SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 11
DIREITOS DE APRENDIZAGEM - LEITURA


                     1- Ler textos não-verbais, em diferentes suportes


       Para se comunicar, o ser humano utilizaa palavra (oral ou escrita), mas também outros
signos que servem ao propósito de produzir textos e disseminar ideias. Assim, o texto não-
verbal é todoaquele que utiliza outros códigos que não sejam apalavra na emissão de
mensagens, cabendo ao leitor a produção de sentido para imagens, sons, cheiros, gestos,
expressões faciais, símbolos, sinais de trânsito, fotografias, ilustrações, mapas, gráficos, etc.
Para ler as mensagens presentes nesse tipo de texto é necessário considerar a cor, a forma, o
movimento, a organização dos códigos, etc.
       As atividades para o ensino deste tipo de leitura devem estar inseridas no dia-a- dia da
escola. Para tanto, poderão ser realizadas leituras diversas:
1) ler expressões faciais nos “emotions”, identificando as emoções - alegria, dúvida, tristeza,
surpresa, sono, choro, raiva, etc. Como a imagem tem poucos traços é importante chamar a
atenção das crianças para a forma e posição da boca, dos olhos e sobrancelhas. As crianças
podem ser convidadas a produzir os seus “emotions” e a experimentar essa forma de
linguagem que tem sido muito utilizada nos ambientes virtuais e em mensagens de texto no
celular. Abaixo, a figura mostra a utilização de sinais de pontuação para produzir signos e
comunicar ideias e sentimentos.




FONTE:                http://images.br.sftcdn.net/blog/br/2011/07/Emoticons-Populares.png;https://encrypted-
tbn1.gstatic.com/images?q=tbn:ANd9GcTMcZeh3oawTUxre88CIKz7lvFrvS7EOiwu_DIeHsdWhJ79x1gG
Na sociedade em que vivemos devemos estar atentos às múltiplas possibilidades de
comunicação, que se ampliam a cada dia, em especial a partir das novas tecnologias de
comunicação e informação, que nos oferecem um amplo repertório de signos.
        2) ler as imagens que ilustram os textos nos livros didáticos ou nas obras literárias,
explorando as cores, as formas, as figuras, os traços produzidos pelo ilustrador. Aprender a
fazer a leitura de imagens é importante no processo de compreensão do texto, pois possibilita
antecipar ideias, elaborar hipóteses sobre o seu conteúdo e ampliar os sentidos produzidos a
partir das palavras.
        3) ler os sinais de trânsito e compreender o que significam os signos, as cores e formas
utilizadas nesse sistema de representação.


 2 - Compreender textos lidos por outras pessoas, de diferentesgêneros e com diferentes
                                             propósitos


        Ouvir a leitura de textos é uma atividade essencial para a aprendizagem de habilidades
de leitura e compreensão dos textos, que não tem sido adequadamente contemplada pela
escola. Ouvir a leitura dos textos é importante para as crianças em fase de alfabetização, em
especial para aquelas que ainda não sabem fazer leitura autônoma e independente. Ao ouvir o
texto lido pela professora a criança lê com os ouvidos experimenta a interlocuçãocom o
discurso escrito e adquire familiaridade com a linguagem escrita, que é diferente da fala.
Como afirma Brito,“quando alguém estuda um texto escritoenunciado em voz alta, ele está
lendo o texto,mesmo que para isso utilize outro sentido (aaudição)” (BRITO, 2007, p. 18).
Para as crianças que ainda não sabem ler de forma convencional e autônoma, ler com os
ouvidos é tão importante quanto lercom os olhos.


3- Antecipar sentidos e ativar conhecimentos prévios relativos aos textos a serem lidos
    pelo professor ou pelas crianças.


        Antes de ler ou propor a leitura de um texto, é importante realizar atividades de preparação e
de motivação das crianças. Dentre estas atividades é essencialaantecipação de sentidos, elaboração
de hipóteses, a ativação ou atualização de conhecimentos prévios, adefinição de objetivos
para ler.
        Antecipar sentidos se constitui como uma etapa em que o professor constrói situações
para que as crianças possam pensar sobre o texto antes de fazer a sua leitura, de forma
elaborar hipóteses sobre os possíveis sentidos inscritos no texto que será lido. O
desenvolvimento desta habilidade pode ser trabalhado a partir da exploração de elementos
diversos, colocando-se um jogo as informações já conhecidas pelos alunos, ativando os seus
conhecimentos prévios, a partir de pistas relativas ao conteúdo do texto proposto. O
conhecimento prévio refere-se a conhecimento sobre o assunto, mas também o conhecimento
sobre o gênero textual, sobre o portador onde o texto foi publicado o texto (jornal, revista,
livro, panfleto, folheto, livro, etc.). O conhecimento prévio também se refere ao que a criança
sabe sobre o autor do texto ou mesmo sobre a época em que foi publicado.
       Em sala de aula, as atividades poderão se constituir como situações coletivas para
exploração da superestrutura do texto, com análise das ilustrações da capa dos livros literários
ou das ilustrações nos livros didáticos; exploração do título, dos subtítulos, dos sublinhados,
em um processo em que os alunos procuram adivinhar os sentidos das histórias e dos textos, a
partir das informações presentes nesses elementos. Também podem ser explorados o nome do
autor e do ilustrador, a dedicatória e outros elementos pré-textuais que compõem o projeto
gráfico da obra literária a ser lida. Exemplo: Observando as imagens da capa, qual deve ser o
assunto tratado no texto? Considerando que o título do texto é “Como se fosse dinheiro”,
qual o assunto você acha que o texto abordará? Você acha que será uma história, uma notícia,
um poema? Sabendo que a autora é Ruth Rocha, você mantém suas respostas anteriores ou as
modifica? Por quê?
       Ao construir respostas para essas questões as crianças elaboram hipóteses, antecipam
sentidos possíveis para o texto, sentidos que podem ou não ser confirmadas com a leitura.
Além de contribuir para que as crianças compreendam melhor os textos, essa antecipação de
sentidos serve para despertar o interesse e desejo de ler. As atividades de antecipação de
sentido também servem ao processo de ativação de conhecimentos prévios dos alunos. Isso
porque, ao tentar adivinhar o conteúdo do texto, o aluno colocaem jogo as informações já
conhecidas, explicitam elementos que ainda não conhecem e também aprendem com as
opiniões e informações apresentadas pelos colegas.
       Vale lembrar que ter conhecimento sobre o conteúdo dos textos a serem lidos é
essencial para a compreensão. Quando os textos não fazem parte do universo cultural das
crianças elas encontram dificuldades de compreensão. Nesse sentido, ao discutir ideias, antes
de ler o texto, são construídas condições para a aprendizagem. No processo de leitura, os
alunos devem contar com a ajuda do professor para esclarecer dúvidas, dando-lhes suporte
para a construção de respostas para as hipóteses inicialmente elaboradas.Conhecer de antemão
o conteúdo do texto que irá ler contribui para a compreensão do texto a ser lido pelo aluno.
Pode ser que o aluno não possua conhecimentos prévios exigidos para abordar o texto, pode
acontecer que o título do texto não permita inferir o seu conteúdo antes da leitura, pode
também ocorrer que o leitor elabore interpretações que não coincidam com as intenções
pretendidas pelo autor.


        4 - Reconhecer finalidades de textos lidos pelo professor ou pelas crianças.


       É importante que a escola se abra aos diferentes textos em circulação social,
favorecendo a interação rica e produtiva dos alunos com os diferentes textos que circulam
socialmente e integram o universo da cultura escrita. Os diferentes textos apresentam estrutura
e organização da linguagem adequadas às funções sociais às quais se destinam, sendo que os
gêneros textuais englobam todos os textos produzidos por usuários de uma língua.Assim, atas,
avisos, programas de auditórios, telegrama, cartas, cartazes, poemas, contos de fadas,
crônicas, editoriais, ensaios, entrevistas, contratos, decretos, discursos políticos, histórias,
instruções de uso, letras de música, leis, mensagens, notícias, etc, podem ser considerados
exemplos de gêneros textuais.
       Ao propor a leitura de textos na escola, o professor deve discutir com os alunos as
funções e finalidades destes textos: 1) anúncios - finalidade de divulgar um produto ou ideia;
2) textos publicitários e de propaganda - finalidade de convencer o consumidor a adquirir
(comprar) um produto ou uma ideia; 3) convites - finalidade de convidar uma pessoa para um
evento, uma festa, uma reunião, etc; 4) bulas de remédio - finalidade de informar sobre a
composição e utilidade de um medicamento e orientar o paciente; 5) texto jornalístico - texto
que tem um compromisso com a verdade e tem a finalidade de informar o leitor sobre fatos
ocorridos; 6) literatura - são textos que, ao contrário dos textos jornalísticos, os textos
literários não têm compromisso com a verdade, sendo que a sua finalidade é de
entretenimento, lazer e fruição estética.


                   5- Ler em voz alta, com fluência, em diferentes situações.


