SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 34
SIMULADO 3º Ano Jorge Henrique
Questão 01  Prof. Jorge Henrique - 2009 Verdadeiro Falso (UFS – 2002) “ Os três verificaram que  quase não dava mais gosto  apedrejar a casa. As vidraças partidas não se recompunham mais. A pedra batia no caixilho ou ia aninhar-se lá dentro, para voltar com palavras iradas. Ainda haveria louça para destruir, espelho, vaso intato?” É correto afirmar que a oração grifada   é  subordinada adjetiva explicativa . A oração é subordinada substantiva objetiva direta, pois serve de complemento ao verbo “verificar”
Questão 02  Prof. Jorge Henrique - 2009 (UFS – 2002) Em  “Ainda haveria louça para destruir, espelho, vaso intato?” Louça  é o  sujeito da oração . Verdadeiro Falso Quando o verbo “haver” é empregado com o sentido de  existir,  a oração não tem sujeito. “Louça” desempenha a função de objeto direto.
Questão 03  Prof. Jorge Henrique - 2009 (UFS – 2002) “ Abriu-se o portão”. “Abriram-se os portões”.  A  concordância  está feita de acordo com a norma culta da língua. Verbo deve concordar com o sujeito em número e pessoa. Falso Verdadeiro
Questão 04  Prof. Jorge Henrique - 2009 (UFS – 2002) Em “ Os três verificaram que quase não dava mais gosto  apedrejar a casa ”  a expressão destacada é uma  oração subordinada reduzida  que exerce a mesma função sintática do termo grifado na frase “ Tinha atingido  uma lata ”. Verdadeiro Falso “ Uma lata” funciona como objeto direto. Já a oração destacada desempenha a função de sujeito da oração anterior.
Questão 05  Prof. Jorge Henrique - 2009 (UFS – 2002) Nas frases “ o do meio  vibrou  um golpe na primeira janela”  e “ não  vivia  trancado?”,  a  regência  dos verbos grifados é idêntica. Verdadeiro Falso O verbo “vibrar” é transitivo direto e “viver” é de ligação.
Questão 06  Prof. Jorge Henrique - 2009 Falso Verdadeiro (UFS – 2003) “ (...) meu avô, ano a ano, foi se tornando menos mandão e despótico. Finalmente pegava a entender, talvez ajudado pela sabedoria inclemente de minha avó,  que o cansaço e a doença terminam prevalecendo contra todo o vigor  que dedicamos às empreitadas por que vivemos, e o quão passageiras são as inquietações por que morremos!” A oração destacada estrutura-se como complemento do verbo  entender , tendo, portanto, valor de substantivo. A oração destacada desempenha a função de objeto direto de “entender”.
Questão 07  Prof. Jorge Henrique - 2009 Falso Verdadeiro (UFS – 2003) “ Com o semblante vincado de fastio, tão distante do arrojo que se acostumara a empregar nos quefazeres por que se dava, nem parecia mais o vendaval do outro tempo, o furacão  que se impunha a rajadas categóricas ”. A oração grifada tem  valor adjetivo  e é introduzida por  pronome relativo .
Questão 08  Prof. Jorge Henrique - 2009 (UFS – 2003) “ O próprio João Miúdo, que  como cria doméstica da casa-grande  se acostumara a ser prestadio e obediente, agora se aproveitava da surdez do padrinho para rebater as ordens de longe, numa algaravia de troças e caçoadas por onde se destampava o desrespeito”. A expressão grifada trata-se de uma  oração subordinada reduzida . Verdadeiro Falso Trata-se de uma oração subordinada adverbial comparativa desenvolvida, cujo verbo encontra-se implícito.
Questão 09 Prof. Jorge Henrique - 2009 (UFS – 2003) “ ... eu me deixava apanhar pelo escárnio das palavras insultuosas,  parceiro que sempre fui  de seu lado vulnerável” .  Há  anacoluto  no trecho destacado. Falso Verdadeiro Anacoluto é uma figura de linguagem (figura de construção) que consiste em uma quebra da sequência sintática da frase, após uma pausa suave.
Questão 10  Prof. Jorge Henrique - 2009 (UFS – 2003) “ Embora meu avô não chegasse a se inteirar dessa mangação descabelada, eu me deixava apanhar pelo escárnio das palavras insultuosas, parceiro que sempre fui de seu lado vulnerável, e me assustava com a decadência do velho jequitibá, cada dia mais silencioso e derruído,  apartado da vida e dos poderes ”. Considerando-se o texto, há na expressão destacada uma  oração adverbial . Verdadeiro Falso Trata-se de adjunto adnominal que caracteriza o “velho jequitibá”, ou seja, o avô do narrador.
Questão 11  Prof. Jorge Henrique - 2009 (UFS – 2003) “ Embora meu avô não chegasse a se inteirar dessa mangação descabelada, eu me deixava apanhar pelo escárnio das palavras insultuosas, parceiro que sempre fui de seu lado vulnerável, e me assustava com a decadência do velho jequitibá, cada dia mais silencioso e derruído, apartado da vida e dos poderes”. Passava dias inteiros  incomunicável ...” Se o sujeito da frase estivesse no plural, o termo grifado permaneceria inalterado, por ter  sentido adverbial . Verdadeiro Falso “ incomunicável” é um adjetivo em função predicativa e, como tal, deve concordar em gênero e número com o substantivo a que se refere, neste caso, o núcleo do sujeito.
Questão 12  Prof. Jorge Henrique - 2009 (UFS – 2003) “ ... meio surdo  aos ruídos . ... agora se aproveitava  da surdez . Os termos grifados acima têm ambos a função sintática de  objeto indireto . Verdadeiro Falso No primeiro caso, temos um complemento nominal de “surdo”. No segundo, um objeto indireto de “aproveitava”.
Questão 13  Prof. Jorge Henrique - 2009 (UFS – 2003) “ ... nem parecia mais  o vendaval   do outro tempo”.   O termo grifado classifica-se como o  sujeito da oração . Verdadeiro Falso Trata-se de um predicativo do sujeito
Questão 14 Prof. Jorge Henrique - 2009 (UFS – 2004) “ Mas, afinal de contas, o que era que tinha que ver com tudo aquilo? Tinha a sua família para pensar nela. E saiu de rota batida para casa. A casa-grande do Santa Fé já tinha luz acesa quando dobrou a estrada. Tinha a sua casa, e tinha aquela filha  para cuidar ”. A oração grifada exprime  conseqüência . Verdadeiro Falso A oração em destaque exprime  finalidade.
Questão 15 Prof. Jorge Henrique - 2009 ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],Falso Verdadeiro “ havia escrito” – locução verbal “ escrita” – predicativo do sujeito
