SlideShare uma empresa Scribd logo
ROMANTISMO
SÉC. XIX – “Liberdade conduzindo o povo” -
Delacroix
Professora: Ivana Mayrink
A palavra ROMÂNTICO é associada a um conjunto de
comportamentos: dar e receber flores, gostar de poesia,
emocionar-se facilmente. Esse tipo de romantismo é
diferente do ROMANTISMO NA ARTE, movimento do
século XIX representando os anseios da burguesia, o
qual havia chegado ao poder na França.
 Estudar a literatura do período significa conhecer uma nova
forma de ver e sentir o mundo.
ROMANTISMO - ORIGENS
 ASCENSÃO DA BURGUESIA:
 MERCANTILISMO (Séculos XVI e
XVII);
 REVOLUÇÃO INGLESA (1688);
 INDEPENDÊNCIA AMERICANA
(1776);
 REVOLUÇÃO FRANCESA (1789)
ROMANTISMO = NOVOS VALORES
 Novo sentido de vida:
 Livre iniciativa + competição e
individualismo;
 Apogeu do Liberalismo burguês;
 Extinção dos privilégios seculares da
nobreza;
 “Fim das barreiras” rígidas entre as classes
sociais.
Efeito favorável da vitória burguesa para
a Literatura
 Art. 11 da Declaração de Direitos do Homem e
do Cidadão: A livre comunicação dos
pensamentos e opiniões é um dos direitos mais
preciosos do homem; todo o cidadão pode,
portanto, falar, escrever, imprimir livremente.
 Começava a “aventura da palavra escrita” =
surgiam escritores + obras + público leitor +
veículo divulgador das obras (imprensa).
O novo público leitor
 Outros efeitos:
 Esforço de alfabetização popular empreendido
pelos “revolucionários”;
 Todo o cidadão passou a ter acesso (direito) à
leitura, até pela necessidade de conhecer as
proclamações do novo regime;
 Surgimento de um novo público leitor = mais
numeroso e diversificado (consumidor).
 Escritores livres do regime de mecenato = obra
= mercadoria de ampla aceitação.
Romantismo = Contradição
 O Romantismo coincidiu com a democratização
da arte, gerada sobretudo pela Revolução
Francesa, tornando-se a expressão artística da
jovem sociedade burguesa.
 Entretanto, o movimento manteve uma relação
contraditória com a nova realidade. Filho da
burguesia, mostrou-se ambíguo diante dela,
ora a exaltando, ora protestando contra seus
mecanismos.
Romantismo = Surgimento
 Mito do bom selvagem de Rousseau;
 Movimento Sturm und Drang (Tempestade e
Ímpeto), em 1770 na Alemanha = valorizando o
folclórico, o nacional e o popular em oposição
ao universalismo clássico.
 Os cantos de Ossian = culto à Idade Média.
 Publicação (1774) do romance (em forma
epistolar = cartas) Os sofrimentos do jovem
Werther , de Goethe = exacerbação da
imaginação e transbordamento das paixões.
ROMANTISMO
CARACTERÍSTICAS
Liberdade de
Criação
O escritor romântico recusa
padrões de arte clássica que
sempre esteve sujeita a regras,
padrões e modelos, usa o verso
livre, mistura os gêneros
literários e obedece aos
estímulos de sua interioridade.
Individualismo e
Subjetivismo
O artista romântico trata dos
assuntos de uma forma pessoal,
de acordo com o modo como vê
e sente o mundo; dizemos que a
sua arte é subjetiva porque
expressa uma visão particular da
realidade.
A ideologia burguesa centro-se
nas liberdades do homem e nas
infinitas possibilidades de auto-
realização do indivíduo.
Sentimentalismo
A relação entre o artista romântico e o mundo
é sempre mediada pela emoção. Qualquer que
seja o tema abordado – amoroso, político,
social – o tratamento literário revela grande
envolvimento emocional do artista.
Assim os sentimentos tornam-se mais
importantes que a racionalidade e são,
consequentemente, a medida da
interioridade de cada pessoa, medida de
todas as coisas.
Idealização
A extrema valorização da subjetividade leva
muitas vezes a deformação. O escritor
romântico, motivado pela fantasia e pela
imaginação tende a idealizar vários temas,
acentuando algumas de suas características.
Assim, a pátria será sempre perfeita, a mulher é
vista como virgem delicada, frágil e submissa –
uma espécie de anjo inatingível; o índio (no
Brasil) é tratado como herói nacional, cheio de
virtudes e habilidades. Para compor essa
idealização, a linguagem é marcada por
descrições minuciosas com uso constante de
adjetivos, comparações e ampla metaforização.
Fusão do Grotesco e do Sublime
O conceito grego de belo, que perdurou por tantos
anos na arte de orientação clássica, é abandonado
pelos românticos, que defendem a união do grotesco (o
feio) e do sublime (o belo). Assim, apesar da tendência
idealizante, o Romantismo procura captar o homem
em sua plenitude enfocando também o lado feio e
obscuro de cada ser humano.
O Culto à Natureza
O código preferido pelo autor romântico não é o
cultural mas o natural. Ele se sente fascinado
pela força da natureza: é atraído pelas altas
montanhas, pelas florestas impenetráveis, pelos
mares imensos, pela placidez dos lagos, pelos
cantos dos pássaros.
A natureza assume, diante do torturado
espírito romântico, o papel de confidente
para as horas melancólicas, a mãe que
protege o filho dos desconcertos do
universo e a amante desencadeadora de
inspirações.
O resultado dessa comunhão é a
divinização ou humanização da natureza,
que através de seus fenômenos, indicam
estados de espíritos e sentimentos: o
rugir do mar pode corresponder a angústia
de uma alma solitária, a chuva à tristeza,
e assim por diante.
Imaginação e Fantasia
O mundo romântico transcende o real e se abre
para o mistério, o sobrenatural. Fechados em si
mesmos, perdidos numa realidade incomoda e
brutal para a sensibilidade, os românticos se
entregam ao princípio da fantasia.
Devaneiam, criam universos imaginários,
exóticos, onde encontram a “a luz ” e a “a
alegria” que a sociedade burguesa não lhes
oferece. Desligados, muitas vezes, dos níveis
concretos da vida social, elaboram obras onde
predominam um idealismo alienado.
Valorização do Passado
A inadequação do “eu interior” com a realidade
circunstante leva o homem a sentir nostalgia de
algo distante no tempo e no espaço. A fuga no
tempo remete (na Europa) à Idade Média, época
de paixões violentas e espontâneas, berço das
nacionalidades europeias.
A fuga no espaço leva-o à procura de paisagens
agrestes, de lugares selvagens, de povos ainda não
conspurcados pela civilização. No plano individual a
valorização do passado se dá através do
reconhecimento da infância como representante de
um mundo ingênuo, puro, um “paraíso perdido”, uma
época de ouro na qual as criaturas eram felizes.
Nega-se, portanto, o presente hostil e causador de
sofrimentos.
Religiosidade
Mais comum entre os primeiros românticos, a
tendência espiritualizante do Romantismo,
embasada no cristianismo, significa uma nítida
reação ao nacionalismo e ao materialismo do século
anterior. A vida espiritual é enfocada como ponto de
apoio ou válvula da escape diante das frustrações
do mundo real.
Mal do Século
Origina-se basicamente de dois fatores: Um deles é
a ideia aceita pelos românticos de que o espírito
humano busca sempre a perfeição, a totalidade, o
absoluto, o infinito. Sendo humano, seria impossível
atingir tal estado de perfeição. Essa constatação
gera a angústia do mal do século.
Outro fator é o desajuste do indivíduo na
sociedade burguesa que se mostrava muito
prática e objetiva para os gostos românticos.
Ansiando por uma plenitude espiritual, social e
material impossível, o romântico sente-se
desajustado, enxergando a si próprio e aos seus
contemporâneos como seres fragmentados,
reduzidos a simples “peças” da engrenagem
social.
É uma tradução aproximada do termo “spleen”,
que surgiu na Inglaterra e esteve muito em moda
na Europa desse período. Essa expressão
designa a sensação de insatisfação, angustia,
melancolia e até uma obsessiva atração pela
morte, que passa a ser encarada como solução
definitiva para os males da existência.
Byronismo
Essa atitude, relacionada ao poeta inglês Lord Byron, foi
amplamente cultivada entre os românticos brasileiros da
segunda geração, isto é, entre os anos 50 e 60 do século
XIX. Traduz-se num estilo de vida que inclui a boêmia,
voltada para o vício – para os prazeres da bebida, do
