SlideShare uma empresa Scribd logo
EXTINÇÃO E EXCLUSÃO DO CRÉDITO TRIBUTÁRIO Profª. Helane Cabral
I – DA EXTINÇÃO DO CRÉDITO TRIBUTÁRIO É o desaparecimento de crédito, nas hipóteses previstas na lei. Pode ocorrer a extinção de um crédito sem a extinção da obrigação, desde que a causa extintiva tenha afetado apenas a formalização do crédito.  Ex: erro no lançamento, que pode ser revisado.
1. PAGAMENTO : noções gerais É a extinção do crédito mediante a entrega de dinheiro. A imposição de penalidade não afasta o pagamento integral do crédito tributário. Todos os valores legalmente exigidos (tributo, multa, juros, correção monetária) constituem o montante do crédito, que se extinguirá no momento em que for integralmente liquidado. O pagamento de um crédito não implica em presunção de pagamento: I - quando parcial, das prestações em que se componha; II – quando total, de outros créditos referentes ao mesmo ou a outros tributos.
Regras importantes sobre o pagamento a) Local do pagamento : é a repartição competente do domicílio do sujeito passivo, salvo quando a legislação tributária não dispuser a respeito. A Fazenda pode estipular que o pagamento possa ser realizado em local diverso.  (Pagamento em bancos, por exemplo)
b) Prazo para pagamento É fixado em lei do ente competente (discricionariedade) e se inexistir tal previsão, é de 30 dias, a contar da notificação do lançamento. Não existe a determinação de um limite mínimo de tempo para a referida liquidação, que pode ser realizado tanto no dia da ocorrência do fato gerador, como dentro de qualquer outro período de tempo (5, 10, 60 dias da ocorrência do fato gerador). A data de vencimento do crédito não é elemento constitutivo do tributo. A consulta formulada pelo contribuinte dentro do prazo de pagamento, enquanto pendente de resposta, impede a incidência de multa ou juros de mora.
c) Forma de pagamento Deve ser em dinheiro, cheque ou vale postal. Se existirem 2 ou mais débitos do mesmo contribuinte para o mesmo ente tributante, paga-se : 1.  Primeiro  os débitos por obrigação própria e em segundo lugar os decorrentes de responsabilidade tributária; 2.  Primeiro  as contribuições de melhoria, depois taxas e depois os impostos; 3. Na ordem crescente dos prazos de prescrição; 4. Na ordem decrescente dos montantes.
1.2. Consignação em pagamento É o depósito, em juízo, do valor do crédito visando sua liquidação, nas seguintes situações. a) Recusa de recebimento, ou subordinação deste ao pagamento de outro tributo ou penalidade, ou ao cumprimento de obrigação acessória. Ex: o Fisco se recusa a receber o IPTU sob a alegação de que o contribuinte é devedor do ISS.
1.2. Consignação em pagamento b) Subordinação do recebimento do tributo ao cumprimento de exigências administrativas sem fundamento legal. Ex: negativa do recebimento do IR pelo fato de o contribuinte não haver comunicado sua situação bancária (protegida pelo sigilo de dados).
1.2. Consignação em pagamento c) exigência, por mais de uma pessoa jurídica de direito público (União, Estados, DF e Municípios), de tributo idêntico, sobre o mesmo fato gerador. Ex: Dois Municípios exigem o IPTU relativo a um mesmo imóvel; Estado e Município cobrarem ICMS e ISS referentes a um único negócio jurídico (fornecimento de argamassa)
Regras sobre a consignação em pagamento 1.  Julgada procedente a ação : o pagamento se reputa efetuado e a importância consignada é convertida em renda. Neste caso ocorre o efetivo pagamento do crédito. 2.  Julgada improcedente a ação de consignação no todo ou em parte : cobrar-se-á o crédito acrescido de juros  de mora, sem prejuízo das penalidades cabíveis.  Neste caso o Fisco pode promover o lançamento dos tributos devidos, em razão de positivar a liquidez e a certeza do crédito e não poderá utilizar-se do valor depositado para satisfazer o crédito tributário.
1.3. Repetição de pagamento indevido ou repetição de indébito: hipóteses Refere-se ao ressarcimento de valores que foram indevidamente recolhidos aos cofres públicos, fundado no locupletamento.  Independe de prévio protesto. a) Cobrança ou pagamento espontâneo do tributo indevido ou maior que o devido em face da legislação tributária aplicável, ou da natureza ou circunstâncias materiais do fato gerador efetivamente ocorrido. Ex: recolhimento do ICMS em meras transferências de bens entre estabelecimentos da mesma empresa.
1.3. Repetição de pagamento indevido ou repetição de indébito: hipóteses b) Erro na identificação do sujeito passivo, na determinação da alíquota aplicável, no cálculo do montante do débito ou na elaboração ou conferência de qualquer documento relativo ao pagamento. Ex: aplicação de alíquota superior à legalmente prevista. c) reforma, anulação, revogação ou rescisão de decisão condenatória.
Regras sobre a repetição de indébito 1. Nos tributos indiretos, a restituição somente será feita a quem prove ter assumido o encargo ou estar autorizado pelo terceiro a recebê-la. 2. As multas e os juros indevidos também são restituíveis. 3. Sobre o montante restituível do tributo, juros ou multa incidirão juros moratórios, de 1% ao mês, (se a lei não dispuser de modo diferente) a partir do trânsito em julgado da sentença. 4. A correção monetária incide desde o pagamento indevido até a efetiva restituição.
