SlideShare uma empresa Scribd logo
FORMAÇÃO DE PROFESSORES
ALFABETIZADORES
ORIENTADORA DE ESTUDOS: NADYLVA
GUEDES
pautaBoas Vindas e Acolhida
Leitura Deleite
Informes sobre o Seminário Local
Exibição do vídeo “Interdisciplinaridade e transversalidade na Educação”.
Leitura e discussão do texto “Interdisciplinaridade no Ciclo de Alfabetização:
o trabalho com sequência didática” pág. 64 a 66
INTERVALO
Atividade em grupo:
Elaboração de uma sequência didática interdisciplinar, utilizando um dos
modelos apresentados ( Grupo de Genebra e Brousseau)
Socializando as atividades em grupo.
Leitura e discussão do texto: “Projeto Didático e Interdisciplinaridade no
Ciclo de Alfabetização” pág. 77 a 80
Avaliação
INFORMES PNAIC
SEMINÁRIO MUNICIPAL PNAIC
Data 15/ 04/16
Local: IEQ Sede
Hora: 08 ás 13
Obs.: Apresentações dos P.A – 15min
(cada)
Interdisciplinaridade no
Ciclo de Alfabetização:
o trabalho com
sequência didática
Ana Cláudia Rodrigues Gonçalves
Pessoa
• Conhecer, analisar e planejar formas de
organização do trabalho pedagógico como
possibilidades de realização de um trabalho
interdisciplinar, mais especificamente, por
meio de sequências didáticas e projetos no
Ciclo de Alfabetização.
• Dentre as diversas formas de organizar o
trabalho pedagógico, podemos citar o
trabalho com sequências didáticas. Para
Zabala (1998, p.18), sequência didática é “um
conjunto de atividades ordenadas,
estruturadas e articuladas para a realização de
certos objetivos educacionais, que têm um
princípio e um fim, conhecidos tanto pelos
professores como pelos alunos”.
•Um aspecto importante do uso das
sequências didáticas é a possibilidade de
desenvolver um trabalho interdisciplinar
e, desse modo, poder contemplar, por
meio de atividades diversificadas e
articuladas, variados componentes
curriculares.
•Mesmo planejada previamente, uma
sequência didática deve ter um
caráter flexível, de modo a permitir
que outras situações venham a ser
incorporadas ao processo, caso
alguns conhecimentos precisem ser
mais aprofundados.
• Dentre os modelos de sequência didática existentes,
discutiremos dois deles: um proposto por Dolz,
Noverraz e Schneuwly (2004), cujo objetivo
predominante é desenvolver o conhecimento de um
determinado gênero textual oral ou escrito; e o outro
proposto a partir das reflexões sobre situações
didáticas, realizadas por Brousseau (1996), com foco
em conteúdos específicos, podendo envolver um ou
mais componentes curriculares.
SD Modelo Grupo de Genebra
As atividades têm início com a APRESENTAÇÃO DA
SITUAÇÃO, que tem o objetivo de levar os alunos a
compreender a necessidade de aprendizagem do gênero que
será foco de trabalho. Essa seria uma forma de envolver os
alunos no que está sendo proposto.
Em seguida, solicita-se uma PRODUÇÃO INICIAL do
gênero, com o objetivo de diagnosticar o conhecimento dos
alunos, a fim de orientar as atividades a serem trabalhadas
nos MÓDULOS, que constituirão as etapas seguintes. Esses
módulos são compostos por diversas atividades articuladas,
que favorecem a construção de determinado(s)
conhecimento(s).
• No decorrer dos MÓDULOS, o professor pode
avaliar o avanço dos alunos e analisar a
necessidade de retomar ou ampliar algumas
discussões, de modo a contribuir com a
aprendizagem.
• Após o trabalho desenvolvido nos módulos com o
gênero textual, o aluno é colocado novamente na
situação de produção de texto (PRODUÇÃO
FINAL), revelando, assim, o conhecimento
construído ao longo dos módulos.
TEORIA DAS SITUAÇÕES
DIDÁTICAS, FORMULADA
POR GUY BROUSSEAU (1996).
•
DEVOLUÇÃO
SITUAÇÃO
DE
AÇÃO
SITUAÇÕES
DE
FORMULAÇÃO
SITUAÇÃO
DE
VALIDAÇÃO
SITUAÇÃO DE
INSTITUCIONALIZAÇÃO
DO SABER
• Brousseau (1996) classifica as situações didáticas
em 05 tipos distintos. Os quatro primeiros tipos têm
o objetivo de engajar o aluno na sua própria
aprendizagem, passando este, assim, a ser também
autor do processo e assumindo para si o problema a
ser resolvido.
• Os tipos são: a DEVOLUÇÃO, que corresponde ao
momento em que o professor divide com o aluno
uma parte da responsabilidade pela aprendizagem;
• a SITUAÇÃO DE AÇÃO, na qual o professor lança
para os alunos um problema a ser resolvido,
levando-os a reflexões e tentativas de resolução a
partir de seus conhecimentos prévios;
•as SITUAÇÕES DE FORMULAÇÃO, nas
quais, a partir de atividades ou sequência de
atividades, o aluno deve explicar para o grupo,
por meio de uma linguagem um pouco menos
coloquial do que a que costuma usar (não
necessariamente uma linguagem técnica), as
estratégias utilizadas para a resolução de um
determinado problema;
•e a SITUAÇÃO DE VALIDAÇÃO, que
corresponde a tentativas do aluno para
convencer o grupo de que suas informações
são verdadeiras, por meio da resolução de
outras atividades
•Por fim, na situação de institucionalização do
saber, a intenção didática do professor é revelada
aos alunos, cabendo a ele sistematizar as
produções/informações dos estudantes. por
meio da formalização e generalização dos
conhecimentos, do plano particular e individual,
para uma dimensão histórica e cultural mais
próxima do saber científico.