fumo e do sexo e numa forma particular de ver o mundo;
caracterizada pelo egocentrismo, narcisismo,
pessimismo, angústia e por vezes, pelo satanismo.
Condoreirismo
Trata-se de uma corrente de poesia político-social que
ganhou repercussão entre os poetas da quarta e da
última geração romântica no Brasil (anos 70 do século
XIX). Influenciados pelo escritor francês Vitor Hugo, os
poetas condoreiros defendiam a justiça social e a
liberdade. Na Europa, tornaram-se defensores da classe
operária, denunciando a exploração a que estavam
submetida. No Brasil , lutaram pelo fim da escravidão e
pela república.
ROMANTISMO NO BRASIL
ROMANTISMO NO BRASIL
 LITERATURA COMO MISSÃO:
 Compromisso com a pátria (Nacionalismo
Ufanista);
 Contribuição para a grandeza da nação;
 Retrato de sua bela paisagem física e
humana;
 Revelar todo o Brasil, de forma positiva,
criando uma literatura autônoma que
expressasse a alma da jovem nação.
Marco inicial
Publicação de "Suspiros Poéticos e
Saudades", de Gonçalves de
Magalhães, em 1836.
Marco final
Publicação de "Memórias Póstumas de
Brás Cubas", de Machado de Assis,
em 1881, que inaugura o realismo.
Contexto Histórico
Até a Proclamação da República, foi a
Independência do Brasil o principal fato político
do século XIX que determinou os rumos políticos,
econômicos e sociais do país (1889). Merece
destaque também o Segundo Reinado, em que a
nação conheceu um período de grande
desenvolvimento em relação aos três séculos
anteriores. Apesar disso, o Brasil continuou um
país fundamentalmente agrário, cuja economia se
baseava no latifúndio, na monocultura e na mão
de obra escrava.
Contexto Cultural
O Brasil ainda reproduz os modelos do
romantismo europeu, apesar de procurar
afirmar sua identidade, tentando
desenvolver uma cultura própria, baseada
em suas raízes indígenas ou sertanejas,
o que reflete o caráter contraditório do
romantismo brasileiro.
Características do Romantismo no Brasil
- Liberdade formal;
- Nacionalismo (valorização das manifestações populares);
- Indianismo e regionalismo;
- Personagem linear;
- Sentimentalismo;
- Subjetivismo;
- Individualismo;
- Religiosidade;
- Idealização da mulher, do herói, do tempo, do espaço;
- Fuga da realidade;
- Busca da morte;
- Pessimismo.
O Romantismo foi a primeira escola literária que procurou
desenvolver uma literatura efetivamente brasileira.
Principais Autores
Poesia
Gonçalves Dias
Álvares de Azevedo
Castro Alves
Sousândrade
Prosa
Joaquim Manuel de Macedo
José de Alencar
Bernardo Guimarães
Manuel Antônio de Almeida
POESIA - PRIMEIRA GERAÇÃO (1836-1853)
Evidenciava a exaltação da pátria e da natureza,
idealizando o índio, que surge como um herói brasileiro, o
que possibilita a criação de um passado para o país.
Autores:
- Gonçalves Dias: Adotava a temática indianista, a
saudade, o amor e a natureza. Obras de destaque: Cantos
e Os Timbiras. Seus poemas mais famosos são Canção do
exílio, I-Juca-Pirama e Ainda uma vez – Adeus!
- Gonçalves de Magalhães: Adotava a temática indianista,
o nacionalismo, a religiosidade e o sentimentalismo. Obras
de destaque: Suspiros Poéticos e Saudades, que
introduziram o Romantismo no Brasil, e Confederação dos
Tamoios.
POESIA - SEGUNDA GERAÇÃO (1853-1870)
Também denominada de byroniana ou “mal do século”, é marcada pelo
pessimismo, pelo predomínio do “eu” e pela subjetividade.
Autores:
Álvares de Azevedo: temáticas: o amor e a morte. Obras de destaque: Lira
dos vinte anos e Noite na taverna. Poemas que se destacam: Se eu
morresse amanhã e Lembrança de morrer.
Fagundes Varela: temáticas: nacionalismo, indianismo, religiosidade, lirismo
amoroso, saudade, escravidão, preocupações sociais etc. Obras de
destaque: Vozes da América, Noturnas e Cantos do Ermo e da Cidade,
sendo Cântico do Calvário o seu poema mais famoso.
Casimiro de Abreu: os temas centrais de suas obras eram o amor ingênuo e
adolescente e a saudade, bastante evidente nos poemas Meus oito anos,
Canção do exílio e Minha terra.
Junqueira Freire: foi monge beneditino, mas largou a batina por sentir que
não tinha vocação. Escreveu sobre a desilusão com a vida no mosteiro, a
solidão, a frustração amorosa e a obsessão pela morte. Obras mais famosas:
Inspirações do claustro e Contradições poéticas.
POESIA - TERCEIRA GERAÇÃO
Também conhecida como condoreira ou hugoana, verifica-se
um afastamento da idealização da mulher amada e se percebe
uma visão mais social que individual por parte dos autores, com
destaque para a poesia social-libertária.
Autores:
Castro Alves: Conhecido como “poeta dos escravos”, adotou uma
linguagem condoreira, elevada, vibrante, cheia de metáforas,
hipérboles e comparações. Obras de destaque: Espumas flutuantes, A
cachoeira de Paulo Afonso, Os escravos e Gonzaga ou a Revolução
de Minas.
Sousândrade: Com o poema épico O Guesa, denunciou a exploração
indígena pela branco invasor. A complexidade temática e a técnica
utilizadas em suas obras ultrapassam os limites do Romantismo,
sendo considerado, por isso, um precursor do modernismo e das
vanguardas.
ROMANTISMO NO BRASIL – A PROSA
O Romantismo teve uma boa aceitação entre
os brasileiros leitores de literatura por ser um
gênero que aborda temas comuns da vida
cotidiana. O romance, bem mais que a poesia,
empenhou-se em definir uma identidade
cultural do Brasil.
A Prosa Romântica
O primeiro romance brasileiro em folhetim foi "A
Moreninha", de Joaquim Manuel de Macedo, publicado
em 1844. O romance brasileiro caracteriza-se por ser
uma "adaptação" do romance europeu, conservando a
estrutura folhetinesca européia, com início, meio e fim
seguindo a ordem cronológica dos fatos.
O Romance brasileiro poderia ser dividido em duas
fases: Antes de José de Alencar e Pós-José de Alencar,
pois antes desse importante autor as narrativas eram
basicamente urbanas, ambientadas no Rio de Janeiro, e
apresentavam uma visão muito superficial dos hábitos e
comportamentos da sociedade burguesa.
Com José de Alencar surgiram
novos estilos de prosa
romântica como os romances
regionalistas, históricos e
indianistas e o romance passou
a ser mais crítico e realista.
Os romances românticos
brasileiros fizeram muito
sucesso em sua época já que
uniam o útil ao agradável: a
estrutura típica do romance
europeu, ambientada nos
cenários facilmente
identificáveis pelo leitor
brasileiro (cafés, teatros, ruas
de cidades como o Rio de
Janeiro).
Litografia de Aubrun baseada em fotografia de Victor
Frond.
Paço Imperial, Rio de Janeiro, entre 1858 e 1861 /
Dominio Público
O sucesso também se deve ao fato de que os romances
eram feitos para a classe burguesa, ressaltando o luxo e a
pompa da vida social burguesa, mas ocultando a hipocrisia
de seus costumes. Por isso pode-se dizer que, no geral, o
romance romântico brasileiro era urbano, superficial,
folhetinesco e burguês. Dentre os vários romancistas
românticos brasileiros, merecem destaque (3):
 José de Alencar;
 Joaquim Manoel de Macedo;
 Franklin Távora;
 Bernardo Guimarães;
 Visconde de Taunay;
 Manoel Antônio de Almeida.
Joaquim Manoel de Macedo
Imagem: Autor Desconhecido / Domínio Público
Célebre por dar início à produção narrativa do
romantismo brasileiro, Joaquim Manuel de Macedo ou Dr.
Macedinho, como era conhecido pelo povo, escreveu um
dos mais populares romances da literatura romântica do
Brasil.
O romance "A moreninha" fez um enorme sucesso
dentre a classe burguesa brasileira que se sentia
extremamente agradada por um novo projeto de literatura:
a literatura original do Brasil. Uma literatura que
continuava a seguir os padrões das histórias de amor
europeias, tão populares entre a classe burguesa, mas
que ao mesmo tempo inovava ao trazer tais histórias tão
clássicas para ambientes legitimamente brasileiros, que
faziam os leitores identificarem os ambientes
mencionados.
Trata-se de um escritor que estava voltado para as narrativas
urbanas e tinha como foco a cidade do Rio de Janeiro, capital
do Império do Brasil, e a alta sociedade carioca em seus
