SlideShare uma empresa Scribd logo
História A - Módulo 5
O Liberalismo – ideologia e revolução, modelos e
práticas nos séculos XVIII e XIX

Unidade 1
A Revolução Americana, uma revolução fundadora
http://divulgacaohistoria.wordpress.com/
Vítor Santos, Módulo 5, História A

1
Entre 1770 e 1850, na Europa e na América deram-se uma série de
transformações políticas e sociais e constituíram as revoluções
liberais;
Essas revoluções vão dar início à Idade Contemporânea , o período
histórico em que atualmente vivemos;
Tradicionalmente o início da Revolução Francesa (1789) marca o
princípio da Idade Contemporânea;
Como principais características desse período poderemos
considerar: o liberalismo, o capitalismo industrial e a sociedade de
classes;

Vítor Santos, Módulo 5, História A

2
A Revolução Americana (1775-1783) foi a primeira dessas
revoluções;
A América do Norte era uma colónia britânica constituída por 13
territórios diferentes e habitados por 2 milhões de habitantes;

Vítor Santos, Módulo 5, História A

3
A Inglaterra venceu a Guerra dos Sete Anos (1756-1763) travada
contra a França;
A Grã-Bretanha tornava-se na grande potência mundial, tinha a
maior frota marítima, o maior império colonial, ampliado com as
possessões que a França foi obrigada a entregar aos vencedores,
pelo Tratado de Paris: Canadá, vários outros territórios na América,
em África e na Índia;

Vítor Santos, Módulo 5, História A

4
Para os colonos ingleses na América, desembaraçados da
concorrência francesa, abria-se a possibilidade de se expandirem
para oeste;
No entanto uma lei inglesa reservava todos os territórios a oeste
dos montes Apalaches, como pertenças dos índios;

Vítor Santos, Módulo 5, História A

5
Os ingleses, com dificuldades económicas provocadas pela guerra,
resolveram lançar novos impostos sobre as colónias americanas,
alegando que a guerra tinha sido desencadeada para proteger os
interesses dos colonos;
Assim criaram-se taxas aduaneiras sobre o melaço, papel, vidro,
chumbo e chã e ainda um imposto de selo sobre os documentos
legais e as publicações periódicas;
Ainda decidiram que as mercadorias das colónias americanas
estariam sujeitas ao exclusivo colonial, isto é, só podiam ser
exportadas para Inglaterra e as mercadorias europeias importadas
pelos americanos, só o podiam ser através da Inglaterra;

Vítor Santos, Módulo 5, História A

6
Estas medidas foram consideradas um ultraje pelos colonos;
Os colonos reconheciam ao Parlamento inglês o direito de
regulamentar o comércio colonial, mas no entanto consideram que
deviam estar representados nessa assembleia, pois eram cidadãos
britânicos;
Um congresso reunido em Nova Iorque (1765), o Stamp Act
Congress, com representantes de 9 das 13 colónias, consideraram
ilegal as leis imanadas do Parlamento Inglês, sobre as colónias
americanas, pois estas não estavam representadas;

Vítor Santos, Módulo 5, História A

7
Os comerciantes americanos começaram a boicotar as mercadorias
inglesas, comprando, através de contrabando, mercadorias
estrangeiras;
O governo londrino recuou e revogou (março de 1770) todos os
impostos, com exceção do chã, com a agravante de que o
monopólio da venda de chã concedido à Companhia das Índias
Orientais privava os comerciantes americanos da possibilidade de
venderem o produtos na América;

Vítor Santos, Módulo 5, História A

8
No dia 16 de dezembro de 1773, deu-se um episódio conhecido
como o Boston Tea Party, um grupo de colonos, disfarçados de
índios, lançaram ao mar a carga de chã dos barcos da Companhia
das Índias ancorados no porto de Boston;
O rei inglês, Jorge III, ordenou o encerramento do porto de Boston,
e a ocupação da cidade por tropas inglesas e exigiu o pagamento
de uma indeminização aos cidadãos;
Esta atitude inglesa suscitou a revolta de muitos colonos;

