SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 30
Abuso sexual na criança e no
adolescente
Acadêmicas:
Ana Carolina da Silva Nogueira; RA: 6059009656
Débora Ferreira; RA: 1299129362
Ellen Caroline R. Barretos; RA: 5959228733
Janaina Rojas; RA: 6021397795
Miriã Réviny Dutra Figueira; RA: 6181018720
Nayara Cristaldo Maciel; RA: 6059009746
Sabrina Oliveira Cangussu; RA: 5951228852
Veruska Sandim Vilela; RA: 1299529459
Definição
• Define-se como a participação de uma criança ou de um
adolescente em atividades sexuais que são
inapropriadas a sua idade e seu desenvolvimento
psicossexual. A vitima é forçada fisicamente, coagida ou
seduzida a participar da relação sem ter necessariamente a
capacidade emocional ou cognitiva para consentir ou julgar o
que esta acontecendo. (BRASIL, 2012)
• O Código Penal Brasileiro, Decreto-Lei nº 2.848,de 07 de
dezembro de 1940 no seu Art. 213 a violência sexual como
crime.
A infância é um período onde o ser humano desenvolve-se
psicologicamente, envolvendo graduais mudanças no
comportamento e na aquisição das bases de sua personalidade.
Por isso, quanto mais cedo houver o descobrimento de algum
tipo de abuso, mais probabilidade de aplicar um tratamento
adequado e resolver ou amenizar os danos causados, para que
futuramente, não surjam problemas mentais ou físicos que
sejam mais graves, ou até mesmo irreparáveis.
Ainda para Silva (1998) e Araujo (2002), o abuso sexual infantil
é um ato que envolve vergonha, medo, culpa e desafiam
questões culturais. O silêncio pode ser muitas vezes adotado
para que preserve o núcleo familiar, evitando contradições no
papel de proteção que a família deve ter quando na realidade é
de agressão, geralmente o agressor é um indivíduo com quem a
criança mantém uma relação estreita e de confiança.
EPIDEMIOLOGIA
Quatro mil denúncias de
violência sexual contra
crianças e adolescentes
foram registradas no
primeiro trimestre de
2015
Diagnóstico
• Deve ser colhido material (swab) das cavidades oral,
vaginal e retal, como também fazer coleta para culturas,
pesquisa sorológica para DST/HIV, hepatites, sífilis,
tipagem sanguínea e pesquisa de DNA.
• As amostras para pesquisa de sêmen, sangue e células
epiteliais devem ser acondicionadas em papel-filtro
esterilizado, guardadas em envelope de papel, pois o
plástico retém umidade e facilita a proliferação de bactérias
que destroem células coletadas e DNA. Depois de seco,
arquivar o material, de preferência em ambiente
climatizado e o mais breve possível encaminhar sob ofício
para o Instituto Médico Legal (IML).
Intervenção
• O MS recomenda aos profissionais o conhecimento sobre
a indicação e efeitos adversos de procedimentos para
prestar cuidados às vítimas e suas famílias, devendo
estar qualificados para a profilaxia de DST, hepatites
virais e HIV, tétano (quando a lesão teve contato com
terra) e gravidez, medidas que devem ser tomadas até as
primeiras 72 horas do evento, como a anticoncepção de
emergência e a quimioprofilaxia.
Papel do Enfermeiro
• O profissional enfermeiro é o que está mais próximo da
criança, com frequência é o primeiro profissional a vê-la
juntamente com sua família, e proporciona o cuidado
contínuo quando há necessidade de hospitalização.
• A responsabilidade de notificação compulsória é do
enfermeiro que são registradas no SINAN. Todo caso,
suspeito ou confirmado, deve ser notificado. O ato de
notificar é um exercício de cidadania que garante
direitos de crianças e adolescentes e possibilita o
planejamento e avaliação de políticas públicas de
atendimento e enfrentamento das violências.
Notificação
Suspeita
Conselho
Tutelar
Atendimento
social e de
saúde
PJDIJ/
1ª VIJ**
Medidas judiciais
(afastamento do autor,
suspensão de visitas, etc.)
DPCA*
Responsabilização
do autor da
violência
*Delegacia de Proteção à criança e
ao Adolescente
**Promotoria de Justiça de Defesa
da Infância e da Juventude / 1ª
Vara de Infância e da Juventude
• Além dessa notificação, o profissional deve
denunciar/notificar a situação ao Conselho Tutelar e/ou Vara
da Infância e Juventude, de acordo com os artigos 13 e 245 do
Estatuto da Criança e do Adolescente, e se responsabilizar
profissionalmente pelo cuidado à vítima.
• Realizar o exame físico o mais rápido possível, intervenções
médicas necessárias ao caso e para serem oferecidos os
esclarecimentos aos responsáveis e às vítimas a respeito dos
danos locais e do prognóstico. Exame geral e minucioso –
tanto quanto permitam as condições do paciente –, não apenas
dirigido às queixas, é indispensável para a identificação de
provas de existência fugaz (sêmen e algumas lesões em
mucosas) e na formulação de hipóteses ainda ocultas na
anamnese.
Exame Físico
• A ampliação e boa iluminação são essenciais quando se
examina a genitália de crianças.
• Um colposcópio ou espéculo podem ser usados.
• LEMBRAR de demonstrar os instrumentos para a