Questão 16 Prof. Jorge Henrique - 2009 (UFS – 2004) “ O bueiro baixo, e a boca da fornalha escancarada, um barco sujo”. Observa-se aí uma seqüência de  frases nominais . Falso Verdadeiro
Questão 17 Prof. Jorge Henrique - 2009 (UFS – 2004) “ Pela estrada iam passando os dez carros do coronel José Paulino  carregados de lá para a estação ”. A  oração subordinada reduzida  grifada acima tem valor de  advérbio . Verdadeiro Falso A oração reduzida tem valor de adjetivo e restringe o sentido do substantivo “carros”.
Questão 18 Prof. Jorge Henrique - 2009 (UFS – 2004) “ Mudaria de terra, mas ninguém pisaria por cima dele”. Trata-se de um período  composto por subordinação . Verdadeiro Falso Trata-se de um composto por coordenação.
Questão 19 Prof. Jorge Henrique - 2009 (UFS – 2004) “ ...  o que era  que tinha que ver com tudo aquilo?” O segmento grifado acima tem valor  expletivo  ou de realce, apenas, considerando-se a estrutura da frase . Falso Verdadeiro Em gramática,  expletivo  é um termo ou expressão que enfatiza o sentido da frase sem, no entanto, ser necessária ou essencial ao enunciado.
Questão 20 Prof. Jorge Henrique - 2009 (UFS – 2004) “ O negro Floripes ficou quieto,  meio triste ”. Se Floripes fosse um nome feminino, a expressão grifada teria de passar, obrigatoriamente, a  meia triste . Verdadeiro Falso Neste caso, “meio” corresponde a um advérbio, portanto, é invariável.
Questão 21 Prof. Jorge Henrique - 2009 (UFS – 2004) “ Ouviu-se  um toque de sino ”. Passando para o plural a expressão grifada acima, a forma correta deverá ser  Ouviram-se uns toques de sino . Falso Verdadeiro Segundo o princípio de concordância verbal, o verbo concorda em número e pessoa com o núcleo do sujeito a que se refere.
Questão 22 Prof. Jorge Henrique - 2009 (UFS – 2004) “ Pareciam  feridas vermelhas ”. O termo grifado na oração acima tem função sintática de  objeto direto . Verdadeiro Falso Trata-se de um predicativo do sujeito.
Questão 23 Prof. Jorge Henrique - 2009 (UFS – 2005) E ela veio, não me lembro mais quanto tempo ficamos conversando, só sei que foi muito. Pensei que ela fosse logo embora, tão aborrecida disse estar com a minha insistência. Por que eu a procurava, se já me dissera que não me amava? Como também sei que você não se casou por amor e que não ama seu marido, disse eu. O que não quer dizer que venha a amá- lo , disse ela. A frase apresenta intencionalmente duplo sentido, considerando-se que o  pronome grifado  pode retomar, indiferentemente,  o seu marido  ou  a mim  (referindo-se ao narrador) . Falso Verdadeiro Realmente, o pronome ambiguo denota certo tom irônico da personagem.
Questão 24 Prof. Jorge Henrique - 2009 (UFS – 2005) “ Pensei que ela  fosse  logo embora... ... embora não  fosse  feia...” As frases acima são exemplo de que o mesmo verbo (grifado) pode apresentar diferentes tipos de  complemento . Verdadeiro Falso Em nenhum dos casos o verbo exige complemento. No primeiro, é intransitivo; No segundo, de ligação.
Questão 25 Prof. Jorge Henrique - 2009 (UFS – 2005) “ Marcamos  um encontro  na Praça da República”. “ Margarida tornou a dizer  que não me amava ”. É a mesma a função sintática dos termos grifados em cada uma das frases acima, com a única diferença de que um deles forma uma  oração subordinada . Falso Verdadeiro Em ambos os casos, são objetos diretos.
Questão 26 Prof. Jorge Henrique - 2009 (UFS – 2005) “ Afrouxei os dedos, ela não retirou a mão...” Mesmo sem a presença de conjunção, é correto perceber o sentido  adversativo  da oração grifada acima. Falso Verdadeiro A presença da conjunção apenas deixaria mais explícita a oposição entre as orações.
Questão 27 Prof. Jorge Henrique - 2009 (UFS – 2005) “ ...  não me lembro mais quanto tempo ficamos conversando...” Ocorre  elipse do sujeito  de cada um dos verbos da frase acima, por ser sua presença desnecessária ao entendimento do texto. Falso Verdadeiro
Questão 28 Prof. Jorge Henrique - 2009 (UFS – 2005) “ E, no banco do jasmineiro, tão importante para mim desde aquele primeiro encontro com minha prima Amélia, segurei a mão de Margarida a meu lado”. A frase acima é exemplo de  período simples . Falso Verdadeiro Há apenas um verbo: “segurei”.
Questão 29 Prof. Jorge Henrique - 2009 (UFS – 2005) “ E ela veio, não me lembro mais quanto tempo ficamos conversando, só sei que foi muito”. Ocorre  anacoluto  na frase reproduzida acima. Verdadeiro Falso Neste caso, não ocorre uma quebra de sequência sintática.
Questão 30 Prof. Jorge Henrique - 2009 (UFS – 2005) “ ... tão aborrecida disse estar  com a minha insistência ”. Classifica-se o termo grifado como  objeto indireto , já que se une sintaticamente à expressão  tão aborrecida . Verdadeiro Falso Realmente o termo em destaque refere-se à “tão aborrecida”, mas como complemento nominal.
Questão 31 Prof. Jorge Henrique - 2009 (UFS – 2005) “ Ficamos  durante algum tempo em silêncio...  E ela  falava  agora da sua vida...” Os verbos grifados acima exigem o mesmo tipo de  complemento . Verdadeiro Falso No primeiro caso, o verbo é intransitivo, portanto não exige complemento; No segundo, o verbo é transitivo indireto e seu objeto é “da sua vida”.
Questão 32 Prof. Jorge Henrique - 2009 (UFS – 2005) “ Do puritanismo de Madame Thérèse, que via pecado em tudo; de sua deliciosa viagem a Paris”. Há uma sequência de  frases nominais  no segmento transcrito acima. Verdadeiro Falso Temos o verbo transitivo direto “ver”, e seu objeto “pecado”.
Questão 33 Prof. Jorge Henrique - 2009 (UFS – 2005) “ Passou rápido as horas de nosso encontro; a inteligência de Margarida, além de sua sensibilidade, tornaram-nas bastante significativa para mim”. Na frase acima, a  concordância  respeita a norma culta. Verdadeiro Falso Para respeitar a concordância da norma culta, os verbos deveriam concordar com seus respectivos sujeitos, grifados a seguir: “Passaram rápido  as horas ...” e “ a inteligência de Margarida ... tornou-as...”

