SlideShare uma empresa Scribd logo
“O Romantismo olha o
mundo de forma
apaixonada e ideal.”
O que é Romantismo?
 O Romantismo foi para além da literatura, foi um movimento
artístico e filosófico que surgiu no final do século XVIII na
Europa, indo até o final do século XIX. A maior característica
do Romantismo era a visão de mundo que se contrapunha ao
racionalismo do período anterior (neoclassicismo). O
movimento romântico cultiva uma visão de mundo centrada
no indivíduo, e portanto os autores voltavam-se para si
mesmo, retratando dramas pessoais como tragédias de amor,
ideias utópicas, desejos de escapismo e amores platônicos ou
impossíveis. O século XIX seria, portanto, marcado pela arte
voltada para o lirismo, a subjetividade, a emoção e a
valorização do “eu”.
Romantismo no Brasil
 No Brasil, o período histórico era marcado por um sentimento
nacionalista, em especial pelo fato marcante que foi a
Independência, em 1822. Encontramos, pois, elementos que
caracterizam o período, presentes nas obras dos autores
românticos. É o exemplo da exaltação da Pátria feita
por Gonçalves Dias, e do clima nostálgico presente nas poesias
de Álvares de Azevedo e Fagundes Varela, sem falar no
engajamento nas causas sociais, presente fortemente na obra
de Castro Alves, o qual abordou temas polêmicos como a
escravidão.
Primeira Geração:
 Nacionalismo - influenciada pela Independência do Brasil, a poesia
buscava a identificação do país com suas raízes históricas,
linguísticas e culturais. O desejo era o de construir uma arte
brasileira, livre da influência de Portugal, e o sentimento era de
nacionalidade, resgatando elementos da história do país. Foi
fortemente marcada pelo indianismo e trazia à toda elementos da
natureza (flora e fauna) brasileiros. O índio era exaltado como
herói, pois representava o povo brasileiro, e o Brasil em sua
essência.
Segunda Geração:
 Mal do Século - Neste período, que se iniciou por volta de 1850, a
poesia vinha de encontro às ideias e temáticas da geração
anterior: o eu-lírico volta-se mais para si e afasta-se da realidade
social à sua volta. Traz em si o pessimismo e o apego aos vícios.
Os sentimentos são exagerados e aparecem de forma idealizada
na poesia. Além disso, elementos como a noite, a melancolia, o
sofrimento, a morbidez e o medo do amor são recorrentes em
seus textos poéticos. O eu-lírico vivem em meio solidão, aos
devaneios e às idealizações..
Terceira Geração:
 Condoreiríssimo - a última geração da poesia romântica se
inspira em Victor Hugo, e traz um foco político e social. Na
época, ideias abolicionistas e republicanas vinham à tona, e junto
com elas o desejo de se libertar do Império. É a fase que
prenuncia o Realismo, que viria em seguida, tanto é que tem
como foco a realidade social, a crítica à sociedade, a poesia
liberal, enfim, era o final do movimento romântico no Brasil. O
condoreiríssimo se refere à figura do condor, uma ave que tinha
voo alto, assim como os poetas românticos faziam em busca de
defender seus ideais libertários
Comparação
do
Romantismo
e
Realismo
Características do romantismo.
 Os valores românticos eram tão fortes que englobaram as sociedades em seus ideais coletivos, a
partir da atitude individual, subjetiva, de cada uma pessoa.
 Neste ambiente, era o mundo interior do poeta que filtrava a realidade, que estabelecia o que
era real. E o que era real ou considerado real era o que as pessoas sentiam passionalmente, não
os fatos como ocorriam na vida cotidiana, mas como eram interpretados romantica e
passionalmente.
 Enquanto na Europa o Romantismo buscava as origens dos povos, no período medieval, para
buscar sua essência, sua pureza, sua verdade, no Brasil, as origens foram buscadas no
indianismo, na idéia de um homem "puro", ligado à natureza que é boa e bela, o índio como um
ser incorruptível.
 A fuga da realidade é caracterizada pelo escapismo de diversos modos: no álcool, no ópio, num
retorno aos valores perdidos da infância, na saudade e nostalgia de bons tempos perdidos no
passado, na idealização da sociedade e no amor.
 Há um clima de certo desvario, de irracionalismo no movimento romântico, que tem na visão da
mulher o maior repositório das virtudes próprias ao sentimentalismo romântico.
 A luta pela liberdade e a morte são figuras comuns ao poeta romântico, voltado ao escapismo, à
extrema religiosidade e ao mito.
Romantismo.
Ascenção Burguesia:
 Quando estudamos Romantismo, observamos uma coincidência
interessante: o estilo romântico é uma modificação de modos de ver o
mundo de uma forma apaixonada, no início do século XIX, e que se opõe
ao racionalismo dos séculos anteriores.