criança pois pode ser útil para aliviar o medo e o estado
emocional da criança frente ao exame.
• Um sintoma de abuso sexual que tem passado
despercebido pelas famílias é o desenvolvimento precoce
das meninas.
Exame Físico
Menina de 4 anos
Hímen normal
Menina de
7 anos
Área Física
• Definir um espaço reservado, fora do espaço de
atendimento de outras pessoas, a fim de garantir a
privacidade da vítima;
• Estabelecer um ambiente de confiança e respeito;
• Evitar situações que favoreçam constrangimento ou
estigma, como, por exemplo, a identificação nominal da
paciente ou da sala para atendimento de vítimas de
estupro;
• Assegurar que os procedimentos para abortamento
previsto por lei sejam realizados em local cirúrgico
adequado.
Equipe
• Procurar manter uma equipe composta por, no
mínimo, médico, psicólogo, enfermeiro e
assistente social;
• Manter disponíveis serviços de referência que
poderão atuar em conjunto com a equipe
interdisciplinar do serviço de saúde. Alguns
exemplos de serviços de referência são: pediatra,
infectologia, cirurgia, traumatologia e
psiquiatria;
CONSEQUÊNCIAS DO ABUSO SEXUAL NA
CRIANÇA E NO ADOLESCENTE
Há consequências do ponto de vista:
psicológico (traumas), físico (doenças
sexualmente transmissíveis), etc.
O grau de severidade dos efeitos do
abuso sexual varia de acordo com:
• A idade da criança no inicio do ASI;
• Duração do abuso;
• O grau de violência;
• A diferença de idade entre a pessoa
que cometeu o abuso e a vítima;
• A importância da relação entre o
abusador e vítima;
• A ausência de figuras parentais
protetoras e de apoio social;
• O grau de segredo e de ameaças
contra a criança.
CONSEQUÊNCIAS DO ABUSO SEXUAL NA
CRIANÇA E NO ADOLESCENTE
• Transtornos psiquiátricos e mais aparentes nas vítimas,
destacam-se: a depressão, transtornos de ansiedade,
transtornos alimentares – principalmente a bulimia,
transtornos dissociativos, transtorno de estresse pós-
traumático, transtorno de déficit de atenção e
hiperatividade, transtornos do sono e transtornos de
personalidade borderlaine (PELIZOLI et al., 2008).
• Já em danos psicossociais, são distintos, como, por
exemplo, distúrbios de sono e alimentação, baixo
rendimento escolar, fugas de casa, depressão, uso
abusivo de substâncias psicoativas, delinquência,
prostituição e risco de revitimização ao longo da vida.
Segundo Pliska, 2004, as pessoas que foram
abusadas física ou sexualmente durante a
infância, apresentam quatro vezes mais
probabilidade de desenvolver depressão severa
ou cometer suicídio.
Transtorno de Estresse Pós-Traumático
• Estudos indicam que o TEPT é o quadro psicopatológico
mais associado ao ASI.
• O TEPT envolve a exposição a um evento estressor
traumático, no qual a vitima reage com intenso conteúdo
emocional, relacionado à dor, pavor, medo e terror. O
trauma pode ser definido como um prejuízo, um estado
psíquico ou comportamental desorientado, provocado
por estresse mental ou emocional ou dano físico,
relacionado a eventos que podem provocar medo agudo
ou crônico.
• Trata-se de uma resposta emocional que engloba tanto
falhas no processamento da memória do trauma, quanto
prejuízos neuropsicológicos em funções executivas,
aprendizagem verbal, memória e atenção.
Tratamento
• Além da avaliação clínica da criança, deve-se avaliar
as condições da família para proteger a vítima de
novos abusos e identificar pessoas com as quais se
possa contar para essa tarefa e dar continuidade no
tratamento.
• Deverá ser identificada qual a capacidade da família a
situação de estresse, visto que isto proporcionará uma
ideia prognóstica de como irá lidar com o problema.
• Sendo assim, é necessário que haja uma rede de
atendimento interdisciplinar que possibilite
acompanhamento psicológico, e social à vítima e a
seus familiares, bem como ao agressor, oferecendo
assim condições de prevenção e ajustamento
psicossocial dentro do seu contexto social e familiar.
• É imprescindível o aperfeiçoamento de modelos de
tratamento, incluindo maior integração dos familiares
para fortalecer as relações, possibilitando uma
recuperação mais consistente para a vítima.
Vítima, 7 anos
Ele era obrigado a fazer
sexo oral no pai. A linha
que sai da boca até a
genital, representando a
língua da vítima na
genitália do pai.
Vítima, 10 anos
Representou com o eram os abusos. No desenho
tem as palavras “Sim” e “Não” pois era a forma
que ela respondia as perguntas, com vergonha.
Vítima, 6 anos
No desenho ele
retrata seu
abusador com
detalhes,
mostrando o
órgão sexual dele,
e ejaculando
Vítima, 15 anos
Sofreu abusos psicológicos
desde criança de seu pai, e na
adolescência, começaram os
abusos sexuais. No desenho
ele se representa em uma
cruz, imobilizado pelo pai, do
lado direito uma espada
verde, representando que
agora ele tem forças para
lutar.
VIDEO
Abuso sexual na criança e no adolescente

