SlideShare uma empresa Scribd logo
Ulisses Ruiz de Gamboa
Economista - ACSP
Conjuntura Econômica Nacional
24-05-2010
Índice
• Situação Pré-Crise
• Canais de Transmissão da Crise
• Evolução da Economia em 2009
• Perspectivas 2010
Situação Pré-Crise
• 2003-2007: Um dos maiores períodos de crescimento
econômico mundial desde a Segunda Guerra
• Causas:
– Excessiva liquidez devido à política americana de juros baixos
aplicada durante 2001-2004 e ao excesso de endividamento
público a partir da Guerra do Iraque;
– Problemas de informação, ética e regulação no mercado
financeiro.
Situação Pré-Crise
Fonte: FMI, Banco Central.
TAXA DE CRESCIMENTO DO PIB BRASILEIRO E DO PIB
MUNDIAL: 2003-2010 (%)
3,6
4,9
4,4
5,0
3,8
3,0
1,1
5,7
3,2
4,0
5,7
5,1
-0,6
4,2(P)
-0,2
6,3(P)
-1
0
1
2
3
4
5
6
7
2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010
PIB Mundial PIB Brasil
Situação Pré-Crise
• Economia brasileira também “surfou” na “bolha
financeira” internacional:
– Linhas de crédito externas para grandes empresas brasileiras
(CVRD, Petrobrás etc);
– Exportação de matérias-primas para abastecer grande
crescimento da produção (consumo) mundial;
– Forte entrada de capitais externos na Bolsa.
Canais de Transmissão da Crise
• A crise atingiu o Brasil a partir de três canais
principais:
– Queda da demanda global, reduzindo preço e quantidade das
exportações brasileiras;
– Diminuição forte e rápida do crédito externo, devido ao
aumento abrupto da percepção do risco;
– Fuga dos capitais externos da Bolsa.
Evolução da Economia em 2009
P IB
Oferta de bens e
serviços
Demanda por bens e
serviços
Agropecuária
Indústria
S erviços
C onsumo das
famílias
C onsumo do
governo
Investimento
(inclusive variação de estoques)
E xportações
Importações
( - )
Demanda
doméstica
S etor
externo
=
Evolução da Economia em 2009
• Atividade econômica mostrou leve queda durante 2009
(-0,2%), devido ao impacto da crise financeira mundial;
• Setores produtivos menos vinculados ao crédito, tais
como o comércio e os serviços apresentaram expansão
(2,6%);
Evolução da Economia em 2009
• Setor industrial foi o mais afetado (-5,5%): redução das
exportações e da demanda de bens de capital
(diminuição do investimento produtivo) e contração das
vendas de bens duráveis;
• Agropecuária também apresentou queda importante
(-5,2%), vinculada à forte redução das vendas no
exterior
Evolução da Economia em 2009
Fonte: IBGE.
EVOLUÇÃO DA PRODUÇÃO INDUSTRIAL (Índice):
Janeiro 2008 - Março 2010
80
90
100
110
120
130
140
150
jan/08
fev/08
m
ar/08
abr/08
m
ai/08
jun/08
jul/08
ago/08
set/08
out/08
nov/08
dez/08
jan/09
fev/09
m
ar/09
abr/09
m
ai/09
jun/09
jul/09
ago/09
set/09
out/09
nov/09
dez/09
jan/10
fev/10
m
ar/10
Evolução da Economia em 2009
• Pelo lado da despesa, devido à continuidade do
crescimento da massa salarial e das políticas de
transferência de renda, o consumo das famílias
continuou crescendo (4,1%), assim como o consumo de
governo (3,7%);
• Nesse contexto, a queda do PIB pode ser explicada
pela forte redução dos investimentos produtivos (-
9,9%), devido à contração do crédito e da menor
confiança dos empresários, e pela queda nas
exportações (10,3%).
Evolução da Economia em 2009
• A redução da atividade econômica, impulsionada pela
redução da demanda agregada, provocou
desaceleração da taxa de inflação, que terminou o ano
próxima ao centro da meta (4,3%);
• A menor pressão inflacionária permitiu que o Banco
Central fizesse política anti-cíclica (diminuição da
SELIC, redução das reservas compulsórias), o que
permitiu minimizar o impacto da crise internacional.
Evolução da Economia em 2009
EVOLUÇÃO DA TAXA DE INFLAÇÃO - IPCA:
2003 - 2009 (%)
9,3
7,6
5,7
3,1
4,5
5,9
4,3
0
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009
Fonte: IBGE.
Evolução da Economia em 2009
• A política fiscal continuou sendo expansionista,
promovendo desonerações tributárias programadas
(política anti-cíclica) e reajustando fortemente os
salários e o número de servidores públicos, além de
aumentar os benefícios do INSS (aumento permanente
do gasto);
• Face à menor arrecadação decorrente da queda na
atividade econômica, a expansão do gasto público
corrente provocou deterioração nas contas públicas.
Evolução da Economia em 2009
DÉFICIT FISCAL NOMINAL DO SETOR PÚBLICO
CONSOLIDADO: Setembro 2008 - Dezembro 2009 (% PIB)
1,7
1,2
1,5
1,9
2,4 2,4
2,7
2,9
3,0
3,1
3,2
3,4
4,2
4,5
4,2
3,3
3,0
3,2
3,5
0
0,5
1
1,5
2
2,5
3
3,5
4
4,5
5
set/08 out/08 nov/08 dez/08 jan/09 fev/09 mar/09 abr/09 mai/09 jun/09 jul/09 ago/09 set/09 out/09 nov/09 dez/09 jan/10 fev/10 mar/10
Fonte: Banco Central.
Evolução da Economia em 2009
Fonte: Banco Central.
DÍVIDA PÚBLICA LÍQUIDA DO SETOR PÚBLICO
CONSOLIDADO: Setembro 2008 - Março 2010 (% PIB)
40,7
39,0
37,7
38,4
38,9 39,0 39,1
39,8
40,9
41,2
42,0 42,1
43,2
43,4
43,1
42,8
41,6
42,1
42,4
34,0
35,0
36,0
37,0
38,0
39,0
40,0
41,0
42,0
43,0
44,0
set/08 out/08 nov/08 dez/08 jan/09 fev/09 mar/09 abr/09 mai/09 jun/09 jul/09 ago/09 set/09 out/09 nov/09 dez/09 jan/10 fev/10 mar/10
Evolução da Economia em 2009
• As política anti-cíclicas ajudaram a manter reduzida a
taxa de desemprego e promoveram rápida recuperação
do emprego formal;
• Contudo, a recuperação do emprego foi heterogênea,
centrada nos setores serviço e comércio, cujo salário
médio é relativamente mais baixo (classes D e E).
Evolução da Economia em 2009
Fonte: IBGE.
EVOLUÇÃO DA TAXA DE DESOCUPAÇÃO:
Janeiro 2008 - Março 2010 (%)
8,0
8,5
7,7
7,6
6,8
8,2
8,8
8,1
7,4
6,8
7,67,9
9,0
5
5,5
6
6,5
7
7,5
8
8,5
9
9,5
jan/08
fev/08
m
ar/08
abr/08
m
ai/08
jun/08
jul/08
ago/08
set/08
out/08
nov/08
dez/08
jan/09
fev/09
m
ar/09
abr/09
m
ai/09
jun/09
jul/09
ago/09
set/09
out/09
nov/09
dez/09
jan/10
fev/10
m
ar/10
Evolução da Economia em 2009
Fonte: MTE.
GERAÇÃO LÍQUIDA DE EMPREGOS FORMAIS POR
SETOR DE ATIVIDADE: 2008 - 2009
(Em postos de trabalho)
178.675
7.965
382.218
648.259
18.232
1.452.204
177.185
18.0758.671
197.868
10.316
-15.369
995.439
500.177
297.157
4.98410.8652.036
-200.000
0
200.000
400.000
600.000
800.000
1.000.000
1.200.000
1.400.000
1.600.000
Extr. Mineral Indústria
Transformação
SIUP Construção
Civil
Comércio Serviços Adm. Pública Agropecuária Total
2008 2009
Evolução da Economia em 2009
• No setor externo, o saldo da balança comercial sofreu
forte diminuição, atenuada pelo fato de que as
importações (-11,4%) se reduziram mais intensamente
que as exportações (-10,3%);
• O saldo da conta corrente do balanço de pagamentos
continuou apresentando déficit (-US$ 24,3 bilhões),
impulsionado pelo menor superávit da balança
comercial e pelo déficit da balança de serviços e rendas
(remessa de lucros –US$ 52,9 bilhões) ;
Evolução da Economia em 2009
• Apesar dos resultados externos negativos, não houve
crise cambial, devido às entradas de investimento
estrangeiro direto (US$ 36 bilhões) e investimento em
carteira (US$ 50,3 bilhões);
• Contudo o maior déficit da conta corrente refletiu o
desequilíbrio de uma economia cujo gasto (privado e
público) continuou aumentando frente à queda na
atividade econômica.
Perspectivas 2010
• O investimento produtivo tem mostrado vigorosa
recuperação, devido à maior disponibilidade de crédito e à
retomada da confiança;
• Apesar dos cortes anunciados, o gasto corrente do
governo continua crescendo fortemente, com ênfase em
despesas permanentes;
Perspectivas 2010
• Mercado formal de trabalho continua apresentando
geração líquida de empregos (305,1 mil em abril),
disseminado por todos os setores produtivos, com
expectativa de criação de 2,1 milhões de empregos até o
final do ano;
• O maior crescimento da renda e do emprego, a
recuperação do crédito e a manutenção das políticas de
transferência de renda estão provocando intenso aumento
do consumo das famílias;
Perspectivas 2010
Fonte: FGV.
EVOLUÇÃO DO NÍVEL DA CAPACIDADE INSTALADA
(NUCI): 1º Trimestre 1995 - 2º Trimestre 2010 (%)
70
72
74
76
78
80
82
84
86
88
1 3 5 7 9 11 13 15 17 19 21 23 25 27 29 31 33 35 37 39 41 43 45 47 49 51 53 55 57 59 61
NUCI Média 1995 - 2010
Perspectivas 2010
Fonte: IBGE.
VENDAS NO COMÉRCIO VAREJISTA x PRODUÇÃO
INDUSTRIAL: Janeiro 2008 - Março 2010
(Índices dessazonalizados)
80
90
100
110
120
130
140
150
160
170
180
jan/08
fev/08
m
ar/08
abr/08
m
ai/08
jun/08
jul/08
ago/08
set/08
out/08
nov/08
dez/08
jan/09
fev/09
m
ar/09
abr/09
m
ai/09
jun/09
jul/09
ago/09
set/09
out/09
nov/09
dez/09
jan/10
fev/10
m
ar/10
Vendas no Comércio Varejista Produção Industrial
Perspectivas 2010
• Todos os índices e núcleos de inflação apresentam
aceleração, refletindo o excesso de consumo (privado e
público) sobre a produção, o que também alimentou as
expectativas de inflação;
• Ainda que a aceleração da inflação esteja concentrada
no primeiro semestre desse ano, devido aos reajustes,
deverá terminar o ano em patamares elevados, devido
ao aquecimento da demanda doméstica;
Perspectivas 2010
Fonte: IBGE e Banco Central.
EVOLUÇÃO E EXPECTATIVAS DA INFLAÇÃO (IPCA):
2003 - 2011 (%)
9,3
7,6
5,7
3,1
4,5
5,9
4,3
4,8(P)
5,5(P)
0
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011
Perspectivas 2010
• Preocupado com o cumprimento da meta de inflação, o
Banco Central aumentou fortemente a SELIC (0,75 p.p.)
em sua segunda reunião anual;
• Com a manutenção das pressões inflacionárias,
espera-se que o COPOM continue aumentando a taxa
SELIC em suas próximas reuniões, terminando o ano
em 11,75%
Perspectivas 2010
Fonte: Banco Central.
EVOLUÇÃO DA TAXA BÁSICA DE JUROS (TAXA
SELIC): 2003 - 2011 (%)
16,50
17,75 18,00
13,25
11,25
13,75
8,75
11,50(P)11,75(P)
0,00
2,00
4,00
6,00
8,00
10,00
12,00
14,00
16,00
18,00
20,00
2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011
Perspectivas 2010
• Transações correntes continuam incrementando seu
déficit, devido aos efeitos sobre as importações da
maior demanda por bens de consumo e de capital e
devido ao maior déficit do balanço de serviços e
rendas (turismo);
• A manutenção dessa tendência provocará até o final
do ano considerável aumento desse déficit (-US$ 49,2
bilhões), refletindo excesso de gasto sobre a
produção;
Perspectivas 2010
• Exposição em reais de estrangeiros tem aumentado
substancialmente, chegando em abril a US$ 720
bilhões (IED, bolsa, derivativos, renda fixa, bônus
externos);
• Maior exposição reflete maior confiança na
economia brasileira e no real, pois quase metade dos
recursos investidos representam IED;
Perspectivas 2010
• Déficit em transações correntes, apesar de elevado,
deverá ser financiado por IED (US$ 38 bilhões) e por
investimento em carteira (aumento da SELIC e
grandes operações);
• Entradas deverão resultar em Balanço de
Pagamentos fortemente superavitário, o que implicará
em taxas de câmbio relativamente baixas (R$ 1,80);
Perspectivas 2010
Fonte: Banco Central.
BALANÇA COMERCIAL, TRANSAÇÕES CORRENTES E
INVESTIMENTO ESTRANGEIRO DIRETO: 2003 - 2011
(US$ Bilhões)
24,9
33,8
44,9 46,6
40,0
24,7 25,3
13,7
5,34,2
1,7
-28,2
-24,3
-49,3
-58,9
10,1
34,6
45,1
25,9
38,0 40,0
11,7 14,0
13,6
18,1
15,1
18,8
-80,0
-60,0
-40,0
-20,0
0,0
20,0
40,0
60,0
2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011
Balança Comercial Conta Corrente IED
Perspectivas 2010
Fonte: Banco Central.
EVOLUÇÃO DA TAXA DE CÂMBIO: 2003 -2011
(R$/US$)
1,85(P)
1,80(P)
1,99
1,84
1,95
2,18
2,43
2,93
3,07
1,00
1,50
2,00
2,50
3,00
3,50
2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011
Perspectivas 2010
• Fatores de Expansão em 2010:
• Crescimento do consumo das famílias
• Recuperação do investimento produtivo
• Crescimento do gasto público
Perspectivas 2010
• Fatores de Risco em 2010:
• Elevação da inflação
• Menor solvência fiscal
• Deterioração das contas externas
• Desvalorização do câmbio (inflação)
Perspectivas 2010
Fonte: Banco Central.
OBRIGADO(A)
Ulisses Ruiz de Gamboa
Superintendente ACSP
uruizdegamboa@acsp.com.br
www.acsp.com.br

