SlideShare uma empresa Scribd logo
Calculo dos Indicadores
Comercial Espírito Santo S.A.
Alunos: Bruno Teixeira
Eduardo Cazetta
Luana Moreira
Matheus Antunes
Silvan Santos
Quociente de Liquidez
QUOCIENTES DE LIQUIDEZ
EXERCICIOS
X1 X2 X3
LIQUIDEZ GERAL 1,53 2,67 1,43
LIQUIDEZ CORRENTE 4,41 5,09 1,60
LIQUIDEZ SECA 1,62 3,69 1,25
LIQUIDEZ IMEDIATA 1,16 3,23 0,42
Liquidez Geral = Ativo Circulante + Realizável a Longo Prazo
Passivo Circulante + Exigível a Longo Prazo
QUOCIENTE DE LIQUIDEZ
EXERCICIOS
X1 X2 X3
LIQUIDEZ GERAL 1,53 2,67 1,43
INTERPRETAÇÃO LIQUIDEZ GERAL
 Em X1 – A empresa Comercial Espírito Santo S.A. possui, em seu Ativo Circulante
e Realizável a Longo Prazo, recursos para cobrir suas Obrigações com terceiros,
pois para cada $ 1 de divida, ela possui 1,53 obtendo ainda uma folga de $
0,53.
 Em X2 – A empresa Comercial Espírito Santo S.A. possui, em seu Ativo Circulante
e Realizável a Longo Prazo, recursos para cobrir suas Obrigações com terceiros,
pois para cada $ 1 de divida, ela possui 2,67 obtendo ainda $ 1,67 de sobra.
 Em X3 – A empresa Comercial Espírito Santo S.A. possui, recursos suficientes em
seu Ativo Circulante e Realizável a Longo Prazo para cobrir suas Obrigações
com terceiros, tendo para cada $ 1de divida 1,43 em caixa com uma folga de $
0,43.
Liquidez Corrente = Ativo Circulante
Passivo Circulante
QUOCIENTES DE LIQUIDEZ
EXERCICIOS
X1 X2 X3
LIQUIDEZ CORRENTE 4,41 5,09 1,60
 Em X1 – A situação corrente da empresa está ótima, pois para cada obrigação de $
1, ela possui 4,41 ou seja, possui ainda $ 3,41 de folga, o que quer dizer que existem
recursos suficientes no Ativo Circulante para quitar suas Obrigações de Curto Prazo.
 Em X2 – O quociente de 5,09 nos mostra que para cada $ 1 de Obrigações de Curto
Prazo, a empresa detém $ 5,09, o que quer dizer que há recursos suficientes em seu
Ativo Circulante (com uma folga de $ 4,09) para quitar suas Obrigações de Curto
Prazo.
 Em X3 – A empresa possui, em seu Ativo Circulante, recursos suficientes para pagar
suas Obrigações de Curto Prazo, pois, com um quociente de 1,60 resta ainda uma
folga de $ 0,60 para cada $ 1 de dívida com terceiros.
 Os índices nos mostram que a empresa possui uma boa condição financeira de curto
prazo em todos os três exercícios, obtendo Capital Circulante Liquido suficientes, nos
mostrando que a empresa não utilizou os capitais de terceiros em excesso, podendo
utilizar seus lucros posteriormente.
INTERPRETAÇÃO LIQUIDEZ CORRENTE
Liquidez Seca = Ativo Circulante - Estoques
Passivo Circulante
QUOCIENTES DE LIQUIDEZ
EXERCICIOS
X1 X2 X3
LIQUIDEZ SECA 1,62 3,69 1,25
 Em X1 – O quociente de 1,62 nos mostra que a empresa possui no Ativo Circulante
Líquido, recursos suficientes para saldar seus compromissos de Curto Prazo.
 Em X2 – O quociente de 3,69 nos mostra que a empresa possui em seu Ativo
Circulante Líquido, recursos suficientes para saldar suas dividas de Curto Prazo.
 Em X3 – O quociente de 1,25 nos mostra que a empresa tem em seu Ativo Circulante
Líquido, recursos suficientes para quitar suas dividas de Curto Prazo.
 Conforme analisado anteriormente, a empresa apresenta um ótimo índice de
solvência, reforçando ainda mais nesta ultima analise, que também mostra uma
situação de liquidez muito boa.
INTERPRETAÇÃO LIQUIDEZ SECA
Liquidez Imediata = Disponibilidade
Passivo Circulante
QUOCIENTES DE LIQUIDEZ
EXERCICIOS
X1 X2 X3
LIQUIDEZ IMEDIATA 1,16 3,23 0,42
 Em X1 – O quociente de 1,16 nos mostra que, para cada $ 1 de Dívida a Curto Prazo,
a empresa possui, em seu caixa $ 1,16.
 Em X2 – O quociente de 3,23 nos mostra que, para cada $ 1 de Dívida a Curto Prazo,
a empresa possui $ 3,23 em seu caixa.
 Em X3 – O quociente de 0,42 nos mostra que, para cada $ 1 de Dívida a Curto Prazo,
a empresa possui $ 0,42 em seu caixa.
Através dos cálculos percebe-se que para aquilatarmos melhor a validade intrínseca
deste quociente, será necessário analisar outros dados tendo em vista os prazos
vencíveis das obrigações.
INTERPRETAÇÃO LIQUIDEZ IMEDIATA
Analise de Demonstrativos financeiros - Estudo de caso

