SlideShare uma empresa Scribd logo
www.fee.rs.gov.br
2016: o ano da
recuperação?
Caxias do Sul,
28 de setembro de 2015
www.fee.rs.gov.br
 Cenário Econômico Nacional
 O que nos trouxe a essa situação econômica?
 O esgotamento do modelo.
 Como estamos?
 Uma economia fraca.
 Quais os riscos e para onde vamos?
 Nova década perdida?
www.fee.rs.gov.br
Fonte: IBGE. FMI. *Zona do Euro.
PIB – Brasil
(Var. % anual)
Sinais de
esgotamento
do modelo?
6,0
5,0
-0,2
7,6
3,9
1,8
2,7
0,1
-2,8
-1,0
2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015*2016*
www.fee.rs.gov.br
Fonte: IBGE.
Sinais de
esgotamento
do modelo?
PIB – Brasil
(Var. % anual)
2,1% a.a.4,5% a.a.
0,8% a.a.
6,0
5,0
-0,2
7,6
3,9
1,8
2,7
0,1
-2,8
-1,0
2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015*2016*
www.fee.rs.gov.br
Fonte: IBGE.
PIB – Brasil
(Var. % anual)
 Intervenção Estatal
O que caracterizava esse
modelo?
 Preços
 Investimentos
 Gestão microeconômica
 Uso dos bancos públicos para
gerar “desenvolvimento”
6,0
5,0
-0,2
7,6
3,9
1,8
2,7
0,1
-2,8
-1,0
2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015*2016*
www.fee.rs.gov.br
Fonte: IBGE.
IPCA – Preços Administrados
(Var.% em 12 meses)
 Intervenção Estatal
O que caracterizava esse
modelo?
1,0
16,0
7,7
jan-00
jan-00
jan-00
jan-00
jan-00
jan-00
jan-00
fev-00
fev-00
fev-00
fev-00
fev-00
mar-00
mar-00
mar-00
mar-00
mar-00
mar-00
mar-00
abr-00
abr-00
Monitorados Livres
 Preços
 Investimentos
 Gestão microeconômica
 Uso dos bancos públicos para
gerar “desenvolvimento”
www.fee.rs.gov.br
Fonte: IBGE.
Sistema Financeiro Público
(Em % do PIB)
 Intervenção Estatal
O que caracterizava esse
modelo?
0,9
9,8
jun.08 jun.15
 A maior parte é BNDES
 R$ 519 bilhões em estoque
 Preços
 Investimentos
 Gestão microeconômica
 Uso dos bancos públicos para
gerar “desenvolvimento”
www.fee.rs.gov.br
Fonte: IBGE.
Crédito Total
(Part. %)
 Intervenção Estatal
O que caracterizava esse
modelo?
 Preços
 Investimentos
 Gestão microeconômica
 Uso dos bancos públicos para
gerar “desenvolvimento”
62,2
66,0
58,6
56,0
44,7
37,8
34,0
40,9
45,2
55,3
jan/03
jun/03
nov/03
abr/04
set/04
fev/05
jul/05
dez/05
mai/06
out/06
mar/07
ago/07
jan/08
jun/08
nov/08
abr/09
set/09
fev/10
jul/10
dez/10
mai/11
out/11
mar/12
ago/12
jan/13
jun/13
nov/13
abr/14
set/14
fev/15
jul/15
Bancos Privados
Banco Públicos
www.fee.rs.gov.br
Fonte: IBGE.
 Intervenção Estatal
O que caracterizava esse
modelo?
Desonerações Fiscais
(Em R$ milhões)
3.095
44.393
76.258
109.255 113.116
77.168
2011
2012
2013
2014
2015
2016
Desde 2011 foram
205
desonerações
fiscais das mais
diversas
 Preços
 Investimentos
 Gestão microeconômica
 Uso dos bancos públicos para
gerar “desenvolvimento”
www.fee.rs.gov.br
Fonte: IBGE.
 Intervenção Estatal
O que caracterizava esse
modelo?
 Automotivo
 Petróleo, Gás e Naval
 Bens de capital
 TIC e complexo eletroeletrônico
 Complexo da saúde
 Defesa, automotivo e espacial
 Celulose e papel
 Energias renováveis
 Indústria da mineração
 Metalurgia
 Higiene pessoal e perfumaria
 Indústria química
 Construção Civil e + 6...
308 reuniões
de conselho
em 4 anos
1 reunião a
cada 3 dias
úteis
 Preços
 Investimentos
 Gestão microeconômica
 Uso dos bancos públicos para
gerar “desenvolvimento”
www.fee.rs.gov.br
Fonte: IBGE.
 Intervenção Estatal
O que caracterizava esse
modelo?
 Preços
 Investimentos
 Gestão microeconômica
 Uso dos bancos públicos para
gerar “desenvolvimento”
Produção Industrial - transformação
(Número índice)
100
117,9
93,0
115,6
109,2
118,9
110,9
99,4
jan/05
jun/05
nov/05
abr/06
set/06
fev/07
jul/07
dez/07
mai/08
out/08
mar/09
ago/09
jan/10
jun/10
nov/10
abr/11
set/11
fev/12
jul/12
dez/12
mai/13
out/13
mar/14
ago/14
jan/15
jun/15
 A indústria voltou ao mesmo nível de
produção de 2005!!
 São 10 anos de estagnação…
www.fee.rs.gov.br
Fonte: IBGE.
PIB – Brasil
(Part.% do Governo)
 Intervenção Estatal
O que caracterizava esse
modelo?
 O estado cresceu…..
19.6% 19.8%
18.2%
20.1%
1ºT97
3ºT98
1ºT00
3ºT01
1ºT03
3ºT04
1ºT06
3ºT07
1ºT09
3ºT10
1ºT12
3ºT13
 Preços
 Investimentos
 Gestão microeconômica
 Uso dos bancos públicos para
gerar “desenvolvimento”
www.fee.rs.gov.br
Fonte: IBGE.
Dívida Bruta – Governo Federal
(Part.% do PIB)
 Intervenção Estatal
O que caracterizava esse
modelo?
61,13
51,29
64,57
dez/06
jun/07
dez/07
jun/08
dez/08
jun/09
dez/09
jun/10
dez/10
jun/11
dez/11
jun/12
dez/12
jun/13
dez/13
jun/14
dez/14
jun/15
 E precisou de financiamento
 O estado cresceu…..
 Preços
 Investimentos
 Gestão microeconômica
 Uso dos bancos públicos para
gerar “desenvolvimento”
www.fee.rs.gov.br
Fonte: IBGE.
Resultado Primário
(Part.% do PIB)
 Intervenção Estatal
O que caracterizava esse
modelo?
 Em um cenário de descontrole
fiscal
2,9% 3,0%
-0,8%
jan/06
ago/06
mar/07
out/07
mai/08
dez/08
jul/09
fev/10
set/10
abr/11
nov/11
jun/12
jan/13
ago/13
mar/14
out/14
mai/15
Sobrava R$
120 bilhões
 O estado cresceu…..
 Preços
 Investimentos
 Gestão microeconômica
 Uso dos bancos públicos para
gerar “desenvolvimento”
 E precisou de financiamento
www.fee.rs.gov.br
Fonte: IBGE.
O que caracterizava esse
modelo?
2,9% 3,0%
-0,8%
jan/06
ago/06
mar/07
out/07
mai/08
dez/08
jul/09
fev/10
set/10
abr/11
nov/11
jun/12
jan/13
ago/13
mar/14
out/14
mai/15
 É o maior resultado negativo do Plano Real
 O Governo Central gastou R$ 43 bilhões a
mais do que arrecadou…
Resultado Primário
(Part.% do PIB)
 Intervenção Estatal
 Em um cenário de descontrole
fiscal
 O estado cresceu…..
 Preços
 Investimentos
 Gestão microeconômica
 Uso dos bancos públicos para
gerar “desenvolvimento”
 E precisou de financiamento
www.fee.rs.gov.br
14,3% 14,0%
Receitas Despesas
Fonte: IBGE.
O que caracterizava esse
modelo?
E não foi por falta de arrecadação….
Em % do PIB
17,2%
15,0%
Receitas Despesas
18,4% 18,7%
Receitas Despesas
1997:
Havia certo equilíbrio
entre receitas e
despesas....
2003:
A diferença chegava a
R$ 39 bilhões....
2014:
É a primeira vez no
Plano Real que as
despesas são maiores...
 Intervenção Estatal
 Em um cenário de descontrole
fiscal
 O estado cresceu…..
 Preços
 Investimentos
 Gestão microeconômica
 Uso dos bancos públicos para
gerar “desenvolvimento”
 E precisou de financiamento
www.fee.rs.gov.br
Fonte: IBGE.
O que caracterizava esse
modelo?
Rendimento x Imposto de Renda
(ago/2002=100)
151,0
100
202,1
ago/02
jul/03
jun/04
mai/05
abr/06
mar/07
fev/08
jan/09
dez/09
nov/10
out/11
set/12
ago/13
jul/14
jun/15
Rendimento médio real
IR PF + trabalho
 Enquanto a rendimento médio real cresceu
51% acima da inflação, a arrecadação de IR
PF + trabalho aumentou 102%.
 Intervenção Estatal
 Em um cenário de descontrole
fiscal
 O estado cresceu…..
 Preços
 Investimentos
 Gestão microeconômica
 Uso dos bancos públicos para
gerar “desenvolvimento”
 E precisou de financiamento
www.fee.rs.gov.br
89,8
146,0
