SlideShare uma empresa Scribd logo
Colégio Pedro II
Artes Visuais
Professoras: Rosiane Dourado e Tatiana Caldeira
Aluno(a): ____________________________________________N:____ Turma: ______
TÓPICOS SOBRE A ARTE BARROCA NO BRASIL
* No Brasil, a arte barroca se desenvolve muito ligada à Igreja, ou seja, é uma
essencialmente religiosa. As obras sacras – pinturas, esculturas e arquitetura – expressam
com maior riqueza as características do estilo no Brasil, bem como revelam o surgime nto
de um estilo nacional, com características tipicamente brasileiras. Observamos também
em muitas obras características do estilo rococó.
* A presença dos jesuítas teve inicialmente um papel importante na disseminação do estilo
no Brasil, contribuindo com a formação da mao-de-obra para a execução das obras.
Posteriormente, outras ordens religiosas e também as ordens leigas serão responsáveis
também pelas encomendas das obras barrocas. A mao-de-obra passa a ser então
constituída por negros libertos, indígenas e mestiços, que começavam como aprendizes
dos Mestres.
* O barroco brasileiro foi diretamente influenciado pelo barroco português, porém, com
o tempo, foi assumindo características próprias. Os artesãos passavam a espelhar nas
obras a sua própria realidade:
- os santos e personagens religiosos ganham feições mais brasileiras, a pele mais morena
ou mesmo traços indígenas;
- a simbologia vai ser adaptada para o uso de elementos da fauna e flora locais;
- as cores tornam-se mais vivas e vibrantes, por influência da cultura popular, deixando
os tons mais escuros do barroco europeu.
* Este barroco tipicamente brasileiro surge com força em Minas Gerais, onde pode-se
dizer que o barroco tem seu auge. Com a riqueza do ciclo do ouro e uma maior liberdade
de criação, os artistas mineiros criam este estilo nacional.
* Vale lembrar que, nesta época, mesmo nas cidades mais ricas, o ambiente cultural ainda
era bastante restrito, especialmente no que se refere ao consumo de imagens – estas se
limitavam praticamente à produção para as igrejas. Nos outros ambientes, havia as obras
públicas; a arte dos retratos, para as famílias mais ricas...
* O principal representante do barroco mineiro foi o escultor e arquiteto Antônio
Francisco de Lisboa, conhecido como Aleijadinho. Suas obras apresentam um forte
caráter religioso e eram feitas em madeira e pedra-sabão, os principais materiais usados
pelos artistas barrocos do Brasil. São obras mais conhecidas deste artista: Os Doze
Profetas e Os Passos da Paixão, na Igreja de Bom Jesus de Matozinhos, em Congonhas
do Campo (MG).
* Outros artistas importantes do barroco brasileiro foram: o pintor mineiro Manuel da
Costa Ataíde (Mestre Ataíde) e o escultor carioca Mestre Valentim.
* No Rio de Janeiro havia uma tendência a uma arte mais tradicional, seguindo mais de
perto o estilo português. As obras de Mestre Valentim ainda estão presentes aqui bem
próximas de nós, como o Passeio Público, de 1779-1785 e Chafariz da Pirâmide, de 1789.
* Na pintura, destaca-se o uso da perspectiva e de vários artifícios técnicos para se
provocar o efeito de profundidade nas pinturas de teto. Foi bastante explorada a ilusão de
que a arquitetura seguia indefinidamente para o alto, projetada na pintura, e de que o teto
se abria, revelando o céu e os personagens celestes e do clero, que olhavam para a plateia
abaixo.
* Outro recurso muito usado no barroco será a talha – um relevo decorado que é aplicado
sobre a arquitetura: nas colunas, paredes, nas diversas superfícies do altar. Aplicava-se
folhas de ouro sobre o trabalho de madeira. Utilizava-se também a pintura para reproduzir
materiais que às vezes estavam indisponíveis, como o mármore.
* Imaginamos o efeito que o ambiente barroco, como um todo, produzia nos espectadores,
considerando a pouca ou nenhuma experiência que vivenciavam com imagens... e
associando aos conceitos da época, ao temor religioso, à iluminação de velas que
reforçava o jogo barroco de luz e sombra... deveria ser algo bastante impactante!
* O estilo rococó trará uma maior leveza aos espaços, com um menor número de
elementos decorativos e uma maior harmonia entre as formas e o espaço. Considerado a
partir de determinado momento como um estilo mais ‘elegante’, será bastante utilizado
na parte final do século XVIII. É curioso observar que, como as igrejas eram de
construção demorada, muitas vezes em um mesmo prédio observamos capelas laterais
que destoam do estilo do altar principal, ou seja, já expressam o novo gosto do período
em que foram finalizadas.
* Voltando ao barroco, podemos dizer que as outras características formais, as quais
vimos no barroco europeu, mantêm-se presentes: expressões e gestos dramáticos,
predominância das linhas e formas curvas, tendência maior à movimentação, presença de
muitos elementos decorativos, forte contraste entre áreas de luz e sombra, dentre outros.
Parte do texto foi adaptada de material retirado do site Enciclopédia Itaú Cultural.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Trabalho sobre aleijadinho
Trabalho sobre aleijadinhoTrabalho sobre aleijadinho
Trabalho sobre aleijadinho
LuisaIOAraujo
 
