SlideShare uma empresa Scribd logo
AULA 09 – LITERATURA
PROFª Edna Prado
ROMANTISMO
I - CONTEXTO HISTÓRICO
O tema da aula de hoje é a Estética Romântica, é o Romantismo
com letra maiúscula. E por que com letra maiúscula? Porque é
importante distinguirmos o movimento literário do sentimento, da
atitude espiritual, do modo de agir e pensar caracterizado pelo sonho e
pela atitude emotiva diante das coisas. Esse comportamento romântico
sempre existiu e vai existir – é atemporal. É neste sentido que falamos
de um filme ou de uma música romântica. É o romantismo com letra
minúscula.
O que nos interessa neste curso é Romantismo enquanto estética,
enquanto movimento literário.
O Romantismo teve início na Alemanha e na Inglaterra no final do
século XVIII, passando pela França, e aos poucos se espalhou por toda
Europa de onde se difundiu para a América. O Romantismo permanece
no cenário literário até por volta da primeira metade do século XIX,
quando apareceram as primeiras manifestações realistas.
O contexto histórico do período marcou-se pelas disputas de poder
e pelas revoluções, principalmente a Francesa, que consolidou a
transferência do absolutismo para o liberalismo, ou seja, o poder que
sempre esteve nas mãos da nobreza, da aristocracia é conquistado pela
burguesia, que contava com o apoio do povo. Todo este contexto vai se
refletir na produção literária romântica.
II – CARACTERÍSTICAS
A ascensão da burguesia, da chamada classe média, provoca uma
alteração, um deslocamento do público consumidor da literatura, que
até então era o nobre. No Romantismo quem lia era o burguês. A
literatura tornou-se mais popular, com um caráter mais nacional.
Surgem os primeiros folhetins, espécie de precursores das nossas
telenovelas. O leitor buscava na literatura uma forma de
entretenimento. O Romantismo é considerado, por excelência, o
movimento literário da burguesia.
A próxima imagem é considerada um dos símbolos do
Romantismo:
A liberdade guiando o povo, quadro de Delacroix.
“Liberdade, Igualdade e Fraternidade” tornam-se palavras de ordem na época,
quer no campo político, econômico ou social.
E como não podia deixar de ser, liberdade é a palavra de ordem
também no plano literário.
As principais características do Romantismo são:
* INDIVIDUALISMO
* EMOÇÃO
* ESCAPISMO
* LIBERDADE
Mas o que significa cada uma dessas características?
No individualismo/egocentrismo/egotismo = O “eu” é a
figura principal. Nunca em nenhum movimento a imposição do “eu” foi
tão forte. Temos um predomínio da primeira pessoa. Para o Romantismo
uma das questões centrais é aquilo que cada pessoa tem de particular,
de exclusivo.
Há um predomínio da emoção, do subjetivismo = Sendo o
indivíduo a figura principal, toda a produção se fundamenta na emoção,
na imaginação. Ao contrário da disciplina das escolas anteriores, o poeta
romântico é livre, livre para sentir e expressar seus sentimentos e
desejos. Só através da emoção o artista romântico consegue expressar
o seu interior, o seu eu.
Escapismo ou evasão = Mas nessa ânsia de sentir e de imaginar
o autor romântico se depara com a realidade, com uma realidade que
nem sempre é a desejada, o que lhe provoca atitudes diversas: ou a
atitude revolucionária, principalmente dos poetas da terceira geração,
dos quais falaremos nas próximas aulas, ou a frustração, a insatisfação
e o desejo de fuga. Vejamos um esquema que ilustra esse escapismo:
NATUREZA
ESCAPISMO SONHO
MORTE
Esse escapismo se manifestou de formas diversas entre os
românticos: na natureza, vista como um refúgio, um lugar ainda não
corrompido; nos sonhos, substituindo as dores da vida real; na morte
vista como algo positivo e constantemente invocada. Há ainda outras
formas de fuga que a essas se unem: a vida boêmia, o culto da solidão,
o gosto pelo passado, por lugares exóticos e mórbidos. Veja o seguinte
fragmento em que o autor deseja a morte:
“Por isso, é morte, eu amo-te e não temo.
Por isso, é morte, eu quero-te comigo.
Leva-me à região da paz horrenda,
Leva-me ao nada, leva-me contigo.”
Junqueira Freire
A liberdade de criação = Os românticos abandonaram as formas
fixas dos modelos clássicos {ode, soneto, decassílabos, etc};
abandonaram as rimas e valorizaram o verso branco, ou seja, o verso
não rimado; promoveram uma mistura de gêneros; enriqueceram a
língua incorporando neologismos (palavras novas) e aproximando a
linguagem literária da coloquial. Veja o que diz um romântico sobre a
idéia da liberdade de criação:
“Quanto à forma ... nenhuma ordem seguimos; exprimindo as
idéias como elas se apresentam, para não destruir o acento da