 Ao mesmo tempo, a sociedade europeia vem sofrendo grandes
transformações sociais em face da Revolução Francesa de 1789 e da
Revolução Industrial dos meados do século XVIII.
Revolução Francesa:
 Ser reconhecida pela sociedade era, forçosamente, impor seus valores e
visão de mundo... e foi isso que a burguesia alcançou ao longo dos séculos,
concretizando tais objetivos a partir, principalmente, da Revolução Francesa
– 1789, quando assume o poder político na França revolucionária.
Seus valores e modo de vida se espalham por todo o mundo e é neste
contexto que temos a plenitude do Romantismo.
A população francesa, durante os eventos revolucionários em 1789, na
França, ao saber pelo jornalista “Camille Desmoulins que as tropas reais
iriam iniciar uma repressão forte contra o povo de Paris, ... se reúne e
invade o que era um símbolo do reino da França, um símbolo dos
privilégios odiosos da nobreza: a Bastilha.”
Surgem um novo produto de consumo
cultural, o romance gótico e um público
ávido para comprá-lo.
 (...) Desse contexto surge um novo gênero literário, lido avidamente por
uma nova classe de leitores, a classe média. O romance “gótico” inicial é
representado por autores como Horace Walpole (The Castle of Otranto,
1765), Ann Radclifffe e Matthew Gregory Lewis (The Monk, 1796). Trata-se
de castelos arruinados, donzelas presas em calabouços, monges
ironicamente maldosos e debochados, em uma paisagem que se passa um
país tão exótico quanto, por exemplo, a Itália – uma caricatura do mundo
feudal com forte aversão ao clero que convinha ao século das luzes....”
Romantismo divido por tendências:
 Romance Urbano - ligava-se à vida social, principalmente no Rio de Janeiro,
descrevendo os tipos humanos encontrados naquela sociedade.
 Romance Regionalista (sertanejo) - demonstrava atração pelo pitoresco e
tinha como principal característica a retratação da vida no interior do Brasil,
seus hábitos, seu modo de falar, etc.
 Romance Histórico - tratou-se de uma revalorização do passado, trazendo ao
romance personagens da nossa história, retratando-os de modo nacionalista.
 Romance Indianista - por fim, porém não menos importante, há o romance
indianista, que teve como maior representante o romancista José de Alencar,
e como característica a idealização do ínidio, como herói brasileiro, nobre e
valente.
Seus Olhos – Gonçalves Dias
"Seus olhos tão negros, tão belos, tão puros,
De vivo luzir,
Estrelas incertas, que as águas dormentes
Do mar vão ferir;
Seus olhos tão negros, tão belos, tão puros,
Têm meiga expressão,
Mais doce que a brisa, - mais doce que o nauta
De noite cantando, - mais doce que a flauta
Quebrando a solidão.
Seus olhos tão negros, tão belos, tão puros,
De vivo luzir.
São meigos infantes, gentis, engraçados
Brincando a sorrir.
São meigos infantes, brincando, saltando
Em jogo infantil,
Inquietos, travessos; - causando tormento,
Com beijos nos pagam a dor do momento,
Com modo gentil
Seus olhos tão negros, tão belos, tão puros,
Assim é que são:
Às vezes luzindo, serenos, tranquilos,
Às vezes vulcão.
Biografia de Gonçalves Dias, um dos autores da primeira geração.
 Domingos José Gonçalves de Magalhães nasceu no Rio de Janeiro,
em 1811, e morreu em Roma, em 1882. Publica seu primeiro
livro, Poesias, em 1832.
Gonçalves de Magalhães publica, em Paris, em 1836, Suspiros Poéticos
e Saudades, considerado o primeiro livro romântico brasileiro, cujo
prefácio é um verdadeiro manifesto em prol da nova estética.
Essa obra tem valor histórico, uma vez que é de grande importância
para o Romantismo no Brasil e da reforma nacionalista da nossa
literatura.
Gonçalves de Magalhães teve importância histórica na introdução da
estética romântica e na batalha pela reforma nacionalista da literatura
brasileira.
Em 1856, Gonçalves de Magalhães publica A Confederação dos
Tamoios, poema épico em dez cantos, versos decassílabos, estrofação
livre. Nele o poeta trata das lutas dos tamoios contra o povo
colonizador, nas quais Anchieta e Nóbrega assumem um papel de
grande importância.
Bibliografia:
 http://youtu.be/M6bbfC6AcKQ
 http://www.infoescola.com/literatura/romantismo-no-brasil/
 http://port8keditfundamental.jimdo.com/un-1-romantismo-x-
realismo/painel-1-o-romantismo-no-s%C3%A9culo-xix-e-sua-heran%C3%A7a-
nos-dias-de-hoje/
 http://educacao.uol.com.br/disciplinas/portugues/romantismo-no-brasil-3-
as-tres-geracoes-de-poetas.htm
 http://gladislangaro.comunidades.net/index.php?pagina=1624196415
Nome: Ana Paula Sales
Número: 04
Escola Estadual Professor João Cruz
Professora: Maria Piedade Teodoro da Silva.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Romantismo I
Romantismo IRomantismo I
Romantismo I
Ana Karina Silva
 