ATIVIDADE EM GRUPO
•Elaboração de uma sequência
didática interdisciplinar, utilizando um
dos modelos apresentados (Grupo de
Genebra e Brousseau)
Projeto Didático e
interdisciplinaridad
e
no Ciclo de
Alfabetização
Rosimeire Aparecida Moreira Peraro Ferreira
Telma Ferraz Leal
PONTO DE PARTIDA: A INTEGRAÇÃO ENTRE OS
DIFERENTES COMPONENTES CURRICULARES NA
ALFABETIZAÇÃO
Estudos de Frigotto (1995), Kleiman e Moraes (2009), dentre
outros, problematizam a fragmentação do saber instituído
pela Ciência moderna e apresentam diferentes
contribuições no campo da interdisciplinaridade,
evidenciando a importância de garantirem-se práticas
escolares em que os estudantes possam entender a
realidade em sua complexidade, mobilizando, nesse
sentido, conceitos oriundos dos diferentes campos do
saber.
• No entanto, ainda predominam na escola
práticas em que o tempo escolar é fatiado com
base na distribuição dos conteúdos em
disciplinas. Mesmo nos inúmeros casos em que
um mesmo conceito é tratado por diferentes
campos do saber científico, tal conceito não
aparece, nessas práticas, como objeto de ensino
interdisciplinar.
• Enfim, muitos conteúdos têm esse mesmo
tratamento escolar fragmentado e desarticulado.
É com tal concepção de ensino que muitos
pesquisadores e educadores têm tentado romper.
Defendemos, então, um currículo menos
fragmentado, em que os alunos possam estudar os
fenômenos humanos, sociais e da natureza
articulando as contribuições advindas dos
diferentes campos da Ciência e de outros espaços
sociais.
...São grandes os desafios do trabalho
interdisciplinar na sala de aula. Por um lado,
buscamos a garantia de aprendizagens
respeitando as especificidades de cada
componente curricular; por outro, buscamos
uma articulação entre os conhecimentos
advindos das diferentes áreas do conhecimento
científico; e ainda, por outro lado, buscamos a
articulação com os conhecimentos produzidos
fora da esfera da Ciência.
O ensino da leitura, da escrita, da
oralidade e de outras linguagens pode
desfazer os muros que separam as áreas e
construir as pontes necessárias ao diálogo
que favoreça a produção de sentidos para
o conhecimento escolar articulado aos
saberes e práticas sociais e culturais das
crianças.
É POR MEIO DA
LINGUAGEM QUE
SIGNIFICAMOS O
MUNDO E SOMOS POR
ELE SIGNIFICADOS.
• Partimos de uma concepção de que a
alfabetização na perspectiva do letramento é um
processo em que o aluno aprende a ler e a
escrever, mas também aprende por meio da
leitura e da escrita. Ele aprende sobre os
conteúdos tratados nos textos que lê ou escuta.
Assim, os textos não podem ser vistos, nessa
concepção, apenas como recurso para o ensino
de um suposto “código.”
Projeto didático e
interdisciplinaridade:
potencialidades para a
alfabetização na perspectiva do
letramento
ALGUMAS CARACTERÍSTICAS
CENTRAIS DO TRABALHO COM
PROJETOS:
1. O projeto é uma proposta de intervenção
pedagógica, que tem como base a pesquisa.
2. É uma atividade intencional e social, que contempla
um problema, objetivos e produtos concretos.
3. Aborda o conhecimento em uso:
 enfoca conhecimentos relevantes para resolver o problema proposto;
 considera efetivamente as competências e os conhecimentos prévios dos
alunos;
 promove a interdisciplinaridade;
 trata os conteúdos de forma dinâmica – aprendizagem significativa;
• trata os conteúdos de forma helicoidal, pois os conhecimentos são
retomados ao longo das etapas do projeto.
4. Exige participação dos estudantes em
todo o desenvolvimento das ações.
5. Estimula cooperação, com
responsabilidade mútua.
6. Estimula a autonomia e a iniciativa.
7. Exige produção autêntica, resultante das
decisões tomadas.
8. Contempla a divulgação dos trabalhos
•Os projetos didáticos delineiam situações-
problema que conduzem à investigação, à
busca de informações, à seleção e análise
de dados, aos registros, enfim, à produção
de conhecimentos sobre os temas
escolhidos. Esses procedimentos levam os
alunos a pensar sobre os conteúdos a serem
aprendidos, relacionando-os à realidade
com vistas a refletir sobre ela e nela intervir,
se necessário, para a sua transformação.
• As crianças precisam perceber que o que se
aprende na escola é importante para a vida.
Elas precisam se engajar em ações escolares
que possam gerar consequências para as
pessoas. O favorecimento das interações com a
comunidade no momento de socialização do
que é aprendido é uma das formas de dar
sentido ao próprio processo de escolarização.
CONSIDERAÇÕES
FINAIS
•Finalmente, podemos concluir que
projetos didáticos com os gêneros do
domínio jornalístico na alfabetização
propiciam não só a apropriação dos
conceitos fundantes dos componentes
curriculares, como também a
articulação do conhecimento escolar
com os saberes e práticas da
sociedade.
•Os projetos didáticos, por propiciarem
momentos de planejamento conjunto,
realização de atividades de modo
compartilhado e avaliação, também
favorecem o desenvolvimento da
autonomia das crianças, que se
tornam agentes ativos do próprio
processo educativo.
avaliação
QUE BOM!! QUE PENA!! QUE TAL?

