SlideShare uma empresa Scribd logo
BRASIL
COLONIAL:
SOCIEDADE
AÇUCAREIRA
PROFESSORA: NÍVIA SALES
CCI/HISTÓRIA/POSITIVO
AÇÚCAR
Causar boa impressão
Altos cargos
Agradar alguém
Mercadoria
-Rara
- Medicinal
Quase peso de ouro
ECONOMIA AÇUCAREIRA
 Portugal dominou as ilhas atlânticas
da Madeira e de São Tomé, a mesma
experiência foi adotada na América no
XVI.
 Auge produção XVI e XVII.
 Nordeste (BA e PE). Litoral.
 Solo e clima favoráveis.
 Mercado consumidor/Alto valor na
Europa.
 Participação de capital holandês:
financiamento da produção,
 Transporte, refino e distribuição na
Europa.
A SOCIEDADE AÇUCAREIRA
 Homem exercia um intenso controle sobre a mulher, os filhos e demais pessoas que
vivessem na residência;
 Não era o único padrão de organização familiar;
 Os arranjos variavam conforme a riqueza dos cônjuges e o local onde viviam;
 Muitas famílias eram chefiadas por mulheres e muitos casais coabitavam sem nunca
terem casado na igreja.
 Muitos homens deixavam a família no reino e acabavam se casando novamente nas
colônias;
 O concubinato não foi sacramentado pela igreja, no entanto, casar era caro.
 Nas famílias dos proprietários de engenhos, o patriarcalismo tinha características bem
definidas:
 Chefe era o dono da terra, dos escravos e da vida de todos;
 Escolhia com quem os filhos/as se casariam.
ESCRAVIDÃO AFRICANA
ESCRAVIDÃO AFRICANA
 Predominante nas regiões
agroexportadoras, no nordeste
açucareiro (séc.XVII) mineração
(séc.XVIII).
 Mais escravos homens, dificultando a
formação de casais que pudessem ter
filho e formar famílias.
 Inicialmente acreditou-se que a
escravidão era branda;
 Mas houveram muitas resistências,
como: fugas, assassinatos, suicídio,
quebra de instrumentos e atear fogo nas
fazendas.
 A negociação cotidiana fazia parte das
relações entre senhores e escravizados.
ESCRAVIDÃO AFRICANA
 A longevidade da escravidão
explica o fato de que qualquer
pessoa podia ter posse de
escravizados.
 Nos engenhos (PLANTATION)
maior número de escravizados;
 Pulverização nas zonas de
abastecimento e nas cidades;
 Ter escravos concedia status;
 Tráfico era um negocio lucrativo.
Propiciando o comercio triangular.
COMÉRCIO INTERNO
 O avanço da colônia, gerou o estabelecimento de
muitas famílias e a formação de vilas e cidades;
 O comércio interno passou a se desenvolver para
suprir as necessidades dos colonos.
 Criação de gado a principio nos engenhos;
 1701, um decreto real, determinou a
transferência das fazendas de criação de gado
para o interior;
 Separação das fazendas de produção e cana e
as fazendas de criação de gado.
 Sul surgirão fazendas de criação de gado. Que
comercializavam no sudeste.
COMÉRCIO INTERNO
 O tabaco era produzido e enviado para à Europa e
servia de moeda de troca para a compra de
escravizados na África.
 Nas vilas surgiram hortas e outras criações, que
abasteciam o comercio local.
 As expedições bandeirantes contribuíram para a
exploração e interiorização da colônia. (busca de
indígenas, plantas medicinais, e especialmente ouro
e prata). Para uns heróis, para outros vilões.
 A responsabilização dos jesuítas pela dizimação dos
povos nativos decorre do fato de que os
bandeirantes abriram caminho para que outros
grupos exploradores partissem para o interior da
colônia. (apresar e escravizar)
CHEGADA DOS FRANCESES E HOLANDESES
Outros reinos europeus não reconheceram as decisões do Tratado e
passaram a promover invasões às terras americanas.
FRANCESES NO BRASIL (1555)
RIO DE JANEIRO
(Baía de Guanabara)
Nicolau Durant
Motivados pelo:
- pau-brasil
- Novas riquezas
- Refúgio religioso
Foram expulsos em 1567 fundaram São
Sebastião do RJ (França Antártica)
2ª tentativa de estabelecimento foi 1612, no
Maranhão (França Equinocial)
Estabeleceram relações com os índios
Tupinambás
Sob a liderança de Daniel La toucje e padres capuchinos
fundaram o Forte São Luís. Foram expulsos em 1615.
Brasil colonial sociedade açucareira
Brasil colonial sociedade açucareira
Brasil colonial sociedade açucareira
Brasil colonial sociedade açucareira
Brasil colonial sociedade açucareira
Brasil colonial sociedade açucareira