saraus e festas sociais. Seus romances em forma de folhetim
eram como as atuais telenovelas, só que escritos em episódios
publicados num jornal. As obras de Joaquim Manuel de
Macedo apresentam uma visão superficial dos hábitos e
comportamentos dos jovens da época, buscando ilustrar a
pompa e o luxo da alta classe capitalista, e com isso,
escondendo a hipocrisia e a dissimulação da burguesia.
A Moreninha conta história de um rapaz burguês que vai estudar medicina no Rio de
Janeiro. Morando em uma república estudantil, Augusto faz vários amigos, dentre eles
Filipe, que o convida para veranear na Ilha de Paquetá. Augusto aceita o convite e
seus amigos apostam que ele não se apaixonaria por nenhuma moça, caso o fizesse,
teria de escrever romances de amor revelando sua paixão. Augusto, contra a aposta
com seus amigos, inevitavelmente se apaixona por Dona Carolina, irmã de Filipe, que
recusa enamorar-se com Augusto, pois em sua infância havia jurado amor eterno a um
certo menino e Augusto, curiosamente, também havia jurado amor eterno e casamento
a uma certa menina. Por fim, ao descobrirem que um era a paixão infantil do outro,
entregam-se a esse sentimento. A pureza e discrição dos personagens, assim como a
beleza de um amor pudico, conquistaram os leitores burgueses, tornando esse
romance um dos maiores sucessos do romantismo brasileiro.
Cena do filme A Moreninha, de 1970, com Sônia Braga.
José de Alencar
Imagem: Autor
Desconhecido /
United States
Public Domain
Considerado o mais importante
escritor do Romantismo brasileiro,
é ele quem consegue expressar o
perfeito retrato da cultura
brasileira, explorando novas
vertentes da produção literária,
criando e abrindo caminhos para a
criação de uma literatura brasileira
original, ampla e de boa
qualidade. E por isso foi o autor
que mais se aproximou do
objetivo da escola romântica,
mesclando a idealização e o
sonho com um realismo sutil,
valorizando os elementos naturais
da cultura brasileira e o índio
como figura-mãe da original
cultura brasileira. Suas obras
foram capazes de inspirar nos
burgueses, o gosto pela leitura
nacional e também de inspirar
diversos autores a seguir
caminhos por ele traçados,
concretizando assim seu projeto
nacionalista de revelar o Brasil
num todo.
José de Alencar é considerado o patriarca da literatura brasileira.
Inaugurou novos estilos românticos e consolidou o romantismo no Brasil,
desenhando o retrato cultural brasileiro de forma abrangente. E, devido a
essa visão ampla do cenário brasileiro, sua obra iniciaria um período de
transição entre Romantismo e Realismo. Suas narrativas apresentam
um desenvolvimento dos conflitos femininos da mulher burguesa do
século XIX, já que seus romances a tinha como público alvo. Sua obra
pode ser subdividida em quatro categorias:
 Romances Urbanos;
 Regionalistas;
 Históricos;
 Indianistas.
Romances Urbanos
Romances ambientados no Rio
de Janeiro, protagonizados por
personagens femininos,
mostravam o luxo e a pompa das
atividades sociais burguesas.
São exemplos de romances
urbanos de José de Alencar:
 Senhora;
 Lucíola;
 Diva.
Romances Regionalistas
Narrativas que se sucedem em centros
afastados da capital imperial, ou seja,
histórias que acontecem em lugares
tipicamente brasileiros, mais pitorescos,
menos influenciados pela cultura
européia. São exemplos de romances
regionalistas de José de Alencar (11):
 O Gaúcho;
 O Sertanejo;
 O Tronco do Ipê.
Romances Indianistas e Históricos
Romances que revelam a preocupação de José
de Alencar em exibir o índio como herói nacional.
Dentre as obras mais importantes de José de
Alencar, dessa vertente do romantismo, estão:
 O Guarani;
 Ubirajara;
 As Minas de Prata;
 Iracema.
A história transcorre no século XVI, nas matas nordestinas, onde hoje é o
litoral do Ceará. Martin, um jovem guerreiro português, é ferido por uma
índia ao andar só por entre as matas. Essa índia é a jovem guerreira
tabajara Iracema, que ao perceber que havia ferido um inocente, o leva
para a tribo. A presença de Martin não agrada a muitos, principalmente
um guerreiro de nome Irapuã, apaixonado por Iracema.
Em meio a festas e guerras travadas com outras tribos, a virgem e o
guerreiro branco se envolvem amorosamente, o que contraria o voto de
castidade a Tupã. Iracema e Martin fogem. Essa fuga se dá ao lado do
amado e de um guerreiro da tribo pitiguara de nome Poti, a quem o
jovem português tratava como irmão. Ao perceber o ocorrido, os
tabajaras, liderados por Irapuã e o irmão de Iracema, Caubi, perseguem
os amantes. Encontram a tribo inimiga pitiguara, com quem travam um
sangrento combate. Iracema, vendo a ferocidade com que Irapuã e Caubi
agridem Martin, os fere. A tribo tabajara, pressentido a derrota, foge.
Os amantes fogem mais uma vez e acabam numa praia
deserta, onde Martin e Iracema constroem uma cabana.
Passado algum tempo, Martin se sente na obrigação de ir
guerrear junto ao seu irmão Poti, deixando Iracema na
cabana, grávida. Martin demora e Iracema dá a luz a um
menino, ficando gravemente debilitada pelo parto. O
guerreiro volta a tempo de ver Iracema morrer nos seus
braços, enterrando-a ao pé de um coqueiro. O filho de
Iracema e Martin tornou-se assim o primeiro cearense. É
importante destacar que “Iracema” é um anagrama para
“América”, o que revela a intenção de Alencar de fazer de
seu romance uma alegoria sobre o nascimento do povo
americano, e mais especificamente, brasileiro.
Bernardo
Guimarães
Imagem: Autor
Desconhecido /
United States
Public Domain
Bernardo Guimarães, o escritor da famosa obra "A
Escrava Isaura“, é considerado um dos mais
importantes regionalistas românticos brasileiros. Opta
por seguir um dos caminhos traçados por José de
Alencar, ambientando suas tramas nos estados de
Minas Gerais e Goiás. Suas obras conservam o caráter
linear romântico, apresentando a estrutura folhetinesca
típica de sua época; prezam pela valorização do
pitoresco e do regional, resgatando os hábitos típicos da
sociedade imperial. Caracteriza-se por usar, por vezes,
a linguagem oral em sua obra e fazer críticas sutis aos
sistemas patriarcal, clerical e escravocrata do Brasil
Império. Entres suas principais obras, destacam-se:
 A Escrava Isaura;
 O Seminarista.
Fez grande sucesso enquanto livro, tão notável que foi adaptado como
novela da Rede Globo e da Rede Record. Bernardo Guimarães tentou criticar a
escravatura no Brasil, patrocinando, através de sua obra, o abolicionismo. No
entanto, sua crítica se mostrou em parte malsucedida, pois a personagem
principal, Isaura, era uma escrava branca, e a antagonista, uma mucama negra, o
que incitou nos leitores uma raiva da personagem negra e um sentimento de pena
e compaixão da escrava branca Isaura.
Pode-se dizer que não atingiu seu objetivo realista devido à sua crítica
equivocada, mas conquistou enorme admiração e já nos permite identificar
traços de uma literatura brasileira mais realista.
Apresenta o caráter sentimentalista
romântico das histórias de amor
terminando com seu devido final feliz.
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
ABAURRE, Maria Luiza – Português: língua, literatura, produção de texto: ensino
médio/ Maria Luiza Abaurre, Marcela Nogueira Pontara, Tatiana Fadel. – 1 ed.- São
Paulo: Moderna, 2005.
CEREJA, William Roberto- português: linguagens: volume único/ Wiliam Roberto
Cereja, Thereza Cochar Magalhães – São Paulo: Atual, 2003.
http://educacao.uol.com.br/literatura/romantismo-no-brasil-caracteristicas-e-autores.htm,
acessado em 08/11/2011
< http://pt.shvoong.com/books/1625692-prosa-rom%C3%A2ntica-
brasil/#ixzz1dKca0eHU>
<http://gizeligondim.blogspot.com/2010/05/exercicios-com-gabarito-sobre-
arcadismo.htm>
<http://www.mundovestibular.com.br/articles/6517/1/Romantismo-no-
Brasil/Paacutegina1>
<http://vestibular.com.br/revisao/romantismottp://vestibular.com.br/revisao/romantismo>
<http://www.analisedetextos.com.br/2010/08/romantismo-definicoes-e-exercicios-
de.html>

