SlideShare uma empresa Scribd logo
Saúde da Mulher • Profa. Dra. Carla Marins
SAÚDE DA MULHER NA ATENÇÃO BÁSICA
Pré-natal
Profa. Dra. Carla Marins
Saúde da Mulher • Profa. Dra. Carla Marins
AVALIAÇÃO PRÉ-CONCEPCIONAL
Saúde da Mulher • Profa. Dra. Carla Marins
PRÉ-NATAL
Consultas Pré-Natais:
Durante o pré-natal deverá ser realizado no mínimo 6 consultas,
preferencialmente 1 no primeiro trimestre, 2 no segundo
trimestre e 3 no terceiro trimestre.
Marcação de Consultas Pré-Natais
- Até 28º semana gestacional = mensal
- Da 28ª até a 36ª semana gestacional = quinzenal
- A partir da 36ª semana gestacional até o parto = semanal
O acompanhamento só se encerra após 42 dias de puerpério!
Saúde da Mulher • Profa. Dra. Carla Marins
PRÉ-NATAL
Consultas Pré-Natais:
ATENÇÃO: Quando o parto não ocorre até a 41º semana...
- Encaminhar a gestante para a avaliação do bem-estar fetal
(ILA e monitoramento cardíaco fetal).
- menor risco de morte neonatal e perinatal e
- menor chance de cesariana.
Saúde da Mulher • Profa. Dra. Carla Marins
PRÉ-NATAL
10 Passos para o Pré-Natal de Qualidade na Atenção
Básica
1° PASSO: Iniciar o pré-natal na Atenção Primária à Saúde até a 12ª
semana de gestação (captação precoce)
2° PASSO: Garantir os recursos humanos, físicos, materiais e técnicos
necessários à atenção pré-natal.
3° PASSO: Toda gestante deve ter assegurado a solicitação, realização e
avaliação em termo oportuno do resultado dos exames preconizados no
atendimento pré-natal.
4° PASSO: Promover a escuta ativa da gestante e de seus(suas)
acompanhantes, considerando aspectos intelectuais, emocionais, sociais e
culturais e não somente um cuidado biológico: "rodas de gestantes".
5° PASSO: Garantir o transporte público gratuito da gestante para o
atendimento pré-natal, quando necessário.
Saúde da Mulher • Profa. Dra. Carla Marins
PRÉ-NATAL
10 Passos para o Pré-Natal de Qualidade na Atenção
Básica
6° PASSO: É direito do(a) parceiro(a) ser cuidado (realização de
consultas, exames e ter acesso a informações) antes, durante e depois
da gestação: "pré-natal do(a) parceiro(a)".
7° PASSO: Garantir o acesso à unidade de referência especializada,
caso seja necessário.
8° PASSO: Estimular e informar sobre os benefícios do parto
fisiológico, incluindo a elaboração do "Plano de Parto".
9° PASSO: Toda gestante tem direito de conhecer e visitar
previamente o serviço de saúde no qual irá dar à luz (vinculação).
10° PASSO: As mulheres devem conhecer e exercer os direitos
garantidos por lei no período
Saúde da Mulher • Profa. Dra. Carla Marins
PRÉ-NATAL
ATENÇÃO: Indicadores de processo, Indicadores de
resultado e Indicadores de impacto
• Distribuição das gestantes por trimestre de início do pré-natal (1º, 2º
e 3º);
• Porcentagem de mulheres que realizaram pré-natal em relação à
população-alvo (número de gestantes na área ou número previsto);
• Porcentagem de abandono do pré-natal em relação ao total de
mulheres inscritas;
• Porcentagem de óbitos de mulheres por causas associadas à gestação,
ao parto ou ao puerpério em relação ao total de gestantes atendidas;
• Porcentagem de óbitos por causas perinatais em relação ao total de
recém-nascidos vivos;
• Porcentagem de crianças com tétano neonatal em relação ao total de
recém-nascidos vivos;
Saúde da Mulher • Profa. Dra. Carla Marins
PRÉ-NATAL
ATENÇÃO: Indicadores de processo, Indicadores de
resultado e Indicadores de impacto
• Porcentagem de recém-nascidos vivos de baixo peso (com menos
de 2.500g) em relação ao total de recém-nascidos vivos;
• Porcentagem de VDRL positivos em gestantes e recém-nascidos em
relação ao total de exames realizados;
• Porcentagem de mulheres atendidas nos locais para onde foram
referenciadas em relação ao total de mulheres que retornaram à
unidade de origem após o encaminhamento.
Saúde da Mulher • Profa. Dra. Carla Marins
PRÉ-NATAL
Diagnóstico de Gravidez:
Teste Imunológico de Gravidez (TIG) - história de atraso
menstrual de mais de 15 dias. ATENÇÃO: nota técnica
Saúde da Mulher • Profa. Dra. Carla Marins
PRÉ-NATAL
Diagnóstico de Gravidez:
Dosagem de gonadotrofina coriônica humana (ßHCG) -
detectado no sangue periférico entre 8 a 11 dias após a
concepção.
Níveis menores que 5mUI/ml - negativos
Níveis acima de 25mUI/ml - positivos.
Saúde da Mulher • Profa. Dra. Carla Marins
PRÉ-NATAL
Diagnóstico de Gravidez:
Exame ultrassonográfico –
- determina a idade gestacional,
- auxilia na detecção precoce de gestações múltiplas (inclusive,