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Possib alternat polít econ bras fernando ferrari
Possib alternat polít econ bras   fernando ferrariPossib alternat polít econ bras   fernando ferrari
Possib alternat polít econ bras fernando ferrari
Fundação de Economia e Estatística
 
A ECONOMIA EM ÉPOCA DE CRISE: Desafios e Propostas
A ECONOMIA EM ÉPOCA DE CRISE: Desafios e Propostas A ECONOMIA EM ÉPOCA DE CRISE: Desafios e Propostas
A ECONOMIA EM ÉPOCA DE CRISE: Desafios e Propostas
eticademocracia
 
Cenários econômicos Brasil 2016
Cenários econômicos Brasil 2016Cenários econômicos Brasil 2016
Cenários econômicos Brasil 2016
Wagner Gonsalez
 
Brasil: Cenários 2008-2014 e a Crise Mundial
Brasil: Cenários 2008-2014 e a Crise MundialBrasil: Cenários 2008-2014 e a Crise Mundial
Brasil: Cenários 2008-2014 e a Crise Mundial
Macroplan
 
Informe Conjuntural | 1º trimestre de 2014 | Divulgação 11/04/2014
Informe Conjuntural | 1º trimestre de 2014 | Divulgação 11/04/2014Informe Conjuntural | 1º trimestre de 2014 | Divulgação 11/04/2014
Informe Conjuntural | 1º trimestre de 2014 | Divulgação 11/04/2014
Confederação Nacional da Indústria
 
Ministro Guido
Ministro GuidoMinistro Guido
Ministro Guido
Luis Nassif
 
Economia brasileira e gaúcha - Perspectivas 2015 e 2016
Economia brasileira e gaúcha - Perspectivas 2015 e 2016Economia brasileira e gaúcha - Perspectivas 2015 e 2016
Economia brasileira e gaúcha - Perspectivas 2015 e 2016
Fundação de Economia e Estatística
 
Cenários Econômicos para o Brasil Focalizados na Crise Mundial
Cenários Econômicos para o  Brasil Focalizados na Crise MundialCenários Econômicos para o  Brasil Focalizados na Crise Mundial
Cenários Econômicos para o Brasil Focalizados na Crise Mundial
Macroplan
 
Conjuntura Econômica Nacional
Conjuntura Econômica NacionalConjuntura Econômica Nacional
Conjuntura Econômica Nacional
Associação Comercial de São Paulo
 
