SlideShare uma empresa Scribd logo
Segundo a  origem do poluente , é possível classificar as fontes de poluição como: 1 - Fontes naturais; 2 - Fontes Industriais; 3 - Queima de combustíveis; 4 - Queima de resíduos sólidos, 5 - Atividades produtoras de odores; 6 - Outras atividades.   TRATAMENTO DE RESÍDUOS  GASOSOS - TECNOLOGIA EM GERENCIAMENTO AMBIENTAL - UTFPR ORIGEM DOS POLUENTES ATMOSFÉRICOS
CH 4   60-70% CO 2   20-10% H 2 S   1-2% Emissões vulcânicas Florestas Decomposição anaeróbica de matéria orgânica Desnitrificação por bactérias Liberação de partículas por tempestades de areia e poeira em geral TRATAMENTO DE RESÍDUOS  GASOSOS - TECNOLOGIA EM GERENCIAMENTO AMBIENTAL - UTFPR 1 – FONTES NATURAIS
Emissões vulcânicas Gasoso, sólido e líquido. Gasoso: vapor d’água e dióxido de enxofre. Liberados pelo magma em três fases distintas. FUMAÇA: hidrogênio, cloro, enxofre, nitrogênio, oxigênio que pode combinar-se com HCl, H 2 S, SO 2 , SO 3,  H 2 O, NH 4 + , NH 4 Cl, CO, CO 2.  cobre, ferro e alumínio. TRATAMENTO DE RESÍDUOS  GASOSOS - TECNOLOGIA EM GERENCIAMENTO AMBIENTAL - UTFPR 1 – FONTES NATURAIS
Florestas Respiração Decomposição de materiais Liberação de resíduos em geral Queimadas ocorridas naturalmente TRATAMENTO DE RESÍDUOS  GASOSOS - TECNOLOGIA EM GERENCIAMENTO AMBIENTAL - UTFPR 1 – FONTES NATURAIS
TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E GASOSOS - TECNOLOGIA AMBIENTAL - CEFETPR Decomposição anaeróbica de matéria orgânica   Oceanos  Pântanos Mangues  Bosques úmidos Solos 1 – FONTES NATURAIS
TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E GASOSOS - TECNOLOGIA AMBIENTAL - CEFETPR Reações fotoquímicas que dependem da luz solar   Surgimento de O 3 Smog 1 – FONTES NATURAIS
TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E GASOSOS - TECNOLOGIA AMBIENTAL - CEFETPR Surgimento de O 3  e Smog Esse termo provém do inglês e deriva das palavras  smoke = fumaça  e  fog = neblina NO 2  +  hv     NO  +  O O  +  O 2      O 3 NO +  O 3      NO 2   +  O 2 1 – FONTES NATURAIS
TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E GASOSOS - TECNOLOGIA AMBIENTAL - CEFETPR Emissões das indústrias 2 – FONTES INDUSTRIAIS
TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E GASOSOS - TECNOLOGIA AMBIENTAL - CEFETPR Carvão mineral, petróleo e gás natural. Cinza, NO, NO 2  , SO 2   SO 3 , CO e CO 2  , hidrocarbonetos, aldeídos, fumaça em forma de aerossol.   3 – QUEIMA DE COMBUSTÍVEIS FÓSSEIS
TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E GASOSOS - TECNOLOGIA AMBIENTAL - CEFETPR Ao ar livre ou em equipamentos centrais. Partículas, hidrocarbonetos, ácidos orgânicos, aldeídos, gases orgânicos, óxidos de nitrogênio e de enxofre, monóxido de carbono. Na queima de plásticos há presença do ácido clorídrico e poluentes ainda não identificados.   4 – INCINERAÇÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS
TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E GASOSOS - TECNOLOGIA AMBIENTAL - CEFETPR Há várias atividades, como exemplo temos as indústrias que liberam ácido sulfídrico, mercaptanas, tióis e outros gases. Atividades com animais, processamento de alimentos, tratamento de esgotos, depósitos de lixo, aterros sanitários.   5 – ATIVIDADES PRODUTORAS DE ODORES
TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E GASOSOS - TECNOLOGIA AMBIENTAL - CEFETPR Veículos Automotores Leves: álcool e gasolina Pesados: óleo diesel CO, HC, NOx, aldeídos,compostos de enxofre, amônia, material particulado orgânico e inorgânico como cloro, bromo, chumbo tetraetila e partículas de carvão Sob a ação da luz solar HC e NOx combinam-se e desencadeiam várias reações 6 – FONTES MÓVEIS
TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E GASOSOS - TECNOLOGIA AMBIENTAL - CEFETPR PRINCIPAIS POLUENTES DO AR MONÓXIDO DE CARBONO (CO) DIÓXIDO DE CARBONO (CO 2 ) ÓXIDOS DE ENXOFRE (SO 2  e SO 3 ) ÓXIDOS DE NITROGÊNIO (NO x ) HIDROCARBONETOS
TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E GASOSOS - TECNOLOGIA AMBIENTAL - CEFETPR PRINCIPAIS POLUENTES DO AR MONÓXIDO DE CARBONO (CO) Composto gerado nos processos de combustão incompleta de combustíveis fósseis e outros materiais que contenham carbono em sua composição. CH 4  + 3/2 O 2     CO + 2 H 2 O
TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E GASOSOS - TECNOLOGIA AMBIENTAL - CEFETPR PRINCIPAIS POLUENTES DO AR DIÓXIDO DE CARBONO (CO 2 ) Principal composto gerado nos processos de combustão completa de combustíveis fósseis e outros materiais que contenham carbono em sua composição. Liberado também nos processos de respiração aeróbia. combustível + O 2     CO 2  + H 2 O
TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E GASOSOS - TECNOLOGIA AMBIENTAL - CEFETPR PRINCIPAIS POLUENTES DO AR ÓXIDOS DE ENXOFRE (SO 2  e SO 3 ) São produzidos nos processos de combustão de combustíveis que contenham enxofre em sua composição.
TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E GASOSOS - TECNOLOGIA AMBIENTAL - CEFETPR PRINCIPAIS POLUENTES DO AR ÓXIDOS DE NITROGÊNIO (NO x ) Os processos de combustão ocorrem na presença de ar, e o composto mais abundante é o nitrogênio. N 2  + O 2     2 NO NO +  O 3      NO 2   +  O 2
TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E GASOSOS - TECNOLOGIA AMBIENTAL - CEFETPR PRINCIPAIS POLUENTES DO AR HIDROCARBONETOS São resultantes da queima incompleta dos combustíveis, bem como da evaporação desses e solventes orgânicos.
TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E GASOSOS - TECNOLOGIA AMBIENTAL - CEFETPR PRINCIPAIS POLUENTES DO AR MATERIAL PARTICULADO As partículas de material sólidos e líquido (exceto a água) capazes de permanecer em suspensão (poeira, fuligem, partículas de óleo, pólen).
TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E GASOSOS - TECNOLOGIA AMBIENTAL - CEFETPR Por outro lado, os poluentes gasosos podem ser  classificados  em : POLUENTES PRIMÁRIOS POLUENTES SECUNDÁRIOS
TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E GASOSOS - TECNOLOGIA AMBIENTAL - CEFETPR Por outro lado, os poluentes gasosos podem ser  classificados  em : POLUENTES PRIMÁRIOS aqueles emitidos  diretamente das fontes  de emissão . POLUENTES SECUNDÁRIOS
TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E GASOSOS - TECNOLOGIA AMBIENTAL - CEFETPR Por outro lado, os poluentes gasosos podem ser  classificados  em : POLUENTES SECUNDÁRIOS aqueles formados na  atmosfera através da  reação química entre  poluentes primários e os  constituintes da atmosfera
TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E GASOSOS - TECNOLOGIA AMBIENTAL - CEFETPR Quadro 1 – Poluentes Primários e Secundários - ÁCIDO CLORÍDRICO HNO 3 ÓXIDO DE NITROGÊNIO (NO X ) H 2 SO 4 ÓXIDO DE ENXOFRE (SO X ) SECUNDÁRIOS PRIMÁRIOS
TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E GASOSOS - TECNOLOGIA AMBIENTAL - CEFETPR Exemplos de reações envolvendo poluentes primários e secundários. 2 SO 2  + O 2      2 SO 3 SO 3  + H 2 O     H 2 S0 4 2 NO + O 2      2 NO 2 2 NO 2  + H 2 O     HN0 3  + HN0 2
TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E GASOSOS - TECNOLOGIA AMBIENTAL - CEFETPR CARACTERÍSTICAS DOS POLUENTES GASOSOS    Compostos Sulfurosos    Compostos Nitrogenados    Material particulado    Compostos Orgânicos voláteis    Outros compostos
TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E GASOSOS - TECNOLOGIA AMBIENTAL - CEFETPR Na atmosfera o enxofre encontra-se nas seguintes formas: - COS – carbonil sulfeto; - CS 2  – sulfeto de carbono; - (CH 3 )S – dimetil sulfeto; - H 2 S – ácido sulfídrico; - SO 2  – dióxido de enxofre; - SO 4 -2  - sulfatos    Compostos Sulfurosos
TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E GASOSOS - TECNOLOGIA AMBIENTAL - CEFETPR Exemplo:    Compostos Sulfurosos Atividades industriais; queima de óleos combustíveis; veículos automotores Poluente mais  característico dos aglomerados industriais. É proveniente essencialmente da combustão dos fluidos-óleos e do carvão; quando queimado estes combustíveis liberam o enxofre que eles contem, o qual se combina com oxigênio do ar na forma de SO 2 SO 2   Dióxido de enxofre(anidrido sulfuroso) FONTES PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS DENOMINAÇÃO
TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E GASOSOS - TECNOLOGIA AMBIENTAL - CEFETPR Na atmosfera o nitrogênio encontra-se nas seguintes formas: - N 2 O,  NO,  NO 2 ,  NH 3 ,  sais de  nitrato, nitrito e NH 4 . Exemplo:    Compostos Nitrogenados Atividades industriais Veículos automotores Gás emitido principalmente por motores de veículos automobilísticos, as instalações de combustão e nas fábricas de ácido nítrico. NOx óxidos
TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E GASOSOS - TECNOLOGIA AMBIENTAL - CEFETPR Exemplo:    Compostos Nitrogenados Atividades industriais Veículos automotores Gás emitido principalmente por motores de veículos automobilísticos, as instalações de combustão e nas fábricas de ácido nítrico. NOx óxidos
TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E GASOSOS - TECNOLOGIA AMBIENTAL - CEFETPR Considera-se como material particulado qualquer substância, à exceção da água pura, que existe como líquido ou sólido na atmosfera e tem dimensões microscópicas ou sumicroscópicas, porém maiores que as dimensões moleculares. Finos, com d p  < 2,5   m; Grossos, com d p  > 2,5   m.    Material particulado
TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E GASOSOS - TECNOLOGIA AMBIENTAL - CEFETPR VOC’s : são produtos orgânicos que têm uma pressão elevada de vapor e facilmente passam a forma de vapor na temperatura e pressão normais. - solventes orgânicos; - aditivos de pintura; - propulsores de latas; - combustíveis (gasolina, querosene...) - destilados de petróleo, etc.    Compostos Orgânicos voláteis
TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E GASOSOS - TECNOLOGIA AMBIENTAL - CEFETPR Dioxinas e Furanos É a denominação para compostos conhecidos como dibenzo-p-dioxinas policlorados (PCDDs) e dibenzofuranos policlorados (PCDFs). 2,3,7,8 tetraclorodibenzo-p-dioxina    Outros compostos
TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E GASOSOS - TECNOLOGIA AMBIENTAL - CEFETPR MERCAPTANOS Tio-fenóis ou Aril-mercaptanos : a nomenclaltura é dada atribuindo a palavra MERCAPTANO antecedida pelo nome do radical ligado ao grupamento  -SH      Outros compostos
TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E GASOSOS - TECNOLOGIA AMBIENTAL - CEFETPR NÍVEIS DE CONCENTRAÇÃO DOS POLUENTES ATMOSFÉRICOS – PADRÕES DE QUALIDADE DO AR São padrões de qualidade do ar as concentrações de poluentes atmosféricos que, ultrapassadas, poderão afetar a saúde, a segurança e o bem-estar da população, bem como ocasionar danos à flora e à fauna, aos materiais e ao meio ambiente em geral.
TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E GASOSOS - TECNOLOGIA AMBIENTAL - CEFETPR NÍVEIS DE CONCENTRAÇÃO DOS POLUENTES ATMOSFÉRICOS – PADRÕES DE QUALIDADE DO AR Referência  utilizada  : Resolução 03/90 do CONAMA. PADRÃO PRIMÁRIO PADRÃO SECUNDÁRIO
TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E GASOSOS - TECNOLOGIA AMBIENTAL - CEFETPR São as concentrações de poluentes que, ultrapassadas, poderão afetar a saúde da população.  PADRÃO PRIMÁRIO
TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E GASOSOS - TECNOLOGIA AMBIENTAL - CEFETPR São as concentrações de poluentes abaixo das quais se prevê o mínimo efeito adverso sobre o bem-estar da população, assim como o mínimo dano à fauna, à flora, aos materiais e ao meio ambiente em geral.  PADRÃO SECUNDÁRIO
TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E GASOSOS - TECNOLOGIA AMBIENTAL - CEFETPR Por que ppm e ppb ? Veja este exemplo: Composição do NO 2  na atmosfera:    0,000000012% (v/v)    12 ppb (mais adequado) Expressando composição  de materiais
TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E GASOSOS - TECNOLOGIA AMBIENTAL - CEFETPR ppm e mg/L significam a mesma coisa? Resposta: generalizar que ppm significa mg/L pode ser enganoso. Exemplo : Dissolução de 0,0120 mg de MgSO 4  em : a) 500 mL de água b) 500 mL de álcool Expressando composição  de materiais
TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E GASOSOS - TECNOLOGIA AMBIENTAL - CEFETPR Como expressar a composição de poluentes gasosos? Expressando composição  de materiais
PRINCIPAIS PROBLEMAS DA POLUIÇÃO ATMOSFÉRICA CHUVA ÁCIDA EFEITO ESTUFA INVERSÃO TÉRMICA CAMADA DE OZÔNIO
TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E GASOSOS - TECNOLOGIA AMBIENTAL - CEFETPR CHUVA ÁCIDA O termo  chuva ácida  significa a precipitação de componentes ácidos comumente encontrados em chuvas, neves, neblinas ou partículas secas. O termo mais preciso é “precipitação” ácida.    A chuva limpa tem um pH ligeiramente ácido de 5,6, porque o CO 2  e a água reagem formando o ácido carbônico.
TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E GASOSOS - TECNOLOGIA AMBIENTAL - CEFETPR REAÇÕES ENVOLVIDAS NA  CHUVA ÁCIDA
TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E GASOSOS - TECNOLOGIA AMBIENTAL - CEFETPR EFEITOS DA CHUVA ÁCIDA
TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E GASOSOS - TECNOLOGIA AMBIENTAL - CEFETPR
TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E GASOSOS - TECNOLOGIA AMBIENTAL - CEFETPR EFEITO ESTUFA
TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E GASOSOS - TECNOLOGIA AMBIENTAL - CEFETPR EFEITO ESTUFA    É chamado de  efeito estufa  o acréscimo constante da temperatura da terra devido à absorção de radiação infravermelha terrestre por alguns gases, tais como o CO 2 , os clorofluorcarbonos CFCs, o metano CH 4 , etc. Estes gases são conhecidos como gases estufa.
TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E GASOSOS - TECNOLOGIA AMBIENTAL - CEFETPR EFEITO ESTUFA Segundo LORA (2000), é evidente que o efeito estufa é vital para a manutenção de temperaturas adequadas para a vida na terra, porém, o problema está na intensificação do mesmo. O acréscimo anual da quantidade de carbono na atmosfera é de 5-6 Gt/ano
TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E GASOSOS - TECNOLOGIA AMBIENTAL - CEFETPR EFEITO ESTUFA Quais os maiores emissores nacionais de CO 2 ? R :  os maiores emissores do Brasil  de  CO 2  são os setores industriais  e o  transporte. Quais seriam as conseqüências do efeito estufa? R :  aumento da temperatura (1-5 C); duplicação da concentração do CO 2 ; elevação do nível do mar.
TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E GASOSOS - TECNOLOGIA AMBIENTAL - CEFETPR EFEITO ESTUFA
TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E GASOSOS - TECNOLOGIA AMBIENTAL - CEFETPR
TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E GASOSOS - TECNOLOGIA AMBIENTAL - CEFETPR EFEITO ESTUFA Tecnologias para redução das emissões de CO 2 . Eficiência e conservação da  energia Substituição de combustíveis Utilização de fontes renováveis de energia Captura e deposição  do CO 2.
TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E GASOSOS - TECNOLOGIA AMBIENTAL - CEFETPR INVERSÃO TÉRMICA
TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E GASOSOS - TECNOLOGIA AMBIENTAL - CEFETPR CAMADA DE OZÔNIO UV-C + UV-B + + formação de ozônio na atmosfera
TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E GASOSOS - TECNOLOGIA AMBIENTAL - CEFETPR CAMADA DE OZÔNIO UV Ciclo catalítico do cloro CFCl 3 cloro + Monóxido de cloro + CFCl 2
TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E GASOSOS - TECNOLOGIA AMBIENTAL - CEFETPR CAMADA DE OZÔNIO UV Ciclo catalítico do cloro CFCl 3 cloro + Monóxido de cloro + CFCl 2 CFC -11 Aparelhos de refrigeração e ar condicionado, fabricação de espumas
TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E GASOSOS - TECNOLOGIA AMBIENTAL - CEFETPR A estratosfera possui um sistema de  autoproteção  muito eficiente. O efeito destrutivo dos átomos de cloro e bromo é bloqueado quando eles se  combinam  com outras substâncias presentes na estratosfera, principalmente o dióxido de nitrogênio  (NO 2 ) e o metano (CH 4 ) formando os compostos químicos ClNO 3 , HCl e BrNO 3   que não destroem o ozônio .
TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E GASOSOS - TECNOLOGIA AMBIENTAL - CEFETPR

