Sarem 2013 reunião de setembro de 2013

2.311 visualizações

Publicada em

Secretaria Municipal da Educação de Marília - SP

  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sarem 2013 reunião de setembro de 2013

  1. 1. SAREM 2013 REFLEXÕES SOBRE O PROCESSO E O RESULTADO OBTIDO FF
  2. 2. PONTOS POSITIVOS
  3. 3. Processo de correção do SAREM • A dinâmica adotada: • Proporcionou mais transparência ao processo • Correção individual das produções de texto foi: produtiva, válida, eficaz, aproveitou mais o tempo, ótima, imparcial, positiva. • Seria importante ter colocado o segundo corretor para as produções do terceiro ano também. • Critérios claros. • Dúvidas tiradas coletivamente. • Possibilitou um olhar global da Unidade Escolar.
  4. 4. • Houve troca de informações entre os pares devido a proximidade espacial dos corretores. • Espaço físico planejado, com mesas amplas, adequado para a atividade. • Envolvimento da equipe durante todo o processo. • Considerou menos desgastante nesse ano.
  5. 5. PONTOS NEGATIVOS
  6. 6. • Desgastante, não há necessidade do segundo corretor, em duplas permitia discussões (mais segurança), discussões em duplas tornavam o processo lento e tedioso. • Lembrar que foram corrigidas 1053 provas de quinto ano (três vezes: produção, compreensão de texto e matemática) o que dá um total de 3165 avaliações. E 1658 provas de terceiro ano (três vezes: produção, compreensão de texto e matemática)o que dá um total de 4974 avaliações. Somando-se tudo corrigimos em quatro dias: 8139 provas. Daria para não ser cansativo?
  7. 7. • Queixas sobre falta de sigilo, coordenador da escola “em cima” do corretor, atrapalhou, incomodou. • Quando ao desgaste não tem como ser diferente.
  8. 8. PRINCIPAIS “PROBLEMAS” (DIFICULDADES) ENCONTRADOS NAS PRODUÇÕES DE TEXTOS
  9. 9. Terceiro ano: • Estrutura do texto • Ortografia • Texto extenso • Espaço insuficiente • Vocabulário restrito ao texto lido • Mensagem religiosa • Utilizou uma versão pouco conhecida • Critérios de correção muito aquém do que se exige na escola. Qual está sendo então o nível de exigência das escolas para as produções de texto de alunos do terceiro ano?
  10. 10. Quinto ano: • Proposta (22 pessoas colocaram) • Proposta não prejudicou (uma pessoa) • Textos produzidos pelos alunos “curtos” • Falta de criatividade • Dificuldade com ampliação de ideias • Ortografia • Estrutura • Coerência e coesão • Vocabulário • Textos “pobres” • Pouco trabalho com texto de autoria • Alunos se basearam nos exemplos dados na proposta
  11. 11. HÁ TURMAS COM DESEMPENHO MUITO DIFERENCIADO?
  12. 12. Principais apontamentos: • Escolas homogêneas • Médias próximas • Terceiros anos – salas com desempenho parecido • Quintos anos – salas com desempenho diferenciado • Importante destacar que essas observações foram realizadas baseadas nas médias das classes e não no desempenho individual dos alunos. • Fica clara a divisão por níveis, por exemplo: uma classe não alfabetizada e outras duas excelentes ... impecáveis por sinal.
  13. 13. • Encaminhamento dado pelo professor aplicador pode ajudar ou prejudicar a turma • A diferença se percebe também pelo trabalho didático / metodológico do professor titular da classe • Desempenho diferenciado da classe nas avaliações de múltipla escolha (compreensão de texto e matemática) comparada ao desempenho na produção de textos (infere que houve ajuda por parte do aplicador).
  14. 14. ORIENTAÇÃO VOCÊ DARIA AOS PROFESSORES DA ESCOLA QUE VOCÊ AVALIOU OS TEXTOS?
  15. 15. • Terceiro ano – trabalhar sistematicamente o discurso direto • Orientação específica para introdução e traçado da letra cursiva (muito inadequado de maneira geral – letras maiúsculas no meio de palavras, textos quase ilegíveis) • Trabalhar sistematicamente estrutura textual • Não montar salas homogêneas – por níveis • Investir no trabalho de ampliação de ideias • Leitura de livros de qualidade para ampliação do vocabulário (não eventualmente, mas sistematicamente) • Trabalho com gêneros textuais diversificados
  16. 16. • Utilização do trabalho com estratégias de leitura • Trabalho construtivo e reflexivo com ortografia • Houve pouco trabalho de reflexão sobre a função do título para a obra literária • Organizar a escrita antes da produção de textos – uso de roteiros, rascunhos, tópicos na rotina da turma • Não utilizar “artifícios” para a introdução do parágrafo (símbolos, cores, pular linhas, etc.) • Orientação específica para introdução e traçado da letra cursiva (muito inadequado de maneira geral – letras maiúsculas no meio de palavras, textos quase ilegíveis)
  17. 17. • Trabalhar com os sete níveis na intervenção da produção • Trabalhar com a linguagem oral • Trabalhar com roteiros promovendo assim o desenvolvimento da capacidade de criação, reflexão e decisão. • Retomar as avaliações coletivamente apontando as principais dificuldades dos alunos
  18. 18. • Matemática – retomar os descritores utilizando outras estratégias: material concreto • Trabalho desde as séries iniciais com interrogação de textos • Investir no trabalho de textualidade envolvendo coerência e coesão • Matemática – usar o livro Atividades Matemáticas (AM) • Trabalho específico de leitura do texto “problema matemático” considerando-o como um gênero específico que requer estratégias também específicas para a leitura e compreensão
  19. 19. • Orientar os alunos do terceiro ano quanto ao preenchimento de alternativas em prova de múltipla escolha • Explorar campo semântico relativo ao tema da produção • Mais leitura de textos de qualidade • Mais leitura de mundo (vídeos, passeios, jornais, documentários, etc.) • Permitir e garantir a expressão do aluno • Correção do texto alternando entre coletiva e individual com diferentes estratégias • Produção de textos com função social
  20. 20. • A escola trabalha com critérios claros para a correção de textos para cada ano? Não deveríamos investir nisso? Não se pode cobrar o mesmo desempenho para alunos de terceiros e quintos anos • Explorar o gênero textual quanto a sua função, estrutura, características – comparar e identificar semelhanças e diferenças / particularidades • Fazer com que os alunos percebam que suas produções textuais devem ter função comunicativa (interlocução) • Professor leitor dos textos dos alunos e não apenas corretor • Fazer com mais freqüência orientações individuais • Diversificar propostas de produção
  21. 21. AVALIE A PROPOSTA DA PROVA
  22. 22. • Terceiro ano: • Reescrita – bom, adequada • Problema: texto muito longo • Tempo pequeno deixado para a produção do terceiro ano • Quinto ano: • Proposta dificultou a escrita • Proposta inadequada, confusa, complicada, os exemplos limitavam as ideias • A proposta deveria estar desvinculada dos textos utilizados para a compreensão de textos • A proposta foi adequada – os alunos é que não estão bem preparados para escrever

×