SlideShare uma empresa Scribd logo
Profa.
Natasha
Louise
O acesso ao cuidado do pré-natal no primeiro trimestre da gestação
tem sido incorporado como indicador de avaliação da qualidade da
Atenção Básica, sendo fundamental o envolvimento de toda a equipe
para a assistência integral à gestante. A captação de gestantes para
início oportuno do pré-natal é essencial para o diagnóstico precoce de
alterações e para a realização de intervenções adequadas sobre
condições que tornam vulneráveis a saúde da gestante e a da criança
(BRASIL, 2016).
CONSIDERAR:
 HISTÓRIA DA MULHER (Queixas principais são devidas ao atraso menstrual,
fadiga, mastalgia, ao aumento da frequência urinária e aos enjoos/êmeses.
• EXAME FÍSICO: atraso maior 12 semanas – confirma gravidez pelo exame físico
(ausculta de BCF).
EXAME LABORATORIAL:
• MS – recomenda Teste rápido de gravidez – acelerar processo de
confirmação da gravidez e início do pré-natal (captação precoce);
• Beta HCG sérico: detectável no sangue 8 a 11 dias da concepção e pico entre 60 e
90 dias da concepção – sensibilidade = 25 a 30mUI/ml (falso + = 2 a 25
Sinais e sintomas relevantes relacionados à gravidez:
☺Presuntivos:
o Atraso menstrual;
o Manifestações clínicas (náuseas, vômitos, tonturas, salivação excessiva,
mudança de apetite, aumento da frequência urinária e sonolência);
o Modificações anatômicas (aumento do volume das mamas,
hipersensibilidade nos mamilos, tubérculos de Montgomery, saída de
colostro pelo mamilo, coloração violácea vulvar, cianose vaginal e cervical,
aumento do volume abdominal).
☺ Probabilidade
 Amolecimento do colo uterino (sinal de GOODELL), com posterior
aumento do seu volume;
 Paredes vaginais aumentadas, com aumento da vascularização (pode-se
observar pulsação da artéria vaginal nos fundos de sacos laterais);
 Positividade da fração beta do HCG no soro materno a partir do 8° ou 9°
dia após a fertilização.
☺ Positivo
 Presença dos batimentos cardíacos fetais (BCF), que são detectados pelo
sonar a partir de 12 semanas e pelo Pinard a partir de 20 semanas;
 Percepção dos movimentos fetais (de 18 a 20 semanas);
 Ultrassonografia: o saco gestacional pode ser observado por via
transvaginal com apenas 4 a 5 semanas gestacionais e a atividade cardíaca
é a primeira manifestação do embrião com 6 semanas gestacionais.
• ACOLHER NO PRÉ-NATAL
- Orientar acompanhamento
- Tirar dúvidas;
- Expressar opiniões;
- Sensibilidade para gravidez
indesejada;
• MEDIDAS A ADOTAR
- Cartão pré-natal;
- Exames conforme protocolo;
- Recomendar vacinas e vitaminas +
atividades profissionais e físicas;
- Orientar: atividades educativas, VD, visita
à maternidade de referência
Gravidez Confirmada
 HISTÓRIA CLÍNICA
 Identificação;
 Características socioeconômicas;
 Grau de instrução;
 Profissão e ocupação;
 Estado civil;
 Idade;
 Renda familiar;
 Condições moradia e
saneamento;
 Violência doméstica.
 ANTECEDENTES
- Familiares;
- Pessoais;
- Ginecológicos: ciclos menstruais, cirurgias,
doença inflamatória pélvica, DST, mamas e
última citologia
- Sexualidade: início, dispareunia, práticas na
gestação.
Primeira Consulta Pré-natal
• Número de gestações
• Número de partos (tipo, indicação e
local)
• Abortamentos
• Número de filhos vivos + natimortos +
morte neonatal precoce (até 7 dias e
tardia 7 a 28 dias)
• Idade na primeira gestação
• Complicações no puerpério
• Aleitamento anterior
• Número e tipo de RN;
- Baixo peso;
- Pré-termo (menor 37
semanas);
- Pós-termo (maior 42
semanas);
- Com icterícia;
• Isoimunização Rh.
Antecedentes Obstétricos
• Data do primeiro dia/mês/ano da
última menstruação (DUM);
• Peso prévio e altura;
• Sinais e sintomas na gestação em
curso;
• Hábitos alimentares;
• Hábitos: fumo, álcool e drogas
ilícitas;
• Uso de medicamentos contínuos;
• Ocupação habitual (esforços e
exposições agentes nocivos);
• Fraca rede de suporte social;
• Aceitação da gravidez;
• Internação na gestação atual.
Gestação Atual
Calendário de Consultas
Recomendação iniciar pré-natal precocemente (1°
trimestre);
Total de consultas esperadas: no mínimo 6 (intercaladas entre
enfermeiro e médico);
 Até 28° semanas – mensalmente;
Da 28° até 36° semana – quinzenalmente;
Da 36° até 41° semana – semanalmente.
Não ocorrendo o parto até 41° semanas, necessário encaminhar a
gestante pro serviço terciário (BRASIL, 2012).
Classificação de Risco
Controle da PA
I. Procedimentos recomendados para a medida da pressão arterial:
Preparo da paciente:
• Explique o procedimento à gestante e a deixe em repouso por pelo menos
5 minutos em ambiente calmo. Ela deve ser instruída a não conversar
durante a medida.
• Certifique-se de que ela não:
 Está com a bexiga cheia;
 Praticou exercícios físicos há pelo menos 60 minutos;
 Ingeriu bebidas alcoólicas, café ou alimentos;
 Fumou nos 30 minutos anteriores.
A hipertensão arterial sistêmica (HAS) na
gestação é classificada nas seguintes
categorias principais:
 Pré-eclâmpsia: caracterizada pelo aparecimento de HAS e proteinúria (> 300 mg/24h)
após a 20ª semana de gestação em mulheres previamente normotensas;
 Eclâmpsia: corresponde à pré-eclâmpsia complicada por convulsões que não podem ser
atribuídas a outras causas;
 Pré-eclâmpsia superposta à HAS crônica: definida pela elevação aguda da PA, à qual se
agregam proteinúria, trombocitopenia ou anormalidades da função hepática, em gestantes
portadoras de HAS crônica com idade gestacional superior a 20 semanas;
 Hipertensão arterial sistêmica crônica: é definida por hipertensão registrada antes da
