SlideShare uma empresa Scribd logo
O BARROCO NO BRASILProfª Luzia de FatimaLayolaEE. Paulo Freire - 2011
O Barroco, no Brasil, foi introduzido no início do século XVII pelos missionárioscatólicos, especialmente jesuítas, que trouxeram o novo estilo como instrumento de doutrinação cristã. O poema épico Prosopopéia (1601), de Bento Teixeira, é um dos seus marcos iniciais. Atingiu o seu apogeu na literatura com o poeta Gregório de Matos e com o orador sacro Padre Antônio Vieira, e nas artes plásticas seus maiores expoentes foram Aleijadinho, na escultura, e Mestre Ataíde, na pintura. No campo daarquitetura esta escola floresceu notavelmente no Nordeste, mas com grandes exemplos também no centro do país, em Minas Gerais, Goiás e Rio de Janeiro. Na música, ao contrário das outras artes, sobrevivem poucos mas belos documentos do barroco tardio. Com o desenvolvimento do neoclassicismo a partir das primeiras décadas doséculo XIX a tradição barroca, que teve uma trajetória de enorme vigor no Brasil e foi considerada o estilo nacional por excelência, caiu progressivamente em desuso, mas traços dela seriam encontrados em diversas modalidades de arte até os primeiros anos do século XX.
            A PROSA BARROCA BRASILEIRAPADRE ANTÔNIO VIEIRAnasceu em Lisboa, em 1608, chegou ao Brasil e se instalou em Salvador,iniciando seu noviciado na Companhia de Jesus.Efetivou uma política de defesa dos cristãos novos, procurando protegê-los da Inquisição em Portugal. Sua extensa obra reflete seu envolvimento nos debates sociais e políticos de Portugal e do Brasil no século XVII. Os sermões e cartas, além de temas especificamente religiosos também manifestam questões polêmicas da época como: a luta pela independência portuguesa,, o confronto com holandeses no nordeste, a escravidão índia e negra, a defesa dos judeus e cristãos-novos contra a intolerância da Inquisição. OBRAS:CARTAS E SERMÕES .
O BARROCO MINEIROIncentivado pela descoberta do ouro, estende-se por todo o país o gosto pelo barroco. Enquanto a Europa começava a desenvolver o Neoclassicismo, no século XVIII a arte colonial mineira não absorvia as mudanças e mantinha um barroco tardio e, por sua defasagem com o resto do mundo, tinha suas características singulares.Minas Gerais, sendo um estado do Interior do Brasil, sofria as dificuldades de importação de materiais e técnicas construtivas. Estas características deram ao barroco mineiro um caráter peculiar e possibilitaram a criação de uma arte diferenciada, regionalista. Muitos artistas trabalharam com as condições materiais da região, adaptando a arte ao modo de vida. Antônio Francisco Lisboa, o Aleijadinho, e Manuel da Costa Ataíde simbolizam claramente esta arte adaptada ao ambiente de um país tropical, ligando sua arte aos recursos e valores regionais. Ao trabalhar na Igreja de São Francisco de Assis, Aleijadinho substitui o mármore europeu pela pedra-sabão, Ataíde se baseia no "azulejo português" para criar suas pinturas. Absorvendo estes aspectos, o barroco desenvolvido em Minas Gerais ganha expressão particular no contexto brasileiro, firmando-se como um barroco peculiar, chamado de Barroco Mineiro.Um exemplo clássico, que pode ser usado no estudo do Barroco Mineiro, são as igrejas mineiras construidas neste período que vai de 1710 a 1760.
Antônio Francisco Lisboamais conhecido como Aleijadinho, (Ouro Preto, c. 29 de agosto de 1730 ou, mais provavelmente, 1738 — Ouro Preto, 18 de novembro de 1814) foi um importante escultor, entalhador e arquiteto do Brasil colonial.