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Analise financeira
Analise financeira Analise financeira
Analise financeira
Thelma Lopes
 
Aula 05
Aula 05Aula 05
Caderno - Análise Financeira
Caderno - Análise FinanceiraCaderno - Análise Financeira
Caderno - Análise Financeira
Cadernos PPT
 
Rácios financeiros e económicos
Rácios financeiros e económicosRácios financeiros e económicos
Rácios financeiros e económicos
Universidade Pedagogica
 
Introdução à análise das demonstrações contábeis
Introdução à análise das demonstrações contábeisIntrodução à análise das demonstrações contábeis
Introdução à análise das demonstrações contábeis
Gilmar Seco Peres
 
Principais rácios da rendibilidade
Principais rácios da rendibilidadePrincipais rácios da rendibilidade
Principais rácios da rendibilidade
Universidade Pedagogica
 
Analise demonstracoes financeira_aula05
Analise demonstracoes financeira_aula05Analise demonstracoes financeira_aula05
Analise demonstracoes financeira_aula05
contacontabil
 
RáCios Financeiros
RáCios FinanceirosRáCios Financeiros
RáCios Financeiros
GabrielBatista
 
Demonstrações contábeis
Demonstrações contábeisDemonstrações contábeis
Demonstrações contábeis
fontouramail
 
Ratios
RatiosRatios
AnáLises Financeiras
AnáLises FinanceirasAnáLises Financeiras
AnáLises Financeiras
luiz miguel
 
Analise financeira
Analise financeiraAnalise financeira
Analise financeira
Erode Souza Leite
 
Racios financeiros e economicos
Racios financeiros e economicosRacios financeiros e economicos
Racios financeiros e economicos
Universidade Pedagogica
 
Monografia análise das demonstrações financeiras como instrumento de verifi...
Monografia   análise das demonstrações financeiras como instrumento de verifi...Monografia   análise das demonstrações financeiras como instrumento de verifi...
Monografia análise das demonstrações financeiras como instrumento de verifi...
Universidade Pedagogica
 
Analise De DemonstraçõEs Financeiras
Analise De DemonstraçõEs FinanceirasAnalise De DemonstraçõEs Financeiras
Analise De DemonstraçõEs Financeiras
admfape
 
Avaliação Econômica e Financeira - Aula 01 - Slides - Prof. Jerry Kato
Avaliação Econômica e Financeira - Aula 01 - Slides - Prof. Jerry KatoAvaliação Econômica e Financeira - Aula 01 - Slides - Prof. Jerry Kato
Avaliação Econômica e Financeira - Aula 01 - Slides - Prof. Jerry Kato
Sustentare Escola de Negócios
 
