SlideShare uma empresa Scribd logo
LITERATURA II
ROMANTISMO:
* CARACTERÍSTICAS DO
ROMANTISMO
ROMANTISMO
Conceito Geral:
Uma característica que distingue o escritor romântico dos
escritores de outras épocas é o gosto pela confissão plena dos
sentimentos e emoções que agitam seu intimo, numa atitude
individualista e profundamente pessoal, que recusa o controle
da razão.
Individualismo e Subjetivismo:
ideologia burguesa voltada para o próprio eu do poeta. Um eu que afirmam
orgulhosamente e, ao mesmo tempo, um eu angustiado, infantil, incapaz de transformar o
mundo. A figura do artista é divinizada.
Sentimentalismo:
No início, como forma de recusa ao racionalismo neoclássico e, num segundo momento,
após a formação do estado liberal-capitaista, como protesto contra o próprio sentido de
vida capitalista.
Culto à natureza:
Encontrar-se com a natureza significava encontra-se consigo mesmo. O resultado dessa
comunhão: a natureza se humanizava ou se divinizava. Seus fenômenos servem para
indicar estados de espírito e sentimentos: o “rugir do mar” corresponde à angustia de uma
alma solitária, a “chuva” à tristeza e assim por diante.
Imaginação, Fantasia, Idealização e Sonho:
A fantasia dentro do Romantismo, situava-se constantemente na esfera dos leitores. Para
encontrar a “luz e a alegria” que a sociedade burguesa não oferecia, os românticos, se
consumiam e evadiam em uma literatura que lhes fornecia elementos para a idealização e
para o sonho, contrastando com a crua realidade que viviam.
Valorização do Passado:
Tentam fugir do presente, da realidade. Como consequência, surgem as seguintes
características: recuperação da cultura medieval, do nacionalismo,da religiosidade,
saudade e supervalorização da infância.
Liberdade artística:
A partir de agora, qualquer um elabora objetos artísticos obedecendo apenas aos
estímulos de sua interioridade. Desobediência às regras clássicas, mistura de gêneros,
surgimento do drama e afirmação do romance.
Idealização do amor e da mulher:
Perder o amor significava perder o sentido da vida, em flagrante oposição ao valor mais
cultivado pela burguesia: o dinheiro. A mulher – objeto do amor romântico – é divinizada,
cultuada, pura. Porém, apesar do espiritualismo, a poesia romântica reflete muitas vezes
um sensualismo bem material, na descrição feminina.
Mal do século:
Origina-se basicamente de dois fatores: da constatação dos românticos da impossibilidade
do homem atingir a perfeição, e o desajuste dentro de uma sociedade burguesa prática e
objetiva.
ROMANCE ROMÂNTICO
Os romances europeus tornaram-se populares no Brasil através das publicações em jornais
e, depois de 1830, que receberam o nome de “folhetins”.
Essas narrativas eram editadas sob a forma de capítulos. Além disso, os folhetins não podia
criticar os valores da época, constituindo-se, assim, em uma arte de evasão e alienação da
realidade.
Estrutura:
Harmonia  Desarmonia  Harmonia Final
Harmonia: Felicidade, ordenação social burguesa;
Desarmonia: Conflito, desordem, crise da sociedade burguesa;
Harmonia final: Estabelecimento da felicidade, ordenação definitiva da sociedade burguesa
com o triunfo de seus valores;
PRÓXIMO TEMA:
Romantismo na Europa

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

O que é Literatura?
O que é Literatura?O que é Literatura?
O que é Literatura?
Faell Vasconcelos
 
A moreninha
A moreninhaA moreninha
A moreninha
Sarah Delgado
 
Simbolismo em Portugal
Simbolismo em PortugalSimbolismo em Portugal
Simbolismo em Portugal
MarcelleLG
 