.Antônio Francisco Lisboa, mais conhecido como Aleijadinho foi um escultor, entalhador, desenhista e arquiteto brasileiro.É considerado o maior expoente do estilo barroco nas Minas Gerais (barroco mineiro) e das artes plásticas no Brasil, não só à época, mas durante o período colonial.Embora não haja registros oficiais, acredita-se que tenha nascido em Vila Rica (hoje Ouro Preto), em Minas Gerais, filho do mestre-de-obras português, Manuel Francisco da Costa Lisboa, com uma escrava africana.A sua obra compreende desde imagens em madeira e pedra-sabão, matéria-prima típicamente brasileira, até igrejas. Suas obras são as mais representativas do Brasil colonial, com características do rococó e dos estilos clássico e gótico.Com aproximadamente quarenta anos de idade começou a desenvolver uma doença degenerativa dos membros (não se sabe ao certo se porfiria, lepra, escorbuto, reumatismo deformante ou sífilis), que lhe comprometeu gradativamente os movimentos das mãos. Para poder trabalhar, um ajudante amarrava-lhe as ferramentas aos membros. Dessa anomalia em seu corpo causada doença veio seu apelido, Aleijadinho.Morreu pobre, em 1814, mas até hoje suas obras estão aqui para contar os mistérios e a vida das pessoas de Minas da época colonial.Tem todas as características de ter sido iniciado na Maçonaria. Sua simbologia magistral, nos pórticos das Igrejas e nos altares, mostra, para os que a essa Ordem pertencem, que estão diante da obra de um maçom de alto grau.
Igreja de São Francisco de Assis em São João del-Rei, projeto de Aleijadinho modificado por Cerqueira
Anjo com o cálice da Paixão, na Via Sacra de Congonhas
Nossa Senhora das Dores, tradicionalmente atribuída a Aleijadinho. Museu de Arte Sacra de São Paulo
Detalhe de Ouro Preto, com a Igreja do Carmo, projeto em parte de Aleijadinho
O Santuário de Bom Jesus de Matosinhos é um conjunto arquitetônico e paisagístico formado por uma basílica, um adro com esculturas de Doze Profetas feitas por Aleijadinho e seis capelas com cenas da Paixão de Cristo. O santuário está localizado no morro do Maranhão, no município brasileiro de Congonhas, estado de Minas Gerais.O conjunto foi construído em várias etapas, nos séculos XVIII e XIX,[1][2] por vários mestres, artesãos e pintores, como Antônio Francisco Lisboa, o Aleijadinho, e Manuel da Costa Ataíde.Tombado pelo SPHAN, atual IPHAN, em 1939, como patrimônio histórico nacional, foi considerado Patrimônio Mundial da Unesco em 1985.
Frente da Basílica.
BARROCO NO BRASIL
Manuel da Costa AtaídeMais conhecido como Mestre Ataíde, (Mariana, 18 de outubro de 1762 – idem, 2 de fevereiro de 1830), foi um pintor, dourador, encarnador, entalhador e professorbrasileiro.Foi um importante artista do barrocomineiro e teve uma grande influência sobre os pintores da sua região, através de numerosos alunos e seguidores, os quais, até à metade do século XIX, continuaram a fazer uso de seu método de composição, particularmente em trabalhos de perspectiva no teto de igrejas. Documentos da época fazem freqüentemente referências a ele como professor de pintura. Em 1818, Ataíde tentou, sem sucesso, obter permissão oficial para fundar uma escola de arte em Mariana, sua cidade natal.
Pintado por Mestre Ataíde ao longo de 10 anos, o forro da nave da Igreja de São Francisco de Assis, em Ouro
Anjos músicos do mestre Ataide, na igreja de São  Francisco, em Ouro Preto
No Brasil, a arquitetura religiosa foi o maior expoente da arte barroca. As igrejas eram maravilhosamente decoradas com entalhes em madeira cobertos de ouro, teto pintado com cenas biblicas, esculturas de santos, altares com anjos, colunas, flores e muitos outros elementos decorativos.
FONTES  DE PESQUISAhttp://www.vidaslusofonas.pt/aleijadinho.htmhttp://www.youtube.comWIKIPEDIA;GOOGLE IMAGENS8º Anos A/B Matutino