gestação, no período que precede à 20ª semana de gravidez ou além de doze semanas
após o parto;
 Hipertensão gestacional: caracterizada por HAS detectada após a 20ª semana, sem
proteinúria, podendo ser definida como “transitória” (quando ocorre normalização após o
parto) ou “crônica” (quando persistir a hipertensão)
Exames Complementares
Fonte: Caderno de Atenção Básica N° 32, 2012.
Fonte: Caderno de Atenção Básica N° 32, 2012.
Palpação Obstétrica
Objetivos:
- Identificar o crescimento fetal;
- Diagnosticar os desvios da
normalidade a partir da relação
entre a altura uterina e a idade
gestacional;
- Identificar a situação e a
apresentação fetal.
Exame Físico na Gestante
4° AULA - PRÉ-NATAL.pptx
Medida Uterina
Objetivo:
◌ Acompanhamento do crescimento fetal e a detecção precoce de
alterações. Use como indicador a medida da altura uterina e sua
relação com o número de semanas de gestação.
4° AULA - PRÉ-NATAL.pptx
Ausculta do BCF
- Objetivo:
Constatar a cada consulta a presença, o ritmo, a frequência e a normalidade
dos batimentos cardíacos fetais (BCF). Deve ser realizada com sonar, após 12
semanas de gestação, ou com Pinard, após 20 semanas. Frequência cardíaca
fetal de 120 a 160 bpm.
Vacinação da Gestante
 Náuseas;
 Vômitos;
 Pirose;
 Sialorreia;
 Fraquezas e desmaios;
 Dor abdominal, cólicas,
flatulências e obstipação
intestinal;
 Hemorroidas;
 Corrimento Vaginal;
 Queixas urinárias;
 Falta de ar e dificuldade de
respirar;
Mastalgia;
Lombalgia;
Cefaleia;
Sangramentos nas
gengivas;
Varizes;
Câimbras ;
Cloasma gravídico;
Estrias.
Queixas na Gestação
♀ GESTAÇÃO (prenhez ou gravidez): estado peculiar à mulher que concebeu e no qual desenvolve o
produto conceptual;
♀ GRÁVIDA: termo utilizado para designar a mulher grávida;
♀ PUÉRPERA: mulher que já deu à luz;
♀ NUTRIZ: mulher que está amamentando;
 Tipos de Parto
- Segundo a idade gestacional
• Aborto: perda de uma gravidez no início, em geral
antes da 20° semana de gravidez. Pode ser
espontâneo ou induzido;
• Parto pré-termo: parto ocorrido entre a 20° e a 37°
semanas de gravidez;
• Parto a termo: parto ocorrido entre a 37° semana
completa e 42 semanas incompletas de gravidez;
• Parto pós-termo: parto ocorrido com 42 semanas
 Segundo o número de parto:
• Nulípara: mulher que nunca pariu;
• Primípara: Mulher que deu à luz apenas uma
vez;
Nomenclatura Obstétrica
Aleitamento Materno
O leite materno é produzido pela ação dos hormônios
prolactina e ocitocina. Possui numerosos fatores
imunológicos que protegem a criança contra infecções,
seu principal anticorpo é o IgA.
A OMS (Organização Mundial de Saúde), recomenda o
aleitamento materno por 2 anos ou mais, sendo exclusivo nos
6 primeiros meses.
Tipos de Aleitamento Materno
 ALEITAMENTO MATERNO EXCLUSIVO
- Somente leite materno, direto das mamas ou ordenhado.
 ALEITAMENTO MATERNO PREDOMINANTE
- Leite materno, água ou bebidas a base de água (água adocicada, chás) e suco
de frutas.
 ALEITAMENTO MATERNO COMPLEMENTADO
- Leite materno, qualquer alimento sólido ou semissólido.
 ALEITAMENTO MATERNO MISTO OU PARCIAL
O aleitamento materno é a mais sábia estratégia natural de
vínculo, afeto, proteção e nutrição para a criança e constitui a mais
sensível, econômica e eficaz intervenção para redução da
morbimortalidade infantil.
Por que a amamentação é importante?
O Preparo das Mamas para Amamentação
☺Vantagens da amamentação:
- Para a mulher:
☺Fortalece o vínculo afetivo;
☺Favorece a involução uterina e reduz o risco de hemorragia;
☺Contribui para o retorno ao peso normal;
☺ Reduz o risco de câncer de mama no futuro;
☺Contribui para o aumento do intervalo entre gestações.
Durante os cuidados no pré-natal, é
importante conversar sobre as vantagens
da amamentação para a mulher, a criança,
a família e a comunidade, além de garantir
orientações sobre o manejo da
amamentação.
- Para a criança:
☺É um alimento completo; não necessita de
nenhum acréscimo até os seis meses de idade;
☺Evita mortes infantis;
☺Evita diarreia;
☺Protege contra infecções respiratórias;
☺Aumenta o vínculo afetivo entre mãe e filho;
☺Diminui as chances de desenvolvimento de
alergias;
☺Diminui o risco de hipertensão, colesterol alto
e diabetes;
☺Reduz a chance de obesidade;
☺Efeito positivo na inteligência
- Para a família e a
sociedade:
☺É limpo, pronto e na
temperatura adequada;
☺Diminui as internações e seus
custos;
☺É gratuito.
Pega Correta
Semanas/Meses Gestacionais
 Os métodos para esta estimativa dependem da data da última menstruação (DUM),
que corresponde ao primeiro dia de sangramento do último ciclo menstrual referido
pela mulher.
☺ Uso do calendário: some o número de dias do intervalo entre a DUM e a data da
consulta, dividindo o total por sete (resultado em semanas);
• Data da última menstruação (DUM):
• Consulta de Pré-natal em:
Somar o número de dias do intervalo entre a DUM e a data da consulta dividindo o
total por 7.
Soma: 13 dias (abril) + 31 (maio) + 30 (jun) + 31 (jul) +
31 (ago) + 24 (set);
Total: 160 dividido por 7:
Cálculo da Idade Gestacional - IG
4° AULA - PRÉ-NATAL.pptx
 Calcula-se a data provável do parto levando-se em consideração a duração média da
gestação normal (280 dias ou 40 semanas, a partir da DUM), mediante a utilização de
calendário.
 Duração da gestação: 10 meses lunares ou 40 semanas;
 Gravidez de termo: 37 a 41 semanas e 6 dias;
- REGRA DE NAEGELE:
- DUM = 10 / 06 / 2015 DUM = 17 / 03 / 2020
+ 7 – 3 + 1
DPP = 17/03/ 2016
Cálculo da Data Provável
do Parto (DPP)
+ 7 + 9
DPP =
24/12/2020
4° AULA - PRÉ-NATAL.pptx
Profa: Natasha Louise

