SlideShare uma empresa Scribd logo
Agricultura Biológica
Desenvolvimento da
Agricultura Biológica
Desenvolvimento da Agricultura Biológica
 Área cultivada mundialmente em Agricultura Biológica: 31
milhões de hectares.
 62 milhões de hectares de recolha de plantas silvestres, que
são certificadas em Agricultura Biológica.
 Mercado de agricultura biológica em 2006: 30,9 mil milhões
de euros.
Desenvolvimento da Agricultura Biológica na Europa
 Desenvolveu-se a partir da década de 90.
 Em 2007:
– Cerca de 6,3 milhões de hectares
– Cerca de 160000 explorações agrícolas
– Corresponde a 3,9% da área agrícola
Itália é o país com maior número de explorações e com maior
área.
Desenvolvimento da Agricultura Biológica na Europa
 Maiores mercados para os produtos da agricultura biológica:
 1º Alemanha
 2º Itália
 3º França
 Maior percentagem de mercado para a agricultura biológica: Suiça, com
4,5%.
 Maior consumo per capita: Suiça, com 100 euros por ano por habitante.
Desenvolvimento da Agricultura Biológica em
Portugal
 Evolução da área (ha) de produção biológica em Portugal (1993-2005)
Desenvolvimento da Agricultura Biológica em
Portugal
 Evolução do número de operadores certificados em AB em
Portugal (1993-2005)
Razões que levam os consumidores a não escolherem
alimentos da Agricultura Biológica:
 Preço (demasiado caros);
 Dificuldade em encontrar estes alimentos em grandes superfícies e
indisponibilidade de tempo para os procurar em lojas da especialidade;
 Satisfação com os produtos alimentares habitualmente consumidos;
 Falta de familiaridade com o termo “biológico” e sistemas de certificação
de produtos de agricultura biológica
Razões que levam os consumidores a escolherem
alimentos da Agricultura Biológica:
 Benefícios globais na saúde
 Segurança
 Valor nutricional
 Sabor
 Razões ambientais
O que é a agricultura biológica?
 A agricultura biológica é um tipo de
agricultura que se caracteriza pela não
utilização de adubos artificiais, aliando os
conhecimentos tradicionais às modernas
técnicas agrícolas e preservando o solo para
as gerações vindouras. Melhora a fertilidade
do solo e favorece a biodiversidade
O que é a agricultura biológica?
Modo de produção agrícola sustentável, baseado na actividade
biológica do solo, a qual é alimentada pela incorporação de matéria
orgânica – base da fertilização.
 Exclui adubos facilmente solúveis e evita o recurso a produtos
químicos de síntese.
 Respeita o bem-estar animal, privilegiando estratégias preventivas
na sanidade vegetal e animal e a implementação da diversidade na
exploração.
O que é a Agricultura Biológica?
Agricultura biológica é um sistema de produção agrícola (vegetal e animal)
que procura a obtenção de alimentos de qualidade superior, recorrendo a
técnicas que garantam a sua sustentabilidade, preservando o solo, o meio
ambiente e a biodiversidade, privilegiando a utilização dos recursos locais e
evitando o recurso a produtos químicos de síntese e adubos facilmente
solúveis.
Princípios de produção biológica nas
explorações - Prod. Vegetal
• Preservação recursos naturais e ecológicos
– Equilíbrio ecológico
– Reciclagem de nutrientes
– Manutenção / aumento biodiversidade ecossistemas
– Exclusão de OGM‘s
• Combinação das melhores práticas ambientais
– Utilização de organismos vivos e métodos de produção mecânicos
– Pratiquem o cultivo de vegetais e a produção animal adequados ao solo
– Avaliação dos riscos e utilização de medidas preventivas
• Promoção da vida e da fertilidade dos solos
– Ecossistema que alimenta as plantas
– Método de produção com recurso a substâncias e processos naturais
• Promoção do bem-estar e sanidade animal
Princípios de produção biológica nas
explorações - Prod. Vegetal
• Diversidade biológica
Culturas diversificadas e animais na exploração
 Instalação de sebes, faixas de herbáceas, adubos verdes, plantas
espontâneas
 Animais auxiliares (mamíferos e insectos) de preferência oriundos das imediações
da exploração
• Variedades / espécies adaptadas à região
 Prevenir possíveis problemas com pragas e doenças
 Preservar o património (diversidade) genético
 Maior familiaridade dos produtores agrícolas em relação ao seu
comportamento produtivo
Princípios de produção biológica nas
explorações - Prod. Vegetal
• Manter/melhorar e controlar a fertilidade do solo
 A fertilização orgânica constitui a base da fertilização  A matéria orgânica
beneficia os solos dos pontos de vista físico, químico e biológico
 Reciclar os resíduos vegetais e animais obtidos na própria exploração:
 Enterramento directo ou compostagem (preferencial)  restituir à terra
muitos dos elementos nutritivos retirados (restituições). Desta forma procura-
se também reduzir ao mínimo a utilização de recursos não renováveis
 Colheita de amostras de terra e de folhas para análise laboratorial  envio para
laboratório acreditado
Princípios de produção biológica nas
explorações - Prod. Vegetal
• Trabalho do solo
 Solo coberto, especialmente em terrenos com inclinação e no período
Outono/Inverno
 Evitar mobilizações que provoquem reviramentos das camadas  quando
necessário (por exemplo para enterramento de massa vegetal)  não utilização
charruas que trabalhem a profundidade superior a 20 cm
 Privilegiar práticas que promovam melhor estrutura do solo (técnicas e alfaias de
dentes, com mobilização mínima e em momentos oportunos)
• Conservação da água para rega
Princípios de produção biológica nas
explorações - Prod. Animal
• A produção animal é um elemento fundamental no rendimento da
exploração  Fornecimento de matérias orgânicas e nutrientes às terras
cultivadas  Melhoria dos solos e desenvolvimento da agricultura sustentável
• Alimentação animal com produtos de AB da própria exploração ou
explorações vizinhas
• Cumprimento do bem-estar animal:
– Necessidades comportamentais próprias de cada espécie
– Gestão da sanidade animal através da prevenção de doenças  condições de
alojamento / práticas de criação / encabeçamento / escolha de raças adaptadas às
condições do local
– Animais com acesso a espaços livres / pastagens
Para quê a agricultura biológica?
Os principais objectivos da agricultura biológica são:
1. Produzir alimentos de alta qualidade em suficiente quantidade;
2. Interagir de forma construtiva e equilibrada com os sistemas e ciclos
naturais;
3. Promover e desenvolver ciclos biológicos dentro do sistema de
produção, envolvendo microorganismos, flora e fauna do solo, plantas e
animais;
4. Manter e/ou aumentar a fertilidade do solo a longo prazo;
5. Promover o correcto uso da água e a gestão racional dos recursos
hídricos e da vida neles existentes;
Para quê a agricultura biológica?
6. Contribuir para a conservação do solo e da água;
7. Utilizar na medida do possível, recursos renováveis nos sistemas
agrícolas organizados localmente;
8. Trabalhar, na medida do possível, num ciclo fechado no que respeita à