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Metodologias ativas
Metodologias ativas Metodologias ativas
Teorias do curriculo
Teorias do curriculoTeorias do curriculo
Teorias do curriculo
Phrancisco Domiciano
 
1ª lista de exercícios de pesquisa operacional com gabarito
1ª lista de exercícios de pesquisa operacional   com gabarito1ª lista de exercícios de pesquisa operacional   com gabarito
1ª lista de exercícios de pesquisa operacional com gabarito
Antonio Rodrigues
 
Dinâmica para exercitar e aumentar a criatividade
Dinâmica para exercitar e aumentar a criatividadeDinâmica para exercitar e aumentar a criatividade
Dinâmica para exercitar e aumentar a criatividade
André Augusto Toneti
 
TENDÊNCIAS PEDAGOGICAS NA PRÁTICA ESCOLAR
TENDÊNCIAS PEDAGOGICAS NA PRÁTICA ESCOLARTENDÊNCIAS PEDAGOGICAS NA PRÁTICA ESCOLAR
TENDÊNCIAS PEDAGOGICAS NA PRÁTICA ESCOLAR
Andrea Maria de Jesus
 
24 procedimentos didáticos e ténicas de pesquisa
24 procedimentos didáticos e ténicas de pesquisa24 procedimentos didáticos e ténicas de pesquisa
24 procedimentos didáticos e ténicas de pesquisa
Joao Balbi
 
Modelo de Projeto de Pesquisa
Modelo de Projeto de PesquisaModelo de Projeto de Pesquisa
Modelo de Projeto de Pesquisa
José Antonio Ferreira da Silva
 
Modelo relato de experiencia
Modelo relato de experienciaModelo relato de experiencia
Modelo relato de experiencia
Ézio José Campos Filho
 
Estagio diferentes concepções
Estagio diferentes concepçõesEstagio diferentes concepções
Estagio diferentes concepções
Kênia Bomtempo
 
LIVRO DE ATIVIDADES DESPLUGADAS v1.pdf
LIVRO DE ATIVIDADES DESPLUGADAS v1.pdfLIVRO DE ATIVIDADES DESPLUGADAS v1.pdf
LIVRO DE ATIVIDADES DESPLUGADAS v1.pdf
EMERSONMUNIZDECARVAL
 
Resenha crítica modelo
Resenha crítica   modeloResenha crítica   modelo
Resenha crítica modelo
taise_paz
 
Plano de tutoria e avaliacao grupo debora castanha, michelle siquet, paloma...
Plano de tutoria e avaliacao grupo debora castanha,   michelle siquet, paloma...Plano de tutoria e avaliacao grupo debora castanha,   michelle siquet, paloma...
Plano de tutoria e avaliacao grupo debora castanha, michelle siquet, paloma...
micsquize
 
Apresentação Programa cultura empreendedora nas instituições de ensino modulo...
Apresentação Programa cultura empreendedora nas instituições de ensino modulo...Apresentação Programa cultura empreendedora nas instituições de ensino modulo...
Apresentação Programa cultura empreendedora nas instituições de ensino modulo...
Conspiração Mineira pela Educação
 
Modelo de artigo cientifico
Modelo de artigo cientificoModelo de artigo cientifico
O que é e Como Montar uma Oficina Pedagógica?
O que é e Como Montar uma Oficina Pedagógica?O que é e Como Montar uma Oficina Pedagógica?
O que é e Como Montar uma Oficina Pedagógica?
Adilson P Motta Motta
 
Mídias na Educação
Mídias na EducaçãoMídias na Educação
Mídias na Educação
Marinessacardo
 
Aula empreendedorismo
Aula empreendedorismoAula empreendedorismo
Aula empreendedorismo
José Marques Pereira Junior
 
Slide 1 formação de professores princípios e estratégias formativas
Slide 1   formação de professores princípios e estratégias formativasSlide 1   formação de professores princípios e estratégias formativas
Slide 1 formação de professores princípios e estratégias formativas
Shirley Lauria
 
Tendências Pedagógicas
Tendências PedagógicasTendências Pedagógicas
Tendências Pedagógicas
Marcelo Assis
 
Pedagogia e educação
Pedagogia e educaçãoPedagogia e educação
Pedagogia e educação
José Barros
 

Mais procurados (20)

Metodologias ativas
Metodologias ativas Metodologias ativas
Metodologias ativas
 
Teorias do curriculo
Teorias do curriculoTeorias do curriculo
Teorias do curriculo
 
1ª lista de exercícios de pesquisa operacional com gabarito
1ª lista de exercícios de pesquisa operacional   com gabarito1ª lista de exercícios de pesquisa operacional   com gabarito
1ª lista de exercícios de pesquisa operacional com gabarito
 
Dinâmica para exercitar e aumentar a criatividade
Dinâmica para exercitar e aumentar a criatividadeDinâmica para exercitar e aumentar a criatividade
Dinâmica para exercitar e aumentar a criatividade
 
TENDÊNCIAS PEDAGOGICAS NA PRÁTICA ESCOLAR
TENDÊNCIAS PEDAGOGICAS NA PRÁTICA ESCOLARTENDÊNCIAS PEDAGOGICAS NA PRÁTICA ESCOLAR
TENDÊNCIAS PEDAGOGICAS NA PRÁTICA ESCOLAR
 
24 procedimentos didáticos e ténicas de pesquisa
24 procedimentos didáticos e ténicas de pesquisa24 procedimentos didáticos e ténicas de pesquisa
24 procedimentos didáticos e ténicas de pesquisa
 
Modelo de Projeto de Pesquisa
Modelo de Projeto de PesquisaModelo de Projeto de Pesquisa
Modelo de Projeto de Pesquisa
 
Modelo relato de experiencia
Modelo relato de experienciaModelo relato de experiencia
Modelo relato de experiencia
 
Estagio diferentes concepções
Estagio diferentes concepçõesEstagio diferentes concepções
Estagio diferentes concepções
 
LIVRO DE ATIVIDADES DESPLUGADAS v1.pdf
LIVRO DE ATIVIDADES DESPLUGADAS v1.pdfLIVRO DE ATIVIDADES DESPLUGADAS v1.pdf
LIVRO DE ATIVIDADES DESPLUGADAS v1.pdf
 
Resenha crítica modelo
Resenha crítica   modeloResenha crítica   modelo
Resenha crítica modelo
 
Plano de tutoria e avaliacao grupo debora castanha, michelle siquet, paloma...
Plano de tutoria e avaliacao grupo debora castanha,   michelle siquet, paloma...Plano de tutoria e avaliacao grupo debora castanha,   michelle siquet, paloma...
Plano de tutoria e avaliacao grupo debora castanha, michelle siquet, paloma...
 
Apresentação Programa cultura empreendedora nas instituições de ensino modulo...
Apresentação Programa cultura empreendedora nas instituições de ensino modulo...Apresentação Programa cultura empreendedora nas instituições de ensino modulo...
Apresentação Programa cultura empreendedora nas instituições de ensino modulo...
 