       Quando falamos em leitura com fluência referimo-nos à habilidade da criança fazer a
leitura em voz alta com velocidade e expressividade adequadas, sendo esta uma habilidade
correlacionada com a compreensão na leitura.Quando a criança faz uma leitura muito
pausada, sílaba por sílaba, ou palavra por palavra, essa lentidão dificulta a compreensão. Daí
ser importante que o professor trabalhe com a fluência na leitura, desde o primeiro ano de
escolaridade, de forma que aa crianças possam ler sem esforço de decodificação,
desenvolvendo a capacidade de reconhecer as palavras rapidamente e com precisão,
organizando-as em unidades de significação.
       As atividades voltadas para o desenvolvimento da fluência na leitura podem se situar
em duas formas básicas de abordagem: 1) atividades que envolvem a apresentação de um
modelo, ou seja, em que o professor lê o texto, mostrando a forma correta de se fazer a leitura,
com ritmo e entonação adequados ao gênero textual; 2) atividades quevisam melhor a
decifração e treinar a leitura rápida e precisa das palavras presentes no texto.
       Como sugestão de atividades de fluência na leitura, sugerimos que o professor realize
uma primeira leitura do texto; ao ouvir o texto a criança se familiariza com as palavras, o
vocabulário, a pontuação, a entonação que pode ser dada às frases. As leituras repetidas têm
se mostrado uma medida eficiente para promover a fluência, pois aumentam a precisão e a
velocidade no processamento das palavras, promovendouma melhor compreensão na leitura.
O professor também precisa selecionar textos mais curtos, que contribuam com a velocidade
da leitura, como é o caso de parlendas, poemas, letras de música, trovinhas, cantigas ou outros
textos que as crianças sabem de cor e podem ler mais rapidamente, porque não precisam
decifrar as palavras uma a uma. Outra estratégia que contribui com a fluência das crianças é
familiarizar-se como vocabulário e o conteúdo do texto por meio da leitura silenciosa, ou seja,
fazer leitura silenciosa e treinar a leitura antes de ler oralmente o texto.



 6 e 7 -Localizar informações explícitas em textos de diferentes gêneros,temáticas, lidos
   pelo professor ou outro leitor experiente ou com lidos com autonomia pela própria
                                              criança.



       Para desenvolver habilidades de leitura é importante que o professor crie
oportunidades para ler textos diversos e de interesse das crianças. Na etapa inicial do 1º ano
de escolaridade, quando as crianças ainda não sabem ler com autonomia, a leitura será feita
pelo professor ou outro leitor experiente. Na medida em que desenvolve habilidades, a criança
poderá ler com autonomia, sem a mediação de outros leitores.
       Em todas as situações de leitura, as crianças deverão ser desafiadas a identificar as
informações explícitas no corpo do texto.Nos textos narrativos, o professor fará a leitura oral
do texto, apresentando questionamentos que levem o aluno a identificar: onde ocorreram os
fatos,quemfez,o que fez, quando,como epor quê. Nos textos argumentativos os
questionamentos devem levar o aluno a identificar o assunto abordado, a posição que o autor
defende,os argumentos apresentados para convencer o leitor, a conclusão a que chega o autor.


     8 e 9- Realizar inferências em textos de diferentes gêneros e temáticas,lidos pelo
 professor ou outro leitor experiente ou com lidos com autonomia pela própria criança.

       O ensino da leitura na escola deve considerar que a compreensão dos textos não é
orientada apenas pela decifração das marcas gráficas (letras, pontuação, etc), mas, sobretudo
pelo que estas marcas têm a dizer e pelo modo como o leitor apreende e interpreta a intenção
do autor. Isso implica dizer que, além de identificar informações explícitas no texto, as
crianças precisam realizar inferências.
       As inferências podem ser compreendidas as informações que o leitor adiciona ao
textopara construirnovos sentidos a partir das informações explícitas que encontrou. Ou seja,
são as informações não ditas, mas que estão nas entrelinhas e são reconstruídas pelo leitor a
partir de suas vivências e conhecimentos prévios. Assim, as atividades em sala de aula devem
levar o aluno a construir o sentido global do global e estabelecer conclusões e deduções. Veja
o exemplo abaixo, extraído do Caderno 05 do Ceale (SEEMG-UFMG, 2003), em que a
criança, para responder a questão proposta, precisa estabelecer inferência, posto que a
informação relativa à cor do camaleão na grama não está explícita no texto, precisa ser
deduzida a partir das informações dadas.



QUESTÃO 22 - LEIA O TEXTO ABAIXO:
                                          MUDANDO DE COR
       O camaleão assume a cor do lugar em que se encontra. Ele também muda de cor em
várias situações. Ele pode mudar deCor quando está com medo, quando está zangado e
quando está apaixonado.(Adaptado de CIBOUL, Adèle. As cores. São Paulo: Moderna, 2003;
ColeçãoCriança curiosa)
RESPONDA: Qual a cor do camaleão quando ele está na grama?




    10 e 11- Estabelecer relações lógicas entre partes de textos de diferentesgêneros e
 temáticas, lidos pelo professor ou outro leitor experiente ou com lidos com autonomia
                                    pela própria criança.
A habilidade para estabelecer relações lógicas entre as partes de um texto precisa ser
trabalhada desde o 1º ano de escolaridade, a partir de situações em que o professor faz a
leitura oral de textos, mas, aos poucos, as crianças vão construindo a capacidade de ler de
forma autônoma. Para compreender os textos, as crianças precisam perceber as
relaçõesconstruídas pelo autor, identificando palavras estão sendo substituídas e/ou repetidas
para facilitar acontinuidade do texto e a compreensão do sentido.



                                                   No poema, “A foca”, o autor utiliza algumas
                                           expressões para evitar repetições, estabelecendo
                                           relações entre partes do texto. No 4º verso, o
                                           pronome “seu” refere-se à foca. No 7º e no 11º
                                           versos, a expressão “ela” também se refere à foca.
                                           Essas expressões estabelecem relações de coesão e
                                           coerência no texto, sendo necessário que a criança
                                           compreenda a sua utilização para que possa entender
                                           o texto e adequadamente produzir significações.




 12 e 13 - Apreender assuntos/temas tratados em textos de diferentes gêneros, lidos pelo
 professor ou outro leitor experiente ou com lidos com autonomia pela própria criança.

       Apreender assuntos e temas tratados em textos de diferentes gêneros é uma habilidade
de leitura básica no Ciclo de Alfabetização e deve ser trabalhada cotidianamente pelo
professor. Inicialmente, quando a criança ainda não dominar o sistema de escrita, o professor
poderá fazer leitura oral compartilhada e, na medida em que a criança for dominando a leitura,
poderá ler com autonomia. Assim, em sala de aula, o professor e as crianças poderão ler e
compartilhar textos literários ou poéticos e apreciar o prazer e o encantamento proporcionados
pelos textos ficcionais; poderão ler uma notícia veiculada num jornal ou revista, para que os
alunos não fiquem alheios ao que está acontecendo; ler um bilhete que irão encaminhar aos
pais; ler textos instrucionais - receitas que farão na aula de culinária, as instruções de um jogo
novo, etc. Em todas essas situações de leitura deverão ser levantadas questões que levem os
alunos a identificar as temáticas abordadas nos textos.
14 e 15- Interpretar frases e expressões em textos de diferentes gêneros e temáticas, lidos
   pelo professor ou outro leitor experiente ou com lidos com autonomia pela própria
                                             criança.


       Para interpretar frases e expressões é necessário que as crianças compreendam a
intenção da frase (afirmação, pergunta, dúvida, exclamação, ordem, etc). É preciso que as
crianças aprendam a analisar a frase - a frase pode solicitar uma açãoou lhe dar uma ordem
(Leia este livro!); a frasepode expressar uma dúvida e lhe fazer uma pergunta (Você leu o
livro?).Para interpretar frases é também importante compreender os sentidos das palavras,
sem conhecer o significado das palavras não é possível saber o que está sendo dito.
       A partir do conhecimento das intenções e dos sentidos das palavras o aluno deverá
identificar a ideia principal das frases. Inicialmente, as crianças irão ouvir a leitura feita pelo
professor para poder interpretar as frases e expressões. No entanto, na medida em que
puderem ler com autonomia, as crianças não dependerão da mediação do professor para ter
acesso ao texto escrito.
       Para trabalhar com a leitura e interpretação de frase, o professor poderá utilizar
algumas atividades simples, como:
       1)Brincadeira “macaco disse”, em que o professor lê uma frase e as crianças imitam
com gestos (O menino plantou sementes bem pequeninas;O garoto tomou o do suco de
laranja, mas não gostou do sabor; Vá até a janela, mas não corra; A professora leu o livro e o
menino adorou a história). Após a brincadeira, a professora poderá discutir com as crianças a
dificuldade em realizar os gestos representativos das frases. Também poderá discutir os
significados de algumas palavras, como “mas”, que indica contraposição de ideias. O
professor também poderá discutir a diferença de significados entre as expressões gostou e
adorou (que revelam a satisfação com alguma coisa, mas a intensidade é diferente, posto que
adorar é um sentimento mais intenso do que gostar).
       2) Analisar algumas frases extraídas das histórias lidas para as crianças. A professora
irá escrever as frases no quadro e analisar com as crianças. Por exemplo: “Era uma vez, uma
menina tão doce e meiga que todos gostavam dela. A avó aadorava e não sabia mais que
presente dar à criança para agradá-la. Um dia ela presenteou-acom um chapeuzinho de veludo
vermelho”.
       Nesse trecho, extraído da história “Chapeuzinho Vermelho”, dos Irmãos Grimm,
poderão ser exploradas alguns aspectos: 1) O que significa a palavra “doce” na frase “Era uma
vez, uma menina tão doce e meiga que todos gostavam dela.”; 2) Explorar o uso de pronomes.
No trecho “A avó a adorava”, pode-se perguntar “quem era adorado pela avó?”, sendo
essencial que a criança compreenda que o “a” refere-se à Chapeuzinho Vermelho. No trecho
“e não sabia mais que presente dar à criança para agradá-la”, pode-se perguntar “quem a avó
queria agradar?”, sendo importante compreender que a expressão “criança” refere-se à
Chapeuzinho Vermelho. Na frase, “Um dia ela presenteou-acom um chapeuzinho de veludo
vermelho”, pode ser explorado aspectos de compreensão relativos a “qual” presente ganhou a
Chapeuzinho Vermelho, “quem” deu o presente, sendo importante compreender as relações
de referência, em que “ela” refere-se à avó e “a” refere-se à Chapeuzinho Vermelho.
       Em síntese, ao ouvirmos ou lermos as histórias ou outros textos não encontramos
dificuldade de compreensão, pois os textos parecem simples. Mas, ao analisarmos as
construções textuais percebemos que a linguagem escrita não é tão simples, e que a
construção das frases podem se constituir como elementos dificultadores da compreensão
para as crianças. Daí a necessidade de ensinar a leitura, discutir os textos, explorar partes dos
textos, analisar a linguagem. Mas, é ainda mais importante, ler sempre em sala de aula, para
que as crianças se familiarizem com a linguagem escrita.