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Pré-Natal
Pré-NatalPré-Natal
Grupo com gestantes
Grupo com gestantesGrupo com gestantes
Grupo com gestantes
Alinebrauna Brauna
 
Exames de Rotina do Pré-Natal
Exames de Rotina do Pré-NatalExames de Rotina do Pré-Natal
Intercorrências Clinicas na gestação.pdf
Intercorrências Clinicas na gestação.pdfIntercorrências Clinicas na gestação.pdf
Intercorrências Clinicas na gestação.pdf
MariaRuthBacelar1
 
Assistência pré natal
Assistência pré natalAssistência pré natal
Assistência pré natal
LASM_UIT
 
Assistência de enfermagem em neonatologia
Assistência de enfermagem em neonatologiaAssistência de enfermagem em neonatologia
Assistência de enfermagem em neonatologia
Amanda Corrêa
 
Saude da mulher
Saude da mulherSaude da mulher
Saude da mulher
TesisMaster
 
Pré-Natal Baixo Risco
Pré-Natal Baixo RiscoPré-Natal Baixo Risco
Pré-Natal Baixo Risco
HIURYGOMES
 
Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Mulher (PNAISM)
Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Mulher (PNAISM)Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Mulher (PNAISM)
Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Mulher (PNAISM)
Sanny Pereira
 
Descolamento Prematuro da Placenta e Placenta Prévia - Saúde da Mulher
Descolamento Prematuro da Placenta e Placenta Prévia - Saúde da MulherDescolamento Prematuro da Placenta e Placenta Prévia - Saúde da Mulher
Descolamento Prematuro da Placenta e Placenta Prévia - Saúde da Mulher
Enfº Ícaro Araújo
 
Aula assistência de enfermagem no puerperio imeditato
Aula assistência de enfermagem no puerperio imeditatoAula assistência de enfermagem no puerperio imeditato
Aula assistência de enfermagem no puerperio imeditato
Viviane da Silva
 
Paism slider
Paism sliderPaism slider
Paism slider
Dessa Reis
 
Transformações na gestação
Transformações na gestaçãoTransformações na gestação
Transformações na gestação
Alinebrauna Brauna
 
Saúde da Mulher
Saúde da MulherSaúde da Mulher
Saúde da Mulher
Neto Pontes
 
Pré Natal E GestaçãO De Alto Risco
Pré Natal E GestaçãO De Alto RiscoPré Natal E GestaçãO De Alto Risco
Pré Natal E GestaçãO De Alto Risco
chirlei ferreira
 
Abortamento
AbortamentoAbortamento
Abortamento
Maycon Silva
 
Assistência materno infantil
Assistência materno infantilAssistência materno infantil
Assistência materno infantil
Andrea Pereira
 
Cuidados com o rn
Cuidados com o rnCuidados com o rn
Cuidados com o rn
Alinebrauna Brauna
 
AssistêNcia Ao Parto
AssistêNcia Ao PartoAssistêNcia Ao Parto
AssistêNcia Ao Parto
chirlei ferreira
 
Slide Aleitamento materno
Slide Aleitamento materno Slide Aleitamento materno
Slide Aleitamento materno
Juliana Maciel
 

Mais procurados (20)

Pré-Natal
Pré-NatalPré-Natal
Pré-Natal
 
Grupo com gestantes
Grupo com gestantesGrupo com gestantes
Grupo com gestantes
 
Exames de Rotina do Pré-Natal
Exames de Rotina do Pré-NatalExames de Rotina do Pré-Natal
Exames de Rotina do Pré-Natal
 
Intercorrências Clinicas na gestação.pdf
Intercorrências Clinicas na gestação.pdfIntercorrências Clinicas na gestação.pdf
Intercorrências Clinicas na gestação.pdf
 
Assistência pré natal
Assistência pré natalAssistência pré natal
Assistência pré natal
 
Assistência de enfermagem em neonatologia
Assistência de enfermagem em neonatologiaAssistência de enfermagem em neonatologia
Assistência de enfermagem em neonatologia
 
Saude da mulher
Saude da mulherSaude da mulher
Saude da mulher
 
Pré-Natal Baixo Risco
Pré-Natal Baixo RiscoPré-Natal Baixo Risco
Pré-Natal Baixo Risco
 
Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Mulher (PNAISM)
Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Mulher (PNAISM)Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Mulher (PNAISM)
Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Mulher (PNAISM)
 
Descolamento Prematuro da Placenta e Placenta Prévia - Saúde da Mulher
Descolamento Prematuro da Placenta e Placenta Prévia - Saúde da MulherDescolamento Prematuro da Placenta e Placenta Prévia - Saúde da Mulher
Descolamento Prematuro da Placenta e Placenta Prévia - Saúde da Mulher
 
Aula assistência de enfermagem no puerperio imeditato
Aula assistência de enfermagem no puerperio imeditatoAula assistência de enfermagem no puerperio imeditato
Aula assistência de enfermagem no puerperio imeditato
 
Paism slider
Paism sliderPaism slider
Paism slider
 
Transformações na gestação
Transformações na gestaçãoTransformações na gestação
Transformações na gestação
 
Saúde da Mulher
Saúde da MulherSaúde da Mulher
Saúde da Mulher
 
Pré Natal E GestaçãO De Alto Risco
Pré Natal E GestaçãO De Alto RiscoPré Natal E GestaçãO De Alto Risco
Pré Natal E GestaçãO De Alto Risco
 
Abortamento
AbortamentoAbortamento
Abortamento
 
Assistência materno infantil
Assistência materno infantilAssistência materno infantil
Assistência materno infantil
 
Cuidados com o rn
Cuidados com o rnCuidados com o rn
Cuidados com o rn
 
AssistêNcia Ao Parto
AssistêNcia Ao PartoAssistêNcia Ao Parto
AssistêNcia Ao Parto
 
Slide Aleitamento materno
Slide Aleitamento materno Slide Aleitamento materno
Slide Aleitamento materno
 

Semelhante a 4° AULA - PRÉ-NATAL.pptx

Assistência pré-natal de baixo e alto risco-1.pptx
Assistência pré-natal de baixo e alto risco-1.pptxAssistência pré-natal de baixo e alto risco-1.pptx
Assistência pré-natal de baixo e alto risco-1.pptx
VitriaMaria56
 
Condutas no pré natal 5
Condutas no pré natal 5Condutas no pré natal 5
Condutas no pré natal 5
Nayara Wanderley
 
Resumo pré natal de baixo risco parte 2
Resumo pré natal de baixo risco parte 2Resumo pré natal de baixo risco parte 2
Resumo pré natal de baixo risco parte 2
Auro Gonçalves
 
Prenatal baixo risco
Prenatal baixo riscoPrenatal baixo risco
Prenatal baixo risco
Ceça Botelho
 
Pré-natal.pdf
Pré-natal.pdfPré-natal.pdf
Pré-natal.pdf
Soma Urbanismo
 
Slide Aula pré-natal atb 2018 final (2).pdf
Slide Aula pré-natal atb 2018 final (2).pdfSlide Aula pré-natal atb 2018 final (2).pdf
Slide Aula pré-natal atb 2018 final (2).pdf
arymurilo123
 
Aula 4 -_consulta_de_enfermagem_na_assistencia_pre-natal
Aula 4 -_consulta_de_enfermagem_na_assistencia_pre-natalAula 4 -_consulta_de_enfermagem_na_assistencia_pre-natal
Aula 4 -_consulta_de_enfermagem_na_assistencia_pre-natal
Gustavo Henrique
 
Assistência pre natal - gestante de baixo risco
Assistência pre natal - gestante de baixo riscoAssistência pre natal - gestante de baixo risco
Assistência pre natal - gestante de baixo risco
yasminroriz3
 
Assistência pré natal
Assistência pré natalAssistência pré natal
Assistência pré natal
Heloísa Ximenes
 
Assistência pré natal
Assistência pré natalAssistência pré natal
Assistência pré natal
Heloísa Ximenes
 
Assistência pré natal
Assistência pré natalAssistência pré natal
Assistência pré natal
Heloísa Ximenes
 
Protocolo clínico de atendimento na rede básica de pré natal de baixo risco
Protocolo clínico de atendimento na rede básica de pré natal de baixo riscoProtocolo clínico de atendimento na rede básica de pré natal de baixo risco
Protocolo clínico de atendimento na rede básica de pré natal de baixo risco
Professor Robson
 
Pre natal de baixo risco parte 2 Uesc Medicina
Pre natal de baixo risco parte 2  Uesc MedicinaPre natal de baixo risco parte 2  Uesc Medicina
Pre natal de baixo risco parte 2 Uesc Medicina
Auro Gonçalves
 
PNBR 2016
PNBR 2016PNBR 2016
AULA PRE NATAL.pdf
AULA PRE NATAL.pdfAULA PRE NATAL.pdf
AULA PRE NATAL.pdf
EllenSantos73107
 
enf 7- aula 2.pptx, mulher, saude... asi
enf 7- aula 2.pptx, mulher, saude... asienf 7- aula 2.pptx, mulher, saude... asi
enf 7- aula 2.pptx, mulher, saude... asi
JhivagoOliveira
 
PESQUISA NASCER NO BRASIL
PESQUISA NASCER NO BRASILPESQUISA NASCER NO BRASIL
Assistência Pré-Natal (Davyson Sampaio Braga)
Assistência Pré-Natal (Davyson Sampaio Braga)Assistência Pré-Natal (Davyson Sampaio Braga)
Assistência Pré-Natal (Davyson Sampaio Braga)
Davyson Sampaio
 
Pré Natal E GestaçãO De Alto Risco
Pré Natal E GestaçãO De Alto RiscoPré Natal E GestaçãO De Alto Risco
Pré Natal E GestaçãO De Alto Risco
chirlei ferreira
 
puerp-period.LM.ppt
puerp-period.LM.pptpuerp-period.LM.ppt
puerp-period.LM.ppt
ngeloDanielMera
 