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Desarrollo puberal
Desarrollo puberalDesarrollo puberal
Desarrollo puberalmperezp
 
Exame Físico em Pediatria
Exame Físico em PediatriaExame Físico em Pediatria
Exame Físico em PediatriaLaped Ufrn
 
ginecologia pediatrica y del adolescente
ginecologia pediatrica y del adolescenteginecologia pediatrica y del adolescente
ginecologia pediatrica y del adolescenteLadicita Lavayen
 
Palestra sexualidade, gravidez e dst s pronta
Palestra sexualidade, gravidez e dst s prontaPalestra sexualidade, gravidez e dst s pronta
Palestra sexualidade, gravidez e dst s prontaBianca Trajanoski
 
Abuso sexual infantil
Abuso sexual infantilAbuso sexual infantil
Abuso sexual infantilhugotula
 
Puberdade Precoce
Puberdade PrecocePuberdade Precoce
Puberdade Precoceblogped1
 
Ginecologia infantojuvenil
Ginecologia infantojuvenilGinecologia infantojuvenil
Ginecologia infantojuvenilMirela Mallqui
 
Sexualidade na adolescência
Sexualidade na adolescência Sexualidade na adolescência
Sexualidade na adolescência Gisele Da Fonseca
 
Violencia contra criança e adolescente
Violencia contra criança e adolescenteViolencia contra criança e adolescente
Violencia contra criança e adolescentetlvp
 
SEXUALIDADE E GRAVIDEZ NA ADOLESCÊNCIA
SEXUALIDADE E GRAVIDEZ NA ADOLESCÊNCIASEXUALIDADE E GRAVIDEZ NA ADOLESCÊNCIA
SEXUALIDADE E GRAVIDEZ NA ADOLESCÊNCIAJose Camara
 
Slide projeto violencia e abuso sexual renata
Slide projeto violencia e abuso sexual   renataSlide projeto violencia e abuso sexual   renata
Slide projeto violencia e abuso sexual renataFabiana Subrinho
 

Mais procurados (20)

Semiologia pediátrica
Semiologia pediátrica Semiologia pediátrica
Semiologia pediátrica
 
Desarrollo puberal
Desarrollo puberalDesarrollo puberal
Desarrollo puberal
 
Exame Físico em Pediatria
Exame Físico em PediatriaExame Físico em Pediatria
Exame Físico em Pediatria
 
ginecologia pediatrica y del adolescente
ginecologia pediatrica y del adolescenteginecologia pediatrica y del adolescente
ginecologia pediatrica y del adolescente
 
Amenorréias: o que está por trás da ausência de menstruação?
Amenorréias: o que está por trás da ausência de menstruação?Amenorréias: o que está por trás da ausência de menstruação?
Amenorréias: o que está por trás da ausência de menstruação?
 