Regras sobre a repetição de indébito 5. No âmbito federal, o valor restituído deve ser calculado com base na variação da taxa Selic (que inclui juros e atualização monetária) desde o pagamento indevido até a efetiva restituição. 6. A restituição deve ser pleiteada no prazo de 5 anos, contados da extinção do crédito ou da data em que se tornar definitiva a decisão judicial ou administrativa reconhecendo ser indevida a cobrança. 7. O contribuinte pode optar pela restituição do valor indevido ou pela compensação, desde que esta esteja autorizada por lei.
2. Compensação : É o encontro de contas. Se o contribuinte é credor da Fazenda Pública poderá ocorrer uma compensação para que seja extinto o crédito. O CTN admite a compensação do crédito tributário com créditos líquidos e certos, vencidos ou vincendos do contribuinte contra a Fazenda Pública.
Regras sobre a compensação 1. Para fins de cálculos, admite-se a redução do crédito vincendo do contribuinte em até 1% ao mês. 2. Podem ser utilizados na compensação as prestações anuais decorrentes dos precatórios sujeitos a parcelamento e que não foram liquidadas até o final do exercício a que se referem. 3. A compensação do crédito tributário não pode ser deferida por liminar ou antecipação de tutela, mas é possível via Mandado de Segurança. 4. Não se admite a compensação mediante o aproveitamento de tributo objeto de contestação judicial pendente de solução definitiva.
3. Transação Presume concessões recíprocas dos sujeitos ativo e passivo da obrigação tributária. Deve ser autorizada por lei, que autoriza a autoridade administrativa a celebrar o acordo em cada caso.
4. Remissão  Significa o perdão total ou parcial do crédito tributário. O ato de remir é formalizado pela autoridade administrativa após autorização de lei, nas seguintes hipóteses: a) situação econômica do sujeito passivo; b) Erro ou ignorância escusáveis do sujeito passivo; c) Diminuta importância do crédito d) Aplicação do princípio da equidade e) Condições peculiares da região.
5. Decadência do direito de lançar Ocorre quando o Fisco não constitui o crédito tributário (mediante o lançamento) no prazo legal (5 anos). O prazo é contado do primeiro dia do exercício àquele em que o lançamento poderia ter sido efetuado ou da data em que se tornar definitiva a decisão que houver anulado, por vício formal, o lançamento anteriormente efetuado. Se o lançamento for por homologação, conta-se o prazo da entrega da declaração e não há decadência. Com o não pagamento inicia-se o prazo prescricional. Em caso de fraude, dolo ou simulação, tratando-se de lançamento por homologação, o prazo decadencial conta-se após decorridos 5 anos da ocorrência do fato gerador, acrescidos de mais 5 anos (regra do 5 + 5).
6. Prescrição Ocorre quando o Fisco perde o direito de  cobrar  judicialmente o crédito tributário pelo decurso do tempo. A prescrição pode ser interrompida ou suspensa. Causas de interrupção: citação do devedor em processo judicial; protesto judicial; qualquer ato judicial que constitua o devedor em mora; qualquer ato inequívoco  do reconhecimento da dívida pelo devedor. A interrupção da prescrição em relação à pessoa jurídica atinge o seu responsável solidário ou substituto.
7. Conversão do depósito em renda  Ocorre quando o contribuinte perde a ação na qual se deu o depósito e o valor é convertido em favor da Fazenda Pública, independentemente da execução fiscal.
8. Pagamento antecipado Ocorre no lançamento por homologação, quando o contribuinte apura e paga o montante do tributo ao Fisco.  Se a Fazenda Pública nada reclamar em 5 anos, ocorre a homologação e a extinção do crédito tributário.
9. Consignação judicial em pagamento Normalmente ocorre quando o tributo é cobrado por mais de um ente tributante ou nas hipóteses de recusa injustificada do recebimento do crédito. Os depósitos efetivados tempestivamente impedem a incidência de multa ou de juros moratórios.
10. Decisão administrativa irreformável e que não possa mais ser objeto de ação anulatória  São decisões proferidas normalmente em recursos do contribuinte junto ao Fisco.  Fazem coisa julgada contra a Fazenda Pública. Se a decisão for favorável ao contribuinte desconstituirá o lançamento e operará a extinção do crédito tributário, sendo discutível o ajuizamento de ação pela Fazenda.
11. Decisão judicial transitada em julgado e que reconheceu a inexistência da obrigação O crédito tributário poderá ser objeto de questionamento judicial tanto pelo contribuinte (via Mandado de Segurança, Ações Declaratória, Anulatória, Consignatória e Repetição de Indébito), como pelo Fisco (Execução Fiscal), que culminará com uma decisão definitiva, encerrando o litígio entre as partes.
I I – DA EXCLUSÃO DO CRÉDITO TRIBUTÁRIO Excluir o crédito tributário significa impedir que ele se constitua, mas não impede o cumprimento das obrigações acessórias. São hipóteses de exclusão do crédito tributário:  1. Isenção: exclui o crédito 2. Anistia: exclui a multa
1. Isenção: regras gerais É concedida pelo ente competente para instituir o tributo; Deve ser prevista em lei, mesmo aquelas contratuais; A iniciativa da lei é do Chefe do Executivo, pois a isenção é matéria afeta ao orçamento; Uma vez concedida,  a isenção se torna direito adquirido e sua revogação deve se sujeitar ao princípio da anterioridade.
2. Anistia: regras gerais É a exclusão do crédito em relação às penalidades pecuniárias, em especial as multas.  Não exclui o tributo. Só atinge as infrações cometidas antes da lei que a concede, por isso é projetada para trás. Não se aplica aos atos qualificados como crimes ou contravenções, e nem aos praticados com dolo, fraude ou simulação. Pode ser geral (abrange todas as infrações anteriores à sua concessão)  ou limitada (condicionada ao cumprimento de uma obrigação)