Semelhante a 4° AULA - PRÉ-NATAL.pptx (20)

Assistência pré-natal de baixo e alto risco-1.pptx
Assistência pré-natal de baixo e alto risco-1.pptxAssistência pré-natal de baixo e alto risco-1.pptx
Assistência pré-natal de baixo e alto risco-1.pptx
 
Condutas no pré natal 5
Condutas no pré natal 5Condutas no pré natal 5
Condutas no pré natal 5
 
Resumo pré natal de baixo risco parte 2
Resumo pré natal de baixo risco parte 2Resumo pré natal de baixo risco parte 2
Resumo pré natal de baixo risco parte 2
 
Prenatal baixo risco
Prenatal baixo riscoPrenatal baixo risco
Prenatal baixo risco
 
Pré-natal.pdf
Pré-natal.pdfPré-natal.pdf
Pré-natal.pdf
 
Slide Aula pré-natal atb 2018 final (2).pdf
Slide Aula pré-natal atb 2018 final (2).pdfSlide Aula pré-natal atb 2018 final (2).pdf
Slide Aula pré-natal atb 2018 final (2).pdf
 
Aula 4 -_consulta_de_enfermagem_na_assistencia_pre-natal
Aula 4 -_consulta_de_enfermagem_na_assistencia_pre-natalAula 4 -_consulta_de_enfermagem_na_assistencia_pre-natal
Aula 4 -_consulta_de_enfermagem_na_assistencia_pre-natal
 
Assistência pre natal - gestante de baixo risco
Assistência pre natal - gestante de baixo riscoAssistência pre natal - gestante de baixo risco
Assistência pre natal - gestante de baixo risco
 
Assistência pré natal
Assistência pré natalAssistência pré natal
Assistência pré natal
 
Assistência pré natal
Assistência pré natalAssistência pré natal
Assistência pré natal
 
Assistência pré natal
Assistência pré natalAssistência pré natal
Assistência pré natal
 
Protocolo clínico de atendimento na rede básica de pré natal de baixo risco
Protocolo clínico de atendimento na rede básica de pré natal de baixo riscoProtocolo clínico de atendimento na rede básica de pré natal de baixo risco
Protocolo clínico de atendimento na rede básica de pré natal de baixo risco
 
Pre natal de baixo risco parte 2 Uesc Medicina
Pre natal de baixo risco parte 2  Uesc MedicinaPre natal de baixo risco parte 2  Uesc Medicina
Pre natal de baixo risco parte 2 Uesc Medicina
 
PNBR 2016
PNBR 2016PNBR 2016
PNBR 2016
 
AULA PRE NATAL.pdf
AULA PRE NATAL.pdfAULA PRE NATAL.pdf
AULA PRE NATAL.pdf
 
enf 7- aula 2.pptx, mulher, saude... asi
enf 7- aula 2.pptx, mulher, saude... asienf 7- aula 2.pptx, mulher, saude... asi
enf 7- aula 2.pptx, mulher, saude... asi
 
PESQUISA NASCER NO BRASIL
PESQUISA NASCER NO BRASILPESQUISA NASCER NO BRASIL
PESQUISA NASCER NO BRASIL
 
Assistência Pré-Natal (Davyson Sampaio Braga)
Assistência Pré-Natal (Davyson Sampaio Braga)Assistência Pré-Natal (Davyson Sampaio Braga)
Assistência Pré-Natal (Davyson Sampaio Braga)
 
Pré Natal E GestaçãO De Alto Risco
Pré Natal E GestaçãO De Alto RiscoPré Natal E GestaçãO De Alto Risco
Pré Natal E GestaçãO De Alto Risco
 
puerp-period.LM.ppt
puerp-period.LM.pptpuerp-period.LM.ppt
puerp-period.LM.ppt
 

Mais de Natasha Louise

Cibele_Alves_de_Araújo.ppt
Cibele_Alves_de_Araújo.pptCibele_Alves_de_Araújo.ppt
Cibele_Alves_de_Araújo.ppt
Natasha Louise
 
ASSISTÊNCIA AO RN.pptx
ASSISTÊNCIA AO RN.pptxASSISTÊNCIA AO RN.pptx
ASSISTÊNCIA AO RN.pptx
Natasha Louise
 
5° AULA - Assistência de Enfermagem no PARTO-PUÉRPERIO.pptx
5° AULA - Assistência de Enfermagem no PARTO-PUÉRPERIO.pptx5° AULA - Assistência de Enfermagem no PARTO-PUÉRPERIO.pptx
5° AULA - Assistência de Enfermagem no PARTO-PUÉRPERIO.pptx
Natasha Louise
 
3° AULA - Planejamento Familiar e Métodos Contraceptivos.pptx
3° AULA - Planejamento Familiar e Métodos Contraceptivos.pptx3° AULA - Planejamento Familiar e Métodos Contraceptivos.pptx
3° AULA - Planejamento Familiar e Métodos Contraceptivos.pptx
Natasha Louise
 
2° AULA - ANATOMIA E FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO.pptx
2° AULA - ANATOMIA E FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO.pptx2° AULA - ANATOMIA E FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO.pptx
2° AULA - ANATOMIA E FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO.pptx
Natasha Louise
 
1° AULA - SAÚDE DA MULHER - PAISM, PNAISM.pptx
1° AULA - SAÚDE DA MULHER - PAISM, PNAISM.pptx1° AULA - SAÚDE DA MULHER - PAISM, PNAISM.pptx
1° AULA - SAÚDE DA MULHER - PAISM, PNAISM.pptx
Natasha Louise
 

Mais de Natasha Louise (6)

Cibele_Alves_de_Araújo.ppt
Cibele_Alves_de_Araújo.pptCibele_Alves_de_Araújo.ppt
Cibele_Alves_de_Araújo.ppt
 
