SlideShare uma empresa Scribd logo
Expectativas
inflacionárias e
política monetária
Bruno Paim
Núcleo de Estudos de Política Econômica
Centro de Estudos Econômicos e Sociais
FEE
Estrutura da Apresentação
- Indicadores Macroeconômicos
- Política Monetária
- Composição do IPCA
- Variação nos Componentes do IPCA
- Contribuição para o IPCA
- Considerações Finais
INDICADORES SELECIONADOS
Mar./13; 7,25
Jul./15; 14,25 Set./16; 14,25
Fev./18; 6,75
-10
-5
0
5
10
15
20
Jan./11 Jan./12 Jan./13 Jan./14 Jan./15 Jan./16 Jan./17 Jan./18
Fonte: BCB, IBGE
INDICADORES SELECIONADOS
Mar./13; 7,25
Jul./15; 14,25 Set./16; 14,25
Fev./18; 6,75
-10
-5
0
5
10
15
20
Jan./11 Jan./12 Jan./13 Jan./14 Jan./15 Jan./16 Jan./17 Jan./18
Meta tx. SELIC IPCA acum 12 meses
Fonte: BCB, IBGE
INDICADORES SELECIONADOS
Mar./13; 7,25
Jul./15; 14,25 Set./16; 14,25
Fev./18; 6,75
-10
-5
0
5
10
15
20
Jan./11 Jan./12 Jan./13 Jan./14 Jan./15 Jan./16 Jan./17 Jan./18
Meta tx. SELIC Variação PIB Acum 12 meses
Fonte: BCB, IBGE
INDICADORES SELECIONADOS
Mar./13; 7,25
Jul./15; 14,25 Set./16; 14,25
Fev./18; 6,75
-10
-5
0
5
10
15
20
Jan./11 Jan./12 Jan./13 Jan./14 Jan./15 Jan./16 Jan./17 Jan./18
Meta tx. SELIC Variação PIB Acum 12 meses Taxa de Desocupação
Fonte: BCB, IBGE
INDICADORES SELECIONADOS
-10
-5
0
5
10
15
20
Jan./11 Jan./12 Jan./13 Jan./14 Jan./15 Jan./16 Jan./17 Jan./18
Meta tx. SELIC Variação PIB Acum 12 meses Taxa de Desocupação IPCA acum 12 meses
Aperto foi
demasiado?
Fonte: BCB, IBGE
POLÍTICA MONETÁRIA
Sucesso na queda da inflação?
- Inflação se reduziu de 10,7% em Janeiro de 2016 para a mínima
de 2,46% em agosto de 2017.
- Fechou o ano abaixo do limite inferior da meta de inflação, de
3%.
POLÍTICA MONETÁRIA
Sucesso na queda da inflação?
- Inflação se reduziu de 10,7% em Janeiro de 2016 para a mínima
de 2,46% em agosto de 2017.
- Fechou o ano abaixo do limite inferior da meta de inflação, de
3%.
Aperto foi demasiado?
- Resposta do Presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn, em
evento na Febraban:
“Acreditamos que a inflação não apresentaria essa mesma queda caso o
Banco Central não atuasse de maneira firme para domar as expectativas
inflacionárias, apoiado pela política econômica de forma geral”.
COMPOSIÇÃO DO IPCA
Fonte: IBGE
0%
10%
20%
30%
40%
50%
60%
70%
80%
90%
100%
janeiro 2012 janeiro 2013 janeiro 2014 janeiro 2015 janeiro 2016 janeiro 2017
11.Alimentação no domicílio 12.Alimentação fora do domicílio 2.Habitação 3.Artigos de residência
4.Vestuário 5.Transportes 6.Saúde e cuidados pessoais 7.Despesas pessoais
8.Educação 9.Comunicação
COMPOSIÇÃO DO IPCA
Fonte: IBGE
0%
10%
20%
30%
40%
50%
60%
70%
80%
90%
100%
janeiro 2012 janeiro 2013 janeiro 2014 janeiro 2015 janeiro 2016 janeiro 2017
11.Alimentação no domicílio 12.Alimentação fora do domicílio 2.Habitação 3.Artigos de residência
4.Vestuário 5.Transportes 6.Saúde e cuidados pessoais 7.Despesas pessoais
8.Educação 9.Comunicação
COMPOSIÇÃO DO IPCA
11.Alimentação no
domicílio
16%
12.Alimentação
fora do domicílio
9%
2.Habitação
16%
3.Artigos de
residência
4%
4.Vestuário
6%
5.Transportes
18%
6.Saúde e
cuidados pessoais
12%
7.Despesas
pessoais
11%
8.Educação
5%
9.Comunicação
3%
Fonte: IBGE
VARIAÇÃO DOS COMPONENTES DO IPCA
x<3 3<x<4 4<x<5 5<x<6 x>6
Índice geral 7 3 26 31 60
1.Alimentação e bebidas 8 7 7 3 102
11.Alimentação no domicílio 21 1 10 4 91
12.Alimentação fora do domicílio 0 2 5 2 117
2.Habitação 22 9 20 17 59
21.Encargos e manutenção 0 2 18 14 92
22.Combustíveis e energia 62 18 7 4 36
3.Artigos de residência 63 13 23 7 21
4.Vestuário 11 16 23 28 49
5.Transportes 59 28 8 7 25
6.Saúde e cuidados pessoais 0 0 21 30 76
7.Despesas pessoais 0 0 5 4 118
8.Educação 0 0 20 7 100
9.Comunicação 124 3 0 0 0
Total de 127 observações, de Junho de 2007 a Dezembro de 2017.
Número de meses em que a inflação acumulada em cada item ficou em cada faixa:
Fonte: IBGE
CONTRIBUIÇÃO PARA O IPCA
Fonte: IBGE
-2
0
2
4
6
8
10
12
2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017
Núcleo do IPCA (IPCA - A e B) A. Alimentação no domicílio B. Combustíveis e energia
IPCA Meta Limite Superior
Limite Inferior
CONTRIBUIÇÃO PARA O IPCA e SELIC
Fonte: IBGE e BCB
0,00
2,00
4,00
6,00
8,00
10,00
12,00
14,00
16,00
-2,00
0,00
2,00
4,00
6,00
8,00
10,00
12,00
julho
2007
janeiro
2008
julho
2008
janeiro
2009
julho
2009
janeiro
2010
julho
2010
janeiro
2011
julho
2011
janeiro
2012
julho
2012
janeiro
2013
julho
2013
janeiro
2014
julho
2014
janeiro
2015
julho
2015
janeiro
2016
julho
2016
janeiro
2017
julho
2017
1.Alimentação e bebidas 2.Habitação 3.Artigos de residência 4.Vestuário
5.Transportes 6.Saúde e cuidados pessoais 7.Despesas pessoais 8.Educação
9.Comunicação Meta Selic (eixo direita)
TÍTULO (CX ALTA, FONTE 28)
Subtítulo (Cx. Baixa, fonte 24)
- Item 1 (Cx. Baixa, fonte 20)
- Item 2 (Cx. Baixa, fonte 20)
CONSIDERAÇÕES FINAIS
- Muito mais que combater expectativas, a queda da
inflação se deu por consequência:
i) das condições climáticas e melhores safras;
ii) do fim do reposicionamento dos preços de
combustíveis e energia
- Considerando que o próprio Banco Central
reconhece que tais causas estão parcialmente “fora do seu
alcance”, atribuir a queda da inflação à “firmeza” na condução
parece tentar justificar uma postura demasiadamente rígida
que elevou e manteve a taxa de juros Selic em níveis
excessivamente altos.
NEPE/CEES/FEE
Apresentador:
Bruno Paim (Pesquisador em Economia/FEE)
bpaim@fee.tche.br
Fundação de Economia e Estatística
Siegfried Emanuel Heuser
Rua Duque de Caxias, 1691
Centro Histórico, Porto Alegre
CEP: 90010-283
(51) 3216.9000