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Direito Tributário
Direito TributárioDireito Tributário
Direito Tributário
Superprovas Software
 
Títulos de Crédito
Títulos de CréditoTítulos de Crédito
Títulos de Crédito
Antonio Ap. Moro Junior
 
Aula Direito Tributário
Aula Direito TributárioAula Direito Tributário
Aula Direito Tributário
Grupo VAHALI
 
Aula constituição do crédito tributário damásio
Aula constituição do crédito tributário   damásioAula constituição do crédito tributário   damásio
Aula constituição do crédito tributário damásio
Julia De Menezes Nogueira
 
70 questões discursivas prontas de direito do trabalho parte geral
70 questões discursivas prontas de direito do trabalho parte geral70 questões discursivas prontas de direito do trabalho parte geral
70 questões discursivas prontas de direito do trabalho parte geral
EsdrasArthurPessoa
 
Aula 14 responsabilidade tributária
Aula 14   responsabilidade tributáriaAula 14   responsabilidade tributária
Aula 14 responsabilidade tributária
Christian Moura Matos
 
DIREITO TRIBUTÁRIO
DIREITO TRIBUTÁRIODIREITO TRIBUTÁRIO
DIREITO TRIBUTÁRIO
URCAMP
 
Aula iss faap
Aula iss  faapAula iss  faap
Direito Administrativo - Aula 6 - Contratos
Direito Administrativo - Aula 6 - Contratos Direito Administrativo - Aula 6 - Contratos
Direito Administrativo - Aula 6 - Contratos
Daniel Oliveira
 
Petição inicial trabalhista
Petição inicial trabalhistaPetição inicial trabalhista
Petição inicial trabalhista
NOELYSANTOS
 
Contribuições - INSS - Professor Leandro
Contribuições - INSS - Professor LeandroContribuições - INSS - Professor Leandro
Contribuições - INSS - Professor Leandro
Fabio Lucio
 
2012 aula guerra fiscal
2012 aula guerra fiscal2012 aula guerra fiscal
2012 aula guerra fiscal
Fernanda Moreira
 
Ibet ipi e iof - fabio calcini 26.05.2012
Ibet   ipi e iof - fabio calcini 26.05.2012Ibet   ipi e iof - fabio calcini 26.05.2012
Ibet ipi e iof - fabio calcini 26.05.2012
Jean Simei
 
Imposto sobre Produtos Industrializados - IPI
Imposto sobre Produtos Industrializados - IPIImposto sobre Produtos Industrializados - IPI
Imposto sobre Produtos Industrializados - IPI
Fabiana Del Padre Tomé
 
Aula 5 D.TRABALHO
Aula 5 D.TRABALHOAula 5 D.TRABALHO
Aula 5 D.TRABALHO
gsbq
 
Caderno de direitos difusos e coletivos
Caderno de direitos difusos e coletivosCaderno de direitos difusos e coletivos
Caderno de direitos difusos e coletivos
EsdrasArthurPessoa
 
Direito Do Trabalho
Direito Do TrabalhoDireito Do Trabalho
Direito Do Trabalho
jonatas avila
 
Aula dra. fabiana 23-08-14
Aula dra. fabiana   23-08-14Aula dra. fabiana   23-08-14
Aula dra. fabiana 23-08-14
Fernanda Moreira
 
Oro.extinção do crédito tributãrio damasio
Oro.extinção do crédito tributãrio damasioOro.extinção do crédito tributãrio damasio
Oro.extinção do crédito tributãrio damasio
Tacio Lacerda Gama
 
Sistema Tributário Nacional
Sistema Tributário NacionalSistema Tributário Nacional
Sistema Tributário Nacional
Antonio Pereira
 

Mais procurados (20)

Direito Tributário
Direito TributárioDireito Tributário
Direito Tributário
 
Títulos de Crédito
Títulos de CréditoTítulos de Crédito
Títulos de Crédito
 
Aula Direito Tributário
Aula Direito TributárioAula Direito Tributário
Aula Direito Tributário
 
Aula constituição do crédito tributário damásio
Aula constituição do crédito tributário   damásioAula constituição do crédito tributário   damásio
Aula constituição do crédito tributário damásio
 