inspiração ...”
Gonçalves de Magalhães
Para o autor romântico o importante era a expressão dos seus
sentimentos, do seu mundo interior, independentemente de qualquer
forma preestabelecida. Todas essas características se refletem em
vários temas. Veja os principais:
* NACIONALISMO
* RELIGIOSIDADE
DO AMOR
* IDEALIZAÇÃO
DA MULHER
No nacionalismo = Ocorre a valorização da pátria, dos heróis
nacionais e do passado histórico. No caso de Portugal, retomam-se os
mitos dos grandes cavaleiros e heróis medievais. No Brasil, como
não tivemos Idade Média, nos moldes do colonizador, cria-se o “mito
do bom selvagem”. O índio aparece idealizado nos textos românticos,
é sempre bom, forte e bonito, passando a representar o nosso cavaleiro
medieval.
Religiosidade = Em oposição ao paganismo da escola anterior,
redescobrem-se as fontes bíblicas, principalmente as derivadas do
cristianismo.
Idealização do amor e da mulher = O amor é tido como a
essência da vida, como o sentido de tudo e conseqüentemente, a
mulher, objeto do amor romântico, é divinizada, cultuada. Ela era
misteriosa, pura – a virgindade era muito valorizada, quase toda heroína
romântica era virgem. Mas apesar desse caráter angelical, alguns textos
românticos apresentam muito sensualismo.
Não se esqueça que: o Romantismo foi o movimento literário
responsável por uma subjetividade extrema, jamais vista em toda a arte
ocidental.
III – EXERCÍCIOS
1) (UFV-MG) Assinale a alternativa falsa.
a) O Romantismo, como estilo, não é modelado pela individualidade do
autor; a forma predomina sempre sobre o conteúdo.
b) O Romantismo é um movimento de expressão universal, inspirado
nos modelos medievais e unificado pela prevalência de características
comuns a todos os escritores da época.
c) O Romantismo, como Estilo de Época, consistiu, basicamente num
fenômeno estético-literário, desenvolvido em oposição ao
intelectualismo e à tradição racionalista e clássica do século XVIII.
d) O Romantismo, ou melhor, o espírito romântico, pode ser sintetizado
numa única qualidade: a imaginação. Pode-se creditar à imaginação
a capacidade extraordinária dos românticos de criarem mundos
imaginários.
e) O Romantismo caracterizou-se por um complexo de características
como o subjetivismo, o ilogismo, o senso de mistério, o exagero, o
culto da natureza e o escapismo.
R: a
2) (FEI-SP) Quais as características românticas que se opõem,
respectivamente, às seguintes características clássicas: objetivismo,
linguagem erudita, paganismo, uso da razão?
R: Subjetivismo; linguagem mais simples e livre, sem preocupação com a forma;
negação do princípio da imitação dos modelos greco-romanos; predomínio de
emoções, anseios e sentimentos.
3) (UNIP-SP) Assinale a alternativa não-aplicável à poesia romântica;
a) O artista goza de liberdade na metrificação e na distribuição rítmica.
b) O importante é o culto da forma, a arte pela arte.
c) A poesia é primordialmente pessoal, intimista e amorosa.
d) Enfatiza-se a auto-expressão, o subjetivismo, o individualismo.
e) A linguagem do poeta é a mesma do povo: simples, espontânea.
R: b
4) (FCC)
“O mundo é uma mentira, a glória – fumo,
A morte – um beijo, e esta vida um sonho
Pesado ou doce, que s’esvai na campa!”
O texto acima contém uma idéia que é comum a muitos poetas
românticos. Aponte a alternativa que explicita:
a) A vida subjetiva e o sonho é que mais se identificam com a verdade;
o mundo real “é uma mentira”.
b) A vida interior “sonho pesado ou doce”, a mais rica de todas, permite
iludir o medo da morte.
c) A morte, “sonho (...) que s’esvai na campa”, é a solução definitiva
para as tristezas, única herança do sonho e da vida subjetiva.
d) Resta ao homem, atrelado sempre à consciência da morte, apegar-se
quanto mais possa a prazeres efêmeros (fumo, sonho) que a vida
breve lhe proporciona.
e) A morte é o beijo que continuamente ameaça e, não raro, destrói a
felicidade que lhe dá origem.
R: d
5) (FMU-FIAM-FAAM-SP) O homem de todas as épocas se preocupa
com a natureza. Cada período a vê de modo particular. No Romantismo,
a natureza aparece como:
a) Um cenário cientificamente estudado pelo homem: a natureza é mais
importante que o elemento humano.
b) Um cenário estático, indiferente; só o homem se projeta em busca de
sua realização.
c) Um cenário sem importância nenhuma; é apenas um pano de fundo
para as emoções humanas.
d) Confidente do poeta, que compartilha seus sentimentos com a
paisagem; a natureza se modifica de acordo com o estado emocional
do poeta.
e) É um cenário idealizado onde todos são felizes e os poetas são
pastores.
R: d

