SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 34
AULA 3
Vergilia Costa
ARTES
Ensino Fundamental
Chegada do Barroco no BrasilChegada do Barroco no Brasil
O estilo Barroco desenvolveu-se plenamente no Brasil a partir do
século XVIII, perdurando ainda no início do século XIX, nessa
época a Europa já havia abandonado esse estilo e voltado-se
para o Estilo Clássico.
O Barroco brasileiro pode ser dividido em duas linhas:
 Barroco das regiões enriquecidas com o açúcar e mineração
 Barroco das regiões onde não havia comércio do açúcar nem
mineração
Este “estilo’ é mais marcantes nas
regiões mais ricas da época: Bahia,
Pernambuco, Minas gerais e Rio de
Janeiro.
Fachada da Igreja da Ordem Terceira
de São Francisco de Salvador
• Destaque para o Estado de São Paulo.
• Igreja do Carmo em Itu Sp
A Arte Barroca em Ouro Preto
Graças ao ciclo do Ouro, desenvolveu-se em Minas Gerais mais
precisamente em Vila Rica atual Ouro Preto, a mais complexa e
bela manifestação do Barroco brasileiro.
Em Ouro Preto estão algumas das principais obras do Barroco
Brasileiro tanto na pintura, quanto na escultura e arquitetura.
O principal nome do
Barroco Mineiro e
consequentemente do
brasileiro é Antônio
Francisco Lisboa, o
Aleijadinho.
Igreja de São Francisco de
Assis, Exterior e
Interior, Ouro Preto
ARTE, 2º Ano
Romantismo
O século XIX foi agitado por fortes mudanças
sociais, políticas e culturais causadas por
acontecimentos do final do século XVIII. Foi a
Revolução Industrial que gerou novos inventos
com o objetivo de solucionar os problemas
técnicos decorrentes do aumento de produção,
provocando a divisão do trabalho e o início da
especialização da mão de obra. Já a Revolução
Francesa lutou por uma sociedade mais
harmônica, em que direitos individuais fossem
respeitados, traduzindo essa expectativa na
Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão.
Do mesmo modo, a atividade artística tornou-se
complexa.
A ARTE NOS SÉCULOS XIX E XXA ARTE NOS SÉCULOS XIX E XX
Nesse momento, o Brasil recebe forte influência cultural
europeia, intensificada ainda mais com a chegada de um
grupo de artistas franceses (1816), encarregado da fundação
da Academia de Belas Artes (1826), na qual os alunos
poderiam aprender as artes e os ofícios artísticos.
Esse grupo ficou conhecido como Missão Artística Francesa.
Os artistas da Missão Artística Francesa pintavam,
desenhavam, esculpiam e construíam à moda europeia.
Obedeciam ao estilo neoclássico (novo clássico), ou seja, um
estilo artístico que propunha a volta aos padrões da arte
clássica (greco-romana) da Antiguidade.
Principais artistas da Missão Francesa:
Nicolas-Antonine Taunay (1775-1830) - pintor francês de grande destaque na corte de
Napoleão Bonaparte e considerado um dos mais importantes da Missão Francesa. Durante
os cinco anos que residiu no Brasil, retratou várias paisagens do Rio de Janeiro.
Jean-Baptiste Debret (1768-1848) - foi chamado de "a alma da Missão Francesa".
Ele foi desenhista, aquarelista, pintor cenográfico, decorador, professor de pintura e
organizador da primeira exposição de arte no Brasil (1829).
A palavra romantismo designa uma maneira de
se comportar, de agir, de interpretar a
realidade.
O comportamento romântico caracteriza-se
pelo sonho, por uma atitude emotiva diante das
coisas e esse comportamento pode ocorrer em
qualquer tempo da história.
Romantismo designa uma tendência geral da
vida e da arte, portanto, nomeia um sistema,
um estilo delimitado no tempo.Os artistas românticos procuraram se libertar
das convenções acadêmicas em favor da livre
expressão da personalidade do artista.
Características gerais:
• A valorização dos sentimentos e da
imaginação;
• O nacionalismo;
• A valorização da natureza como princípios da
criação artística;
• Os sentimentos do presente tais como:
Liberdade, Igualdade e Fraternidade.
• Aproximação das formas barrocas;
• Composição em diagonal, sugerindo instabilidade e
dinamismo ao observador;
• Valorização das cores e do claro-escuro;
• Dramaticidade.
Características da pintura:
Temas da pintura:
• Fatos da história nacional e contemporânea da vida dos
artistas;
• Natureza revelando um dinamismo equivalente às
emoções humanas;
• Mitologia Grega.
O Impressionismo é um movimento
artístico surgido na França, no século XIX.
Esse fenômeno artístico criou uma nova
visão conceitual da natureza, utilizando
pinceladas soltas, dando ênfase na luz e
no movimento.
Geralmente as telas eram pintadas ao ar
livre para que o pintor pudesse capturar
melhor as nuances da luz e da natureza.
Principais artistas:
Claude Monet -
Incessante pesquisador
da luz e seus efeitos.
Pintou vários motivos em
diversas horas do dia, a
fim de estudar as
mutações coloridas do
ambiente com sua
luminosidade.
Auguste Renoir - Foi o
pintor impressionista
que ganhou maior
popularidade, chegando
a ter o reconhecimento
da crítica, ainda em
vida. Seus quadros
manifestam otimismo,
alegria e a intensa
movimentação da vida
parisiense do fim do
século XIX.
No Brasil, destaca-se o pintor
Eliseu Visconti, que não se
preocupa mais em imitar
