SlideShare uma empresa Scribd logo
PROGRAMA MAIS EDUCAÇÃO
SÃO PAULO
A Supervisão Escolar na Rede Municipal de Ensino de São Paulo
A Gestão educacional em uma Perspectiva Sistêmica
A reorganização curricular como alternativa
para o trabalho com a diversidade
Os problemas do mundo são econômicos,
políticos, culturais e éticos. Mas seu tratamento
transcende as políticas imediatas só sendo
compreendidos por um tratamento humanista,
filosófico e transcultural. A diversidade, o
respeito às minorias, o tratamento da liberdade e
da justiça são as bases do olhar curricular sobre
os projetos de intervenção e de autoria coletiva.
(Programa Mais Educação São Paulo)
Marcos Garcia Neira
A eclosão de proposta que levam em conta
a necessidade de construção de
sociedades mais plurais e democráticas,
“corrigindo injustiças” contra identidades
específicas, tem gerado modificações nas
políticas educacionais.
A institucionalização do discurso
do direito a educação escolar e à
igualdade de oportunidades de
acesso a escola, ao lado de outras
políticas públicas, pretende
responder positivamente ao
multiculturalismo crescente.
A nova demanda social sobre a população escolar,
faz avolumar-se a contradição já existente entre a
cultura historicamente privilegiada pelo currículo
e as culturas dos alunos. O aumento do número
de alunos tem sido acompanhado de um
acréscimo da diversidade nas instituições
escolares. O outro, agora, está ao lado.
Quando a educação escolar é
considerada um bem público,
justifica-se a exigência de que
todos sejam seus beneficiários
e, se não forem todos, que se
questione a razão de tal
improcedência.
A alentada igualdade na escola está focada no sentido de
uniformização e jamais em uma igualdade no sentido
crítico. O que se deseja é uma igualdade pautada no
diálogo entre os diferentes, que explore a riqueza
oriunda da pluralidade de tradições e culturas. Enquanto
a diversidade cultural for um obstáculo para o êxito
escolar, não haverá respeito às diferenças, mas produção
e reprodução das desigualdades.
Para vermos contemplada a
diversidade e as diferenças,
além de valorizadas e
reconhecidas, elas precisam
dialogar entre si.
O diálogo é o motor da
reorganização do currículo.
IntegraçãoCurricular
Repensar o PPP como eixo central das atividades e na
organização do currículo das Unidades Educacionais
Entender melhor o conceito/proposta de “integração
curricular” e pensar em como transpor esse conceito da
teoria para a prática
Como a DOT-P e a Ação Supervisora podem favorecer a
gestão pedagógica da U.E. (envolvendo CPs e Diretores),
pensando na implementação de um currículo que integre os
diferentes ciclos?
Interdisciplinaridade Discussão das ideias que fundamentam a prática
docente compartilhada.
Ampliação da proposta interdisciplinar para a
Educação Básica
Trazer experiências de projetos interdisciplinares
para a formação
Aprofundar e contextualizar o conceito do que é
interdisciplinaridade (formações)
Como auxiliar as esquipes escolares a organizarem os tempos
e espaços para a implementação da interdisciplinaridade?
Projetos Metodologia do trabalho com projetos.
Pensar “projetos” na perspectiva da integração
das diferentes etapas e modalidades da Educação
Básica.
Como colaborar para a reformulação do PPP das UEs na
perspectiva de trabalho com projetos, com a
interdisciplinaridade, respeitando os Ciclos de
Aprendizagem, tendo em vista a organização da escola
como território de produção de conhecimentos/cultura?
Ciclosdeaprendizagem Preocupações com a continuidade do processo educativo
com CEIs, EMEIs e EMEFs.
Há necessidade de se planejar por ciclos e não em
anos/séries.
Aprofundar os objetivos/direitos de cada Ciclo
(Alfabetização. Interdisciplinar e Autoral), para que a
Supervisão e a DOT-P tenham clareza para pensar as
formações.
Considerando a Ação Supervisora como sendo uma ação
generalista, como conseguir o aprofundamento necessário para
que a intervenção contribua para a prática pedagógica?
AvaliaçãoParaaAprendizagem Os professores precisam discutir sobre avaliação.
Pensar a avaliação como formativa, que olhe o processo,
pense e repense as estratégias e conceitos propostos, que
venha a serviço do planejamento na busca da efetiva
obtenção de sucesso do processo de construção do
conhecimento.
Como auxiliar as equipes escolares a romperem
com a avaliação com foco no resultado e pensar
na avalição que considere o processo?
TrabalhoColaborativode
Autoria
Falta clareza do que é um Projeto de
Intervenção Social e de como fazer.
Como deixar claro para as escolas que o mais
importante do trabalho com a autoria é o
processo e não o produto (TCA)?
Gestão
Democrática
Demandas Administrativas
X
Ações Pedagógicas
A ação supervisora
colaborativa e não
competitiva
Territorialidades e
particularidades locais
(aproximação das UEs
do setor)
Ação
Supervisora
Dimensões da Ação Supervisora
A complexidade dos desafios pedagógicos não
prescinde das contribuições do Supervisor Escolar,
marcadas por uma trajetória profissional de
responsabilidades com a gestão das Unidades,
porém pode e deve contar com a parceria da DOT-P
no campo pedagógico, promovendo ações e
reflexões que fortaleçam as instituições da RME.
O olhar de “Supervisão” deve ser
entendido como um olhar
panorâmico que consiga
reconhecer as conexões possíveis e
presentes na complexidade do real,
sem desconsiderar a dimensão
sistêmica do trabalho dos
profissionais que atuam na escola.
Outra atribuição dos Supervisores
Escolares é apoiar as Unidades
Educacionais na (re)construção do
Projeto Político Pedagógico como
instrumento coletivo institucional
que organiza os desafios e mobiliza
os profissionais a alcançarem as
metas de aprendizagem e
desenvolvimento.
Lotados nas Diretorias Regionais de Educação,
os Supervisores respondem ao órgão central
colaborando na implementação das políticas
educacionais, numa perspectiva colaborativa
e dialógica, se vinculando as Unidades
Educacionais numa maneira sistêmica.
A Ação Supervisora
A ação supervisora no sentido de refletir, apontar,
propor, encaminhar e avaliar continuamente deve
mobilizar todos os profissionais da Educação
Municipal.
A Supervisão Escolar desenvolve em suas atuações,
funções e atividades da ação supervisora.
Indicação do Conselho Municipal de Educação
01/2000 – Portaria 4070/00
“O supervisor escolar deve
ser um articulador entre as
decisões da escola e dos
diversos órgãos do sistema”.
A Ação Supervisora se desenvolve em
meio às relações de poder geradoras de
tensionamentos, desequilíbrios, (re)
equilíbrios, o que demanda do
Supervisor Escolar uma postura analítica
guiada pelas possibilidades de contribuir
para o avanço do trabalho escolar,
enfrentando assim discursos paralisantes
que podem comprometer a busca do
bem comum na escola e fora dela.
A construção de um trabalho colegiado, na qual
cada profissional se reconheça como partícipe,
fortalecerá a autonomia desses trabalhadores que
estarão implicados nas tomadas de decisões,
refletindo sobre possíveis caminhos para a busca do
bem comum como necessidade intrínseca ao
espaço de trabalho.
A Portaria SME nº 1.632 de 15/04/1996,
estabelece as diretrizes da Ação Supervisora
Organizar a estrutura e funcionamento da UE com base nas diretrizes e normas emanadas dos
órgãos centrais, bem como nas normas regimentais.
a) Coordenar a implementação coletiva da proposta pedagógica da UE considerando a sua
realidade, os recursos disponíveis e os dados resultantes da sua avaliação final;
b) Coordenar a elaboração dos projetos estratégicos de ação da UE bem como o
acompanhamento das etapas de trabalho e avaliação do processo e seus resultados;
c) Definir, com o conjunto da UE a avaliação do processo ensino-aprendizagem, em
consonância com sua proposta pedagógica, respeitadas as diretrizes regimentais;
d) Elaborar o projeto de ação supervisora da UE, a fim de, cotidianamente, viabilizar o
desenvolvimento das propostas da escola;
e) Desenvolver projetos internos de capacitação continuada, envolvendo todos os agentes da
ação educativa da Unidade Escolar.
A Supervisão Escolar como Formadora
Pensar a Supervisão Escolar como
formadora é trazer para a cena
educacional um profissional com um
percurso considerável no campo da
educação, que carrega a experiência da
docência, da gestão escolar no campo
pedagógico/administrativo como
Coordenador Pedagógico, como Diretor
de Escola ou Assistente de Direção.
Ainda no campo dos fluxos formativos é fundamental
que a Supervisão Escolar tenha nos profissionais que
integram as DOT-Ps aliados no planejamento e
execução de encontros setoriais envolvendo as
Unidades Educacionais constituintes do setor.
Supervisão
DOT-P
Encontros
Setoriais
Estamos a caminho de uma prática da Ação
Supervisora que supere os conceitos de
administrador, que continue estimulando a atuação
do Supervisor Escolar na complexidade das
instituições, da sociedade, das comunidades e dos
alunos, que de fato seja parceiro na construção da
escola democrática.
A Supervisão Escolar na Rede Municipal

