SlideShare uma empresa Scribd logo
O SUPERVISOR ESCOLAR
EM AÇÃO
SRE – ITUIUTABA
2014
Superintendência Regional de Ensino de
Ituiutaba
Adilaine Lemes Ribeiro
Ana Emilia
Lia Marta
Analistas / Pedagogas
Fevereiro- 2014
• Supervisão Escolar
• Processo que tem por objetivo prestar ajuda técnica no planejamento,
desenvolvimento e avaliação das atividades educacionais em nível de sistema ou
unidade escolar, tendo em vista o resultado das ações pedagógicas, o melhor
desempenho e o aprimoramento permanente do pessoal envolvido na situação
ensino-aprendizagem.
• “Visão sobre” (sentido etmológico da palavra SUPERVISÃO))
• Aprimoramento do ensino;
• aprimoramento da aprendizagem;
• liderança democrática;
• ajustamento do pessoal;
• assessoria especializada;
• ênfase no relacionamento humano
• Objetivos e Política da Organização
• Essência das organizações - simplificação e aperfeiçoamento das
ações com vistas a um maior rendimento do trabalho.
• Para simplificar e aperfeiçoar:
• - Estabelecer objetivos.
• - Estabelecer política de ações.
• Objetivos
O objetivo deve ser redigido com cuidado e precisão porque
representa um guia para o alcance das metas gerais da
organização e fornecerão as bases para a avaliação dos
resultados.
• O Supervisor numa Administração por Objetivos
• Deve ter ciência dos objetivos que as unidades escolares precisam atingir;
• Deve conhecer a realidade da escola: história, endereço, recursos
humanos, financeiros, materiais, estrutura física, clientela...
• Elaborar e planejar o elenco de programas e projetos que poderão
realizar.
• Exemplo - ao setor de Supervisão Escolar da Escola Estadual Manuel
Bandeira coube desenvolver os seguintes objetivos:
• Revisar e reestruturar o Projeto Político Pedagógico da Escola;
• Coordenar e elaborar as ações do Programa de Intervenção Pedagógica;
• Integrar os professores novos na escola....
• O Papel do Supervisor Escolar
• As atribuições do Supervisor são no sentido de oportunizar a
realização dos planos de modo que se alcance o melhor rendimento.
• Sua maior responsabilidade está em:
• tornar claro a todos os propósitos da tarefa a desempenhar;
• providenciar os recursos materiais necessários;
• estimular os esforços de todos;
• controlar atividades;
• tornar o serviço o mais eficiente possível.
• Liderança do Supervisor Escolar
• LIDERANÇA – fator básico para o estabelecimento de relações
humanas positivas é uma posição a ser assumida pelo Supervisor
Escolar.
• ORGANIZAÇÃO – junto com a capacidade de liderar é fator essencial
ao bom desempenho do Supervisor Escolar.
• O Supervisor no exercício de sua função – deve ser um intérprete da
política administrativa do sistema ou da escola, pois, via de regra, é
através dele que a equipe pedagógica da escola, toma conhecimento
geral da política de trabalho a ser seguida.
• Autoridade do Supervisor Escolar
• Para conduzir com sucesso suas funções essenciais, o Supervisor deve ter
alguma delegação de autoridade, com definição de sua abrangência, duração
e responsabilidade. Essa autoridade pode assumir formas diversas:
• Autoridade legal ou estatutária – o Supervisor pode receber autoridade por
sua posição de linha de comando na organização, ela está estabelecida no
Regimento da instituição. (Unidades de Ensino)
• Autoridade pela competência – o Supervisor a conquista através de seu
trabalho, de sua capacitação profissional, a equipe escolar lhe dá essa
autoridade por reconhecer seus méritos, sua capacidade profissional.
• (Perfil profissional)
• Autoridade delegada – o Supervisor a recebe para realizar um determinado
trabalho quando ele é um elemento de assessoramento na organização. Ela é
dinâmica, tem propósito definido e é temporária. (Sistemas de Ensino)
• Técnicas de Supervisão Escolar
• DE ACORDO COM A FORMA DE CONTATO NO ATENDIMENTO:
• Técnicas diretas - o Supervisor tem um contato face-a-face com o
supervisionado, ou seja, há a presença física do supervisor junto aos
professores no momento de sua aplicação:
• - entrevistas individuais;
• - observação de aulas;
• - reuniões com professores.
• Técnicas indiretas - o Supervisor as desenvolve sem se relacionar
diretamente com o professor:
• - boletim de supervisão;
• - estudo de planos de ensino;
• - organização de biblioteca especializada;...
• Técnicas de Supervisão Escolar
• DE ACORDO COM O NÚMERO DE PESSOAS ATENDIDAS NA APLICAÇÃO
DA TÉCNICA
• Técnicas Individuais – São aquelas em que o Supervisor presta
atendimento a um professor de cada vez, por exemplo:
• - estudo dirigido com um professor;
• - entrevista individual;
• - assessoria técnica ao professor
• Técnicas de Grupo: São aquelas em que o atendimento é dado a um
grupo de professores, como as seguintes:
• - sessões de estudos;
• - seminários;
• - encontros.
• Técnicas em nível de unidade escolar
• – são aquelas que fazem parte do dia a dia do supervisor lotado numa
determinada escola:
• - observação da aula;
• - aulas de demonstração;
• - integração escola-comunidade.
• Técnicas de Supervisão Escolar – Mais utilizadas
•
• DIRETAS
- Entrevistas individuais;
- Observação de aulas;
- Reuniões com professores;
- Visitas às escolas;
- Visitas a outros professores;
- Demonstrações;
- Viagens de estudos
INDIRETAS
- Boletim de Supervisão;
- Estudo de currículum de professores;
- Estudo de Planos de Cursos;
- Estudo de currículo e integração de
ensino;
- Estudo de horários e distribuição de
professores;
- Avaliação de professores, de programas
e da escola;
- Organização de Biblioteca especializada.
• CAMPOS DE ATUAÇÃO DO ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO BÁSICA
• O Especialista tem papel importantíssimo na coordenação e
articulação do processo ensino-aprendizagem, sendo co-
responsável, com a Direção da escola, na liderança da gestão
pedagógica que deve ser o eixo norteador do planejamento, da
implementação e do desenvolvimento das ações educacionais.
• Consituem campos fundamentais de sua atuação na escola:
• I - Desenvolvimento Curricular e Ensino-Aprendizagem;
• II - Organização Escolar;
• III - Relações internas e com a comunidade.
• I - DESENVOLVIMENTO CURRICULAR E ENSINO-APRENDIZAGEM
• Foco principal de trabalho do Especialista – o conhecimento dos princípios
norteadores dos Currículos do Ensino Fundamental e Ensino Médio, garante
a articulação de ações que promovam a interdisciplinaridade e o trabalho
participativo dos docentes, enfatizando o currículo básico comum e
estratégias diversificadas, objetivando o aprendizado dos alunos.
• O que estudar? Páginas 13 a 19 (Guia do Especialista em Educação Básica)
• Cadernos de Orientações para a Organização do Ciclo da Alfabetização-SEE,
Organizados pelo CEALE/UFMG;
• Conteúdos Básicos Comuns – CBC;
• Projetos da Subsecretaria de Desenvolvimento da Educação Básica;
• Projeto Político Pedagógico da Escola;
• I - DESENVOLVIMENTO ESCOLAR E ENSINO-
APRENDIZAGEM
• Plano de Intervenção Pedagógica – PIP/ATC + PIP/CBC = PIP/EF;
• Plano de Ensino;
• Plano de Aula;
• Avaliação da Aprendizagem dos Alunos – Interna e Externa (SIMAVE -
PROALFA, PROEB, PAAE; ENEM, PISA, SAEB);
• Eventos Cívicos, Sociais e Esportivos;
• A Escolha do Livro Didático – PNLD;
• II - ORGANIZAÇÃO ESCOLAR
• Foco – O Especialista deve coordenar e articular a implementação e a
efetivação das práticas que compõem o planejamento geral da Escola,
garantindo que os aspectos da organização escolar sejam integrados
numa mesma linha de ação e colaborando para sua efetiva realização.
• O que estudar? Páginas 19 e 20 (Guia do Especialista em Educação
Básica)
• Cadastro Escolar;
• Matrícula dos Alunos;
• Atribuição de Turmas aos Professores;
• Enturmação dos Alunos;
• Uniforme dos Alunos;
• Registros de Avaliação da Aprendizagem dos Alunos;
• III - RELAÇÕES INTERNAS E COM A COMUNIDADE
• Foco – O Especialista deve trabalhar para estabelecer na Escola
um “clima” educativo, um ambiente agradável e favorável à
aprendizagem.
• Inúmeras ações poderão ser desenvolvidas neste campo a partir
das necessidades evidenciadas, dos conflitos que surgirem e da
criatividade do Especialista que deve considerar como tarefa
inadiável e fundamental, zelar pelas relações internas na escola e
pela relação permanente com os pais e a comunidade, em conjunto
com a Direção da Escola.
• O que estudar? Página 21 (Guia do Especialista em Educação
Básica)
• Relações Interpessoais;
• Comunidade Escolar;
O Supervisor Escolar Eficiente em Ação
Guia do Especialista em Educação Básica
Caderno de Boas Práticas do Supervisor Escolar;
Caderno de Boas Práticas dos Professores Alfabetizadores;
Caderno de Boas Práticas dos Professores de Ensino do Uso da
Biblioteca;
Caderno de Boas Práticas dos Professores da Turmas do Projeto
• Educação em Tempo Integral
Revistas Pedagógicas do SIMAVE – PROALFA E PROEB
Cadernos do CEALE;
Matriz Curricular de Ensino (Ciclos da Alfabetização)
CBC
Guia do Professor Alfabetizador
Legislação (Resolução 7150; 2197; 2253...)
PPP da escola em que atua
Programas e Projetos da SEE - MG
Programas e Projetos desenvolvidos na escola em que atua
PIP - EF
Centro de Referência Virtual do Professor – CRV
Bibliografia Especializada
O Supervisor Escolar Eficiente em Ação
Conhecimentos Essenciais
• Projeto Político Pedagógico da Escola;
• Plano de Intervenção Pedagógica;
• Plano de Ensino;
• Plano de Aula;
• Avaliação Interna e Externa;
• Matriz Curricular de Ensino;
• Matriz de Referência da Avaliação;
• Datas cívicas, sociais e esportivas;
• PNLD – Escolha do Livro Didático;
• Organização Escolar;
• Cadastro Escolar;
• Matrícula dos Alunos;
• Atribuição de Turmas aos Professores;
• Enturmação dos Alunos;
• Uniforme dos Alunos;
• Registros de Avaliação da Aprendizagem dos Alunos;
• Relações Internas e com a comunidade;
• Relações Interpessoais;
• Comunidade Escolar
E ST U D E !
Pág. 13 a21- Guiado Especialista
Ação Supervisora na Implementação do PIP - EF
Formação Continuada dos Professores;
Avaliação Diagnóstica;
Planejamentos;
Ambiente Alfabetizador- Sala de Aula;
Reuniões Pedagógicas e Atendimento Individualizado ao Professor;
Atividades de Ensino – Sugestões;
Produção de Textos;
Relação com as Famílias dos Alunos;
Acompanhamentos aos alunos que estão apresentando desempenho
insatisfatório;
Visitas às Salas de Aula;
Revistas e Textos Pedagógicos;
Domínio da Leitura e os Fatos Fundamentais;
Avaliações Externas – SIMAVE / PROALFA – PROEB - PAAE
E ST U D E !
Pág. 22 a27- Guiado Especialista
PLANEJAMENTO SEMANAL DO SUPERVISOR ESCOLAR
ESCOLA: MUNICÍPIO:
ESPECIALISTA:
ANO: MÊS: PERÍODO: MATUTINO ( )
VESPERTINO ( )
SEMANA:
HORÁRIO SEGUNDA TERÇA QUARTA QUINTA SEXTA SÁBADO
             
