SlideShare uma empresa Scribd logo
Literatura Brasileira I
1500 - 1822
Brasil Colonial
⚫ A conquistado Brasil
- 22 de abril 1500: frotaportuguesade
Cabral chegaa Porto Seguro na Bahia
- 1° contatocom os índios : trocade sorrisos
e presentes
- A 1ª Missa no Brasil rezada no Brasil
⚫ As nações indígenasem 1500
- tupi-guarani, Jê, aruaque, caríba, charrua, pano,
tucanoe outros
- tupinambas: eram canibais
- Exploração, violência, escravidão (contrao índio)
⚫ A exploração dopau-brasil
- a mão-de-obra indígena
- trabalhoporquinquilharias = escambo
- vendada tinta na Europa = lucros para Portugal
⚫ Acolonização necessária
- ameaça de invasõesestrangeiras (piratas holandeses, inglesese
franceses ameaçavam o litoral)
No ano de 1530, o rei de Portugal organizou a primeira
expedição com objetivos de colonização. Esta foi
comandada por Martin Afonso de Souza e tinha como
objetivos: povoar o território brasileiro, expulsar os
invasorese iniciarocultivodecana-de-açúcar no Brasil.
Para melhor organizar a colônia, o rei
resolveu dividir o Brasil em Capitanias
Hereditárias. O território foi dividido
em faixas de terras que foram doadas
aos donatários. Estes podiam explorar
os recursos da terra, porém ficavam
encarregados de povoar, proteger e
estabelecerocultivodacana-de-açúcar.
No geral, o sistema de Capitanias Hereditárias fracassou, em função da
grande distância da Metrópole, da falta de recursos e dos ataques de
indígenas e piratas. As capitanias de São Vicente e Pernambuco foram as
únicas que apresentaram resultados satisfatórios.
⚫ Após a tentativa fracassada de estabelecer as
Capitanias Hereditárias, a coroa portuguesa
estabeleceu no Brasil o Governo-Geral. Era uma
formade centralizare ter maiscontroledacolônia.
⚫ Também existiam as Câmaras Municipais que eram
órgãos políticos compostos pelos "homens-bons".
Estes eram os ricos proprietários que definiam os
rumospolíticosdasvilas ecidades.
A capital do Brasil neste período
foi Salvador.
⚫ A base da economia colonial era o engenho de açúcar. O senhor de
engenho era um fazendeiro proprietário da unidade de produção de
açúcar. Além do açúcar destacou-se também a produção de tabaco e
algodão.
⚫ As plantações ocorriam no
seja,
sistema de plantation, ou
eram grandes fazendas
produtoras de um único produto,
utilizando mão-de-obra escrava e
visandoocomércioexterior.
⚫ O Pacto Colonial imposto por
Portugal estabelecia que o Brasil
só podia fazer comércio com a
metrópole.
⚫ A sociedade açucareira era patriarcal, pois o senhor de engenho exercia um
grande poder familiar, social e político. As mulheres tinham poucos
poderes e nenhuma participação política, deviam apenas cuidar do lar e
dos filhos. Era também imobilistae estratificada.
⚫ Avidadoescravizado (preto ou indígena)
- Muito trabalhosem remuneração (coisificação)
- Castigos físicose tratamentodesumano
- Preconceito
- Fugas, revoltase formaçãodos quilombos
- Quilombodos Palmares – líder Zumbi
⚫ Após domínio da Espanha em Portugal (União Ibérica) a Holanda, em busca de
açúcar, resolveu enviar suas expedições para invadirem o Nordeste do Brasil. Sua
primeira expediçãoocorreu em 1621, na Bahia, contudo, esta não foi bem sucedida.
⚫ Em 1630 os holandeses invadiram Pernambucoe ali impuseram seu domínio.
⚫ A Holanda enviou seu príncipe (Maurício de Nassau) para governar a colônia
holandesa no Brasil. Nassau dominou enorme parte do território nordestino e os
portosque forneciam escravos, na África.
Com o tempo, os colonos
demonstram descontentamento
com a política holandesa e estoura
um movimento de contestação.
A Insurreição Pernambucana
durou de 1645 a 1654 quando os
colonos conseguiram expulsar
definitivamente os holandeses do
Brasil.
As missões jesuíticas na América, também chamadas de reduções, foram os
aldeamentos indígenas organizados e administrados pelos padres jesuítas. O
objetivo principal das missões jesuíticas foi o de evangelizar e catequizar os
nativos.
As bandeiras eram expedições particulares que partiam de São Paulo durante os
séculos XVI, XVII e XVIII. Geralmente ultrapassavam a linha do Meridiano de
Tordesilhas o que contribuiu para aumentar consideravelmente o território brasileiro.
Utilizavam os rios Tietê, Paraná, São Francisco e os afluentes meridionais do
Amazonas.
Deapresamento: capturade índios
De prospecção: buscade metais preciosos
Sertanismode contrato: captura de escravos
fugitivos
Monções: bandeirismode comércio porvias fluviais
Ex: Borba Gato, Raposo Tavares, Fernão Dias, Domingos
JorgeVelho.
A descoberta de ouro nos séculos XVII e XVIII vai provocar uma profunda mudança
na estruturado Brasil colonial.
Para administrar a região mineradora foi
criada, em 1702, a Intendência das Minas,
órgão responsável pela fiscalização e
exploração das minas. Realizava a distribuição
de datas-lotes a serem explorados, e pela
cobrança do quinto ( 20% do ouro
encontrado).
Em1720, foram criadas as Casas de Fundição-
transformavam o ouro bruto ( pó ou pepita )
em barras jáquintadas.
Quando ocorre o esgtamento da exploração
aurífera, o governo português fixa uma nova
forma de arrecadar o quinto: 100 arrobas
anuais deouro por município.
A mineração mudou o eixo econômico da vida colonial -do litoral nordestino para a