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Cap 3 gestao_democratica
Cap 3 gestao_democraticaCap 3 gestao_democratica
Cap 3 gestao_democratica
Marjorie Klich Nunes
 
12. Pensamento pedagógico e gestão escolar na história da educação = Prof. Dr...
12. Pensamento pedagógico e gestão escolar na história da educação = Prof. Dr...12. Pensamento pedagógico e gestão escolar na história da educação = Prof. Dr...
12. Pensamento pedagógico e gestão escolar na história da educação = Prof. Dr...
Paulo Lima
 
Gestão Escolar: enfrentando os desafios cotidianos
Gestão Escolar: enfrentando os desafios cotidianosGestão Escolar: enfrentando os desafios cotidianos
Gestão Escolar: enfrentando os desafios cotidianos
Ulisses Vakirtzis
 
6.proposta curricular
6.proposta curricular6.proposta curricular
6.proposta curricular
Ulisses Vakirtzis
 
2. dialogos interdisciplinares
2. dialogos interdisciplinares2. dialogos interdisciplinares
2. dialogos interdisciplinares
Ulisses Vakirtzis
 
Proposta Pedagógica 2014
Proposta Pedagógica 2014Proposta Pedagógica 2014
Proposta Pedagógica 2014
eemarquesdesaovicente
 
Plano de trabalho para Gestão Escolar
Plano de trabalho para Gestão EscolarPlano de trabalho para Gestão Escolar
Plano de trabalho para Gestão Escolar
Belister Paulino
 
Slides gestão escolar
Slides gestão escolarSlides gestão escolar
Slides gestão escolar
Ricardo Jorge Araújo Sousa Peres
 
06 gest edu_esc
06 gest edu_esc06 gest edu_esc
06 gest edu_esc
Bricio29
 
PLANO DE GESTÃO ESCOLAR - Prof. Noe Assunção
PLANO DE GESTÃO ESCOLAR - Prof. Noe AssunçãoPLANO DE GESTÃO ESCOLAR - Prof. Noe Assunção
PLANO DE GESTÃO ESCOLAR - Prof. Noe Assunção
Prof. Noe Assunção
 
Slide disciplina gestao (4)
Slide disciplina gestao (4)Slide disciplina gestao (4)
Slide disciplina gestao (4)
FERNANDOCSARDOSSANTO1
 
Gestão administrativa da escola publica
Gestão administrativa da escola publicaGestão administrativa da escola publica
Gestão administrativa da escola publica
vilemarm
 
Jornada apicum açu 1
Jornada apicum açu 1Jornada apicum açu 1
Jornada apicum açu 1
FabrcioFerreira32
 
Áreas de atuação do pedagogo
Áreas de atuação do pedagogoÁreas de atuação do pedagogo
Áreas de atuação do pedagogo
Beatriz
 
03 dimensões da gestão escolar
03 dimensões da gestão escolar03 dimensões da gestão escolar
03 dimensões da gestão escolar
Joao Balbi
 
O que é gestão escolar césar tavares
O que é gestão  escolar césar tavaresO que é gestão  escolar césar tavares
O que é gestão escolar césar tavares
CÉSAR TAVARES
 