matéria orgânica (resíduos das culturas, estrumes, etc.) e elementos
nutritivos;
9. Trabalhar, na medida do possível, com matérias e substâncias que
possam ser reutilizadas ou recicladas, tanto na exploração agrícola como
fora dela;
10. Dar todas as condições de vida aos animais que lhes permitam atingir os
aspectos básicos do seu bem estar
Para quê a agricultura biológica?
11. Minimizar todas as formas de poluição que possam resultar de práticas
agrícolas;
12. Considerar o impacto social e ecológico do sistema agrícola;
13. Produzir produtos não alimentares com base em recursos renováveis e
completamente biodegradáveis (não poluentes);
14. Produzir alimentos de elevada qualidade nutritiva, sem resíduos de
produtos químicos tóxicos;
15.Reduzir ao mínimo o consumo de energia fóssil e utilizar os recursos
locais;
16. Permitir aos agricultores uma melhor valorização das suas produções e
uma dignificação da sua profissão.
Algumas Técnicas da Agricultura Biológica
 Rotação de culturas;
 Pousio;
 Consociações;
 Siderações;
 Utilização de leguminosas;
 Compostagem;
 Promoção da biodiversidade (fauna e flora);
 Controlo biológico de pragas;
 Utilização de plantas atractivas e repelentes de pragas;
 Biopesticidas;
 Feromonas, hormonas;
 …
 Rotação de culturas sucessão de
culturas de características e
exigências diferentes no espaço
(afolhamento) e no tempo
(sequência), durante um
determinado número de anos, no
fim do qual se retoma a mesma
sucessão.
Consociações
 Associação de duas ou mais espécies
 Muitas plantas contêm substâncias que
repelem insectos, tais como:
 Óleos essenciais (Alfazema);
 Piretrinas (Piretro);
 Citrol (Erva-príncipe).
 Outras têm substâncias que atraem insectos.
Vantagens da Consociação na horta
Flores atraem os
insectos úteis (ex:
Calêndulas)
Plantas armadilha
atraem e hospedam
insectos nocivos (ex:
Chagas)
Plantas aromáticas
mantêm afastadas as
pragas (ex: tomilhos)
Sebes são refúgio
para animais úteis
Efeitos das ervas
Efeitos das ervas
Efeitos das ervas
Associações favoráveis e desfavoráveis entre os
produtos hortícolas mais vulgares
Associações favoráveis e desfavoráveis entre os
produtos hortícolas mais vulgares
Associações favoráveis e desfavoráveis entre os
produtos hortícolas mais vulgares
Associações favoráveis e desfavoráveis entre os
produtos hortícolas mais vulgares
Utilização de leguminosas
 Possuem, ao nível das raízes, bactérias fixadoras de azoto.
 Várias espécies apresentam raízes associadas à bactérias
fixadoras de azoto.
 Rizobium, por exemplo, no feijão, ervilha, alfafa, soja, etc. .
Compostagem
Decomposição, em condições controladas, dos resíduos
orgânicos da própria exploração, ou de fora.
Vermicompostagem: utilização de minhocas vermelhas.
Práticas agrícolas que permitem reduzir os danos
causados pelas pragas:
cultivo de espécies em locais onde não existam as pragas que
as atacam;
 rotação de culturas;
 ajuste dos ciclos de cultura, de forma a fazer coincidir a altura
de maior produção com a fase do ciclo de vida em que a praga
é menos activa;
 plantação de sebes em redor das culturas, o que cria habitats
para os inimigos naturais das pragas;
culturas marginais, que desviam as pragas.
Controlo Biológico
Regulação das populações de pragas pelos seus inimigos naturais, como
predadores, parasitas e agentes patogénicos.
Método de regulação selectivo e não tóxico.
Larva de sirfídeo – alimenta-se de pulgões
Sirfídeo adulto – alimenta-se de pólen.
Esterilização de insectos
 Machos de insectos criados em laboratório e tornados estéreis são libertados
numa zona infestada.
 O acasalamento com as fêmeas não produz descendência e a população da
praga diminui.
Biopesticidas:
Alguns microorganismos produzem toxinas, específicas e
biodegradáveis, que podem ser utilizadas como pesticidas
biológicos.
Pesticidas autorizados em AB:
 Insecticidas vegetais (rotenona, piretrina, azadiractina) Trata-se de
insecticidas que se degradam rapidamente
As toxinas Bt são aplicadas às culturas, protegendo-as das pragas
de insectos, sem Piscidia erythrina afectar os organismos de outros
grupos.
Formulações específicas de biopesticidas
 Urtiga _ Urtica dioica
 Fetos _ Pteridium aquilinum
 Consolda_Symphytum officinalis
 Alho_Allium sativum
 Absinto_Artemisia absinthium
 Lavanda_Lavandula officinalis
 Piretro_Tanacetum cinerariifolium
 Arruda_Ruta graveolens
 Salva_Salvia officinalis
Utilização de hormonas:
 A aplicação de hormonas sintéticas ou outras substâncias que
interfiram com as hormonas naturais pode impedir que se
complete o ciclo de vida do insecto.
 A utilização de auxinas em campos de cultivo de
monocotiledóneas permite controlar a proliferação de ervas
daninhas.
Utilização de feromonas:
As feromonas são substâncias produzidas pelos animais e que lhes
permitem estabelecer comunicação. Nos insectos, são libertadas na
altura do acasalamento para atrair o parceiro.
As feromonas podem ser colocadas em armadilhas, atraindo os
insectos e desviando-os das culturas. Podem, também, ser utilizadas para
atrair os predadores ou parasitas naturais.
Fertilizantes autorizados
Incluem correctivos e adubos;
 Ex: estrume, turfa, compostos de culturas de cogumelos,
excrementos de minhocas, algas, serradura, casca de árvore, cinzas
de madeira, fosfato natural, sais brutos de potássio, vinhaça,
carbonato de cálcio, sulfato de magnésio, enxofre elementar, pó de
rocha, argilas, …
Contributo da matéria orgânica em nutrientes
Contributo da matéria orgânica em nutrientes
Contributo da matéria orgânica em nutrientes
Legislação específica do MPB
Reg. (CE) nº 834/2007
Regras Produção Vegetal
Cap. 2 – Art. 11º e 12º
• Práticas de mobilização e cultivo
• Rotação (plurianual)
• Fertilizantes, correctivos, produtos fitossanitários e produtos de
desinfecção e limpeza autorizados
• Técnicas de produção amigas do ambiente
• Utilização de sementes e materiais de propagação vegetativa biológicos
(excepto para a obtenção de sementes e materiais de propagação
vegetativa)
• Colheita de plantas selvagens consideradas como MPB:
 » Zonas não tratadas pelo menos há 3 anos antes da colheita
 » Colheita não afecte a estabilidade do habitat natural
Legislação específica do MPB
Reg. (CE) nº 834/2007
Regras Produção Animal
Cap. 2 – Art. 14º
• Origem dos animais
• Práticas de criação e condições de alojamento
• Reprodução
• Alimentação
• Prevenção de doenças e tratamentos veterinários
Legislação específica do MPB
Passos para início de actividade em MPB
• 1º Contratar com organismo privado de controlo (1ª visita)
• 2º Notificar a Direcção Geral de Agricultura e Desenvolvimento Rural como
operador em MPB  preenchimento do formulário  online em
http://www.dgadr.mamaot.pt/val-qual/mod-bio
• 3º Período de Conversão - inicia com a notificação
– 2 anos para culturas anuais e pastagens
– 3 anos para culturas perenes
– Animais depende da espécie animal