Manoel da costa ataíde
Manoel da costa ataídeManoel da costa ataíde
Manoel da costa ataíde
milenabcoelho
 
O barroco no brasil
O barroco no brasilO barroco no brasil
O barroco no brasil
CEF16
 

Mais procurados (20)

Estilo neoclássico e missão francesa
Estilo neoclássico e missão francesaEstilo neoclássico e missão francesa
Estilo neoclássico e missão francesa
 
Arte medieval paleocristao e bizantino 7o ano 2014
Arte medieval   paleocristao e bizantino 7o ano 2014Arte medieval   paleocristao e bizantino 7o ano 2014
Arte medieval paleocristao e bizantino 7o ano 2014
 
Arte colonial brasileira
Arte colonial brasileiraArte colonial brasileira
Arte colonial brasileira
 
8o ano 2015 - 2o trim - Barroco x classico
8o ano 2015 - 2o trim - Barroco x classico8o ano 2015 - 2o trim - Barroco x classico
8o ano 2015 - 2o trim - Barroco x classico
 
Academia no Brasil - 8o ano
Academia no Brasil - 8o anoAcademia no Brasil - 8o ano
Academia no Brasil - 8o ano
 
Barroco no brasil
Barroco no brasilBarroco no brasil
Barroco no brasil
 
Arte no Brasil Colonial
Arte no Brasil ColonialArte no Brasil Colonial
Arte no Brasil Colonial
 
Barroco mineiro
Barroco mineiroBarroco mineiro
Barroco mineiro
 
A cultura-do-salão
A cultura-do-salãoA cultura-do-salão
A cultura-do-salão
 
Arte Barroca
Arte BarrocaArte Barroca
Arte Barroca
 
Arte colonial e rococó
Arte colonial  e rococóArte colonial  e rococó
Arte colonial e rococó
 
Arte popular brasileira 6o ano 2017
Arte popular brasileira 6o ano 2017Arte popular brasileira 6o ano 2017
Arte popular brasileira 6o ano 2017
 
Revisão - História da Arte Brasileira
Revisão - História da Arte BrasileiraRevisão - História da Arte Brasileira
Revisão - História da Arte Brasileira
 
Barroco no brasil
Barroco no brasilBarroco no brasil
Barroco no brasil
 
Barroco no brasil
Barroco no brasilBarroco no brasil
Barroco no brasil
 
Antonio francisco lisboa aleijadinho
Antonio francisco lisboa      aleijadinhoAntonio francisco lisboa      aleijadinho
Antonio francisco lisboa aleijadinho
 
Trabalho sobre aleijadinho
Trabalho sobre aleijadinhoTrabalho sobre aleijadinho
Trabalho sobre aleijadinho
 
Manoel da costa ataíde
Manoel da costa ataídeManoel da costa ataíde
Manoel da costa ataíde
 
