SlideShare uma empresa Scribd logo
A EDUCAÇÃO DE
SURDOS NO MUNDO
Idade Média
Egito
Os surdos eram
adorados, como se
fossem deuses,
serviam de
mediadores entre os
deuses e os faraós,
sendo temidos e
respeitados pela
população.
Na Antiguidade os Gregos e
Romanos não consideravam o surdo,
humano, pois acreditavam que a fala
era resultado do pensamento.
Na Idade Média, a igreja católica
teve papel fundamental na
discriminação dos surdos.
As almas dos surdos
eram consideradas mortais,
pois não podiam falar os
sacramentos.
Entretanto foi a igreja católica que
iniciou a primeira tentativa de educar os
surdos de maneira preceptorial através dos
monges.
Os surdos até o final do século XV eram
proibidos de possuir ou herdar propriedades,
casar-se, votar e também não tinha direito a
escolarização.
No séc. XVI surgem os primeiros
educadores de surdos: Gerolamo Cardano,
Italiano (1501-1576) e Pedro Ponce de leon
Espanhol (1510-1584).
Abade de L" Épee
1ª Escola de surdos
Dentre vários educadores de surdos, o
Abade Charles-Michel de L’Epee foi
grande defensor da Língua de Sinais.
Criou a primeira escola pública de
surdos em Paris, o Instituto Nacional
para Surdos-Mudos em 1760.
Foi através desse Instituto que o
professor Hernest Huet trouxe o método
combinado para o Brasil.
Em 1880 , ocorreu o II Congresso
Mundial de Surdos-Mudos para definir a
melhor forma de educar a pessoa surda, o
método oral puro.
Nesse mesmo ano nasce Hellen Keller.
A língua de sinais foi proibida durante
80 anos mesmo sem adaptação dos surdos.
Esta época é marcada por uma guerra de
manualistas e oralistas, onde a língua de sinais
era proibida em todas as escolas da Europa.
Em 1898 surge o primeiro aparelho
auditivo, provindo dos estudos de Graham
Bell defensor do oralismo.
Desenho da surda Betty G. Miller, uma
denuncia à proibição da língua americana de
sinais nas escolas de surdos em 1972.
A Comunicação Total foi desenvolvida
em meados de 1960, após o fracasso do
Oralismo puro para muitos sujeitos surdos,
que não tiveram o sucesso esperado na leitura
de lábios e emissão de palavras.
De acordo com estudos da área, foi
Dorothy Shifflet, professora secundária e mãe
de uma menina surda, que descontente com os
resultados presentes em sua filha através do
métodos oralista, começou a utilizar um novo
método.
Este método combinava sinais, fala,
leitura labial e treino auditivo.
Em uma escola na Califórnia, este
trabalho foi chamado de Total Approach
(Abordagem Total).
Assim, a Comunicação Total consistia
no uso simultâneo de palavras e sinais, ou
seja, no uso simultâneo de uma língua oral e
de uma língua sinalizada.
ABORDAGEM BILINGUEABORDAGEM BILINGUE
NA EDUCAÇÃO DONA EDUCAÇÃO DO
SURDOSURDO
• “O objetivo da educação bilíngue
é que a criança surda possa ter
um desenvolvimento cognitivo
linguístico equivalente ao
verificado na criança ouvinte, e
que possa desenvolver uma
relação harmoniosa também com
ouvintes, tendo acesso a língua
de sinais e a Língua majoritária”
(Lacerda, 2000, p74).
EDUCAÇÃO DEEDUCAÇÃO DE
SURDOS NO BRASILSURDOS NO BRASIL
• Em 1857, D. Pedro II fundou o Instituto Imperial dos
Surdos-Mudos dirigido pelo professor Francês Ernest
Huet.
• Em 1957, O Instituto Imperial dos Surdos – Mudos
passa a chamar-se Instituto Nacional de Educação de
Surdos em consonância com os avanços na área da
surdez.
• Em 1970, surge no Brasil a
comunicação total trazida pela
professora Ivete Vasconcelos.
• Em 1980, a professora Linguística
Lucinda Ferreira Brito pesquisou
sobre a Língua Brasileira de Sinais.
Língua ≠ Linguagem
•Língua: Conjunto
das palavras e
expressões usadas
por um povo, por
uma nação, e o
conjunto de regras da
sua gramática;
idioma.
•Ex.: Português,
Inglês, LIBRAS.
•Linguagem: Uso
da palavra como
meio de expressão
e de comunicação
entre as pessoas,
animais.
Ex.: linguagem
das abelhas, dos
golfinhos, dos
médicos.
LÍNGUA DE SINAIS
É a língua falada pelos
surdos em todo o mundo;
As línguas de sinais têm
modalidade gestual-
visual porque utilizam
como canal ou meio de
comunicação movimentos
gestuais, expressões
faciais e corporais que são
percebidos pela visão (prt
- modalidade oral);
Como qualquer língua ela expressa ideias
sutis, complexas e abstratas. Seu
vocabulário é ampliado pela comunidade
surda em resposta às mudanças culturais e
tecnológicas da sociedade (exemplo:
SHOPPING RIO ANIL, UFMA, etc.)
No Brasil há registro
de duas línguas de
sinais – LSKB
(Língua de Sinais
Kaapor Brasileira) e
LIBRAS.
MITOS SOBRE A LIBRAS
LÍNGUAS DE SINAIS SÃO UNIVERSAIS;
 LÍNGUAS DE SINAIS NÃO TEM
NENHUMA GRAMÁTICA;
LÍNGUAS DE SINAIS TEM UM
VOCABULÁRIO PEQUENO;
LÍNGUAS DE SINAIS SÃO DESENHOS