Modelo de artigo cientifico
Modelo de artigo cientificoModelo de artigo cientifico
Modelo de artigo cientifico
 
O que é e Como Montar uma Oficina Pedagógica?
O que é e Como Montar uma Oficina Pedagógica?O que é e Como Montar uma Oficina Pedagógica?
O que é e Como Montar uma Oficina Pedagógica?
 
Mídias na Educação
Mídias na EducaçãoMídias na Educação
Mídias na Educação
 
Aula empreendedorismo
Aula empreendedorismoAula empreendedorismo
Aula empreendedorismo
 
Slide 1 formação de professores princípios e estratégias formativas
Slide 1   formação de professores princípios e estratégias formativasSlide 1   formação de professores princípios e estratégias formativas
Slide 1 formação de professores princípios e estratégias formativas
 
Tendências Pedagógicas
Tendências PedagógicasTendências Pedagógicas
Tendências Pedagógicas
 
Pedagogia e educação
Pedagogia e educaçãoPedagogia e educação
Pedagogia e educação
 

Destaque

Redação 1 - gêneros e tipos textuais
Redação 1 - gêneros e tipos textuaisRedação 1 - gêneros e tipos textuais
Redação 1 - gêneros e tipos textuais
Maria Glalcy Fequetia Dalcim
 
2ª formação - Matemática
2ª formação - Matemática2ª formação - Matemática
2ª formação - Matemática
PNAIC UFSCar
 
Relatório PNAIC FRANCISCO
Relatório PNAIC FRANCISCORelatório PNAIC FRANCISCO
Relatório PNAIC FRANCISCO
FRANCISCO FERREIRA
 
2ª formação leitura e escrita
2ª formação   leitura e escrita2ª formação   leitura e escrita
2ª formação leitura e escrita
PNAIC UFSCar
 
2ª formação pnaic 2016
2ª formação pnaic 20162ª formação pnaic 2016
2ª formação pnaic 2016
educacao sao roque
 
Formação de professores alfabetizadores pnaic
Formação de professores alfabetizadores pnaicFormação de professores alfabetizadores pnaic
Formação de professores alfabetizadores pnaic
Raquel Caparroz
 
2ª formação - Avaliaçâo
2ª formação - Avaliaçâo2ª formação - Avaliaçâo
2ª formação - Avaliaçâo
PNAIC UFSCar
 
1ª formação - Matemática
1ª formação - Matemática1ª formação - Matemática
1ª formação - Matemática
PNAIC UFSCar
 
2ª formação formação em serviço
2ª formação   formação em serviço2ª formação   formação em serviço
2ª formação formação em serviço
PNAIC UFSCar
 
Pnaic – 2016 1 encontro
Pnaic – 2016   1 encontroPnaic – 2016   1 encontro
Pnaic – 2016 1 encontro
Tatiana Schiavon
 
1ª formação - Avaliação
1ª formação - Avaliação1ª formação - Avaliação
1ª formação - Avaliação
PNAIC UFSCar
 
3. sequencias e projetos didátic
3. sequencias e projetos didátic3. sequencias e projetos didátic
3. sequencias e projetos didátic
ntebrusque
 
Livreto Pacto
Livreto PactoLivreto Pacto
Livreto Pacto
Fabiana Barbom Mendes
 
1ª formação - Leitura e Escrita
1ª formação - Leitura e Escrita1ª formação - Leitura e Escrita
1ª formação - Leitura e Escrita
PNAIC UFSCar
 
1ª formação - Formação em Serviço
1ª formação - Formação em Serviço1ª formação - Formação em Serviço
1ª formação - Formação em Serviço
PNAIC UFSCar
 
SEMINÁRIO FINAL DO PNAIC (2013)
SEMINÁRIO FINAL DO PNAIC (2013)SEMINÁRIO FINAL DO PNAIC (2013)
SEMINÁRIO FINAL DO PNAIC (2013)
educacaodetodos
 
Resumo das ações PNAIC 2015
Resumo das ações PNAIC 2015Resumo das ações PNAIC 2015
Resumo das ações PNAIC 2015
Luana Maria Ferreira Fernandes
 
Pacto nacional para a alfabetização na idade certa
Pacto nacional para a alfabetização na idade certaPacto nacional para a alfabetização na idade certa
Pacto nacional para a alfabetização na idade certa
Raquel Caparroz
 
Unidade 3 texto 2 - O ENSINO DO SISTEMA DE ESCRITA ALFABÉTICA NO 2º ANO D...
Unidade 3   texto 2 - O ENSINO  DO SISTEMA DE  ESCRITA ALFABÉTICA NO 2º ANO D...Unidade 3   texto 2 - O ENSINO  DO SISTEMA DE  ESCRITA ALFABÉTICA NO 2º ANO D...
Unidade 3 texto 2 - O ENSINO DO SISTEMA DE ESCRITA ALFABÉTICA NO 2º ANO D...
Bete Feliciano
 
PNAIC-Tabelas com os Direitos de aprendizagem
PNAIC-Tabelas com os Direitos de aprendizagem PNAIC-Tabelas com os Direitos de aprendizagem
PNAIC-Tabelas com os Direitos de aprendizagem
Graça Sousa
 

Destaque (20)

Redação 1 - gêneros e tipos textuais
Redação 1 - gêneros e tipos textuaisRedação 1 - gêneros e tipos textuais
Redação 1 - gêneros e tipos textuais
 
2ª formação - Matemática
2ª formação - Matemática2ª formação - Matemática
2ª formação - Matemática
 
Relatório PNAIC FRANCISCO
Relatório PNAIC FRANCISCORelatório PNAIC FRANCISCO
Relatório PNAIC FRANCISCO
 
2ª formação leitura e escrita
2ª formação   leitura e escrita2ª formação   leitura e escrita
2ª formação leitura e escrita
 
2ª formação pnaic 2016
2ª formação pnaic 20162ª formação pnaic 2016
2ª formação pnaic 2016
 