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Poluição do ar
Poluição do arPoluição do ar
Poluição do ar
guest1481536
 
Tipos de Poluição
Tipos de PoluiçãoTipos de Poluição
Tipos de Poluição
StephanyChaiben
 
Efeito estufa
Efeito estufaEfeito estufa
Efeito estufa
Luiz Henrique Ferreira
 
Impactos ambientais causas e consequências
Impactos ambientais causas e consequênciasImpactos ambientais causas e consequências
Impactos ambientais causas e consequências
Charlles Moreira
 
Camada de ozonio
Camada de ozonioCamada de ozonio
Camada de ozonio
Facos - Cnec
 
Educação ambiental
Educação ambientalEducação ambiental
Educação ambiental
Alex Santiago Nina
 
Apresentação Queimadas
Apresentação QueimadasApresentação Queimadas
Apresentação Queimadas
Rádio-uca Fhm
 
Oficina de sabão ecológico
Oficina de sabão ecológicoOficina de sabão ecológico
Oficina de sabão ecológico
Clotildes Clere Alcântara
 
Aula 2 Impactos Ambientais
Aula 2 Impactos AmbientaisAula 2 Impactos Ambientais
Aula 2 Impactos Ambientais
Carlos Priante
 
Poluição do solo causada por agrotóxicos
Poluição do solo causada por agrotóxicosPoluição do solo causada por agrotóxicos
Poluição do solo causada por agrotóxicos
Flavio Santos
 
Impacto ambiental
Impacto ambientalImpacto ambiental
Impacto ambiental
Jaqueline Fernandes
 
Poluição do ar ( slide) apresentação
 Poluição do ar ( slide) apresentação Poluição do ar ( slide) apresentação
Poluição do ar ( slide) apresentação
JJRBOL
 
Ciclos biogeoquímicos
Ciclos biogeoquímicosCiclos biogeoquímicos
Ciclos biogeoquímicos
mainamgar
 
Composto organico
Composto organicoComposto organico
Composto organico
João Siqueira da Mata
 
Chuva Ácida
Chuva ÁcidaChuva Ácida
Chuva Ácida
Ricardo Pini Caramit
 
Ações humanas e alteracoes ambientais
Ações humanas e alteracoes ambientaisAções humanas e alteracoes ambientais
Ações humanas e alteracoes ambientais
Prof. Francesco Torres
 
