SlideShare uma empresa Scribd logo
Free Powerpoint Templates
TEORIAS E TÉCNICAS
DE GRUPOS
Prof. Maria Sara de Lima Dias
Grupos, organizações e instituições
• A vida humana é grupal, está relacionada a estar
sempre em convivência com o outro, sendo assim é
necessária que existam regras para que a vida em grupo
se torne possível.
• Às vezes um comportamento pode se manifestar
inadequado em um determinado contexto, porque o seu
emissor estava utilizando como referência um grupo
distinto àquele com o qual está interagindo
momentaneamente.
O ser humano tem necessidades fisiológicas,
psicológicas, sociais e espirituais que devem ser
satisfeitas para que sobreviva. Sua capacidade
de adaptação ao meio ambiente, que está em
constante mudança, depende de sua habilidade
em identificar, examinar e enfrentar problemas.
Essa capacidade varia de indivíduo para
indivíduo e em um mesmo indivíduo, de época
para época.
CHAVES; IDE (1995) definem identidade social
como o conjunto de cognições que o indivíduo
tem sobre si mesmo, decorrentes do
relacionamento com as outras pessoas, ou a
resposta que se dá às perguntas: "quem sou
eu"?. "quem é você?" e "quem é êle?'.
Consideram que dentre as necessidades
psicosociais básicas, a estima é a que se
relaciona mais diretamente com a identidade
social, por implicar na avaliação da pessoa e no
contato com seus semelhantes.
IDENTIDADE SOCIAL
Grupo de referência
Aquele no qual o indivíduo é motivado a manter relações.
Quando um grupo de relações (p.ex. colegas de
trabalho),
torna-se um grupo de referência, este passa a
desempenhar um papel normativo no comportamento do
indivíduo.
Vale salientar, ainda, que um grupo normativo tem a
função de imprimir aos seus membros valores e normas
amplamente compartilhadas pela sociedade.
( Zanelli, BorgesAndrade, Bastos e
Cols. P.358)
Definição e características dos grupos
Embora todos conheçamos grupos e pertençamos a vários deles, é mais fácil
descrever um grupo que defini-lo.
Uma definição que tem se mostrado adequada é a de que um grupo é um conjunto
formado por duas ou mais pessoas que para atingir determinado(s) objetivo(s)
necessita algum tipo de interação, durante um intervalo de tempo relativamente
longo, sem o qual seria mais difícil ou impossível obter o êxito desejado.
Ou dito de outro modo, um conjunto de pessoas se caracterizará mais fortemente
como grupo segundo as seguintes condições:
a) quanto menor for o número de seus membros;
b) quanto maior for a interação entre os seus membros;
c) quanto maior for a sua história e
d) quanto mais perspectiva de futuro partilhado seja percebido pelos seus
membros.
Definições funcionais que pretendem apenas compreender o processo que se
estabelece em uma relação na qual se pode dizer que existe um grupo.
GRUPO SOCIAL
Conjunto de indivíduos que interagem uns com os outros
durante certo período de tempo. Se dividem em :
• Grupos primários - família, amigos, amigos de infância,
de escola, ou seja, pessoas com quem o indivíduo
interaja mais pessoalmente.
• Grupos Secundários - Colegas em geral, vizinhos,
professores, patrões, motoristas, secretárias, ou seja,
pessoas que o indivíduo trata de maneira impessoal por
não ter pouco ou nenhum contato íntimo, restrito.
Características dos grupos
 Normas
 Pertencer ao grupo implica em se submeter às suas
regras e normas. Para isto são também estabelecidos
prêmios e castigos.
 As organizações não fogem à regra, ali também os
grupos existem e constituem a matéria prima do seu
desenvolvimento.
 Em duas organizações que têm mesmo objetivo, como
dois colégios, duas lojas comerciais ou duas fábricas de
automóveis, muitas vezes o que vai diferenciar uma da
outra é a maneira como as normas grupais foram
estabelecidas.
Todos esses componentes influem na definição de
normas de funcionamento e concomitante
estabelecimento do clima do grupo.
Pessoas valores
Filosofia
e orientação de vida
Conhecimento mutuo
Base para
Normas coletivas,
tácitas e explicitas
na dinamica
Funcionamento do Grupo
Comportamento grupal
Desempenho grupal
Produtos
individuais
Valores
Normas
Sentimentos
Cultura do grupo
Clima do grupo
Objetivos
Motivação
Comunicação
Processo
decisório
Relacionamento
Liderança
Inovação
Individualização
Sinergia
Produtividade
Satisfação
Interação grupo x comportamento
• Em que medida o seu comportamento representa a sua
individualidade ou reflete as características do seu grupo.
• São as duas coisas. Somos fruto de nossa
personalidade, porém somos ao mesmo tempo resultado
da interação dessa personalidade com os grupos a que
pertencemos, aos quais valoramos.
• Todos queremos aparecer bem ante os demais. A
questão é que não a todos os demais e sim àqueles que
elegemos como mais importantes para nós.