Trabalho Artes
Trabalho ArtesTrabalho Artes
Trabalho Artes
 
O barroco no brasil
O barroco no brasilO barroco no brasil
O barroco no brasil
 

Semelhante a Apostila barroco no Brasil 8o ano 2019

Arquitetura Brasileira
Arquitetura BrasileiraArquitetura Brasileira
Arquitetura Brasileira
CEF16
 
Aula 04 barroco-e_rococo
Aula 04 barroco-e_rococoAula 04 barroco-e_rococo
Aula 04 barroco-e_rococo
Marcio Duarte
 
História da arte brasileira
História da arte brasileiraHistória da arte brasileira
História da arte brasileira
Emilha Souza
 

Semelhante a Apostila barroco no Brasil 8o ano 2019 (20)

Barroco
BarrocoBarroco
Barroco
 
Arte 2 médio slide
Arte 2 médio   slideArte 2 médio   slide
Arte 2 médio slide
 
O Barroco Mineiro
O Barroco MineiroO Barroco Mineiro
O Barroco Mineiro
 
BARROCO NO BRASIL
BARROCO NO BRASILBARROCO NO BRASIL
BARROCO NO BRASIL
 
Arquitetura Brasileira
Arquitetura BrasileiraArquitetura Brasileira
Arquitetura Brasileira
 
Aula 04 barroco-e_rococo
Aula 04 barroco-e_rococoAula 04 barroco-e_rococo
Aula 04 barroco-e_rococo
 
Apresentação artes visuais – arte brasileira
Apresentação   artes visuais – arte brasileiraApresentação   artes visuais – arte brasileira
Apresentação artes visuais – arte brasileira
 
Barroco em Pernambuco
Barroco em PernambucoBarroco em Pernambuco
Barroco em Pernambuco
 
Riqueza cultural brasileira_e_pelot
Riqueza cultural brasileira_e_pelotRiqueza cultural brasileira_e_pelot
Riqueza cultural brasileira_e_pelot
 
O barroco no brasil
O barroco no brasilO barroco no brasil
O barroco no brasil
 
História da arte no Brasil
História da arte no BrasilHistória da arte no Brasil
História da arte no Brasil
 
Texto Barroco e Rococó no Brasil.pdf
Texto Barroco e Rococó no Brasil.pdfTexto Barroco e Rococó no Brasil.pdf
Texto Barroco e Rococó no Brasil.pdf
 
Art History Thesis XL- ARTE PARA SLIDE A
Art History Thesis XL- ARTE PARA SLIDE AArt History Thesis XL- ARTE PARA SLIDE A
Art History Thesis XL- ARTE PARA SLIDE A
 
História da arte brasileira
História da arte brasileiraHistória da arte brasileira
História da arte brasileira
 
Arte Barroca no Brasil
Arte Barroca no BrasilArte Barroca no Brasil
Arte Barroca no Brasil
 
Arte e cultura
Arte e culturaArte e cultura
Arte e cultura
 
Arte barroca
Arte barrocaArte barroca
Arte barroca
 
Barroco em Minas Gerais
Barroco em Minas GeraisBarroco em Minas Gerais
Barroco em Minas Gerais
 
ARTE BARROCA NO BRASIL.pdf
ARTE BARROCA NO BRASIL.pdfARTE BARROCA NO BRASIL.pdf
ARTE BARROCA NO BRASIL.pdf
 
Revisão barroco
Revisão barrocoRevisão barroco
Revisão barroco
 

Mais de Colégio Pedro II - Campus Centro

Mais de Colégio Pedro II - Campus Centro (20)

Arte popular brasileira 6o ano 2017
Arte popular brasileira 6o ano 2017Arte popular brasileira 6o ano 2017
Arte popular brasileira 6o ano 2017
 
Arte popular
Arte popularArte popular
Arte popular
 
Apostila cor 6o ano 2019
Apostila cor 6o ano 2019Apostila cor 6o ano 2019
Apostila cor 6o ano 2019
 
Cores colagens matisse
Cores   colagens matisseCores   colagens matisse
Cores colagens matisse
 
Arte medieval paleocristao e bizantino 2015
Arte medieval   paleocristao e bizantino 2015Arte medieval   paleocristao e bizantino 2015
Arte medieval paleocristao e bizantino 2015
 