evidencia o tipo de placentação nestes casos)
- E de malformações fetais clinicamente não suspeitas.
Idealmente, o exame deve ser realizado entre 10 e 13 semanas,
utilizando-se o comprimento cabeça–nádega para determinar a idade
gestacional.
A partir da 15ª semana, a estimativa de idade gestacional será feita
pela medida do diâmetro biparietal.
Saúde da Mulher • Profa. Dra. Carla Marins
PRÉ-NATAL
Diagnóstico de Gravidez:
Todavia, os possíveis benefícios da ultrassonografia de rotina durante a
gestação sobre outros resultados permanecem ainda incertos, de
modo que a não realização deste exame não constitui omissão, nem
diminui a qualidade do pré-natal (CROWTHER et al., 1999).
Se o atraso menstrual for superior a 12 semanas, o diagnóstico de
gravidez poderá ser feito pelo exame clínico e torna-se desnecessária a
solicitação do TIG. O diagnóstico da gravidez pode ser efetuado em 90%
das pacientes por intermédio dos sinais clínicos, dos sintomas e do
exame físico em gestações mais avançadas. As queixas principais são
devidas ao atraso menstrual, à fadiga, à mastalgia, ao aumento da
frequência urinária e aos enjoos/vômitos matinais
Saúde da Mulher • Profa. Dra. Carla Marins
PRÉ-NATAL
Sinais de presunção, probabilidade e certeza para
gravidez, de acordo com Brasil (2013)
Presunção:
- Amenorreia,
- Manifestações clínicas comuns;
- Modificações anatômicas:
• aumento das mamas e do abdome,
• hipersensibilidade nos mamilos
• tubérculos de Montgomery,
• saída de colostro,
• coloração violácea vulvar, cianose vaginal e cervical.
Saúde da Mulher • Profa. Dra. Carla Marins
PRÉ-NATAL
Sinais de presunção, probabilidade e certeza para
gravidez, de acordo com Brasil (2013)
Probabilidade:
- Sinal de Godell;
- Paredes vaginais aumentadas,
- aumento da vascularização com pulsação da artéria vaginal
nos fundos de sacos laterais);
- Positividade da fração beta do HCG.
Saúde da Mulher • Profa. Dra. Carla Marins
PRÉ-NATAL
Sinais de presunção, probabilidade e certeza para
gravidez, de acordo com Brasil (2013)
Certeza:
- Presença de BCF:
• sonar a partir de 12 semanas
• Pinard a partir de 20 semanas
- Percepção dos movimentos fetais de 18 a 20 semanas;
- Ultrassonografia trasnvaginal:
• 4 a 5 semanas - saco gestacional
• 6 semanas - a atividade cardíaca (primeira manifestação
do embrião)
Saúde da Mulher • Profa. Dra. Carla Marins
PRÉ-NATAL
GESTA PARA ABORTO
O sufixo “gesta”
refere-se ao
número de
gestações que a
paciente já
apresentou, não
importando a
duração de cada
uma delas.
O sufixo “para” refere-se ao
número de gestações em que
houve viabilidade fetal. Não
se leva em consideração o
número de fetos nascidos em
cada parto, nem quantos
sobreviveram. Assim, a
paridade não é maior se o
parto é gemelar, nem menor
se o feto já nasce morto.
Estão inclusos os
fetos com
menos de 22
semanas de
gestação e /ou
pesando menos
de 500g.
Saúde da Mulher • Profa. Dra. Carla Marins
PRÉ-NATAL
Cálculo da Data Provável do Parto: Regra de Naegele
Soma 7 ao dia e diminui 3 do mês da DUM (Data da Última Menstruação)
DUM desconhecida, mas conhece o período do mês em que ela ocorreu:
início = 5 meio = 15 fim = 25
Observação: Quando a DUM desconhecida e não conhece data ou
período da DUM: exame físico, com palpação abdominal do útero e
ausculta do BCF, quando a amenorreia ultrapassar 16 semanas. A USG de
primeiro trimestre pode estimar a IG pelo diâmetro biparietal do feto,
comprimento do fêmur e cabeça-nádega.
Saúde da Mulher • Profa. Dra. Carla Marins
PRÉ-NATAL
Palpação do FU:
- Até a 6a semana, não ocorre alteração do tamanho uterino;
- Na 8a semana, o útero corresponde ao dobro do tamanho
normal;
- Na 10a semana, o útero corresponde a três vezes o tamanho
habitual;
- Na 12a semana, o útero enche a pelve, de modo que é
palpável na sínfise púbica;
- Na 16a semana, o fundo uterino encontra-se entre a sínfise
púbica e a cicatriz umbilical;
Saúde da Mulher • Profa. Dra. Carla Marins
PRÉ-NATAL
Palpação do FU:
- Na 20a semana, o fundo do útero encontra-se na altura da
cicatriz umbilical;
- A partir da 20a semana, existe relação direta entre as semanas
da gestação e a medida da altura uterina. Porém, este
parâmetro torna-se menos fiel a partir da 30a semana de idade
gestacional.
Disciplina • Professor(a)
PRÉ-NATAL
Palpação do FU:
PRÉ-NATAL
Movimentos fetais:
Objetivo:
Avaliação clínica do bem-estar fetal na gravidez a partir da 34ª
