3° ano - Brasil colônia - aula 3 e 4 - apostila 1 c

6.988 visualizações

Publicada em

Prof° Daniel Bronstrup - Colégio Murialdo, Araranguá/SC.

0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
6.988
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1.576
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
217
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

3° ano - Brasil colônia - aula 3 e 4 - apostila 1 c

  1. 1. BRASIL COLÔNIA: OCUPAÇÃO DO TERRITÓRIO/MINERAÇÃO. (aula 03 – Ap.2C)
  2. 2. OCUPAÇÃO DO INTERIOR:• NORDESTE -> fator de ocupação -> GADO. – Criação exigia baixos investimentos e pouca mão de obra. – Em torno dos rios São Francisco e Parnaíba. – Ocuparam regiões da Bahia, Pernambuco, Piauí e Maranhão.• SUL -> GADO – Rebanhos trazidos pelos jesuítas. – Espalhados pelas regiões dos pampas, formaram rebanhos selvagens.
  3. 3. OCUPAÇÃO DO INTERIOR:• AMAZÔNIA -> Busca de especiarias e drogas do sertão. – Jesuítas organizavam missões. – Resinas aromáticas; condimentos e ervas medicinais. – Expedições militares visando preservar a região da presença de holandeses e franceses.
  4. 4. JESUÍTAS.• Construíram missões ao longo dos territórios do Paraguai, Rio Grande do Sul, Paraná, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Amazonas, Pará e Maranhão.• Índios aprendiam a ler, escrever, cantar, plantar e a fé cristã.• Existiram até a segunda metade do século XVIII quando Marquês de Pombal expulsou os Jesuítas das terras portugueses.
  5. 5. AS BANDEIRAS:• Expedições entre os séculos XVI e XVIII. – Bandeiras: designa todas as expedições que tinham o objetivo de explorar o sertão, formadas a partir da iniciativa particular. – Entrada: Limita o termo às expedições oficiais organizadas pela Coroa. – Bandeirismo de apresamento (buscavam aprisionar índios) – Bandeirismo de Prospecção (buscavam encontrar ouro e pedras preciosas).• Boa parte dos bandeirantes tinha origem nos pequenos lavradores que desejavam mão-de-obra escrava indígena.• Não prevalecia a riqueza na região paulista e muito menos o luxo.
  6. 6. AS BANDEIRAS.• CICLOS: – Ciclo do Ouro de Aluvião. • Efeitos colonizadores no litoral do Paraná (Paranaguá) e de Santa Catarina (São Francisco do Sul 1658, Nossa Senhora do Desterro 1672 e Laguna 1687). – Ciclo de caça ao índio. • Expedições visavam às missões jesuíticas cujos os índios já se encontravam aculturados. • Abriu caminho para grandes jazidas de ouro (Minas Gerais, Goiás e Mato Grosso).• Sertanismo de contrato: expedições contratadas para combater tribos indígenas rebeladas e quilombos.• Monções: expedições fluviais que transportavam mercadorias para as regiões de Goiás e Mato Grosso.
  7. 7. MINERAÇÃO:• Entre os anos de 1693 a 1695 pelos bandeirantes. – Ouro de aluvião: encontrado no depósito de areia, argila e cascalho, nas margens dos rios ou em seu leito, acumulado pela erosão.• A descoberta permitiu um processo de interiorização da colonização, – estimulando o desenvolvimento dos núcleos urbanos, principalmente na Região Sudeste.• Tributos: Intendências e Casas de Fundição cobravam o “quinto”, imposto real que separava 20% do ouro e o remetia a Portugal. – Quantia base: 100 arrobas/ano ou seja, 1,5 tonelada de ouro/ano, em casos negativos aplicava-se a Derrama.
  8. 8. ORGANIZAÇÃO ECONÔMICA: OURO• Outras áreas eram estimuladas a produzirem gêneros de abastecimento para atender às demandas de Minas Gerais. – Produção de gado no Sul e no Nordeste.• A mineração permitiu o deslocamento do centro econômico do Nordeste açucareiro para o Centro-Sul. – Minas Gerais e Rio de Janeiro se transformaram nos principais mercados brasileiros.
  9. 9. SOCIEDADE:• SOCIEDADE URBANA, MÓVEL E PATERNALISTA. Mineradores e grandes comerciantes. Classe Média Urbana: pequenos comerciantes, funcionários públicos, profissionais liberais, clérigos, militares... Escravos.• Embora a mobilidade social fosse mais flexível do que na sociedade açucareira, raramente se dava no sentido vertical.
  10. 10. Na arte barroca predominam as emoções e não o racionalismo da arte renascentista.É uma época de conflitos espirituais e religiosos. O estilo barroco traduz a tentativaangustiante de conciliar forças antagônicas: bem e mal; Deus e Diabo; céu e terra; pureza epecado; alegria e tristeza; paganismo e cristianismo; espírito e matéria.Características são:* emocional sobre o racional;* efeitos decorativos e visuais* entrelaçamento entre aarquitetura e escultura;* violentos contrastes de luz esombra;* pintura com efeitos ilusionistas