70 questões discursivas prontas de direito do trabalho parte geral
70 questões discursivas prontas de direito do trabalho parte geral70 questões discursivas prontas de direito do trabalho parte geral
70 questões discursivas prontas de direito do trabalho parte geral
 
Aula 14 responsabilidade tributária
Aula 14   responsabilidade tributáriaAula 14   responsabilidade tributária
Aula 14 responsabilidade tributária
 
DIREITO TRIBUTÁRIO
DIREITO TRIBUTÁRIODIREITO TRIBUTÁRIO
DIREITO TRIBUTÁRIO
 
Aula iss faap
Aula iss  faapAula iss  faap
Aula iss faap
 
Direito Administrativo - Aula 6 - Contratos
Direito Administrativo - Aula 6 - Contratos Direito Administrativo - Aula 6 - Contratos
Direito Administrativo - Aula 6 - Contratos
 
Petição inicial trabalhista
Petição inicial trabalhistaPetição inicial trabalhista
Petição inicial trabalhista
 
Contribuições - INSS - Professor Leandro
Contribuições - INSS - Professor LeandroContribuições - INSS - Professor Leandro
Contribuições - INSS - Professor Leandro
 
2012 aula guerra fiscal
2012 aula guerra fiscal2012 aula guerra fiscal
2012 aula guerra fiscal
 
Ibet ipi e iof - fabio calcini 26.05.2012
Ibet   ipi e iof - fabio calcini 26.05.2012Ibet   ipi e iof - fabio calcini 26.05.2012
Ibet ipi e iof - fabio calcini 26.05.2012
 
Imposto sobre Produtos Industrializados - IPI
Imposto sobre Produtos Industrializados - IPIImposto sobre Produtos Industrializados - IPI
Imposto sobre Produtos Industrializados - IPI
 
Aula 5 D.TRABALHO
Aula 5 D.TRABALHOAula 5 D.TRABALHO
Aula 5 D.TRABALHO
 
Caderno de direitos difusos e coletivos
Caderno de direitos difusos e coletivosCaderno de direitos difusos e coletivos
Caderno de direitos difusos e coletivos
 
Direito Do Trabalho
Direito Do TrabalhoDireito Do Trabalho
Direito Do Trabalho
 
Aula dra. fabiana 23-08-14
Aula dra. fabiana   23-08-14Aula dra. fabiana   23-08-14
Aula dra. fabiana 23-08-14
 
Oro.extinção do crédito tributãrio damasio
Oro.extinção do crédito tributãrio damasioOro.extinção do crédito tributãrio damasio
Oro.extinção do crédito tributãrio damasio
 
Sistema Tributário Nacional
Sistema Tributário NacionalSistema Tributário Nacional
Sistema Tributário Nacional
 

Semelhante a 7 - Extinção do Crédito Tributário

6 - Crédito Tributário
6 - Crédito Tributário6 - Crédito Tributário
6 - Crédito Tributário
Jessica Namba
 
Direito Tributario.pdf
Direito Tributario.pdfDireito Tributario.pdf
Direito Tributario.pdf
MateusAlmeidaMachado
 
ENCERRAMENTO DAS ATIVIDADES DA EMPRESA
ENCERRAMENTO DAS ATIVIDADES DA EMPRESAENCERRAMENTO DAS ATIVIDADES DA EMPRESA
ENCERRAMENTO DAS ATIVIDADES DA EMPRESA
MARCO AURÉLIO BICALHO DE ABREU CHAGAS
 
Oro.extinção do crédito tributãrio damasio
Oro.extinção do crédito tributãrio damasioOro.extinção do crédito tributãrio damasio
Oro.extinção do crédito tributãrio damasio
Tacio Lacerda Gama
 
Aurora aula extincao do-credito_tributario-damasio
Aurora   aula extincao do-credito_tributario-damasioAurora   aula extincao do-credito_tributario-damasio
Aurora aula extincao do-credito_tributario-damasio
Julia De Menezes Nogueira
 
Resumao.doxc
Resumao.doxcResumao.doxc
Resumao.doxc
GabrielaVasconcelos
 
Claudio borba provas simuladas - cap. 13
Claudio borba   provas simuladas - cap. 13Claudio borba   provas simuladas - cap. 13
Claudio borba provas simuladas - cap. 13
israel688972
 
Exercicios creditos tributários
Exercicios creditos tributáriosExercicios creditos tributários
Exercicios creditos tributários
nandalobao
 
Eduardo tanaka inss leg previdenciario_apostila_material_6
Eduardo tanaka inss leg previdenciario_apostila_material_6Eduardo tanaka inss leg previdenciario_apostila_material_6
Eduardo tanaka inss leg previdenciario_apostila_material_6
EXATA2012
 
Decio porchat ect - aula 2
Decio porchat   ect - aula 2Decio porchat   ect - aula 2
Decio porchat ect - aula 2
Priscila Souza
 
Superendividamento - Gustavo Lopes (2).pdf
Superendividamento - Gustavo Lopes (2).pdfSuperendividamento - Gustavo Lopes (2).pdf
Superendividamento - Gustavo Lopes (2).pdf
GustavoSouza518649
 