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Apresentação para décimo ano de 2014 5, aula 45-46
Apresentação para décimo ano de 2014 5, aula 45-46Apresentação para décimo ano de 2014 5, aula 45-46
Apresentação para décimo ano de 2014 5, aula 45-46luisprista
 
Figuras de linguagem
Figuras de linguagemFiguras de linguagem
Figuras de linguagemMila E Wlamir
 
Habilidade 16 figuras de linguagem
Habilidade 16 figuras de linguagemHabilidade 16 figuras de linguagem
Habilidade 16 figuras de linguagempaulomonteiropimpao
 
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 5-6
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 5-6Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 5-6
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 5-6luisprista
 
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 21-22
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 21-22Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 21-22
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 21-22luisprista
 
Simulado língua portuguesa 1º ano b
Simulado língua portuguesa 1º ano bSimulado língua portuguesa 1º ano b
Simulado língua portuguesa 1º ano bElizete Lopes
 
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 27-28
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 27-28Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 27-28
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 27-28luisprista
 
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 35-36
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 35-36Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 35-36
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 35-36luisprista
 
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 25-26
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 25-26Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 25-26
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 25-26luisprista
 
Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 5-6
Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 5-6Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 5-6
Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 5-6luisprista
 
Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 89-90
Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 89-90Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 89-90
Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 89-90luisprista
 
Revisional de língua portuguesa para o cfsd
Revisional de língua portuguesa para o cfsdRevisional de língua portuguesa para o cfsd
Revisional de língua portuguesa para o cfsdma.no.el.ne.ves
 
Exercícios sobre estilística e figuras de linguagem, 02
Exercícios sobre estilística e figuras de linguagem, 02Exercícios sobre estilística e figuras de linguagem, 02
Exercícios sobre estilística e figuras de linguagem, 02ma.no.el.ne.ves
 
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 19-20
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 19-20Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 19-20
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 19-20luisprista
 
Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 25-26
Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 25-26Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 25-26
Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 25-26luisprista
 
Rta aula 6 - 2010
Rta   aula 6 - 2010Rta   aula 6 - 2010
Rta aula 6 - 2010LeYa
 
Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 7-8
Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 7-8Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 7-8
Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 7-8luisprista
 
Apresentação para décimo ano de 2014 5, aula 43-44
Apresentação para décimo ano de 2014 5, aula 43-44Apresentação para décimo ano de 2014 5, aula 43-44
Apresentação para décimo ano de 2014 5, aula 43-44luisprista
 

Mais procurados (19)

Apresentação para décimo ano de 2014 5, aula 45-46
Apresentação para décimo ano de 2014 5, aula 45-46Apresentação para décimo ano de 2014 5, aula 45-46
Apresentação para décimo ano de 2014 5, aula 45-46
 
Figuras de linguagem
Figuras de linguagemFiguras de linguagem
Figuras de linguagem
 