semana gestacional (grau de recomendação C).
A presença de movimentos do feto sempre se correlacionou como
sinal e constatação de vida; todavia, o monitoramento dos
movimentos fetais como meio de avaliação do seu bem-estar é
relativamente recente.
As mulheres começam a perceber entre 16 e 20 semanas
Saúde da Mulher • Profa. Dra. Carla Marins
PRÉ-NATAL
Roteiro da Primeira Consulta:
-Anamnese e exame físico completo
- Avaliação dos fatores de risco gestacional, (BRASIL, 2013)
Fatores de risco que permitem a realização do pré-natal pela
equipe de atenção básica
Fatores de risco que podem indicar encaminhamento ao prénatal
de alto risco
Fatores de risco que indicam encaminhamento à urgência/
emergência obstétrica
Saúde da Mulher • Profa. Dra. Carla Marins
PRÉ-NATAL
Avaliação da situação vacinal:
Saúde da Mulher • Profa. Dra. Carla Marins
PRÉ-NATAL
- Solicitar exames de rotina do Pré-Natal:
Saúde da Mulher • Profa. Dra. Carla Marins
PRÉ-NATAL
- Solicitar exames de rotina do Pré-Natal:
Saúde da Mulher • Profa. Dra. Carla Marins
PRÉ-NATAL
Saúde da Mulher • Profa. Dra. Carla Marins
PRÉ-NATAL
Solicitar exames de rotina do Pré-Natal:
Saúde da Mulher • Profa. Dra. Carla Marins
PRÉ-NATAL
Saúde da Mulher • Profa. Dra. Carla Marins
PRÉ-NATAL
Outros exames podem ser acrescidos na rotina de pré-
natal em algumas situações especiais:
Saúde da Mulher • Profa. Dra. Carla Marins
eletroforese de Hb se for negra e tiver histórico familiar de
anemia falciforme ou anemia crônica, protoparasitológico;
colpocitologia oncótica(papanicolau); bacterioscopia da
secreção vaginal; sorologia para rubéola; USG obstétrica.
PRÉ-NATAL
Avaliação do estado nutricional (EN) e do ganho de
peso gestacional
Recomenda-se que a gestante seja pesada em todas as consultas. A estatura
pode ser aferida apenas na primeira consulta, desde que não seja gestante
adolescente (menor de 20 anos), cuja medida deverá ser realizada pelo
menos trimestralmente.
- Identificar, a partir de diagnóstico oportuno, as gestantes em risco
nutricional (baixo peso, sobrepeso ou obesidade) no início da gestação;
- Detectar as gestantes com ganho de peso baixo ou excessivo para a
idade gestacional;
Realizar orientação adequada para cada caso.
Saúde da Mulher • Profa. Dra. Carla Marins
PRÉ-NATAL
Avaliação do estado nutricional (EN) e do ganho de
peso gestacional
OBS: IMC na primeira consulta
Classifique o estado nutricional
(EN) da gestante, segundo
IMC/semana gestacional em:
BP (baixo peso), A (adequado),
S (sobrepeso), O (obesidade).
Saúde da Mulher • Profa. Dra. Carla Marins
PRÉ-NATAL
Saúde da Mulher • Profa. Dra. Carla Marins
Obs: Para adolescentes que engravidaram dois ou mais anos depois da
menarca (em geral, maiores de 15 anos), a interpretação dos achados é
equivalente à das adultas. Para gestantes que engravidaram menos de
dois anos após a menarca, é provável que se observe que muitas serão
classificadas como de baixo peso.
ASSISTÊNCIA AO PARTO
Estática Fetal - Manobra de Leopold-Zweifel
(Manobras de Palpação em 4 tempos)
Saúde da Mulher • Profa. Dra. Carla Marins
ASSISTÊNCIA AO PARTO
Saúde da Mulher • Profa. Dra. Carla Marins
Estática Fetal - Manobra de Leopold-Zweifel
APRESENTAÇÃO
ASSISTÊNCIA AO PARTO
Saúde da Mulher • Profa. Dra. Carla Marins
Estática Fetal - Manobra de Leopold-Zweifel
SITUAÇÃO
ASSISTÊNCIA AO PARTO
Saúde da Mulher • Profa. Dra. Carla Marins
Estática Fetal - Manobra de Leopold-Zweifel
ATITUDE
PRÉ-NATAL
Saúde da Mulher • Profa. Dra. Carla Marins
PRÉ-NATAL
Saúde da Mulher • Profa. Dra. Carla Marins
PRÉ-NATAL
Rotina para consultas subsequentes:
- Anamnese atual sucinta
- Exame físico direcionado
- Verificação do calendário de vacinação;
- Deve-se avaliar o resultado dos exames complementares;
- Devem ser feitas a revisão e a atualização do Cartão da
Gestante e da Ficha de Pré-Natal;
- Controle da Pressão Arterial;
- Controle de Peso.
Saúde da Mulher • Profa. Dra. Carla Marins
PRÉ-NATAL
Queixas Comuns na Gravidez:
- Náuseas, vômitos e Tonturas
- Pirose
- Sialorréia
- Fraquezas e Desmaios
- Dor abdominal, cólicas, flatulência e obstipação intestinal
- Hemorróidas
- Corrimento vaginal
- Queixas urinárias
- Dispnéia
Saúde da Mulher • Profa. Dra. Carla Marins
PRÉ-NATAL
Queixas Comuns na Gravidez:
Saúde da Mulher • Profa. Dra. Carla Marins
- Mastalgia
- Lombalgia
- Cefaléia
- Varizes
- Cãimbras
- Cloasma Gravídico (manchas escuras no rosto)
- Estrias
OBRIGADA
carlamarins@usp.br
Regular

