SlideShare uma empresa Scribd logo
O Aluno com altas
habilidades/superdotação e
     a Inclusão Escolar


 Profª Drª. Soraia Napoleão Freitas
   soraianfreitas@yahoo.com.br
O QUE É EDUCAR?
É o processo em que o sujeito convive
com outro sujeito e, ao conviver com o
outro,         se         transforma,
espontaneamente, de maneira que seu
modo      de     viver     se     faz,
progressivamente, mais congruente
com o do outro no espaço de
convivência.
EDUCAR OCORRE, PORTANTO, TODO O
TEMPO E DE MANEIRA RECÍPROCA!
            (Maturana, 1998, p. 29)
O QUE SÃO NECESSIDADES
EDUCACIONAIS ESPECIAIS?

As necessidades educacionais especiais
não são parâmetros atribuídos somente
ao      campo       educacional.      São
características pessoais que necessitam
uma orientação, um enfoque, uma
mobilização          de          recursos
educativos/educacionais para produzir um
desenvolvimento positivo do sujeito.
(Padrón, 2000)
E O QUE SÃO
    ALTAS
HABILIDADES?
[...] determinados segmentos da comunidade permanecem
igualmente discriminados e à margem do sistema
educacional. É o caso dos superdotados, portadores de altas
habilidades, “brilhantes” e talentosos que, devido a
necessidades e motivações específicas – incluindo a não
aceitação da rigidez curricular e de aspectos do cotidiano
escolar – são tidos por muitos como trabalhosos e
indisciplinados, deixando de receber os serviços especiais
de que necessitam, como por exemplo o enriquecimento e
aprofundamento curricular. Assim, esses alunos muitas
vezes abandonam o sistema educacional, inclusive por
dificuldades de relacionamento.




(BRASIL, Parecer CNE/CEB Nº 17/2001, p. 19)
Diretrizes gerais para o Atendimento Educacional aos
   Alunos Portadores de Altas Habilidades/Superdotação

Altas Habilidades referem-se aos comportamentos observados e/ou
relatados que confirmam a expressão de “traços consistentemente
superiores” em relação a uma média (por exemplo: idade, produção ou
série escolar) em qualquer campo do saber ou do fazer. Deve-se
entender por “traços” as formas consistentes, ou seja, aquelas que
permanecem com freqüência          e duração no repertório dos
comportamentos da pessoa, de forma a poderem ser registrados em
épocas diferentes e situações semelhantes. Esses educandos apresentam
envolvimento com a tarefa, traço que se refere a comportamentos
observáveis na demonstração de expressivo interesse, motivação e
empenho pessoal nas tarefas que realiza em diferentes áreas, e
criatividade, traço que diz respeito a comportamentos criativos
observáveis no fazer e no pensar, expressados em diferentes formas:
gestual, plástica, teatral, matemática ou musical, entre outras. [...].
Superdotados e Talentosos são indivíduos que, por suas habilidades
evidentes, são capazes de alto desempenho (Renzulli, 1988), têm
capacidade e potencial para desenvolver esse conjunto de traços e usá-
los em qualquer área potencialmente valiosa da realização humana, em
qualquer grupo social. (BRASIL, 1995a, p. 13)
Parecer Nº 17/01 CNE/CEB

“altas habilidades/superdotação, grande facilidade de
aprendizagem que os leve a dominar rapidamente os
conceitos, os procedimentos e as atitudes”[...] e que, por
terem condições de aprofundar e enriquecer esses
conteúdos, devem receber desafios suplementares em classe
comum, em sala de recursos ou em outros espaços definidos
pelos sistemas de ensino, inclusive para concluir, em menor
tempo, a série ou etapa escolar.
                                         (BRASIL, 2002, p. 45)
Resolução CNE/CEB Nº 2/01
“altas habilidades/superdotação, grande facilidade de
aprendizagem que os leve a dominar rapidamente os
conceitos, os procedimentos e as atitudes”
Política Nacional de Educação Especial na
                 perspectiva da
              Educação Inclusiva

DEFINIÇÃO:
Alunos com altas habilidades/superdotação demonstram
potencial elevado em qualquer uma das seguintes áreas,
isoladas ou combinadas: intelectual, acadêmica, liderança,
psicomotricidade e artes, além de apresentar grande
criatividade, envolvimento na aprendizagem e realização de
tarefas em áreas de seu interesse. (SEESP, 2008, p. 9)
OUTRAS DEFINIÇÕES
O superdotado é
aquele indivíduo que,
quando comparado à
população geral,
apresenta uma
habilidade
significativamente
superior em alguma
                        Alencar, 2001
área do conhecimento
OUTRAS DEFINIÇÕES


O comportamento de
superdotação consiste de
comportamentos que
refletem uma interação entre
três conjuntos (clusters)
básicos de traços:
habilidade acima da média,
                     média
envolvimento com a tarefa,
e criatividade
                               Renzulli, 1976
POR QUE DEFINIR A
     SUPERDOTAÇÃO?

  Ampliar o conceito da superdotação
para a comunidade, desfazendo
idéias errôneas
 Conduzir os objetivos dos
programas de atendimento a esta
população, servindo de base para o
tipo de identificação e de serviços
fornecidos
 Influenciar as políticas públicas na
área
 Grande parte dos
      problemas
 encontrados na área
   pode também ser
    proveniente de
   inúmeros mitos a
      respeito da
  superdotação, que
 são agravados pela
 desinformação que,
  em geral, a nossa
   sociedade tem a       Alencar & Fleith, 2001
respeito deste tópico.
QUANTOS SÃO OS SUPERDOTADOS?



Do ponto de vista psicométrico (testes
de inteligência):

Considera-se apenas os talentos que
se destacam por suas habilidades
intelectuais ou acadêmicas
Nesta perspectiva, estima-se que   1
a 3% dos indivíduos de uma dada
população sejam superdotados.
QUANTOS SÃO OS SUPERDOTADOS?


Quando incluímos outros aspectos
à avaliação de superdotados, como
por ex.,liderança, criatividade,
competências artísticas e
psicomotoras, as estatísticas
sobre altas habilidades aumentam
significativamente, chegando a
abarcar uma porcentagem de
15 a 20% da população

                                    (Reis e Renzulli, 1986)
SUPERDOTAÇÃO
A superdotação engloba tanto fatores
cognitivos, como não cognitivos (por
exemplo, afetivos, motivacionais, de
personalidade).
Para que se alcance um
desenvolvimento intelectual ótimo, é
necessário se considerar:
  a forma com que o indivíduo funciona
  em seu ambiente natural;
  como ele interage com o seu contexto
  social e cultural;
  como percebe suas competências ou
  áreas fortes, seu senso de valor e
  auto-estima.
É necessário que os
alunos tenham
oportunidade de
expressar-se enquanto
pessoa, compreendendo
a importância da
experiência interior para
o amadurecimento
social, emocional e
intelectual.
MITO:
SUPERDOTAÇÃO
COMO SINÔNIMO
DE GENIALIDADE
TERMINOLOGIA
 O termo “super” nos leva a
 situar a superdotação como
 capacidades que se situam
 em um nível além do
 apresentado por um ser
 humano comum
 Preferência pelo uso do
 termo “altas habilidades”
 (Brasil e Europa)
CONFUSÃO DE TERMINOLOGIAS

ERRO!
                Precoce                Prodígio




                                                     Gênio

        (Feldman, 1991; Morelock e Feldman, 1993).
Terminologias: Precoce
                                        Correio Brasiliense,
• Indivíduo que                         18 de março de 2001
                               ERRO!
  apresenta alguma
  habilidade específica
  prematuramente
  desenvolvida em
  qualquer área do
  conhecimento.
• Ex: uma criança que lê
  antes dos 4 anos; um
  aluno que ingressa na
  universidade aos 13.
        (Feldman, 1991; Morelock e Feldman, 1993).
TERMINOLOGIAS: PRODÍGIO
• Refere- se àquelas crianças que,
  em uma idade precoce (até 10
  anos) demonstram um
  desempenho ao nível de um
  profissional adulto em algum
  campo cognitivo específico.
• Exemplos:
   – Mozart (música)
   – Josh Waitzkin (xadrez)
   – Marla Olmstead (pintura)
TERMINOLOGIAS: GÊNIO
• Implica na transformação de
  um campo de conhecimento
  com conseqüências
  fundamentais e irreversíveis.
• O gênio seria aquele que,
  além de deixar sua marca
  pessoal no seu campo de
  atuação, leva as pessoas a
  pensarem de forma criativa e
  diferente.
• Exemplos:
   – Einstein, Freud, Leonardo
     da Vinci, Stephen Hawkins.
Indicadores para observação (Zenita Guenther)
    Indique em cada item os alunos de sua turma, menino ou menina, que,
           na sua opinião, apresentam as seguintes características:

1) Os melhores da turma nas áreas de linguagem, comunicação e expressão;
2) Os melhores nas áreas de matemática e ciências;
3) Os melhores nas áreas de arte e educação artística;
4) Os melhores em atividades extracurriculares;
5) Mais verbais, falantes e conversadores;
6) Mais curiosos, interessados, perguntadores;
7) Mais participantes e presentes em tudo, dentro e fora da sala de aula;
8) Mais críticos com os outros e consigo próprios;
9) De melhor memória, aprendem e fixam com facilidade;
10)Mais persistentes, compromissados, chegam ao fim do que fazem;
11) Mais independentes iniciam o próprio trabalho e fazem sozinhos;
12)Entediados, desinteressados, mas não necessariamente atrasados;
13) Mais originais e criativos;
14) Mais sensíveis aos outros e bondosos para com os colegas;
15) Preocupados com o bem-estar dos outros;
16) Mais seguros e confiantes em si;
17) Mais ativos, perspicazes, observadores;
18) Mais capazes de pensar e tirar conclusões;
19) Mais simpáticos e queridos com os colegas;
20) Mais solitários e ignorados;
21) Mais levados, engraçados, "arteiros";
22) Que você considera mais inteligentes;
23) Com melhor desempenho em esportes e exercícios físicos;
24) Que sobressaem em habilidades manuais e motoras;
25) Que produzem respostas inesperadas e pertinentes;
26) Capazes de liderar e passar energia própria para animar o grupo.
Critérios para avaliar os sinais de talento:
1. Capacidade e inteligência geral: Presença de pelo menos seis
   dos itens: 4, 6, 9, 10, 11, 12, 17, 18, 21, 22, 25 ou pelo menos
   quatro dos seguintes indicadores: 9, 11, 13, 17, 18, 22, 25.

2. Talento verbal: Presença de pelo menos três dos seguintes itens:
   1, 5, 7, 18, 22.

3. Capacidade de pensamento abstrato (talento científico-matemático):
   2, 9, 11, 18, 22.
4. Criatividade acentuada e/ou talento artístico: Presença de pelo
   menos quatro dos seguintes itens, ou três incluindo os nº3 e 13:
   3, 8, 10, 13, 17, 25.
5. Talento psicossocial: Presença de pelo menos quatro dos seguintes
   itens: 4, 7, 14, 15, 16, 19, 26 ( a combinação dos itens 4, 7, 14, 15
   parece indicar provável talento mas para indicar liderança deve-se
   acrescentar os itens 16 e 26.
6. Talento psicomotor: Presença dos itens: 4, 23 e 24
IDENTIFICAÇÃO DAS ALTAS
HABILIDADES/SUPERDOTAÇÃO
        O QUE É IDENTIFICAR?

• É definir um conjunto de características
  que promovem a identidade de um
  indivíduo ou de um grupo de indivíduos.

            (VIEIRA, 2005)
POR QUE IDENTIFICAR?
• para promover estudos e investigações na
  área, que sedimentem o atendimento a
  este grupo social; e
• para fomentar a própria ação educativa,
  estabelecendo        intervenções   que
  possibilitem o atendimento adequado às
  singularidades dos alunos.
COMO IDENTIFICAR?
• a identificação deve estar baseada em
  uma concepção de inteligência;
• a identificação deve estar baseada em
  uma teoria ou modelo compreensivo de
  altas habilidades/superdotação; e
• deve      utilizar   um    conjunto   de
  procedimentos que possibilitem uma visão
  integral do sujeito.
NA ESCOLA
• A identificação é um processo dinâmico que
  engloba a observação sistemática dos
  comportamentos de altas habilidades/
  superdotação e do desempenho do aluno
  em seu cotidiano;
• A identificação será realizada pelo docente
  capacitado,     considerando    os    dados
  oferecidos pelo professor da sala de aula,
  pelo próprio sujeito, pela família e pelo
  contexto sócio-econômico e cultural;
NA ESCOLA
• A finalidade do acompanhamento do aluno
  é verificar a intensidade, a freqüência e a
  consistência dos comportamentos com
  indicadores             de             altas
  habilidades/superdotação, ao longo do seu
  desenvolvimento;
• O suporte para esse processo poderá ser
  oferecido pelos professores das áreas
  específicas de interesse dos alunos e
  profissionais do Serviço de Supervisão
  Pedagógica        e/ou    de     Orientação
  Educacional.
ETAPAS DO PROCESSO DE
     IDENTIFICAÇÃO NA ESCOLA

• Indicação pelos       •   Preenchimento de
  professores dos           questionário ou
  alunos com                inventário que
  destaque nas áreas        apresenta lista de
  acadêmicas ou em          indicadores de altas
  outras como artes,        habilidades/
  música, teatro,           superdotação pelo
  informática, esporte,     professor capacitado,
  liderança,                da sala de aula e outros
  comunicação               docentes
ETAPAS DO PROCESSO DE
   IDENTIFICAÇÃO NA ESCOLA
• Levantamento das      • Elaboração do
  áreas de interesse,     Portfólio do aluno
  desempenho e            através da coleta de
  produção através da     materiais/produções
  entrevista e            que indicam o desta-
  preenchimento do        que em sua área de
  questionário ou         interesse.
  inventário pelo       • Observação
  próprio aluno           sistemática dos
                          comportamentos
                          apresentados
ETAPAS DO PROCESSO DE
   IDENTIFICAÇÃO NA ESCOLA
• Coleta da história   • Integração dos dados
  de vida, áreas de      obtidos através da
  interesse,             discussão com os
  desempenho e           docentes e
                         profissionais
  produção através
                         envolvidos no processo
  de entrevista com
                       • Elaboração de um
  os pais ou
                         Parecer
  responsáveis,
                       • Definição da forma de
  utilizando um
                         atendimento e
  questionário ou        acompanhamento
  inventário
ATENDIMENTO EDUCACIONAL
     ESPECIALIZADO

    Para Alunos com Altas
   Habilidades/Superdotação
POLÍTICA NACIONAL DE EDUCAÇÃO
 ESPECIAL NA PERSPECTIVA DA
      EDUCAÇÃO INCLUSIVA




       DECRETO 6.571/2008
    PARECER CNE/CEB 13/2009
   RESOLUÇÃO CNE/CEB 04/2009
O QUE É?
• “[...] o conjunto de atividades, recursos de
  acessibilidades e pedagógicos organizados
  institucionalmente, prestado de forma
  complementar ou suplementar à formação dos
  alunos no ensino regular”.
• O AEE deve integrar a proposta pedagógica da
  escola, envolver a família e articular-se com as
  demais políticas públicas.