região Centro-Sul; incentivou o comércio interno, garantindo a interligação da região
das minas com outras regiõesdo Brasil.
Houve também um grande aumento populacional na regiãodas minas.
A sociedade passa a ter um caráter urbano e
multiplica-se
intelectuais,
o número de comerciantes,
pequenos proprietários,
funcionários públicos, artesãos. A sociedade
mineradora passa a apresentar uma certa
flexibilidade e mobilidade.
Na arte barroca predominam as emoções e não o racionalismo da arte renascentista.
É uma época de conflitos espirituais e religiosos. O estilo barroco traduz a tentativa
angustiante de conciliar forças antagônicas: bem e mal; Deus e Diabo; céu e terra;
purezae pecado; alegriae tristeza; paganismoecristianismo; espíritoe matéria.
Características são:
* emocional sobreo racional;
* efeitos decorativosevisuais
*entrelaçamentoentre a
arquiteturae escultura;
* violentos contrastes de luz e
sombra;
* pintura com efeitos ilusionistas
Nos séculos XVII e XVIII, os tropeiros eram partes da vida da zona rural e cidades
pequenas dentro do sul do Brasil.
Os tropeiros conduziam o gado e levaram
mercadorias para serem comercializadas na
feira de Sorocaba. De São Paulo seguiam para
os estados de Minas Gerais, Goiás e Mato
Grosso.
Em direção às minas, o transporte feito no
lombo de animais foi fundamental devido aos
acidentes geográficos da região, que
dificultavam o transporte. O tropeiro passou a
ser o principal abastecedor do mercado das
Minas Gerais.
Slides - Brasil Colonial.pdf
Aclamação de Amador Bueno (1641)
Com o fim da União Ibérica, o governo português proibiu a escravização indígena.
Inconformados com essa exigência da metrópole, um grupo de bandeirantes
paulistas resolveu armar um levante. Buscando a vitória, os bandeirantes se dirigiram
ao rico fazendeiroAmador Bueno, que também eraa favor daescravização indígena.
Os bandeirantes paulistas convocaram Amador Bueno
para que liderasse a revolta, aceitando o cargo de
governador da província de São Paulo.
Amador Bueno não aceitou a
proposta e jurou fidelidade ao
governo português, temendo
represálias. Assim, a revolta
bandeirante perdeu sua
sustentação
Guerra dos Mascates (1710-1714)
Conflito ocorrido em Pernambuco, resultado do choque entre a aristocracia rural de
Olindaeos comerciantes ("Mascates") de Recife.
A principal causa do confronto foi a decadência da lavoura açucareira devido a
concorrência antilhana que levou os senhores de engenho de Olinda a endividar-se com
oscomerciantes de Recife.
Olinda era Vila, possuía Câmara Municipal e tinha autonomia em relação a Recife,
que era suacomarcae subordinadaadministrativamente.
O grupo composto pelo alferes Joaquim José da Silva Xavier, conhecido por
Tiradentes, pelos poetas Tomas Antonio Gonzaga e Cláudio Manuel da Costa,
pelo dono de mina Inácio de Alvarenga e pelo padre Rolim, entre outros
representantes da elite mineira decidiu lutar contra os abusivos impostos
cobrados pela Coroa portuguesa na região de Minas Gerais.
Influenciados pelos ideais iluministas e pela
Guerra de Independência dos Estados Unidos, o
objetivo do grupo era conquistar a liberdade
definitiva e implantar o sistema de governo
republicano em nosso país.
Sobre a questão da escravidão, o grupo não
possuía uma posição definida. Estes
inconfidentes chegaram a definir até mesmo uma
nova bandeira para o Brasil. Ela seria composta
por um triangulo vermelho num fundo branco,
com a inscrição em latim : Libertas Quae Sera
Tamen (Liberdade ainda que Tardia).
Através da delação de Joaquim Silvério dos Reis, que entregou seus
companheiros em troca do perdão de suas dívidas, várias pessoas foram presas
pelas autoridades de Portugal.
O governador da província, Visconde de
Barbacena iniciou o processo da devassa. Num
primeiro momento, onze foram os condenados à
morte pela forca, os outros eram condenados ao
degredo perpétuo na África.
Ao fim da devassa,
somente Tiradentes foi
condenado a morte: foi
enforcado na cidade do
Rio de Janeiro no dia 21
de abril de 1792. Logo
depois foi esquartejado,
e seus quartos foram
espalhados pela estrada
real, sendo a cabeça
exposta na praça central
de Vila Rica
Em agosto de 1807, Portugal estava preste a ser invadido pelas tropas
francesas comandadas por Napoleão Bonaparte. Sem condições militares para
enfrentar os franceses, o príncipe regente de Portugal, D. João, resolveu
transferir a corte portuguesa para sua mais importante colônia, o Brasil.
Contou, neste empreendimento, com a ajuda dos aliados ingleses.
Nos quatorze navios, além da família real, vieram centenas de funcionários,
criados, assessores e pessoas ligadas à corte portuguesa. Trouxeram também
muito dinheiro, obras de arte, documentos, livros, bens pessoais e outros
objetos de valor.
Em março de 1808, a corte
portuguesa foi instalada no Rio de
Janeiro. Muitos moradores, sob
ordem de D. João, foram
despejados para que os imóveis
fossem usados pelos funcionários
do governo.
Slides - Brasil Colonial.pdf
Uma das principais medidas tomadas por D. João foi decretar a abertura dos
portos brasileiros aos países amigos de Portugal. A principal beneficiada com
a medida foi à Inglaterra, que passou a ter vantagens comerciais e dominar o
