SlideShare uma empresa Scribd logo
SISTEMA TRIBUTÁRIO NACIONAL

  TRIBUTO: CONCEITO E ESPÉCIES

     Profa. Helane Cabral
1. CONCEITO DE TRIBUTO
Conceito de Tributo - art. 3º. do CTN

Tributo é toda prestação pecuniária
compulsória, em moeda ou cujo valor nela
se possa exprimir, que não constitua sanção
de ato ilícito, instituída em lei e cobrada
mediante        atividade      administrativa
plenamente vinculada.
1.1. ELEMENTOS DO CONCEITO
a)Toda prestação pecuniária.

Cuida-se de prestação tendente a assegurar
ao Poder Público os meios financeiros
necessários para a realização de seus
objetivos.
b) Compulsória
O pagamento da prestação é obrigatória,
caracterizada pela ausência do elemento
vontade no momento de pagar.

O dever de pagar         tributo nasce
independentemente da       vontade  do
contribuinte.
c) Em moeda ou cujo valor nela se
possa exprimir
O conteúdo da prestação tributária é expresso em moeda.

Não se admite a instituição de tributo in natura (expresso
em unidade de bens diversos do dinheiro) ou in labore
(expresso em unidade de serviços).

O conteúdo da prestação tributária é expresso em moeda.

A LC nº 104/01 admite a dação em pagamento em bens
imóveis, na forma e condições previstas em lei.

Em São Paulo a Lei nº 13.259/01 regulamenta a matéria.
d) Que não constitua sanção de ato ilícito

A hipótese de incidência tributária é sempre um comportamento lícito.

O tributo não se confunde com a penalidade. Dos fatos ilícitos nascem as
multas e outros consequências punitivas, que não configuram tributo.

Não se conclua que um rendimento auferido em atividade ilícita não está
sujeito ao tributo (Princípio do non olet).

O fato gerador pode ocorrer em circunstâncias ilícitas.

A lei não pode incluir na hipótese de incidência tributária o elemento ilicitude.

São cabíveis as deduções, na base de cálculo do IR, das quantias pagas
ilicitamente.
e) Instituída em lei

Como decorrência natural do princípio da legalidade,
somente a lei pode instituir o tributo. É o princípio da
reserva legal, ressalvadas as exceções prevista na
Constituição Federal.



Instituir um tributo significa definir a hipótese de incidência,
os sujeitos ativos e passivos da obrigação correspondente,
a base de cálculo e a alíquota. Estes são os elementos do
tributo.
f) Cobrada mediante atividade
administrativa plenamente vinculada
Atividade vinculada é aquela em cujo desempenho a
autoridade administrativa não dispõe de liberdade
decisória para apreciar se deve ou não realizar a cobrança
do tributo.

Dada a ocorrência da hipótese de incidência tributária
nasce, para o agente público, o dever de agir, conforme a
lei.

A cobrança deve ser feita na oportunidade, pela forma e
meios estabelecidos na lei, sem que à autoridade caiba
decidir se cobra ou deixa de cobrar o tributo.
2. ESPÉCIES DE TRIBUTO

- Imposto

- Taxa

- Contribuição de melhoria

- Contribuições sociais

- Empréstimos compulsórios
2.1. Imposto
É o tributo cuja obrigação tem por fato gerador uma situação
independente de qualquer atividade estatal específica, relativa ao
contribuinte.

É uma exação não vinculada.

A prestação patrimonial do contribuinte do imposto é unilateral, pois
não faz nascer para o ente tributante qualquer dever específico em
relação ao contribuinte.

O fato gerador do dever de pagar é uma situação é uma situação da
vida do contribuinte, relacionada ao seu patrimônio.
Classificação dos impostos
a)Imposto direto: são aqueles cuja carga econômica é
suportada exclusivamente pelo contribuinte.
Ex: IR e IPVA

b) Imposto indireto: são aqueles cuja carga financeira
não é suportada pelo contribuinte, mas por terceira
pessoa.

Ex: IPI – o contribuinte é o industrial, que fica obrigado a
recolher o respectivo valor, mas pode vir a ser ressarcido
(financeiramente) por ocasião do pagamento do preço pelo
adquirente.
c) Imposto pessoal

Quando a quantificação do tributo decorre de condições
peculiares ao contribuinte.

Ex: IR – a carga tributária será menor na medida em que
a pessoa física tenha efetuado maior volume de gastos
com saúde, educação etc.


d) Imposto real: quando o montante do tributo leva
em conta o valor da coisa, como é o caso do IPTU.
IMPOSTOS FEDERAIS

1. Imposto de importação de produtos estrangeiros

2. Imposto de exportação, para      o exterior, de produtos nacionais ou
nacionalizados

3. Imposto de renda e proventos de qualquer natureza

4. Imposto de produtos industrializados

5. Imposto de operações de crédito, câmbio e seguro, ou relativas a
títulos ou valores mobiliários.

6. Imposto sobre a propriedade territorial rural

7. Imposto sobre grandes fortunas, nos termos de lei complementar
IMPOSTOS ESTADUAIS E DISTRITAIS

1. Imposto causa mortis e doação, de quaisquer bens
ou direitos

2. Imposto sobre operações relativas à circulação de
mercadorias e sobre prestações de serviços de
transporte interestadual e intermunicipal e de
comunicação, ainda que as operações e as prestações
se iniciem no exterior.

3. Imposto    sobre   a   propriedade   de   veículos
automotores
IMPOSTOS MUNICIPAIS E DISTRITAIS

1.Imposto sobre a propriedade predial e territorial
urbana

2. transmissão inter vivos, a qualquer título, por ato
oneroso, de bens imóveis, por natureza ou acessão
física, e de direitos reais sobre imóveis, exceto os de
garantia, bem como cessão de direitos a sua aquisição

3. Imposto sobre serviços de qualquer natureza, não
compreendidos no art. 155, II, definidos em lei
complementar
2.2. TAXA
É um tributo cujo fato gerador decorre:

a) Da prestação de serviços públicos específicos
e divisíveis, prestados ao contribuinte ou postos à
sua disposição; ou

b) Do exercício regular do poder de polícia.
a) Configuração serviço público gerador da
taxa. Art. 79, do CTN:
I – utilizados pelo contribuinte:
a) efetivamente, quando por ele usufruído a
qualquer título;

b) potencialmente, quando, sendo de utilização
compulsória, sejam postos à sua disposição
mediante atividade administrativa em efetivo
funcionamento.
II – específicos, quando possam ser destacados
em unidade autônomas de intervenção, de
utilidade ou de necessidades públicas;



III – divisíveis, quando suscetíveis de utilização,
separadamente, por parte de cada um dos seus
usuários.
Os serviços públicos podem ser:

GERAIS: são prestados indistintamente a todos os
indivíduos. De regra custeados por impostos. Ex:
segurança pública, saúde e educação.



ESPECÍFICOS: são de utilização individual e
mensurável; avalia-se a utilização efetiva ou potencial,
individualmente considerada.
Ex: serviços de telefonia, água potável, gás canalizado,
energia elétrica, transporte coletivo.
IMPORTANTE
Os serviços remunerados por taxas são aqueles que o
contribuinte frui isoladamente.
Ex: certidão, fornecimento de água, luz etc.