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Slide Aula pré-natal atb 2018 final (2).pdf

PESQUISA NASCER NO BRASIL
PESQUISA NASCER NO BRASILPESQUISA NASCER NO BRASIL
Resumo pré natal de baixo risco parte 2
Resumo pré natal de baixo risco parte 2Resumo pré natal de baixo risco parte 2
Resumo pré natal de baixo risco parte 2
Auro Gonçalves
 
Assistência pré-natal de baixo e alto risco-1.pptx
Assistência pré-natal de baixo e alto risco-1.pptxAssistência pré-natal de baixo e alto risco-1.pptx
Assistência pré-natal de baixo e alto risco-1.pptx
VitriaMaria56
 
PNBR 2016
PNBR 2016PNBR 2016
Consulta pré-natal.pdf
Consulta pré-natal.pdfConsulta pré-natal.pdf
Consulta pré-natal.pdf
elisa162943
 
Pré Natal E GestaçãO De Alto Risco
Pré Natal E GestaçãO De Alto RiscoPré Natal E GestaçãO De Alto Risco
Pré Natal E GestaçãO De Alto Risco
chirlei ferreira
 
Pré Natal E GestaçãO De Alto Risco
Pré Natal E GestaçãO De Alto RiscoPré Natal E GestaçãO De Alto Risco
Pré Natal E GestaçãO De Alto Risco
chirlei ferreira
 
pre natal saude publica.pdf
pre natal saude publica.pdfpre natal saude publica.pdf
pre natal saude publica.pdf
bianca375788
 
Blog Pré Natal Slayd
Blog Pré Natal SlaydBlog Pré Natal Slayd
Blog Pré Natal Slayd
Gláucia Marchini
 
Pré Natal
Pré  NatalPré  Natal
Pré Natal
Gláucia Marchini
 
UFCD 6578 - cuidados-na-saude-materna.pptx
UFCD 6578 - cuidados-na-saude-materna.pptxUFCD 6578 - cuidados-na-saude-materna.pptx
UFCD 6578 - cuidados-na-saude-materna.pptx
FranciscoAntunes41
 
Pré natal 2018 - Para Gestantes -
Pré natal 2018 - Para Gestantes - Pré natal 2018 - Para Gestantes -
Pré natal 2018 - Para Gestantes -
Caroline Reis Gonçalves
 
Diretrizes de sms pré natal e puerpério
Diretrizes de sms pré natal e puerpérioDiretrizes de sms pré natal e puerpério
Diretrizes de sms pré natal e puerpério
raquelwleal
 
enf 7- aula 2.pptx, mulher, saude... asi
enf 7- aula 2.pptx, mulher, saude... asienf 7- aula 2.pptx, mulher, saude... asi
enf 7- aula 2.pptx, mulher, saude... asi
JhivagoOliveira
 
Assist enf prenatal
Assist enf prenatalAssist enf prenatal
Assist enf prenatal
Danubia7410
 
Gravidez nos CSP
Gravidez nos CSPGravidez nos CSP
Gravidez nos CSP
Eluisa Silva
 
10078 texto do artigo-34302-1-10-20160603
10078 texto do artigo-34302-1-10-2016060310078 texto do artigo-34302-1-10-20160603
10078 texto do artigo-34302-1-10-20160603
Luzia Muananda
 
Pre Natal
Pre NatalPre Natal
Pre Natal
ITPAC PORTO
 
Condutas no pré natal 5
Condutas no pré natal 5Condutas no pré natal 5
Condutas no pré natal 5
Nayara Wanderley
 
3 a importancia da vigilancia da saude materna parte i
3  a importancia da vigilancia da saude materna   parte i3  a importancia da vigilancia da saude materna   parte i
3 a importancia da vigilancia da saude materna parte i
Lurdesmartins17
 

Semelhante a Slide Aula pré-natal atb 2018 final (2).pdf (20)

PESQUISA NASCER NO BRASIL
PESQUISA NASCER NO BRASILPESQUISA NASCER NO BRASIL
PESQUISA NASCER NO BRASIL
 
Resumo pré natal de baixo risco parte 2
Resumo pré natal de baixo risco parte 2Resumo pré natal de baixo risco parte 2
Resumo pré natal de baixo risco parte 2
 
Assistência pré-natal de baixo e alto risco-1.pptx
Assistência pré-natal de baixo e alto risco-1.pptxAssistência pré-natal de baixo e alto risco-1.pptx
Assistência pré-natal de baixo e alto risco-1.pptx
 
PNBR 2016
PNBR 2016PNBR 2016
PNBR 2016
 
Consulta pré-natal.pdf
Consulta pré-natal.pdfConsulta pré-natal.pdf
Consulta pré-natal.pdf
 
Pré Natal E GestaçãO De Alto Risco
Pré Natal E GestaçãO De Alto RiscoPré Natal E GestaçãO De Alto Risco
Pré Natal E GestaçãO De Alto Risco
 
Pré Natal E GestaçãO De Alto Risco
Pré Natal E GestaçãO De Alto RiscoPré Natal E GestaçãO De Alto Risco
Pré Natal E GestaçãO De Alto Risco
 
pre natal saude publica.pdf
pre natal saude publica.pdfpre natal saude publica.pdf
pre natal saude publica.pdf
 
Blog Pré Natal Slayd
Blog Pré Natal SlaydBlog Pré Natal Slayd
Blog Pré Natal Slayd
 
Pré Natal
Pré  NatalPré  Natal
Pré Natal
 
UFCD 6578 - cuidados-na-saude-materna.pptx
UFCD 6578 - cuidados-na-saude-materna.pptxUFCD 6578 - cuidados-na-saude-materna.pptx
UFCD 6578 - cuidados-na-saude-materna.pptx
 
Pré natal 2018 - Para Gestantes -
Pré natal 2018 - Para Gestantes - Pré natal 2018 - Para Gestantes -
Pré natal 2018 - Para Gestantes -
 