A CONFISSÃO DE DÍVIDA PREVIDENCIÁRIA E SUAS CONSEQUENCIAS
A CONFISSÃO DE DÍVIDA PREVIDENCIÁRIA E SUAS CONSEQUENCIASA CONFISSÃO DE DÍVIDA PREVIDENCIÁRIA E SUAS CONSEQUENCIAS
A CONFISSÃO DE DÍVIDA PREVIDENCIÁRIA E SUAS CONSEQUENCIAS
MARCO AURÉLIO BICALHO DE ABREU CHAGAS
 
Aulas direito financeiro e tributario
Aulas   direito financeiro e tributarioAulas   direito financeiro e tributario
Aulas direito financeiro e tributario
Ana Carolina Vingert
 
Direito tributario simulado
Direito tributario simuladoDireito tributario simulado
Direito tributario simulado
Josue Guedes
 
Circular programa de regularização tributária somat contadores
Circular   programa de regularização tributária somat contadoresCircular   programa de regularização tributária somat contadores
Circular programa de regularização tributária somat contadores
Somat Contadores
 
Aula 17 09-14 - dra. marina vieira
Aula 17 09-14 - dra. marina vieiraAula 17 09-14 - dra. marina vieira
Aula 17 09-14 - dra. marina vieira
Fernanda Moreira
 
Prot. 1170 14 pl 030-2014 - estabelece normas para parcelamento de créditos...
Prot. 1170 14   pl 030-2014 - estabelece normas para parcelamento de créditos...Prot. 1170 14   pl 030-2014 - estabelece normas para parcelamento de créditos...
Prot. 1170 14 pl 030-2014 - estabelece normas para parcelamento de créditos...
ramonpeyroton
 
Prot. 1170 14 pl 030-2014 - estabelece normas para parcelamento de créditos...
Prot. 1170 14   pl 030-2014 - estabelece normas para parcelamento de créditos...Prot. 1170 14   pl 030-2014 - estabelece normas para parcelamento de créditos...
Prot. 1170 14 pl 030-2014 - estabelece normas para parcelamento de créditos...
ramonpeyroton
 
Legislacao tributaria comercial aula 12
Legislacao tributaria comercial    aula 12Legislacao tributaria comercial    aula 12
Legislacao tributaria comercial aula 12
custos contabil
 
Aula 08
Aula 08Aula 08

Semelhante a 7 - Extinção do Crédito Tributário (20)

6 - Crédito Tributário
6 - Crédito Tributário6 - Crédito Tributário
6 - Crédito Tributário
 
Direito Tributario.pdf
Direito Tributario.pdfDireito Tributario.pdf
Direito Tributario.pdf
 
ENCERRAMENTO DAS ATIVIDADES DA EMPRESA
ENCERRAMENTO DAS ATIVIDADES DA EMPRESAENCERRAMENTO DAS ATIVIDADES DA EMPRESA
ENCERRAMENTO DAS ATIVIDADES DA EMPRESA
 
Oro.extinção do crédito tributãrio damasio
Oro.extinção do crédito tributãrio damasioOro.extinção do crédito tributãrio damasio
Oro.extinção do crédito tributãrio damasio
 
Aurora aula extincao do-credito_tributario-damasio
Aurora   aula extincao do-credito_tributario-damasioAurora   aula extincao do-credito_tributario-damasio
Aurora aula extincao do-credito_tributario-damasio
 
Resumao.doxc
Resumao.doxcResumao.doxc
Resumao.doxc
 
Claudio borba provas simuladas - cap. 13
Claudio borba   provas simuladas - cap. 13Claudio borba   provas simuladas - cap. 13
Claudio borba provas simuladas - cap. 13
 
Exercicios creditos tributários
Exercicios creditos tributáriosExercicios creditos tributários
Exercicios creditos tributários
 
Eduardo tanaka inss leg previdenciario_apostila_material_6
Eduardo tanaka inss leg previdenciario_apostila_material_6Eduardo tanaka inss leg previdenciario_apostila_material_6
Eduardo tanaka inss leg previdenciario_apostila_material_6
 
Decio porchat ect - aula 2
Decio porchat   ect - aula 2Decio porchat   ect - aula 2
Decio porchat ect - aula 2
 
Superendividamento - Gustavo Lopes (2).pdf
Superendividamento - Gustavo Lopes (2).pdfSuperendividamento - Gustavo Lopes (2).pdf
Superendividamento - Gustavo Lopes (2).pdf
 
A CONFISSÃO DE DÍVIDA PREVIDENCIÁRIA E SUAS CONSEQUENCIAS
A CONFISSÃO DE DÍVIDA PREVIDENCIÁRIA E SUAS CONSEQUENCIASA CONFISSÃO DE DÍVIDA PREVIDENCIÁRIA E SUAS CONSEQUENCIAS
A CONFISSÃO DE DÍVIDA PREVIDENCIÁRIA E SUAS CONSEQUENCIAS
 
Aulas direito financeiro e tributario
Aulas   direito financeiro e tributarioAulas   direito financeiro e tributario
Aulas direito financeiro e tributario
 
Direito tributario simulado
Direito tributario simuladoDireito tributario simulado
Direito tributario simulado
 
Circular programa de regularização tributária somat contadores
Circular   programa de regularização tributária somat contadoresCircular   programa de regularização tributária somat contadores
Circular programa de regularização tributária somat contadores
 
Aula 17 09-14 - dra. marina vieira
Aula 17 09-14 - dra. marina vieiraAula 17 09-14 - dra. marina vieira
Aula 17 09-14 - dra. marina vieira
 
Prot. 1170 14 pl 030-2014 - estabelece normas para parcelamento de créditos...
Prot. 1170 14   pl 030-2014 - estabelece normas para parcelamento de créditos...Prot. 1170 14   pl 030-2014 - estabelece normas para parcelamento de créditos...
Prot. 1170 14 pl 030-2014 - estabelece normas para parcelamento de créditos...
 