Os serviços indivisíveis são reembolsados por impostos.
Ex: segurança pública, defesa externa do país etc

A taxa pela indisponibilidade do serviço só é exigível
quando o serviço público é obrigatório por lei.

Ex: coleta de esgoto, identificação, enterramento de
mortos, internação de loucos, remoção de lixo etc.
Jurisprudência
Súmula 157, STJ. É ilegítima a cobrança de taxa, pelo
Município, na renovação de licença para localização de
estabelecimento comercial ou industrial.

Taxa de licença de publicidade. Base de cálculo.
A taxa de licença de publicidade não pode ter base de
cálculo “o espaço ocupado pelo anúncio na fachada
externa do estabelecimento”, porque o trabalho de
fiscalização independe do tamanho da placa de
publicidade (CTN, art. 78).
b) Poder de polícia: art. 78, CTN

“É a atividade da Administração Pública que, limitando
ou disciplinando o direito, interesse ou liberdade,
regula a prática de ato ou abstenção de fato, em
razão de interesse público concernente à segurança,
à higiene, à ordem, aos costumes, à disciplina da
produção e do mercado, ao exercício de atividades
econômicas      dependentes    de    concessão      ou
autorização do Poder Público, à tranquilidade pública
ou ao respeito à propriedade e aos direitos individuais
ou coletivos”.
IMPORTANTE
A taxa de polícia pressupõe o efetivo exercício de
atividades e diligências em favor do contribuinte,
removendo-lhe obstáculos jurídicos, mantendo-os,
fiscalizando a licença que foi concedida.



O exercício regular de polícia se consubstancia no
ALVARÁ.
Distinção entre taxa e preço público

O preço é derivado de um contrato firmado entre as partes,
consensualmente, cujas cláusulas obrigacionais não podem ser
alteradas unilateralmente por qualquer dos contratantes.

Remunera a exploração de atividade, enquanto que a taxa
remunera os serviços públicos.

Súmula 545 do STF: “Preços de serviços públicos e taxas não
se confundem, porque estas, diferentemente daqueles, são
compulsórias e têm sua cobrança condicionada à prévia
autorização orçamentária, em relação à lei que as instituiu”.
CONCLUSÃO
A taxa é a remuneração de uma atividade vinculada ao
Poder Público (serviço público, específico e divisível,
efetivo ou potencial, incluindo-se o poder de polícia),
regendo-se pelo princípio da retributividade.

A taxa não pode ter fato gerador e base de cálculo
próprios de impostos.

Ex: a taxa de licença para funcionamento de um imóvel
comercial não pode ser calculado sobre o valor venal da
propriedade.
TAXAS EXISTENTES NO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO



1. Taxa de Fiscalização de Estabelecimentos



2. Taxa de Fiscalização de Anúncios



3. Taxa de Resíduos Sólidos de Serviços de Saúde (TRSS)
2.3. Contribuição de melhoria
a)Sujeito ativo: União – Estados – DF – Município

b) Hipótese de incidência: a valorização imobiliária
causada por obra pública, tendo como base de cálculo a
„valorização‟ (diferença positiva de valor de um imóvel
antes e depois da obra) decorrente da obra pública.

c) Aspecto material é composta de:
c1) realização de obra pública acrescida da
c2) valorização ou benefício para os imóveis sitos na área
de influência da obra.
d) Base de cálculo:

d1) É o custo da obra, debitável a contribuinte, ou

d2) A valorização específica que da obra resultar
para o imóvel do contribuinte.

e) Sujeito passivo: o proprietário do imóvel
IMPORTANTE
1. Por obra se compreende: a construção, edificação, reparação,
ampliação ou manutenção de um bem imóvel, pertencente ou
incorporado ao patrimônio público.

2. A obrigação cometida ao proprietário do imóvel só pode ser exigida
quando realizada a obra pública e configurada a valorização do bem.

3. A valorização do imóvel sem vinculação com a obra pública implica
na cobrança do IPTU e ITR.

4. O gabarito da contribuição de melhoria é sempre a valorização, não
importando o custo da obra.

5. Deve haver proporcionalidade ao benefício especial recebido pelo
proprietário do imóvel em decorrência da obra pública.
JURISPRUDÊNCIA DO STJ
“Tributário. Contribuição de melhoria.

1. A entidade tributante ao exigir o pagamento de contribuição de
melhoria tem de demonstrar o amparo das seguintes circunstâncias:
a) a exigência fiscal decorre de despesas decorrentes de obra pública;
b) a obra pública provocou a valorização do imóvel;
c) a base de cálculo é a diferença entre dois momentos: o primeiro, o
valor do imóvel antes da obra ser iniciada; o segundo, o valor do
imóvel após a conclusão da obra.

2. É da natureza da contribuição de melhoria a valorização imobiliária.

3. Recurso improvido (REsp 169.131-SP, 1ª Turma, Rel. Min. José Delgado,)
2.4. EMPRÉSTIMO COMPULSÓRIO

É uma prestação em dinheiro que, exigida por Lei
Complementar, que a União coativamente exige
das pessoas que praticam certos fatos lícitos
descritos na própria Lei.

São tributos, por isso todas as regras pertinentes
à instituição e cobrança tributária devem ser
observadas.

Trata-se de tributo com cláusula de restituição.
Hipóteses de cabimento:
•Para atender despesas extraordinárias decorrentes de
calamidade pública, de guerra externa ou sua iminência;

•Em casos de investimento público de caráter urgente e de
relevante interesse nacional, respeitada a anterioridade.

A calamidade pública, a guerra e o investimento público
condicionam o exercício da competência tributária e
direcionam a aplicação do produto arrecadado, mas a Lei que
o instituir definirá o fato gerador.
IMPORTANTE
a) Sujeito ativo: a União.

b) Instrumento de criação: Lei Complementar.

c) Se for instituído para atender despesas extraordinárias pode
ser cobrado imediatamente a sua instituição, sem respeito ao
princípio da anterioridade.

d) A Lei criadora do empréstimo deve estabelecer, de modo
específico e exaustivo, as condições de restituição do valor
mutuado, de maneira a se recompor o patrimônio do contribuinte
em sua situação original.
2.5. Contribuições Sociais
A Constituição Federal, em seu art. 149,
atribui à União competência para criar
contribuições especiais, observado:

•Criação por Lei Complementar;
•Princípio da irretroatividade e
•Princípio da anterioridade especial.
Contribuições sociais
A CF não apontou a regra-matriz das contribuições, mas
indicou as finalidades que devem ser alcançadas, logo a
União está autorizada a instituir tais contribuições, desde
que não invada a competência dos demais entes
federativos.