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Nota inflação set
Nota   inflação setNota   inflação set
Nota inflação set
hasaverus
 
Assembleia Geral 2016
Assembleia Geral 2016Assembleia Geral 2016
Assembleia Geral 2016
SindicatoSJBV
 
Apresentação criança e adolescente toinha
Apresentação criança e adolescente   toinhaApresentação criança e adolescente   toinha
Apresentação criança e adolescente toinha
Rafaele Esmeraldo
 
Fortaleza 2040 conjuntura do comercio
Fortaleza 2040 conjuntura do comercio Fortaleza 2040 conjuntura do comercio
Fortaleza 2040 conjuntura do comercio
Alex Araujo
 
Delcídio do Amaral - Jovens Empresários - 2011
Delcídio do Amaral - Jovens Empresários - 2011Delcídio do Amaral - Jovens Empresários - 2011
Delcídio do Amaral - Jovens Empresários - 2011
Delcídio do Amaral
 
Brasil registra queda de 84% nos óbitos por dengue em 2012
Brasil registra queda de 84% nos óbitos por dengue em 2012Brasil registra queda de 84% nos óbitos por dengue em 2012
Brasil registra queda de 84% nos óbitos por dengue em 2012
Ministério da Saúde
 
Talk a Bit 2015 (FEUP) - Luis Vidigal - "Citizenware"
Talk a Bit 2015 (FEUP) - Luis Vidigal - "Citizenware"Talk a Bit 2015 (FEUP) - Luis Vidigal - "Citizenware"
Talk a Bit 2015 (FEUP) - Luis Vidigal - "Citizenware"
Luis Vidigal
 
PAC como Alavanca no Investimento Público em Saneamento, por Elvio Lima Gaspa...
PAC como Alavanca no Investimento Público em Saneamento, por Elvio Lima Gaspa...PAC como Alavanca no Investimento Público em Saneamento, por Elvio Lima Gaspa...
PAC como Alavanca no Investimento Público em Saneamento, por Elvio Lima Gaspa...
Instituto Besc
 
Imobiliárias em Rio Preto - www.imobiliariasemriopreto.com.br - Imóveis de Ri...
Imobiliárias em Rio Preto - www.imobiliariasemriopreto.com.br - Imóveis de Ri...Imobiliárias em Rio Preto - www.imobiliariasemriopreto.com.br - Imóveis de Ri...
Imobiliárias em Rio Preto - www.imobiliariasemriopreto.com.br - Imóveis de Ri...
Imobiliárias e Imóveis em Rio Preto
 
Boletim informativo | Biagini Advogados | Janeiro 2015
Boletim informativo | Biagini Advogados | Janeiro 2015Boletim informativo | Biagini Advogados | Janeiro 2015
Boletim informativo | Biagini Advogados | Janeiro 2015
Priscila Novacek Biagini
 