(DECRETO 6.571, de 17 de setembro de 2008)
A QUEM SE DESTINA?
• Alunos com Deficiência
• Alunos com Transtornos Globais do
  Desenvolvimento
• Alunos com Altas
  Habilidades/Superdotação

          DECRETO 6.571, de 17 de setembro de 2008
    PARECER CNE/CEB Nº13, de 24 de setembro de 2009
        RESOLUÇÃO Nº 4, de 2 de outubro de 2009
EM QUE ESPAÇO?
• Sala de Recursos Multifuncionais na própria
  escola ou em outra do ensino regular, no turno
  inverso ao da escolarização;
• Centro de Atendimento Educacional
  Especializado da rede pública ou de
  instituições comunitárias, sem fins lucrativos,
  conveniadas com as Secretarias de Educação
  estaduais, municipais ou do DF, no turno
  inverso ao da escolarização.
(RESOLUÇÃO Nº 4, de 2 de outubro de 2009)
ArTIgO 7º
        Os alunos com altas habilidades/superdotação
      terão sua atividades de enriquecimento curricular
        desenvolvidas no âmbito das escolas públicas
            de ensino regular, em interface com os
               NAAH/S e com as instituições de
           ensino superior e institutos voltados ao
               desenvolvimento e promoção de
             pesquisa, das artes e dos esportes.




(RESOLUÇÃO Nº 4, de 2 de outubro de 2009)
  Nara Joyce Wellausen
  Vieira - Novembro de
O MODELO DE ENRIQUECIMENTO
          ESCOLAR
      de Joseph Renzulli
JOSEPH RENZULLI

           Pesquisador e
           educador norte
           americano, que
          na década de 70
             elaborou o
             Modelo de
          Enriquecimento
               Escolar
HABILIDADE
      ACIMA DA                       CRIATIVIDADE
      MÉDIA
                             SD




                    ENVOLVIMENTO
                    COM A TAREFA




Renzulli, J. S. (1997). The Schoolwide Enrichment Model . CLP.
ALTAS HABILIDADES/SUPERDOTAÇÃO




RENZULLI, S. The          CAPACIDADE         ENVOLVIMENTO
Three-ring                 ACIMA DA          COM A TAREFA
conception of                MÉDIA
giftedness: A
Developmental                          PAH
Model for Creative
Productivity. In:
RENZULLI, S. e
REIS, Sally M. The
Triad Reader.
Connecticut :
Creative Learning
                                 CRIATIVIDADE
Press, 1986
Potencial de desempenho representativamente
CAPACIDADE   superior em qualquer área determinada do
 ACIMA DA
   MÉDIA     esforço humano e que pode ser caracterizada
             por dois aspectos:



  habilidade geral: capacidade    de    processar    as
  informações, integrar experiências que resultem em
  respostas adequadas e adaptadas a novas situações e a
  capacidade de envolver-se no pensamento abstrato.


  habilidades específicas: que consistem nas habilidades
  de adquirir conhecimento e destreza numa ou mais
  áreas específicas.
ENVOLVIMENTO
                  COM A TAREFA




É o expressivo interesse que o sujeito
apresenta em relação a uma determinada
tarefa, problema ou área específica do
desempenho,     e    que     caracteriza-se
especialmente pela motivação, persistência e
empenho pessoal nesta tarefa.
CRIATIVIDADE




Constitui o terceiro grupo de traços
característicos a todas as pessoas com altas
habilidades e define-se pela capacidade de
juntar     diferentes   informações     para
encontrar novas soluções. Caracteriza-se
pela fluência, flexibilidade, sensibilidade,
originalidade, capacidade de elaboração e
pensamento divergente.
Percepção de si mesmo/   Origem socioeconômica
auto-eficácia            Personalidade dos pais
Coragem                  Nível de educação dos pais
Caráter                  Estímulos na infância
Intuição                 Interesses
Charme ou carisma        Posição na família
                         Educação formal
Fortaleza do ego
Senso de destino         Disponibilidade de modelos
                         Doenças físicas/bem-estar
Atração pessoal
                         Sorte
                         Zeitgeist (espírito da época)
Manifestações comportamentais das Altas
           Habilidades/Superdotação:
Capacidade Acima da Média
  Habilidade Geral
  Elevados níveis de pensamento abstrato, raciocínio verbal
 e numérico, relações espaciais, memória e fluência verbal;


  Adaptação e modificação de situações novas encontradas
 no ambiente externo;


   Automatização do processamento da
  informação. recuperação rápida, precisa e
  seletiva das informações.
Manifestações comportamentais das Altas
           Habilidades/Superdotação:
Capacidade Acima da Média
  Habilidade Específica
  Aplicação de várias combinações das habilidades gerais
 anteriores a uma ou mais áreas especializadas do saber ou
 do fazer humano (artes, liderança, administração, etc.);
  Capacidade de adquirir e fazer uso adequado de grande
 número de conhecimentos formais, tácitos, técnicas, logística
 e estratégias para perseguir determinados problemas ou
 manifestar as áreas especializadas de desempenho;

  Capacidade de selecionar informações relevantes e não
 relevantes relacionadas a um determinado problema ou área
 de estudo ou desempenho.
197 slides joão pessoa 2012 superdotados
197 slides joão pessoa 2012 superdotados
Manifestações comportamentais das Altas
           Habilidades/Superdotação:
Envolvimento com a Tarefa
  Capacidade de desenvolver elevados níveis de interesse,
 entusiasmo, fascinação e envolvimento em um determinado
 problema, área de estudo ou forma de expressão humana;



  Capacidade de perseverança, resistência, determinação,
 trabalho duro e prática dedicada;


  Autoconfiança, forte ego e crença em sua própria habilidade
 de executar um trabalho importante, isenção de sentimentos
 de inferioridade e elevada motivação;
197 slides joão pessoa 2012 superdotados
197 slides joão pessoa 2012 superdotados
Manifestações comportamentais das Altas
           Habilidades/Superdotação:
Envolvimento com a Tarefa

  Habilidade para identificar problemas significativos em áreas
 especializadas. Habilidade de sintonizar-se a canais de
 comunicação importantes e novos desenvolvimentos dentro
 de determinados campos.


  Estabelecimento de padrões elevados para seu próprio
 trabalho, abertura à autocrítica e à crítica externa,
 desenvolvimento de um senso e gosto estéticos elevados,
 qualidade e excelência quanto a seu próprio trabalho e os
 trabalho dos demais.
Manifestações comportamentais das Altas
           Habilidades/Superdotação:
Criatividade
  Fluência, flexibilidade e originalidade de pensamento;

  Abertura à experiência, receptividade para o novo e
 diferente (mesmo que irracional) no pensamento, nas ações e
 nos produtos próprios e dos demais;
  Curioso, especulativo, aventureiro e “mentalmente
 brincalhão”. Gosta de assumir riscos no pensamento e nas
 ações, podendo chegar ao ponto de ser extremamente
 desinibido;
  Sensível aos detalhes e às características estéticas de
 idéias e coisas. Gosta de agir e reagir a estímulos externos e
 a suas próprias idéias e sentimentos.
197 slides joão pessoa 2012 superdotados
197 slides joão pessoa 2012 superdotados
197 slides joão pessoa 2012 superdotados
197 slides joão pessoa 2012 superdotados
197 slides joão pessoa 2012 superdotados
197 slides joão pessoa 2012 superdotados
ACADÊMICO
                 (Renzulli, 1976,1979,2004)


concentra-se nas atividades que lhe interessam;
consumidor de conhecimento;

melhor adaptação ao ritmo da sala de aula;

é o tipo mais facilmente identificado por testes de QI.
                        (Pérez,2004)

concentra suas leituras em focos específicos;
percebe a sua diferença e assincronismo como algo
negativo;

tem mais dificuldade em estabelecer relações afetivas e de
amizade;
Bom Vocabulário
Busca por complexidade
Compreensão mais avançada
PRODUTIVO-
 CRIATIVO
PRODUTIVO-CRIATIVO
                  (Renzulli, 1976,1979,2004)

parece ser mais questionador;

não gosta da rotina;
dispersivo quando a tarefa não lhe interessa;
extremamente imaginativo, intuitivo e inventivo;

habilidades mais restritas a um campo específico;
idéias, produtos, expressões artísticas originais;
modos originais de abordar e resolver os problemas;
muitas vezes seu desempenho é considerado baixo e/ou com
falta de motivação;
usa mais o pensamento divergente;
Senso de humor refinado
Imaginação vívida
Habilidade de gerar idéias
Idealismo e senso de justiça
Níveis avançados de julgamento moral
 (precoce)
CRIATIVIDADE PRODUTIVA
TEORIA DAS
INTELIGÊNCIAS
  MÚLTIPLAS:

   Gardner
INTELIGÊNCIA
       LINGÜÍSTICA



Envolve sensibilidade para a língua falada e
escrita, a habilidade de aprender línguas e
a capacidade de usar a língua para atingir
certos objetivos (Gardner, 2000, p. 56).
INTELIGÊNCIA LINGÜÍSTICA




                                    escritores
 locutores



                           poetas




jornalistas                         advogados
INTELIGÊNCIA LÓGICO-
             MATEMÁTICA


Envolve a capacidade de analisar problemas com
lógica, de realizar operações matemáticas e
investigar questões cientificamente. (Gardner,
2000, p. 56).
INTELIGÊNCIA LÓGICO-
                  MATEMÁTICA


              cientistas

                                     programadores
                                     de computação

matemáticos




              engenheiros
                                      contadores
INTELIGÊNCIA
          MUSICAL


Acarreta habilidade na atuação, na
composição e na apreciação de padrões
musicais (Gardner, 2000, p. 57).
INTELIGÊNCIA MUSICAL




                        ouvintes sensíveis da música
maestros
                                    críticos musicais
     Compositores




                                         luthiers
INTELIGÊNCIA CORPORAL-
           CINESTÉSICA


Acarreta o potencial de se usar o corpo
para resolver problemas ou fabricar
produtos (Gardner, 2000, p. 57).
INTELIGÊNCIA CORPORAL-
                    CINESTÉSICA

Dançarinos



                         cientistas
     atores                            artesões


                           mecânicos




      atletas                           cirurgiões
INTELIGÊNCIA
                 ESPACIAL

Tem o potencial de reconhecer e manipular os
padrões do espaço (aqueles usados, por exemplo,
por navegadores e pilotos), bem como os padrões
de áreas mais confinadas (como os que são
importantes     para    escultores,  cirurgiões,
jogadores de xadrez, artistas gráficos e
arquitetos) (Gardner, 2000, p. 57).
INTELIGÊNCIA ESPACIAL




                                         arquitetos


            escultores    Pilotos



                                          cirurgiões



jogadores
de xadrez     designers       pintores
INTELIGÊNCIA
               INTERPESSOAL



Denota a capacidade de entender as intenções, as
motivações e os desejos do próximo e,
conseqüentemente, de trabalhar de modo
eficiente com terceiros. (Gardner, 2000, p. 57).
INTELIGÊNCIA
      INTERPESSOAL

Vendedores


                                    líderes religiosos

                líderes políticos


                      atores
                                    clínicos
  professores
INTELIGÊNCIA
              INTRAPESSOAL

Envolve a capacidade de a pessoa se
conhecer, de ter um modelo individual de
trabalho eficiente – incluindo aí os próprios
desejos, medos e capacidades – e de usar
estas informações com eficiência para
regular a própria vida (Gardner, 2000, p.
58).
INTELIGÊNCIA
INTRAPESSOAL




                  Teólogos




                filósofos
INTELIGÊNCIA
             NATURALISTA

Envolve a capacidade de observar padrões
na natureza, identificando e classificando
objetos e compreendendo os sistemas
naturais e aqueles criados pelo homem.
(Campbell, Campbell e Dickinson, 2000, p.
22).
INTELIGÊNCIA NATURALISTA


                                paisagistas
  fazendeiros




                                              botânicos
                           ecologistas
  caçadores
PROBLEMAS ASSOCIADOS ÀS
      CARACTERÍSTICAS DOS SUPERDOTADOS

Característica: Adquire e retém informações
 rapidamente.
        Problema: Impaciente diante da lentidão dos
           colegas; não gosta da rotina e da repetição.
Característica: Curiosidade intelectual e atitude
 inquisitiva; motivação intrínseca; busca
 significados.
         Problema: Faz perguntas que incomodam ao
    professor; tem vasta gama de interesses, esperando
                                   o mesmo dos outros.
   (Webb, 1994)
Característica: Amplo vocabulário e proficiência
verbal; tem amplas informações em áreas avançadas.
  Problema: Torna-se entediado com a escola e colegas;
    visto pelos outros como o "sabe tudo".
Característica: Pensamento crítico elevado; tem
 altas expectativas; é auto-crítico e avalia os demais.
  Problema: Intolerante ou crítico dos demais; pode
    tornar-se desencorajado ou deprimido; perfeccionista.
Característica: Intensa concentração; longos
 períodos de atenção em áreas de interesse;
 persistência; comportamento dirigido a metas.
  Problema: Resiste à interrupção; negligencia deveres
   ou pessoas durante períodos de interesse focalizados;
   obstinação.
PROBLEMAS

Característica: Sensibilidade e intensidade emocionais;
 empatia com os outros; desejo de ser aceito.
  Problema: Sensibilidade excessiva à crítica e/ou à
    rejeição dos colegas; espera que os outros tenham
    valores semelhantes; sente-se diferente e alienado.
Característica: Independente; prefere trabalho
 individualizado; confiante em si mesmo.
  Problema: Pode rejeitar o que é imposto pelos pais ou
    colegas; não conformista.
Característica: Criativo; gosta de novas maneiras de fazer
 as coisas.
  Problema: É questionador e tende a rejeitar o que é tido
    como conhecido; Seu pensamento e ação divergentes
    podem levar à rejeição por parte dos pares e a ser visto
    como diferente e fora de compasso.
O QUE NOS MOSTRA A HISTÓRIA?
 O professor de música de
 Beethoven uma vez disse que
 como compositor, ele era “sem
 esperança”
 Isaac Newton - que descobriu o
 cálculo, desenvolveu a teoria da
 gravitação universal, originou as
 três leis do movimento - tirava
 notas baixas na escola.
 Walt Disney foi despedido
 pelo editor de um jornal
 porque ele “não tinha boas
 idéias e rabiscava demais”
 Dr. Robert Jarvick foi
 rejeitado por 15 escolas
 americanas de medicina. Ele
 inventou o coração artificial.
 John Kennedy recebia em seus
   boletins constantes observações
   de “baixo rendimento” e tinha
   dificuldades em soletrar.

