Ii reunião alfabetização_eixos_norteadores

1.405 visualizações

Publicada em

Secretaria Municipal da Educação de Marília - SP

Publicada em: Educação
  • Seja o primeiro a comentar

Ii reunião alfabetização_eixos_norteadores

  1. 1. Abril/ 2015
  2. 2. Nosso intuito ao discutir essa devolutiva é:  compreender o diálogo entre a proposta curricular e a prática pedagógica;  contribuir para que o trabalho realizado nas nossas escolas efetivamente se manifeste na alfabetização das crianças;  possibilitar reflexões a respeito das implicações teóricas nas práticas das professoras alfabetizadoras.
  3. 3. Embora seja papel social da escola formar leitores e escritores autônomos, a instituição ainda não desenvolve essa tarefa com plenitude. Prova disso é o índice de alfabetismo rudimentar e básico, que permanece alto no Brasil e na América Latina há tempos. Apenas a minoria da população é plenamente alfabetizada - isto é, consegue ler e compreender textos complexos e expressar o que pensa de forma escrita. Revista Nova Escola Agosto 2008
  4. 4. São capazes de memorizar as sílabas, nomear as letras, mas, isto não os torna capazes de ler e escrever: não conseguem compreender como a linguagem escrita funciona.
  5. 5. RETOMANDO UM POUCO DA HISTÓRIA: Alfabetização Em determinado momento histórico, foi compreendida como mera aquisição de um código linguístico. Posteriormente, devido a uma compreensão equivocada dos estudos construtivistas, passou a ser concebida como a inserção do aluno no mundo dos textos, desconsiderando assim, os aspectos específicos do sistema de escrita. Hoje, buscamos uma harmonia entre estes aspectos, numa perspectiva de valorizar o que as crianças já sabem sobre a linguagem escrita e como utilizam essas pistas para desvendar o mundo escrito.
  6. 6. Ferreiro (1996) propõe um novo olhar sobre a alfabetização, uma vez que a língua é vista em sua dinamicidade e nos usos que a sociedade faz dela. Para a autora, a escola tradicional operou uma transmutação da escrita, transformando-a em um objeto exclusivamente escolar, ocultando suas funções extraescolares. Na realidade, “a escrita é importante na escola porque é importante fora da escola e não o inverso” (FERREIRO, p.20).
  7. 7. Os eixos linguísticos como princípios
  8. 8. Se nossa prioridade está no código, não conseguimos criar necessidades legítimas de leitura/escrita no aprendiz, uma vez que nossa proposta fica esvaziada de sentido, perdendo o contexto de produção, a situação discursiva. (BAKHTIN, 2005).
  9. 9. Nosso foco: alfabetizar na perspectiva discursiva. Pensaremos num trabalho pautado nos cinco eixos da alfabetização: Oralidade - Leitura - Apropriação do sistema de escrita - Produção de texto - Valorização da cultura escrita. Eixos que se entrecruzam a todo instante na prática pedagógica.
  10. 10. Oralidade: Numa concepção baktiniana não é uma comunicação estática – eu falo/ o outro responde – mas um processo amplo de comunicação.
  11. 11. Podemos então nos questionar:  Quais oportunidades esta criança tem para desenvolver sua oralidade? Quais são seus interlocutores? Sobre o que conversam?  Como possibilitar situações onde estas crianças possam conhecer e respeitar as manifestações dos companheiros e do professor? São capazes de realizar um papel de escuta atenta e compreender esta escuta?  É possível perceber uma procura, no momento da fala, de planejar o discurso numa preocupação em ser compreendido?
  12. 12. Vemos uma preocupação voltada para a formação de sujeitos, competentes no uso da língua, para além dos limites do código. Com esse olhar, nos questionamos sobre qual a compreensão do professor frente ao que lhe é proposto? De que modo reflete os conhecimentos sobre o oral como objeto de ensino? Como ele analisa as suas ações frente ao que planeja para ensinar a oralidade?
  13. 13. SÃO PROPOSTAS BEM COMPREENDIDAS? *Regras ou combinados - alternativa democrática de se estabelecer a ordem e a disciplina necessárias para que se mantenha um convívio agradável; basicamente uma lista com sugestões do que se deve ou não fazer; *Roda da conversa – momento onde o grupo (prof./alunos) pode trocar experiências, apresentar novidades, resolver problemas, etc. O poder ao aluno de tomar a palavra e ser ouvido pelo grupo tendo o professor enquanto mediador;