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Romantismo no Brasil - 1ª geração
Romantismo no Brasil - 1ª geraçãoRomantismo no Brasil - 1ª geração
Romantismo no Brasil - 1ª geração
Quezia Neves
 
Arte - Realismo
Arte - RealismoArte - Realismo
Arte - Realismo
Maiara Giordani
 
Arcadismo
Arcadismo Arcadismo
Arcadismo
Slides de Tudo
 
Barroco
Barroco   Barroco
Barroco contexto e caract
Barroco   contexto e caractBarroco   contexto e caract
Barroco contexto e caract
Helena Coutinho
 
Arte Barroca no Brasil
Arte Barroca no BrasilArte Barroca no Brasil
Arte Barroca no Brasil
Andrea Dressler
 
História da Arte - Barroco
História da Arte - BarrocoHistória da Arte - Barroco
História da Arte - Barroco
Maiara Giordani
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
Agatha Abreu
 
Semana de arte moderna
Semana de arte modernaSemana de arte moderna
Semana de arte moderna
Ana Batista
 
Realismo em portugal
Realismo em portugalRealismo em portugal
Realismo em portugal
Wallinhas Souza
 
Barroco no Brasil
Barroco no BrasilBarroco no Brasil
Barroco no Brasil
Diego Barcelar
 
Arcadismo no Brasil
Arcadismo no BrasilArcadismo no Brasil
Arcadismo no Brasil
Bruna Wagner
 
Conhecendo a arte barroca
Conhecendo a arte barrocaConhecendo a arte barroca
Conhecendo a arte barroca
Tereza Honoria
 
3ª fase do modernismo blog
3ª fase do modernismo blog3ª fase do modernismo blog
3ª fase do modernismo blog
Luciene Gomes
 
Teatro brasileiro
Teatro brasileiroTeatro brasileiro
Teatro brasileiro
VIVIAN TROMBINI
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
Lucas Queiroz
 
Segunda geração modernista
Segunda geração modernistaSegunda geração modernista
Segunda geração modernista
Andrieli Muhl
 
Barroco literatura
Barroco literatura Barroco literatura
Barroco literatura
91118538
 
Arcadismo
ArcadismoArcadismo
Arcadismo
Mara Virginia
 
Ultrarromantismo
UltrarromantismoUltrarromantismo

Mais procurados (20)

Romantismo no Brasil - 1ª geração
Romantismo no Brasil - 1ª geraçãoRomantismo no Brasil - 1ª geração
Romantismo no Brasil - 1ª geração
 
Arte - Realismo
Arte - RealismoArte - Realismo
Arte - Realismo
 
Arcadismo
Arcadismo Arcadismo
Arcadismo
 
Barroco
Barroco   Barroco
Barroco
 
Barroco contexto e caract
Barroco   contexto e caractBarroco   contexto e caract
Barroco contexto e caract
 
Arte Barroca no Brasil
Arte Barroca no BrasilArte Barroca no Brasil
Arte Barroca no Brasil
 
História da Arte - Barroco
História da Arte - BarrocoHistória da Arte - Barroco
História da Arte - Barroco
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Semana de arte moderna
Semana de arte modernaSemana de arte moderna
Semana de arte moderna
 
Realismo em portugal
Realismo em portugalRealismo em portugal
Realismo em portugal
 
Barroco no Brasil
Barroco no BrasilBarroco no Brasil
Barroco no Brasil
 
Arcadismo no Brasil
Arcadismo no BrasilArcadismo no Brasil
Arcadismo no Brasil
 
Conhecendo a arte barroca
Conhecendo a arte barrocaConhecendo a arte barroca
Conhecendo a arte barroca
 
3ª fase do modernismo blog
3ª fase do modernismo blog3ª fase do modernismo blog
3ª fase do modernismo blog
 
Teatro brasileiro
Teatro brasileiroTeatro brasileiro
Teatro brasileiro
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Segunda geração modernista
Segunda geração modernistaSegunda geração modernista
Segunda geração modernista
 
Barroco literatura
Barroco literatura Barroco literatura
Barroco literatura
 
Arcadismo
ArcadismoArcadismo
Arcadismo
 
Ultrarromantismo
UltrarromantismoUltrarromantismo
Ultrarromantismo
 

Semelhante a BARROCO NO BRASIL

Barroco
BarrocoBarroco
8o Ano- Aleijadinho
8o Ano- Aleijadinho8o Ano- Aleijadinho
8o Ano- Aleijadinho
ArtesElisa
 
O barroco no brasil
O barroco no brasilO barroco no brasil
O barroco no brasil
julianne
 