Ccnccap10 analise demonstracoes financeiras
Ccnccap10 analise demonstracoes financeirasCcnccap10 analise demonstracoes financeiras
Ccnccap10 analise demonstracoes financeiras
capitulocontabil
 
Aula14 analisedeindices
Aula14 analisedeindicesAula14 analisedeindices
Aula14 analisedeindices
fontouramail
 
Padronizacao das demostracoes contabeis
Padronizacao das demostracoes contabeisPadronizacao das demostracoes contabeis
Padronizacao das demostracoes contabeis
admcontabil
 
Analise demonstracoes financeira_aula01
Analise demonstracoes financeira_aula01Analise demonstracoes financeira_aula01
Analise demonstracoes financeira_aula01
contacontabil
 

Mais procurados (20)

Analise financeira
Analise financeira Analise financeira
Analise financeira
 
Aula 05
Aula 05Aula 05
Aula 05
 
Caderno - Análise Financeira
Caderno - Análise FinanceiraCaderno - Análise Financeira
Caderno - Análise Financeira
 
Rácios financeiros e económicos
Rácios financeiros e económicosRácios financeiros e económicos
Rácios financeiros e económicos
 
Introdução à análise das demonstrações contábeis
Introdução à análise das demonstrações contábeisIntrodução à análise das demonstrações contábeis
Introdução à análise das demonstrações contábeis
 
Principais rácios da rendibilidade
Principais rácios da rendibilidadePrincipais rácios da rendibilidade
Principais rácios da rendibilidade
 
Analise demonstracoes financeira_aula05
Analise demonstracoes financeira_aula05Analise demonstracoes financeira_aula05
Analise demonstracoes financeira_aula05
 
RáCios Financeiros
RáCios FinanceirosRáCios Financeiros
RáCios Financeiros
 
Demonstrações contábeis
Demonstrações contábeisDemonstrações contábeis
Demonstrações contábeis
 
Ratios
RatiosRatios
Ratios
 
AnáLises Financeiras
AnáLises FinanceirasAnáLises Financeiras
AnáLises Financeiras
 
Analise financeira
Analise financeiraAnalise financeira
Analise financeira
 
Racios financeiros e economicos
Racios financeiros e economicosRacios financeiros e economicos
Racios financeiros e economicos
 
Monografia análise das demonstrações financeiras como instrumento de verifi...
Monografia   análise das demonstrações financeiras como instrumento de verifi...Monografia   análise das demonstrações financeiras como instrumento de verifi...
Monografia análise das demonstrações financeiras como instrumento de verifi...
 
Analise De DemonstraçõEs Financeiras
Analise De DemonstraçõEs FinanceirasAnalise De DemonstraçõEs Financeiras
Analise De DemonstraçõEs Financeiras
 
Avaliação Econômica e Financeira - Aula 01 - Slides - Prof. Jerry Kato
Avaliação Econômica e Financeira - Aula 01 - Slides - Prof. Jerry KatoAvaliação Econômica e Financeira - Aula 01 - Slides - Prof. Jerry Kato
Avaliação Econômica e Financeira - Aula 01 - Slides - Prof. Jerry Kato
 
Ccnccap10 analise demonstracoes financeiras
Ccnccap10 analise demonstracoes financeirasCcnccap10 analise demonstracoes financeiras
Ccnccap10 analise demonstracoes financeiras
 
Aula14 analisedeindices
Aula14 analisedeindicesAula14 analisedeindices
Aula14 analisedeindices
 
Padronizacao das demostracoes contabeis
Padronizacao das demostracoes contabeisPadronizacao das demostracoes contabeis
Padronizacao das demostracoes contabeis
 
Analise demonstracoes financeira_aula01
Analise demonstracoes financeira_aula01Analise demonstracoes financeira_aula01
Analise demonstracoes financeira_aula01
 

Destaque

DRE
DREDRE
Aplicações financeiras em períodos turbulentos
Aplicações financeiras em períodos turbulentosAplicações financeiras em períodos turbulentos
Aplicações financeiras em períodos turbulentos
Fundação Dom Cabral
 