Romantismo prosa
Romantismo prosaRomantismo prosa
Slides barroco
Slides barrocoSlides barroco
Slides barroco
Aline Ferreira
 
Parnasianismo'
Parnasianismo'Parnasianismo'
Modernismo em Portugal
Modernismo em PortugalModernismo em Portugal
Modernismo em Portugal
Colégio Santa Luzia
 
Classicismo
ClassicismoClassicismo
Prosa romântica
Prosa românticaProsa romântica
Prosa romântica
Walace Cestari
 
Romantismo Brasileiro - poesia e prosa
Romantismo Brasileiro - poesia e prosaRomantismo Brasileiro - poesia e prosa
Romantismo Brasileiro - poesia e prosa
Tim Bagatelas
 
ROMANTISMO
ROMANTISMOROMANTISMO
ROMANTISMO
Marcimária Xavier
 
Classicismo
ClassicismoClassicismo
Classicismo
Ana Paula Brisolar
 
Classicismo
ClassicismoClassicismo
Classicismo
guesta61019
 
Quinhentismo
Quinhentismo Quinhentismo
Quinhentismo
Cláudia Heloísa
 
Simbolismo
SimbolismoSimbolismo
Simbolismo
Naldinho Amorim
 
Humanismo
HumanismoHumanismo
Romantismo no Brasil(trabalho 2ºano)
Romantismo no Brasil(trabalho 2ºano)Romantismo no Brasil(trabalho 2ºano)
Romantismo no Brasil(trabalho 2ºano)
FOLHA NAZA
 
Literatura brasileira
Literatura brasileiraLiteratura brasileira
Literatura brasileira
Fernando Henning
 