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Primeiro Reinado (1822-1831)
Primeiro Reinado (1822-1831)Primeiro Reinado (1822-1831)
Primeiro Reinado (1822-1831)
Edenilson Morais
 
2° ano - Brasil Império: Segundo Reinado
2° ano  - Brasil Império: Segundo Reinado2° ano  - Brasil Império: Segundo Reinado
2° ano - Brasil Império: Segundo Reinado
Daniel Alves Bronstrup
 
Revisão 6º ano ASSUNTO : Roma Antiga
Revisão 6º ano ASSUNTO : Roma AntigaRevisão 6º ano ASSUNTO : Roma Antiga
Revisão 6º ano ASSUNTO : Roma Antiga
Janaína Bindá
 
Independência dos EUA
Independência dos EUAIndependência dos EUA
Independência dos EUA
Portal do Vestibulando
 
O brasil na primeira republica
O brasil na primeira republicaO brasil na primeira republica
O brasil na primeira republica
Simone P Baldissera
 
República velha
República velhaRepública velha
República velha
Elaine Bogo Pavani
 
Primeiro reinado
Primeiro reinadoPrimeiro reinado
Primeiro reinado
Ramiro Bicca
 
Redemocratização brasil
Redemocratização brasilRedemocratização brasil
Redemocratização brasil
Fabiana Tonsis
 
Capitanias hereditárias
Capitanias hereditáriasCapitanias hereditárias
Capitanias hereditárias
Creusa Lima
 
Sociedade açucareira
Sociedade açucareiraSociedade açucareira
Sociedade açucareira
Loredana Ruffo
 
3º ano Segunda Guerra Mundial (1939 – 1945)
3º ano   Segunda Guerra Mundial (1939 – 1945)3º ano   Segunda Guerra Mundial (1939 – 1945)
3º ano Segunda Guerra Mundial (1939 – 1945)
Daniel Alves Bronstrup
 
Grandes navegações
Grandes navegaçõesGrandes navegações
Grandes navegações
Fabiana Tonsis
 
Era Napoleônica
Era NapoleônicaEra Napoleônica
Era Napoleônica
Douglas Barraqui
 
República Oligárquica
República OligárquicaRepública Oligárquica
República Oligárquica
Portal do Vestibulando
 
3º ano - Ditadura Militar e Redemocratização
3º ano - Ditadura Militar e Redemocratização3º ano - Ditadura Militar e Redemocratização
3º ano - Ditadura Militar e Redemocratização
Daniel Alves Bronstrup
 
Brasil expansão territorial
Brasil expansão territorialBrasil expansão territorial
Ciclo do ouro
Ciclo do ouroCiclo do ouro
Primeiro Reinado
Primeiro ReinadoPrimeiro Reinado
Primeiro Reinado
Claudenilson da Silva
 
Aula revolução industrial
Aula revolução industrialAula revolução industrial
Aula revolução industrial
Marcos Azevedo
 
Imperialismo
ImperialismoImperialismo
Imperialismo
eiprofessor
 

Mais procurados (20)