set/02
ago/03
jul/04
jun/05
mai/06
abr/07
mar/08
fev/09
jan/10
dez/10
nov/11
out/12
set/13
ago/14
jul/15
Fonte: IBGE.
O que caracterizava esse
modelo?
Pessoal Ocupado x Imposto de Renda
(razão)
 A arrecadação de IR PF + trabalho também
cresce em relação ao pessoal ocupado.
 Atualmente está 46% maior que 12 anos
atrás…
 Intervenção Estatal
 Em um cenário de descontrole
fiscal
 O estado cresceu…..
 Preços
 Investimentos
 Gestão microeconômica
 Uso dos bancos públicos para
gerar “desenvolvimento”
 E precisou de financiamento
www.fee.rs.gov.br
Fonte: IBGE. FMI. *Zona do Euro.
Mas, o modelo
era novo?
O que caracterizava esse
modelo?
 Foi o nosso 3º ciclo
“desenvolvimentista”
 1930-1964
 1964-1980
 2003-?
www.fee.rs.gov.br
 Cenário Econômico Nacional
 O que nos trouxe a essa situação econômica?
 O esgotamento do modelo.
 Como estamos?
 Uma economia fraca.
 Quais os riscos e para onde vamos?
 Nova década perdida?
www.fee.rs.gov.br
Rendimento médio real
(Var. % anual)
 Inflação e juros altos
Há diversos problemas na
economia
Fonte: IBGE. Relatório Focus*(24/08).
-2,76%
5,70%
-0,01%
out/04
jul/05
abr/06
jan/07
out/07
jul/08
abr/09
jan/10
out/10
jul/11
abr/12
jan/13
out/13
jul/14
abr/15
 A pressão inflacionária reduz a renda real
do trabalhador.
 É a primeira vez em uma década que isso
acontece.
www.fee.rs.gov.br
 Inflação e juros altos
 Incertezas de consumidores
e investidores
Há diversos problemas na
economia
Fonte: IBGE. Relatório Focus*(24/08).
Índice de confiança do consumidor
(Nº índice – base fixa = média 2003)
109
94,7
127,8
82,0
jan/07
jul/07
jan/08
jul/08
jan/09
jul/09
jan/10
jul/10
jan/11
jul/11
jan/12
jul/12
jan/13
jul/13
jan/14
jul/14
jan/15
jul/15
Média do período:
110,8
www.fee.rs.gov.br
 Inflação e juros altos
 Incertezas de consumidores
e investidores
Há diversos problemas na
economia
Fonte: IBGE. Relatório Focus*(24/08).
88,5
74,7 76,5
69,0
74,8
104,1
mar/09
jun/09
set/09
dez/09
mar/10
jun/10
set/10
dez/10
mar/11
jun/11
set/11
dez/11
mar/12
jun/12
set/12
dez/12
mar/13
jun/13
set/13
dez/13
mar/14
jun/14
set/14
dez/14
mar/15
jun/15
Medo do desemprego
(Nº índice – base fixa = média 2003)
+39,2%
www.fee.rs.gov.br
 Inflação e juros altos
 Incertezas de consumidores
e investidores
Há diversos problemas na
economia
Fonte: IBGE. Relatório Focus*(24/08).
Venda do Comércio
(Var.% em 12 meses)
-1,9 -2,9
5,8
9,0
5,5
10,2
5,9
10,4
7,4
3,4
-1,0
mar/03
jul/03
nov/03
mar/04
jul/04
nov/04
mar/05
jul/05
nov/05
mar/06
jul/06
nov/06
mar/07
jul/07
nov/07
mar/08
jul/08
nov/08
mar/09
jul/09
nov/09
mar/10
jul/10
nov/10
mar/11
jul/11
nov/11
mar/12
jul/12
nov/12
mar/13
jul/13
nov/13
mar/14
jul/14
nov/14
mar/15
jul/15
 É primeira queda desde 2003.
www.fee.rs.gov.br
Endividamento das Famílias
((% médio em relação à renda acum. em 12 meses )
 Inflação e juros altos
 Incertezas de consumidores
e investidores
 Famílias e governo
endividados
Há diversos problemas na
economia
Fonte: IBGE. Relatório Focus*(24/08).
20,5
23,7
27,3
31,7
34,0
37,8
41,1
43,1
44,8 45,7 46,3
2005
2006
2007
2008
2009
2010
2011
2012
2013
2014
*2015  Incertezas políticas
www.fee.rs.gov.br
 Cenário Econômico Nacional
 O que nos trouxe a essa situação econômica?
 O esgotamento do modelo.
 Como estamos?
 Uma economia fraca.
 Quais os riscos e para onde vamos?
 Nova década perdida?
www.fee.rs.gov.br
Há muito o que temer
Fonte: IBGE. Relatório Focus*(24/08).
 Desaceleração econômica
na China
 Mudança na política monetária
nos EUA
PIB Brasil e Preço das Commodities
(Variação % em 12 meses)
-3,8
-10,91,4
-0,9
-2,0
-1,0
0,0
1,0
2,0
3,0
4,0
5,0
6,0
7,0
8,0
9,0
-30,0
-20,0
-10,0
0,0
10,0
20,0
30,0
40,0
I III I III I III I III I III I III I III I III I III I III I III I III I III I III I III I
2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015
Commodities (ex combustíveis) PIB
Período da “bonança”
www.fee.rs.gov.br
2015 2016
Desenvolvidos 2,1% 2,4%
EUA 2,5% 3,0%
Europa* 1,5% 1,7%
Emergentes 4,2% 4,7%
China 6,8% 6,3%
Am. Latina 0,5% 1,7%
Há muito o que temer
Fonte: IBGE. Relatório Focus*(24/08).
 Desaceleração econômica
na China
PIB – Mundial
(Var. % anual)
 Mudança na política monetária
nos EUA
 Mas, mesmo assim, a
perspectiva mundial é positiva
Mundo 3,3% 3,8%
www.fee.rs.gov.br
Há muito o que temer
Fonte: IBGE. Relatório Focus*(24/08).
 Desaceleração econômica
na China
PIB Brasil – Previsão
(Var. % anual)
 Mudança na política monetária
nos EUA
 Mas, mesmo assim, a
perspectiva mundial é positiva
2015:
Devemos ter a maior
retração econômica do
Plano Real.
2016:
Crise essa que deve se
estender para os
próximos 12 meses.
2017:
E ainda com baixo
crescimento em 2017.
2,48
-2,78
02/01/2014
06/02/2014
17/03/2014
23/04/2014
29/05/2014
04/07/2014
08/08/2014
12/09/2014
17/10/2014
21/11/2014
29/12/2014
03/02/2015
12/03/2015
17/04/2015
26/05/2015
01/07/2015
05/08/2015
10/09/2015
3,00
-1,00
02/01/2014
03/02/2014
07/03/2014
08/04/2014
13/05/2014
12/06/2014
15/07/2014
14/08/2014
15/09/2014
15/10/2014
14/11/2014
16/12/2014
19/01/2015
20/02/2015
24/03/2015
27/04/2015
28/05/2015
30/06/2015
30/07/2015
31/08/2015
3,00
1,03
02/01/2014
03/02/2014
07/03/2014
08/04/2014
13/05/2014
12/06/2014
15/07/2014
14/08/2014
15/09/2014
15/10/2014
14/11/2014
16/12/2014
19/01/2015
20/02/2015
24/03/2015
27/04/2015
28/05/2015
30/06/2015
30/07/2015
31/08/2015
 Enquanto que o Brasil deve
experimentar anos difíceis
www.fee.rs.gov.br
2016: O ano da recuperação?
 Estamos diante de um ciclo perverso
Queda da
renda
Queda da
demanda
Queda das
vendas
Queda na
produção
Aumenta o
desemprego
Piora
expectativas
Maior
inadimplência
Reduz
crédito
Inflação alta
Juros altos
Problemas
fiscais
Reduz
investimento
Ajuste fiscal
Cai a
arrecadação
www.fee.rs.gov.br
2016: O ano da recuperação?
 Estamos diante de um ciclo perverso
Queda da
renda
Queda da
demanda
Queda das
vendas
Queda na
produção
Aumenta o
desemprego
Piora
expectativas
Maior
inadimplência
Reduz
crédito
Inflação alta
Juros altos
Problemas
fiscais
Reduz
investimento
Ajuste fiscal
Cai a
arrecadação
www.fee.rs.gov.br
2016: O ano da recuperação?
 Estamos diante de um ciclo perverso
 Para romper esse ciclo é preciso:
 Governo resgatar a confiança dos agentes econômicos
 O ajuste fiscal tem que vir pelo controle de gastos
 A nossa agenda de reformas estruturais foi esquecida.
www.fee.rs.gov.br
Fundação de Economia e Estatística
Siegfried Emanuel Heuser
Diretoria
Presidente: Igor Alexandre Clemente de Morais
Diretor Técnico: Martinho Roberto Lazzari
Diretora Administrativa: Nóra Angela Gundlach
Kraemer
Rua Duque de Caxias, 1691
Centro Histórico, Porto Alegre
CEP: 90010-283
(51) 3216.9000
Assessoria Econômica
Bruno Breyer Caldas
Guilherme Stein
Jéfferson Colombo
Mariana Bartels
Vanessa Neumann Sulzbach
Estagiárias: Luciane Machim Vieira
Andréa Vieira
Presidente
Igor Morais