Acofi cap05 anliquidez
Acofi cap05 anliquidezAcofi cap05 anliquidez
Acofi cap05 anliquidez
Adriano Bruni
 
AULA DE EAB tecnicas
AULA DE EAB  tecnicasAULA DE EAB  tecnicas
AULA DE EAB tecnicas
Natasha Cunha
 
Aula 05 (4)
Aula 05 (4)Aula 05 (4)
Aula 05 (4)
Dieni Keli
 
Curso online Contabilidade Análise e Demonstrativos Financeiros
Curso online Contabilidade Análise e Demonstrativos FinanceirosCurso online Contabilidade Análise e Demonstrativos Financeiros
Curso online Contabilidade Análise e Demonstrativos Financeiros
Unichristus Centro Universitário
 
Análise do Balanço Patrimonial do Corinthians
Análise do Balanço Patrimonial do CorinthiansAnálise do Balanço Patrimonial do Corinthians
Análise do Balanço Patrimonial do Corinthians
Kelly Ruas
 
Análise fundamentalista cielo
Análise fundamentalista   cieloAnálise fundamentalista   cielo
Análise fundamentalista cielo
Roger Kammler
 
Estrutura e Análise de Balanço - IOB e-Store
Estrutura e Análise de Balanço - IOB e-StoreEstrutura e Análise de Balanço - IOB e-Store
Estrutura e Análise de Balanço - IOB e-Store
IOB News
 
Balanço patrimonial
Balanço patrimonialBalanço patrimonial
Balanço patrimonial
Cristiane Monteiro
 
GestÃo Financeira, Auditoria E Controladoria
GestÃo Financeira, Auditoria E ControladoriaGestÃo Financeira, Auditoria E Controladoria
GestÃo Financeira, Auditoria E Controladoria
jcconsultores
 
Balanco patrimonial
Balanco patrimonialBalanco patrimonial
Balanco patrimonial
Claudia Marinho
 
Controladoria sob o_enfoque_da_gestão_econômica_prof_leandro_faccini_16_out2013
Controladoria sob o_enfoque_da_gestão_econômica_prof_leandro_faccini_16_out2013Controladoria sob o_enfoque_da_gestão_econômica_prof_leandro_faccini_16_out2013
Controladoria sob o_enfoque_da_gestão_econômica_prof_leandro_faccini_16_out2013
Leandro Faccini
 
Análise Económico-Financeira Santander Totta - ApresentaçãO
Análise Económico-Financeira Santander Totta - ApresentaçãOAnálise Económico-Financeira Santander Totta - ApresentaçãO
Análise Económico-Financeira Santander Totta - ApresentaçãO
Cristovão Matos
 
Plano Orçamentário e Controladoria - Seçao 2
Plano Orçamentário  e Controladoria - Seçao 2Plano Orçamentário  e Controladoria - Seçao 2
Plano Orçamentário e Controladoria - Seçao 2
Alexandre Pereira
 
Acofi cap06 endividamento
Acofi cap06 endividamentoAcofi cap06 endividamento
Acofi cap06 endividamento
Adriano Bruni
 
DRE e DFC - Slides
DRE e DFC - SlidesDRE e DFC - Slides
DRE e DFC - Slides
eventos2013
 
Analise das demonstrações financeiras
Analise das demonstrações financeirasAnalise das demonstrações financeiras
Analise das demonstrações financeiras
belyalmeida
 
Dre
DreDre
Palestra de Gestão Estratégica em Controladoria
Palestra de Gestão Estratégica em ControladoriaPalestra de Gestão Estratégica em Controladoria
Palestra de Gestão Estratégica em Controladoria
Valini & Associates
 

Destaque (20)

DRE
DREDRE
DRE
 
Aplicações financeiras em períodos turbulentos
Aplicações financeiras em períodos turbulentosAplicações financeiras em períodos turbulentos
Aplicações financeiras em períodos turbulentos
 
Acofi cap05 anliquidez
Acofi cap05 anliquidezAcofi cap05 anliquidez
Acofi cap05 anliquidez
 
AULA DE EAB tecnicas
AULA DE EAB  tecnicasAULA DE EAB  tecnicas
AULA DE EAB tecnicas
 