O Barroco Mineiro
O Barroco MineiroO Barroco Mineiro
O Barroco Mineiro
richard_romancini
 
O ouro e o barroco
O ouro e o barrocoO ouro e o barroco
Barroco em Pernambuco
Barroco em PernambucoBarroco em Pernambuco
Barroco em Pernambuco
José Emílio
 
Texto Barroco e Rococó no Brasil.pdf
Texto Barroco e Rococó no Brasil.pdfTexto Barroco e Rococó no Brasil.pdf
Texto Barroco e Rococó no Brasil.pdf
GABRIELICARMO
 
Arte colonial e rococó
Arte colonial  e rococóArte colonial  e rococó
Arte colonial e rococó
Claudio Bastos
 
Arte colonial brasileira
Arte colonial brasileiraArte colonial brasileira
Arte colonial brasileira
CEF16
 
História da arte no Brasil
História da arte no BrasilHistória da arte no Brasil
História da arte no Brasil
Centro Educacional Cuca Fresca
 
ARTE BRASILEIRA
ARTE BRASILEIRAARTE BRASILEIRA
Arte barroca
Arte barrocaArte barroca
Arte barroca
suelytanaami
 
Aula 5 art em
Aula 5   art emAula 5   art em
Aula 5 art em
Walney M.F
 
A escultura portuguesa de frei cipriano da cruz a soares dos reis
A escultura portuguesa de frei cipriano da cruz a soares dos reisA escultura portuguesa de frei cipriano da cruz a soares dos reis
A escultura portuguesa de frei cipriano da cruz a soares dos reis
António Silva
 
Barroco no Brasil 8 ano
Barroco no Brasil 8 anoBarroco no Brasil 8 ano
Barroco no Brasil 8 ano
CLEBER LUIS DAMACENO
 
Música colonial brasileira artes ii
Música colonial brasileira   artes iiMúsica colonial brasileira   artes ii
Música colonial brasileira artes ii
Adriane Dantas
 
7ºano.pdfslideshare
7ºano.pdfslideshare7ºano.pdfslideshare
7ºano.pdfslideshare
Dulcinea Lisboa Passos
 
A arte barroca da bahia
A arte barroca da bahiaA arte barroca da bahia
A arte barroca da bahia
mirandakika
 
Barroco mineiro
Barroco mineiroBarroco mineiro
Barroco mineiro
Bruce Portes
 
Antonio francisco lisboa aleijadinho
Antonio francisco lisboa      aleijadinhoAntonio francisco lisboa      aleijadinho
Antonio francisco lisboa aleijadinho
Bernadete Professora
 

Semelhante a BARROCO NO BRASIL (20)

Barroco
BarrocoBarroco
Barroco
 
8o Ano- Aleijadinho
8o Ano- Aleijadinho8o Ano- Aleijadinho
8o Ano- Aleijadinho
 
O barroco no brasil
O barroco no brasilO barroco no brasil
O barroco no brasil
 
O Barroco Mineiro
O Barroco MineiroO Barroco Mineiro
O Barroco Mineiro
 
O ouro e o barroco
O ouro e o barrocoO ouro e o barroco
O ouro e o barroco
 
Barroco em Pernambuco
Barroco em PernambucoBarroco em Pernambuco
Barroco em Pernambuco
 
Texto Barroco e Rococó no Brasil.pdf
Texto Barroco e Rococó no Brasil.pdfTexto Barroco e Rococó no Brasil.pdf
Texto Barroco e Rococó no Brasil.pdf
 
Arte colonial e rococó
Arte colonial  e rococóArte colonial  e rococó
Arte colonial e rococó
 
Arte colonial brasileira
Arte colonial brasileiraArte colonial brasileira
Arte colonial brasileira
 
História da arte no Brasil
História da arte no BrasilHistória da arte no Brasil
História da arte no Brasil
 
ARTE BRASILEIRA
ARTE BRASILEIRAARTE BRASILEIRA
ARTE BRASILEIRA
 
Arte barroca
Arte barrocaArte barroca
Arte barroca
 
Aula 5 art em
Aula 5   art emAula 5   art em
Aula 5 art em
 
A escultura portuguesa de frei cipriano da cruz a soares dos reis
A escultura portuguesa de frei cipriano da cruz a soares dos reisA escultura portuguesa de frei cipriano da cruz a soares dos reis
A escultura portuguesa de frei cipriano da cruz a soares dos reis
 