O grupo é maior do que os indivíduos
• Para administrar pessoas, possuir uma visão global ou
sistêmica é o caminho mais adequado para conseguir
estabelecer padrões de comportamento desejáveis em
uma organização.
• Compreendendo que os grupos existem, que
estabelecem normas de convivência e que estas normas
podem ir a favor ou em contra dos objetivos
organizacionais.
Dinâmica dos Grupos
• A expressão “Dinâmica de Grupo” foi criada por Kurt
Lewin, ele utilizou pela primeira vez este termo em
meados dos anos 40.
• Para Lewin toda dinâmica de grupo é a resultante do
conjunto das interações no interior de um espaço
psico-social
• A explicação dos fenômenos grupais não está nos
aspectos singulares dos elementos, mas nas
múltiplas interações que se produzem entre os
elementos da situação social, assim como no próprio
momento em que são observados e interpretados
• O ambiente social contribui para a formação e
transformação das atitudes coletivas favorecendo, ou
inibindo, as tendências sociais já adquiridas
Influência social
Os anos iniciais do século passado foram tomados por
enormes discussões entre os sociólogos e psicólogos de
então sobre se de fato existiam os grupos, se estes eram
determinantes para o comportamento; se existia alguma
entidade supra-individual formada pela interação entre os
indivíduos, ou se os indivíduos eram quem determinavam
em última instância os comportamentos.
Influência social
Variavam as opiniões de um extremo a outro.
Alguns defendiam que a sociedade era basicamente constituída
por grupos, e que seria a partir desses grupos que se poderia
modificá-la de maneira a ser mais ética, justa e equilibrada; ou
que os grupos constituíram uma espécie de força própria, de
consciência coletiva que suplantaria, em determinadas
circunstâncias a consciência individual, como Dukheim, Tarde,
Le Bon e McDougall ou, como se posicionava Floyd Allport.
No outro extremo, se existia unicamente o indivíduo e como tal
todo o comportamento e toda a sociedade somente poderia ser
explicada através dele, considerando o seu processo de
aprendizagem, individual e intransferível (Álvaro, &
Garrido,2003).
• McDougall (1987) chama atenção para o contraditório
que existe na participação na vida grupal, já que, se
por um lado degrada a pessoa, como afirmava Le
Bon, por outro a eleva a sua máxima potencialidade
como ser humano.
• McDougall pensa encontrar na organização do grupo
a solução. Quando o grupo está organizado, e não é
simplesmente uma multidão, as tendências
degradantes são minimizadas.
• Segundo Morales (1994) um grupo de teóricos pré-
experimentais cujos expoentes principais foram LeBon,
McDougall e Freud, defendia que os grupos se
caracterizam realmente por uma psicologia diferente,
impossível de reduzir à psicologia do membro individual
mas igualmente real. Postulavam alguma versão da
idéia segundo a qual nos contextos grupais ou
coletivos os indivíduos eram possuídos por uma
mente de grupo que transformava de forma
qualitativa sua psicologia e sua conduta.
Poder e influencia dos grupos
• Pressões de uniformidade se exercem mediante a
interação social na qual os membros tentam modificar
suas crenças, atitudes e ações de forma mútua.
• Existe um jogo de papeis
• Haverá sempre uma dinâmica própria de poder que é a
contradição entre a mudança e a resistência a mudança.
Processos implicados no rendimento
grupal.
• O sentimento de pertença , de ser importante, de ter um
grupo de amigos com objetivos comuns é provavelmente
um conjunto de variáveis que pode influenciar
definitivamente o exito ou o fracasso de um
empreendimento.
No Brasil este termo foi utilizado pelo Prof.
Pierre Weil em 1960 o qual introduziu o
Laboratório de Sensibilidade Social, com
objetivo desenvolver a qualidade de atuação
do indivíduo como membro de um grupo e
como lider.
“Grupo” ?
Durante as técnicas de dinâmica de grupo estes
fatores emergem
o tempo todo e é importante entender que sob
este aspecto não há certo ou errado. O
indivíduo vem para o grupo com todas os seus
“aspectos” individuais.
Podemos dizer que é um instrumento que
põe em movimento um grupo de pessoas
através de situações de ensaios da
realidade, que permitirão expressões
espontâneas de sentimentos e atitudes,
muitas vezes levando a pessoa a uma
melhor compreensão de sí mesma.
O que é uma técnica de
dinâmica de Grupo?
Técnica de Dinâmica de Grupo
O aspecto ludico nos remete a
espontaneidade, ao improviso e ao
ensaio da realidade.
Favorece a expressão espontânea das
pessoas, o que nos permite a observação
de atitudes com menor probabilidade
de simulação.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Relacionalmento interpessoal
Relacionalmento interpessoalRelacionalmento interpessoal
Relacionalmento interpessoal
Leandro Lopes
 