Palestra sexualidade, gravidez e dst s pronta
Palestra sexualidade, gravidez e dst s prontaPalestra sexualidade, gravidez e dst s pronta
Palestra sexualidade, gravidez e dst s pronta
 
ABUSO SEXUAL
ABUSO SEXUALABUSO SEXUAL
ABUSO SEXUAL
 
Abuso sexual infantil
Abuso sexual infantilAbuso sexual infantil
Abuso sexual infantil
 
Puberdade Precoce
Puberdade PrecocePuberdade Precoce
Puberdade Precoce
 
06. examen ginecológico pediátrico
06. examen ginecológico pediátrico06. examen ginecológico pediátrico
06. examen ginecológico pediátrico
 
Ginecologia infantojuvenil
Ginecologia infantojuvenilGinecologia infantojuvenil
Ginecologia infantojuvenil
 
Ginecologia - NIÑOS
Ginecologia - NIÑOSGinecologia - NIÑOS
Ginecologia - NIÑOS
 
Sexualidade na adolescência
Sexualidade na adolescência Sexualidade na adolescência
Sexualidade na adolescência
 
Violencia contra criança e adolescente
Violencia contra criança e adolescenteViolencia contra criança e adolescente
Violencia contra criança e adolescente
 
SEXUALIDADE E GRAVIDEZ NA ADOLESCÊNCIA
SEXUALIDADE E GRAVIDEZ NA ADOLESCÊNCIASEXUALIDADE E GRAVIDEZ NA ADOLESCÊNCIA
SEXUALIDADE E GRAVIDEZ NA ADOLESCÊNCIA
 
Manejo Conservador do Prolapso Genital
Manejo Conservador do Prolapso GenitalManejo Conservador do Prolapso Genital
Manejo Conservador do Prolapso Genital
 
Slide projeto violencia e abuso sexual renata
Slide projeto violencia e abuso sexual   renataSlide projeto violencia e abuso sexual   renata
Slide projeto violencia e abuso sexual renata
 
Ginecologia infanto puberal
Ginecologia infanto puberalGinecologia infanto puberal
Ginecologia infanto puberal
 
Ginecologia infanto puberal
Ginecologia infanto puberalGinecologia infanto puberal
Ginecologia infanto puberal
 
Infertilidade masculina
Infertilidade masculinaInfertilidade masculina
Infertilidade masculina
 

Semelhante a Abuso sexual na criança e no adolescente

Abordagem da Criança e Adolescente Vítima de Violência Doméstica
Abordagem da Criança e Adolescente Vítima de Violência Doméstica Abordagem da Criança e Adolescente Vítima de Violência Doméstica
Abordagem da Criança e Adolescente Vítima de Violência Doméstica Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
2019 sbp -consulta_adolescente_-_abordclinica_orienteticas
2019 sbp  -consulta_adolescente_-_abordclinica_orienteticas2019 sbp  -consulta_adolescente_-_abordclinica_orienteticas
2019 sbp -consulta_adolescente_-_abordclinica_orienteticasgisa_legal
 
O que são maus tratos e violência contra crianças e adolescentes?
O que são maus tratos e violência contra crianças e adolescentes?O que são maus tratos e violência contra crianças e adolescentes?
O que são maus tratos e violência contra crianças e adolescentes?Ellenpsicologia
 
avaliação trauma_cças_abusosexual
avaliação trauma_cças_abusosexualavaliação trauma_cças_abusosexual
avaliação trauma_cças_abusosexualLiz Cavalcante
 
adolescencia.ppt
adolescencia.pptadolescencia.ppt
adolescencia.pptAlefyLima2
 
Violência sexual infantil
Violência sexual infantilViolência sexual infantil
Violência sexual infantilEmanuel Oliveira
 