             
             
             
             
             
             
PLANEJAMENTO MENSAL DO SUPERVISOR ESCOLAR
ESCOLA: MUNICÍPIO
ANO: MÊS: PERÍODO:
DATA HORÁRIO ATIVIDADE
     
     
     
     
     
     
     
     
     
     
     
     
     
     
     
     
PLANO DE AULA
ESCOLA ESTADUAL
PROFESSOR(A): TURNO:
TURMA: DATA:
EIXO CAPACIDADE
ATIVIDADES
(metodologia)
Recursos
Materiais
Duração Avaliação Obs.
             
             
             
             
             
             
             
             
             
             
             
             
             
ESCOLA: MUNICÍPIO:
FICHA DE ACOMPANHAMENTO DO ALUNO - LEITURA
TURMA: TURNO: PROFESSOR(A): DATA:
NOME DO ALUNO Entonação Pontuação Ritmo Interpretação
ANALISTA EDUCACIONAL:
Domínio de
Sílabas
Lê
soletrando
Faz
Inferências
LEGENDA: MB (muito bom)  - B (bom)  -  R (regular)  -  I (insuficiente)  
MAPA DE RESULTADO DA TURMA
Escola
Professor(a):
Turma: Nº de Alunos: Período: Data:
NÍVEL DE APROPRIAÇÃO DAS HABILIDADES – CONTEÚDO ___________________________
BAIXO ( 0 – 60%) INTERMEDIÁRIO (61% - 70%) RECOMENDÁVEL (71% - 100%)
Item Aproveitamento Item Aproveitamento Item Aproveitamento
   
   
   
   
       
       
       
       
       
       
       
PROGRAMA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA
ATENDIMENTO INDIVIDUAL
Escola: Data:
ALUNO(A)
ANO
ESCOLAR
PROFESSOR (A)
ÁREA DO
CONHECIMENTO
RESPONSÁVEL
PELO
ATENDIMENTO
TURNO
PROETI
Sim
ou
Não
             
             
             
             
             
             
             
             
             
             
ESCOLA:
MUNICÍPIO
FICHADE ACOMPANHAMENTO DO ALUNO
ASSUNTO:APROPRIAÇÃO DO SISTEMADE ESCRITA
TURMA: TURNO: DATA: PROFESSOR:
Nº NOME DO ALUNO PRÉ-SILÁBICO SILÁBICO PONTUAÇÃO ALFABÉTICO INTERPRETAÇÃO
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
OBSERVAÇÕES:
LÊ
SOLETRANDO
SILÁBICO –
ALFABÉTICO
PRÉ-SILÁBICO – (1) Escreve utilizando grafismos e outros símbolos; (2) Utiliza letras para escrever; (3) Produz escritas diferenciadas
(poucas letras e pouca variedade)
SILÁBICO – (1) Estabelece relação entre fala e escrita (para cada sílaba oral uma marca) utilizando grafismos e outros símbolos; (2)
Estabelece relação entre fala e escrita (faz corresponder para cada sílaba oral um grafismo); (3) Estabelece relação entre fala e escrita,
utiliza letrasmas sem fazer uso do valor sonoro convencional; (4) Estabelece relação entre fala e escrita, fazendo uso do valor sonoro
convencional.
SILÁBICO-ALFABÉTICO – (1) Estabelece relação entre fala e escrita, ora utilizando uma letra para cada sílaba, ora utilizando mais
letras.
ALFABÉTICO – (1) Produz escritas alfabéticas, mesmo não observando as convenções ortográficas da escrita; (2) Produz escritas
alfabéticas, observando algumas convençõesortográficas da escrita; (3) Produz escritas alfabéticas, sempre observando as convenções
ortográficas da escrita.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Plano de trabalho para Gestão Escolar
Plano de trabalho para Gestão EscolarPlano de trabalho para Gestão Escolar
Plano de trabalho para Gestão Escolar
Belister Paulino
 
Angela proposta coordenação 2012
Angela proposta coordenação 2012Angela proposta coordenação 2012
Angela proposta coordenação 2012
Angela Silva
 
