1ª reunião com os coordenadores

23.536 visualizações

Publicada em

Reunião com professores coordenadores
Secretaria Municipal da Educação de Marília - SP

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
23.536
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
11.263
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
279
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

1ª reunião com os coordenadores

  1. 1. 1ª Reunião com os coordenadorespedagógicos de EMEF 2013
  2. 2. VídeoComo nascem os Paradigmas
  3. 3. VídeoNovos Paradigmas da Educação
  4. 4. Atribuições do coordenadorO Leitura do Decreto nº 7887 de 29/11/99;O Leitura do documento sobre funções dos coordenadores elaborado pela SME;
  5. 5. O Análise da rotina de trabalho do professor coordenador de 2012 e refletir as mudanças necessárias.
  6. 6. Coordenação pedagógica: três compromissos e uma rotina O papel dos coordenadores pedagógicos pode ser pensado a partir de três compromissos fundamentais na educação escolar: o compromisso de ser gestor do currículo escolar; o compromisso de ser educador junto aos professores e o compromisso de ser pesquisador como decorrência do seu papel de gestor e de educador. Para cada um destes compromissos, temos saberes associados a serem elaborados pelos coordenadores no cotidiano de sua profissão.
  7. 7. O coordenador como gestor do currículo: Os saberes necessários para a gestão do currículo são:O Conhecer e analisar diretrizes curriculares atuais (oficiais e não oficiais);O Conhecer e analisar questões centrais da cultura contemporânea que exigem incorporação curricular;O Construir análise sobre demandas atuais para a escola.
  8. 8. O coordenador como educador junto aos professores: Pressupostos:O Todo professor tem direito à educação continuada;O Todo professor tem algo a dizer sobre sua experiência docente;O Aprendizados são construídos em comunhão, em experiências compartilhadas;O O fazer/saber educacional não está dado em manuais, mas se elabora no exercício reflexivo da profissão;O Todo ser humano tem direito a ser corrigido;O A escola é espaço complexo com problemas que exigem o exercitar coletivo, a união de esforços.
  9. 9. Procedimentos decorrentes dos pressupostos acima:O Garantir tempo e espaço de educação continuada;O Planejar e realizar escuta sobre experiências, questões, problemas, angústias e buscas de soluções criadas pelos professores;O Intervir, criticando e corrigindo carinhosamente;O Construir rotina de crescimento intelectual, afetivo e cidadão dos professores;O Construir autonomia em processos negociados;O Avaliar coletiva e individualmente o processo de formação.
  10. 10. Das relações interpessoais:O DialogarO NegociarO Aprender e ensinar nos conflitos.
  11. 11. Das teorias pedagógicas:O CurrículoO AvaliaçãoO Ensino e aprendizagemO Didática
  12. 12. O plano de coordenação deve contemplarexplicitação de objetivos de formação, assimcomo conteúdos a serem trabalhados e deveainda prever tempos e espaços para cadaação no cotidiano da escola.A grande vantagem da construção da rotinaestá no fato de evitar a dispersão em termosdos três compromissos principais doscoordenadores já citados anteriormente.
  13. 13. Discussão sobre semanárioO Colocar objetivos por área toda semana (pode ser simples, desde que seja real e funcional).O Flexibilidade na cobrança da rotina (estimular o processo de conscientização, responsabilização e envolvimento ao invés de cobranças rígidas, vigilância, punição);
  14. 14. Organização:O Objetivos:O Desenvolvimento:Conteúdos que serão ministrados e descriçãodetalhada da atividadeO Avaliação:A avaliação deve ser registrada em função dosobjetivos propostos (se foram atingidos ou não,motivos e as propostas de solução)
  15. 15. O Uso do livro didático - os PCNs (Brasil, 1997) recomendam que o professor utilize, além do livro didático, materiais diversificados (jornais, revistas, computadores, filmes, etc.), como fonte de informação, de forma a ampliar o tratamento dado aos conteúdos e fazer com que o aluno sinta-se inserido no mundo à sua volta. Mas, em momento algum desaconselha por completo o seu uso, constituindo-se em um material de apoio ao professor. No semanário, o professor coordenador deve orientar que o professor coloque o conteúdo/área, páginas, metodologia de trabalho.
  16. 16. O livro didático limita o trabalho do professor?O Críticas: 1. Tira a autonomia e liberdade doprofessor para buscar ou criar, ele mesmo, omaterial e as atividades com os quaisdesenvolve o processo de ensino e deaprendizagem (na prática, o que se percebe éque quando o professor “cria” atividades, via deregra ele “copia” de outro livro didático);