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

1624
16241624
1624
Pelo Siro
 
A Agricultura portuguesa (11º ano) e a Ação erosiva do mar (10º ano)
A Agricultura portuguesa (11º ano) e a Ação erosiva do mar (10º ano)A Agricultura portuguesa (11º ano) e a Ação erosiva do mar (10º ano)
A Agricultura portuguesa (11º ano) e a Ação erosiva do mar (10º ano)
Joana Filipa Rodrigues
 
Modo produção biológico
Modo produção biológico Modo produção biológico
Modo produção biológico
Rosa Almendra
 
Integração Lavoura Pecuaria Floresta ILPF
Integração Lavoura Pecuaria Floresta ILPFIntegração Lavoura Pecuaria Floresta ILPF
Integração Lavoura Pecuaria Floresta ILPF
Gabriela De Paula Marciano
 
Agricultura biológica
Agricultura biológicaAgricultura biológica
Agricultura biológica
Paula Tomaz
 
Manejo de pragas - agricultura organica
Manejo de pragas - agricultura organicaManejo de pragas - agricultura organica
Manejo de pragas - agricultura organica
pipesmythe
 
Noções de Sustentabilidade
Noções de SustentabilidadeNoções de Sustentabilidade
Noções de Sustentabilidade
railuz07
 
Aquicultura
AquiculturaAquicultura
Aquicultura
Miguel Jesus
 
Perspectivas e Oportunidades para a Agricultura do Futuro
Perspectivas e Oportunidades para a Agricultura do FuturoPerspectivas e Oportunidades para a Agricultura do Futuro
Perspectivas e Oportunidades para a Agricultura do Futuro
Portal Canal Rural
 
Agricultura e pecuária
Agricultura e pecuáriaAgricultura e pecuária
Agricultura e pecuária
Gisela Alves
 
Indústria e desenvolvimento rural 11 4
Indústria e desenvolvimento rural 11 4Indústria e desenvolvimento rural 11 4
Indústria e desenvolvimento rural 11 4
Joao Paulo Curto
 