Deve-se respeitar o princípio da reserva das competências
tributárias e os direitos dos contribuintes.
Podem ser de três espécies:
a) Contribuições de               intervenção        no
domínio econômico
• Finalidade interventiva
• Função extrafiscal (intervir no setor econômico)
• Os recursos arrecadados destinam-se ao financiamento
  da atividade estatal interventiva.
• Devem obedecer ao princípio da anterioridade especial
• Ao ser criada, deve-se respeitar os princípios da ordem
  econômica;
• Só podem atingir setores delimitados da atividade
  econômica;
• Para serem válidas, deverão ser instituídas, lançadas e
  cobradas em consonância com o regime jurídico
  constitucional tributário;
IMPORTANTE

Para a caracterização da contribuição de intervenção no
domínio econômico é necessário o efeito produzido pela própria
contribuição e o destino do produto de sua arrecadação ao
financiamento da atividade estatal interventiva.

•SUJEITO PASSIVO: apenas os envolvidos com a exploração
da atividade econômica que se pretende disciplinar;

•BASE DE CÁLCULO E ALÍQUOTA: deverá corresponder à
indenização a que os entes federativos fariam jus pelos danos
sofridos em decorrência da exploração da atividade econômica.
b) Contribuições de interesse de categorias
profissionais ou econômicas


São contribuições profissionais instituídas
em favor de categorias profissionais ou
econômicas e vinculam-se a entidades
representativas desses segmentos sociais.
c) Contribuições de seguridade social
A competência é da União, Estados, Distrito Federal e
Municípios para custeio de sistemas de Previdência e
Assistência Social de seus servidores.

Fora dessas hipóteses somente a União pode instituí-las.

São vinculadas à finalidade dos recursos que geram e
integram a receita da entidade estatal responsável pelas
ações relativas à seguridade social.
IMPORTANTE
•   Têm função pararafiscal;

•   Devem obedecer ao princípio da anterioridade especial (90 dias);

•   Quando exigida dos empregadores e trabalhadores reveste a natureza
    de tributo (imposto e taxa, respectivamente);

•   Tem por finalidade o custeio do sistema da seguridade social;

•   Para serem válidas, deverão ser criadas e aumentadas por meio de lei
    ordinária, salvo quando incidentes sobre outros fatos econômicos (art.
    195, 4º, CF);

•   SUJEITO PASSIVO: os empregadores, os trabalhadores (bem como os
    administradores de concursos de prognósticos)

•   O SUJEITO ATIVO: pessoa a quem caiba administrar a seguridade
    social

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

DIREITO TRIBUTÁRIO
DIREITO TRIBUTÁRIODIREITO TRIBUTÁRIO
DIREITO TRIBUTÁRIO
URCAMP
 
Recursos
RecursosRecursos
Recursos
Juuh Rodrigues
 
6 - Crédito Tributário
6 - Crédito Tributário6 - Crédito Tributário
6 - Crédito Tributário
Jessica Namba
 
Contribuições sociais
Contribuições sociaisContribuições sociais
Contribuições sociais
Luiz Campos
 
ICMS
ICMS ICMS
Aula 14 responsabilidade tributária
Aula 14   responsabilidade tributáriaAula 14   responsabilidade tributária
Aula 14 responsabilidade tributária
Christian Moura Matos
 
Furto (Art. 155, caput, parágrafos 1o. a 3o.)
Furto (Art. 155, caput, parágrafos 1o. a 3o.)Furto (Art. 155, caput, parágrafos 1o. a 3o.)
Furto (Art. 155, caput, parágrafos 1o. a 3o.)
crisdupret
 
Power point aula dra. karem jureidini dias
Power point  aula dra. karem jureidini diasPower point  aula dra. karem jureidini dias
Power point aula dra. karem jureidini dias
Fernanda Moreira
 
Direito das Obrigações - aula 2 - elementos e classificação
Direito das Obrigações - aula 2 - elementos e classificaçãoDireito das Obrigações - aula 2 - elementos e classificação
Direito das Obrigações - aula 2 - elementos e classificação
Guido Cavalcanti
 
Direito civil ii
Direito civil iiDireito civil ii
Direito civil ii
railsoncsilva
 
2012.1 semana 12 invalidade dos negócios jurídicos
2012.1 semana 12    invalidade dos negócios jurídicos2012.1 semana 12    invalidade dos negócios jurídicos
2012.1 semana 12 invalidade dos negócios jurídicos
jacsf_direito
 
Aula Direito Tributário
Aula Direito TributárioAula Direito Tributário
Aula Direito Tributário
Grupo VAHALI
 
Imposto sobre Produtos Industrializados - IPI
Imposto sobre Produtos Industrializados - IPIImposto sobre Produtos Industrializados - IPI
Imposto sobre Produtos Industrializados - IPI
Fabiana Del Padre Tomé
 
ICMS
ICMS ICMS
Modalidades obrigações powerpoint
Modalidades obrigações powerpointModalidades obrigações powerpoint
Modalidades obrigações powerpoint
Pedro Cechet
 
Planejamento tributario para_empreendedores
Planejamento tributario para_empreendedoresPlanejamento tributario para_empreendedores
Planejamento tributario para_empreendedores
Marcelino Fernandes
 
Conceito de tributo, classificação e fontes
Conceito de tributo, classificação e fontesConceito de tributo, classificação e fontes
Conceito de tributo, classificação e fontes
Rodrigo Santos Masset Lacombe
 
Icms mercadorias - aula ibet
Icms   mercadorias - aula ibetIcms   mercadorias - aula ibet
Icms mercadorias - aula ibet
Brunno Guerra Rezende
 
Resumo de aulas de planejamento tributário
Resumo de aulas de planejamento tributárioResumo de aulas de planejamento tributário
Resumo de aulas de planejamento tributário
Roberto Cavallieri Vommaro
 
Aula ibet compensação e repetiçao outubro 2011
Aula ibet compensação e repetiçao outubro 2011Aula ibet compensação e repetiçao outubro 2011
Aula ibet compensação e repetiçao outubro 2011
Rosangela Garcia
 

Mais procurados (20)

DIREITO TRIBUTÁRIO
DIREITO TRIBUTÁRIODIREITO TRIBUTÁRIO
DIREITO TRIBUTÁRIO
 
Recursos
RecursosRecursos
Recursos
 
6 - Crédito Tributário
6 - Crédito Tributário6 - Crédito Tributário
6 - Crédito Tributário
 
Contribuições sociais
Contribuições sociaisContribuições sociais
Contribuições sociais
 
ICMS
ICMS ICMS
ICMS
 
Aula 14 responsabilidade tributária
Aula 14   responsabilidade tributáriaAula 14   responsabilidade tributária
Aula 14 responsabilidade tributária
 
Furto (Art. 155, caput, parágrafos 1o. a 3o.)
Furto (Art. 155, caput, parágrafos 1o. a 3o.)Furto (Art. 155, caput, parágrafos 1o. a 3o.)
Furto (Art. 155, caput, parágrafos 1o. a 3o.)
 