Tendências, cenário e expectativas do setor para 2016
Tendências, cenário e expectativas do setor para 2016Tendências, cenário e expectativas do setor para 2016
Tendências, cenário e expectativas do setor para 2016
Pj Eventos
 
A instabilidade econômica nacional e impactos no mercado consumidor
A instabilidade econômica nacional e impactos no mercado consumidorA instabilidade econômica nacional e impactos no mercado consumidor
A instabilidade econômica nacional e impactos no mercado consumidor
Fundação de Economia e Estatística
 
Resultado da Arrecadação - Fev 2010
Resultado da Arrecadação - Fev 2010Resultado da Arrecadação - Fev 2010
Resultado da Arrecadação - Fev 2010
Roberto Dias Duarte
 
Análise da ceplan em dezembro de 2015
Análise da ceplan em dezembro de 2015Análise da ceplan em dezembro de 2015
Análise da ceplan em dezembro de 2015
Anna Tiago
 
20120601
2012060120120601
20120601
carinesbergmann
 
Gestão de Riscos como Ferramenta de Tomada de Decisão em Projetos de Investim...
Gestão de Riscos como Ferramenta de Tomada de Decisão em Projetos de Investim...Gestão de Riscos como Ferramenta de Tomada de Decisão em Projetos de Investim...
Gestão de Riscos como Ferramenta de Tomada de Decisão em Projetos de Investim...
Rodrigo M. Gandra, MSc, PMP, PMI-RMP
 
Apresentação de 2013 - Professora Denise
Apresentação de 2013 - Professora Denise Apresentação de 2013 - Professora Denise
Apresentação de 2013 - Professora Denise
cesforma
 
Economia Brasileira em Perspectiva | 18 Edição (Mar/2013)
Economia Brasileira em Perspectiva | 18 Edição (Mar/2013)Economia Brasileira em Perspectiva | 18 Edição (Mar/2013)
Economia Brasileira em Perspectiva | 18 Edição (Mar/2013)
Apex-Brasil - Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos
 
Apresentação do ministro Joaquim Levy na Câmara de Comércio Brasil França - 2...
Apresentação do ministro Joaquim Levy na Câmara de Comércio Brasil França - 2...Apresentação do ministro Joaquim Levy na Câmara de Comércio Brasil França - 2...
Apresentação do ministro Joaquim Levy na Câmara de Comércio Brasil França - 2...
DenizecomZ
 
07. panorama comex mg jul2010
07. panorama   comex mg jul201007. panorama   comex mg jul2010
07. panorama comex mg jul2010
Central Exportaminas
 
01. panorama comex mg jan2011
01. panorama comex mg jan201101. panorama comex mg jan2011
01. panorama comex mg jan2011
Central Exportaminas
 

Mais procurados (20)

Possib alternat polít econ bras fernando ferrari
Possib alternat polít econ bras   fernando ferrariPossib alternat polít econ bras   fernando ferrari
Possib alternat polít econ bras fernando ferrari
 
A ECONOMIA EM ÉPOCA DE CRISE: Desafios e Propostas
A ECONOMIA EM ÉPOCA DE CRISE: Desafios e Propostas A ECONOMIA EM ÉPOCA DE CRISE: Desafios e Propostas
A ECONOMIA EM ÉPOCA DE CRISE: Desafios e Propostas
 
Cenários econômicos Brasil 2016
Cenários econômicos Brasil 2016Cenários econômicos Brasil 2016
Cenários econômicos Brasil 2016
 
Brasil: Cenários 2008-2014 e a Crise Mundial
Brasil: Cenários 2008-2014 e a Crise MundialBrasil: Cenários 2008-2014 e a Crise Mundial
Brasil: Cenários 2008-2014 e a Crise Mundial
 
Informe Conjuntural | 1º trimestre de 2014 | Divulgação 11/04/2014
Informe Conjuntural | 1º trimestre de 2014 | Divulgação 11/04/2014Informe Conjuntural | 1º trimestre de 2014 | Divulgação 11/04/2014
Informe Conjuntural | 1º trimestre de 2014 | Divulgação 11/04/2014
 
Ministro Guido
Ministro GuidoMinistro Guido
Ministro Guido
 
Economia brasileira e gaúcha - Perspectivas 2015 e 2016
Economia brasileira e gaúcha - Perspectivas 2015 e 2016Economia brasileira e gaúcha - Perspectivas 2015 e 2016
Economia brasileira e gaúcha - Perspectivas 2015 e 2016
 
Cenários Econômicos para o Brasil Focalizados na Crise Mundial
Cenários Econômicos para o  Brasil Focalizados na Crise MundialCenários Econômicos para o  Brasil Focalizados na Crise Mundial
Cenários Econômicos para o Brasil Focalizados na Crise Mundial
 
Conjuntura Econômica Nacional
Conjuntura Econômica NacionalConjuntura Econômica Nacional
Conjuntura Econômica Nacional
 
Tendências, cenário e expectativas do setor para 2016
Tendências, cenário e expectativas do setor para 2016Tendências, cenário e expectativas do setor para 2016
Tendências, cenário e expectativas do setor para 2016
 
A instabilidade econômica nacional e impactos no mercado consumidor
A instabilidade econômica nacional e impactos no mercado consumidorA instabilidade econômica nacional e impactos no mercado consumidor
A instabilidade econômica nacional e impactos no mercado consumidor
 
Resultado da Arrecadação - Fev 2010
Resultado da Arrecadação - Fev 2010Resultado da Arrecadação - Fev 2010
Resultado da Arrecadação - Fev 2010
 
Análise da ceplan em dezembro de 2015
Análise da ceplan em dezembro de 2015Análise da ceplan em dezembro de 2015
Análise da ceplan em dezembro de 2015
 
20120601
2012060120120601
20120601
 
Gestão de Riscos como Ferramenta de Tomada de Decisão em Projetos de Investim...
Gestão de Riscos como Ferramenta de Tomada de Decisão em Projetos de Investim...Gestão de Riscos como Ferramenta de Tomada de Decisão em Projetos de Investim...
Gestão de Riscos como Ferramenta de Tomada de Decisão em Projetos de Investim...
 
Apresentação de 2013 - Professora Denise
Apresentação de 2013 - Professora Denise Apresentação de 2013 - Professora Denise
Apresentação de 2013 - Professora Denise
 
Economia Brasileira em Perspectiva | 18 Edição (Mar/2013)
Economia Brasileira em Perspectiva | 18 Edição (Mar/2013)Economia Brasileira em Perspectiva | 18 Edição (Mar/2013)
Economia Brasileira em Perspectiva | 18 Edição (Mar/2013)
 
Apresentação do ministro Joaquim Levy na Câmara de Comércio Brasil França - 2...
Apresentação do ministro Joaquim Levy na Câmara de Comércio Brasil França - 2...Apresentação do ministro Joaquim Levy na Câmara de Comércio Brasil França - 2...
Apresentação do ministro Joaquim Levy na Câmara de Comércio Brasil França - 2...
 
07. panorama comex mg jul2010
07. panorama   comex mg jul201007. panorama   comex mg jul2010
07. panorama comex mg jul2010
 
01. panorama comex mg jan2011
01. panorama comex mg jan201101. panorama comex mg jan2011
01. panorama comex mg jan2011
 

Semelhante a Conjuntura econômica nacional

Gustavoloyola 100525082203-phpapp02
Gustavoloyola 100525082203-phpapp02Gustavoloyola 100525082203-phpapp02
Gustavoloyola 100525082203-phpapp02
arianh
 
Apresentação sobre Reforma Tributária - Ministério da Fazenda
Apresentação sobre Reforma Tributária - Ministério da FazendaApresentação sobre Reforma Tributária - Ministério da Fazenda
Apresentação sobre Reforma Tributária - Ministério da Fazenda
Roberto Dias Duarte
 
1. ulisses cenário macroeconômico
1. ulisses cenário macroeconômico1. ulisses cenário macroeconômico
1. ulisses cenário macroeconômico
Associação Comercial de São Paulo
 
Construindo as condições para a retomada do crescimento
Construindo as condições para a retomada do crescimentoConstruindo as condições para a retomada do crescimento
Construindo as condições para a retomada do crescimento
Edgar Gonçalves
 
Votnov2010 loyola
Votnov2010   loyolaVotnov2010   loyola
Votnov2010 loyola
APEPREM
 
Carlos thadeu ap 020713 recife
Carlos thadeu ap 020713   recifeCarlos thadeu ap 020713   recife
Carlos thadeu ap 020713 recife
Sistema CNC
 