Diretrizes de sms pré natal e puerpério
Diretrizes de sms pré natal e puerpérioDiretrizes de sms pré natal e puerpério
Diretrizes de sms pré natal e puerpério
 
enf 7- aula 2.pptx, mulher, saude... asi
enf 7- aula 2.pptx, mulher, saude... asienf 7- aula 2.pptx, mulher, saude... asi
enf 7- aula 2.pptx, mulher, saude... asi
 
Assist enf prenatal
Assist enf prenatalAssist enf prenatal
Assist enf prenatal
 
Gravidez nos CSP
Gravidez nos CSPGravidez nos CSP
Gravidez nos CSP
 
10078 texto do artigo-34302-1-10-20160603
10078 texto do artigo-34302-1-10-2016060310078 texto do artigo-34302-1-10-20160603
10078 texto do artigo-34302-1-10-20160603
 
Pre Natal
Pre NatalPre Natal
Pre Natal
 
Condutas no pré natal 5
Condutas no pré natal 5Condutas no pré natal 5
Condutas no pré natal 5
 
3 a importancia da vigilancia da saude materna parte i
3  a importancia da vigilancia da saude materna   parte i3  a importancia da vigilancia da saude materna   parte i
3 a importancia da vigilancia da saude materna parte i
 

Mais de arymurilo123

AULA AVALIAÇÃO PRIMARIA XABCD NO APH.pdf
AULA AVALIAÇÃO PRIMARIA XABCD NO APH.pdfAULA AVALIAÇÃO PRIMARIA XABCD NO APH.pdf
AULA AVALIAÇÃO PRIMARIA XABCD NO APH.pdf
arymurilo123
 
AULA-4 TRAUMA CRÂNEOENCEFÁLIPARA ECO.ppt
AULA-4 TRAUMA CRÂNEOENCEFÁLIPARA ECO.pptAULA-4 TRAUMA CRÂNEOENCEFÁLIPARA ECO.ppt
AULA-4 TRAUMA CRÂNEOENCEFÁLIPARA ECO.ppt
arymurilo123
 
INTUBAÇÃO OROTRAQUEAL NA SALA DE EMERGEN
INTUBAÇÃO OROTRAQUEAL NA SALA DE EMERGENINTUBAÇÃO OROTRAQUEAL NA SALA DE EMERGEN
INTUBAÇÃO OROTRAQUEAL NA SALA DE EMERGEN
arymurilo123
 
cap 5 necessidades de saúde da criança (1).pdf
cap 5 necessidades de saúde da criança (1).pdfcap 5 necessidades de saúde da criança (1).pdf
cap 5 necessidades de saúde da criança (1).pdf
arymurilo123
 
AB 2018 IMUNIZAÇÃO dias 15,16 e 21 08 (2).pdf
AB 2018 IMUNIZAÇÃO dias 15,16 e 21 08 (2).pdfAB 2018 IMUNIZAÇÃO dias 15,16 e 21 08 (2).pdf
AB 2018 IMUNIZAÇÃO dias 15,16 e 21 08 (2).pdf
arymurilo123
 
aula ca de mama atb 2018final (2).pdf
aula ca de mama atb 2018final (2).pdfaula ca de mama atb 2018final (2).pdf
aula ca de mama atb 2018final (2).pdf
arymurilo123
 
AB 2018 IMUNIZAÇÃO dias 15,16 e 21 08 (3).pdf
AB 2018 IMUNIZAÇÃO dias 15,16 e 21 08 (3).pdfAB 2018 IMUNIZAÇÃO dias 15,16 e 21 08 (3).pdf
AB 2018 IMUNIZAÇÃO dias 15,16 e 21 08 (3).pdf
arymurilo123
 
aula ca de mama atb 2018final (1).pdf
aula ca de mama atb 2018final (1).pdfaula ca de mama atb 2018final (1).pdf
aula ca de mama atb 2018final (1).pdf
arymurilo123
 

Mais de arymurilo123 (8)

AULA AVALIAÇÃO PRIMARIA XABCD NO APH.pdf
AULA AVALIAÇÃO PRIMARIA XABCD NO APH.pdfAULA AVALIAÇÃO PRIMARIA XABCD NO APH.pdf
AULA AVALIAÇÃO PRIMARIA XABCD NO APH.pdf
 
AULA-4 TRAUMA CRÂNEOENCEFÁLIPARA ECO.ppt
AULA-4 TRAUMA CRÂNEOENCEFÁLIPARA ECO.pptAULA-4 TRAUMA CRÂNEOENCEFÁLIPARA ECO.ppt
AULA-4 TRAUMA CRÂNEOENCEFÁLIPARA ECO.ppt
 
INTUBAÇÃO OROTRAQUEAL NA SALA DE EMERGEN
INTUBAÇÃO OROTRAQUEAL NA SALA DE EMERGENINTUBAÇÃO OROTRAQUEAL NA SALA DE EMERGEN
INTUBAÇÃO OROTRAQUEAL NA SALA DE EMERGEN
 
cap 5 necessidades de saúde da criança (1).pdf
cap 5 necessidades de saúde da criança (1).pdfcap 5 necessidades de saúde da criança (1).pdf
cap 5 necessidades de saúde da criança (1).pdf
 
AB 2018 IMUNIZAÇÃO dias 15,16 e 21 08 (2).pdf
AB 2018 IMUNIZAÇÃO dias 15,16 e 21 08 (2).pdfAB 2018 IMUNIZAÇÃO dias 15,16 e 21 08 (2).pdf
AB 2018 IMUNIZAÇÃO dias 15,16 e 21 08 (2).pdf
 
aula ca de mama atb 2018final (2).pdf
aula ca de mama atb 2018final (2).pdfaula ca de mama atb 2018final (2).pdf
aula ca de mama atb 2018final (2).pdf
 