Rotina escolar
Rotina escolarRotina escolar
Rotina escolar
Anaí Peña
 
03 dimensões da gestão escolar
03 dimensões da gestão escolar03 dimensões da gestão escolar
03 dimensões da gestão escolar
Joao Balbi
 
modelo-de-projeto-politico-pedagogico
modelo-de-projeto-politico-pedagogicomodelo-de-projeto-politico-pedagogico
modelo-de-projeto-politico-pedagogico
José Antonio Ferreira da Silva
 
Supervisao escolar-o-papel-do-supervisor-escolar
Supervisao escolar-o-papel-do-supervisor-escolarSupervisao escolar-o-papel-do-supervisor-escolar
Supervisao escolar-o-papel-do-supervisor-escolar
francinethmedeiros
 
Plano de Ação da Escola Dinare Feitosa Ano 2013
Plano de Ação da Escola Dinare Feitosa  Ano 2013Plano de Ação da Escola Dinare Feitosa  Ano 2013
Plano de Ação da Escola Dinare Feitosa Ano 2013
Adilson P Motta Motta
 
Avaliações externas
Avaliações externasAvaliações externas
Avaliações externas
Amanda Moraes Rodrigues
 
1 apresentação reunião de pais
1 apresentação reunião de pais1 apresentação reunião de pais
1 apresentação reunião de pais
Colmanetti
 
PLANO DE AÇÃO 2023 cei.docx
PLANO DE AÇÃO 2023 cei.docxPLANO DE AÇÃO 2023 cei.docx
PLANO DE AÇÃO 2023 cei.docx
ssuser6c03a6
 
Pauta planejamento 2012 1º
Pauta planejamento 2012     1ºPauta planejamento 2012     1º
Pauta planejamento 2012 1º
Nethy Marques
 
Coordenação pedagógica
Coordenação pedagógicaCoordenação pedagógica
Coordenação pedagógica
Grasiela Dourado
 
Planejamento escolar
Planejamento escolarPlanejamento escolar
Planejamento escolar
Joao Balbi
 
Formação recomposição da Aprendizagem
Formação recomposição da Aprendizagem Formação recomposição da Aprendizagem
Formação recomposição da Aprendizagem
carmensilva723002
 
Ficha de conselho de classe
Ficha de conselho de classeFicha de conselho de classe
Ficha de conselho de classe
SimoneHelenDrumond
 
ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL
ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL
ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL
Arivaldom
 
DINAMICAS PARA REUNIÕES PEDAGÓGICAS.pdf
DINAMICAS PARA REUNIÕES PEDAGÓGICAS.pdfDINAMICAS PARA REUNIÕES PEDAGÓGICAS.pdf
DINAMICAS PARA REUNIÕES PEDAGÓGICAS.pdf
KarinaReimberg2
 
Plano de ação 2011
Plano de ação 2011Plano de ação 2011
Plano de ação 2011
GERALDOGOMESDEBARROS
 
Plano gestão 2015 2018
Plano gestão 2015  2018Plano gestão 2015  2018
Convite para Jornada Pedagógica
Convite para Jornada PedagógicaConvite para Jornada Pedagógica
Convite para Jornada Pedagógica
Maisaro
 

Mais procurados (20)

Plano de trabalho para Gestão Escolar
Plano de trabalho para Gestão EscolarPlano de trabalho para Gestão Escolar
Plano de trabalho para Gestão Escolar
 
Angela proposta coordenação 2012
Angela proposta coordenação 2012Angela proposta coordenação 2012
Angela proposta coordenação 2012
 
Rotina escolar
Rotina escolarRotina escolar
Rotina escolar
 
03 dimensões da gestão escolar
03 dimensões da gestão escolar03 dimensões da gestão escolar
03 dimensões da gestão escolar
 
modelo-de-projeto-politico-pedagogico
modelo-de-projeto-politico-pedagogicomodelo-de-projeto-politico-pedagogico
modelo-de-projeto-politico-pedagogico
 
Supervisao escolar-o-papel-do-supervisor-escolar
Supervisao escolar-o-papel-do-supervisor-escolarSupervisao escolar-o-papel-do-supervisor-escolar
Supervisao escolar-o-papel-do-supervisor-escolar
 
Plano de Ação da Escola Dinare Feitosa Ano 2013
Plano de Ação da Escola Dinare Feitosa  Ano 2013Plano de Ação da Escola Dinare Feitosa  Ano 2013
Plano de Ação da Escola Dinare Feitosa Ano 2013
 
Avaliações externas
Avaliações externasAvaliações externas
Avaliações externas
 
1 apresentação reunião de pais
1 apresentação reunião de pais1 apresentação reunião de pais
1 apresentação reunião de pais
 
PLANO DE AÇÃO 2023 cei.docx
PLANO DE AÇÃO 2023 cei.docxPLANO DE AÇÃO 2023 cei.docx
PLANO DE AÇÃO 2023 cei.docx
 
Pauta planejamento 2012 1º
Pauta planejamento 2012     1ºPauta planejamento 2012     1º
Pauta planejamento 2012 1º
 
Coordenação pedagógica
Coordenação pedagógicaCoordenação pedagógica
Coordenação pedagógica
 
Planejamento escolar
Planejamento escolarPlanejamento escolar
Planejamento escolar
 
Formação recomposição da Aprendizagem
Formação recomposição da Aprendizagem Formação recomposição da Aprendizagem
Formação recomposição da Aprendizagem
 
Ficha de conselho de classe
Ficha de conselho de classeFicha de conselho de classe
Ficha de conselho de classe
 
ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL
ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL
ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL
 
DINAMICAS PARA REUNIÕES PEDAGÓGICAS.pdf
DINAMICAS PARA REUNIÕES PEDAGÓGICAS.pdfDINAMICAS PARA REUNIÕES PEDAGÓGICAS.pdf
DINAMICAS PARA REUNIÕES PEDAGÓGICAS.pdf
 
Plano de ação 2011
Plano de ação 2011Plano de ação 2011
Plano de ação 2011
 
Plano gestão 2015 2018
Plano gestão 2015  2018Plano gestão 2015  2018
Plano gestão 2015 2018
 
Convite para Jornada Pedagógica
Convite para Jornada PedagógicaConvite para Jornada Pedagógica
Convite para Jornada Pedagógica
 

Destaque

Educação e Supervisão: o trabalho coletivo na escola
Educação e Supervisão: o trabalho coletivo na escolaEducação e Supervisão: o trabalho coletivo na escola
Educação e Supervisão: o trabalho coletivo na escola
Ulisses Vakirtzis
 
O professor e o supervisor pedagógico
O professor e o supervisor pedagógicoO professor e o supervisor pedagógico
O professor e o supervisor pedagógico
eduviecorr
 
Práticas em Supervisão Escolar
Práticas em Supervisão EscolarPráticas em Supervisão Escolar
Práticas em Supervisão Escolar
delicia2
 
Ação supervisora: tendências e práticas
Ação supervisora: tendências e práticasAção supervisora: tendências e práticas
Ação supervisora: tendências e práticas
Ulisses Vakirtzis
 
Slide didatica
Slide didaticaSlide didatica
Inovações Pedagógicas na Sala de Aula
Inovações Pedagógicas na Sala de AulaInovações Pedagógicas na Sala de Aula
Inovações Pedagógicas na Sala de Aula
Universidade Federal de Pernambuco
 
Para uma visão transformadora da supervisão pedagógica
Para uma visão transformadora da supervisão pedagógicaPara uma visão transformadora da supervisão pedagógica
Para uma visão transformadora da supervisão pedagógica
profarosangela
 
Supervisão pedagógica
Supervisão pedagógicaSupervisão pedagógica
Supervisão pedagógica
Inacio Montanha
 
Oficina 2
Oficina 2Oficina 2
O que são conteúdos e modelos de planejamentos (simone helen drumond)
O que são conteúdos e modelos de planejamentos (simone helen drumond)O que são conteúdos e modelos de planejamentos (simone helen drumond)
O que são conteúdos e modelos de planejamentos (simone helen drumond)
SimoneHelenDrumond
 