Aula 05 (4)
Aula 05 (4)Aula 05 (4)
Aula 05 (4)
 
Curso online Contabilidade Análise e Demonstrativos Financeiros
Curso online Contabilidade Análise e Demonstrativos FinanceirosCurso online Contabilidade Análise e Demonstrativos Financeiros
Curso online Contabilidade Análise e Demonstrativos Financeiros
 
Análise do Balanço Patrimonial do Corinthians
Análise do Balanço Patrimonial do CorinthiansAnálise do Balanço Patrimonial do Corinthians
Análise do Balanço Patrimonial do Corinthians
 
Análise fundamentalista cielo
Análise fundamentalista   cieloAnálise fundamentalista   cielo
Análise fundamentalista cielo
 
Estrutura e Análise de Balanço - IOB e-Store
Estrutura e Análise de Balanço - IOB e-StoreEstrutura e Análise de Balanço - IOB e-Store
Estrutura e Análise de Balanço - IOB e-Store
 
Balanço patrimonial
Balanço patrimonialBalanço patrimonial
Balanço patrimonial
 
GestÃo Financeira, Auditoria E Controladoria
GestÃo Financeira, Auditoria E ControladoriaGestÃo Financeira, Auditoria E Controladoria
GestÃo Financeira, Auditoria E Controladoria
 
Balanco patrimonial
Balanco patrimonialBalanco patrimonial
Balanco patrimonial
 
Controladoria sob o_enfoque_da_gestão_econômica_prof_leandro_faccini_16_out2013
Controladoria sob o_enfoque_da_gestão_econômica_prof_leandro_faccini_16_out2013Controladoria sob o_enfoque_da_gestão_econômica_prof_leandro_faccini_16_out2013
Controladoria sob o_enfoque_da_gestão_econômica_prof_leandro_faccini_16_out2013
 
Análise Económico-Financeira Santander Totta - ApresentaçãO
Análise Económico-Financeira Santander Totta - ApresentaçãOAnálise Económico-Financeira Santander Totta - ApresentaçãO
Análise Económico-Financeira Santander Totta - ApresentaçãO
 
Plano Orçamentário e Controladoria - Seçao 2
Plano Orçamentário  e Controladoria - Seçao 2Plano Orçamentário  e Controladoria - Seçao 2
Plano Orçamentário e Controladoria - Seçao 2
 
Acofi cap06 endividamento
Acofi cap06 endividamentoAcofi cap06 endividamento
Acofi cap06 endividamento
 
DRE e DFC - Slides
DRE e DFC - SlidesDRE e DFC - Slides
DRE e DFC - Slides
 
Analise das demonstrações financeiras
Analise das demonstrações financeirasAnalise das demonstrações financeiras
Analise das demonstrações financeiras
 
Dre
DreDre
Dre
 
Palestra de Gestão Estratégica em Controladoria
Palestra de Gestão Estratégica em ControladoriaPalestra de Gestão Estratégica em Controladoria
Palestra de Gestão Estratégica em Controladoria
 

Semelhante a Analise de Demonstrativos financeiros - Estudo de caso

Indices financeiros
Indices financeirosIndices financeiros
Indices financeiros
Mirna Sales
 
2014 02 13_análise demonstr. fin. - aula 03
2014 02 13_análise demonstr. fin. - aula 032014 02 13_análise demonstr. fin. - aula 03
2014 02 13_análise demonstr. fin. - aula 03
Claudio Parra
 
Seminários em Administração
Seminários em AdministraçãoSeminários em Administração
Seminários em Administração
Carlos Oliveira
 
Indices adc
Indices adcIndices adc
Indices adc
razonetecontabil
 
Artigo -_ndices_de_endividamento
Artigo  -_ndices_de_endividamentoArtigo  -_ndices_de_endividamento
Artigo -_ndices_de_endividamento
Jonathas Oliveia
 
Administração financeira apostila
Administração financeira   apostilaAdministração financeira   apostila
Administração financeira apostila
Renan Miranda
 