modelos clássicos. Ele procurou,
decididamente, registrar os
efeitos da luz solar nos objetivos
e seres humanos que retrata em
suas telas.
Principais pintores impressionistas brasileiros: Eliseu Visconti, Almeida Júnior,
Timótheo da Costa, Henrique Cavaleiro e Vicente do Rego Monteiro.
• O cubismo foi o primeiro estilo de arte abstrata do século XX.
• O período mais importante do cubismo vai de 1907 a 1914 e ele se iniciou
com Pablo Picasso (1881-1973), Georges Braque (1882-1963) e Fernand Léger
(1881-1955).
• A definição de cubismo vem de um crítico que, observando obras de Braque,
afirmou que os objetos lembravam cubos.
NO BRASIL
• Somente após a Semana de Arte Moderna de 1922 o movimento
cubista ganhou terreno no Brasil. Mesmo assim, não encontramos
artistas com características exclusivamente cubistas em nosso país.
Muitos pintores brasileiros foram influenciados pelo movimento e
apresentaram características do cubismo em suas obras.
• Neste sentido, podemos citar os seguintes artistas: Tarsila do
Amaral, Anita Malfatti, Vicente do Rego Monteiro e Di Cavalcanti.
Art Deco no Brasil
O estilo do Art Deco influenciou artistas brasileiros. Dentre eles, podemos
destacar o escultor Victor Brecheret (1894-1955) e o pintor Vicente do Rego
Monteiro (1899-1970).
Na arquitetura, podemos citar o edifício-sede da Biblioteca Mário de Andrade e o
Estádio do Pacaembu, ambos na cidade São Paulo, como dois grandes marcos
arquitetônicos do estilo na cidade.
Mas há outros exemplos significativos da Art Deco no Brasil: a Torre do
Relógio da Estação Central do Brasil (abaixo) e o Cristo Redentor, ambos no Rio
de Janeiro.
ARTE MODERNAARTE MODERNA
A Semana de Arte Moderna de 22,
realizada no Teatro Municipal de São
Paulo, contou com a participação de
escritores, artistas plásticos, arquitetos e
músicos.
Inserida nas festividades de
comemoração do centenário da
independência do Brasil, em 1922, a
Semana de Arte Moderna apresenta-se
como a primeira manifestação coletiva
pública na história cultural brasileira a
favor de um espírito novo e moderno em
oposição à cultura e à arte de teor
conservador, predominantes no país
desde o século XIX.
Esse era o ano em que o país
comemorava o primeiro
centenário da Independência e
os jovens modernistas
pretendiam redescobrir o Brasil,
libertando-o das amarras que o
prendiam aos padrões
estrangeiros. Seria, então, um
movimento pela independência
artística do Brasil.
Os jovens modernistas da
Semana negavam, antes de
mais nada, o academicismo nas
artes. A essa altura, estavam já
influenciados esteticamente por
tendências e movimentos como
o Cubismo, o Expressionismo e
diversas ramificações pós-
impressionistas.
Até aí, nenhuma novidade nem renovação. Mas, partindo desse ponto, pretendiam
utilizar tais modelos europeus, de forma consciente, para uma renovação da arte
nacional, preocupados em realizar uma arte nitidamente brasileira, sem complexos
de inferioridade em relação à arte produzida na Europa.
Essa arte nova aparece inicialmente através da atividade crítica e literária de
Oswald de Andrade, Menotti del Picchia, Mário de Andrade e alguns outros artistas
que vão se conscientizando do tempo em que vivem.
Imagem:OswalddeAndrade/Autor
desconhecido/PublicDomain.
Imagem:MenottidelPicchia/Autor
desconhecido/DomínioPublico.
Imagem:MariodeAndrade/MichelleRizzo/
PublicDomain.
Antes dos anos 20, são feitas em São Paulo duas exposições de pintura que
colocam a arte moderna de um modo concreto para os brasileiros: a de Lasar
Segall, em 1913 e a de Anita Malfatti, em 1917.
Vindo da Alemanha, o pintor Lasar Segall
realizou uma exposição em São Paulo e outra
em Campinas, ambas recebidas com uma fria
polidez.
Desanimado,
Segall seguiu
de volta à
Alemanha, só
retornando ao
Brasil dez anos
depois, quando
os ventos
sopravam mais
a favor.
A exposição de Anita Malfatti em 1917, recém chegada dos Estados Unidos e da
Europa, foi outro marco para o Modernismo brasileiro. As obras da pintora, então
afinadas com as tendências vanguardistas do exterior, chocaram grande parte do
público, causando violentas reações da crítica conservadora.
No interior do teatro, foram apresentados
concertos e conferências, enquanto no
saguão foram montadas exposições de
artistas plásticos, como:
• os arquitetos Antonio Moya e George
Prsyrembel;
•os escultores Vítor Brecheret e W.
Haerberg;
•os desenhistas e pintores Anita Malfatti,
Di Cavalcanti, John Graz, Martins Ribeiro,
Zina Aita, João Fernando de Almeida
Prado, Ignácio da Costa Ferreira, Vicente
do Rego Monteiro e Di Cavalcanti (o
idealizador da Semana e autor do
desenho que ilustra a capa do catálogo).
Além disso, havia escritores como Mário de Andrade,
Oswald de Andrade, Menotti del Picchia, Sérgio Milliet,
Plínio Salgado, Ronald de Carvalho, Álvaro Moreira,
Renato de Almeida, Ribeiro Couto e Guilherme de
Almeida.
Na música, estiveram presentes nomes consagrados,
como Villa-Lobos, Guiomar Novais, Ernâni Braga e
Frutuoso Viana.
ARTE CONTEMPORÂNEAARTE CONTEMPORÂNEA
Aula 3   ef - artes
Aula 3   ef - artes
Aula 3   ef - artes