Análise icms
Análise icmsAnálise icms
Análise icms
americotomweb
 

Mais procurados (11)

Nota inflação set
Nota   inflação setNota   inflação set
Nota inflação set
 
Assembleia Geral 2016
Assembleia Geral 2016Assembleia Geral 2016
Assembleia Geral 2016
 
Apresentação criança e adolescente toinha
Apresentação criança e adolescente   toinhaApresentação criança e adolescente   toinha
Apresentação criança e adolescente toinha
 
Fortaleza 2040 conjuntura do comercio
Fortaleza 2040 conjuntura do comercio Fortaleza 2040 conjuntura do comercio
Fortaleza 2040 conjuntura do comercio
 
Delcídio do Amaral - Jovens Empresários - 2011
Delcídio do Amaral - Jovens Empresários - 2011Delcídio do Amaral - Jovens Empresários - 2011
Delcídio do Amaral - Jovens Empresários - 2011
 
Brasil registra queda de 84% nos óbitos por dengue em 2012
Brasil registra queda de 84% nos óbitos por dengue em 2012Brasil registra queda de 84% nos óbitos por dengue em 2012
Brasil registra queda de 84% nos óbitos por dengue em 2012
 
Talk a Bit 2015 (FEUP) - Luis Vidigal - "Citizenware"
Talk a Bit 2015 (FEUP) - Luis Vidigal - "Citizenware"Talk a Bit 2015 (FEUP) - Luis Vidigal - "Citizenware"
Talk a Bit 2015 (FEUP) - Luis Vidigal - "Citizenware"
 
PAC como Alavanca no Investimento Público em Saneamento, por Elvio Lima Gaspa...
PAC como Alavanca no Investimento Público em Saneamento, por Elvio Lima Gaspa...PAC como Alavanca no Investimento Público em Saneamento, por Elvio Lima Gaspa...
PAC como Alavanca no Investimento Público em Saneamento, por Elvio Lima Gaspa...
 
Imobiliárias em Rio Preto - www.imobiliariasemriopreto.com.br - Imóveis de Ri...
Imobiliárias em Rio Preto - www.imobiliariasemriopreto.com.br - Imóveis de Ri...Imobiliárias em Rio Preto - www.imobiliariasemriopreto.com.br - Imóveis de Ri...
Imobiliárias em Rio Preto - www.imobiliariasemriopreto.com.br - Imóveis de Ri...
 
Boletim informativo | Biagini Advogados | Janeiro 2015
Boletim informativo | Biagini Advogados | Janeiro 2015Boletim informativo | Biagini Advogados | Janeiro 2015
Boletim informativo | Biagini Advogados | Janeiro 2015
 
Análise icms
Análise icmsAnálise icms
Análise icms
 

Semelhante a Expectativas inflacionárias e política monetária

14 09 05 informe diário
14 09 05 informe diário14 09 05 informe diário
14 09 05 informe diário
MB Associados
 
Estudo Conjuntura do Dieese
Estudo Conjuntura do DieeseEstudo Conjuntura do Dieese
Estudo Conjuntura do Dieese
Nathan Camelo
 
Coletiva de final de ano 2017
Coletiva de final de ano 2017Coletiva de final de ano 2017
Coletiva de final de ano 2017
Fecomércio-RS
 
Painel 4 - Os rumos do desenvolvimento econômico do Brasil
Painel 4 - Os rumos do desenvolvimento econômico do BrasilPainel 4 - Os rumos do desenvolvimento econômico do Brasil
Painel 4 - Os rumos do desenvolvimento econômico do Brasil
Diágoras M. Alencar Junior
 
Apresentação santander cenarios macro brasil
Apresentação santander   cenarios macro brasilApresentação santander   cenarios macro brasil
Apresentação santander cenarios macro brasil
CRA - MG
 
Panorama macroeconômico do Brasil em Outubro de 2017
Panorama macroeconômico do Brasil em Outubro de 2017Panorama macroeconômico do Brasil em Outubro de 2017
Panorama macroeconômico do Brasil em Outubro de 2017
Revista Cafeicultura
 
14 05 29 informe diário
14 05 29 informe diário14 05 29 informe diário
14 05 29 informe diário
MB Associados
 
A instabilidade econômica nacional e impactos no mercado consumidor
A instabilidade econômica nacional e impactos no mercado consumidorA instabilidade econômica nacional e impactos no mercado consumidor
A instabilidade econômica nacional e impactos no mercado consumidor
Fundação de Economia e Estatística
 
Apresentação – Retomada do crescimento e reformas estruturais (23/08/2017)
Apresentação – Retomada do crescimento e reformas estruturais (23/08/2017)Apresentação – Retomada do crescimento e reformas estruturais (23/08/2017)
Apresentação – Retomada do crescimento e reformas estruturais (23/08/2017)
Ministério da Economia
 
Apresentação sobre economia brasileira, de Carlos Thadeu, da CNC, na Fecomerc...
Apresentação sobre economia brasileira, de Carlos Thadeu, da CNC, na Fecomerc...Apresentação sobre economia brasileira, de Carlos Thadeu, da CNC, na Fecomerc...
Apresentação sobre economia brasileira, de Carlos Thadeu, da CNC, na Fecomerc...
Jornal do Commercio
 