Vítor Santos, Módulo 5, História A

9
Em setembro de 1774 reúne-se o primeiro Congresso de Filadélfia;
A maior parte pretendem a negociação com a metrópole para
resolver o diferendo;
No entanto, ao mesmo tempo, são constituídas milícias;
À frente do movimento revolucionário estão as colónias de Virgínia
e de Massachusetts;
Em abril de 1775, em Lexington, perto de Boston, o exército inglês
foi atacado;
O rei inglês, declarou guerra aos americanos e enviou tropas para
esmagar a rebelião americana;

Vítor Santos, Módulo 5, História A

10
No dia 4 de julho de 1776, é aprovada a Declaração de
Independência, no segundo Congresso de Filadélfia;
George Washington foi escolhido como chefe do exército americano
e Benjamin Franklin iniciou uma intensa atividade diplomática na
Europa, para tentarem apoios para a sua revolução;
Em outubro de 1777, o exército inglês perde a Batalha de Saratoga;
A França estabelece uma aliança com os colonos e a Espanha
também apoia os revoltosos;
Em 1781, o exército inglês sofreu uma grande derrota em Yorktown;
Pelo Tratado de Versalhes, 1783, a Inglaterra reconhece a
independência das 13 colónias americanas;
Nesse tratado a Espanha recupera a Flórida e a França também
recupera alguns dos territórios que tinha perdido;

Vítor Santos, Módulo 5, História A

11
O modelo de estado a adotar pelo novo país suscitou muitas
discussões;
Os estados mais pequenos pretendiam uma federação de estados
muito descentralizada, posição defendida por Thomas Jefferson;
Os grandes estados defendiam um estado com um governo forte e
centralizado, posição apoiada por George Washington;
Em 1787, 12 dos 13 estados chegaram a um acordo que instituiu a
República dos Estados Unidos da América;
Na Constituição americana coexiste um estado central com a
atribuição da defesa e das relações internacionais e os estados que
são independentes em termos de justiça, administração, sistema
policial e ensino;

Vítor Santos, Módulo 5, História A

12
A Constituição adotou o princípio da divisão dos poderes:
Poder legislativo pertence ao Congresso, formado por duas
Câmaras;
A Câmara dos Representantes, os deputados são eleitos, em cada
Estado, num número proporcional à sua proporção;
O Senado é constituído por dois representantes por cada Estado;
O Presidente detinha o poder executivo, Gorge Washington, foi o
primeiro presidente eleito em 1789;
Um Tribunal Supremo, regula os conflitos entre os Estados:

Vítor Santos, Módulo 5, História A

13
A Revolução americana foi feira sobre a égide da filosofia iluminista;
Os Estados Unidos foram o primeiro país formado após terem
realizado a descolonização, isto é, tornarem-se independentes da
sua metrópole;
Tornaram-se a primeira República democrática;
A revolução americana vai ser o exemplo para a Revolução francesa
que se irá iniciar em 1789.

Vítor Santos, Módulo 5, História A

14
Esquema in “Preparação para o Exame Nacional, História A 11, Porto Editora
Vítor Santos, Módulo 5, História A

15
Esta apresentação foi construída tendo por base a seguinte
bibliografia:

COUTO, Célia Pinto, ROSAS, Maria Antónia Monterroso, O tempo
da História 11, Porto Editora, 2011

SANCHES, Mário, História A, Edições ASA, 2006

Vítor Santos, Módulo 5, História A

16

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

5 04 a implantacao do liberalismo em portugal
5 04 a implantacao do liberalismo em portugal5 04 a implantacao do liberalismo em portugal
5 04 a implantacao do liberalismo em portugal
Vítor Santos
 
4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii
4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii
4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii
Vítor Santos
 
A Europa dos Parlamentos: sociedade e poder político
A Europa dos Parlamentos: sociedade e poder políticoA Europa dos Parlamentos: sociedade e poder político
A Europa dos Parlamentos: sociedade e poder político
Susana Simões
 
A revolução americana
A revolução americanaA revolução americana
A revolução americana
cattonia
 
6 02 a sociedade industrial e urbana
6 02 a sociedade industrial e urbana6 02 a sociedade industrial e urbana
6 02 a sociedade industrial e urbana
Vítor Santos
 
5 05 a o legado do liberalismo na primeira metade do seculo xix alunos
5 05  a o legado do liberalismo na primeira metade do seculo xix alunos5 05  a o legado do liberalismo na primeira metade do seculo xix alunos
5 05 a o legado do liberalismo na primeira metade do seculo xix alunos
Vítor Santos
 