Química ambiental ( smog fotoquímico )
Química  ambiental ( smog fotoquímico )Química  ambiental ( smog fotoquímico )
Química ambiental ( smog fotoquímico )
Adrianne Mendonça
 
Funções químicas inorgânicas
Funções químicas inorgânicas Funções químicas inorgânicas
Funções químicas inorgânicas
Daniela Dameto
 
Aula sobre lixo 6 ano
Aula sobre lixo 6 anoAula sobre lixo 6 ano
Aula sobre lixo 6 ano
Mathias Emke
 
Chuva ácida
Chuva ácidaChuva ácida
Chuva ácida
Adrianne Mendonça
 

Mais procurados (20)

Poluição do ar
Poluição do arPoluição do ar
Poluição do ar
 
Tipos de Poluição
Tipos de PoluiçãoTipos de Poluição
Tipos de Poluição
 
Efeito estufa
Efeito estufaEfeito estufa
Efeito estufa
 
Impactos ambientais causas e consequências
Impactos ambientais causas e consequênciasImpactos ambientais causas e consequências
Impactos ambientais causas e consequências
 
Camada de ozonio
Camada de ozonioCamada de ozonio
Camada de ozonio
 
Educação ambiental
Educação ambientalEducação ambiental
Educação ambiental
 
Apresentação Queimadas
Apresentação QueimadasApresentação Queimadas
Apresentação Queimadas
 
Oficina de sabão ecológico
Oficina de sabão ecológicoOficina de sabão ecológico
Oficina de sabão ecológico
 
Aula 2 Impactos Ambientais
Aula 2 Impactos AmbientaisAula 2 Impactos Ambientais
Aula 2 Impactos Ambientais
 
Poluição do solo causada por agrotóxicos
Poluição do solo causada por agrotóxicosPoluição do solo causada por agrotóxicos
Poluição do solo causada por agrotóxicos
 
Impacto ambiental
Impacto ambientalImpacto ambiental
Impacto ambiental
 
Poluição do ar ( slide) apresentação
 Poluição do ar ( slide) apresentação Poluição do ar ( slide) apresentação
Poluição do ar ( slide) apresentação
 
Ciclos biogeoquímicos
Ciclos biogeoquímicosCiclos biogeoquímicos
Ciclos biogeoquímicos
 
Composto organico
Composto organicoComposto organico
Composto organico
 
Chuva Ácida
Chuva ÁcidaChuva Ácida
Chuva Ácida
 
Ações humanas e alteracoes ambientais
Ações humanas e alteracoes ambientaisAções humanas e alteracoes ambientais
Ações humanas e alteracoes ambientais
 
Química ambiental ( smog fotoquímico )
Química  ambiental ( smog fotoquímico )Química  ambiental ( smog fotoquímico )
Química ambiental ( smog fotoquímico )
 
Funções químicas inorgânicas
Funções químicas inorgânicas Funções químicas inorgânicas
Funções químicas inorgânicas
 
Aula sobre lixo 6 ano
Aula sobre lixo 6 anoAula sobre lixo 6 ano
Aula sobre lixo 6 ano
 
Chuva ácida
Chuva ácidaChuva ácida
Chuva ácida
 

Destaque

Direção defensiva1
Direção defensiva1Direção defensiva1
Direção defensiva1
Eliane Damião Alves
 
Apr vitor meireles
Apr vitor meirelesApr vitor meireles
Apr vitor meireles
anealves
 
Treinamento combate incendios
Treinamento combate incendiosTreinamento combate incendios
Treinamento combate incendios
Eliane Damião Alves
 
Segurança na operação de motoserras
Segurança na operação de motoserrasSegurança na operação de motoserras
Segurança na operação de motoserras
anealves
 
Espaço Confinado
Espaço ConfinadoEspaço Confinado
Espaço Confinado
Eliane Damião Alves
 
Treinamento para operação de guincho
Treinamento para operação de guinchoTreinamento para operação de guincho
Treinamento para operação de guincho
Andressa Macedo
 

Destaque (6)

Direção defensiva1
Direção defensiva1Direção defensiva1
Direção defensiva1
 
Apr vitor meireles
Apr vitor meirelesApr vitor meireles
Apr vitor meireles
 
Treinamento combate incendios
Treinamento combate incendiosTreinamento combate incendios
Treinamento combate incendios
 
Segurança na operação de motoserras
Segurança na operação de motoserrasSegurança na operação de motoserras
Segurança na operação de motoserras
 
Espaço Confinado
Espaço ConfinadoEspaço Confinado
Espaço Confinado
 
Treinamento para operação de guincho
Treinamento para operação de guinchoTreinamento para operação de guincho
Treinamento para operação de guincho
 

Semelhante a Origem dos poluentes atmosféricos

Poluentes atmosféricos
Poluentes atmosféricosPoluentes atmosféricos
Poluentes atmosféricos
Eldimar Paes
 
Atmosfera.smog fotoquímico e chuva ácida.aula.nº3
Atmosfera.smog fotoquímico e chuva ácida.aula.nº3Atmosfera.smog fotoquímico e chuva ácida.aula.nº3
Atmosfera.smog fotoquímico e chuva ácida.aula.nº3
Hamilton Hermes de Oliveira
 
Residuos unifra2
Residuos unifra2Residuos unifra2
Residuos unifra2
larissamesquita
 
1703
17031703
1703
Pelo Siro
 
27849602 powerpoint-sobre-a-co-incineracao
27849602 powerpoint-sobre-a-co-incineracao27849602 powerpoint-sobre-a-co-incineracao
27849602 powerpoint-sobre-a-co-incineracao
Pelo Siro
 
Aula quimica atmosferica
Aula quimica atmosfericaAula quimica atmosferica
Aula quimica atmosferica
Leandro Da Paz Aristides
 
Chuva acida
Chuva acidaChuva acida
Chuva acida
wddan
 
Química ambiental - poluição ambiental
 Química ambiental - poluição ambiental Química ambiental - poluição ambiental
Química ambiental - poluição ambiental
Hamilton Hermes de Oliveira
 
Aula Poluição Atmosférica e Saúde - Ar e saúde
Aula Poluição Atmosférica e Saúde - Ar e saúdeAula Poluição Atmosférica e Saúde - Ar e saúde
Aula Poluição Atmosférica e Saúde - Ar e saúde
DboraAlvim1
 
Processos Produtivos I UD II
Processos Produtivos I   UD IIProcessos Produtivos I   UD II
Processos Produtivos I UD II
Paulo Santos
 
Funções inorgânicas_oxidos_meioambiente.pptx
Funções inorgânicas_oxidos_meioambiente.pptxFunções inorgânicas_oxidos_meioambiente.pptx
Funções inorgânicas_oxidos_meioambiente.pptx
DanielleReisLucas
 
Visão Ambiental sobre sistemas a gás natural
Visão Ambiental sobre sistemas a gás naturalVisão Ambiental sobre sistemas a gás natural
Visão Ambiental sobre sistemas a gás natural
Sulgás
 
