SlideShare uma empresa Scribd logo
O início do realismo em Portugal se deu com a
chamada Questão Coimbrã que durou de 1865 à
1867. Nota-se que a inserção de idéias realistas
aconteceu 15 anos após o início do realismo na
França e 40 anos depois do início do
romantismo.
Os maiores representantes do realismo
em Portugal foram o próprio Antero,
Cesário Verde e Eça de Queirós. Antero
de Quental produziu basicamente poetas
em forma de soneto onde o tema era
filosófico     concentrando-se      no
positivismo e no pessimismo.
Na literatura portuguesa do séc. XIX. Por trás
dessa    palavra   escondem-se     e    convivem
fenómenos e atitudes estéticas de natureza
muito diversa. Abre esse período a ruidosa
Questão    Coimbrã,   polémica    literária  que
significou - na frase de Teófilo Braga - «a
dissolução do Romantismo». Nela se manifestou
pela primeira vez o protesto da geração nascida
por meados do século contra o exagero balofo e
caduco do gosto romântico, convertido em gesto
vazio de monótona artificiosidade. Dela surgiu o
Realismo.
Antero de Quental: adotando uma
postura oposta ao lirismo ultra-
romântico, defende a missão social
da poesia e apresenta em sua obra
uma busca filosófica da verdade
através da própria experiência.



Cesário Verde: também se afasta do lirismo
tradicional   português,     sobretudo  pelo
tratamento que dá a temas como cidade,
amor e mulher. Buscando espontaneidade,
usa estilo que valoriza a linguagem concreta
e o tom coloquial. "Poeta dos sentidos",
constrói imagens com muitas cores, formas e
sons..
Eça de Queirós: produz romances marcados
pelo uso do determinismo e do impressionismo
para construir críticas (à burguesia e ao clero,
por exemplo). Dono de um estilo direto e
contundente, é hábil na descrição de locais e
comportamentos. O pessimismo, o humor e a
ironia com que constrói personagens são
tipicamente realistas.
Eça de Queirós - a linguagem é representativa
não só da personalidade da personagem, mas
também da sua condição social. Por isso, é
natural que a diversidade de linguagens
encontradas nas suas obras sirvam as funções
realista e naturalista que o autor quer conferir
aos seus textos. Como observador da sua
sociedade, Eça teve de recriar nas suas obras as
diferentes linguagens das diferentes classes
sociais da sua época. Por isso, as suas obras
tornam-se riquíssimos espólios e testemunhos
da vida dos finais do século XIX.
“Luísa casara-se com o engenheiro Jorge, apesar de não amá-lo.
Tendo que viajar para o Alentejo, Jorge deixa a esposa em Lisboa,
sozinha, entregue a uma vida de tédio, pois Luísa não tem
nenhuma ocupação. Um dia, recebe a visita de seu primo Basílio,
antigo namorado, recém-chegado do Brasil. Tornam-se amantes em
pouco tempo, encontrando-se freqüentemente em um quarto
alugado especialmente para esse fim amoroso. Logo a criada
Juliana descobre o relacionamento e intercepta a correspondência
da patroa, escondendo as cartas comprometedoras de Luísa a
Basílio. A criada passa a fazer chantagem com a patroa, e Luísa,
desesperada, propõe a Basílio que fujam. Este não aceita a proposta
da amante e parte sozinho para Paris.
À mercê da empregada, Luísa torna-se pouco a pouco uma verdadeira presa nas
mãos de Juliana: é obrigada a fazer o serviço doméstico em lugar da criada e sua
situação fica insustentável. Jorge retorna do Alentejo e estranha bastante a situação
da esposa. Luísa, desesperada, procura o amigo Sebastião e pede-lhe ajuda.
Sebastião pressiona Juliana e recupera as cartas comprometedoras. A criada morre.
Luísa fica doente em seguida. Um dia recebe uma carta de Basílio, que Jorge lê e
toma conhecimento das relações entre a esposa e o primo. Quase convalescente, a
moça tem uma recaída, delirando e entrando em estado irrecuperável. Termina por
falecer.”
O movimento neorrealista pode considerar-se
fruto da crise económica de 1929, e em Portugal
está associado ao movimento de resistência
democrática à ditadura salazarista. Iniciado na
década de 30 esta nova tendência para a literatura
de    crítica  social,  revaloriza  o    Realismo
novecentista.
A tradição neorrealista pode ser verificada, mais
contemporaneamente, na ficção de autores como
Vergílio Ferreira, José Cardoso Pires e José
Santigado. Embora esses escritores não possam
ser classificados exatamente como neorrealistas,
alguns de seus romances voltam-se criticamente
para a observação da realidade portuguesa e
acabam por denunciar conflitos de ordem social.
Aguimar Pereira
Mônica Alves dos Santos
      Ana Márcia
   Ademir da Paixão
      Monicleia
       Josemar