Habilidade 16 figuras de linguagem
Habilidade 16 figuras de linguagemHabilidade 16 figuras de linguagem
Habilidade 16 figuras de linguagem
 
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 5-6
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 5-6Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 5-6
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 5-6
 
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 21-22
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 21-22Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 21-22
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 21-22
 
Simulado língua portuguesa 1º ano b
Simulado língua portuguesa 1º ano bSimulado língua portuguesa 1º ano b
Simulado língua portuguesa 1º ano b
 
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 27-28
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 27-28Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 27-28
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 27-28
 
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 35-36
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 35-36Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 35-36
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 35-36
 
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 25-26
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 25-26Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 25-26
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 25-26
 
Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 5-6
Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 5-6Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 5-6
Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 5-6
 
Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 89-90
Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 89-90Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 89-90
Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 89-90
 
1º gramática
1º gramática1º gramática
1º gramática
 
Revisional de língua portuguesa para o cfsd
Revisional de língua portuguesa para o cfsdRevisional de língua portuguesa para o cfsd
Revisional de língua portuguesa para o cfsd
 
Exercícios sobre estilística e figuras de linguagem, 02
Exercícios sobre estilística e figuras de linguagem, 02Exercícios sobre estilística e figuras de linguagem, 02
Exercícios sobre estilística e figuras de linguagem, 02
 
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 19-20
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 19-20Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 19-20
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 19-20
 
Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 25-26
Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 25-26Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 25-26
Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 25-26
 
Rta aula 6 - 2010
Rta   aula 6 - 2010Rta   aula 6 - 2010
Rta aula 6 - 2010
 
Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 7-8
Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 7-8Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 7-8
Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 7-8
 
Apresentação para décimo ano de 2014 5, aula 43-44
Apresentação para décimo ano de 2014 5, aula 43-44Apresentação para décimo ano de 2014 5, aula 43-44
Apresentação para décimo ano de 2014 5, aula 43-44
 

Destaque

Exercícios sobre colocação pronominal
Exercícios sobre colocação pronominalExercícios sobre colocação pronominal
Exercícios sobre colocação pronominalma.no.el.ne.ves
 
58119906 slide-sintaxe-da-oracao-periodo-simples
58119906 slide-sintaxe-da-oracao-periodo-simples58119906 slide-sintaxe-da-oracao-periodo-simples
58119906 slide-sintaxe-da-oracao-periodo-simplesfelipe789
 
Colocação pronominal
Colocação pronominalColocação pronominal
Colocação pronominalCrisBiagio
 
www.AulasDePortuguesApoio.com - Português - Figuras de Construção ou Sintaxe
www.AulasDePortuguesApoio.com  -  Português -  Figuras de Construção ou Sintaxewww.AulasDePortuguesApoio.com  -  Português -  Figuras de Construção ou Sintaxe
www.AulasDePortuguesApoio.com - Português - Figuras de Construção ou SintaxeVideoaulas De Português Apoio
 

Destaque (11)

Classes gramaticais
Classes gramaticaisClasses gramaticais
Classes gramaticais
 
Período Simples
Período SimplesPeríodo Simples
Período Simples
 
Exercícios sobre colocação pronominal
Exercícios sobre colocação pronominalExercícios sobre colocação pronominal
Exercícios sobre colocação pronominal
 
58119906 slide-sintaxe-da-oracao-periodo-simples
58119906 slide-sintaxe-da-oracao-periodo-simples58119906 slide-sintaxe-da-oracao-periodo-simples
58119906 slide-sintaxe-da-oracao-periodo-simples
 
Colocação pronominal
Colocação pronominalColocação pronominal
Colocação pronominal
 
C:\Fakepath\ColocaçãO Pronominal
C:\Fakepath\ColocaçãO PronominalC:\Fakepath\ColocaçãO Pronominal
C:\Fakepath\ColocaçãO Pronominal
 
Período Composto
Período CompostoPeríodo Composto
Período Composto
 
Acentuação Gráfica
Acentuação GráficaAcentuação Gráfica
Acentuação Gráfica
 
Colocação Pronominal
Colocação PronominalColocação Pronominal
Colocação Pronominal
 
www.AulasDePortuguesApoio.com - Português - Figuras de Construção ou Sintaxe
www.AulasDePortuguesApoio.com  -  Português -  Figuras de Construção ou Sintaxewww.AulasDePortuguesApoio.com  -  Português -  Figuras de Construção ou Sintaxe
www.AulasDePortuguesApoio.com - Português - Figuras de Construção ou Sintaxe
 
Classe de palavras
Classe de palavrasClasse de palavras
Classe de palavras
 

Semelhante a Questões de Português sobre textos literários

Simulado Interativo-Português-PPS-02
Simulado Interativo-Português-PPS-02Simulado Interativo-Português-PPS-02
Simulado Interativo-Português-PPS-02Jorge Henrique
 
Exercícios sobre pronomes relativos
Exercícios sobre pronomes relativosExercícios sobre pronomes relativos
Exercícios sobre pronomes relativosma.no.el.ne.ves
 
Termos da oração relacionados ao verbo, complemento nominal e adjunto adnominal
Termos da oração relacionados ao verbo, complemento nominal e adjunto adnominalTermos da oração relacionados ao verbo, complemento nominal e adjunto adnominal
Termos da oração relacionados ao verbo, complemento nominal e adjunto adnominalAyla De Sá Marques
 
Concordância Verbal e Nominal
Concordância Verbal e NominalConcordância Verbal e Nominal
Concordância Verbal e NominalDaniele Silva
 