Primeiro Reinado (1822-1831)
Primeiro Reinado (1822-1831)Primeiro Reinado (1822-1831)
Primeiro Reinado (1822-1831)
 
2° ano - Brasil Império: Segundo Reinado
2° ano  - Brasil Império: Segundo Reinado2° ano  - Brasil Império: Segundo Reinado
2° ano - Brasil Império: Segundo Reinado
 
Revisão 6º ano ASSUNTO : Roma Antiga
Revisão 6º ano ASSUNTO : Roma AntigaRevisão 6º ano ASSUNTO : Roma Antiga
Revisão 6º ano ASSUNTO : Roma Antiga
 
Independência dos EUA
Independência dos EUAIndependência dos EUA
Independência dos EUA
 
O brasil na primeira republica
O brasil na primeira republicaO brasil na primeira republica
O brasil na primeira republica
 
República velha
República velhaRepública velha
República velha
 
Primeiro reinado
Primeiro reinadoPrimeiro reinado
Primeiro reinado
 
Redemocratização brasil
Redemocratização brasilRedemocratização brasil
Redemocratização brasil
 
Capitanias hereditárias
Capitanias hereditáriasCapitanias hereditárias
Capitanias hereditárias
 
Sociedade açucareira
Sociedade açucareiraSociedade açucareira
Sociedade açucareira
 
3º ano Segunda Guerra Mundial (1939 – 1945)
3º ano   Segunda Guerra Mundial (1939 – 1945)3º ano   Segunda Guerra Mundial (1939 – 1945)
3º ano Segunda Guerra Mundial (1939 – 1945)
 
Grandes navegações
Grandes navegaçõesGrandes navegações
Grandes navegações
 
Era Napoleônica
Era NapoleônicaEra Napoleônica
Era Napoleônica
 
República Oligárquica
República OligárquicaRepública Oligárquica
República Oligárquica
 
3º ano - Ditadura Militar e Redemocratização
3º ano - Ditadura Militar e Redemocratização3º ano - Ditadura Militar e Redemocratização
3º ano - Ditadura Militar e Redemocratização
 
Brasil expansão territorial
Brasil expansão territorialBrasil expansão territorial
Brasil expansão territorial
 
Ciclo do ouro
Ciclo do ouroCiclo do ouro
Ciclo do ouro
 
Primeiro Reinado
Primeiro ReinadoPrimeiro Reinado
Primeiro Reinado
 
Aula revolução industrial
Aula revolução industrialAula revolução industrial
Aula revolução industrial
 
Imperialismo
ImperialismoImperialismo
Imperialismo
 

Semelhante a Brasil colonial sociedade açucareira

América Portuguesa
América PortuguesaAmérica Portuguesa
América Portuguesa
Vinicius Yamachita
 
Brasil colonia
Brasil coloniaBrasil colonia
Brasil colonia
Giselle Lira
 
Capitulo 7
Capitulo 7Capitulo 7
Capitulo 7
Lídia Barreto
 
Brasil síntese histórica
Brasil síntese históricaBrasil síntese histórica
Brasil síntese histórica
AEDFL
 
Brasil Colônia II
Brasil Colônia IIBrasil Colônia II
Brasil Colônia II
José Augusto Fiorin
 
Portugal no século xIII reformulado acordo ortográfico
Portugal no século xIII reformulado acordo ortográficoPortugal no século xIII reformulado acordo ortográfico
Portugal no século xIII reformulado acordo ortográfico
Ana Pereira
 
Governo Geral, Açúcar e Invasões Holandesas
Governo Geral, Açúcar e Invasões HolandesasGoverno Geral, Açúcar e Invasões Holandesas
Governo Geral, Açúcar e Invasões Holandesas
Valéria Shoujofan
 