  11. 11. ESCRAVIZAÇÃO AFRICANA• Foi preponderante nas regiões agroexportadoras:- Nordeste açucareiro (século XVII);- Região das minas (século XVIII);• Resistiam de várias maneiras: fugiam e formavam quilombos, revoltavam-se, assassinavam senhores e feitores, cometiam suicídio, quebravam instrumentos e ateavam fogo nas fazendas...• Propriedade de escravos era possível para qualquer pessoa.• A escravização foi possível por meio da estrutura social africana: – Os cativos importados eram escravizados na África por africanos. Os reinos africanos capturavam inimigos, os escravizavam e vendiam para os europeus. – Eram trocados por fumo, aguardente, tecido e algumas vezes, por armas de fogo.
  12. 12. BRASIL COLÔNIA:Manifestações contra a metrópole; Período Joanino. (aula 04 – ap. 1C)
  13. 13. SITUAÇÃO DA COLÔNIA NO SÉCULO XVII E XVIII• Desinteresse pelos problemas da colônia;• Desgaste da sua política de restrições, monopólios, cobranças e tributos. – Desde 1571: o Monopólio colonial garantia um duplo lucro, comprava mais barato e vendia mais caro. – 1642: Conselho ultramarino tornando a pressão fiscal mais rígida.• Diante disso, as primeiras rebeliões, denominadas nativistas!!!
  14. 14. ACLAMAÇÃO DE AMADOR BUENO • 1641 • Em São Paulo; • Paulistas preocupados com a possibilidade de que seus negócios com Buenos Aires fossem prejudicados pelo fim da União Ibérica. • Comerciantes aclamaram Amador Bueno (mais rico da região) rei de São Paulo. – Oferta foi recusada pelo comerciante e os paulistas juraram fidelidade ao Rei português.
  15. 15. A Revolta de Beckman (1684)– Maranhão– Latifundiários do Maranhão revoltaram-se porque faltavam escravos e os jesuítas condenavam a escravidão indígena.– O governo português criou a Companhia de Comércio do Maranhão para controlar o comércio na região. • Líderes: Manuel e Tomás Beckman, Jorge Sampaio.– os colonos se rebelaram, expulsando os jesuítas do Maranhão, abolindo o monopólio da Companhia e constituindo um novo governo, que durou quase um ano.– A revolta é massacrada e os líderes são presos e executados. Portugal coloca fim no monopólio comercial
  16. 16. Guerra dos Emboabas 1707 a 1709• Local: Minas Gerais. Bandeirantes (paulistas) X Emboabas (forasteiros).• Disputavam a exploração das riquezas.• Paulistas foram derrotados.• Portugal criou as capitanias de São Paulo e das Minas do Ouro.• Paulistas retiram-se em sua maioria e descobrem novas jazidas de ouro em Goiás e Mato Grosso.
  17. 17. A Guerra dos Mascates 1710 a 1711– Local: Pernambuco.– Atritos entre Olinda (latifundiários) e Recife (comerciantes portugueses).– Crise econômica da região (crise do açúcar).– Recife realiza empréstimos à Olinda e ganha a condição de vila. Este fato gerou revolta e os senhores de engenho invadem Recife.– A crise terminou com a anistia dos envolvidos e a mudança da capital para Recife.
  18. 18. REVOLTA DE FILIPE DOS SANTOS 1720• Também chamada de Rebelião de Vila Rica.• Reação da população às taxas excessivas e ao anúncio de criação das Casas de Fundição.• O Movimento foi sufocado e seu líder, Filipe dos Santos, esquartejado.
  19. 19. Era pombalina - Marquês de Pombal• de 1750 e 1777.•reconstruiu Lisboa após o terremoto de 1755 ; criou diversas companhias decomércio.• garantiu o controle da Amazônia ; criou o Banco Real , organizou a arrecadação deimpostos (estabeleceu a derrama)• organizou alfândegas, tribunais e outras instituições do Estado ; procurou reaquecer alavoura açucareira do nordeste . • tentou diminuir a dependência econômica de Portugal com a Inglaterra; expulsou os jesuítas de Portugal e suas colônias, confiscando seus bens (Terror Pombalino) • mudou a capital pro RJ; incentivou manufaturas na colônia
  20. 20. MOVIMENTOS EMANCIPACIONISTAS• Inconfidência Mineira (1789).• Conjuração Baiana ou Revolta dos Alfaiates (1798).• Revolução Pernambucana (1817).
  21. 21. A Inconfidência Mineira(1789)• Mineradores, fazendeiros, padres, burocratas e intelectuais que enxergava a situação do Brasil como sinônimo do atraso.• Protestavam contra os altos impostos, a distribuição dos cargos administrativos e a falta de liberdade de expressão.• Defendiam – a quebra do pacto colonial e a liberdade econômica. – declarar a independência e a capital seria São João Del Rei. – criar uma universidade em Vila Rica; – acabar com o monopólio da exploração de diamantes; – estabelecer o serviço militar obrigatório.