ASSISTÊNCIA AO RN.pptx
ASSISTÊNCIA AO RN.pptxASSISTÊNCIA AO RN.pptx
ASSISTÊNCIA AO RN.pptx
 
5° AULA - Assistência de Enfermagem no PARTO-PUÉRPERIO.pptx
5° AULA - Assistência de Enfermagem no PARTO-PUÉRPERIO.pptx5° AULA - Assistência de Enfermagem no PARTO-PUÉRPERIO.pptx
5° AULA - Assistência de Enfermagem no PARTO-PUÉRPERIO.pptx
 
3° AULA - Planejamento Familiar e Métodos Contraceptivos.pptx
3° AULA - Planejamento Familiar e Métodos Contraceptivos.pptx3° AULA - Planejamento Familiar e Métodos Contraceptivos.pptx
3° AULA - Planejamento Familiar e Métodos Contraceptivos.pptx
 
2° AULA - ANATOMIA E FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO.pptx
2° AULA - ANATOMIA E FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO.pptx2° AULA - ANATOMIA E FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO.pptx
2° AULA - ANATOMIA E FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO.pptx
 
1° AULA - SAÚDE DA MULHER - PAISM, PNAISM.pptx
1° AULA - SAÚDE DA MULHER - PAISM, PNAISM.pptx1° AULA - SAÚDE DA MULHER - PAISM, PNAISM.pptx
1° AULA - SAÚDE DA MULHER - PAISM, PNAISM.pptx
 

Último

Posicionamento dos ombros para avalizaçao por RX
Posicionamento dos ombros para avalizaçao por RXPosicionamento dos ombros para avalizaçao por RX
Posicionamento dos ombros para avalizaçao por RX
paathizinhya
 
mini curso de suturas para enfermeiros 2024
mini curso de suturas para enfermeiros 2024mini curso de suturas para enfermeiros 2024
mini curso de suturas para enfermeiros 2024
OttomGonalvesDaSilva
 
Electrocardiografia - Manual AMIR - ENARM
Electrocardiografia - Manual AMIR - ENARMElectrocardiografia - Manual AMIR - ENARM
Electrocardiografia - Manual AMIR - ENARM
dantemalca
 
TREINAMENTO PROTEÇÃO DAS MÃOS.ppt Proteção das Mãos
TREINAMENTO PROTEÇÃO DAS MÃOS.ppt Proteção das MãosTREINAMENTO PROTEÇÃO DAS MÃOS.ppt Proteção das Mãos
TREINAMENTO PROTEÇÃO DAS MÃOS.ppt Proteção das Mãos
Anderson1783
 
Relação de Médicos e Prestadores 2023.pdf
Relação de Médicos e Prestadores 2023.pdfRelação de Médicos e Prestadores 2023.pdf
Relação de Médicos e Prestadores 2023.pdf
maripinkmarianne
 
Mini curso Análise de LCR Liquorologia.pptx
Mini curso Análise de LCR Liquorologia.pptxMini curso Análise de LCR Liquorologia.pptx
Mini curso Análise de LCR Liquorologia.pptx
GleenseCartonilho
 
Cirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdf
Cirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdfCirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdf
Cirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdf
BrunaNeves80
 
NR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdf
NR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdfNR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdf
NR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdf
guilhermefontenele8
 
9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf
9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf
9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf
KauFelipo
 

Último (9)

Posicionamento dos ombros para avalizaçao por RX
Posicionamento dos ombros para avalizaçao por RXPosicionamento dos ombros para avalizaçao por RX
Posicionamento dos ombros para avalizaçao por RX
 
mini curso de suturas para enfermeiros 2024
mini curso de suturas para enfermeiros 2024mini curso de suturas para enfermeiros 2024
mini curso de suturas para enfermeiros 2024
 
Electrocardiografia - Manual AMIR - ENARM
Electrocardiografia - Manual AMIR - ENARMElectrocardiografia - Manual AMIR - ENARM
Electrocardiografia - Manual AMIR - ENARM
 
TREINAMENTO PROTEÇÃO DAS MÃOS.ppt Proteção das Mãos
TREINAMENTO PROTEÇÃO DAS MÃOS.ppt Proteção das MãosTREINAMENTO PROTEÇÃO DAS MÃOS.ppt Proteção das Mãos
TREINAMENTO PROTEÇÃO DAS MÃOS.ppt Proteção das Mãos
 
Relação de Médicos e Prestadores 2023.pdf
Relação de Médicos e Prestadores 2023.pdfRelação de Médicos e Prestadores 2023.pdf
Relação de Médicos e Prestadores 2023.pdf
 
Mini curso Análise de LCR Liquorologia.pptx
Mini curso Análise de LCR Liquorologia.pptxMini curso Análise de LCR Liquorologia.pptx
Mini curso Análise de LCR Liquorologia.pptx
 
Cirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdf
Cirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdfCirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdf
Cirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdf
 
NR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdf
NR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdfNR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdf
NR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdf
 
9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf
9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf
9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf
 