 Albert Einstein tinha

   dificuldades de ler e soletrar e foi
   reprovado em matemática.
É tarefa da escola:

                  • Estimular o desenvolvimento do
                    talento criador e da inteligência em
                    todos os seus alunos, e não só
                    naqueles que possuem um alto QI ou
                    que tiram as melhores notas;
                  • desenvolver comportamentos de
                    superdotação em todos aqueles que
 (Treffinger &      têm potencial;
Renzulli, 1986)   • desenvolver uma grande variedade
                    de alternativas ou opções para
                    atender as necessidades de todos os
                    estudantes.
MITO:
OS SUPERDOTADOS
 SÃO UM GRUPO
   HOMOGÊNEO
MITO DO TAMANHO ÚNICO
            Os superdotados não
            são um grupo homogêneo
            Necessitam de um
            currículo diferenciado, que
            atenda suas necessidades
            escolares especiais e
            suas habilidades
            específicas




                          Feldhusen (1982)
MITO:
OS SUPERDOTADOS
 SERÃO SEMPRE
 SUPERDOTADOS
(a) a superdotação emerge ou “se
 esvai” em diferentes épocas e
 sob diferentes circunstâncias da
 vida de uma pessoa; assim, os
 comportamentos de
 superdotação podem ser
 exibidos em certas crianças (mas
 não em todas elas) em alguns
 momentos (não em todos os
 momentos) e sob certas
 circunstâncias (e não em todas
 as circunstâncias de sua vida)
ATENDIMENTO
     EDUCACIONAL
ESPECIALIZADO A ALUNOS
      COM AH/SD:
O ENRIQUECIMENTO EXTRA
   E INTRACURRICULAR
Nosso objetivo hoje, é discutir e sugerir
        possíveis estratégias para o
 enriquecimento extra e intracurricular, ou
  seja, estratégias que poderão contribuir
       para que o professor do AEE -
atendimento educacional especializado e o
 professor de sala de aula regular possam
         trabalhar com esse aluno.
Para isso é fundamental conhecer o aluno:

-as inteligências nas quais ele ou ela se destaca;

-o tipo de AH/SD;

-todas as informações possíveis que possam ser encontradas sobre
o aluno,

-o seu estilo de aprendizagem,

-o seu estilo de manifestação do conhecimento, etc. e

-os recursos de que dispomos.

          Essas informações ajudam a delinear estratégias
  pedagógicas adequadas aos alunos com AH/SD e também a
                  todos os demais alunos.
Que instrumentos
podemos usar para coletar
informações sobre nossos
          alunos?
Entrevistas com o aluno, familiares e/ou outros
profissionais


       As entrevistas com o próprio aluno, com familiares
próximos e/ou com profissionais que possam estar
atendendo-o em outras áreas (psicólogos, professores de
atividades extraescolares, supervisores, orientadores,
professores de séries anteriores), com profissionais da
sua área de destaque, que possam avaliar o nível do
trabalho desenvolvido por ele ou contribuir com mais
informações sobre ele, podem ser extremamente úteis
para organizar o atendimento educacional especializado
para esse aluno.
Ficha de áreas de destaque, formas de apresentação
e de aprendizagem e interesses

      Essa ficha, que pode ser preenchida pelo
professor ao longo de um período determinado
(por exemplo, no primeiro bimestre), permite ter
uma visão geral da turma toda quanto a áreas
mais fortes, formas preferidas dos alunos para
mostrar seus produtos, formas de aprendizagem
e maiores interesses.
Ficha de Indicadores de AH/SD por inteligência

Que como a anterior, pode ser preenchida pelo
 professor ao longo de um determinado período
    com as informações de todos os alunos da
                       turma.
         Ela permite registrar os indicadores que
        chamam a atenção em uma ou mais
      inteligências e a pensar atividades que
 contribuam para o seu desenvolvimento. Com
 estas informações, o professor de sala de aula
   pode: programar atividades específicas para
esses alunos, combinar atividades que utilizem a
  inteligência de maior destaque em disciplinas
    que não a contemplem e propor formas de
Ficha de identificação dos alunos com AH/SD por
tipo e atividades propostas

Esta ficha pode ser preenchida da mesma forma que as anteriores, permite
que o professor registre atividades mais adequadas ao tipo de aluno.
Conhecendo o tipo de AH/SD (acadêmico, produtivo-criativo ou misto) pode,
por exemplo, planejar atividades que utilizem mais o pensamento divergente
e indutivo para os alunos produtivo-criativos ou, ao contrário, que contribuam
para que eles desenvolvam mais o pensamento convergente e dedutivo que
é mais acentuado nos alunos do tipo acadêmico.

         A Ficha também permite que o professor registre informações mais
detalhadas sobre as características de cada tipo, o que favorecerá a
compreensão de alguns comportamentos desses alunos que, em
determinadas situações, podem ser considerados como problemas.
O Portfólio Total do Talento


É uma forma sistemática de coletar, registrar
e utilizar informações sobre os pontos fortes
e habilidades (e pontos fracos, também) de
cada aluno para ajudar aos professores, aos
alunos e a seus pais.
O Portfólio Total do Talento
Objetivos

Quais são as melhores coisas que
conhecemos e podemos registrar sobre o
melhor trabalho de um aluno?

 Quais são as melhores formas
 em que podemos utilizar estas
 informações para alimentar e
 desenvolver os talentos de um
 aluno?
O Portfólio Total do Talento é uma pasta
individual do aluno, que cumpre a dupla função
de conhecê-lo e registrar seu processo de
desenvolvimento; ela coleta informações sobre
suas habilidades, interesses, estilos de
aprendizagem e de estudo, áreas de potencial,
atividades extracurriculares, metas e objetivos,
assim como atividades que o aluno desenvolve
(RENZULLI e REIS, 1997).
     O Portfólio tem sido proposto e usado por
docentes e escolas no Brasil e no mundo e é
uma alternativa viável, econômica e eficiente. (Ver
CAMPBELL, CAMPBELL e DICKINSON, 2000; PURCELL e RENZULLI,
1998; FERREIRA e BUENO, 2005)
197 slides joão pessoa 2012 superdotados
197 slides joão pessoa 2012 superdotados
O Portfólio Total do Talento

               HABILIDADES


               INTERESSES
INFORMAÇÕES
   SOBRE
               ESTILOS DE
               APRENDIZAGEM
O Portfólio Total do Talento

INFORMAÇÕES DE SITUAÇÃO

INFORMAÇÕES DA AÇÃO

METAS E ATIVIDADES
EXTRACURRICULARES
REGISTRO DAS AÇÕES PARA FOMENTAR
O DESENVOLVIMENTO DO TALENTO
INFORMAÇÕES DE
        SITUAÇÃO


O que já sabemos do aluno, o
que podemos constatar no dia
         a dia . . .
INFORMAÇÕES DA AÇÃO
    As coisas novas que aprendemos sobre o aluno

Currículo regular e atividades de enriquecimento
(geralmente avaliados pelo professor)


Mensagens de Informações da Ação (preenchidas pelo
aluno ou pelo professor) - permitem elaborar um Plano
de Trabalho para o aluno


Trabalhos e Produtos do Aluno (o aluno escolhe o que
quer colocar na pasta – redações, fotos de trabalhos
3D, fotos de apresentações, músicas, etc.)
Mensagem de Informações sobre a Ação

Formulário preenchido pelo professor para o
professor da sala de recursos ou Coordenador
do Programa de Enriquecimento.
Área Geral do Currículo:
Idéia para a investigação:

No espaço a seguir, faça uma breve descrição dos sinais
de elevado nível de comprometimento com a tarefa ou
criatividade do aluno ou do pequeno grupo de alunos.
Indique as idéias que você tiver de atividades avançadas,
os recursos sugeridos e as formas de focalizar o interesse
em uma experiência investigativa de primeira categoria.
Ficha de levantamento de recursos comunitários

Um instrumento simples que pode ser utilizado para criar um banco de dados dos
recursos comunitários. Fonte: elaborado por PÉREZ, S. G. P. B. (2007)
          Este banco de recursos é uma iniciativa simples que a escola poderia
confeccionar ao início do ano letivo, registrando os interesses, hobbies, atividades
extracurriculares da sua comunidade (docentes, funcionários, alunos e familiares),
os recursos que a comunidade próxima da escola ou a cidade possui (empresas
comerciais, entidades comunitárias, academias, instituições de ensino médio e
superior, de ensino de línguas, escritórios de advocacia, arquitetura e engenharia,
bibliotecas, cinemas, teatros, museus, videolocadoras, postos de saúde, grupos
musicais e de dança, clubes, grafiteiros, outros profissionais, etc.), que já podem ir
sendo associados à inteligência mais utilizada nas atividades desenvolvidas por
essas pessoas ou instituições.
          Este é um reservatório riquíssimo, muito útil quando forem
identificados os interesses dos alunos e organizadas as atividades de
enriquecimento intra e extracurriculares e que também pode facilitar a busca
de parceiros para implementar o SEM, e não apenas os agrupamentos de
enriquecimento, como propõem Renzulli e Reis (1997).
Que estratégias pedagógicas podem ser
desenvolvidas?

      Existem dois grupos de estratégias
de enriquecimento que podem ser
utilizadas para compor uma proposta de
modelo de atendimento: extracurriculares
e intracurriculares.
METAS E ATIVIDADES EXTRA-
     CURRICULARES
Apresentações artísticas;
Artesanato;
 Participação em projetos fora da escola;
 Aulas particulares;

 Feiras de ciência;
 Campeonatos esportivos...
 Concursos de pintura, desenho, música, fotografia...
 Corais, grupos de dança;
 Atividades comunitárias...
Modelo Triádico de Enriquecimento
   ATIVIDADES                      ATIVIDADES DE
  EXPLORATÓRIA                     TREINAMENTO
    S GERAIS                         EM GRUPO

        TIPO I                          TIPO II



            INVESTIGAÇÕES DE
       PROBLEMAS REAIS INDIVIDUAIS
         E EM PEQUENOS GRUPOS                 AM
           A                                 EX BIE
        UL                                     T E NT
      EA R
    D A
                 TIPO III                         RN E
  LA GUL                                            O
SA RE
                      PRODUTOS REAIS INDIVIDUAIS E EM
                    PEQUENOS GRUPOS QUE EVOLUÍRAM A
                     PARTIR DE UMA ATIVIDADE DO TIPO III
                                  TIPO IV
ATIVIDADES DO TIPO I
  Atividades ou experiências que
 exponham os alunos a uma grande
  variedade de disciplinas, tópicos,
   questões, ocupações, hobbies,
   pessoas, lugares e eventos que
normalmente não são contemplados
   pelo currículo do ensino regular
ENRIQUECIMENTO DO TIPO I
      (Atividades Exploratórias Gerais)
Definição:
 Experiências e atividades propositalmente elaboradas
 para expor os alunos a uma ampla variedade de
 disciplinas, tópicos, assuntos, profissões, hobbies,
 pessoas, lugares e eventos que geralmente não estão
 incluídos no currículo regular.



                                QUE?
    População-alvo:

 Todos os alunos da escola.
ENRIQUECIMENTO DO TIPO I
Objetivos:

1) Enriquecer a vida de todos os alunos ampliando o
   alcance de experiências não abrangidas pelas escola.

2) Estimular novos interesses que poderão levar a uma
   atividade mais aprofundada (Tipo III) por parte de
   alunos ou pequenos grupos de alunos.

3) Oferecer aos professores diretrizes para tomar
   decisões significativas sobre os tipos de atividades
   de Enriquecimento do Tipo III que deverão ser
   escolhidas para determinados grupos de alunos.
ENRIQUECIMENTO DO TIPO I

Escolha dos Temas:




1) Alunos (Questionários, redações, debates...);



2) Equipe da escola (Brainstorm, levantamentos de
   interesses).
ENRIQUECIMENTO DO TIPO I
Fontes dos Temas:
1) Equipe escolar
2) Pais
3) Órgãos públicos, organizações e associações profis-
   sionais
4) Escolas superiores e universidades
5) Empresas públicas e privadas, academias, clubes,
   escolas de música, museus,bibliotecas, cinemas...
6) Aposentados
7) Alunos (turmas mais avançadas, de atividades do tipo
   III, de outras escolas)
8) Meios de comunicação (jornais, revistas, rádio, TV)
9) Internet
-Palestras na Escola;
- Conversando sobre música;
      - Clube de xadrez;
    - Visita a museus . . .
Identificando o interesse por aviões na SRDP da Escola Ceará (POA)
OFICINA DE GARRAFAS PET OFERECIDA POR UMA
          MERENDEIRA DA ESCOLA
ATIVIDADES DO TIPO II


Métodos instrucionais e materiais
que promovam o desenvolvimento
     de habilidades técnicas,
  habilidades de pensamento e
        processos afetivos
ENRIQUECIMENTO DO TIPO II
       (Atividades de Treinamento em Grupo)
Definição:
  Métodos e materiais instrucionais propositalmente
  elaborados para promover o desenvolvimento dos processos
  de pensamento e sentimento e de habilidades específicas
  em áreas não cognitivas.

População-alvo:
  Todos os alunos da escola
  Alunos da Sala de Recursos   COMO?
  As atividades de enriquecimento do Tipo II podem ser
  desenvolvidas durante vários anos, em diferentes séries,
  disciplinas e/ou áreas.
ENRIQUECIMENTO DO TIPO II
Objetivos:
1) Desenvolver habilidades gerais de pensamento criativo e
   resolução de problemas e pensamento crítico;
2) Desenvolver uma ampla gama de habilidades específicas
   para aprender a fazer e usar adequadamente materiais de
   referência de nível avançado, tais como fazer anotações,
   entrevistar, classificar e analisar dados, tirar conclusões,
   desenvolver técnicas específicas de dança, condicionamen-
   to físico, técnicas esportivas, solfejo, leitura e escrita de
   partituras, tocar um instrumento musical, técnicas de pin-
   tura, escultura, desenho, design, técnicas laboratoriais,
   metodologia de pesquisa, dramatização, expressão corpo-
   ral, pesquisas bibliográficas em bibliotecas, resumos,
   softwares de computação, webdesign, programação, etc.)
ENRIQUECIMENTO DO TIPO II
Objetivos:

3) Desenvolver processos afetivos, tais como sentir, apreciar
   e valorizar.