comércio com o Brasil.
Os produtos ingleses chegavam ao Brasil com
impostos de 15%, enquanto de outros países
deveriam pagar 24% (Tratados de 1810). Este
privilégio fez com que nosso país fosse inundado
por produtos ingleses, prejudicando o
desenvolvimento da indústria brasileira.
D. João também incentivou o estabelecimento de
indústrias no Brasil, promoveu a construção de
estradas e reformas em portos; criou o Banco do
Brasil e instalou a Junta de Comércio.
O rei trouxe a Missão Francesa para o Brasil, estimulando o desenvolvimento
das artes em nosso país. Criou o Museu Nacional, a Biblioteca Real, a Escola
Real de Artes, o Jardim Botânico e o Observatório Astronômico. Vários
cursos foram criados (agricultura, cirurgia, química, desenho técnico), nos
estados da Bahia e Rio de Janeiro. A arte brasileira acabou sendo influenciada
mais tarde pelo academicismo.
Cedendo às pressões de Portugal, dom João voltou em 26 de abril de 1821.
Deixou, contudo, seu filho dom Pedro como regente do Brasil. Assim, agradava
aos portugueses e aos brasileiros que tinham lucrado com a vinda da corte
portuguesa para o Brasil, especialmente com a abertura dos portos.
No final de 1821 chegaram ao Rio de Janeiro decretos da corte que exigiam a
completa obediência do Brasil às ordens vindas da metrópole. No dia 9 de
dezembro de 1821, o governo brasileiro voltou a ser dependente de Portugal.
Dom Pedro recebeu ordens
para voltar a Portugal, mas o
Partido Brasileiro, grupo
formado por grandes
fazendeiros, comerciantes e
altos funcionários públicos, o
convenceu a ficar.
Seu nome completo era: Pedro de Alcântara
Francisco Antônio João Carlos Xavier de Paula
Miguel Rafael Joaquim José Gonzaga Pascoal
Cipriano Serafim de Bragança e Bourbon.
D. Pedro nasceu em Portugal, em 1798. Morreu em 1834,
Foi o primeiro imperador do Brasil e 28° rei de Portugal, ainda que o reinado
em Portugal tenha durado sete dias, em 1826.
Era filho de D. João VI e Carlota Joaquina.
Além disso, foi pai de D. Pedro II, segundo
imperador do Brasil.
dona Maria
Aos 18 anos casou-se com
Leopoldina, arquiduquesa d’Áustria,
D. Pedro recebeu listas com assinaturas de cerca de 8.000 pessoas pedindo
que ele permanecesse no país. Em 9 de janeiro de 1822, apoiado pelas
províncias do Rio de Janeiro, São Paulo e Minas Gerais, dom Pedro decidiu
permanecer. Ele foi à sacada e disse: "Se é para o bem de todos e felicidade
geral da nação, diga ao povo que fico!". Essa data ficou conhecida como o Dia
do Fico.
Portugal não aceitou
pacificamente a decisão
de Dom Pedro. As tropas
portuguesas sediadas no
Rio de Janeiro tentaram
forçá-lo a embarcar, o
povo reagiu em defesa de
Dom Pedro.
Em maio de 1822, D. Pedro determinou que qualquer decreto das Cortes só
poderia ser executado mediante o "Cumpra-se" assinado por ele. Na prática,
isso significava conferir plena soberania ao Brasil. Essa medida teve imediato
apoio: a 13 de maio, o Senado da Câmara do Rio de Janeiro conferiu ao príncipe
regente o título de Defensor Perpétuo do Brasil.
Enquanto isso, os liberais radicais sugeriam a D. Pedro a convocação de uma
Assembléia Constituinte. O príncipe acatou a sugestão e decretou a sua
convocação em junho de 1822.
No dia 14 de agosto, Dom Pedro partiu para a
província de São Paulo que se encontrava
agitada por lutas internas. A regência ficou
entregue à sua esposa dona Leopoldina.
Durante a sua ausência, chega ao Rio de
Janeiro uma carta das Cortes Portuguesas, na
qual exigia a volta imediata de Dom Pedro à
Portugal e a anulação da convocação da
Assembléia Nacional Constituinte.
Leopoldina e José Bonifácio enviaram um correio para levar essa carta a Dom
Pedro. José Bonifácio e Leopoldina enviam outra carta, cada um reforçava a
idéia de que havia chegado a hora de tomar uma decisão.
Às 16 horas e 30 minutos do dia 07 de setembro de 1822, o correio alcançou
Dom Pedro nas margens do rio Ipiranga e entregou-lhe as cartas.
Depois de ler, amassou e pisoteou as cartas, montou seu cavalo e cavalgou até
às margens do Ipiranga e gritou à guarda de honra: "Amigos, as cortes de
Lisboa nos oprimem e querem nos escravizar...Deste dia em diante, nossas
relações estão rompidas“.
O príncipe sacou a espada e
gritou: "Por meu sangue, por
minha honra e por Deus, farei do
Brasil um país livre", em seguida,
erguendo a espada, afirmou:
"Brasileiros, de hoje em diante
nosso lema será: Independência
ou Morte!".
No dia 1º de dezembro de 1822, aos
24 anos, foi coroado imperador do
Brasil e recebeu o título de Dom
Pedro I.
Apesar do processo de
independência ter base nas idéias
iluministas de liberdade, a
escravidão foi mantida.
O Brasil continuou com o modelo agrário, baseado em latifúndios e na produção
de gêneros primários voltada para a exportação. Ou seja, pouco diferente de
quando era colônia de Portugal.
Ao contrário de outros países da América Latina, que adotaram o sistema
republicano, o Brasil adotou o governo monárquico, baseado no poder de um rei.
Para ser reconhecido oficialmente, o Brasil aceitou pagar indenizações de 2
milhões de libras esterlinas a Portugal. Para isso, pediu um empréstimo à
Inglaterra, fato que iniciou a dívida externa do Brasil.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