Grupos e Equipes
Grupos e EquipesGrupos e Equipes
Grupos e Equipes
JOSUE DIAS
 
história da psicologia social
história da psicologia social história da psicologia social
história da psicologia social
Josevânia Silva
 
Grupos
GruposGrupos
Curso psicologia do envelhecimento aula 1
Curso psicologia do envelhecimento   aula 1Curso psicologia do envelhecimento   aula 1
Curso psicologia do envelhecimento aula 1
Cuidar de Idosos
 
Dinâmica de grupo
Dinâmica de grupoDinâmica de grupo
Dinâmica de grupo
Mundus Esportivus
 
Grupo E Seus FenôMenos ContribuiçãO Da Psicologia
Grupo E Seus FenôMenos  ContribuiçãO Da PsicologiaGrupo E Seus FenôMenos  ContribuiçãO Da Psicologia
Grupo E Seus FenôMenos ContribuiçãO Da Psicologia
Silvia Marina Anaruma
 
Introdução à psicopatologia
Introdução à psicopatologiaIntrodução à psicopatologia
Introdução à psicopatologia
Caio Maximino
 
Motivacao
MotivacaoMotivacao
Motivacao
Ligia Coppetti
 
Relacionamento Interpessoal no Ambiente de Trabalho
Relacionamento Interpessoal no Ambiente de TrabalhoRelacionamento Interpessoal no Ambiente de Trabalho
Relacionamento Interpessoal no Ambiente de Trabalho
Luis Paulo Barros
 
Comunicação nas relações interpessoais
Comunicação nas relações interpessoaisComunicação nas relações interpessoais
Comunicação nas relações interpessoais
Falarte
 
Relacionamento interpessoal
Relacionamento interpessoalRelacionamento interpessoal
Relacionamento interpessoal
Nome Sobrenome
 
Teorias e técnicas psicoterápicas
Teorias e técnicas psicoterápicasTeorias e técnicas psicoterápicas
Teorias e técnicas psicoterápicas
MarceloSantos887
 
Psicologia do trabalho
Psicologia do trabalhoPsicologia do trabalho
Psicologia do trabalho
Hugo Cordeiro
 
Fundamentos de psicopatologia
Fundamentos de psicopatologiaFundamentos de psicopatologia
Fundamentos de psicopatologia
UNICEP
 
Psicologia da Saude
Psicologia da Saude Psicologia da Saude
Psicologia da Saude
Paulo Pedro P. R. Costa
 
Saúde mental e trabalho
Saúde mental e trabalhoSaúde mental e trabalho
Saúde mental e trabalho
Aroldo Gavioli
 