Formação de professores alfabetizadores pnaic
Formação de professores alfabetizadores pnaicFormação de professores alfabetizadores pnaic
Formação de professores alfabetizadores pnaic
 
2ª formação - Avaliaçâo
2ª formação - Avaliaçâo2ª formação - Avaliaçâo
2ª formação - Avaliaçâo
 
1ª formação - Matemática
1ª formação - Matemática1ª formação - Matemática
1ª formação - Matemática
 
2ª formação formação em serviço
2ª formação   formação em serviço2ª formação   formação em serviço
2ª formação formação em serviço
 
Pnaic – 2016 1 encontro
Pnaic – 2016   1 encontroPnaic – 2016   1 encontro
Pnaic – 2016 1 encontro
 
1ª formação - Avaliação
1ª formação - Avaliação1ª formação - Avaliação
1ª formação - Avaliação
 
3. sequencias e projetos didátic
3. sequencias e projetos didátic3. sequencias e projetos didátic
3. sequencias e projetos didátic
 
Livreto Pacto
Livreto PactoLivreto Pacto
Livreto Pacto
 
1ª formação - Leitura e Escrita
1ª formação - Leitura e Escrita1ª formação - Leitura e Escrita
1ª formação - Leitura e Escrita
 
1ª formação - Formação em Serviço
1ª formação - Formação em Serviço1ª formação - Formação em Serviço
1ª formação - Formação em Serviço
 
SEMINÁRIO FINAL DO PNAIC (2013)
SEMINÁRIO FINAL DO PNAIC (2013)SEMINÁRIO FINAL DO PNAIC (2013)
SEMINÁRIO FINAL DO PNAIC (2013)
 
Resumo das ações PNAIC 2015
Resumo das ações PNAIC 2015Resumo das ações PNAIC 2015
Resumo das ações PNAIC 2015
 
Pacto nacional para a alfabetização na idade certa
Pacto nacional para a alfabetização na idade certaPacto nacional para a alfabetização na idade certa
Pacto nacional para a alfabetização na idade certa
 
Unidade 3 texto 2 - O ENSINO DO SISTEMA DE ESCRITA ALFABÉTICA NO 2º ANO D...
Unidade 3   texto 2 - O ENSINO  DO SISTEMA DE  ESCRITA ALFABÉTICA NO 2º ANO D...Unidade 3   texto 2 - O ENSINO  DO SISTEMA DE  ESCRITA ALFABÉTICA NO 2º ANO D...
Unidade 3 texto 2 - O ENSINO DO SISTEMA DE ESCRITA ALFABÉTICA NO 2º ANO D...
 
PNAIC-Tabelas com os Direitos de aprendizagem
PNAIC-Tabelas com os Direitos de aprendizagem PNAIC-Tabelas com os Direitos de aprendizagem
PNAIC-Tabelas com os Direitos de aprendizagem
 

Semelhante a 3 formação pnaic

Slides
SlidesSlides
Projetos
ProjetosProjetos
Ot historia 2011
Ot historia 2011Ot historia 2011
Ot historia 2011
Afonso Reis
 
slide_11Tipos de metodologias ativas.pptx
slide_11Tipos de metodologias ativas.pptxslide_11Tipos de metodologias ativas.pptx
slide_11Tipos de metodologias ativas.pptx
Danillo Silva Guimarães
 
Material Didatico Em Ead Joao Jose Saraiva Da Fonseca
Material Didatico Em Ead Joao Jose Saraiva Da FonsecaMaterial Didatico Em Ead Joao Jose Saraiva Da Fonseca
Material Didatico Em Ead Joao Jose Saraiva Da Fonseca
joao jose saraiva da fonseca
 
Manha.ppt
 Manha.ppt Manha.ppt
Manha.ppt
Marcia pereira
 
Utilidade, Valor e Aplicabilidade da Interdisciplinaridade.
Utilidade, Valor e Aplicabilidade da Interdisciplinaridade. Utilidade, Valor e Aplicabilidade da Interdisciplinaridade.
Utilidade, Valor e Aplicabilidade da Interdisciplinaridade.
Bruno Djvan Ramos Barbosa
 
Unidade seis
Unidade seisUnidade seis
Unidade seis
Andreá Perez Leinat
 
A aprendizagem no contexto da metodologia de projetos
A aprendizagem no contexto da metodologia de projetosA aprendizagem no contexto da metodologia de projetos
A aprendizagem no contexto da metodologia de projetos
Edeilson Silva
 
A base nacional comum curricular e as práticas pedagógicas – licenciaturas se...
A base nacional comum curricular e as práticas pedagógicas – licenciaturas se...A base nacional comum curricular e as práticas pedagógicas – licenciaturas se...
A base nacional comum curricular e as práticas pedagógicas – licenciaturas se...
HELENO FAVACHO
 
1. zabala. prática educativa prof. iara
1. zabala. prática educativa prof. iara1. zabala. prática educativa prof. iara
1. zabala. prática educativa prof. iara
Claudia Andrade
 
Zabala. Peb Ii Estado 26.11.09
Zabala. Peb Ii Estado 26.11.09Zabala. Peb Ii Estado 26.11.09
Zabala. Peb Ii Estado 26.11.09
Andrea Cortelazzi
 
Orientações para elaboração de projetos na rede municipal de ensino de Piratuba
Orientações para elaboração de projetos na rede municipal de ensino de PiratubaOrientações para elaboração de projetos na rede municipal de ensino de Piratuba
Orientações para elaboração de projetos na rede municipal de ensino de Piratuba
Claudia Jung
 
Orientações para projetos na rede municipal de ensino de Piratuba
Orientações para projetos na rede municipal de ensino de PiratubaOrientações para projetos na rede municipal de ensino de Piratuba
Orientações para projetos na rede municipal de ensino de Piratuba
Claudia Jung
 
Unidade 6 projetos
Unidade 6   projetosUnidade 6   projetos
Unidade 6 projetos
Elia Rejany
 
1363970315927(1)
1363970315927(1)1363970315927(1)
1363970315927(1)
Rodrigo Ggomes
 