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Naturalismo brasileiro e português
Naturalismo brasileiro e portuguêsNaturalismo brasileiro e português
Naturalismo brasileiro e português
Colégio Santa Luzia
 
Romantismo Brasileiro - poesia e prosa
Romantismo Brasileiro - poesia e prosaRomantismo Brasileiro - poesia e prosa
Romantismo Brasileiro - poesia e prosa
Tim Bagatelas
 
Romantismo - As 3 gerações - Resumo Completo
Romantismo - As 3 gerações - Resumo CompletoRomantismo - As 3 gerações - Resumo Completo
Romantismo - As 3 gerações - Resumo Completo
Faell Vasconcelos
 
Machado de Assis
Machado de AssisMachado de Assis
Machado de Assis
Robert Harris
 
Pré modernismo
Pré  modernismoPré  modernismo
Pré modernismo
Gerlane Galvao
 
Romantismo no Brasil
Romantismo no BrasilRomantismo no Brasil
Romantismo no Brasil
CrisBiagio
 
Ppt realismo (1)
Ppt realismo (1)Ppt realismo (1)
Ppt realismo (1)
Equipemundi2014
 
Literatura - Realismo
Literatura - RealismoLiteratura - Realismo
Literatura - Realismo
NAPNE
 
Fernando pessoa
Fernando pessoaFernando pessoa
Fernando pessoa
Colégio Santa Luzia
 
Aula 06 naturalismo e realismo
Aula 06 naturalismo e realismoAula 06 naturalismo e realismo
Aula 06 naturalismo e realismo
Marcio Duarte
 
Romantismo no Brasil - 1ª geração
Romantismo no Brasil - 1ª geraçãoRomantismo no Brasil - 1ª geração
Romantismo no Brasil - 1ª geração
Quezia Neves
 
Romantismo - 1ª geração - Literauta.
Romantismo - 1ª geração - Literauta.Romantismo - 1ª geração - Literauta.
Romantismo - 1ª geração - Literauta.
Julia Maldonado Garcia
 
Modernismo
Modernismo Modernismo
Modernismo
Cláudia Heloísa
 
Literatura brasileira
Literatura brasileiraLiteratura brasileira
Literatura brasileira
Fernando Henning
 
A prosa romântica brasileira
A prosa romântica brasileiraA prosa romântica brasileira
A prosa romântica brasileira
Adeildo Júnior
 
Augusto dos Anjos
Augusto dos AnjosAugusto dos Anjos
Augusto dos Anjos
Sarah Fernandes Mendonça
 
Romantismo -slides (1)
Romantismo  -slides (1)Romantismo  -slides (1)
Romantismo -slides (1)
Aparecida Mallagoli
 
Literatura - Barroco
Literatura - BarrocoLiteratura - Barroco
Literatura - Barroco
CrisBiagio
 
O Realismo
O RealismoO Realismo
O Realismo
MissBlackBerryBush
 
O cortiço
O cortiçoO cortiço
O cortiço
Cláudia Heloísa
 

Mais procurados (20)

Naturalismo brasileiro e português
Naturalismo brasileiro e portuguêsNaturalismo brasileiro e português
Naturalismo brasileiro e português
 
Romantismo Brasileiro - poesia e prosa
Romantismo Brasileiro - poesia e prosaRomantismo Brasileiro - poesia e prosa
Romantismo Brasileiro - poesia e prosa
 
Romantismo - As 3 gerações - Resumo Completo
Romantismo - As 3 gerações - Resumo CompletoRomantismo - As 3 gerações - Resumo Completo
Romantismo - As 3 gerações - Resumo Completo
 
Machado de Assis
Machado de AssisMachado de Assis
Machado de Assis
 
Pré modernismo
Pré  modernismoPré  modernismo
Pré modernismo
 
Romantismo no Brasil
Romantismo no BrasilRomantismo no Brasil
Romantismo no Brasil
 
Ppt realismo (1)
Ppt realismo (1)Ppt realismo (1)
Ppt realismo (1)
 
Literatura - Realismo
Literatura - RealismoLiteratura - Realismo
Literatura - Realismo
 
Fernando pessoa
Fernando pessoaFernando pessoa
Fernando pessoa
 
Aula 06 naturalismo e realismo
Aula 06 naturalismo e realismoAula 06 naturalismo e realismo
Aula 06 naturalismo e realismo
 
Romantismo no Brasil - 1ª geração
Romantismo no Brasil - 1ª geraçãoRomantismo no Brasil - 1ª geração
Romantismo no Brasil - 1ª geração
 
Romantismo - 1ª geração - Literauta.
Romantismo - 1ª geração - Literauta.Romantismo - 1ª geração - Literauta.
Romantismo - 1ª geração - Literauta.
 
Modernismo
Modernismo Modernismo
Modernismo
 
Literatura brasileira
Literatura brasileiraLiteratura brasileira
Literatura brasileira
 
A prosa romântica brasileira
A prosa romântica brasileiraA prosa romântica brasileira
A prosa romântica brasileira
 
Augusto dos Anjos
Augusto dos AnjosAugusto dos Anjos
Augusto dos Anjos
 
Romantismo -slides (1)
Romantismo  -slides (1)Romantismo  -slides (1)
Romantismo -slides (1)
 
Literatura - Barroco
Literatura - BarrocoLiteratura - Barroco
Literatura - Barroco
 
O Realismo
O RealismoO Realismo
O Realismo
 
O cortiço
O cortiçoO cortiço
O cortiço
 

Destaque

Romantismo no brasil primórdios
Romantismo no brasil   primórdiosRomantismo no brasil   primórdios
Romantismo no brasil primórdios
VIVIAN TROMBINI
 
Romantismo - Exercícios
Romantismo - ExercíciosRomantismo - Exercícios
Romantismo - Exercícios
NAPNE
 
“O Romantismo olha o mundo de forma apaixonada e ideal”
“O Romantismo olha o mundo de forma apaixonada e ideal”“O Romantismo olha o mundo de forma apaixonada e ideal”
“O Romantismo olha o mundo de forma apaixonada e ideal”
Thalita Dias
 
GÊNEROS LITERÁRIOS
GÊNEROS LITERÁRIOSGÊNEROS LITERÁRIOS
GÊNEROS LITERÁRIOS
VIVIAN TROMBINI
 
Romantismo em Portugal
Romantismo em PortugalRomantismo em Portugal
Romantismo em Portugal
Thiago Rodrigues
 
Primeira Geração do Romantismo
Primeira Geração do RomantismoPrimeira Geração do Romantismo
Primeira Geração do Romantismo
Lidiane Kuster
 
Análise de i juca-pirama, de gonçalves dias
Análise de i juca-pirama, de gonçalves diasAnálise de i juca-pirama, de gonçalves dias
Análise de i juca-pirama, de gonçalves dias
ma.no.el.ne.ves
 
Trabalho alienação e consumo
Trabalho  alienação e consumo Trabalho  alienação e consumo
Trabalho alienação e consumo
Myllena Domingos
 
Introdução à Filosofia - O Homem e a Cultura
Introdução à Filosofia - O Homem e a CulturaIntrodução à Filosofia - O Homem e a Cultura
Introdução à Filosofia - O Homem e a Cultura
Diego Sampaio
 
Natureza e Cultura
Natureza e CulturaNatureza e Cultura
Natureza e Cultura
José Ferreira Júnior
 
Bactérias e Vírus
Bactérias e VírusBactérias e Vírus
Bactérias e Vírus
Isabel Lopes
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
Lucas Queiroz
 

Destaque (12)

Romantismo no brasil primórdios
Romantismo no brasil   primórdiosRomantismo no brasil   primórdios
Romantismo no brasil primórdios
 
Romantismo - Exercícios
Romantismo - ExercíciosRomantismo - Exercícios
Romantismo - Exercícios
 
“O Romantismo olha o mundo de forma apaixonada e ideal”
“O Romantismo olha o mundo de forma apaixonada e ideal”“O Romantismo olha o mundo de forma apaixonada e ideal”
“O Romantismo olha o mundo de forma apaixonada e ideal”
 
GÊNEROS LITERÁRIOS
GÊNEROS LITERÁRIOSGÊNEROS LITERÁRIOS
GÊNEROS LITERÁRIOS
 
Romantismo em Portugal
Romantismo em PortugalRomantismo em Portugal
Romantismo em Portugal
 
Primeira Geração do Romantismo
Primeira Geração do RomantismoPrimeira Geração do Romantismo
Primeira Geração do Romantismo
 
Análise de i juca-pirama, de gonçalves dias
Análise de i juca-pirama, de gonçalves diasAnálise de i juca-pirama, de gonçalves dias
Análise de i juca-pirama, de gonçalves dias
 
Trabalho alienação e consumo
Trabalho  alienação e consumo Trabalho  alienação e consumo
Trabalho alienação e consumo
 
Introdução à Filosofia - O Homem e a Cultura
Introdução à Filosofia - O Homem e a CulturaIntrodução à Filosofia - O Homem e a Cultura
Introdução à Filosofia - O Homem e a Cultura
 
Natureza e Cultura
Natureza e CulturaNatureza e Cultura
Natureza e Cultura
 
Bactérias e Vírus
Bactérias e VírusBactérias e Vírus
Bactérias e Vírus
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 

Semelhante a 5. Romantismo

Romantismo geral
Romantismo geralRomantismo geral
Romantismo geral
Lorena Felipe
 
Romantismo geral
Romantismo geralRomantismo geral
Romantismo geral
Abenilzo Dantas
 
Romantismo i
Romantismo iRomantismo i
Romantismo i
Davison Assis
 
Romantismo 1
Romantismo 1Romantismo 1
Romantismo 1
nixsonmachado
 
webnode2
webnode2webnode2
webnode2
pauloyjosiele
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
miovi
 