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Semana de Arte Moderna 1922
Semana de Arte Moderna 1922Semana de Arte Moderna 1922
Semana de Arte Moderna 1922
seixasmarianas
 
Terceira geração modernista
Terceira geração modernista Terceira geração modernista
Terceira geração modernista
Claudio Soares
 
Realismo no brasil
Realismo no brasilRealismo no brasil
Realismo no brasil
Karoline Tavares
 
Parnasianismo'
Parnasianismo'Parnasianismo'
Realismo x Naturalismo
Realismo x NaturalismoRealismo x Naturalismo
Realismo x Naturalismo
adenicio
 
Romantismo no Brasil
Romantismo no BrasilRomantismo no Brasil
Romantismo no Brasil
CrisBiagio
 
Realismo Português
Realismo PortuguêsRealismo Português
Realismo Português
Vitor Barreto
 
O realismo no Brasil
O realismo no BrasilO realismo no Brasil
Romantismo em Portugal
Romantismo em PortugalRomantismo em Portugal
Romantismo em Portugal
Fábio Guimarães
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
Lucas Queiroz
 
Parnasianismo brasileiro
Parnasianismo brasileiroParnasianismo brasileiro
Parnasianismo brasileiro
Andréia Peixoto
 
Modernismo brasileiro 1ª geração
Modernismo brasileiro 1ª geraçãoModernismo brasileiro 1ª geração
Modernismo brasileiro 1ª geração
Carolina Loçasso Pereira
 
Arte - Realismo
Arte - RealismoArte - Realismo
Arte - Realismo
Maiara Giordani
 
O cortiço
O cortiçoO cortiço
O cortiço
Cláudia Heloísa
 
3ª geração do romantismo no brasil
3ª geração do romantismo no brasil3ª geração do romantismo no brasil
3ª geração do romantismo no brasil
GabrielaLimaPereira
 
O modernismo brasileiro
O modernismo brasileiroO modernismo brasileiro
O modernismo brasileiro
Junior Onildo
 
Realismo
RealismoRealismo
Realismo
RealismoRealismo
Literatura contemporânea
Literatura contemporâneaLiteratura contemporânea
Literatura contemporânea
Beatriz Araujo
 
Arcadismo no Brasil
Arcadismo no BrasilArcadismo no Brasil
Arcadismo no Brasil
Rayane Anchieta
 

Mais procurados (20)

Semana de Arte Moderna 1922
Semana de Arte Moderna 1922Semana de Arte Moderna 1922
Semana de Arte Moderna 1922
 
Terceira geração modernista
Terceira geração modernista Terceira geração modernista
Terceira geração modernista
 
Realismo no brasil
Realismo no brasilRealismo no brasil
Realismo no brasil
 
Parnasianismo'
Parnasianismo'Parnasianismo'
Parnasianismo'
 
Realismo x Naturalismo
Realismo x NaturalismoRealismo x Naturalismo
Realismo x Naturalismo
 
Romantismo no Brasil
Romantismo no BrasilRomantismo no Brasil
Romantismo no Brasil
 