Apresentação inicial agosto
Apresentação inicial agostoApresentação inicial agosto
Apresentação inicial agosto
Elvira Aliceda
 
Projeto Carta do Leitor
Projeto Carta do LeitorProjeto Carta do Leitor
Projeto Carta do Leitor
Ana Luiza Lima
 
Planejamento do ensino
Planejamento do ensinoPlanejamento do ensino
Planejamento do ensino
Caroline Marino
 
Slide 6encontro
Slide 6encontroSlide 6encontro
Slide 6encontro
Naysa Taboada
 

Semelhante a 3 formação pnaic (20)

Slides
SlidesSlides
Slides
 
Projetos
ProjetosProjetos
Projetos
 
Ot historia 2011
Ot historia 2011Ot historia 2011
Ot historia 2011
 
slide_11Tipos de metodologias ativas.pptx
slide_11Tipos de metodologias ativas.pptxslide_11Tipos de metodologias ativas.pptx
slide_11Tipos de metodologias ativas.pptx
 
Material Didatico Em Ead Joao Jose Saraiva Da Fonseca
Material Didatico Em Ead Joao Jose Saraiva Da FonsecaMaterial Didatico Em Ead Joao Jose Saraiva Da Fonseca
Material Didatico Em Ead Joao Jose Saraiva Da Fonseca
 
Manha.ppt
 Manha.ppt Manha.ppt
Manha.ppt
 
Utilidade, Valor e Aplicabilidade da Interdisciplinaridade.
Utilidade, Valor e Aplicabilidade da Interdisciplinaridade. Utilidade, Valor e Aplicabilidade da Interdisciplinaridade.
Utilidade, Valor e Aplicabilidade da Interdisciplinaridade.
 
Unidade seis
Unidade seisUnidade seis
Unidade seis
 
A aprendizagem no contexto da metodologia de projetos
A aprendizagem no contexto da metodologia de projetosA aprendizagem no contexto da metodologia de projetos
A aprendizagem no contexto da metodologia de projetos
 
A base nacional comum curricular e as práticas pedagógicas – licenciaturas se...
A base nacional comum curricular e as práticas pedagógicas – licenciaturas se...A base nacional comum curricular e as práticas pedagógicas – licenciaturas se...
A base nacional comum curricular e as práticas pedagógicas – licenciaturas se...
 
1. zabala. prática educativa prof. iara
1. zabala. prática educativa prof. iara1. zabala. prática educativa prof. iara
1. zabala. prática educativa prof. iara
 
Zabala. Peb Ii Estado 26.11.09
Zabala. Peb Ii Estado 26.11.09Zabala. Peb Ii Estado 26.11.09
Zabala. Peb Ii Estado 26.11.09
 
Orientações para elaboração de projetos na rede municipal de ensino de Piratuba
Orientações para elaboração de projetos na rede municipal de ensino de PiratubaOrientações para elaboração de projetos na rede municipal de ensino de Piratuba
Orientações para elaboração de projetos na rede municipal de ensino de Piratuba
 
Orientações para projetos na rede municipal de ensino de Piratuba
Orientações para projetos na rede municipal de ensino de PiratubaOrientações para projetos na rede municipal de ensino de Piratuba
Orientações para projetos na rede municipal de ensino de Piratuba
 
Unidade 6 projetos
Unidade 6   projetosUnidade 6   projetos
Unidade 6 projetos
 
1363970315927(1)
1363970315927(1)1363970315927(1)
1363970315927(1)
 
Apresentação inicial agosto
Apresentação inicial agostoApresentação inicial agosto
Apresentação inicial agosto
 
Projeto Carta do Leitor
Projeto Carta do LeitorProjeto Carta do Leitor
Projeto Carta do Leitor
 
Planejamento do ensino
Planejamento do ensinoPlanejamento do ensino
Planejamento do ensino
 
Slide 6encontro
Slide 6encontroSlide 6encontro
Slide 6encontro
 

Último

A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
HisrelBlog
 
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTALPlanejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
katbrochier1
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
TiagoLouro8
 
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdfUFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
Manuais Formação
 
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdfAula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Marília Pacheco
 
Curativo de cateter venoso central na UTI.pdf
Curativo de cateter venoso central na UTI.pdfCurativo de cateter venoso central na UTI.pdf
Curativo de cateter venoso central na UTI.pdf
BiancaCristina75
 
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptxTREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
erssstcontato
 
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica BasicaExercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
ElinarioCosta
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
fagnerlopes11
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Mary Alvarenga
 
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.pptFUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
MarceloMonteiro213738
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
ARIADNEMARTINSDACRUZ
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
Crisnaiara
 
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
AntonioLobosco3
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
joaresmonte3
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
JoanaFigueira11
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
Manuais Formação
 

Último (20)

A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
 
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTALPlanejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
 
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdfUFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
 
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdfAula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
 
Curativo de cateter venoso central na UTI.pdf
Curativo de cateter venoso central na UTI.pdfCurativo de cateter venoso central na UTI.pdf
Curativo de cateter venoso central na UTI.pdf
 
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptxTREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
 
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica BasicaExercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
 
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.pptFUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
 