Violência Doméstica contra Crianças
Violência Doméstica contra CriançasViolência Doméstica contra Crianças
Violência Doméstica contra CriançasDavid Nordon
 
Dossier violência familiar
Dossier violência familiarDossier violência familiar
Dossier violência familiarsaramorgana
 
Responsabilidade parental na clínica psiquiátrica com crianças e adolescentes
Responsabilidade parental na clínica psiquiátrica com crianças e adolescentesResponsabilidade parental na clínica psiquiátrica com crianças e adolescentes
Responsabilidade parental na clínica psiquiátrica com crianças e adolescentesCláudio Costa
 
Responsabilidade parental na clínica psiquiátrica com crianças e adolescentes
Responsabilidade parental na clínica psiquiátrica com crianças e adolescentesResponsabilidade parental na clínica psiquiátrica com crianças e adolescentes
Responsabilidade parental na clínica psiquiátrica com crianças e adolescentesCláudio Costa
 
Adriananunancom abuso sexual
Adriananunancom abuso sexualAdriananunancom abuso sexual
Adriananunancom abuso sexualana311982
 

Semelhante a Abuso sexual na criança e no adolescente (20)

Abordagem da Criança e Adolescente Vítima de Violência Doméstica
Abordagem da Criança e Adolescente Vítima de Violência Doméstica Abordagem da Criança e Adolescente Vítima de Violência Doméstica
Abordagem da Criança e Adolescente Vítima de Violência Doméstica
 
Abuso sexual
Abuso sexualAbuso sexual
Abuso sexual
 
Cartilha aprendendo a_prevenir
Cartilha aprendendo a_prevenirCartilha aprendendo a_prevenir
Cartilha aprendendo a_prevenir
 
2019 sbp -consulta_adolescente_-_abordclinica_orienteticas
2019 sbp  -consulta_adolescente_-_abordclinica_orienteticas2019 sbp  -consulta_adolescente_-_abordclinica_orienteticas
2019 sbp -consulta_adolescente_-_abordclinica_orienteticas
 
Projeto da Prof: Eliane de Moraes
Projeto da Prof: Eliane de MoraesProjeto da Prof: Eliane de Moraes
Projeto da Prof: Eliane de Moraes
 
O que são maus tratos e violência contra crianças e adolescentes?
O que são maus tratos e violência contra crianças e adolescentes?O que são maus tratos e violência contra crianças e adolescentes?
O que são maus tratos e violência contra crianças e adolescentes?
 
avaliação trauma_cças_abusosexual
avaliação trauma_cças_abusosexualavaliação trauma_cças_abusosexual
avaliação trauma_cças_abusosexual
 
adolescencia.ppt
adolescencia.pptadolescencia.ppt
adolescencia.ppt
 
Violência sexual infantil
Violência sexual infantilViolência sexual infantil
Violência sexual infantil
 
Violência Doméstica contra Crianças
Violência Doméstica contra CriançasViolência Doméstica contra Crianças
Violência Doméstica contra Crianças
 
Dossier violência familiar
Dossier violência familiarDossier violência familiar
Dossier violência familiar
 
Violência infantil
Violência infantilViolência infantil
Violência infantil
 
Saude adolescente
Saude adolescenteSaude adolescente
Saude adolescente
 
Responsabilidade parental na clínica psiquiátrica com crianças e adolescentes
Responsabilidade parental na clínica psiquiátrica com crianças e adolescentesResponsabilidade parental na clínica psiquiátrica com crianças e adolescentes
Responsabilidade parental na clínica psiquiátrica com crianças e adolescentes
 
Responsabilidade parental na clínica psiquiátrica com crianças e adolescentes
Responsabilidade parental na clínica psiquiátrica com crianças e adolescentesResponsabilidade parental na clínica psiquiátrica com crianças e adolescentes
Responsabilidade parental na clínica psiquiátrica com crianças e adolescentes
 
Sobre métodos coercitivos de educar
Sobre métodos coercitivos de educarSobre métodos coercitivos de educar
Sobre métodos coercitivos de educar
 