Habilidades sociais
Habilidades sociaisHabilidades sociais
Habilidades sociais
Edith Andrade
 
Psicologia Organizacional e do trabalho
Psicologia Organizacional e do trabalhoPsicologia Organizacional e do trabalho
Psicologia Organizacional e do trabalho
Fabianasantoss
 
Trabalho em equipe
Trabalho em equipeTrabalho em equipe
Trabalho em equipe
Fabrício Ottoni
 

Mais procurados (20)

Relacionalmento interpessoal
Relacionalmento interpessoalRelacionalmento interpessoal
Relacionalmento interpessoal
 
Grupos e Equipes
Grupos e EquipesGrupos e Equipes
Grupos e Equipes
 
história da psicologia social
história da psicologia social história da psicologia social
história da psicologia social
 
Grupos
GruposGrupos
Grupos
 
Curso psicologia do envelhecimento aula 1
Curso psicologia do envelhecimento   aula 1Curso psicologia do envelhecimento   aula 1
Curso psicologia do envelhecimento aula 1
 
Dinâmica de grupo
Dinâmica de grupoDinâmica de grupo
Dinâmica de grupo
 
Grupo E Seus FenôMenos ContribuiçãO Da Psicologia
Grupo E Seus FenôMenos  ContribuiçãO Da PsicologiaGrupo E Seus FenôMenos  ContribuiçãO Da Psicologia
Grupo E Seus FenôMenos ContribuiçãO Da Psicologia
 
Introdução à psicopatologia
Introdução à psicopatologiaIntrodução à psicopatologia
Introdução à psicopatologia
 
Motivacao
MotivacaoMotivacao
Motivacao
 
Relacionamento Interpessoal no Ambiente de Trabalho
Relacionamento Interpessoal no Ambiente de TrabalhoRelacionamento Interpessoal no Ambiente de Trabalho
Relacionamento Interpessoal no Ambiente de Trabalho
 
Comunicação nas relações interpessoais
Comunicação nas relações interpessoaisComunicação nas relações interpessoais
Comunicação nas relações interpessoais
 
Relacionamento interpessoal
Relacionamento interpessoalRelacionamento interpessoal
Relacionamento interpessoal
 
Teorias e técnicas psicoterápicas
Teorias e técnicas psicoterápicasTeorias e técnicas psicoterápicas
Teorias e técnicas psicoterápicas
 
Psicologia do trabalho
Psicologia do trabalhoPsicologia do trabalho
Psicologia do trabalho
 
Fundamentos de psicopatologia
Fundamentos de psicopatologiaFundamentos de psicopatologia
Fundamentos de psicopatologia
 
Psicologia da Saude
Psicologia da Saude Psicologia da Saude
Psicologia da Saude
 
Saúde mental e trabalho
Saúde mental e trabalhoSaúde mental e trabalho
Saúde mental e trabalho
 
Habilidades sociais
Habilidades sociaisHabilidades sociais
Habilidades sociais
 
Psicologia Organizacional e do trabalho
Psicologia Organizacional e do trabalhoPsicologia Organizacional e do trabalho
Psicologia Organizacional e do trabalho
 
Trabalho em equipe
Trabalho em equipeTrabalho em equipe
Trabalho em equipe
 

Semelhante a Teoria e técnica de dinâmica de grupo

Sessao 1 pso ecm d pl
Sessao 1 pso ecm d plSessao 1 pso ecm d pl
Sessao 1 pso ecm d pl
Andreecm
 
O Consumidor Na Sociedade Comportamento Do Consumidor Eliane Karsaklian
O Consumidor Na Sociedade     Comportamento Do Consumidor   Eliane KarsaklianO Consumidor Na Sociedade     Comportamento Do Consumidor   Eliane Karsaklian
O Consumidor Na Sociedade Comportamento Do Consumidor Eliane Karsaklian
mktmkt
 
Processos Grupais - Aula de Ética e Humanização em Saúde
Processos Grupais - Aula de  Ética e Humanização em SaúdeProcessos Grupais - Aula de  Ética e Humanização em Saúde
Processos Grupais - Aula de Ética e Humanização em Saúde
RejaneCamargo5
 