                  16 - Estabelecer relações de intertextualidade entre textos

       Intertextualidade pode ser compreendida como um diálogo entre textos - o que implica
dizer que, ao produzir um novo texto, o autor faz uma relação com outros textos já existentes.
Este é um fenômeno muito comum nos textos literários, mas também ocorre em diversas áreas do
conhecimento, em diferentes gêneros textuais. A percepção da intertextualidade depende dos
conhecimentos de mundo e do conhecimento sobre outros textos.
Na escola, o professor deve estimular a criança a perceber essa relação entre textos. Na história
Chapeuzinho Amarelo, de Chico Buarque de Holanda, é clara a relação intertextual com o conto
clássico Chapeuzinho Vermelho. O próprio título da obra estabelece essa rede de relações, que é
reafirmada na presença do lobo mau e da menina (a Chapeuzinho Amarelo) e em outros elementos
da história. Na frase que se segue é possível perceber uma destas relações intertextuais: “Um
LOBO que nunca se via, que morava lá pra longe, do outo lado da montanha, num buraco da
Alemanha”. Para perceber as relações com o conto clássico presente nessa frase, a criança precisa
saber que uma das versões da história da Chapeuzinho Vermelho foi escrita pelos Irmãos Grimm,
que nasceram na Alemanha.
O texto que se segue, denominado de “Ave Alegria”, é um poema de Sylvia Orthof, que
revela o diálogo com uma oração muito conhecida dos católicos, a “Ave Maria”. Ave
alegria,/Cheia de graça,/ o amor é contigo,/ bendita é a risada/ e a gargalhada!/ Salve a justiça/ e a
liberdade!/ Salve a delicadeza/ e o pão sobre a mesa!/ Abaixo a tristeza!/ Ave a alegria!


                  17- Relacionar textos verbais e não-verbais, construindo sentidos.


       Nos processos de interlocução cotidianos são utilizados recursos de linguagem verbal
(palavra falada ou escrita) e não-verbal (gestos, imagens, fotos, expressões ou qualquer outro
recurso que não seja a palavra,etc), senso mais comum a utilização da linguagem verbal. Mas os
processos cotidianos também utilizam a linguagem não-verbal. A placa que indica que é proibido
fumar utiliza linguagem não-verbal. O semáforo também é uma forma de linguagem não-verbal e
indica ações que os motoristas e pedestres devem assumir no trânsito. Utilizando-se de cores, o
semáforo indica a necessidade de ter atenção (amarelo), indica se é permitido avançar (verde), ou
se é proibido seguir em frente (vermelho).
       Alguns textos são construídos pela integração da linguagem verbal e da linguagem não
verbal, como é o caso de cartuns, charges, histórias em quadrinhos, que precisam ser explorados
na escola, para que as crianças aprendem a ler e compreender estes textos e construir sentidos.
Nesses textos, a imagem não é um recurso meramente ilustrativo, mas contribuem de forma
decisiva na construção dos sentidos.
       Na charge abaixo, lendo apenas as palavras “eu odeio estes pneus” e “eu adoro esses
pneus”, sendo uma leitura das imagens não é possível entender o texto. Daí que a escola deve
selecionar textos adequados ao público infantil, de forma que aprendam a ler estas linguagens e a
produzir significações para diferentes textos.
Fonte:http://recadoface.com.br/imagens/imagens-charges-engracadas-para-orkut-e0d697.jpg



18- Saber procurar no dicionário os significados das palavras e aacepção mais adequada ao
                                        contexto de uso.

       Para consultar o dicionário é necessário que as crianças conheçam a ordem alfabética que
aparecem organizadas nessa ordem, assim como a lista telefônica e as enciclopédias. Além de
aprender a fazer uso social do conhecimento do alfabeto para localizar as palavras para as quais
deseja encontrar uma significação, é necessário orientar-se pelos sentidos para poder selecionar o
verbete mais adequado para a palavra procurada.
       No livro “Dicionários na sala de aula”, publicado pelo Ministério da Educação, em 2006,
disponível em http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/Avalmat/polleidicio.pdf, é possível
encontrar uma série de orientações e sugestões para a utilização dos dicionários.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Projeto interdisciplinar: Traçando saberes entre Português e Matemática. (20...
Projeto interdisciplinar: Traçando saberes entre Português e Matemática.  (20...Projeto interdisciplinar: Traçando saberes entre Português e Matemática.  (20...
Projeto interdisciplinar: Traçando saberes entre Português e Matemática. (20...Mary Alvarenga
 
Projeto poemas em festa - Gêneros textuais na sala de aula
Projeto poemas em festa - Gêneros textuais na sala de aulaProjeto poemas em festa - Gêneros textuais na sala de aula
Projeto poemas em festa - Gêneros textuais na sala de aulaMaria Cecilia Silva
 
Ler e escrever na escola o real o possivel e o necessario delia lerner
Ler e escrever na escola o real o possivel e o necessario delia lernerLer e escrever na escola o real o possivel e o necessario delia lerner
Ler e escrever na escola o real o possivel e o necessario delia lernerMonica Oliveira
 
Sequência didática brincadeiras infantis
Sequência didática brincadeiras infantisSequência didática brincadeiras infantis
Sequência didática brincadeiras infantisFabiola Aurélio
 
Plano de ensino de matemática2013
Plano de ensino de matemática2013Plano de ensino de matemática2013
Plano de ensino de matemática2013manocareca
 
Projeto poetas na escola
Projeto poetas na escolaProjeto poetas na escola
Projeto poetas na escolaEunice Vieira
 
Plano diagnóstico de Matemática - 5º ano
Plano diagnóstico  de Matemática  - 5º ano  Plano diagnóstico  de Matemática  - 5º ano
Plano diagnóstico de Matemática - 5º ano Mary Alvarenga
 
Apresentaçãp projeto de leitura nos anos iniciais
Apresentaçãp projeto de leitura nos anos iniciaisApresentaçãp projeto de leitura nos anos iniciais
Apresentaçãp projeto de leitura nos anos iniciaisleao162010
 
Práticas de Leitura e Práticas de Produção de texto
Práticas de Leitura e Práticas de Produção de textoPráticas de Leitura e Práticas de Produção de texto
Práticas de Leitura e Práticas de Produção de textoFernanda Tulio
 
Ficha descritiva 1 ano 1 trimestre
Ficha descritiva 1 ano   1 trimestreFicha descritiva 1 ano   1 trimestre
Ficha descritiva 1 ano 1 trimestreNaysa Taboada
 
Direitos de aprendizagem oralidade
Direitos de aprendizagem   oralidadeDireitos de aprendizagem   oralidade
Direitos de aprendizagem oralidademariaelidias
 
Projeto interdisciplinar: Traçando saberes entre Português e Matemática.
Projeto interdisciplinar: Traçando saberes entre  Português e Matemática.Projeto interdisciplinar: Traçando saberes entre  Português e Matemática.
Projeto interdisciplinar: Traçando saberes entre Português e Matemática.Mary Alvarenga
 
Escala SAEB 2013
Escala SAEB 2013Escala SAEB 2013
Escala SAEB 2013Portal QEdu
 
Fichas de Avaliação Ed. Infantil
Fichas de Avaliação  Ed. InfantilFichas de Avaliação  Ed. Infantil
Fichas de Avaliação Ed. InfantilAlinemmoliveira
 
PROJETO DE LEITURA: UM PALCO PARA A LINGUAGEM ORAL E ESCRITA
PROJETO DE LEITURA: UM PALCO PARA A LINGUAGEM ORAL E ESCRITAPROJETO DE LEITURA: UM PALCO PARA A LINGUAGEM ORAL E ESCRITA
PROJETO DE LEITURA: UM PALCO PARA A LINGUAGEM ORAL E ESCRITAJane Santos
 
Projeto de leitura para o 3º bimestre
Projeto de leitura para o 3º bimestreProjeto de leitura para o 3º bimestre
Projeto de leitura para o 3º bimestreheliane
 
1 jogos diversos pnaic u_nidade 4
1 jogos diversos  pnaic u_nidade 41 jogos diversos  pnaic u_nidade 4
1 jogos diversos pnaic u_nidade 4Isa ...
 
