Devolutiva sarem 2013

2.185 visualizações

Publicada em

Secretaria Municipal da Educação de Marília - SP

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.185
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1.388
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Devolutiva sarem 2013

  1. 1. Devolutiva SAREM 2013 Secretaria Municipal da Educação
  2. 2. Reflexões: Escrita e reescrita são questões centrais na escola. A escrita é uma atividade que deve ser abundantemente praticada1, com diversas finalidades2, entre as quais está o aprendizado da escrita3. 1. Que tipo de escrita nossos alunos produzem na escola? Cópia? Texto de autoria? Em que porcentagem? 2. Com quais finalidades nossos alunos escrevem? Para responder a uma demanda (exercício proposto pelo professor)? Para registro de memória? Para efetivamente se comunicar com outras pessoas? Quais as razões levam o aluno a produzir uma escrita? Bakhtin (2003) afirma que todo enunciado deve possuir uma razão para ser produzido , uma vez que a partir da finalidade, pode-se construir um texto na escola ou para a escola, nos dizeres de Geraldi (1993), um dos divulgadores das ideias dos teóricos russos no Brasil. Apesar disto, veem-se ainda, nos materiais didáticos escolares, comandos de produção textual que não evidenciam esse fator, fazendo com que o estudante não saiba por que escrever, muito menos para que produzir textos na escola
  3. 3. 3. Como está se dando o aprendizado da escrita? Com sentido? Necessidade? A prática de escrita e reescrita de textos é a mais eficaz para aprender a produzir textos. A escrita e reescrita são formas de dominar normas de gramática e textualidade (domínio efetivo, mesmo que não consciente e explícito das regras de uma língua e das regras de construção de textos). No caso, de textos escritos. Textos adequados tem dois aspectos básicos: tem que ser corretos4 e bem escritos5. 4. Temos a mesma concepção de texto correto? 5. E bem escrito? Com qual desses aspectos a escola se preocupa mais, ou em outras palavras, enfoca com mais intensidade? Por quê?
  4. 4. Entre as finalidades da escola está a de permitir que o aluno aprenda a escrever segundo as regras e normas da sua época. Em resumo: todos os textos têm de ser corretos. Quanto a exigência dos textos serem bem escritos, evidentemente os critérios são um pouco mais fluídos e amplos. A grande variedade de gêneros textuais e dos suportes de textos, associada a grande diversidade de realizações de natureza estética ou não, faz com que seja menos fácil definir o que é bem escrito do que é correto.
  5. 5. A. O domínio da escrita é “facilitado” se a escrita escolar levar em conta o funcionamento da escrita na sociedade6, ou seja, se forem consideradas na prática escolar, certas características que a escrita tem na sua prática social. 6. Como funciona a escrita na sociedade? De exemplos. Que características seriam essas? De exemplos. Essa ideia é viável? Possível? Adequada? Por quê? B. O domínio da escrita depende que ela seja praticada7, isto é, de que os estudantes escrevam regularmente, na escola e fora dela. Ou seja, a escrita não é uma forma de testar eventualmente conhecimentos de língua ou grafia, mas uma prática que inclui seguir regras. 7. Todos concordam que o domínio da escrita depende que ela seja praticada? Os nossos alunos têm escrito com propostas adequadas, de forma rotineira e com intervenções precisas? A produção escrita
  6. 6. C. Não é adequado solicitar que os alunos escrevam um texto apenas a partir de um título ou um tema fornecido pelo professor8. 8. De certa forma, não é isso temos feito? D. É preciso “fazer sentido” para a criança. “Fazer sentido” significa, basicamente, que haja uma motivação real para escrever um texto9. 9. Isso acontece? Com que frequência? Quais as maiores dificuldades? Pense em situações em que a escrita de um texto fizesse sentido para os alunos. E. Não é boa pedagogia esperar que um aluno tenha que “inventar” seu texto – o tema, os argumentos, a tese a ser defendida, etc. – a partir do nada10 ou de uma suposta criatividade. 10. Pensemos: como se dá a escrita de um texto na vida social? Será que os grandes autores “partem do nada”? Inventam tudo? Quanto de pesquisa deve haver por traz de uma produção escrita? Nem as notícias mais importantes, de última hora, são “criadas” por um repórter. Além disso, mais em alguns jornais e revistas e menos em outros, os textos passam pela revisão de um chefe(o editor de um setor do jornal) e pelos especialistas em língua (os revisores).
  7. 7. F. Que a “primeira” escrita decorra de um “projeto” e que seja fruto de alguma pesquisa, ou seja, que possa levar um certo tempo para ser elaborada11. G. Que, depois da primeira versão (ou da versão entregue), o texto escrito seja objeto de revisão (ões) – de reescrita, de correção12, etc. 11. Nesse caso devemos “repensar” a pasta de produção de textos? Por quê? Em que aspecto? Como estão sendo feitas as revisões de textos em nossa escola? Uma prática criativa?, reflexiva? Dialógica? Ou apenas o cumprimento de uma “norma didática”? Como está o envolvimento dos professores e alunos nesse processo? Uma última observação: embora a escola, frequentemente, imponha normais mais ou menos arbitrárias (escrever 20 linhas) é importante considerar que também fora da escola há normas bastante rígidas para a escrita12. Autores e textos devem obedecer a um conjunto de normas mais ou menos explícitas, segundo a instituição a que pertencem, segundo o veículo que os textos vão ser publicados, etc. 12. Trabalhamos com normas “rígidas” ou não? Falta-nos clareza das normas que cada tipo, do portador e do local de circulação impõe ao autor?

×