AB 2018 IMUNIZAÇÃO dias 15,16 e 21 08 (3).pdf
AB 2018 IMUNIZAÇÃO dias 15,16 e 21 08 (3).pdfAB 2018 IMUNIZAÇÃO dias 15,16 e 21 08 (3).pdf
AB 2018 IMUNIZAÇÃO dias 15,16 e 21 08 (3).pdf
 
aula ca de mama atb 2018final (1).pdf
aula ca de mama atb 2018final (1).pdfaula ca de mama atb 2018final (1).pdf
aula ca de mama atb 2018final (1).pdf
 

Slide Aula pré-natal atb 2018 final (2).pdf

  • 1. Saúde da Mulher • Profa. Dra. Carla Marins SAÚDE DA MULHER NA ATENÇÃO BÁSICA Pré-natal Profa. Dra. Carla Marins
  • 2. Saúde da Mulher • Profa. Dra. Carla Marins AVALIAÇÃO PRÉ-CONCEPCIONAL
  • 3. Saúde da Mulher • Profa. Dra. Carla Marins PRÉ-NATAL Consultas Pré-Natais: Durante o pré-natal deverá ser realizado no mínimo 6 consultas, preferencialmente 1 no primeiro trimestre, 2 no segundo trimestre e 3 no terceiro trimestre. Marcação de Consultas Pré-Natais - Até 28º semana gestacional = mensal - Da 28ª até a 36ª semana gestacional = quinzenal - A partir da 36ª semana gestacional até o parto = semanal O acompanhamento só se encerra após 42 dias de puerpério!
  • 4. Saúde da Mulher • Profa. Dra. Carla Marins PRÉ-NATAL Consultas Pré-Natais: ATENÇÃO: Quando o parto não ocorre até a 41º semana... - Encaminhar a gestante para a avaliação do bem-estar fetal (ILA e monitoramento cardíaco fetal). - menor risco de morte neonatal e perinatal e - menor chance de cesariana.
  • 5. Saúde da Mulher • Profa. Dra. Carla Marins PRÉ-NATAL 10 Passos para o Pré-Natal de Qualidade na Atenção Básica 1° PASSO: Iniciar o pré-natal na Atenção Primária à Saúde até a 12ª semana de gestação (captação precoce) 2° PASSO: Garantir os recursos humanos, físicos, materiais e técnicos necessários à atenção pré-natal. 3° PASSO: Toda gestante deve ter assegurado a solicitação, realização e avaliação em termo oportuno do resultado dos exames preconizados no atendimento pré-natal. 4° PASSO: Promover a escuta ativa da gestante e de seus(suas) acompanhantes, considerando aspectos intelectuais, emocionais, sociais e culturais e não somente um cuidado biológico: "rodas de gestantes". 5° PASSO: Garantir o transporte público gratuito da gestante para o atendimento pré-natal, quando necessário.
  • 6. Saúde da Mulher • Profa. Dra. Carla Marins PRÉ-NATAL 10 Passos para o Pré-Natal de Qualidade na Atenção Básica 6° PASSO: É direito do(a) parceiro(a) ser cuidado (realização de consultas, exames e ter acesso a informações) antes, durante e depois da gestação: "pré-natal do(a) parceiro(a)". 7° PASSO: Garantir o acesso à unidade de referência especializada, caso seja necessário. 8° PASSO: Estimular e informar sobre os benefícios do parto fisiológico, incluindo a elaboração do "Plano de Parto". 9° PASSO: Toda gestante tem direito de conhecer e visitar previamente o serviço de saúde no qual irá dar à luz (vinculação). 10° PASSO: As mulheres devem conhecer e exercer os direitos garantidos por lei no período
  • 7. Saúde da Mulher • Profa. Dra. Carla Marins PRÉ-NATAL ATENÇÃO: Indicadores de processo, Indicadores de resultado e Indicadores de impacto • Distribuição das gestantes por trimestre de início do pré-natal (1º, 2º e 3º); • Porcentagem de mulheres que realizaram pré-natal em relação à população-alvo (número de gestantes na área ou número previsto); • Porcentagem de abandono do pré-natal em relação ao total de mulheres inscritas; • Porcentagem de óbitos de mulheres por causas associadas à gestação, ao parto ou ao puerpério em relação ao total de gestantes atendidas; • Porcentagem de óbitos por causas perinatais em relação ao total de recém-nascidos vivos; • Porcentagem de crianças com tétano neonatal em relação ao total de recém-nascidos vivos;
  • 8. Saúde da Mulher • Profa. Dra. Carla Marins PRÉ-NATAL ATENÇÃO: Indicadores de processo, Indicadores de resultado e Indicadores de impacto • Porcentagem de recém-nascidos vivos de baixo peso (com menos de 2.500g) em relação ao total de recém-nascidos vivos; • Porcentagem de VDRL positivos em gestantes e recém-nascidos em relação ao total de exames realizados; • Porcentagem de mulheres atendidas nos locais para onde foram referenciadas em relação ao total de mulheres que retornaram à unidade de origem após o encaminhamento.
  • 9. Saúde da Mulher • Profa. Dra. Carla Marins PRÉ-NATAL Diagnóstico de Gravidez: Teste Imunológico de Gravidez (TIG) - história de atraso menstrual de mais de 15 dias. ATENÇÃO: nota técnica
  • 10. Saúde da Mulher • Profa. Dra. Carla Marins PRÉ-NATAL Diagnóstico de Gravidez: Dosagem de gonadotrofina coriônica humana (ßHCG) - detectado no sangue periférico entre 8 a 11 dias após a concepção. Níveis menores que 5mUI/ml - negativos Níveis acima de 25mUI/ml - positivos.