JOGOS MATEMÁTICOS 3º 4º 5º ANO PAIC + VOLUME I(PROFESSOR)
JOGOS MATEMÁTICOS 3º 4º 5º ANO PAIC + VOLUME I(PROFESSOR)JOGOS MATEMÁTICOS 3º 4º 5º ANO PAIC + VOLUME I(PROFESSOR)
JOGOS MATEMÁTICOS 3º 4º 5º ANO PAIC + VOLUME I(PROFESSOR)orientadoresdeestudopaic
 

Mais procurados (20)

Projeto interdisciplinar: Traçando saberes entre Português e Matemática. (20...
Projeto interdisciplinar: Traçando saberes entre Português e Matemática.  (20...Projeto interdisciplinar: Traçando saberes entre Português e Matemática.  (20...
Projeto interdisciplinar: Traçando saberes entre Português e Matemática. (20...
 
Projeto poemas em festa - Gêneros textuais na sala de aula
Projeto poemas em festa - Gêneros textuais na sala de aulaProjeto poemas em festa - Gêneros textuais na sala de aula
Projeto poemas em festa - Gêneros textuais na sala de aula
 
Ler e escrever na escola o real o possivel e o necessario delia lerner
Ler e escrever na escola o real o possivel e o necessario delia lernerLer e escrever na escola o real o possivel e o necessario delia lerner
Ler e escrever na escola o real o possivel e o necessario delia lerner
 
Sequência didática brincadeiras infantis
Sequência didática brincadeiras infantisSequência didática brincadeiras infantis
Sequência didática brincadeiras infantis
 
Plano de ensino de matemática2013
Plano de ensino de matemática2013Plano de ensino de matemática2013
Plano de ensino de matemática2013
 
Projeto de Leitura _ História em Quadrinhos
Projeto de Leitura _  História em QuadrinhosProjeto de Leitura _  História em Quadrinhos
Projeto de Leitura _ História em Quadrinhos
 
Projeto poetas na escola
Projeto poetas na escolaProjeto poetas na escola
Projeto poetas na escola
 
Plano diagnóstico de Matemática - 5º ano
Plano diagnóstico  de Matemática  - 5º ano  Plano diagnóstico  de Matemática  - 5º ano
Plano diagnóstico de Matemática - 5º ano
 
Apresentaçãp projeto de leitura nos anos iniciais
Apresentaçãp projeto de leitura nos anos iniciaisApresentaçãp projeto de leitura nos anos iniciais
Apresentaçãp projeto de leitura nos anos iniciais
 
Práticas de Leitura e Práticas de Produção de texto
Práticas de Leitura e Práticas de Produção de textoPráticas de Leitura e Práticas de Produção de texto
Práticas de Leitura e Práticas de Produção de texto
 
Ficha descritiva 1 ano 1 trimestre
Ficha descritiva 1 ano   1 trimestreFicha descritiva 1 ano   1 trimestre
Ficha descritiva 1 ano 1 trimestre
 
Direitos de aprendizagem oralidade
Direitos de aprendizagem   oralidadeDireitos de aprendizagem   oralidade
Direitos de aprendizagem oralidade
 
Projeto interdisciplinar: Traçando saberes entre Português e Matemática.
Projeto interdisciplinar: Traçando saberes entre  Português e Matemática.Projeto interdisciplinar: Traçando saberes entre  Português e Matemática.
Projeto interdisciplinar: Traçando saberes entre Português e Matemática.
 
Projeto cantigas de roda
Projeto cantigas de rodaProjeto cantigas de roda
Projeto cantigas de roda
 
Escala SAEB 2013
Escala SAEB 2013Escala SAEB 2013
Escala SAEB 2013
 
Fichas de Avaliação Ed. Infantil
Fichas de Avaliação  Ed. InfantilFichas de Avaliação  Ed. Infantil
Fichas de Avaliação Ed. Infantil
 
PROJETO DE LEITURA: UM PALCO PARA A LINGUAGEM ORAL E ESCRITA
PROJETO DE LEITURA: UM PALCO PARA A LINGUAGEM ORAL E ESCRITAPROJETO DE LEITURA: UM PALCO PARA A LINGUAGEM ORAL E ESCRITA
PROJETO DE LEITURA: UM PALCO PARA A LINGUAGEM ORAL E ESCRITA
 
Projeto de leitura para o 3º bimestre
Projeto de leitura para o 3º bimestreProjeto de leitura para o 3º bimestre
Projeto de leitura para o 3º bimestre
 
1 jogos diversos pnaic u_nidade 4
1 jogos diversos  pnaic u_nidade 41 jogos diversos  pnaic u_nidade 4
1 jogos diversos pnaic u_nidade 4
 
JOGOS MATEMÁTICOS 3º 4º 5º ANO PAIC + VOLUME I(PROFESSOR)
JOGOS MATEMÁTICOS 3º 4º 5º ANO PAIC + VOLUME I(PROFESSOR)JOGOS MATEMÁTICOS 3º 4º 5º ANO PAIC + VOLUME I(PROFESSOR)
JOGOS MATEMÁTICOS 3º 4º 5º ANO PAIC + VOLUME I(PROFESSOR)
 

Destaque

Direitos de aprendizagens do ciclo de alfabetização
Direitos de aprendizagens do ciclo de alfabetizaçãoDireitos de aprendizagens do ciclo de alfabetização
Direitos de aprendizagens do ciclo de alfabetizaçãoValéria Maciel
 
Eixos Língua Portuguesa
Eixos Língua PortuguesaEixos Língua Portuguesa
Eixos Língua PortuguesaShirley Lauria
 
Fasc. 1 sugestões de atividades dos 5 eixos
Fasc. 1 sugestões de atividades dos 5 eixosFasc. 1 sugestões de atividades dos 5 eixos
Fasc. 1 sugestões de atividades dos 5 eixosCelismara Seleguin
 
PNAIC-Tabelas com os Direitos de aprendizagem
PNAIC-Tabelas com os Direitos de aprendizagem PNAIC-Tabelas com os Direitos de aprendizagem
PNAIC-Tabelas com os Direitos de aprendizagem Graça Sousa
 
Pnaic 5ª aula direitos de aprendizagem
Pnaic 5ª aula direitos de aprendizagemPnaic 5ª aula direitos de aprendizagem
Pnaic 5ª aula direitos de aprendizagemtlfleite
 
Direitos de aprendizagem análise linguistica sea
Direitos de aprendizagem análise linguistica seaDireitos de aprendizagem análise linguistica sea
Direitos de aprendizagem análise linguistica seamariaelidias
 
Direitos de aprendizagem produção de textos
Direitos de aprendizagem   produção de textosDireitos de aprendizagem   produção de textos
Direitos de aprendizagem produção de textosmariaelidias
 
Eixo analise linguistica
Eixo analise linguisticaEixo analise linguistica
Eixo analise linguisticaPactoufba
 
Análise Linguística no EM: um novo olhar, um outro objeto - Márcia Mendonça
Análise Linguística no EM: um novo olhar, um outro objeto - Márcia MendonçaAnálise Linguística no EM: um novo olhar, um outro objeto - Márcia Mendonça
Análise Linguística no EM: um novo olhar, um outro objeto - Márcia MendonçaAFMO35
 
LEITURA DELEITE SEJA GIRASSOL
LEITURA DELEITE SEJA GIRASSOLLEITURA DELEITE SEJA GIRASSOL
LEITURA DELEITE SEJA GIRASSOLMarisa Seara
 
Oralidade e gêneros orais: um olhar sobre as práticas orais em sala de aula
Oralidade e gêneros orais: um olhar sobre as práticas orais em sala de aulaOralidade e gêneros orais: um olhar sobre as práticas orais em sala de aula
Oralidade e gêneros orais: um olhar sobre as práticas orais em sala de aulaDenise Oliveira
 
O menino que aprendeu a ver
O menino que aprendeu a verO menino que aprendeu a ver
O menino que aprendeu a verRosemary Batista
 
Pnaic unidade 5 sintese dos cadernos anos 1, 2 e 3 com alterações
Pnaic unidade 5 sintese dos cadernos anos 1, 2 e 3 com alteraçõesPnaic unidade 5 sintese dos cadernos anos 1, 2 e 3 com alterações
Pnaic unidade 5 sintese dos cadernos anos 1, 2 e 3 com alteraçõestlfleite
 
Actividades compreensão e expressão da oralidade
Actividades compreensão e expressão da oralidadeActividades compreensão e expressão da oralidade
Actividades compreensão e expressão da oralidadeascotas
 
SEQUENCIA DIDÁTICA PNAIC - Leitura - PROFESSORA GILMARA FREITAS DO SUBURBIO I
SEQUENCIA DIDÁTICA PNAIC - Leitura - PROFESSORA GILMARA FREITAS DO SUBURBIO ISEQUENCIA DIDÁTICA PNAIC - Leitura - PROFESSORA GILMARA FREITAS DO SUBURBIO I
SEQUENCIA DIDÁTICA PNAIC - Leitura - PROFESSORA GILMARA FREITAS DO SUBURBIO IMarisa Seara
 
A oralidade e a escrita prof roberta scheibe1
A oralidade e a escrita   prof roberta scheibe1A oralidade e a escrita   prof roberta scheibe1
A oralidade e a escrita prof roberta scheibe1Roberta Scheibe
 
PNAIC - Ano 2 unidade 2
PNAIC - Ano 2   unidade 2PNAIC - Ano 2   unidade 2
PNAIC - Ano 2 unidade 2ElieneDias
 
Desenvolvimento da oralidade
Desenvolvimento da oralidadeDesenvolvimento da oralidade
Desenvolvimento da oralidadeDenise Oliveira
 