Romantismo parte 1
Romantismo parte 1Romantismo parte 1
Romantismo parte 1
newtonbonfim
 
Romantismo Parte 1
Romantismo   Parte 1Romantismo   Parte 1
Romantismo Parte 1
guestc1495d6
 
Romantismo Parte 1
Romantismo Parte 1Romantismo Parte 1
Romantismo Parte 1
Marina Alessandra
 
Romantismo parte 1
Romantismo parte 1Romantismo parte 1
Romantismo parte 1
bruna danielle carvalho
 
Romanticismo base.ppt
Romanticismo base.pptRomanticismo base.ppt
Romanticismo base.ppt
AldenoraMarciaChaves
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
GreenDragon123
 
Romantismo 090413205233-phpapp01
Romantismo 090413205233-phpapp01Romantismo 090413205233-phpapp01
Romantismo 090413205233-phpapp01
Joel Neto Pereira
 
Características do Romantismo e Romance Romântico
Características do Romantismo e Romance RomânticoCaracterísticas do Romantismo e Romance Romântico
Características do Romantismo e Romance Romântico
Thiago Rodrigues
 
Romantismo.
Romantismo.Romantismo.
Romantismo.
Ana Sales
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
Daniel Leitão
 
Aula 09 romantismo
Aula 09   romantismoAula 09   romantismo
Aula 09 romantismo
Jonatas Carlos
 
Romantismo1836 1881-121031124003-phpapp02
Romantismo1836 1881-121031124003-phpapp02Romantismo1836 1881-121031124003-phpapp02
Romantismo1836 1881-121031124003-phpapp02
Alexandre Barbosa
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
Arieli Bis Sobbis
 

Semelhante a 5. Romantismo (20)

Romantismo geral
Romantismo geralRomantismo geral
Romantismo geral
 
Romantismo geral
Romantismo geralRomantismo geral
Romantismo geral
 
Romantismo i
Romantismo iRomantismo i
Romantismo i
 
Romantismo 1
Romantismo 1Romantismo 1
Romantismo 1
 
webnode2
webnode2webnode2
webnode2
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Romantismo parte 1
Romantismo parte 1Romantismo parte 1
Romantismo parte 1
 
Romantismo Parte 1
Romantismo   Parte 1Romantismo   Parte 1
Romantismo Parte 1
 
Romantismo Parte 1
Romantismo Parte 1Romantismo Parte 1
Romantismo Parte 1
 
Romantismo parte 1
Romantismo parte 1Romantismo parte 1
Romantismo parte 1
 
Romanticismo base.ppt
Romanticismo base.pptRomanticismo base.ppt
Romanticismo base.ppt
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Romantismo 090413205233-phpapp01
Romantismo 090413205233-phpapp01Romantismo 090413205233-phpapp01
Romantismo 090413205233-phpapp01
 
Características do Romantismo e Romance Romântico
Características do Romantismo e Romance RomânticoCaracterísticas do Romantismo e Romance Romântico
Características do Romantismo e Romance Romântico
 
Romantismo.
Romantismo.Romantismo.
Romantismo.
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Aula 09 romantismo
Aula 09   romantismoAula 09   romantismo
Aula 09 romantismo
 
Romantismo1836 1881-121031124003-phpapp02
Romantismo1836 1881-121031124003-phpapp02Romantismo1836 1881-121031124003-phpapp02
Romantismo1836 1881-121031124003-phpapp02
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 

Mais de Ivana Mayrink

Interpretação e semântica
Interpretação e semânticaInterpretação e semântica
Interpretação e semântica
Ivana Mayrink
 
Prova de portugues SET. 2014
Prova de portugues SET. 2014Prova de portugues SET. 2014
Prova de portugues SET. 2014
Ivana Mayrink
 
Prova de portugues 06. 2015
Prova de portugues 06. 2015Prova de portugues 06. 2015
Prova de portugues 06. 2015
Ivana Mayrink
 
Prova de portugues 02. 2015
Prova de portugues 02. 2015Prova de portugues 02. 2015
Prova de portugues 02. 2015
Ivana Mayrink
 
Prova de portugues 02. 2014
Prova de portugues 02. 2014Prova de portugues 02. 2014
Prova de portugues 02. 2014
Ivana Mayrink
 
Portugues, setembro 2013
Portugues, setembro 2013Portugues, setembro 2013
Portugues, setembro 2013
Ivana Mayrink
 
Junho 2013 português
Junho 2013   portuguêsJunho 2013   português
Junho 2013 português
Ivana Mayrink
 
Provas português fevereiro 2013
Provas português  fevereiro 2013Provas português  fevereiro 2013
Provas português fevereiro 2013
Ivana Mayrink
 
600 Questões CESPE - Português
600 Questões CESPE - Português600 Questões CESPE - Português
600 Questões CESPE - Português
Ivana Mayrink
 
Prova de Rac. Analítico Jul/.2015
Prova de Rac. Analítico Jul/.2015Prova de Rac. Analítico Jul/.2015
Prova de Rac. Analítico Jul/.2015
Ivana Mayrink
 
Prova de rac. analitico Jul/2014
Prova de rac. analitico Jul/2014Prova de rac. analitico Jul/2014
Prova de rac. analitico Jul/2014
Ivana Mayrink
 
Prova de rac. analitico 02.2015
Prova de rac. analitico 02.2015Prova de rac. analitico 02.2015
Prova de rac. analitico 02.2015
Ivana Mayrink
 
Prova de rac. analitico 02.2014
Prova de rac. analitico 02.2014Prova de rac. analitico 02.2014
Prova de rac. analitico 02.2014
Ivana Mayrink
 
Prova de português 02. 2014
Prova de português 02. 2014Prova de português 02. 2014
Prova de português 02. 2014
Ivana Mayrink
 
Analitico setembro-2013
Analitico setembro-2013Analitico setembro-2013
Analitico setembro-2013
Ivana Mayrink
 
Julho 2013 raciocínio analítico
Julho 2013   raciocínio analíticoJulho 2013   raciocínio analítico
Julho 2013 raciocínio analítico
Ivana Mayrink
 
Provas português fevereiro 2013
Provas português  fevereiro 2013Provas português  fevereiro 2013
Provas português fevereiro 2013
Ivana Mayrink
 
Revisão realismo e naturalismo
Revisão realismo e naturalismoRevisão realismo e naturalismo
Revisão realismo e naturalismo
Ivana Mayrink
 
2. Quinhentismo no brasil
2. Quinhentismo no brasil2. Quinhentismo no brasil
2. Quinhentismo no brasil
Ivana Mayrink
 
1.1 humanismo
1.1   humanismo1.1   humanismo
1.1 humanismo
Ivana Mayrink
 

Mais de Ivana Mayrink (20)

Interpretação e semântica
Interpretação e semânticaInterpretação e semântica
Interpretação e semântica
 
Prova de portugues SET. 2014
Prova de portugues SET. 2014Prova de portugues SET. 2014
Prova de portugues SET. 2014
 
Prova de portugues 06. 2015
Prova de portugues 06. 2015Prova de portugues 06. 2015
Prova de portugues 06. 2015
 
Prova de portugues 02. 2015
Prova de portugues 02. 2015Prova de portugues 02. 2015
Prova de portugues 02. 2015
 
Prova de portugues 02. 2014
Prova de portugues 02. 2014Prova de portugues 02. 2014
Prova de portugues 02. 2014
 
Portugues, setembro 2013
Portugues, setembro 2013Portugues, setembro 2013
Portugues, setembro 2013
 
Junho 2013 português
Junho 2013   portuguêsJunho 2013   português
Junho 2013 português
 
Provas português fevereiro 2013
Provas português  fevereiro 2013Provas português  fevereiro 2013
Provas português fevereiro 2013
 
600 Questões CESPE - Português
600 Questões CESPE - Português600 Questões CESPE - Português
600 Questões CESPE - Português
 
Prova de Rac. Analítico Jul/.2015
Prova de Rac. Analítico Jul/.2015Prova de Rac. Analítico Jul/.2015
Prova de Rac. Analítico Jul/.2015
 
Prova de rac. analitico Jul/2014
Prova de rac. analitico Jul/2014Prova de rac. analitico Jul/2014
Prova de rac. analitico Jul/2014
 
Prova de rac. analitico 02.2015
Prova de rac. analitico 02.2015Prova de rac. analitico 02.2015
Prova de rac. analitico 02.2015
 
Prova de rac. analitico 02.2014
Prova de rac. analitico 02.2014Prova de rac. analitico 02.2014
Prova de rac. analitico 02.2014
 
Prova de português 02. 2014
Prova de português 02. 2014Prova de português 02. 2014
Prova de português 02. 2014
 
Analitico setembro-2013
Analitico setembro-2013Analitico setembro-2013
Analitico setembro-2013
 