4° AULA - PRÉ-NATAL.pptx

  • 2. O acesso ao cuidado do pré-natal no primeiro trimestre da gestação tem sido incorporado como indicador de avaliação da qualidade da Atenção Básica, sendo fundamental o envolvimento de toda a equipe para a assistência integral à gestante. A captação de gestantes para início oportuno do pré-natal é essencial para o diagnóstico precoce de alterações e para a realização de intervenções adequadas sobre condições que tornam vulneráveis a saúde da gestante e a da criança (BRASIL, 2016).
  • 3. CONSIDERAR:  HISTÓRIA DA MULHER (Queixas principais são devidas ao atraso menstrual, fadiga, mastalgia, ao aumento da frequência urinária e aos enjoos/êmeses. • EXAME FÍSICO: atraso maior 12 semanas – confirma gravidez pelo exame físico (ausculta de BCF). EXAME LABORATORIAL: • MS – recomenda Teste rápido de gravidez – acelerar processo de confirmação da gravidez e início do pré-natal (captação precoce); • Beta HCG sérico: detectável no sangue 8 a 11 dias da concepção e pico entre 60 e 90 dias da concepção – sensibilidade = 25 a 30mUI/ml (falso + = 2 a 25
  • 4. Sinais e sintomas relevantes relacionados à gravidez: ☺Presuntivos: o Atraso menstrual; o Manifestações clínicas (náuseas, vômitos, tonturas, salivação excessiva, mudança de apetite, aumento da frequência urinária e sonolência); o Modificações anatômicas (aumento do volume das mamas, hipersensibilidade nos mamilos, tubérculos de Montgomery, saída de colostro pelo mamilo, coloração violácea vulvar, cianose vaginal e cervical, aumento do volume abdominal).
  • 5. ☺ Probabilidade  Amolecimento do colo uterino (sinal de GOODELL), com posterior aumento do seu volume;  Paredes vaginais aumentadas, com aumento da vascularização (pode-se observar pulsação da artéria vaginal nos fundos de sacos laterais);  Positividade da fração beta do HCG no soro materno a partir do 8° ou 9° dia após a fertilização.
  • 6. ☺ Positivo  Presença dos batimentos cardíacos fetais (BCF), que são detectados pelo sonar a partir de 12 semanas e pelo Pinard a partir de 20 semanas;  Percepção dos movimentos fetais (de 18 a 20 semanas);  Ultrassonografia: o saco gestacional pode ser observado por via transvaginal com apenas 4 a 5 semanas gestacionais e a atividade cardíaca é a primeira manifestação do embrião com 6 semanas gestacionais.
  • 7. • ACOLHER NO PRÉ-NATAL - Orientar acompanhamento - Tirar dúvidas; - Expressar opiniões; - Sensibilidade para gravidez indesejada; • MEDIDAS A ADOTAR - Cartão pré-natal; - Exames conforme protocolo; - Recomendar vacinas e vitaminas + atividades profissionais e físicas; - Orientar: atividades educativas, VD, visita à maternidade de referência Gravidez Confirmada
  • 8.  HISTÓRIA CLÍNICA  Identificação;  Características socioeconômicas;  Grau de instrução;  Profissão e ocupação;  Estado civil;  Idade;  Renda familiar;  Condições moradia e saneamento;  Violência doméstica.  ANTECEDENTES - Familiares; - Pessoais; - Ginecológicos: ciclos menstruais, cirurgias, doença inflamatória pélvica, DST, mamas e última citologia - Sexualidade: início, dispareunia, práticas na gestação. Primeira Consulta Pré-natal
  • 9. • Número de gestações • Número de partos (tipo, indicação e local) • Abortamentos • Número de filhos vivos + natimortos + morte neonatal precoce (até 7 dias e tardia 7 a 28 dias) • Idade na primeira gestação • Complicações no puerpério • Aleitamento anterior • Número e tipo de RN; - Baixo peso; - Pré-termo (menor 37 semanas); - Pós-termo (maior 42 semanas); - Com icterícia; • Isoimunização Rh. Antecedentes Obstétricos
  • 10. • Data do primeiro dia/mês/ano da última menstruação (DUM); • Peso prévio e altura; • Sinais e sintomas na gestação em curso; • Hábitos alimentares; • Hábitos: fumo, álcool e drogas ilícitas; • Uso de medicamentos contínuos; • Ocupação habitual (esforços e exposições agentes nocivos); • Fraca rede de suporte social; • Aceitação da gravidez; • Internação na gestação atual. Gestação Atual
  • 11. Calendário de Consultas Recomendação iniciar pré-natal precocemente (1° trimestre); Total de consultas esperadas: no mínimo 6 (intercaladas entre enfermeiro e médico);  Até 28° semanas – mensalmente; Da 28° até 36° semana – quinzenalmente; Da 36° até 41° semana – semanalmente. Não ocorrendo o parto até 41° semanas, necessário encaminhar a gestante pro serviço terciário (BRASIL, 2012).
  • 13. Controle da PA I. Procedimentos recomendados para a medida da pressão arterial: Preparo da paciente: • Explique o procedimento à gestante e a deixe em repouso por pelo menos 5 minutos em ambiente calmo. Ela deve ser instruída a não conversar durante a medida. • Certifique-se de que ela não:  Está com a bexiga cheia;  Praticou exercícios físicos há pelo menos 60 minutos;  Ingeriu bebidas alcoólicas, café ou alimentos;  Fumou nos 30 minutos anteriores.
  • 14. A hipertensão arterial sistêmica (HAS) na gestação é classificada nas seguintes categorias principais:  Pré-eclâmpsia: caracterizada pelo aparecimento de HAS e proteinúria (> 300 mg/24h) após a 20ª semana de gestação em mulheres previamente normotensas;  Eclâmpsia: corresponde à pré-eclâmpsia complicada por convulsões que não podem ser atribuídas a outras causas;  Pré-eclâmpsia superposta à HAS crônica: definida pela elevação aguda da PA, à qual se agregam proteinúria, trombocitopenia ou anormalidades da função hepática, em gestantes portadoras de HAS crônica com idade gestacional superior a 20 semanas;  Hipertensão arterial sistêmica crônica: é definida por hipertensão registrada antes da gestação, no período que precede à 20ª semana de gravidez ou além de doze semanas após o parto;  Hipertensão gestacional: caracterizada por HAS detectada após a 20ª semana, sem proteinúria, podendo ser definida como “transitória” (quando ocorre normalização após o parto) ou “crônica” (quando persistir a hipertensão)