DINÂMICA de GRUPO.pptx
DINÂMICA de GRUPO.pptxDINÂMICA de GRUPO.pptx
Apostila relações interpessoais e ética profissional
Apostila relações interpessoais e ética profissionalApostila relações interpessoais e ética profissional
Apostila relações interpessoais e ética profissional
mgmedeiros
 
A organização como contexto social e desenvolvimento cognitivo
A organização como contexto social e desenvolvimento cognitivoA organização como contexto social e desenvolvimento cognitivo
A organização como contexto social e desenvolvimento cognitivo
Anderson Cássio Oliveira
 
12.2 relaes interpessoais
12.2 relaes interpessoais12.2 relaes interpessoais
12.2 relaes interpessoais
cleilza sales
 
Interação social e papéis sociais
Interação social e papéis sociaisInteração social e papéis sociais
Interação social e papéis sociais
turma12c
 
Din mica de_grupo__apostila
Din mica de_grupo__apostilaDin mica de_grupo__apostila
Din mica de_grupo__apostila
Solange Montosa
 
Apoio cp5 a_b
Apoio cp5 a_bApoio cp5 a_b
Apoio cp5 a_b
profisa70
 
Resumo Relações Interpessoais
Resumo Relações InterpessoaisResumo Relações Interpessoais
Resumo Relações Interpessoais
Jorge Barbosa
 
Resumo relações interpessoais
Resumo relações interpessoaisResumo relações interpessoais
Resumo relações interpessoais
Jorge Barbosa
 
Introdução ao Estudo do Indivíduo nos Grupos
Introdução ao Estudo do Indivíduo nos GruposIntrodução ao Estudo do Indivíduo nos Grupos
Introdução ao Estudo do Indivíduo nos Grupos
PROFIGESTÃO - Profissionais em Gestão de Empresas e Pessoas
 
Aula 01; Kurt Lewin (1).pptx
Aula 01; Kurt Lewin (1).pptxAula 01; Kurt Lewin (1).pptx
Aula 01; Kurt Lewin (1).pptx
FernandaFreitas36658
 
Curso de chefia e liderança parte 6/6
Curso de chefia e liderança   parte 6/6Curso de chefia e liderança   parte 6/6
Curso de chefia e liderança parte 6/6
ABCursos OnLine
 
Comportamento organizacional
Comportamento organizacionalComportamento organizacional
Comportamento organizacional
CarlaMedeiros47
 
As 5 etapas da transformação cultural
As 5 etapas da transformação culturalAs 5 etapas da transformação cultural
As 5 etapas da transformação cultural
MrioKojima
 
Interação Social
Interação SocialInteração Social
Interação Social
Ana Antunes
 
Atividade psicologia institucional e processo grupal cap 15
Atividade psicologia institucional e processo grupal   cap 15Atividade psicologia institucional e processo grupal   cap 15
Atividade psicologia institucional e processo grupal cap 15
Natália Paz
 
25 08-1022-56-47 adm-teleaula3_apresentacao
25 08-1022-56-47 adm-teleaula3_apresentacao25 08-1022-56-47 adm-teleaula3_apresentacao
25 08-1022-56-47 adm-teleaula3_apresentacao
digosdigos
 

Semelhante a Teoria e técnica de dinâmica de grupo (20)

Sessao 1 pso ecm d pl
Sessao 1 pso ecm d plSessao 1 pso ecm d pl
Sessao 1 pso ecm d pl
 
O Consumidor Na Sociedade Comportamento Do Consumidor Eliane Karsaklian
O Consumidor Na Sociedade     Comportamento Do Consumidor   Eliane KarsaklianO Consumidor Na Sociedade     Comportamento Do Consumidor   Eliane Karsaklian
O Consumidor Na Sociedade Comportamento Do Consumidor Eliane Karsaklian
 
Processos Grupais - Aula de Ética e Humanização em Saúde
Processos Grupais - Aula de  Ética e Humanização em SaúdeProcessos Grupais - Aula de  Ética e Humanização em Saúde
Processos Grupais - Aula de Ética e Humanização em Saúde
 
DINÂMICA de GRUPO.pptx
DINÂMICA de GRUPO.pptxDINÂMICA de GRUPO.pptx
DINÂMICA de GRUPO.pptx
 