Conteúdos Conceituais na Educação Infantil
Conteúdos Conceituais na Educação InfantilConteúdos Conceituais na Educação Infantil
Conteúdos Conceituais na Educação Infantil
Ana Pierangeli
 
Reagrupamentos pedagógicos
Reagrupamentos pedagógicosReagrupamentos pedagógicos
Reagrupamentos pedagógicos
Janaina Spolidorio
 
Slide a funçao supervisora
Slide  a funçao supervisoraSlide  a funçao supervisora
Slide a funçao supervisora
estudosacademicospedag
 
Plano De IntervençãO PedagóGica[Sre]
Plano De IntervençãO PedagóGica[Sre]Plano De IntervençãO PedagóGica[Sre]
Plano De IntervençãO PedagóGica[Sre]
Justiniano Fonseca
 
Projeto escola de pais primeiro encontro - disciplina, limites e rotina
Projeto escola de pais primeiro encontro - disciplina, limites e rotinaProjeto escola de pais primeiro encontro - disciplina, limites e rotina
Projeto escola de pais primeiro encontro - disciplina, limites e rotina
Anaí Peña
 
Palestra EC46 - Limites em casa e na escola
Palestra   EC46 - Limites em casa e na escolaPalestra   EC46 - Limites em casa e na escola
Palestra EC46 - Limites em casa e na escola
Anaí Peña
 
Slide sobre Didática.
Slide sobre Didática.Slide sobre Didática.
Slide sobre Didática.
Thaís Boch
 
O papel da didática na formação do professor
O papel da didática na formação do professorO papel da didática na formação do professor
O papel da didática na formação do professor
na educação
 
143313395 plano-de-intervencao-pedagogica-2012
143313395 plano-de-intervencao-pedagogica-2012143313395 plano-de-intervencao-pedagogica-2012
143313395 plano-de-intervencao-pedagogica-2012
Selma Coimbra
 
Como montar rotinas pedagógicas - parte 1
Como montar rotinas pedagógicas - parte 1Como montar rotinas pedagógicas - parte 1
Como montar rotinas pedagógicas - parte 1
Janaina Spolidorio
 

Destaque (20)

Educação e Supervisão: o trabalho coletivo na escola
Educação e Supervisão: o trabalho coletivo na escolaEducação e Supervisão: o trabalho coletivo na escola
Educação e Supervisão: o trabalho coletivo na escola
 
O professor e o supervisor pedagógico
O professor e o supervisor pedagógicoO professor e o supervisor pedagógico
O professor e o supervisor pedagógico
 
Práticas em Supervisão Escolar
Práticas em Supervisão EscolarPráticas em Supervisão Escolar
Práticas em Supervisão Escolar
 
Ação supervisora: tendências e práticas
Ação supervisora: tendências e práticasAção supervisora: tendências e práticas
Ação supervisora: tendências e práticas
 
Slide didatica
Slide didaticaSlide didatica
Slide didatica
 
Inovações Pedagógicas na Sala de Aula
Inovações Pedagógicas na Sala de AulaInovações Pedagógicas na Sala de Aula
Inovações Pedagógicas na Sala de Aula
 
Para uma visão transformadora da supervisão pedagógica
Para uma visão transformadora da supervisão pedagógicaPara uma visão transformadora da supervisão pedagógica
Para uma visão transformadora da supervisão pedagógica
 
Supervisão pedagógica
Supervisão pedagógicaSupervisão pedagógica
Supervisão pedagógica
 
Oficina 2
Oficina 2Oficina 2
Oficina 2
 
O que são conteúdos e modelos de planejamentos (simone helen drumond)
O que são conteúdos e modelos de planejamentos (simone helen drumond)O que são conteúdos e modelos de planejamentos (simone helen drumond)
O que são conteúdos e modelos de planejamentos (simone helen drumond)
 
Conteúdos Conceituais na Educação Infantil
Conteúdos Conceituais na Educação InfantilConteúdos Conceituais na Educação Infantil
Conteúdos Conceituais na Educação Infantil
 
Reagrupamentos pedagógicos
Reagrupamentos pedagógicosReagrupamentos pedagógicos
Reagrupamentos pedagógicos
 
Slide a funçao supervisora
Slide  a funçao supervisoraSlide  a funçao supervisora
Slide a funçao supervisora
 
Plano De IntervençãO PedagóGica[Sre]
Plano De IntervençãO PedagóGica[Sre]Plano De IntervençãO PedagóGica[Sre]
Plano De IntervençãO PedagóGica[Sre]
 
Projeto escola de pais primeiro encontro - disciplina, limites e rotina
Projeto escola de pais primeiro encontro - disciplina, limites e rotinaProjeto escola de pais primeiro encontro - disciplina, limites e rotina
Projeto escola de pais primeiro encontro - disciplina, limites e rotina
 
Palestra EC46 - Limites em casa e na escola
Palestra   EC46 - Limites em casa e na escolaPalestra   EC46 - Limites em casa e na escola
Palestra EC46 - Limites em casa e na escola
 
Slide sobre Didática.
Slide sobre Didática.Slide sobre Didática.
Slide sobre Didática.
 
O papel da didática na formação do professor
O papel da didática na formação do professorO papel da didática na formação do professor
O papel da didática na formação do professor
 
143313395 plano-de-intervencao-pedagogica-2012
143313395 plano-de-intervencao-pedagogica-2012143313395 plano-de-intervencao-pedagogica-2012
143313395 plano-de-intervencao-pedagogica-2012
 
Como montar rotinas pedagógicas - parte 1
Como montar rotinas pedagógicas - parte 1Como montar rotinas pedagógicas - parte 1
Como montar rotinas pedagógicas - parte 1
 

Semelhante a Apresen tação o supervisor escolar em ação- adilaine- - cópia

Planejamento Pedagógico - EE República do Suriname 2015
Planejamento Pedagógico - EE República do Suriname 2015Planejamento Pedagógico - EE República do Suriname 2015
Planejamento Pedagógico - EE República do Suriname 2015
jeffcezanne
 
Caderno de boas práticas diretores
Caderno de boas práticas diretoresCaderno de boas práticas diretores
Caderno de boas práticas diretores
842203966
 
Slidesdo3encontro2011 110809182748-phpapp01
Slidesdo3encontro2011 110809182748-phpapp01Slidesdo3encontro2011 110809182748-phpapp01
Slidesdo3encontro2011 110809182748-phpapp01
Jhosyrene Oliveira
 
Pasem kapitango editada - jeferson - incompleta
Pasem kapitango   editada - jeferson - incompletaPasem kapitango   editada - jeferson - incompleta
Pasem kapitango editada - jeferson - incompleta
Sara Cristina
 
Conteúdos sobre a disciplina de orientação de estudos
Conteúdos sobre a disciplina de orientação de estudosConteúdos sobre a disciplina de orientação de estudos
Conteúdos sobre a disciplina de orientação de estudos
AnaClaudia252604
 
Slide sala planejamento_e_praticas_de_gestão_-2014
Slide sala planejamento_e_praticas_de_gestão_-2014Slide sala planejamento_e_praticas_de_gestão_-2014
Slide sala planejamento_e_praticas_de_gestão_-2014
Marlon Vaughan
 
apresentação projeto diretor de turma.pptx
apresentação projeto diretor de turma.pptxapresentação projeto diretor de turma.pptx
apresentação projeto diretor de turma.pptx
antonioemanuelsm
 
64470 olimpio camargo prof 2014630 (1)
64470 olimpio camargo prof 2014630 (1)64470 olimpio camargo prof 2014630 (1)
64470 olimpio camargo prof 2014630 (1)
Helia Pessoa do Amaral Figueiredo
 
64470 olimpio camargo prof 2014630 (1)
64470 olimpio camargo prof 2014630 (1)64470 olimpio camargo prof 2014630 (1)
64470 olimpio camargo prof 2014630 (1)
Helia Pessoa do Amaral Figueiredo
 
Programa GLAUBER 2023 17-04 B.docx
Programa GLAUBER 2023 17-04 B.docxPrograma GLAUBER 2023 17-04 B.docx
Programa GLAUBER 2023 17-04 B.docx
Glauber Eduardo Aragon Pereira
 