2ª Geração do Romantismo
2ª Geração do Romantismo2ª Geração do Romantismo
2ª Geração do Romantismo
Gabriel Luck
 
Classicismo
ClassicismoClassicismo
Arte e literatura
Arte e literaturaArte e literatura
Parnasianismo
ParnasianismoParnasianismo
Parnasianismo
Cláudia Heloísa
 

Mais procurados (20)

Romantismo I
Romantismo IRomantismo I
Romantismo I
 
Romantismo prosa
Romantismo prosaRomantismo prosa
Romantismo prosa
 
Slides barroco
Slides barrocoSlides barroco
Slides barroco
 
Parnasianismo'
Parnasianismo'Parnasianismo'
Parnasianismo'
 
Modernismo em Portugal
Modernismo em PortugalModernismo em Portugal
Modernismo em Portugal
 
Classicismo
ClassicismoClassicismo
Classicismo
 
Prosa romântica
Prosa românticaProsa romântica
Prosa romântica
 
Romantismo Brasileiro - poesia e prosa
Romantismo Brasileiro - poesia e prosaRomantismo Brasileiro - poesia e prosa
Romantismo Brasileiro - poesia e prosa
 
ROMANTISMO
ROMANTISMOROMANTISMO
ROMANTISMO
 
Classicismo
ClassicismoClassicismo
Classicismo
 
Classicismo
ClassicismoClassicismo
Classicismo
 
Quinhentismo
Quinhentismo Quinhentismo
Quinhentismo
 
Simbolismo
SimbolismoSimbolismo
Simbolismo
 
Humanismo
HumanismoHumanismo
Humanismo
 
Romantismo no Brasil(trabalho 2ºano)
Romantismo no Brasil(trabalho 2ºano)Romantismo no Brasil(trabalho 2ºano)
Romantismo no Brasil(trabalho 2ºano)
 
Literatura brasileira
Literatura brasileiraLiteratura brasileira
Literatura brasileira
 
2ª Geração do Romantismo
2ª Geração do Romantismo2ª Geração do Romantismo
2ª Geração do Romantismo
 
Classicismo
ClassicismoClassicismo
Classicismo
 
Arte e literatura
Arte e literaturaArte e literatura
Arte e literatura
 
Parnasianismo
ParnasianismoParnasianismo
Parnasianismo
 

Destaque

A escrava isaura (Pituka)
A escrava isaura (Pituka)A escrava isaura (Pituka)
A escrava isaura (Pituka)
Francisco Rodrigo Jr.
 
Percy jackson
Percy jacksonPercy jackson
Percy jackson
MSants1999
 
Percy jackson
Percy jacksonPercy jackson
Percy jackson
blogueiraa
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
Andriane Cursino
 
Trabalho sobre o livro: ``As Viagens de Gulliver`` de Jhonthan Swift
Trabalho sobre o livro: ``As Viagens de  Gulliver`` de Jhonthan SwiftTrabalho sobre o livro: ``As Viagens de  Gulliver`` de Jhonthan Swift
Trabalho sobre o livro: ``As Viagens de Gulliver`` de Jhonthan Swift
Breno da Costa Dias Almeida
 
A revolução francesa
A revolução francesaA revolução francesa
A revolução francesa
humanitas.pt.vu
 
Ficha de leitura do livro Ladrão de Raios
Ficha de leitura do livro Ladrão de Raios Ficha de leitura do livro Ladrão de Raios
Ficha de leitura do livro Ladrão de Raios
laiana_
 
A Menina Que Roubava Livros
A Menina Que Roubava LivrosA Menina Que Roubava Livros
A Menina Que Roubava Livros
Jéssica Freitas
 
Realismo x Romantismo
Realismo x RomantismoRealismo x Romantismo
Realismo x Romantismo
Amanda Rodrigues
 

Destaque (9)

A escrava isaura (Pituka)
A escrava isaura (Pituka)A escrava isaura (Pituka)
A escrava isaura (Pituka)
 