Agricultura biológica
Agricultura biológicaAgricultura biológica
Agricultura biológica
bia5
 
Silvicultura
SilviculturaSilvicultura
Silvicultura
mariajosantos
 
Gestão Ambiental
Gestão AmbientalGestão Ambiental
Gestão Ambiental
Cadernos PPT
 
Aula código florestal
Aula código florestalAula código florestal
Aula código florestal
João Alfredo Telles Melo
 
Agroecologia
AgroecologiaAgroecologia
Agroecologia
Inacia Lucia Medeiros
 
Pac
PacPac
Receita Agronômica
Receita AgronômicaReceita Agronômica
Receita Agronômica
AgriculturaSustentavel
 
27889847 areas-rurais
27889847 areas-rurais27889847 areas-rurais
27889847 areas-rurais
profcarladias
 
Controle biológico de_pragas
Controle biológico de_pragasControle biológico de_pragas
Controle biológico de_pragas
João Siqueira da Mata
 

Mais procurados (20)

1624
16241624
1624
 
A Agricultura portuguesa (11º ano) e a Ação erosiva do mar (10º ano)
A Agricultura portuguesa (11º ano) e a Ação erosiva do mar (10º ano)A Agricultura portuguesa (11º ano) e a Ação erosiva do mar (10º ano)
A Agricultura portuguesa (11º ano) e a Ação erosiva do mar (10º ano)
 
Modo produção biológico
Modo produção biológico Modo produção biológico
Modo produção biológico
 
Integração Lavoura Pecuaria Floresta ILPF
Integração Lavoura Pecuaria Floresta ILPFIntegração Lavoura Pecuaria Floresta ILPF
Integração Lavoura Pecuaria Floresta ILPF
 
Agricultura biológica
Agricultura biológicaAgricultura biológica
Agricultura biológica
 
Manejo de pragas - agricultura organica
Manejo de pragas - agricultura organicaManejo de pragas - agricultura organica
Manejo de pragas - agricultura organica
 
Noções de Sustentabilidade
Noções de SustentabilidadeNoções de Sustentabilidade
Noções de Sustentabilidade
 
Aquicultura
AquiculturaAquicultura
Aquicultura
 
Perspectivas e Oportunidades para a Agricultura do Futuro
Perspectivas e Oportunidades para a Agricultura do FuturoPerspectivas e Oportunidades para a Agricultura do Futuro
Perspectivas e Oportunidades para a Agricultura do Futuro
 
Agricultura e pecuária
Agricultura e pecuáriaAgricultura e pecuária
Agricultura e pecuária
 
Indústria e desenvolvimento rural 11 4
Indústria e desenvolvimento rural 11 4Indústria e desenvolvimento rural 11 4
Indústria e desenvolvimento rural 11 4
 
Agricultura biológica
Agricultura biológicaAgricultura biológica
Agricultura biológica
 
Silvicultura
SilviculturaSilvicultura
Silvicultura
 
Gestão Ambiental
Gestão AmbientalGestão Ambiental
Gestão Ambiental
 
Aula código florestal
Aula código florestalAula código florestal
Aula código florestal
 
Agroecologia
AgroecologiaAgroecologia
Agroecologia
 
Pac
PacPac
Pac
 
Receita Agronômica
Receita AgronômicaReceita Agronômica
Receita Agronômica
 
27889847 areas-rurais
27889847 areas-rurais27889847 areas-rurais
27889847 areas-rurais
 
Controle biológico de_pragas
Controle biológico de_pragasControle biológico de_pragas
Controle biológico de_pragas
 

Semelhante a Agricultura biologica

I.1.pptx
I.1.pptxI.1.pptx
I.1.pptx
maria579244
 
Curso de olericultura organica (horta legumes etc..)
Curso de olericultura organica (horta legumes etc..)Curso de olericultura organica (horta legumes etc..)
Curso de olericultura organica (horta legumes etc..)
Bruno Da Montanha
 
Agricultura biológica
Agricultura biológicaAgricultura biológica
Agricultura biológica
claudialopes
 
Cultivo 1
Cultivo 1Cultivo 1
Cultivo 1
rigottims
 
Agricultura biológica
Agricultura biológicaAgricultura biológica
Agricultura biológica
Mayjö .
 
Mod I moodle
Mod I moodleMod I moodle
biologica
biologicabiologica
Agricultura Biológica
Agricultura BiológicaAgricultura Biológica
Agricultura Biológica
nikita72
 
Apostila agricultura orgânica
Apostila agricultura orgânicaApostila agricultura orgânica
Apostila agricultura orgânica
mvezzone
 
Manual.biohorta.coimbra
Manual.biohorta.coimbraManual.biohorta.coimbra
Manual.biohorta.coimbra
Susana Susanacaixinha
 
Manual.biohorta.coimbra
Manual.biohorta.coimbraManual.biohorta.coimbra
Manual.biohorta.coimbra
João Siqueira da Mata
 
Alimentos orgânicos
Alimentos orgânicosAlimentos orgânicos
Alimentos orgânicos
Leonardo Lesnik
 
Modo producao biologico
Modo producao biologicoModo producao biologico
Modo producao biologico
Rosa Almendra
 
Agricultura_Orgânica. Slide turma 03 itep
Agricultura_Orgânica. Slide turma 03 itepAgricultura_Orgânica. Slide turma 03 itep
Agricultura_Orgânica. Slide turma 03 itep
MilenaAlmeida74
 
I.4 Agricultura Biologica.pptxclllappaaa
I.4 Agricultura Biologica.pptxclllappaaaI.4 Agricultura Biologica.pptxclllappaaa
I.4 Agricultura Biologica.pptxclllappaaa
Judite Silva
 