Destaque (20)

Direitos de aprendizagens do ciclo de alfabetização
Direitos de aprendizagens do ciclo de alfabetizaçãoDireitos de aprendizagens do ciclo de alfabetização
Direitos de aprendizagens do ciclo de alfabetização
 
Eixos Língua Portuguesa
Eixos Língua PortuguesaEixos Língua Portuguesa
Eixos Língua Portuguesa
 
Fasc. 1 sugestões de atividades dos 5 eixos
Fasc. 1 sugestões de atividades dos 5 eixosFasc. 1 sugestões de atividades dos 5 eixos
Fasc. 1 sugestões de atividades dos 5 eixos
 
PNAIC-Tabelas com os Direitos de aprendizagem
PNAIC-Tabelas com os Direitos de aprendizagem PNAIC-Tabelas com os Direitos de aprendizagem
PNAIC-Tabelas com os Direitos de aprendizagem
 
Pnaic 5ª aula direitos de aprendizagem
Pnaic 5ª aula direitos de aprendizagemPnaic 5ª aula direitos de aprendizagem
Pnaic 5ª aula direitos de aprendizagem
 
Direitos de aprendizagem análise linguistica sea
Direitos de aprendizagem análise linguistica seaDireitos de aprendizagem análise linguistica sea
Direitos de aprendizagem análise linguistica sea
 
Direitos de aprendizagem produção de textos
Direitos de aprendizagem   produção de textosDireitos de aprendizagem   produção de textos
Direitos de aprendizagem produção de textos
 
Eixo analise linguistica
Eixo analise linguisticaEixo analise linguistica
Eixo analise linguistica
 
Análise Linguística no EM: um novo olhar, um outro objeto - Márcia Mendonça
Análise Linguística no EM: um novo olhar, um outro objeto - Márcia MendonçaAnálise Linguística no EM: um novo olhar, um outro objeto - Márcia Mendonça
Análise Linguística no EM: um novo olhar, um outro objeto - Márcia Mendonça
 
LEITURA DELEITE SEJA GIRASSOL
LEITURA DELEITE SEJA GIRASSOLLEITURA DELEITE SEJA GIRASSOL
LEITURA DELEITE SEJA GIRASSOL
 
Oralidade e gêneros orais: um olhar sobre as práticas orais em sala de aula
Oralidade e gêneros orais: um olhar sobre as práticas orais em sala de aulaOralidade e gêneros orais: um olhar sobre as práticas orais em sala de aula
Oralidade e gêneros orais: um olhar sobre as práticas orais em sala de aula
 
O menino que aprendeu a ver
O menino que aprendeu a verO menino que aprendeu a ver
O menino que aprendeu a ver
 
Prova572011
Prova572011Prova572011
Prova572011
 
Pnaic unidade 5 sintese dos cadernos anos 1, 2 e 3 com alterações
Pnaic unidade 5 sintese dos cadernos anos 1, 2 e 3 com alteraçõesPnaic unidade 5 sintese dos cadernos anos 1, 2 e 3 com alterações
Pnaic unidade 5 sintese dos cadernos anos 1, 2 e 3 com alterações
 
Actividades compreensão e expressão da oralidade
Actividades compreensão e expressão da oralidadeActividades compreensão e expressão da oralidade
Actividades compreensão e expressão da oralidade
 
Denotação e conotação
Denotação e conotaçãoDenotação e conotação
Denotação e conotação
 
SEQUENCIA DIDÁTICA PNAIC - Leitura - PROFESSORA GILMARA FREITAS DO SUBURBIO I
SEQUENCIA DIDÁTICA PNAIC - Leitura - PROFESSORA GILMARA FREITAS DO SUBURBIO ISEQUENCIA DIDÁTICA PNAIC - Leitura - PROFESSORA GILMARA FREITAS DO SUBURBIO I
SEQUENCIA DIDÁTICA PNAIC - Leitura - PROFESSORA GILMARA FREITAS DO SUBURBIO I
 
A oralidade e a escrita prof roberta scheibe1
A oralidade e a escrita   prof roberta scheibe1A oralidade e a escrita   prof roberta scheibe1
A oralidade e a escrita prof roberta scheibe1
 
PNAIC - Ano 2 unidade 2
PNAIC - Ano 2   unidade 2PNAIC - Ano 2   unidade 2
PNAIC - Ano 2 unidade 2
 
Desenvolvimento da oralidade
Desenvolvimento da oralidadeDesenvolvimento da oralidade
Desenvolvimento da oralidade
 

Semelhante a Direitos de aprendizagem - Leitura de textos não-verbais

Uso de textos na alfabetizacao
Uso de textos na alfabetizacaoUso de textos na alfabetizacao
Uso de textos na alfabetizacaoIsa ...
 
Linguagem oral e escrita
Linguagem oral e escrita Linguagem oral e escrita
Linguagem oral e escrita Luiza Souza
 
Slides planejamento escolar
Slides planejamento escolarSlides planejamento escolar
Slides planejamento escolarAnanda Lima
 
ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO.pdf
ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO.pdfALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO.pdf
ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO.pdfAndrea491870
 
instituto-ayrton-senna-caminhos-para-a-proficiencia-leitora.pdf
instituto-ayrton-senna-caminhos-para-a-proficiencia-leitora.pdfinstituto-ayrton-senna-caminhos-para-a-proficiencia-leitora.pdf
instituto-ayrton-senna-caminhos-para-a-proficiencia-leitora.pdfEdinaAlgarve
 
Desenvolvendo competencia.leitora
Desenvolvendo competencia.leitoraDesenvolvendo competencia.leitora
Desenvolvendo competencia.leitoraFatima Costa
 
Alfabetização e Letramento _apresentação 1 - formação de professores
Alfabetização e Letramento _apresentação 1 - formação de professoresAlfabetização e Letramento _apresentação 1 - formação de professores
Alfabetização e Letramento _apresentação 1 - formação de professoresMicheli Rader
 
Alfabetização e letramento (slide)
Alfabetização e letramento (slide)Alfabetização e letramento (slide)
Alfabetização e letramento (slide)PamelaAschoff
 
Alfabetização e letramento (slide)
Alfabetização e letramento (slide)Alfabetização e letramento (slide)
Alfabetização e letramento (slide)brunadepaulapereira
 
Apropriação do sistema_de_escrita_reunião_de_coordenadores - julho 2014
Apropriação do sistema_de_escrita_reunião_de_coordenadores - julho 2014Apropriação do sistema_de_escrita_reunião_de_coordenadores - julho 2014
Apropriação do sistema_de_escrita_reunião_de_coordenadores - julho 2014Rosemary Batista
 
Concepções de leitura e implicações para o ensino
Concepções de leitura e implicações para o ensinoConcepções de leitura e implicações para o ensino
Concepções de leitura e implicações para o ensinoJohnJeffersonAlves1
 
Leitura processo - Delaine Cafiero
Leitura processo - Delaine CafieroLeitura processo - Delaine Cafiero
Leitura processo - Delaine CafieroLívia Nascimento
 
Ii reunião alfabetização_eixos_norteadores
Ii reunião alfabetização_eixos_norteadoresIi reunião alfabetização_eixos_norteadores
Ii reunião alfabetização_eixos_norteadoresRosemary Batista
 
Apresentação unidade2 planejamento
Apresentação unidade2 planejamentoApresentação unidade2 planejamento
Apresentação unidade2 planejamentoOlívia Oliveira
 
A FORMAÇÃO DO LEITOR COMPETENTE.pdf
A FORMAÇÃO DO LEITOR COMPETENTE.pdfA FORMAÇÃO DO LEITOR COMPETENTE.pdf
A FORMAÇÃO DO LEITOR COMPETENTE.pdflucianacarvalho
 
A FORMAÇÃO DO LEITOR COMPETENTE na graduação
A FORMAÇÃO DO LEITOR COMPETENTE na graduaçãoA FORMAÇÃO DO LEITOR COMPETENTE na graduação
A FORMAÇÃO DO LEITOR COMPETENTE na graduaçãoAndrezaFlexaFlexa
 
Educação da criança surda
Educação da criança surdaEducação da criança surda
Educação da criança surdaLidiana Freire
 
Alfabetização, letramento, variedade linguística, leitura, escrita
Alfabetização, letramento, variedade linguística, leitura, escritaAlfabetização, letramento, variedade linguística, leitura, escrita
Alfabetização, letramento, variedade linguística, leitura, escritaJomari
 

Semelhante a Direitos de aprendizagem - Leitura de textos não-verbais (20)

Uso de textos na alfabetizacao
Uso de textos na alfabetizacaoUso de textos na alfabetizacao
Uso de textos na alfabetizacao
 
Linguagem oral e escrita
Linguagem oral e escrita Linguagem oral e escrita
Linguagem oral e escrita
 
Slides planejamento escolar
Slides planejamento escolarSlides planejamento escolar
Slides planejamento escolar
 
ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO.pdf
ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO.pdfALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO.pdf
ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO.pdf
 
instituto-ayrton-senna-caminhos-para-a-proficiencia-leitora.pdf
instituto-ayrton-senna-caminhos-para-a-proficiencia-leitora.pdfinstituto-ayrton-senna-caminhos-para-a-proficiencia-leitora.pdf
instituto-ayrton-senna-caminhos-para-a-proficiencia-leitora.pdf
 
Desenvolvendo competencia.leitora
Desenvolvendo competencia.leitoraDesenvolvendo competencia.leitora
Desenvolvendo competencia.leitora
 