NO AR.
Todos os surdos falam a mesma língua?
Argentina
Itália
As línguas de sinais independem
das línguas orais-auditivas
Ex: Estados Unidos e Inglaterra,
Brasil e Portugal
• Orais-auditivas
• Línguas de sinais
Língua do surdo brasileiro
sua 1ª língua
Língua brasileira
2ª língua do Surdo
Modalidade Gestual-visual; Modalidade Oral auditiva
Foi oficialmente reconhecida no
dia 24 de abril de 2002, sob a Lei
nº. 10.436/2002;
Gramática própria.
Regulamentada : 22 de dezembro
de 2005, pelo decreto nº 5.626
Gramática própria
LIBRAS - Que língua é essa?LIBRAS - Que língua é essa?
LIBRAS
(Língua Brasileira de sinais)
LINGUA PORTUGUESA
PARÂMETROS
Configuração das Mãos : CM
Ponto de Articulação: PA
Movimento: M
Orientação / direcionalidade
Expressão Facial / Corporal
CONFIGURAÇÃO DAS MÃOS : CM
É a forma que a mão assume durante a realização de um
sinal. Pelas pesquisas linguísticas, já foi comprovado que na
LIBRAS existem 63 configurações das mãos sendo que o
alfabeto manual utiliza apenas 26 destas para representar as
letras.
B - BrancoB - Branco
L - OntemL - OntemNº 47 - VeadoNº 47 - Veado
Y - TelefoneY - Telefone
PONTO DE ARTICULAÇÃO:
PA
• É o lugar do corpo onde será realizado
o sinal. Ex:
Movimento: M
• É o deslocamento da mão no espaço, durante a
realização do sinal.
Ex com movimento: HELICÓPTERO, VENTILADOR,
ESQUECER, etc.
Ex sem movimento: EM PÉ, AJOELHAR, SENTAR, etc.
GalinhaGalinha HomemHomem
ORIENTAÇÃO
• Direção com relação aos parâmetros.
Verbos que se opõem em relação a
direcionalidade:
→ IR e VIR
→SUBIR e DESCER
→ ACENDER e APAGAR
→ABRIR- PORTA e FECHAR PORTA
Direcionalidade do movimento
Unidirecional: movimento em uma direção no
espaço, durante a realização de um sinal.
ProibidoProibido
SentarSentar
MandarMandar
Bidirecional: movimento realizado por uma ou
ambas as mãos, em duas direções diferentes.
GrandeGrande Empregad@Empregad@ Prim@Prim@
BrincarBrincarTrabalharTrabalhar
Multidirecional: movimentos que exploram várias
direções no espaço, durante a realização de um sinal.
PesquisarPesquisar AvisarAvisar
Tipos de movimento
Retilíneo
EncontrarEncontrar EstudarEstudar PorquePorque
Retilíneo
AltoAlto MacarrãoMacarrão AzeiteAzeite
Circular
BrincarBrincar IdiotaIdiota BicicletaBicicleta
Semi circular
SurdoSurdo SapoSapo CoragemCoragem
Sinuoso
BrasilBrasil RioRio NavioNavio
Angular
RaioRaio EletricidadeEletricidade DifícilDifícil
Parâmetros secundários
Disposição das mãos: a realização dos sinais na
LIBRAS pode ser feito com a mão dominante ou por
ambas as mãos.
Ex.: BURRO, CALMA, DIFERENTE, SENTAR,
SEMPRE, OBRIGADO
Orientação das mãos: direção da palma da mão
durante a execução do sinal da LIBRAS, para cima, para
baixo, para o lado, para a frente, etc. Também pode
ocorrer a mudança de orientação durante a execução de
um sinal.
Ex.: MONTANHA, BAIXO, FRITAR.
Região de contato: a mão entra em contato com o
corpo, através do:
Toque: MEDO, ÔNIBUS, CONHECER.
Duplo toque: FAMÍLIA, SURDO, SAÚDE.
Risco: OPERAR, PESSOA.
Deslizamento: CURSO, EDUCADO, GALINHA.
EXPRESSÃO FACIAL / CORPORAL
Além desses parâmetros, a LIBRAS conta com uma série
de componentes não manuais, como a expressão facial ou
o movimento do corpo, que muitas vezes podem definir ou
diferenciar significados entre sinais. A expressão facial e
corporal podem traduzir alegria, tristeza, raiva, amor,
encantamento, etc., dando mais sentido à LIBRAS e, em
alguns casos, determinando o significado de um sinal.
Ex: ALEGRE e TRISTE, SILÊNCIO, CALE A BOCA!
Existem sinais feitos ...
Somente com a bochecha:
Ex: LADRÃO, ATO SEXUAL.
Com a mão e expressão facial:
Ex: BOMBOM (BALA)
Sons e expressões faciais :
EX: HELICÓPTERO, MOTO.
Alfabeto manual - DATILOLOGIA
É usado para
expressar nome de
pessoas, localidades e
outras palavras que
não possuem um
sinal.
A educação de surdos no mundo
A educação de surdos no mundo
A educação de surdos no mundo
A educação de surdos no mundo
A educação de surdos no mundo
A educação de surdos no mundo
A educação de surdos no mundo
A educação de surdos no mundo
A educação de surdos no mundo
A educação de surdos no mundo
A educação de surdos no mundo
A educação de surdos no mundo
A educação de surdos no mundo
A educação de surdos no mundo
A educação de surdos no mundo
A educação de surdos no mundo
A educação de surdos no mundo
A educação de surdos no mundo
A educação de surdos no mundo
A educação de surdos no mundo
A educação de surdos no mundo
A educação de surdos no mundo
A educação de surdos no mundo
A educação de surdos no mundo
A educação de surdos no mundo
A educação de surdos no mundo
A educação de surdos no mundo
A educação de surdos no mundo