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

8o. ano século xix na europa- as inovações na arte- neoclassicismo
8o. ano  século xix na europa- as inovações na arte- neoclassicismo8o. ano  século xix na europa- as inovações na arte- neoclassicismo
8o. ano século xix na europa- as inovações na arte- neoclassicismo
ArtesElisa
 
Século xix no brasil, almeida, pedro e vitor
Século xix no brasil, almeida, pedro e vitorSéculo xix no brasil, almeida, pedro e vitor
Século xix no brasil, almeida, pedro e vitor
Rafael Santos
 
A arte do século XIX
A arte do século XIX   A arte do século XIX
A arte do século XIX
becresforte
 
Modernismo em Portugal
Modernismo em PortugalModernismo em Portugal
Modernismo em Portugal
Carlos Vieira
 

Mais procurados (20)

ARTE BRASILEIRA
ARTE BRASILEIRAARTE BRASILEIRA
ARTE BRASILEIRA
 
Arte Brasileira; do Império à República
Arte Brasileira; do Império à RepúblicaArte Brasileira; do Império à República
Arte Brasileira; do Império à República
 
Século xx no brasil
Século xx no brasilSéculo xx no brasil
Século xx no brasil
 
Arte no Brasil século XIX
Arte no Brasil século XIXArte no Brasil século XIX
Arte no Brasil século XIX
 