BRASIL E PERNAMBUCO : Cenários econômicos para 2016 e importância de iniciati...
BRASIL E PERNAMBUCO : Cenários econômicos para 2016 e importância de iniciati...BRASIL E PERNAMBUCO : Cenários econômicos para 2016 e importância de iniciati...
BRASIL E PERNAMBUCO : Cenários econômicos para 2016 e importância de iniciati...
Elismar Rodrigues
 
170821 brasil 2017 2020 r l troster v4
170821 brasil 2017   2020 r l troster v4170821 brasil 2017   2020 r l troster v4
170821 brasil 2017 2020 r l troster v4
Troster
 
Indicadores da Economia Brasileira: Confiança e Expectativas 2016
Indicadores da Economia Brasileira: Confiança e Expectativas 2016Indicadores da Economia Brasileira: Confiança e Expectativas 2016
Indicadores da Economia Brasileira: Confiança e Expectativas 2016
Fundação Dom Cabral - FDC
 
Apresentação 3T10 PT
Apresentação 3T10 PTApresentação 3T10 PT
Apresentação 3T10 PT
generalshoppingriweb
 
Boletim Cenarios Economicos - nov22.pdf
Boletim Cenarios Economicos - nov22.pdfBoletim Cenarios Economicos - nov22.pdf
Boletim Cenarios Economicos - nov22.pdf
EuripedesJunior14
 
Brasil em Perspectiva - Junho de 2014
Brasil em Perspectiva - Junho de 2014Brasil em Perspectiva - Junho de 2014
Brasil em Perspectiva - Junho de 2014
Miguel Rosario
 
Apresentação perspectivas 2014
Apresentação perspectivas 2014Apresentação perspectivas 2014
Apresentação perspectivas 2014
Roberto Moraes
 
Café com Lojistas - Perspectivas do Varejo | Palestrante: Lucas Schifino
Café com Lojistas - Perspectivas do Varejo | Palestrante: Lucas SchifinoCafé com Lojistas - Perspectivas do Varejo | Palestrante: Lucas Schifino
Café com Lojistas - Perspectivas do Varejo | Palestrante: Lucas Schifino
Sindilojas Porto Alegre
 
FGV / IBRE - Observações Sobre a Política Monetária Atual - Sérgio Ribeiro da...
FGV / IBRE - Observações Sobre a Política Monetária Atual - Sérgio Ribeiro da...FGV / IBRE - Observações Sobre a Política Monetária Atual - Sérgio Ribeiro da...
FGV / IBRE - Observações Sobre a Política Monetária Atual - Sérgio Ribeiro da...
FGV | Fundação Getulio Vargas
 
Economia Brasileira e Gaúcha - Perspectivas 2015 e 2016
Economia Brasileira e Gaúcha - Perspectivas 2015 e 2016Economia Brasileira e Gaúcha - Perspectivas 2015 e 2016
Economia Brasileira e Gaúcha - Perspectivas 2015 e 2016
Fundação de Economia e Estatística
 

Semelhante a Expectativas inflacionárias e política monetária (20)

14 09 05 informe diário
14 09 05 informe diário14 09 05 informe diário
14 09 05 informe diário
 
Estudo Conjuntura do Dieese
Estudo Conjuntura do DieeseEstudo Conjuntura do Dieese
Estudo Conjuntura do Dieese
 
Coletiva de final de ano 2017
Coletiva de final de ano 2017Coletiva de final de ano 2017
Coletiva de final de ano 2017
 
Painel 4 - Os rumos do desenvolvimento econômico do Brasil
Painel 4 - Os rumos do desenvolvimento econômico do BrasilPainel 4 - Os rumos do desenvolvimento econômico do Brasil
Painel 4 - Os rumos do desenvolvimento econômico do Brasil
 
Apresentação santander cenarios macro brasil
Apresentação santander   cenarios macro brasilApresentação santander   cenarios macro brasil
Apresentação santander cenarios macro brasil
 
Panorama macroeconômico do Brasil em Outubro de 2017
Panorama macroeconômico do Brasil em Outubro de 2017Panorama macroeconômico do Brasil em Outubro de 2017
Panorama macroeconômico do Brasil em Outubro de 2017
 
14 05 29 informe diário
14 05 29 informe diário14 05 29 informe diário
14 05 29 informe diário
 
A instabilidade econômica nacional e impactos no mercado consumidor
A instabilidade econômica nacional e impactos no mercado consumidorA instabilidade econômica nacional e impactos no mercado consumidor
A instabilidade econômica nacional e impactos no mercado consumidor
 
Apresentação – Retomada do crescimento e reformas estruturais (23/08/2017)
Apresentação – Retomada do crescimento e reformas estruturais (23/08/2017)Apresentação – Retomada do crescimento e reformas estruturais (23/08/2017)
Apresentação – Retomada do crescimento e reformas estruturais (23/08/2017)
 
Apresentação sobre economia brasileira, de Carlos Thadeu, da CNC, na Fecomerc...
Apresentação sobre economia brasileira, de Carlos Thadeu, da CNC, na Fecomerc...Apresentação sobre economia brasileira, de Carlos Thadeu, da CNC, na Fecomerc...
Apresentação sobre economia brasileira, de Carlos Thadeu, da CNC, na Fecomerc...
 