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

3o slide linha do tempo na historia da educacao de surdos
3o slide   linha do tempo na historia da educacao de surdos3o slide   linha do tempo na historia da educacao de surdos
3o slide linha do tempo na historia da educacao de surdos
Jean Rodrigo
 
Libras na escola
Libras na escolaLibras na escola
Libras na escola
NRTE
 
Slide libras (1)
Slide libras (1)Slide libras (1)
Slide libras (1)
Gisele Monteiro
 
Educação bilíngue para surdos
Educação bilíngue para surdosEducação bilíngue para surdos
Educação bilíngue para surdos
Rosi Whindson
 
LIBRAS AULA 11: Aspectos Linguísticos da língua de sinais - Aspectos fonológicos
LIBRAS AULA 11: Aspectos Linguísticos da língua de sinais - Aspectos fonológicosLIBRAS AULA 11: Aspectos Linguísticos da língua de sinais - Aspectos fonológicos
LIBRAS AULA 11: Aspectos Linguísticos da língua de sinais - Aspectos fonológicos
profamiriamnavarro
 
LIBRAS AULA 1: Apresentação da disciplina
LIBRAS AULA 1: Apresentação da disciplinaLIBRAS AULA 1: Apresentação da disciplina
LIBRAS AULA 1: Apresentação da disciplina
profamiriamnavarro
 
LIBRAS - Língua Brasileira de Sinais
LIBRAS - Língua Brasileira de SinaisLIBRAS - Língua Brasileira de Sinais
LIBRAS - Língua Brasileira de Sinais
Lene Reis
 
Cultura e identidade surda
Cultura e identidade surdaCultura e identidade surda
Cultura e identidade surda
Valdemar Júnior
 
Slides. libras.
Slides. libras.Slides. libras.
Slides. libras.
Janaina Martins
 
Mundo Surdo
Mundo SurdoMundo Surdo
A linha do tempo aula 01
A linha do tempo aula 01A linha do tempo aula 01
A linha do tempo aula 01
Andréa Carla Lima Coelho
 
Apostila SURDOS DE MALAS PRONTAS
Apostila SURDOS DE MALAS PRONTAS Apostila SURDOS DE MALAS PRONTAS
Apostila SURDOS DE MALAS PRONTAS
Sinal de Acesso
 
Pessoas Surdas, bilingüismo e educação bilíngüe
Pessoas Surdas, bilingüismo e educação bilíngüePessoas Surdas, bilingüismo e educação bilíngüe
Pessoas Surdas, bilingüismo e educação bilíngüe
Vanessa Dagostim
 
1. curiosidades sobre a libras
1. curiosidades sobre a libras1. curiosidades sobre a libras
1. curiosidades sobre a libras
Valeria Nunes
 
Classificadores em Libras
Classificadores em LibrasClassificadores em Libras
Classificadores em Libras
Joseane Maciel Viana
 
LIBRAS AULA 5: Tradutor Intérprete de Libras
LIBRAS AULA 5: Tradutor Intérprete de LibrasLIBRAS AULA 5: Tradutor Intérprete de Libras
LIBRAS AULA 5: Tradutor Intérprete de Libras
profamiriamnavarro
 
História da educação de surdos e educação de
História da educação de surdos e educação deHistória da educação de surdos e educação de
História da educação de surdos e educação de
Maísa Allana
 
LIBRAS AULA 2: As línguas de sinais: sua importância para os Surdos
LIBRAS AULA 2: As línguas de sinais: sua importância para os SurdosLIBRAS AULA 2: As línguas de sinais: sua importância para os Surdos
LIBRAS AULA 2: As línguas de sinais: sua importância para os Surdos
profamiriamnavarro
 
Intérpretes Educacionais de Libras
Intérpretes Educacionais de LibrasIntérpretes Educacionais de Libras
Intérpretes Educacionais de Libras
unidadebetinho
 
LIBRAS AULA 9: Tecnologia para surdos
LIBRAS AULA 9: Tecnologia para surdosLIBRAS AULA 9: Tecnologia para surdos
LIBRAS AULA 9: Tecnologia para surdos
profamiriamnavarro
 

Mais procurados (20)

3o slide linha do tempo na historia da educacao de surdos
3o slide   linha do tempo na historia da educacao de surdos3o slide   linha do tempo na historia da educacao de surdos
3o slide linha do tempo na historia da educacao de surdos
 
Libras na escola
Libras na escolaLibras na escola
Libras na escola
 
Slide libras (1)
Slide libras (1)Slide libras (1)
Slide libras (1)
 
Educação bilíngue para surdos
Educação bilíngue para surdosEducação bilíngue para surdos
Educação bilíngue para surdos
 
LIBRAS AULA 11: Aspectos Linguísticos da língua de sinais - Aspectos fonológicos
LIBRAS AULA 11: Aspectos Linguísticos da língua de sinais - Aspectos fonológicosLIBRAS AULA 11: Aspectos Linguísticos da língua de sinais - Aspectos fonológicos
LIBRAS AULA 11: Aspectos Linguísticos da língua de sinais - Aspectos fonológicos
 
LIBRAS AULA 1: Apresentação da disciplina
LIBRAS AULA 1: Apresentação da disciplinaLIBRAS AULA 1: Apresentação da disciplina
LIBRAS AULA 1: Apresentação da disciplina
 
LIBRAS - Língua Brasileira de Sinais
LIBRAS - Língua Brasileira de SinaisLIBRAS - Língua Brasileira de Sinais
LIBRAS - Língua Brasileira de Sinais
 
Cultura e identidade surda
Cultura e identidade surdaCultura e identidade surda
Cultura e identidade surda
 
Slides. libras.
Slides. libras.Slides. libras.
Slides. libras.
 