I.4 Agricultura Biologica.pptx
I.4 Agricultura Biologica.pptxI.4 Agricultura Biologica.pptx
I.4 Agricultura Biologica.pptx
Judite Silva
 
Agricultura biológica
Agricultura biológicaAgricultura biológica
Agricultura biológica
Paula Tomaz
 
Agricultura orgânica
Agricultura orgânicaAgricultura orgânica
Agricultura orgânica
Lilianlbl
 
I.1
I.1I.1
Alimentos biológicos
Alimentos biológicosAlimentos biológicos
Alimentos biológicos
vitaminocas
 

Semelhante a Agricultura biologica (20)

I.1.pptx
I.1.pptxI.1.pptx
I.1.pptx
 
Curso de olericultura organica (horta legumes etc..)
Curso de olericultura organica (horta legumes etc..)Curso de olericultura organica (horta legumes etc..)
Curso de olericultura organica (horta legumes etc..)
 
Agricultura biológica
Agricultura biológicaAgricultura biológica
Agricultura biológica
 
Cultivo 1
Cultivo 1Cultivo 1
Cultivo 1
 
Agricultura biológica
Agricultura biológicaAgricultura biológica
Agricultura biológica
 
Mod I moodle
Mod I moodleMod I moodle
Mod I moodle
 
biologica
biologicabiologica
biologica
 
Agricultura Biológica
Agricultura BiológicaAgricultura Biológica
Agricultura Biológica
 
Apostila agricultura orgânica
Apostila agricultura orgânicaApostila agricultura orgânica
Apostila agricultura orgânica
 
Manual.biohorta.coimbra
Manual.biohorta.coimbraManual.biohorta.coimbra
Manual.biohorta.coimbra
 
Manual.biohorta.coimbra
Manual.biohorta.coimbraManual.biohorta.coimbra
Manual.biohorta.coimbra
 
Alimentos orgânicos
Alimentos orgânicosAlimentos orgânicos
Alimentos orgânicos
 
Modo producao biologico
Modo producao biologicoModo producao biologico
Modo producao biologico
 
Agricultura_Orgânica. Slide turma 03 itep
Agricultura_Orgânica. Slide turma 03 itepAgricultura_Orgânica. Slide turma 03 itep
Agricultura_Orgânica. Slide turma 03 itep
 
I.4 Agricultura Biologica.pptxclllappaaa
I.4 Agricultura Biologica.pptxclllappaaaI.4 Agricultura Biologica.pptxclllappaaa
I.4 Agricultura Biologica.pptxclllappaaa
 
I.4 Agricultura Biologica.pptx
I.4 Agricultura Biologica.pptxI.4 Agricultura Biologica.pptx
I.4 Agricultura Biologica.pptx
 
Agricultura biológica
Agricultura biológicaAgricultura biológica
Agricultura biológica
 
Agricultura orgânica
Agricultura orgânicaAgricultura orgânica
Agricultura orgânica
 
I.1
I.1I.1
I.1
 
Alimentos biológicos
Alimentos biológicosAlimentos biológicos
Alimentos biológicos
 

Último

As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
C4io99
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Leonel Morgado
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
marcos oliveira
 
A EDUCAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E AS DEFICIÊNCIAS DE SUA APLICAÇÃO N...
A EDUCAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E AS DEFICIÊNCIAS DE SUA APLICAÇÃO N...A EDUCAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E AS DEFICIÊNCIAS DE SUA APLICAÇÃO N...
A EDUCAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E AS DEFICIÊNCIAS DE SUA APLICAÇÃO N...
Faga1939
 
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsxSe A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Luzia Gabriele
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
LuizHenriquedeAlmeid6
 
SEQUÊNCIA NÃO ME TOCA, SEU BOBOCA, Violência sexual infantilil
SEQUÊNCIA NÃO ME TOCA, SEU BOBOCA, Violência sexual infantililSEQUÊNCIA NÃO ME TOCA, SEU BOBOCA, Violência sexual infantilil
SEQUÊNCIA NÃO ME TOCA, SEU BOBOCA, Violência sexual infantilil
menesabi
 
(45-ESTUDO - LUCAS) A EPIRITUALIDADE DE JESUS
(45-ESTUDO - LUCAS) A EPIRITUALIDADE DE JESUS(45-ESTUDO - LUCAS) A EPIRITUALIDADE DE JESUS
(45-ESTUDO - LUCAS) A EPIRITUALIDADE DE JESUS
Pr Davi Passos - Estudos Bíblicos
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Mary Alvarenga
 
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
antonio carlos
 
Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!
Mary Alvarenga
 
Texto e atividade - Fontes alternativas de energia
Texto e atividade -  Fontes alternativas de energiaTexto e atividade -  Fontes alternativas de energia
Texto e atividade - Fontes alternativas de energia
Mary Alvarenga
 
LEMBRANCINHA Para-MENSAGEM de -FERIAS.pdf
LEMBRANCINHA Para-MENSAGEM de -FERIAS.pdfLEMBRANCINHA Para-MENSAGEM de -FERIAS.pdf
LEMBRANCINHA Para-MENSAGEM de -FERIAS.pdf
LucliaMartins5
 
Operações de adição, subtração, multiplicação e divisão.
Operações de adição, subtração, multiplicação e divisão.Operações de adição, subtração, multiplicação e divisão.
Operações de adição, subtração, multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
Ligia Galvão
 
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdfGuia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
FLAVIOROBERTOGOUVEA
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Mary Alvarenga
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
STALINISMO apresentação slides para escolares
STALINISMO apresentação slides para escolaresSTALINISMO apresentação slides para escolares
STALINISMO apresentação slides para escolares
Daniel273024
 

Último (20)

As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
 
A EDUCAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E AS DEFICIÊNCIAS DE SUA APLICAÇÃO N...
A EDUCAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E AS DEFICIÊNCIAS DE SUA APLICAÇÃO N...A EDUCAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E AS DEFICIÊNCIAS DE SUA APLICAÇÃO N...
A EDUCAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E AS DEFICIÊNCIAS DE SUA APLICAÇÃO N...
 