Gestão democrática desafios e possibilidades de mudanças na escola para uma ...
Gestão democrática  desafios e possibilidades de mudanças na escola para uma ...Gestão democrática  desafios e possibilidades de mudanças na escola para uma ...
Gestão democrática desafios e possibilidades de mudanças na escola para uma ...
Miltinho Rodrigues
 
Gestão democrática da escola pública município
Gestão democrática da escola pública municípioGestão democrática da escola pública município
Gestão democrática da escola pública município
nilvacirilo
 
ação supervisora
 ação supervisora ação supervisora
ação supervisora
Ulisses Vakirtzis
 
Como gerenciar o espaço físico da escola
Como gerenciar o espaço físico da escolaComo gerenciar o espaço físico da escola
Como gerenciar o espaço físico da escola
Ulisses Vakirtzis
 

Mais procurados (20)

Cap 3 gestao_democratica
Cap 3 gestao_democraticaCap 3 gestao_democratica
Cap 3 gestao_democratica
 
12. Pensamento pedagógico e gestão escolar na história da educação = Prof. Dr...
12. Pensamento pedagógico e gestão escolar na história da educação = Prof. Dr...12. Pensamento pedagógico e gestão escolar na história da educação = Prof. Dr...
12. Pensamento pedagógico e gestão escolar na história da educação = Prof. Dr...
 
Gestão Escolar: enfrentando os desafios cotidianos
Gestão Escolar: enfrentando os desafios cotidianosGestão Escolar: enfrentando os desafios cotidianos
Gestão Escolar: enfrentando os desafios cotidianos
 
6.proposta curricular
6.proposta curricular6.proposta curricular
6.proposta curricular
 
2. dialogos interdisciplinares
2. dialogos interdisciplinares2. dialogos interdisciplinares
2. dialogos interdisciplinares
 
Proposta Pedagógica 2014
Proposta Pedagógica 2014Proposta Pedagógica 2014
Proposta Pedagógica 2014
 
Plano de trabalho para Gestão Escolar
Plano de trabalho para Gestão EscolarPlano de trabalho para Gestão Escolar
Plano de trabalho para Gestão Escolar
 
Slides gestão escolar
Slides gestão escolarSlides gestão escolar
Slides gestão escolar
 
06 gest edu_esc
06 gest edu_esc06 gest edu_esc
06 gest edu_esc
 
PLANO DE GESTÃO ESCOLAR - Prof. Noe Assunção
PLANO DE GESTÃO ESCOLAR - Prof. Noe AssunçãoPLANO DE GESTÃO ESCOLAR - Prof. Noe Assunção
PLANO DE GESTÃO ESCOLAR - Prof. Noe Assunção
 
Slide disciplina gestao (4)
Slide disciplina gestao (4)Slide disciplina gestao (4)
Slide disciplina gestao (4)
 
Gestão administrativa da escola publica
Gestão administrativa da escola publicaGestão administrativa da escola publica
Gestão administrativa da escola publica
 
Jornada apicum açu 1
Jornada apicum açu 1Jornada apicum açu 1
Jornada apicum açu 1
 
Áreas de atuação do pedagogo
Áreas de atuação do pedagogoÁreas de atuação do pedagogo
Áreas de atuação do pedagogo
 
03 dimensões da gestão escolar
03 dimensões da gestão escolar03 dimensões da gestão escolar
03 dimensões da gestão escolar
 
O que é gestão escolar césar tavares
O que é gestão  escolar césar tavaresO que é gestão  escolar césar tavares
O que é gestão escolar césar tavares
 
Gestão democrática desafios e possibilidades de mudanças na escola para uma ...
Gestão democrática  desafios e possibilidades de mudanças na escola para uma ...Gestão democrática  desafios e possibilidades de mudanças na escola para uma ...
Gestão democrática desafios e possibilidades de mudanças na escola para uma ...
 
Gestão democrática da escola pública município
Gestão democrática da escola pública municípioGestão democrática da escola pública município
Gestão democrática da escola pública município
 
ação supervisora
 ação supervisora ação supervisora
ação supervisora
 
Como gerenciar o espaço físico da escola
Como gerenciar o espaço físico da escolaComo gerenciar o espaço físico da escola
Como gerenciar o espaço físico da escola
 

Destaque

Plano gestão 2015 2018
Plano gestão 2015  2018Plano gestão 2015  2018
Op ppp coordenacao pedagogica final
Op ppp coordenacao pedagogica   finalOp ppp coordenacao pedagogica   final
Op ppp coordenacao pedagogica final
Carlos Junior
 
Desenvolvimento Distribuído de Software
Desenvolvimento Distribuído de SoftwareDesenvolvimento Distribuído de Software
Desenvolvimento Distribuído de Software
Rafael Vivian
 
Das cavernas à Internet: Conhecimento Livre e Sobrevivência Humana - Carlos A...
Das cavernas à Internet: Conhecimento Livre e Sobrevivência Humana - Carlos A...Das cavernas à Internet: Conhecimento Livre e Sobrevivência Humana - Carlos A...
Das cavernas à Internet: Conhecimento Livre e Sobrevivência Humana - Carlos A...
Tchelinux
 
Apresentação1
Apresentação1Apresentação1
Apresentação1
prothays
 
Web 2 0 Y Que Sigue
Web 2 0 Y Que SigueWeb 2 0 Y Que Sigue
Web 2 0 Y Que Sigue
Ana Lantigua
 
Clube do herbert polar bear
Clube do herbert polar bearClube do herbert polar bear
Clube do herbert polar bear
Victor Gabriel
 
Polka Dot: Catálogo de artigos para festas para o ano de 2014
Polka Dot: Catálogo de artigos para festas para o ano de 2014Polka Dot: Catálogo de artigos para festas para o ano de 2014
Polka Dot: Catálogo de artigos para festas para o ano de 2014
PolkaDot Festas
 
Apresentação T-Scan
Apresentação T-ScanApresentação T-Scan
Apresentação T-Scan
Nuno Leite da Cunha
 
The pale blue dot. Carl Sagan.
The pale blue dot. Carl Sagan.The pale blue dot. Carl Sagan.
The pale blue dot. Carl Sagan.
profesdelCarmen
 