Apostila relações interpessoais e ética profissional
Apostila relações interpessoais e ética profissionalApostila relações interpessoais e ética profissional
Apostila relações interpessoais e ética profissional
 
A organização como contexto social e desenvolvimento cognitivo
A organização como contexto social e desenvolvimento cognitivoA organização como contexto social e desenvolvimento cognitivo
A organização como contexto social e desenvolvimento cognitivo
 
12.2 relaes interpessoais
12.2 relaes interpessoais12.2 relaes interpessoais
12.2 relaes interpessoais
 
Interação social e papéis sociais
Interação social e papéis sociaisInteração social e papéis sociais
Interação social e papéis sociais
 
Din mica de_grupo__apostila
Din mica de_grupo__apostilaDin mica de_grupo__apostila
Din mica de_grupo__apostila
 
Apoio cp5 a_b
Apoio cp5 a_bApoio cp5 a_b
Apoio cp5 a_b
 
Resumo Relações Interpessoais
Resumo Relações InterpessoaisResumo Relações Interpessoais
Resumo Relações Interpessoais
 
Resumo relações interpessoais
Resumo relações interpessoaisResumo relações interpessoais
Resumo relações interpessoais
 
Introdução ao Estudo do Indivíduo nos Grupos
Introdução ao Estudo do Indivíduo nos GruposIntrodução ao Estudo do Indivíduo nos Grupos
Introdução ao Estudo do Indivíduo nos Grupos
 
Aula 01; Kurt Lewin (1).pptx
Aula 01; Kurt Lewin (1).pptxAula 01; Kurt Lewin (1).pptx
Aula 01; Kurt Lewin (1).pptx
 
Curso de chefia e liderança parte 6/6
Curso de chefia e liderança   parte 6/6Curso de chefia e liderança   parte 6/6
Curso de chefia e liderança parte 6/6
 
Comportamento organizacional
Comportamento organizacionalComportamento organizacional
Comportamento organizacional
 
As 5 etapas da transformação cultural
As 5 etapas da transformação culturalAs 5 etapas da transformação cultural
As 5 etapas da transformação cultural
 
Interação Social
Interação SocialInteração Social
Interação Social
 
Atividade psicologia institucional e processo grupal cap 15
Atividade psicologia institucional e processo grupal   cap 15Atividade psicologia institucional e processo grupal   cap 15
Atividade psicologia institucional e processo grupal cap 15
 
25 08-1022-56-47 adm-teleaula3_apresentacao
25 08-1022-56-47 adm-teleaula3_apresentacao25 08-1022-56-47 adm-teleaula3_apresentacao
25 08-1022-56-47 adm-teleaula3_apresentacao
 

Último

Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Érika Rufo
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
livrosjovert
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
eaiprofpolly
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
PatriciaZanoli
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
WelberMerlinCardoso
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
cmeioctaciliabetesch
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
AntnioManuelAgdoma
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
ValdineyRodriguesBez1
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
CarinaSantos916505
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
JoeteCarvalho
 

Último (20)

Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
 

Teoria e técnica de dinâmica de grupo

  • 1. Free Powerpoint Templates TEORIAS E TÉCNICAS DE GRUPOS Prof. Maria Sara de Lima Dias
  • 2. Grupos, organizações e instituições • A vida humana é grupal, está relacionada a estar sempre em convivência com o outro, sendo assim é necessária que existam regras para que a vida em grupo se torne possível. • Às vezes um comportamento pode se manifestar inadequado em um determinado contexto, porque o seu emissor estava utilizando como referência um grupo distinto àquele com o qual está interagindo momentaneamente.
  • 3. O ser humano tem necessidades fisiológicas, psicológicas, sociais e espirituais que devem ser satisfeitas para que sobreviva. Sua capacidade de adaptação ao meio ambiente, que está em constante mudança, depende de sua habilidade em identificar, examinar e enfrentar problemas. Essa capacidade varia de indivíduo para indivíduo e em um mesmo indivíduo, de época para época.
  • 4. CHAVES; IDE (1995) definem identidade social como o conjunto de cognições que o indivíduo tem sobre si mesmo, decorrentes do relacionamento com as outras pessoas, ou a resposta que se dá às perguntas: "quem sou eu"?. "quem é você?" e "quem é êle?'. Consideram que dentre as necessidades psicosociais básicas, a estima é a que se relaciona mais diretamente com a identidade social, por implicar na avaliação da pessoa e no contato com seus semelhantes. IDENTIDADE SOCIAL
  • 5. Grupo de referência Aquele no qual o indivíduo é motivado a manter relações. Quando um grupo de relações (p.ex. colegas de trabalho), torna-se um grupo de referência, este passa a desempenhar um papel normativo no comportamento do indivíduo. Vale salientar, ainda, que um grupo normativo tem a função de imprimir aos seus membros valores e normas amplamente compartilhadas pela sociedade. ( Zanelli, BorgesAndrade, Bastos e Cols. P.358)
  • 6. Definição e características dos grupos Embora todos conheçamos grupos e pertençamos a vários deles, é mais fácil descrever um grupo que defini-lo. Uma definição que tem se mostrado adequada é a de que um grupo é um conjunto formado por duas ou mais pessoas que para atingir determinado(s) objetivo(s) necessita algum tipo de interação, durante um intervalo de tempo relativamente longo, sem o qual seria mais difícil ou impossível obter o êxito desejado. Ou dito de outro modo, um conjunto de pessoas se caracterizará mais fortemente como grupo segundo as seguintes condições: a) quanto menor for o número de seus membros; b) quanto maior for a interação entre os seus membros; c) quanto maior for a sua história e d) quanto mais perspectiva de futuro partilhado seja percebido pelos seus membros. Definições funcionais que pretendem apenas compreender o processo que se estabelece em uma relação na qual se pode dizer que existe um grupo.
  • 7. GRUPO SOCIAL Conjunto de indivíduos que interagem uns com os outros durante certo período de tempo. Se dividem em : • Grupos primários - família, amigos, amigos de infância, de escola, ou seja, pessoas com quem o indivíduo interaja mais pessoalmente. • Grupos Secundários - Colegas em geral, vizinhos, professores, patrões, motoristas, secretárias, ou seja, pessoas que o indivíduo trata de maneira impessoal por não ter pouco ou nenhum contato íntimo, restrito.
  • 8. Características dos grupos  Normas  Pertencer ao grupo implica em se submeter às suas regras e normas. Para isto são também estabelecidos prêmios e castigos.  As organizações não fogem à regra, ali também os grupos existem e constituem a matéria prima do seu desenvolvimento.  Em duas organizações que têm mesmo objetivo, como dois colégios, duas lojas comerciais ou duas fábricas de automóveis, muitas vezes o que vai diferenciar uma da outra é a maneira como as normas grupais foram estabelecidas.
  • 9. Todos esses componentes influem na definição de normas de funcionamento e concomitante estabelecimento do clima do grupo. Pessoas valores Filosofia e orientação de vida Conhecimento mutuo Base para Normas coletivas, tácitas e explicitas na dinamica
  • 10. Funcionamento do Grupo Comportamento grupal Desempenho grupal Produtos individuais Valores Normas Sentimentos Cultura do grupo Clima do grupo Objetivos Motivação Comunicação Processo decisório Relacionamento Liderança Inovação Individualização Sinergia Produtividade Satisfação
  • 11. Interação grupo x comportamento • Em que medida o seu comportamento representa a sua individualidade ou reflete as características do seu grupo. • São as duas coisas. Somos fruto de nossa personalidade, porém somos ao mesmo tempo resultado da interação dessa personalidade com os grupos a que pertencemos, aos quais valoramos. • Todos queremos aparecer bem ante os demais. A questão é que não a todos os demais e sim àqueles que elegemos como mais importantes para nós.