Mundo Surdo
Mundo SurdoMundo Surdo
Mundo Surdo
 
A linha do tempo aula 01
A linha do tempo aula 01A linha do tempo aula 01
A linha do tempo aula 01
 
Apostila SURDOS DE MALAS PRONTAS
Apostila SURDOS DE MALAS PRONTAS Apostila SURDOS DE MALAS PRONTAS
Apostila SURDOS DE MALAS PRONTAS
 
Pessoas Surdas, bilingüismo e educação bilíngüe
Pessoas Surdas, bilingüismo e educação bilíngüePessoas Surdas, bilingüismo e educação bilíngüe
Pessoas Surdas, bilingüismo e educação bilíngüe
 
1. curiosidades sobre a libras
1. curiosidades sobre a libras1. curiosidades sobre a libras
1. curiosidades sobre a libras
 
Classificadores em Libras
Classificadores em LibrasClassificadores em Libras
Classificadores em Libras
 
LIBRAS AULA 5: Tradutor Intérprete de Libras
LIBRAS AULA 5: Tradutor Intérprete de LibrasLIBRAS AULA 5: Tradutor Intérprete de Libras
LIBRAS AULA 5: Tradutor Intérprete de Libras
 
História da educação de surdos e educação de
História da educação de surdos e educação deHistória da educação de surdos e educação de
História da educação de surdos e educação de
 
LIBRAS AULA 2: As línguas de sinais: sua importância para os Surdos
LIBRAS AULA 2: As línguas de sinais: sua importância para os SurdosLIBRAS AULA 2: As línguas de sinais: sua importância para os Surdos
LIBRAS AULA 2: As línguas de sinais: sua importância para os Surdos
 
Intérpretes Educacionais de Libras
Intérpretes Educacionais de LibrasIntérpretes Educacionais de Libras
Intérpretes Educacionais de Libras
 
LIBRAS AULA 9: Tecnologia para surdos
LIBRAS AULA 9: Tecnologia para surdosLIBRAS AULA 9: Tecnologia para surdos
LIBRAS AULA 9: Tecnologia para surdos
 

Semelhante a A educação de surdos no mundo

LIBRAS AULA 6: A interação do surdo com o mundo
LIBRAS AULA 6: A interação do surdo com o mundo LIBRAS AULA 6: A interação do surdo com o mundo
LIBRAS AULA 6: A interação do surdo com o mundo
profamiriamnavarro
 
aspectos_teoricos__linguisticos_da_libras.ppt
aspectos_teoricos__linguisticos_da_libras.pptaspectos_teoricos__linguisticos_da_libras.ppt
aspectos_teoricos__linguisticos_da_libras.ppt
profzacviana
 
Libras 01
Libras 01Libras 01
Libras 01
Thiagoak2013
 
aula 2 ufsb 2022.2.pptx
aula 2 ufsb 2022.2.pptxaula 2 ufsb 2022.2.pptx
aula 2 ufsb 2022.2.pptx
JaqsonAlvesSantos1
 
Apresentação 1 Linguistica .pdf
Apresentação 1 Linguistica .pdfApresentação 1 Linguistica .pdf
Apresentação 1 Linguistica .pdf
AGATHASOFIADEABINTES
 
Língua Brasileira de Sinais - LIBRAS - Aspectos Linguísticos
Língua Brasileira de Sinais - LIBRAS - Aspectos LinguísticosLíngua Brasileira de Sinais - LIBRAS - Aspectos Linguísticos
Língua Brasileira de Sinais - LIBRAS - Aspectos Linguísticos
Universidade Estadual de Londrina - UEL
 
Seminario Librassssssssssssssssssssssssssssssssssssss
Seminario LibrassssssssssssssssssssssssssssssssssssssSeminario Librassssssssssssssssssssssssssssssssssssss
Seminario Librassssssssssssssssssssssssssssssssssssss
jeniffersb018
 
10 coisas sobre libras academia de libras
10 coisas sobre libras   academia de libras10 coisas sobre libras   academia de libras
10 coisas sobre libras academia de libras
Autonoma
 
Eliane EducaçãO BilingüE
Eliane EducaçãO BilingüEEliane EducaçãO BilingüE
Eliane EducaçãO BilingüE
Ana Lúcia Lemes Nunes Silva
 
Linguagem, língua, escrita e oralidade
Linguagem, língua, escrita e oralidadeLinguagem, língua, escrita e oralidade
Linguagem, língua, escrita e oralidade
Karen Olivan
 
Linguagem E Sociedade
Linguagem E SociedadeLinguagem E Sociedade
Linguagem E Sociedade
FernandoFernochio
 
Quem será o modelo da Educação Bilíngue?
Quem será o modelo da Educação Bilíngue? Quem será o modelo da Educação Bilíngue?
Quem será o modelo da Educação Bilíngue?
Grupo Educação, Mídias e Comunidade Surda
 
1254836029 oxmundoxsurdoxinfantil
1254836029 oxmundoxsurdoxinfantil1254836029 oxmundoxsurdoxinfantil
1254836029 oxmundoxsurdoxinfantil
ilesor
 
LIBRAS
LIBRAS LIBRAS
Eliane-educação_bilingue
Eliane-educação_bilingue Eliane-educação_bilingue
Eliane-educação_bilingue
Tânia Sampaio
 
Atividade 10 -_leitura_complementar_unidade_iv
Atividade 10 -_leitura_complementar_unidade_ivAtividade 10 -_leitura_complementar_unidade_iv
Atividade 10 -_leitura_complementar_unidade_iv
Paula Aparecida Alves
 
1ª Oficina Para Professores Cap V&L
1ª Oficina Para Professores Cap V&L1ª Oficina Para Professores Cap V&L
1ª Oficina Para Professores Cap V&L
Vanessa Dagostim
 
LIBRAS.pptx
LIBRAS.pptxLIBRAS.pptx
LIBRAS.pptx
AdriellyWannessa
 
História da Libras e como ela surgiu no mundo.
História da Libras e como ela surgiu no mundo.História da Libras e como ela surgiu no mundo.
História da Libras e como ela surgiu no mundo.
LucasBrando77
 
Que língua é essa
Que língua é essaQue língua é essa
Que língua é essa
marciaorion
 