Desequilibrios ambientais
Desequilibrios ambientaisDesequilibrios ambientais
Desequilibrios ambientais
Roberto Bondarik
 
7 - Controle de poluentes atmosféricos - 19-11.ppt
7 - Controle de poluentes atmosféricos - 19-11.ppt7 - Controle de poluentes atmosféricos - 19-11.ppt
7 - Controle de poluentes atmosféricos - 19-11.ppt
Ângela Tavares
 
Aula-6-Química-da-Atmosfera-Parte-2-1-2o-sem-2019-Final.pdf
Aula-6-Química-da-Atmosfera-Parte-2-1-2o-sem-2019-Final.pdfAula-6-Química-da-Atmosfera-Parte-2-1-2o-sem-2019-Final.pdf
Aula-6-Química-da-Atmosfera-Parte-2-1-2o-sem-2019-Final.pdf
DiegoMontes72
 
Meios corrosivos [modo de compatibilidade]
Meios corrosivos [modo de compatibilidade]Meios corrosivos [modo de compatibilidade]
Meios corrosivos [modo de compatibilidade]
Emanuelle Andrade
 
Biogeoquimicos
BiogeoquimicosBiogeoquimicos
Biogeoquimicos
Nino Martins
 
Quimica Atmosfera
Quimica AtmosferaQuimica Atmosfera
Quimica Atmosfera
Raquel Gastao Daniel
 
Aula 2 - Dispersao dos poluentes na atmosfera.pdf
Aula 2 - Dispersao dos poluentes na atmosfera.pdfAula 2 - Dispersao dos poluentes na atmosfera.pdf
Aula 2 - Dispersao dos poluentes na atmosfera.pdf
DboraAlvim1
 
Apresentação ciclo nitrogênio
Apresentação ciclo nitrogênioApresentação ciclo nitrogênio
Apresentação ciclo nitrogênio
Cássia Monalisa
 

Semelhante a Origem dos poluentes atmosféricos (20)

Poluentes atmosféricos
Poluentes atmosféricosPoluentes atmosféricos
Poluentes atmosféricos
 
Atmosfera.smog fotoquímico e chuva ácida.aula.nº3
Atmosfera.smog fotoquímico e chuva ácida.aula.nº3Atmosfera.smog fotoquímico e chuva ácida.aula.nº3
Atmosfera.smog fotoquímico e chuva ácida.aula.nº3
 
Residuos unifra2
Residuos unifra2Residuos unifra2
Residuos unifra2
 
1703
17031703
1703
 
27849602 powerpoint-sobre-a-co-incineracao
27849602 powerpoint-sobre-a-co-incineracao27849602 powerpoint-sobre-a-co-incineracao
27849602 powerpoint-sobre-a-co-incineracao
 
Aula quimica atmosferica
Aula quimica atmosfericaAula quimica atmosferica
Aula quimica atmosferica
 
Chuva acida
Chuva acidaChuva acida
Chuva acida
 
Química ambiental - poluição ambiental
 Química ambiental - poluição ambiental Química ambiental - poluição ambiental
Química ambiental - poluição ambiental
 
Aula Poluição Atmosférica e Saúde - Ar e saúde
Aula Poluição Atmosférica e Saúde - Ar e saúdeAula Poluição Atmosférica e Saúde - Ar e saúde
Aula Poluição Atmosférica e Saúde - Ar e saúde
 
Processos Produtivos I UD II
Processos Produtivos I   UD IIProcessos Produtivos I   UD II
Processos Produtivos I UD II
 
Funções inorgânicas_oxidos_meioambiente.pptx
Funções inorgânicas_oxidos_meioambiente.pptxFunções inorgânicas_oxidos_meioambiente.pptx
Funções inorgânicas_oxidos_meioambiente.pptx
 
Visão Ambiental sobre sistemas a gás natural
Visão Ambiental sobre sistemas a gás naturalVisão Ambiental sobre sistemas a gás natural
Visão Ambiental sobre sistemas a gás natural
 
Desequilibrios ambientais
Desequilibrios ambientaisDesequilibrios ambientais
Desequilibrios ambientais
 
7 - Controle de poluentes atmosféricos - 19-11.ppt
7 - Controle de poluentes atmosféricos - 19-11.ppt7 - Controle de poluentes atmosféricos - 19-11.ppt
7 - Controle de poluentes atmosféricos - 19-11.ppt
 
Aula-6-Química-da-Atmosfera-Parte-2-1-2o-sem-2019-Final.pdf
Aula-6-Química-da-Atmosfera-Parte-2-1-2o-sem-2019-Final.pdfAula-6-Química-da-Atmosfera-Parte-2-1-2o-sem-2019-Final.pdf
Aula-6-Química-da-Atmosfera-Parte-2-1-2o-sem-2019-Final.pdf
 
Meios corrosivos [modo de compatibilidade]
Meios corrosivos [modo de compatibilidade]Meios corrosivos [modo de compatibilidade]
Meios corrosivos [modo de compatibilidade]
 
Biogeoquimicos
BiogeoquimicosBiogeoquimicos
Biogeoquimicos
 
Quimica Atmosfera
Quimica AtmosferaQuimica Atmosfera
Quimica Atmosfera
 
Aula 2 - Dispersao dos poluentes na atmosfera.pdf
Aula 2 - Dispersao dos poluentes na atmosfera.pdfAula 2 - Dispersao dos poluentes na atmosfera.pdf
Aula 2 - Dispersao dos poluentes na atmosfera.pdf
 
Apresentação ciclo nitrogênio
Apresentação ciclo nitrogênioApresentação ciclo nitrogênio
Apresentação ciclo nitrogênio
 

Mais de anealves

Canteiro de obras
Canteiro de obrasCanteiro de obras
Canteiro de obras
anealves
 
Iso14001
Iso14001Iso14001
Iso14001
anealves
 
Educaçao ambiental
Educaçao ambientalEducaçao ambiental
Educaçao ambiental
anealves
 
Cartilhnr 18
Cartilhnr 18Cartilhnr 18
Cartilhnr 18
anealves
 
NR35 comentada
NR35 comentadaNR35 comentada
NR35 comentada
anealves
 
Boas praticas ambientais
Boas praticas ambientaisBoas praticas ambientais
Boas praticas ambientais
anealves
 
Manual coleta seletiva
Manual coleta seletivaManual coleta seletiva
Manual coleta seletiva
anealves
 
Palestra de coleta seletiva m &amp; b
Palestra de coleta seletiva m &amp; bPalestra de coleta seletiva m &amp; b
Palestra de coleta seletiva m &amp; b
anealves
 
Falando+de+agua
Falando+de+aguaFalando+de+agua
Falando+de+agua
anealves
 
Preenchimento quadros iii_iv_v_v_nr04[1]
Preenchimento quadros iii_iv_v_v_nr04[1]Preenchimento quadros iii_iv_v_v_nr04[1]
Preenchimento quadros iii_iv_v_v_nr04[1]
anealves
 