Infancia violentada
Infancia violentadaInfancia violentada
Infancia violentada
 
Drogas e família
Drogas e famíliaDrogas e família
Drogas e família
 
Adriananunancom abuso sexual
Adriananunancom abuso sexualAdriananunancom abuso sexual
Adriananunancom abuso sexual
 
abuso sexxual
abuso sexxualabuso sexxual
abuso sexxual
 

Último

Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisIlda Bicacro
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfMarcianaClaudioClaud
 
transcrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de línguatranscrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de línguaKelly Mendes
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigasPeça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigasBibliotecaViatodos
 
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfTestes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfCsarBaltazar1
 
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...LuizHenriquedeAlmeid6
 
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na ÁfricaPeriodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na Áfricajuekfuek
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorialNeuroppIsnayaLciaMar
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfManuais Formação
 
Santa Gemma Galgani, Flor de Lucca, mística italiana 1887-1903 (Portugués).pptx
Santa Gemma Galgani, Flor de Lucca, mística italiana 1887-1903 (Portugués).pptxSanta Gemma Galgani, Flor de Lucca, mística italiana 1887-1903 (Portugués).pptx
Santa Gemma Galgani, Flor de Lucca, mística italiana 1887-1903 (Portugués).pptxMartin M Flynn
 
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAbdLuxemBourg
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxIlda Bicacro
 
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - materialFUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - materialDouglasVasconcelosMa
 
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASMARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASyan1305goncalves
 
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdfLindinhaSilva1
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoIlda Bicacro
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxIlda Bicacro
 

Último (20)

Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
 
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
 
transcrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de línguatranscrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de língua
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigasPeça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
 
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfTestes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
 
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
 
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na ÁfricaPeriodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorial
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
Santa Gemma Galgani, Flor de Lucca, mística italiana 1887-1903 (Portugués).pptx
Santa Gemma Galgani, Flor de Lucca, mística italiana 1887-1903 (Portugués).pptxSanta Gemma Galgani, Flor de Lucca, mística italiana 1887-1903 (Portugués).pptx
Santa Gemma Galgani, Flor de Lucca, mística italiana 1887-1903 (Portugués).pptx
 
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
 
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - materialFUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
 
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASMARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
 