Resumos de História 11º ano
Resumos de História 11º anoResumos de História 11º ano
Resumos de História 11º ano
Antonino Miguel
 
A crise comercial de 1670, a política mercantilista do conde da Ericeira e o ...
A crise comercial de 1670, a política mercantilista do conde da Ericeira e o ...A crise comercial de 1670, a política mercantilista do conde da Ericeira e o ...
A crise comercial de 1670, a política mercantilista do conde da Ericeira e o ...
200166754
 
11 ha m4 u3 3
11 ha m4 u3 311 ha m4 u3 3
11 ha m4 u3 3
Carla Freitas
 
6 04 portugal uma sociedade capitalista dependente
6 04 portugal uma sociedade capitalista dependente6 04 portugal uma sociedade capitalista dependente
6 04 portugal uma sociedade capitalista dependente
Vítor Santos
 
Revoluções liberais
Revoluções liberaisRevoluções liberais
Revoluções liberais
Teresa Maia
 
Liberalismo em portugal
Liberalismo em portugalLiberalismo em portugal
Liberalismo em portugal
cattonia
 
Invasões Francesas
Invasões FrancesasInvasões Francesas
Invasões Francesas
Edite Bartissol
 
01 a geografia cultural europeia
01 a geografia cultural europeia01 a geografia cultural europeia
01 a geografia cultural europeia
Vítor Santos
 
Política econ. pombalina
Política econ. pombalinaPolítica econ. pombalina
Política econ. pombalina
EconomicSintese
 
5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf
5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf
5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf
Vítor Santos
 
O Mercantilismo Em Portugal
O Mercantilismo Em PortugalO Mercantilismo Em Portugal
O Mercantilismo Em Portugal
Sílvia Mendonça
 
História A - módulo 3, 4 e 6
História A - módulo 3, 4 e 6História A - módulo 3, 4 e 6
História A - módulo 3, 4 e 6
Joana Filipa Rodrigues
 
O Equilã­Brio Europeu E A Disputa Das ãReas
O Equilã­Brio Europeu E A Disputa Das ãReasO Equilã­Brio Europeu E A Disputa Das ãReas
O Equilã­Brio Europeu E A Disputa Das ãReas
josepedrosilva
 
11 ha m4 u4 2
11 ha m4 u4 211 ha m4 u4 2
11 ha m4 u4 2
Carla Freitas
 

Mais procurados (20)

5 04 a implantacao do liberalismo em portugal
5 04 a implantacao do liberalismo em portugal5 04 a implantacao do liberalismo em portugal
5 04 a implantacao do liberalismo em portugal
 
4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii
4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii
4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii
 
A Europa dos Parlamentos: sociedade e poder político
A Europa dos Parlamentos: sociedade e poder políticoA Europa dos Parlamentos: sociedade e poder político
A Europa dos Parlamentos: sociedade e poder político
 
A revolução americana
A revolução americanaA revolução americana
A revolução americana
 
6 02 a sociedade industrial e urbana
6 02 a sociedade industrial e urbana6 02 a sociedade industrial e urbana
6 02 a sociedade industrial e urbana
 
5 05 a o legado do liberalismo na primeira metade do seculo xix alunos
5 05  a o legado do liberalismo na primeira metade do seculo xix alunos5 05  a o legado do liberalismo na primeira metade do seculo xix alunos
5 05 a o legado do liberalismo na primeira metade do seculo xix alunos
 
Resumos de História 11º ano
Resumos de História 11º anoResumos de História 11º ano
Resumos de História 11º ano
 
A crise comercial de 1670, a política mercantilista do conde da Ericeira e o ...
A crise comercial de 1670, a política mercantilista do conde da Ericeira e o ...A crise comercial de 1670, a política mercantilista do conde da Ericeira e o ...
A crise comercial de 1670, a política mercantilista do conde da Ericeira e o ...
 