Metodologias do Ensino Superior.pdf
Metodologias do Ensino Superior.pdfMetodologias do Ensino Superior.pdf
Metodologias do Ensino Superior.pdf
ManoelCarlosdeOlivei3
 
OPGEAENE AULA 7: Coordenação e acompanhamento dos processos de ensino e de a...
OPGEAENE  AULA 7: Coordenação e acompanhamento dos processos de ensino e de a...OPGEAENE  AULA 7: Coordenação e acompanhamento dos processos de ensino e de a...
OPGEAENE AULA 7: Coordenação e acompanhamento dos processos de ensino e de a...
profamiriamnavarro
 
Caderno de boas práticas dos especialistas em educação
Caderno de boas práticas dos especialistas em educaçãoCaderno de boas práticas dos especialistas em educação
Caderno de boas práticas dos especialistas em educação
Eunice Mendes de Oliveira
 
Planejamento na escola
Planejamento na escolaPlanejamento na escola
Planejamento na escola
gindri
 
Ppt0000019
Ppt0000019Ppt0000019
Ppt0000019
Josimarie Julio
 
Orientação Técnica - Formação Pedagógica para PC do EFe EM
Orientação Técnica - Formação Pedagógica para PC do EFe EMOrientação Técnica - Formação Pedagógica para PC do EFe EM
Orientação Técnica - Formação Pedagógica para PC do EFe EM
betenitz
 
Formador de formadores
Formador de formadoresFormador de formadores
Formador de formadores
Claudio Ribeiro
 
Formador de formadores
Formador de formadoresFormador de formadores
Formador de formadores
Claudio Roberto Ribeiro Junior
 
Programa-de-Acao-PEI 2022_MARIA EUGENIA_atualizado.docx
Programa-de-Acao-PEI 2022_MARIA EUGENIA_atualizado.docxPrograma-de-Acao-PEI 2022_MARIA EUGENIA_atualizado.docx
Programa-de-Acao-PEI 2022_MARIA EUGENIA_atualizado.docx
MaxLuisEspinosa
 
Apresentacao Plano Pedagogico JOVEM APRENDIZ AESCON slide share
Apresentacao Plano Pedagogico JOVEM APRENDIZ AESCON slide shareApresentacao Plano Pedagogico JOVEM APRENDIZ AESCON slide share
Apresentacao Plano Pedagogico JOVEM APRENDIZ AESCON slide share
Vania Bastos Nacaxe
 

Semelhante a Apresen tação o supervisor escolar em ação- adilaine- - cópia (20)

Planejamento Pedagógico - EE República do Suriname 2015
Planejamento Pedagógico - EE República do Suriname 2015Planejamento Pedagógico - EE República do Suriname 2015
Planejamento Pedagógico - EE República do Suriname 2015
 
Caderno de boas práticas diretores
Caderno de boas práticas diretoresCaderno de boas práticas diretores
Caderno de boas práticas diretores
 
Slidesdo3encontro2011 110809182748-phpapp01
Slidesdo3encontro2011 110809182748-phpapp01Slidesdo3encontro2011 110809182748-phpapp01
Slidesdo3encontro2011 110809182748-phpapp01
 
Pasem kapitango editada - jeferson - incompleta
Pasem kapitango   editada - jeferson - incompletaPasem kapitango   editada - jeferson - incompleta
Pasem kapitango editada - jeferson - incompleta
 
Conteúdos sobre a disciplina de orientação de estudos
Conteúdos sobre a disciplina de orientação de estudosConteúdos sobre a disciplina de orientação de estudos
Conteúdos sobre a disciplina de orientação de estudos
 
Slide sala planejamento_e_praticas_de_gestão_-2014
Slide sala planejamento_e_praticas_de_gestão_-2014Slide sala planejamento_e_praticas_de_gestão_-2014
Slide sala planejamento_e_praticas_de_gestão_-2014
 
apresentação projeto diretor de turma.pptx
apresentação projeto diretor de turma.pptxapresentação projeto diretor de turma.pptx
apresentação projeto diretor de turma.pptx
 
64470 olimpio camargo prof 2014630 (1)
64470 olimpio camargo prof 2014630 (1)64470 olimpio camargo prof 2014630 (1)
64470 olimpio camargo prof 2014630 (1)
 
64470 olimpio camargo prof 2014630 (1)
64470 olimpio camargo prof 2014630 (1)64470 olimpio camargo prof 2014630 (1)
64470 olimpio camargo prof 2014630 (1)
 
Programa GLAUBER 2023 17-04 B.docx
Programa GLAUBER 2023 17-04 B.docxPrograma GLAUBER 2023 17-04 B.docx
Programa GLAUBER 2023 17-04 B.docx
 
Metodologias do Ensino Superior.pdf
Metodologias do Ensino Superior.pdfMetodologias do Ensino Superior.pdf
Metodologias do Ensino Superior.pdf
 
OPGEAENE AULA 7: Coordenação e acompanhamento dos processos de ensino e de a...
OPGEAENE  AULA 7: Coordenação e acompanhamento dos processos de ensino e de a...OPGEAENE  AULA 7: Coordenação e acompanhamento dos processos de ensino e de a...
OPGEAENE AULA 7: Coordenação e acompanhamento dos processos de ensino e de a...
 
Caderno de boas práticas dos especialistas em educação
Caderno de boas práticas dos especialistas em educaçãoCaderno de boas práticas dos especialistas em educação
Caderno de boas práticas dos especialistas em educação
 
Planejamento na escola
Planejamento na escolaPlanejamento na escola
Planejamento na escola
 
Ppt0000019
Ppt0000019Ppt0000019
Ppt0000019
 
Orientação Técnica - Formação Pedagógica para PC do EFe EM
Orientação Técnica - Formação Pedagógica para PC do EFe EMOrientação Técnica - Formação Pedagógica para PC do EFe EM
Orientação Técnica - Formação Pedagógica para PC do EFe EM
 
Formador de formadores
Formador de formadoresFormador de formadores
Formador de formadores
 
Formador de formadores
Formador de formadoresFormador de formadores
Formador de formadores
 
Programa-de-Acao-PEI 2022_MARIA EUGENIA_atualizado.docx
Programa-de-Acao-PEI 2022_MARIA EUGENIA_atualizado.docxPrograma-de-Acao-PEI 2022_MARIA EUGENIA_atualizado.docx
Programa-de-Acao-PEI 2022_MARIA EUGENIA_atualizado.docx
 
Apresentacao Plano Pedagogico JOVEM APRENDIZ AESCON slide share
Apresentacao Plano Pedagogico JOVEM APRENDIZ AESCON slide shareApresentacao Plano Pedagogico JOVEM APRENDIZ AESCON slide share
Apresentacao Plano Pedagogico JOVEM APRENDIZ AESCON slide share
 

Mais de Eunice Mendes de Oliveira

Apresentação1 autoestima AUTOESTIMA
Apresentação1 autoestima AUTOESTIMA Apresentação1 autoestima AUTOESTIMA
Apresentação1 autoestima AUTOESTIMA
Eunice Mendes de Oliveira
 
Apresentação flexibilização curricular
Apresentação flexibilização curricularApresentação flexibilização curricular
Apresentação flexibilização curricular
Eunice Mendes de Oliveira
 
DIA D 2014 - A COMUNIDADE ESCOLAR - O dia d e o pip 2
DIA D 2014 - A COMUNIDADE ESCOLAR - O dia d e o pip 2DIA D 2014 - A COMUNIDADE ESCOLAR - O dia d e o pip 2
DIA D 2014 - A COMUNIDADE ESCOLAR - O dia d e o pip 2
Eunice Mendes de Oliveira
 
Mensagem ao professor
Mensagem ao professorMensagem ao professor
Mensagem ao professor
Eunice Mendes de Oliveira
 
Falarcomdeu sco
Falarcomdeu scoFalarcomdeu sco
Falarcomdeu sco
Eunice Mendes de Oliveira
 