  17. 17. Quais são condições de trabalho quesão dadas ao professor no Brasil, hoje?O Essa autonomia e liberdade estão garantidas quando o professor usa o livro didático apenas como um instrumento de trabalho, lançando mão dos textos e das atividades que o livro propõe como uma facilitação de seu trabalho: alguém - o autor ou os autores do livro didático - com mais tempo, mais vagar e quase sempre mais experiência, oferece a ele suporte para a realização de sua tarefa - selecionou textos adequados, informações necessárias, atividades apropriadas, o que exige busca, pesquisa, reflexão, coisas para as quais o professor dificilmente teria tempo ou condições.
  18. 18. Práticas inadequadas:O professor copiar todo o texto ou exercício do livro (adotado pela SME e enviado pelo governo federal a todas as escolas), na lousa ou solicitar que as crianças copiem;O seguir o livro didático na íntegra;O deixar de usá-lo, por preconceito, falta de informação ou qualquer outro motivo;O xerocar o livro didático adotado pela SME, para trabalhar com os alunos de modo que fique registrado no caderno o que está na íntegra do livro.
  19. 19. O Enfatizar valorização dos trabalhos da criança em painéis internos e externos da escola, em exposições pedagógicas tanto da Unidade Escolar como na SME;
  20. 20. Registros da avaliação do estudanteO Proposta: em três momentos1. inicial (diagnóstica);2. no final do primeiro semestre (para nortear o trabalho no segundo semestre);3. no final do ano (para avaliar o trabalho desenvolvido no ano e nortear o trabalho do ano seguinte).O Discussão com o grupo.
  21. 21. Registros da avaliação do estudanteO Isso não significa de modo algum que a escola está isenta de realizar a avaliação bimestral interna (nesse caso sem necessidade de tabulação e uso de planilhas) para realizar a atribuição dos conceitos bimestrais, preenchimento da caderneta e boletim dos alunos.O Só será mantida a tabela dos níveis de escrita dos alunos não alfabetizados do primeiro ao quinto ano – todo final de bimestre;
  22. 22. Projeto Saúde e Prevenção nas Escolas (SPE) É uma das ações do Programa Saúde na Escola (PSE), que tem a finalidade de contribuir para a formação integral dos estudantes da rede pública de educação básica por meio de ações de prevenção, promoção e atenção à saúde. A proposta do projeto é realizar ações de promoção da saúde sexual e da saúde reprodutiva de adolescentes e jovens, articulando os setores de saúde e de educação. Com isso, espera-se contribuir para a redução da infecção pelo HIV/DST e dos índices de evasão escolar causada pela gravidez na adolescência (ou juvenil), na população de 10 a 24 anos. Esse projeto, alicerçado em uma demanda da população, foi implantado nos 26 estados do Brasil, no Distrito Federal e em aproximadamente 600 municípios.
  23. 23. Quantidade de Tamanho Escolas alunosMuito pequenas Egéa 37 alunos Nelson Gabaldi Pequenas 230 a 290 alunos Nicácia Antônio Moral Cecília Guelpa Célio Corradi Chico Xavier Edméia Geralda Médias 308 a 476 alunos Mário Covas Isaltino Myrthes Nivando Reny Roberto Cimino Olímpio Cruz Américo Capelozza Grandes 502 a 716 alunos Antônio Ribeiro
  24. 24. Alguns Projetos:Secretaria Municipal da Cultura – Museu histórico ePedagógicoPlano de Educação ambiental do CEA -Projeto de Prevenção em Saúde Bucal:O Conscientizar os professores a fazer a escovação diária (se não for possível, devido à infraestrutura pelo menos de duas a três vezes na semana)O Muitas escolas não aceitam a ação junto aos alunos de aplicação do Flúor Gel na quinta-feira devido ao HEC (mas não há relação de uma ação e outra e o pessoal fica com um dia a menos para trabalhar nas escolas);O A comunicação da equipe responsável pela saúde bucal e as escolas passará a ser realizada por e-mail (para agilizar o serviço, favor consultar diariamente);O A equipe se coloca a disposição para participar de reuniões de pais nas escolas visando a orientação, conscientização e importância do cuidado com os dentes – (agendar com antecedência);
  25. 25. Os objetivos do Programa são:Realizar, anualmente, um grande prêmio de meio ambiente,estimulando a leitura, a confecção de desenhos e de redações paramilhares de alunos;Enriquecer a programação cultural das cidades participantes;Ofertar vivências socioambientais para o enriquecimento da educaçãosocioambiental nos municípios;Disponibilizar oportunidades, por meio de palestras e oficinas doacervo do SIEEESP, do CONGRESSO SABER e dos patrocinadores,para a formação e o aperfeiçoamento dos educadores;
  26. 26. Programa vem com a gente Regional Marília: Escolas inscritasO EMEF Governador Mário CovasO EMEF Professora Edméa Braz Rojo SolaO EMEF Nivando Mariano dos Santos