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
 
Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
 

Abuso sexual na criança e no adolescente

  • 1. Abuso sexual na criança e no adolescente Acadêmicas: Ana Carolina da Silva Nogueira; RA: 6059009656 Débora Ferreira; RA: 1299129362 Ellen Caroline R. Barretos; RA: 5959228733 Janaina Rojas; RA: 6021397795 Miriã Réviny Dutra Figueira; RA: 6181018720 Nayara Cristaldo Maciel; RA: 6059009746 Sabrina Oliveira Cangussu; RA: 5951228852 Veruska Sandim Vilela; RA: 1299529459
  • 2. Definição • Define-se como a participação de uma criança ou de um adolescente em atividades sexuais que são inapropriadas a sua idade e seu desenvolvimento psicossexual. A vitima é forçada fisicamente, coagida ou seduzida a participar da relação sem ter necessariamente a capacidade emocional ou cognitiva para consentir ou julgar o que esta acontecendo. (BRASIL, 2012) • O Código Penal Brasileiro, Decreto-Lei nº 2.848,de 07 de dezembro de 1940 no seu Art. 213 a violência sexual como crime.
  • 3. A infância é um período onde o ser humano desenvolve-se psicologicamente, envolvendo graduais mudanças no comportamento e na aquisição das bases de sua personalidade. Por isso, quanto mais cedo houver o descobrimento de algum tipo de abuso, mais probabilidade de aplicar um tratamento adequado e resolver ou amenizar os danos causados, para que futuramente, não surjam problemas mentais ou físicos que sejam mais graves, ou até mesmo irreparáveis. Ainda para Silva (1998) e Araujo (2002), o abuso sexual infantil é um ato que envolve vergonha, medo, culpa e desafiam questões culturais. O silêncio pode ser muitas vezes adotado para que preserve o núcleo familiar, evitando contradições no papel de proteção que a família deve ter quando na realidade é de agressão, geralmente o agressor é um indivíduo com quem a criança mantém uma relação estreita e de confiança.
  • 4. EPIDEMIOLOGIA Quatro mil denúncias de violência sexual contra crianças e adolescentes foram registradas no primeiro trimestre de 2015
  • 5.
  • 6. Diagnóstico • Deve ser colhido material (swab) das cavidades oral, vaginal e retal, como também fazer coleta para culturas, pesquisa sorológica para DST/HIV, hepatites, sífilis, tipagem sanguínea e pesquisa de DNA. • As amostras para pesquisa de sêmen, sangue e células epiteliais devem ser acondicionadas em papel-filtro esterilizado, guardadas em envelope de papel, pois o plástico retém umidade e facilita a proliferação de bactérias que destroem células coletadas e DNA. Depois de seco, arquivar o material, de preferência em ambiente climatizado e o mais breve possível encaminhar sob ofício para o Instituto Médico Legal (IML).
  • 7. Intervenção • O MS recomenda aos profissionais o conhecimento sobre a indicação e efeitos adversos de procedimentos para prestar cuidados às vítimas e suas famílias, devendo estar qualificados para a profilaxia de DST, hepatites virais e HIV, tétano (quando a lesão teve contato com terra) e gravidez, medidas que devem ser tomadas até as primeiras 72 horas do evento, como a anticoncepção de emergência e a quimioprofilaxia.
  • 8. Papel do Enfermeiro • O profissional enfermeiro é o que está mais próximo da criança, com frequência é o primeiro profissional a vê-la juntamente com sua família, e proporciona o cuidado contínuo quando há necessidade de hospitalização. • A responsabilidade de notificação compulsória é do enfermeiro que são registradas no SINAN. Todo caso, suspeito ou confirmado, deve ser notificado. O ato de notificar é um exercício de cidadania que garante direitos de crianças e adolescentes e possibilita o planejamento e avaliação de políticas públicas de atendimento e enfrentamento das violências.
  • 9. Notificação Suspeita Conselho Tutelar Atendimento social e de saúde PJDIJ/ 1ª VIJ** Medidas judiciais (afastamento do autor, suspensão de visitas, etc.) DPCA* Responsabilização do autor da violência *Delegacia de Proteção à criança e ao Adolescente **Promotoria de Justiça de Defesa da Infância e da Juventude / 1ª Vara de Infância e da Juventude
  • 10.
  • 11.
  • 12. • Além dessa notificação, o profissional deve denunciar/notificar a situação ao Conselho Tutelar e/ou Vara da Infância e Juventude, de acordo com os artigos 13 e 245 do Estatuto da Criança e do Adolescente, e se responsabilizar profissionalmente pelo cuidado à vítima. • Realizar o exame físico o mais rápido possível, intervenções médicas necessárias ao caso e para serem oferecidos os esclarecimentos aos responsáveis e às vítimas a respeito dos danos locais e do prognóstico. Exame geral e minucioso – tanto quanto permitam as condições do paciente –, não apenas dirigido às queixas, é indispensável para a identificação de provas de existência fugaz (sêmen e algumas lesões em mucosas) e na formulação de hipóteses ainda ocultas na anamnese.
  • 13. Exame Físico • A ampliação e boa iluminação são essenciais quando se examina a genitália de crianças. • Um colposcópio ou espéculo podem ser usados. • LEMBRAR de demonstrar os instrumentos para a criança pois pode ser útil para aliviar o medo e o estado emocional da criança frente ao exame. • Um sintoma de abuso sexual que tem passado despercebido pelas famílias é o desenvolvimento precoce das meninas.