  • 11. Saúde da Mulher • Profa. Dra. Carla Marins PRÉ-NATAL Diagnóstico de Gravidez: Exame ultrassonográfico – - determina a idade gestacional, - auxilia na detecção precoce de gestações múltiplas (inclusive, evidencia o tipo de placentação nestes casos) - E de malformações fetais clinicamente não suspeitas. Idealmente, o exame deve ser realizado entre 10 e 13 semanas, utilizando-se o comprimento cabeça–nádega para determinar a idade gestacional. A partir da 15ª semana, a estimativa de idade gestacional será feita pela medida do diâmetro biparietal.
  • 12. Saúde da Mulher • Profa. Dra. Carla Marins PRÉ-NATAL Diagnóstico de Gravidez: Todavia, os possíveis benefícios da ultrassonografia de rotina durante a gestação sobre outros resultados permanecem ainda incertos, de modo que a não realização deste exame não constitui omissão, nem diminui a qualidade do pré-natal (CROWTHER et al., 1999). Se o atraso menstrual for superior a 12 semanas, o diagnóstico de gravidez poderá ser feito pelo exame clínico e torna-se desnecessária a solicitação do TIG. O diagnóstico da gravidez pode ser efetuado em 90% das pacientes por intermédio dos sinais clínicos, dos sintomas e do exame físico em gestações mais avançadas. As queixas principais são devidas ao atraso menstrual, à fadiga, à mastalgia, ao aumento da frequência urinária e aos enjoos/vômitos matinais
  • 13. Saúde da Mulher • Profa. Dra. Carla Marins PRÉ-NATAL Sinais de presunção, probabilidade e certeza para gravidez, de acordo com Brasil (2013) Presunção: - Amenorreia, - Manifestações clínicas comuns; - Modificações anatômicas: • aumento das mamas e do abdome, • hipersensibilidade nos mamilos • tubérculos de Montgomery, • saída de colostro, • coloração violácea vulvar, cianose vaginal e cervical.
  • 14. Saúde da Mulher • Profa. Dra. Carla Marins PRÉ-NATAL Sinais de presunção, probabilidade e certeza para gravidez, de acordo com Brasil (2013) Probabilidade: - Sinal de Godell; - Paredes vaginais aumentadas, - aumento da vascularização com pulsação da artéria vaginal nos fundos de sacos laterais); - Positividade da fração beta do HCG.
  • 15. Saúde da Mulher • Profa. Dra. Carla Marins PRÉ-NATAL Sinais de presunção, probabilidade e certeza para gravidez, de acordo com Brasil (2013) Certeza: - Presença de BCF: • sonar a partir de 12 semanas • Pinard a partir de 20 semanas - Percepção dos movimentos fetais de 18 a 20 semanas; - Ultrassonografia trasnvaginal: • 4 a 5 semanas - saco gestacional • 6 semanas - a atividade cardíaca (primeira manifestação do embrião)
  • 16. Saúde da Mulher • Profa. Dra. Carla Marins PRÉ-NATAL GESTA PARA ABORTO O sufixo “gesta” refere-se ao número de gestações que a paciente já apresentou, não importando a duração de cada uma delas. O sufixo “para” refere-se ao número de gestações em que houve viabilidade fetal. Não se leva em consideração o número de fetos nascidos em cada parto, nem quantos sobreviveram. Assim, a paridade não é maior se o parto é gemelar, nem menor se o feto já nasce morto. Estão inclusos os fetos com menos de 22 semanas de gestação e /ou pesando menos de 500g.
  • 17. Saúde da Mulher • Profa. Dra. Carla Marins PRÉ-NATAL Cálculo da Data Provável do Parto: Regra de Naegele Soma 7 ao dia e diminui 3 do mês da DUM (Data da Última Menstruação) DUM desconhecida, mas conhece o período do mês em que ela ocorreu: início = 5 meio = 15 fim = 25 Observação: Quando a DUM desconhecida e não conhece data ou período da DUM: exame físico, com palpação abdominal do útero e ausculta do BCF, quando a amenorreia ultrapassar 16 semanas. A USG de primeiro trimestre pode estimar a IG pelo diâmetro biparietal do feto, comprimento do fêmur e cabeça-nádega.
  • 18. Saúde da Mulher • Profa. Dra. Carla Marins PRÉ-NATAL Palpação do FU: - Até a 6a semana, não ocorre alteração do tamanho uterino; - Na 8a semana, o útero corresponde ao dobro do tamanho normal; - Na 10a semana, o útero corresponde a três vezes o tamanho habitual; - Na 12a semana, o útero enche a pelve, de modo que é palpável na sínfise púbica; - Na 16a semana, o fundo uterino encontra-se entre a sínfise púbica e a cicatriz umbilical;
  • 19. Saúde da Mulher • Profa. Dra. Carla Marins PRÉ-NATAL Palpação do FU: - Na 20a semana, o fundo do útero encontra-se na altura da cicatriz umbilical; - A partir da 20a semana, existe relação direta entre as semanas da gestação e a medida da altura uterina. Porém, este parâmetro torna-se menos fiel a partir da 30a semana de idade gestacional.
