SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 32
CONCORDÂNCIA VERBAL E NOMINAL
* Concordância Verbal
A Concordância Verbal é a que diz respeito aos verbos,
também podendo (como ocorre com a concordância
nominal) ser regular ou irregular.
Concordância Verbal regular é aquela em que o verbo
concorda em número e pessoa com o seu sujeito,
venha ele claro ou subentendido. Exemplos:
Tu tinhas razão quando falaste.
Nós precisamos voltar aqui.
Carlos e Pedro saíram juntos.
A maior parte dos sócios deste clube é rica. (“é” concorda
com o núcleo do sujeito: “parte”)
 Concordância Verbal irregular é a que se dá por
atração ou por elipse de número ou de pessoa
(também chamada de concordância ideológica).
Exemplos:
 A maior parte dos sócios deste clube são ricos
(“são” concorda, por atração, com “sócios”, que
não é o núcleo do sujeito).
 Coisa curiosa é criança em dia de chuva: como
ficam irrequietos! (= silepse de número →
“ficam” não concorda com “criança” e sim com
uma ideia coletiva: eles ficam irrequietos).
Os brasileiros somos um povo
esperançoso (=silepse de pessoa →
“somos” não concorda com “brasileiros”,
mas com o pronome pessoal “nós”, que
está elíptico: nós, os brasileiros, somos...).
CASOS ESPECIAIS DE CONCORDÂNCIA
→ O sujeito, sendo simples, com ele concordará o
verbo em número e pessoa. Exemplos:
 As saúvas eram uma praga.
 Acontecem tantas desgraças nesse planeta!
 Por dia, bastam quinze minutos de exercícios.
 Apareceram as fórmulas salvadoras.
 Surgiram, após acalorada discussão, boas
soluções.
→ O sujeito, sendo composto e
anteposto ao verbo, leva geralmente
este para o plural: Exemplos:
A esposa e o amigo seguem sua
marcha.
O Céu e a Terra passarão.
Porém é lícito (mas não obrigatório) deixar o verbo no
singular:
 Quando os núcleos do sujeito forem sinônimos.
Exemplos:
 A decência e a honestidade ainda reinava.
 A calma e a tranquilidade paira naquele ambiente.
 Quando os núcleos do sujeito formarem sequência
gradativa. Exemplo:
 Uma ânsia, uma aflição, uma angústia repentina
começou a me apertar a alma.
→ O sujeito, sendo composto e posposto ao verbo, esse
poderá ir para o plural ou singular. Exemplos:
 Bateram à nossa porta um mendigo e seu filho.
(concordância regular)
 Reinavam a paz e o silêncio ali. (concordância regular)
 “Passará o Céu e a Terra, mas minhas palavras não
passarão.” (concordância irregular, por atração)
 Chegou Paulo e o seu irmão. (concordância irregular,
por atração)
→ O sujeito, sendo composto por pronomes
pessoais de pessoas diferentes, leva o
verbo para o plural, concordando com a
menor pessoa (numericamente falando).
Exemplos:
Eu (1ª) e tu (2ª) vamos ao cinema. (verbo
= 1ª pessoa do plural)
Tu (2ª) e ele (3ª) sois bons amigos (verbo
= 2ª pessoa do plural)
OBSERVAÇÃO:
Na linguagem coloquial, se aceita a
construção – “Tu e ele são bons amigos” –
porque o conjunto tu + ele equivale ao
pronome de tratamento vocês.
→ O sujeito, sendo composto e ligado por “ou” ou
“nem”, leva o verbo para o singular ou para o
plural, conforme haja ideia de ação individual
(exclusivamente) ou de ação conjunta
(alternância). Exemplos:
 A neve no inverno ou o sol tropical atraem os
turistas. (ação conjunta: os dois atraem).
 Pedro ou Luís receberão a resposta, pois
ambos devem saber a verdade. (ação conjunta)