Machado de assis
Machado de assisMachado de assis
Machado de assis
Seduc/AM
 
Dom Casmurro
Dom CasmurroDom Casmurro
Dom Casmurro
Matheus Beleboni
 
Trovadorismo
TrovadorismoTrovadorismo
Trovadorismo
Adrielle Itaparica
 
Prosa romântica
Prosa românticaProsa romântica
Prosa romântica
Walace Cestari
 
Slide Dom Casmurro
Slide Dom CasmurroSlide Dom Casmurro
Slide Dom Casmurro
clemildapetrolina
 
Antônio gonçalves dias power point para apresentar
Antônio gonçalves dias power point para apresentarAntônio gonçalves dias power point para apresentar
Antônio gonçalves dias power point para apresentar
Mari Abreu
 
2ª Geração do Romantismo
2ª Geração do Romantismo2ª Geração do Romantismo
2ª Geração do Romantismo
Gabriel Luck
 
Trovadorismo I
Trovadorismo ITrovadorismo I
Trovadorismo I
Cláudia Heloísa
 
Literatura - Realismo
Literatura - RealismoLiteratura - Realismo
Literatura - Realismo
NAPNE
 
O cortiço
O cortiçoO cortiço
O cortiço
Cláudia Heloísa
 
Parnasianismo brasileiro
Parnasianismo brasileiroParnasianismo brasileiro
Parnasianismo brasileiro
Andréia Peixoto
 
CONFIRA A ATUALIZAÇÃO DESTA APRESENTAÇÃO EM https://www.slideshare.net/clauhe...
CONFIRA A ATUALIZAÇÃO DESTA APRESENTAÇÃO EM https://www.slideshare.net/clauhe...CONFIRA A ATUALIZAÇÃO DESTA APRESENTAÇÃO EM https://www.slideshare.net/clauhe...
CONFIRA A ATUALIZAÇÃO DESTA APRESENTAÇÃO EM https://www.slideshare.net/clauhe...
Cláudia Heloísa
 
Romance regionalista
Romance regionalistaRomance regionalista
Romance regionalista
Renata Silva Nunes Ribeiro
 
Arcadismo
ArcadismoArcadismo
Segunda geração modernista
Segunda geração modernistaSegunda geração modernista
Segunda geração modernista
Andrieli Muhl
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Resumo das escola literárias.
Resumo das escola literárias.Resumo das escola literárias.
Resumo das escola literárias.
Ajudar Pessoas
 

Mais procurados (20)

O que é Literatura?
O que é Literatura?O que é Literatura?
O que é Literatura?
 
A moreninha
A moreninhaA moreninha
A moreninha
 
Simbolismo em Portugal
Simbolismo em PortugalSimbolismo em Portugal
Simbolismo em Portugal
 
Machado de assis
Machado de assisMachado de assis
Machado de assis
 
Dom Casmurro
Dom CasmurroDom Casmurro
Dom Casmurro
 
Trovadorismo
TrovadorismoTrovadorismo
Trovadorismo
 
Prosa romântica
Prosa românticaProsa romântica
Prosa romântica
 
Slide Dom Casmurro
Slide Dom CasmurroSlide Dom Casmurro
Slide Dom Casmurro
 
Antônio gonçalves dias power point para apresentar
Antônio gonçalves dias power point para apresentarAntônio gonçalves dias power point para apresentar
Antônio gonçalves dias power point para apresentar
 
2ª Geração do Romantismo
2ª Geração do Romantismo2ª Geração do Romantismo
2ª Geração do Romantismo
 
Trovadorismo I
Trovadorismo ITrovadorismo I
Trovadorismo I
 
Literatura - Realismo
Literatura - RealismoLiteratura - Realismo
Literatura - Realismo
 
O cortiço
O cortiçoO cortiço
O cortiço
 
Parnasianismo brasileiro
Parnasianismo brasileiroParnasianismo brasileiro
Parnasianismo brasileiro
 
CONFIRA A ATUALIZAÇÃO DESTA APRESENTAÇÃO EM https://www.slideshare.net/clauhe...
CONFIRA A ATUALIZAÇÃO DESTA APRESENTAÇÃO EM https://www.slideshare.net/clauhe...CONFIRA A ATUALIZAÇÃO DESTA APRESENTAÇÃO EM https://www.slideshare.net/clauhe...
CONFIRA A ATUALIZAÇÃO DESTA APRESENTAÇÃO EM https://www.slideshare.net/clauhe...
 