4) Desenvolver habilidades de comunicação escrita, oral e
   visual direcionadas para a maximização do impacto dos
   produtos dos alunos nos públicos-alvos (Por ex: oratória,
   montagem de exposições e exibições, feiras de ciências,
   apresentação de espetáculos de música, teatro, dança,
   cenografia, etc.)
ENRIQUECIMENTO DO TIPO II
  Processos a serem desenvolvidos:
  I. Treinamento cognitivo
 II. Treinamento afetivo

III. Aprender a aprender
IV. Uso de habilidades avançadas de pesquisa e mate-
    riais de referência
 V. Desenvolvimento de habilidades de comunicação es-
    crita, oral e visual
VI. Desenvolvimento de habilidades específicas à área
    de interesse
Curso: Anilhamento de Aves
Produção de máscaras
GRUPO DE TEATRO
Oficina de Literatura
Orientação: Silvana Mota, Iderle Araujo e Jane Sprenger Coordenação: Denise Matos
                                  e Paula Sakaguti
Cursos de serpentes, de
morcegos e de aranhas,
 na Universidade Tuiuti
AEROCLUBE DE PORTO ALEGRE
Oficinas (xadrez, pintura em tela, desenho, sabão ecológico)
ATIVIDADES DO TIPO III
Atividades de investigação e produção
 artística, onde o aluno assume o papel
     de “aprendiz de primeira mão” e
 “produtor de conhecimento”, ele deve
      pensar, sentir e agir como um
            profissional da área.
ENRIQUECIMENTO DO TIPO III
    (Investigações individuais ou em
  pequenos grupos de problemas reais)
Definição:
Atividades investigativas e produções artísticas nas quais
o aluno assume o papel de um investigador de primeira
categoria, pensando, sentindo e agindo como um profis-
sional.

População-alvo:
                           FAZER
Alunos ou pequenos grupos que demonstrem interesse real
em temas ou problemas específicos e que mostrem von-
tade de desenvolvê-los em níveis avançados de envolvi-
mento.
ENRIQUECIMENTO DO TIPO III
  Objetivos:
1) Oferecer oportunidades nas quais os alunos possam aplicar seus
  interesses, conhecimento, idéias criativas e envolvimento com a
  tarefa a um problema de sua escolha numa área de estudo.
2) Adquirir um nível avançado de compreensão do conhecimento
   (conteúdo) e metodologia (processo) utilizados numa determinada
   disciplina, área artística ou estudos interdisciplinares.
3) Desenvolver produtos autênticos elaborados principalmente para
   ter um determinado impacto em determinado público.
4) Desenvolver habilidades de aprendizagem independente nas áreas
   de planejamento, tomada de decisões e auto-avaliação.

5) Desenvolver envolvimento com a tarefa, autoconfiança, sentimentos
   de realização criativa e a capacidade de interagir efetivamente
   com outros alunos, professores e pessoas com níveis avançados de
   interes-se e experiência em uma área comum de envolvimento.
Escola Estadual de Ensino
Fundamental Ceará (Porto
Alegre)
Sala de Recursos e
Desenvolvimento de Potenciais
Professora Sandra Regina
Cecato Da’Lago
O ESPETÁCULO...
Pesquisa sobre os mitos da escola
Produzindo os textos
Ilustração do livro de Neuropsicologia para Crianças
                          Alunos: Breno Sakaguti e Lucas Araujo
                                          Orientação: Eugênio de Paula
                            Coordenação: Denise Matos e Paula Sakaguti
ATIVIDADES DO TIPO IV
  (Resultado do avanço de investigações
   individuais ou em pequenos grupos de
               problemas reais)
Definição:
Atividades e produções artísticas ou de pesquisa que
derivam de atividades do tipo III e geralmente têm um
impacto social mais amplo.


             FAZER MAIS
População-alvo:
Alunos ou pequenos grupos que demonstrem interesse real
em aprofundar o desenvolvimento de produtos a partir de
atividades do tipo III ou desenvolver produtos mais
avançados.
- 2006 Lançamento do Livro
- 2007 Congresso Cérebro e Pensamento - USP
197 slides joão pessoa 2012 superdotados
197 slides joão pessoa 2012 superdotados
197 slides joão pessoa 2012 superdotados
FORMAS DE ATENDIMENTO – Uma intervenção
                   pedagógica.
SEGREGAÇÃO - Agrupar, por algum tempo, em turmas
             especiais ou escolas especiais alunos
             identificados como P.A.H.

 CRÍTICA: • Critério para o agrupamento – intelectual;
            • Inviabiliza convívio com os diferentes;
            • Grupo P.A.H não é homogêneo pois seus
            talentos variam bastante.
ACELERAÇÃO - Programa escolar cumprido em
             menor espaço de tempo do que
             propõe a escola.(entrada precoce,
             saltar série(s)). Envolve: família,
             escola e o próprio aluno.

 CRÍTICA: Se utilizado com o intuito de resolver
          problema da escola(indisciplina) deixa
          de atender o aluno ( maturidade,
          emocional, coordenação motora fina.
ENRIQUECIMENTO - • Oficinas ou atividades extra-classe.
                 (projetos, pesquisas,etc);
                       • Flexibilização do currículo(PCNs como
                       referência);
                       • Adaptação e compactação do currículo
“Com verdadeiro pessimismo pode-se escrever
       contra a educação, mas o otimismo é
imprescindível para estudá-la e para exercê-la. Os
 pessimistas podem ser bons domadores, mas não
       bons professores.” (Savater, 2000).
•   ERA UMA VEZ . . .




• O ALUNO LUCAS . . .
Lucas adora brincar. Seus maiores problemas são
causados pelo Charada, pelo Coringa e pelo Pingüim,
mas no fim da brincadeira o Batman sempre dá um
jeito e vence esses gênios do mau.
Lucas, assim como tantas outras crianças, foi para
escola todo feliz, imaginando que lá seria um lugar
muito legal.
Lucas descobriu que a escola não era tão legal. Enquanto
a professora falava ele pensava em um milhão de coisas
que poderia estar fazendo e que eram bem mais
interessantes do que ficar ali parado, sentado, imóvel.
Como vivia no mundo da lua, Lucas não compreendia a
matéria e se dispersava até com um mosquito.
Mas, a situação piorou. Chegaram as provas e com
elas vieram as notas baixas.
Lucas não entendia o que a professora falava, e por
sua vez a professora também não compreendia Lucas.
Para Lucas a professora era uma bruxa malvada
que o fazia ficar sentado numa linda tarde de sol... E
pior, lhe dava notas baixas, motivo pelo qual seus
coleguinhas riam muito.
No recreio, que antes era a melhor hora da escola,
Lucas já não se divertia mais. Nem mesmo era convidado
para participar das brincadeiras.
Lucas descobriu que a escola era aterrorizante e bem
diferente da escola que havia imaginado. Lá aprendeu
que os problemas não são tão facilmente resolvidos
como nas brincadeiras com o Batman.
Lucas começou a trocar suas horas de lazer por mais
tempo sentado frente aos cadernos e livros.
Mas novamente, na hora da prova, deu branco e Lucas
não lembrou nada do que havia estudado.
Mas, sua desatenção era apenas na escola.
Lucas foi crescendo e foi descobrindo que tinha
facilidade em desmontar, montar e consertar muitas
coisas. Isso foi um passo para se apaixonar por Física,
Matemática, Química e tantas outras matérias.
Lucas transformou o monstro escola num bichinho amigo.
Hoje Lucas é um cientista envolvido com inúmeras
pesquisas. Mas, quantos de nossos alunos terão a sorte
de Lucas?
“Operacionalizar a
  ‘inclusão escolar’ de
     todos os alunos,
independentemente de
  classe, raça, gênero,
sexo ou características
 individuais é o grande
      desafio a ser
enfrentado, numa clara
    demonstração do
respeito à diferença.”
  (Diretrizes Curriculares da
Educação Especial, 2001, p.21)

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Deficiências
DeficiênciasDeficiências
Deficiências
Adaptar e Incluir
 
Deficiência Intelectual
Deficiência IntelectualDeficiência Intelectual
Deficiência Intelectual
Edilene Sampaio
 
Altas Habilidades
Altas HabilidadesAltas Habilidades
Altas Habilidades
Instituto Consciência GO
 
Deficiência física
Deficiência física Deficiência física
Deficiência física
Dennyse Azevedo
 
Informações sobre Autismo
Informações sobre AutismoInformações sobre Autismo
Informações sobre Autismo
Tathiane Cuesta
 
Autismo
AutismoAutismo
Autismo
guest1f39a4
 
Slide Autismo
Slide   AutismoSlide   Autismo
Slide Autismo
UNIME
 
Estudo Coletivo sobre Transtornos do Espectro Autista - Abordagem Pedagógica ...
Estudo Coletivo sobre Transtornos do Espectro Autista - Abordagem Pedagógica ...Estudo Coletivo sobre Transtornos do Espectro Autista - Abordagem Pedagógica ...
Estudo Coletivo sobre Transtornos do Espectro Autista - Abordagem Pedagógica ...
Anaí Peña
 
Deficiência Intelectual
Deficiência IntelectualDeficiência Intelectual
Deficiência Intelectual
Instituto Consciência GO
 
Altas habilidades/Superdotação
Altas habilidades/SuperdotaçãoAltas habilidades/Superdotação
Altas habilidades/Superdotação
Patricia Bampi
 
Altas hab superdotacao(1)
Altas hab superdotacao(1)Altas hab superdotacao(1)
Altas hab superdotacao(1)
jodayane
 
Pedagogia - Autismo
Pedagogia - AutismoPedagogia - Autismo
Pedagogia - Autismo
Aurivan
 
Dislexia
DislexiaDislexia
Histórico da Educação Especial
Histórico da Educação EspecialHistórico da Educação Especial
Histórico da Educação Especial
Vera Zacharias
 
Ot Deficiencias Multiplas
Ot Deficiencias MultiplasOt Deficiencias Multiplas
Ot Deficiencias Multiplas
Rosângela Batista
 
Dificuldades De Aprendizagem
Dificuldades De AprendizagemDificuldades De Aprendizagem
Dificuldades De Aprendizagem
Maristela Couto
 
Dificuldades de aprendizagem
Dificuldades de aprendizagemDificuldades de aprendizagem
Dificuldades de aprendizagem
Leandra Teixeira Falcão
 
Slides Semana do Deficiênte intelectual e múltiplo
Slides Semana do Deficiênte intelectual e múltiploSlides Semana do Deficiênte intelectual e múltiplo
Slides Semana do Deficiênte intelectual e múltiplo
Compede
 
AEE - ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO
AEE - ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADOAEE - ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO
AEE - ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO
Danielle Souza
 
91 autismo e sala de aula adaptação por simone helen drumond
91 autismo e sala  de aula adaptação por simone helen drumond91 autismo e sala  de aula adaptação por simone helen drumond
91 autismo e sala de aula adaptação por simone helen drumond
SimoneHelenDrumond
 

Mais procurados (20)

Deficiências
DeficiênciasDeficiências
Deficiências
 
Deficiência Intelectual
Deficiência IntelectualDeficiência Intelectual
Deficiência Intelectual
 
Altas Habilidades
Altas HabilidadesAltas Habilidades
Altas Habilidades
 
Deficiência física
Deficiência física Deficiência física
Deficiência física
 
Informações sobre Autismo
Informações sobre AutismoInformações sobre Autismo
Informações sobre Autismo
 
Autismo
AutismoAutismo
Autismo
 
Slide Autismo
Slide   AutismoSlide   Autismo
Slide Autismo
 
Estudo Coletivo sobre Transtornos do Espectro Autista - Abordagem Pedagógica ...
Estudo Coletivo sobre Transtornos do Espectro Autista - Abordagem Pedagógica ...Estudo Coletivo sobre Transtornos do Espectro Autista - Abordagem Pedagógica ...
Estudo Coletivo sobre Transtornos do Espectro Autista - Abordagem Pedagógica ...
 
Deficiência Intelectual
Deficiência IntelectualDeficiência Intelectual
Deficiência Intelectual
 
Altas habilidades/Superdotação
Altas habilidades/SuperdotaçãoAltas habilidades/Superdotação
Altas habilidades/Superdotação
 
Altas hab superdotacao(1)
Altas hab superdotacao(1)Altas hab superdotacao(1)
Altas hab superdotacao(1)
 
Pedagogia - Autismo
Pedagogia - AutismoPedagogia - Autismo
Pedagogia - Autismo
 
Dislexia
DislexiaDislexia
Dislexia
 
Histórico da Educação Especial
Histórico da Educação EspecialHistórico da Educação Especial
Histórico da Educação Especial
 
Ot Deficiencias Multiplas
Ot Deficiencias MultiplasOt Deficiencias Multiplas
Ot Deficiencias Multiplas
 
Dificuldades De Aprendizagem
Dificuldades De AprendizagemDificuldades De Aprendizagem
Dificuldades De Aprendizagem
 
Dificuldades de aprendizagem
Dificuldades de aprendizagemDificuldades de aprendizagem
Dificuldades de aprendizagem
 
Slides Semana do Deficiênte intelectual e múltiplo
Slides Semana do Deficiênte intelectual e múltiploSlides Semana do Deficiênte intelectual e múltiplo
Slides Semana do Deficiênte intelectual e múltiplo
 
AEE - ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO
AEE - ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADOAEE - ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO
AEE - ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO
 
91 autismo e sala de aula adaptação por simone helen drumond
91 autismo e sala  de aula adaptação por simone helen drumond91 autismo e sala  de aula adaptação por simone helen drumond
91 autismo e sala de aula adaptação por simone helen drumond
 

Semelhante a 197 slides joão pessoa 2012 superdotados

197slidesjoopessoa2012superdotados-121130064008-phpapp01.pptx
197slidesjoopessoa2012superdotados-121130064008-phpapp01.pptx197slidesjoopessoa2012superdotados-121130064008-phpapp01.pptx
197slidesjoopessoa2012superdotados-121130064008-phpapp01.pptx
DANIELADEOLIVEIRA34
 
João pessoa 2012 superdotados
João pessoa 2012 superdotadosJoão pessoa 2012 superdotados
João pessoa 2012 superdotados
ceciliaconserva
 
Altas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
Altas habilidades/superdotação. Adelino FelisbertoAltas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
Altas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
adelinofelisberto3
 
Superdotação luciane coelho
Superdotação luciane coelhoSuperdotação luciane coelho
Superdotação luciane coelho
UFSM
 
Superdotação luciane coelho
Superdotação luciane coelhoSuperdotação luciane coelho
Superdotação luciane coelho
UFSM
 
