ICSA17 - Ativação de linfócitos T

40.478 visualizações

Publicada em

Aula Ativação Linf T

  • Seja o primeiro a comentar

ICSA17 - Ativação de linfócitos T

  1. 1. ATIVAÇÃO DE LINFÓCITOS T
  2. 2. Ativação do Linfócito T • Ocorre nos órgãos linfoides secundários, onde há presença de grande população de LT • Células APC maduras que reconheceram antígenos nos tecidos e os processaram migram para os nódulos linfóides • Processamento do antígeno pelas APC, apresentação por MHC Classe II e expressão de co-estimuladores • Atração das APC - quimiocinas
  3. 3. Ativação do Linfócito T
  4. 4. Ativação do Linfócito T • Reconhecimento do antígeno induz a: – Secreção de citocinas pelos LT – Proliferação de clones específicos – Expansão clonal – Diferenciação do LT virgem (LTh0) em LT de memória e efetores – Migração para o tecido infectado
  5. 5. Ativação do Linfócito T • LT de memória: célula de vida longa e com grande expressão de co-estimuladores em sua superfície abundantes nos órgãos linfoides, pele e nas mucosas. • Efetoras – após ação, morte por apoptose – Regulação – cessa estimulação pela presença do antígeno
  6. 6. Ativação do Linfócito T
  7. 7. Sinais de Ativação do Linfócito T
  8. 8. Reconhecimento do Antígeno • Primeiro sinal de ativação do linfócito T • Apresentação por APC (Cel. Dendrítica) para Linfócito T • Também recebem apresentação do Linf. B • Macrófagos – Parte dos mecanismos efetores da Resp. Imune Celular • Para o CD8 – qualquer célula nucleada e diplóide apresentando pelo MHC I
  9. 9. Co-Estimulação • Segundo sinal para ativação do Linfócito T • Ausência de co-estimulação – anergia • CD28 do Linf. T combinado ao B71 (CD80) ou B72 (CD86) nas APCs • Expressão induzida pela ligação de PAMPs a PRRs, e IFNgama • CD40 ligante (Linf T) e CD40 da APC (Linf B princip)
  10. 10. Co-Estimulação
  11. 11. Co-Estimulação • CD28-B7 – sinal de sobrevivência • Proliferação, aumento de atividade metabólica • ICOS (CD278) – envolvido na interação com Linf. B. – sinal crítico de ativação para LB em centros germinais • CTLA4 e PD1 – inibidores - tolerância
  12. 12. Co-Estimulação
  13. 13. Co-Estimulação
  14. 14. Respostas do Linfócito T • Expressão de: • CD69 – sua expressão regula a saída dos linfócitos dos órgãos linfoides • CD25 – sua expressão permite a resposta à IL2 • Ligante de CD40 – para ativação de LB • CTLA-4 • Moléculas de adesão e quimiocinas
  15. 15. Respostas do Linfócito T
  16. 16. Respostas do Linfócito T
  17. 17. Respostas de Linfócitos T • Secreção de IL2 e expressão do receptor de IL2 • Crescimento, sobrevivência e diferenciação • Produzida pelos LT CD4+ rapidamente • Aumenta produção de citocinas diferenciadoras (IL-4, IFN-g) • Responsável pelo funcionamento de T reguladoras (exógena) • Expansão clonal – de 1 em 106 a 1 em 1000 a 100
  18. 18. Respostas de Linfócitos T
  19. 19. Respostas de Linfócitos T
  20. 20. Diferenciação de LT CD4+ • Três subtipos de TCD4+ efetoras: Th1, Th2 e Th17 • A diferença entre eles – citocinas que induzem sua diferenciação, os fatores de transcrição expressados e as citocinas finais produzidas • Th1 – IFN-gama • Th2 – IL4, IL5, e IL13 • Th17 – IL-17 e IL-22
  21. 21. Diferenciação de LT CD4+
  22. 22. Polarização das LT CD4+ efetoras • DEPENDENTE DO AMBIENTE DE CITOCINAS NO MOMENTO DA ATIVAÇÃO PELAS APCs, NK, PMN!!! • O que vai levar a uma expressão diferencial de citocinas por essas APCs? O reconhecimento dos PAMPs! • Possivelmente – subpopulações de Cel. Dendríticas podem ativar diferencialmente os LT! • Possível influência genética
  23. 23. Polarização das LT CD4+ efetoras
  24. 24. Polarização das LT CD4+ efetoras Th1 • Induzida por IL-12 e IFN-gama produzidos por células dendríticas, macrófagos e NK. • Bactérias intracelulares, vírus, adjuvantes, protozoários intracelulares... • IL-12, IL-18, Interferons Tipo I das cél. Dendríticas, IFNgama das NK • CD4+ Th1 produzem primariamente IFN-gama • Inibe Th2 e Th17!
  25. 25. Polarização das LT CD4+ efetoras Th1
  26. 26. Polarização das LT CD4+ efetoras Th2 • Estimulada por IL-4 em resposta a helmintos e alérgenos, por estimulação crônica de LT e sem uma resposta imune inata forte • IL-4 produzida por mastócitos, basófilos, eosinófilos; ausência de IL-12 associada a uma produção tímida de IL-4 no início da ativação. • Principais citocnas produzidas: IL4, IL5, IL13
  27. 27. Polarização das LT CD4+ efetoras Th2
  28. 28. Polarização das LT CD4+ efetoras Th17 • Estimulada por citocinasIL-6, IL-1 e IL-23 produzidas em resposta a alguma bactérias e fungos. • Função do TGF-beta? • Funções: muito encontradas nas mucosas • Inflamação, ativação de atividades imunes de mucosas
  29. 29. Polarização das LT CD4+ efetoras Th17
  30. 30. Diferenciação de LT CD8+ • Primeiro sinal – reconhecimento de antígeno apresentado por MHC Classe I • Segundo sinal: difere de CD4+ - dado pelos próprios CD4 +! • Importante – apresentação cruzada! • Aquisição de competência funcional – grânulos citoplasmáticos contendo granzimas e perforinas! E secreção de citocinas (IFN-g)
  31. 31. Diferenciação de LT CD8+
  32. 32. Desenvolvimento de Memória em LT • Podem se desenvolver a partir da ativação e diferenciação dos LT virgens, ou de diferenciação de efetoras • Como acontece essa diferenciação? Não se sabe ao certo! • Sobrevivência por longo tempo mesmo sem estimulação pelo antígeno e rápida resposta aos antígenos – presença de muitos coestimuladores e receptores de membrana, menor dependência de co-estimulação • Baixo nível de proliferação – autorenovação • Citocinas – IL-7 para manutenção, IL15 para CD8+ • Acessibilidade dos loci para citocinas
  33. 33. Desenvolvimento de Memória em LT

×