brasil imperio
brasil imperiobrasil imperio
brasil imperio
marlete andrade
 
O fim da escravidão negra no brasil
O fim da escravidão negra no brasilO fim da escravidão negra no brasil
O fim da escravidão negra no brasil
Nome Sobrenome
 
Crise do sistema colonial
Crise do sistema colonialCrise do sistema colonial
Crise do sistema colonial
Edenilson Morais
 
As Revoluções Inglesas do Século XVII - Prof. Medeiros
As Revoluções Inglesas do Século XVII - Prof. MedeirosAs Revoluções Inglesas do Século XVII - Prof. Medeiros
As Revoluções Inglesas do Século XVII - Prof. Medeiros
João Medeiros
 
Primeiro Reinado
Primeiro ReinadoPrimeiro Reinado
Primeiro Reinado
Claudenilson da Silva
 
Do bandeirantismo à exploração aurífera.
Do bandeirantismo à exploração aurífera.Do bandeirantismo à exploração aurífera.
Do bandeirantismo à exploração aurífera.
Privada
 
Segundo reinado
Segundo reinadoSegundo reinado
Segundo reinado
Fabiana Tonsis
 
Período Regencial
Período RegencialPeríodo Regencial
Período Regencial
Guilherme Drumond
 
Feudalismo
FeudalismoFeudalismo
Feudalismo
Alê Maldonado
 
Revoltas na República Velha
Revoltas na República VelhaRevoltas na República Velha
Revoltas na República Velha
Edenilson Morais
 
República Oligárquica
República OligárquicaRepública Oligárquica
República Oligárquica
Portal do Vestibulando
 
Ciclo do ouro
Ciclo do ouroCiclo do ouro
A crise do sistema colonial e a independência
A crise do sistema colonial e a independênciaA crise do sistema colonial e a independência
A crise do sistema colonial e a independência
Andreia Regina Moura Mendes
 
3º ano - Era Vargas 1930-1945
3º ano  - Era Vargas 1930-19453º ano  - Era Vargas 1930-1945
3º ano - Era Vargas 1930-1945
Daniel Alves Bronstrup
 
Segundo Reinado (1840-1889)
Segundo Reinado (1840-1889)Segundo Reinado (1840-1889)
Segundo Reinado (1840-1889)
Edenilson Morais
 
A união ibérica e invasões holandesas.filé
A união ibérica e invasões holandesas.filéA união ibérica e invasões holandesas.filé
A união ibérica e invasões holandesas.filé
mundica broda
 
O Brasil holandês
O Brasil holandêsO Brasil holandês
O Brasil holandês
Carlos Teles de Menezes Junior
 
Revolução Inglesa
Revolução InglesaRevolução Inglesa
Revolução Inglesa
Stefânia Balestero
 
Revolução Francesa
Revolução FrancesaRevolução Francesa
Revolução Francesa
Janaina Flavia Santos Azevedo
 
Absolutismo
AbsolutismoAbsolutismo
Absolutismo
Paulo Alexandre
 

Mais procurados (20)

brasil imperio
brasil imperiobrasil imperio
brasil imperio
 
O fim da escravidão negra no brasil
O fim da escravidão negra no brasilO fim da escravidão negra no brasil
O fim da escravidão negra no brasil
 
Crise do sistema colonial
Crise do sistema colonialCrise do sistema colonial
Crise do sistema colonial
 
As Revoluções Inglesas do Século XVII - Prof. Medeiros
As Revoluções Inglesas do Século XVII - Prof. MedeirosAs Revoluções Inglesas do Século XVII - Prof. Medeiros
As Revoluções Inglesas do Século XVII - Prof. Medeiros
 
Primeiro Reinado
Primeiro ReinadoPrimeiro Reinado
Primeiro Reinado
 
Do bandeirantismo à exploração aurífera.
Do bandeirantismo à exploração aurífera.Do bandeirantismo à exploração aurífera.
Do bandeirantismo à exploração aurífera.
 
Segundo reinado
Segundo reinadoSegundo reinado
Segundo reinado
 
Período Regencial
Período RegencialPeríodo Regencial
Período Regencial
 
Feudalismo
FeudalismoFeudalismo
Feudalismo
 
Revoltas na República Velha
Revoltas na República VelhaRevoltas na República Velha
Revoltas na República Velha
 
República Oligárquica
República OligárquicaRepública Oligárquica
República Oligárquica
 
Ciclo do ouro
Ciclo do ouroCiclo do ouro
Ciclo do ouro
 
A crise do sistema colonial e a independência
A crise do sistema colonial e a independênciaA crise do sistema colonial e a independência
A crise do sistema colonial e a independência
 
3º ano - Era Vargas 1930-1945
3º ano  - Era Vargas 1930-19453º ano  - Era Vargas 1930-1945
3º ano - Era Vargas 1930-1945
 
Segundo Reinado (1840-1889)
Segundo Reinado (1840-1889)Segundo Reinado (1840-1889)
Segundo Reinado (1840-1889)
 
A união ibérica e invasões holandesas.filé
A união ibérica e invasões holandesas.filéA união ibérica e invasões holandesas.filé
A união ibérica e invasões holandesas.filé
 
O Brasil holandês
O Brasil holandêsO Brasil holandês
O Brasil holandês
 
Revolução Inglesa
Revolução InglesaRevolução Inglesa
Revolução Inglesa
 
Revolução Francesa
Revolução FrancesaRevolução Francesa
Revolução Francesa
 
Absolutismo
AbsolutismoAbsolutismo
Absolutismo
 

Semelhante a Slides - Brasil Colonial.pdf

brasil colônia
brasil colônia brasil colônia
brasil colônia
IsadoraPaulino2
 
Brasil colnia
Brasil colniaBrasil colnia
Brasil colnia
Gregorio Neto
 
Brasil colônia
Brasil colônia Brasil colônia
Brasil colônia
Elaine Bogo Pavani
 
Brasil colonia 2
Brasil colonia 2 Brasil colonia 2
Brasil colonia 2
Marcelo Ferreira Boia
 
Brasil colnia 2
Brasil colnia 2 Brasil colnia 2
Brasil colnia 2
Marcelo Ferreira Boia
 
História de MT - OPERAÇÃO UNEMAT 2014
História de MT - OPERAÇÃO UNEMAT 2014História de MT - OPERAÇÃO UNEMAT 2014
História de MT - OPERAÇÃO UNEMAT 2014
Carlos Benjoino Bidu
 