Brasil colônia
Brasil colôniaBrasil colônia
Brasil colônia
Ana Carolina
 
Brasil Colônia.pdf
Brasil Colônia.pdfBrasil Colônia.pdf
Brasil Colônia.pdf
OFilhodoArqueiro
 
brasil colônia
brasil colônia brasil colônia
brasil colônia
IsadoraPaulino2
 
Brasil colnia
Brasil colniaBrasil colnia
Brasil colnia
Gregorio Neto
 
O império português do oriente parte 5
O império português do oriente  parte 5O império português do oriente  parte 5
O império português do oriente parte 5
anabelasilvasobral
 
Colonização das américas
Colonização das américasColonização das américas
Colonização das américas
harlissoncarvalho
 
Sociedades mineiras
Sociedades mineirasSociedades mineiras
Sociedades mineiras
tyromello
 
Sistema e economia colonial parte 1
Sistema e economia colonial parte 1Sistema e economia colonial parte 1
Sistema e economia colonial parte 1
Eliphas Rodrigues
 
Brasil colonia 2
Brasil colonia 2 Brasil colonia 2
Brasil colonia 2
Marcelo Ferreira Boia
 
Brasil colnia 2
Brasil colnia 2 Brasil colnia 2
Brasil colnia 2
Marcelo Ferreira Boia
 
América portuguesa
América portuguesaAmérica portuguesa
América portuguesa
Simone Gomes
 
Brasil Colônia
Brasil ColôniaBrasil Colônia
Brasil Colônia
arirodriguess
 
Brasil Colônia
Brasil ColôniaBrasil Colônia
Brasil Colônia
ariirodriguees
 

Semelhante a Brasil colonial sociedade açucareira (20)

América Portuguesa
América PortuguesaAmérica Portuguesa
América Portuguesa
 
Brasil colonia
Brasil coloniaBrasil colonia
Brasil colonia
 
Capitulo 7
Capitulo 7Capitulo 7
Capitulo 7
 
Brasil síntese histórica
Brasil síntese históricaBrasil síntese histórica
Brasil síntese histórica
 
Brasil Colônia II
Brasil Colônia IIBrasil Colônia II
Brasil Colônia II
 
Portugal no século xIII reformulado acordo ortográfico
Portugal no século xIII reformulado acordo ortográficoPortugal no século xIII reformulado acordo ortográfico
Portugal no século xIII reformulado acordo ortográfico
 
Governo Geral, Açúcar e Invasões Holandesas
Governo Geral, Açúcar e Invasões HolandesasGoverno Geral, Açúcar e Invasões Holandesas
Governo Geral, Açúcar e Invasões Holandesas
 
Brasil colônia
Brasil colôniaBrasil colônia
Brasil colônia
 
Brasil Colônia.pdf
Brasil Colônia.pdfBrasil Colônia.pdf
Brasil Colônia.pdf
 
brasil colônia
brasil colônia brasil colônia
brasil colônia
 
Brasil colnia
Brasil colniaBrasil colnia
Brasil colnia
 
O império português do oriente parte 5
O império português do oriente  parte 5O império português do oriente  parte 5
O império português do oriente parte 5
 
Colonização das américas
Colonização das américasColonização das américas
Colonização das américas
 
Sociedades mineiras
Sociedades mineirasSociedades mineiras
Sociedades mineiras
 
Sistema e economia colonial parte 1
Sistema e economia colonial parte 1Sistema e economia colonial parte 1
Sistema e economia colonial parte 1
 
Brasil colonia 2
Brasil colonia 2 Brasil colonia 2
Brasil colonia 2
 
Brasil colnia 2
Brasil colnia 2 Brasil colnia 2
Brasil colnia 2
 
América portuguesa
América portuguesaAmérica portuguesa
América portuguesa
 
Brasil Colônia
Brasil ColôniaBrasil Colônia
Brasil Colônia
 
Brasil Colônia
Brasil ColôniaBrasil Colônia
Brasil Colônia
 

Mais de Nívia Sales

Brasil colonial sociedade mineira
Brasil colonial sociedade mineiraBrasil colonial sociedade mineira
Brasil colonial sociedade mineira
Nívia Sales
 