Barroco no Brasil 8 ano
Barroco no Brasil 8 anoBarroco no Brasil 8 ano
Barroco no Brasil 8 ano
 
Música colonial brasileira artes ii
Música colonial brasileira   artes iiMúsica colonial brasileira   artes ii
Música colonial brasileira artes ii
 
7ºano.pdfslideshare
7ºano.pdfslideshare7ºano.pdfslideshare
7ºano.pdfslideshare
 
A arte barroca da bahia
A arte barroca da bahiaA arte barroca da bahia
A arte barroca da bahia
 
Barroco mineiro
Barroco mineiroBarroco mineiro
Barroco mineiro
 
Antonio francisco lisboa aleijadinho
Antonio francisco lisboa      aleijadinhoAntonio francisco lisboa      aleijadinho
Antonio francisco lisboa aleijadinho
 

Mais de Luzia de Fatima LayolaNunes

O rato do campo e o rato da cidade
O rato do campo e o rato da cidadeO rato do campo e o rato da cidade
O rato do campo e o rato da cidade
Luzia de Fatima LayolaNunes
 
A JOANINHA QUE PERDEU AS PINTINHAS.
A JOANINHA QUE PERDEU AS PINTINHAS.A JOANINHA QUE PERDEU AS PINTINHAS.
A JOANINHA QUE PERDEU AS PINTINHAS.
Luzia de Fatima LayolaNunes
 
Patinho Feio
Patinho Feio Patinho Feio
A pipa e a flor .
A pipa e a flor .A pipa e a flor .
A pipa e a flor .
Luzia de Fatima LayolaNunes
 
Atividade 7.2 - 7.3 -7.4 e 7.5
Atividade 7.2 - 7.3 -7.4 e 7.5Atividade 7.2 - 7.3 -7.4 e 7.5
Atividade 7.2 - 7.3 -7.4 e 7.5
Luzia de Fatima LayolaNunes
 
Atividade 7.1
Atividade 7.1Atividade 7.1
Projeto:"UMA CARTINHA PARA O PAPAI NOEL"
Projeto:"UMA CARTINHA PARA O PAPAI NOEL"Projeto:"UMA CARTINHA PARA O PAPAI NOEL"
Projeto:"UMA CARTINHA PARA O PAPAI NOEL"
Luzia de Fatima LayolaNunes
 
Consciência Negra
Consciência NegraConsciência Negra
Consciência Negra
Luzia de Fatima LayolaNunes
 
Projeto música
Projeto músicaProjeto música
Projeto Arco iris
Projeto Arco irisProjeto Arco iris
Projeto Arco iris
Luzia de Fatima LayolaNunes
 
Projeto música
Projeto músicaProjeto música
Projeto "RESGATANDO RAIZES"
Projeto "RESGATANDO RAIZES"Projeto "RESGATANDO RAIZES"
Projeto "RESGATANDO RAIZES"
Luzia de Fatima LayolaNunes
 
DIVISÃO MATO GROSSO E MATO GROSSO DO SUL
DIVISÃO MATO GROSSO E MATO GROSSO DO SULDIVISÃO MATO GROSSO E MATO GROSSO DO SUL
DIVISÃO MATO GROSSO E MATO GROSSO DO SUL
Luzia de Fatima LayolaNunes
 
Ativ_1_5 - Mapa Conceitual
  Ativ_1_5   - Mapa Conceitual  Ativ_1_5   - Mapa Conceitual
Ativ_1_5 - Mapa Conceitual
Luzia de Fatima LayolaNunes
 
Ativ1.4 luzzia
Ativ1.4 luzziaAtiv1.4 luzzia
Não existe povos sem cultura nem povos
Não existe povos sem cultura nem povosNão existe povos sem cultura nem povos
Não existe povos sem cultura nem povos
Luzia de Fatima LayolaNunes
 
Via sacra
Via sacraVia sacra
Via sacra
Via sacraVia sacra
Páscoa
PáscoaPáscoa

Mais de Luzia de Fatima LayolaNunes (20)

O rato do campo e o rato da cidade
O rato do campo e o rato da cidadeO rato do campo e o rato da cidade
O rato do campo e o rato da cidade
 
A JOANINHA QUE PERDEU AS PINTINHAS.
A JOANINHA QUE PERDEU AS PINTINHAS.A JOANINHA QUE PERDEU AS PINTINHAS.
A JOANINHA QUE PERDEU AS PINTINHAS.
 