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Prosa x poema x soneto
Prosa x poema x sonetoProsa x poema x soneto
Prosa x poema x soneto
Valeria Nunes
 
Pré modernismo-slides
Pré modernismo-slidesPré modernismo-slides
Pré modernismo-slides
Zenia Ferreira
 
Intertextualidade interdiscursividade
Intertextualidade interdiscursividadeIntertextualidade interdiscursividade
Intertextualidade interdiscursividade
Francione Brito
 
Romantismo primeira & segunda geração e romantismo na europa
Romantismo primeira & segunda geração e romantismo na europaRomantismo primeira & segunda geração e romantismo na europa
Romantismo primeira & segunda geração e romantismo na europa
Igor Moura
 

Mais procurados (20)

Simbolismo
SimbolismoSimbolismo
Simbolismo
 
Gênero poesia
Gênero poesiaGênero poesia
Gênero poesia
 
Prosa x poema x soneto
Prosa x poema x sonetoProsa x poema x soneto
Prosa x poema x soneto
 
Linha do tempo - Literatura
Linha do tempo - LiteraturaLinha do tempo - Literatura
Linha do tempo - Literatura
 
Romantismo poesia - 3ª geração
Romantismo   poesia - 3ª geraçãoRomantismo   poesia - 3ª geração
Romantismo poesia - 3ª geração
 
Parnasianismo e simbolismo
Parnasianismo e simbolismo Parnasianismo e simbolismo
Parnasianismo e simbolismo
 
Arcadismo no Brasil
Arcadismo no BrasilArcadismo no Brasil
Arcadismo no Brasil
 
O que é Literatura?
O que é Literatura?O que é Literatura?
O que é Literatura?
 
Trovadorismo
TrovadorismoTrovadorismo
Trovadorismo
 
Intertextualidade
Intertextualidade Intertextualidade
Intertextualidade
 
Pré modernismo-slides
Pré modernismo-slidesPré modernismo-slides
Pré modernismo-slides
 
1 fase do modernismo
1 fase do modernismo1 fase do modernismo
1 fase do modernismo
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Aula 06 naturalismo e realismo
Aula 06 naturalismo e realismoAula 06 naturalismo e realismo
Aula 06 naturalismo e realismo
 
A Poesia Visual
A  Poesia  VisualA  Poesia  Visual
A Poesia Visual
 
Aula 12 romantismo no brasil - prosa
Aula 12   romantismo no brasil - prosaAula 12   romantismo no brasil - prosa
Aula 12 romantismo no brasil - prosa
 