Schema dot river_myriad
Schema dot river_myriadSchema dot river_myriad
Schema dot river_myriad
Lyes Admam
 
DOT digital group - Portfólio de Cases
DOT digital group - Portfólio de CasesDOT digital group - Portfólio de Cases
DOT digital group - Portfólio de Cases
DOT digital group
 
More fun in the philippines - Thomas JOUANNES
More fun in the philippines - Thomas JOUANNESMore fun in the philippines - Thomas JOUANNES
More fun in the philippines - Thomas JOUANNES
Médias Sociaux & Communication Mobile
 
Utilização de políticas de serviços na plataforma Microsoft
Utilização de políticas de serviços na plataforma MicrosoftUtilização de políticas de serviços na plataforma Microsoft
Utilização de políticas de serviços na plataforma Microsoft
Miguel Pardal
 
Presentan un nuevo reloj para ciegos
Presentan un nuevo reloj para ciegosPresentan un nuevo reloj para ciegos
Presentan un nuevo reloj para ciegos
Nicool1608
 
Smartwatch para invidentes dot
Smartwatch para invidentes dotSmartwatch para invidentes dot
Smartwatch para invidentes dot
Liboo19
 
Tag der offenen Tür - zeit.areal
Tag der offenen Tür - zeit.arealTag der offenen Tür - zeit.areal
Tag der offenen Tür - zeit.areal
zeit.areal (Areal Industriehof GmbH & Co. KG)
 
Abertura do Evento Dot Net Day
Abertura do Evento Dot Net DayAbertura do Evento Dot Net Day
Abertura do Evento Dot Net Day
Luciano Palma
 
Documentos da rede e mec
Documentos da rede e mecDocumentos da rede e mec
Documentos da rede e mec
adridaleffi121212
 
Le quotidien d'un ANT en Ardèche Plein Coeur
Le quotidien d'un ANT en Ardèche Plein CoeurLe quotidien d'un ANT en Ardèche Plein Coeur
Le quotidien d'un ANT en Ardèche Plein Coeur
Ardèche Plein Coeur
 

Destaque (20)

Plano gestão 2015 2018
Plano gestão 2015  2018Plano gestão 2015  2018
Plano gestão 2015 2018
 
Op ppp coordenacao pedagogica final
Op ppp coordenacao pedagogica   finalOp ppp coordenacao pedagogica   final
Op ppp coordenacao pedagogica final
 
Desenvolvimento Distribuído de Software
Desenvolvimento Distribuído de SoftwareDesenvolvimento Distribuído de Software
Desenvolvimento Distribuído de Software
 
Das cavernas à Internet: Conhecimento Livre e Sobrevivência Humana - Carlos A...
Das cavernas à Internet: Conhecimento Livre e Sobrevivência Humana - Carlos A...Das cavernas à Internet: Conhecimento Livre e Sobrevivência Humana - Carlos A...
Das cavernas à Internet: Conhecimento Livre e Sobrevivência Humana - Carlos A...
 
Apresentação1
Apresentação1Apresentação1
Apresentação1
 
Web 2 0 Y Que Sigue
Web 2 0 Y Que SigueWeb 2 0 Y Que Sigue
Web 2 0 Y Que Sigue
 
Clube do herbert polar bear
Clube do herbert polar bearClube do herbert polar bear
Clube do herbert polar bear
 
Polka Dot: Catálogo de artigos para festas para o ano de 2014
Polka Dot: Catálogo de artigos para festas para o ano de 2014Polka Dot: Catálogo de artigos para festas para o ano de 2014
Polka Dot: Catálogo de artigos para festas para o ano de 2014
 
Apresentação T-Scan
Apresentação T-ScanApresentação T-Scan
Apresentação T-Scan
 
The pale blue dot. Carl Sagan.
The pale blue dot. Carl Sagan.The pale blue dot. Carl Sagan.
The pale blue dot. Carl Sagan.
 
Schema dot river_myriad
Schema dot river_myriadSchema dot river_myriad
Schema dot river_myriad
 
DOT digital group - Portfólio de Cases
DOT digital group - Portfólio de CasesDOT digital group - Portfólio de Cases
DOT digital group - Portfólio de Cases
 
More fun in the philippines - Thomas JOUANNES
More fun in the philippines - Thomas JOUANNESMore fun in the philippines - Thomas JOUANNES
More fun in the philippines - Thomas JOUANNES
 
Utilização de políticas de serviços na plataforma Microsoft
Utilização de políticas de serviços na plataforma MicrosoftUtilização de políticas de serviços na plataforma Microsoft
Utilização de políticas de serviços na plataforma Microsoft
 
Presentan un nuevo reloj para ciegos
Presentan un nuevo reloj para ciegosPresentan un nuevo reloj para ciegos
Presentan un nuevo reloj para ciegos
 
Smartwatch para invidentes dot
Smartwatch para invidentes dotSmartwatch para invidentes dot
Smartwatch para invidentes dot
 
Tag der offenen Tür - zeit.areal
Tag der offenen Tür - zeit.arealTag der offenen Tür - zeit.areal
Tag der offenen Tür - zeit.areal
 
Abertura do Evento Dot Net Day
Abertura do Evento Dot Net DayAbertura do Evento Dot Net Day
Abertura do Evento Dot Net Day
 
Documentos da rede e mec
Documentos da rede e mecDocumentos da rede e mec
Documentos da rede e mec
 
Le quotidien d'un ANT en Ardèche Plein Coeur
Le quotidien d'un ANT en Ardèche Plein CoeurLe quotidien d'un ANT en Ardèche Plein Coeur
Le quotidien d'un ANT en Ardèche Plein Coeur
 

Semelhante a A Supervisão Escolar na Rede Municipal

1. programa mais educação sp
1. programa mais educação sp1. programa mais educação sp
1. programa mais educação sp
Ulisses Vakirtzis
 
Atividade modulo ii respostas
Atividade modulo ii   respostasAtividade modulo ii   respostas
Atividade modulo ii respostas
André Alencar
 
Atividade modulo ii respostas
Atividade modulo ii   respostasAtividade modulo ii   respostas
Atividade modulo ii respostas
André Alencar
 