Power point aula dra. karem jureidini dias
Power point  aula dra. karem jureidini diasPower point  aula dra. karem jureidini dias
Power point aula dra. karem jureidini dias
 
Direito das Obrigações - aula 2 - elementos e classificação
Direito das Obrigações - aula 2 - elementos e classificaçãoDireito das Obrigações - aula 2 - elementos e classificação
Direito das Obrigações - aula 2 - elementos e classificação
 
Direito civil ii
Direito civil iiDireito civil ii
Direito civil ii
 
2012.1 semana 12 invalidade dos negócios jurídicos
2012.1 semana 12    invalidade dos negócios jurídicos2012.1 semana 12    invalidade dos negócios jurídicos
2012.1 semana 12 invalidade dos negócios jurídicos
 
Aula Direito Tributário
Aula Direito TributárioAula Direito Tributário
Aula Direito Tributário
 
Imposto sobre Produtos Industrializados - IPI
Imposto sobre Produtos Industrializados - IPIImposto sobre Produtos Industrializados - IPI
Imposto sobre Produtos Industrializados - IPI
 
ICMS
ICMS ICMS
ICMS
 
Modalidades obrigações powerpoint
Modalidades obrigações powerpointModalidades obrigações powerpoint
Modalidades obrigações powerpoint
 
Planejamento tributario para_empreendedores
Planejamento tributario para_empreendedoresPlanejamento tributario para_empreendedores
Planejamento tributario para_empreendedores
 
Conceito de tributo, classificação e fontes
Conceito de tributo, classificação e fontesConceito de tributo, classificação e fontes
Conceito de tributo, classificação e fontes
 
Icms mercadorias - aula ibet
Icms   mercadorias - aula ibetIcms   mercadorias - aula ibet
Icms mercadorias - aula ibet
 
Resumo de aulas de planejamento tributário
Resumo de aulas de planejamento tributárioResumo de aulas de planejamento tributário
Resumo de aulas de planejamento tributário
 
Aula ibet compensação e repetiçao outubro 2011
Aula ibet compensação e repetiçao outubro 2011Aula ibet compensação e repetiçao outubro 2011
Aula ibet compensação e repetiçao outubro 2011
 

Destaque

Aula 2 - Espécies Tributárias (Juliana Araújo)
Aula 2 - Espécies Tributárias (Juliana Araújo)Aula 2 - Espécies Tributárias (Juliana Araújo)
Aula 2 - Espécies Tributárias (Juliana Araújo)
Fernando Favacho
 
Taxas, impostos e tributos brasileiros
Taxas, impostos e tributos brasileirosTaxas, impostos e tributos brasileiros
Taxas, impostos e tributos brasileiros
Formigascommegafone
 
Aula ibet 2013 espécies tributárias [salvo automaticamente]
Aula ibet  2013 espécies tributárias [salvo automaticamente]Aula ibet  2013 espécies tributárias [salvo automaticamente]
Aula ibet 2013 espécies tributárias [salvo automaticamente]
Brunno Guerra Rezende
 
Espécies tributárias 2013-1
Espécies tributárias   2013-1Espécies tributárias   2013-1
Espécies tributárias 2013-1
Fabiana Del Padre Tomé
 
Resumo Tributos em espécie
Resumo Tributos em espécieResumo Tributos em espécie
Resumo Tributos em espécie
vanessachamma
 
Espécies tributárias: casos controvertidos
Espécies tributárias: casos controvertidosEspécies tributárias: casos controvertidos
Espécies tributárias: casos controvertidos
Tathiane Piscitelli
 
Conceito de tributo e espécies tributárias
Conceito de tributo e espécies tributáriasConceito de tributo e espécies tributárias
Conceito de tributo e espécies tributárias
phjaqueira
 
Aula ibet espécies tributárias [salvo automaticamente]
Aula ibet   espécies tributárias [salvo automaticamente]Aula ibet   espécies tributárias [salvo automaticamente]
Aula ibet espécies tributárias [salvo automaticamente]
Rosangela Garcia
 
Contribuições especiais
Contribuições especiaisContribuições especiais
Contribuições especiais
Tacio Lacerda Gama
 
Aula do dia 21 09-13 - dra. betina treiger
Aula do dia 21 09-13 - dra. betina treigerAula do dia 21 09-13 - dra. betina treiger
Aula do dia 21 09-13 - dra. betina treiger
Fernanda Moreira
 
Imunidades. Art. 150, VI, da Constituição Federal
Imunidades. Art. 150, VI, da Constituição FederalImunidades. Art. 150, VI, da Constituição Federal
Imunidades. Art. 150, VI, da Constituição Federal
ALEXANDRE PANTOJA
 
Espécies Tributárias
Espécies TributáriasEspécies Tributárias
Espécies Tributárias
Betânia Costa
 
Repartição de Receitas Tributárias
Repartição de Receitas TributáriasRepartição de Receitas Tributárias
Repartição de Receitas Tributárias
alexdpdireito
 
Aula esquema-direito-tributário-i
Aula esquema-direito-tributário-iAula esquema-direito-tributário-i
Aula esquema-direito-tributário-i
portustfs
 
Espécies tributárias 2013-1
Espécies tributárias   2013-1Espécies tributárias   2013-1
Espécies tributárias 2013-1
Fabiana Del Padre Tomé
 
Quadro sinótico
Quadro sinóticoQuadro sinótico
Quadro sinótico
Claudio Parra
 
Dissertação de adriana arrigoni na ufrj em 2012
Dissertação de adriana arrigoni na ufrj em 2012Dissertação de adriana arrigoni na ufrj em 2012
Dissertação de adriana arrigoni na ufrj em 2012
citacoesdosprojetosdeotavioluizmachado
 
Impostos Estaduais - ICMS, IPVA, ITCMD
Impostos Estaduais - ICMS, IPVA, ITCMDImpostos Estaduais - ICMS, IPVA, ITCMD
Impostos Estaduais - ICMS, IPVA, ITCMD
omelhordodireito
 
Fluxograma Ilustrado TRIBUTOS
Fluxograma Ilustrado TRIBUTOSFluxograma Ilustrado TRIBUTOS
Fluxograma Ilustrado TRIBUTOS
Ma Rina
 
Sistema Tributário Nacional
Sistema Tributário NacionalSistema Tributário Nacional
Sistema Tributário Nacional
Antonio Pereira
 

Destaque (20)

Aula 2 - Espécies Tributárias (Juliana Araújo)
Aula 2 - Espécies Tributárias (Juliana Araújo)Aula 2 - Espécies Tributárias (Juliana Araújo)
Aula 2 - Espécies Tributárias (Juliana Araújo)
 
Taxas, impostos e tributos brasileiros
Taxas, impostos e tributos brasileirosTaxas, impostos e tributos brasileiros
Taxas, impostos e tributos brasileiros
 
Aula ibet 2013 espécies tributárias [salvo automaticamente]
Aula ibet  2013 espécies tributárias [salvo automaticamente]Aula ibet  2013 espécies tributárias [salvo automaticamente]
Aula ibet 2013 espécies tributárias [salvo automaticamente]
 
Espécies tributárias 2013-1
Espécies tributárias   2013-1Espécies tributárias   2013-1
Espécies tributárias 2013-1
 
Resumo Tributos em espécie
Resumo Tributos em espécieResumo Tributos em espécie
Resumo Tributos em espécie
 