BRASIL E PERNAMBUCO : Cenários econômicos para 2016 e importância de iniciati...
BRASIL E PERNAMBUCO : Cenários econômicos para 2016 e importância de iniciati...BRASIL E PERNAMBUCO : Cenários econômicos para 2016 e importância de iniciati...
BRASIL E PERNAMBUCO : Cenários econômicos para 2016 e importância de iniciati...
 
170821 brasil 2017 2020 r l troster v4
170821 brasil 2017   2020 r l troster v4170821 brasil 2017   2020 r l troster v4
170821 brasil 2017 2020 r l troster v4
 
Indicadores da Economia Brasileira: Confiança e Expectativas 2016
Indicadores da Economia Brasileira: Confiança e Expectativas 2016Indicadores da Economia Brasileira: Confiança e Expectativas 2016
Indicadores da Economia Brasileira: Confiança e Expectativas 2016
 
Apresentação 3T10 PT
Apresentação 3T10 PTApresentação 3T10 PT
Apresentação 3T10 PT
 
Boletim Cenarios Economicos - nov22.pdf
Boletim Cenarios Economicos - nov22.pdfBoletim Cenarios Economicos - nov22.pdf
Boletim Cenarios Economicos - nov22.pdf
 
Brasil em Perspectiva - Junho de 2014
Brasil em Perspectiva - Junho de 2014Brasil em Perspectiva - Junho de 2014
Brasil em Perspectiva - Junho de 2014
 
Apresentação perspectivas 2014
Apresentação perspectivas 2014Apresentação perspectivas 2014
Apresentação perspectivas 2014
 
Café com Lojistas - Perspectivas do Varejo | Palestrante: Lucas Schifino
Café com Lojistas - Perspectivas do Varejo | Palestrante: Lucas SchifinoCafé com Lojistas - Perspectivas do Varejo | Palestrante: Lucas Schifino
Café com Lojistas - Perspectivas do Varejo | Palestrante: Lucas Schifino
 
FGV / IBRE - Observações Sobre a Política Monetária Atual - Sérgio Ribeiro da...
FGV / IBRE - Observações Sobre a Política Monetária Atual - Sérgio Ribeiro da...FGV / IBRE - Observações Sobre a Política Monetária Atual - Sérgio Ribeiro da...
FGV / IBRE - Observações Sobre a Política Monetária Atual - Sérgio Ribeiro da...
 
Economia Brasileira e Gaúcha - Perspectivas 2015 e 2016
Economia Brasileira e Gaúcha - Perspectivas 2015 e 2016Economia Brasileira e Gaúcha - Perspectivas 2015 e 2016
Economia Brasileira e Gaúcha - Perspectivas 2015 e 2016
 

Mais de Fundação de Economia e Estatística

Idese 2015
Idese 2015Idese 2015
O significado da retomada do crescimento em 2017
O significado da retomada do crescimento em 2017O significado da retomada do crescimento em 2017
O significado da retomada do crescimento em 2017
Fundação de Economia e Estatística
 
Evolução estrutural da indústria de transformação do RS — 2007-15
Evolução estrutural da indústria de transformação do RS — 2007-15Evolução estrutural da indústria de transformação do RS — 2007-15
Evolução estrutural da indústria de transformação do RS — 2007-15
Fundação de Economia e Estatística
 
Condições do mercado de trabalho foram mais severas para as mulheres em 2017
Condições do mercado de trabalho foram mais severas para as mulheres em 2017Condições do mercado de trabalho foram mais severas para as mulheres em 2017
Condições do mercado de trabalho foram mais severas para as mulheres em 2017
Fundação de Economia e Estatística
 
Desempenho do mercado de trabalho da Região Metropolitana de Porto Alegre e...
Desempenho do mercado de trabalho  da Região Metropolitana de  Porto Alegre e...Desempenho do mercado de trabalho  da Região Metropolitana de  Porto Alegre e...
Desempenho do mercado de trabalho da Região Metropolitana de Porto Alegre e...
Fundação de Economia e Estatística
 
Taxa de desistência no ensino superior gaúcho atinge 64,1%
Taxa de desistência no ensino superior gaúcho atinge 64,1%Taxa de desistência no ensino superior gaúcho atinge 64,1%
Taxa de desistência no ensino superior gaúcho atinge 64,1%
Fundação de Economia e Estatística
 
Estimativas para a população flutuante do Litoral Norte do RS
Estimativas para a população flutuante do Litoral Norte do RSEstimativas para a população flutuante do Litoral Norte do RS
Estimativas para a população flutuante do Litoral Norte do RS
Fundação de Economia e Estatística
 
Desaceleração cíclica ou estrutural no comércio mundial?
Desaceleração cíclica ou estrutural no comércio mundial?Desaceleração cíclica ou estrutural no comércio mundial?
Desaceleração cíclica ou estrutural no comércio mundial?
Fundação de Economia e Estatística
 
PIB dos municípios do RS em 2015
PIB dos municípios do RS em 2015PIB dos municípios do RS em 2015
PIB dos municípios do RS em 2015
Fundação de Economia e Estatística
 
PIB TRIMESTRAL DO RS 3.° trim./2017
PIB TRIMESTRAL DO RS 3.° trim./2017PIB TRIMESTRAL DO RS 3.° trim./2017
PIB TRIMESTRAL DO RS 3.° trim./2017
Fundação de Economia e Estatística
 