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
 

3 formação pnaic

  • 2. pautaBoas Vindas e Acolhida Leitura Deleite Informes sobre o Seminário Local Exibição do vídeo “Interdisciplinaridade e transversalidade na Educação”. Leitura e discussão do texto “Interdisciplinaridade no Ciclo de Alfabetização: o trabalho com sequência didática” pág. 64 a 66 INTERVALO Atividade em grupo: Elaboração de uma sequência didática interdisciplinar, utilizando um dos modelos apresentados ( Grupo de Genebra e Brousseau) Socializando as atividades em grupo. Leitura e discussão do texto: “Projeto Didático e Interdisciplinaridade no Ciclo de Alfabetização” pág. 77 a 80 Avaliação
  • 3. INFORMES PNAIC SEMINÁRIO MUNICIPAL PNAIC Data 15/ 04/16 Local: IEQ Sede Hora: 08 ás 13 Obs.: Apresentações dos P.A – 15min (cada)
  • 4. Interdisciplinaridade no Ciclo de Alfabetização: o trabalho com sequência didática Ana Cláudia Rodrigues Gonçalves Pessoa
  • 5. • Conhecer, analisar e planejar formas de organização do trabalho pedagógico como possibilidades de realização de um trabalho interdisciplinar, mais especificamente, por meio de sequências didáticas e projetos no Ciclo de Alfabetização.
  • 6. • Dentre as diversas formas de organizar o trabalho pedagógico, podemos citar o trabalho com sequências didáticas. Para Zabala (1998, p.18), sequência didática é “um conjunto de atividades ordenadas, estruturadas e articuladas para a realização de certos objetivos educacionais, que têm um princípio e um fim, conhecidos tanto pelos professores como pelos alunos”.
  • 7. •Um aspecto importante do uso das sequências didáticas é a possibilidade de desenvolver um trabalho interdisciplinar e, desse modo, poder contemplar, por meio de atividades diversificadas e articuladas, variados componentes curriculares.
  • 8. •Mesmo planejada previamente, uma sequência didática deve ter um caráter flexível, de modo a permitir que outras situações venham a ser incorporadas ao processo, caso alguns conhecimentos precisem ser mais aprofundados.
  • 9. • Dentre os modelos de sequência didática existentes, discutiremos dois deles: um proposto por Dolz, Noverraz e Schneuwly (2004), cujo objetivo predominante é desenvolver o conhecimento de um determinado gênero textual oral ou escrito; e o outro proposto a partir das reflexões sobre situações didáticas, realizadas por Brousseau (1996), com foco em conteúdos específicos, podendo envolver um ou mais componentes curriculares.
  • 10. SD Modelo Grupo de Genebra
  • 11. As atividades têm início com a APRESENTAÇÃO DA SITUAÇÃO, que tem o objetivo de levar os alunos a compreender a necessidade de aprendizagem do gênero que será foco de trabalho. Essa seria uma forma de envolver os alunos no que está sendo proposto. Em seguida, solicita-se uma PRODUÇÃO INICIAL do gênero, com o objetivo de diagnosticar o conhecimento dos alunos, a fim de orientar as atividades a serem trabalhadas nos MÓDULOS, que constituirão as etapas seguintes. Esses módulos são compostos por diversas atividades articuladas, que favorecem a construção de determinado(s) conhecimento(s).
  • 12. • No decorrer dos MÓDULOS, o professor pode avaliar o avanço dos alunos e analisar a necessidade de retomar ou ampliar algumas discussões, de modo a contribuir com a aprendizagem. • Após o trabalho desenvolvido nos módulos com o gênero textual, o aluno é colocado novamente na situação de produção de texto (PRODUÇÃO FINAL), revelando, assim, o conhecimento construído ao longo dos módulos.
  • 13. TEORIA DAS SITUAÇÕES DIDÁTICAS, FORMULADA POR GUY BROUSSEAU (1996).
  • 15. • Brousseau (1996) classifica as situações didáticas em 05 tipos distintos. Os quatro primeiros tipos têm o objetivo de engajar o aluno na sua própria aprendizagem, passando este, assim, a ser também autor do processo e assumindo para si o problema a ser resolvido. • Os tipos são: a DEVOLUÇÃO, que corresponde ao momento em que o professor divide com o aluno uma parte da responsabilidade pela aprendizagem;
  • 16. • a SITUAÇÃO DE AÇÃO, na qual o professor lança para os alunos um problema a ser resolvido, levando-os a reflexões e tentativas de resolução a partir de seus conhecimentos prévios;
  • 17. •as SITUAÇÕES DE FORMULAÇÃO, nas quais, a partir de atividades ou sequência de atividades, o aluno deve explicar para o grupo, por meio de uma linguagem um pouco menos coloquial do que a que costuma usar (não necessariamente uma linguagem técnica), as estratégias utilizadas para a resolução de um determinado problema;
  • 18. •e a SITUAÇÃO DE VALIDAÇÃO, que corresponde a tentativas do aluno para convencer o grupo de que suas informações são verdadeiras, por meio da resolução de outras atividades
  • 19. •Por fim, na situação de institucionalização do saber, a intenção didática do professor é revelada aos alunos, cabendo a ele sistematizar as produções/informações dos estudantes. por meio da formalização e generalização dos conhecimentos, do plano particular e individual, para uma dimensão histórica e cultural mais próxima do saber científico.
  • 20. ATIVIDADE EM GRUPO •Elaboração de uma sequência didática interdisciplinar, utilizando um dos modelos apresentados (Grupo de Genebra e Brousseau)
  • 21. Projeto Didático e interdisciplinaridad e no Ciclo de Alfabetização Rosimeire Aparecida Moreira Peraro Ferreira Telma Ferraz Leal
  • 22. PONTO DE PARTIDA: A INTEGRAÇÃO ENTRE OS DIFERENTES COMPONENTES CURRICULARES NA ALFABETIZAÇÃO Estudos de Frigotto (1995), Kleiman e Moraes (2009), dentre outros, problematizam a fragmentação do saber instituído pela Ciência moderna e apresentam diferentes contribuições no campo da interdisciplinaridade, evidenciando a importância de garantirem-se práticas escolares em que os estudantes possam entender a realidade em sua complexidade, mobilizando, nesse sentido, conceitos oriundos dos diferentes campos do saber.
  • 23. • No entanto, ainda predominam na escola práticas em que o tempo escolar é fatiado com base na distribuição dos conteúdos em disciplinas. Mesmo nos inúmeros casos em que um mesmo conceito é tratado por diferentes campos do saber científico, tal conceito não aparece, nessas práticas, como objeto de ensino interdisciplinar.
  • 24. • Enfim, muitos conteúdos têm esse mesmo tratamento escolar fragmentado e desarticulado. É com tal concepção de ensino que muitos pesquisadores e educadores têm tentado romper. Defendemos, então, um currículo menos fragmentado, em que os alunos possam estudar os fenômenos humanos, sociais e da natureza articulando as contribuições advindas dos diferentes campos da Ciência e de outros espaços sociais.
  • 25. ...São grandes os desafios do trabalho interdisciplinar na sala de aula. Por um lado, buscamos a garantia de aprendizagens respeitando as especificidades de cada componente curricular; por outro, buscamos uma articulação entre os conhecimentos advindos das diferentes áreas do conhecimento científico; e ainda, por outro lado, buscamos a articulação com os conhecimentos produzidos fora da esfera da Ciência.
  • 26. O ensino da leitura, da escrita, da oralidade e de outras linguagens pode desfazer os muros que separam as áreas e construir as pontes necessárias ao diálogo que favoreça a produção de sentidos para o conhecimento escolar articulado aos saberes e práticas sociais e culturais das crianças.
  • 27. É POR MEIO DA LINGUAGEM QUE SIGNIFICAMOS O MUNDO E SOMOS POR ELE SIGNIFICADOS.
  • 28. • Partimos de uma concepção de que a alfabetização na perspectiva do letramento é um processo em que o aluno aprende a ler e a escrever, mas também aprende por meio da leitura e da escrita. Ele aprende sobre os conteúdos tratados nos textos que lê ou escuta. Assim, os textos não podem ser vistos, nessa concepção, apenas como recurso para o ensino de um suposto “código.”
  • 29. Projeto didático e interdisciplinaridade: potencialidades para a alfabetização na perspectiva do letramento
  • 30. ALGUMAS CARACTERÍSTICAS CENTRAIS DO TRABALHO COM PROJETOS:
  • 31. 1. O projeto é uma proposta de intervenção pedagógica, que tem como base a pesquisa. 2. É uma atividade intencional e social, que contempla um problema, objetivos e produtos concretos. 3. Aborda o conhecimento em uso:  enfoca conhecimentos relevantes para resolver o problema proposto;  considera efetivamente as competências e os conhecimentos prévios dos alunos;  promove a interdisciplinaridade;  trata os conteúdos de forma dinâmica – aprendizagem significativa; • trata os conteúdos de forma helicoidal, pois os conhecimentos são retomados ao longo das etapas do projeto.
  • 32. 4. Exige participação dos estudantes em todo o desenvolvimento das ações. 5. Estimula cooperação, com responsabilidade mútua. 6. Estimula a autonomia e a iniciativa. 7. Exige produção autêntica, resultante das decisões tomadas. 8. Contempla a divulgação dos trabalhos
  • 33. •Os projetos didáticos delineiam situações- problema que conduzem à investigação, à busca de informações, à seleção e análise de dados, aos registros, enfim, à produção de conhecimentos sobre os temas escolhidos. Esses procedimentos levam os alunos a pensar sobre os conteúdos a serem aprendidos, relacionando-os à realidade com vistas a refletir sobre ela e nela intervir, se necessário, para a sua transformação.
  • 34. • As crianças precisam perceber que o que se aprende na escola é importante para a vida. Elas precisam se engajar em ações escolares que possam gerar consequências para as pessoas. O favorecimento das interações com a comunidade no momento de socialização do que é aprendido é uma das formas de dar sentido ao próprio processo de escolarização.
  • 36. •Finalmente, podemos concluir que projetos didáticos com os gêneros do domínio jornalístico na alfabetização propiciam não só a apropriação dos conceitos fundantes dos componentes curriculares, como também a articulação do conhecimento escolar com os saberes e práticas da sociedade.
  • 37. •Os projetos didáticos, por propiciarem momentos de planejamento conjunto, realização de atividades de modo compartilhado e avaliação, também favorecem o desenvolvimento da autonomia das crianças, que se tornam agentes ativos do próprio processo educativo.
  • 38. avaliação QUE BOM!! QUE PENA!! QUE TAL?