Percy jackson
Percy jacksonPercy jackson
Percy jackson
 
Percy jackson
Percy jacksonPercy jackson
Percy jackson
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Trabalho sobre o livro: ``As Viagens de Gulliver`` de Jhonthan Swift
Trabalho sobre o livro: ``As Viagens de  Gulliver`` de Jhonthan SwiftTrabalho sobre o livro: ``As Viagens de  Gulliver`` de Jhonthan Swift
Trabalho sobre o livro: ``As Viagens de Gulliver`` de Jhonthan Swift
 
A revolução francesa
A revolução francesaA revolução francesa
A revolução francesa
 
Ficha de leitura do livro Ladrão de Raios
Ficha de leitura do livro Ladrão de Raios Ficha de leitura do livro Ladrão de Raios
Ficha de leitura do livro Ladrão de Raios
 
A Menina Que Roubava Livros
A Menina Que Roubava LivrosA Menina Que Roubava Livros
A Menina Que Roubava Livros
 
Realismo x Romantismo
Realismo x RomantismoRealismo x Romantismo
Realismo x Romantismo
 

Semelhante a Romantismo.

Romantismo primeira & segunda geração e romantismo na europa
Romantismo primeira & segunda geração e romantismo na europaRomantismo primeira & segunda geração e romantismo na europa
Romantismo primeira & segunda geração e romantismo na europa
Igor Moura
 
Romantismo i
Romantismo iRomantismo i
Romantismo i
Davison Assis
 
ROMANTISMO- CARACTERÍSTICAS E CONTEXTO HISTÓRICO.doc
ROMANTISMO- CARACTERÍSTICAS E CONTEXTO HISTÓRICO.docROMANTISMO- CARACTERÍSTICAS E CONTEXTO HISTÓRICO.doc
ROMANTISMO- CARACTERÍSTICAS E CONTEXTO HISTÓRICO.doc
ValeriaCristina51
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
Daniel Leitão
 
Romanticismo base.ppt
Romanticismo base.pptRomanticismo base.ppt
Romanticismo base.ppt
AldenoraMarciaChaves
 
Romantismo 1
Romantismo 1Romantismo 1
Romantismo 1
nixsonmachado
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
GreenDragon123
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
miovi
 
Romantismo em textos e imagens
Romantismo em textos e imagensRomantismo em textos e imagens
Romantismo em textos e imagens
kacau
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
Amanda Resende
 
romantismorevisao.pdf
romantismorevisao.pdfromantismorevisao.pdf
romantismorevisao.pdf
RAIKAGIULIANNEBARRET
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
Salete Costa
 
Romantismo revisão
Romantismo revisãoRomantismo revisão
Romantismo revisão
Jadson Reis de Sousa
 
webnode
webnodewebnode
webnode
pauloyjosiele
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
Arieli Bis Sobbis
 
Romantismo1836 1881-121031124003-phpapp02
Romantismo1836 1881-121031124003-phpapp02Romantismo1836 1881-121031124003-phpapp02
Romantismo1836 1881-121031124003-phpapp02
Alexandre Barbosa
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
Evandro Batista
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
Evandro Batista
 
Romantismo - Toda Matéria.PDF
Romantismo - Toda Matéria.PDFRomantismo - Toda Matéria.PDF
Romantismo - Toda Matéria.PDF
LeandraLima23
 

Semelhante a Romantismo. (20)

Romantismo primeira & segunda geração e romantismo na europa
Romantismo primeira & segunda geração e romantismo na europaRomantismo primeira & segunda geração e romantismo na europa
Romantismo primeira & segunda geração e romantismo na europa
 
Romantismo i
Romantismo iRomantismo i
Romantismo i
 
ROMANTISMO- CARACTERÍSTICAS E CONTEXTO HISTÓRICO.doc
ROMANTISMO- CARACTERÍSTICAS E CONTEXTO HISTÓRICO.docROMANTISMO- CARACTERÍSTICAS E CONTEXTO HISTÓRICO.doc
ROMANTISMO- CARACTERÍSTICAS E CONTEXTO HISTÓRICO.doc
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Romanticismo base.ppt
Romanticismo base.pptRomanticismo base.ppt
Romanticismo base.ppt
 