Realismo Português
Realismo PortuguêsRealismo Português
Realismo Português
 
O realismo no Brasil
O realismo no BrasilO realismo no Brasil
O realismo no Brasil
 
Romantismo em Portugal
Romantismo em PortugalRomantismo em Portugal
Romantismo em Portugal
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Parnasianismo brasileiro
Parnasianismo brasileiroParnasianismo brasileiro
Parnasianismo brasileiro
 
Modernismo brasileiro 1ª geração
Modernismo brasileiro 1ª geraçãoModernismo brasileiro 1ª geração
Modernismo brasileiro 1ª geração
 
Arte - Realismo
Arte - RealismoArte - Realismo
Arte - Realismo
 
O cortiço
O cortiçoO cortiço
O cortiço
 
3ª geração do romantismo no brasil
3ª geração do romantismo no brasil3ª geração do romantismo no brasil
3ª geração do romantismo no brasil
 
O modernismo brasileiro
O modernismo brasileiroO modernismo brasileiro
O modernismo brasileiro
 
Realismo
RealismoRealismo
Realismo
 
Realismo
RealismoRealismo
Realismo
 
Literatura contemporânea
Literatura contemporâneaLiteratura contemporânea
Literatura contemporânea
 
Arcadismo no Brasil
Arcadismo no BrasilArcadismo no Brasil
Arcadismo no Brasil
 

Semelhante a Realismo em portugal

Realismo-e-Naturalimos-revisão- caracterizado o Romantismo.
Realismo-e-Naturalimos-revisão- caracterizado o Romantismo.Realismo-e-Naturalimos-revisão- caracterizado o Romantismo.
Realismo-e-Naturalimos-revisão- caracterizado o Romantismo.
elenircardozo
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
Arieli Bis Sobbis
 
Realismo
RealismoRealismo
Realismo x Romantismo
Realismo x RomantismoRealismo x Romantismo
Realismo x Romantismo
Amanda Rodrigues
 
Realismo em Portugal
Realismo em PortugalRealismo em Portugal
Realismo em Portugal
Claudia Ribeiro
 
2011 2 – língua portuguesa roamantismo_história
2011 2 – língua portuguesa roamantismo_história2011 2 – língua portuguesa roamantismo_história
2011 2 – língua portuguesa roamantismo_história
Lilian Lima
 
Contextualização literária de "Os Maias"
Contextualização literária de "Os Maias"Contextualização literária de "Os Maias"
Contextualização literária de "Os Maias"
Rita Costa
 
Realismo narturalismo 2016
Realismo narturalismo 2016Realismo narturalismo 2016
Realismo narturalismo 2016
Josi Motta
 
Realismo
RealismoRealismo
Ilustres figuras portuquesas do sec XX
Ilustres figuras portuquesas do sec XXIlustres figuras portuquesas do sec XX
Ilustres figuras portuquesas do sec XX
Agostinho.Gouveia
 
Ilustres figuras portuquesas do sec xx
Ilustres figuras portuquesas do sec xxIlustres figuras portuquesas do sec xx
Ilustres figuras portuquesas do sec xx
Agostinho.Gouveia
 
Ilustres figuras portuquesas do sec xx
Ilustres figuras portuquesas do sec xxIlustres figuras portuquesas do sec xx
Ilustres figuras portuquesas do sec xx
Pelo Siro
 
Ilustres figuras portuquesas do sec xx
Ilustres figuras portuquesas do sec xxIlustres figuras portuquesas do sec xx
Ilustres figuras portuquesas do sec xx
jmpcard
 
Eça de queirós
Eça de queirósEça de queirós
Eça de queirós
sandra soares
 
Trabalho sobre Os Maias - Episódios da Vida Romântica
Trabalho sobre Os Maias - Episódios da Vida RomânticaTrabalho sobre Os Maias - Episódios da Vida Romântica
Trabalho sobre Os Maias - Episódios da Vida Romântica
LuisMagina
 