Plano de ação nilda auseli
Plano de ação nilda auseliPlano de ação nilda auseli
Plano de ação nilda auseli
Daniela F Almenara
 
Articulador Pedagógico
Articulador PedagógicoArticulador Pedagógico
Articulador Pedagógico
Graciane Volotao
 
Angela proposta coordenação 2012
Angela proposta coordenação 2012Angela proposta coordenação 2012
Angela proposta coordenação 2012
Angela Silva
 
Áreas de atuação do pedagogo
Áreas de atuação do pedagogoÁreas de atuação do pedagogo
Áreas de atuação do pedagogo
Beatriz
 
Supervisão e gestão na escola
Supervisão e gestão na escolaSupervisão e gestão na escola
Supervisão e gestão na escola
Ulisses Vakirtzis
 
Educação integral otp
Educação integral   otpEducação integral   otp
Educação integral otp
Jorci Ponce
 
Caderno 2 – conselho escolar e a aprendizagem na escola.
Caderno 2 – conselho escolar e a aprendizagem na escola.Caderno 2 – conselho escolar e a aprendizagem na escola.
Caderno 2 – conselho escolar e a aprendizagem na escola.
Najara Nascimento
 
Modelo de proposta para trabalho pedagógico
Modelo de proposta para trabalho pedagógicoModelo de proposta para trabalho pedagógico
Modelo de proposta para trabalho pedagógico
Elicio Lima
 
A importância do projeto político pedagógico no desenvolvimento das ações da ...
A importância do projeto político pedagógico no desenvolvimento das ações da ...A importância do projeto político pedagógico no desenvolvimento das ações da ...
A importância do projeto político pedagógico no desenvolvimento das ações da ...
OZILDO1
 
A importância do projeto político pedagógico no desenvolvimento das ações da ...
A importância do projeto político pedagógico no desenvolvimento das ações da ...A importância do projeto político pedagógico no desenvolvimento das ações da ...
A importância do projeto político pedagógico no desenvolvimento das ações da ...
OZILDO1
 
21 pdca
21 pdca21 pdca
Ensaio modulo 3
Ensaio modulo 3Ensaio modulo 3
Ensaio modulo 3
mtolentino1507
 
Grade curricular ensinomedia 1o 5o ano
Grade curricular ensinomedia 1o   5o anoGrade curricular ensinomedia 1o   5o ano
Grade curricular ensinomedia 1o 5o ano
Luiz Roberto Olival Costa
 
As_reas_de_atuao_da_organizao_e_da_gesto_escolar_para_melhor_aprendizagem_.pptx
As_reas_de_atuao_da_organizao_e_da_gesto_escolar_para_melhor_aprendizagem_.pptxAs_reas_de_atuao_da_organizao_e_da_gesto_escolar_para_melhor_aprendizagem_.pptx
As_reas_de_atuao_da_organizao_e_da_gesto_escolar_para_melhor_aprendizagem_.pptx
ureaPenicheMartins1
 
Plano Anual de Ação da Direção Escolar
Plano Anual de Ação da Direção Escolar Plano Anual de Ação da Direção Escolar
Plano Anual de Ação da Direção Escolar
LOCIMAR MASSALAI
 
Uma releitura dos indicadores da qualidade na educação no contexto de na esco...
Uma releitura dos indicadores da qualidade na educação no contexto de na esco...Uma releitura dos indicadores da qualidade na educação no contexto de na esco...
Uma releitura dos indicadores da qualidade na educação no contexto de na esco...
aninhaw2
 
1. programa mais educação sp
1. programa mais educação sp1. programa mais educação sp
1. programa mais educação sp
Ulisses Vakirtzis
 

Semelhante a A Supervisão Escolar na Rede Municipal (20)

1. programa mais educação sp
1. programa mais educação sp1. programa mais educação sp
1. programa mais educação sp
 
Atividade modulo ii respostas
Atividade modulo ii   respostasAtividade modulo ii   respostas
Atividade modulo ii respostas
 
Atividade modulo ii respostas
Atividade modulo ii   respostasAtividade modulo ii   respostas
Atividade modulo ii respostas
 
Plano de ação nilda auseli
Plano de ação nilda auseliPlano de ação nilda auseli
Plano de ação nilda auseli
 
Articulador Pedagógico
Articulador PedagógicoArticulador Pedagógico
Articulador Pedagógico
 
Angela proposta coordenação 2012
Angela proposta coordenação 2012Angela proposta coordenação 2012
Angela proposta coordenação 2012
 
Áreas de atuação do pedagogo
Áreas de atuação do pedagogoÁreas de atuação do pedagogo
Áreas de atuação do pedagogo
 
Supervisão e gestão na escola
Supervisão e gestão na escolaSupervisão e gestão na escola
Supervisão e gestão na escola
 
Educação integral otp
Educação integral   otpEducação integral   otp
Educação integral otp
 
Caderno 2 – conselho escolar e a aprendizagem na escola.
Caderno 2 – conselho escolar e a aprendizagem na escola.Caderno 2 – conselho escolar e a aprendizagem na escola.
Caderno 2 – conselho escolar e a aprendizagem na escola.
 
Modelo de proposta para trabalho pedagógico
Modelo de proposta para trabalho pedagógicoModelo de proposta para trabalho pedagógico
Modelo de proposta para trabalho pedagógico
 
A importância do projeto político pedagógico no desenvolvimento das ações da ...
A importância do projeto político pedagógico no desenvolvimento das ações da ...A importância do projeto político pedagógico no desenvolvimento das ações da ...
A importância do projeto político pedagógico no desenvolvimento das ações da ...
 
A importância do projeto político pedagógico no desenvolvimento das ações da ...
A importância do projeto político pedagógico no desenvolvimento das ações da ...A importância do projeto político pedagógico no desenvolvimento das ações da ...
A importância do projeto político pedagógico no desenvolvimento das ações da ...
 