Romance regionalista
Romance regionalistaRomance regionalista
Romance regionalista
 
Arcadismo
ArcadismoArcadismo
Arcadismo
 
Segunda geração modernista
Segunda geração modernistaSegunda geração modernista
Segunda geração modernista
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Resumo das escola literárias.
Resumo das escola literárias.Resumo das escola literárias.
Resumo das escola literárias.
 

Destaque

Romantismo Parte 1
Romantismo   Parte 1Romantismo   Parte 1
Romantismo Parte 1
guestc1495d6
 
Romance
RomanceRomance
Romance
Mara Virginia
 
Romantismo contexto histórico e características
Romantismo   contexto histórico e característicasRomantismo   contexto histórico e características
Romantismo contexto histórico e características
VIVIAN TROMBINI
 
Genero textual romance
Genero textual romanceGenero textual romance
Genero textual romance
Jomari
 
O romantismo
O romantismoO romantismo
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
Lucas Queiroz
 
Slides Romantismo
Slides RomantismoSlides Romantismo
Slides Romantismo
mix1981
 
Características do romantismo
Características do romantismoCaracterísticas do romantismo
Características do romantismo
Lidia Leal
 
Romantismo em Portugal - Romanticism in Portugal
Romantismo em Portugal  -  Romanticism in PortugalRomantismo em Portugal  -  Romanticism in Portugal
Romantismo em Portugal - Romanticism in Portugal
Lídia Pavan
 
Literatura romântica
Literatura românticaLiteratura romântica
Literatura romântica
Carla Teixeira
 
Romance
RomanceRomance
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
jojopaiva
 
Revisional de estilos de época 04, romantismo
Revisional de estilos de época 04, romantismoRevisional de estilos de época 04, romantismo
Revisional de estilos de época 04, romantismo
ma.no.el.ne.ves
 
Martins Pena
Martins PenaMartins Pena
Martins Pena
Gabriel Resende
 
A moreninha - análise
A moreninha - análiseA moreninha - análise
A moreninha - análise
jasonrplima
 
Romantismo introducao
Romantismo   introducaoRomantismo   introducao
Romantismo introducao
Rotivtheb
 
Romance
RomanceRomance
Romance
Ivan Monteiro
 
Tema 01 de filosofia
Tema 01 de filosofiaTema 01 de filosofia
Tema 01 de filosofia
rositalima
 
Projeto%20azul[1]
Projeto%20azul[1]Projeto%20azul[1]
Projeto%20azul[1]
midiasnaeducacaonte01
 
Filosofia (1)
Filosofia (1)Filosofia (1)
Filosofia (1)
eunamahcado
 

Destaque (20)

Romantismo Parte 1
Romantismo   Parte 1Romantismo   Parte 1
Romantismo Parte 1
 
Romance
RomanceRomance
Romance
 
Romantismo contexto histórico e características
Romantismo   contexto histórico e característicasRomantismo   contexto histórico e características
Romantismo contexto histórico e características
 
Genero textual romance
Genero textual romanceGenero textual romance
Genero textual romance
 
O romantismo
O romantismoO romantismo
O romantismo
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Slides Romantismo
Slides RomantismoSlides Romantismo
Slides Romantismo
 
Características do romantismo
Características do romantismoCaracterísticas do romantismo
Características do romantismo
 
Romantismo em Portugal - Romanticism in Portugal
Romantismo em Portugal  -  Romanticism in PortugalRomantismo em Portugal  -  Romanticism in Portugal
Romantismo em Portugal - Romanticism in Portugal
 
Literatura romântica
Literatura românticaLiteratura romântica
Literatura romântica
 
Romance
RomanceRomance
Romance
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Revisional de estilos de época 04, romantismo
Revisional de estilos de época 04, romantismoRevisional de estilos de época 04, romantismo
Revisional de estilos de época 04, romantismo
 
Martins Pena
Martins PenaMartins Pena
Martins Pena
 
A moreninha - análise
A moreninha - análiseA moreninha - análise
A moreninha - análise
 