Treinamento-oper-seg
 Treinamento-oper-seg Treinamento-oper-seg
Treinamento-oper-seg
anealves
 
Vencedores 101103122210-phpapp01
Vencedores 101103122210-phpapp01Vencedores 101103122210-phpapp01
Vencedores 101103122210-phpapp01
anealves
 

Mais de anealves (12)

Canteiro de obras
Canteiro de obrasCanteiro de obras
Canteiro de obras
 
Iso14001
Iso14001Iso14001
Iso14001
 
Educaçao ambiental
Educaçao ambientalEducaçao ambiental
Educaçao ambiental
 
Cartilhnr 18
Cartilhnr 18Cartilhnr 18
Cartilhnr 18
 
NR35 comentada
NR35 comentadaNR35 comentada
NR35 comentada
 
Boas praticas ambientais
Boas praticas ambientaisBoas praticas ambientais
Boas praticas ambientais
 
Manual coleta seletiva
Manual coleta seletivaManual coleta seletiva
Manual coleta seletiva
 
Palestra de coleta seletiva m &amp; b
Palestra de coleta seletiva m &amp; bPalestra de coleta seletiva m &amp; b
Palestra de coleta seletiva m &amp; b
 
Falando+de+agua
Falando+de+aguaFalando+de+agua
Falando+de+agua
 
Preenchimento quadros iii_iv_v_v_nr04[1]
Preenchimento quadros iii_iv_v_v_nr04[1]Preenchimento quadros iii_iv_v_v_nr04[1]
Preenchimento quadros iii_iv_v_v_nr04[1]
 
Treinamento-oper-seg
 Treinamento-oper-seg Treinamento-oper-seg
Treinamento-oper-seg
 
Vencedores 101103122210-phpapp01
Vencedores 101103122210-phpapp01Vencedores 101103122210-phpapp01
Vencedores 101103122210-phpapp01
 