Patinho Feio
Patinho Feio Patinho Feio
Patinho Feio
 
A cigarra e a formiga.
A cigarra e a formiga.A cigarra e a formiga.
A cigarra e a formiga.
 
A pipa e a flor .
A pipa e a flor .A pipa e a flor .
A pipa e a flor .
 
Atividade 7.2 - 7.3 -7.4 e 7.5
Atividade 7.2 - 7.3 -7.4 e 7.5Atividade 7.2 - 7.3 -7.4 e 7.5
Atividade 7.2 - 7.3 -7.4 e 7.5
 
Atividade 7.1
Atividade 7.1Atividade 7.1
Atividade 7.1
 
Projeto:"UMA CARTINHA PARA O PAPAI NOEL"
Projeto:"UMA CARTINHA PARA O PAPAI NOEL"Projeto:"UMA CARTINHA PARA O PAPAI NOEL"
Projeto:"UMA CARTINHA PARA O PAPAI NOEL"
 
Consciência Negra
Consciência NegraConsciência Negra
Consciência Negra
 
Projeto música
Projeto músicaProjeto música
Projeto música
 
Projeto Arco iris
Projeto Arco irisProjeto Arco iris
Projeto Arco iris
 
Projeto música
Projeto músicaProjeto música
Projeto música
 
Projeto "RESGATANDO RAIZES"
Projeto "RESGATANDO RAIZES"Projeto "RESGATANDO RAIZES"
Projeto "RESGATANDO RAIZES"
 
DIVISÃO MATO GROSSO E MATO GROSSO DO SUL
DIVISÃO MATO GROSSO E MATO GROSSO DO SULDIVISÃO MATO GROSSO E MATO GROSSO DO SUL
DIVISÃO MATO GROSSO E MATO GROSSO DO SUL
 
Ativ_1_5 - Mapa Conceitual
  Ativ_1_5   - Mapa Conceitual  Ativ_1_5   - Mapa Conceitual
Ativ_1_5 - Mapa Conceitual
 
Ativ1.4 luzzia
Ativ1.4 luzziaAtiv1.4 luzzia
Ativ1.4 luzzia
 
Não existe povos sem cultura nem povos
Não existe povos sem cultura nem povosNão existe povos sem cultura nem povos
Não existe povos sem cultura nem povos
 
Via sacra
Via sacraVia sacra
Via sacra
 
Via sacra
Via sacraVia sacra
Via sacra
 
Páscoa
PáscoaPáscoa
Páscoa
 

Último

Adaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdf
Adaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdfAdaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdf
Adaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdf
CamilaSouza544051
 
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Falcão Brasil
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
LeideLauraCenturionL
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Falcão Brasil
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
Falcão Brasil
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
Sandra Pratas
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
Manuais Formação
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
Sandra Pratas
 
VOCÊ CONHECE AS HISTÓRIAS DA BIBLÍA - EMOJIES.pptx
VOCÊ CONHECE AS HISTÓRIAS DA BIBLÍA - EMOJIES.pptxVOCÊ CONHECE AS HISTÓRIAS DA BIBLÍA - EMOJIES.pptx
VOCÊ CONHECE AS HISTÓRIAS DA BIBLÍA - EMOJIES.pptx
mailabueno45
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Falcão Brasil
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Falcão Brasil
 
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
portaladministradores
 
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Miguel Delamontagne
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Luiz C. da Silva
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 

Último (20)

Adaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdf
Adaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdfAdaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdf
Adaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdf
 
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
 
VOCÊ CONHECE AS HISTÓRIAS DA BIBLÍA - EMOJIES.pptx
VOCÊ CONHECE AS HISTÓRIAS DA BIBLÍA - EMOJIES.pptxVOCÊ CONHECE AS HISTÓRIAS DA BIBLÍA - EMOJIES.pptx
VOCÊ CONHECE AS HISTÓRIAS DA BIBLÍA - EMOJIES.pptx
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
 