Alfabetização e Letramento _apresentação 1 - formação de professores
Alfabetização e Letramento _apresentação 1 - formação de professoresAlfabetização e Letramento _apresentação 1 - formação de professores
Alfabetização e Letramento _apresentação 1 - formação de professores
 
Alfabetização e letramento (slide)
Alfabetização e letramento (slide)Alfabetização e letramento (slide)
Alfabetização e letramento (slide)
 
Alfabetização e letramento (slide)
Alfabetização e letramento (slide)Alfabetização e letramento (slide)
Alfabetização e letramento (slide)
 
Palestra alfabetização
Palestra alfabetizaçãoPalestra alfabetização
Palestra alfabetização
 
Apropriação do sistema_de_escrita_reunião_de_coordenadores - julho 2014
Apropriação do sistema_de_escrita_reunião_de_coordenadores - julho 2014Apropriação do sistema_de_escrita_reunião_de_coordenadores - julho 2014
Apropriação do sistema_de_escrita_reunião_de_coordenadores - julho 2014
 
Concepções de leitura e implicações para o ensino
Concepções de leitura e implicações para o ensinoConcepções de leitura e implicações para o ensino
Concepções de leitura e implicações para o ensino
 
Letramento e Paralisia cerebral
Letramento e Paralisia cerebralLetramento e Paralisia cerebral
Letramento e Paralisia cerebral
 
Leitura processo - Delaine Cafiero
Leitura processo - Delaine CafieroLeitura processo - Delaine Cafiero
Leitura processo - Delaine Cafiero
 
Ii reunião alfabetização_eixos_norteadores
Ii reunião alfabetização_eixos_norteadoresIi reunião alfabetização_eixos_norteadores
Ii reunião alfabetização_eixos_norteadores
 
Apresentação unidade2 planejamento
Apresentação unidade2 planejamentoApresentação unidade2 planejamento
Apresentação unidade2 planejamento
 
A FORMAÇÃO DO LEITOR COMPETENTE.pdf
A FORMAÇÃO DO LEITOR COMPETENTE.pdfA FORMAÇÃO DO LEITOR COMPETENTE.pdf
A FORMAÇÃO DO LEITOR COMPETENTE.pdf
 
A FORMAÇÃO DO LEITOR COMPETENTE na graduação
A FORMAÇÃO DO LEITOR COMPETENTE na graduaçãoA FORMAÇÃO DO LEITOR COMPETENTE na graduação
A FORMAÇÃO DO LEITOR COMPETENTE na graduação
 
Educação da criança surda
Educação da criança surdaEducação da criança surda
Educação da criança surda
 
Alfabetização, letramento, variedade linguística, leitura, escrita
Alfabetização, letramento, variedade linguística, leitura, escritaAlfabetização, letramento, variedade linguística, leitura, escrita
Alfabetização, letramento, variedade linguística, leitura, escrita
 

Mais de mariaelidias

Até as Princesas Soltam Pum
Até as Princesas Soltam PumAté as Princesas Soltam Pum
Até as Princesas Soltam Pummariaelidias
 
Livro a botija de ouro
Livro  a botija de ouroLivro  a botija de ouro
Livro a botija de ouromariaelidias
 
marcelo , marmelo, martelo
marcelo , marmelo, martelomarcelo , marmelo, martelo
marcelo , marmelo, martelomariaelidias
 
Uma historinha sem 1 sentido
Uma historinha sem 1 sentidoUma historinha sem 1 sentido
Uma historinha sem 1 sentidomariaelidias
 
Direitos de aprendizagem leitura
Direitos de aprendizagem   leituraDireitos de aprendizagem   leitura
Direitos de aprendizagem leituramariaelidias
 
O MENINO QUE APRENDEU A VER
O MENINO QUE APRENDEU A VERO MENINO QUE APRENDEU A VER
O MENINO QUE APRENDEU A VERmariaelidias
 

Mais de mariaelidias (9)

Até as Princesas Soltam Pum
Até as Princesas Soltam PumAté as Princesas Soltam Pum
Até as Princesas Soltam Pum
 
Livro a botija de ouro
Livro  a botija de ouroLivro  a botija de ouro
Livro a botija de ouro
 
marcelo , marmelo, martelo
marcelo , marmelo, martelomarcelo , marmelo, martelo
marcelo , marmelo, martelo
 
De Letra em Letra
De Letra em LetraDe Letra em Letra
De Letra em Letra
 
Galileu leu
Galileu leuGalileu leu
Galileu leu
 
Uma historinha sem 1 sentido
Uma historinha sem 1 sentidoUma historinha sem 1 sentido
Uma historinha sem 1 sentido
 
Abracadabra
AbracadabraAbracadabra
Abracadabra
 
Direitos de aprendizagem leitura
Direitos de aprendizagem   leituraDireitos de aprendizagem   leitura
Direitos de aprendizagem leitura
 