Origem dos poluentes atmosféricos

  • 1. Segundo a origem do poluente , é possível classificar as fontes de poluição como: 1 - Fontes naturais; 2 - Fontes Industriais; 3 - Queima de combustíveis; 4 - Queima de resíduos sólidos, 5 - Atividades produtoras de odores; 6 - Outras atividades. TRATAMENTO DE RESÍDUOS GASOSOS - TECNOLOGIA EM GERENCIAMENTO AMBIENTAL - UTFPR ORIGEM DOS POLUENTES ATMOSFÉRICOS
  • 2. CH 4 60-70% CO 2 20-10% H 2 S 1-2% Emissões vulcânicas Florestas Decomposição anaeróbica de matéria orgânica Desnitrificação por bactérias Liberação de partículas por tempestades de areia e poeira em geral TRATAMENTO DE RESÍDUOS GASOSOS - TECNOLOGIA EM GERENCIAMENTO AMBIENTAL - UTFPR 1 – FONTES NATURAIS
  • 3. Emissões vulcânicas Gasoso, sólido e líquido. Gasoso: vapor d’água e dióxido de enxofre. Liberados pelo magma em três fases distintas. FUMAÇA: hidrogênio, cloro, enxofre, nitrogênio, oxigênio que pode combinar-se com HCl, H 2 S, SO 2 , SO 3, H 2 O, NH 4 + , NH 4 Cl, CO, CO 2. cobre, ferro e alumínio. TRATAMENTO DE RESÍDUOS GASOSOS - TECNOLOGIA EM GERENCIAMENTO AMBIENTAL - UTFPR 1 – FONTES NATURAIS
  • 4. Florestas Respiração Decomposição de materiais Liberação de resíduos em geral Queimadas ocorridas naturalmente TRATAMENTO DE RESÍDUOS GASOSOS - TECNOLOGIA EM GERENCIAMENTO AMBIENTAL - UTFPR 1 – FONTES NATURAIS
  • 5. TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E GASOSOS - TECNOLOGIA AMBIENTAL - CEFETPR Decomposição anaeróbica de matéria orgânica Oceanos Pântanos Mangues Bosques úmidos Solos 1 – FONTES NATURAIS
  • 6. TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E GASOSOS - TECNOLOGIA AMBIENTAL - CEFETPR Reações fotoquímicas que dependem da luz solar Surgimento de O 3 Smog 1 – FONTES NATURAIS
  • 7. TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E GASOSOS - TECNOLOGIA AMBIENTAL - CEFETPR Surgimento de O 3 e Smog Esse termo provém do inglês e deriva das palavras smoke = fumaça e fog = neblina NO 2 + hv  NO + O O + O 2  O 3 NO + O 3  NO 2 + O 2 1 – FONTES NATURAIS
  • 8. TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E GASOSOS - TECNOLOGIA AMBIENTAL - CEFETPR Emissões das indústrias 2 – FONTES INDUSTRIAIS
  • 9. TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E GASOSOS - TECNOLOGIA AMBIENTAL - CEFETPR Carvão mineral, petróleo e gás natural. Cinza, NO, NO 2 , SO 2 SO 3 , CO e CO 2 , hidrocarbonetos, aldeídos, fumaça em forma de aerossol. 3 – QUEIMA DE COMBUSTÍVEIS FÓSSEIS
  • 10. TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E GASOSOS - TECNOLOGIA AMBIENTAL - CEFETPR Ao ar livre ou em equipamentos centrais. Partículas, hidrocarbonetos, ácidos orgânicos, aldeídos, gases orgânicos, óxidos de nitrogênio e de enxofre, monóxido de carbono. Na queima de plásticos há presença do ácido clorídrico e poluentes ainda não identificados. 4 – INCINERAÇÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS
  • 11. TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E GASOSOS - TECNOLOGIA AMBIENTAL - CEFETPR Há várias atividades, como exemplo temos as indústrias que liberam ácido sulfídrico, mercaptanas, tióis e outros gases. Atividades com animais, processamento de alimentos, tratamento de esgotos, depósitos de lixo, aterros sanitários. 5 – ATIVIDADES PRODUTORAS DE ODORES
  • 12. TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E GASOSOS - TECNOLOGIA AMBIENTAL - CEFETPR Veículos Automotores Leves: álcool e gasolina Pesados: óleo diesel CO, HC, NOx, aldeídos,compostos de enxofre, amônia, material particulado orgânico e inorgânico como cloro, bromo, chumbo tetraetila e partículas de carvão Sob a ação da luz solar HC e NOx combinam-se e desencadeiam várias reações 6 – FONTES MÓVEIS
  • 13. TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E GASOSOS - TECNOLOGIA AMBIENTAL - CEFETPR PRINCIPAIS POLUENTES DO AR MONÓXIDO DE CARBONO (CO) DIÓXIDO DE CARBONO (CO 2 ) ÓXIDOS DE ENXOFRE (SO 2 e SO 3 ) ÓXIDOS DE NITROGÊNIO (NO x ) HIDROCARBONETOS
  • 14. TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E GASOSOS - TECNOLOGIA AMBIENTAL - CEFETPR PRINCIPAIS POLUENTES DO AR MONÓXIDO DE CARBONO (CO) Composto gerado nos processos de combustão incompleta de combustíveis fósseis e outros materiais que contenham carbono em sua composição. CH 4 + 3/2 O 2  CO + 2 H 2 O
  • 15. TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E GASOSOS - TECNOLOGIA AMBIENTAL - CEFETPR PRINCIPAIS POLUENTES DO AR DIÓXIDO DE CARBONO (CO 2 ) Principal composto gerado nos processos de combustão completa de combustíveis fósseis e outros materiais que contenham carbono em sua composição. Liberado também nos processos de respiração aeróbia. combustível + O 2  CO 2 + H 2 O
  • 16. TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E GASOSOS - TECNOLOGIA AMBIENTAL - CEFETPR PRINCIPAIS POLUENTES DO AR ÓXIDOS DE ENXOFRE (SO 2 e SO 3 ) São produzidos nos processos de combustão de combustíveis que contenham enxofre em sua composição.
  • 17. TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E GASOSOS - TECNOLOGIA AMBIENTAL - CEFETPR PRINCIPAIS POLUENTES DO AR ÓXIDOS DE NITROGÊNIO (NO x ) Os processos de combustão ocorrem na presença de ar, e o composto mais abundante é o nitrogênio. N 2 + O 2  2 NO NO + O 3  NO 2 + O 2
  • 18. TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E GASOSOS - TECNOLOGIA AMBIENTAL - CEFETPR PRINCIPAIS POLUENTES DO AR HIDROCARBONETOS São resultantes da queima incompleta dos combustíveis, bem como da evaporação desses e solventes orgânicos.
  • 19. TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E GASOSOS - TECNOLOGIA AMBIENTAL - CEFETPR PRINCIPAIS POLUENTES DO AR MATERIAL PARTICULADO As partículas de material sólidos e líquido (exceto a água) capazes de permanecer em suspensão (poeira, fuligem, partículas de óleo, pólen).
  • 20. TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E GASOSOS - TECNOLOGIA AMBIENTAL - CEFETPR Por outro lado, os poluentes gasosos podem ser classificados em : POLUENTES PRIMÁRIOS POLUENTES SECUNDÁRIOS
  • 21. TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E GASOSOS - TECNOLOGIA AMBIENTAL - CEFETPR Por outro lado, os poluentes gasosos podem ser classificados em : POLUENTES PRIMÁRIOS aqueles emitidos diretamente das fontes de emissão . POLUENTES SECUNDÁRIOS
  • 22. TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E GASOSOS - TECNOLOGIA AMBIENTAL - CEFETPR Por outro lado, os poluentes gasosos podem ser classificados em : POLUENTES SECUNDÁRIOS aqueles formados na atmosfera através da reação química entre poluentes primários e os constituintes da atmosfera
  • 23. TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E GASOSOS - TECNOLOGIA AMBIENTAL - CEFETPR Quadro 1 – Poluentes Primários e Secundários - ÁCIDO CLORÍDRICO HNO 3 ÓXIDO DE NITROGÊNIO (NO X ) H 2 SO 4 ÓXIDO DE ENXOFRE (SO X ) SECUNDÁRIOS PRIMÁRIOS
  • 24. TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E GASOSOS - TECNOLOGIA AMBIENTAL - CEFETPR Exemplos de reações envolvendo poluentes primários e secundários. 2 SO 2 + O 2  2 SO 3 SO 3 + H 2 O  H 2 S0 4 2 NO + O 2  2 NO 2 2 NO 2 + H 2 O  HN0 3 + HN0 2
  • 25. TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E GASOSOS - TECNOLOGIA AMBIENTAL - CEFETPR CARACTERÍSTICAS DOS POLUENTES GASOSOS  Compostos Sulfurosos  Compostos Nitrogenados  Material particulado  Compostos Orgânicos voláteis  Outros compostos
  • 26. TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E GASOSOS - TECNOLOGIA AMBIENTAL - CEFETPR Na atmosfera o enxofre encontra-se nas seguintes formas: - COS – carbonil sulfeto; - CS 2 – sulfeto de carbono; - (CH 3 )S – dimetil sulfeto; - H 2 S – ácido sulfídrico; - SO 2 – dióxido de enxofre; - SO 4 -2 - sulfatos  Compostos Sulfurosos
  • 27. TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E GASOSOS - TECNOLOGIA AMBIENTAL - CEFETPR Exemplo:  Compostos Sulfurosos Atividades industriais; queima de óleos combustíveis; veículos automotores Poluente mais característico dos aglomerados industriais. É proveniente essencialmente da combustão dos fluidos-óleos e do carvão; quando queimado estes combustíveis liberam o enxofre que eles contem, o qual se combina com oxigênio do ar na forma de SO 2 SO 2 Dióxido de enxofre(anidrido sulfuroso) FONTES PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS DENOMINAÇÃO