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
 
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
 

BARROCO NO BRASIL

  • 1. O BARROCO NO BRASILProfª Luzia de FatimaLayolaEE. Paulo Freire - 2011
  • 2. O Barroco, no Brasil, foi introduzido no início do século XVII pelos missionárioscatólicos, especialmente jesuítas, que trouxeram o novo estilo como instrumento de doutrinação cristã. O poema épico Prosopopéia (1601), de Bento Teixeira, é um dos seus marcos iniciais. Atingiu o seu apogeu na literatura com o poeta Gregório de Matos e com o orador sacro Padre Antônio Vieira, e nas artes plásticas seus maiores expoentes foram Aleijadinho, na escultura, e Mestre Ataíde, na pintura. No campo daarquitetura esta escola floresceu notavelmente no Nordeste, mas com grandes exemplos também no centro do país, em Minas Gerais, Goiás e Rio de Janeiro. Na música, ao contrário das outras artes, sobrevivem poucos mas belos documentos do barroco tardio. Com o desenvolvimento do neoclassicismo a partir das primeiras décadas doséculo XIX a tradição barroca, que teve uma trajetória de enorme vigor no Brasil e foi considerada o estilo nacional por excelência, caiu progressivamente em desuso, mas traços dela seriam encontrados em diversas modalidades de arte até os primeiros anos do século XX.
  • 3. A PROSA BARROCA BRASILEIRAPADRE ANTÔNIO VIEIRAnasceu em Lisboa, em 1608, chegou ao Brasil e se instalou em Salvador,iniciando seu noviciado na Companhia de Jesus.Efetivou uma política de defesa dos cristãos novos, procurando protegê-los da Inquisição em Portugal. Sua extensa obra reflete seu envolvimento nos debates sociais e políticos de Portugal e do Brasil no século XVII. Os sermões e cartas, além de temas especificamente religiosos também manifestam questões polêmicas da época como: a luta pela independência portuguesa,, o confronto com holandeses no nordeste, a escravidão índia e negra, a defesa dos judeus e cristãos-novos contra a intolerância da Inquisição. OBRAS:CARTAS E SERMÕES .
  • 4. O BARROCO MINEIROIncentivado pela descoberta do ouro, estende-se por todo o país o gosto pelo barroco. Enquanto a Europa começava a desenvolver o Neoclassicismo, no século XVIII a arte colonial mineira não absorvia as mudanças e mantinha um barroco tardio e, por sua defasagem com o resto do mundo, tinha suas características singulares.Minas Gerais, sendo um estado do Interior do Brasil, sofria as dificuldades de importação de materiais e técnicas construtivas. Estas características deram ao barroco mineiro um caráter peculiar e possibilitaram a criação de uma arte diferenciada, regionalista. Muitos artistas trabalharam com as condições materiais da região, adaptando a arte ao modo de vida. Antônio Francisco Lisboa, o Aleijadinho, e Manuel da Costa Ataíde simbolizam claramente esta arte adaptada ao ambiente de um país tropical, ligando sua arte aos recursos e valores regionais. Ao trabalhar na Igreja de São Francisco de Assis, Aleijadinho substitui o mármore europeu pela pedra-sabão, Ataíde se baseia no "azulejo português" para criar suas pinturas. Absorvendo estes aspectos, o barroco desenvolvido em Minas Gerais ganha expressão particular no contexto brasileiro, firmando-se como um barroco peculiar, chamado de Barroco Mineiro.Um exemplo clássico, que pode ser usado no estudo do Barroco Mineiro, são as igrejas mineiras construidas neste período que vai de 1710 a 1760.
  • 5. Antônio Francisco Lisboamais conhecido como Aleijadinho, (Ouro Preto, c. 29 de agosto de 1730 ou, mais provavelmente, 1738 — Ouro Preto, 18 de novembro de 1814) foi um importante escultor, entalhador e arquiteto do Brasil colonial.
