores salários e melhores condições de trabalho o seu objetivo. Os patrões reagiram ao movimento sindical, com despedimentos e interpondo ações legais nos tribunais contra os operários. A defesa de uma sociedade mais justa e igualitária era comum aos que pensavam que o sistema económico liberal e capitalista e a sociedade de classes, existentes no século XIX, eram geradoras de profundas desigualdades sociais e económicas. O socialismo integrava os que criticavam o capitalismo e o liberalismo individualista, que consideravam responsáveis pelas más condições de trabalho e de vida do operariado. Defendiam a abolição da propriedade privada e o fim da exploração dos trabalhadores pelo patronato. As várias propostas socialistas diferenciavam-se pelo modo como a transformação social deveria ser concretizada. CADERNODIÁRIO EXTERNATO LUÍS DE CAMÕES N.º 12 https:// www.facebook.com/ historia.externato http:// externatohistoria.blog spot.pt externatohistoria@gm ail.com 23deFevereirode2015
  • 2. 2 CADERNODIÁRIO23deFevereirode2015 A condição operária e o modo de vida Na sociedade Oitocentista, no grupo dos assalariados, a classe operária ou proletariado era a que apresentava condições de trabalho mais degradantes: • longas jornadas de trabalho e baixos salários; estava à mercê do sistema capitalista e a situação do operariado agravava-se durante as crises cíclicas do capitalismo; • o trabalho fabril foi alargado tanto às mulheres como às crianças; a mão de obra feminina e infantil era mais barata fazendo o mesmo trabalho dos homens, por baixos salários; • os horários de trabalho prolongavam-se entre as 12 e as 16 horas diárias, sem fins de semana, feriados ou férias; • as fábricas não tinham instalações arejadas, condições de higiene e os espaços eram insalubres, propícios ao desenvolvimento de doenças e aos acidentes; favoreciam a propagação de doenças; em caso de acidentes, de invalidez ou doença, o operário era despedido. As condições de vida do operariado eram difíceis: • má alimentação e subnutrição, nos períodos de maior crise, agravadas pela falta de condições de higiene; • más condições de alojamento (humidade, falta de luz, famílias numerosas a viverem em espaços reduzidos), contribuíram para a propagação de doenças como a cólera, o tifo e as doenças intestinais; • havia elevada mortalidade, sobretudo infantil, nos bairros operários; • a degradação do modo de vida do operariado era acentuada por problemas sociais como o alcoolismo, a criminalidade, a prostituição, a violência e o analfabetismo. A partir da segunda metade do século, houve uma ligeira melhoria das condições de trabalho e de vida do operariado, em alguns países europeus, proporcionada por: • progressos técnicos associados à industrialização que melhoraram as condições das fábricas; • desenvolvimento dos meios de transporte que facilitaram a emigração e a circulação da mão de obra; • promulgação de legislação social por vários governos que contribuiu para melhorar os salários e as condições de trabalho do operariado. Responder: a) Caracterize a situação do operariado do século XIX. Pesquisar: proletariado, trismo, raquitismo e saturnismo O operariado e as condições de vida Por Eugène Buret “Cada grande cidade de Inglaterra tem um verdadeiro gueto, um bairro maldito onde a miséria é deixada ao desprezo. Em Liverpool, que põe à admiração do viajante ruas inteiras de palácios, a parte inferior da população apodrece nas caves; em Londres, a maravilha da cidade pela elegância das habitações e ruas, os pobres são amontoados em cabanas infetas, que ameaçam ruir, construídas em ruas medonhas, desordenadas, com terra coberta de imundices, sem ruas planeadas, sem iluminação nem pavimentação, e onde as águas, saturadas de matérias vegetais e animais em putrefação, apodrecem ao ar livre (...). Um outro sinal menos repugnante, mas mais revelador da miséria britânica é o grande número de casas para internar os pobres (...). Ainda que a workhouse, não tenha aspeto de uma prisão, não é senão um meio severo de repressão e quase um instrumento de punição (...). Em França como em Inglaterra há uma miséria oficial, cuja lei reconhece a existência, que procura disciplinar (...). O governo aceita a pobreza com um facto; administra-o mais do que o combate.” “Puxo vagões de carvão; trabalho das seis da manhã às seis da tarde. Dão-me pão e manteiga, mas nada para beber. (...) Eu puxava esses vagões quando estava grávida. (...) Nos poços onde trabalho, há seis mulheres e meia dúzia de rapazes e de garotas (...). A cova é muito húmida e a água cobre sempre os nossos sapatos. (...) Puxei esses vagões até arrancar a pele; a correia e a corrente são ainda piores nas crianças.” Relatório Parlamentar Inglês, 1842 Proletariado Não tinham capital nem controlavam os meios de produção e, por isso, dependiam para sobreviver da venda da sua força de trabalho em troca de um salário.