Julho 2013 raciocínio analítico
Julho 2013   raciocínio analíticoJulho 2013   raciocínio analítico
Julho 2013 raciocínio analítico
 
Provas português fevereiro 2013
Provas português  fevereiro 2013Provas português  fevereiro 2013
Provas português fevereiro 2013
 
Revisão realismo e naturalismo
Revisão realismo e naturalismoRevisão realismo e naturalismo
Revisão realismo e naturalismo
 
2. Quinhentismo no brasil
2. Quinhentismo no brasil2. Quinhentismo no brasil
2. Quinhentismo no brasil
 
1.1 humanismo
1.1   humanismo1.1   humanismo
1.1 humanismo
 

Último

Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
sthefanydesr
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
MessiasMarianoG
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
1000a
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
cmeioctaciliabetesch
 
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmenteeducação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
DeuzinhaAzevedo
 
0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática
Giovana Gomes da Silva
 
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
AdrianoMontagna1
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
Pastor Robson Colaço
 
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptxApresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
JulianeMelo17
 
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slidesSócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
jbellas2
 
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdfCaderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
carlaslr1
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
Mary Alvarenga
 
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdfEspecialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
DanielCastro80471
 
Funções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prismaFunções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prisma
djincognito
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
livrosjovert
 
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Centro Jacques Delors
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 

Último (20)

Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
 
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmenteeducação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
 
0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática
 
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
 
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptxApresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
 
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slidesSócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
 
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdfCaderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
 
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdfEspecialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
 
Funções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prismaFunções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prisma
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
 