Revoluçao industrial
Revoluçao industrialRevoluçao industrial
Revoluçao industrial
Nívia Sales
 
Cultura e sociedade década de 1950 a 1980
Cultura e sociedade década de 1950 a 1980Cultura e sociedade década de 1950 a 1980
Cultura e sociedade década de 1950 a 1980
Nívia Sales
 
Movimentos comunistas
Movimentos comunistasMovimentos comunistas
Movimentos comunistas
Nívia Sales
 
Descolonização da áfrica e da ásia
Descolonização da áfrica e da ásiaDescolonização da áfrica e da ásia
Descolonização da áfrica e da ásia
Nívia Sales
 
Descolonização da áfrica e da ásia
Descolonização da áfrica e da ásiaDescolonização da áfrica e da ásia
Descolonização da áfrica e da ásia
Nívia Sales
 
REVOLUÇÃO MEXICANA
REVOLUÇÃO MEXICANAREVOLUÇÃO MEXICANA
REVOLUÇÃO MEXICANA
Nívia Sales
 
CCI/HISTÓRIA-Hebreus, Fenícios e Persas
CCI/HISTÓRIA-Hebreus, Fenícios e PersasCCI/HISTÓRIA-Hebreus, Fenícios e Persas
CCI/HISTÓRIA-Hebreus, Fenícios e Persas
Nívia Sales
 
ILUMINISMO
ILUMINISMOILUMINISMO
ILUMINISMO
Nívia Sales
 
APRESENTAÇÃO DOS ASSESSORES DE CURRÍCULO
APRESENTAÇÃO DOS ASSESSORES DE CURRÍCULOAPRESENTAÇÃO DOS ASSESSORES DE CURRÍCULO
APRESENTAÇÃO DOS ASSESSORES DE CURRÍCULO
Nívia Sales
 
Iniciação cientifica no ensino de história
Iniciação cientifica no ensino de históriaIniciação cientifica no ensino de história
Iniciação cientifica no ensino de história
Nívia Sales
 
Iniviação cientifica no ensino de história
Iniviação cientifica no ensino de históriaIniviação cientifica no ensino de história
Iniviação cientifica no ensino de história
Nívia Sales
 
Projeto c..
Projeto c..Projeto c..
Projeto c..
Nívia Sales
 
Matematica e o meio ambiente
Matematica e o meio ambienteMatematica e o meio ambiente
Matematica e o meio ambiente
Nívia Sales
 
Matematica e o meio ambiente
Matematica e o meio ambienteMatematica e o meio ambiente
Matematica e o meio ambiente
Nívia Sales
 
Iniciação científica um salto para a ciência
Iniciação científica um salto para a ciênciaIniciação científica um salto para a ciência
Iniciação científica um salto para a ciência
Nívia Sales
 
Ideias de projetos de ciencias
Ideias de projetos de cienciasIdeias de projetos de ciencias
Ideias de projetos de ciencias
Nívia Sales
 
Feirasde cienciasparaqueserveme
Feirasde cienciasparaqueservemeFeirasde cienciasparaqueserveme
Feirasde cienciasparaqueserveme
Nívia Sales
 
MATERIAL PARA ESTUDO
MATERIAL PARA ESTUDOMATERIAL PARA ESTUDO
MATERIAL PARA ESTUDO
Nívia Sales
 

Mais de Nívia Sales (19)

Brasil colonial sociedade mineira
Brasil colonial sociedade mineiraBrasil colonial sociedade mineira
Brasil colonial sociedade mineira
 
Revoluçao industrial
Revoluçao industrialRevoluçao industrial
Revoluçao industrial
 
Cultura e sociedade década de 1950 a 1980
Cultura e sociedade década de 1950 a 1980Cultura e sociedade década de 1950 a 1980
Cultura e sociedade década de 1950 a 1980
 