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Brasil: Cenários 2008-2014 e a Crise Mundial
Brasil: Cenários 2008-2014 e a Crise MundialBrasil: Cenários 2008-2014 e a Crise Mundial
Brasil: Cenários 2008-2014 e a Crise Mundial
Macroplan
 
G8 - Crise econômica
G8 - Crise econômicaG8 - Crise econômica
G8 - Crise econômica
gabriellecomte
 
Tendências, cenário e expectativas do setor para 2016
Tendências, cenário e expectativas do setor para 2016Tendências, cenário e expectativas do setor para 2016
Tendências, cenário e expectativas do setor para 2016
Pj Eventos
 
Conjuntura Econômica Nacional
Conjuntura Econômica NacionalConjuntura Econômica Nacional
Conjuntura Econômica Nacional
Associação Comercial de São Paulo
 
O Mundo e o Brasil: Cenários Focalizados na Crise e Pós-Crise Econômica – um ...
O Mundo e o Brasil: Cenários Focalizados na Crise e Pós-Crise Econômica – um ...O Mundo e o Brasil: Cenários Focalizados na Crise e Pós-Crise Econômica – um ...
O Mundo e o Brasil: Cenários Focalizados na Crise e Pós-Crise Econômica – um ...
Macroplan
 
Sinborsul sinmetal
Sinborsul sinmetalSinborsul sinmetal
Sinborsul sinmetal
Igor Morais
 
Apresentação Seminário Economia
Apresentação Seminário EconomiaApresentação Seminário Economia
Apresentação Seminário Economia
Associação Comercial de São Paulo
 
Apresentação igor
Apresentação igorApresentação igor
Apresentação igor
Igor Morais
 
RS: e agora?
RS: e agora?RS: e agora?
RS: e agora?
Igor Morais
 
Sinplast2015
Sinplast2015Sinplast2015
Sinplast2015
Igor Morais
 
Economia brasileira: uma visão macro e setorial
Economia brasileira: uma visão macro e setorialEconomia brasileira: uma visão macro e setorial
Economia brasileira: uma visão macro e setorial
Associação Comercial de São Paulo
 
A ECONOMIA EM ÉPOCA DE CRISE: Desafios e Propostas
A ECONOMIA EM ÉPOCA DE CRISE: Desafios e Propostas A ECONOMIA EM ÉPOCA DE CRISE: Desafios e Propostas
A ECONOMIA EM ÉPOCA DE CRISE: Desafios e Propostas
eticademocracia
 
Ministro Guido
Ministro GuidoMinistro Guido
Ministro Guido
Luis Nassif
 
Possib alternat polít econ bras fernando ferrari
Possib alternat polít econ bras   fernando ferrariPossib alternat polít econ bras   fernando ferrari
Possib alternat polít econ bras fernando ferrari
Fundação de Economia e Estatística
 
Conjuntura econômica nacional
Conjuntura econômica nacionalConjuntura econômica nacional
Conjuntura econômica nacional
Associação Comercial de São Paulo
 
Crise mundial de 2014
Crise mundial de 2014Crise mundial de 2014
Crise mundial de 2014
Alexandre Misturini
 
FGV / IBRE - O Ambiente Internacional e seus Reflexos no Brasil - Affonso Cel...
FGV / IBRE - O Ambiente Internacional e seus Reflexos no Brasil - Affonso Cel...FGV / IBRE - O Ambiente Internacional e seus Reflexos no Brasil - Affonso Cel...
FGV / IBRE - O Ambiente Internacional e seus Reflexos no Brasil - Affonso Cel...
FGV | Fundação Getulio Vargas
 
Análise da ceplan em dezembro de 2015
Análise da ceplan em dezembro de 2015Análise da ceplan em dezembro de 2015
Análise da ceplan em dezembro de 2015
Anna Tiago
 
Economia brasileira em perspectiva 30.12.2014
Economia brasileira em perspectiva   30.12.2014Economia brasileira em perspectiva   30.12.2014
Economia brasileira em perspectiva 30.12.2014
DenizecomZ
 
20120601
2012060120120601
20120601
carinesbergmann
 

Mais procurados (20)

Brasil: Cenários 2008-2014 e a Crise Mundial
Brasil: Cenários 2008-2014 e a Crise MundialBrasil: Cenários 2008-2014 e a Crise Mundial
Brasil: Cenários 2008-2014 e a Crise Mundial
 
G8 - Crise econômica
G8 - Crise econômicaG8 - Crise econômica
G8 - Crise econômica
 
Tendências, cenário e expectativas do setor para 2016
Tendências, cenário e expectativas do setor para 2016Tendências, cenário e expectativas do setor para 2016
Tendências, cenário e expectativas do setor para 2016
 
Conjuntura Econômica Nacional
Conjuntura Econômica NacionalConjuntura Econômica Nacional
Conjuntura Econômica Nacional
 
O Mundo e o Brasil: Cenários Focalizados na Crise e Pós-Crise Econômica – um ...
O Mundo e o Brasil: Cenários Focalizados na Crise e Pós-Crise Econômica – um ...O Mundo e o Brasil: Cenários Focalizados na Crise e Pós-Crise Econômica – um ...
O Mundo e o Brasil: Cenários Focalizados na Crise e Pós-Crise Econômica – um ...
 
Sinborsul sinmetal
Sinborsul sinmetalSinborsul sinmetal
Sinborsul sinmetal
 
Apresentação Seminário Economia
Apresentação Seminário EconomiaApresentação Seminário Economia
Apresentação Seminário Economia
 
Apresentação igor
Apresentação igorApresentação igor
Apresentação igor
 
RS: e agora?
RS: e agora?RS: e agora?
RS: e agora?
 
Sinplast2015
Sinplast2015Sinplast2015
Sinplast2015
 
Economia brasileira: uma visão macro e setorial
Economia brasileira: uma visão macro e setorialEconomia brasileira: uma visão macro e setorial
Economia brasileira: uma visão macro e setorial
 
A ECONOMIA EM ÉPOCA DE CRISE: Desafios e Propostas
A ECONOMIA EM ÉPOCA DE CRISE: Desafios e Propostas A ECONOMIA EM ÉPOCA DE CRISE: Desafios e Propostas
A ECONOMIA EM ÉPOCA DE CRISE: Desafios e Propostas
 
Ministro Guido
Ministro GuidoMinistro Guido
Ministro Guido
 
Possib alternat polít econ bras fernando ferrari
Possib alternat polít econ bras   fernando ferrariPossib alternat polít econ bras   fernando ferrari
Possib alternat polít econ bras fernando ferrari
 
Conjuntura econômica nacional
Conjuntura econômica nacionalConjuntura econômica nacional
Conjuntura econômica nacional
 
Crise mundial de 2014
Crise mundial de 2014Crise mundial de 2014
Crise mundial de 2014
 
FGV / IBRE - O Ambiente Internacional e seus Reflexos no Brasil - Affonso Cel...
FGV / IBRE - O Ambiente Internacional e seus Reflexos no Brasil - Affonso Cel...FGV / IBRE - O Ambiente Internacional e seus Reflexos no Brasil - Affonso Cel...
FGV / IBRE - O Ambiente Internacional e seus Reflexos no Brasil - Affonso Cel...
 
Análise da ceplan em dezembro de 2015
Análise da ceplan em dezembro de 2015Análise da ceplan em dezembro de 2015
Análise da ceplan em dezembro de 2015
 
Economia brasileira em perspectiva 30.12.2014
Economia brasileira em perspectiva   30.12.2014Economia brasileira em perspectiva   30.12.2014
Economia brasileira em perspectiva 30.12.2014
 
20120601
2012060120120601
20120601
 

Destaque

Presentación1
Presentación1Presentación1
Presentación1
Sebastian Bedoya
 
Motorista Do Lula
Motorista Do LulaMotorista Do Lula
Motorista Do Lula
JNR
 
Quando Amar
Quando  AmarQuando  Amar
Quando Amar
JNR
 
Taxa de desemprego relativamente estável - Informe PED Mensal ano 24 número 11
Taxa de desemprego relativamente estável - Informe PED Mensal ano 24 número 11Taxa de desemprego relativamente estável - Informe PED Mensal ano 24 número 11
Taxa de desemprego relativamente estável - Informe PED Mensal ano 24 número 11
Fundação de Economia e Estatística
 
NAG - Butler SD General Data
NAG - Butler SD General DataNAG - Butler SD General Data
NAG - Butler SD General Data
Carole Rafferty
 
Tutorial para crear enlaces
Tutorial para crear enlacesTutorial para crear enlaces
Tutorial para crear enlaces
Marthitaa CoNo
 
Azul sabado gab
Azul sabado gabAzul sabado gab
Azul sabado gab
Antonio Carneiro
 
Tendências do comércio e do investimento direto estrangeiro depois da crise f...
Tendências do comércio e do investimento direto estrangeiro depois da crise f...Tendências do comércio e do investimento direto estrangeiro depois da crise f...
Tendências do comércio e do investimento direto estrangeiro depois da crise f...
Fundação de Economia e Estatística
 