Brasil síntese histórica
Brasil síntese históricaBrasil síntese histórica
Brasil síntese histórica
AEDFL
 
Apostila de História do Brasil - Barão do Pirapora
Apostila de História do Brasil - Barão do PiraporaApostila de História do Brasil - Barão do Pirapora
Apostila de História do Brasil - Barão do Pirapora
Barao do Pirapora
 
A américa portuguesa e a presença holandesa
A américa portuguesa e a presença holandesaA américa portuguesa e a presença holandesa
A américa portuguesa e a presença holandesa
Patrícia Sanches
 
Expansão territorial e t. de limites tmp
Expansão territorial e t. de limites tmpExpansão territorial e t. de limites tmp
Expansão territorial e t. de limites tmp
Péricles Penuel
 
001 2º ano história rafael - américa portuguesa até mineração 2015
001  2º ano  história   rafael  - américa portuguesa até mineração 2015001  2º ano  história   rafael  - américa portuguesa até mineração 2015
001 2º ano história rafael - américa portuguesa até mineração 2015
Rafael Noronha
 
Expansão colonial na américa portuguesa
Expansão colonial na américa portuguesaExpansão colonial na américa portuguesa
Expansão colonial na américa portuguesa
Professora Natália de Oliveira
 
Entradas e bandeiras imagens tmp
Entradas e bandeiras imagens tmpEntradas e bandeiras imagens tmp
Entradas e bandeiras imagens tmp
Péricles Penuel
 
Brasil colônia seculo XVI
Brasil colônia seculo XVIBrasil colônia seculo XVI
Brasil colônia seculo XVI
Bruno E Geyse Ornelas
 
paeponte da colonoziçao
paeponte da colonoziçaopaeponte da colonoziçao
paeponte da colonoziçao
Flávio Márcio
 
América portuguesa
América portuguesaAmérica portuguesa
América portuguesa
Simone Gomes
 
3° ano - Brasil colônia - aula 3 e 4 - apostila 1 c
3° ano  - Brasil colônia - aula 3 e 4 - apostila 1 c3° ano  - Brasil colônia - aula 3 e 4 - apostila 1 c
3° ano - Brasil colônia - aula 3 e 4 - apostila 1 c
Daniel Alves Bronstrup
 
Capítulo 7 - Expansão e ouro na américa portuguesa
Capítulo 7 - Expansão e ouro na américa portuguesaCapítulo 7 - Expansão e ouro na américa portuguesa
Capítulo 7 - Expansão e ouro na américa portuguesa
Marcos Antonio Grigorio de Figueiredo
 
Capítulo 5 - A América portuguesa e a presença holandesa
Capítulo 5 - A América portuguesa e a presença holandesaCapítulo 5 - A América portuguesa e a presença holandesa
Capítulo 5 - A América portuguesa e a presença holandesa
Marcos Antonio Grigorio de Figueiredo
 
América Portuguesa
América PortuguesaAmérica Portuguesa
América Portuguesa
Vinicius Yamachita
 

Semelhante a Slides - Brasil Colonial.pdf (20)

brasil colônia
brasil colônia brasil colônia
brasil colônia
 
Brasil colnia
Brasil colniaBrasil colnia
Brasil colnia
 
Brasil colônia
Brasil colônia Brasil colônia
Brasil colônia
 
Brasil colonia 2
Brasil colonia 2 Brasil colonia 2
Brasil colonia 2
 
Brasil colnia 2
Brasil colnia 2 Brasil colnia 2
Brasil colnia 2
 
História de MT - OPERAÇÃO UNEMAT 2014
História de MT - OPERAÇÃO UNEMAT 2014História de MT - OPERAÇÃO UNEMAT 2014
História de MT - OPERAÇÃO UNEMAT 2014
 
Brasil síntese histórica
Brasil síntese históricaBrasil síntese histórica
Brasil síntese histórica
 
Apostila de História do Brasil - Barão do Pirapora
Apostila de História do Brasil - Barão do PiraporaApostila de História do Brasil - Barão do Pirapora
Apostila de História do Brasil - Barão do Pirapora
 
A américa portuguesa e a presença holandesa
A américa portuguesa e a presença holandesaA américa portuguesa e a presença holandesa
A américa portuguesa e a presença holandesa
 
Expansão territorial e t. de limites tmp
Expansão territorial e t. de limites tmpExpansão territorial e t. de limites tmp
Expansão territorial e t. de limites tmp
 
001 2º ano história rafael - américa portuguesa até mineração 2015
001  2º ano  história   rafael  - américa portuguesa até mineração 2015001  2º ano  história   rafael  - américa portuguesa até mineração 2015
001 2º ano história rafael - américa portuguesa até mineração 2015
 
Expansão colonial na américa portuguesa
Expansão colonial na américa portuguesaExpansão colonial na américa portuguesa
Expansão colonial na américa portuguesa
 
Entradas e bandeiras imagens tmp
Entradas e bandeiras imagens tmpEntradas e bandeiras imagens tmp
Entradas e bandeiras imagens tmp
 
Brasil colônia seculo XVI
Brasil colônia seculo XVIBrasil colônia seculo XVI
Brasil colônia seculo XVI
 
paeponte da colonoziçao
paeponte da colonoziçaopaeponte da colonoziçao
paeponte da colonoziçao
 
América portuguesa
América portuguesaAmérica portuguesa
América portuguesa
 
3° ano - Brasil colônia - aula 3 e 4 - apostila 1 c
3° ano  - Brasil colônia - aula 3 e 4 - apostila 1 c3° ano  - Brasil colônia - aula 3 e 4 - apostila 1 c
3° ano - Brasil colônia - aula 3 e 4 - apostila 1 c
 
Capítulo 7 - Expansão e ouro na américa portuguesa
Capítulo 7 - Expansão e ouro na américa portuguesaCapítulo 7 - Expansão e ouro na américa portuguesa
Capítulo 7 - Expansão e ouro na américa portuguesa
 