Topicos arte paleocristao e bizantino
Topicos arte paleocristao e bizantinoTopicos arte paleocristao e bizantino
Topicos arte paleocristao e bizantino
 
Arte medieval topicos
Arte medieval topicosArte medieval topicos
Arte medieval topicos
 
Apostila cor 7o ano 2019
Apostila cor 7o ano 2019Apostila cor 7o ano 2019
Apostila cor 7o ano 2019
 
Barroco no brasil aleijadinho 2017 3
Barroco no brasil   aleijadinho 2017 3Barroco no brasil   aleijadinho 2017 3
Barroco no brasil aleijadinho 2017 3
 
Arte barroca Brasil x Europa (2)
Arte barroca   Brasil x Europa (2)Arte barroca   Brasil x Europa (2)
Arte barroca Brasil x Europa (2)
 
Arte no Brasil colonial fase inicial 8o ano 2019
Arte no Brasil colonial fase inicial 8o ano 2019Arte no Brasil colonial fase inicial 8o ano 2019
Arte no Brasil colonial fase inicial 8o ano 2019
 
8o ano 2019 Apostila arte no Brasil colonial
8o ano 2019 Apostila arte no Brasil colonial 8o ano 2019 Apostila arte no Brasil colonial
8o ano 2019 Apostila arte no Brasil colonial
 
cultura indígena
cultura indígenacultura indígena
cultura indígena
 
Renascimento parte 1
Renascimento parte 1Renascimento parte 1
Renascimento parte 1
 
Arte rupestre e indigena esculturas
Arte rupestre e indigena   esculturasArte rupestre e indigena   esculturas
Arte rupestre e indigena esculturas
 
Arte rupestre 2 6o ano 2018
Arte rupestre 2   6o ano 2018Arte rupestre 2   6o ano 2018
Arte rupestre 2 6o ano 2018
 
Arte rupestre 1 6o ano 2018
Arte rupestre 1   6o ano 2018Arte rupestre 1   6o ano 2018
Arte rupestre 1 6o ano 2018
 
Renascimento parte 2
Renascimento parte 2Renascimento parte 2
Renascimento parte 2
 
Renascimento parte 1
Renascimento parte 1Renascimento parte 1
Renascimento parte 1
 
Arte greco romana - esculturas
Arte greco romana - esculturasArte greco romana - esculturas
Arte greco romana - esculturas
 

Último

GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdfGRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
rarakey779
 
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importânciaclubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
LuanaAlves940822
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Pastor Robson Colaço
 

Último (20)

Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
 
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
 
Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anos
Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anosFotossíntese para o Ensino médio primeiros anos
Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anos
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
 
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdfGRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
 
Poema - Reciclar é preciso
Poema            -        Reciclar é precisoPoema            -        Reciclar é preciso
Poema - Reciclar é preciso
 
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docxAtividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
 
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/AcumuladorRecurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
 
Atividade com a música Xote da Alegria - Falamansa
Atividade com a música Xote  da  Alegria    -   FalamansaAtividade com a música Xote  da  Alegria    -   Falamansa
Atividade com a música Xote da Alegria - Falamansa
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfExercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número
 
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importânciaclubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
 
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
 
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptxAULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
 