11 ha m4 u3 3
11 ha m4 u3 311 ha m4 u3 3
11 ha m4 u3 3
 
6 04 portugal uma sociedade capitalista dependente
6 04 portugal uma sociedade capitalista dependente6 04 portugal uma sociedade capitalista dependente
6 04 portugal uma sociedade capitalista dependente
 
Revoluções liberais
Revoluções liberaisRevoluções liberais
Revoluções liberais
 
Liberalismo em portugal
Liberalismo em portugalLiberalismo em portugal
Liberalismo em portugal
 
Invasões Francesas
Invasões FrancesasInvasões Francesas
Invasões Francesas
 
01 a geografia cultural europeia
01 a geografia cultural europeia01 a geografia cultural europeia
01 a geografia cultural europeia
 
Política econ. pombalina
Política econ. pombalinaPolítica econ. pombalina
Política econ. pombalina
 
5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf
5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf
5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf
 
O Mercantilismo Em Portugal
O Mercantilismo Em PortugalO Mercantilismo Em Portugal
O Mercantilismo Em Portugal
 
História A - módulo 3, 4 e 6
História A - módulo 3, 4 e 6História A - módulo 3, 4 e 6
História A - módulo 3, 4 e 6
 
O Equilã­Brio Europeu E A Disputa Das ãReas
O Equilã­Brio Europeu E A Disputa Das ãReasO Equilã­Brio Europeu E A Disputa Das ãReas
O Equilã­Brio Europeu E A Disputa Das ãReas
 
11 ha m4 u4 2
11 ha m4 u4 211 ha m4 u4 2
11 ha m4 u4 2
 

Destaque

Romanico final 2
Romanico final 2Romanico final 2
Romanico final 2
Eduardo Sousa
 
Filosofia - Lógica Pragmática
Filosofia   - Lógica PragmáticaFilosofia   - Lógica Pragmática
Filosofia - Lógica Pragmática
Luciano Carvalho
 
A difícil implantação do liberalismo em portugal
A difícil implantação do liberalismo em portugalA difícil implantação do liberalismo em portugal
A difícil implantação do liberalismo em portugal
Eduardo Sousa
 
Cultura do Palácio - Maneirismo internacional
Cultura do Palácio - Maneirismo internacionalCultura do Palácio - Maneirismo internacional
Cultura do Palácio - Maneirismo internacional
Carlos Vieira
 
I vaga de descolonização
I vaga de descolonizaçãoI vaga de descolonização
I vaga de descolonização
Carlos Vieira
 
A revoluções liberais
A revoluções liberaisA revoluções liberais
A revoluções liberais
Eduardo Sousa
 
Rio Nilo
Rio NiloRio Nilo
Rio Nilo
Carlos Vieira
 
Sociedade Portuguesa dos séculos XIII e XIV
Sociedade Portuguesa dos séculos XIII e XIVSociedade Portuguesa dos séculos XIII e XIV
Sociedade Portuguesa dos séculos XIII e XIV
Catarina Castro
 
3. a geografia dos movimentos revolucionários
3. a geografia dos movimentos revolucionários3. a geografia dos movimentos revolucionários
3. a geografia dos movimentos revolucionários
cattonia
 
4 04 construção da modernidade europeia
4 04 construção da modernidade europeia4 04 construção da modernidade europeia
4 04 construção da modernidade europeia
vitormbsantos
 
Cultura do Salão – Lisboa pombalina
Cultura do Salão – Lisboa pombalinaCultura do Salão – Lisboa pombalina
Cultura do Salão – Lisboa pombalina
Carlos Vieira
 

Destaque (11)

Romanico final 2
Romanico final 2Romanico final 2
Romanico final 2
 
Filosofia - Lógica Pragmática
Filosofia   - Lógica PragmáticaFilosofia   - Lógica Pragmática
Filosofia - Lógica Pragmática
 
A difícil implantação do liberalismo em portugal
A difícil implantação do liberalismo em portugalA difícil implantação do liberalismo em portugal
A difícil implantação do liberalismo em portugal
 
Cultura do Palácio - Maneirismo internacional
Cultura do Palácio - Maneirismo internacionalCultura do Palácio - Maneirismo internacional
Cultura do Palácio - Maneirismo internacional
 
I vaga de descolonização
I vaga de descolonizaçãoI vaga de descolonização
I vaga de descolonização
 
A revoluções liberais
A revoluções liberaisA revoluções liberais
A revoluções liberais
 
Rio Nilo
Rio NiloRio Nilo
Rio Nilo
 
Sociedade Portuguesa dos séculos XIII e XIV
Sociedade Portuguesa dos séculos XIII e XIVSociedade Portuguesa dos séculos XIII e XIV
Sociedade Portuguesa dos séculos XIII e XIV
 