Espécies tributárias: casos controvertidos
Espécies tributárias: casos controvertidosEspécies tributárias: casos controvertidos
Espécies tributárias: casos controvertidos
 
Conceito de tributo e espécies tributárias
Conceito de tributo e espécies tributáriasConceito de tributo e espécies tributárias
Conceito de tributo e espécies tributárias
 
Aula ibet espécies tributárias [salvo automaticamente]
Aula ibet   espécies tributárias [salvo automaticamente]Aula ibet   espécies tributárias [salvo automaticamente]
Aula ibet espécies tributárias [salvo automaticamente]
 
Contribuições especiais
Contribuições especiaisContribuições especiais
Contribuições especiais
 
Aula do dia 21 09-13 - dra. betina treiger
Aula do dia 21 09-13 - dra. betina treigerAula do dia 21 09-13 - dra. betina treiger
Aula do dia 21 09-13 - dra. betina treiger
 
Imunidades. Art. 150, VI, da Constituição Federal
Imunidades. Art. 150, VI, da Constituição FederalImunidades. Art. 150, VI, da Constituição Federal
Imunidades. Art. 150, VI, da Constituição Federal
 
Espécies Tributárias
Espécies TributáriasEspécies Tributárias
Espécies Tributárias
 
Repartição de Receitas Tributárias
Repartição de Receitas TributáriasRepartição de Receitas Tributárias
Repartição de Receitas Tributárias
 
Aula esquema-direito-tributário-i
Aula esquema-direito-tributário-iAula esquema-direito-tributário-i
Aula esquema-direito-tributário-i
 
Espécies tributárias 2013-1
Espécies tributárias   2013-1Espécies tributárias   2013-1
Espécies tributárias 2013-1
 
Quadro sinótico
Quadro sinóticoQuadro sinótico
Quadro sinótico
 
Dissertação de adriana arrigoni na ufrj em 2012
Dissertação de adriana arrigoni na ufrj em 2012Dissertação de adriana arrigoni na ufrj em 2012
Dissertação de adriana arrigoni na ufrj em 2012
 
Impostos Estaduais - ICMS, IPVA, ITCMD
Impostos Estaduais - ICMS, IPVA, ITCMDImpostos Estaduais - ICMS, IPVA, ITCMD
Impostos Estaduais - ICMS, IPVA, ITCMD
 
Fluxograma Ilustrado TRIBUTOS
Fluxograma Ilustrado TRIBUTOSFluxograma Ilustrado TRIBUTOS
Fluxograma Ilustrado TRIBUTOS
 
Sistema Tributário Nacional
Sistema Tributário NacionalSistema Tributário Nacional
Sistema Tributário Nacional
 

Semelhante a 1. especies tributarias[1]

Nsl02 impostos e tributos
Nsl02   impostos e tributosNsl02   impostos e tributos
Nsl02 impostos e tributos
Viviane Danieleski
 
Impostos 02
Impostos 02Impostos 02
Impostos 02
razonetecontabil
 
APRESENTAÇÃO CAPÍTULO 3 - TRIBUTO.ppt
APRESENTAÇÃO CAPÍTULO 3 - TRIBUTO.pptAPRESENTAÇÃO CAPÍTULO 3 - TRIBUTO.ppt
APRESENTAÇÃO CAPÍTULO 3 - TRIBUTO.ppt
HumbertoAlmeida25
 
463 120611 oab_2011_3_projeto_uti_60_h__direito_tributario_aula_01
463 120611 oab_2011_3_projeto_uti_60_h__direito_tributario_aula_01463 120611 oab_2011_3_projeto_uti_60_h__direito_tributario_aula_01
463 120611 oab_2011_3_projeto_uti_60_h__direito_tributario_aula_01
Junior Jordao
 
Slides Direito Tributário - revisao trf 2
Slides  Direito Tributário -  revisao trf 2Slides  Direito Tributário -  revisao trf 2
Slides Direito Tributário - revisao trf 2
Fabio Dutra
 
Workshop direitos tributário
Workshop direitos tributário Workshop direitos tributário
Workshop direitos tributário
Carlos Rocha
 
Práticas Tributárias - Aulas 1 e 2
Práticas Tributárias - Aulas 1 e 2Práticas Tributárias - Aulas 1 e 2
Práticas Tributárias - Aulas 1 e 2
Wandick Rocha de Aquino
 
Aula 01
Aula 01Aula 01
Direito Tributário
Direito TributárioDireito Tributário
Direito Tributário
marcelafroner
 
Apostila direito tributario
Apostila direito tributarioApostila direito tributario
Apostila direito tributario
custos contabil
 
Direito Tributario
Direito TributarioDireito Tributario
Direito Tributario
otony1ccn1
 
Gestão Tributária unidade I e II.ppt
Gestão Tributária unidade I e II.pptGestão Tributária unidade I e II.ppt
Gestão Tributária unidade I e II.ppt
JonathasAtaides
 
Resumo contabilidade tributaria 01
Resumo contabilidade tributaria 01Resumo contabilidade tributaria 01
Resumo contabilidade tributaria 01
custos contabil
 
ICMS - Base de Cálculos e Alíquotas
ICMS - Base de Cálculos e AlíquotasICMS - Base de Cálculos e Alíquotas
ICMS - Base de Cálculos e Alíquotas
Sacha Calmon Misabel Derzi - Consultores e Advogados
 
DIREITO TRIBUTÁRIO
DIREITO TRIBUTÁRIODIREITO TRIBUTÁRIO
DIREITO TRIBUTÁRIO
URCAMP
 
Resumo contabilidade tributaria 01
Resumo contabilidade tributaria 01Resumo contabilidade tributaria 01
Resumo contabilidade tributaria 01
apostilacontabil
 
Resumo trib-0001
Resumo trib-0001Resumo trib-0001
Resumo trib-0001
zeramento contabil
 
Plan trib
Plan tribPlan trib
DireitoTributário – Imunidades e Isenções – 3º setor - Cebas
DireitoTributário – Imunidades e Isenções – 3º setor - CebasDireitoTributário – Imunidades e Isenções – 3º setor - Cebas
DireitoTributário – Imunidades e Isenções – 3º setor - Cebas
Instituto Comunitário Grande Florianópolis
 
3 - Limita-se ao Poder de Tributar
3 - Limita-se ao Poder de Tributar3 - Limita-se ao Poder de Tributar
3 - Limita-se ao Poder de Tributar
Jessica Namba
 

Semelhante a 1. especies tributarias[1] (20)

Nsl02 impostos e tributos
Nsl02   impostos e tributosNsl02   impostos e tributos
Nsl02 impostos e tributos
 
Impostos 02
Impostos 02Impostos 02
Impostos 02
 
APRESENTAÇÃO CAPÍTULO 3 - TRIBUTO.ppt
APRESENTAÇÃO CAPÍTULO 3 - TRIBUTO.pptAPRESENTAÇÃO CAPÍTULO 3 - TRIBUTO.ppt
APRESENTAÇÃO CAPÍTULO 3 - TRIBUTO.ppt
 