  14. 14. “ A oralidade é explorada todos os dias na roda da conversa, em que apresento o assunto da semana, ou do dia, retomamos coisas já aprendidas, relacionamos o novo com o já conhecido, discutimos, dialogamos. Em alguns momentos listamos o que querem aprender sobre determinados assuntos e partindo destas discussões elaboro atividades pertinentes. (...) procuro priorizar as discussões sobre temas ligados a Ciências, História e Geografia, porém, os fatos do cotidiano, como as notícias jornalísticas e acontecimentos importantes estão sempre presentes.” Profª Cristiane Nascimento
  15. 15. Leitura: A concepção de leitura que embasa este eixo é a prática social que envolve atitudes, gestos e habilidades os quais são mobilizados pelo leitor, tanto no ato de leitura propriamente dito, como no que antecede a leitura e no que decorre dela (BRASIL, 2007).
  16. 16. Frente a isso percebemos que:  é preciso desenvolver e ensinar as habilidades e competências necessárias para que os alunos possam ler e compreender os diferentes gêneros que circulam não só na escola, mas na sociedade de um modo geral.  É importante, também, criar situações que permitam aos alunos participar efetivamente de práticas letradas e, para isso, é necessário ter manipulado, observado, analisado e se apropriado dos mais variados gêneros.
  17. 17. NOSSOS PROFESSORES REALIZAM? O professor alfabetizador ao ler, por exemplo, uma notícia no jornal para seus alunos, precisa interrogar a classe acerca do título, destacar que se trata de um acontecimento ocorrido em determinado lugar, com determinados sujeitos, buscar a fonte, observar as fotos, quem escreveu a notícia. Enfim, envolvê-los em capacidades que leitores competentes fazem uso ao acessar diferentes gêneros, mas que grande parte das crianças, vindas de famílias com pouco contato com materiais escritos, ainda não desenvolveram. São essas e outras habilidades que se encontram subjacentes aos usos sociais da leitura e da escrita que merecem ser tratadas, ou seja, “ensinadas na sala de aula.”.
  18. 18. DESCOBERTA DA LITERATURA – SESSÕES DE MEDIAÇÃO: “A alfabetização não propicia mais o acesso aos livros; são os livros que deslancham a aprendizagem da escrita.” (BAJARD, p.14)
  19. 19. Apropriação do sistema de escrita: A crítica que se faz ao uso dos métodos é a descontextualização e a artificialidade com que a língua é tratada, desprovida de seu aspecto social e interacional.
  20. 20. Conhecimentos necessários aos alunos para que se tornem capazes de compreender o mecanismo do sistema de escrita e se apropriarem dele.  a diferenciação de letras e outros recursos gráficos;  que usamos letras para escrever, conhecê-las em suas diferentes formas;  o entendimento de que escrevemos da esquerda para direita, de cima para baixo;  que deixamos espaços entre as palavras;  aspectos da escrita ortográfica.
  21. 21. O importante é que, nos primeiros anos do Ensino Fundamental, enquanto o aluno vai se apropriando do sistema, vai também se tornando usuário dele.
  22. 22. SOCIALIZANDO PRÁTICAS: *Sessão de mediação de leitura em parceria com o 3º ano: o livro escolhido “O flautista de Hamelim". Pela evidência dos ratos na trama, a professora percebeu uma oportunidade de explorar a grafia da palavra – palavra de referência. *Texto instrucional com a brincadeira “gato e rato” para a descoberta de texto - brincou com os alunos (objetivo do texto);
  23. 23. Os alunos escolheram a palavra rato para o estudo: baseada no trabalho com a substituição foi criada uma aula de informática com o objetivo de apresentar novas palavras a partir da então selecionada. (o que poderia também ser trabalhado com os caracteres móveis) gato mato bato pato tato Prof.ª Rosemary Fernandes
  24. 24. Nessa “reconfiguração” cada caractere se torna responsável pela existência de uma palavra com seu significado presente. Operar sempre sobre o vínculo do significado. substituição rato/gato palavra presa bato/ato acréscimo mato/matou letra pirata pato/prato
  25. 25. ESTUDO DA PALAVRA GERADORA: retomando conceitos freireanos CODIFICAÇÃO: De início abrange certos aspectos que se relacionam com a “palavra geradora”, permite ao professor conhecer alguns momentos do contexto concretamente; DESCODIFICAÇÃO: para Gadotti “Trata-se do exame das palavras geradoras, para extrair os elementos existenciais nelas contidos” (1989, p.150) Ampliação desse tema gerador com subsídio de outros textos. ANÁLISE E SÍNTESE: levar o aprendiz à descoberta de que a palavra representa a fala e a partir disso a possibilidade de se formar novas palavras, levando o aluno a compreender, através da leitura e da escrita, seus significados. FIXAÇÃO DA LEITURA E DA ESCRITA: através da ficha de descobertas, formar novas palavras, com significado, para composição de frases e textos, com leitura e escrita significativas. *Como propõe Paulo Freire: “A leitura de mundo precede a leitura da palavra” (1989, p.11)