21 pdca
21 pdca21 pdca
21 pdca
 
Ensaio modulo 3
Ensaio modulo 3Ensaio modulo 3
Ensaio modulo 3
 
Grade curricular ensinomedia 1o 5o ano
Grade curricular ensinomedia 1o   5o anoGrade curricular ensinomedia 1o   5o ano
Grade curricular ensinomedia 1o 5o ano
 
As_reas_de_atuao_da_organizao_e_da_gesto_escolar_para_melhor_aprendizagem_.pptx
As_reas_de_atuao_da_organizao_e_da_gesto_escolar_para_melhor_aprendizagem_.pptxAs_reas_de_atuao_da_organizao_e_da_gesto_escolar_para_melhor_aprendizagem_.pptx
As_reas_de_atuao_da_organizao_e_da_gesto_escolar_para_melhor_aprendizagem_.pptx
 
Plano Anual de Ação da Direção Escolar
Plano Anual de Ação da Direção Escolar Plano Anual de Ação da Direção Escolar
Plano Anual de Ação da Direção Escolar
 
Uma releitura dos indicadores da qualidade na educação no contexto de na esco...
Uma releitura dos indicadores da qualidade na educação no contexto de na esco...Uma releitura dos indicadores da qualidade na educação no contexto de na esco...
Uma releitura dos indicadores da qualidade na educação no contexto de na esco...
 
1. programa mais educação sp
1. programa mais educação sp1. programa mais educação sp
1. programa mais educação sp
 

Mais de Ulisses Vakirtzis

Orientacoes-para-atendimento-de-estudantes-transtorno-do-espectro-do-autismo.pdf
Orientacoes-para-atendimento-de-estudantes-transtorno-do-espectro-do-autismo.pdfOrientacoes-para-atendimento-de-estudantes-transtorno-do-espectro-do-autismo.pdf
Orientacoes-para-atendimento-de-estudantes-transtorno-do-espectro-do-autismo.pdf
Ulisses Vakirtzis
 
Guia de Publicação Editora Albatroz (1).pdf
Guia de Publicação Editora Albatroz (1).pdfGuia de Publicação Editora Albatroz (1).pdf
Guia de Publicação Editora Albatroz (1).pdf
Ulisses Vakirtzis
 
Como gerenciar os recursos financeiros da escola
Como gerenciar os recursos financeiros da escolaComo gerenciar os recursos financeiros da escola
Como gerenciar os recursos financeiros da escola
Ulisses Vakirtzis
 
Como promover a construção ppp
Como promover a construção pppComo promover a construção ppp
Como promover a construção ppp
Ulisses Vakirtzis
 
Organização e gestão da escola
Organização e gestão da escolaOrganização e gestão da escola
Organização e gestão da escola
Ulisses Vakirtzis
 
5.projeto político pedagógico da escola
5.projeto político pedagógico da escola5.projeto político pedagógico da escola
5.projeto político pedagógico da escola
Ulisses Vakirtzis
 
4.avaliação da aprendizagem
4.avaliação da aprendizagem4.avaliação da aprendizagem
4.avaliação da aprendizagem
Ulisses Vakirtzis
 
3.teorias do desenvolvimento adolescência
3.teorias do desenvolvimento adolescência3.teorias do desenvolvimento adolescência
3.teorias do desenvolvimento adolescência
Ulisses Vakirtzis
 
2.comunidades de aprendizagem e educação escolar
2.comunidades de aprendizagem e educação escolar2.comunidades de aprendizagem e educação escolar
2.comunidades de aprendizagem e educação escolar
Ulisses Vakirtzis
 
1.ensino as abordagens do processo
1.ensino as abordagens do processo1.ensino as abordagens do processo
1.ensino as abordagens do processo
Ulisses Vakirtzis
 
8.teorias psicogeneticas
8.teorias psicogeneticas8.teorias psicogeneticas
8.teorias psicogeneticas
Ulisses Vakirtzis
 
4.politicas docentes no brasil
4.politicas docentes no brasil4.politicas docentes no brasil
4.politicas docentes no brasil
Ulisses Vakirtzis
 
3.freitas eliminação adiada
3.freitas eliminação adiada3.freitas eliminação adiada
3.freitas eliminação adiada
Ulisses Vakirtzis
 
2. escola e conhecimento
2. escola e conhecimento2. escola e conhecimento
2. escola e conhecimento
Ulisses Vakirtzis
 
1. teixeira escola pública
1. teixeira escola pública1. teixeira escola pública
1. teixeira escola pública
Ulisses Vakirtzis
 
4. decretos 54.454 portaria 5941
4. decretos 54.454 portaria 59414. decretos 54.454 portaria 5941
4. decretos 54.454 portaria 5941
Ulisses Vakirtzis
 
Supervisão pedagógica princípios e práticas
Supervisão pedagógica princípios e práticasSupervisão pedagógica princípios e práticas
Supervisão pedagógica princípios e práticas
Ulisses Vakirtzis
 
Ação supervisora: tendências e práticas
Ação supervisora: tendências e práticasAção supervisora: tendências e práticas
Ação supervisora: tendências e práticas
Ulisses Vakirtzis
 
Educação e Supervisão: o trabalho coletivo na escola
Educação e Supervisão: o trabalho coletivo na escolaEducação e Supervisão: o trabalho coletivo na escola
Educação e Supervisão: o trabalho coletivo na escola
Ulisses Vakirtzis
 
pedagogia improvavel
pedagogia improvavelpedagogia improvavel
pedagogia improvavel
Ulisses Vakirtzis
 

Mais de Ulisses Vakirtzis (20)

Orientacoes-para-atendimento-de-estudantes-transtorno-do-espectro-do-autismo.pdf
Orientacoes-para-atendimento-de-estudantes-transtorno-do-espectro-do-autismo.pdfOrientacoes-para-atendimento-de-estudantes-transtorno-do-espectro-do-autismo.pdf
Orientacoes-para-atendimento-de-estudantes-transtorno-do-espectro-do-autismo.pdf
 
Guia de Publicação Editora Albatroz (1).pdf
Guia de Publicação Editora Albatroz (1).pdfGuia de Publicação Editora Albatroz (1).pdf
Guia de Publicação Editora Albatroz (1).pdf
 
Como gerenciar os recursos financeiros da escola
Como gerenciar os recursos financeiros da escolaComo gerenciar os recursos financeiros da escola
Como gerenciar os recursos financeiros da escola
 