3. a geografia dos movimentos revolucionários
3. a geografia dos movimentos revolucionários3. a geografia dos movimentos revolucionários
3. a geografia dos movimentos revolucionários
 
4 04 construção da modernidade europeia
4 04 construção da modernidade europeia4 04 construção da modernidade europeia
4 04 construção da modernidade europeia
 
Cultura do Salão – Lisboa pombalina
Cultura do Salão – Lisboa pombalinaCultura do Salão – Lisboa pombalina
Cultura do Salão – Lisboa pombalina
 

Semelhante a 5 01 a revolução americana

5 01 a revolução americana
5 01 a revolução americana5 01 a revolução americana
5 01 a revolução americana
Vítor Santos
 
5 01 a revolucao americana
5 01 a revolucao americana5 01 a revolucao americana
5 01 a revolucao americana
Vítor Santos
 
Unidade 6 revoluções e estados_liberais_e_conservadores
Unidade 6 revoluções e estados_liberais_e_conservadoresUnidade 6 revoluções e estados_liberais_e_conservadores
Unidade 6 revoluções e estados_liberais_e_conservadores
Vítor Santos
 
11 ha m5 u1
11 ha m5 u111 ha m5 u1
11 ha m5 u1
Carla Freitas
 
Resumos História A
Resumos História AResumos História A
Resumos História A
Ana Catarina
 
Independência das 13 colônias
Independência das 13 colôniasIndependência das 13 colônias
Independência das 13 colônias
José Gomes
 
Área de Integração - A revolução americana e a declaração de independência
Área de Integração - A revolução americana e a declaração de independênciaÁrea de Integração - A revolução americana e a declaração de independência
Área de Integração - A revolução americana e a declaração de independência
Andre Francisco
 
Revolução Liberal Americana
Revolução Liberal AmericanaRevolução Liberal Americana
Revolução Liberal Americana
tomas-soares-oliveira
 
Apostila eja - unid. 7
Apostila eja - unid. 7Apostila eja - unid. 7
Apostila eja - unid. 7
Marcela Marangon Ribeiro
 
A independência dos eua
A independência dos euaA independência dos eua
A independência dos eua
Matheus Alencar
 
A independência Americana - Prof. Altair Aguilar
A independência Americana - Prof. Altair AguilarA independência Americana - Prof. Altair Aguilar
A independência Americana - Prof. Altair Aguilar
Altair Moisés Aguilar
 
Revolucao Americana
Revolucao Americana Revolucao Americana
Revolucao Americana
nadia barbosa
 
Estados Unidos - 13 Colônias
Estados Unidos - 13 ColôniasEstados Unidos - 13 Colônias
Estados Unidos - 13 Colônias
karenfreitasRS21
 
G2 as revoluções liberais
G2 as revoluções liberaisG2 as revoluções liberais
G2 as revoluções liberais
Vítor Santos
 
Independência dos eua
Independência dos euaIndependência dos eua
Independência dos eua
Acrópole - História & Educação
 
Revolução francesa aisha
Revolução francesa aishaRevolução francesa aisha
Revolução francesa aisha
sr adil
 
Revolucao Americana Power Point
Revolucao Americana Power PointRevolucao Americana Power Point
Revolucao Americana Power Point
secretaria estadual de educação
 
O triunfo das revoluções liberais
O triunfo das revoluções liberaisO triunfo das revoluções liberais
O triunfo das revoluções liberais
angelamoliveira
 
Turma 81 - Historia - Independência dos EUA
Turma 81 - Historia - Independência dos EUA Turma 81 - Historia - Independência dos EUA
Turma 81 - Historia - Independência dos EUA
Fábio Faturi
 
Independência dos EUA
Independência dos EUAIndependência dos EUA
Independência dos EUA
João Gonçalves Macedo
 

Semelhante a 5 01 a revolução americana (20)

5 01 a revolução americana
5 01 a revolução americana5 01 a revolução americana
5 01 a revolução americana
 
5 01 a revolucao americana
5 01 a revolucao americana5 01 a revolucao americana
5 01 a revolucao americana
 