Romantismo 1
Romantismo 1Romantismo 1
Romantismo 1
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Romantismo em textos e imagens
Romantismo em textos e imagensRomantismo em textos e imagens
Romantismo em textos e imagens
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
romantismorevisao.pdf
romantismorevisao.pdfromantismorevisao.pdf
romantismorevisao.pdf
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Romantismo revisão
Romantismo revisãoRomantismo revisão
Romantismo revisão
 
webnode
webnodewebnode
webnode
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Romantismo1836 1881-121031124003-phpapp02
Romantismo1836 1881-121031124003-phpapp02Romantismo1836 1881-121031124003-phpapp02
Romantismo1836 1881-121031124003-phpapp02
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Romantismo - Toda Matéria.PDF
Romantismo - Toda Matéria.PDFRomantismo - Toda Matéria.PDF
Romantismo - Toda Matéria.PDF
 

Último

Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptxAdministração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
helenawaya9
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Falcão Brasil
 
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsxQue Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Luzia Gabriele
 
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdfA Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
Falcão Brasil
 
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Falcão Brasil
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Falcão Brasil
 
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
Marcelo Botura
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdfRelatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Falcão Brasil
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Bibliotecas Escolares AEIDH
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Falcão Brasil
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
Falcão Brasil
 
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdfgestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
Maria das Graças Machado Rodrigues
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdfEscola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Falcão Brasil
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Falcão Brasil
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
principeandregalli
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Falcão Brasil
 
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdfIntendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
Falcão Brasil
 

Último (20)

Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptxAdministração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
 
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsxQue Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
 
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdfA Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
 
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
 
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
 
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdfRelatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
 
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdfgestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
 
Festa dos Finalistas .
Festa dos Finalistas                    .Festa dos Finalistas                    .
Festa dos Finalistas .
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdfEscola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
 
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdfIntendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
 

Romantismo.