Análise de conjuntura - O Brasil e a crise - Maio de 2009
Análise de conjuntura - O Brasil e a crise - Maio de 2009Análise de conjuntura - O Brasil e a crise - Maio de 2009
Análise de conjuntura - O Brasil e a crise - Maio de 2009
Aloizio Mercadante
 
AnáLise Da Conjuntura EconôMica Ao Cmp
AnáLise Da Conjuntura EconôMica Ao CmpAnáLise Da Conjuntura EconôMica Ao Cmp
AnáLise Da Conjuntura EconôMica Ao Cmp
ozgiudice
 
Fortaleza 2040 conjuntura do comercio
Fortaleza 2040 conjuntura do comercio Fortaleza 2040 conjuntura do comercio
Fortaleza 2040 conjuntura do comercio
Alex Araujo
 
Emprego e Renda no Brasil Pós Crise
Emprego e Renda no Brasil Pós CriseEmprego e Renda no Brasil Pós Crise
Emprego e Renda no Brasil Pós Crise
Gleisi Hoffmann
 
Apresentacao Joaquim Levy no Bank of America
Apresentacao Joaquim Levy no Bank of AmericaApresentacao Joaquim Levy no Bank of America
Apresentacao Joaquim Levy no Bank of America
Palácio do Planalto
 
Balanças_e_Portos[1]
Balanças_e_Portos[1]Balanças_e_Portos[1]
Balanças_e_Portos[1]
Otto Bertanne
 
Apresentação do ministro Guido Mantega
Apresentação do ministro Guido MantegaApresentação do ministro Guido Mantega
Apresentação do ministro Guido Mantega
CartaCapital
 
BRASIL E PERNAMBUCO : Cenários econômicos para 2016 e importância de iniciati...
BRASIL E PERNAMBUCO : Cenários econômicos para 2016 e importância de iniciati...BRASIL E PERNAMBUCO : Cenários econômicos para 2016 e importância de iniciati...
BRASIL E PERNAMBUCO : Cenários econômicos para 2016 e importância de iniciati...
Elismar Rodrigues
 
HIstóricos e Causas da Inflação
HIstóricos e Causas da InflaçãoHIstóricos e Causas da Inflação
HIstóricos e Causas da Inflação
Eder Nogueira
 
12º Simpovidro - Palestra de Paulo Rabello de Castro
12º Simpovidro  - Palestra de Paulo Rabello de Castro12º Simpovidro  - Palestra de Paulo Rabello de Castro
12º Simpovidro - Palestra de Paulo Rabello de Castro
Abravidro
 
Apresentação sobre economia brasileira, de Carlos Thadeu, da CNC, na Fecomerc...
Apresentação sobre economia brasileira, de Carlos Thadeu, da CNC, na Fecomerc...Apresentação sobre economia brasileira, de Carlos Thadeu, da CNC, na Fecomerc...
Apresentação sobre economia brasileira, de Carlos Thadeu, da CNC, na Fecomerc...
Jornal do Commercio
 
A política econômica do governo dilma e os limites do crescimento versão 9.0
A política econômica do governo dilma e os limites do crescimento versão 9.0A política econômica do governo dilma e os limites do crescimento versão 9.0
A política econômica do governo dilma e os limites do crescimento versão 9.0
Wagner Cunha e Torre Torres
 
Carta de Conjuntura Fundação de Economia e Estatística
Carta de Conjuntura Fundação de Economia e EstatísticaCarta de Conjuntura Fundação de Economia e Estatística
Carta de Conjuntura Fundação de Economia e Estatística
Governo do Estado do Rio Grande do Sul
 
TEC 2010 06 - Distribuição dos grupos de cor ou raça e sexo pelos ramos de at...
TEC 2010 06 - Distribuição dos grupos de cor ou raça e sexo pelos ramos de at...TEC 2010 06 - Distribuição dos grupos de cor ou raça e sexo pelos ramos de at...
TEC 2010 06 - Distribuição dos grupos de cor ou raça e sexo pelos ramos de at...
LAESER IE/UFRJ
 

Semelhante a Conjuntura econômica nacional (20)

Gustavoloyola 100525082203-phpapp02
Gustavoloyola 100525082203-phpapp02Gustavoloyola 100525082203-phpapp02
Gustavoloyola 100525082203-phpapp02
 
Apresentação sobre Reforma Tributária - Ministério da Fazenda
Apresentação sobre Reforma Tributária - Ministério da FazendaApresentação sobre Reforma Tributária - Ministério da Fazenda
Apresentação sobre Reforma Tributária - Ministério da Fazenda
 
1. ulisses cenário macroeconômico
1. ulisses cenário macroeconômico1. ulisses cenário macroeconômico
1. ulisses cenário macroeconômico
 
Construindo as condições para a retomada do crescimento
Construindo as condições para a retomada do crescimentoConstruindo as condições para a retomada do crescimento
Construindo as condições para a retomada do crescimento
 
Votnov2010 loyola
Votnov2010   loyolaVotnov2010   loyola
Votnov2010 loyola
 
Carlos thadeu ap 020713 recife
Carlos thadeu ap 020713   recifeCarlos thadeu ap 020713   recife
Carlos thadeu ap 020713 recife
 
Análise de conjuntura - O Brasil e a crise - Maio de 2009
Análise de conjuntura - O Brasil e a crise - Maio de 2009Análise de conjuntura - O Brasil e a crise - Maio de 2009
Análise de conjuntura - O Brasil e a crise - Maio de 2009
 
AnáLise Da Conjuntura EconôMica Ao Cmp
AnáLise Da Conjuntura EconôMica Ao CmpAnáLise Da Conjuntura EconôMica Ao Cmp
AnáLise Da Conjuntura EconôMica Ao Cmp
 
Fortaleza 2040 conjuntura do comercio
Fortaleza 2040 conjuntura do comercio Fortaleza 2040 conjuntura do comercio
Fortaleza 2040 conjuntura do comercio
 
Emprego e Renda no Brasil Pós Crise
Emprego e Renda no Brasil Pós CriseEmprego e Renda no Brasil Pós Crise
Emprego e Renda no Brasil Pós Crise
 
Apresentacao Joaquim Levy no Bank of America
Apresentacao Joaquim Levy no Bank of AmericaApresentacao Joaquim Levy no Bank of America
Apresentacao Joaquim Levy no Bank of America
 
Balanças_e_Portos[1]
Balanças_e_Portos[1]Balanças_e_Portos[1]
Balanças_e_Portos[1]
 
Apresentação do ministro Guido Mantega
Apresentação do ministro Guido MantegaApresentação do ministro Guido Mantega
Apresentação do ministro Guido Mantega
 
BRASIL E PERNAMBUCO : Cenários econômicos para 2016 e importância de iniciati...
BRASIL E PERNAMBUCO : Cenários econômicos para 2016 e importância de iniciati...BRASIL E PERNAMBUCO : Cenários econômicos para 2016 e importância de iniciati...
BRASIL E PERNAMBUCO : Cenários econômicos para 2016 e importância de iniciati...
 
HIstóricos e Causas da Inflação
HIstóricos e Causas da InflaçãoHIstóricos e Causas da Inflação
HIstóricos e Causas da Inflação
 
12º Simpovidro - Palestra de Paulo Rabello de Castro
12º Simpovidro  - Palestra de Paulo Rabello de Castro12º Simpovidro  - Palestra de Paulo Rabello de Castro
12º Simpovidro - Palestra de Paulo Rabello de Castro
 
Apresentação sobre economia brasileira, de Carlos Thadeu, da CNC, na Fecomerc...
Apresentação sobre economia brasileira, de Carlos Thadeu, da CNC, na Fecomerc...Apresentação sobre economia brasileira, de Carlos Thadeu, da CNC, na Fecomerc...
Apresentação sobre economia brasileira, de Carlos Thadeu, da CNC, na Fecomerc...
 
A política econômica do governo dilma e os limites do crescimento versão 9.0
A política econômica do governo dilma e os limites do crescimento versão 9.0A política econômica do governo dilma e os limites do crescimento versão 9.0
A política econômica do governo dilma e os limites do crescimento versão 9.0
 
Carta de Conjuntura Fundação de Economia e Estatística
Carta de Conjuntura Fundação de Economia e EstatísticaCarta de Conjuntura Fundação de Economia e Estatística
Carta de Conjuntura Fundação de Economia e Estatística
 
TEC 2010 06 - Distribuição dos grupos de cor ou raça e sexo pelos ramos de at...
TEC 2010 06 - Distribuição dos grupos de cor ou raça e sexo pelos ramos de at...TEC 2010 06 - Distribuição dos grupos de cor ou raça e sexo pelos ramos de at...
TEC 2010 06 - Distribuição dos grupos de cor ou raça e sexo pelos ramos de at...
 