Gramática - Predicação Verbal e Complementos Verbais
Gramática - Predicação Verbal e Complementos VerbaisGramática - Predicação Verbal e Complementos Verbais
Gramática - Predicação Verbal e Complementos VerbaisCarson Souza
 
Gabarito comentado dos exercícios de concordância verbal
Gabarito comentado dos exercícios de concordância verbalGabarito comentado dos exercícios de concordância verbal
Gabarito comentado dos exercícios de concordância verbalProfFernandaBraga
 
Leitura e produ+ç+âo de texto ôçô linguagem forense
Leitura e produ+ç+âo de texto ôçô linguagem forenseLeitura e produ+ç+âo de texto ôçô linguagem forense
Leitura e produ+ç+âo de texto ôçô linguagem forenseAgassis Rodrigues
 
Concordancia%20verbal[1]
Concordancia%20verbal[1]Concordancia%20verbal[1]
Concordancia%20verbal[1]Sadrak Silva
 
Aula concordância verbal e nominal
Aula concordância verbal e nominalAula concordância verbal e nominal
Aula concordância verbal e nominalAline Alves
 
Aula concordância verbal e nominal apresentação
Aula concordância verbal e nominal apresentaçãoAula concordância verbal e nominal apresentação
Aula concordância verbal e nominal apresentaçãoAline Alves
 
Exercícios sobre regência
Exercícios sobre regênciaExercícios sobre regência
Exercícios sobre regênciama.no.el.ne.ves
 
Concordancia verbal-slide-adriana
Concordancia verbal-slide-adrianaConcordancia verbal-slide-adriana
Concordancia verbal-slide-adrianaLucilene Barcelos
 
Língua Portuguesa - Aulão Solidário - Miron Barbosa
Língua Portuguesa - Aulão Solidário - Miron BarbosaLíngua Portuguesa - Aulão Solidário - Miron Barbosa
Língua Portuguesa - Aulão Solidário - Miron BarbosaMiron Barbosa
 
Pronome 7o ano 1 o bimestre
Pronome 7o ano 1 o bimestrePronome 7o ano 1 o bimestre
Pronome 7o ano 1 o bimestreMarcia Facelli
 
Concordância verbal i
Concordância verbal iConcordância verbal i
Concordância verbal iNádia França
 

Semelhante a Questões de Português sobre textos literários (20)

Simulado Interativo-Português-PPS-02
Simulado Interativo-Português-PPS-02Simulado Interativo-Português-PPS-02
Simulado Interativo-Português-PPS-02
 
Exercícios sobre pronomes relativos
Exercícios sobre pronomes relativosExercícios sobre pronomes relativos
Exercícios sobre pronomes relativos
 
Os tipos de discurso
Os tipos de discursoOs tipos de discurso
Os tipos de discurso
 
Termos da oração relacionados ao verbo, complemento nominal e adjunto adnominal
Termos da oração relacionados ao verbo, complemento nominal e adjunto adnominalTermos da oração relacionados ao verbo, complemento nominal e adjunto adnominal
Termos da oração relacionados ao verbo, complemento nominal e adjunto adnominal
 
Concordância Verbal e Nominal
Concordância Verbal e NominalConcordância Verbal e Nominal
Concordância Verbal e Nominal
 
Gramática - Predicação Verbal e Complementos Verbais
Gramática - Predicação Verbal e Complementos VerbaisGramática - Predicação Verbal e Complementos Verbais
Gramática - Predicação Verbal e Complementos Verbais
 
Gabarito comentado dos exercícios de concordância verbal
Gabarito comentado dos exercícios de concordância verbalGabarito comentado dos exercícios de concordância verbal
Gabarito comentado dos exercícios de concordância verbal
 
Leitura e produ+ç+âo de texto ôçô linguagem forense
Leitura e produ+ç+âo de texto ôçô linguagem forenseLeitura e produ+ç+âo de texto ôçô linguagem forense
Leitura e produ+ç+âo de texto ôçô linguagem forense
 
Concordancia%20verbal[1]
Concordancia%20verbal[1]Concordancia%20verbal[1]
Concordancia%20verbal[1]
 
Concordância verbal
Concordância verbalConcordância verbal
Concordância verbal
 
Aula concordância verbal e nominal
Aula concordância verbal e nominalAula concordância verbal e nominal
Aula concordância verbal e nominal
 
Aula concordância verbal e nominal apresentação
Aula concordância verbal e nominal apresentaçãoAula concordância verbal e nominal apresentação
Aula concordância verbal e nominal apresentação
 
Exercícios sobre regência
Exercícios sobre regênciaExercícios sobre regência
Exercícios sobre regência
 
Concordancia verbal-slide-adriana
Concordancia verbal-slide-adrianaConcordancia verbal-slide-adriana
Concordancia verbal-slide-adriana
 
Língua Portuguesa - Aulão Solidário - Miron Barbosa
Língua Portuguesa - Aulão Solidário - Miron BarbosaLíngua Portuguesa - Aulão Solidário - Miron Barbosa
Língua Portuguesa - Aulão Solidário - Miron Barbosa
 
Concordancia verbal[1]
Concordancia verbal[1]Concordancia verbal[1]
Concordancia verbal[1]
 
Pronome 7o ano 1 o bimestre
Pronome 7o ano 1 o bimestrePronome 7o ano 1 o bimestre
Pronome 7o ano 1 o bimestre
 
Verbos
VerbosVerbos
Verbos
 
Concordância verbal i
Concordância verbal iConcordância verbal i
Concordância verbal i
 
Revisão inicial 9º ano.
Revisão inicial 9º ano.Revisão inicial 9º ano.
Revisão inicial 9º ano.
 