Modernismo 8ºano
Modernismo 8ºanoModernismo 8ºano
Modernismo 8ºano
 
8o. ano século xix na europa- as inovações na arte- neoclassicismo
8o. ano  século xix na europa- as inovações na arte- neoclassicismo8o. ano  século xix na europa- as inovações na arte- neoclassicismo
8o. ano século xix na europa- as inovações na arte- neoclassicismo
 
Fgv revisão de Arte
Fgv revisão de ArteFgv revisão de Arte
Fgv revisão de Arte
 
A arte no brasil império
A arte no brasil impérioA arte no brasil império
A arte no brasil império
 
Escola CEJAR - Aquidauana - Apostila 9º A e B 1ºB
Escola CEJAR - Aquidauana - Apostila 9º A e B 1ºBEscola CEJAR - Aquidauana - Apostila 9º A e B 1ºB
Escola CEJAR - Aquidauana - Apostila 9º A e B 1ºB
 
51 academicos no brasil resumo
51 academicos no brasil resumo51 academicos no brasil resumo
51 academicos no brasil resumo
 
Academia imperial de belas artes e neoclassicismo
Academia imperial de belas artes e neoclassicismoAcademia imperial de belas artes e neoclassicismo
Academia imperial de belas artes e neoclassicismo
 
Século xix no brasil, almeida, pedro e vitor
Século xix no brasil, almeida, pedro e vitorSéculo xix no brasil, almeida, pedro e vitor
Século xix no brasil, almeida, pedro e vitor
 
Academicismo no brasil c/ resumo do impressionismo.
Academicismo no brasil c/ resumo do impressionismo.Academicismo no brasil c/ resumo do impressionismo.
Academicismo no brasil c/ resumo do impressionismo.
 
História da Arte: Arte brasileira 3
História da Arte: Arte brasileira 3História da Arte: Arte brasileira 3
História da Arte: Arte brasileira 3
 
Século xix na europa (II)
Século xix na europa (II)Século xix na europa (II)
Século xix na europa (II)
 
Missão Artística Francesa
Missão Artística Francesa Missão Artística Francesa
Missão Artística Francesa
 
Exercicio romantismo corrigido
Exercicio romantismo corrigidoExercicio romantismo corrigido
Exercicio romantismo corrigido
 
A arte do século XIX
A arte do século XIX   A arte do século XIX
A arte do século XIX
 
Modernismo em Portugal
Modernismo em PortugalModernismo em Portugal
Modernismo em Portugal
 
Arte da segunda metade do século xx
Arte da segunda metade do século xxArte da segunda metade do século xx
Arte da segunda metade do século xx
 

Semelhante a Aula 3 ef - artes

Seminários história da arte 03
Seminários história da arte   03Seminários história da arte   03
Seminários história da arte 03
Gabriela Lemos
 
Seminários história da arte 1 b 10
Seminários história da arte 1 b   10Seminários história da arte 1 b   10
Seminários história da arte 1 b 10
Gabriela Lemos
 
100 anos da Semana de Arte Moderna no Brasil (1).pptx
100 anos da Semana de Arte Moderna no Brasil (1).pptx100 anos da Semana de Arte Moderna no Brasil (1).pptx
100 anos da Semana de Arte Moderna no Brasil (1).pptx
TATE9
 
Trabalho de Filosofia - Arte Moderna
Trabalho de Filosofia - Arte ModernaTrabalho de Filosofia - Arte Moderna
Trabalho de Filosofia - Arte Moderna
Gabriel Gonçalves
 
A influencia da missão artistica francesa na arte brasileira
A influencia da missão artistica francesa na arte brasileiraA influencia da missão artistica francesa na arte brasileira
A influencia da missão artistica francesa na arte brasileira
Angeli Arte Educadora
 
A influencia da missão artistica francesa na arte brasileira
A influencia da missão artistica francesa na arte brasileiraA influencia da missão artistica francesa na arte brasileira
A influencia da missão artistica francesa na arte brasileira
Angeli Arte Educadora
 

Semelhante a Aula 3 ef - artes (20)

Modernismo Modernismo
Modernismo   ModernismoModernismo   Modernismo
Modernismo Modernismo
 