Semelhante a A educação de surdos no mundo (20)

LIBRAS AULA 6: A interação do surdo com o mundo
LIBRAS AULA 6: A interação do surdo com o mundo LIBRAS AULA 6: A interação do surdo com o mundo
LIBRAS AULA 6: A interação do surdo com o mundo
 
aspectos_teoricos__linguisticos_da_libras.ppt
aspectos_teoricos__linguisticos_da_libras.pptaspectos_teoricos__linguisticos_da_libras.ppt
aspectos_teoricos__linguisticos_da_libras.ppt
 
Libras 01
Libras 01Libras 01
Libras 01
 
aula 2 ufsb 2022.2.pptx
aula 2 ufsb 2022.2.pptxaula 2 ufsb 2022.2.pptx
aula 2 ufsb 2022.2.pptx
 
Apresentação 1 Linguistica .pdf
Apresentação 1 Linguistica .pdfApresentação 1 Linguistica .pdf
Apresentação 1 Linguistica .pdf
 
Língua Brasileira de Sinais - LIBRAS - Aspectos Linguísticos
Língua Brasileira de Sinais - LIBRAS - Aspectos LinguísticosLíngua Brasileira de Sinais - LIBRAS - Aspectos Linguísticos
Língua Brasileira de Sinais - LIBRAS - Aspectos Linguísticos
 
Seminario Librassssssssssssssssssssssssssssssssssssss
Seminario LibrassssssssssssssssssssssssssssssssssssssSeminario Librassssssssssssssssssssssssssssssssssssss
Seminario Librassssssssssssssssssssssssssssssssssssss
 
10 coisas sobre libras academia de libras
10 coisas sobre libras   academia de libras10 coisas sobre libras   academia de libras
10 coisas sobre libras academia de libras
 
Eliane EducaçãO BilingüE
Eliane EducaçãO BilingüEEliane EducaçãO BilingüE
Eliane EducaçãO BilingüE
 
Linguagem, língua, escrita e oralidade
Linguagem, língua, escrita e oralidadeLinguagem, língua, escrita e oralidade
Linguagem, língua, escrita e oralidade
 
Linguagem E Sociedade
Linguagem E SociedadeLinguagem E Sociedade
Linguagem E Sociedade
 
Quem será o modelo da Educação Bilíngue?
Quem será o modelo da Educação Bilíngue? Quem será o modelo da Educação Bilíngue?
Quem será o modelo da Educação Bilíngue?
 
1254836029 oxmundoxsurdoxinfantil
1254836029 oxmundoxsurdoxinfantil1254836029 oxmundoxsurdoxinfantil
1254836029 oxmundoxsurdoxinfantil
 
LIBRAS
LIBRAS LIBRAS
LIBRAS
 
Eliane-educação_bilingue
Eliane-educação_bilingue Eliane-educação_bilingue
Eliane-educação_bilingue
 
Atividade 10 -_leitura_complementar_unidade_iv
Atividade 10 -_leitura_complementar_unidade_ivAtividade 10 -_leitura_complementar_unidade_iv
Atividade 10 -_leitura_complementar_unidade_iv
 
1ª Oficina Para Professores Cap V&L
1ª Oficina Para Professores Cap V&L1ª Oficina Para Professores Cap V&L
1ª Oficina Para Professores Cap V&L
 
LIBRAS.pptx
LIBRAS.pptxLIBRAS.pptx
LIBRAS.pptx
 
História da Libras e como ela surgiu no mundo.
História da Libras e como ela surgiu no mundo.História da Libras e como ela surgiu no mundo.
História da Libras e como ela surgiu no mundo.
 
Que língua é essa
Que língua é essaQue língua é essa
Que língua é essa
 

Mais de Maryanne Monteiro

AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NUMA PERSPECTIVA DA EDUCAÇÃO ESPECIAL E INCLUSIVA
AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NUMA PERSPECTIVA DA EDUCAÇÃO ESPECIAL E INCLUSIVAAS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NUMA PERSPECTIVA DA EDUCAÇÃO ESPECIAL E INCLUSIVA
AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NUMA PERSPECTIVA DA EDUCAÇÃO ESPECIAL E INCLUSIVA
Maryanne Monteiro
 
A PARTICIPAÇÃO DO ORIENTADOR EDUCACIONAL EM RELAÇÃO AO APROVEITAMENTO ESCOLAR...
A PARTICIPAÇÃO DO ORIENTADOR EDUCACIONAL EM RELAÇÃO AO APROVEITAMENTO ESCOLAR...A PARTICIPAÇÃO DO ORIENTADOR EDUCACIONAL EM RELAÇÃO AO APROVEITAMENTO ESCOLAR...
A PARTICIPAÇÃO DO ORIENTADOR EDUCACIONAL EM RELAÇÃO AO APROVEITAMENTO ESCOLAR...
Maryanne Monteiro
 
O sistema Braile no Brasil - Linha do tempo
O sistema Braile no Brasil - Linha do tempoO sistema Braile no Brasil - Linha do tempo
O sistema Braile no Brasil - Linha do tempo
Maryanne Monteiro
 
Resenha do filme Black
Resenha do filme BlackResenha do filme Black
Resenha do filme Black
Maryanne Monteiro
 
Relatório de gestão escolar
Relatório de gestão escolarRelatório de gestão escolar
Relatório de gestão escolar
Maryanne Monteiro
 
O professor educador
O professor educadorO professor educador
O professor educador
Maryanne Monteiro
 
Resumo EJA filme Narradores de Javé
Resumo EJA filme Narradores de JavéResumo EJA filme Narradores de Javé
Resumo EJA filme Narradores de Javé
Maryanne Monteiro
 
O papel da educação do campo na construção do desenvolvimento rural
O papel da educação do campo na construção do desenvolvimento ruralO papel da educação do campo na construção do desenvolvimento rural
O papel da educação do campo na construção do desenvolvimento rural
Maryanne Monteiro
 