Prot. 1170 14 pl 030-2014 - estabelece normas para parcelamento de créditos...
Prot. 1170 14   pl 030-2014 - estabelece normas para parcelamento de créditos...Prot. 1170 14   pl 030-2014 - estabelece normas para parcelamento de créditos...
Prot. 1170 14 pl 030-2014 - estabelece normas para parcelamento de créditos...
 
Legislacao tributaria comercial aula 12
Legislacao tributaria comercial    aula 12Legislacao tributaria comercial    aula 12
Legislacao tributaria comercial aula 12
 
Aula 08
Aula 08Aula 08
Aula 08
 

Mais de Jessica Namba

3 - Limita-se ao Poder de Tributar
3 - Limita-se ao Poder de Tributar3 - Limita-se ao Poder de Tributar
3 - Limita-se ao Poder de Tributar
Jessica Namba
 
2 - Competência Tributária
2 - Competência Tributária2 - Competência Tributária
2 - Competência Tributária
Jessica Namba
 
2. A Competência Tributária
2. A Competência Tributária2. A Competência Tributária
2. A Competência Tributária
Jessica Namba
 
Texto BC2
Texto BC2Texto BC2
Texto BC2
Jessica Namba
 
Texto bb4
Texto bb4Texto bb4
Texto bb4
Jessica Namba
 
A crise de 2008 - Krugman
A crise de 2008 - KrugmanA crise de 2008 - Krugman
A crise de 2008 - Krugman
Jessica Namba
 
1 - Espécies Tributárias
1 - Espécies Tributárias1 - Espécies Tributárias
1 - Espécies Tributárias
Jessica Namba
 
1. especies tributarias[1]
1. especies tributarias[1]1. especies tributarias[1]
1. especies tributarias[1]
Jessica Namba
 

Mais de Jessica Namba (8)

3 - Limita-se ao Poder de Tributar
3 - Limita-se ao Poder de Tributar3 - Limita-se ao Poder de Tributar
3 - Limita-se ao Poder de Tributar
 
2 - Competência Tributária
2 - Competência Tributária2 - Competência Tributária
2 - Competência Tributária
 
2. A Competência Tributária
2. A Competência Tributária2. A Competência Tributária
2. A Competência Tributária
 
Texto BC2
Texto BC2Texto BC2
Texto BC2
 
Texto bb4
Texto bb4Texto bb4
Texto bb4
 
A crise de 2008 - Krugman
A crise de 2008 - KrugmanA crise de 2008 - Krugman
A crise de 2008 - Krugman
 
1 - Espécies Tributárias
1 - Espécies Tributárias1 - Espécies Tributárias
1 - Espécies Tributárias
 
1. especies tributarias[1]
1. especies tributarias[1]1. especies tributarias[1]
1. especies tributarias[1]
 

Último

EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
Sandra Pratas
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
marcos oliveira
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Colaborar Educacional
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Mary Alvarenga
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
C4io99
 
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
AngelicaCostaMeirele2
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
marcos oliveira
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
marcos oliveira
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
LeilaVilasboas
 
Planejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docx
Planejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docxPlanejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docx
Planejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docx
marcos oliveira
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
jetroescola
 

Último (20)

TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
 
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
 
Planejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docx
Planejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docxPlanejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docx
Planejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docx
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
 