  • 1. “O Romantismo olha o mundo de forma apaixonada e ideal.”
  • 2. O que é Romantismo?  O Romantismo foi para além da literatura, foi um movimento artístico e filosófico que surgiu no final do século XVIII na Europa, indo até o final do século XIX. A maior característica do Romantismo era a visão de mundo que se contrapunha ao racionalismo do período anterior (neoclassicismo). O movimento romântico cultiva uma visão de mundo centrada no indivíduo, e portanto os autores voltavam-se para si mesmo, retratando dramas pessoais como tragédias de amor, ideias utópicas, desejos de escapismo e amores platônicos ou impossíveis. O século XIX seria, portanto, marcado pela arte voltada para o lirismo, a subjetividade, a emoção e a valorização do “eu”.
  • 3. Romantismo no Brasil  No Brasil, o período histórico era marcado por um sentimento nacionalista, em especial pelo fato marcante que foi a Independência, em 1822. Encontramos, pois, elementos que caracterizam o período, presentes nas obras dos autores românticos. É o exemplo da exaltação da Pátria feita por Gonçalves Dias, e do clima nostálgico presente nas poesias de Álvares de Azevedo e Fagundes Varela, sem falar no engajamento nas causas sociais, presente fortemente na obra de Castro Alves, o qual abordou temas polêmicos como a escravidão.
  • 4. Primeira Geração:  Nacionalismo - influenciada pela Independência do Brasil, a poesia buscava a identificação do país com suas raízes históricas, linguísticas e culturais. O desejo era o de construir uma arte brasileira, livre da influência de Portugal, e o sentimento era de nacionalidade, resgatando elementos da história do país. Foi fortemente marcada pelo indianismo e trazia à toda elementos da natureza (flora e fauna) brasileiros. O índio era exaltado como herói, pois representava o povo brasileiro, e o Brasil em sua essência.
  • 5. Segunda Geração:  Mal do Século - Neste período, que se iniciou por volta de 1850, a poesia vinha de encontro às ideias e temáticas da geração anterior: o eu-lírico volta-se mais para si e afasta-se da realidade social à sua volta. Traz em si o pessimismo e o apego aos vícios. Os sentimentos são exagerados e aparecem de forma idealizada na poesia. Além disso, elementos como a noite, a melancolia, o sofrimento, a morbidez e o medo do amor são recorrentes em seus textos poéticos. O eu-lírico vivem em meio solidão, aos devaneios e às idealizações..
  • 6. Terceira Geração:  Condoreiríssimo - a última geração da poesia romântica se inspira em Victor Hugo, e traz um foco político e social. Na época, ideias abolicionistas e republicanas vinham à tona, e junto com elas o desejo de se libertar do Império. É a fase que prenuncia o Realismo, que viria em seguida, tanto é que tem como foco a realidade social, a crítica à sociedade, a poesia liberal, enfim, era o final do movimento romântico no Brasil. O condoreiríssimo se refere à figura do condor, uma ave que tinha voo alto, assim como os poetas românticos faziam em busca de defender seus ideais libertários
  • 8. Características do romantismo.  Os valores românticos eram tão fortes que englobaram as sociedades em seus ideais coletivos, a partir da atitude individual, subjetiva, de cada uma pessoa.  Neste ambiente, era o mundo interior do poeta que filtrava a realidade, que estabelecia o que era real. E o que era real ou considerado real era o que as pessoas sentiam passionalmente, não os fatos como ocorriam na vida cotidiana, mas como eram interpretados romantica e passionalmente.  Enquanto na Europa o Romantismo buscava as origens dos povos, no período medieval, para buscar sua essência, sua pureza, sua verdade, no Brasil, as origens foram buscadas no indianismo, na idéia de um homem "puro", ligado à natureza que é boa e bela, o índio como um ser incorruptível.  A fuga da realidade é caracterizada pelo escapismo de diversos modos: no álcool, no ópio, num retorno aos valores perdidos da infância, na saudade e nostalgia de bons tempos perdidos no passado, na idealização da sociedade e no amor.  Há um clima de certo desvario, de irracionalismo no movimento romântico, que tem na visão da mulher o maior repositório das virtudes próprias ao sentimentalismo romântico.  A luta pela liberdade e a morte são figuras comuns ao poeta romântico, voltado ao escapismo, à extrema religiosidade e ao mito.
  • 10. Ascenção Burguesia:  Quando estudamos Romantismo, observamos uma coincidência interessante: o estilo romântico é uma modificação de modos de ver o mundo de uma forma apaixonada, no início do século XIX, e que se opõe ao racionalismo dos séculos anteriores.  Ao mesmo tempo, a sociedade europeia vem sofrendo grandes transformações sociais em face da Revolução Francesa de 1789 e da Revolução Industrial dos meados do século XVIII.