Apostila barroco no Brasil 8o ano 2019

  • 1. Colégio Pedro II Artes Visuais Professoras: Rosiane Dourado e Tatiana Caldeira Aluno(a): ____________________________________________N:____ Turma: ______ TÓPICOS SOBRE A ARTE BARROCA NO BRASIL * No Brasil, a arte barroca se desenvolve muito ligada à Igreja, ou seja, é uma essencialmente religiosa. As obras sacras – pinturas, esculturas e arquitetura – expressam com maior riqueza as características do estilo no Brasil, bem como revelam o surgime nto de um estilo nacional, com características tipicamente brasileiras. Observamos também em muitas obras características do estilo rococó. * A presença dos jesuítas teve inicialmente um papel importante na disseminação do estilo no Brasil, contribuindo com a formação da mao-de-obra para a execução das obras. Posteriormente, outras ordens religiosas e também as ordens leigas serão responsáveis também pelas encomendas das obras barrocas. A mao-de-obra passa a ser então constituída por negros libertos, indígenas e mestiços, que começavam como aprendizes dos Mestres. * O barroco brasileiro foi diretamente influenciado pelo barroco português, porém, com o tempo, foi assumindo características próprias. Os artesãos passavam a espelhar nas obras a sua própria realidade: - os santos e personagens religiosos ganham feições mais brasileiras, a pele mais morena ou mesmo traços indígenas; - a simbologia vai ser adaptada para o uso de elementos da fauna e flora locais; - as cores tornam-se mais vivas e vibrantes, por influência da cultura popular, deixando os tons mais escuros do barroco europeu. * Este barroco tipicamente brasileiro surge com força em Minas Gerais, onde pode-se dizer que o barroco tem seu auge. Com a riqueza do ciclo do ouro e uma maior liberdade de criação, os artistas mineiros criam este estilo nacional. * Vale lembrar que, nesta época, mesmo nas cidades mais ricas, o ambiente cultural ainda era bastante restrito, especialmente no que se refere ao consumo de imagens – estas se limitavam praticamente à produção para as igrejas. Nos outros ambientes, havia as obras públicas; a arte dos retratos, para as famílias mais ricas... * O principal representante do barroco mineiro foi o escultor e arquiteto Antônio Francisco de Lisboa, conhecido como Aleijadinho. Suas obras apresentam um forte caráter religioso e eram feitas em madeira e pedra-sabão, os principais materiais usados pelos artistas barrocos do Brasil. São obras mais conhecidas deste artista: Os Doze Profetas e Os Passos da Paixão, na Igreja de Bom Jesus de Matozinhos, em Congonhas do Campo (MG). * Outros artistas importantes do barroco brasileiro foram: o pintor mineiro Manuel da Costa Ataíde (Mestre Ataíde) e o escultor carioca Mestre Valentim.
  • 2. * No Rio de Janeiro havia uma tendência a uma arte mais tradicional, seguindo mais de perto o estilo português. As obras de Mestre Valentim ainda estão presentes aqui bem próximas de nós, como o Passeio Público, de 1779-1785 e Chafariz da Pirâmide, de 1789. * Na pintura, destaca-se o uso da perspectiva e de vários artifícios técnicos para se provocar o efeito de profundidade nas pinturas de teto. Foi bastante explorada a ilusão de que a arquitetura seguia indefinidamente para o alto, projetada na pintura, e de que o teto se abria, revelando o céu e os personagens celestes e do clero, que olhavam para a plateia abaixo. * Outro recurso muito usado no barroco será a talha – um relevo decorado que é aplicado sobre a arquitetura: nas colunas, paredes, nas diversas superfícies do altar. Aplicava-se folhas de ouro sobre o trabalho de madeira. Utilizava-se também a pintura para reproduzir materiais que às vezes estavam indisponíveis, como o mármore. * Imaginamos o efeito que o ambiente barroco, como um todo, produzia nos espectadores, considerando a pouca ou nenhuma experiência que vivenciavam com imagens... e associando aos conceitos da época, ao temor religioso, à iluminação de velas que reforçava o jogo barroco de luz e sombra... deveria ser algo bastante impactante! * O estilo rococó trará uma maior leveza aos espaços, com um menor número de elementos decorativos e uma maior harmonia entre as formas e o espaço. Considerado a partir de determinado momento como um estilo mais ‘elegante’, será bastante utilizado na parte final do século XVIII. É curioso observar que, como as igrejas eram de construção demorada, muitas vezes em um mesmo prédio observamos capelas laterais que destoam do estilo do altar principal, ou seja, já expressam o novo gosto do período em que foram finalizadas. * Voltando ao barroco, podemos dizer que as outras características formais, as quais vimos no barroco europeu, mantêm-se presentes: expressões e gestos dramáticos, predominância das linhas e formas curvas, tendência maior à movimentação, presença de muitos elementos decorativos, forte contraste entre áreas de luz e sombra, dentre outros. Parte do texto foi adaptada de material retirado do site Enciclopédia Itaú Cultural.