Mais de Associação Comercial de São Paulo

4 survey monkey
4 survey monkey4 survey monkey
eCommerce Meeting
eCommerce MeetingeCommerce Meeting
eCommerce Meeting
eCommerce MeetingeCommerce Meeting
eCommerce Meeting
eCommerce MeetingeCommerce Meeting
DIFERENCIAIS PARA O SUCESSO DE SUA LOJA VIRTUAL
DIFERENCIAIS PARA O SUCESSO DE SUA LOJA VIRTUALDIFERENCIAIS PARA O SUCESSO DE SUA LOJA VIRTUAL
DIFERENCIAIS PARA O SUCESSO DE SUA LOJA VIRTUAL
Associação Comercial de São Paulo
 
MEIOS DE PAGAMENTO SEGUROS NA INTERNET
MEIOS DE PAGAMENTO SEGUROS NA INTERNET MEIOS DE PAGAMENTO SEGUROS NA INTERNET
MEIOS DE PAGAMENTO SEGUROS NA INTERNET
Associação Comercial de São Paulo
 
MARKETPLACE: UM ÓTIMO CANAL PARA AUMENTAR SUAS VENDAS
MARKETPLACE: UM ÓTIMO CANAL PARA AUMENTAR SUAS VENDASMARKETPLACE: UM ÓTIMO CANAL PARA AUMENTAR SUAS VENDAS
MARKETPLACE: UM ÓTIMO CANAL PARA AUMENTAR SUAS VENDAS
Associação Comercial de São Paulo
 
MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO ECOMMERCE BRASILEIRO
MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO ECOMMERCE BRASILEIROMICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO ECOMMERCE BRASILEIRO
MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO ECOMMERCE BRASILEIRO
Associação Comercial de São Paulo
 
Palestra de Paulo Sidney - Teoria sem mistério da NF-e
Palestra de Paulo Sidney - Teoria sem mistério da NF-ePalestra de Paulo Sidney - Teoria sem mistério da NF-e
Palestra de Paulo Sidney - Teoria sem mistério da NF-e
Associação Comercial de São Paulo
 
Palestra de Nelson Castilho - ACSP, uma facilitadora de acesso às exigências ...
Palestra de Nelson Castilho - ACSP, uma facilitadora de acesso às exigências ...Palestra de Nelson Castilho - ACSP, uma facilitadora de acesso às exigências ...
Palestra de Nelson Castilho - ACSP, uma facilitadora de acesso às exigências ...
Associação Comercial de São Paulo
 
Palestra de Renan Luiz da Silva - Certificação Digital, um requisito de uso d...
Palestra de Renan Luiz da Silva - Certificação Digital, um requisito de uso d...Palestra de Renan Luiz da Silva - Certificação Digital, um requisito de uso d...
Palestra de Renan Luiz da Silva - Certificação Digital, um requisito de uso d...
Associação Comercial de São Paulo
 
Palestra de Thais Corteze - Proteção jurídica dos usuários das mídias sociais
Palestra de Thais Corteze - Proteção jurídica dos usuários das mídias sociais Palestra de Thais Corteze - Proteção jurídica dos usuários das mídias sociais
Palestra de Thais Corteze - Proteção jurídica dos usuários das mídias sociais
Associação Comercial de São Paulo
 
Palestra de Marcos Hiller – Redes Sociais & Mundo Digital
Palestra de Marcos Hiller – Redes Sociais & Mundo Digital Palestra de Marcos Hiller – Redes Sociais & Mundo Digital
Palestra de Marcos Hiller – Redes Sociais & Mundo Digital
Associação Comercial de São Paulo
 
Palestra de Monica Pontalti - Como montar um time medalha de ouro
Palestra de Monica Pontalti - Como montar um time medalha de ouroPalestra de Monica Pontalti - Como montar um time medalha de ouro
Palestra de Monica Pontalti - Como montar um time medalha de ouro
Associação Comercial de São Paulo
 
Palestra de Monica Pontalti - Como montar um time medalha de ouro
Palestra de Monica Pontalti - Como montar um time medalha de ouroPalestra de Monica Pontalti - Como montar um time medalha de ouro
Palestra de Monica Pontalti - Como montar um time medalha de ouro
Associação Comercial de São Paulo
 
Situação e Perspectivas da Inadimplência
Situação e Perspectivas da InadimplênciaSituação e Perspectivas da Inadimplência
Situação e Perspectivas da Inadimplência
Associação Comercial de São Paulo
 
PERSPECTIVAS DA ECONOMIA BRASILEIRA
PERSPECTIVAS DA ECONOMIA BRASILEIRAPERSPECTIVAS DA ECONOMIA BRASILEIRA
PERSPECTIVAS DA ECONOMIA BRASILEIRA
Associação Comercial de São Paulo
 
Comunicação eficaz e marketing pessoal para jornalistas
Comunicação eficaz e marketing pessoal para jornalistasComunicação eficaz e marketing pessoal para jornalistas
Comunicação eficaz e marketing pessoal para jornalistas
Associação Comercial de São Paulo
 
Comunicação eficaz e marketing pessoal para jornalistas
Comunicação eficaz e marketing pessoal para jornalistasComunicação eficaz e marketing pessoal para jornalistas
Comunicação eficaz e marketing pessoal para jornalistas
Associação Comercial de São Paulo
 
Protocolo e Cerimonial
Protocolo e CerimonialProtocolo e Cerimonial
Protocolo e Cerimonial
Associação Comercial de São Paulo
 

Mais de Associação Comercial de São Paulo (20)

4 survey monkey
4 survey monkey4 survey monkey
4 survey monkey
 
eCommerce Meeting
eCommerce MeetingeCommerce Meeting
eCommerce Meeting
 
eCommerce Meeting
eCommerce MeetingeCommerce Meeting
eCommerce Meeting
 
eCommerce Meeting
eCommerce MeetingeCommerce Meeting
eCommerce Meeting
 
DIFERENCIAIS PARA O SUCESSO DE SUA LOJA VIRTUAL
DIFERENCIAIS PARA O SUCESSO DE SUA LOJA VIRTUALDIFERENCIAIS PARA O SUCESSO DE SUA LOJA VIRTUAL
DIFERENCIAIS PARA O SUCESSO DE SUA LOJA VIRTUAL
 
MEIOS DE PAGAMENTO SEGUROS NA INTERNET
MEIOS DE PAGAMENTO SEGUROS NA INTERNET MEIOS DE PAGAMENTO SEGUROS NA INTERNET
MEIOS DE PAGAMENTO SEGUROS NA INTERNET
 
MARKETPLACE: UM ÓTIMO CANAL PARA AUMENTAR SUAS VENDAS
MARKETPLACE: UM ÓTIMO CANAL PARA AUMENTAR SUAS VENDASMARKETPLACE: UM ÓTIMO CANAL PARA AUMENTAR SUAS VENDAS
MARKETPLACE: UM ÓTIMO CANAL PARA AUMENTAR SUAS VENDAS
 
MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO ECOMMERCE BRASILEIRO
MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO ECOMMERCE BRASILEIROMICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO ECOMMERCE BRASILEIRO
MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO ECOMMERCE BRASILEIRO
 
Palestra de Paulo Sidney - Teoria sem mistério da NF-e
Palestra de Paulo Sidney - Teoria sem mistério da NF-ePalestra de Paulo Sidney - Teoria sem mistério da NF-e
Palestra de Paulo Sidney - Teoria sem mistério da NF-e
 
Palestra de Nelson Castilho - ACSP, uma facilitadora de acesso às exigências ...
Palestra de Nelson Castilho - ACSP, uma facilitadora de acesso às exigências ...Palestra de Nelson Castilho - ACSP, uma facilitadora de acesso às exigências ...
Palestra de Nelson Castilho - ACSP, uma facilitadora de acesso às exigências ...
 
Palestra de Renan Luiz da Silva - Certificação Digital, um requisito de uso d...
Palestra de Renan Luiz da Silva - Certificação Digital, um requisito de uso d...Palestra de Renan Luiz da Silva - Certificação Digital, um requisito de uso d...
Palestra de Renan Luiz da Silva - Certificação Digital, um requisito de uso d...
 