Modernismo
ModernismoModernismo
Modernismo
 
História da Arte Aula 4 , Modernismo Brasileiro, abstrato e Pop Art
 História da Arte Aula 4 , Modernismo Brasileiro, abstrato e Pop Art História da Arte Aula 4 , Modernismo Brasileiro, abstrato e Pop Art
História da Arte Aula 4 , Modernismo Brasileiro, abstrato e Pop Art
 
Aula 2
Aula 2 Aula 2
Aula 2
 
Aula 2 Novo Colégio
Aula 2 Novo ColégioAula 2 Novo Colégio
Aula 2 Novo Colégio
 
Centro de ensino edison lobão1
Centro de ensino edison lobão1Centro de ensino edison lobão1
Centro de ensino edison lobão1
 
Neoclassicismo - Aula Ens. Fund. II
Neoclassicismo - Aula Ens. Fund. IINeoclassicismo - Aula Ens. Fund. II
Neoclassicismo - Aula Ens. Fund. II
 
Seminários história da arte 03
Seminários história da arte   03Seminários história da arte   03
Seminários história da arte 03
 
Seminários história da arte 1 b 10
Seminários história da arte 1 b   10Seminários história da arte 1 b   10
Seminários história da arte 1 b 10
 
Capitulo4 arte brasileira_moderna_contemporanea
Capitulo4 arte brasileira_moderna_contemporaneaCapitulo4 arte brasileira_moderna_contemporanea
Capitulo4 arte brasileira_moderna_contemporanea
 
100 anos da Semana de Arte Moderna no Brasil (1).pptx
100 anos da Semana de Arte Moderna no Brasil (1).pptx100 anos da Semana de Arte Moderna no Brasil (1).pptx
100 anos da Semana de Arte Moderna no Brasil (1).pptx
 
Arte moderna
Arte modernaArte moderna
Arte moderna
 
NEOCLÁSSICO.pdf
NEOCLÁSSICO.pdfNEOCLÁSSICO.pdf
NEOCLÁSSICO.pdf
 
História da Arte: O ambiente modernista
História da Arte: O ambiente modernistaHistória da Arte: O ambiente modernista
História da Arte: O ambiente modernista
 
Arte moderna
Arte modernaArte moderna
Arte moderna
 
Trabalho de Filosofia - Arte Moderna
Trabalho de Filosofia - Arte ModernaTrabalho de Filosofia - Arte Moderna
Trabalho de Filosofia - Arte Moderna
 
Artes - Trabalho de história e EV
Artes - Trabalho de história e EVArtes - Trabalho de história e EV
Artes - Trabalho de história e EV
 
A influencia da missão artistica francesa na arte brasileira
A influencia da missão artistica francesa na arte brasileiraA influencia da missão artistica francesa na arte brasileira
A influencia da missão artistica francesa na arte brasileira
 
A influencia da missão artistica francesa na arte brasileira
A influencia da missão artistica francesa na arte brasileiraA influencia da missão artistica francesa na arte brasileira
A influencia da missão artistica francesa na arte brasileira
 
Ruptura Inovação nas Artes e na Literatura
Ruptura Inovação nas Artes e na LiteraturaRuptura Inovação nas Artes e na Literatura
Ruptura Inovação nas Artes e na Literatura
 

Mais de Walney M.F (20)

Aula 2 - GEOGRAFIA - ENSINO MÉDIO
Aula 2  - GEOGRAFIA - ENSINO MÉDIOAula 2  - GEOGRAFIA - ENSINO MÉDIO
Aula 2 - GEOGRAFIA - ENSINO MÉDIO
 