  • 28. TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E GASOSOS - TECNOLOGIA AMBIENTAL - CEFETPR Na atmosfera o nitrogênio encontra-se nas seguintes formas: - N 2 O, NO, NO 2 , NH 3 , sais de nitrato, nitrito e NH 4 . Exemplo:  Compostos Nitrogenados Atividades industriais Veículos automotores Gás emitido principalmente por motores de veículos automobilísticos, as instalações de combustão e nas fábricas de ácido nítrico. NOx óxidos
  • 29. TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E GASOSOS - TECNOLOGIA AMBIENTAL - CEFETPR Exemplo:  Compostos Nitrogenados Atividades industriais Veículos automotores Gás emitido principalmente por motores de veículos automobilísticos, as instalações de combustão e nas fábricas de ácido nítrico. NOx óxidos
  • 30. TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E GASOSOS - TECNOLOGIA AMBIENTAL - CEFETPR Considera-se como material particulado qualquer substância, à exceção da água pura, que existe como líquido ou sólido na atmosfera e tem dimensões microscópicas ou sumicroscópicas, porém maiores que as dimensões moleculares. Finos, com d p < 2,5  m; Grossos, com d p > 2,5  m.  Material particulado
  • 31. TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E GASOSOS - TECNOLOGIA AMBIENTAL - CEFETPR VOC’s : são produtos orgânicos que têm uma pressão elevada de vapor e facilmente passam a forma de vapor na temperatura e pressão normais. - solventes orgânicos; - aditivos de pintura; - propulsores de latas; - combustíveis (gasolina, querosene...) - destilados de petróleo, etc.  Compostos Orgânicos voláteis
  • 32. TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E GASOSOS - TECNOLOGIA AMBIENTAL - CEFETPR Dioxinas e Furanos É a denominação para compostos conhecidos como dibenzo-p-dioxinas policlorados (PCDDs) e dibenzofuranos policlorados (PCDFs). 2,3,7,8 tetraclorodibenzo-p-dioxina  Outros compostos
  • 33. TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E GASOSOS - TECNOLOGIA AMBIENTAL - CEFETPR MERCAPTANOS Tio-fenóis ou Aril-mercaptanos : a nomenclaltura é dada atribuindo a palavra MERCAPTANO antecedida pelo nome do radical ligado ao grupamento -SH  Outros compostos
  • 34. TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E GASOSOS - TECNOLOGIA AMBIENTAL - CEFETPR NÍVEIS DE CONCENTRAÇÃO DOS POLUENTES ATMOSFÉRICOS – PADRÕES DE QUALIDADE DO AR São padrões de qualidade do ar as concentrações de poluentes atmosféricos que, ultrapassadas, poderão afetar a saúde, a segurança e o bem-estar da população, bem como ocasionar danos à flora e à fauna, aos materiais e ao meio ambiente em geral.
  • 35. TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E GASOSOS - TECNOLOGIA AMBIENTAL - CEFETPR NÍVEIS DE CONCENTRAÇÃO DOS POLUENTES ATMOSFÉRICOS – PADRÕES DE QUALIDADE DO AR Referência utilizada : Resolução 03/90 do CONAMA. PADRÃO PRIMÁRIO PADRÃO SECUNDÁRIO
  • 36. TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E GASOSOS - TECNOLOGIA AMBIENTAL - CEFETPR São as concentrações de poluentes que, ultrapassadas, poderão afetar a saúde da população. PADRÃO PRIMÁRIO
  • 37. TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E GASOSOS - TECNOLOGIA AMBIENTAL - CEFETPR São as concentrações de poluentes abaixo das quais se prevê o mínimo efeito adverso sobre o bem-estar da população, assim como o mínimo dano à fauna, à flora, aos materiais e ao meio ambiente em geral. PADRÃO SECUNDÁRIO
  • 38. TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E GASOSOS - TECNOLOGIA AMBIENTAL - CEFETPR Por que ppm e ppb ? Veja este exemplo: Composição do NO 2 na atmosfera:  0,000000012% (v/v)  12 ppb (mais adequado) Expressando composição de materiais
  • 39. TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E GASOSOS - TECNOLOGIA AMBIENTAL - CEFETPR ppm e mg/L significam a mesma coisa? Resposta: generalizar que ppm significa mg/L pode ser enganoso. Exemplo : Dissolução de 0,0120 mg de MgSO 4 em : a) 500 mL de água b) 500 mL de álcool Expressando composição de materiais
  • 40. TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E GASOSOS - TECNOLOGIA AMBIENTAL - CEFETPR Como expressar a composição de poluentes gasosos? Expressando composição de materiais
  • 41. PRINCIPAIS PROBLEMAS DA POLUIÇÃO ATMOSFÉRICA CHUVA ÁCIDA EFEITO ESTUFA INVERSÃO TÉRMICA CAMADA DE OZÔNIO
  • 42. TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E GASOSOS - TECNOLOGIA AMBIENTAL - CEFETPR CHUVA ÁCIDA O termo chuva ácida significa a precipitação de componentes ácidos comumente encontrados em chuvas, neves, neblinas ou partículas secas. O termo mais preciso é “precipitação” ácida.  A chuva limpa tem um pH ligeiramente ácido de 5,6, porque o CO 2 e a água reagem formando o ácido carbônico.
  • 43. TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E GASOSOS - TECNOLOGIA AMBIENTAL - CEFETPR REAÇÕES ENVOLVIDAS NA CHUVA ÁCIDA
  • 44. TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E GASOSOS - TECNOLOGIA AMBIENTAL - CEFETPR EFEITOS DA CHUVA ÁCIDA
  • 45. TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E GASOSOS - TECNOLOGIA AMBIENTAL - CEFETPR
  • 46. TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E GASOSOS - TECNOLOGIA AMBIENTAL - CEFETPR EFEITO ESTUFA
  • 47. TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E GASOSOS - TECNOLOGIA AMBIENTAL - CEFETPR EFEITO ESTUFA  É chamado de efeito estufa o acréscimo constante da temperatura da terra devido à absorção de radiação infravermelha terrestre por alguns gases, tais como o CO 2 , os clorofluorcarbonos CFCs, o metano CH 4 , etc. Estes gases são conhecidos como gases estufa.
  • 48. TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E GASOSOS - TECNOLOGIA AMBIENTAL - CEFETPR EFEITO ESTUFA Segundo LORA (2000), é evidente que o efeito estufa é vital para a manutenção de temperaturas adequadas para a vida na terra, porém, o problema está na intensificação do mesmo. O acréscimo anual da quantidade de carbono na atmosfera é de 5-6 Gt/ano
  • 49. TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E GASOSOS - TECNOLOGIA AMBIENTAL - CEFETPR EFEITO ESTUFA Quais os maiores emissores nacionais de CO 2 ? R : os maiores emissores do Brasil de CO 2 são os setores industriais e o transporte. Quais seriam as conseqüências do efeito estufa? R : aumento da temperatura (1-5 C); duplicação da concentração do CO 2 ; elevação do nível do mar.
  • 50. TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E GASOSOS - TECNOLOGIA AMBIENTAL - CEFETPR EFEITO ESTUFA
  • 51. TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E GASOSOS - TECNOLOGIA AMBIENTAL - CEFETPR
  • 52. TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E GASOSOS - TECNOLOGIA AMBIENTAL - CEFETPR EFEITO ESTUFA Tecnologias para redução das emissões de CO 2 . Eficiência e conservação da energia Substituição de combustíveis Utilização de fontes renováveis de energia Captura e deposição do CO 2.
  • 53. TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E GASOSOS - TECNOLOGIA AMBIENTAL - CEFETPR INVERSÃO TÉRMICA
  • 54. TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E GASOSOS - TECNOLOGIA AMBIENTAL - CEFETPR CAMADA DE OZÔNIO UV-C + UV-B + + formação de ozônio na atmosfera
  • 55. TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E GASOSOS - TECNOLOGIA AMBIENTAL - CEFETPR CAMADA DE OZÔNIO UV Ciclo catalítico do cloro CFCl 3 cloro + Monóxido de cloro + CFCl 2
  • 56. TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E GASOSOS - TECNOLOGIA AMBIENTAL - CEFETPR CAMADA DE OZÔNIO UV Ciclo catalítico do cloro CFCl 3 cloro + Monóxido de cloro + CFCl 2 CFC -11 Aparelhos de refrigeração e ar condicionado, fabricação de espumas
  • 57. TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E GASOSOS - TECNOLOGIA AMBIENTAL - CEFETPR A estratosfera possui um sistema de autoproteção muito eficiente. O efeito destrutivo dos átomos de cloro e bromo é bloqueado quando eles se combinam com outras substâncias presentes na estratosfera, principalmente o dióxido de nitrogênio (NO 2 ) e o metano (CH 4 ) formando os compostos químicos ClNO 3 , HCl e BrNO 3 que não destroem o ozônio .
  • 58. TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E GASOSOS - TECNOLOGIA AMBIENTAL - CEFETPR