Informe PED-RMPA (Novembro/2017)
Informe PED-RMPA (Novembro/2017)Informe PED-RMPA (Novembro/2017)
Informe PED-RMPA (Novembro/2017)
Fundação de Economia e Estatística
 
Mercado formal de trabalho do RS estagna após forte retração
Mercado formal de trabalho do RS estagna após forte retraçãoMercado formal de trabalho do RS estagna após forte retração
Mercado formal de trabalho do RS estagna após forte retração
Fundação de Economia e Estatística
 
PIB Trimestral do RS 2º trimestre 2017
PIB Trimestral do RS 2º trimestre 2017PIB Trimestral do RS 2º trimestre 2017
PIB Trimestral do RS 2º trimestre 2017
Fundação de Economia e Estatística
 
Elevação do nível ocupacional reduz a taxa de desemprego
Elevação do nível ocupacional reduz a taxa de desempregoElevação do nível ocupacional reduz a taxa de desemprego
Elevação do nível ocupacional reduz a taxa de desemprego
Fundação de Economia e Estatística
 
FEDERALISMO E A QUESTÃO REGIONAL DO RS - Tomás Fiori
FEDERALISMO E A QUESTÃO  REGIONAL DO RS - Tomás FioriFEDERALISMO E A QUESTÃO  REGIONAL DO RS - Tomás Fiori
FEDERALISMO E A QUESTÃO REGIONAL DO RS - Tomás Fiori
Fundação de Economia e Estatística
 
A economia do RS no atual ciclo recessivo: já chegamos ao fundo do poço? - Je...
A economia do RS no atual ciclo recessivo: já chegamos ao fundo do poço? - Je...A economia do RS no atual ciclo recessivo: já chegamos ao fundo do poço? - Je...
A economia do RS no atual ciclo recessivo: já chegamos ao fundo do poço? - Je...
Fundação de Economia e Estatística
 
O Rio Grande do Sul no cenário nacional: há perda de dinamismo? - Cecília Hoff
O Rio Grande do Sul no cenário nacional: há perda de dinamismo? - Cecília HoffO Rio Grande do Sul no cenário nacional: há perda de dinamismo? - Cecília Hoff
O Rio Grande do Sul no cenário nacional: há perda de dinamismo? - Cecília Hoff
Fundação de Economia e Estatística
 
Principais atividades no Valor Adicionado dos municípios do RS
Principais atividades no Valor Adicionado dos municípios do RSPrincipais atividades no Valor Adicionado dos municípios do RS
Principais atividades no Valor Adicionado dos municípios do RS
Fundação de Economia e Estatística
 
As barreiras e os novos desafios para inovar
As barreiras e os novos desafios para inovarAs barreiras e os novos desafios para inovar
As barreiras e os novos desafios para inovar
Fundação de Economia e Estatística
 
Informe PED Especial - Jovens
Informe PED Especial - Jovens Informe PED Especial - Jovens
Informe PED Especial - Jovens
Fundação de Economia e Estatística
 

Mais de Fundação de Economia e Estatística (20)

Idese 2015
Idese 2015Idese 2015
Idese 2015
 
O significado da retomada do crescimento em 2017
O significado da retomada do crescimento em 2017O significado da retomada do crescimento em 2017
O significado da retomada do crescimento em 2017
 
Evolução estrutural da indústria de transformação do RS — 2007-15
Evolução estrutural da indústria de transformação do RS — 2007-15Evolução estrutural da indústria de transformação do RS — 2007-15
Evolução estrutural da indústria de transformação do RS — 2007-15
 
Condições do mercado de trabalho foram mais severas para as mulheres em 2017
Condições do mercado de trabalho foram mais severas para as mulheres em 2017Condições do mercado de trabalho foram mais severas para as mulheres em 2017
Condições do mercado de trabalho foram mais severas para as mulheres em 2017
 
Desempenho do mercado de trabalho da Região Metropolitana de Porto Alegre e...
Desempenho do mercado de trabalho  da Região Metropolitana de  Porto Alegre e...Desempenho do mercado de trabalho  da Região Metropolitana de  Porto Alegre e...
Desempenho do mercado de trabalho da Região Metropolitana de Porto Alegre e...
 
Taxa de desistência no ensino superior gaúcho atinge 64,1%
Taxa de desistência no ensino superior gaúcho atinge 64,1%Taxa de desistência no ensino superior gaúcho atinge 64,1%
Taxa de desistência no ensino superior gaúcho atinge 64,1%
 
Estimativas para a população flutuante do Litoral Norte do RS
Estimativas para a população flutuante do Litoral Norte do RSEstimativas para a população flutuante do Litoral Norte do RS
Estimativas para a população flutuante do Litoral Norte do RS
 
Desaceleração cíclica ou estrutural no comércio mundial?
Desaceleração cíclica ou estrutural no comércio mundial?Desaceleração cíclica ou estrutural no comércio mundial?
Desaceleração cíclica ou estrutural no comércio mundial?
 