Aula 3 lp em
Aula 3   lp emAula 3   lp em
Aula 3 lp em
 
Aula 2 lp em
Aula 2   lp emAula 2   lp em
Aula 2 lp em
 
Aula 1 lp em
Aula 1   lp emAula 1   lp em
Aula 1 lp em
 
Aula 1 soc em
Aula 1   soc emAula 1   soc em
Aula 1 soc em
 
Aula 3 geo
Aula 3 geoAula 3 geo
Aula 3 geo
 
Aula 2 geo
Aula 2 geoAula 2 geo
Aula 2 geo
 
Aula 1 geo
Aula 1 geoAula 1 geo
Aula 1 geo
 
Aula 4 hist em
Aula 4   hist emAula 4   hist em
Aula 4 hist em
 
Aula 3 hist em
Aula 3   hist emAula 3   hist em
Aula 3 hist em
 
Aula 2 hist em
Aula 2   hist emAula 2   hist em
Aula 2 hist em
 
Aula 1 hist em
Aula 1   hist emAula 1   hist em
Aula 1 hist em
 
Aula 3 quim em
Aula 3   quim emAula 3   quim em
Aula 3 quim em
 
Aula 2 quim em
Aula 2   quim emAula 2   quim em
Aula 2 quim em
 
Aula 1 quim em
Aula 1   quim emAula 1   quim em
Aula 1 quim em
 
Aula 4 fis em
Aula 4 fis emAula 4 fis em
Aula 4 fis em
 
Aula 3 fis em
Aula 3 fis emAula 3 fis em
Aula 3 fis em
 
Aula 2 fis em
Aula 2 fis emAula 2 fis em
Aula 2 fis em
 
Aula 1 fis em
Aula 1 fis emAula 1 fis em
Aula 1 fis em
 
Aula 4 mat em
Aula 4   mat emAula 4   mat em
Aula 4 mat em
 

Último

1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
aulasgege
 

Último (20)

Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
 
transcrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de línguatranscrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de língua
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
 
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfTestes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
 
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - materialFUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
 
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
 
Projeto envolvendo as borboletas - poema.doc
Projeto envolvendo as borboletas - poema.docProjeto envolvendo as borboletas - poema.doc
Projeto envolvendo as borboletas - poema.doc
 
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfSQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorial
 