Capítulo 5 - A América portuguesa e a presença holandesa
Capítulo 5 - A América portuguesa e a presença holandesaCapítulo 5 - A América portuguesa e a presença holandesa
Capítulo 5 - A América portuguesa e a presença holandesa
 
América Portuguesa
América PortuguesaAmérica Portuguesa
América Portuguesa
 

Último

Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Mary Alvarenga
 
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
DirceuSilva26
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Mary Alvarenga
 
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
AngelicaCostaMeirele2
 
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdfOficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
beathrizalves131
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Colaborar Educacional
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
_jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p...
_jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p..._jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p...
_jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p...
marcos oliveira
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mary Alvarenga
 
Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!
Mary Alvarenga
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
marcos oliveira
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
SupervisoEMAC
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
antonio carlos
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Leonel Morgado
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 

Último (20)

Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
 
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
 
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
 
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdfOficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
_jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p...
_jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p..._jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p...
_jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p...
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
 
Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
 
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 

Slides - Brasil Colonial.pdf

  • 1. Literatura Brasileira I 1500 - 1822 Brasil Colonial
  • 2. ⚫ A conquistado Brasil - 22 de abril 1500: frotaportuguesade Cabral chegaa Porto Seguro na Bahia - 1° contatocom os índios : trocade sorrisos e presentes - A 1ª Missa no Brasil rezada no Brasil ⚫ As nações indígenasem 1500 - tupi-guarani, Jê, aruaque, caríba, charrua, pano, tucanoe outros - tupinambas: eram canibais - Exploração, violência, escravidão (contrao índio)
  • 3. ⚫ A exploração dopau-brasil - a mão-de-obra indígena - trabalhoporquinquilharias = escambo - vendada tinta na Europa = lucros para Portugal ⚫ Acolonização necessária - ameaça de invasõesestrangeiras (piratas holandeses, inglesese franceses ameaçavam o litoral)
  • 4. No ano de 1530, o rei de Portugal organizou a primeira expedição com objetivos de colonização. Esta foi comandada por Martin Afonso de Souza e tinha como objetivos: povoar o território brasileiro, expulsar os invasorese iniciarocultivodecana-de-açúcar no Brasil. Para melhor organizar a colônia, o rei resolveu dividir o Brasil em Capitanias Hereditárias. O território foi dividido em faixas de terras que foram doadas aos donatários. Estes podiam explorar os recursos da terra, porém ficavam encarregados de povoar, proteger e estabelecerocultivodacana-de-açúcar.
  • 5. No geral, o sistema de Capitanias Hereditárias fracassou, em função da grande distância da Metrópole, da falta de recursos e dos ataques de indígenas e piratas. As capitanias de São Vicente e Pernambuco foram as únicas que apresentaram resultados satisfatórios.
  • 6. ⚫ Após a tentativa fracassada de estabelecer as Capitanias Hereditárias, a coroa portuguesa estabeleceu no Brasil o Governo-Geral. Era uma formade centralizare ter maiscontroledacolônia. ⚫ Também existiam as Câmaras Municipais que eram órgãos políticos compostos pelos "homens-bons". Estes eram os ricos proprietários que definiam os rumospolíticosdasvilas ecidades. A capital do Brasil neste período foi Salvador.
  • 7. ⚫ A base da economia colonial era o engenho de açúcar. O senhor de engenho era um fazendeiro proprietário da unidade de produção de açúcar. Além do açúcar destacou-se também a produção de tabaco e algodão. ⚫ As plantações ocorriam no seja, sistema de plantation, ou eram grandes fazendas produtoras de um único produto, utilizando mão-de-obra escrava e visandoocomércioexterior. ⚫ O Pacto Colonial imposto por Portugal estabelecia que o Brasil só podia fazer comércio com a metrópole.
  • 8. ⚫ A sociedade açucareira era patriarcal, pois o senhor de engenho exercia um grande poder familiar, social e político. As mulheres tinham poucos poderes e nenhuma participação política, deviam apenas cuidar do lar e dos filhos. Era também imobilistae estratificada.
  • 9. ⚫ Avidadoescravizado (preto ou indígena) - Muito trabalhosem remuneração (coisificação) - Castigos físicose tratamentodesumano - Preconceito - Fugas, revoltase formaçãodos quilombos - Quilombodos Palmares – líder Zumbi
  • 10. ⚫ Após domínio da Espanha em Portugal (União Ibérica) a Holanda, em busca de açúcar, resolveu enviar suas expedições para invadirem o Nordeste do Brasil. Sua primeira expediçãoocorreu em 1621, na Bahia, contudo, esta não foi bem sucedida. ⚫ Em 1630 os holandeses invadiram Pernambucoe ali impuseram seu domínio. ⚫ A Holanda enviou seu príncipe (Maurício de Nassau) para governar a colônia holandesa no Brasil. Nassau dominou enorme parte do território nordestino e os portosque forneciam escravos, na África. Com o tempo, os colonos demonstram descontentamento com a política holandesa e estoura um movimento de contestação. A Insurreição Pernambucana durou de 1645 a 1654 quando os colonos conseguiram expulsar definitivamente os holandeses do Brasil.