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 

5. Romantismo

  • 1. ROMANTISMO SÉC. XIX – “Liberdade conduzindo o povo” - Delacroix Professora: Ivana Mayrink
  • 2. A palavra ROMÂNTICO é associada a um conjunto de comportamentos: dar e receber flores, gostar de poesia, emocionar-se facilmente. Esse tipo de romantismo é diferente do ROMANTISMO NA ARTE, movimento do século XIX representando os anseios da burguesia, o qual havia chegado ao poder na França.  Estudar a literatura do período significa conhecer uma nova forma de ver e sentir o mundo.
  • 3. ROMANTISMO - ORIGENS  ASCENSÃO DA BURGUESIA:  MERCANTILISMO (Séculos XVI e XVII);  REVOLUÇÃO INGLESA (1688);  INDEPENDÊNCIA AMERICANA (1776);  REVOLUÇÃO FRANCESA (1789)
  • 4. ROMANTISMO = NOVOS VALORES  Novo sentido de vida:  Livre iniciativa + competição e individualismo;  Apogeu do Liberalismo burguês;  Extinção dos privilégios seculares da nobreza;  “Fim das barreiras” rígidas entre as classes sociais.
  • 5. Efeito favorável da vitória burguesa para a Literatura  Art. 11 da Declaração de Direitos do Homem e do Cidadão: A livre comunicação dos pensamentos e opiniões é um dos direitos mais preciosos do homem; todo o cidadão pode, portanto, falar, escrever, imprimir livremente.  Começava a “aventura da palavra escrita” = surgiam escritores + obras + público leitor + veículo divulgador das obras (imprensa).
  • 6. O novo público leitor  Outros efeitos:  Esforço de alfabetização popular empreendido pelos “revolucionários”;  Todo o cidadão passou a ter acesso (direito) à leitura, até pela necessidade de conhecer as proclamações do novo regime;  Surgimento de um novo público leitor = mais numeroso e diversificado (consumidor).  Escritores livres do regime de mecenato = obra = mercadoria de ampla aceitação.
  • 7. Romantismo = Contradição  O Romantismo coincidiu com a democratização da arte, gerada sobretudo pela Revolução Francesa, tornando-se a expressão artística da jovem sociedade burguesa.  Entretanto, o movimento manteve uma relação contraditória com a nova realidade. Filho da burguesia, mostrou-se ambíguo diante dela, ora a exaltando, ora protestando contra seus mecanismos.
  • 8. Romantismo = Surgimento  Mito do bom selvagem de Rousseau;  Movimento Sturm und Drang (Tempestade e Ímpeto), em 1770 na Alemanha = valorizando o folclórico, o nacional e o popular em oposição ao universalismo clássico.  Os cantos de Ossian = culto à Idade Média.  Publicação (1774) do romance (em forma epistolar = cartas) Os sofrimentos do jovem Werther , de Goethe = exacerbação da imaginação e transbordamento das paixões.
  • 10. Liberdade de Criação O escritor romântico recusa padrões de arte clássica que sempre esteve sujeita a regras, padrões e modelos, usa o verso livre, mistura os gêneros literários e obedece aos estímulos de sua interioridade.
  • 11. Individualismo e Subjetivismo O artista romântico trata dos assuntos de uma forma pessoal, de acordo com o modo como vê e sente o mundo; dizemos que a sua arte é subjetiva porque expressa uma visão particular da realidade.
  • 12. A ideologia burguesa centro-se nas liberdades do homem e nas infinitas possibilidades de auto- realização do indivíduo.
  • 13. Sentimentalismo A relação entre o artista romântico e o mundo é sempre mediada pela emoção. Qualquer que seja o tema abordado – amoroso, político, social – o tratamento literário revela grande envolvimento emocional do artista.
  • 14. Assim os sentimentos tornam-se mais importantes que a racionalidade e são, consequentemente, a medida da interioridade de cada pessoa, medida de todas as coisas.
  • 15. Idealização A extrema valorização da subjetividade leva muitas vezes a deformação. O escritor romântico, motivado pela fantasia e pela imaginação tende a idealizar vários temas, acentuando algumas de suas características.
  • 16. Assim, a pátria será sempre perfeita, a mulher é vista como virgem delicada, frágil e submissa – uma espécie de anjo inatingível; o índio (no Brasil) é tratado como herói nacional, cheio de virtudes e habilidades. Para compor essa idealização, a linguagem é marcada por descrições minuciosas com uso constante de adjetivos, comparações e ampla metaforização.
  • 17. Fusão do Grotesco e do Sublime O conceito grego de belo, que perdurou por tantos anos na arte de orientação clássica, é abandonado pelos românticos, que defendem a união do grotesco (o feio) e do sublime (o belo). Assim, apesar da tendência idealizante, o Romantismo procura captar o homem em sua plenitude enfocando também o lado feio e obscuro de cada ser humano.
  • 18. O Culto à Natureza O código preferido pelo autor romântico não é o cultural mas o natural. Ele se sente fascinado pela força da natureza: é atraído pelas altas montanhas, pelas florestas impenetráveis, pelos mares imensos, pela placidez dos lagos, pelos cantos dos pássaros.
  • 19. A natureza assume, diante do torturado espírito romântico, o papel de confidente para as horas melancólicas, a mãe que protege o filho dos desconcertos do universo e a amante desencadeadora de inspirações.
  • 20. O resultado dessa comunhão é a divinização ou humanização da natureza, que através de seus fenômenos, indicam estados de espíritos e sentimentos: o rugir do mar pode corresponder a angústia de uma alma solitária, a chuva à tristeza, e assim por diante.
  • 21. Imaginação e Fantasia O mundo romântico transcende o real e se abre para o mistério, o sobrenatural. Fechados em si mesmos, perdidos numa realidade incomoda e brutal para a sensibilidade, os românticos se entregam ao princípio da fantasia.
  • 22. Devaneiam, criam universos imaginários, exóticos, onde encontram a “a luz ” e a “a alegria” que a sociedade burguesa não lhes oferece. Desligados, muitas vezes, dos níveis concretos da vida social, elaboram obras onde predominam um idealismo alienado.
  • 23. Valorização do Passado A inadequação do “eu interior” com a realidade circunstante leva o homem a sentir nostalgia de algo distante no tempo e no espaço. A fuga no tempo remete (na Europa) à Idade Média, época de paixões violentas e espontâneas, berço das nacionalidades europeias.
  • 24. A fuga no espaço leva-o à procura de paisagens agrestes, de lugares selvagens, de povos ainda não conspurcados pela civilização. No plano individual a valorização do passado se dá através do reconhecimento da infância como representante de um mundo ingênuo, puro, um “paraíso perdido”, uma época de ouro na qual as criaturas eram felizes. Nega-se, portanto, o presente hostil e causador de sofrimentos.
  • 25. Religiosidade Mais comum entre os primeiros românticos, a tendência espiritualizante do Romantismo, embasada no cristianismo, significa uma nítida reação ao nacionalismo e ao materialismo do século anterior. A vida espiritual é enfocada como ponto de apoio ou válvula da escape diante das frustrações do mundo real.
  • 26. Mal do Século Origina-se basicamente de dois fatores: Um deles é a ideia aceita pelos românticos de que o espírito humano busca sempre a perfeição, a totalidade, o absoluto, o infinito. Sendo humano, seria impossível atingir tal estado de perfeição. Essa constatação gera a angústia do mal do século.
  • 27. Outro fator é o desajuste do indivíduo na sociedade burguesa que se mostrava muito prática e objetiva para os gostos românticos. Ansiando por uma plenitude espiritual, social e material impossível, o romântico sente-se desajustado, enxergando a si próprio e aos seus contemporâneos como seres fragmentados, reduzidos a simples “peças” da engrenagem social.
  • 28. É uma tradução aproximada do termo “spleen”, que surgiu na Inglaterra e esteve muito em moda na Europa desse período. Essa expressão designa a sensação de insatisfação, angustia, melancolia e até uma obsessiva atração pela morte, que passa a ser encarada como solução definitiva para os males da existência.
  • 29. Byronismo Essa atitude, relacionada ao poeta inglês Lord Byron, foi amplamente cultivada entre os românticos brasileiros da segunda geração, isto é, entre os anos 50 e 60 do século XIX. Traduz-se num estilo de vida que inclui a boêmia, voltada para o vício – para os prazeres da bebida, do fumo e do sexo e numa forma particular de ver o mundo; caracterizada pelo egocentrismo, narcisismo, pessimismo, angústia e por vezes, pelo satanismo.
  • 30. Condoreirismo Trata-se de uma corrente de poesia político-social que ganhou repercussão entre os poetas da quarta e da última geração romântica no Brasil (anos 70 do século XIX). Influenciados pelo escritor francês Vitor Hugo, os poetas condoreiros defendiam a justiça social e a liberdade. Na Europa, tornaram-se defensores da classe operária, denunciando a exploração a que estavam submetida. No Brasil , lutaram pelo fim da escravidão e pela república.
  • 32. ROMANTISMO NO BRASIL  LITERATURA COMO MISSÃO:  Compromisso com a pátria (Nacionalismo Ufanista);  Contribuição para a grandeza da nação;  Retrato de sua bela paisagem física e humana;  Revelar todo o Brasil, de forma positiva, criando uma literatura autônoma que expressasse a alma da jovem nação.
  • 33. Marco inicial Publicação de "Suspiros Poéticos e Saudades", de Gonçalves de Magalhães, em 1836. Marco final Publicação de "Memórias Póstumas de Brás Cubas", de Machado de Assis, em 1881, que inaugura o realismo.
  • 34. Contexto Histórico Até a Proclamação da República, foi a Independência do Brasil o principal fato político do século XIX que determinou os rumos políticos, econômicos e sociais do país (1889). Merece destaque também o Segundo Reinado, em que a nação conheceu um período de grande desenvolvimento em relação aos três séculos anteriores. Apesar disso, o Brasil continuou um país fundamentalmente agrário, cuja economia se baseava no latifúndio, na monocultura e na mão de obra escrava.
  • 35. Contexto Cultural O Brasil ainda reproduz os modelos do romantismo europeu, apesar de procurar afirmar sua identidade, tentando desenvolver uma cultura própria, baseada em suas raízes indígenas ou sertanejas, o que reflete o caráter contraditório do romantismo brasileiro.
  • 36. Características do Romantismo no Brasil - Liberdade formal; - Nacionalismo (valorização das manifestações populares); - Indianismo e regionalismo; - Personagem linear; - Sentimentalismo; - Subjetivismo; - Individualismo; - Religiosidade; - Idealização da mulher, do herói, do tempo, do espaço; - Fuga da realidade; - Busca da morte; - Pessimismo. O Romantismo foi a primeira escola literária que procurou desenvolver uma literatura efetivamente brasileira.
  • 37. Principais Autores Poesia Gonçalves Dias Álvares de Azevedo Castro Alves Sousândrade Prosa Joaquim Manuel de Macedo José de Alencar Bernardo Guimarães Manuel Antônio de Almeida
  • 38. POESIA - PRIMEIRA GERAÇÃO (1836-1853) Evidenciava a exaltação da pátria e da natureza, idealizando o índio, que surge como um herói brasileiro, o que possibilita a criação de um passado para o país. Autores: - Gonçalves Dias: Adotava a temática indianista, a saudade, o amor e a natureza. Obras de destaque: Cantos e Os Timbiras. Seus poemas mais famosos são Canção do exílio, I-Juca-Pirama e Ainda uma vez – Adeus! - Gonçalves de Magalhães: Adotava a temática indianista, o nacionalismo, a religiosidade e o sentimentalismo. Obras de destaque: Suspiros Poéticos e Saudades, que introduziram o Romantismo no Brasil, e Confederação dos Tamoios.
  • 39. POESIA - SEGUNDA GERAÇÃO (1853-1870) Também denominada de byroniana ou “mal do século”, é marcada pelo pessimismo, pelo predomínio do “eu” e pela subjetividade. Autores: Álvares de Azevedo: temáticas: o amor e a morte. Obras de destaque: Lira dos vinte anos e Noite na taverna. Poemas que se destacam: Se eu morresse amanhã e Lembrança de morrer. Fagundes Varela: temáticas: nacionalismo, indianismo, religiosidade, lirismo amoroso, saudade, escravidão, preocupações sociais etc. Obras de destaque: Vozes da América, Noturnas e Cantos do Ermo e da Cidade, sendo Cântico do Calvário o seu poema mais famoso. Casimiro de Abreu: os temas centrais de suas obras eram o amor ingênuo e adolescente e a saudade, bastante evidente nos poemas Meus oito anos, Canção do exílio e Minha terra. Junqueira Freire: foi monge beneditino, mas largou a batina por sentir que não tinha vocação. Escreveu sobre a desilusão com a vida no mosteiro, a solidão, a frustração amorosa e a obsessão pela morte. Obras mais famosas: Inspirações do claustro e Contradições poéticas.