Artigo sobre Educação étnica
Artigo sobre Educação étnicaArtigo sobre Educação étnica
Artigo sobre Educação étnica
Maryanne Monteiro
 
Braile - Como tratar deficientes visuais corretamente
Braile - Como tratar deficientes visuais corretamenteBraile - Como tratar deficientes visuais corretamente
Braile - Como tratar deficientes visuais corretamente
Maryanne Monteiro
 
A forma como eixo
A forma como eixoA forma como eixo
A forma como eixo
Maryanne Monteiro
 
Pedagogia empresarial - Proposta de Trabalho
Pedagogia empresarial - Proposta de TrabalhoPedagogia empresarial - Proposta de Trabalho
Pedagogia empresarial - Proposta de Trabalho
Maryanne Monteiro
 
Cultura afro brasileira
Cultura afro brasileiraCultura afro brasileira
Cultura afro brasileira
Maryanne Monteiro
 
Aula Montessoriana - Prática
Aula Montessoriana - PráticaAula Montessoriana - Prática
Aula Montessoriana - Prática
Maryanne Monteiro
 
A importância da Motivação no âmbito organizacional
A importância da Motivação no âmbito organizacionalA importância da Motivação no âmbito organizacional
A importância da Motivação no âmbito organizacional
Maryanne Monteiro
 
Apagões
ApagõesApagões
Os quilombolas do Maranhão
Os quilombolas do MaranhãoOs quilombolas do Maranhão
Os quilombolas do Maranhão
Maryanne Monteiro
 
Planejamento educacional
Planejamento educacionalPlanejamento educacional
Planejamento educacional
Maryanne Monteiro
 
A educação moral no ambiente escolar - Pojeto de Monografia
A educação moral no ambiente escolar - Pojeto de MonografiaA educação moral no ambiente escolar - Pojeto de Monografia
A educação moral no ambiente escolar - Pojeto de Monografia
Maryanne Monteiro
 
A educação moral no ambiente escolar
A educação moral no ambiente escolarA educação moral no ambiente escolar
A educação moral no ambiente escolar
Maryanne Monteiro
 

Mais de Maryanne Monteiro (20)

AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NUMA PERSPECTIVA DA EDUCAÇÃO ESPECIAL E INCLUSIVA
AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NUMA PERSPECTIVA DA EDUCAÇÃO ESPECIAL E INCLUSIVAAS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NUMA PERSPECTIVA DA EDUCAÇÃO ESPECIAL E INCLUSIVA
AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NUMA PERSPECTIVA DA EDUCAÇÃO ESPECIAL E INCLUSIVA
 
A PARTICIPAÇÃO DO ORIENTADOR EDUCACIONAL EM RELAÇÃO AO APROVEITAMENTO ESCOLAR...
A PARTICIPAÇÃO DO ORIENTADOR EDUCACIONAL EM RELAÇÃO AO APROVEITAMENTO ESCOLAR...A PARTICIPAÇÃO DO ORIENTADOR EDUCACIONAL EM RELAÇÃO AO APROVEITAMENTO ESCOLAR...
A PARTICIPAÇÃO DO ORIENTADOR EDUCACIONAL EM RELAÇÃO AO APROVEITAMENTO ESCOLAR...
 
O sistema Braile no Brasil - Linha do tempo
O sistema Braile no Brasil - Linha do tempoO sistema Braile no Brasil - Linha do tempo
O sistema Braile no Brasil - Linha do tempo
 
Resenha do filme Black
Resenha do filme BlackResenha do filme Black
Resenha do filme Black
 
Relatório de gestão escolar
Relatório de gestão escolarRelatório de gestão escolar
Relatório de gestão escolar
 
O professor educador
O professor educadorO professor educador
O professor educador
 
Resumo EJA filme Narradores de Javé
Resumo EJA filme Narradores de JavéResumo EJA filme Narradores de Javé
Resumo EJA filme Narradores de Javé
 
O papel da educação do campo na construção do desenvolvimento rural
O papel da educação do campo na construção do desenvolvimento ruralO papel da educação do campo na construção do desenvolvimento rural
O papel da educação do campo na construção do desenvolvimento rural
 
Artigo sobre Educação étnica
Artigo sobre Educação étnicaArtigo sobre Educação étnica
Artigo sobre Educação étnica
 
Braile - Como tratar deficientes visuais corretamente
Braile - Como tratar deficientes visuais corretamenteBraile - Como tratar deficientes visuais corretamente
Braile - Como tratar deficientes visuais corretamente
 
A forma como eixo
A forma como eixoA forma como eixo
A forma como eixo
 
Pedagogia empresarial - Proposta de Trabalho
Pedagogia empresarial - Proposta de TrabalhoPedagogia empresarial - Proposta de Trabalho
Pedagogia empresarial - Proposta de Trabalho
 
Cultura afro brasileira
Cultura afro brasileiraCultura afro brasileira
Cultura afro brasileira
 
Aula Montessoriana - Prática
Aula Montessoriana - PráticaAula Montessoriana - Prática
Aula Montessoriana - Prática
 
A importância da Motivação no âmbito organizacional
A importância da Motivação no âmbito organizacionalA importância da Motivação no âmbito organizacional
A importância da Motivação no âmbito organizacional
 
Apagões
ApagõesApagões
Apagões
 
Os quilombolas do Maranhão
Os quilombolas do MaranhãoOs quilombolas do Maranhão
Os quilombolas do Maranhão
 
Planejamento educacional
Planejamento educacionalPlanejamento educacional
Planejamento educacional
 
A educação moral no ambiente escolar - Pojeto de Monografia
A educação moral no ambiente escolar - Pojeto de MonografiaA educação moral no ambiente escolar - Pojeto de Monografia
A educação moral no ambiente escolar - Pojeto de Monografia
 