Linha de tempo
Linha de tempo Linha de tempo
Linha de tempo
 
Estilo de época
Estilo de épocaEstilo de época
Estilo de época
 
Intertextualidade interdiscursividade
Intertextualidade interdiscursividadeIntertextualidade interdiscursividade
Intertextualidade interdiscursividade
 
Romantismo primeira & segunda geração e romantismo na europa
Romantismo primeira & segunda geração e romantismo na europaRomantismo primeira & segunda geração e romantismo na europa
Romantismo primeira & segunda geração e romantismo na europa
 

Semelhante a Aula 09 romantismo

Semelhante a Aula 09 romantismo (20)

Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Romanticismo base.ppt
Romanticismo base.pptRomanticismo base.ppt
Romanticismo base.ppt
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Romantismo 1
Romantismo 1Romantismo 1
Romantismo 1
 
O romantismo
O romantismoO romantismo
O romantismo
 
5. Romantismo
5. Romantismo5. Romantismo
5. Romantismo
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Romantismo 090413205233-phpapp01
Romantismo 090413205233-phpapp01Romantismo 090413205233-phpapp01
Romantismo 090413205233-phpapp01
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Romantismo português
Romantismo portuguêsRomantismo português
Romantismo português
 
Romantismo -slides (1)
Romantismo  -slides (1)Romantismo  -slides (1)
Romantismo -slides (1)
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Antologia Poética - Vinícius de Moraes - 3ª A - 2011
Antologia Poética - Vinícius de Moraes - 3ª A - 2011Antologia Poética - Vinícius de Moraes - 3ª A - 2011
Antologia Poética - Vinícius de Moraes - 3ª A - 2011
 
Romantismo Parte 1
Romantismo Parte 1Romantismo Parte 1
Romantismo Parte 1
 
A literatura do século xix
A literatura do século xixA literatura do século xix
A literatura do século xix
 
Romantismo -slides (2)
Romantismo  -slides (2)Romantismo  -slides (2)
Romantismo -slides (2)
 
Características do Romantismo e Romance Romântico
Características do Romantismo e Romance RomânticoCaracterísticas do Romantismo e Romance Romântico
Características do Romantismo e Romance Romântico
 

Mais de Jonatas Carlos

Mais de Jonatas Carlos (20)

Aula 27 produções contemporâneas em portugal e no brasil
Aula 27   produções contemporâneas em portugal e no brasilAula 27   produções contemporâneas em portugal e no brasil
Aula 27 produções contemporâneas em portugal e no brasil
 
Aula 26 modernismo no brasil - 3ª fase
Aula 26   modernismo no brasil - 3ª faseAula 26   modernismo no brasil - 3ª fase
Aula 26 modernismo no brasil - 3ª fase
 
Aula 25 modernismo no brasil - 2ª fase (prosa)
Aula 25   modernismo no brasil - 2ª fase (prosa)Aula 25   modernismo no brasil - 2ª fase (prosa)
Aula 25 modernismo no brasil - 2ª fase (prosa)
 
Aula 24 modernismo no brasil - 2ª fase (poesia)
Aula 24   modernismo no brasil - 2ª fase (poesia)Aula 24   modernismo no brasil - 2ª fase (poesia)
Aula 24 modernismo no brasil - 2ª fase (poesia)
 
Aula 23 modernismo no brasil - 1ª fase
Aula 23   modernismo no brasil - 1ª faseAula 23   modernismo no brasil - 1ª fase
Aula 23 modernismo no brasil - 1ª fase
 
Aula 22 modernismo no brasil
Aula 22   modernismo no brasilAula 22   modernismo no brasil
Aula 22 modernismo no brasil
 
Aula 21 modernismo em portugal
Aula 21   modernismo em portugalAula 21   modernismo em portugal
Aula 21 modernismo em portugal
 
Aula 20 vanguarda européia
Aula 20   vanguarda européiaAula 20   vanguarda européia
Aula 20 vanguarda européia
 
Aula 19 pré - modernismo - brasil
Aula 19   pré - modernismo - brasilAula 19   pré - modernismo - brasil
Aula 19 pré - modernismo - brasil
 