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsxSe A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
 
SEQUÊNCIA NÃO ME TOCA, SEU BOBOCA, Violência sexual infantilil
SEQUÊNCIA NÃO ME TOCA, SEU BOBOCA, Violência sexual infantililSEQUÊNCIA NÃO ME TOCA, SEU BOBOCA, Violência sexual infantilil
SEQUÊNCIA NÃO ME TOCA, SEU BOBOCA, Violência sexual infantilil
 
(45-ESTUDO - LUCAS) A EPIRITUALIDADE DE JESUS
(45-ESTUDO - LUCAS) A EPIRITUALIDADE DE JESUS(45-ESTUDO - LUCAS) A EPIRITUALIDADE DE JESUS
(45-ESTUDO - LUCAS) A EPIRITUALIDADE DE JESUS
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
 
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
 
Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!
 
Texto e atividade - Fontes alternativas de energia
Texto e atividade -  Fontes alternativas de energiaTexto e atividade -  Fontes alternativas de energia
Texto e atividade - Fontes alternativas de energia
 
LEMBRANCINHA Para-MENSAGEM de -FERIAS.pdf
LEMBRANCINHA Para-MENSAGEM de -FERIAS.pdfLEMBRANCINHA Para-MENSAGEM de -FERIAS.pdf
LEMBRANCINHA Para-MENSAGEM de -FERIAS.pdf
 
Operações de adição, subtração, multiplicação e divisão.
Operações de adição, subtração, multiplicação e divisão.Operações de adição, subtração, multiplicação e divisão.
Operações de adição, subtração, multiplicação e divisão.
 
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
 
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdfGuia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
 
STALINISMO apresentação slides para escolares
STALINISMO apresentação slides para escolaresSTALINISMO apresentação slides para escolares
STALINISMO apresentação slides para escolares
 