 Nem as greves nem a recessão preocuparam o
ministro. (ação conjunta: as duas não
preocuparam)
 O pai ou o filho será escolhido presidente da
fábrica. (ação individual: somente um será o
presidente.)
 Pedro ou Luís receberá a resposta, pois não
quero responder a ambos. (ação individual)
 Nem João nem Marcos será o juiz da partida.
(ação individual)
OBSERVAÇÕES
→A expressão “um ou outro” pede o verbo no
singular. Exemplos:
 Um ou outro pássaro chilreava ao amanhecer.
 Uma ou outra estrela brilhava no firmamento.
→ A expressão “nem um, nem outro” também
pede o verbo no singular. Exemplo:
 Suspeitava-se que nem um, nem outro disse a
verdade.
→ A expressão “mais de um” pede verbo no
singular, a não ser que esteja repetida ou haja
ideia de reciprocidade. Exemplos:
 Mais de um orador fez alusão ao aniversário do
jornal.
 Mais de um povo, mais de uma nação foram
arrasados nessa guerra. (repetição)
 Mais de um voluntário, corajosamente, deram-
se as mãos nessa causa. (reciprocidade)
Verbos HAVER e FAZER
O verbo haver (com o sentido de existir) e fazer
(indicando tempo) são impessoais; não devem
concordar, portanto, com as expressões que os
acompanham. Exemplos:
 Houve vários debates sobre o assunto.
 Havia candidatos despreparados.
 Na Bahia, faz verões quentíssimos.
 Fez dois anos que ele se formou.
OBSERVAÇÕES:
→Numa locução verbal com esses dois verbos, o
auxiliar assume as características de
impessoalidade do principal. Exemplos:
 Deve haver coisas erradas. (Deve = auxiliar;
haver = principal; deve haver = sentido de existir,
portanto é impessoal).
 Está fazendo dois anos que ela nasceu. (Está =
auxiliar; fazendo =principal; está fazendo =
indica tempo, portanto é impessoal)
→Já numa locução verbal com verbo pessoal em
que o auxiliar é o verbo haver, este se flexiona
de acordo com seu sujeito. Exemplos:
 Há de surgir uma pessoa interessada. (Há =
auxiliar; surgir = principal)
 Hão de surgir pessoas interessadas. (Hão =
auxiliar; surgir = principal)
 Havia aparecido uma mancha de óleo no mar.
(Havia = auxiliar; aparecido = principal)
 Haviam aparecido manchas de óleo no mar.
(Haviam = auxiliar; aparecido = principal)
→ O verbo haver com sentido de existir é
impessoal, mas o verbo existir não o é.
Exemplos:
 Há coisas mais sérias a pensar.
 Existem coisas mais sérias a penar.
 Havia plantas venenosas neste lugar.
 Existiam plantas venenosas neste lugar.
→ O verbo haver com sentido de comportar-
se é pessoal, flexionando-se. Exemplo:
 Eles se houveram com dignidade.
(eles se comportaram com dignidade)
VOZ PASSIVA PRONOMINAL
Em construções do tipo “vendem-se casas,
consertam-se calçados, aluga-se um
apartamento”, o verbo deve concordar com a
expressão que o acompanha, porque ela é o seu
sujeito. Se essa expressão, entretanto, vier
precedida de preposição, ela não será sujeito e
não teremos voz passiva.
Assim, por exemplo, na expressão “vendem-se
casas”, a palavra “casas” é sujeito. A frase deve
ser entendida assim: “Casas (sujeito) são
vendidas.”
Observações:
→ Se o termo que acompanhar o verbo vier
preposicionado, não haverá sujeito (porque o
sujeito não pode ser preposicionado); o verbo
ficará no singular e a voz não será passiva.
Exemplos:
 Precisa-se de operários.
 Necessita-se de secretárias.