Nuestra primaria
Nuestra primariaNuestra primaria
Nuestra primaria
garaltma
 
CEACO - DESEMPENHO 2005 A 2008
CEACO - DESEMPENHO 2005 A 2008CEACO - DESEMPENHO 2005 A 2008
CEACO - DESEMPENHO 2005 A 2008
edivanichu
 
Essa é de doer
Essa é de doerEssa é de doer
Essa é de doer
JNR
 
Diabo Humilhado
Diabo HumilhadoDiabo Humilhado
Diabo Humilhado
JNR
 
Comunicação Interna SGA 2010
Comunicação Interna SGA 2010Comunicação Interna SGA 2010
Comunicação Interna SGA 2010
Natália J. C. Gobbo
 
ATAP revision of dac 4
ATAP revision of dac 4ATAP revision of dac 4
ATAP revision of dac 4
Luxemburger Wort
 
La Coopération à l’UM5R avec les universités de la région Euromed et rôle de ...
La Coopération à l’UM5R avec les universités de la région Euromed et rôle de ...La Coopération à l’UM5R avec les universités de la région Euromed et rôle de ...
La Coopération à l’UM5R avec les universités de la région Euromed et rôle de ...
UNIMED - Mediterranean Universities Union
 

Destaque (15)

Presentación1
Presentación1Presentación1
Presentación1
 
Motorista Do Lula
Motorista Do LulaMotorista Do Lula
Motorista Do Lula
 
Quando Amar
Quando  AmarQuando  Amar
Quando Amar
 
Taxa de desemprego relativamente estável - Informe PED Mensal ano 24 número 11
Taxa de desemprego relativamente estável - Informe PED Mensal ano 24 número 11Taxa de desemprego relativamente estável - Informe PED Mensal ano 24 número 11
Taxa de desemprego relativamente estável - Informe PED Mensal ano 24 número 11
 
NAG - Butler SD General Data
NAG - Butler SD General DataNAG - Butler SD General Data
NAG - Butler SD General Data
 
Tutorial para crear enlaces
Tutorial para crear enlacesTutorial para crear enlaces
Tutorial para crear enlaces
 
Azul sabado gab
Azul sabado gabAzul sabado gab
Azul sabado gab
 
Tendências do comércio e do investimento direto estrangeiro depois da crise f...
Tendências do comércio e do investimento direto estrangeiro depois da crise f...Tendências do comércio e do investimento direto estrangeiro depois da crise f...
Tendências do comércio e do investimento direto estrangeiro depois da crise f...
 
Nuestra primaria
Nuestra primariaNuestra primaria
Nuestra primaria
 
CEACO - DESEMPENHO 2005 A 2008
CEACO - DESEMPENHO 2005 A 2008CEACO - DESEMPENHO 2005 A 2008
CEACO - DESEMPENHO 2005 A 2008
 
Essa é de doer
Essa é de doerEssa é de doer
Essa é de doer
 
Diabo Humilhado
Diabo HumilhadoDiabo Humilhado
Diabo Humilhado
 
Comunicação Interna SGA 2010
Comunicação Interna SGA 2010Comunicação Interna SGA 2010
Comunicação Interna SGA 2010
 
ATAP revision of dac 4
ATAP revision of dac 4ATAP revision of dac 4
ATAP revision of dac 4
 
La Coopération à l’UM5R avec les universités de la région Euromed et rôle de ...
La Coopération à l’UM5R avec les universités de la région Euromed et rôle de ...La Coopération à l’UM5R avec les universités de la région Euromed et rôle de ...
La Coopération à l’UM5R avec les universités de la région Euromed et rôle de ...
 

Semelhante a 2016: O ano da recuperação?

Sustentabilidade
SustentabilidadeSustentabilidade
Sustentabilidade
Roberto Dias Duarte
 
O Brasil que recebemos - SEDDM (v30.10.2019)
O Brasil que recebemos - SEDDM (v30.10.2019)O Brasil que recebemos - SEDDM (v30.10.2019)
O Brasil que recebemos - SEDDM (v30.10.2019)
Igor Matos
 
ApresentaçãOflamingoagosto2007
ApresentaçãOflamingoagosto2007ApresentaçãOflamingoagosto2007
ApresentaçãOflamingoagosto2007
Jorge Melgarejo
 
Painel Prefeitos Eleitos no Estado do ES - Gestão Pública Empreendedora
Painel Prefeitos Eleitos no Estado do ES - Gestão Pública EmpreendedoraPainel Prefeitos Eleitos no Estado do ES - Gestão Pública Empreendedora
Painel Prefeitos Eleitos no Estado do ES - Gestão Pública Empreendedora
Gabriel Renault Magalhães
 
Palestra Prof. Marins
Palestra Prof. MarinsPalestra Prof. Marins
Palestra Prof. Marins
guest51786d
 
Os Movimentos Sociais Atuais e suas repercussões na economia
Os Movimentos Sociais Atuais e suas repercussões na economiaOs Movimentos Sociais Atuais e suas repercussões na economia
Os Movimentos Sociais Atuais e suas repercussões na economia
APEPREM
 
Gestão de Riscos como Ferramenta de Tomada de Decisão em Projetos de Investim...
Gestão de Riscos como Ferramenta de Tomada de Decisão em Projetos de Investim...Gestão de Riscos como Ferramenta de Tomada de Decisão em Projetos de Investim...
Gestão de Riscos como Ferramenta de Tomada de Decisão em Projetos de Investim...
Rodrigo M. Gandra, MSc, PMP, PMI-RMP
 
Estudo Conjuntura do Dieese
Estudo Conjuntura do DieeseEstudo Conjuntura do Dieese
Estudo Conjuntura do Dieese
Nathan Camelo
 
Gustavoloyola 100525082203-phpapp02
Gustavoloyola 100525082203-phpapp02Gustavoloyola 100525082203-phpapp02
Gustavoloyola 100525082203-phpapp02
arianh
 
Análise de conjuntura - O Brasil e a crise - Maio de 2009
Análise de conjuntura - O Brasil e a crise - Maio de 2009Análise de conjuntura - O Brasil e a crise - Maio de 2009
Análise de conjuntura - O Brasil e a crise - Maio de 2009
Aloizio Mercadante
 
14 03 14 brasil (nova versao)
14 03 14 brasil  (nova versao)14 03 14 brasil  (nova versao)
14 03 14 brasil (nova versao)
MB Associados
 
Tendências importantes para o mercado de lácteos no Brasil e no mundo
Tendências importantes para o mercado de lácteos no Brasil e no mundoTendências importantes para o mercado de lácteos no Brasil e no mundo
Tendências importantes para o mercado de lácteos no Brasil e no mundo
AgriPoint
 
14 03 14 brn (nova versao)
14 03 14 brn (nova versao)14 03 14 brn (nova versao)
14 03 14 brn (nova versao)
MB Associados
 
Café com Seguro - Cenário Econômico e Mercado de Seguros
Café com Seguro - Cenário Econômico e Mercado de SegurosCafé com Seguro - Cenário Econômico e Mercado de Seguros
Café com Seguro - Cenário Econômico e Mercado de Seguros
Oficina do Texto Assessoria de Comunicação
 
Macrotendencias mundiais até 2040.pdf
Macrotendencias mundiais até 2040.pdfMacrotendencias mundiais até 2040.pdf
Macrotendencias mundiais até 2040.pdf
Eduardo520968
 
Multilatinas: internacionalização e inovação - relatório de conectividade da ...
Multilatinas: internacionalização e inovação - relatório de conectividade da ...Multilatinas: internacionalização e inovação - relatório de conectividade da ...
Multilatinas: internacionalização e inovação - relatório de conectividade da ...
FecomercioSP
 
Movimento brasil justo pedro delarue
Movimento brasil justo   pedro delarueMovimento brasil justo   pedro delarue
Movimento brasil justo pedro delarue
Ellen Jocham
 
Movimento brasil justo
Movimento brasil justoMovimento brasil justo
Movimento brasil justo
Ellen Jocham
 
Apresentação de 2013 - Professora Denise
Apresentação de 2013 - Professora Denise Apresentação de 2013 - Professora Denise
Apresentação de 2013 - Professora Denise
cesforma
 
Desafios Brasil e Rio Grande do Sul
Desafios Brasil e Rio Grande do SulDesafios Brasil e Rio Grande do Sul
Desafios Brasil e Rio Grande do Sul
Igor Morais
 

Semelhante a 2016: O ano da recuperação? (20)

Sustentabilidade
SustentabilidadeSustentabilidade
Sustentabilidade
 
O Brasil que recebemos - SEDDM (v30.10.2019)
O Brasil que recebemos - SEDDM (v30.10.2019)O Brasil que recebemos - SEDDM (v30.10.2019)
O Brasil que recebemos - SEDDM (v30.10.2019)
 
ApresentaçãOflamingoagosto2007
ApresentaçãOflamingoagosto2007ApresentaçãOflamingoagosto2007
ApresentaçãOflamingoagosto2007
 
Painel Prefeitos Eleitos no Estado do ES - Gestão Pública Empreendedora
Painel Prefeitos Eleitos no Estado do ES - Gestão Pública EmpreendedoraPainel Prefeitos Eleitos no Estado do ES - Gestão Pública Empreendedora
Painel Prefeitos Eleitos no Estado do ES - Gestão Pública Empreendedora
 
Palestra Prof. Marins
Palestra Prof. MarinsPalestra Prof. Marins
Palestra Prof. Marins
 
Os Movimentos Sociais Atuais e suas repercussões na economia
Os Movimentos Sociais Atuais e suas repercussões na economiaOs Movimentos Sociais Atuais e suas repercussões na economia
Os Movimentos Sociais Atuais e suas repercussões na economia
 
Gestão de Riscos como Ferramenta de Tomada de Decisão em Projetos de Investim...
Gestão de Riscos como Ferramenta de Tomada de Decisão em Projetos de Investim...Gestão de Riscos como Ferramenta de Tomada de Decisão em Projetos de Investim...
Gestão de Riscos como Ferramenta de Tomada de Decisão em Projetos de Investim...
 