  • 12. O grupo é maior do que os indivíduos • Para administrar pessoas, possuir uma visão global ou sistêmica é o caminho mais adequado para conseguir estabelecer padrões de comportamento desejáveis em uma organização. • Compreendendo que os grupos existem, que estabelecem normas de convivência e que estas normas podem ir a favor ou em contra dos objetivos organizacionais.
  • 13. Dinâmica dos Grupos • A expressão “Dinâmica de Grupo” foi criada por Kurt Lewin, ele utilizou pela primeira vez este termo em meados dos anos 40. • Para Lewin toda dinâmica de grupo é a resultante do conjunto das interações no interior de um espaço psico-social • A explicação dos fenômenos grupais não está nos aspectos singulares dos elementos, mas nas múltiplas interações que se produzem entre os elementos da situação social, assim como no próprio momento em que são observados e interpretados • O ambiente social contribui para a formação e transformação das atitudes coletivas favorecendo, ou inibindo, as tendências sociais já adquiridas
  • 14. Influência social Os anos iniciais do século passado foram tomados por enormes discussões entre os sociólogos e psicólogos de então sobre se de fato existiam os grupos, se estes eram determinantes para o comportamento; se existia alguma entidade supra-individual formada pela interação entre os indivíduos, ou se os indivíduos eram quem determinavam em última instância os comportamentos.
  • 15. Influência social Variavam as opiniões de um extremo a outro. Alguns defendiam que a sociedade era basicamente constituída por grupos, e que seria a partir desses grupos que se poderia modificá-la de maneira a ser mais ética, justa e equilibrada; ou que os grupos constituíram uma espécie de força própria, de consciência coletiva que suplantaria, em determinadas circunstâncias a consciência individual, como Dukheim, Tarde, Le Bon e McDougall ou, como se posicionava Floyd Allport. No outro extremo, se existia unicamente o indivíduo e como tal todo o comportamento e toda a sociedade somente poderia ser explicada através dele, considerando o seu processo de aprendizagem, individual e intransferível (Álvaro, & Garrido,2003).
  • 16. • McDougall (1987) chama atenção para o contraditório que existe na participação na vida grupal, já que, se por um lado degrada a pessoa, como afirmava Le Bon, por outro a eleva a sua máxima potencialidade como ser humano. • McDougall pensa encontrar na organização do grupo a solução. Quando o grupo está organizado, e não é simplesmente uma multidão, as tendências degradantes são minimizadas.
  • 17. • Segundo Morales (1994) um grupo de teóricos pré- experimentais cujos expoentes principais foram LeBon, McDougall e Freud, defendia que os grupos se caracterizam realmente por uma psicologia diferente, impossível de reduzir à psicologia do membro individual mas igualmente real. Postulavam alguma versão da idéia segundo a qual nos contextos grupais ou coletivos os indivíduos eram possuídos por uma mente de grupo que transformava de forma qualitativa sua psicologia e sua conduta.
  • 18. Poder e influencia dos grupos • Pressões de uniformidade se exercem mediante a interação social na qual os membros tentam modificar suas crenças, atitudes e ações de forma mútua. • Existe um jogo de papeis • Haverá sempre uma dinâmica própria de poder que é a contradição entre a mudança e a resistência a mudança.
  • 19. Processos implicados no rendimento grupal. • O sentimento de pertença , de ser importante, de ter um grupo de amigos com objetivos comuns é provavelmente um conjunto de variáveis que pode influenciar definitivamente o exito ou o fracasso de um empreendimento.
  • 20. No Brasil este termo foi utilizado pelo Prof. Pierre Weil em 1960 o qual introduziu o Laboratório de Sensibilidade Social, com objetivo desenvolver a qualidade de atuação do indivíduo como membro de um grupo e como lider.
  • 21. “Grupo” ? Durante as técnicas de dinâmica de grupo estes fatores emergem o tempo todo e é importante entender que sob este aspecto não há certo ou errado. O indivíduo vem para o grupo com todas os seus “aspectos” individuais.
  • 22. Podemos dizer que é um instrumento que põe em movimento um grupo de pessoas através de situações de ensaios da realidade, que permitirão expressões espontâneas de sentimentos e atitudes, muitas vezes levando a pessoa a uma melhor compreensão de sí mesma. O que é uma técnica de dinâmica de Grupo?
  • 23. Técnica de Dinâmica de Grupo O aspecto ludico nos remete a espontaneidade, ao improviso e ao ensaio da realidade. Favorece a expressão espontânea das pessoas, o que nos permite a observação de atitudes com menor probabilidade de simulação.