O primo Basílio
O primo BasílioO primo Basílio
Concepção do amor romântico.
Concepção do amor romântico.Concepção do amor romântico.
Concepção do amor romântico.
Fábio Oliveira
 
Realismo
Realismo Realismo
Realismo
Clarice Menezes
 
Naturalismo e realismo
Naturalismo e realismoNaturalismo e realismo
Naturalismo e realismo
William Marques
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
Joyce Micielle
 

Semelhante a Realismo em portugal (20)

Realismo-e-Naturalimos-revisão- caracterizado o Romantismo.
Realismo-e-Naturalimos-revisão- caracterizado o Romantismo.Realismo-e-Naturalimos-revisão- caracterizado o Romantismo.
Realismo-e-Naturalimos-revisão- caracterizado o Romantismo.
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Realismo
RealismoRealismo
Realismo
 
Realismo x Romantismo
Realismo x RomantismoRealismo x Romantismo
Realismo x Romantismo
 
Realismo em Portugal
Realismo em PortugalRealismo em Portugal
Realismo em Portugal
 
2011 2 – língua portuguesa roamantismo_história
2011 2 – língua portuguesa roamantismo_história2011 2 – língua portuguesa roamantismo_história
2011 2 – língua portuguesa roamantismo_história
 
Contextualização literária de "Os Maias"
Contextualização literária de "Os Maias"Contextualização literária de "Os Maias"
Contextualização literária de "Os Maias"
 
Realismo narturalismo 2016
Realismo narturalismo 2016Realismo narturalismo 2016
Realismo narturalismo 2016
 
Realismo
RealismoRealismo
Realismo
 
Ilustres figuras portuquesas do sec XX
Ilustres figuras portuquesas do sec XXIlustres figuras portuquesas do sec XX
Ilustres figuras portuquesas do sec XX
 
Ilustres figuras portuquesas do sec xx
Ilustres figuras portuquesas do sec xxIlustres figuras portuquesas do sec xx
Ilustres figuras portuquesas do sec xx
 
Ilustres figuras portuquesas do sec xx
Ilustres figuras portuquesas do sec xxIlustres figuras portuquesas do sec xx
Ilustres figuras portuquesas do sec xx
 
Ilustres figuras portuquesas do sec xx
Ilustres figuras portuquesas do sec xxIlustres figuras portuquesas do sec xx
Ilustres figuras portuquesas do sec xx
 
Eça de queirós
Eça de queirósEça de queirós
Eça de queirós
 
Trabalho sobre Os Maias - Episódios da Vida Romântica
Trabalho sobre Os Maias - Episódios da Vida RomânticaTrabalho sobre Os Maias - Episódios da Vida Romântica
Trabalho sobre Os Maias - Episódios da Vida Romântica
 
O primo Basílio
O primo BasílioO primo Basílio
O primo Basílio
 
Concepção do amor romântico.
Concepção do amor romântico.Concepção do amor romântico.
Concepção do amor romântico.
 
Realismo
Realismo Realismo
Realismo
 
Naturalismo e realismo
Naturalismo e realismoNaturalismo e realismo
Naturalismo e realismo
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 