Estudo Conjuntura do Dieese
Estudo Conjuntura do DieeseEstudo Conjuntura do Dieese
Estudo Conjuntura do Dieese
 
Gustavoloyola 100525082203-phpapp02
Gustavoloyola 100525082203-phpapp02Gustavoloyola 100525082203-phpapp02
Gustavoloyola 100525082203-phpapp02
 
Análise de conjuntura - O Brasil e a crise - Maio de 2009
Análise de conjuntura - O Brasil e a crise - Maio de 2009Análise de conjuntura - O Brasil e a crise - Maio de 2009
Análise de conjuntura - O Brasil e a crise - Maio de 2009
 
14 03 14 brasil (nova versao)
14 03 14 brasil  (nova versao)14 03 14 brasil  (nova versao)
14 03 14 brasil (nova versao)
 
Tendências importantes para o mercado de lácteos no Brasil e no mundo
Tendências importantes para o mercado de lácteos no Brasil e no mundoTendências importantes para o mercado de lácteos no Brasil e no mundo
Tendências importantes para o mercado de lácteos no Brasil e no mundo
 
14 03 14 brn (nova versao)
14 03 14 brn (nova versao)14 03 14 brn (nova versao)
14 03 14 brn (nova versao)
 
Café com Seguro - Cenário Econômico e Mercado de Seguros
Café com Seguro - Cenário Econômico e Mercado de SegurosCafé com Seguro - Cenário Econômico e Mercado de Seguros
Café com Seguro - Cenário Econômico e Mercado de Seguros
 
Macrotendencias mundiais até 2040.pdf
Macrotendencias mundiais até 2040.pdfMacrotendencias mundiais até 2040.pdf
Macrotendencias mundiais até 2040.pdf
 
Multilatinas: internacionalização e inovação - relatório de conectividade da ...
Multilatinas: internacionalização e inovação - relatório de conectividade da ...Multilatinas: internacionalização e inovação - relatório de conectividade da ...
Multilatinas: internacionalização e inovação - relatório de conectividade da ...
 
Movimento brasil justo pedro delarue
Movimento brasil justo   pedro delarueMovimento brasil justo   pedro delarue
Movimento brasil justo pedro delarue
 
Movimento brasil justo
Movimento brasil justoMovimento brasil justo
Movimento brasil justo
 
Apresentação de 2013 - Professora Denise
Apresentação de 2013 - Professora Denise Apresentação de 2013 - Professora Denise
Apresentação de 2013 - Professora Denise
 
Desafios Brasil e Rio Grande do Sul
Desafios Brasil e Rio Grande do SulDesafios Brasil e Rio Grande do Sul
Desafios Brasil e Rio Grande do Sul
 

Mais de Fundação de Economia e Estatística

Idese 2015
Idese 2015Idese 2015
O significado da retomada do crescimento em 2017
O significado da retomada do crescimento em 2017O significado da retomada do crescimento em 2017
O significado da retomada do crescimento em 2017
Fundação de Economia e Estatística
 
Evolução estrutural da indústria de transformação do RS — 2007-15
Evolução estrutural da indústria de transformação do RS — 2007-15Evolução estrutural da indústria de transformação do RS — 2007-15
Evolução estrutural da indústria de transformação do RS — 2007-15
Fundação de Economia e Estatística
 
Condições do mercado de trabalho foram mais severas para as mulheres em 2017
Condições do mercado de trabalho foram mais severas para as mulheres em 2017Condições do mercado de trabalho foram mais severas para as mulheres em 2017
Condições do mercado de trabalho foram mais severas para as mulheres em 2017
Fundação de Economia e Estatística
 
Desempenho do mercado de trabalho da Região Metropolitana de Porto Alegre e...
Desempenho do mercado de trabalho  da Região Metropolitana de  Porto Alegre e...Desempenho do mercado de trabalho  da Região Metropolitana de  Porto Alegre e...
Desempenho do mercado de trabalho da Região Metropolitana de Porto Alegre e...
Fundação de Economia e Estatística
 
Expectativas inflacionárias e política monetária
Expectativas inflacionárias e política monetáriaExpectativas inflacionárias e política monetária
Expectativas inflacionárias e política monetária
Fundação de Economia e Estatística
 
Taxa de desistência no ensino superior gaúcho atinge 64,1%
Taxa de desistência no ensino superior gaúcho atinge 64,1%Taxa de desistência no ensino superior gaúcho atinge 64,1%
Taxa de desistência no ensino superior gaúcho atinge 64,1%
Fundação de Economia e Estatística
 
Estimativas para a população flutuante do Litoral Norte do RS
Estimativas para a população flutuante do Litoral Norte do RSEstimativas para a população flutuante do Litoral Norte do RS
Estimativas para a população flutuante do Litoral Norte do RS
Fundação de Economia e Estatística
 
Desaceleração cíclica ou estrutural no comércio mundial?
Desaceleração cíclica ou estrutural no comércio mundial?Desaceleração cíclica ou estrutural no comércio mundial?
Desaceleração cíclica ou estrutural no comércio mundial?
Fundação de Economia e Estatística
 
PIB dos municípios do RS em 2015
PIB dos municípios do RS em 2015PIB dos municípios do RS em 2015
PIB dos municípios do RS em 2015
Fundação de Economia e Estatística
 
PIB TRIMESTRAL DO RS 3.° trim./2017
PIB TRIMESTRAL DO RS 3.° trim./2017PIB TRIMESTRAL DO RS 3.° trim./2017
PIB TRIMESTRAL DO RS 3.° trim./2017
Fundação de Economia e Estatística
 
Informe PED-RMPA (Novembro/2017)
Informe PED-RMPA (Novembro/2017)Informe PED-RMPA (Novembro/2017)
Informe PED-RMPA (Novembro/2017)
Fundação de Economia e Estatística
 
Mercado formal de trabalho do RS estagna após forte retração
Mercado formal de trabalho do RS estagna após forte retraçãoMercado formal de trabalho do RS estagna após forte retração
Mercado formal de trabalho do RS estagna após forte retração
Fundação de Economia e Estatística
 
PIB Trimestral do RS 2º trimestre 2017
PIB Trimestral do RS 2º trimestre 2017PIB Trimestral do RS 2º trimestre 2017
PIB Trimestral do RS 2º trimestre 2017
Fundação de Economia e Estatística
 
Elevação do nível ocupacional reduz a taxa de desemprego
Elevação do nível ocupacional reduz a taxa de desempregoElevação do nível ocupacional reduz a taxa de desemprego
Elevação do nível ocupacional reduz a taxa de desemprego
Fundação de Economia e Estatística
 
FEDERALISMO E A QUESTÃO REGIONAL DO RS - Tomás Fiori
FEDERALISMO E A QUESTÃO  REGIONAL DO RS - Tomás FioriFEDERALISMO E A QUESTÃO  REGIONAL DO RS - Tomás Fiori
FEDERALISMO E A QUESTÃO REGIONAL DO RS - Tomás Fiori
Fundação de Economia e Estatística
 
A economia do RS no atual ciclo recessivo: já chegamos ao fundo do poço? - Je...
A economia do RS no atual ciclo recessivo: já chegamos ao fundo do poço? - Je...A economia do RS no atual ciclo recessivo: já chegamos ao fundo do poço? - Je...
A economia do RS no atual ciclo recessivo: já chegamos ao fundo do poço? - Je...
Fundação de Economia e Estatística
 
O Rio Grande do Sul no cenário nacional: há perda de dinamismo? - Cecília Hoff
O Rio Grande do Sul no cenário nacional: há perda de dinamismo? - Cecília HoffO Rio Grande do Sul no cenário nacional: há perda de dinamismo? - Cecília Hoff
O Rio Grande do Sul no cenário nacional: há perda de dinamismo? - Cecília Hoff
Fundação de Economia e Estatística
 
Principais atividades no Valor Adicionado dos municípios do RS
Principais atividades no Valor Adicionado dos municípios do RSPrincipais atividades no Valor Adicionado dos municípios do RS
Principais atividades no Valor Adicionado dos municípios do RS
Fundação de Economia e Estatística
 
As barreiras e os novos desafios para inovar
As barreiras e os novos desafios para inovarAs barreiras e os novos desafios para inovar
As barreiras e os novos desafios para inovar
Fundação de Economia e Estatística
 

Mais de Fundação de Economia e Estatística (20)

Idese 2015
Idese 2015Idese 2015
Idese 2015
 
O significado da retomada do crescimento em 2017
O significado da retomada do crescimento em 2017O significado da retomada do crescimento em 2017
O significado da retomada do crescimento em 2017
 
Evolução estrutural da indústria de transformação do RS — 2007-15
Evolução estrutural da indústria de transformação do RS — 2007-15Evolução estrutural da indústria de transformação do RS — 2007-15
Evolução estrutural da indústria de transformação do RS — 2007-15
 
Condições do mercado de trabalho foram mais severas para as mulheres em 2017
Condições do mercado de trabalho foram mais severas para as mulheres em 2017Condições do mercado de trabalho foram mais severas para as mulheres em 2017
Condições do mercado de trabalho foram mais severas para as mulheres em 2017
 
Desempenho do mercado de trabalho da Região Metropolitana de Porto Alegre e...
Desempenho do mercado de trabalho  da Região Metropolitana de  Porto Alegre e...Desempenho do mercado de trabalho  da Região Metropolitana de  Porto Alegre e...
Desempenho do mercado de trabalho da Região Metropolitana de Porto Alegre e...
 