Aula 18 simbolismo em portugal e no brasil
Aula 18   simbolismo em portugal e no brasilAula 18   simbolismo em portugal e no brasil
Aula 18 simbolismo em portugal e no brasil
 
Aula 17 parnasianismo
Aula 17   parnasianismoAula 17   parnasianismo
Aula 17 parnasianismo
 
Aula 16 machado de assis
Aula 16   machado de assisAula 16   machado de assis
Aula 16 machado de assis
 
Aula 15 realismo - naturalismo no brasil
Aula 15   realismo - naturalismo no brasilAula 15   realismo - naturalismo no brasil
Aula 15 realismo - naturalismo no brasil
 
Aula 14 eça de queiroz e o realismo
Aula 14   eça de queiroz e o realismoAula 14   eça de queiroz e o realismo
Aula 14 eça de queiroz e o realismo
 
Aula 13 realismo - naturalismo em portugal
Aula 13   realismo - naturalismo em portugalAula 13   realismo - naturalismo em portugal
Aula 13 realismo - naturalismo em portugal
 
Aula 11 gerações românticas no brasil
Aula 11   gerações românticas no brasilAula 11   gerações românticas no brasil
Aula 11 gerações românticas no brasil
 
Aula 10 romantismo no brasil e em portugal
Aula 10   romantismo no brasil e em portugalAula 10   romantismo no brasil e em portugal
Aula 10 romantismo no brasil e em portugal
 
Aula 08 arcadismo no brasil
Aula 08   arcadismo no brasilAula 08   arcadismo no brasil
Aula 08 arcadismo no brasil
 
Aula 07 arcadismo em portugal
Aula 07   arcadismo em portugalAula 07   arcadismo em portugal
Aula 07 arcadismo em portugal
 
Aula 06 barroco no brasil
Aula 06   barroco no brasilAula 06   barroco no brasil
Aula 06 barroco no brasil
 

Último

clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importânciaclubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
LuanaAlves940822
 
CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docx
CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docxCONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docx
CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docx
EduardaMedeiros18
 

Último (20)

Poema - Reciclar é preciso
Poema            -        Reciclar é precisoPoema            -        Reciclar é preciso
Poema - Reciclar é preciso
 
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importânciaclubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
 
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantilApresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
 
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_AssisMemórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
 
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptxSão Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
 
O carteiro chegou - Janet & Allan Ahlberg
O carteiro chegou - Janet & Allan AhlbergO carteiro chegou - Janet & Allan Ahlberg
O carteiro chegou - Janet & Allan Ahlberg
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
 
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaNós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
 
Labor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdf
Labor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdfLabor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdf
Labor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdf
 
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docxAtividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
 
CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docx
CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docxCONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docx
CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docx
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
Atividade com a música Xote da Alegria - Falamansa
Atividade com a música Xote  da  Alegria    -   FalamansaAtividade com a música Xote  da  Alegria    -   Falamansa
Atividade com a música Xote da Alegria - Falamansa
 
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdfRespostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
 