Altas habilidades Trabalho concluido
Altas habilidades Trabalho concluido Altas habilidades Trabalho concluido
Altas habilidades Trabalho concluido
Thayna Dos Santos
 
Ga stela vc_como aprendem _pessoas_jovens_adultas_revisado2_final_27_08_2013_...
Ga stela vc_como aprendem _pessoas_jovens_adultas_revisado2_final_27_08_2013_...Ga stela vc_como aprendem _pessoas_jovens_adultas_revisado2_final_27_08_2013_...
Ga stela vc_como aprendem _pessoas_jovens_adultas_revisado2_final_27_08_2013_...
Jeca Tatu
 
Sessão de formação - gestão de conflitos: dinâmicas de grupo - I
Sessão de formação - gestão de conflitos: dinâmicas de grupo - ISessão de formação - gestão de conflitos: dinâmicas de grupo - I
Sessão de formação - gestão de conflitos: dinâmicas de grupo - I
Cristina Couto Varela
 
SUPERDOTADOS: A História e Exclusão, os Conceitos, Características e Interven...
SUPERDOTADOS: A História e Exclusão, os Conceitos, Características e Interven...SUPERDOTADOS: A História e Exclusão, os Conceitos, Características e Interven...
SUPERDOTADOS: A História e Exclusão, os Conceitos, Características e Interven...
LIMA, Alan Lucas de
 
Necessidades educacionais especiais
Necessidades educacionais especiaisNecessidades educacionais especiais
Necessidades educacionais especiais
Anaí Peña
 
A Identificação do Aluno com Altas Habilidades
A  Identificação do Aluno com Altas HabilidadesA  Identificação do Aluno com Altas Habilidades
A Identificação do Aluno com Altas Habilidades
Apahsdf
 
Altas habilidades
Altas habilidadesAltas habilidades
Altas habilidades
Alessandra Teixeira
 
Curso completo jp
Curso completo jpCurso completo jp
Curso completo jp
ceciliaconserva
 
Palestra.Se.Sao.Paulo 1 Denise.Souza.Fleith
Palestra.Se.Sao.Paulo 1 Denise.Souza.FleithPalestra.Se.Sao.Paulo 1 Denise.Souza.Fleith
Palestra.Se.Sao.Paulo 1 Denise.Souza.Fleith
DIRETORIA DE ENSINO - REGIÃO DE ITU
 
Altas inteligências me004719
Altas inteligências me004719Altas inteligências me004719
Altas inteligências me004719
Cesimar Barros
 
Docência no ensino superior
Docência no ensino superiorDocência no ensino superior
Docência no ensino superior
Instituto Consciência GO
 
Altas habilidades superdotação e a inclusão escolar
Altas habilidades superdotação e a inclusão escolarAltas habilidades superdotação e a inclusão escolar
Altas habilidades superdotação e a inclusão escolar
SimoneHelenDrumond
 
Planeta Aspie, Izabel Moura 2012
Planeta Aspie, Izabel Moura 2012Planeta Aspie, Izabel Moura 2012
Planeta Aspie, Izabel Moura 2012
planetaaspie
 
Psicologia escolar e Educacional
Psicologia escolar e EducacionalPsicologia escolar e Educacional
Psicologia escolar e Educacional
mluisavalente
 
Ft workshop competências do século xxi
Ft workshop competências do século xxiFt workshop competências do século xxi
Ft workshop competências do século xxi
Rafael Parente
 

Semelhante a 197 slides joão pessoa 2012 superdotados (20)

197slidesjoopessoa2012superdotados-121130064008-phpapp01.pptx
197slidesjoopessoa2012superdotados-121130064008-phpapp01.pptx197slidesjoopessoa2012superdotados-121130064008-phpapp01.pptx
197slidesjoopessoa2012superdotados-121130064008-phpapp01.pptx
 
João pessoa 2012 superdotados
João pessoa 2012 superdotadosJoão pessoa 2012 superdotados
João pessoa 2012 superdotados
 
Altas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
Altas habilidades/superdotação. Adelino FelisbertoAltas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
Altas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
 
Superdotação luciane coelho
Superdotação luciane coelhoSuperdotação luciane coelho
Superdotação luciane coelho
 
Superdotação luciane coelho
Superdotação luciane coelhoSuperdotação luciane coelho
Superdotação luciane coelho
 
Altas habilidades Trabalho concluido
Altas habilidades Trabalho concluido Altas habilidades Trabalho concluido
Altas habilidades Trabalho concluido
 
Ga stela vc_como aprendem _pessoas_jovens_adultas_revisado2_final_27_08_2013_...
Ga stela vc_como aprendem _pessoas_jovens_adultas_revisado2_final_27_08_2013_...Ga stela vc_como aprendem _pessoas_jovens_adultas_revisado2_final_27_08_2013_...
Ga stela vc_como aprendem _pessoas_jovens_adultas_revisado2_final_27_08_2013_...
 
Sessão de formação - gestão de conflitos: dinâmicas de grupo - I
Sessão de formação - gestão de conflitos: dinâmicas de grupo - ISessão de formação - gestão de conflitos: dinâmicas de grupo - I
Sessão de formação - gestão de conflitos: dinâmicas de grupo - I
 
SUPERDOTADOS: A História e Exclusão, os Conceitos, Características e Interven...
SUPERDOTADOS: A História e Exclusão, os Conceitos, Características e Interven...SUPERDOTADOS: A História e Exclusão, os Conceitos, Características e Interven...
SUPERDOTADOS: A História e Exclusão, os Conceitos, Características e Interven...
 
Necessidades educacionais especiais
Necessidades educacionais especiaisNecessidades educacionais especiais
Necessidades educacionais especiais
 
A Identificação do Aluno com Altas Habilidades
A  Identificação do Aluno com Altas HabilidadesA  Identificação do Aluno com Altas Habilidades
A Identificação do Aluno com Altas Habilidades
 
Altas habilidades
Altas habilidadesAltas habilidades
Altas habilidades
 
Curso completo jp
Curso completo jpCurso completo jp
Curso completo jp
 
Palestra.Se.Sao.Paulo 1 Denise.Souza.Fleith
Palestra.Se.Sao.Paulo 1 Denise.Souza.FleithPalestra.Se.Sao.Paulo 1 Denise.Souza.Fleith
Palestra.Se.Sao.Paulo 1 Denise.Souza.Fleith
 
Altas inteligências me004719
Altas inteligências me004719Altas inteligências me004719
Altas inteligências me004719
 
Docência no ensino superior
Docência no ensino superiorDocência no ensino superior
Docência no ensino superior
 
Altas habilidades superdotação e a inclusão escolar
Altas habilidades superdotação e a inclusão escolarAltas habilidades superdotação e a inclusão escolar
Altas habilidades superdotação e a inclusão escolar
 
Planeta Aspie, Izabel Moura 2012
Planeta Aspie, Izabel Moura 2012Planeta Aspie, Izabel Moura 2012
Planeta Aspie, Izabel Moura 2012
 
Psicologia escolar e Educacional
Psicologia escolar e EducacionalPsicologia escolar e Educacional
Psicologia escolar e Educacional
 
Ft workshop competências do século xxi
Ft workshop competências do século xxiFt workshop competências do século xxi
Ft workshop competências do século xxi
 

Mais de ceciliaconserva

197 slides joão pessoa 2012 superdotados
197 slides joão pessoa 2012 superdotados197 slides joão pessoa 2012 superdotados
197 slides joão pessoa 2012 superdotados
ceciliaconserva
 
Miguel para o computador
Miguel para o computadorMiguel para o computador
Miguel para o computador
ceciliaconserva
 
Professor de aee
Professor de aeeProfessor de aee
Professor de aee
ceciliaconserva
 
Plano de aee
Plano de aeePlano de aee
Plano de aee
ceciliaconserva
 
Professor de aee
Professor de aeeProfessor de aee
Professor de aee
ceciliaconserva
 
Atendimento Educacional Especializado
Atendimento Educacional EspecializadoAtendimento Educacional Especializado
Atendimento Educacional Especializado
ceciliaconserva
 
Apresentação direitos sandra seminário[1]
Apresentação direitos sandra seminário[1]Apresentação direitos sandra seminário[1]
Apresentação direitos sandra seminário[1]
ceciliaconserva
 
Política nacional de educação especial na perspectiva da educação inclusiva
Política nacional  de educação especial  na perspectiva da educação inclusivaPolítica nacional  de educação especial  na perspectiva da educação inclusiva
Política nacional de educação especial na perspectiva da educação inclusiva
ceciliaconserva
 
VI SEMINARIO DE EDUCAÇÃO INCLUSIVA
VI SEMINARIO DE EDUCAÇÃO INCLUSIVAVI SEMINARIO DE EDUCAÇÃO INCLUSIVA
VI SEMINARIO DE EDUCAÇÃO INCLUSIVA
ceciliaconserva
 
Palestra com os CREIS - PMJP
Palestra com os CREIS - PMJPPalestra com os CREIS - PMJP
Palestra com os CREIS - PMJP
ceciliaconserva
 
Síndrome de Down e TDAH
Síndrome de Down e TDAHSíndrome de Down e TDAH
Síndrome de Down e TDAH
ceciliaconserva
 

Mais de ceciliaconserva (11)

197 slides joão pessoa 2012 superdotados
197 slides joão pessoa 2012 superdotados197 slides joão pessoa 2012 superdotados
197 slides joão pessoa 2012 superdotados
 
Miguel para o computador
Miguel para o computadorMiguel para o computador
Miguel para o computador
 
Professor de aee
Professor de aeeProfessor de aee
Professor de aee
 
Plano de aee
Plano de aeePlano de aee
Plano de aee
 
Professor de aee
Professor de aeeProfessor de aee
Professor de aee
 
Atendimento Educacional Especializado
Atendimento Educacional EspecializadoAtendimento Educacional Especializado
Atendimento Educacional Especializado
 
Apresentação direitos sandra seminário[1]
Apresentação direitos sandra seminário[1]Apresentação direitos sandra seminário[1]
Apresentação direitos sandra seminário[1]
 
Política nacional de educação especial na perspectiva da educação inclusiva
Política nacional  de educação especial  na perspectiva da educação inclusivaPolítica nacional  de educação especial  na perspectiva da educação inclusiva
Política nacional de educação especial na perspectiva da educação inclusiva
 
VI SEMINARIO DE EDUCAÇÃO INCLUSIVA
VI SEMINARIO DE EDUCAÇÃO INCLUSIVAVI SEMINARIO DE EDUCAÇÃO INCLUSIVA
VI SEMINARIO DE EDUCAÇÃO INCLUSIVA
 
Palestra com os CREIS - PMJP
Palestra com os CREIS - PMJPPalestra com os CREIS - PMJP
Palestra com os CREIS - PMJP
 
Síndrome de Down e TDAH
Síndrome de Down e TDAHSíndrome de Down e TDAH
Síndrome de Down e TDAH
 