Palestra de Thais Corteze - Proteção jurídica dos usuários das mídias sociais
Palestra de Thais Corteze - Proteção jurídica dos usuários das mídias sociais Palestra de Thais Corteze - Proteção jurídica dos usuários das mídias sociais
Palestra de Thais Corteze - Proteção jurídica dos usuários das mídias sociais
 
Palestra de Marcos Hiller – Redes Sociais & Mundo Digital
Palestra de Marcos Hiller – Redes Sociais & Mundo Digital Palestra de Marcos Hiller – Redes Sociais & Mundo Digital
Palestra de Marcos Hiller – Redes Sociais & Mundo Digital
 
Palestra de Monica Pontalti - Como montar um time medalha de ouro
Palestra de Monica Pontalti - Como montar um time medalha de ouroPalestra de Monica Pontalti - Como montar um time medalha de ouro
Palestra de Monica Pontalti - Como montar um time medalha de ouro
 
Palestra de Monica Pontalti - Como montar um time medalha de ouro
Palestra de Monica Pontalti - Como montar um time medalha de ouroPalestra de Monica Pontalti - Como montar um time medalha de ouro
Palestra de Monica Pontalti - Como montar um time medalha de ouro
 
Situação e Perspectivas da Inadimplência
Situação e Perspectivas da InadimplênciaSituação e Perspectivas da Inadimplência
Situação e Perspectivas da Inadimplência
 
PERSPECTIVAS DA ECONOMIA BRASILEIRA
PERSPECTIVAS DA ECONOMIA BRASILEIRAPERSPECTIVAS DA ECONOMIA BRASILEIRA
PERSPECTIVAS DA ECONOMIA BRASILEIRA
 
Comunicação eficaz e marketing pessoal para jornalistas
Comunicação eficaz e marketing pessoal para jornalistasComunicação eficaz e marketing pessoal para jornalistas
Comunicação eficaz e marketing pessoal para jornalistas
 
Comunicação eficaz e marketing pessoal para jornalistas
Comunicação eficaz e marketing pessoal para jornalistasComunicação eficaz e marketing pessoal para jornalistas
Comunicação eficaz e marketing pessoal para jornalistas
 
Protocolo e Cerimonial
Protocolo e CerimonialProtocolo e Cerimonial
Protocolo e Cerimonial
 

Último

MANUAL DO REVENDEDOR TEGG TELECOM - O 5G QUE PAGA VOCÊ
MANUAL DO REVENDEDOR TEGG TELECOM - O 5G QUE PAGA VOCÊMANUAL DO REVENDEDOR TEGG TELECOM - O 5G QUE PAGA VOCÊ
MANUAL DO REVENDEDOR TEGG TELECOM - O 5G QUE PAGA VOCÊ
EMERSON BRITO
 
Conferência Goiás I Fraudes no centro-oeste em 2023
Conferência Goiás I Fraudes no centro-oeste em 2023Conferência Goiás I Fraudes no centro-oeste em 2023
Conferência Goiás I Fraudes no centro-oeste em 2023
E-Commerce Brasil
 
Conferência Goiás I Estratégias de aquisição e fidelização de clientes e opor...
Conferência Goiás I Estratégias de aquisição e fidelização de clientes e opor...Conferência Goiás I Estratégias de aquisição e fidelização de clientes e opor...
Conferência Goiás I Estratégias de aquisição e fidelização de clientes e opor...
E-Commerce Brasil
 
Conferência Goiás I Conteúdo que vende: Estratégias para o aumento de convers...
Conferência Goiás I Conteúdo que vende: Estratégias para o aumento de convers...Conferência Goiás I Conteúdo que vende: Estratégias para o aumento de convers...
Conferência Goiás I Conteúdo que vende: Estratégias para o aumento de convers...
E-Commerce Brasil
 
Conferência Goiás I Como uma boa experiência na logística reversa pode impact...
Conferência Goiás I Como uma boa experiência na logística reversa pode impact...Conferência Goiás I Como uma boa experiência na logística reversa pode impact...
Conferência Goiás I Como uma boa experiência na logística reversa pode impact...
E-Commerce Brasil
 
Conferência Goiás I Os impactos da digitalização do Atacarejo no Brasil.
Conferência Goiás I Os impactos da digitalização do Atacarejo no Brasil.Conferência Goiás I Os impactos da digitalização do Atacarejo no Brasil.
Conferência Goiás I Os impactos da digitalização do Atacarejo no Brasil.
E-Commerce Brasil
 
Conferência Goiás I Prevenção à fraude em negócios B2B e B2C: boas práticas e...
Conferência Goiás I Prevenção à fraude em negócios B2B e B2C: boas práticas e...Conferência Goiás I Prevenção à fraude em negócios B2B e B2C: boas práticas e...
Conferência Goiás I Prevenção à fraude em negócios B2B e B2C: boas práticas e...
E-Commerce Brasil
 
Conferência Goiás I As tendências para logística em 2024 e o impacto positivo...
Conferência Goiás I As tendências para logística em 2024 e o impacto positivo...Conferência Goiás I As tendências para logística em 2024 e o impacto positivo...
Conferência Goiás I As tendências para logística em 2024 e o impacto positivo...
E-Commerce Brasil
 
Conferência Goiás I Uma experiência excelente começa quando ela ainda nem seq...
Conferência Goiás I Uma experiência excelente começa quando ela ainda nem seq...Conferência Goiás I Uma experiência excelente começa quando ela ainda nem seq...
Conferência Goiás I Uma experiência excelente começa quando ela ainda nem seq...
E-Commerce Brasil
 
Conferência Goiás I Perspectivas do Pix 2024: novidades e impactos no varejo ...
Conferência Goiás I Perspectivas do Pix 2024: novidades e impactos no varejo ...Conferência Goiás I Perspectivas do Pix 2024: novidades e impactos no varejo ...
Conferência Goiás I Perspectivas do Pix 2024: novidades e impactos no varejo ...
E-Commerce Brasil
 
Guia Definitivo do Feedback 2.0 como vc ter maturidade de relacionamento
Guia Definitivo do Feedback 2.0 como vc ter maturidade de relacionamentoGuia Definitivo do Feedback 2.0 como vc ter maturidade de relacionamento
Guia Definitivo do Feedback 2.0 como vc ter maturidade de relacionamento
Leonardo Espírito Santo
 
Conferência Goiás I E-commerce Inteligente: o papel crucial da maturidade dig...
Conferência Goiás I E-commerce Inteligente: o papel crucial da maturidade dig...Conferência Goiás I E-commerce Inteligente: o papel crucial da maturidade dig...
Conferência Goiás I E-commerce Inteligente: o papel crucial da maturidade dig...
E-Commerce Brasil
 
Conferência Goiás I Moda e E-commerce: transformando a experiência do consumi...
Conferência Goiás I Moda e E-commerce: transformando a experiência do consumi...Conferência Goiás I Moda e E-commerce: transformando a experiência do consumi...
Conferência Goiás I Moda e E-commerce: transformando a experiência do consumi...
E-Commerce Brasil
 

Último (13)

MANUAL DO REVENDEDOR TEGG TELECOM - O 5G QUE PAGA VOCÊ
MANUAL DO REVENDEDOR TEGG TELECOM - O 5G QUE PAGA VOCÊMANUAL DO REVENDEDOR TEGG TELECOM - O 5G QUE PAGA VOCÊ
MANUAL DO REVENDEDOR TEGG TELECOM - O 5G QUE PAGA VOCÊ
 
Conferência Goiás I Fraudes no centro-oeste em 2023
Conferência Goiás I Fraudes no centro-oeste em 2023Conferência Goiás I Fraudes no centro-oeste em 2023
Conferência Goiás I Fraudes no centro-oeste em 2023
 
Conferência Goiás I Estratégias de aquisição e fidelização de clientes e opor...
Conferência Goiás I Estratégias de aquisição e fidelização de clientes e opor...Conferência Goiás I Estratégias de aquisição e fidelização de clientes e opor...
Conferência Goiás I Estratégias de aquisição e fidelização de clientes e opor...
 
Conferência Goiás I Conteúdo que vende: Estratégias para o aumento de convers...
Conferência Goiás I Conteúdo que vende: Estratégias para o aumento de convers...Conferência Goiás I Conteúdo que vende: Estratégias para o aumento de convers...
Conferência Goiás I Conteúdo que vende: Estratégias para o aumento de convers...
 
Conferência Goiás I Como uma boa experiência na logística reversa pode impact...
Conferência Goiás I Como uma boa experiência na logística reversa pode impact...Conferência Goiás I Como uma boa experiência na logística reversa pode impact...
Conferência Goiás I Como uma boa experiência na logística reversa pode impact...
 
Conferência Goiás I Os impactos da digitalização do Atacarejo no Brasil.
Conferência Goiás I Os impactos da digitalização do Atacarejo no Brasil.Conferência Goiás I Os impactos da digitalização do Atacarejo no Brasil.
Conferência Goiás I Os impactos da digitalização do Atacarejo no Brasil.
 