  • 21. PRÉ-NATAL Movimentos fetais: Objetivo: Avaliação clínica do bem-estar fetal na gravidez a partir da 34ª semana gestacional (grau de recomendação C). A presença de movimentos do feto sempre se correlacionou como sinal e constatação de vida; todavia, o monitoramento dos movimentos fetais como meio de avaliação do seu bem-estar é relativamente recente. As mulheres começam a perceber entre 16 e 20 semanas Saúde da Mulher • Profa. Dra. Carla Marins
  • 22. PRÉ-NATAL Roteiro da Primeira Consulta: -Anamnese e exame físico completo - Avaliação dos fatores de risco gestacional, (BRASIL, 2013) Fatores de risco que permitem a realização do pré-natal pela equipe de atenção básica Fatores de risco que podem indicar encaminhamento ao prénatal de alto risco Fatores de risco que indicam encaminhamento à urgência/ emergência obstétrica Saúde da Mulher • Profa. Dra. Carla Marins
  • 23. PRÉ-NATAL Avaliação da situação vacinal: Saúde da Mulher • Profa. Dra. Carla Marins
  • 24. PRÉ-NATAL - Solicitar exames de rotina do Pré-Natal: Saúde da Mulher • Profa. Dra. Carla Marins
  • 25. PRÉ-NATAL - Solicitar exames de rotina do Pré-Natal: Saúde da Mulher • Profa. Dra. Carla Marins
  • 26. PRÉ-NATAL Saúde da Mulher • Profa. Dra. Carla Marins
  • 27. PRÉ-NATAL Solicitar exames de rotina do Pré-Natal: Saúde da Mulher • Profa. Dra. Carla Marins
  • 28. PRÉ-NATAL Saúde da Mulher • Profa. Dra. Carla Marins
  • 29. PRÉ-NATAL Outros exames podem ser acrescidos na rotina de pré- natal em algumas situações especiais: Saúde da Mulher • Profa. Dra. Carla Marins eletroforese de Hb se for negra e tiver histórico familiar de anemia falciforme ou anemia crônica, protoparasitológico; colpocitologia oncótica(papanicolau); bacterioscopia da secreção vaginal; sorologia para rubéola; USG obstétrica.
  • 30. PRÉ-NATAL Avaliação do estado nutricional (EN) e do ganho de peso gestacional Recomenda-se que a gestante seja pesada em todas as consultas. A estatura pode ser aferida apenas na primeira consulta, desde que não seja gestante adolescente (menor de 20 anos), cuja medida deverá ser realizada pelo menos trimestralmente. - Identificar, a partir de diagnóstico oportuno, as gestantes em risco nutricional (baixo peso, sobrepeso ou obesidade) no início da gestação; - Detectar as gestantes com ganho de peso baixo ou excessivo para a idade gestacional; Realizar orientação adequada para cada caso. Saúde da Mulher • Profa. Dra. Carla Marins
  • 31. PRÉ-NATAL Avaliação do estado nutricional (EN) e do ganho de peso gestacional OBS: IMC na primeira consulta Classifique o estado nutricional (EN) da gestante, segundo IMC/semana gestacional em: BP (baixo peso), A (adequado), S (sobrepeso), O (obesidade). Saúde da Mulher • Profa. Dra. Carla Marins
  • 32. PRÉ-NATAL Saúde da Mulher • Profa. Dra. Carla Marins Obs: Para adolescentes que engravidaram dois ou mais anos depois da menarca (em geral, maiores de 15 anos), a interpretação dos achados é equivalente à das adultas. Para gestantes que engravidaram menos de dois anos após a menarca, é provável que se observe que muitas serão classificadas como de baixo peso.
  • 33. ASSISTÊNCIA AO PARTO Estática Fetal - Manobra de Leopold-Zweifel (Manobras de Palpação em 4 tempos) Saúde da Mulher • Profa. Dra. Carla Marins
  • 34. ASSISTÊNCIA AO PARTO Saúde da Mulher • Profa. Dra. Carla Marins Estática Fetal - Manobra de Leopold-Zweifel APRESENTAÇÃO
  • 35. ASSISTÊNCIA AO PARTO Saúde da Mulher • Profa. Dra. Carla Marins Estática Fetal - Manobra de Leopold-Zweifel SITUAÇÃO
  • 36. ASSISTÊNCIA AO PARTO Saúde da Mulher • Profa. Dra. Carla Marins Estática Fetal - Manobra de Leopold-Zweifel ATITUDE
  • 37. PRÉ-NATAL Saúde da Mulher • Profa. Dra. Carla Marins
  • 38. PRÉ-NATAL Saúde da Mulher • Profa. Dra. Carla Marins
  • 39. PRÉ-NATAL Rotina para consultas subsequentes: - Anamnese atual sucinta - Exame físico direcionado - Verificação do calendário de vacinação; - Deve-se avaliar o resultado dos exames complementares; - Devem ser feitas a revisão e a atualização do Cartão da Gestante e da Ficha de Pré-Natal; - Controle da Pressão Arterial; - Controle de Peso. Saúde da Mulher • Profa. Dra. Carla Marins
  • 40. PRÉ-NATAL Queixas Comuns na Gravidez: - Náuseas, vômitos e Tonturas - Pirose - Sialorréia - Fraquezas e Desmaios - Dor abdominal, cólicas, flatulência e obstipação intestinal - Hemorróidas - Corrimento vaginal - Queixas urinárias - Dispnéia Saúde da Mulher • Profa. Dra. Carla Marins
  • 41. PRÉ-NATAL Queixas Comuns na Gravidez: Saúde da Mulher • Profa. Dra. Carla Marins - Mastalgia - Lombalgia - Cefaléia - Varizes - Cãimbras - Cloasma Gravídico (manchas escuras no rosto) - Estrias