Romantismo introducao
Romantismo   introducaoRomantismo   introducao
Romantismo introducao
 
Romance
RomanceRomance
Romance
 
Tema 01 de filosofia
Tema 01 de filosofiaTema 01 de filosofia
Tema 01 de filosofia
 
Projeto%20azul[1]
Projeto%20azul[1]Projeto%20azul[1]
Projeto%20azul[1]
 
Filosofia (1)
Filosofia (1)Filosofia (1)
Filosofia (1)
 

Semelhante a Características do Romantismo e Romance Romântico

Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
miovi
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
Salete Costa
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
GreenDragon123
 
Romantismo 1
Romantismo 1Romantismo 1
Romantismo 1
nixsonmachado
 
Romantismo no Brasil exercicio ensino me
Romantismo no Brasil exercicio ensino meRomantismo no Brasil exercicio ensino me
Romantismo no Brasil exercicio ensino me
Michely Zanella
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
Daniel Leitão
 
5. Romantismo
5. Romantismo5. Romantismo
5. Romantismo
Ivana Mayrink
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romanticismo base.ppt
Romanticismo base.pptRomanticismo base.ppt
Romanticismo base.ppt
AldenoraMarciaChaves
 
webnode2
webnode2webnode2
webnode2
pauloyjosiele
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
Arieli Bis Sobbis
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
Joyce Micielle
 
Romantismo primeira & segunda geração e romantismo na europa
Romantismo primeira & segunda geração e romantismo na europaRomantismo primeira & segunda geração e romantismo na europa
Romantismo primeira & segunda geração e romantismo na europa
Igor Moura
 
Concepção do amor romântico.
Concepção do amor romântico.Concepção do amor romântico.
Concepção do amor romântico.
Fábio Oliveira
 
romantismo-resumo-101114134202-phpapp02 (1).pdf
romantismo-resumo-101114134202-phpapp02 (1).pdfromantismo-resumo-101114134202-phpapp02 (1).pdf
romantismo-resumo-101114134202-phpapp02 (1).pdf
GANHADODINHEIRO
 
Romantismo resumo
Romantismo resumoRomantismo resumo
Romantismo resumo
Walace Cestari
 
Romantismo em textos e imagens
Romantismo em textos e imagensRomantismo em textos e imagens
Romantismo em textos e imagens
kacau
 
Romantismo i
Romantismo iRomantismo i
Romantismo i
Davison Assis
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
Amanda Resende
 
Aula 09 romantismo
Aula 09   romantismoAula 09   romantismo
Aula 09 romantismo
Jonatas Carlos
 

Semelhante a Características do Romantismo e Romance Romântico (20)

Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Romantismo 1
Romantismo 1Romantismo 1
Romantismo 1
 
Romantismo no Brasil exercicio ensino me
Romantismo no Brasil exercicio ensino meRomantismo no Brasil exercicio ensino me
Romantismo no Brasil exercicio ensino me
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
5. Romantismo
5. Romantismo5. Romantismo
5. Romantismo
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Romanticismo base.ppt
Romanticismo base.pptRomanticismo base.ppt
Romanticismo base.ppt
 
webnode2
webnode2webnode2
webnode2
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Romantismo primeira & segunda geração e romantismo na europa
Romantismo primeira & segunda geração e romantismo na europaRomantismo primeira & segunda geração e romantismo na europa
Romantismo primeira & segunda geração e romantismo na europa
 
Concepção do amor romântico.
Concepção do amor romântico.Concepção do amor romântico.
Concepção do amor romântico.
 
romantismo-resumo-101114134202-phpapp02 (1).pdf
romantismo-resumo-101114134202-phpapp02 (1).pdfromantismo-resumo-101114134202-phpapp02 (1).pdf
romantismo-resumo-101114134202-phpapp02 (1).pdf
 
Romantismo resumo
Romantismo resumoRomantismo resumo
Romantismo resumo
 
Romantismo em textos e imagens
Romantismo em textos e imagensRomantismo em textos e imagens
Romantismo em textos e imagens
 