  • 11. Revolução Francesa:  Ser reconhecida pela sociedade era, forçosamente, impor seus valores e visão de mundo... e foi isso que a burguesia alcançou ao longo dos séculos, concretizando tais objetivos a partir, principalmente, da Revolução Francesa – 1789, quando assume o poder político na França revolucionária. Seus valores e modo de vida se espalham por todo o mundo e é neste contexto que temos a plenitude do Romantismo. A população francesa, durante os eventos revolucionários em 1789, na França, ao saber pelo jornalista “Camille Desmoulins que as tropas reais iriam iniciar uma repressão forte contra o povo de Paris, ... se reúne e invade o que era um símbolo do reino da França, um símbolo dos privilégios odiosos da nobreza: a Bastilha.”
  • 12. Surgem um novo produto de consumo cultural, o romance gótico e um público ávido para comprá-lo.  (...) Desse contexto surge um novo gênero literário, lido avidamente por uma nova classe de leitores, a classe média. O romance “gótico” inicial é representado por autores como Horace Walpole (The Castle of Otranto, 1765), Ann Radclifffe e Matthew Gregory Lewis (The Monk, 1796). Trata-se de castelos arruinados, donzelas presas em calabouços, monges ironicamente maldosos e debochados, em uma paisagem que se passa um país tão exótico quanto, por exemplo, a Itália – uma caricatura do mundo feudal com forte aversão ao clero que convinha ao século das luzes....”
  • 13. Romantismo divido por tendências:  Romance Urbano - ligava-se à vida social, principalmente no Rio de Janeiro, descrevendo os tipos humanos encontrados naquela sociedade.  Romance Regionalista (sertanejo) - demonstrava atração pelo pitoresco e tinha como principal característica a retratação da vida no interior do Brasil, seus hábitos, seu modo de falar, etc.  Romance Histórico - tratou-se de uma revalorização do passado, trazendo ao romance personagens da nossa história, retratando-os de modo nacionalista.  Romance Indianista - por fim, porém não menos importante, há o romance indianista, que teve como maior representante o romancista José de Alencar, e como característica a idealização do ínidio, como herói brasileiro, nobre e valente.
  • 14. Seus Olhos – Gonçalves Dias "Seus olhos tão negros, tão belos, tão puros, De vivo luzir, Estrelas incertas, que as águas dormentes Do mar vão ferir; Seus olhos tão negros, tão belos, tão puros, Têm meiga expressão, Mais doce que a brisa, - mais doce que o nauta De noite cantando, - mais doce que a flauta Quebrando a solidão. Seus olhos tão negros, tão belos, tão puros, De vivo luzir. São meigos infantes, gentis, engraçados Brincando a sorrir. São meigos infantes, brincando, saltando Em jogo infantil, Inquietos, travessos; - causando tormento, Com beijos nos pagam a dor do momento, Com modo gentil Seus olhos tão negros, tão belos, tão puros, Assim é que são: Às vezes luzindo, serenos, tranquilos, Às vezes vulcão.
  • 15. Biografia de Gonçalves Dias, um dos autores da primeira geração.  Domingos José Gonçalves de Magalhães nasceu no Rio de Janeiro, em 1811, e morreu em Roma, em 1882. Publica seu primeiro livro, Poesias, em 1832. Gonçalves de Magalhães publica, em Paris, em 1836, Suspiros Poéticos e Saudades, considerado o primeiro livro romântico brasileiro, cujo prefácio é um verdadeiro manifesto em prol da nova estética. Essa obra tem valor histórico, uma vez que é de grande importância para o Romantismo no Brasil e da reforma nacionalista da nossa literatura. Gonçalves de Magalhães teve importância histórica na introdução da estética romântica e na batalha pela reforma nacionalista da literatura brasileira. Em 1856, Gonçalves de Magalhães publica A Confederação dos Tamoios, poema épico em dez cantos, versos decassílabos, estrofação livre. Nele o poeta trata das lutas dos tamoios contra o povo colonizador, nas quais Anchieta e Nóbrega assumem um papel de grande importância.
  • 16. Bibliografia:  http://youtu.be/M6bbfC6AcKQ  http://www.infoescola.com/literatura/romantismo-no-brasil/  http://port8keditfundamental.jimdo.com/un-1-romantismo-x- realismo/painel-1-o-romantismo-no-s%C3%A9culo-xix-e-sua-heran%C3%A7a- nos-dias-de-hoje/  http://educacao.uol.com.br/disciplinas/portugues/romantismo-no-brasil-3- as-tres-geracoes-de-poetas.htm  http://gladislangaro.comunidades.net/index.php?pagina=1624196415
  • 17. Nome: Ana Paula Sales Número: 04 Escola Estadual Professor João Cruz Professora: Maria Piedade Teodoro da Silva.