Agricultura biologica

  • 3. Desenvolvimento da Agricultura Biológica  Área cultivada mundialmente em Agricultura Biológica: 31 milhões de hectares.  62 milhões de hectares de recolha de plantas silvestres, que são certificadas em Agricultura Biológica.  Mercado de agricultura biológica em 2006: 30,9 mil milhões de euros.
  • 4. Desenvolvimento da Agricultura Biológica na Europa  Desenvolveu-se a partir da década de 90.  Em 2007: – Cerca de 6,3 milhões de hectares – Cerca de 160000 explorações agrícolas – Corresponde a 3,9% da área agrícola Itália é o país com maior número de explorações e com maior área.
  • 5. Desenvolvimento da Agricultura Biológica na Europa  Maiores mercados para os produtos da agricultura biológica:  1º Alemanha  2º Itália  3º França  Maior percentagem de mercado para a agricultura biológica: Suiça, com 4,5%.  Maior consumo per capita: Suiça, com 100 euros por ano por habitante.
  • 6. Desenvolvimento da Agricultura Biológica em Portugal  Evolução da área (ha) de produção biológica em Portugal (1993-2005)
  • 7. Desenvolvimento da Agricultura Biológica em Portugal  Evolução do número de operadores certificados em AB em Portugal (1993-2005)
  • 8. Razões que levam os consumidores a não escolherem alimentos da Agricultura Biológica:  Preço (demasiado caros);  Dificuldade em encontrar estes alimentos em grandes superfícies e indisponibilidade de tempo para os procurar em lojas da especialidade;  Satisfação com os produtos alimentares habitualmente consumidos;  Falta de familiaridade com o termo “biológico” e sistemas de certificação de produtos de agricultura biológica
  • 9. Razões que levam os consumidores a escolherem alimentos da Agricultura Biológica:  Benefícios globais na saúde  Segurança  Valor nutricional  Sabor  Razões ambientais
  • 10. O que é a agricultura biológica?  A agricultura biológica é um tipo de agricultura que se caracteriza pela não utilização de adubos artificiais, aliando os conhecimentos tradicionais às modernas técnicas agrícolas e preservando o solo para as gerações vindouras. Melhora a fertilidade do solo e favorece a biodiversidade
  • 11. O que é a agricultura biológica? Modo de produção agrícola sustentável, baseado na actividade biológica do solo, a qual é alimentada pela incorporação de matéria orgânica – base da fertilização.  Exclui adubos facilmente solúveis e evita o recurso a produtos químicos de síntese.  Respeita o bem-estar animal, privilegiando estratégias preventivas na sanidade vegetal e animal e a implementação da diversidade na exploração.
  • 12. O que é a Agricultura Biológica? Agricultura biológica é um sistema de produção agrícola (vegetal e animal) que procura a obtenção de alimentos de qualidade superior, recorrendo a técnicas que garantam a sua sustentabilidade, preservando o solo, o meio ambiente e a biodiversidade, privilegiando a utilização dos recursos locais e evitando o recurso a produtos químicos de síntese e adubos facilmente solúveis.
  • 13. Princípios de produção biológica nas explorações - Prod. Vegetal • Preservação recursos naturais e ecológicos – Equilíbrio ecológico – Reciclagem de nutrientes – Manutenção / aumento biodiversidade ecossistemas – Exclusão de OGM‘s • Combinação das melhores práticas ambientais – Utilização de organismos vivos e métodos de produção mecânicos – Pratiquem o cultivo de vegetais e a produção animal adequados ao solo – Avaliação dos riscos e utilização de medidas preventivas • Promoção da vida e da fertilidade dos solos – Ecossistema que alimenta as plantas – Método de produção com recurso a substâncias e processos naturais • Promoção do bem-estar e sanidade animal
  • 14. Princípios de produção biológica nas explorações - Prod. Vegetal • Diversidade biológica Culturas diversificadas e animais na exploração  Instalação de sebes, faixas de herbáceas, adubos verdes, plantas espontâneas  Animais auxiliares (mamíferos e insectos) de preferência oriundos das imediações da exploração • Variedades / espécies adaptadas à região  Prevenir possíveis problemas com pragas e doenças  Preservar o património (diversidade) genético  Maior familiaridade dos produtores agrícolas em relação ao seu comportamento produtivo
  • 15. Princípios de produção biológica nas explorações - Prod. Vegetal • Manter/melhorar e controlar a fertilidade do solo  A fertilização orgânica constitui a base da fertilização  A matéria orgânica beneficia os solos dos pontos de vista físico, químico e biológico  Reciclar os resíduos vegetais e animais obtidos na própria exploração:  Enterramento directo ou compostagem (preferencial)  restituir à terra muitos dos elementos nutritivos retirados (restituições). Desta forma procura- se também reduzir ao mínimo a utilização de recursos não renováveis  Colheita de amostras de terra e de folhas para análise laboratorial  envio para laboratório acreditado
  • 16. Princípios de produção biológica nas explorações - Prod. Vegetal • Trabalho do solo  Solo coberto, especialmente em terrenos com inclinação e no período Outono/Inverno  Evitar mobilizações que provoquem reviramentos das camadas  quando necessário (por exemplo para enterramento de massa vegetal)  não utilização charruas que trabalhem a profundidade superior a 20 cm  Privilegiar práticas que promovam melhor estrutura do solo (técnicas e alfaias de dentes, com mobilização mínima e em momentos oportunos) • Conservação da água para rega
  • 17. Princípios de produção biológica nas explorações - Prod. Animal • A produção animal é um elemento fundamental no rendimento da exploração  Fornecimento de matérias orgânicas e nutrientes às terras cultivadas  Melhoria dos solos e desenvolvimento da agricultura sustentável • Alimentação animal com produtos de AB da própria exploração ou explorações vizinhas • Cumprimento do bem-estar animal: – Necessidades comportamentais próprias de cada espécie – Gestão da sanidade animal através da prevenção de doenças  condições de alojamento / práticas de criação / encabeçamento / escolha de raças adaptadas às condições do local – Animais com acesso a espaços livres / pastagens
  • 18. Para quê a agricultura biológica? Os principais objectivos da agricultura biológica são: 1. Produzir alimentos de alta qualidade em suficiente quantidade; 2. Interagir de forma construtiva e equilibrada com os sistemas e ciclos naturais; 3. Promover e desenvolver ciclos biológicos dentro do sistema de produção, envolvendo microorganismos, flora e fauna do solo, plantas e animais; 4. Manter e/ou aumentar a fertilidade do solo a longo prazo; 5. Promover o correcto uso da água e a gestão racional dos recursos hídricos e da vida neles existentes;