Aula 09 romantismo

  • 1. AULA 09 – LITERATURA PROFª Edna Prado ROMANTISMO I - CONTEXTO HISTÓRICO O tema da aula de hoje é a Estética Romântica, é o Romantismo com letra maiúscula. E por que com letra maiúscula? Porque é importante distinguirmos o movimento literário do sentimento, da atitude espiritual, do modo de agir e pensar caracterizado pelo sonho e pela atitude emotiva diante das coisas. Esse comportamento romântico sempre existiu e vai existir – é atemporal. É neste sentido que falamos de um filme ou de uma música romântica. É o romantismo com letra minúscula. O que nos interessa neste curso é Romantismo enquanto estética, enquanto movimento literário. O Romantismo teve início na Alemanha e na Inglaterra no final do século XVIII, passando pela França, e aos poucos se espalhou por toda Europa de onde se difundiu para a América. O Romantismo permanece no cenário literário até por volta da primeira metade do século XIX, quando apareceram as primeiras manifestações realistas. O contexto histórico do período marcou-se pelas disputas de poder e pelas revoluções, principalmente a Francesa, que consolidou a transferência do absolutismo para o liberalismo, ou seja, o poder que sempre esteve nas mãos da nobreza, da aristocracia é conquistado pela burguesia, que contava com o apoio do povo. Todo este contexto vai se refletir na produção literária romântica.
  • 2. II – CARACTERÍSTICAS A ascensão da burguesia, da chamada classe média, provoca uma alteração, um deslocamento do público consumidor da literatura, que até então era o nobre. No Romantismo quem lia era o burguês. A literatura tornou-se mais popular, com um caráter mais nacional. Surgem os primeiros folhetins, espécie de precursores das nossas telenovelas. O leitor buscava na literatura uma forma de entretenimento. O Romantismo é considerado, por excelência, o movimento literário da burguesia. A próxima imagem é considerada um dos símbolos do Romantismo: A liberdade guiando o povo, quadro de Delacroix. “Liberdade, Igualdade e Fraternidade” tornam-se palavras de ordem na época, quer no campo político, econômico ou social. E como não podia deixar de ser, liberdade é a palavra de ordem também no plano literário. As principais características do Romantismo são:
  • 3. * INDIVIDUALISMO * EMOÇÃO * ESCAPISMO * LIBERDADE Mas o que significa cada uma dessas características? No individualismo/egocentrismo/egotismo = O “eu” é a figura principal. Nunca em nenhum movimento a imposição do “eu” foi tão forte. Temos um predomínio da primeira pessoa. Para o Romantismo uma das questões centrais é aquilo que cada pessoa tem de particular, de exclusivo. Há um predomínio da emoção, do subjetivismo = Sendo o indivíduo a figura principal, toda a produção se fundamenta na emoção, na imaginação. Ao contrário da disciplina das escolas anteriores, o poeta romântico é livre, livre para sentir e expressar seus sentimentos e desejos. Só através da emoção o artista romântico consegue expressar o seu interior, o seu eu. Escapismo ou evasão = Mas nessa ânsia de sentir e de imaginar o autor romântico se depara com a realidade, com uma realidade que nem sempre é a desejada, o que lhe provoca atitudes diversas: ou a atitude revolucionária, principalmente dos poetas da terceira geração, dos quais falaremos nas próximas aulas, ou a frustração, a insatisfação e o desejo de fuga. Vejamos um esquema que ilustra esse escapismo: NATUREZA ESCAPISMO SONHO MORTE Esse escapismo se manifestou de formas diversas entre os românticos: na natureza, vista como um refúgio, um lugar ainda não
  • 4. corrompido; nos sonhos, substituindo as dores da vida real; na morte vista como algo positivo e constantemente invocada. Há ainda outras formas de fuga que a essas se unem: a vida boêmia, o culto da solidão, o gosto pelo passado, por lugares exóticos e mórbidos. Veja o seguinte fragmento em que o autor deseja a morte: “Por isso, é morte, eu amo-te e não temo. Por isso, é morte, eu quero-te comigo. Leva-me à região da paz horrenda, Leva-me ao nada, leva-me contigo.” Junqueira Freire A liberdade de criação = Os românticos abandonaram as formas fixas dos modelos clássicos {ode, soneto, decassílabos, etc}; abandonaram as rimas e valorizaram o verso branco, ou seja, o verso não rimado; promoveram uma mistura de gêneros; enriqueceram a língua incorporando neologismos (palavras novas) e aproximando a linguagem literária da coloquial. Veja o que diz um romântico sobre a idéia da liberdade de criação: “Quanto à forma ... nenhuma ordem seguimos; exprimindo as idéias como elas se apresentam, para não destruir o acento da inspiração ...” Gonçalves de Magalhães Para o autor romântico o importante era a expressão dos seus sentimentos, do seu mundo interior, independentemente de qualquer forma preestabelecida. Todas essas características se refletem em vários temas. Veja os principais: * NACIONALISMO * RELIGIOSIDADE DO AMOR * IDEALIZAÇÃO DA MULHER