Como promover a construção ppp
Como promover a construção pppComo promover a construção ppp
Como promover a construção ppp
 
Organização e gestão da escola
Organização e gestão da escolaOrganização e gestão da escola
Organização e gestão da escola
 
5.projeto político pedagógico da escola
5.projeto político pedagógico da escola5.projeto político pedagógico da escola
5.projeto político pedagógico da escola
 
4.avaliação da aprendizagem
4.avaliação da aprendizagem4.avaliação da aprendizagem
4.avaliação da aprendizagem
 
3.teorias do desenvolvimento adolescência
3.teorias do desenvolvimento adolescência3.teorias do desenvolvimento adolescência
3.teorias do desenvolvimento adolescência
 
2.comunidades de aprendizagem e educação escolar
2.comunidades de aprendizagem e educação escolar2.comunidades de aprendizagem e educação escolar
2.comunidades de aprendizagem e educação escolar
 
1.ensino as abordagens do processo
1.ensino as abordagens do processo1.ensino as abordagens do processo
1.ensino as abordagens do processo
 
8.teorias psicogeneticas
8.teorias psicogeneticas8.teorias psicogeneticas
8.teorias psicogeneticas
 
4.politicas docentes no brasil
4.politicas docentes no brasil4.politicas docentes no brasil
4.politicas docentes no brasil
 
3.freitas eliminação adiada
3.freitas eliminação adiada3.freitas eliminação adiada
3.freitas eliminação adiada
 
2. escola e conhecimento
2. escola e conhecimento2. escola e conhecimento
2. escola e conhecimento
 
1. teixeira escola pública
1. teixeira escola pública1. teixeira escola pública
1. teixeira escola pública
 
4. decretos 54.454 portaria 5941
4. decretos 54.454 portaria 59414. decretos 54.454 portaria 5941
4. decretos 54.454 portaria 5941
 
Supervisão pedagógica princípios e práticas
Supervisão pedagógica princípios e práticasSupervisão pedagógica princípios e práticas
Supervisão pedagógica princípios e práticas
 
Ação supervisora: tendências e práticas
Ação supervisora: tendências e práticasAção supervisora: tendências e práticas
Ação supervisora: tendências e práticas
 
Educação e Supervisão: o trabalho coletivo na escola
Educação e Supervisão: o trabalho coletivo na escolaEducação e Supervisão: o trabalho coletivo na escola
Educação e Supervisão: o trabalho coletivo na escola
 
pedagogia improvavel
pedagogia improvavelpedagogia improvavel
pedagogia improvavel
 

Último

Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
wagnermorais28
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
livrosjovert
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Biblioteca UCS
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
Funções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prismaFunções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prisma
djincognito
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
Mary Alvarenga
 
Forças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptx
Forças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptxForças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptx
Forças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptx
Danielle Fernandes Amaro dos Santos
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdfCaderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
enpfilosofiaufu
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmenteeducação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
DeuzinhaAzevedo
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
AdrianoMontagna1
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
AmiltonAparecido1
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Érika Rufo
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
sthefanydesr
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
ValdineyRodriguesBez1
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
cmeioctaciliabetesch
 

Último (20)

Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
Funções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prismaFunções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prisma
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
 
Forças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptx
Forças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptxForças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptx
Forças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptx
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
 
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdfCaderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmenteeducação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
 