  • 19. Para quê a agricultura biológica? 6. Contribuir para a conservação do solo e da água; 7. Utilizar na medida do possível, recursos renováveis nos sistemas agrícolas organizados localmente; 8. Trabalhar, na medida do possível, num ciclo fechado no que respeita à matéria orgânica (resíduos das culturas, estrumes, etc.) e elementos nutritivos; 9. Trabalhar, na medida do possível, com matérias e substâncias que possam ser reutilizadas ou recicladas, tanto na exploração agrícola como fora dela; 10. Dar todas as condições de vida aos animais que lhes permitam atingir os aspectos básicos do seu bem estar
  • 20. Para quê a agricultura biológica? 11. Minimizar todas as formas de poluição que possam resultar de práticas agrícolas; 12. Considerar o impacto social e ecológico do sistema agrícola; 13. Produzir produtos não alimentares com base em recursos renováveis e completamente biodegradáveis (não poluentes); 14. Produzir alimentos de elevada qualidade nutritiva, sem resíduos de produtos químicos tóxicos; 15.Reduzir ao mínimo o consumo de energia fóssil e utilizar os recursos locais; 16. Permitir aos agricultores uma melhor valorização das suas produções e uma dignificação da sua profissão.
  • 21. Algumas Técnicas da Agricultura Biológica  Rotação de culturas;  Pousio;  Consociações;  Siderações;  Utilização de leguminosas;  Compostagem;  Promoção da biodiversidade (fauna e flora);  Controlo biológico de pragas;  Utilização de plantas atractivas e repelentes de pragas;  Biopesticidas;  Feromonas, hormonas;  …
  • 22.  Rotação de culturas sucessão de culturas de características e exigências diferentes no espaço (afolhamento) e no tempo (sequência), durante um determinado número de anos, no fim do qual se retoma a mesma sucessão.
  • 23. Consociações  Associação de duas ou mais espécies  Muitas plantas contêm substâncias que repelem insectos, tais como:  Óleos essenciais (Alfazema);  Piretrinas (Piretro);  Citrol (Erva-príncipe).  Outras têm substâncias que atraem insectos.
  • 24. Vantagens da Consociação na horta Flores atraem os insectos úteis (ex: Calêndulas) Plantas armadilha atraem e hospedam insectos nocivos (ex: Chagas) Plantas aromáticas mantêm afastadas as pragas (ex: tomilhos) Sebes são refúgio para animais úteis
  • 28. Associações favoráveis e desfavoráveis entre os produtos hortícolas mais vulgares
  • 29. Associações favoráveis e desfavoráveis entre os produtos hortícolas mais vulgares
  • 30. Associações favoráveis e desfavoráveis entre os produtos hortícolas mais vulgares
  • 31. Associações favoráveis e desfavoráveis entre os produtos hortícolas mais vulgares
  • 32. Utilização de leguminosas  Possuem, ao nível das raízes, bactérias fixadoras de azoto.  Várias espécies apresentam raízes associadas à bactérias fixadoras de azoto.  Rizobium, por exemplo, no feijão, ervilha, alfafa, soja, etc. .
  • 33. Compostagem Decomposição, em condições controladas, dos resíduos orgânicos da própria exploração, ou de fora. Vermicompostagem: utilização de minhocas vermelhas.
  • 34. Práticas agrícolas que permitem reduzir os danos causados pelas pragas: cultivo de espécies em locais onde não existam as pragas que as atacam;  rotação de culturas;  ajuste dos ciclos de cultura, de forma a fazer coincidir a altura de maior produção com a fase do ciclo de vida em que a praga é menos activa;  plantação de sebes em redor das culturas, o que cria habitats para os inimigos naturais das pragas; culturas marginais, que desviam as pragas.
  • 35. Controlo Biológico Regulação das populações de pragas pelos seus inimigos naturais, como predadores, parasitas e agentes patogénicos. Método de regulação selectivo e não tóxico. Larva de sirfídeo – alimenta-se de pulgões Sirfídeo adulto – alimenta-se de pólen.
  • 36. Esterilização de insectos  Machos de insectos criados em laboratório e tornados estéreis são libertados numa zona infestada.  O acasalamento com as fêmeas não produz descendência e a população da praga diminui.
  • 37. Biopesticidas: Alguns microorganismos produzem toxinas, específicas e biodegradáveis, que podem ser utilizadas como pesticidas biológicos. Pesticidas autorizados em AB:  Insecticidas vegetais (rotenona, piretrina, azadiractina) Trata-se de insecticidas que se degradam rapidamente As toxinas Bt são aplicadas às culturas, protegendo-as das pragas de insectos, sem Piscidia erythrina afectar os organismos de outros grupos.
  • 38. Formulações específicas de biopesticidas  Urtiga _ Urtica dioica  Fetos _ Pteridium aquilinum  Consolda_Symphytum officinalis  Alho_Allium sativum  Absinto_Artemisia absinthium  Lavanda_Lavandula officinalis  Piretro_Tanacetum cinerariifolium  Arruda_Ruta graveolens  Salva_Salvia officinalis
  • 39. Utilização de hormonas:  A aplicação de hormonas sintéticas ou outras substâncias que interfiram com as hormonas naturais pode impedir que se complete o ciclo de vida do insecto.  A utilização de auxinas em campos de cultivo de monocotiledóneas permite controlar a proliferação de ervas daninhas.
  • 40. Utilização de feromonas: As feromonas são substâncias produzidas pelos animais e que lhes permitem estabelecer comunicação. Nos insectos, são libertadas na altura do acasalamento para atrair o parceiro. As feromonas podem ser colocadas em armadilhas, atraindo os insectos e desviando-os das culturas. Podem, também, ser utilizadas para atrair os predadores ou parasitas naturais.
  • 41. Fertilizantes autorizados Incluem correctivos e adubos;  Ex: estrume, turfa, compostos de culturas de cogumelos, excrementos de minhocas, algas, serradura, casca de árvore, cinzas de madeira, fosfato natural, sais brutos de potássio, vinhaça, carbonato de cálcio, sulfato de magnésio, enxofre elementar, pó de rocha, argilas, …
  • 42. Contributo da matéria orgânica em nutrientes
  • 43. Contributo da matéria orgânica em nutrientes
  • 44. Contributo da matéria orgânica em nutrientes
  • 45. Legislação específica do MPB Reg. (CE) nº 834/2007 Regras Produção Vegetal Cap. 2 – Art. 11º e 12º • Práticas de mobilização e cultivo • Rotação (plurianual) • Fertilizantes, correctivos, produtos fitossanitários e produtos de desinfecção e limpeza autorizados • Técnicas de produção amigas do ambiente • Utilização de sementes e materiais de propagação vegetativa biológicos (excepto para a obtenção de sementes e materiais de propagação vegetativa) • Colheita de plantas selvagens consideradas como MPB:  » Zonas não tratadas pelo menos há 3 anos antes da colheita  » Colheita não afecte a estabilidade do habitat natural
  • 46. Legislação específica do MPB Reg. (CE) nº 834/2007 Regras Produção Animal Cap. 2 – Art. 14º • Origem dos animais • Práticas de criação e condições de alojamento • Reprodução • Alimentação • Prevenção de doenças e tratamentos veterinários
  • 47. Legislação específica do MPB Passos para início de actividade em MPB • 1º Contratar com organismo privado de controlo (1ª visita) • 2º Notificar a Direcção Geral de Agricultura e Desenvolvimento Rural como operador em MPB  preenchimento do formulário  online em http://www.dgadr.mamaot.pt/val-qual/mod-bio • 3º Período de Conversão - inicia com a notificação – 2 anos para culturas anuais e pastagens – 3 anos para culturas perenes – Animais depende da espécie animal