Conferência Goiás I Prevenção à fraude em negócios B2B e B2C: boas práticas e...
Conferência Goiás I Prevenção à fraude em negócios B2B e B2C: boas práticas e...Conferência Goiás I Prevenção à fraude em negócios B2B e B2C: boas práticas e...
Conferência Goiás I Prevenção à fraude em negócios B2B e B2C: boas práticas e...
 
Conferência Goiás I As tendências para logística em 2024 e o impacto positivo...
Conferência Goiás I As tendências para logística em 2024 e o impacto positivo...Conferência Goiás I As tendências para logística em 2024 e o impacto positivo...
Conferência Goiás I As tendências para logística em 2024 e o impacto positivo...
 
Conferência Goiás I Uma experiência excelente começa quando ela ainda nem seq...
Conferência Goiás I Uma experiência excelente começa quando ela ainda nem seq...Conferência Goiás I Uma experiência excelente começa quando ela ainda nem seq...
Conferência Goiás I Uma experiência excelente começa quando ela ainda nem seq...
 
Conferência Goiás I Perspectivas do Pix 2024: novidades e impactos no varejo ...
Conferência Goiás I Perspectivas do Pix 2024: novidades e impactos no varejo ...Conferência Goiás I Perspectivas do Pix 2024: novidades e impactos no varejo ...
Conferência Goiás I Perspectivas do Pix 2024: novidades e impactos no varejo ...
 
Guia Definitivo do Feedback 2.0 como vc ter maturidade de relacionamento
Guia Definitivo do Feedback 2.0 como vc ter maturidade de relacionamentoGuia Definitivo do Feedback 2.0 como vc ter maturidade de relacionamento
Guia Definitivo do Feedback 2.0 como vc ter maturidade de relacionamento
 
Conferência Goiás I E-commerce Inteligente: o papel crucial da maturidade dig...
Conferência Goiás I E-commerce Inteligente: o papel crucial da maturidade dig...Conferência Goiás I E-commerce Inteligente: o papel crucial da maturidade dig...
Conferência Goiás I E-commerce Inteligente: o papel crucial da maturidade dig...
 
Conferência Goiás I Moda e E-commerce: transformando a experiência do consumi...
Conferência Goiás I Moda e E-commerce: transformando a experiência do consumi...Conferência Goiás I Moda e E-commerce: transformando a experiência do consumi...
Conferência Goiás I Moda e E-commerce: transformando a experiência do consumi...
 