Movimentos comunistas
Movimentos comunistasMovimentos comunistas
Movimentos comunistas
 
Descolonização da áfrica e da ásia
Descolonização da áfrica e da ásiaDescolonização da áfrica e da ásia
Descolonização da áfrica e da ásia
 
Descolonização da áfrica e da ásia
Descolonização da áfrica e da ásiaDescolonização da áfrica e da ásia
Descolonização da áfrica e da ásia
 
REVOLUÇÃO MEXICANA
REVOLUÇÃO MEXICANAREVOLUÇÃO MEXICANA
REVOLUÇÃO MEXICANA
 
CCI/HISTÓRIA-Hebreus, Fenícios e Persas
CCI/HISTÓRIA-Hebreus, Fenícios e PersasCCI/HISTÓRIA-Hebreus, Fenícios e Persas
CCI/HISTÓRIA-Hebreus, Fenícios e Persas
 
ILUMINISMO
ILUMINISMOILUMINISMO
ILUMINISMO
 
APRESENTAÇÃO DOS ASSESSORES DE CURRÍCULO
APRESENTAÇÃO DOS ASSESSORES DE CURRÍCULOAPRESENTAÇÃO DOS ASSESSORES DE CURRÍCULO
APRESENTAÇÃO DOS ASSESSORES DE CURRÍCULO
 
Iniciação cientifica no ensino de história
Iniciação cientifica no ensino de históriaIniciação cientifica no ensino de história
Iniciação cientifica no ensino de história
 
Iniviação cientifica no ensino de história
Iniviação cientifica no ensino de históriaIniviação cientifica no ensino de história
Iniviação cientifica no ensino de história
 
Projeto c..
Projeto c..Projeto c..
Projeto c..
 
Matematica e o meio ambiente
Matematica e o meio ambienteMatematica e o meio ambiente
Matematica e o meio ambiente
 
Matematica e o meio ambiente
Matematica e o meio ambienteMatematica e o meio ambiente
Matematica e o meio ambiente
 
Iniciação científica um salto para a ciência
Iniciação científica um salto para a ciênciaIniciação científica um salto para a ciência
Iniciação científica um salto para a ciência
 
Ideias de projetos de ciencias
Ideias de projetos de cienciasIdeias de projetos de ciencias
Ideias de projetos de ciencias
 
Feirasde cienciasparaqueserveme
Feirasde cienciasparaqueservemeFeirasde cienciasparaqueserveme
Feirasde cienciasparaqueserveme
 
MATERIAL PARA ESTUDO
MATERIAL PARA ESTUDOMATERIAL PARA ESTUDO
MATERIAL PARA ESTUDO
 

Último

MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
GracinhaSantos6
 
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdfConcurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
TathyLopes1
 
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidadeAula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
AlessandraRibas7
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Mary Alvarenga
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
ProfessoraTatianaT
 
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
HelenStefany
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
beatrizsilva525654
 
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdfAula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
vitorreissouzasilva
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
joaresmonte3
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de GeografiaAula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
WELTONROBERTOFREITAS
 
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTALPlanejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
katbrochier1
 
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptxTREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
erssstcontato
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
ARIADNEMARTINSDACRUZ
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
AlineOliveira625820
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
ANDRÉA FERREIRA
 
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
SidneySilva523387
 

Último (20)

MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
 
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdfConcurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
 
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidadeAula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
 
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
 
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdfAula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de GeografiaAula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
 
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTALPlanejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
 
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptxTREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
 