Gestão financeira e econômica aula 2
Gestão financeira e econômica aula 2Gestão financeira e econômica aula 2
Gestão financeira e econômica aula 2
lhohenrique
 
Ficha de trabalho nº27 mod8-fluxos de caixa
Ficha de trabalho nº27  mod8-fluxos de caixaFicha de trabalho nº27  mod8-fluxos de caixa
Ficha de trabalho nº27 mod8-fluxos de caixa
Leonor Alves
 
ESPECIALIDADE CONTABILIDADE.pptx
ESPECIALIDADE CONTABILIDADE.pptxESPECIALIDADE CONTABILIDADE.pptx
ESPECIALIDADE CONTABILIDADE.pptx
JNIORLUIZDONASCIMENT
 
Encerramento das contas de resultado
Encerramento das contas de resultadoEncerramento das contas de resultado
Encerramento das contas de resultado
razonetecontabil
 
Analise das demonstr finance
Analise das demonstr financeAnalise das demonstr finance
Analise das demonstr finance
admcontabil
 

Semelhante a Analise de Demonstrativos financeiros - Estudo de caso (11)

Indices financeiros
Indices financeirosIndices financeiros
Indices financeiros
 
2014 02 13_análise demonstr. fin. - aula 03
2014 02 13_análise demonstr. fin. - aula 032014 02 13_análise demonstr. fin. - aula 03
2014 02 13_análise demonstr. fin. - aula 03
 
Seminários em Administração
Seminários em AdministraçãoSeminários em Administração
Seminários em Administração
 
Indices adc
Indices adcIndices adc
Indices adc
 
Artigo -_ndices_de_endividamento
Artigo  -_ndices_de_endividamentoArtigo  -_ndices_de_endividamento
Artigo -_ndices_de_endividamento
 
Administração financeira apostila
Administração financeira   apostilaAdministração financeira   apostila
Administração financeira apostila
 
Gestão financeira e econômica aula 2
Gestão financeira e econômica aula 2Gestão financeira e econômica aula 2
Gestão financeira e econômica aula 2
 
Ficha de trabalho nº27 mod8-fluxos de caixa
Ficha de trabalho nº27  mod8-fluxos de caixaFicha de trabalho nº27  mod8-fluxos de caixa
Ficha de trabalho nº27 mod8-fluxos de caixa
 
ESPECIALIDADE CONTABILIDADE.pptx
ESPECIALIDADE CONTABILIDADE.pptxESPECIALIDADE CONTABILIDADE.pptx
ESPECIALIDADE CONTABILIDADE.pptx
 
Encerramento das contas de resultado
Encerramento das contas de resultadoEncerramento das contas de resultado
Encerramento das contas de resultado
 
Analise das demonstr finance
Analise das demonstr financeAnalise das demonstr finance
Analise das demonstr finance
 