 Aqui se assiste a bons filmes.
 Lá se obedece às autoridades.
Nestes exemplos o “se” é índice de
indeterminação do sujeito, e a expressão
preposicionada é objeto indireto.
→Atenção!
Às vezes, aparece, junto ao verbo, uma expressão
preposicionada, estando, porém, o sujeito mais
afastado. Exemplos:
 Viam-se, além do horizonte, muitos pontos
luminosos.
 (Muitos pontos luminosos eram vistos além do
horizonte.)
 Observavam-se, daquele local, os lances da luta.
 (Os lances da luta eram observados daquele local.)
SUJEITO COMO EXPRESSÃO FRACIONÁRIA
Sempre que a expressão for inferior a duas
unidades o verbo ficará no singular. Exemplos:
 É uma hora e cinquenta e oito minutos.
 Um salário e meio parece pouco, não achas?
VERBOS DAR, BATER, SOAR
Os verbos dar, bater, soar e sinônimos
concordam com o sujeito, seja ele o número que
indica as horas ou outra expressão. Exemplos:
 Deram dez horas.
 Deu uma hora.
 O relógio deu dez horas.
 Batiam seis badaladas no sino. (no sino =
adjunto adverbial de lugar)
 O sino batia seis badaladas. (o sino = sujeito)
LOCUÇÃO DE REALCE É QUE
Nas frases em que ocorre a locução expletiva é
que, o verbo concorda com o substantivo ou o
pronome que a precede, pois são eles
efetivamente o seu sujeito.
Exemplos:
 Os efeitos é que foram diversos.
 Eu é que não posso cuidar dos problemas dele.
Observação:
A locução de realce “é que” é invariável e vem
sempre colocada entre o sujeito da oração e o
verbo a que ele se refere.
Exemplo:
 José é que trabalhou, mas os irmãos é que
usufruíram sua riqueza.
SUJEITO COM PLURAL APARENTE
Sujeitos formados por nomes plurais de
lugares e obras artísticas são tratados como
singular se não vierem precedidos por
artigo. Se lhes antecede o artigo, o verbo o
acompanhará, fazendo-se singular ou plural
de acordo com o artigo.
Exemplos:
Estados Unidos é um país rico.
Os Estados Unidos são um país rico.
SUJEITO RESUMIDO POR UM PRONOME
INDEFINIDO (APOSTO RESUMITIVO)
Quando os sujeitos são resumidos por um
pronome indefinido (tudo, nada, ninguém
etc.), o verbo fica no singular, em
concordância com esse pronome.
Exemplos:
 A pasta, a caneta, o fichário, o documento,
TUDO pertence ao meu colega de firma.
 O diretor, o professor, os alunos, NINGUÉM
faltou à aula hoje.
VERBO SER
Casos em que a concordância é facultativa
Exemplos:
 O perigo seria as febres.
 O perigo seriam as febres.
 Na vida, nem tudo é flores.
 Na vida, nem tudo são flores.
Na primeira frase de cada exemplo, o verbo
concorda com o sujeito; na segunda, o
verbo vai para o plural, concordando com o
predicativo.
→ O verbo ser, nas indicações de hora,
data ou distância, concorda com a
expressão numérica. Esse caso vai
aparecer sempre que não houver sujeito ( o
verbo ser é impessoal) : a concordância,
então, será feita obrigatoriamente com o
predicativo. Exemplos:
 São cinco horas da madrugada.
 Hoje são quinze de abril.
 São sete horas.
 É meio-dia.
 Que horas são?
 Amanhã será primeiro de maio.
Observe, porém:
 Hoje é dia quinze de abril. (A palavra dia
vem expressa –é predicativo –, e o verbo
concorda com ela.)
→ Nas expressões é muito, é pouco, é mais
de, é tanto, especificando preço, peso ou
quantidade, o verbo vai para o singular.
Exemplos:
 Duas semanas não é muito para quem
tanto esperou.
Aula concordância verbal e nominal