  • 3. 3 A melhoria das condições da classe operária foi o resultado de uma luta constante para obter o reconhecimento e a consagração legislativa de direitos: • surgiram as associações mutualistas de operários; • a partir de 1824, na Inglaterra, o direito de associação foi reconhecido, o que abriu caminho ao surgimento de associações, as Trade Unions ou sindicatos; • o sindicalismo tornou-se a base do movimento operário e fez das manifestações e da greve formas de luta para pressionar os patrões a reconhecer os direitos dos trabalhadores. O movimento operário, através dos sindicatos, lutou pela estabilidade do emprego; por melhores condições de vida; pelo aumento dos salários, por melhores condições de higiene e de segurança no trabalho e pela regulamentação do horário de trabalho. O movimento operário acabou por ganhar dimensão internacional apoiado no sindicalismo e numa nova consciência social e política: • no sentido de adquirir uma maior coesão e capacidade reivindicativa, os operários reuniram-se na I Internacional Operária; • o alargamento do direito de voto contribuiu para concretizar algumas aspirações do movimento operário; • a sensibilidade face às degradantes condições de trabalho e de vida dos operários levou o papa Leão XIII a condenar os excessos do capitalismo e a apelar à criação de associações de operários como forma de superar as questões entre o patronato e os trabalhadores. “O grande acontecimento da semana é a formidável insurreição operária que rebentou nos Estados Unidos. As companhias de caminhos de ferro reduziram os salários dos empregados e aumentaram duas horas de trabalho por dia. Isto originou uma greve. As companhias recrutaram novo pessoal, mas os grevistas atacaram estes intrusos, espancaram a polícia e, finalmente, resistiram à Guarda Nacional. O movimento espalhou-se então como fogo em restolho (...) esteve-se em véspera de uma temerosa guerra civil (...). Ora a crise prolongada dos negócios, na América, tem dado a esta população dias prolongados de miséria; e já há tempos se notava nela uma funda e crescente irritação. O sentimento que domina é uma espécie de cólera bruta contra uma sociedade rica, onde eles são mendigos (...).” Eça de Queirós, 1877 Responder: a) Refira as características do movimento operário e do sindicalismo. b) Destaque o papel dos sindicatos na melhoria das condições de trabalho. Associativismo e sindicalismo e a conquista de direitos CADERNODIÁRIO23deFevereirode2015 Movimento operário Designa a luta da classe operária, mediante a organização dos trabalhadores, tendo em vista a melhoria das condições de trabalho e de vida, bem como a defesa dos seus direitos. O movimento operário estruturou-se, a partir de meados do século XIX, pela via sindical.
  • 4. 4 CADERNODIÁRIO23deFevereirode2015 O Manifesto Comunista e a revolução do operariado Por Karl Marx e Friedrich Engels “A história de todas as sociedades até ao momento é a história da luta de classes. Homem livre e escravo, patrício e plebeu, senhor e servo, patrão e assalariado, em resumo, opressor e oprimido, envolveram-se numa luta ininterrupta. (...) Não são apenas escravos da classe burguesa, do Estado burguês: dia a dia, hora a hora, são convertidos em escravo da máquina (...). O que há são apenas instrumentos de trabalho que, segundo a idade e o sexo, têm custos diferentes. (...) Os comunistas fazem prevalecer os interesses comuns de todo o proletariado, independentemente da nacionalidade e pelo facto de que, representam sempre o interesse do movimento como um todo. (...) Ficam horrorizados por querermos abolir a propriedade privada, mas na vossa sociedade ela está vedada a nove décimos dos seus membros. (...) Os comunistas rejeitam disfarçar as suas convicções e objetivos. Declaram que os seus propósitos só podem ser alcançados quando toda a ordem social vigente for violentamente derrubada.” As propostas socialistas e a transformação revolucionária da sociedade Os problemas sociais e económicos das classes trabalhadoras e o movimento sindicalista, inspiraram novas propostas de transformação da sociedade que tinham o intuito de operar uma modificação na sociedade: • essas propostas integram-se no socialismo, ideologia que surgiu no século XIX, que criticava o capitalismo e o liberalismo individualista, responsáveis pelas más condições de trabalho e de vida do operariado; • defendiam a abolição da propriedade privada e a sua apropriação pelo Estado ou pelo proletariado, pondo fim à exploração e subjugação dos trabalhadores pelo patronato; • as primeiras propostas socialistas, o socialismo utópico, pretendiam criar comunidades ideais, assentes em novos modelos de organização da sociedade, sem defenderem a apropriação do Estado por parte das classes trabalhadoras. Ao socialismo utópico, visão pouco realista do mundo, contrapôs-se uma nova forma de pensamento sobre a sociedade e a sua transformação: o socialismo científico. Karl Marx e Friedrich Engels expuseram os princípios da teoria marxista: • teoria económica e política que centrava a transformação da sociedade na luta de classes e na revolução que levaria o proletariado ao poder e ao controlo dos meios de produção; • defendia que o desenvolvimento da sociedade era determinado por um sucessão de modos de produção e que a passagem de um modo de produção a outro assentava na luta de classes; • apelava à união mundial dos operários, ou seja, à internacionalização do movimento sindical e operário, baseado na solidariedade de classe entre os trabalhadores; • considerava que as sociedades contemporâneas eram marcadas pela oposição entre a classe capitalista - a burguesia - e a classe trabalhadora - o proletariado; • defendia que a passagem para um novo estádio na evolução da sociedade implicava a abolição da propriedade privada e do lucro; • propunha a ditadura do proletariado como uma etapa intermédia na construção do comunismo; • o capitalismo era substituído pelo comunismo marcado por uma sociedade sem classes, na qual os meios de produção estavam nas mãos dos trabalhadores e o próprio Estado deixava de ser necessário. Responder: a) Refira os princípios ideológicos do marxismo. “O socialismo, tão antigo como a injustiça e a opressão do pobre pelo rico, do desvalido pelo poderoso, não é mais do que o protesto dos que sofrem, contra a organização viciosa que os faz sofrer. É a reclamação da justiça e da igualdade nas relações dos homens. (...) O povo, depois de iludido durante centenas de anos por falsas promessas (...) convenceu-se (...) da sua virtude e da sua união.” Antero de Quental, 1871 Marxismo Teoria económica e política que assentava na sucessão dos modos de produção através da luta de classes. Defendia a tomada do poder pelo operariado e uma sociedade comunista, marcada pela inexistência de classes.