  • 5. No nacionalismo = Ocorre a valorização da pátria, dos heróis nacionais e do passado histórico. No caso de Portugal, retomam-se os mitos dos grandes cavaleiros e heróis medievais. No Brasil, como não tivemos Idade Média, nos moldes do colonizador, cria-se o “mito do bom selvagem”. O índio aparece idealizado nos textos românticos, é sempre bom, forte e bonito, passando a representar o nosso cavaleiro medieval. Religiosidade = Em oposição ao paganismo da escola anterior, redescobrem-se as fontes bíblicas, principalmente as derivadas do cristianismo. Idealização do amor e da mulher = O amor é tido como a essência da vida, como o sentido de tudo e conseqüentemente, a mulher, objeto do amor romântico, é divinizada, cultuada. Ela era misteriosa, pura – a virgindade era muito valorizada, quase toda heroína romântica era virgem. Mas apesar desse caráter angelical, alguns textos românticos apresentam muito sensualismo. Não se esqueça que: o Romantismo foi o movimento literário responsável por uma subjetividade extrema, jamais vista em toda a arte ocidental. III – EXERCÍCIOS 1) (UFV-MG) Assinale a alternativa falsa. a) O Romantismo, como estilo, não é modelado pela individualidade do autor; a forma predomina sempre sobre o conteúdo. b) O Romantismo é um movimento de expressão universal, inspirado nos modelos medievais e unificado pela prevalência de características comuns a todos os escritores da época. c) O Romantismo, como Estilo de Época, consistiu, basicamente num fenômeno estético-literário, desenvolvido em oposição ao intelectualismo e à tradição racionalista e clássica do século XVIII. d) O Romantismo, ou melhor, o espírito romântico, pode ser sintetizado numa única qualidade: a imaginação. Pode-se creditar à imaginação a capacidade extraordinária dos românticos de criarem mundos imaginários.
  • 6. e) O Romantismo caracterizou-se por um complexo de características como o subjetivismo, o ilogismo, o senso de mistério, o exagero, o culto da natureza e o escapismo. R: a 2) (FEI-SP) Quais as características românticas que se opõem, respectivamente, às seguintes características clássicas: objetivismo, linguagem erudita, paganismo, uso da razão? R: Subjetivismo; linguagem mais simples e livre, sem preocupação com a forma; negação do princípio da imitação dos modelos greco-romanos; predomínio de emoções, anseios e sentimentos. 3) (UNIP-SP) Assinale a alternativa não-aplicável à poesia romântica; a) O artista goza de liberdade na metrificação e na distribuição rítmica. b) O importante é o culto da forma, a arte pela arte. c) A poesia é primordialmente pessoal, intimista e amorosa. d) Enfatiza-se a auto-expressão, o subjetivismo, o individualismo. e) A linguagem do poeta é a mesma do povo: simples, espontânea. R: b 4) (FCC) “O mundo é uma mentira, a glória – fumo, A morte – um beijo, e esta vida um sonho Pesado ou doce, que s’esvai na campa!” O texto acima contém uma idéia que é comum a muitos poetas românticos. Aponte a alternativa que explicita: a) A vida subjetiva e o sonho é que mais se identificam com a verdade; o mundo real “é uma mentira”. b) A vida interior “sonho pesado ou doce”, a mais rica de todas, permite iludir o medo da morte. c) A morte, “sonho (...) que s’esvai na campa”, é a solução definitiva para as tristezas, única herança do sonho e da vida subjetiva. d) Resta ao homem, atrelado sempre à consciência da morte, apegar-se quanto mais possa a prazeres efêmeros (fumo, sonho) que a vida breve lhe proporciona. e) A morte é o beijo que continuamente ameaça e, não raro, destrói a felicidade que lhe dá origem. R: d 5) (FMU-FIAM-FAAM-SP) O homem de todas as épocas se preocupa com a natureza. Cada período a vê de modo particular. No Romantismo, a natureza aparece como:
  • 7. a) Um cenário cientificamente estudado pelo homem: a natureza é mais importante que o elemento humano. b) Um cenário estático, indiferente; só o homem se projeta em busca de sua realização. c) Um cenário sem importância nenhuma; é apenas um pano de fundo para as emoções humanas. d) Confidente do poeta, que compartilha seus sentimentos com a paisagem; a natureza se modifica de acordo com o estado emocional do poeta. e) É um cenário idealizado onde todos são felizes e os poetas são pastores. R: d