Mais de Jorge Henrique

Mais de Jorge Henrique (7)

Acentuação Gráfica-2009.pdf
Acentuação Gráfica-2009.pdfAcentuação Gráfica-2009.pdf
Acentuação Gráfica-2009.pdf
 
Formação de palavras
Formação de palavrasFormação de palavras
Formação de palavras
 
CRASE
CRASECRASE
CRASE
 
Verbos - Parte 2
Verbos - Parte 2Verbos - Parte 2
Verbos - Parte 2
 
Verbos - parte 1
Verbos - parte 1Verbos - parte 1
Verbos - parte 1
 
Bio-repórter - O jornal da Biodiversidade
Bio-repórter - O jornal da BiodiversidadeBio-repórter - O jornal da Biodiversidade
Bio-repórter - O jornal da Biodiversidade
 
Fonologia e fonética
Fonologia e fonéticaFonologia e fonética
Fonologia e fonética
 

Último

LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.HildegardeAngel
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfErasmo Portavoz
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdfProfGleide
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAlexandreFrana33
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdfCarlosRodrigues832670
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISVitor Vieira Vasconcelos
 
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdfPPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdfAnaGonalves804156
 
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basicoPRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basicoSilvaDias3
 
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasMesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasRicardo Diniz campos
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfIedaGoethe
 
ADJETIVO para 8 ano. Ensino funda.mental
ADJETIVO para 8 ano. Ensino funda.mentalADJETIVO para 8 ano. Ensino funda.mental
ADJETIVO para 8 ano. Ensino funda.mentalSilvana Silva
 
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfMapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfangelicass1
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaFernanda Ledesma
 
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕESPRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕESpatriciasofiacunha18
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresaulasgege
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosAntnyoAllysson
 
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfSlides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfpaulafernandes540558
 

Último (20)

LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
 
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdfPPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
 
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basicoPRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
 
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasMesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
 
ADJETIVO para 8 ano. Ensino funda.mental
ADJETIVO para 8 ano. Ensino funda.mentalADJETIVO para 8 ano. Ensino funda.mental
ADJETIVO para 8 ano. Ensino funda.mental
 
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfMapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
 
(76- ESTUDO MATEUS) A ACLAMAÇÃO DO REI..
(76- ESTUDO MATEUS) A ACLAMAÇÃO DO REI..(76- ESTUDO MATEUS) A ACLAMAÇÃO DO REI..
(76- ESTUDO MATEUS) A ACLAMAÇÃO DO REI..
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
 
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕESPRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
 
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfSlides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
 