463 120611 oab_2011_3_projeto_uti_60_h__direito_tributario_aula_01
463 120611 oab_2011_3_projeto_uti_60_h__direito_tributario_aula_01463 120611 oab_2011_3_projeto_uti_60_h__direito_tributario_aula_01
463 120611 oab_2011_3_projeto_uti_60_h__direito_tributario_aula_01
 
Slides Direito Tributário - revisao trf 2
Slides  Direito Tributário -  revisao trf 2Slides  Direito Tributário -  revisao trf 2
Slides Direito Tributário - revisao trf 2
 
Workshop direitos tributário
Workshop direitos tributário Workshop direitos tributário
Workshop direitos tributário
 
Práticas Tributárias - Aulas 1 e 2
Práticas Tributárias - Aulas 1 e 2Práticas Tributárias - Aulas 1 e 2
Práticas Tributárias - Aulas 1 e 2
 
Aula 01
Aula 01Aula 01
Aula 01
 
Direito Tributário
Direito TributárioDireito Tributário
Direito Tributário
 
Apostila direito tributario
Apostila direito tributarioApostila direito tributario
Apostila direito tributario
 
Direito Tributario
Direito TributarioDireito Tributario
Direito Tributario
 
Gestão Tributária unidade I e II.ppt
Gestão Tributária unidade I e II.pptGestão Tributária unidade I e II.ppt
Gestão Tributária unidade I e II.ppt
 
Resumo contabilidade tributaria 01
Resumo contabilidade tributaria 01Resumo contabilidade tributaria 01
Resumo contabilidade tributaria 01
 
ICMS - Base de Cálculos e Alíquotas
ICMS - Base de Cálculos e AlíquotasICMS - Base de Cálculos e Alíquotas
ICMS - Base de Cálculos e Alíquotas
 
DIREITO TRIBUTÁRIO
DIREITO TRIBUTÁRIODIREITO TRIBUTÁRIO
DIREITO TRIBUTÁRIO
 
Resumo contabilidade tributaria 01
Resumo contabilidade tributaria 01Resumo contabilidade tributaria 01
Resumo contabilidade tributaria 01
 
Resumo trib-0001
Resumo trib-0001Resumo trib-0001
Resumo trib-0001
 
Plan trib
Plan tribPlan trib
Plan trib
 
DireitoTributário – Imunidades e Isenções – 3º setor - Cebas
DireitoTributário – Imunidades e Isenções – 3º setor - CebasDireitoTributário – Imunidades e Isenções – 3º setor - Cebas
DireitoTributário – Imunidades e Isenções – 3º setor - Cebas
 
3 - Limita-se ao Poder de Tributar
3 - Limita-se ao Poder de Tributar3 - Limita-se ao Poder de Tributar
3 - Limita-se ao Poder de Tributar
 

Mais de Jessica Namba

6 - Crédito Tributário
6 - Crédito Tributário6 - Crédito Tributário
6 - Crédito Tributário
Jessica Namba
 
4 - Obrigação Tributária
4 - Obrigação Tributária4 - Obrigação Tributária
4 - Obrigação Tributária
Jessica Namba
 
2 - Competência Tributária
2 - Competência Tributária2 - Competência Tributária
2 - Competência Tributária
Jessica Namba
 
Texto BC2
Texto BC2Texto BC2
Texto BC2
Jessica Namba
 
Texto bb4
Texto bb4Texto bb4
Texto bb4
Jessica Namba
 
A crise de 2008 - Krugman
A crise de 2008 - KrugmanA crise de 2008 - Krugman
A crise de 2008 - Krugman
Jessica Namba
 
1 - Espécies Tributárias
1 - Espécies Tributárias1 - Espécies Tributárias
1 - Espécies Tributárias
Jessica Namba
 

Mais de Jessica Namba (7)

6 - Crédito Tributário
6 - Crédito Tributário6 - Crédito Tributário
6 - Crédito Tributário
 
4 - Obrigação Tributária
4 - Obrigação Tributária4 - Obrigação Tributária
4 - Obrigação Tributária
 
2 - Competência Tributária
2 - Competência Tributária2 - Competência Tributária
2 - Competência Tributária
 
Texto BC2
Texto BC2Texto BC2
Texto BC2
 
Texto bb4
Texto bb4Texto bb4
Texto bb4
 
A crise de 2008 - Krugman
A crise de 2008 - KrugmanA crise de 2008 - Krugman
A crise de 2008 - Krugman
 
1 - Espécies Tributárias
1 - Espécies Tributárias1 - Espécies Tributárias
1 - Espécies Tributárias
 

Último

17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
Estuda.com
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
SheylaAlves6
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Falcão Brasil
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
valdeci17
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Falcão Brasil
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
Manuais Formação
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Falcão Brasil
 
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdfA Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
Falcão Brasil
 
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIALA GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
ArapiracaNoticiasFat
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
Falcão Brasil
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Luiz C. da Silva
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
principeandregalli
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
Ceiça Martins Vital
 
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdfO Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
Falcão Brasil
 

Último (20)

17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
 
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdfA Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
 
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIALA GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
 
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdfO Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
 
Festa dos Finalistas .
Festa dos Finalistas                    .Festa dos Finalistas                    .
Festa dos Finalistas .
 

1. especies tributarias[1]