197 slides joão pessoa 2012 superdotados

  • 1. O Aluno com altas habilidades/superdotação e a Inclusão Escolar Profª Drª. Soraia Napoleão Freitas soraianfreitas@yahoo.com.br
  • 2. O QUE É EDUCAR? É o processo em que o sujeito convive com outro sujeito e, ao conviver com o outro, se transforma, espontaneamente, de maneira que seu modo de viver se faz, progressivamente, mais congruente com o do outro no espaço de convivência. EDUCAR OCORRE, PORTANTO, TODO O TEMPO E DE MANEIRA RECÍPROCA! (Maturana, 1998, p. 29)
  • 3. O QUE SÃO NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS? As necessidades educacionais especiais não são parâmetros atribuídos somente ao campo educacional. São características pessoais que necessitam uma orientação, um enfoque, uma mobilização de recursos educativos/educacionais para produzir um desenvolvimento positivo do sujeito. (Padrón, 2000)
  • 4. E O QUE SÃO ALTAS HABILIDADES?
  • 5. [...] determinados segmentos da comunidade permanecem igualmente discriminados e à margem do sistema educacional. É o caso dos superdotados, portadores de altas habilidades, “brilhantes” e talentosos que, devido a necessidades e motivações específicas – incluindo a não aceitação da rigidez curricular e de aspectos do cotidiano escolar – são tidos por muitos como trabalhosos e indisciplinados, deixando de receber os serviços especiais de que necessitam, como por exemplo o enriquecimento e aprofundamento curricular. Assim, esses alunos muitas vezes abandonam o sistema educacional, inclusive por dificuldades de relacionamento. (BRASIL, Parecer CNE/CEB Nº 17/2001, p. 19)
  • 6. Diretrizes gerais para o Atendimento Educacional aos Alunos Portadores de Altas Habilidades/Superdotação Altas Habilidades referem-se aos comportamentos observados e/ou relatados que confirmam a expressão de “traços consistentemente superiores” em relação a uma média (por exemplo: idade, produção ou série escolar) em qualquer campo do saber ou do fazer. Deve-se entender por “traços” as formas consistentes, ou seja, aquelas que permanecem com freqüência e duração no repertório dos comportamentos da pessoa, de forma a poderem ser registrados em épocas diferentes e situações semelhantes. Esses educandos apresentam envolvimento com a tarefa, traço que se refere a comportamentos observáveis na demonstração de expressivo interesse, motivação e empenho pessoal nas tarefas que realiza em diferentes áreas, e criatividade, traço que diz respeito a comportamentos criativos observáveis no fazer e no pensar, expressados em diferentes formas: gestual, plástica, teatral, matemática ou musical, entre outras. [...]. Superdotados e Talentosos são indivíduos que, por suas habilidades evidentes, são capazes de alto desempenho (Renzulli, 1988), têm capacidade e potencial para desenvolver esse conjunto de traços e usá- los em qualquer área potencialmente valiosa da realização humana, em qualquer grupo social. (BRASIL, 1995a, p. 13)
  • 7. Parecer Nº 17/01 CNE/CEB “altas habilidades/superdotação, grande facilidade de aprendizagem que os leve a dominar rapidamente os conceitos, os procedimentos e as atitudes”[...] e que, por terem condições de aprofundar e enriquecer esses conteúdos, devem receber desafios suplementares em classe comum, em sala de recursos ou em outros espaços definidos pelos sistemas de ensino, inclusive para concluir, em menor tempo, a série ou etapa escolar. (BRASIL, 2002, p. 45) Resolução CNE/CEB Nº 2/01 “altas habilidades/superdotação, grande facilidade de aprendizagem que os leve a dominar rapidamente os conceitos, os procedimentos e as atitudes”
  • 8. Política Nacional de Educação Especial na perspectiva da Educação Inclusiva DEFINIÇÃO: Alunos com altas habilidades/superdotação demonstram potencial elevado em qualquer uma das seguintes áreas, isoladas ou combinadas: intelectual, acadêmica, liderança, psicomotricidade e artes, além de apresentar grande criatividade, envolvimento na aprendizagem e realização de tarefas em áreas de seu interesse. (SEESP, 2008, p. 9)
  • 9. OUTRAS DEFINIÇÕES O superdotado é aquele indivíduo que, quando comparado à população geral, apresenta uma habilidade significativamente superior em alguma Alencar, 2001 área do conhecimento
  • 10. OUTRAS DEFINIÇÕES O comportamento de superdotação consiste de comportamentos que refletem uma interação entre três conjuntos (clusters) básicos de traços: habilidade acima da média, média envolvimento com a tarefa, e criatividade Renzulli, 1976
  • 11. POR QUE DEFINIR A SUPERDOTAÇÃO? Ampliar o conceito da superdotação para a comunidade, desfazendo idéias errôneas Conduzir os objetivos dos programas de atendimento a esta população, servindo de base para o tipo de identificação e de serviços fornecidos Influenciar as políticas públicas na área
  • 12.  Grande parte dos problemas encontrados na área pode também ser proveniente de inúmeros mitos a respeito da superdotação, que são agravados pela desinformação que, em geral, a nossa sociedade tem a Alencar & Fleith, 2001 respeito deste tópico.
  • 13. QUANTOS SÃO OS SUPERDOTADOS? Do ponto de vista psicométrico (testes de inteligência): Considera-se apenas os talentos que se destacam por suas habilidades intelectuais ou acadêmicas Nesta perspectiva, estima-se que 1 a 3% dos indivíduos de uma dada população sejam superdotados.
  • 14. QUANTOS SÃO OS SUPERDOTADOS? Quando incluímos outros aspectos à avaliação de superdotados, como por ex.,liderança, criatividade, competências artísticas e psicomotoras, as estatísticas sobre altas habilidades aumentam significativamente, chegando a abarcar uma porcentagem de 15 a 20% da população (Reis e Renzulli, 1986)
  • 15. SUPERDOTAÇÃO A superdotação engloba tanto fatores cognitivos, como não cognitivos (por exemplo, afetivos, motivacionais, de personalidade). Para que se alcance um desenvolvimento intelectual ótimo, é necessário se considerar: a forma com que o indivíduo funciona em seu ambiente natural; como ele interage com o seu contexto social e cultural; como percebe suas competências ou áreas fortes, seu senso de valor e auto-estima.
  • 16. É necessário que os alunos tenham oportunidade de expressar-se enquanto pessoa, compreendendo a importância da experiência interior para o amadurecimento social, emocional e intelectual.
  • 18. TERMINOLOGIA  O termo “super” nos leva a situar a superdotação como capacidades que se situam em um nível além do apresentado por um ser humano comum  Preferência pelo uso do termo “altas habilidades” (Brasil e Europa)
  • 19. CONFUSÃO DE TERMINOLOGIAS ERRO! Precoce Prodígio Gênio (Feldman, 1991; Morelock e Feldman, 1993).
  • 20. Terminologias: Precoce Correio Brasiliense, • Indivíduo que 18 de março de 2001 ERRO! apresenta alguma habilidade específica prematuramente desenvolvida em qualquer área do conhecimento. • Ex: uma criança que lê antes dos 4 anos; um aluno que ingressa na universidade aos 13. (Feldman, 1991; Morelock e Feldman, 1993).
  • 21. TERMINOLOGIAS: PRODÍGIO • Refere- se àquelas crianças que, em uma idade precoce (até 10 anos) demonstram um desempenho ao nível de um profissional adulto em algum campo cognitivo específico. • Exemplos: – Mozart (música) – Josh Waitzkin (xadrez) – Marla Olmstead (pintura)
  • 22. TERMINOLOGIAS: GÊNIO • Implica na transformação de um campo de conhecimento com conseqüências fundamentais e irreversíveis. • O gênio seria aquele que, além de deixar sua marca pessoal no seu campo de atuação, leva as pessoas a pensarem de forma criativa e diferente. • Exemplos: – Einstein, Freud, Leonardo da Vinci, Stephen Hawkins.
  • 23. Indicadores para observação (Zenita Guenther) Indique em cada item os alunos de sua turma, menino ou menina, que, na sua opinião, apresentam as seguintes características: 1) Os melhores da turma nas áreas de linguagem, comunicação e expressão; 2) Os melhores nas áreas de matemática e ciências; 3) Os melhores nas áreas de arte e educação artística; 4) Os melhores em atividades extracurriculares; 5) Mais verbais, falantes e conversadores; 6) Mais curiosos, interessados, perguntadores; 7) Mais participantes e presentes em tudo, dentro e fora da sala de aula; 8) Mais críticos com os outros e consigo próprios; 9) De melhor memória, aprendem e fixam com facilidade; 10)Mais persistentes, compromissados, chegam ao fim do que fazem; 11) Mais independentes iniciam o próprio trabalho e fazem sozinhos; 12)Entediados, desinteressados, mas não necessariamente atrasados;
  • 24. 13) Mais originais e criativos; 14) Mais sensíveis aos outros e bondosos para com os colegas; 15) Preocupados com o bem-estar dos outros; 16) Mais seguros e confiantes em si; 17) Mais ativos, perspicazes, observadores; 18) Mais capazes de pensar e tirar conclusões; 19) Mais simpáticos e queridos com os colegas; 20) Mais solitários e ignorados; 21) Mais levados, engraçados, "arteiros"; 22) Que você considera mais inteligentes; 23) Com melhor desempenho em esportes e exercícios físicos; 24) Que sobressaem em habilidades manuais e motoras; 25) Que produzem respostas inesperadas e pertinentes; 26) Capazes de liderar e passar energia própria para animar o grupo.
  • 25. Critérios para avaliar os sinais de talento: 1. Capacidade e inteligência geral: Presença de pelo menos seis dos itens: 4, 6, 9, 10, 11, 12, 17, 18, 21, 22, 25 ou pelo menos quatro dos seguintes indicadores: 9, 11, 13, 17, 18, 22, 25. 2. Talento verbal: Presença de pelo menos três dos seguintes itens: 1, 5, 7, 18, 22. 3. Capacidade de pensamento abstrato (talento científico-matemático): 2, 9, 11, 18, 22. 4. Criatividade acentuada e/ou talento artístico: Presença de pelo menos quatro dos seguintes itens, ou três incluindo os nº3 e 13: 3, 8, 10, 13, 17, 25. 5. Talento psicossocial: Presença de pelo menos quatro dos seguintes itens: 4, 7, 14, 15, 16, 19, 26 ( a combinação dos itens 4, 7, 14, 15 parece indicar provável talento mas para indicar liderança deve-se acrescentar os itens 16 e 26. 6. Talento psicomotor: Presença dos itens: 4, 23 e 24
  • 26. IDENTIFICAÇÃO DAS ALTAS HABILIDADES/SUPERDOTAÇÃO O QUE É IDENTIFICAR? • É definir um conjunto de características que promovem a identidade de um indivíduo ou de um grupo de indivíduos. (VIEIRA, 2005)
  • 27. POR QUE IDENTIFICAR? • para promover estudos e investigações na área, que sedimentem o atendimento a este grupo social; e • para fomentar a própria ação educativa, estabelecendo intervenções que possibilitem o atendimento adequado às singularidades dos alunos.
  • 28. COMO IDENTIFICAR? • a identificação deve estar baseada em uma concepção de inteligência; • a identificação deve estar baseada em uma teoria ou modelo compreensivo de altas habilidades/superdotação; e • deve utilizar um conjunto de procedimentos que possibilitem uma visão integral do sujeito.
  • 29. NA ESCOLA • A identificação é um processo dinâmico que engloba a observação sistemática dos comportamentos de altas habilidades/ superdotação e do desempenho do aluno em seu cotidiano; • A identificação será realizada pelo docente capacitado, considerando os dados oferecidos pelo professor da sala de aula, pelo próprio sujeito, pela família e pelo contexto sócio-econômico e cultural;
  • 30. NA ESCOLA • A finalidade do acompanhamento do aluno é verificar a intensidade, a freqüência e a consistência dos comportamentos com indicadores de altas habilidades/superdotação, ao longo do seu desenvolvimento; • O suporte para esse processo poderá ser oferecido pelos professores das áreas específicas de interesse dos alunos e profissionais do Serviço de Supervisão Pedagógica e/ou de Orientação Educacional.
  • 31. ETAPAS DO PROCESSO DE IDENTIFICAÇÃO NA ESCOLA • Indicação pelos • Preenchimento de professores dos questionário ou alunos com inventário que destaque nas áreas apresenta lista de acadêmicas ou em indicadores de altas outras como artes, habilidades/ música, teatro, superdotação pelo informática, esporte, professor capacitado, liderança, da sala de aula e outros comunicação docentes
  • 32. ETAPAS DO PROCESSO DE IDENTIFICAÇÃO NA ESCOLA • Levantamento das • Elaboração do áreas de interesse, Portfólio do aluno desempenho e através da coleta de produção através da materiais/produções entrevista e que indicam o desta- preenchimento do que em sua área de questionário ou interesse. inventário pelo • Observação próprio aluno sistemática dos comportamentos apresentados
  • 33. ETAPAS DO PROCESSO DE IDENTIFICAÇÃO NA ESCOLA • Coleta da história • Integração dos dados de vida, áreas de obtidos através da interesse, discussão com os desempenho e docentes e profissionais produção através envolvidos no processo de entrevista com • Elaboração de um os pais ou Parecer responsáveis, • Definição da forma de utilizando um atendimento e questionário ou acompanhamento inventário
  • 34. ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO Para Alunos com Altas Habilidades/Superdotação
  • 35. POLÍTICA NACIONAL DE EDUCAÇÃO ESPECIAL NA PERSPECTIVA DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA DECRETO 6.571/2008 PARECER CNE/CEB 13/2009 RESOLUÇÃO CNE/CEB 04/2009
  • 36. O QUE É? • “[...] o conjunto de atividades, recursos de acessibilidades e pedagógicos organizados institucionalmente, prestado de forma complementar ou suplementar à formação dos alunos no ensino regular”. • O AEE deve integrar a proposta pedagógica da escola, envolver a família e articular-se com as demais políticas públicas. (DECRETO 6.571, de 17 de setembro de 2008)
  • 37. A QUEM SE DESTINA? • Alunos com Deficiência • Alunos com Transtornos Globais do Desenvolvimento • Alunos com Altas Habilidades/Superdotação DECRETO 6.571, de 17 de setembro de 2008 PARECER CNE/CEB Nº13, de 24 de setembro de 2009 RESOLUÇÃO Nº 4, de 2 de outubro de 2009
  • 38. EM QUE ESPAÇO? • Sala de Recursos Multifuncionais na própria escola ou em outra do ensino regular, no turno inverso ao da escolarização; • Centro de Atendimento Educacional Especializado da rede pública ou de instituições comunitárias, sem fins lucrativos, conveniadas com as Secretarias de Educação estaduais, municipais ou do DF, no turno inverso ao da escolarização. (RESOLUÇÃO Nº 4, de 2 de outubro de 2009)
  • 39. ArTIgO 7º Os alunos com altas habilidades/superdotação terão sua atividades de enriquecimento curricular desenvolvidas no âmbito das escolas públicas de ensino regular, em interface com os NAAH/S e com as instituições de ensino superior e institutos voltados ao desenvolvimento e promoção de pesquisa, das artes e dos esportes. (RESOLUÇÃO Nº 4, de 2 de outubro de 2009) Nara Joyce Wellausen Vieira - Novembro de
  • 40. O MODELO DE ENRIQUECIMENTO ESCOLAR de Joseph Renzulli
  • 41. JOSEPH RENZULLI Pesquisador e educador norte americano, que na década de 70 elaborou o Modelo de Enriquecimento Escolar
  • 42. HABILIDADE ACIMA DA CRIATIVIDADE MÉDIA SD ENVOLVIMENTO COM A TAREFA Renzulli, J. S. (1997). The Schoolwide Enrichment Model . CLP.
  • 43. ALTAS HABILIDADES/SUPERDOTAÇÃO RENZULLI, S. The CAPACIDADE ENVOLVIMENTO Three-ring ACIMA DA COM A TAREFA conception of MÉDIA giftedness: A Developmental PAH Model for Creative Productivity. In: RENZULLI, S. e REIS, Sally M. The Triad Reader. Connecticut : Creative Learning CRIATIVIDADE Press, 1986