  • 14.
  • 15. Exame Físico Menina de 4 anos Hímen normal Menina de 7 anos
  • 16. Área Física • Definir um espaço reservado, fora do espaço de atendimento de outras pessoas, a fim de garantir a privacidade da vítima; • Estabelecer um ambiente de confiança e respeito; • Evitar situações que favoreçam constrangimento ou estigma, como, por exemplo, a identificação nominal da paciente ou da sala para atendimento de vítimas de estupro; • Assegurar que os procedimentos para abortamento previsto por lei sejam realizados em local cirúrgico adequado.
  • 17. Equipe • Procurar manter uma equipe composta por, no mínimo, médico, psicólogo, enfermeiro e assistente social; • Manter disponíveis serviços de referência que poderão atuar em conjunto com a equipe interdisciplinar do serviço de saúde. Alguns exemplos de serviços de referência são: pediatra, infectologia, cirurgia, traumatologia e psiquiatria;
  • 18. CONSEQUÊNCIAS DO ABUSO SEXUAL NA CRIANÇA E NO ADOLESCENTE Há consequências do ponto de vista: psicológico (traumas), físico (doenças sexualmente transmissíveis), etc. O grau de severidade dos efeitos do abuso sexual varia de acordo com: • A idade da criança no inicio do ASI; • Duração do abuso; • O grau de violência; • A diferença de idade entre a pessoa que cometeu o abuso e a vítima; • A importância da relação entre o abusador e vítima; • A ausência de figuras parentais protetoras e de apoio social; • O grau de segredo e de ameaças contra a criança.
  • 19. CONSEQUÊNCIAS DO ABUSO SEXUAL NA CRIANÇA E NO ADOLESCENTE • Transtornos psiquiátricos e mais aparentes nas vítimas, destacam-se: a depressão, transtornos de ansiedade, transtornos alimentares – principalmente a bulimia, transtornos dissociativos, transtorno de estresse pós- traumático, transtorno de déficit de atenção e hiperatividade, transtornos do sono e transtornos de personalidade borderlaine (PELIZOLI et al., 2008). • Já em danos psicossociais, são distintos, como, por exemplo, distúrbios de sono e alimentação, baixo rendimento escolar, fugas de casa, depressão, uso abusivo de substâncias psicoativas, delinquência, prostituição e risco de revitimização ao longo da vida.
  • 20. Segundo Pliska, 2004, as pessoas que foram abusadas física ou sexualmente durante a infância, apresentam quatro vezes mais probabilidade de desenvolver depressão severa ou cometer suicídio.
  • 21. Transtorno de Estresse Pós-Traumático • Estudos indicam que o TEPT é o quadro psicopatológico mais associado ao ASI. • O TEPT envolve a exposição a um evento estressor traumático, no qual a vitima reage com intenso conteúdo emocional, relacionado à dor, pavor, medo e terror. O trauma pode ser definido como um prejuízo, um estado psíquico ou comportamental desorientado, provocado por estresse mental ou emocional ou dano físico, relacionado a eventos que podem provocar medo agudo ou crônico. • Trata-se de uma resposta emocional que engloba tanto falhas no processamento da memória do trauma, quanto prejuízos neuropsicológicos em funções executivas, aprendizagem verbal, memória e atenção.
  • 22. Tratamento • Além da avaliação clínica da criança, deve-se avaliar as condições da família para proteger a vítima de novos abusos e identificar pessoas com as quais se possa contar para essa tarefa e dar continuidade no tratamento. • Deverá ser identificada qual a capacidade da família a situação de estresse, visto que isto proporcionará uma ideia prognóstica de como irá lidar com o problema.
  • 23. • Sendo assim, é necessário que haja uma rede de atendimento interdisciplinar que possibilite acompanhamento psicológico, e social à vítima e a seus familiares, bem como ao agressor, oferecendo assim condições de prevenção e ajustamento psicossocial dentro do seu contexto social e familiar. • É imprescindível o aperfeiçoamento de modelos de tratamento, incluindo maior integração dos familiares para fortalecer as relações, possibilitando uma recuperação mais consistente para a vítima.
  • 24. Vítima, 7 anos Ele era obrigado a fazer sexo oral no pai. A linha que sai da boca até a genital, representando a língua da vítima na genitália do pai.
  • 25. Vítima, 10 anos Representou com o eram os abusos. No desenho tem as palavras “Sim” e “Não” pois era a forma que ela respondia as perguntas, com vergonha.
  • 26. Vítima, 6 anos No desenho ele retrata seu abusador com detalhes, mostrando o órgão sexual dele, e ejaculando
  • 27.
  • 28. Vítima, 15 anos Sofreu abusos psicológicos desde criança de seu pai, e na adolescência, começaram os abusos sexuais. No desenho ele se representa em uma cruz, imobilizado pelo pai, do lado direito uma espada verde, representando que agora ele tem forças para lutar.
  • 29. VIDEO

Notas do Editor

  1. O estímulo sexual pode levar o organismo a produzir fatores de liberação de hormônios sexuais que levarão ao desenvolvimento dos caracteres sexuais secundários
  2. Um sintoma de abuso sexual que tem passado despercebido pelas famílias é o desenvolvimento precoce das meninas. O estímulo sexual pode levar o organismo a produzir fatores de liberação de hormônios sexuais que levarão ao desenvolvimento dos caracteres sexuais secundários