Unidade 6 revoluções e estados_liberais_e_conservadores
Unidade 6 revoluções e estados_liberais_e_conservadoresUnidade 6 revoluções e estados_liberais_e_conservadores
Unidade 6 revoluções e estados_liberais_e_conservadores
 
11 ha m5 u1
11 ha m5 u111 ha m5 u1
11 ha m5 u1
 
Resumos História A
Resumos História AResumos História A
Resumos História A
 
Independência das 13 colônias
Independência das 13 colôniasIndependência das 13 colônias
Independência das 13 colônias
 
Área de Integração - A revolução americana e a declaração de independência
Área de Integração - A revolução americana e a declaração de independênciaÁrea de Integração - A revolução americana e a declaração de independência
Área de Integração - A revolução americana e a declaração de independência
 
Revolução Liberal Americana
Revolução Liberal AmericanaRevolução Liberal Americana
Revolução Liberal Americana
 
Apostila eja - unid. 7
Apostila eja - unid. 7Apostila eja - unid. 7
Apostila eja - unid. 7
 
A independência dos eua
A independência dos euaA independência dos eua
A independência dos eua
 
A independência Americana - Prof. Altair Aguilar
A independência Americana - Prof. Altair AguilarA independência Americana - Prof. Altair Aguilar
A independência Americana - Prof. Altair Aguilar
 
Revolucao Americana
Revolucao Americana Revolucao Americana
Revolucao Americana
 
Estados Unidos - 13 Colônias
Estados Unidos - 13 ColôniasEstados Unidos - 13 Colônias
Estados Unidos - 13 Colônias
 
G2 as revoluções liberais
G2 as revoluções liberaisG2 as revoluções liberais
G2 as revoluções liberais
 
Independência dos eua
Independência dos euaIndependência dos eua
Independência dos eua
 
Revolução francesa aisha
Revolução francesa aishaRevolução francesa aisha
Revolução francesa aisha
 
Revolucao Americana Power Point
Revolucao Americana Power PointRevolucao Americana Power Point
Revolucao Americana Power Point
 
O triunfo das revoluções liberais
O triunfo das revoluções liberaisO triunfo das revoluções liberais
O triunfo das revoluções liberais
 
Turma 81 - Historia - Independência dos EUA
Turma 81 - Historia - Independência dos EUA Turma 81 - Historia - Independência dos EUA
Turma 81 - Historia - Independência dos EUA
 
Independência dos EUA
Independência dos EUAIndependência dos EUA
Independência dos EUA
 

Último

Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsxSe A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Luzia Gabriele
 
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
A EDUCAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E AS DEFICIÊNCIAS DE SUA APLICAÇÃO N...
A EDUCAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E AS DEFICIÊNCIAS DE SUA APLICAÇÃO N...A EDUCAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E AS DEFICIÊNCIAS DE SUA APLICAÇÃO N...
A EDUCAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E AS DEFICIÊNCIAS DE SUA APLICAÇÃO N...
Faga1939
 
Redação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redação
Redação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redaçãoRedação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redação
Redação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redação
GrazielaTorrezan
 
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da químicaTEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
VictorEmanoel37
 
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Plano Analitico de Psicopedagogia -11 Classe- II Trimestre - 2024_014203.docx
Plano Analitico de Psicopedagogia -11 Classe- II Trimestre - 2024_014203.docxPlano Analitico de Psicopedagogia -11 Classe- II Trimestre - 2024_014203.docx
Plano Analitico de Psicopedagogia -11 Classe- II Trimestre - 2024_014203.docx
IsaiasJohaneSimango
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
arodatos81
 
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdfOficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
beathrizalves131
 
Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!
Mary Alvarenga
 
Manejo de plantas daninhas
Manejo de plantas daninhasManejo de plantas daninhas
Manejo de plantas daninhas
Geagra UFG
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Colaborar Educacional
 
Texto e atividade - Fontes alternativas de energia
Texto e atividade -  Fontes alternativas de energiaTexto e atividade -  Fontes alternativas de energia
Texto e atividade - Fontes alternativas de energia
Mary Alvarenga
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
Ligia Galvão
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
C4io99
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Mary Alvarenga
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
pattyhsilva271204
 

Último (20)

Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsxSe A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
 
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
 
A EDUCAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E AS DEFICIÊNCIAS DE SUA APLICAÇÃO N...
A EDUCAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E AS DEFICIÊNCIAS DE SUA APLICAÇÃO N...A EDUCAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E AS DEFICIÊNCIAS DE SUA APLICAÇÃO N...
A EDUCAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E AS DEFICIÊNCIAS DE SUA APLICAÇÃO N...
 