Realismo em portugal

  • 1.
  • 2. O início do realismo em Portugal se deu com a chamada Questão Coimbrã que durou de 1865 à 1867. Nota-se que a inserção de idéias realistas aconteceu 15 anos após o início do realismo na França e 40 anos depois do início do romantismo.
  • 3. Os maiores representantes do realismo em Portugal foram o próprio Antero, Cesário Verde e Eça de Queirós. Antero de Quental produziu basicamente poetas em forma de soneto onde o tema era filosófico concentrando-se no positivismo e no pessimismo.
  • 4. Na literatura portuguesa do séc. XIX. Por trás dessa palavra escondem-se e convivem fenómenos e atitudes estéticas de natureza muito diversa. Abre esse período a ruidosa Questão Coimbrã, polémica literária que significou - na frase de Teófilo Braga - «a dissolução do Romantismo». Nela se manifestou pela primeira vez o protesto da geração nascida por meados do século contra o exagero balofo e caduco do gosto romântico, convertido em gesto vazio de monótona artificiosidade. Dela surgiu o Realismo.
  • 5. Antero de Quental: adotando uma postura oposta ao lirismo ultra- romântico, defende a missão social da poesia e apresenta em sua obra uma busca filosófica da verdade através da própria experiência. Cesário Verde: também se afasta do lirismo tradicional português, sobretudo pelo tratamento que dá a temas como cidade, amor e mulher. Buscando espontaneidade, usa estilo que valoriza a linguagem concreta e o tom coloquial. "Poeta dos sentidos", constrói imagens com muitas cores, formas e sons..
  • 6. Eça de Queirós: produz romances marcados pelo uso do determinismo e do impressionismo para construir críticas (à burguesia e ao clero, por exemplo). Dono de um estilo direto e contundente, é hábil na descrição de locais e comportamentos. O pessimismo, o humor e a ironia com que constrói personagens são tipicamente realistas.
  • 7. Eça de Queirós - a linguagem é representativa não só da personalidade da personagem, mas também da sua condição social. Por isso, é natural que a diversidade de linguagens encontradas nas suas obras sirvam as funções realista e naturalista que o autor quer conferir aos seus textos. Como observador da sua sociedade, Eça teve de recriar nas suas obras as diferentes linguagens das diferentes classes sociais da sua época. Por isso, as suas obras tornam-se riquíssimos espólios e testemunhos da vida dos finais do século XIX.
  • 8. “Luísa casara-se com o engenheiro Jorge, apesar de não amá-lo. Tendo que viajar para o Alentejo, Jorge deixa a esposa em Lisboa, sozinha, entregue a uma vida de tédio, pois Luísa não tem nenhuma ocupação. Um dia, recebe a visita de seu primo Basílio, antigo namorado, recém-chegado do Brasil. Tornam-se amantes em pouco tempo, encontrando-se freqüentemente em um quarto alugado especialmente para esse fim amoroso. Logo a criada Juliana descobre o relacionamento e intercepta a correspondência da patroa, escondendo as cartas comprometedoras de Luísa a Basílio. A criada passa a fazer chantagem com a patroa, e Luísa, desesperada, propõe a Basílio que fujam. Este não aceita a proposta da amante e parte sozinho para Paris. À mercê da empregada, Luísa torna-se pouco a pouco uma verdadeira presa nas mãos de Juliana: é obrigada a fazer o serviço doméstico em lugar da criada e sua situação fica insustentável. Jorge retorna do Alentejo e estranha bastante a situação da esposa. Luísa, desesperada, procura o amigo Sebastião e pede-lhe ajuda. Sebastião pressiona Juliana e recupera as cartas comprometedoras. A criada morre. Luísa fica doente em seguida. Um dia recebe uma carta de Basílio, que Jorge lê e toma conhecimento das relações entre a esposa e o primo. Quase convalescente, a moça tem uma recaída, delirando e entrando em estado irrecuperável. Termina por falecer.”
  • 9. O movimento neorrealista pode considerar-se fruto da crise económica de 1929, e em Portugal está associado ao movimento de resistência democrática à ditadura salazarista. Iniciado na década de 30 esta nova tendência para a literatura de crítica social, revaloriza o Realismo novecentista. A tradição neorrealista pode ser verificada, mais contemporaneamente, na ficção de autores como Vergílio Ferreira, José Cardoso Pires e José Santigado. Embora esses escritores não possam ser classificados exatamente como neorrealistas, alguns de seus romances voltam-se criticamente para a observação da realidade portuguesa e acabam por denunciar conflitos de ordem social.
  • 10. Aguimar Pereira Mônica Alves dos Santos Ana Márcia Ademir da Paixão Monicleia Josemar