7 - Extinção do Crédito Tributário

  • 1. EXTINÇÃO E EXCLUSÃO DO CRÉDITO TRIBUTÁRIO Profª. Helane Cabral
  • 2. I – DA EXTINÇÃO DO CRÉDITO TRIBUTÁRIO É o desaparecimento de crédito, nas hipóteses previstas na lei. Pode ocorrer a extinção de um crédito sem a extinção da obrigação, desde que a causa extintiva tenha afetado apenas a formalização do crédito. Ex: erro no lançamento, que pode ser revisado.
  • 3. 1. PAGAMENTO : noções gerais É a extinção do crédito mediante a entrega de dinheiro. A imposição de penalidade não afasta o pagamento integral do crédito tributário. Todos os valores legalmente exigidos (tributo, multa, juros, correção monetária) constituem o montante do crédito, que se extinguirá no momento em que for integralmente liquidado. O pagamento de um crédito não implica em presunção de pagamento: I - quando parcial, das prestações em que se componha; II – quando total, de outros créditos referentes ao mesmo ou a outros tributos.
  • 4. Regras importantes sobre o pagamento a) Local do pagamento : é a repartição competente do domicílio do sujeito passivo, salvo quando a legislação tributária não dispuser a respeito. A Fazenda pode estipular que o pagamento possa ser realizado em local diverso. (Pagamento em bancos, por exemplo)
  • 5. b) Prazo para pagamento É fixado em lei do ente competente (discricionariedade) e se inexistir tal previsão, é de 30 dias, a contar da notificação do lançamento. Não existe a determinação de um limite mínimo de tempo para a referida liquidação, que pode ser realizado tanto no dia da ocorrência do fato gerador, como dentro de qualquer outro período de tempo (5, 10, 60 dias da ocorrência do fato gerador). A data de vencimento do crédito não é elemento constitutivo do tributo. A consulta formulada pelo contribuinte dentro do prazo de pagamento, enquanto pendente de resposta, impede a incidência de multa ou juros de mora.
  • 6. c) Forma de pagamento Deve ser em dinheiro, cheque ou vale postal. Se existirem 2 ou mais débitos do mesmo contribuinte para o mesmo ente tributante, paga-se : 1. Primeiro os débitos por obrigação própria e em segundo lugar os decorrentes de responsabilidade tributária; 2. Primeiro as contribuições de melhoria, depois taxas e depois os impostos; 3. Na ordem crescente dos prazos de prescrição; 4. Na ordem decrescente dos montantes.
  • 7. 1.2. Consignação em pagamento É o depósito, em juízo, do valor do crédito visando sua liquidação, nas seguintes situações. a) Recusa de recebimento, ou subordinação deste ao pagamento de outro tributo ou penalidade, ou ao cumprimento de obrigação acessória. Ex: o Fisco se recusa a receber o IPTU sob a alegação de que o contribuinte é devedor do ISS.
  • 8. 1.2. Consignação em pagamento b) Subordinação do recebimento do tributo ao cumprimento de exigências administrativas sem fundamento legal. Ex: negativa do recebimento do IR pelo fato de o contribuinte não haver comunicado sua situação bancária (protegida pelo sigilo de dados).
  • 9. 1.2. Consignação em pagamento c) exigência, por mais de uma pessoa jurídica de direito público (União, Estados, DF e Municípios), de tributo idêntico, sobre o mesmo fato gerador. Ex: Dois Municípios exigem o IPTU relativo a um mesmo imóvel; Estado e Município cobrarem ICMS e ISS referentes a um único negócio jurídico (fornecimento de argamassa)
  • 10. Regras sobre a consignação em pagamento 1. Julgada procedente a ação : o pagamento se reputa efetuado e a importância consignada é convertida em renda. Neste caso ocorre o efetivo pagamento do crédito. 2. Julgada improcedente a ação de consignação no todo ou em parte : cobrar-se-á o crédito acrescido de juros de mora, sem prejuízo das penalidades cabíveis. Neste caso o Fisco pode promover o lançamento dos tributos devidos, em razão de positivar a liquidez e a certeza do crédito e não poderá utilizar-se do valor depositado para satisfazer o crédito tributário.
  • 11. 1.3. Repetição de pagamento indevido ou repetição de indébito: hipóteses Refere-se ao ressarcimento de valores que foram indevidamente recolhidos aos cofres públicos, fundado no locupletamento. Independe de prévio protesto. a) Cobrança ou pagamento espontâneo do tributo indevido ou maior que o devido em face da legislação tributária aplicável, ou da natureza ou circunstâncias materiais do fato gerador efetivamente ocorrido. Ex: recolhimento do ICMS em meras transferências de bens entre estabelecimentos da mesma empresa.
  • 12. 1.3. Repetição de pagamento indevido ou repetição de indébito: hipóteses b) Erro na identificação do sujeito passivo, na determinação da alíquota aplicável, no cálculo do montante do débito ou na elaboração ou conferência de qualquer documento relativo ao pagamento. Ex: aplicação de alíquota superior à legalmente prevista. c) reforma, anulação, revogação ou rescisão de decisão condenatória.
  • 13. Regras sobre a repetição de indébito 1. Nos tributos indiretos, a restituição somente será feita a quem prove ter assumido o encargo ou estar autorizado pelo terceiro a recebê-la. 2. As multas e os juros indevidos também são restituíveis. 3. Sobre o montante restituível do tributo, juros ou multa incidirão juros moratórios, de 1% ao mês, (se a lei não dispuser de modo diferente) a partir do trânsito em julgado da sentença. 4. A correção monetária incide desde o pagamento indevido até a efetiva restituição.