Expectativas inflacionárias e política monetária
Expectativas inflacionárias e política monetáriaExpectativas inflacionárias e política monetária
Expectativas inflacionárias e política monetária
 
Taxa de desistência no ensino superior gaúcho atinge 64,1%
Taxa de desistência no ensino superior gaúcho atinge 64,1%Taxa de desistência no ensino superior gaúcho atinge 64,1%
Taxa de desistência no ensino superior gaúcho atinge 64,1%
 
Estimativas para a população flutuante do Litoral Norte do RS
Estimativas para a população flutuante do Litoral Norte do RSEstimativas para a população flutuante do Litoral Norte do RS
Estimativas para a população flutuante do Litoral Norte do RS
 
Desaceleração cíclica ou estrutural no comércio mundial?
Desaceleração cíclica ou estrutural no comércio mundial?Desaceleração cíclica ou estrutural no comércio mundial?
Desaceleração cíclica ou estrutural no comércio mundial?
 
PIB dos municípios do RS em 2015
PIB dos municípios do RS em 2015PIB dos municípios do RS em 2015
PIB dos municípios do RS em 2015
 
PIB TRIMESTRAL DO RS 3.° trim./2017
PIB TRIMESTRAL DO RS 3.° trim./2017PIB TRIMESTRAL DO RS 3.° trim./2017
PIB TRIMESTRAL DO RS 3.° trim./2017
 
Informe PED-RMPA (Novembro/2017)
Informe PED-RMPA (Novembro/2017)Informe PED-RMPA (Novembro/2017)
Informe PED-RMPA (Novembro/2017)
 
Mercado formal de trabalho do RS estagna após forte retração
Mercado formal de trabalho do RS estagna após forte retraçãoMercado formal de trabalho do RS estagna após forte retração
Mercado formal de trabalho do RS estagna após forte retração
 
PIB Trimestral do RS 2º trimestre 2017
PIB Trimestral do RS 2º trimestre 2017PIB Trimestral do RS 2º trimestre 2017
PIB Trimestral do RS 2º trimestre 2017
 
Elevação do nível ocupacional reduz a taxa de desemprego
Elevação do nível ocupacional reduz a taxa de desempregoElevação do nível ocupacional reduz a taxa de desemprego
Elevação do nível ocupacional reduz a taxa de desemprego
 
FEDERALISMO E A QUESTÃO REGIONAL DO RS - Tomás Fiori
FEDERALISMO E A QUESTÃO  REGIONAL DO RS - Tomás FioriFEDERALISMO E A QUESTÃO  REGIONAL DO RS - Tomás Fiori
FEDERALISMO E A QUESTÃO REGIONAL DO RS - Tomás Fiori
 
A economia do RS no atual ciclo recessivo: já chegamos ao fundo do poço? - Je...
A economia do RS no atual ciclo recessivo: já chegamos ao fundo do poço? - Je...A economia do RS no atual ciclo recessivo: já chegamos ao fundo do poço? - Je...
A economia do RS no atual ciclo recessivo: já chegamos ao fundo do poço? - Je...
 
O Rio Grande do Sul no cenário nacional: há perda de dinamismo? - Cecília Hoff
O Rio Grande do Sul no cenário nacional: há perda de dinamismo? - Cecília HoffO Rio Grande do Sul no cenário nacional: há perda de dinamismo? - Cecília Hoff
O Rio Grande do Sul no cenário nacional: há perda de dinamismo? - Cecília Hoff
 
Principais atividades no Valor Adicionado dos municípios do RS
Principais atividades no Valor Adicionado dos municípios do RSPrincipais atividades no Valor Adicionado dos municípios do RS
Principais atividades no Valor Adicionado dos municípios do RS
 
As barreiras e os novos desafios para inovar
As barreiras e os novos desafios para inovarAs barreiras e os novos desafios para inovar
As barreiras e os novos desafios para inovar
 

2016: O ano da recuperação?