  22. 22. A Inconfidência Mineira(1789) A Revolta:• Planejavam tomar o poder no suposto dia da derrama.• Principais líderes foram: – Cláudio Manuel da Costa, – Tomás Antônio Gonzaga, – Domingos de Abreu, – Joaquim Silvério dos Reis – Joaquim José da Silva Xavier (Tiradentes).• Sobre a economia pretendiam apoiar a industrialização e não se pronunciavam a favor do fim da escravidão.
  23. 23. A Inconfidência Mineira(1789) O desfecho:• A noticia sobre as pretensões dos revoltosos e começou uma dura perseguição aos líderes. – A maioria pretendendo a diminuição da pena delatou o movimento.• Os líderes ficaram presos, alguns por até três anos, muitos foram perdoados, poucos foram exilados e um morreu. – Joaquim José da Silva Xavier, o Tiradentes.• Este movimento ficou esquecido até o final do século XIX onde foi resgatado pelo governo republicano.
  24. 24. Tiradentes Esquartejado, em tela de PedroAmérico (1893).
  25. 25. Cipriano Barata Conjuração Baiana: 1798. (Revolta dos alfaiates)• Movimento de caráter popular, contava com a participação de – artesãos, comerciantes, burocratas, negros (livres e escravos), intelectuais e profissionais liberais.• Defendiam a formação de uma república democrática com liberdade de comércio e a emancipação do Brasil. – A transferência da capital para o Rio de Janeiro, em 1763 fez com que privilégios fossem retirados de Salvador e os recursos destinados à cidade foram reduzidos. – O aumento de impostos prejudicou sensivelmente as condições de vida da população local.
  26. 26. Conjuração Baiana: 1798. (Revolta dos alfaiates)• A maioria dos líderes tinham idéias radicais e isso espantou a elite. – Abolição da Escravidão.• O médico Cipriano Barata foi um ativo propagandista do movimento, atuando principalmente entre a população mais humilde e junto aos escravos.• Líderes: todos pobres. – João de Deus Nascimento, Emanuel Faustino dos Santos (alfaiates e mulatos) – Luís Gonzaga da Virgens, Lucas Dantas Amorim Torres (soldados e mulatos)• Obteve ampla participação popular.• Repressão intensa de Portugal.
  27. 27. Revolução Pernambucana (1817).• Causas: – Decadência econômica de Pernambuco. – Altos impostos (destinados a Corte portuguesa no Rio de Janeiro). – Privilégio aos comerciantes portugueses.• Rebeldes tomam o poder por dois meses. – Proclamação a República de Pernambuco. – Liberdade de expressão e religiosa. – Participação popular restrita. – Permanência da escravidão. – Buscaram apoio de províncias vizinhas, dos EUA, Inglaterra e Argentina.• Influência da Maçonaria.• Repressão impiedosa da Coroa, instalada no Rio de Janeiro.
  28. 28. A Família Real no Brasil• A vinda ocorreu em virtude da luta entre França e Inglaterra. – Como não conseguiu vencer os ingleses pelas armas, decretou o Bloqueio Continental.• O Bloqueio deixou Portugal numa situação delicada, pois dependia economicamente da Inglaterra. – A saída acabou sendo a transferência da Família Real para o Brasil.
  29. 29. Administração Joanina no Brasil:• Em 28 de Janeiro de 1808, D. João VI decretou a abertura dos portos às nações amigas. – Independência econômica do Brasil em relação a Portugal. – Grande alívio para a economia inglesa (sufocada pelo Bloqueio Continental).• 1810 -> D. João VI assinou o Tratado de Aliança e Amizade, Comércio e Navegação.
  30. 30. Tratado de Aliança e Amizade, Comércio e Navegação (1810).• Plena liberdade religiosa para os ingleses aqui residentes;• Ingleses seriam julgados por juízes ingleses;• O Governo português se comprometia em abolir gradualmente a escravidão;• Novas taxas alfandegárias: – Produtos ingleses pagariam 15% sobre os seus produtos; – Portugueses pagariam 16%; – Demais nacionalidades 24%.
  31. 31. Administração Joanina no Brasil:• Criou: – a Imprensa Régia, – Academia Real Militar, – A Biblioteca Pública, – O Banco do Brasil, – O Jardim Botânico, – Trouxe uma Missão Artística liderada pelo pintor francês Debret, – Em 1815 elevou o Brasil a condição de Reino Unido. – Invadiu a Guiana Francesa e anexou a Província Cisplatina.
  32. 32. 3ão2012 Prof. Msc. Daniel Alves Bronstrup BLOG: profhistdaniel.blogspot.com @danielbronstrup

×