  • 44. Potencial de desempenho representativamente CAPACIDADE superior em qualquer área determinada do ACIMA DA MÉDIA esforço humano e que pode ser caracterizada por dois aspectos: habilidade geral: capacidade de processar as informações, integrar experiências que resultem em respostas adequadas e adaptadas a novas situações e a capacidade de envolver-se no pensamento abstrato. habilidades específicas: que consistem nas habilidades de adquirir conhecimento e destreza numa ou mais áreas específicas.
  • 45. ENVOLVIMENTO COM A TAREFA É o expressivo interesse que o sujeito apresenta em relação a uma determinada tarefa, problema ou área específica do desempenho, e que caracteriza-se especialmente pela motivação, persistência e empenho pessoal nesta tarefa.
  • 46. CRIATIVIDADE Constitui o terceiro grupo de traços característicos a todas as pessoas com altas habilidades e define-se pela capacidade de juntar diferentes informações para encontrar novas soluções. Caracteriza-se pela fluência, flexibilidade, sensibilidade, originalidade, capacidade de elaboração e pensamento divergente.
  • 47. Percepção de si mesmo/ Origem socioeconômica auto-eficácia Personalidade dos pais Coragem Nível de educação dos pais Caráter Estímulos na infância Intuição Interesses Charme ou carisma Posição na família Educação formal Fortaleza do ego Senso de destino Disponibilidade de modelos Doenças físicas/bem-estar Atração pessoal Sorte Zeitgeist (espírito da época)
  • 48. Manifestações comportamentais das Altas Habilidades/Superdotação: Capacidade Acima da Média Habilidade Geral  Elevados níveis de pensamento abstrato, raciocínio verbal e numérico, relações espaciais, memória e fluência verbal;  Adaptação e modificação de situações novas encontradas no ambiente externo;  Automatização do processamento da informação. recuperação rápida, precisa e seletiva das informações.
  • 49. Manifestações comportamentais das Altas Habilidades/Superdotação: Capacidade Acima da Média Habilidade Específica  Aplicação de várias combinações das habilidades gerais anteriores a uma ou mais áreas especializadas do saber ou do fazer humano (artes, liderança, administração, etc.);  Capacidade de adquirir e fazer uso adequado de grande número de conhecimentos formais, tácitos, técnicas, logística e estratégias para perseguir determinados problemas ou manifestar as áreas especializadas de desempenho;  Capacidade de selecionar informações relevantes e não relevantes relacionadas a um determinado problema ou área de estudo ou desempenho.
  • 52. Manifestações comportamentais das Altas Habilidades/Superdotação: Envolvimento com a Tarefa  Capacidade de desenvolver elevados níveis de interesse, entusiasmo, fascinação e envolvimento em um determinado problema, área de estudo ou forma de expressão humana;  Capacidade de perseverança, resistência, determinação, trabalho duro e prática dedicada;  Autoconfiança, forte ego e crença em sua própria habilidade de executar um trabalho importante, isenção de sentimentos de inferioridade e elevada motivação;
  • 55. Manifestações comportamentais das Altas Habilidades/Superdotação: Envolvimento com a Tarefa  Habilidade para identificar problemas significativos em áreas especializadas. Habilidade de sintonizar-se a canais de comunicação importantes e novos desenvolvimentos dentro de determinados campos.  Estabelecimento de padrões elevados para seu próprio trabalho, abertura à autocrítica e à crítica externa, desenvolvimento de um senso e gosto estéticos elevados, qualidade e excelência quanto a seu próprio trabalho e os trabalho dos demais.
  • 56. Manifestações comportamentais das Altas Habilidades/Superdotação: Criatividade  Fluência, flexibilidade e originalidade de pensamento;  Abertura à experiência, receptividade para o novo e diferente (mesmo que irracional) no pensamento, nas ações e nos produtos próprios e dos demais;  Curioso, especulativo, aventureiro e “mentalmente brincalhão”. Gosta de assumir riscos no pensamento e nas ações, podendo chegar ao ponto de ser extremamente desinibido;  Sensível aos detalhes e às características estéticas de idéias e coisas. Gosta de agir e reagir a estímulos externos e a suas próprias idéias e sentimentos.
  • 63. ACADÊMICO (Renzulli, 1976,1979,2004) concentra-se nas atividades que lhe interessam; consumidor de conhecimento; melhor adaptação ao ritmo da sala de aula; é o tipo mais facilmente identificado por testes de QI. (Pérez,2004) concentra suas leituras em focos específicos; percebe a sua diferença e assincronismo como algo negativo; tem mais dificuldade em estabelecer relações afetivas e de amizade;
  • 64. Bom Vocabulário Busca por complexidade Compreensão mais avançada
  • 66. PRODUTIVO-CRIATIVO (Renzulli, 1976,1979,2004) parece ser mais questionador; não gosta da rotina; dispersivo quando a tarefa não lhe interessa; extremamente imaginativo, intuitivo e inventivo; habilidades mais restritas a um campo específico; idéias, produtos, expressões artísticas originais; modos originais de abordar e resolver os problemas; muitas vezes seu desempenho é considerado baixo e/ou com falta de motivação; usa mais o pensamento divergente;
  • 67. Senso de humor refinado Imaginação vívida Habilidade de gerar idéias
  • 68. Idealismo e senso de justiça Níveis avançados de julgamento moral (precoce)
  • 70. TEORIA DAS INTELIGÊNCIAS MÚLTIPLAS: Gardner
  • 71. INTELIGÊNCIA LINGÜÍSTICA Envolve sensibilidade para a língua falada e escrita, a habilidade de aprender línguas e a capacidade de usar a língua para atingir certos objetivos (Gardner, 2000, p. 56).
  • 72. INTELIGÊNCIA LINGÜÍSTICA escritores locutores poetas jornalistas advogados
  • 73. INTELIGÊNCIA LÓGICO- MATEMÁTICA Envolve a capacidade de analisar problemas com lógica, de realizar operações matemáticas e investigar questões cientificamente. (Gardner, 2000, p. 56).
  • 74. INTELIGÊNCIA LÓGICO- MATEMÁTICA cientistas programadores de computação matemáticos engenheiros contadores
  • 75. INTELIGÊNCIA MUSICAL Acarreta habilidade na atuação, na composição e na apreciação de padrões musicais (Gardner, 2000, p. 57).
  • 76. INTELIGÊNCIA MUSICAL ouvintes sensíveis da música maestros críticos musicais Compositores luthiers
  • 77. INTELIGÊNCIA CORPORAL- CINESTÉSICA Acarreta o potencial de se usar o corpo para resolver problemas ou fabricar produtos (Gardner, 2000, p. 57).
  • 78. INTELIGÊNCIA CORPORAL- CINESTÉSICA Dançarinos cientistas atores artesões mecânicos atletas cirurgiões
  • 79. INTELIGÊNCIA ESPACIAL Tem o potencial de reconhecer e manipular os padrões do espaço (aqueles usados, por exemplo, por navegadores e pilotos), bem como os padrões de áreas mais confinadas (como os que são importantes para escultores, cirurgiões, jogadores de xadrez, artistas gráficos e arquitetos) (Gardner, 2000, p. 57).
  • 80. INTELIGÊNCIA ESPACIAL arquitetos escultores Pilotos cirurgiões jogadores de xadrez designers pintores
  • 81. INTELIGÊNCIA INTERPESSOAL Denota a capacidade de entender as intenções, as motivações e os desejos do próximo e, conseqüentemente, de trabalhar de modo eficiente com terceiros. (Gardner, 2000, p. 57).
  • 82. INTELIGÊNCIA INTERPESSOAL Vendedores líderes religiosos líderes políticos atores clínicos professores
  • 83. INTELIGÊNCIA INTRAPESSOAL Envolve a capacidade de a pessoa se conhecer, de ter um modelo individual de trabalho eficiente – incluindo aí os próprios desejos, medos e capacidades – e de usar estas informações com eficiência para regular a própria vida (Gardner, 2000, p. 58).
  • 84. INTELIGÊNCIA INTRAPESSOAL Teólogos filósofos
  • 85. INTELIGÊNCIA NATURALISTA Envolve a capacidade de observar padrões na natureza, identificando e classificando objetos e compreendendo os sistemas naturais e aqueles criados pelo homem. (Campbell, Campbell e Dickinson, 2000, p. 22).
  • 86. INTELIGÊNCIA NATURALISTA paisagistas fazendeiros botânicos ecologistas caçadores
  • 87. PROBLEMAS ASSOCIADOS ÀS CARACTERÍSTICAS DOS SUPERDOTADOS Característica: Adquire e retém informações rapidamente. Problema: Impaciente diante da lentidão dos colegas; não gosta da rotina e da repetição. Característica: Curiosidade intelectual e atitude inquisitiva; motivação intrínseca; busca significados. Problema: Faz perguntas que incomodam ao professor; tem vasta gama de interesses, esperando o mesmo dos outros. (Webb, 1994)
  • 88. Característica: Amplo vocabulário e proficiência verbal; tem amplas informações em áreas avançadas. Problema: Torna-se entediado com a escola e colegas; visto pelos outros como o "sabe tudo". Característica: Pensamento crítico elevado; tem altas expectativas; é auto-crítico e avalia os demais. Problema: Intolerante ou crítico dos demais; pode tornar-se desencorajado ou deprimido; perfeccionista. Característica: Intensa concentração; longos períodos de atenção em áreas de interesse; persistência; comportamento dirigido a metas. Problema: Resiste à interrupção; negligencia deveres ou pessoas durante períodos de interesse focalizados; obstinação.
  • 89. PROBLEMAS Característica: Sensibilidade e intensidade emocionais; empatia com os outros; desejo de ser aceito. Problema: Sensibilidade excessiva à crítica e/ou à rejeição dos colegas; espera que os outros tenham valores semelhantes; sente-se diferente e alienado. Característica: Independente; prefere trabalho individualizado; confiante em si mesmo. Problema: Pode rejeitar o que é imposto pelos pais ou colegas; não conformista. Característica: Criativo; gosta de novas maneiras de fazer as coisas. Problema: É questionador e tende a rejeitar o que é tido como conhecido; Seu pensamento e ação divergentes podem levar à rejeição por parte dos pares e a ser visto como diferente e fora de compasso.
  • 90. O QUE NOS MOSTRA A HISTÓRIA?  O professor de música de Beethoven uma vez disse que como compositor, ele era “sem esperança”  Isaac Newton - que descobriu o cálculo, desenvolveu a teoria da gravitação universal, originou as três leis do movimento - tirava notas baixas na escola.
  • 91.  Walt Disney foi despedido pelo editor de um jornal porque ele “não tinha boas idéias e rabiscava demais”  Dr. Robert Jarvick foi rejeitado por 15 escolas americanas de medicina. Ele inventou o coração artificial.
  • 92.  John Kennedy recebia em seus boletins constantes observações de “baixo rendimento” e tinha dificuldades em soletrar.  Albert Einstein tinha dificuldades de ler e soletrar e foi reprovado em matemática.
  • 93. É tarefa da escola: • Estimular o desenvolvimento do talento criador e da inteligência em todos os seus alunos, e não só naqueles que possuem um alto QI ou que tiram as melhores notas; • desenvolver comportamentos de superdotação em todos aqueles que (Treffinger & têm potencial; Renzulli, 1986) • desenvolver uma grande variedade de alternativas ou opções para atender as necessidades de todos os estudantes.
  • 94. MITO: OS SUPERDOTADOS SÃO UM GRUPO HOMOGÊNEO
  • 95. MITO DO TAMANHO ÚNICO  Os superdotados não são um grupo homogêneo  Necessitam de um currículo diferenciado, que atenda suas necessidades escolares especiais e suas habilidades específicas Feldhusen (1982)
  • 96. MITO: OS SUPERDOTADOS SERÃO SEMPRE SUPERDOTADOS
  • 97. (a) a superdotação emerge ou “se esvai” em diferentes épocas e sob diferentes circunstâncias da vida de uma pessoa; assim, os comportamentos de superdotação podem ser exibidos em certas crianças (mas não em todas elas) em alguns momentos (não em todos os momentos) e sob certas circunstâncias (e não em todas as circunstâncias de sua vida)
  • 98. ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO A ALUNOS COM AH/SD: O ENRIQUECIMENTO EXTRA E INTRACURRICULAR
  • 99. Nosso objetivo hoje, é discutir e sugerir possíveis estratégias para o enriquecimento extra e intracurricular, ou seja, estratégias que poderão contribuir para que o professor do AEE - atendimento educacional especializado e o professor de sala de aula regular possam trabalhar com esse aluno.
  • 100. Para isso é fundamental conhecer o aluno: -as inteligências nas quais ele ou ela se destaca; -o tipo de AH/SD; -todas as informações possíveis que possam ser encontradas sobre o aluno, -o seu estilo de aprendizagem, -o seu estilo de manifestação do conhecimento, etc. e -os recursos de que dispomos. Essas informações ajudam a delinear estratégias pedagógicas adequadas aos alunos com AH/SD e também a todos os demais alunos.
  • 101. Que instrumentos podemos usar para coletar informações sobre nossos alunos?
  • 102. Entrevistas com o aluno, familiares e/ou outros profissionais As entrevistas com o próprio aluno, com familiares próximos e/ou com profissionais que possam estar atendendo-o em outras áreas (psicólogos, professores de atividades extraescolares, supervisores, orientadores, professores de séries anteriores), com profissionais da sua área de destaque, que possam avaliar o nível do trabalho desenvolvido por ele ou contribuir com mais informações sobre ele, podem ser extremamente úteis para organizar o atendimento educacional especializado para esse aluno.
  • 103. Ficha de áreas de destaque, formas de apresentação e de aprendizagem e interesses Essa ficha, que pode ser preenchida pelo professor ao longo de um período determinado (por exemplo, no primeiro bimestre), permite ter uma visão geral da turma toda quanto a áreas mais fortes, formas preferidas dos alunos para mostrar seus produtos, formas de aprendizagem e maiores interesses.
  • 104. Ficha de Indicadores de AH/SD por inteligência Que como a anterior, pode ser preenchida pelo professor ao longo de um determinado período com as informações de todos os alunos da turma. Ela permite registrar os indicadores que chamam a atenção em uma ou mais inteligências e a pensar atividades que contribuam para o seu desenvolvimento. Com estas informações, o professor de sala de aula pode: programar atividades específicas para esses alunos, combinar atividades que utilizem a inteligência de maior destaque em disciplinas que não a contemplem e propor formas de
  • 105. Ficha de identificação dos alunos com AH/SD por tipo e atividades propostas Esta ficha pode ser preenchida da mesma forma que as anteriores, permite que o professor registre atividades mais adequadas ao tipo de aluno. Conhecendo o tipo de AH/SD (acadêmico, produtivo-criativo ou misto) pode, por exemplo, planejar atividades que utilizem mais o pensamento divergente e indutivo para os alunos produtivo-criativos ou, ao contrário, que contribuam para que eles desenvolvam mais o pensamento convergente e dedutivo que é mais acentuado nos alunos do tipo acadêmico. A Ficha também permite que o professor registre informações mais detalhadas sobre as características de cada tipo, o que favorecerá a compreensão de alguns comportamentos desses alunos que, em determinadas situações, podem ser considerados como problemas.