  • 15. Exames Complementares Fonte: Caderno de Atenção Básica N° 32, 2012.
  • 16. Fonte: Caderno de Atenção Básica N° 32, 2012.
  • 17. Palpação Obstétrica Objetivos: - Identificar o crescimento fetal; - Diagnosticar os desvios da normalidade a partir da relação entre a altura uterina e a idade gestacional; - Identificar a situação e a apresentação fetal. Exame Físico na Gestante
  • 19. Medida Uterina Objetivo: ◌ Acompanhamento do crescimento fetal e a detecção precoce de alterações. Use como indicador a medida da altura uterina e sua relação com o número de semanas de gestação.
  • 21. Ausculta do BCF - Objetivo: Constatar a cada consulta a presença, o ritmo, a frequência e a normalidade dos batimentos cardíacos fetais (BCF). Deve ser realizada com sonar, após 12 semanas de gestação, ou com Pinard, após 20 semanas. Frequência cardíaca fetal de 120 a 160 bpm.
  • 23.  Náuseas;  Vômitos;  Pirose;  Sialorreia;  Fraquezas e desmaios;  Dor abdominal, cólicas, flatulências e obstipação intestinal;  Hemorroidas;  Corrimento Vaginal;  Queixas urinárias;  Falta de ar e dificuldade de respirar; Mastalgia; Lombalgia; Cefaleia; Sangramentos nas gengivas; Varizes; Câimbras ; Cloasma gravídico; Estrias. Queixas na Gestação
  • 24. ♀ GESTAÇÃO (prenhez ou gravidez): estado peculiar à mulher que concebeu e no qual desenvolve o produto conceptual; ♀ GRÁVIDA: termo utilizado para designar a mulher grávida; ♀ PUÉRPERA: mulher que já deu à luz; ♀ NUTRIZ: mulher que está amamentando;  Tipos de Parto - Segundo a idade gestacional • Aborto: perda de uma gravidez no início, em geral antes da 20° semana de gravidez. Pode ser espontâneo ou induzido; • Parto pré-termo: parto ocorrido entre a 20° e a 37° semanas de gravidez; • Parto a termo: parto ocorrido entre a 37° semana completa e 42 semanas incompletas de gravidez; • Parto pós-termo: parto ocorrido com 42 semanas  Segundo o número de parto: • Nulípara: mulher que nunca pariu; • Primípara: Mulher que deu à luz apenas uma vez; Nomenclatura Obstétrica
  • 25. Aleitamento Materno O leite materno é produzido pela ação dos hormônios prolactina e ocitocina. Possui numerosos fatores imunológicos que protegem a criança contra infecções, seu principal anticorpo é o IgA. A OMS (Organização Mundial de Saúde), recomenda o aleitamento materno por 2 anos ou mais, sendo exclusivo nos 6 primeiros meses. Tipos de Aleitamento Materno  ALEITAMENTO MATERNO EXCLUSIVO - Somente leite materno, direto das mamas ou ordenhado.  ALEITAMENTO MATERNO PREDOMINANTE - Leite materno, água ou bebidas a base de água (água adocicada, chás) e suco de frutas.  ALEITAMENTO MATERNO COMPLEMENTADO - Leite materno, qualquer alimento sólido ou semissólido.  ALEITAMENTO MATERNO MISTO OU PARCIAL
  • 26. O aleitamento materno é a mais sábia estratégia natural de vínculo, afeto, proteção e nutrição para a criança e constitui a mais sensível, econômica e eficaz intervenção para redução da morbimortalidade infantil. Por que a amamentação é importante?
  • 27. O Preparo das Mamas para Amamentação ☺Vantagens da amamentação: - Para a mulher: ☺Fortalece o vínculo afetivo; ☺Favorece a involução uterina e reduz o risco de hemorragia; ☺Contribui para o retorno ao peso normal; ☺ Reduz o risco de câncer de mama no futuro; ☺Contribui para o aumento do intervalo entre gestações. Durante os cuidados no pré-natal, é importante conversar sobre as vantagens da amamentação para a mulher, a criança, a família e a comunidade, além de garantir orientações sobre o manejo da amamentação.
  • 28. - Para a criança: ☺É um alimento completo; não necessita de nenhum acréscimo até os seis meses de idade; ☺Evita mortes infantis; ☺Evita diarreia; ☺Protege contra infecções respiratórias; ☺Aumenta o vínculo afetivo entre mãe e filho; ☺Diminui as chances de desenvolvimento de alergias; ☺Diminui o risco de hipertensão, colesterol alto e diabetes; ☺Reduz a chance de obesidade; ☺Efeito positivo na inteligência - Para a família e a sociedade: ☺É limpo, pronto e na temperatura adequada; ☺Diminui as internações e seus custos; ☺É gratuito.
  • 31.  Os métodos para esta estimativa dependem da data da última menstruação (DUM), que corresponde ao primeiro dia de sangramento do último ciclo menstrual referido pela mulher. ☺ Uso do calendário: some o número de dias do intervalo entre a DUM e a data da consulta, dividindo o total por sete (resultado em semanas); • Data da última menstruação (DUM): • Consulta de Pré-natal em: Somar o número de dias do intervalo entre a DUM e a data da consulta dividindo o total por 7. Soma: 13 dias (abril) + 31 (maio) + 30 (jun) + 31 (jul) + 31 (ago) + 24 (set); Total: 160 dividido por 7: Cálculo da Idade Gestacional - IG
  • 33.  Calcula-se a data provável do parto levando-se em consideração a duração média da gestação normal (280 dias ou 40 semanas, a partir da DUM), mediante a utilização de calendário.  Duração da gestação: 10 meses lunares ou 40 semanas;  Gravidez de termo: 37 a 41 semanas e 6 dias; - REGRA DE NAEGELE: - DUM = 10 / 06 / 2015 DUM = 17 / 03 / 2020 + 7 – 3 + 1 DPP = 17/03/ 2016 Cálculo da Data Provável do Parto (DPP) + 7 + 9 DPP = 24/12/2020