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
 

Brasil colonial sociedade açucareira

  • 2.
  • 3. AÇÚCAR Causar boa impressão Altos cargos Agradar alguém Mercadoria -Rara - Medicinal Quase peso de ouro
  • 4.
  • 5. ECONOMIA AÇUCAREIRA  Portugal dominou as ilhas atlânticas da Madeira e de São Tomé, a mesma experiência foi adotada na América no XVI.  Auge produção XVI e XVII.  Nordeste (BA e PE). Litoral.  Solo e clima favoráveis.  Mercado consumidor/Alto valor na Europa.  Participação de capital holandês: financiamento da produção,  Transporte, refino e distribuição na Europa.
  • 6.
  • 7.
  • 8. A SOCIEDADE AÇUCAREIRA  Homem exercia um intenso controle sobre a mulher, os filhos e demais pessoas que vivessem na residência;  Não era o único padrão de organização familiar;  Os arranjos variavam conforme a riqueza dos cônjuges e o local onde viviam;  Muitas famílias eram chefiadas por mulheres e muitos casais coabitavam sem nunca terem casado na igreja.  Muitos homens deixavam a família no reino e acabavam se casando novamente nas colônias;  O concubinato não foi sacramentado pela igreja, no entanto, casar era caro.  Nas famílias dos proprietários de engenhos, o patriarcalismo tinha características bem definidas:  Chefe era o dono da terra, dos escravos e da vida de todos;  Escolhia com quem os filhos/as se casariam.
  • 10. ESCRAVIDÃO AFRICANA  Predominante nas regiões agroexportadoras, no nordeste açucareiro (séc.XVII) mineração (séc.XVIII).  Mais escravos homens, dificultando a formação de casais que pudessem ter filho e formar famílias.  Inicialmente acreditou-se que a escravidão era branda;  Mas houveram muitas resistências, como: fugas, assassinatos, suicídio, quebra de instrumentos e atear fogo nas fazendas.  A negociação cotidiana fazia parte das relações entre senhores e escravizados.
  • 11.
  • 12. ESCRAVIDÃO AFRICANA  A longevidade da escravidão explica o fato de que qualquer pessoa podia ter posse de escravizados.  Nos engenhos (PLANTATION) maior número de escravizados;  Pulverização nas zonas de abastecimento e nas cidades;  Ter escravos concedia status;  Tráfico era um negocio lucrativo. Propiciando o comercio triangular.
  • 13.
  • 14.
  • 15.
  • 16. COMÉRCIO INTERNO  O avanço da colônia, gerou o estabelecimento de muitas famílias e a formação de vilas e cidades;  O comércio interno passou a se desenvolver para suprir as necessidades dos colonos.  Criação de gado a principio nos engenhos;  1701, um decreto real, determinou a transferência das fazendas de criação de gado para o interior;  Separação das fazendas de produção e cana e as fazendas de criação de gado.  Sul surgirão fazendas de criação de gado. Que comercializavam no sudeste.
  • 17. COMÉRCIO INTERNO  O tabaco era produzido e enviado para à Europa e servia de moeda de troca para a compra de escravizados na África.  Nas vilas surgiram hortas e outras criações, que abasteciam o comercio local.  As expedições bandeirantes contribuíram para a exploração e interiorização da colônia. (busca de indígenas, plantas medicinais, e especialmente ouro e prata). Para uns heróis, para outros vilões.  A responsabilização dos jesuítas pela dizimação dos povos nativos decorre do fato de que os bandeirantes abriram caminho para que outros grupos exploradores partissem para o interior da colônia. (apresar e escravizar)
  • 18. CHEGADA DOS FRANCESES E HOLANDESES Outros reinos europeus não reconheceram as decisões do Tratado e passaram a promover invasões às terras americanas.
  • 19. FRANCESES NO BRASIL (1555) RIO DE JANEIRO (Baía de Guanabara) Nicolau Durant Motivados pelo: - pau-brasil - Novas riquezas - Refúgio religioso Foram expulsos em 1567 fundaram São Sebastião do RJ (França Antártica) 2ª tentativa de estabelecimento foi 1612, no Maranhão (França Equinocial) Estabeleceram relações com os índios Tupinambás Sob a liderança de Daniel La toucje e padres capuchinos fundaram o Forte São Luís. Foram expulsos em 1615.