  • 40. POESIA - TERCEIRA GERAÇÃO Também conhecida como condoreira ou hugoana, verifica-se um afastamento da idealização da mulher amada e se percebe uma visão mais social que individual por parte dos autores, com destaque para a poesia social-libertária. Autores: Castro Alves: Conhecido como “poeta dos escravos”, adotou uma linguagem condoreira, elevada, vibrante, cheia de metáforas, hipérboles e comparações. Obras de destaque: Espumas flutuantes, A cachoeira de Paulo Afonso, Os escravos e Gonzaga ou a Revolução de Minas. Sousândrade: Com o poema épico O Guesa, denunciou a exploração indígena pela branco invasor. A complexidade temática e a técnica utilizadas em suas obras ultrapassam os limites do Romantismo, sendo considerado, por isso, um precursor do modernismo e das vanguardas.
  • 41. ROMANTISMO NO BRASIL – A PROSA O Romantismo teve uma boa aceitação entre os brasileiros leitores de literatura por ser um gênero que aborda temas comuns da vida cotidiana. O romance, bem mais que a poesia, empenhou-se em definir uma identidade cultural do Brasil.
  • 42. A Prosa Romântica O primeiro romance brasileiro em folhetim foi "A Moreninha", de Joaquim Manuel de Macedo, publicado em 1844. O romance brasileiro caracteriza-se por ser uma "adaptação" do romance europeu, conservando a estrutura folhetinesca européia, com início, meio e fim seguindo a ordem cronológica dos fatos. O Romance brasileiro poderia ser dividido em duas fases: Antes de José de Alencar e Pós-José de Alencar, pois antes desse importante autor as narrativas eram basicamente urbanas, ambientadas no Rio de Janeiro, e apresentavam uma visão muito superficial dos hábitos e comportamentos da sociedade burguesa.
  • 43. Com José de Alencar surgiram novos estilos de prosa romântica como os romances regionalistas, históricos e indianistas e o romance passou a ser mais crítico e realista. Os romances românticos brasileiros fizeram muito sucesso em sua época já que uniam o útil ao agradável: a estrutura típica do romance europeu, ambientada nos cenários facilmente identificáveis pelo leitor brasileiro (cafés, teatros, ruas de cidades como o Rio de Janeiro). Litografia de Aubrun baseada em fotografia de Victor Frond. Paço Imperial, Rio de Janeiro, entre 1858 e 1861 / Dominio Público
  • 44. O sucesso também se deve ao fato de que os romances eram feitos para a classe burguesa, ressaltando o luxo e a pompa da vida social burguesa, mas ocultando a hipocrisia de seus costumes. Por isso pode-se dizer que, no geral, o romance romântico brasileiro era urbano, superficial, folhetinesco e burguês. Dentre os vários romancistas românticos brasileiros, merecem destaque (3):  José de Alencar;  Joaquim Manoel de Macedo;  Franklin Távora;  Bernardo Guimarães;  Visconde de Taunay;  Manoel Antônio de Almeida.
  • 45. Joaquim Manoel de Macedo Imagem: Autor Desconhecido / Domínio Público
  • 46. Célebre por dar início à produção narrativa do romantismo brasileiro, Joaquim Manuel de Macedo ou Dr. Macedinho, como era conhecido pelo povo, escreveu um dos mais populares romances da literatura romântica do Brasil. O romance "A moreninha" fez um enorme sucesso dentre a classe burguesa brasileira que se sentia extremamente agradada por um novo projeto de literatura: a literatura original do Brasil. Uma literatura que continuava a seguir os padrões das histórias de amor europeias, tão populares entre a classe burguesa, mas que ao mesmo tempo inovava ao trazer tais histórias tão clássicas para ambientes legitimamente brasileiros, que faziam os leitores identificarem os ambientes mencionados.
  • 47. Trata-se de um escritor que estava voltado para as narrativas urbanas e tinha como foco a cidade do Rio de Janeiro, capital do Império do Brasil, e a alta sociedade carioca em seus saraus e festas sociais. Seus romances em forma de folhetim eram como as atuais telenovelas, só que escritos em episódios publicados num jornal. As obras de Joaquim Manuel de Macedo apresentam uma visão superficial dos hábitos e comportamentos dos jovens da época, buscando ilustrar a pompa e o luxo da alta classe capitalista, e com isso, escondendo a hipocrisia e a dissimulação da burguesia.
  • 48.
  • 49. A Moreninha conta história de um rapaz burguês que vai estudar medicina no Rio de Janeiro. Morando em uma república estudantil, Augusto faz vários amigos, dentre eles Filipe, que o convida para veranear na Ilha de Paquetá. Augusto aceita o convite e seus amigos apostam que ele não se apaixonaria por nenhuma moça, caso o fizesse, teria de escrever romances de amor revelando sua paixão. Augusto, contra a aposta com seus amigos, inevitavelmente se apaixona por Dona Carolina, irmã de Filipe, que recusa enamorar-se com Augusto, pois em sua infância havia jurado amor eterno a um certo menino e Augusto, curiosamente, também havia jurado amor eterno e casamento a uma certa menina. Por fim, ao descobrirem que um era a paixão infantil do outro, entregam-se a esse sentimento. A pureza e discrição dos personagens, assim como a beleza de um amor pudico, conquistaram os leitores burgueses, tornando esse romance um dos maiores sucessos do romantismo brasileiro.
  • 50. Cena do filme A Moreninha, de 1970, com Sônia Braga.
  • 51. José de Alencar Imagem: Autor Desconhecido / United States Public Domain
  • 52. Considerado o mais importante escritor do Romantismo brasileiro, é ele quem consegue expressar o perfeito retrato da cultura brasileira, explorando novas vertentes da produção literária, criando e abrindo caminhos para a criação de uma literatura brasileira original, ampla e de boa qualidade. E por isso foi o autor que mais se aproximou do objetivo da escola romântica, mesclando a idealização e o sonho com um realismo sutil, valorizando os elementos naturais da cultura brasileira e o índio como figura-mãe da original cultura brasileira. Suas obras foram capazes de inspirar nos burgueses, o gosto pela leitura nacional e também de inspirar diversos autores a seguir caminhos por ele traçados, concretizando assim seu projeto nacionalista de revelar o Brasil num todo.
  • 53. José de Alencar é considerado o patriarca da literatura brasileira. Inaugurou novos estilos românticos e consolidou o romantismo no Brasil, desenhando o retrato cultural brasileiro de forma abrangente. E, devido a essa visão ampla do cenário brasileiro, sua obra iniciaria um período de transição entre Romantismo e Realismo. Suas narrativas apresentam um desenvolvimento dos conflitos femininos da mulher burguesa do século XIX, já que seus romances a tinha como público alvo. Sua obra pode ser subdividida em quatro categorias:  Romances Urbanos;  Regionalistas;  Históricos;  Indianistas.
  • 54. Romances Urbanos Romances ambientados no Rio de Janeiro, protagonizados por personagens femininos, mostravam o luxo e a pompa das atividades sociais burguesas. São exemplos de romances urbanos de José de Alencar:  Senhora;  Lucíola;  Diva.
  • 55. Romances Regionalistas Narrativas que se sucedem em centros afastados da capital imperial, ou seja, histórias que acontecem em lugares tipicamente brasileiros, mais pitorescos, menos influenciados pela cultura européia. São exemplos de romances regionalistas de José de Alencar (11):  O Gaúcho;  O Sertanejo;  O Tronco do Ipê.
  • 56. Romances Indianistas e Históricos Romances que revelam a preocupação de José de Alencar em exibir o índio como herói nacional. Dentre as obras mais importantes de José de Alencar, dessa vertente do romantismo, estão:  O Guarani;  Ubirajara;  As Minas de Prata;  Iracema.
  • 57.
  • 58. A história transcorre no século XVI, nas matas nordestinas, onde hoje é o litoral do Ceará. Martin, um jovem guerreiro português, é ferido por uma índia ao andar só por entre as matas. Essa índia é a jovem guerreira tabajara Iracema, que ao perceber que havia ferido um inocente, o leva para a tribo. A presença de Martin não agrada a muitos, principalmente um guerreiro de nome Irapuã, apaixonado por Iracema. Em meio a festas e guerras travadas com outras tribos, a virgem e o guerreiro branco se envolvem amorosamente, o que contraria o voto de castidade a Tupã. Iracema e Martin fogem. Essa fuga se dá ao lado do amado e de um guerreiro da tribo pitiguara de nome Poti, a quem o jovem português tratava como irmão. Ao perceber o ocorrido, os tabajaras, liderados por Irapuã e o irmão de Iracema, Caubi, perseguem os amantes. Encontram a tribo inimiga pitiguara, com quem travam um sangrento combate. Iracema, vendo a ferocidade com que Irapuã e Caubi agridem Martin, os fere. A tribo tabajara, pressentido a derrota, foge.
  • 59. Os amantes fogem mais uma vez e acabam numa praia deserta, onde Martin e Iracema constroem uma cabana. Passado algum tempo, Martin se sente na obrigação de ir guerrear junto ao seu irmão Poti, deixando Iracema na cabana, grávida. Martin demora e Iracema dá a luz a um menino, ficando gravemente debilitada pelo parto. O guerreiro volta a tempo de ver Iracema morrer nos seus braços, enterrando-a ao pé de um coqueiro. O filho de Iracema e Martin tornou-se assim o primeiro cearense. É importante destacar que “Iracema” é um anagrama para “América”, o que revela a intenção de Alencar de fazer de seu romance uma alegoria sobre o nascimento do povo americano, e mais especificamente, brasileiro.
  • 61. Bernardo Guimarães, o escritor da famosa obra "A Escrava Isaura“, é considerado um dos mais importantes regionalistas românticos brasileiros. Opta por seguir um dos caminhos traçados por José de Alencar, ambientando suas tramas nos estados de Minas Gerais e Goiás. Suas obras conservam o caráter linear romântico, apresentando a estrutura folhetinesca típica de sua época; prezam pela valorização do pitoresco e do regional, resgatando os hábitos típicos da sociedade imperial. Caracteriza-se por usar, por vezes, a linguagem oral em sua obra e fazer críticas sutis aos sistemas patriarcal, clerical e escravocrata do Brasil Império. Entres suas principais obras, destacam-se:  A Escrava Isaura;  O Seminarista.
  • 62.
  • 63. Fez grande sucesso enquanto livro, tão notável que foi adaptado como novela da Rede Globo e da Rede Record. Bernardo Guimarães tentou criticar a escravatura no Brasil, patrocinando, através de sua obra, o abolicionismo. No entanto, sua crítica se mostrou em parte malsucedida, pois a personagem principal, Isaura, era uma escrava branca, e a antagonista, uma mucama negra, o que incitou nos leitores uma raiva da personagem negra e um sentimento de pena e compaixão da escrava branca Isaura. Pode-se dizer que não atingiu seu objetivo realista devido à sua crítica equivocada, mas conquistou enorme admiração e já nos permite identificar traços de uma literatura brasileira mais realista. Apresenta o caráter sentimentalista romântico das histórias de amor terminando com seu devido final feliz.
  • 64. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ABAURRE, Maria Luiza – Português: língua, literatura, produção de texto: ensino médio/ Maria Luiza Abaurre, Marcela Nogueira Pontara, Tatiana Fadel. – 1 ed.- São Paulo: Moderna, 2005. CEREJA, William Roberto- português: linguagens: volume único/ Wiliam Roberto Cereja, Thereza Cochar Magalhães – São Paulo: Atual, 2003. http://educacao.uol.com.br/literatura/romantismo-no-brasil-caracteristicas-e-autores.htm, acessado em 08/11/2011 < http://pt.shvoong.com/books/1625692-prosa-rom%C3%A2ntica- brasil/#ixzz1dKca0eHU> <http://gizeligondim.blogspot.com/2010/05/exercicios-com-gabarito-sobre- arcadismo.htm> <http://www.mundovestibular.com.br/articles/6517/1/Romantismo-no- Brasil/Paacutegina1> <http://vestibular.com.br/revisao/romantismottp://vestibular.com.br/revisao/romantismo> <http://www.analisedetextos.com.br/2010/08/romantismo-definicoes-e-exercicios- de.html>