  • 6. .Antônio Francisco Lisboa, mais conhecido como Aleijadinho foi um escultor, entalhador, desenhista e arquiteto brasileiro.É considerado o maior expoente do estilo barroco nas Minas Gerais (barroco mineiro) e das artes plásticas no Brasil, não só à época, mas durante o período colonial.Embora não haja registros oficiais, acredita-se que tenha nascido em Vila Rica (hoje Ouro Preto), em Minas Gerais, filho do mestre-de-obras português, Manuel Francisco da Costa Lisboa, com uma escrava africana.A sua obra compreende desde imagens em madeira e pedra-sabão, matéria-prima típicamente brasileira, até igrejas. Suas obras são as mais representativas do Brasil colonial, com características do rococó e dos estilos clássico e gótico.Com aproximadamente quarenta anos de idade começou a desenvolver uma doença degenerativa dos membros (não se sabe ao certo se porfiria, lepra, escorbuto, reumatismo deformante ou sífilis), que lhe comprometeu gradativamente os movimentos das mãos. Para poder trabalhar, um ajudante amarrava-lhe as ferramentas aos membros. Dessa anomalia em seu corpo causada doença veio seu apelido, Aleijadinho.Morreu pobre, em 1814, mas até hoje suas obras estão aqui para contar os mistérios e a vida das pessoas de Minas da época colonial.Tem todas as características de ter sido iniciado na Maçonaria. Sua simbologia magistral, nos pórticos das Igrejas e nos altares, mostra, para os que a essa Ordem pertencem, que estão diante da obra de um maçom de alto grau.
  • 7. Igreja de São Francisco de Assis em São João del-Rei, projeto de Aleijadinho modificado por Cerqueira
  • 8. Anjo com o cálice da Paixão, na Via Sacra de Congonhas
  • 9. Nossa Senhora das Dores, tradicionalmente atribuída a Aleijadinho. Museu de Arte Sacra de São Paulo
  • 10. Detalhe de Ouro Preto, com a Igreja do Carmo, projeto em parte de Aleijadinho
  • 11. O Santuário de Bom Jesus de Matosinhos é um conjunto arquitetônico e paisagístico formado por uma basílica, um adro com esculturas de Doze Profetas feitas por Aleijadinho e seis capelas com cenas da Paixão de Cristo. O santuário está localizado no morro do Maranhão, no município brasileiro de Congonhas, estado de Minas Gerais.O conjunto foi construído em várias etapas, nos séculos XVIII e XIX,[1][2] por vários mestres, artesãos e pintores, como Antônio Francisco Lisboa, o Aleijadinho, e Manuel da Costa Ataíde.Tombado pelo SPHAN, atual IPHAN, em 1939, como patrimônio histórico nacional, foi considerado Patrimônio Mundial da Unesco em 1985.
  • 14. Manuel da Costa AtaídeMais conhecido como Mestre Ataíde, (Mariana, 18 de outubro de 1762 – idem, 2 de fevereiro de 1830), foi um pintor, dourador, encarnador, entalhador e professorbrasileiro.Foi um importante artista do barrocomineiro e teve uma grande influência sobre os pintores da sua região, através de numerosos alunos e seguidores, os quais, até à metade do século XIX, continuaram a fazer uso de seu método de composição, particularmente em trabalhos de perspectiva no teto de igrejas. Documentos da época fazem freqüentemente referências a ele como professor de pintura. Em 1818, Ataíde tentou, sem sucesso, obter permissão oficial para fundar uma escola de arte em Mariana, sua cidade natal.
  • 15. Pintado por Mestre Ataíde ao longo de 10 anos, o forro da nave da Igreja de São Francisco de Assis, em Ouro
  • 16. Anjos músicos do mestre Ataide, na igreja de São Francisco, em Ouro Preto
  • 17. No Brasil, a arquitetura religiosa foi o maior expoente da arte barroca. As igrejas eram maravilhosamente decoradas com entalhes em madeira cobertos de ouro, teto pintado com cenas biblicas, esculturas de santos, altares com anjos, colunas, flores e muitos outros elementos decorativos.
  • 18. FONTES DE PESQUISAhttp://www.vidaslusofonas.pt/aleijadinho.htmhttp://www.youtube.comWIKIPEDIA;GOOGLE IMAGENS8º Anos A/B Matutino