Aprendizagem orquideas
Aprendizagem orquideasAprendizagem orquideas
Aprendizagem orquideas
Eunice Mendes de Oliveira
 
Minicurso de alfabetização s r e
Minicurso de alfabetização s r eMinicurso de alfabetização s r e
Minicurso de alfabetização s r e
Eunice Mendes de Oliveira
 
Ortografização ok
Ortografização okOrtografização ok
Ortografização ok
Eunice Mendes de Oliveira
 
Dinâmica boas vindas!
Dinâmica boas vindas!Dinâmica boas vindas!
Dinâmica boas vindas!
Eunice Mendes de Oliveira
 
Minicurso de alfabetização s r e
Minicurso de alfabetização s r eMinicurso de alfabetização s r e
Minicurso de alfabetização s r e
Eunice Mendes de Oliveira
 
Planejamento pip 2014 apresent março
Planejamento pip 2014 apresent marçoPlanejamento pip 2014 apresent março
Planejamento pip 2014 apresent março
Eunice Mendes de Oliveira
 
Planejamento pip 2014 apresent março
Planejamento pip 2014 apresent marçoPlanejamento pip 2014 apresent março
Planejamento pip 2014 apresent março
Eunice Mendes de Oliveira
 
P18kui0ru717g0avh1aav14hu4go4
P18kui0ru717g0avh1aav14hu4go4P18kui0ru717g0avh1aav14hu4go4
P18kui0ru717g0avh1aav14hu4go4
Eunice Mendes de Oliveira
 
Atividade de leitura_e_escrita[1]
Atividade de leitura_e_escrita[1]Atividade de leitura_e_escrita[1]
Atividade de leitura_e_escrita[1]
Eunice Mendes de Oliveira
 
Apresentação2
Apresentação2Apresentação2
Apresentação2
Eunice Mendes de Oliveira
 
Apresentação flexibilização curricular
Apresentação flexibilização curricularApresentação flexibilização curricular
Apresentação flexibilização curricular
Eunice Mendes de Oliveira
 
Apresenta..[1]
Apresenta..[1]Apresenta..[1]
Sondagem 110130111547-phpapp02
Sondagem 110130111547-phpapp02Sondagem 110130111547-phpapp02
Sondagem 110130111547-phpapp02
Eunice Mendes de Oliveira
 
Mc3a9todo 28-palavras (1)
Mc3a9todo 28-palavras (1)Mc3a9todo 28-palavras (1)
Mc3a9todo 28-palavras (1)
Eunice Mendes de Oliveira
 
Consc fonol limpo
Consc fonol limpoConsc fonol limpo
Consc fonol limpo
Eunice Mendes de Oliveira
 

Mais de Eunice Mendes de Oliveira (20)

Apresentação1 autoestima AUTOESTIMA
Apresentação1 autoestima AUTOESTIMA Apresentação1 autoestima AUTOESTIMA
Apresentação1 autoestima AUTOESTIMA
 
Apresentação flexibilização curricular
Apresentação flexibilização curricularApresentação flexibilização curricular
Apresentação flexibilização curricular
 
DIA D 2014 - A COMUNIDADE ESCOLAR - O dia d e o pip 2
DIA D 2014 - A COMUNIDADE ESCOLAR - O dia d e o pip 2DIA D 2014 - A COMUNIDADE ESCOLAR - O dia d e o pip 2
DIA D 2014 - A COMUNIDADE ESCOLAR - O dia d e o pip 2
 
Mensagem ao professor
Mensagem ao professorMensagem ao professor
Mensagem ao professor
 
Falarcomdeu sco
Falarcomdeu scoFalarcomdeu sco
Falarcomdeu sco
 
Aprendizagem orquideas
Aprendizagem orquideasAprendizagem orquideas
Aprendizagem orquideas
 
Minicurso de alfabetização s r e
Minicurso de alfabetização s r eMinicurso de alfabetização s r e
Minicurso de alfabetização s r e
 
Ortografização ok
Ortografização okOrtografização ok
Ortografização ok
 
Dinâmica boas vindas!
Dinâmica boas vindas!Dinâmica boas vindas!
Dinâmica boas vindas!
 
Minicurso de alfabetização s r e
Minicurso de alfabetização s r eMinicurso de alfabetização s r e
Minicurso de alfabetização s r e
 
Planejamento pip 2014 apresent março
Planejamento pip 2014 apresent marçoPlanejamento pip 2014 apresent março
Planejamento pip 2014 apresent março
 
Planejamento pip 2014 apresent março
Planejamento pip 2014 apresent marçoPlanejamento pip 2014 apresent março
Planejamento pip 2014 apresent março
 
P18kui0ru717g0avh1aav14hu4go4
P18kui0ru717g0avh1aav14hu4go4P18kui0ru717g0avh1aav14hu4go4
P18kui0ru717g0avh1aav14hu4go4
 
Atividade de leitura_e_escrita[1]
Atividade de leitura_e_escrita[1]Atividade de leitura_e_escrita[1]
Atividade de leitura_e_escrita[1]
 
Apresentação2
Apresentação2Apresentação2
Apresentação2
 
Apresentação flexibilização curricular
Apresentação flexibilização curricularApresentação flexibilização curricular
Apresentação flexibilização curricular
 
Apresenta..[1]
Apresenta..[1]Apresenta..[1]
Apresenta..[1]
 
Sondagem 110130111547-phpapp02
Sondagem 110130111547-phpapp02Sondagem 110130111547-phpapp02
Sondagem 110130111547-phpapp02
 
Mc3a9todo 28-palavras (1)
Mc3a9todo 28-palavras (1)Mc3a9todo 28-palavras (1)
Mc3a9todo 28-palavras (1)
 
Consc fonol limpo
Consc fonol limpoConsc fonol limpo
Consc fonol limpo
 

Último

Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!
Mary Alvarenga
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
Espanhol Online
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
pattyhsilva271204
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Colaborar Educacional
 
SEQUÊNCIA NÃO ME TOCA, SEU BOBOCA, Violência sexual infantilil
SEQUÊNCIA NÃO ME TOCA, SEU BOBOCA, Violência sexual infantililSEQUÊNCIA NÃO ME TOCA, SEU BOBOCA, Violência sexual infantilil
SEQUÊNCIA NÃO ME TOCA, SEU BOBOCA, Violência sexual infantilil
menesabi
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Mary Alvarenga
 
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Texto e atividade - Fontes alternativas de energia
Texto e atividade -  Fontes alternativas de energiaTexto e atividade -  Fontes alternativas de energia
Texto e atividade - Fontes alternativas de energia
Mary Alvarenga
 
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
marcos oliveira
 
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da químicaTEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
VictorEmanoel37
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
(45-ESTUDO - LUCAS) A EPIRITUALIDADE DE JESUS
(45-ESTUDO - LUCAS) A EPIRITUALIDADE DE JESUS(45-ESTUDO - LUCAS) A EPIRITUALIDADE DE JESUS
(45-ESTUDO - LUCAS) A EPIRITUALIDADE DE JESUS
Pr Davi Passos - Estudos Bíblicos
 
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
mozalgebrista
 
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsxSe A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Luzia Gabriele
 
A EDUCAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E AS DEFICIÊNCIAS DE SUA APLICAÇÃO N...
A EDUCAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E AS DEFICIÊNCIAS DE SUA APLICAÇÃO N...A EDUCAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E AS DEFICIÊNCIAS DE SUA APLICAÇÃO N...
A EDUCAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E AS DEFICIÊNCIAS DE SUA APLICAÇÃO N...
Faga1939
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Mary Alvarenga
 

Último (20)

Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
 
SEQUÊNCIA NÃO ME TOCA, SEU BOBOCA, Violência sexual infantilil
SEQUÊNCIA NÃO ME TOCA, SEU BOBOCA, Violência sexual infantililSEQUÊNCIA NÃO ME TOCA, SEU BOBOCA, Violência sexual infantilil
SEQUÊNCIA NÃO ME TOCA, SEU BOBOCA, Violência sexual infantilil
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
 