PIB dos municípios do RS em 2015
PIB dos municípios do RS em 2015PIB dos municípios do RS em 2015
PIB dos municípios do RS em 2015
 
PIB TRIMESTRAL DO RS 3.° trim./2017
PIB TRIMESTRAL DO RS 3.° trim./2017PIB TRIMESTRAL DO RS 3.° trim./2017
PIB TRIMESTRAL DO RS 3.° trim./2017
 
Informe PED-RMPA (Novembro/2017)
Informe PED-RMPA (Novembro/2017)Informe PED-RMPA (Novembro/2017)
Informe PED-RMPA (Novembro/2017)
 
Mercado formal de trabalho do RS estagna após forte retração
Mercado formal de trabalho do RS estagna após forte retraçãoMercado formal de trabalho do RS estagna após forte retração
Mercado formal de trabalho do RS estagna após forte retração
 
PIB Trimestral do RS 2º trimestre 2017
PIB Trimestral do RS 2º trimestre 2017PIB Trimestral do RS 2º trimestre 2017
PIB Trimestral do RS 2º trimestre 2017
 
Elevação do nível ocupacional reduz a taxa de desemprego
Elevação do nível ocupacional reduz a taxa de desempregoElevação do nível ocupacional reduz a taxa de desemprego
Elevação do nível ocupacional reduz a taxa de desemprego
 
FEDERALISMO E A QUESTÃO REGIONAL DO RS - Tomás Fiori
FEDERALISMO E A QUESTÃO  REGIONAL DO RS - Tomás FioriFEDERALISMO E A QUESTÃO  REGIONAL DO RS - Tomás Fiori
FEDERALISMO E A QUESTÃO REGIONAL DO RS - Tomás Fiori
 
A economia do RS no atual ciclo recessivo: já chegamos ao fundo do poço? - Je...
A economia do RS no atual ciclo recessivo: já chegamos ao fundo do poço? - Je...A economia do RS no atual ciclo recessivo: já chegamos ao fundo do poço? - Je...
A economia do RS no atual ciclo recessivo: já chegamos ao fundo do poço? - Je...
 
O Rio Grande do Sul no cenário nacional: há perda de dinamismo? - Cecília Hoff
O Rio Grande do Sul no cenário nacional: há perda de dinamismo? - Cecília HoffO Rio Grande do Sul no cenário nacional: há perda de dinamismo? - Cecília Hoff
O Rio Grande do Sul no cenário nacional: há perda de dinamismo? - Cecília Hoff
 
Principais atividades no Valor Adicionado dos municípios do RS
Principais atividades no Valor Adicionado dos municípios do RSPrincipais atividades no Valor Adicionado dos municípios do RS
Principais atividades no Valor Adicionado dos municípios do RS
 
As barreiras e os novos desafios para inovar
As barreiras e os novos desafios para inovarAs barreiras e os novos desafios para inovar
As barreiras e os novos desafios para inovar
 
Informe PED Especial - Jovens
Informe PED Especial - Jovens Informe PED Especial - Jovens
Informe PED Especial - Jovens
 