A educação moral no ambiente escolar
A educação moral no ambiente escolarA educação moral no ambiente escolar
A educação moral no ambiente escolar
 

Último

Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
cmeioctaciliabetesch
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
ValdineyRodriguesBez1
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
WelberMerlinCardoso
 
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de CarvalhoO sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
analuisasesso
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
.Template .padrao .slides .TCC .2024 ppt
.Template .padrao .slides .TCC .2024 ppt.Template .padrao .slides .TCC .2024 ppt
.Template .padrao .slides .TCC .2024 ppt
IslanderAndrade
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
RenanSilva991968
 
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slidesSócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
jbellas2
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
AntnioManuelAgdoma
 
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdfCaderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
enpfilosofiaufu
 
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Centro Jacques Delors
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
ReinaldoSouza57
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e ZCaça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
Mary Alvarenga
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
Funções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prismaFunções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prisma
djincognito
 
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptxApresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
JulianeMelo17
 
socialização faculdade uniasselvi 2024 matea
socialização faculdade uniasselvi 2024 mateasocialização faculdade uniasselvi 2024 matea
socialização faculdade uniasselvi 2024 matea
ILDISONRAFAELBARBOSA
 

Último (20)

Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
 
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de CarvalhoO sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
 
.Template .padrao .slides .TCC .2024 ppt
.Template .padrao .slides .TCC .2024 ppt.Template .padrao .slides .TCC .2024 ppt
.Template .padrao .slides .TCC .2024 ppt
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
 
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slidesSócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
 
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdfCaderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
 
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e ZCaça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
Funções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prismaFunções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prisma
 
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptxApresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
 
socialização faculdade uniasselvi 2024 matea
socialização faculdade uniasselvi 2024 mateasocialização faculdade uniasselvi 2024 matea
socialização faculdade uniasselvi 2024 matea
 