  26. 26. *EXEMPLO DE TRABALHO: PARLENDA: “Suco Gelado” As parlendas são versinhos com temática infantil, que são recitados em brincadeiras de crianças. São usadas pelos adultos também para embalar, entreter, distraí-las. Possuem uma rima fácil e, por isso, são populares entre as crianças. Muitas parlendas são usadas em jogos para melhorar o relacionamento ou apenas por diversão. Muitas parlendas são antigas e algumas delas foram criadas há décadas. Elas fazem parte do folclore brasileiro, representam uma importante tradição cultural do nosso povo. http://www.suapesquisa.com/folclorebrasileiro/parlendas
  27. 27. *Brincadeira de corda; *Roda com a discussão dos sabores de suco preferidos pelos alunos; *Degustação: os alunos degustam sucos variados, tentando identificar os diferentes sabores; *Suco de sabor pouco conhecido em nossa região: os alunos expressaram sua opinião através de uma ficha de pesquisa:
  28. 28. * Conversa e exploração dessa fruta “pouco conhecida” em nossa região; * Texto informativo: “SUCOS NATURAIS: ÓTIMOS ALIADOS PARA A SUA SAÚDE” – benefícios de algumas frutas; * Pesquisa de opinião sobre as frutas preferidas pelas pessoas da família – gráfico; * Estudo da palavra Prof. Edinelson Lopes
  29. 29. Produção de texto: Ação deliberada da criança com vista a realizar determinado objetivo: implica em compreender para que, para quem e como se vai escrever. Implica ainda recorrer a recursos estilísticos e composicionais relacionados ao gênero a ser escrito.
  30. 30. Um processo eficiente de ensino aprendizagem deve tomar como ponto de partida a noção de que cada situação comunicativa demanda um determinado tipo de escrita.
  31. 31. SITUAÇÕES REAIS Profª Cristiane Nascimento
  32. 32. Valorização da cultura escrita: Este eixo diz respeito às capacidades necessárias à integração dos alunos no mundo letrado ou ao processo de uso da leitura e escrita que se encontram subjacentes à cultura
  33. 33. Conhecer, utilizar e valorizar os modos de produção e de circulação da escrita na sociedade implica em perceber a importância e fazer uso dos materiais escritos que nos rodeiam. Enquanto o foco da escola é ler como identificação de letras, sílabas, palavras, a postura dos educandos indica o CONTRÁRIO: para eles o ler abrange diálogo com o escrito, a possibilidade de ao compreendê-lo tecer com ele uma relação de interlocução.
  34. 34. A primeira maneira das crianças de lidar com a linguagem escrita é numa perspectiva dialógica; elas procuram operar com enunciados. (BAKHTIN, 2003).
  35. 35. APROVEITAR SITUAÇÕES COTIDIANAS É IMPORTANTE: O registro da data e da rotina do dia pode ser um exemplo de atividade. O uso deste gênero textual em sala de aula possibilita a compreensão da dinâmica da aula, tornando os alunos participantes e cientes das atividades a serem desenvolvidas no dia. Utilizar estes momentos para desenvolver os aspectos inerentes ao sistema alfabético aproxima as crianças de uma prática social de escrita usual, além de constituir-se como um material de investigação e apoio para elas.
  36. 36. Textos funcionais da vida escolar cotidiana: Jolibert nos aponta essa necessidade de favorecer que os textos funcionais, de uso diário, sejam utilizados no andamento da aula, com respectivos e diferentes objetivos: • Quadros de frequência, aniversários, das responsabilidades; • Listas de projetos; das regras da turma; • Calendário, cartazes, noticias, jornal mural; • Textos produzidos pelos próprios alunos;
  37. 37. Com o objetivo de aguçar a curiosidade dos alunos, como motivação ao desenvolvimento do projeto, cartazes sobre um pirata na escola foram distribuídos pelos corredores. O assunto virou tema da roda da conversa:
  38. 38. * Em roda ficou decidida a produção de um livro que contaria as aventuras da turma envolvendo o tão falado pirata; * Levantamento das hipóteses dos alunos: “UM PIRATA NA ESCOLA? O QUE ELE VEIO FAZER AQUI?” * Informações dos alunos: o que é um tesouro? * Caça ao tesouro – após descobrirem as pistas, encontraram o tesouro: um mascote; * Pesquisando informações para aprender a cuidar do mascote; * Sugestões da turma: filme com pirata, trazido por um aluno; * Texto instrucional: dobradura do barco do pirata; * Ampliando o universo vocabular: conceituando CONSUMIDOR E PRODUTO; * Sistema monetário; * Lojinha Virtual na aula de Informática; * Passeio com o dinheiro poupado – “Fazendinha” Profª Elaine Bernadete