  • 14. Regras sobre a repetição de indébito 5. No âmbito federal, o valor restituído deve ser calculado com base na variação da taxa Selic (que inclui juros e atualização monetária) desde o pagamento indevido até a efetiva restituição. 6. A restituição deve ser pleiteada no prazo de 5 anos, contados da extinção do crédito ou da data em que se tornar definitiva a decisão judicial ou administrativa reconhecendo ser indevida a cobrança. 7. O contribuinte pode optar pela restituição do valor indevido ou pela compensação, desde que esta esteja autorizada por lei.
  • 15. 2. Compensação : É o encontro de contas. Se o contribuinte é credor da Fazenda Pública poderá ocorrer uma compensação para que seja extinto o crédito. O CTN admite a compensação do crédito tributário com créditos líquidos e certos, vencidos ou vincendos do contribuinte contra a Fazenda Pública.
  • 16. Regras sobre a compensação 1. Para fins de cálculos, admite-se a redução do crédito vincendo do contribuinte em até 1% ao mês. 2. Podem ser utilizados na compensação as prestações anuais decorrentes dos precatórios sujeitos a parcelamento e que não foram liquidadas até o final do exercício a que se referem. 3. A compensação do crédito tributário não pode ser deferida por liminar ou antecipação de tutela, mas é possível via Mandado de Segurança. 4. Não se admite a compensação mediante o aproveitamento de tributo objeto de contestação judicial pendente de solução definitiva.
  • 17. 3. Transação Presume concessões recíprocas dos sujeitos ativo e passivo da obrigação tributária. Deve ser autorizada por lei, que autoriza a autoridade administrativa a celebrar o acordo em cada caso.
  • 18. 4. Remissão Significa o perdão total ou parcial do crédito tributário. O ato de remir é formalizado pela autoridade administrativa após autorização de lei, nas seguintes hipóteses: a) situação econômica do sujeito passivo; b) Erro ou ignorância escusáveis do sujeito passivo; c) Diminuta importância do crédito d) Aplicação do princípio da equidade e) Condições peculiares da região.
  • 19. 5. Decadência do direito de lançar Ocorre quando o Fisco não constitui o crédito tributário (mediante o lançamento) no prazo legal (5 anos). O prazo é contado do primeiro dia do exercício àquele em que o lançamento poderia ter sido efetuado ou da data em que se tornar definitiva a decisão que houver anulado, por vício formal, o lançamento anteriormente efetuado. Se o lançamento for por homologação, conta-se o prazo da entrega da declaração e não há decadência. Com o não pagamento inicia-se o prazo prescricional. Em caso de fraude, dolo ou simulação, tratando-se de lançamento por homologação, o prazo decadencial conta-se após decorridos 5 anos da ocorrência do fato gerador, acrescidos de mais 5 anos (regra do 5 + 5).
  • 20. 6. Prescrição Ocorre quando o Fisco perde o direito de cobrar judicialmente o crédito tributário pelo decurso do tempo. A prescrição pode ser interrompida ou suspensa. Causas de interrupção: citação do devedor em processo judicial; protesto judicial; qualquer ato judicial que constitua o devedor em mora; qualquer ato inequívoco do reconhecimento da dívida pelo devedor. A interrupção da prescrição em relação à pessoa jurídica atinge o seu responsável solidário ou substituto.
  • 21. 7. Conversão do depósito em renda Ocorre quando o contribuinte perde a ação na qual se deu o depósito e o valor é convertido em favor da Fazenda Pública, independentemente da execução fiscal.
  • 22. 8. Pagamento antecipado Ocorre no lançamento por homologação, quando o contribuinte apura e paga o montante do tributo ao Fisco. Se a Fazenda Pública nada reclamar em 5 anos, ocorre a homologação e a extinção do crédito tributário.
  • 23. 9. Consignação judicial em pagamento Normalmente ocorre quando o tributo é cobrado por mais de um ente tributante ou nas hipóteses de recusa injustificada do recebimento do crédito. Os depósitos efetivados tempestivamente impedem a incidência de multa ou de juros moratórios.
  • 24. 10. Decisão administrativa irreformável e que não possa mais ser objeto de ação anulatória São decisões proferidas normalmente em recursos do contribuinte junto ao Fisco. Fazem coisa julgada contra a Fazenda Pública. Se a decisão for favorável ao contribuinte desconstituirá o lançamento e operará a extinção do crédito tributário, sendo discutível o ajuizamento de ação pela Fazenda.
  • 25. 11. Decisão judicial transitada em julgado e que reconheceu a inexistência da obrigação O crédito tributário poderá ser objeto de questionamento judicial tanto pelo contribuinte (via Mandado de Segurança, Ações Declaratória, Anulatória, Consignatória e Repetição de Indébito), como pelo Fisco (Execução Fiscal), que culminará com uma decisão definitiva, encerrando o litígio entre as partes.
  • 26. I I – DA EXCLUSÃO DO CRÉDITO TRIBUTÁRIO Excluir o crédito tributário significa impedir que ele se constitua, mas não impede o cumprimento das obrigações acessórias. São hipóteses de exclusão do crédito tributário: 1. Isenção: exclui o crédito 2. Anistia: exclui a multa
  • 27. 1. Isenção: regras gerais É concedida pelo ente competente para instituir o tributo; Deve ser prevista em lei, mesmo aquelas contratuais; A iniciativa da lei é do Chefe do Executivo, pois a isenção é matéria afeta ao orçamento; Uma vez concedida, a isenção se torna direito adquirido e sua revogação deve se sujeitar ao princípio da anterioridade.
  • 28. 2. Anistia: regras gerais É a exclusão do crédito em relação às penalidades pecuniárias, em especial as multas. Não exclui o tributo. Só atinge as infrações cometidas antes da lei que a concede, por isso é projetada para trás. Não se aplica aos atos qualificados como crimes ou contravenções, e nem aos praticados com dolo, fraude ou simulação. Pode ser geral (abrange todas as infrações anteriores à sua concessão) ou limitada (condicionada ao cumprimento de uma obrigação)