  • 1. SISTEMA TRIBUTÁRIO NACIONAL TRIBUTO: CONCEITO E ESPÉCIES Profa. Helane Cabral
  • 2. 1. CONCEITO DE TRIBUTO Conceito de Tributo - art. 3º. do CTN Tributo é toda prestação pecuniária compulsória, em moeda ou cujo valor nela se possa exprimir, que não constitua sanção de ato ilícito, instituída em lei e cobrada mediante atividade administrativa plenamente vinculada.
  • 3. 1.1. ELEMENTOS DO CONCEITO a)Toda prestação pecuniária. Cuida-se de prestação tendente a assegurar ao Poder Público os meios financeiros necessários para a realização de seus objetivos.
  • 4. b) Compulsória O pagamento da prestação é obrigatória, caracterizada pela ausência do elemento vontade no momento de pagar. O dever de pagar tributo nasce independentemente da vontade do contribuinte.
  • 5. c) Em moeda ou cujo valor nela se possa exprimir O conteúdo da prestação tributária é expresso em moeda. Não se admite a instituição de tributo in natura (expresso em unidade de bens diversos do dinheiro) ou in labore (expresso em unidade de serviços). O conteúdo da prestação tributária é expresso em moeda. A LC nº 104/01 admite a dação em pagamento em bens imóveis, na forma e condições previstas em lei. Em São Paulo a Lei nº 13.259/01 regulamenta a matéria.
  • 6. d) Que não constitua sanção de ato ilícito A hipótese de incidência tributária é sempre um comportamento lícito. O tributo não se confunde com a penalidade. Dos fatos ilícitos nascem as multas e outros consequências punitivas, que não configuram tributo. Não se conclua que um rendimento auferido em atividade ilícita não está sujeito ao tributo (Princípio do non olet). O fato gerador pode ocorrer em circunstâncias ilícitas. A lei não pode incluir na hipótese de incidência tributária o elemento ilicitude. São cabíveis as deduções, na base de cálculo do IR, das quantias pagas ilicitamente.
  • 7. e) Instituída em lei Como decorrência natural do princípio da legalidade, somente a lei pode instituir o tributo. É o princípio da reserva legal, ressalvadas as exceções prevista na Constituição Federal. Instituir um tributo significa definir a hipótese de incidência, os sujeitos ativos e passivos da obrigação correspondente, a base de cálculo e a alíquota. Estes são os elementos do tributo.
  • 8. f) Cobrada mediante atividade administrativa plenamente vinculada Atividade vinculada é aquela em cujo desempenho a autoridade administrativa não dispõe de liberdade decisória para apreciar se deve ou não realizar a cobrança do tributo. Dada a ocorrência da hipótese de incidência tributária nasce, para o agente público, o dever de agir, conforme a lei. A cobrança deve ser feita na oportunidade, pela forma e meios estabelecidos na lei, sem que à autoridade caiba decidir se cobra ou deixa de cobrar o tributo.
  • 9. 2. ESPÉCIES DE TRIBUTO - Imposto - Taxa - Contribuição de melhoria - Contribuições sociais - Empréstimos compulsórios
  • 10. 2.1. Imposto É o tributo cuja obrigação tem por fato gerador uma situação independente de qualquer atividade estatal específica, relativa ao contribuinte. É uma exação não vinculada. A prestação patrimonial do contribuinte do imposto é unilateral, pois não faz nascer para o ente tributante qualquer dever específico em relação ao contribuinte. O fato gerador do dever de pagar é uma situação é uma situação da vida do contribuinte, relacionada ao seu patrimônio.
  • 11. Classificação dos impostos a)Imposto direto: são aqueles cuja carga econômica é suportada exclusivamente pelo contribuinte. Ex: IR e IPVA b) Imposto indireto: são aqueles cuja carga financeira não é suportada pelo contribuinte, mas por terceira pessoa. Ex: IPI – o contribuinte é o industrial, que fica obrigado a recolher o respectivo valor, mas pode vir a ser ressarcido (financeiramente) por ocasião do pagamento do preço pelo adquirente.
  • 12. c) Imposto pessoal Quando a quantificação do tributo decorre de condições peculiares ao contribuinte. Ex: IR – a carga tributária será menor na medida em que a pessoa física tenha efetuado maior volume de gastos com saúde, educação etc. d) Imposto real: quando o montante do tributo leva em conta o valor da coisa, como é o caso do IPTU.
  • 13. IMPOSTOS FEDERAIS 1. Imposto de importação de produtos estrangeiros 2. Imposto de exportação, para o exterior, de produtos nacionais ou nacionalizados 3. Imposto de renda e proventos de qualquer natureza 4. Imposto de produtos industrializados 5. Imposto de operações de crédito, câmbio e seguro, ou relativas a títulos ou valores mobiliários. 6. Imposto sobre a propriedade territorial rural 7. Imposto sobre grandes fortunas, nos termos de lei complementar
  • 14. IMPOSTOS ESTADUAIS E DISTRITAIS 1. Imposto causa mortis e doação, de quaisquer bens ou direitos 2. Imposto sobre operações relativas à circulação de mercadorias e sobre prestações de serviços de transporte interestadual e intermunicipal e de comunicação, ainda que as operações e as prestações se iniciem no exterior. 3. Imposto sobre a propriedade de veículos automotores
  • 15. IMPOSTOS MUNICIPAIS E DISTRITAIS 1.Imposto sobre a propriedade predial e territorial urbana 2. transmissão inter vivos, a qualquer título, por ato oneroso, de bens imóveis, por natureza ou acessão física, e de direitos reais sobre imóveis, exceto os de garantia, bem como cessão de direitos a sua aquisição 3. Imposto sobre serviços de qualquer natureza, não compreendidos no art. 155, II, definidos em lei complementar
  • 16. 2.2. TAXA É um tributo cujo fato gerador decorre: a) Da prestação de serviços públicos específicos e divisíveis, prestados ao contribuinte ou postos à sua disposição; ou b) Do exercício regular do poder de polícia.
  • 17. a) Configuração serviço público gerador da taxa. Art. 79, do CTN: I – utilizados pelo contribuinte: a) efetivamente, quando por ele usufruído a qualquer título; b) potencialmente, quando, sendo de utilização compulsória, sejam postos à sua disposição mediante atividade administrativa em efetivo funcionamento.
  • 18. II – específicos, quando possam ser destacados em unidade autônomas de intervenção, de utilidade ou de necessidades públicas; III – divisíveis, quando suscetíveis de utilização, separadamente, por parte de cada um dos seus usuários.
  • 19. Os serviços públicos podem ser: GERAIS: são prestados indistintamente a todos os indivíduos. De regra custeados por impostos. Ex: segurança pública, saúde e educação. ESPECÍFICOS: são de utilização individual e mensurável; avalia-se a utilização efetiva ou potencial, individualmente considerada. Ex: serviços de telefonia, água potável, gás canalizado, energia elétrica, transporte coletivo.
  • 20. IMPORTANTE Os serviços remunerados por taxas são aqueles que o contribuinte frui isoladamente. Ex: certidão, fornecimento de água, luz etc. Os serviços indivisíveis são reembolsados por impostos. Ex: segurança pública, defesa externa do país etc A taxa pela indisponibilidade do serviço só é exigível quando o serviço público é obrigatório por lei. Ex: coleta de esgoto, identificação, enterramento de mortos, internação de loucos, remoção de lixo etc.
  • 21. Jurisprudência Súmula 157, STJ. É ilegítima a cobrança de taxa, pelo Município, na renovação de licença para localização de estabelecimento comercial ou industrial. Taxa de licença de publicidade. Base de cálculo. A taxa de licença de publicidade não pode ter base de cálculo “o espaço ocupado pelo anúncio na fachada externa do estabelecimento”, porque o trabalho de fiscalização independe do tamanho da placa de publicidade (CTN, art. 78).
  • 22. b) Poder de polícia: art. 78, CTN “É a atividade da Administração Pública que, limitando ou disciplinando o direito, interesse ou liberdade, regula a prática de ato ou abstenção de fato, em razão de interesse público concernente à segurança, à higiene, à ordem, aos costumes, à disciplina da produção e do mercado, ao exercício de atividades econômicas dependentes de concessão ou autorização do Poder Público, à tranquilidade pública ou ao respeito à propriedade e aos direitos individuais ou coletivos”.