Conjuntura econômica nacional

  • 1. Ulisses Ruiz de Gamboa Economista - ACSP Conjuntura Econômica Nacional 24-05-2010
  • 2. Índice • Situação Pré-Crise • Canais de Transmissão da Crise • Evolução da Economia em 2009 • Perspectivas 2010
  • 3. Situação Pré-Crise • 2003-2007: Um dos maiores períodos de crescimento econômico mundial desde a Segunda Guerra • Causas: – Excessiva liquidez devido à política americana de juros baixos aplicada durante 2001-2004 e ao excesso de endividamento público a partir da Guerra do Iraque; – Problemas de informação, ética e regulação no mercado financeiro.
  • 4. Situação Pré-Crise Fonte: FMI, Banco Central. TAXA DE CRESCIMENTO DO PIB BRASILEIRO E DO PIB MUNDIAL: 2003-2010 (%) 3,6 4,9 4,4 5,0 3,8 3,0 1,1 5,7 3,2 4,0 5,7 5,1 -0,6 4,2(P) -0,2 6,3(P) -1 0 1 2 3 4 5 6 7 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 PIB Mundial PIB Brasil
  • 5. Situação Pré-Crise • Economia brasileira também “surfou” na “bolha financeira” internacional: – Linhas de crédito externas para grandes empresas brasileiras (CVRD, Petrobrás etc); – Exportação de matérias-primas para abastecer grande crescimento da produção (consumo) mundial; – Forte entrada de capitais externos na Bolsa.
  • 6. Canais de Transmissão da Crise • A crise atingiu o Brasil a partir de três canais principais: – Queda da demanda global, reduzindo preço e quantidade das exportações brasileiras; – Diminuição forte e rápida do crédito externo, devido ao aumento abrupto da percepção do risco; – Fuga dos capitais externos da Bolsa.
  • 7. Evolução da Economia em 2009 P IB Oferta de bens e serviços Demanda por bens e serviços Agropecuária Indústria S erviços C onsumo das famílias C onsumo do governo Investimento (inclusive variação de estoques) E xportações Importações ( - ) Demanda doméstica S etor externo =
  • 8. Evolução da Economia em 2009 • Atividade econômica mostrou leve queda durante 2009 (-0,2%), devido ao impacto da crise financeira mundial; • Setores produtivos menos vinculados ao crédito, tais como o comércio e os serviços apresentaram expansão (2,6%);
  • 9. Evolução da Economia em 2009 • Setor industrial foi o mais afetado (-5,5%): redução das exportações e da demanda de bens de capital (diminuição do investimento produtivo) e contração das vendas de bens duráveis; • Agropecuária também apresentou queda importante (-5,2%), vinculada à forte redução das vendas no exterior
  • 10. Evolução da Economia em 2009 Fonte: IBGE. EVOLUÇÃO DA PRODUÇÃO INDUSTRIAL (Índice): Janeiro 2008 - Março 2010 80 90 100 110 120 130 140 150 jan/08 fev/08 m ar/08 abr/08 m ai/08 jun/08 jul/08 ago/08 set/08 out/08 nov/08 dez/08 jan/09 fev/09 m ar/09 abr/09 m ai/09 jun/09 jul/09 ago/09 set/09 out/09 nov/09 dez/09 jan/10 fev/10 m ar/10
  • 11. Evolução da Economia em 2009 • Pelo lado da despesa, devido à continuidade do crescimento da massa salarial e das políticas de transferência de renda, o consumo das famílias continuou crescendo (4,1%), assim como o consumo de governo (3,7%); • Nesse contexto, a queda do PIB pode ser explicada pela forte redução dos investimentos produtivos (- 9,9%), devido à contração do crédito e da menor confiança dos empresários, e pela queda nas exportações (10,3%).
  • 12. Evolução da Economia em 2009 • A redução da atividade econômica, impulsionada pela redução da demanda agregada, provocou desaceleração da taxa de inflação, que terminou o ano próxima ao centro da meta (4,3%); • A menor pressão inflacionária permitiu que o Banco Central fizesse política anti-cíclica (diminuição da SELIC, redução das reservas compulsórias), o que permitiu minimizar o impacto da crise internacional.
  • 13. Evolução da Economia em 2009 EVOLUÇÃO DA TAXA DE INFLAÇÃO - IPCA: 2003 - 2009 (%) 9,3 7,6 5,7 3,1 4,5 5,9 4,3 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 Fonte: IBGE.
  • 14. Evolução da Economia em 2009 • A política fiscal continuou sendo expansionista, promovendo desonerações tributárias programadas (política anti-cíclica) e reajustando fortemente os salários e o número de servidores públicos, além de aumentar os benefícios do INSS (aumento permanente do gasto); • Face à menor arrecadação decorrente da queda na atividade econômica, a expansão do gasto público corrente provocou deterioração nas contas públicas.
  • 15. Evolução da Economia em 2009 DÉFICIT FISCAL NOMINAL DO SETOR PÚBLICO CONSOLIDADO: Setembro 2008 - Dezembro 2009 (% PIB) 1,7 1,2 1,5 1,9 2,4 2,4 2,7 2,9 3,0 3,1 3,2 3,4 4,2 4,5 4,2 3,3 3,0 3,2 3,5 0 0,5 1 1,5 2 2,5 3 3,5 4 4,5 5 set/08 out/08 nov/08 dez/08 jan/09 fev/09 mar/09 abr/09 mai/09 jun/09 jul/09 ago/09 set/09 out/09 nov/09 dez/09 jan/10 fev/10 mar/10 Fonte: Banco Central.
  • 16. Evolução da Economia em 2009 Fonte: Banco Central. DÍVIDA PÚBLICA LÍQUIDA DO SETOR PÚBLICO CONSOLIDADO: Setembro 2008 - Março 2010 (% PIB) 40,7 39,0 37,7 38,4 38,9 39,0 39,1 39,8 40,9 41,2 42,0 42,1 43,2 43,4 43,1 42,8 41,6 42,1 42,4 34,0 35,0 36,0 37,0 38,0 39,0 40,0 41,0 42,0 43,0 44,0 set/08 out/08 nov/08 dez/08 jan/09 fev/09 mar/09 abr/09 mai/09 jun/09 jul/09 ago/09 set/09 out/09 nov/09 dez/09 jan/10 fev/10 mar/10
  • 17. Evolução da Economia em 2009 • As política anti-cíclicas ajudaram a manter reduzida a taxa de desemprego e promoveram rápida recuperação do emprego formal; • Contudo, a recuperação do emprego foi heterogênea, centrada nos setores serviço e comércio, cujo salário médio é relativamente mais baixo (classes D e E).
  • 18. Evolução da Economia em 2009 Fonte: IBGE. EVOLUÇÃO DA TAXA DE DESOCUPAÇÃO: Janeiro 2008 - Março 2010 (%) 8,0 8,5 7,7 7,6 6,8 8,2 8,8 8,1 7,4 6,8 7,67,9 9,0 5 5,5 6 6,5 7 7,5 8 8,5 9 9,5 jan/08 fev/08 m ar/08 abr/08 m ai/08 jun/08 jul/08 ago/08 set/08 out/08 nov/08 dez/08 jan/09 fev/09 m ar/09 abr/09 m ai/09 jun/09 jul/09 ago/09 set/09 out/09 nov/09 dez/09 jan/10 fev/10 m ar/10
  • 19. Evolução da Economia em 2009 Fonte: MTE. GERAÇÃO LÍQUIDA DE EMPREGOS FORMAIS POR SETOR DE ATIVIDADE: 2008 - 2009 (Em postos de trabalho) 178.675 7.965 382.218 648.259 18.232 1.452.204 177.185 18.0758.671 197.868 10.316 -15.369 995.439 500.177 297.157 4.98410.8652.036 -200.000 0 200.000 400.000 600.000 800.000 1.000.000 1.200.000 1.400.000 1.600.000 Extr. Mineral Indústria Transformação SIUP Construção Civil Comércio Serviços Adm. Pública Agropecuária Total 2008 2009
  • 20. Evolução da Economia em 2009 • No setor externo, o saldo da balança comercial sofreu forte diminuição, atenuada pelo fato de que as importações (-11,4%) se reduziram mais intensamente que as exportações (-10,3%); • O saldo da conta corrente do balanço de pagamentos continuou apresentando déficit (-US$ 24,3 bilhões), impulsionado pelo menor superávit da balança comercial e pelo déficit da balança de serviços e rendas (remessa de lucros –US$ 52,9 bilhões) ;
  • 21. Evolução da Economia em 2009 • Apesar dos resultados externos negativos, não houve crise cambial, devido às entradas de investimento estrangeiro direto (US$ 36 bilhões) e investimento em carteira (US$ 50,3 bilhões); • Contudo o maior déficit da conta corrente refletiu o desequilíbrio de uma economia cujo gasto (privado e público) continuou aumentando frente à queda na atividade econômica.
  • 22. Perspectivas 2010 • O investimento produtivo tem mostrado vigorosa recuperação, devido à maior disponibilidade de crédito e à retomada da confiança; • Apesar dos cortes anunciados, o gasto corrente do governo continua crescendo fortemente, com ênfase em despesas permanentes;
  • 23. Perspectivas 2010 • Mercado formal de trabalho continua apresentando geração líquida de empregos (305,1 mil em abril), disseminado por todos os setores produtivos, com expectativa de criação de 2,1 milhões de empregos até o final do ano; • O maior crescimento da renda e do emprego, a recuperação do crédito e a manutenção das políticas de transferência de renda estão provocando intenso aumento do consumo das famílias;
  • 24. Perspectivas 2010 Fonte: FGV. EVOLUÇÃO DO NÍVEL DA CAPACIDADE INSTALADA (NUCI): 1º Trimestre 1995 - 2º Trimestre 2010 (%) 70 72 74 76 78 80 82 84 86 88 1 3 5 7 9 11 13 15 17 19 21 23 25 27 29 31 33 35 37 39 41 43 45 47 49 51 53 55 57 59 61 NUCI Média 1995 - 2010
  • 25. Perspectivas 2010 Fonte: IBGE. VENDAS NO COMÉRCIO VAREJISTA x PRODUÇÃO INDUSTRIAL: Janeiro 2008 - Março 2010 (Índices dessazonalizados) 80 90 100 110 120 130 140 150 160 170 180 jan/08 fev/08 m ar/08 abr/08 m ai/08 jun/08 jul/08 ago/08 set/08 out/08 nov/08 dez/08 jan/09 fev/09 m ar/09 abr/09 m ai/09 jun/09 jul/09 ago/09 set/09 out/09 nov/09 dez/09 jan/10 fev/10 m ar/10 Vendas no Comércio Varejista Produção Industrial
  • 26. Perspectivas 2010 • Todos os índices e núcleos de inflação apresentam aceleração, refletindo o excesso de consumo (privado e público) sobre a produção, o que também alimentou as expectativas de inflação; • Ainda que a aceleração da inflação esteja concentrada no primeiro semestre desse ano, devido aos reajustes, deverá terminar o ano em patamares elevados, devido ao aquecimento da demanda doméstica;
  • 27. Perspectivas 2010 Fonte: IBGE e Banco Central. EVOLUÇÃO E EXPECTATIVAS DA INFLAÇÃO (IPCA): 2003 - 2011 (%) 9,3 7,6 5,7 3,1 4,5 5,9 4,3 4,8(P) 5,5(P) 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011
  • 28. Perspectivas 2010 • Preocupado com o cumprimento da meta de inflação, o Banco Central aumentou fortemente a SELIC (0,75 p.p.) em sua segunda reunião anual; • Com a manutenção das pressões inflacionárias, espera-se que o COPOM continue aumentando a taxa SELIC em suas próximas reuniões, terminando o ano em 11,75%
  • 29. Perspectivas 2010 Fonte: Banco Central. EVOLUÇÃO DA TAXA BÁSICA DE JUROS (TAXA SELIC): 2003 - 2011 (%) 16,50 17,75 18,00 13,25 11,25 13,75 8,75 11,50(P)11,75(P) 0,00 2,00 4,00 6,00 8,00 10,00 12,00 14,00 16,00 18,00 20,00 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011
  • 30. Perspectivas 2010 • Transações correntes continuam incrementando seu déficit, devido aos efeitos sobre as importações da maior demanda por bens de consumo e de capital e devido ao maior déficit do balanço de serviços e rendas (turismo); • A manutenção dessa tendência provocará até o final do ano considerável aumento desse déficit (-US$ 49,2 bilhões), refletindo excesso de gasto sobre a produção;
  • 31. Perspectivas 2010 • Exposição em reais de estrangeiros tem aumentado substancialmente, chegando em abril a US$ 720 bilhões (IED, bolsa, derivativos, renda fixa, bônus externos); • Maior exposição reflete maior confiança na economia brasileira e no real, pois quase metade dos recursos investidos representam IED;
  • 32. Perspectivas 2010 • Déficit em transações correntes, apesar de elevado, deverá ser financiado por IED (US$ 38 bilhões) e por investimento em carteira (aumento da SELIC e grandes operações); • Entradas deverão resultar em Balanço de Pagamentos fortemente superavitário, o que implicará em taxas de câmbio relativamente baixas (R$ 1,80);
  • 33. Perspectivas 2010 Fonte: Banco Central. BALANÇA COMERCIAL, TRANSAÇÕES CORRENTES E INVESTIMENTO ESTRANGEIRO DIRETO: 2003 - 2011 (US$ Bilhões) 24,9 33,8 44,9 46,6 40,0 24,7 25,3 13,7 5,34,2 1,7 -28,2 -24,3 -49,3 -58,9 10,1 34,6 45,1 25,9 38,0 40,0 11,7 14,0 13,6 18,1 15,1 18,8 -80,0 -60,0 -40,0 -20,0 0,0 20,0 40,0 60,0 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Balança Comercial Conta Corrente IED
  • 34. Perspectivas 2010 Fonte: Banco Central. EVOLUÇÃO DA TAXA DE CÂMBIO: 2003 -2011 (R$/US$) 1,85(P) 1,80(P) 1,99 1,84 1,95 2,18 2,43 2,93 3,07 1,00 1,50 2,00 2,50 3,00 3,50 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011
  • 35. Perspectivas 2010 • Fatores de Expansão em 2010: • Crescimento do consumo das famílias • Recuperação do investimento produtivo • Crescimento do gasto público
  • 36. Perspectivas 2010 • Fatores de Risco em 2010: • Elevação da inflação • Menor solvência fiscal • Deterioração das contas externas • Desvalorização do câmbio (inflação)
  • 38. OBRIGADO(A) Ulisses Ruiz de Gamboa Superintendente ACSP uruizdegamboa@acsp.com.br www.acsp.com.br