Questões de Português sobre textos literários

  • 1. SIMULADO 3º Ano Jorge Henrique
  • 2. Questão 01 Prof. Jorge Henrique - 2009 Verdadeiro Falso (UFS – 2002) “ Os três verificaram que quase não dava mais gosto apedrejar a casa. As vidraças partidas não se recompunham mais. A pedra batia no caixilho ou ia aninhar-se lá dentro, para voltar com palavras iradas. Ainda haveria louça para destruir, espelho, vaso intato?” É correto afirmar que a oração grifada é subordinada adjetiva explicativa . A oração é subordinada substantiva objetiva direta, pois serve de complemento ao verbo “verificar”
  • 3. Questão 02 Prof. Jorge Henrique - 2009 (UFS – 2002) Em “Ainda haveria louça para destruir, espelho, vaso intato?” Louça é o sujeito da oração . Verdadeiro Falso Quando o verbo “haver” é empregado com o sentido de existir, a oração não tem sujeito. “Louça” desempenha a função de objeto direto.
  • 4. Questão 03 Prof. Jorge Henrique - 2009 (UFS – 2002) “ Abriu-se o portão”. “Abriram-se os portões”. A concordância está feita de acordo com a norma culta da língua. Verbo deve concordar com o sujeito em número e pessoa. Falso Verdadeiro
  • 5. Questão 04 Prof. Jorge Henrique - 2009 (UFS – 2002) Em “ Os três verificaram que quase não dava mais gosto apedrejar a casa ” a expressão destacada é uma oração subordinada reduzida que exerce a mesma função sintática do termo grifado na frase “ Tinha atingido uma lata ”. Verdadeiro Falso “ Uma lata” funciona como objeto direto. Já a oração destacada desempenha a função de sujeito da oração anterior.
  • 6. Questão 05 Prof. Jorge Henrique - 2009 (UFS – 2002) Nas frases “ o do meio vibrou um golpe na primeira janela” e “ não vivia trancado?”, a regência dos verbos grifados é idêntica. Verdadeiro Falso O verbo “vibrar” é transitivo direto e “viver” é de ligação.
  • 7. Questão 06 Prof. Jorge Henrique - 2009 Falso Verdadeiro (UFS – 2003) “ (...) meu avô, ano a ano, foi se tornando menos mandão e despótico. Finalmente pegava a entender, talvez ajudado pela sabedoria inclemente de minha avó, que o cansaço e a doença terminam prevalecendo contra todo o vigor que dedicamos às empreitadas por que vivemos, e o quão passageiras são as inquietações por que morremos!” A oração destacada estrutura-se como complemento do verbo entender , tendo, portanto, valor de substantivo. A oração destacada desempenha a função de objeto direto de “entender”.
  • 8. Questão 07 Prof. Jorge Henrique - 2009 Falso Verdadeiro (UFS – 2003) “ Com o semblante vincado de fastio, tão distante do arrojo que se acostumara a empregar nos quefazeres por que se dava, nem parecia mais o vendaval do outro tempo, o furacão que se impunha a rajadas categóricas ”. A oração grifada tem valor adjetivo e é introduzida por pronome relativo .
  • 9. Questão 08 Prof. Jorge Henrique - 2009 (UFS – 2003) “ O próprio João Miúdo, que como cria doméstica da casa-grande se acostumara a ser prestadio e obediente, agora se aproveitava da surdez do padrinho para rebater as ordens de longe, numa algaravia de troças e caçoadas por onde se destampava o desrespeito”. A expressão grifada trata-se de uma oração subordinada reduzida . Verdadeiro Falso Trata-se de uma oração subordinada adverbial comparativa desenvolvida, cujo verbo encontra-se implícito.
  • 10. Questão 09 Prof. Jorge Henrique - 2009 (UFS – 2003) “ ... eu me deixava apanhar pelo escárnio das palavras insultuosas, parceiro que sempre fui de seu lado vulnerável” . Há anacoluto no trecho destacado. Falso Verdadeiro Anacoluto é uma figura de linguagem (figura de construção) que consiste em uma quebra da sequência sintática da frase, após uma pausa suave.
  • 11. Questão 10 Prof. Jorge Henrique - 2009 (UFS – 2003) “ Embora meu avô não chegasse a se inteirar dessa mangação descabelada, eu me deixava apanhar pelo escárnio das palavras insultuosas, parceiro que sempre fui de seu lado vulnerável, e me assustava com a decadência do velho jequitibá, cada dia mais silencioso e derruído, apartado da vida e dos poderes ”. Considerando-se o texto, há na expressão destacada uma oração adverbial . Verdadeiro Falso Trata-se de adjunto adnominal que caracteriza o “velho jequitibá”, ou seja, o avô do narrador.
  • 12. Questão 11 Prof. Jorge Henrique - 2009 (UFS – 2003) “ Embora meu avô não chegasse a se inteirar dessa mangação descabelada, eu me deixava apanhar pelo escárnio das palavras insultuosas, parceiro que sempre fui de seu lado vulnerável, e me assustava com a decadência do velho jequitibá, cada dia mais silencioso e derruído, apartado da vida e dos poderes”. Passava dias inteiros incomunicável ...” Se o sujeito da frase estivesse no plural, o termo grifado permaneceria inalterado, por ter sentido adverbial . Verdadeiro Falso “ incomunicável” é um adjetivo em função predicativa e, como tal, deve concordar em gênero e número com o substantivo a que se refere, neste caso, o núcleo do sujeito.
  • 13. Questão 12 Prof. Jorge Henrique - 2009 (UFS – 2003) “ ... meio surdo aos ruídos . ... agora se aproveitava da surdez . Os termos grifados acima têm ambos a função sintática de objeto indireto . Verdadeiro Falso No primeiro caso, temos um complemento nominal de “surdo”. No segundo, um objeto indireto de “aproveitava”.
  • 14. Questão 13 Prof. Jorge Henrique - 2009 (UFS – 2003) “ ... nem parecia mais o vendaval do outro tempo”. O termo grifado classifica-se como o sujeito da oração . Verdadeiro Falso Trata-se de um predicativo do sujeito
  • 15. Questão 14 Prof. Jorge Henrique - 2009 (UFS – 2004) “ Mas, afinal de contas, o que era que tinha que ver com tudo aquilo? Tinha a sua família para pensar nela. E saiu de rota batida para casa. A casa-grande do Santa Fé já tinha luz acesa quando dobrou a estrada. Tinha a sua casa, e tinha aquela filha para cuidar ”. A oração grifada exprime conseqüência . Verdadeiro Falso A oração em destaque exprime finalidade.
  • 16.