  • 1. www.fee.rs.gov.br 2016: o ano da recuperação? Caxias do Sul, 28 de setembro de 2015
  • 2. www.fee.rs.gov.br  Cenário Econômico Nacional  O que nos trouxe a essa situação econômica?  O esgotamento do modelo.  Como estamos?  Uma economia fraca.  Quais os riscos e para onde vamos?  Nova década perdida?
  • 3. www.fee.rs.gov.br Fonte: IBGE. FMI. *Zona do Euro. PIB – Brasil (Var. % anual) Sinais de esgotamento do modelo? 6,0 5,0 -0,2 7,6 3,9 1,8 2,7 0,1 -2,8 -1,0 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015*2016*
  • 4. www.fee.rs.gov.br Fonte: IBGE. Sinais de esgotamento do modelo? PIB – Brasil (Var. % anual) 2,1% a.a.4,5% a.a. 0,8% a.a. 6,0 5,0 -0,2 7,6 3,9 1,8 2,7 0,1 -2,8 -1,0 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015*2016*
  • 5. www.fee.rs.gov.br Fonte: IBGE. PIB – Brasil (Var. % anual)  Intervenção Estatal O que caracterizava esse modelo?  Preços  Investimentos  Gestão microeconômica  Uso dos bancos públicos para gerar “desenvolvimento” 6,0 5,0 -0,2 7,6 3,9 1,8 2,7 0,1 -2,8 -1,0 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015*2016*
  • 6. www.fee.rs.gov.br Fonte: IBGE. IPCA – Preços Administrados (Var.% em 12 meses)  Intervenção Estatal O que caracterizava esse modelo? 1,0 16,0 7,7 jan-00 jan-00 jan-00 jan-00 jan-00 jan-00 jan-00 fev-00 fev-00 fev-00 fev-00 fev-00 mar-00 mar-00 mar-00 mar-00 mar-00 mar-00 mar-00 abr-00 abr-00 Monitorados Livres  Preços  Investimentos  Gestão microeconômica  Uso dos bancos públicos para gerar “desenvolvimento”
  • 7. www.fee.rs.gov.br Fonte: IBGE. Sistema Financeiro Público (Em % do PIB)  Intervenção Estatal O que caracterizava esse modelo? 0,9 9,8 jun.08 jun.15  A maior parte é BNDES  R$ 519 bilhões em estoque  Preços  Investimentos  Gestão microeconômica  Uso dos bancos públicos para gerar “desenvolvimento”
  • 8. www.fee.rs.gov.br Fonte: IBGE. Crédito Total (Part. %)  Intervenção Estatal O que caracterizava esse modelo?  Preços  Investimentos  Gestão microeconômica  Uso dos bancos públicos para gerar “desenvolvimento” 62,2 66,0 58,6 56,0 44,7 37,8 34,0 40,9 45,2 55,3 jan/03 jun/03 nov/03 abr/04 set/04 fev/05 jul/05 dez/05 mai/06 out/06 mar/07 ago/07 jan/08 jun/08 nov/08 abr/09 set/09 fev/10 jul/10 dez/10 mai/11 out/11 mar/12 ago/12 jan/13 jun/13 nov/13 abr/14 set/14 fev/15 jul/15 Bancos Privados Banco Públicos
  • 9. www.fee.rs.gov.br Fonte: IBGE.  Intervenção Estatal O que caracterizava esse modelo? Desonerações Fiscais (Em R$ milhões) 3.095 44.393 76.258 109.255 113.116 77.168 2011 2012 2013 2014 2015 2016 Desde 2011 foram 205 desonerações fiscais das mais diversas  Preços  Investimentos  Gestão microeconômica  Uso dos bancos públicos para gerar “desenvolvimento”
  • 10. www.fee.rs.gov.br Fonte: IBGE.  Intervenção Estatal O que caracterizava esse modelo?  Automotivo  Petróleo, Gás e Naval  Bens de capital  TIC e complexo eletroeletrônico  Complexo da saúde  Defesa, automotivo e espacial  Celulose e papel  Energias renováveis  Indústria da mineração  Metalurgia  Higiene pessoal e perfumaria  Indústria química  Construção Civil e + 6... 308 reuniões de conselho em 4 anos 1 reunião a cada 3 dias úteis  Preços  Investimentos  Gestão microeconômica  Uso dos bancos públicos para gerar “desenvolvimento”
  • 11. www.fee.rs.gov.br Fonte: IBGE.  Intervenção Estatal O que caracterizava esse modelo?  Preços  Investimentos  Gestão microeconômica  Uso dos bancos públicos para gerar “desenvolvimento” Produção Industrial - transformação (Número índice) 100 117,9 93,0 115,6 109,2 118,9 110,9 99,4 jan/05 jun/05 nov/05 abr/06 set/06 fev/07 jul/07 dez/07 mai/08 out/08 mar/09 ago/09 jan/10 jun/10 nov/10 abr/11 set/11 fev/12 jul/12 dez/12 mai/13 out/13 mar/14 ago/14 jan/15 jun/15  A indústria voltou ao mesmo nível de produção de 2005!!  São 10 anos de estagnação…
  • 12. www.fee.rs.gov.br Fonte: IBGE. PIB – Brasil (Part.% do Governo)  Intervenção Estatal O que caracterizava esse modelo?  O estado cresceu….. 19.6% 19.8% 18.2% 20.1% 1ºT97 3ºT98 1ºT00 3ºT01 1ºT03 3ºT04 1ºT06 3ºT07 1ºT09 3ºT10 1ºT12 3ºT13  Preços  Investimentos  Gestão microeconômica  Uso dos bancos públicos para gerar “desenvolvimento”
  • 13. www.fee.rs.gov.br Fonte: IBGE. Dívida Bruta – Governo Federal (Part.% do PIB)  Intervenção Estatal O que caracterizava esse modelo? 61,13 51,29 64,57 dez/06 jun/07 dez/07 jun/08 dez/08 jun/09 dez/09 jun/10 dez/10 jun/11 dez/11 jun/12 dez/12 jun/13 dez/13 jun/14 dez/14 jun/15  E precisou de financiamento  O estado cresceu…..  Preços  Investimentos  Gestão microeconômica  Uso dos bancos públicos para gerar “desenvolvimento”
  • 14. www.fee.rs.gov.br Fonte: IBGE. Resultado Primário (Part.% do PIB)  Intervenção Estatal O que caracterizava esse modelo?  Em um cenário de descontrole fiscal 2,9% 3,0% -0,8% jan/06 ago/06 mar/07 out/07 mai/08 dez/08 jul/09 fev/10 set/10 abr/11 nov/11 jun/12 jan/13 ago/13 mar/14 out/14 mai/15 Sobrava R$ 120 bilhões  O estado cresceu…..  Preços  Investimentos  Gestão microeconômica  Uso dos bancos públicos para gerar “desenvolvimento”  E precisou de financiamento
  • 15. www.fee.rs.gov.br Fonte: IBGE. O que caracterizava esse modelo? 2,9% 3,0% -0,8% jan/06 ago/06 mar/07 out/07 mai/08 dez/08 jul/09 fev/10 set/10 abr/11 nov/11 jun/12 jan/13 ago/13 mar/14 out/14 mai/15  É o maior resultado negativo do Plano Real  O Governo Central gastou R$ 43 bilhões a mais do que arrecadou… Resultado Primário (Part.% do PIB)  Intervenção Estatal  Em um cenário de descontrole fiscal  O estado cresceu…..  Preços  Investimentos  Gestão microeconômica  Uso dos bancos públicos para gerar “desenvolvimento”  E precisou de financiamento
  • 16. www.fee.rs.gov.br 14,3% 14,0% Receitas Despesas Fonte: IBGE. O que caracterizava esse modelo? E não foi por falta de arrecadação…. Em % do PIB 17,2% 15,0% Receitas Despesas 18,4% 18,7% Receitas Despesas 1997: Havia certo equilíbrio entre receitas e despesas.... 2003: A diferença chegava a R$ 39 bilhões.... 2014: É a primeira vez no Plano Real que as despesas são maiores...  Intervenção Estatal  Em um cenário de descontrole fiscal  O estado cresceu…..  Preços  Investimentos  Gestão microeconômica  Uso dos bancos públicos para gerar “desenvolvimento”  E precisou de financiamento
  • 17. www.fee.rs.gov.br Fonte: IBGE. O que caracterizava esse modelo? Rendimento x Imposto de Renda (ago/2002=100) 151,0 100 202,1 ago/02 jul/03 jun/04 mai/05 abr/06 mar/07 fev/08 jan/09 dez/09 nov/10 out/11 set/12 ago/13 jul/14 jun/15 Rendimento médio real IR PF + trabalho  Enquanto a rendimento médio real cresceu 51% acima da inflação, a arrecadação de IR PF + trabalho aumentou 102%.  Intervenção Estatal  Em um cenário de descontrole fiscal  O estado cresceu…..  Preços  Investimentos  Gestão microeconômica  Uso dos bancos públicos para gerar “desenvolvimento”  E precisou de financiamento
  • 18. www.fee.rs.gov.br 89,8 146,0 set/02 ago/03 jul/04 jun/05 mai/06 abr/07 mar/08 fev/09 jan/10 dez/10 nov/11 out/12 set/13 ago/14 jul/15 Fonte: IBGE. O que caracterizava esse modelo? Pessoal Ocupado x Imposto de Renda (razão)  A arrecadação de IR PF + trabalho também cresce em relação ao pessoal ocupado.  Atualmente está 46% maior que 12 anos atrás…  Intervenção Estatal  Em um cenário de descontrole fiscal  O estado cresceu…..  Preços  Investimentos  Gestão microeconômica  Uso dos bancos públicos para gerar “desenvolvimento”  E precisou de financiamento
  • 19. www.fee.rs.gov.br Fonte: IBGE. FMI. *Zona do Euro. Mas, o modelo era novo? O que caracterizava esse modelo?  Foi o nosso 3º ciclo “desenvolvimentista”  1930-1964  1964-1980  2003-?
  • 20. www.fee.rs.gov.br  Cenário Econômico Nacional  O que nos trouxe a essa situação econômica?  O esgotamento do modelo.  Como estamos?  Uma economia fraca.  Quais os riscos e para onde vamos?  Nova década perdida?
  • 21. www.fee.rs.gov.br Rendimento médio real (Var. % anual)  Inflação e juros altos Há diversos problemas na economia Fonte: IBGE. Relatório Focus*(24/08). -2,76% 5,70% -0,01% out/04 jul/05 abr/06 jan/07 out/07 jul/08 abr/09 jan/10 out/10 jul/11 abr/12 jan/13 out/13 jul/14 abr/15  A pressão inflacionária reduz a renda real do trabalhador.  É a primeira vez em uma década que isso acontece.
  • 22. www.fee.rs.gov.br  Inflação e juros altos  Incertezas de consumidores e investidores Há diversos problemas na economia Fonte: IBGE. Relatório Focus*(24/08). Índice de confiança do consumidor (Nº índice – base fixa = média 2003) 109 94,7 127,8 82,0 jan/07 jul/07 jan/08 jul/08 jan/09 jul/09 jan/10 jul/10 jan/11 jul/11 jan/12 jul/12 jan/13 jul/13 jan/14 jul/14 jan/15 jul/15 Média do período: 110,8
  • 23. www.fee.rs.gov.br  Inflação e juros altos  Incertezas de consumidores e investidores Há diversos problemas na economia Fonte: IBGE. Relatório Focus*(24/08). 88,5 74,7 76,5 69,0 74,8 104,1 mar/09 jun/09 set/09 dez/09 mar/10 jun/10 set/10 dez/10 mar/11 jun/11 set/11 dez/11 mar/12 jun/12 set/12 dez/12 mar/13 jun/13 set/13 dez/13 mar/14 jun/14 set/14 dez/14 mar/15 jun/15 Medo do desemprego (Nº índice – base fixa = média 2003) +39,2%
  • 24. www.fee.rs.gov.br  Inflação e juros altos  Incertezas de consumidores e investidores Há diversos problemas na economia Fonte: IBGE. Relatório Focus*(24/08). Venda do Comércio (Var.% em 12 meses) -1,9 -2,9 5,8 9,0 5,5 10,2 5,9 10,4 7,4 3,4 -1,0 mar/03 jul/03 nov/03 mar/04 jul/04 nov/04 mar/05 jul/05 nov/05 mar/06 jul/06 nov/06 mar/07 jul/07 nov/07 mar/08 jul/08 nov/08 mar/09 jul/09 nov/09 mar/10 jul/10 nov/10 mar/11 jul/11 nov/11 mar/12 jul/12 nov/12 mar/13 jul/13 nov/13 mar/14 jul/14 nov/14 mar/15 jul/15  É primeira queda desde 2003.
  • 25. www.fee.rs.gov.br Endividamento das Famílias ((% médio em relação à renda acum. em 12 meses )  Inflação e juros altos  Incertezas de consumidores e investidores  Famílias e governo endividados Há diversos problemas na economia Fonte: IBGE. Relatório Focus*(24/08). 20,5 23,7 27,3 31,7 34,0 37,8 41,1 43,1 44,8 45,7 46,3 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 *2015  Incertezas políticas
  • 26. www.fee.rs.gov.br  Cenário Econômico Nacional  O que nos trouxe a essa situação econômica?  O esgotamento do modelo.  Como estamos?  Uma economia fraca.  Quais os riscos e para onde vamos?  Nova década perdida?
  • 27. www.fee.rs.gov.br Há muito o que temer Fonte: IBGE. Relatório Focus*(24/08).  Desaceleração econômica na China  Mudança na política monetária nos EUA PIB Brasil e Preço das Commodities (Variação % em 12 meses) -3,8 -10,91,4 -0,9 -2,0 -1,0 0,0 1,0 2,0 3,0 4,0 5,0 6,0 7,0 8,0 9,0 -30,0 -20,0 -10,0 0,0 10,0 20,0 30,0 40,0 I III I III I III I III I III I III I III I III I III I III I III I III I III I III I III I 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 Commodities (ex combustíveis) PIB Período da “bonança”
  • 28. www.fee.rs.gov.br 2015 2016 Desenvolvidos 2,1% 2,4% EUA 2,5% 3,0% Europa* 1,5% 1,7% Emergentes 4,2% 4,7% China 6,8% 6,3% Am. Latina 0,5% 1,7% Há muito o que temer Fonte: IBGE. Relatório Focus*(24/08).  Desaceleração econômica na China PIB – Mundial (Var. % anual)  Mudança na política monetária nos EUA  Mas, mesmo assim, a perspectiva mundial é positiva Mundo 3,3% 3,8%
  • 29. www.fee.rs.gov.br Há muito o que temer Fonte: IBGE. Relatório Focus*(24/08).  Desaceleração econômica na China PIB Brasil – Previsão (Var. % anual)  Mudança na política monetária nos EUA  Mas, mesmo assim, a perspectiva mundial é positiva 2015: Devemos ter a maior retração econômica do Plano Real. 2016: Crise essa que deve se estender para os próximos 12 meses. 2017: E ainda com baixo crescimento em 2017. 2,48 -2,78 02/01/2014 06/02/2014 17/03/2014 23/04/2014 29/05/2014 04/07/2014 08/08/2014 12/09/2014 17/10/2014 21/11/2014 29/12/2014 03/02/2015 12/03/2015 17/04/2015 26/05/2015 01/07/2015 05/08/2015 10/09/2015 3,00 -1,00 02/01/2014 03/02/2014 07/03/2014 08/04/2014 13/05/2014 12/06/2014 15/07/2014 14/08/2014 15/09/2014 15/10/2014 14/11/2014 16/12/2014 19/01/2015 20/02/2015 24/03/2015 27/04/2015 28/05/2015 30/06/2015 30/07/2015 31/08/2015 3,00 1,03 02/01/2014 03/02/2014 07/03/2014 08/04/2014 13/05/2014 12/06/2014 15/07/2014 14/08/2014 15/09/2014 15/10/2014 14/11/2014 16/12/2014 19/01/2015 20/02/2015 24/03/2015 27/04/2015 28/05/2015 30/06/2015 30/07/2015 31/08/2015  Enquanto que o Brasil deve experimentar anos difíceis
  • 30. www.fee.rs.gov.br 2016: O ano da recuperação?  Estamos diante de um ciclo perverso Queda da renda Queda da demanda Queda das vendas Queda na produção Aumenta o desemprego Piora expectativas Maior inadimplência Reduz crédito Inflação alta Juros altos Problemas fiscais Reduz investimento Ajuste fiscal Cai a arrecadação
  • 31. www.fee.rs.gov.br 2016: O ano da recuperação?  Estamos diante de um ciclo perverso Queda da renda Queda da demanda Queda das vendas Queda na produção Aumenta o desemprego Piora expectativas Maior inadimplência Reduz crédito Inflação alta Juros altos Problemas fiscais Reduz investimento Ajuste fiscal Cai a arrecadação
  • 32. www.fee.rs.gov.br 2016: O ano da recuperação?  Estamos diante de um ciclo perverso  Para romper esse ciclo é preciso:  Governo resgatar a confiança dos agentes econômicos  O ajuste fiscal tem que vir pelo controle de gastos  A nossa agenda de reformas estruturais foi esquecida.
  • 33. www.fee.rs.gov.br Fundação de Economia e Estatística Siegfried Emanuel Heuser Diretoria Presidente: Igor Alexandre Clemente de Morais Diretor Técnico: Martinho Roberto Lazzari Diretora Administrativa: Nóra Angela Gundlach Kraemer Rua Duque de Caxias, 1691 Centro Histórico, Porto Alegre CEP: 90010-283 (51) 3216.9000 Assessoria Econômica Bruno Breyer Caldas Guilherme Stein Jéfferson Colombo Mariana Bartels Vanessa Neumann Sulzbach Estagiárias: Luciane Machim Vieira Andréa Vieira Presidente Igor Morais