  • 23. IMPORTANTE A taxa de polícia pressupõe o efetivo exercício de atividades e diligências em favor do contribuinte, removendo-lhe obstáculos jurídicos, mantendo-os, fiscalizando a licença que foi concedida. O exercício regular de polícia se consubstancia no ALVARÁ.
  • 24. Distinção entre taxa e preço público O preço é derivado de um contrato firmado entre as partes, consensualmente, cujas cláusulas obrigacionais não podem ser alteradas unilateralmente por qualquer dos contratantes. Remunera a exploração de atividade, enquanto que a taxa remunera os serviços públicos. Súmula 545 do STF: “Preços de serviços públicos e taxas não se confundem, porque estas, diferentemente daqueles, são compulsórias e têm sua cobrança condicionada à prévia autorização orçamentária, em relação à lei que as instituiu”.
  • 25. CONCLUSÃO A taxa é a remuneração de uma atividade vinculada ao Poder Público (serviço público, específico e divisível, efetivo ou potencial, incluindo-se o poder de polícia), regendo-se pelo princípio da retributividade. A taxa não pode ter fato gerador e base de cálculo próprios de impostos. Ex: a taxa de licença para funcionamento de um imóvel comercial não pode ser calculado sobre o valor venal da propriedade.
  • 26. TAXAS EXISTENTES NO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO 1. Taxa de Fiscalização de Estabelecimentos 2. Taxa de Fiscalização de Anúncios 3. Taxa de Resíduos Sólidos de Serviços de Saúde (TRSS)
  • 27. 2.3. Contribuição de melhoria a)Sujeito ativo: União – Estados – DF – Município b) Hipótese de incidência: a valorização imobiliária causada por obra pública, tendo como base de cálculo a „valorização‟ (diferença positiva de valor de um imóvel antes e depois da obra) decorrente da obra pública. c) Aspecto material é composta de: c1) realização de obra pública acrescida da c2) valorização ou benefício para os imóveis sitos na área de influência da obra.
  • 28. d) Base de cálculo: d1) É o custo da obra, debitável a contribuinte, ou d2) A valorização específica que da obra resultar para o imóvel do contribuinte. e) Sujeito passivo: o proprietário do imóvel
  • 29. IMPORTANTE 1. Por obra se compreende: a construção, edificação, reparação, ampliação ou manutenção de um bem imóvel, pertencente ou incorporado ao patrimônio público. 2. A obrigação cometida ao proprietário do imóvel só pode ser exigida quando realizada a obra pública e configurada a valorização do bem. 3. A valorização do imóvel sem vinculação com a obra pública implica na cobrança do IPTU e ITR. 4. O gabarito da contribuição de melhoria é sempre a valorização, não importando o custo da obra. 5. Deve haver proporcionalidade ao benefício especial recebido pelo proprietário do imóvel em decorrência da obra pública.
  • 30. JURISPRUDÊNCIA DO STJ “Tributário. Contribuição de melhoria. 1. A entidade tributante ao exigir o pagamento de contribuição de melhoria tem de demonstrar o amparo das seguintes circunstâncias: a) a exigência fiscal decorre de despesas decorrentes de obra pública; b) a obra pública provocou a valorização do imóvel; c) a base de cálculo é a diferença entre dois momentos: o primeiro, o valor do imóvel antes da obra ser iniciada; o segundo, o valor do imóvel após a conclusão da obra. 2. É da natureza da contribuição de melhoria a valorização imobiliária. 3. Recurso improvido (REsp 169.131-SP, 1ª Turma, Rel. Min. José Delgado,)
  • 31. 2.4. EMPRÉSTIMO COMPULSÓRIO É uma prestação em dinheiro que, exigida por Lei Complementar, que a União coativamente exige das pessoas que praticam certos fatos lícitos descritos na própria Lei. São tributos, por isso todas as regras pertinentes à instituição e cobrança tributária devem ser observadas. Trata-se de tributo com cláusula de restituição.
  • 32. Hipóteses de cabimento: •Para atender despesas extraordinárias decorrentes de calamidade pública, de guerra externa ou sua iminência; •Em casos de investimento público de caráter urgente e de relevante interesse nacional, respeitada a anterioridade. A calamidade pública, a guerra e o investimento público condicionam o exercício da competência tributária e direcionam a aplicação do produto arrecadado, mas a Lei que o instituir definirá o fato gerador.
  • 33. IMPORTANTE a) Sujeito ativo: a União. b) Instrumento de criação: Lei Complementar. c) Se for instituído para atender despesas extraordinárias pode ser cobrado imediatamente a sua instituição, sem respeito ao princípio da anterioridade. d) A Lei criadora do empréstimo deve estabelecer, de modo específico e exaustivo, as condições de restituição do valor mutuado, de maneira a se recompor o patrimônio do contribuinte em sua situação original.
  • 34. 2.5. Contribuições Sociais A Constituição Federal, em seu art. 149, atribui à União competência para criar contribuições especiais, observado: •Criação por Lei Complementar; •Princípio da irretroatividade e •Princípio da anterioridade especial.
  • 35. Contribuições sociais A CF não apontou a regra-matriz das contribuições, mas indicou as finalidades que devem ser alcançadas, logo a União está autorizada a instituir tais contribuições, desde que não invada a competência dos demais entes federativos. Deve-se respeitar o princípio da reserva das competências tributárias e os direitos dos contribuintes. Podem ser de três espécies:
  • 36. a) Contribuições de intervenção no domínio econômico • Finalidade interventiva • Função extrafiscal (intervir no setor econômico) • Os recursos arrecadados destinam-se ao financiamento da atividade estatal interventiva. • Devem obedecer ao princípio da anterioridade especial • Ao ser criada, deve-se respeitar os princípios da ordem econômica; • Só podem atingir setores delimitados da atividade econômica; • Para serem válidas, deverão ser instituídas, lançadas e cobradas em consonância com o regime jurídico constitucional tributário;
  • 37. IMPORTANTE Para a caracterização da contribuição de intervenção no domínio econômico é necessário o efeito produzido pela própria contribuição e o destino do produto de sua arrecadação ao financiamento da atividade estatal interventiva. •SUJEITO PASSIVO: apenas os envolvidos com a exploração da atividade econômica que se pretende disciplinar; •BASE DE CÁLCULO E ALÍQUOTA: deverá corresponder à indenização a que os entes federativos fariam jus pelos danos sofridos em decorrência da exploração da atividade econômica.
  • 38. b) Contribuições de interesse de categorias profissionais ou econômicas São contribuições profissionais instituídas em favor de categorias profissionais ou econômicas e vinculam-se a entidades representativas desses segmentos sociais.
  • 39. c) Contribuições de seguridade social A competência é da União, Estados, Distrito Federal e Municípios para custeio de sistemas de Previdência e Assistência Social de seus servidores. Fora dessas hipóteses somente a União pode instituí-las. São vinculadas à finalidade dos recursos que geram e integram a receita da entidade estatal responsável pelas ações relativas à seguridade social.
  • 40. IMPORTANTE • Têm função pararafiscal; • Devem obedecer ao princípio da anterioridade especial (90 dias); • Quando exigida dos empregadores e trabalhadores reveste a natureza de tributo (imposto e taxa, respectivamente); • Tem por finalidade o custeio do sistema da seguridade social; • Para serem válidas, deverão ser criadas e aumentadas por meio de lei ordinária, salvo quando incidentes sobre outros fatos econômicos (art. 195, 4º, CF); • SUJEITO PASSIVO: os empregadores, os trabalhadores (bem como os administradores de concursos de prognósticos) • O SUJEITO ATIVO: pessoa a quem caiba administrar a seguridade social