Redação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redação
Redação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redaçãoRedação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redação
Redação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redação
 
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da químicaTEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
 
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
 
Plano Analitico de Psicopedagogia -11 Classe- II Trimestre - 2024_014203.docx
Plano Analitico de Psicopedagogia -11 Classe- II Trimestre - 2024_014203.docxPlano Analitico de Psicopedagogia -11 Classe- II Trimestre - 2024_014203.docx
Plano Analitico de Psicopedagogia -11 Classe- II Trimestre - 2024_014203.docx
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
 
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdfOficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
 
Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!
 
Manejo de plantas daninhas
Manejo de plantas daninhasManejo de plantas daninhas
Manejo de plantas daninhas
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
 
Texto e atividade - Fontes alternativas de energia
Texto e atividade -  Fontes alternativas de energiaTexto e atividade -  Fontes alternativas de energia
Texto e atividade - Fontes alternativas de energia
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
 

5 01 a revolução americana

  • 1. História A - Módulo 5 O Liberalismo – ideologia e revolução, modelos e práticas nos séculos XVIII e XIX Unidade 1 A Revolução Americana, uma revolução fundadora http://divulgacaohistoria.wordpress.com/ Vítor Santos, Módulo 5, História A 1
  • 2. Entre 1770 e 1850, na Europa e na América deram-se uma série de transformações políticas e sociais e constituíram as revoluções liberais; Essas revoluções vão dar início à Idade Contemporânea , o período histórico em que atualmente vivemos; Tradicionalmente o início da Revolução Francesa (1789) marca o princípio da Idade Contemporânea; Como principais características desse período poderemos considerar: o liberalismo, o capitalismo industrial e a sociedade de classes; Vítor Santos, Módulo 5, História A 2
  • 3. A Revolução Americana (1775-1783) foi a primeira dessas revoluções; A América do Norte era uma colónia britânica constituída por 13 territórios diferentes e habitados por 2 milhões de habitantes; Vítor Santos, Módulo 5, História A 3
  • 4. A Inglaterra venceu a Guerra dos Sete Anos (1756-1763) travada contra a França; A Grã-Bretanha tornava-se na grande potência mundial, tinha a maior frota marítima, o maior império colonial, ampliado com as possessões que a França foi obrigada a entregar aos vencedores, pelo Tratado de Paris: Canadá, vários outros territórios na América, em África e na Índia; Vítor Santos, Módulo 5, História A 4
  • 5. Para os colonos ingleses na América, desembaraçados da concorrência francesa, abria-se a possibilidade de se expandirem para oeste; No entanto uma lei inglesa reservava todos os territórios a oeste dos montes Apalaches, como pertenças dos índios; Vítor Santos, Módulo 5, História A 5
  • 6. Os ingleses, com dificuldades económicas provocadas pela guerra, resolveram lançar novos impostos sobre as colónias americanas, alegando que a guerra tinha sido desencadeada para proteger os interesses dos colonos; Assim criaram-se taxas aduaneiras sobre o melaço, papel, vidro, chumbo e chã e ainda um imposto de selo sobre os documentos legais e as publicações periódicas; Ainda decidiram que as mercadorias das colónias americanas estariam sujeitas ao exclusivo colonial, isto é, só podiam ser exportadas para Inglaterra e as mercadorias europeias importadas pelos americanos, só o podiam ser através da Inglaterra; Vítor Santos, Módulo 5, História A 6
  • 7. Estas medidas foram consideradas um ultraje pelos colonos; Os colonos reconheciam ao Parlamento inglês o direito de regulamentar o comércio colonial, mas no entanto consideram que deviam estar representados nessa assembleia, pois eram cidadãos britânicos; Um congresso reunido em Nova Iorque (1765), o Stamp Act Congress, com representantes de 9 das 13 colónias, consideraram ilegal as leis imanadas do Parlamento Inglês, sobre as colónias americanas, pois estas não estavam representadas; Vítor Santos, Módulo 5, História A 7