Notas do Editor

  1. Template de capa Em coletivas, a capa deve conter o nome do Núcleo e do Centro realizador da pesquisa. A equipe é listada na página final.
  2. Margem de segurança: Todo texto, figuras, gráficos e tabelas não devem ultrapassar essa margem, a fim de tornar o layout mais limpo e compreensível.
  3. Margem de segurança: Todo texto, figuras, gráficos e tabelas não devem ultrapassar essa margem, a fim de tornar o layout mais limpo e compreensível.
  4. Margem de segurança: Todo texto, figuras, gráficos e tabelas não devem ultrapassar essa margem, a fim de tornar o layout mais limpo e compreensível.
  5. Margem de segurança: Todo texto, figuras, gráficos e tabelas não devem ultrapassar essa margem, a fim de tornar o layout mais limpo e compreensível.
  6. Margem de segurança: Todo texto, figuras, gráficos e tabelas não devem ultrapassar essa margem, a fim de tornar o layout mais limpo e compreensível.
  7. Margem de segurança: Todo texto, figuras, gráficos e tabelas não devem ultrapassar essa margem, a fim de tornar o layout mais limpo e compreensível.
  8. Margem de segurança: Todo texto, figuras, gráficos e tabelas não devem ultrapassar essa margem, a fim de tornar o layout mais limpo e compreensível.
  9. Margem de segurança: Todo texto, figuras, gráficos e tabelas não devem ultrapassar essa margem, a fim de tornar o layout mais limpo e compreensível.
  10. Margem de segurança: Todo texto, figuras, gráficos e tabelas não devem ultrapassar essa margem, a fim de tornar o layout mais limpo e compreensível.
  11. Margem de segurança: Todo texto, figuras, gráficos e tabelas não devem ultrapassar essa margem, a fim de tornar o layout mais limpo e compreensível.
  12. Margem de segurança: Todo texto, figuras, gráficos e tabelas não devem ultrapassar essa margem, a fim de tornar o layout mais limpo e compreensível.
  13. Margem de segurança: Todo texto, figuras, gráficos e tabelas não devem ultrapassar essa margem, a fim de tornar o layout mais limpo e compreensível.
  14. Margem de segurança: Todo texto, figuras, gráficos e tabelas não devem ultrapassar essa margem, a fim de tornar o layout mais limpo e compreensível.
  15. Margem de segurança: Todo texto, figuras, gráficos e tabelas não devem ultrapassar essa margem, a fim de tornar o layout mais limpo e compreensível.
  16. Margem de segurança: Todo texto, figuras, gráficos e tabelas não devem ultrapassar essa margem, a fim de tornar o layout mais limpo e compreensível.
  17. Margem de segurança: Todo texto, figuras, gráficos e tabelas não devem ultrapassar essa margem, a fim de tornar o layout mais limpo e compreensível.
  18. Margem de segurança: Todo texto, figuras, gráficos e tabelas não devem ultrapassar essa margem, a fim de tornar o layout mais limpo e compreensível.
  19. Margem de segurança: Todo texto, figuras, gráficos e tabelas não devem ultrapassar essa margem, a fim de tornar o layout mais limpo e compreensível.
  20. Margem de segurança: Todo texto, figuras, gráficos e tabelas não devem ultrapassar essa margem, a fim de tornar o layout mais limpo e compreensível.
  21. Margem de segurança: Todo texto, figuras, gráficos e tabelas não devem ultrapassar essa margem, a fim de tornar o layout mais limpo e compreensível.
  22. Margem de segurança: Todo texto, figuras, gráficos e tabelas não devem ultrapassar essa margem, a fim de tornar o layout mais limpo e compreensível.
  23. Margem de segurança: Todo texto, figuras, gráficos e tabelas não devem ultrapassar essa margem, a fim de tornar o layout mais limpo e compreensível.
  24. Margem de segurança: Todo texto, figuras, gráficos e tabelas não devem ultrapassar essa margem, a fim de tornar o layout mais limpo e compreensível.
  25. Margem de segurança: Todo texto, figuras, gráficos e tabelas não devem ultrapassar essa margem, a fim de tornar o layout mais limpo e compreensível.
  26. Margem de segurança: Todo texto, figuras, gráficos e tabelas não devem ultrapassar essa margem, a fim de tornar o layout mais limpo e compreensível.
  27. Margem de segurança: Todo texto, figuras, gráficos e tabelas não devem ultrapassar essa margem, a fim de tornar o layout mais limpo e compreensível.
  28. Margem de segurança: Todo texto, figuras, gráficos e tabelas não devem ultrapassar essa margem, a fim de tornar o layout mais limpo e compreensível.
  29. Margem de segurança: Todo texto, figuras, gráficos e tabelas não devem ultrapassar essa margem, a fim de tornar o layout mais limpo e compreensível.
  30. Inserir Núcleo e Centro. Após, nome do apresentador e email. Por fim, nome da equipe (quando houver).