A educação de surdos no mundo

  • 2. Idade Média Egito Os surdos eram adorados, como se fossem deuses, serviam de mediadores entre os deuses e os faraós, sendo temidos e respeitados pela população.
  • 3. Na Antiguidade os Gregos e Romanos não consideravam o surdo, humano, pois acreditavam que a fala era resultado do pensamento. Na Idade Média, a igreja católica teve papel fundamental na discriminação dos surdos. As almas dos surdos eram consideradas mortais, pois não podiam falar os sacramentos.
  • 4. Entretanto foi a igreja católica que iniciou a primeira tentativa de educar os surdos de maneira preceptorial através dos monges. Os surdos até o final do século XV eram proibidos de possuir ou herdar propriedades, casar-se, votar e também não tinha direito a escolarização. No séc. XVI surgem os primeiros educadores de surdos: Gerolamo Cardano, Italiano (1501-1576) e Pedro Ponce de leon Espanhol (1510-1584).
  • 5. Abade de L" Épee 1ª Escola de surdos
  • 6. Dentre vários educadores de surdos, o Abade Charles-Michel de L’Epee foi grande defensor da Língua de Sinais. Criou a primeira escola pública de surdos em Paris, o Instituto Nacional para Surdos-Mudos em 1760. Foi através desse Instituto que o professor Hernest Huet trouxe o método combinado para o Brasil.
  • 7. Em 1880 , ocorreu o II Congresso Mundial de Surdos-Mudos para definir a melhor forma de educar a pessoa surda, o método oral puro. Nesse mesmo ano nasce Hellen Keller. A língua de sinais foi proibida durante 80 anos mesmo sem adaptação dos surdos. Esta época é marcada por uma guerra de manualistas e oralistas, onde a língua de sinais era proibida em todas as escolas da Europa. Em 1898 surge o primeiro aparelho auditivo, provindo dos estudos de Graham Bell defensor do oralismo.
  • 8. Desenho da surda Betty G. Miller, uma denuncia à proibição da língua americana de sinais nas escolas de surdos em 1972.
  • 9. A Comunicação Total foi desenvolvida em meados de 1960, após o fracasso do Oralismo puro para muitos sujeitos surdos, que não tiveram o sucesso esperado na leitura de lábios e emissão de palavras. De acordo com estudos da área, foi Dorothy Shifflet, professora secundária e mãe de uma menina surda, que descontente com os resultados presentes em sua filha através do métodos oralista, começou a utilizar um novo método.
  • 10. Este método combinava sinais, fala, leitura labial e treino auditivo. Em uma escola na Califórnia, este trabalho foi chamado de Total Approach (Abordagem Total). Assim, a Comunicação Total consistia no uso simultâneo de palavras e sinais, ou seja, no uso simultâneo de uma língua oral e de uma língua sinalizada.
  • 11. ABORDAGEM BILINGUEABORDAGEM BILINGUE NA EDUCAÇÃO DONA EDUCAÇÃO DO SURDOSURDO • “O objetivo da educação bilíngue é que a criança surda possa ter um desenvolvimento cognitivo linguístico equivalente ao verificado na criança ouvinte, e que possa desenvolver uma relação harmoniosa também com ouvintes, tendo acesso a língua de sinais e a Língua majoritária” (Lacerda, 2000, p74).
  • 12. EDUCAÇÃO DEEDUCAÇÃO DE SURDOS NO BRASILSURDOS NO BRASIL • Em 1857, D. Pedro II fundou o Instituto Imperial dos Surdos-Mudos dirigido pelo professor Francês Ernest Huet. • Em 1957, O Instituto Imperial dos Surdos – Mudos passa a chamar-se Instituto Nacional de Educação de Surdos em consonância com os avanços na área da surdez. • Em 1970, surge no Brasil a comunicação total trazida pela professora Ivete Vasconcelos. • Em 1980, a professora Linguística Lucinda Ferreira Brito pesquisou sobre a Língua Brasileira de Sinais.
  • 13. Língua ≠ Linguagem •Língua: Conjunto das palavras e expressões usadas por um povo, por uma nação, e o conjunto de regras da sua gramática; idioma. •Ex.: Português, Inglês, LIBRAS. •Linguagem: Uso da palavra como meio de expressão e de comunicação entre as pessoas, animais. Ex.: linguagem das abelhas, dos golfinhos, dos médicos.
  • 14. LÍNGUA DE SINAIS É a língua falada pelos surdos em todo o mundo; As línguas de sinais têm modalidade gestual- visual porque utilizam como canal ou meio de comunicação movimentos gestuais, expressões faciais e corporais que são percebidos pela visão (prt - modalidade oral);
  • 15. Como qualquer língua ela expressa ideias sutis, complexas e abstratas. Seu vocabulário é ampliado pela comunidade surda em resposta às mudanças culturais e tecnológicas da sociedade (exemplo: SHOPPING RIO ANIL, UFMA, etc.) No Brasil há registro de duas línguas de sinais – LSKB (Língua de Sinais Kaapor Brasileira) e LIBRAS.
  • 16. MITOS SOBRE A LIBRAS LÍNGUAS DE SINAIS SÃO UNIVERSAIS;  LÍNGUAS DE SINAIS NÃO TEM NENHUMA GRAMÁTICA; LÍNGUAS DE SINAIS TEM UM VOCABULÁRIO PEQUENO; LÍNGUAS DE SINAIS SÃO DESENHOS NO AR.
  • 17. Todos os surdos falam a mesma língua?
  • 18.
  • 21. As línguas de sinais independem das línguas orais-auditivas Ex: Estados Unidos e Inglaterra, Brasil e Portugal • Orais-auditivas • Línguas de sinais
  • 22.
  • 23. Língua do surdo brasileiro sua 1ª língua Língua brasileira 2ª língua do Surdo Modalidade Gestual-visual; Modalidade Oral auditiva Foi oficialmente reconhecida no dia 24 de abril de 2002, sob a Lei nº. 10.436/2002; Gramática própria. Regulamentada : 22 de dezembro de 2005, pelo decreto nº 5.626 Gramática própria LIBRAS - Que língua é essa?LIBRAS - Que língua é essa? LIBRAS (Língua Brasileira de sinais) LINGUA PORTUGUESA
  • 24. PARÂMETROS Configuração das Mãos : CM Ponto de Articulação: PA Movimento: M Orientação / direcionalidade Expressão Facial / Corporal
  • 25. CONFIGURAÇÃO DAS MÃOS : CM É a forma que a mão assume durante a realização de um sinal. Pelas pesquisas linguísticas, já foi comprovado que na LIBRAS existem 63 configurações das mãos sendo que o alfabeto manual utiliza apenas 26 destas para representar as letras.
  • 26. B - BrancoB - Branco L - OntemL - OntemNº 47 - VeadoNº 47 - Veado Y - TelefoneY - Telefone
  • 27. PONTO DE ARTICULAÇÃO: PA • É o lugar do corpo onde será realizado o sinal. Ex:
  • 28. Movimento: M • É o deslocamento da mão no espaço, durante a realização do sinal. Ex com movimento: HELICÓPTERO, VENTILADOR, ESQUECER, etc. Ex sem movimento: EM PÉ, AJOELHAR, SENTAR, etc. GalinhaGalinha HomemHomem
  • 29. ORIENTAÇÃO • Direção com relação aos parâmetros. Verbos que se opõem em relação a direcionalidade: → IR e VIR →SUBIR e DESCER → ACENDER e APAGAR →ABRIR- PORTA e FECHAR PORTA
  • 30. Direcionalidade do movimento Unidirecional: movimento em uma direção no espaço, durante a realização de um sinal. ProibidoProibido SentarSentar MandarMandar
  • 31. Bidirecional: movimento realizado por uma ou ambas as mãos, em duas direções diferentes. GrandeGrande Empregad@Empregad@ Prim@Prim@ BrincarBrincarTrabalharTrabalhar
  • 32. Multidirecional: movimentos que exploram várias direções no espaço, durante a realização de um sinal. PesquisarPesquisar AvisarAvisar
  • 39. Parâmetros secundários Disposição das mãos: a realização dos sinais na LIBRAS pode ser feito com a mão dominante ou por ambas as mãos. Ex.: BURRO, CALMA, DIFERENTE, SENTAR, SEMPRE, OBRIGADO
  • 40. Orientação das mãos: direção da palma da mão durante a execução do sinal da LIBRAS, para cima, para baixo, para o lado, para a frente, etc. Também pode ocorrer a mudança de orientação durante a execução de um sinal. Ex.: MONTANHA, BAIXO, FRITAR.
  • 41. Região de contato: a mão entra em contato com o corpo, através do: Toque: MEDO, ÔNIBUS, CONHECER. Duplo toque: FAMÍLIA, SURDO, SAÚDE. Risco: OPERAR, PESSOA. Deslizamento: CURSO, EDUCADO, GALINHA.
  • 42. EXPRESSÃO FACIAL / CORPORAL Além desses parâmetros, a LIBRAS conta com uma série de componentes não manuais, como a expressão facial ou o movimento do corpo, que muitas vezes podem definir ou diferenciar significados entre sinais. A expressão facial e corporal podem traduzir alegria, tristeza, raiva, amor, encantamento, etc., dando mais sentido à LIBRAS e, em alguns casos, determinando o significado de um sinal. Ex: ALEGRE e TRISTE, SILÊNCIO, CALE A BOCA! Existem sinais feitos ... Somente com a bochecha: Ex: LADRÃO, ATO SEXUAL. Com a mão e expressão facial: Ex: BOMBOM (BALA) Sons e expressões faciais : EX: HELICÓPTERO, MOTO.
  • 43. Alfabeto manual - DATILOLOGIA É usado para expressar nome de pessoas, localidades e outras palavras que não possuem um sinal.