  • 17. Questão 16 Prof. Jorge Henrique - 2009 (UFS – 2004) “ O bueiro baixo, e a boca da fornalha escancarada, um barco sujo”. Observa-se aí uma seqüência de frases nominais . Falso Verdadeiro
  • 18. Questão 17 Prof. Jorge Henrique - 2009 (UFS – 2004) “ Pela estrada iam passando os dez carros do coronel José Paulino carregados de lá para a estação ”. A oração subordinada reduzida grifada acima tem valor de advérbio . Verdadeiro Falso A oração reduzida tem valor de adjetivo e restringe o sentido do substantivo “carros”.
  • 19. Questão 18 Prof. Jorge Henrique - 2009 (UFS – 2004) “ Mudaria de terra, mas ninguém pisaria por cima dele”. Trata-se de um período composto por subordinação . Verdadeiro Falso Trata-se de um composto por coordenação.
  • 20. Questão 19 Prof. Jorge Henrique - 2009 (UFS – 2004) “ ... o que era que tinha que ver com tudo aquilo?” O segmento grifado acima tem valor expletivo ou de realce, apenas, considerando-se a estrutura da frase . Falso Verdadeiro Em gramática, expletivo é um termo ou expressão que enfatiza o sentido da frase sem, no entanto, ser necessária ou essencial ao enunciado.
  • 21. Questão 20 Prof. Jorge Henrique - 2009 (UFS – 2004) “ O negro Floripes ficou quieto, meio triste ”. Se Floripes fosse um nome feminino, a expressão grifada teria de passar, obrigatoriamente, a meia triste . Verdadeiro Falso Neste caso, “meio” corresponde a um advérbio, portanto, é invariável.
  • 22. Questão 21 Prof. Jorge Henrique - 2009 (UFS – 2004) “ Ouviu-se um toque de sino ”. Passando para o plural a expressão grifada acima, a forma correta deverá ser Ouviram-se uns toques de sino . Falso Verdadeiro Segundo o princípio de concordância verbal, o verbo concorda em número e pessoa com o núcleo do sujeito a que se refere.
  • 23. Questão 22 Prof. Jorge Henrique - 2009 (UFS – 2004) “ Pareciam feridas vermelhas ”. O termo grifado na oração acima tem função sintática de objeto direto . Verdadeiro Falso Trata-se de um predicativo do sujeito.
  • 24. Questão 23 Prof. Jorge Henrique - 2009 (UFS – 2005) E ela veio, não me lembro mais quanto tempo ficamos conversando, só sei que foi muito. Pensei que ela fosse logo embora, tão aborrecida disse estar com a minha insistência. Por que eu a procurava, se já me dissera que não me amava? Como também sei que você não se casou por amor e que não ama seu marido, disse eu. O que não quer dizer que venha a amá- lo , disse ela. A frase apresenta intencionalmente duplo sentido, considerando-se que o pronome grifado pode retomar, indiferentemente, o seu marido ou a mim (referindo-se ao narrador) . Falso Verdadeiro Realmente, o pronome ambiguo denota certo tom irônico da personagem.
  • 25. Questão 24 Prof. Jorge Henrique - 2009 (UFS – 2005) “ Pensei que ela fosse logo embora... ... embora não fosse feia...” As frases acima são exemplo de que o mesmo verbo (grifado) pode apresentar diferentes tipos de complemento . Verdadeiro Falso Em nenhum dos casos o verbo exige complemento. No primeiro, é intransitivo; No segundo, de ligação.
  • 26. Questão 25 Prof. Jorge Henrique - 2009 (UFS – 2005) “ Marcamos um encontro na Praça da República”. “ Margarida tornou a dizer que não me amava ”. É a mesma a função sintática dos termos grifados em cada uma das frases acima, com a única diferença de que um deles forma uma oração subordinada . Falso Verdadeiro Em ambos os casos, são objetos diretos.
  • 27. Questão 26 Prof. Jorge Henrique - 2009 (UFS – 2005) “ Afrouxei os dedos, ela não retirou a mão...” Mesmo sem a presença de conjunção, é correto perceber o sentido adversativo da oração grifada acima. Falso Verdadeiro A presença da conjunção apenas deixaria mais explícita a oposição entre as orações.
  • 28. Questão 27 Prof. Jorge Henrique - 2009 (UFS – 2005) “ ... não me lembro mais quanto tempo ficamos conversando...” Ocorre elipse do sujeito de cada um dos verbos da frase acima, por ser sua presença desnecessária ao entendimento do texto. Falso Verdadeiro
  • 29. Questão 28 Prof. Jorge Henrique - 2009 (UFS – 2005) “ E, no banco do jasmineiro, tão importante para mim desde aquele primeiro encontro com minha prima Amélia, segurei a mão de Margarida a meu lado”. A frase acima é exemplo de período simples . Falso Verdadeiro Há apenas um verbo: “segurei”.
  • 30. Questão 29 Prof. Jorge Henrique - 2009 (UFS – 2005) “ E ela veio, não me lembro mais quanto tempo ficamos conversando, só sei que foi muito”. Ocorre anacoluto na frase reproduzida acima. Verdadeiro Falso Neste caso, não ocorre uma quebra de sequência sintática.
  • 31. Questão 30 Prof. Jorge Henrique - 2009 (UFS – 2005) “ ... tão aborrecida disse estar com a minha insistência ”. Classifica-se o termo grifado como objeto indireto , já que se une sintaticamente à expressão tão aborrecida . Verdadeiro Falso Realmente o termo em destaque refere-se à “tão aborrecida”, mas como complemento nominal.
  • 32. Questão 31 Prof. Jorge Henrique - 2009 (UFS – 2005) “ Ficamos durante algum tempo em silêncio... E ela falava agora da sua vida...” Os verbos grifados acima exigem o mesmo tipo de complemento . Verdadeiro Falso No primeiro caso, o verbo é intransitivo, portanto não exige complemento; No segundo, o verbo é transitivo indireto e seu objeto é “da sua vida”.
  • 33. Questão 32 Prof. Jorge Henrique - 2009 (UFS – 2005) “ Do puritanismo de Madame Thérèse, que via pecado em tudo; de sua deliciosa viagem a Paris”. Há uma sequência de frases nominais no segmento transcrito acima. Verdadeiro Falso Temos o verbo transitivo direto “ver”, e seu objeto “pecado”.
  • 34. Questão 33 Prof. Jorge Henrique - 2009 (UFS – 2005) “ Passou rápido as horas de nosso encontro; a inteligência de Margarida, além de sua sensibilidade, tornaram-nas bastante significativa para mim”. Na frase acima, a concordância respeita a norma culta. Verdadeiro Falso Para respeitar a concordância da norma culta, os verbos deveriam concordar com seus respectivos sujeitos, grifados a seguir: “Passaram rápido as horas ...” e “ a inteligência de Margarida ... tornou-as...”