O MENINO QUE APRENDEU A VER
O MENINO QUE APRENDEU A VERO MENINO QUE APRENDEU A VER
O MENINO QUE APRENDEU A VER
 

Direitos de aprendizagem - Leitura de textos não-verbais

  • 1. DIREITOS DE APRENDIZAGEM - LEITURA 1- Ler textos não-verbais, em diferentes suportes Para se comunicar, o ser humano utilizaa palavra (oral ou escrita), mas também outros signos que servem ao propósito de produzir textos e disseminar ideias. Assim, o texto não- verbal é todoaquele que utiliza outros códigos que não sejam apalavra na emissão de mensagens, cabendo ao leitor a produção de sentido para imagens, sons, cheiros, gestos, expressões faciais, símbolos, sinais de trânsito, fotografias, ilustrações, mapas, gráficos, etc. Para ler as mensagens presentes nesse tipo de texto é necessário considerar a cor, a forma, o movimento, a organização dos códigos, etc. As atividades para o ensino deste tipo de leitura devem estar inseridas no dia-a- dia da escola. Para tanto, poderão ser realizadas leituras diversas: 1) ler expressões faciais nos “emotions”, identificando as emoções - alegria, dúvida, tristeza, surpresa, sono, choro, raiva, etc. Como a imagem tem poucos traços é importante chamar a atenção das crianças para a forma e posição da boca, dos olhos e sobrancelhas. As crianças podem ser convidadas a produzir os seus “emotions” e a experimentar essa forma de linguagem que tem sido muito utilizada nos ambientes virtuais e em mensagens de texto no celular. Abaixo, a figura mostra a utilização de sinais de pontuação para produzir signos e comunicar ideias e sentimentos. FONTE: http://images.br.sftcdn.net/blog/br/2011/07/Emoticons-Populares.png;https://encrypted- tbn1.gstatic.com/images?q=tbn:ANd9GcTMcZeh3oawTUxre88CIKz7lvFrvS7EOiwu_DIeHsdWhJ79x1gG
  • 2. Na sociedade em que vivemos devemos estar atentos às múltiplas possibilidades de comunicação, que se ampliam a cada dia, em especial a partir das novas tecnologias de comunicação e informação, que nos oferecem um amplo repertório de signos. 2) ler as imagens que ilustram os textos nos livros didáticos ou nas obras literárias, explorando as cores, as formas, as figuras, os traços produzidos pelo ilustrador. Aprender a fazer a leitura de imagens é importante no processo de compreensão do texto, pois possibilita antecipar ideias, elaborar hipóteses sobre o seu conteúdo e ampliar os sentidos produzidos a partir das palavras. 3) ler os sinais de trânsito e compreender o que significam os signos, as cores e formas utilizadas nesse sistema de representação. 2 - Compreender textos lidos por outras pessoas, de diferentesgêneros e com diferentes propósitos Ouvir a leitura de textos é uma atividade essencial para a aprendizagem de habilidades de leitura e compreensão dos textos, que não tem sido adequadamente contemplada pela escola. Ouvir a leitura dos textos é importante para as crianças em fase de alfabetização, em especial para aquelas que ainda não sabem fazer leitura autônoma e independente. Ao ouvir o texto lido pela professora a criança lê com os ouvidos experimenta a interlocuçãocom o discurso escrito e adquire familiaridade com a linguagem escrita, que é diferente da fala. Como afirma Brito,“quando alguém estuda um texto escritoenunciado em voz alta, ele está lendo o texto,mesmo que para isso utilize outro sentido (aaudição)” (BRITO, 2007, p. 18). Para as crianças que ainda não sabem ler de forma convencional e autônoma, ler com os ouvidos é tão importante quanto lercom os olhos. 3- Antecipar sentidos e ativar conhecimentos prévios relativos aos textos a serem lidos pelo professor ou pelas crianças. Antes de ler ou propor a leitura de um texto, é importante realizar atividades de preparação e de motivação das crianças. Dentre estas atividades é essencialaantecipação de sentidos, elaboração de hipóteses, a ativação ou atualização de conhecimentos prévios, adefinição de objetivos para ler. Antecipar sentidos se constitui como uma etapa em que o professor constrói situações para que as crianças possam pensar sobre o texto antes de fazer a sua leitura, de forma
  • 3. elaborar hipóteses sobre os possíveis sentidos inscritos no texto que será lido. O desenvolvimento desta habilidade pode ser trabalhado a partir da exploração de elementos diversos, colocando-se um jogo as informações já conhecidas pelos alunos, ativando os seus conhecimentos prévios, a partir de pistas relativas ao conteúdo do texto proposto. O conhecimento prévio refere-se a conhecimento sobre o assunto, mas também o conhecimento sobre o gênero textual, sobre o portador onde o texto foi publicado o texto (jornal, revista, livro, panfleto, folheto, livro, etc.). O conhecimento prévio também se refere ao que a criança sabe sobre o autor do texto ou mesmo sobre a época em que foi publicado. Em sala de aula, as atividades poderão se constituir como situações coletivas para exploração da superestrutura do texto, com análise das ilustrações da capa dos livros literários ou das ilustrações nos livros didáticos; exploração do título, dos subtítulos, dos sublinhados, em um processo em que os alunos procuram adivinhar os sentidos das histórias e dos textos, a partir das informações presentes nesses elementos. Também podem ser explorados o nome do autor e do ilustrador, a dedicatória e outros elementos pré-textuais que compõem o projeto gráfico da obra literária a ser lida. Exemplo: Observando as imagens da capa, qual deve ser o assunto tratado no texto? Considerando que o título do texto é “Como se fosse dinheiro”, qual o assunto você acha que o texto abordará? Você acha que será uma história, uma notícia, um poema? Sabendo que a autora é Ruth Rocha, você mantém suas respostas anteriores ou as modifica? Por quê? Ao construir respostas para essas questões as crianças elaboram hipóteses, antecipam sentidos possíveis para o texto, sentidos que podem ou não ser confirmadas com a leitura. Além de contribuir para que as crianças compreendam melhor os textos, essa antecipação de sentidos serve para despertar o interesse e desejo de ler. As atividades de antecipação de sentido também servem ao processo de ativação de conhecimentos prévios dos alunos. Isso porque, ao tentar adivinhar o conteúdo do texto, o aluno colocaem jogo as informações já conhecidas, explicitam elementos que ainda não conhecem e também aprendem com as opiniões e informações apresentadas pelos colegas. Vale lembrar que ter conhecimento sobre o conteúdo dos textos a serem lidos é essencial para a compreensão. Quando os textos não fazem parte do universo cultural das crianças elas encontram dificuldades de compreensão. Nesse sentido, ao discutir ideias, antes de ler o texto, são construídas condições para a aprendizagem. No processo de leitura, os alunos devem contar com a ajuda do professor para esclarecer dúvidas, dando-lhes suporte para a construção de respostas para as hipóteses inicialmente elaboradas.Conhecer de antemão o conteúdo do texto que irá ler contribui para a compreensão do texto a ser lido pelo aluno.
  • 4. Pode ser que o aluno não possua conhecimentos prévios exigidos para abordar o texto, pode acontecer que o título do texto não permita inferir o seu conteúdo antes da leitura, pode também ocorrer que o leitor elabore interpretações que não coincidam com as intenções pretendidas pelo autor. 4 - Reconhecer finalidades de textos lidos pelo professor ou pelas crianças. É importante que a escola se abra aos diferentes textos em circulação social, favorecendo a interação rica e produtiva dos alunos com os diferentes textos que circulam socialmente e integram o universo da cultura escrita. Os diferentes textos apresentam estrutura e organização da linguagem adequadas às funções sociais às quais se destinam, sendo que os gêneros textuais englobam todos os textos produzidos por usuários de uma língua.Assim, atas, avisos, programas de auditórios, telegrama, cartas, cartazes, poemas, contos de fadas, crônicas, editoriais, ensaios, entrevistas, contratos, decretos, discursos políticos, histórias, instruções de uso, letras de música, leis, mensagens, notícias, etc, podem ser considerados exemplos de gêneros textuais. Ao propor a leitura de textos na escola, o professor deve discutir com os alunos as funções e finalidades destes textos: 1) anúncios - finalidade de divulgar um produto ou ideia; 2) textos publicitários e de propaganda - finalidade de convencer o consumidor a adquirir (comprar) um produto ou uma ideia; 3) convites - finalidade de convidar uma pessoa para um evento, uma festa, uma reunião, etc; 4) bulas de remédio - finalidade de informar sobre a composição e utilidade de um medicamento e orientar o paciente; 5) texto jornalístico - texto que tem um compromisso com a verdade e tem a finalidade de informar o leitor sobre fatos ocorridos; 6) literatura - são textos que, ao contrário dos textos jornalísticos, os textos literários não têm compromisso com a verdade, sendo que a sua finalidade é de entretenimento, lazer e fruição estética. 5- Ler em voz alta, com fluência, em diferentes situações. Quando falamos em leitura com fluência referimo-nos à habilidade da criança fazer a leitura em voz alta com velocidade e expressividade adequadas, sendo esta uma habilidade correlacionada com a compreensão na leitura.Quando a criança faz uma leitura muito pausada, sílaba por sílaba, ou palavra por palavra, essa lentidão dificulta a compreensão. Daí ser importante que o professor trabalhe com a fluência na leitura, desde o primeiro ano de
  • 5. escolaridade, de forma que aa crianças possam ler sem esforço de decodificação, desenvolvendo a capacidade de reconhecer as palavras rapidamente e com precisão, organizando-as em unidades de significação. As atividades voltadas para o desenvolvimento da fluência na leitura podem se situar em duas formas básicas de abordagem: 1) atividades que envolvem a apresentação de um modelo, ou seja, em que o professor lê o texto, mostrando a forma correta de se fazer a leitura, com ritmo e entonação adequados ao gênero textual; 2) atividades quevisam melhor a decifração e treinar a leitura rápida e precisa das palavras presentes no texto. Como sugestão de atividades de fluência na leitura, sugerimos que o professor realize uma primeira leitura do texto; ao ouvir o texto a criança se familiariza com as palavras, o vocabulário, a pontuação, a entonação que pode ser dada às frases. As leituras repetidas têm se mostrado uma medida eficiente para promover a fluência, pois aumentam a precisão e a velocidade no processamento das palavras, promovendouma melhor compreensão na leitura. O professor também precisa selecionar textos mais curtos, que contribuam com a velocidade da leitura, como é o caso de parlendas, poemas, letras de música, trovinhas, cantigas ou outros textos que as crianças sabem de cor e podem ler mais rapidamente, porque não precisam decifrar as palavras uma a uma. Outra estratégia que contribui com a fluência das crianças é familiarizar-se como vocabulário e o conteúdo do texto por meio da leitura silenciosa, ou seja, fazer leitura silenciosa e treinar a leitura antes de ler oralmente o texto. 6 e 7 -Localizar informações explícitas em textos de diferentes gêneros,temáticas, lidos pelo professor ou outro leitor experiente ou com lidos com autonomia pela própria criança. Para desenvolver habilidades de leitura é importante que o professor crie oportunidades para ler textos diversos e de interesse das crianças. Na etapa inicial do 1º ano de escolaridade, quando as crianças ainda não sabem ler com autonomia, a leitura será feita pelo professor ou outro leitor experiente. Na medida em que desenvolve habilidades, a criança poderá ler com autonomia, sem a mediação de outros leitores. Em todas as situações de leitura, as crianças deverão ser desafiadas a identificar as informações explícitas no corpo do texto.Nos textos narrativos, o professor fará a leitura oral do texto, apresentando questionamentos que levem o aluno a identificar: onde ocorreram os fatos,quemfez,o que fez, quando,como epor quê. Nos textos argumentativos os