  • 11. As missões jesuíticas na América, também chamadas de reduções, foram os aldeamentos indígenas organizados e administrados pelos padres jesuítas. O objetivo principal das missões jesuíticas foi o de evangelizar e catequizar os nativos.
  • 12. As bandeiras eram expedições particulares que partiam de São Paulo durante os séculos XVI, XVII e XVIII. Geralmente ultrapassavam a linha do Meridiano de Tordesilhas o que contribuiu para aumentar consideravelmente o território brasileiro. Utilizavam os rios Tietê, Paraná, São Francisco e os afluentes meridionais do Amazonas. Deapresamento: capturade índios De prospecção: buscade metais preciosos Sertanismode contrato: captura de escravos fugitivos Monções: bandeirismode comércio porvias fluviais Ex: Borba Gato, Raposo Tavares, Fernão Dias, Domingos JorgeVelho.
  • 13. A descoberta de ouro nos séculos XVII e XVIII vai provocar uma profunda mudança na estruturado Brasil colonial. Para administrar a região mineradora foi criada, em 1702, a Intendência das Minas, órgão responsável pela fiscalização e exploração das minas. Realizava a distribuição de datas-lotes a serem explorados, e pela cobrança do quinto ( 20% do ouro encontrado). Em1720, foram criadas as Casas de Fundição- transformavam o ouro bruto ( pó ou pepita ) em barras jáquintadas. Quando ocorre o esgtamento da exploração aurífera, o governo português fixa uma nova forma de arrecadar o quinto: 100 arrobas anuais deouro por município.
  • 14. A mineração mudou o eixo econômico da vida colonial -do litoral nordestino para a região Centro-Sul; incentivou o comércio interno, garantindo a interligação da região das minas com outras regiõesdo Brasil. Houve também um grande aumento populacional na regiãodas minas. A sociedade passa a ter um caráter urbano e multiplica-se intelectuais, o número de comerciantes, pequenos proprietários, funcionários públicos, artesãos. A sociedade mineradora passa a apresentar uma certa flexibilidade e mobilidade.
  • 15. Na arte barroca predominam as emoções e não o racionalismo da arte renascentista. É uma época de conflitos espirituais e religiosos. O estilo barroco traduz a tentativa angustiante de conciliar forças antagônicas: bem e mal; Deus e Diabo; céu e terra; purezae pecado; alegriae tristeza; paganismoecristianismo; espíritoe matéria. Características são: * emocional sobreo racional; * efeitos decorativosevisuais *entrelaçamentoentre a arquiteturae escultura; * violentos contrastes de luz e sombra; * pintura com efeitos ilusionistas
  • 16. Nos séculos XVII e XVIII, os tropeiros eram partes da vida da zona rural e cidades pequenas dentro do sul do Brasil. Os tropeiros conduziam o gado e levaram mercadorias para serem comercializadas na feira de Sorocaba. De São Paulo seguiam para os estados de Minas Gerais, Goiás e Mato Grosso. Em direção às minas, o transporte feito no lombo de animais foi fundamental devido aos acidentes geográficos da região, que dificultavam o transporte. O tropeiro passou a ser o principal abastecedor do mercado das Minas Gerais.
  • 18. Aclamação de Amador Bueno (1641) Com o fim da União Ibérica, o governo português proibiu a escravização indígena. Inconformados com essa exigência da metrópole, um grupo de bandeirantes paulistas resolveu armar um levante. Buscando a vitória, os bandeirantes se dirigiram ao rico fazendeiroAmador Bueno, que também eraa favor daescravização indígena. Os bandeirantes paulistas convocaram Amador Bueno para que liderasse a revolta, aceitando o cargo de governador da província de São Paulo. Amador Bueno não aceitou a proposta e jurou fidelidade ao governo português, temendo represálias. Assim, a revolta bandeirante perdeu sua sustentação
  • 19. Guerra dos Mascates (1710-1714) Conflito ocorrido em Pernambuco, resultado do choque entre a aristocracia rural de Olindaeos comerciantes ("Mascates") de Recife. A principal causa do confronto foi a decadência da lavoura açucareira devido a concorrência antilhana que levou os senhores de engenho de Olinda a endividar-se com oscomerciantes de Recife. Olinda era Vila, possuía Câmara Municipal e tinha autonomia em relação a Recife, que era suacomarcae subordinadaadministrativamente.
  • 20. O grupo composto pelo alferes Joaquim José da Silva Xavier, conhecido por Tiradentes, pelos poetas Tomas Antonio Gonzaga e Cláudio Manuel da Costa, pelo dono de mina Inácio de Alvarenga e pelo padre Rolim, entre outros representantes da elite mineira decidiu lutar contra os abusivos impostos cobrados pela Coroa portuguesa na região de Minas Gerais. Influenciados pelos ideais iluministas e pela Guerra de Independência dos Estados Unidos, o objetivo do grupo era conquistar a liberdade definitiva e implantar o sistema de governo republicano em nosso país. Sobre a questão da escravidão, o grupo não possuía uma posição definida. Estes inconfidentes chegaram a definir até mesmo uma nova bandeira para o Brasil. Ela seria composta por um triangulo vermelho num fundo branco, com a inscrição em latim : Libertas Quae Sera Tamen (Liberdade ainda que Tardia).
  • 21. Através da delação de Joaquim Silvério dos Reis, que entregou seus companheiros em troca do perdão de suas dívidas, várias pessoas foram presas pelas autoridades de Portugal. O governador da província, Visconde de Barbacena iniciou o processo da devassa. Num primeiro momento, onze foram os condenados à morte pela forca, os outros eram condenados ao degredo perpétuo na África. Ao fim da devassa, somente Tiradentes foi condenado a morte: foi enforcado na cidade do Rio de Janeiro no dia 21 de abril de 1792. Logo depois foi esquartejado, e seus quartos foram espalhados pela estrada real, sendo a cabeça exposta na praça central de Vila Rica