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
 
Texto e atividade - Fontes alternativas de energia
Texto e atividade -  Fontes alternativas de energiaTexto e atividade -  Fontes alternativas de energia
Texto e atividade - Fontes alternativas de energia
 
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
 
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da químicaTEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
 
(45-ESTUDO - LUCAS) A EPIRITUALIDADE DE JESUS
(45-ESTUDO - LUCAS) A EPIRITUALIDADE DE JESUS(45-ESTUDO - LUCAS) A EPIRITUALIDADE DE JESUS
(45-ESTUDO - LUCAS) A EPIRITUALIDADE DE JESUS
 
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
 
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
 
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsxSe A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
 
A EDUCAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E AS DEFICIÊNCIAS DE SUA APLICAÇÃO N...
A EDUCAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E AS DEFICIÊNCIAS DE SUA APLICAÇÃO N...A EDUCAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E AS DEFICIÊNCIAS DE SUA APLICAÇÃO N...
A EDUCAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E AS DEFICIÊNCIAS DE SUA APLICAÇÃO N...
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
 

Apresen tação o supervisor escolar em ação- adilaine- - cópia

  • 1. O SUPERVISOR ESCOLAR EM AÇÃO SRE – ITUIUTABA 2014
  • 2. Superintendência Regional de Ensino de Ituiutaba Adilaine Lemes Ribeiro Ana Emilia Lia Marta Analistas / Pedagogas Fevereiro- 2014
  • 3. • Supervisão Escolar • Processo que tem por objetivo prestar ajuda técnica no planejamento, desenvolvimento e avaliação das atividades educacionais em nível de sistema ou unidade escolar, tendo em vista o resultado das ações pedagógicas, o melhor desempenho e o aprimoramento permanente do pessoal envolvido na situação ensino-aprendizagem. • “Visão sobre” (sentido etmológico da palavra SUPERVISÃO)) • Aprimoramento do ensino; • aprimoramento da aprendizagem; • liderança democrática; • ajustamento do pessoal; • assessoria especializada; • ênfase no relacionamento humano
  • 4. • Objetivos e Política da Organização • Essência das organizações - simplificação e aperfeiçoamento das ações com vistas a um maior rendimento do trabalho. • Para simplificar e aperfeiçoar: • - Estabelecer objetivos. • - Estabelecer política de ações. • Objetivos O objetivo deve ser redigido com cuidado e precisão porque representa um guia para o alcance das metas gerais da organização e fornecerão as bases para a avaliação dos resultados.
  • 5. • O Supervisor numa Administração por Objetivos • Deve ter ciência dos objetivos que as unidades escolares precisam atingir; • Deve conhecer a realidade da escola: história, endereço, recursos humanos, financeiros, materiais, estrutura física, clientela... • Elaborar e planejar o elenco de programas e projetos que poderão realizar. • Exemplo - ao setor de Supervisão Escolar da Escola Estadual Manuel Bandeira coube desenvolver os seguintes objetivos: • Revisar e reestruturar o Projeto Político Pedagógico da Escola; • Coordenar e elaborar as ações do Programa de Intervenção Pedagógica; • Integrar os professores novos na escola....
  • 6. • O Papel do Supervisor Escolar • As atribuições do Supervisor são no sentido de oportunizar a realização dos planos de modo que se alcance o melhor rendimento. • Sua maior responsabilidade está em: • tornar claro a todos os propósitos da tarefa a desempenhar; • providenciar os recursos materiais necessários; • estimular os esforços de todos; • controlar atividades; • tornar o serviço o mais eficiente possível.
  • 7. • Liderança do Supervisor Escolar • LIDERANÇA – fator básico para o estabelecimento de relações humanas positivas é uma posição a ser assumida pelo Supervisor Escolar. • ORGANIZAÇÃO – junto com a capacidade de liderar é fator essencial ao bom desempenho do Supervisor Escolar. • O Supervisor no exercício de sua função – deve ser um intérprete da política administrativa do sistema ou da escola, pois, via de regra, é através dele que a equipe pedagógica da escola, toma conhecimento geral da política de trabalho a ser seguida.
  • 8. • Autoridade do Supervisor Escolar • Para conduzir com sucesso suas funções essenciais, o Supervisor deve ter alguma delegação de autoridade, com definição de sua abrangência, duração e responsabilidade. Essa autoridade pode assumir formas diversas: • Autoridade legal ou estatutária – o Supervisor pode receber autoridade por sua posição de linha de comando na organização, ela está estabelecida no Regimento da instituição. (Unidades de Ensino) • Autoridade pela competência – o Supervisor a conquista através de seu trabalho, de sua capacitação profissional, a equipe escolar lhe dá essa autoridade por reconhecer seus méritos, sua capacidade profissional. • (Perfil profissional) • Autoridade delegada – o Supervisor a recebe para realizar um determinado trabalho quando ele é um elemento de assessoramento na organização. Ela é dinâmica, tem propósito definido e é temporária. (Sistemas de Ensino)
  • 9. • Técnicas de Supervisão Escolar • DE ACORDO COM A FORMA DE CONTATO NO ATENDIMENTO: • Técnicas diretas - o Supervisor tem um contato face-a-face com o supervisionado, ou seja, há a presença física do supervisor junto aos professores no momento de sua aplicação: • - entrevistas individuais; • - observação de aulas; • - reuniões com professores. • Técnicas indiretas - o Supervisor as desenvolve sem se relacionar diretamente com o professor: • - boletim de supervisão; • - estudo de planos de ensino; • - organização de biblioteca especializada;...
  • 10. • Técnicas de Supervisão Escolar • DE ACORDO COM O NÚMERO DE PESSOAS ATENDIDAS NA APLICAÇÃO DA TÉCNICA • Técnicas Individuais – São aquelas em que o Supervisor presta atendimento a um professor de cada vez, por exemplo: • - estudo dirigido com um professor; • - entrevista individual; • - assessoria técnica ao professor • Técnicas de Grupo: São aquelas em que o atendimento é dado a um grupo de professores, como as seguintes: • - sessões de estudos; • - seminários; • - encontros. • Técnicas em nível de unidade escolar • – são aquelas que fazem parte do dia a dia do supervisor lotado numa determinada escola: • - observação da aula; • - aulas de demonstração; • - integração escola-comunidade.
  • 11. • Técnicas de Supervisão Escolar – Mais utilizadas • • DIRETAS - Entrevistas individuais; - Observação de aulas; - Reuniões com professores; - Visitas às escolas; - Visitas a outros professores; - Demonstrações; - Viagens de estudos INDIRETAS - Boletim de Supervisão; - Estudo de currículum de professores; - Estudo de Planos de Cursos; - Estudo de currículo e integração de ensino; - Estudo de horários e distribuição de professores; - Avaliação de professores, de programas e da escola; - Organização de Biblioteca especializada.
  • 12. • CAMPOS DE ATUAÇÃO DO ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO BÁSICA • O Especialista tem papel importantíssimo na coordenação e articulação do processo ensino-aprendizagem, sendo co- responsável, com a Direção da escola, na liderança da gestão pedagógica que deve ser o eixo norteador do planejamento, da implementação e do desenvolvimento das ações educacionais. • Consituem campos fundamentais de sua atuação na escola: • I - Desenvolvimento Curricular e Ensino-Aprendizagem; • II - Organização Escolar; • III - Relações internas e com a comunidade.