Aula 3 ef - artes

  • 2.
  • 3.
  • 4.
  • 5.
  • 6.
  • 7.
  • 8.
  • 9. Chegada do Barroco no BrasilChegada do Barroco no Brasil O estilo Barroco desenvolveu-se plenamente no Brasil a partir do século XVIII, perdurando ainda no início do século XIX, nessa época a Europa já havia abandonado esse estilo e voltado-se para o Estilo Clássico. O Barroco brasileiro pode ser dividido em duas linhas:  Barroco das regiões enriquecidas com o açúcar e mineração  Barroco das regiões onde não havia comércio do açúcar nem mineração Este “estilo’ é mais marcantes nas regiões mais ricas da época: Bahia, Pernambuco, Minas gerais e Rio de Janeiro. Fachada da Igreja da Ordem Terceira de São Francisco de Salvador
  • 10. • Destaque para o Estado de São Paulo. • Igreja do Carmo em Itu Sp A Arte Barroca em Ouro Preto Graças ao ciclo do Ouro, desenvolveu-se em Minas Gerais mais precisamente em Vila Rica atual Ouro Preto, a mais complexa e bela manifestação do Barroco brasileiro. Em Ouro Preto estão algumas das principais obras do Barroco Brasileiro tanto na pintura, quanto na escultura e arquitetura. O principal nome do Barroco Mineiro e consequentemente do brasileiro é Antônio Francisco Lisboa, o Aleijadinho. Igreja de São Francisco de Assis, Exterior e Interior, Ouro Preto
  • 11.
  • 12.
  • 13.
  • 14.
  • 15. ARTE, 2º Ano Romantismo O século XIX foi agitado por fortes mudanças sociais, políticas e culturais causadas por acontecimentos do final do século XVIII. Foi a Revolução Industrial que gerou novos inventos com o objetivo de solucionar os problemas técnicos decorrentes do aumento de produção, provocando a divisão do trabalho e o início da especialização da mão de obra. Já a Revolução Francesa lutou por uma sociedade mais harmônica, em que direitos individuais fossem respeitados, traduzindo essa expectativa na Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão. Do mesmo modo, a atividade artística tornou-se complexa. A ARTE NOS SÉCULOS XIX E XXA ARTE NOS SÉCULOS XIX E XX
  • 16. Nesse momento, o Brasil recebe forte influência cultural europeia, intensificada ainda mais com a chegada de um grupo de artistas franceses (1816), encarregado da fundação da Academia de Belas Artes (1826), na qual os alunos poderiam aprender as artes e os ofícios artísticos. Esse grupo ficou conhecido como Missão Artística Francesa. Os artistas da Missão Artística Francesa pintavam, desenhavam, esculpiam e construíam à moda europeia. Obedeciam ao estilo neoclássico (novo clássico), ou seja, um estilo artístico que propunha a volta aos padrões da arte clássica (greco-romana) da Antiguidade. Principais artistas da Missão Francesa: Nicolas-Antonine Taunay (1775-1830) - pintor francês de grande destaque na corte de Napoleão Bonaparte e considerado um dos mais importantes da Missão Francesa. Durante os cinco anos que residiu no Brasil, retratou várias paisagens do Rio de Janeiro. Jean-Baptiste Debret (1768-1848) - foi chamado de "a alma da Missão Francesa". Ele foi desenhista, aquarelista, pintor cenográfico, decorador, professor de pintura e organizador da primeira exposição de arte no Brasil (1829).
  • 17. A palavra romantismo designa uma maneira de se comportar, de agir, de interpretar a realidade. O comportamento romântico caracteriza-se pelo sonho, por uma atitude emotiva diante das coisas e esse comportamento pode ocorrer em qualquer tempo da história. Romantismo designa uma tendência geral da vida e da arte, portanto, nomeia um sistema, um estilo delimitado no tempo.Os artistas românticos procuraram se libertar das convenções acadêmicas em favor da livre expressão da personalidade do artista. Características gerais: • A valorização dos sentimentos e da imaginação; • O nacionalismo; • A valorização da natureza como princípios da criação artística; • Os sentimentos do presente tais como: Liberdade, Igualdade e Fraternidade.
  • 18. • Aproximação das formas barrocas; • Composição em diagonal, sugerindo instabilidade e dinamismo ao observador; • Valorização das cores e do claro-escuro; • Dramaticidade. Características da pintura: Temas da pintura: • Fatos da história nacional e contemporânea da vida dos artistas; • Natureza revelando um dinamismo equivalente às emoções humanas; • Mitologia Grega. O Impressionismo é um movimento artístico surgido na França, no século XIX. Esse fenômeno artístico criou uma nova visão conceitual da natureza, utilizando pinceladas soltas, dando ênfase na luz e no movimento. Geralmente as telas eram pintadas ao ar livre para que o pintor pudesse capturar melhor as nuances da luz e da natureza.
  • 19. Principais artistas: Claude Monet - Incessante pesquisador da luz e seus efeitos. Pintou vários motivos em diversas horas do dia, a fim de estudar as mutações coloridas do ambiente com sua luminosidade. Auguste Renoir - Foi o pintor impressionista que ganhou maior popularidade, chegando a ter o reconhecimento da crítica, ainda em vida. Seus quadros manifestam otimismo, alegria e a intensa movimentação da vida parisiense do fim do século XIX. No Brasil, destaca-se o pintor Eliseu Visconti, que não se preocupa mais em imitar modelos clássicos. Ele procurou, decididamente, registrar os efeitos da luz solar nos objetivos e seres humanos que retrata em suas telas.