  27. 27. O NESTA FASE DO PRÊMIO, A PARTICIPAÇÃO É INDIVIDUAL E OS ALUNOS PRECISAM SE INSCREVER.O Desde 1º de outubro, está à disposição (no www.vemcomagentebr.com.br) o material de referência para orientação dos educadores e dos alunos para produção dos trabalhos.O De 1º de março a 31 de maio de 2013: realização dos trabalhos pelos alunos inscritos;O De 1º de junho a 31 de julho de 2013, julgamento da etapa escola e premiação na unidade escolar (a critério da escola participante);O De 1º a 16 de agosto de 2013, julgamento da etapa estadual e no dia 19 de setembro de 2013, durante a realização do XVII Congresso e Feira de Educação Saber, no Centro de Exposições Imigrantes: solenidade de premiação dos vencedores.
  28. 28. O VEM COM A GENTE PRÊMIO DE MEIO AMBIENTE premiará:O 1. o melhor desenho dos alunos das 1ª e 2 ª anos; 2. o melhor desenho dos alunos das 3ª a 5 ª anos;5. e a melhor foto dos alunos do ensinofundamental, podendo contar com a ajuda defamiliares.Por favor, qualquer dúvida entrem em contato comigo!!Estou a disposição na Sede do Sindicato no telefone direto: 11 55835558Muito Obrigada pela colaboração com o Programa Vem Com AGente!!Amanda FerianCoordenadora de Projetos e Comunicação11 9971 8577 | 7837 2884sp01@asaspelavida.com.br
  29. 29. Projeto Ópera na Escola04 apresentações para criança (1º ao 5º ano)Palestra para o professor – Educação musical infantil dentrodas diretrizes da LEI Nº 11.769, DE 18 DE AGOSTO DE2008.01 concerto tenor Jorge Durian gratuito para a cidadeData prevista: 26 (M / T: crianças e noite: palestra e concerto)e 27 (M / T: crianças) de marçoLocal: Anfiteatro do Colégio Sagrado Coração de Jesus
  30. 30. Prova Brasil 2013O Orientar os professores de quinto ano a trabalhar com os descritores de Língua Portuguesa e Matemática da Prova Brasil.
  31. 31. Portfólios:O Não é uma exigência da SME.O Se a escola quiser manter, deve levar essa proposta para discussão com o grupo de professores, analisando coletivamente os prós / contras, vantagens / desvantagens, conceitos, dúvidas, funcionalidade e importância dentro do processo ensino / aprendizagem, etc.O Pasta de produção de textos – será mantida
  32. 32. RotinaO Deve contemplar as 7 áreas do saber: Língua Portuguesa, Matemática, História, Geografia, Ciências, Arte e Educação Física.O Deve ser flexível durante todo o ano ficando a critério do professor como organiza-la dentro da semana (exceto o que envolve horário coletivo: biblioteca, informática, educação física, areia, quiosque, etc.)O Solicitar que os professores garantam: roda da conversa, hora da leitura, momento de avaliação das atividades realizadas, cantar, brincar, arte, jogo simbólico, oficinas de jogos, etc. (verificar na proposta curricular – atividades permanentes, outras sugestões de atividades)
  33. 33. Relatório de HECO Entrega até o dia 10 de cada mês (incluindo o relatório das atividades do planejamento);O Colocar:O Tema / Assunto:O Objetivos:O Desenvolvimento – relato detalhado de como foi encaminhado o encontroO Avaliação: Comentários dos professores, o que deu certo (ou não), motivos, etc. Outras informações que considerar pertinente.
  34. 34. Propostas Curriculares:O Algumas escolas entraram em contato com a SME solicitando cópia impressa das Propostas Curriculares para alguns anos;O As escolas que necessitam, entrar em contato da equipe passando a informação da quantidade de propostas e o ano;
  35. 35. Livros Didáticos e Dicionários:O O PNLD é executado em ciclos trienais alternados. Assim, a cada ano o FNDE adquire e distribui livros para todos os alunos de determinada etapa de ensino e repõe e complementa os livros reutilizáveis para outras etapas.O São reutilizáveis os seguintes componentes: Matemática, Língua Portuguesa, História, Geografia, Ciências. Os consumíveis são: Alfabetização Matemática, Letramento e Alfabetização,O Por meio do PNLD são adquiridos e distribuídos acervos de dicionários da língua portuguesa destinados aos alunos da educação básica da rede pública de ensino.
  36. 36. EJAO O HEC da escola não contempla as necessidades dos professores da EJA (verificaremos a possibilidade da realização do HEC desse grupo na SME) para isso precisamos que nos enviem horário de reforço e HEC desses professores;O Livros de literatura enviados pelo PNBE 2012 para a EJA, estão separados e disponíveis para uso dos professores?O Verificar se as escolas disponibilizam materiais como: TV, acesso a biblioteca da escola, rádio, vídeo, biblioteca do Tauste, etc. para os professores da EJA;
  37. 37. O Elencar temas importantes para capacitação dos coordenadores;O Texto para reflexão: „Lembre-te que és mortal‟ (CORTELLA, 2012, p. 138).O Reflexão sobre o texto lido;O Entrega de leitura para o próximo encontro: Convite à Filosofia de Marilena Chaui Ed. Ática, São Paulo, 1995. Capítulo 4 “A existência da ética” – Senso moral e consciência moral.

×