Notas do Editor

  1. Por exemplo, os planetas são estudados em Ciências e em Geografia, de modo independente. Do mesmo modo, as profissões são tratadas em Geografia e em História. A geometria é tratada em Matemática e em Arte.
  2. Apesar de defendermos essa busca pela integração entre os componentes curriculares, reconhecemos que cada um desses componentes (Língua Portuguesa, Arte, História, Geografia, Matemática, Ciências) tem modos particulares de investigação e olhares diferentes sobre os fenômenos estudados. Alertamos, portanto, para a necessidade de não perder tais especificidades, garantindo, no entanto, a articulação entre as diferentes áreas de estudo e a articulação entre o que é produzido no campo da Ciência e os saberes de outras esferas da sociedade, com vistas à produção de sentidos para o conhecimento produzido dentro e fora da escola.
  3. Assim, um primeiro passo para estabelecermos um trabalho interdisciplinar na alfabetização é reconhecermos que, neste período de escolarização, temos que garantir a aprendizagem do sistema de escrita alfabética de modo simultâneo e articulado ao desenvolvimento das capacidades de leitura e produção de textos.
  4. Defendemos de forma veemente o uso de textos autênticos no processo de alfabetização, ou seja, de textos que circulem na sociedade. O uso de textos cartilhados, adaptados, fragmentados, com repetição de padrões silábicos, não colabora para a garantia de um ensino de fato significativo e interdisciplinar.
  5. A Pedagogia de Projetos, proposta em diferentes momentos da história da Educação – como, por exemplo, nas discussões realizadas por Dewey (1959), no início do século XX – parece ainda atual, na medida em que propõe uma mudança na maneira de refletir sobre a escola e o currículo escolar, ao mesmo tempo em que permite uma abordagem interdisciplinar da prática pedagógica.
  6. helicoidal: palavra derivada de hélice. Aquilo que repete movimentos circulares, em espiral, da hélice.
  7. O trabalho pedagógico com projetos didáticos, portanto, valoriza a participação de alunos e professores nos processos de ensinar e aprender. Mais que isso, é uma forma de ação educativa que pode favorecer a articulação de diferentes grupos/ pessoas, no interior da escola.
  8. É necessário romper com a fragmentação do currículo e buscar conhecimentos relativos a diferentes áreas de conhecimento, para que os problemas sejam resolvidos. A interdisciplinaridade, portanto, é princípio fundante do trabalho com projetos didáticos.