  • 6. questionamentos devem levar o aluno a identificar o assunto abordado, a posição que o autor defende,os argumentos apresentados para convencer o leitor, a conclusão a que chega o autor. 8 e 9- Realizar inferências em textos de diferentes gêneros e temáticas,lidos pelo professor ou outro leitor experiente ou com lidos com autonomia pela própria criança. O ensino da leitura na escola deve considerar que a compreensão dos textos não é orientada apenas pela decifração das marcas gráficas (letras, pontuação, etc), mas, sobretudo pelo que estas marcas têm a dizer e pelo modo como o leitor apreende e interpreta a intenção do autor. Isso implica dizer que, além de identificar informações explícitas no texto, as crianças precisam realizar inferências. As inferências podem ser compreendidas as informações que o leitor adiciona ao textopara construirnovos sentidos a partir das informações explícitas que encontrou. Ou seja, são as informações não ditas, mas que estão nas entrelinhas e são reconstruídas pelo leitor a partir de suas vivências e conhecimentos prévios. Assim, as atividades em sala de aula devem levar o aluno a construir o sentido global do global e estabelecer conclusões e deduções. Veja o exemplo abaixo, extraído do Caderno 05 do Ceale (SEEMG-UFMG, 2003), em que a criança, para responder a questão proposta, precisa estabelecer inferência, posto que a informação relativa à cor do camaleão na grama não está explícita no texto, precisa ser deduzida a partir das informações dadas. QUESTÃO 22 - LEIA O TEXTO ABAIXO: MUDANDO DE COR O camaleão assume a cor do lugar em que se encontra. Ele também muda de cor em várias situações. Ele pode mudar deCor quando está com medo, quando está zangado e quando está apaixonado.(Adaptado de CIBOUL, Adèle. As cores. São Paulo: Moderna, 2003; ColeçãoCriança curiosa) RESPONDA: Qual a cor do camaleão quando ele está na grama? 10 e 11- Estabelecer relações lógicas entre partes de textos de diferentesgêneros e temáticas, lidos pelo professor ou outro leitor experiente ou com lidos com autonomia pela própria criança.
  • 7. A habilidade para estabelecer relações lógicas entre as partes de um texto precisa ser trabalhada desde o 1º ano de escolaridade, a partir de situações em que o professor faz a leitura oral de textos, mas, aos poucos, as crianças vão construindo a capacidade de ler de forma autônoma. Para compreender os textos, as crianças precisam perceber as relaçõesconstruídas pelo autor, identificando palavras estão sendo substituídas e/ou repetidas para facilitar acontinuidade do texto e a compreensão do sentido. No poema, “A foca”, o autor utiliza algumas expressões para evitar repetições, estabelecendo relações entre partes do texto. No 4º verso, o pronome “seu” refere-se à foca. No 7º e no 11º versos, a expressão “ela” também se refere à foca. Essas expressões estabelecem relações de coesão e coerência no texto, sendo necessário que a criança compreenda a sua utilização para que possa entender o texto e adequadamente produzir significações. 12 e 13 - Apreender assuntos/temas tratados em textos de diferentes gêneros, lidos pelo professor ou outro leitor experiente ou com lidos com autonomia pela própria criança. Apreender assuntos e temas tratados em textos de diferentes gêneros é uma habilidade de leitura básica no Ciclo de Alfabetização e deve ser trabalhada cotidianamente pelo professor. Inicialmente, quando a criança ainda não dominar o sistema de escrita, o professor poderá fazer leitura oral compartilhada e, na medida em que a criança for dominando a leitura, poderá ler com autonomia. Assim, em sala de aula, o professor e as crianças poderão ler e compartilhar textos literários ou poéticos e apreciar o prazer e o encantamento proporcionados pelos textos ficcionais; poderão ler uma notícia veiculada num jornal ou revista, para que os alunos não fiquem alheios ao que está acontecendo; ler um bilhete que irão encaminhar aos pais; ler textos instrucionais - receitas que farão na aula de culinária, as instruções de um jogo novo, etc. Em todas essas situações de leitura deverão ser levantadas questões que levem os alunos a identificar as temáticas abordadas nos textos.
  • 8. 14 e 15- Interpretar frases e expressões em textos de diferentes gêneros e temáticas, lidos pelo professor ou outro leitor experiente ou com lidos com autonomia pela própria criança. Para interpretar frases e expressões é necessário que as crianças compreendam a intenção da frase (afirmação, pergunta, dúvida, exclamação, ordem, etc). É preciso que as crianças aprendam a analisar a frase - a frase pode solicitar uma açãoou lhe dar uma ordem (Leia este livro!); a frasepode expressar uma dúvida e lhe fazer uma pergunta (Você leu o livro?).Para interpretar frases é também importante compreender os sentidos das palavras, sem conhecer o significado das palavras não é possível saber o que está sendo dito. A partir do conhecimento das intenções e dos sentidos das palavras o aluno deverá identificar a ideia principal das frases. Inicialmente, as crianças irão ouvir a leitura feita pelo professor para poder interpretar as frases e expressões. No entanto, na medida em que puderem ler com autonomia, as crianças não dependerão da mediação do professor para ter acesso ao texto escrito. Para trabalhar com a leitura e interpretação de frase, o professor poderá utilizar algumas atividades simples, como: 1)Brincadeira “macaco disse”, em que o professor lê uma frase e as crianças imitam com gestos (O menino plantou sementes bem pequeninas;O garoto tomou o do suco de laranja, mas não gostou do sabor; Vá até a janela, mas não corra; A professora leu o livro e o menino adorou a história). Após a brincadeira, a professora poderá discutir com as crianças a dificuldade em realizar os gestos representativos das frases. Também poderá discutir os significados de algumas palavras, como “mas”, que indica contraposição de ideias. O professor também poderá discutir a diferença de significados entre as expressões gostou e adorou (que revelam a satisfação com alguma coisa, mas a intensidade é diferente, posto que adorar é um sentimento mais intenso do que gostar). 2) Analisar algumas frases extraídas das histórias lidas para as crianças. A professora irá escrever as frases no quadro e analisar com as crianças. Por exemplo: “Era uma vez, uma menina tão doce e meiga que todos gostavam dela. A avó aadorava e não sabia mais que presente dar à criança para agradá-la. Um dia ela presenteou-acom um chapeuzinho de veludo vermelho”. Nesse trecho, extraído da história “Chapeuzinho Vermelho”, dos Irmãos Grimm, poderão ser exploradas alguns aspectos: 1) O que significa a palavra “doce” na frase “Era uma vez, uma menina tão doce e meiga que todos gostavam dela.”; 2) Explorar o uso de pronomes.
  • 9. No trecho “A avó a adorava”, pode-se perguntar “quem era adorado pela avó?”, sendo essencial que a criança compreenda que o “a” refere-se à Chapeuzinho Vermelho. No trecho “e não sabia mais que presente dar à criança para agradá-la”, pode-se perguntar “quem a avó queria agradar?”, sendo importante compreender que a expressão “criança” refere-se à Chapeuzinho Vermelho. Na frase, “Um dia ela presenteou-acom um chapeuzinho de veludo vermelho”, pode ser explorado aspectos de compreensão relativos a “qual” presente ganhou a Chapeuzinho Vermelho, “quem” deu o presente, sendo importante compreender as relações de referência, em que “ela” refere-se à avó e “a” refere-se à Chapeuzinho Vermelho. Em síntese, ao ouvirmos ou lermos as histórias ou outros textos não encontramos dificuldade de compreensão, pois os textos parecem simples. Mas, ao analisarmos as construções textuais percebemos que a linguagem escrita não é tão simples, e que a construção das frases podem se constituir como elementos dificultadores da compreensão para as crianças. Daí a necessidade de ensinar a leitura, discutir os textos, explorar partes dos textos, analisar a linguagem. Mas, é ainda mais importante, ler sempre em sala de aula, para que as crianças se familiarizem com a linguagem escrita. 16 - Estabelecer relações de intertextualidade entre textos Intertextualidade pode ser compreendida como um diálogo entre textos - o que implica dizer que, ao produzir um novo texto, o autor faz uma relação com outros textos já existentes. Este é um fenômeno muito comum nos textos literários, mas também ocorre em diversas áreas do conhecimento, em diferentes gêneros textuais. A percepção da intertextualidade depende dos conhecimentos de mundo e do conhecimento sobre outros textos. Na escola, o professor deve estimular a criança a perceber essa relação entre textos. Na história Chapeuzinho Amarelo, de Chico Buarque de Holanda, é clara a relação intertextual com o conto clássico Chapeuzinho Vermelho. O próprio título da obra estabelece essa rede de relações, que é reafirmada na presença do lobo mau e da menina (a Chapeuzinho Amarelo) e em outros elementos da história. Na frase que se segue é possível perceber uma destas relações intertextuais: “Um LOBO que nunca se via, que morava lá pra longe, do outo lado da montanha, num buraco da Alemanha”. Para perceber as relações com o conto clássico presente nessa frase, a criança precisa saber que uma das versões da história da Chapeuzinho Vermelho foi escrita pelos Irmãos Grimm, que nasceram na Alemanha.
  • 10. O texto que se segue, denominado de “Ave Alegria”, é um poema de Sylvia Orthof, que revela o diálogo com uma oração muito conhecida dos católicos, a “Ave Maria”. Ave alegria,/Cheia de graça,/ o amor é contigo,/ bendita é a risada/ e a gargalhada!/ Salve a justiça/ e a liberdade!/ Salve a delicadeza/ e o pão sobre a mesa!/ Abaixo a tristeza!/ Ave a alegria! 17- Relacionar textos verbais e não-verbais, construindo sentidos. Nos processos de interlocução cotidianos são utilizados recursos de linguagem verbal (palavra falada ou escrita) e não-verbal (gestos, imagens, fotos, expressões ou qualquer outro recurso que não seja a palavra,etc), senso mais comum a utilização da linguagem verbal. Mas os processos cotidianos também utilizam a linguagem não-verbal. A placa que indica que é proibido fumar utiliza linguagem não-verbal. O semáforo também é uma forma de linguagem não-verbal e indica ações que os motoristas e pedestres devem assumir no trânsito. Utilizando-se de cores, o semáforo indica a necessidade de ter atenção (amarelo), indica se é permitido avançar (verde), ou se é proibido seguir em frente (vermelho). Alguns textos são construídos pela integração da linguagem verbal e da linguagem não verbal, como é o caso de cartuns, charges, histórias em quadrinhos, que precisam ser explorados na escola, para que as crianças aprendem a ler e compreender estes textos e construir sentidos. Nesses textos, a imagem não é um recurso meramente ilustrativo, mas contribuem de forma decisiva na construção dos sentidos. Na charge abaixo, lendo apenas as palavras “eu odeio estes pneus” e “eu adoro esses pneus”, sendo uma leitura das imagens não é possível entender o texto. Daí que a escola deve selecionar textos adequados ao público infantil, de forma que aprendam a ler estas linguagens e a produzir significações para diferentes textos.
  • 11. Fonte:http://recadoface.com.br/imagens/imagens-charges-engracadas-para-orkut-e0d697.jpg 18- Saber procurar no dicionário os significados das palavras e aacepção mais adequada ao contexto de uso. Para consultar o dicionário é necessário que as crianças conheçam a ordem alfabética que aparecem organizadas nessa ordem, assim como a lista telefônica e as enciclopédias. Além de aprender a fazer uso social do conhecimento do alfabeto para localizar as palavras para as quais deseja encontrar uma significação, é necessário orientar-se pelos sentidos para poder selecionar o verbete mais adequado para a palavra procurada. No livro “Dicionários na sala de aula”, publicado pelo Ministério da Educação, em 2006, disponível em http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/Avalmat/polleidicio.pdf, é possível encontrar uma série de orientações e sugestões para a utilização dos dicionários.