  • 20. Principais pintores impressionistas brasileiros: Eliseu Visconti, Almeida Júnior, Timótheo da Costa, Henrique Cavaleiro e Vicente do Rego Monteiro. • O cubismo foi o primeiro estilo de arte abstrata do século XX. • O período mais importante do cubismo vai de 1907 a 1914 e ele se iniciou com Pablo Picasso (1881-1973), Georges Braque (1882-1963) e Fernand Léger (1881-1955). • A definição de cubismo vem de um crítico que, observando obras de Braque, afirmou que os objetos lembravam cubos.
  • 21. NO BRASIL • Somente após a Semana de Arte Moderna de 1922 o movimento cubista ganhou terreno no Brasil. Mesmo assim, não encontramos artistas com características exclusivamente cubistas em nosso país. Muitos pintores brasileiros foram influenciados pelo movimento e apresentaram características do cubismo em suas obras. • Neste sentido, podemos citar os seguintes artistas: Tarsila do Amaral, Anita Malfatti, Vicente do Rego Monteiro e Di Cavalcanti.
  • 22.
  • 23. Art Deco no Brasil O estilo do Art Deco influenciou artistas brasileiros. Dentre eles, podemos destacar o escultor Victor Brecheret (1894-1955) e o pintor Vicente do Rego Monteiro (1899-1970). Na arquitetura, podemos citar o edifício-sede da Biblioteca Mário de Andrade e o Estádio do Pacaembu, ambos na cidade São Paulo, como dois grandes marcos arquitetônicos do estilo na cidade. Mas há outros exemplos significativos da Art Deco no Brasil: a Torre do Relógio da Estação Central do Brasil (abaixo) e o Cristo Redentor, ambos no Rio de Janeiro.
  • 24. ARTE MODERNAARTE MODERNA A Semana de Arte Moderna de 22, realizada no Teatro Municipal de São Paulo, contou com a participação de escritores, artistas plásticos, arquitetos e músicos. Inserida nas festividades de comemoração do centenário da independência do Brasil, em 1922, a Semana de Arte Moderna apresenta-se como a primeira manifestação coletiva pública na história cultural brasileira a favor de um espírito novo e moderno em oposição à cultura e à arte de teor conservador, predominantes no país desde o século XIX.
  • 25. Esse era o ano em que o país comemorava o primeiro centenário da Independência e os jovens modernistas pretendiam redescobrir o Brasil, libertando-o das amarras que o prendiam aos padrões estrangeiros. Seria, então, um movimento pela independência artística do Brasil. Os jovens modernistas da Semana negavam, antes de mais nada, o academicismo nas artes. A essa altura, estavam já influenciados esteticamente por tendências e movimentos como o Cubismo, o Expressionismo e diversas ramificações pós- impressionistas.
  • 26. Até aí, nenhuma novidade nem renovação. Mas, partindo desse ponto, pretendiam utilizar tais modelos europeus, de forma consciente, para uma renovação da arte nacional, preocupados em realizar uma arte nitidamente brasileira, sem complexos de inferioridade em relação à arte produzida na Europa. Essa arte nova aparece inicialmente através da atividade crítica e literária de Oswald de Andrade, Menotti del Picchia, Mário de Andrade e alguns outros artistas que vão se conscientizando do tempo em que vivem. Imagem:OswalddeAndrade/Autor desconhecido/PublicDomain. Imagem:MenottidelPicchia/Autor desconhecido/DomínioPublico. Imagem:MariodeAndrade/MichelleRizzo/ PublicDomain.
  • 27. Antes dos anos 20, são feitas em São Paulo duas exposições de pintura que colocam a arte moderna de um modo concreto para os brasileiros: a de Lasar Segall, em 1913 e a de Anita Malfatti, em 1917.
  • 28. Vindo da Alemanha, o pintor Lasar Segall realizou uma exposição em São Paulo e outra em Campinas, ambas recebidas com uma fria polidez. Desanimado, Segall seguiu de volta à Alemanha, só retornando ao Brasil dez anos depois, quando os ventos sopravam mais a favor.
  • 29. A exposição de Anita Malfatti em 1917, recém chegada dos Estados Unidos e da Europa, foi outro marco para o Modernismo brasileiro. As obras da pintora, então afinadas com as tendências vanguardistas do exterior, chocaram grande parte do público, causando violentas reações da crítica conservadora.
  • 30. No interior do teatro, foram apresentados concertos e conferências, enquanto no saguão foram montadas exposições de artistas plásticos, como: • os arquitetos Antonio Moya e George Prsyrembel; •os escultores Vítor Brecheret e W. Haerberg; •os desenhistas e pintores Anita Malfatti, Di Cavalcanti, John Graz, Martins Ribeiro, Zina Aita, João Fernando de Almeida Prado, Ignácio da Costa Ferreira, Vicente do Rego Monteiro e Di Cavalcanti (o idealizador da Semana e autor do desenho que ilustra a capa do catálogo).
  • 31. Além disso, havia escritores como Mário de Andrade, Oswald de Andrade, Menotti del Picchia, Sérgio Milliet, Plínio Salgado, Ronald de Carvalho, Álvaro Moreira, Renato de Almeida, Ribeiro Couto e Guilherme de Almeida. Na música, estiveram presentes nomes consagrados, como Villa-Lobos, Guiomar Novais, Ernâni Braga e Frutuoso Viana. ARTE CONTEMPORÂNEAARTE CONTEMPORÂNEA