Analise de Demonstrativos financeiros - Estudo de caso

  • 1. Calculo dos Indicadores Comercial Espírito Santo S.A. Alunos: Bruno Teixeira Eduardo Cazetta Luana Moreira Matheus Antunes Silvan Santos
  • 2. Quociente de Liquidez QUOCIENTES DE LIQUIDEZ EXERCICIOS X1 X2 X3 LIQUIDEZ GERAL 1,53 2,67 1,43 LIQUIDEZ CORRENTE 4,41 5,09 1,60 LIQUIDEZ SECA 1,62 3,69 1,25 LIQUIDEZ IMEDIATA 1,16 3,23 0,42
  • 3. Liquidez Geral = Ativo Circulante + Realizável a Longo Prazo Passivo Circulante + Exigível a Longo Prazo QUOCIENTE DE LIQUIDEZ EXERCICIOS X1 X2 X3 LIQUIDEZ GERAL 1,53 2,67 1,43
  • 4. INTERPRETAÇÃO LIQUIDEZ GERAL  Em X1 – A empresa Comercial Espírito Santo S.A. possui, em seu Ativo Circulante e Realizável a Longo Prazo, recursos para cobrir suas Obrigações com terceiros, pois para cada $ 1 de divida, ela possui 1,53 obtendo ainda uma folga de $ 0,53.  Em X2 – A empresa Comercial Espírito Santo S.A. possui, em seu Ativo Circulante e Realizável a Longo Prazo, recursos para cobrir suas Obrigações com terceiros, pois para cada $ 1 de divida, ela possui 2,67 obtendo ainda $ 1,67 de sobra.  Em X3 – A empresa Comercial Espírito Santo S.A. possui, recursos suficientes em seu Ativo Circulante e Realizável a Longo Prazo para cobrir suas Obrigações com terceiros, tendo para cada $ 1de divida 1,43 em caixa com uma folga de $ 0,43.
  • 5. Liquidez Corrente = Ativo Circulante Passivo Circulante QUOCIENTES DE LIQUIDEZ EXERCICIOS X1 X2 X3 LIQUIDEZ CORRENTE 4,41 5,09 1,60
  • 6.  Em X1 – A situação corrente da empresa está ótima, pois para cada obrigação de $ 1, ela possui 4,41 ou seja, possui ainda $ 3,41 de folga, o que quer dizer que existem recursos suficientes no Ativo Circulante para quitar suas Obrigações de Curto Prazo.  Em X2 – O quociente de 5,09 nos mostra que para cada $ 1 de Obrigações de Curto Prazo, a empresa detém $ 5,09, o que quer dizer que há recursos suficientes em seu Ativo Circulante (com uma folga de $ 4,09) para quitar suas Obrigações de Curto Prazo.  Em X3 – A empresa possui, em seu Ativo Circulante, recursos suficientes para pagar suas Obrigações de Curto Prazo, pois, com um quociente de 1,60 resta ainda uma folga de $ 0,60 para cada $ 1 de dívida com terceiros.  Os índices nos mostram que a empresa possui uma boa condição financeira de curto prazo em todos os três exercícios, obtendo Capital Circulante Liquido suficientes, nos mostrando que a empresa não utilizou os capitais de terceiros em excesso, podendo utilizar seus lucros posteriormente. INTERPRETAÇÃO LIQUIDEZ CORRENTE
  • 7. Liquidez Seca = Ativo Circulante - Estoques Passivo Circulante QUOCIENTES DE LIQUIDEZ EXERCICIOS X1 X2 X3 LIQUIDEZ SECA 1,62 3,69 1,25
  • 8.  Em X1 – O quociente de 1,62 nos mostra que a empresa possui no Ativo Circulante Líquido, recursos suficientes para saldar seus compromissos de Curto Prazo.  Em X2 – O quociente de 3,69 nos mostra que a empresa possui em seu Ativo Circulante Líquido, recursos suficientes para saldar suas dividas de Curto Prazo.  Em X3 – O quociente de 1,25 nos mostra que a empresa tem em seu Ativo Circulante Líquido, recursos suficientes para quitar suas dividas de Curto Prazo.  Conforme analisado anteriormente, a empresa apresenta um ótimo índice de solvência, reforçando ainda mais nesta ultima analise, que também mostra uma situação de liquidez muito boa. INTERPRETAÇÃO LIQUIDEZ SECA
  • 9. Liquidez Imediata = Disponibilidade Passivo Circulante QUOCIENTES DE LIQUIDEZ EXERCICIOS X1 X2 X3 LIQUIDEZ IMEDIATA 1,16 3,23 0,42
  • 10.  Em X1 – O quociente de 1,16 nos mostra que, para cada $ 1 de Dívida a Curto Prazo, a empresa possui, em seu caixa $ 1,16.  Em X2 – O quociente de 3,23 nos mostra que, para cada $ 1 de Dívida a Curto Prazo, a empresa possui $ 3,23 em seu caixa.  Em X3 – O quociente de 0,42 nos mostra que, para cada $ 1 de Dívida a Curto Prazo, a empresa possui $ 0,42 em seu caixa. Através dos cálculos percebe-se que para aquilatarmos melhor a validade intrínseca deste quociente, será necessário analisar outros dados tendo em vista os prazos vencíveis das obrigações. INTERPRETAÇÃO LIQUIDEZ IMEDIATA