  • 22. Em agosto de 1807, Portugal estava preste a ser invadido pelas tropas francesas comandadas por Napoleão Bonaparte. Sem condições militares para enfrentar os franceses, o príncipe regente de Portugal, D. João, resolveu transferir a corte portuguesa para sua mais importante colônia, o Brasil. Contou, neste empreendimento, com a ajuda dos aliados ingleses. Nos quatorze navios, além da família real, vieram centenas de funcionários, criados, assessores e pessoas ligadas à corte portuguesa. Trouxeram também muito dinheiro, obras de arte, documentos, livros, bens pessoais e outros objetos de valor. Em março de 1808, a corte portuguesa foi instalada no Rio de Janeiro. Muitos moradores, sob ordem de D. João, foram despejados para que os imóveis fossem usados pelos funcionários do governo.
  • 24. Uma das principais medidas tomadas por D. João foi decretar a abertura dos portos brasileiros aos países amigos de Portugal. A principal beneficiada com a medida foi à Inglaterra, que passou a ter vantagens comerciais e dominar o comércio com o Brasil. Os produtos ingleses chegavam ao Brasil com impostos de 15%, enquanto de outros países deveriam pagar 24% (Tratados de 1810). Este privilégio fez com que nosso país fosse inundado por produtos ingleses, prejudicando o desenvolvimento da indústria brasileira. D. João também incentivou o estabelecimento de indústrias no Brasil, promoveu a construção de estradas e reformas em portos; criou o Banco do Brasil e instalou a Junta de Comércio.
  • 25. O rei trouxe a Missão Francesa para o Brasil, estimulando o desenvolvimento das artes em nosso país. Criou o Museu Nacional, a Biblioteca Real, a Escola Real de Artes, o Jardim Botânico e o Observatório Astronômico. Vários cursos foram criados (agricultura, cirurgia, química, desenho técnico), nos estados da Bahia e Rio de Janeiro. A arte brasileira acabou sendo influenciada mais tarde pelo academicismo.
  • 26. Cedendo às pressões de Portugal, dom João voltou em 26 de abril de 1821. Deixou, contudo, seu filho dom Pedro como regente do Brasil. Assim, agradava aos portugueses e aos brasileiros que tinham lucrado com a vinda da corte portuguesa para o Brasil, especialmente com a abertura dos portos. No final de 1821 chegaram ao Rio de Janeiro decretos da corte que exigiam a completa obediência do Brasil às ordens vindas da metrópole. No dia 9 de dezembro de 1821, o governo brasileiro voltou a ser dependente de Portugal. Dom Pedro recebeu ordens para voltar a Portugal, mas o Partido Brasileiro, grupo formado por grandes fazendeiros, comerciantes e altos funcionários públicos, o convenceu a ficar.
  • 27. Seu nome completo era: Pedro de Alcântara Francisco Antônio João Carlos Xavier de Paula Miguel Rafael Joaquim José Gonzaga Pascoal Cipriano Serafim de Bragança e Bourbon. D. Pedro nasceu em Portugal, em 1798. Morreu em 1834, Foi o primeiro imperador do Brasil e 28° rei de Portugal, ainda que o reinado em Portugal tenha durado sete dias, em 1826. Era filho de D. João VI e Carlota Joaquina. Além disso, foi pai de D. Pedro II, segundo imperador do Brasil. dona Maria Aos 18 anos casou-se com Leopoldina, arquiduquesa d’Áustria,
  • 28. D. Pedro recebeu listas com assinaturas de cerca de 8.000 pessoas pedindo que ele permanecesse no país. Em 9 de janeiro de 1822, apoiado pelas províncias do Rio de Janeiro, São Paulo e Minas Gerais, dom Pedro decidiu permanecer. Ele foi à sacada e disse: "Se é para o bem de todos e felicidade geral da nação, diga ao povo que fico!". Essa data ficou conhecida como o Dia do Fico. Portugal não aceitou pacificamente a decisão de Dom Pedro. As tropas portuguesas sediadas no Rio de Janeiro tentaram forçá-lo a embarcar, o povo reagiu em defesa de Dom Pedro.
  • 29. Em maio de 1822, D. Pedro determinou que qualquer decreto das Cortes só poderia ser executado mediante o "Cumpra-se" assinado por ele. Na prática, isso significava conferir plena soberania ao Brasil. Essa medida teve imediato apoio: a 13 de maio, o Senado da Câmara do Rio de Janeiro conferiu ao príncipe regente o título de Defensor Perpétuo do Brasil. Enquanto isso, os liberais radicais sugeriam a D. Pedro a convocação de uma Assembléia Constituinte. O príncipe acatou a sugestão e decretou a sua convocação em junho de 1822. No dia 14 de agosto, Dom Pedro partiu para a província de São Paulo que se encontrava agitada por lutas internas. A regência ficou entregue à sua esposa dona Leopoldina. Durante a sua ausência, chega ao Rio de Janeiro uma carta das Cortes Portuguesas, na qual exigia a volta imediata de Dom Pedro à Portugal e a anulação da convocação da Assembléia Nacional Constituinte.
  • 30. Leopoldina e José Bonifácio enviaram um correio para levar essa carta a Dom Pedro. José Bonifácio e Leopoldina enviam outra carta, cada um reforçava a idéia de que havia chegado a hora de tomar uma decisão. Às 16 horas e 30 minutos do dia 07 de setembro de 1822, o correio alcançou Dom Pedro nas margens do rio Ipiranga e entregou-lhe as cartas. Depois de ler, amassou e pisoteou as cartas, montou seu cavalo e cavalgou até às margens do Ipiranga e gritou à guarda de honra: "Amigos, as cortes de Lisboa nos oprimem e querem nos escravizar...Deste dia em diante, nossas relações estão rompidas“. O príncipe sacou a espada e gritou: "Por meu sangue, por minha honra e por Deus, farei do Brasil um país livre", em seguida, erguendo a espada, afirmou: "Brasileiros, de hoje em diante nosso lema será: Independência ou Morte!".
  • 31. No dia 1º de dezembro de 1822, aos 24 anos, foi coroado imperador do Brasil e recebeu o título de Dom Pedro I. Apesar do processo de independência ter base nas idéias iluministas de liberdade, a escravidão foi mantida. O Brasil continuou com o modelo agrário, baseado em latifúndios e na produção de gêneros primários voltada para a exportação. Ou seja, pouco diferente de quando era colônia de Portugal. Ao contrário de outros países da América Latina, que adotaram o sistema republicano, o Brasil adotou o governo monárquico, baseado no poder de um rei. Para ser reconhecido oficialmente, o Brasil aceitou pagar indenizações de 2 milhões de libras esterlinas a Portugal. Para isso, pediu um empréstimo à Inglaterra, fato que iniciou a dívida externa do Brasil.