  • 8. Os comerciantes americanos começaram a boicotar as mercadorias inglesas, comprando, através de contrabando, mercadorias estrangeiras; O governo londrino recuou e revogou (março de 1770) todos os impostos, com exceção do chã, com a agravante de que o monopólio da venda de chã concedido à Companhia das Índias Orientais privava os comerciantes americanos da possibilidade de venderem o produtos na América; Vítor Santos, Módulo 5, História A 8
  • 9. No dia 16 de dezembro de 1773, deu-se um episódio conhecido como o Boston Tea Party, um grupo de colonos, disfarçados de índios, lançaram ao mar a carga de chã dos barcos da Companhia das Índias ancorados no porto de Boston; O rei inglês, Jorge III, ordenou o encerramento do porto de Boston, e a ocupação da cidade por tropas inglesas e exigiu o pagamento de uma indeminização aos cidadãos; Esta atitude inglesa suscitou a revolta de muitos colonos; Vítor Santos, Módulo 5, História A 9
  • 10. Em setembro de 1774 reúne-se o primeiro Congresso de Filadélfia; A maior parte pretendem a negociação com a metrópole para resolver o diferendo; No entanto, ao mesmo tempo, são constituídas milícias; À frente do movimento revolucionário estão as colónias de Virgínia e de Massachusetts; Em abril de 1775, em Lexington, perto de Boston, o exército inglês foi atacado; O rei inglês, declarou guerra aos americanos e enviou tropas para esmagar a rebelião americana; Vítor Santos, Módulo 5, História A 10
  • 11. No dia 4 de julho de 1776, é aprovada a Declaração de Independência, no segundo Congresso de Filadélfia; George Washington foi escolhido como chefe do exército americano e Benjamin Franklin iniciou uma intensa atividade diplomática na Europa, para tentarem apoios para a sua revolução; Em outubro de 1777, o exército inglês perde a Batalha de Saratoga; A França estabelece uma aliança com os colonos e a Espanha também apoia os revoltosos; Em 1781, o exército inglês sofreu uma grande derrota em Yorktown; Pelo Tratado de Versalhes, 1783, a Inglaterra reconhece a independência das 13 colónias americanas; Nesse tratado a Espanha recupera a Flórida e a França também recupera alguns dos territórios que tinha perdido; Vítor Santos, Módulo 5, História A 11
  • 12. O modelo de estado a adotar pelo novo país suscitou muitas discussões; Os estados mais pequenos pretendiam uma federação de estados muito descentralizada, posição defendida por Thomas Jefferson; Os grandes estados defendiam um estado com um governo forte e centralizado, posição apoiada por George Washington; Em 1787, 12 dos 13 estados chegaram a um acordo que instituiu a República dos Estados Unidos da América; Na Constituição americana coexiste um estado central com a atribuição da defesa e das relações internacionais e os estados que são independentes em termos de justiça, administração, sistema policial e ensino; Vítor Santos, Módulo 5, História A 12
  • 13. A Constituição adotou o princípio da divisão dos poderes: Poder legislativo pertence ao Congresso, formado por duas Câmaras; A Câmara dos Representantes, os deputados são eleitos, em cada Estado, num número proporcional à sua proporção; O Senado é constituído por dois representantes por cada Estado; O Presidente detinha o poder executivo, Gorge Washington, foi o primeiro presidente eleito em 1789; Um Tribunal Supremo, regula os conflitos entre os Estados: Vítor Santos, Módulo 5, História A 13
  • 14. A Revolução americana foi feira sobre a égide da filosofia iluminista; Os Estados Unidos foram o primeiro país formado após terem realizado a descolonização, isto é, tornarem-se independentes da sua metrópole; Tornaram-se a primeira República democrática; A revolução americana vai ser o exemplo para a Revolução francesa que se irá iniciar em 1789. Vítor Santos, Módulo 5, História A 14
  • 15. Esquema in “Preparação para o Exame Nacional, História A 11, Porto Editora Vítor Santos, Módulo 5, História A 15
  • 16. Esta apresentação foi construída tendo por base a seguinte bibliografia: COUTO, Célia Pinto, ROSAS, Maria Antónia Monterroso, O tempo da História 11, Porto Editora, 2011 SANCHES, Mário, História A, Edições ASA, 2006 Vítor Santos, Módulo 5, História A 16