Romantismo i
Romantismo iRomantismo i
Romantismo i
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Aula 09 romantismo
Aula 09   romantismoAula 09   romantismo
Aula 09 romantismo
 

Mais de Thiago Rodrigues

Redação 1
Redação 1Redação 1
Redação 1
Thiago Rodrigues
 
Pontuação
PontuaçãoPontuação
Pontuação
Thiago Rodrigues
 
Orações Subordinadas
Orações SubordinadasOrações Subordinadas
Orações Subordinadas
Thiago Rodrigues
 
Orações Coordenadas
Orações CoordenadasOrações Coordenadas
Orações Coordenadas
Thiago Rodrigues
 
Frase, Oração e Período
Frase, Oração e PeríodoFrase, Oração e Período
Frase, Oração e Período
Thiago Rodrigues
 
Aposto e Vocativo
Aposto e VocativoAposto e Vocativo
Aposto e Vocativo
Thiago Rodrigues
 
Transição do Arcadismo para o Romantismo
Transição do Arcadismo para o RomantismoTransição do Arcadismo para o Romantismo
Transição do Arcadismo para o Romantismo
Thiago Rodrigues
 
Romantismo na Europa
Romantismo na EuropaRomantismo na Europa
Romantismo na Europa
Thiago Rodrigues
 
Romantismo em Portugal
Romantismo em PortugalRomantismo em Portugal
Romantismo em Portugal
Thiago Rodrigues
 
Semana de Arte Moderna de 1922
Semana de Arte Moderna de 1922Semana de Arte Moderna de 1922
Semana de Arte Moderna de 1922
Thiago Rodrigues
 
Movimentos de Vanguarda no Modernismo
Movimentos de Vanguarda no ModernismoMovimentos de Vanguarda no Modernismo
Movimentos de Vanguarda no Modernismo
Thiago Rodrigues
 
Ideias Modernistas antes de 1922
Ideias Modernistas antes de 1922Ideias Modernistas antes de 1922
Ideias Modernistas antes de 1922
Thiago Rodrigues
 
Primeira Geração Modernista
Primeira Geração ModernistaPrimeira Geração Modernista
Primeira Geração Modernista
Thiago Rodrigues
 
Causas para explicar a Violência Urbana
Causas para explicar a Violência UrbanaCausas para explicar a Violência Urbana
Causas para explicar a Violência Urbana
Thiago Rodrigues
 

Mais de Thiago Rodrigues (14)

Redação 1
Redação 1Redação 1
Redação 1
 
Pontuação
PontuaçãoPontuação
Pontuação
 
Orações Subordinadas
Orações SubordinadasOrações Subordinadas
Orações Subordinadas
 
Orações Coordenadas
Orações CoordenadasOrações Coordenadas
Orações Coordenadas
 
Frase, Oração e Período
Frase, Oração e PeríodoFrase, Oração e Período
Frase, Oração e Período
 
Aposto e Vocativo
Aposto e VocativoAposto e Vocativo
Aposto e Vocativo
 
Transição do Arcadismo para o Romantismo
Transição do Arcadismo para o RomantismoTransição do Arcadismo para o Romantismo
Transição do Arcadismo para o Romantismo
 
Romantismo na Europa
Romantismo na EuropaRomantismo na Europa
Romantismo na Europa
 
Romantismo em Portugal
Romantismo em PortugalRomantismo em Portugal
Romantismo em Portugal
 
Semana de Arte Moderna de 1922
Semana de Arte Moderna de 1922Semana de Arte Moderna de 1922
Semana de Arte Moderna de 1922
 
Movimentos de Vanguarda no Modernismo
Movimentos de Vanguarda no ModernismoMovimentos de Vanguarda no Modernismo
Movimentos de Vanguarda no Modernismo
 
Ideias Modernistas antes de 1922
Ideias Modernistas antes de 1922Ideias Modernistas antes de 1922
Ideias Modernistas antes de 1922
 
Primeira Geração Modernista
Primeira Geração ModernistaPrimeira Geração Modernista
Primeira Geração Modernista
 