  • 106. O Portfólio Total do Talento É uma forma sistemática de coletar, registrar e utilizar informações sobre os pontos fortes e habilidades (e pontos fracos, também) de cada aluno para ajudar aos professores, aos alunos e a seus pais.
  • 107. O Portfólio Total do Talento Objetivos Quais são as melhores coisas que conhecemos e podemos registrar sobre o melhor trabalho de um aluno? Quais são as melhores formas em que podemos utilizar estas informações para alimentar e desenvolver os talentos de um aluno?
  • 108. O Portfólio Total do Talento é uma pasta individual do aluno, que cumpre a dupla função de conhecê-lo e registrar seu processo de desenvolvimento; ela coleta informações sobre suas habilidades, interesses, estilos de aprendizagem e de estudo, áreas de potencial, atividades extracurriculares, metas e objetivos, assim como atividades que o aluno desenvolve (RENZULLI e REIS, 1997). O Portfólio tem sido proposto e usado por docentes e escolas no Brasil e no mundo e é uma alternativa viável, econômica e eficiente. (Ver CAMPBELL, CAMPBELL e DICKINSON, 2000; PURCELL e RENZULLI, 1998; FERREIRA e BUENO, 2005)
  • 111. O Portfólio Total do Talento HABILIDADES INTERESSES INFORMAÇÕES SOBRE ESTILOS DE APRENDIZAGEM
  • 112. O Portfólio Total do Talento INFORMAÇÕES DE SITUAÇÃO INFORMAÇÕES DA AÇÃO METAS E ATIVIDADES EXTRACURRICULARES REGISTRO DAS AÇÕES PARA FOMENTAR O DESENVOLVIMENTO DO TALENTO
  • 113. INFORMAÇÕES DE SITUAÇÃO O que já sabemos do aluno, o que podemos constatar no dia a dia . . .
  • 114. INFORMAÇÕES DA AÇÃO As coisas novas que aprendemos sobre o aluno Currículo regular e atividades de enriquecimento (geralmente avaliados pelo professor) Mensagens de Informações da Ação (preenchidas pelo aluno ou pelo professor) - permitem elaborar um Plano de Trabalho para o aluno Trabalhos e Produtos do Aluno (o aluno escolhe o que quer colocar na pasta – redações, fotos de trabalhos 3D, fotos de apresentações, músicas, etc.)
  • 115. Mensagem de Informações sobre a Ação Formulário preenchido pelo professor para o professor da sala de recursos ou Coordenador do Programa de Enriquecimento. Área Geral do Currículo: Idéia para a investigação: No espaço a seguir, faça uma breve descrição dos sinais de elevado nível de comprometimento com a tarefa ou criatividade do aluno ou do pequeno grupo de alunos. Indique as idéias que você tiver de atividades avançadas, os recursos sugeridos e as formas de focalizar o interesse em uma experiência investigativa de primeira categoria.
  • 116. Ficha de levantamento de recursos comunitários Um instrumento simples que pode ser utilizado para criar um banco de dados dos recursos comunitários. Fonte: elaborado por PÉREZ, S. G. P. B. (2007) Este banco de recursos é uma iniciativa simples que a escola poderia confeccionar ao início do ano letivo, registrando os interesses, hobbies, atividades extracurriculares da sua comunidade (docentes, funcionários, alunos e familiares), os recursos que a comunidade próxima da escola ou a cidade possui (empresas comerciais, entidades comunitárias, academias, instituições de ensino médio e superior, de ensino de línguas, escritórios de advocacia, arquitetura e engenharia, bibliotecas, cinemas, teatros, museus, videolocadoras, postos de saúde, grupos musicais e de dança, clubes, grafiteiros, outros profissionais, etc.), que já podem ir sendo associados à inteligência mais utilizada nas atividades desenvolvidas por essas pessoas ou instituições. Este é um reservatório riquíssimo, muito útil quando forem identificados os interesses dos alunos e organizadas as atividades de enriquecimento intra e extracurriculares e que também pode facilitar a busca de parceiros para implementar o SEM, e não apenas os agrupamentos de enriquecimento, como propõem Renzulli e Reis (1997).
  • 117. Que estratégias pedagógicas podem ser desenvolvidas? Existem dois grupos de estratégias de enriquecimento que podem ser utilizadas para compor uma proposta de modelo de atendimento: extracurriculares e intracurriculares.
  • 118. METAS E ATIVIDADES EXTRA- CURRICULARES Apresentações artísticas; Artesanato; Participação em projetos fora da escola; Aulas particulares; Feiras de ciência; Campeonatos esportivos... Concursos de pintura, desenho, música, fotografia... Corais, grupos de dança; Atividades comunitárias...
  • 119. Modelo Triádico de Enriquecimento ATIVIDADES ATIVIDADES DE EXPLORATÓRIA TREINAMENTO S GERAIS EM GRUPO TIPO I TIPO II INVESTIGAÇÕES DE PROBLEMAS REAIS INDIVIDUAIS E EM PEQUENOS GRUPOS AM A EX BIE UL T E NT EA R D A TIPO III RN E LA GUL O SA RE PRODUTOS REAIS INDIVIDUAIS E EM PEQUENOS GRUPOS QUE EVOLUÍRAM A PARTIR DE UMA ATIVIDADE DO TIPO III TIPO IV
  • 120. ATIVIDADES DO TIPO I Atividades ou experiências que exponham os alunos a uma grande variedade de disciplinas, tópicos, questões, ocupações, hobbies, pessoas, lugares e eventos que normalmente não são contemplados pelo currículo do ensino regular
  • 121. ENRIQUECIMENTO DO TIPO I (Atividades Exploratórias Gerais) Definição: Experiências e atividades propositalmente elaboradas para expor os alunos a uma ampla variedade de disciplinas, tópicos, assuntos, profissões, hobbies, pessoas, lugares e eventos que geralmente não estão incluídos no currículo regular. QUE? População-alvo: Todos os alunos da escola.
  • 122. ENRIQUECIMENTO DO TIPO I Objetivos: 1) Enriquecer a vida de todos os alunos ampliando o alcance de experiências não abrangidas pelas escola. 2) Estimular novos interesses que poderão levar a uma atividade mais aprofundada (Tipo III) por parte de alunos ou pequenos grupos de alunos. 3) Oferecer aos professores diretrizes para tomar decisões significativas sobre os tipos de atividades de Enriquecimento do Tipo III que deverão ser escolhidas para determinados grupos de alunos.
  • 123. ENRIQUECIMENTO DO TIPO I Escolha dos Temas: 1) Alunos (Questionários, redações, debates...); 2) Equipe da escola (Brainstorm, levantamentos de interesses).
  • 124. ENRIQUECIMENTO DO TIPO I Fontes dos Temas: 1) Equipe escolar 2) Pais 3) Órgãos públicos, organizações e associações profis- sionais 4) Escolas superiores e universidades 5) Empresas públicas e privadas, academias, clubes, escolas de música, museus,bibliotecas, cinemas... 6) Aposentados 7) Alunos (turmas mais avançadas, de atividades do tipo III, de outras escolas) 8) Meios de comunicação (jornais, revistas, rádio, TV) 9) Internet
  • 125. -Palestras na Escola; - Conversando sobre música; - Clube de xadrez; - Visita a museus . . .
  • 126. Identificando o interesse por aviões na SRDP da Escola Ceará (POA)
  • 127. OFICINA DE GARRAFAS PET OFERECIDA POR UMA MERENDEIRA DA ESCOLA
  • 128. ATIVIDADES DO TIPO II Métodos instrucionais e materiais que promovam o desenvolvimento de habilidades técnicas, habilidades de pensamento e processos afetivos
  • 129. ENRIQUECIMENTO DO TIPO II (Atividades de Treinamento em Grupo) Definição: Métodos e materiais instrucionais propositalmente elaborados para promover o desenvolvimento dos processos de pensamento e sentimento e de habilidades específicas em áreas não cognitivas. População-alvo: Todos os alunos da escola Alunos da Sala de Recursos COMO? As atividades de enriquecimento do Tipo II podem ser desenvolvidas durante vários anos, em diferentes séries, disciplinas e/ou áreas.
  • 130. ENRIQUECIMENTO DO TIPO II Objetivos: 1) Desenvolver habilidades gerais de pensamento criativo e resolução de problemas e pensamento crítico; 2) Desenvolver uma ampla gama de habilidades específicas para aprender a fazer e usar adequadamente materiais de referência de nível avançado, tais como fazer anotações, entrevistar, classificar e analisar dados, tirar conclusões, desenvolver técnicas específicas de dança, condicionamen- to físico, técnicas esportivas, solfejo, leitura e escrita de partituras, tocar um instrumento musical, técnicas de pin- tura, escultura, desenho, design, técnicas laboratoriais, metodologia de pesquisa, dramatização, expressão corpo- ral, pesquisas bibliográficas em bibliotecas, resumos, softwares de computação, webdesign, programação, etc.)
  • 131. ENRIQUECIMENTO DO TIPO II Objetivos: 3) Desenvolver processos afetivos, tais como sentir, apreciar e valorizar. 4) Desenvolver habilidades de comunicação escrita, oral e visual direcionadas para a maximização do impacto dos produtos dos alunos nos públicos-alvos (Por ex: oratória, montagem de exposições e exibições, feiras de ciências, apresentação de espetáculos de música, teatro, dança, cenografia, etc.)
  • 132. ENRIQUECIMENTO DO TIPO II Processos a serem desenvolvidos: I. Treinamento cognitivo II. Treinamento afetivo III. Aprender a aprender IV. Uso de habilidades avançadas de pesquisa e mate- riais de referência V. Desenvolvimento de habilidades de comunicação es- crita, oral e visual VI. Desenvolvimento de habilidades específicas à área de interesse
  • 136. Oficina de Literatura Orientação: Silvana Mota, Iderle Araujo e Jane Sprenger Coordenação: Denise Matos e Paula Sakaguti
  • 137. Cursos de serpentes, de morcegos e de aranhas, na Universidade Tuiuti
  • 139. Oficinas (xadrez, pintura em tela, desenho, sabão ecológico)
  • 140. ATIVIDADES DO TIPO III Atividades de investigação e produção artística, onde o aluno assume o papel de “aprendiz de primeira mão” e “produtor de conhecimento”, ele deve pensar, sentir e agir como um profissional da área.
  • 141. ENRIQUECIMENTO DO TIPO III (Investigações individuais ou em pequenos grupos de problemas reais) Definição: Atividades investigativas e produções artísticas nas quais o aluno assume o papel de um investigador de primeira categoria, pensando, sentindo e agindo como um profis- sional. População-alvo: FAZER Alunos ou pequenos grupos que demonstrem interesse real em temas ou problemas específicos e que mostrem von- tade de desenvolvê-los em níveis avançados de envolvi- mento.
  • 142. ENRIQUECIMENTO DO TIPO III Objetivos: 1) Oferecer oportunidades nas quais os alunos possam aplicar seus interesses, conhecimento, idéias criativas e envolvimento com a tarefa a um problema de sua escolha numa área de estudo. 2) Adquirir um nível avançado de compreensão do conhecimento (conteúdo) e metodologia (processo) utilizados numa determinada disciplina, área artística ou estudos interdisciplinares. 3) Desenvolver produtos autênticos elaborados principalmente para ter um determinado impacto em determinado público. 4) Desenvolver habilidades de aprendizagem independente nas áreas de planejamento, tomada de decisões e auto-avaliação. 5) Desenvolver envolvimento com a tarefa, autoconfiança, sentimentos de realização criativa e a capacidade de interagir efetivamente com outros alunos, professores e pessoas com níveis avançados de interes-se e experiência em uma área comum de envolvimento.
  • 143. Escola Estadual de Ensino Fundamental Ceará (Porto Alegre) Sala de Recursos e Desenvolvimento de Potenciais Professora Sandra Regina Cecato Da’Lago
  • 145. Pesquisa sobre os mitos da escola
  • 147. Ilustração do livro de Neuropsicologia para Crianças Alunos: Breno Sakaguti e Lucas Araujo Orientação: Eugênio de Paula Coordenação: Denise Matos e Paula Sakaguti
  • 148. ATIVIDADES DO TIPO IV (Resultado do avanço de investigações individuais ou em pequenos grupos de problemas reais) Definição: Atividades e produções artísticas ou de pesquisa que derivam de atividades do tipo III e geralmente têm um impacto social mais amplo. FAZER MAIS População-alvo: Alunos ou pequenos grupos que demonstrem interesse real em aprofundar o desenvolvimento de produtos a partir de atividades do tipo III ou desenvolver produtos mais avançados.
  • 149. - 2006 Lançamento do Livro - 2007 Congresso Cérebro e Pensamento - USP
  • 153. FORMAS DE ATENDIMENTO – Uma intervenção pedagógica. SEGREGAÇÃO - Agrupar, por algum tempo, em turmas especiais ou escolas especiais alunos identificados como P.A.H. CRÍTICA: • Critério para o agrupamento – intelectual; • Inviabiliza convívio com os diferentes; • Grupo P.A.H não é homogêneo pois seus talentos variam bastante.
  • 154. ACELERAÇÃO - Programa escolar cumprido em menor espaço de tempo do que propõe a escola.(entrada precoce, saltar série(s)). Envolve: família, escola e o próprio aluno. CRÍTICA: Se utilizado com o intuito de resolver problema da escola(indisciplina) deixa de atender o aluno ( maturidade, emocional, coordenação motora fina.
  • 155. ENRIQUECIMENTO - • Oficinas ou atividades extra-classe. (projetos, pesquisas,etc); • Flexibilização do currículo(PCNs como referência); • Adaptação e compactação do currículo
  • 156. “Com verdadeiro pessimismo pode-se escrever contra a educação, mas o otimismo é imprescindível para estudá-la e para exercê-la. Os pessimistas podem ser bons domadores, mas não bons professores.” (Savater, 2000).
  • 157. ERA UMA VEZ . . . • O ALUNO LUCAS . . .
  • 158. Lucas adora brincar. Seus maiores problemas são causados pelo Charada, pelo Coringa e pelo Pingüim, mas no fim da brincadeira o Batman sempre dá um jeito e vence esses gênios do mau.
  • 159. Lucas, assim como tantas outras crianças, foi para escola todo feliz, imaginando que lá seria um lugar muito legal.
  • 160. Lucas descobriu que a escola não era tão legal. Enquanto a professora falava ele pensava em um milhão de coisas que poderia estar fazendo e que eram bem mais interessantes do que ficar ali parado, sentado, imóvel.
  • 161. Como vivia no mundo da lua, Lucas não compreendia a matéria e se dispersava até com um mosquito.
  • 162. Mas, a situação piorou. Chegaram as provas e com elas vieram as notas baixas.
  • 163. Lucas não entendia o que a professora falava, e por sua vez a professora também não compreendia Lucas.
  • 164. Para Lucas a professora era uma bruxa malvada que o fazia ficar sentado numa linda tarde de sol... E pior, lhe dava notas baixas, motivo pelo qual seus coleguinhas riam muito.
  • 165. No recreio, que antes era a melhor hora da escola, Lucas já não se divertia mais. Nem mesmo era convidado para participar das brincadeiras.
  • 166. Lucas descobriu que a escola era aterrorizante e bem diferente da escola que havia imaginado. Lá aprendeu que os problemas não são tão facilmente resolvidos como nas brincadeiras com o Batman.
  • 167. Lucas começou a trocar suas horas de lazer por mais tempo sentado frente aos cadernos e livros.
  • 168. Mas novamente, na hora da prova, deu branco e Lucas não lembrou nada do que havia estudado.
  • 169. Mas, sua desatenção era apenas na escola.
  • 170. Lucas foi crescendo e foi descobrindo que tinha facilidade em desmontar, montar e consertar muitas coisas. Isso foi um passo para se apaixonar por Física, Matemática, Química e tantas outras matérias.
  • 171. Lucas transformou o monstro escola num bichinho amigo.
  • 172. Hoje Lucas é um cientista envolvido com inúmeras pesquisas. Mas, quantos de nossos alunos terão a sorte de Lucas?
  • 173. “Operacionalizar a ‘inclusão escolar’ de todos os alunos, independentemente de classe, raça, gênero, sexo ou características individuais é o grande desafio a ser enfrentado, numa clara demonstração do respeito à diferença.” (Diretrizes Curriculares da Educação Especial, 2001, p.21)