  39. 39.  Porque consideramos essa proposta de leitura? “Se ler é interrogar um texto em função de um contexto, de um propósito, de um projeto, para dar resposta a uma necessidade, então corresponde a uma interação ativa, curiosa, ávida, direta, entre um leitor e um texto.” (JOLIBERT, p.53) 1. Pela Literatura Infantil ser um dos caminhos que facilitam a aprendizagem durante o processo de alfabetização, além de desenvolver a imaginação, a criatividade e o proporcionar prazer da leitura; 2. A possibilidade de pensar um projeto a partir da temática proposta pela leitura: correspondência entre turmas; 3. O trabalho com a leitura: leitura em capítulos do livro; descoberta ou interrogação de texto; estratégias de conexão texto-texto, texto-mundo, texto-leitor; inferência, visualização; 4. O trabalho com a escrita
  40. 40.  O que será isso?  Leitura individual e silenciosa;  Confrontação com os colegas O que entenderam do texto? Para que serve, por que foi escrita? Quem a escreveu? A quem é dirigida?  Síntese do significado Leitura oral completa / confronto ao significado (hipóteses) construídos pela criança;  Sistematização metacognitiva e metalinguística Como foi possível entender o texto?  Novas ferramentas elaboradas Recapitulando o que aprenderam, a sugestão é o registro dessas descobertas, que servirão para confecção das próprias cartas. ( Deixa-se um espaço embaixo para acrescentar novos elementos que ainda serão descobertos);  Seleção das palavras de referência Os alunos escolhem a palavra, escrevem, ilustram, para ser afixado à “parede de ferramentas” e/ou ser transcrita em cartões para ser manipulada em diferentes jogos, junto às demais palavras de referência.
  41. 41. Manuseio do texto, da frase e da palavra – AUXILIARÃO O PROCESSO DE COMPREENSÃO
  42. 42. Trocar, no texto, informações, como nome do remetente, da cidade, a data ou quem recebe a carta, por exemplo.
  43. 43. Trocando palavras, trocamos o sentido... Odiei esse final triste e dramáticoAdorei emocionante
  44. 44. Princesa do avesso não mora na torre o fundo do poço é o seu casarão.
  45. 45. Não joga suas tranças espera uma corda de um príncipe jovem, formoso e bobão.
  46. 46. Com apoio do texto, levá-los a perceber as características dos personagens: Caracterização dos personagens
  47. 47. Caracterização dos personagens Charlô Felpo
  48. 48. Proposta de Produção Textual: Correspondência Escolar Utilizada por Freinet, é uma proposta onde os alunos se comunicam com outros estudantes, de escolas ou classes diferentes. Depois dos professores terem se comunicado e organizado a forma como ocorrerá a dinâmica, inicia-se a troca de correspondências, que pode incluir além dos textos e desenhos produzidos pelas crianças, gravações e vídeos, presentes feitos por elas, receitas, endereço de e-mail e muitas outras coisas que sejam do interesse das crianças trocar, ou mostrar a seus correspondentes como é a vida na sala.
  49. 49. Diferente explorações: • Biografia da autora do livro - Eva Furnari • Trazer um jogo e observar seu manual de instrução: como faremos para jogar; • Produção de um livro de contos; • Receitas da vovó: pesquisa • Pesquisa sobre diferentes paisagens e lugares a partir de cartão-postal; O livro conta essa história de uma maneira muito divertida e usando os mais variados tipos de texto, dessa forma é possível explorá-los de diferentes formas:
  50. 50. REFERÊNCIAS - BIBLIOGRAFIA CONSULTADA : BAJARD, E. A descoberta da língua escrita. São Paulo: Cortez, 2012. BRASIL, Ministério da Educação/SEB. Pró-Letramento: Programa de formação continuada de professores dos anos/séries iniciais do Ensino Fundamental: Matemática. – edição revista e ampliada incluindo SAEB / Prova Brasil matriz de referência / Secretaria de Educação Básica- Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica, 2008. BRASIL, República Federativa. Parâmetros Curriculares Nacionais. Rio de Janeiro, DP&A/ME C/SEF, 1.997. FERREIRO, Emilia. Alfabetização em Processo. São Paulo: Cortez, 1996. JOLIBERT, Josette.; Jacob et al. Além dos muros da escola. Porto Alegre: Artmed, 2006 LER E ESCREVER NA ESCOLA - o Real, o Possível e o Necessário. Disponível em: http://revistaescola.abril.com.br/lingua-portuguesa/fundamentos/estante-conteudos-prioritarios MENDONÇA, O. S. Métodos de Alfabetização: percurso histórico e questões atuais. In: Pedagogia Cidadã Cadernos de Formação. São Paulo: Unesp, 2003.

×