Expectativas inflacionárias e política monetária

  • 1. Expectativas inflacionárias e política monetária Bruno Paim Núcleo de Estudos de Política Econômica Centro de Estudos Econômicos e Sociais FEE
  • 2. Estrutura da Apresentação - Indicadores Macroeconômicos - Política Monetária - Composição do IPCA - Variação nos Componentes do IPCA - Contribuição para o IPCA - Considerações Finais
  • 3. INDICADORES SELECIONADOS Mar./13; 7,25 Jul./15; 14,25 Set./16; 14,25 Fev./18; 6,75 -10 -5 0 5 10 15 20 Jan./11 Jan./12 Jan./13 Jan./14 Jan./15 Jan./16 Jan./17 Jan./18 Fonte: BCB, IBGE
  • 4. INDICADORES SELECIONADOS Mar./13; 7,25 Jul./15; 14,25 Set./16; 14,25 Fev./18; 6,75 -10 -5 0 5 10 15 20 Jan./11 Jan./12 Jan./13 Jan./14 Jan./15 Jan./16 Jan./17 Jan./18 Meta tx. SELIC IPCA acum 12 meses Fonte: BCB, IBGE
  • 5. INDICADORES SELECIONADOS Mar./13; 7,25 Jul./15; 14,25 Set./16; 14,25 Fev./18; 6,75 -10 -5 0 5 10 15 20 Jan./11 Jan./12 Jan./13 Jan./14 Jan./15 Jan./16 Jan./17 Jan./18 Meta tx. SELIC Variação PIB Acum 12 meses Fonte: BCB, IBGE
  • 6. INDICADORES SELECIONADOS Mar./13; 7,25 Jul./15; 14,25 Set./16; 14,25 Fev./18; 6,75 -10 -5 0 5 10 15 20 Jan./11 Jan./12 Jan./13 Jan./14 Jan./15 Jan./16 Jan./17 Jan./18 Meta tx. SELIC Variação PIB Acum 12 meses Taxa de Desocupação Fonte: BCB, IBGE
  • 7. INDICADORES SELECIONADOS -10 -5 0 5 10 15 20 Jan./11 Jan./12 Jan./13 Jan./14 Jan./15 Jan./16 Jan./17 Jan./18 Meta tx. SELIC Variação PIB Acum 12 meses Taxa de Desocupação IPCA acum 12 meses Aperto foi demasiado? Fonte: BCB, IBGE
  • 8. POLÍTICA MONETÁRIA Sucesso na queda da inflação? - Inflação se reduziu de 10,7% em Janeiro de 2016 para a mínima de 2,46% em agosto de 2017. - Fechou o ano abaixo do limite inferior da meta de inflação, de 3%.
  • 9. POLÍTICA MONETÁRIA Sucesso na queda da inflação? - Inflação se reduziu de 10,7% em Janeiro de 2016 para a mínima de 2,46% em agosto de 2017. - Fechou o ano abaixo do limite inferior da meta de inflação, de 3%. Aperto foi demasiado? - Resposta do Presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn, em evento na Febraban: “Acreditamos que a inflação não apresentaria essa mesma queda caso o Banco Central não atuasse de maneira firme para domar as expectativas inflacionárias, apoiado pela política econômica de forma geral”.
  • 10. COMPOSIÇÃO DO IPCA Fonte: IBGE 0% 10% 20% 30% 40% 50% 60% 70% 80% 90% 100% janeiro 2012 janeiro 2013 janeiro 2014 janeiro 2015 janeiro 2016 janeiro 2017 11.Alimentação no domicílio 12.Alimentação fora do domicílio 2.Habitação 3.Artigos de residência 4.Vestuário 5.Transportes 6.Saúde e cuidados pessoais 7.Despesas pessoais 8.Educação 9.Comunicação
  • 11. COMPOSIÇÃO DO IPCA Fonte: IBGE 0% 10% 20% 30% 40% 50% 60% 70% 80% 90% 100% janeiro 2012 janeiro 2013 janeiro 2014 janeiro 2015 janeiro 2016 janeiro 2017 11.Alimentação no domicílio 12.Alimentação fora do domicílio 2.Habitação 3.Artigos de residência 4.Vestuário 5.Transportes 6.Saúde e cuidados pessoais 7.Despesas pessoais 8.Educação 9.Comunicação
  • 12. COMPOSIÇÃO DO IPCA 11.Alimentação no domicílio 16% 12.Alimentação fora do domicílio 9% 2.Habitação 16% 3.Artigos de residência 4% 4.Vestuário 6% 5.Transportes 18% 6.Saúde e cuidados pessoais 12% 7.Despesas pessoais 11% 8.Educação 5% 9.Comunicação 3% Fonte: IBGE
  • 13. VARIAÇÃO DOS COMPONENTES DO IPCA x<3 3<x<4 4<x<5 5<x<6 x>6 Índice geral 7 3 26 31 60 1.Alimentação e bebidas 8 7 7 3 102 11.Alimentação no domicílio 21 1 10 4 91 12.Alimentação fora do domicílio 0 2 5 2 117 2.Habitação 22 9 20 17 59 21.Encargos e manutenção 0 2 18 14 92 22.Combustíveis e energia 62 18 7 4 36 3.Artigos de residência 63 13 23 7 21 4.Vestuário 11 16 23 28 49 5.Transportes 59 28 8 7 25 6.Saúde e cuidados pessoais 0 0 21 30 76 7.Despesas pessoais 0 0 5 4 118 8.Educação 0 0 20 7 100 9.Comunicação 124 3 0 0 0 Total de 127 observações, de Junho de 2007 a Dezembro de 2017. Número de meses em que a inflação acumulada em cada item ficou em cada faixa: Fonte: IBGE
  • 14. CONTRIBUIÇÃO PARA O IPCA Fonte: IBGE -2 0 2 4 6 8 10 12 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017 Núcleo do IPCA (IPCA - A e B) A. Alimentação no domicílio B. Combustíveis e energia IPCA Meta Limite Superior Limite Inferior
  • 15. CONTRIBUIÇÃO PARA O IPCA e SELIC Fonte: IBGE e BCB 0,00 2,00 4,00 6,00 8,00 10,00 12,00 14,00 16,00 -2,00 0,00 2,00 4,00 6,00 8,00 10,00 12,00 julho 2007 janeiro 2008 julho 2008 janeiro 2009 julho 2009 janeiro 2010 julho 2010 janeiro 2011 julho 2011 janeiro 2012 julho 2012 janeiro 2013 julho 2013 janeiro 2014 julho 2014 janeiro 2015 julho 2015 janeiro 2016 julho 2016 janeiro 2017 julho 2017 1.Alimentação e bebidas 2.Habitação 3.Artigos de residência 4.Vestuário 5.Transportes 6.Saúde e cuidados pessoais 7.Despesas pessoais 8.Educação 9.Comunicação Meta Selic (eixo direita)
  • 16. TÍTULO (CX ALTA, FONTE 28) Subtítulo (Cx. Baixa, fonte 24) - Item 1 (Cx. Baixa, fonte 20) - Item 2 (Cx. Baixa, fonte 20) CONSIDERAÇÕES FINAIS - Muito mais que combater expectativas, a queda da inflação se deu por consequência: i) das condições climáticas e melhores safras; ii) do fim do reposicionamento dos preços de combustíveis e energia - Considerando que o próprio Banco Central reconhece que tais causas estão parcialmente “fora do seu alcance”, atribuir a queda da inflação à “firmeza” na condução parece tentar justificar uma postura demasiadamente rígida que elevou e manteve a taxa de juros Selic em níveis excessivamente altos.
  • 17. NEPE/CEES/FEE Apresentador: Bruno Paim (Pesquisador em Economia/FEE) bpaim@fee.tche.br Fundação de Economia e Estatística Siegfried Emanuel Heuser Rua Duque de Caxias, 1691 Centro Histórico, Porto Alegre CEP: 90010-283 (51) 3216.9000