  • 13. • I - DESENVOLVIMENTO CURRICULAR E ENSINO-APRENDIZAGEM • Foco principal de trabalho do Especialista – o conhecimento dos princípios norteadores dos Currículos do Ensino Fundamental e Ensino Médio, garante a articulação de ações que promovam a interdisciplinaridade e o trabalho participativo dos docentes, enfatizando o currículo básico comum e estratégias diversificadas, objetivando o aprendizado dos alunos. • O que estudar? Páginas 13 a 19 (Guia do Especialista em Educação Básica) • Cadernos de Orientações para a Organização do Ciclo da Alfabetização-SEE, Organizados pelo CEALE/UFMG; • Conteúdos Básicos Comuns – CBC; • Projetos da Subsecretaria de Desenvolvimento da Educação Básica; • Projeto Político Pedagógico da Escola;
  • 14. • I - DESENVOLVIMENTO ESCOLAR E ENSINO- APRENDIZAGEM • Plano de Intervenção Pedagógica – PIP/ATC + PIP/CBC = PIP/EF; • Plano de Ensino; • Plano de Aula; • Avaliação da Aprendizagem dos Alunos – Interna e Externa (SIMAVE - PROALFA, PROEB, PAAE; ENEM, PISA, SAEB); • Eventos Cívicos, Sociais e Esportivos; • A Escolha do Livro Didático – PNLD;
  • 15. • II - ORGANIZAÇÃO ESCOLAR • Foco – O Especialista deve coordenar e articular a implementação e a efetivação das práticas que compõem o planejamento geral da Escola, garantindo que os aspectos da organização escolar sejam integrados numa mesma linha de ação e colaborando para sua efetiva realização. • O que estudar? Páginas 19 e 20 (Guia do Especialista em Educação Básica) • Cadastro Escolar; • Matrícula dos Alunos; • Atribuição de Turmas aos Professores; • Enturmação dos Alunos; • Uniforme dos Alunos; • Registros de Avaliação da Aprendizagem dos Alunos;
  • 16. • III - RELAÇÕES INTERNAS E COM A COMUNIDADE • Foco – O Especialista deve trabalhar para estabelecer na Escola um “clima” educativo, um ambiente agradável e favorável à aprendizagem. • Inúmeras ações poderão ser desenvolvidas neste campo a partir das necessidades evidenciadas, dos conflitos que surgirem e da criatividade do Especialista que deve considerar como tarefa inadiável e fundamental, zelar pelas relações internas na escola e pela relação permanente com os pais e a comunidade, em conjunto com a Direção da Escola. • O que estudar? Página 21 (Guia do Especialista em Educação Básica) • Relações Interpessoais; • Comunidade Escolar;
  • 17. O Supervisor Escolar Eficiente em Ação Guia do Especialista em Educação Básica Caderno de Boas Práticas do Supervisor Escolar; Caderno de Boas Práticas dos Professores Alfabetizadores; Caderno de Boas Práticas dos Professores de Ensino do Uso da Biblioteca; Caderno de Boas Práticas dos Professores da Turmas do Projeto • Educação em Tempo Integral Revistas Pedagógicas do SIMAVE – PROALFA E PROEB Cadernos do CEALE; Matriz Curricular de Ensino (Ciclos da Alfabetização) CBC Guia do Professor Alfabetizador Legislação (Resolução 7150; 2197; 2253...) PPP da escola em que atua Programas e Projetos da SEE - MG Programas e Projetos desenvolvidos na escola em que atua PIP - EF Centro de Referência Virtual do Professor – CRV Bibliografia Especializada
  • 18. O Supervisor Escolar Eficiente em Ação Conhecimentos Essenciais • Projeto Político Pedagógico da Escola; • Plano de Intervenção Pedagógica; • Plano de Ensino; • Plano de Aula; • Avaliação Interna e Externa; • Matriz Curricular de Ensino; • Matriz de Referência da Avaliação; • Datas cívicas, sociais e esportivas; • PNLD – Escolha do Livro Didático; • Organização Escolar; • Cadastro Escolar; • Matrícula dos Alunos; • Atribuição de Turmas aos Professores; • Enturmação dos Alunos; • Uniforme dos Alunos; • Registros de Avaliação da Aprendizagem dos Alunos; • Relações Internas e com a comunidade; • Relações Interpessoais; • Comunidade Escolar E ST U D E ! Pág. 13 a21- Guiado Especialista
  • 19. Ação Supervisora na Implementação do PIP - EF Formação Continuada dos Professores; Avaliação Diagnóstica; Planejamentos; Ambiente Alfabetizador- Sala de Aula; Reuniões Pedagógicas e Atendimento Individualizado ao Professor; Atividades de Ensino – Sugestões; Produção de Textos; Relação com as Famílias dos Alunos; Acompanhamentos aos alunos que estão apresentando desempenho insatisfatório; Visitas às Salas de Aula; Revistas e Textos Pedagógicos; Domínio da Leitura e os Fatos Fundamentais; Avaliações Externas – SIMAVE / PROALFA – PROEB - PAAE E ST U D E ! Pág. 22 a27- Guiado Especialista
  • 20. PLANEJAMENTO SEMANAL DO SUPERVISOR ESCOLAR ESCOLA: MUNICÍPIO: ESPECIALISTA: ANO: MÊS: PERÍODO: MATUTINO ( ) VESPERTINO ( ) SEMANA: HORÁRIO SEGUNDA TERÇA QUARTA QUINTA SEXTA SÁBADO                                                                                                  
  • 21. PLANEJAMENTO MENSAL DO SUPERVISOR ESCOLAR ESCOLA: MUNICÍPIO ANO: MÊS: PERÍODO: DATA HORÁRIO ATIVIDADE                                                                                                
  • 22. PLANO DE AULA ESCOLA ESTADUAL PROFESSOR(A): TURNO: TURMA: DATA: EIXO CAPACIDADE ATIVIDADES (metodologia) Recursos Materiais Duração Avaliação Obs.                                                                                                                                                                                      
  • 23. ESCOLA: MUNICÍPIO: FICHA DE ACOMPANHAMENTO DO ALUNO - LEITURA TURMA: TURNO: PROFESSOR(A): DATA: NOME DO ALUNO Entonação Pontuação Ritmo Interpretação ANALISTA EDUCACIONAL: Domínio de Sílabas Lê soletrando Faz Inferências LEGENDA: MB (muito bom)  - B (bom)  -  R (regular)  -  I (insuficiente)  
  • 24. MAPA DE RESULTADO DA TURMA Escola Professor(a): Turma: Nº de Alunos: Período: Data: NÍVEL DE APROPRIAÇÃO DAS HABILIDADES – CONTEÚDO ___________________________ BAIXO ( 0 – 60%) INTERMEDIÁRIO (61% - 70%) RECOMENDÁVEL (71% - 100%) Item Aproveitamento Item Aproveitamento Item Aproveitamento                                                                        
  • 25. PROGRAMA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA ATENDIMENTO INDIVIDUAL Escola: Data: ALUNO(A) ANO ESCOLAR PROFESSOR (A) ÁREA DO CONHECIMENTO RESPONSÁVEL PELO ATENDIMENTO TURNO PROETI Sim ou Não                                                                                                                                            
  • 26. ESCOLA: MUNICÍPIO FICHADE ACOMPANHAMENTO DO ALUNO ASSUNTO:APROPRIAÇÃO DO SISTEMADE ESCRITA TURMA: TURNO: DATA: PROFESSOR: Nº NOME DO ALUNO PRÉ-SILÁBICO SILÁBICO PONTUAÇÃO ALFABÉTICO INTERPRETAÇÃO 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 OBSERVAÇÕES: LÊ SOLETRANDO SILÁBICO – ALFABÉTICO PRÉ-SILÁBICO – (1) Escreve utilizando grafismos e outros símbolos; (2) Utiliza letras para escrever; (3) Produz escritas diferenciadas (poucas letras e pouca variedade) SILÁBICO – (1) Estabelece relação entre fala e escrita (para cada sílaba oral uma marca) utilizando grafismos e outros símbolos; (2) Estabelece relação entre fala e escrita (faz corresponder para cada sílaba oral um grafismo); (3) Estabelece relação entre fala e escrita, utiliza letrasmas sem fazer uso do valor sonoro convencional; (4) Estabelece relação entre fala e escrita, fazendo uso do valor sonoro convencional. SILÁBICO-ALFABÉTICO – (1) Estabelece relação entre fala e escrita, ora utilizando uma letra para cada sílaba, ora utilizando mais letras. ALFABÉTICO – (1) Produz escritas alfabéticas, mesmo não observando as convenções ortográficas da escrita; (2) Produz escritas alfabéticas, observando algumas convençõesortográficas da escrita; (3) Produz escritas alfabéticas, sempre observando as convenções ortográficas da escrita.