A Supervisão Escolar na Rede Municipal

  • 1. PROGRAMA MAIS EDUCAÇÃO SÃO PAULO A Supervisão Escolar na Rede Municipal de Ensino de São Paulo A Gestão educacional em uma Perspectiva Sistêmica
  • 2. A reorganização curricular como alternativa para o trabalho com a diversidade Os problemas do mundo são econômicos, políticos, culturais e éticos. Mas seu tratamento transcende as políticas imediatas só sendo compreendidos por um tratamento humanista, filosófico e transcultural. A diversidade, o respeito às minorias, o tratamento da liberdade e da justiça são as bases do olhar curricular sobre os projetos de intervenção e de autoria coletiva. (Programa Mais Educação São Paulo) Marcos Garcia Neira
  • 3. A eclosão de proposta que levam em conta a necessidade de construção de sociedades mais plurais e democráticas, “corrigindo injustiças” contra identidades específicas, tem gerado modificações nas políticas educacionais.
  • 4. A institucionalização do discurso do direito a educação escolar e à igualdade de oportunidades de acesso a escola, ao lado de outras políticas públicas, pretende responder positivamente ao multiculturalismo crescente.
  • 5. A nova demanda social sobre a população escolar, faz avolumar-se a contradição já existente entre a cultura historicamente privilegiada pelo currículo e as culturas dos alunos. O aumento do número de alunos tem sido acompanhado de um acréscimo da diversidade nas instituições escolares. O outro, agora, está ao lado.
  • 6. Quando a educação escolar é considerada um bem público, justifica-se a exigência de que todos sejam seus beneficiários e, se não forem todos, que se questione a razão de tal improcedência.
  • 7. A alentada igualdade na escola está focada no sentido de uniformização e jamais em uma igualdade no sentido crítico. O que se deseja é uma igualdade pautada no diálogo entre os diferentes, que explore a riqueza oriunda da pluralidade de tradições e culturas. Enquanto a diversidade cultural for um obstáculo para o êxito escolar, não haverá respeito às diferenças, mas produção e reprodução das desigualdades.
  • 8. Para vermos contemplada a diversidade e as diferenças, além de valorizadas e reconhecidas, elas precisam dialogar entre si. O diálogo é o motor da reorganização do currículo.
  • 9. IntegraçãoCurricular Repensar o PPP como eixo central das atividades e na organização do currículo das Unidades Educacionais Entender melhor o conceito/proposta de “integração curricular” e pensar em como transpor esse conceito da teoria para a prática Como a DOT-P e a Ação Supervisora podem favorecer a gestão pedagógica da U.E. (envolvendo CPs e Diretores), pensando na implementação de um currículo que integre os diferentes ciclos?
  • 10. Interdisciplinaridade Discussão das ideias que fundamentam a prática docente compartilhada. Ampliação da proposta interdisciplinar para a Educação Básica Trazer experiências de projetos interdisciplinares para a formação Aprofundar e contextualizar o conceito do que é interdisciplinaridade (formações) Como auxiliar as esquipes escolares a organizarem os tempos e espaços para a implementação da interdisciplinaridade?
  • 11. Projetos Metodologia do trabalho com projetos. Pensar “projetos” na perspectiva da integração das diferentes etapas e modalidades da Educação Básica. Como colaborar para a reformulação do PPP das UEs na perspectiva de trabalho com projetos, com a interdisciplinaridade, respeitando os Ciclos de Aprendizagem, tendo em vista a organização da escola como território de produção de conhecimentos/cultura?
  • 12. Ciclosdeaprendizagem Preocupações com a continuidade do processo educativo com CEIs, EMEIs e EMEFs. Há necessidade de se planejar por ciclos e não em anos/séries. Aprofundar os objetivos/direitos de cada Ciclo (Alfabetização. Interdisciplinar e Autoral), para que a Supervisão e a DOT-P tenham clareza para pensar as formações. Considerando a Ação Supervisora como sendo uma ação generalista, como conseguir o aprofundamento necessário para que a intervenção contribua para a prática pedagógica?
  • 13. AvaliaçãoParaaAprendizagem Os professores precisam discutir sobre avaliação. Pensar a avaliação como formativa, que olhe o processo, pense e repense as estratégias e conceitos propostos, que venha a serviço do planejamento na busca da efetiva obtenção de sucesso do processo de construção do conhecimento. Como auxiliar as equipes escolares a romperem com a avaliação com foco no resultado e pensar na avalição que considere o processo?
  • 14. TrabalhoColaborativode Autoria Falta clareza do que é um Projeto de Intervenção Social e de como fazer. Como deixar claro para as escolas que o mais importante do trabalho com a autoria é o processo e não o produto (TCA)?
  • 15. Gestão Democrática Demandas Administrativas X Ações Pedagógicas A ação supervisora colaborativa e não competitiva Territorialidades e particularidades locais (aproximação das UEs do setor) Ação Supervisora
  • 16. Dimensões da Ação Supervisora A complexidade dos desafios pedagógicos não prescinde das contribuições do Supervisor Escolar, marcadas por uma trajetória profissional de responsabilidades com a gestão das Unidades, porém pode e deve contar com a parceria da DOT-P no campo pedagógico, promovendo ações e reflexões que fortaleçam as instituições da RME.
  • 17. O olhar de “Supervisão” deve ser entendido como um olhar panorâmico que consiga reconhecer as conexões possíveis e presentes na complexidade do real, sem desconsiderar a dimensão sistêmica do trabalho dos profissionais que atuam na escola.
  • 18. Outra atribuição dos Supervisores Escolares é apoiar as Unidades Educacionais na (re)construção do Projeto Político Pedagógico como instrumento coletivo institucional que organiza os desafios e mobiliza os profissionais a alcançarem as metas de aprendizagem e desenvolvimento.
  • 19. Lotados nas Diretorias Regionais de Educação, os Supervisores respondem ao órgão central colaborando na implementação das políticas educacionais, numa perspectiva colaborativa e dialógica, se vinculando as Unidades Educacionais numa maneira sistêmica.
  • 20. A Ação Supervisora A ação supervisora no sentido de refletir, apontar, propor, encaminhar e avaliar continuamente deve mobilizar todos os profissionais da Educação Municipal. A Supervisão Escolar desenvolve em suas atuações, funções e atividades da ação supervisora.
  • 21. Indicação do Conselho Municipal de Educação 01/2000 – Portaria 4070/00 “O supervisor escolar deve ser um articulador entre as decisões da escola e dos diversos órgãos do sistema”.
  • 22. A Ação Supervisora se desenvolve em meio às relações de poder geradoras de tensionamentos, desequilíbrios, (re) equilíbrios, o que demanda do Supervisor Escolar uma postura analítica guiada pelas possibilidades de contribuir para o avanço do trabalho escolar, enfrentando assim discursos paralisantes que podem comprometer a busca do bem comum na escola e fora dela.
  • 23. A construção de um trabalho colegiado, na qual cada profissional se reconheça como partícipe, fortalecerá a autonomia desses trabalhadores que estarão implicados nas tomadas de decisões, refletindo sobre possíveis caminhos para a busca do bem comum como necessidade intrínseca ao espaço de trabalho.
  • 24. A Portaria SME nº 1.632 de 15/04/1996, estabelece as diretrizes da Ação Supervisora Organizar a estrutura e funcionamento da UE com base nas diretrizes e normas emanadas dos órgãos centrais, bem como nas normas regimentais. a) Coordenar a implementação coletiva da proposta pedagógica da UE considerando a sua realidade, os recursos disponíveis e os dados resultantes da sua avaliação final; b) Coordenar a elaboração dos projetos estratégicos de ação da UE bem como o acompanhamento das etapas de trabalho e avaliação do processo e seus resultados; c) Definir, com o conjunto da UE a avaliação do processo ensino-aprendizagem, em consonância com sua proposta pedagógica, respeitadas as diretrizes regimentais; d) Elaborar o projeto de ação supervisora da UE, a fim de, cotidianamente, viabilizar o desenvolvimento das propostas da escola; e) Desenvolver projetos internos de capacitação continuada, envolvendo todos os agentes da ação educativa da Unidade Escolar.
  • 25. A Supervisão Escolar como Formadora Pensar a Supervisão Escolar como formadora é trazer para a cena educacional um profissional com um percurso considerável no campo da educação, que carrega a experiência da docência, da gestão escolar no campo pedagógico/administrativo como Coordenador Pedagógico, como Diretor de Escola ou Assistente de Direção.
  • 26. Ainda no campo dos fluxos formativos é fundamental que a Supervisão Escolar tenha nos profissionais que integram as DOT-Ps aliados no planejamento e execução de encontros setoriais envolvendo as Unidades Educacionais constituintes do setor. Supervisão DOT-P Encontros Setoriais
  • 27. Estamos a caminho de uma prática da Ação Supervisora que supere os conceitos de administrador, que continue estimulando a atuação do Supervisor Escolar na complexidade das instituições, da sociedade, das comunidades e dos alunos, que de fato seja parceiro na construção da escola democrática.