Causas para explicar a Violência Urbana
Causas para explicar a Violência UrbanaCausas para explicar a Violência Urbana
Causas para explicar a Violência Urbana
 

Último

Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
silvamelosilva300
 
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
LEANDROSPANHOL1
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
wagnermorais28
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
KleginaldoPaz2
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
A Evolução da história da Física - Albert Einstein
A Evolução da história da Física - Albert EinsteinA Evolução da história da Física - Albert Einstein
A Evolução da história da Física - Albert Einstein
WelberMerlinCardoso
 
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
PatriciaZanoli
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
eaiprofpolly
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
CarinaSantos916505
 

Último (20)

Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
 
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
A Evolução da história da Física - Albert Einstein
A Evolução da história da Física - Albert EinsteinA Evolução da história da Física - Albert Einstein
A Evolução da história da Física - Albert Einstein
 
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
 

Características do Romantismo e Romance Romântico

  • 2. ROMANTISMO Conceito Geral: Uma característica que distingue o escritor romântico dos escritores de outras épocas é o gosto pela confissão plena dos sentimentos e emoções que agitam seu intimo, numa atitude individualista e profundamente pessoal, que recusa o controle da razão.
  • 3. Individualismo e Subjetivismo: ideologia burguesa voltada para o próprio eu do poeta. Um eu que afirmam orgulhosamente e, ao mesmo tempo, um eu angustiado, infantil, incapaz de transformar o mundo. A figura do artista é divinizada. Sentimentalismo: No início, como forma de recusa ao racionalismo neoclássico e, num segundo momento, após a formação do estado liberal-capitaista, como protesto contra o próprio sentido de vida capitalista. Culto à natureza: Encontrar-se com a natureza significava encontra-se consigo mesmo. O resultado dessa comunhão: a natureza se humanizava ou se divinizava. Seus fenômenos servem para indicar estados de espírito e sentimentos: o “rugir do mar” corresponde à angustia de uma alma solitária, a “chuva” à tristeza e assim por diante. Imaginação, Fantasia, Idealização e Sonho: A fantasia dentro do Romantismo, situava-se constantemente na esfera dos leitores. Para encontrar a “luz e a alegria” que a sociedade burguesa não oferecia, os românticos, se consumiam e evadiam em uma literatura que lhes fornecia elementos para a idealização e para o sonho, contrastando com a crua realidade que viviam.
  • 4. Valorização do Passado: Tentam fugir do presente, da realidade. Como consequência, surgem as seguintes características: recuperação da cultura medieval, do nacionalismo,da religiosidade, saudade e supervalorização da infância. Liberdade artística: A partir de agora, qualquer um elabora objetos artísticos obedecendo apenas aos estímulos de sua interioridade. Desobediência às regras clássicas, mistura de gêneros, surgimento do drama e afirmação do romance. Idealização do amor e da mulher: Perder o amor significava perder o sentido da vida, em flagrante oposição ao valor mais cultivado pela burguesia: o dinheiro. A mulher – objeto do amor romântico – é divinizada, cultuada, pura. Porém, apesar do espiritualismo, a poesia romântica reflete muitas vezes um sensualismo bem material, na descrição feminina. Mal do século: Origina-se basicamente de dois fatores: da constatação dos românticos da impossibilidade do homem atingir a perfeição, e o desajuste dentro de uma sociedade burguesa prática e objetiva.
  • 5. ROMANCE ROMÂNTICO Os romances europeus tornaram-se populares no Brasil através das publicações em jornais e, depois de 1830, que receberam o nome de “folhetins”. Essas narrativas eram editadas sob a forma de capítulos. Além disso, os folhetins não podia criticar os valores da época, constituindo-se, assim, em uma arte de evasão e alienação da realidade. Estrutura: Harmonia  Desarmonia  Harmonia Final Harmonia: Felicidade, ordenação social burguesa; Desarmonia: Conflito, desordem, crise da sociedade burguesa; Harmonia final: Estabelecimento da felicidade, ordenação definitiva da sociedade burguesa com o triunfo de seus valores;