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Frase, oração e período
Frase, oração e períodoFrase, oração e período
Frase, oração e períodoMara Virginia
 
Aula sinais de pontuação
Aula sinais de pontuaçãoAula sinais de pontuação
Aula sinais de pontuaçãoPéricles Penuel
 
Frase, Oração e Periodo.
Frase, Oração e Periodo.Frase, Oração e Periodo.
Frase, Oração e Periodo.Keu Oliveira
 
Concordância Verbal; Regência Verbal e Nominal; Crase
Concordância Verbal; Regência Verbal e Nominal; CraseConcordância Verbal; Regência Verbal e Nominal; Crase
Concordância Verbal; Regência Verbal e Nominal; CraseLidiane Rodrigues
 
Adjunto adnominal e adjunto adverbial
Adjunto adnominal e adjunto adverbialAdjunto adnominal e adjunto adverbial
Adjunto adnominal e adjunto adverbialClaudia Ribeiro
 
Tipos de sujeito
Tipos de sujeitoTipos de sujeito
Tipos de sujeitoIedaSantana
 
Regência nominal e verbal
Regência nominal e verbalRegência nominal e verbal
Regência nominal e verbalSadrak Silva
 
Verbos classificacao
Verbos classificacaoVerbos classificacao
Verbos classificacaowhybells
 
Sujeito E Predicado
Sujeito E PredicadoSujeito E Predicado
Sujeito E Predicadoguest7174ad
 
Sujeito, Núcleo do Sujeito, Predicado e Predicativo.
Sujeito, Núcleo do Sujeito, Predicado e Predicativo.Sujeito, Núcleo do Sujeito, Predicado e Predicativo.
Sujeito, Núcleo do Sujeito, Predicado e Predicativo.Ana Paula Brisolar
 
Gramática concordância
Gramática concordânciaGramática concordância
Gramática concordânciaWalter Mendes
 
Aula concordância verbal e nominal apresentação
Aula concordância verbal e nominal apresentaçãoAula concordância verbal e nominal apresentação
Aula concordância verbal e nominal apresentaçãoAline Alves
 

Mais procurados (20)

Narrativas relato-de-viagem
Narrativas relato-de-viagemNarrativas relato-de-viagem
Narrativas relato-de-viagem
 
Frase, oração e período
Frase, oração e períodoFrase, oração e período
Frase, oração e período
 
Aula sinais de pontuação
Aula sinais de pontuaçãoAula sinais de pontuação
Aula sinais de pontuação
 
Portugês
Portugês Portugês
Portugês
 
Frase, Oração e Periodo.
Frase, Oração e Periodo.Frase, Oração e Periodo.
Frase, Oração e Periodo.
 
Concordância Verbal; Regência Verbal e Nominal; Crase
Concordância Verbal; Regência Verbal e Nominal; CraseConcordância Verbal; Regência Verbal e Nominal; Crase
Concordância Verbal; Regência Verbal e Nominal; Crase
 
Adjunto adnominal e adjunto adverbial
Adjunto adnominal e adjunto adverbialAdjunto adnominal e adjunto adverbial
Adjunto adnominal e adjunto adverbial
 
Tipos de sujeito
Tipos de sujeitoTipos de sujeito
Tipos de sujeito
 
Períodos simples e composto
Períodos simples e compostoPeríodos simples e composto
Períodos simples e composto
 
Regência nominal e verbal
Regência nominal e verbalRegência nominal e verbal
Regência nominal e verbal
 
Aposto e vocativo
Aposto e vocativoAposto e vocativo
Aposto e vocativo
 
Verbos classificacao
Verbos classificacaoVerbos classificacao
Verbos classificacao
 
Sujeito E Predicado
Sujeito E PredicadoSujeito E Predicado
Sujeito E Predicado
 
Tipos de sujeito
Tipos de sujeitoTipos de sujeito
Tipos de sujeito
 
Sujeito, Núcleo do Sujeito, Predicado e Predicativo.
Sujeito, Núcleo do Sujeito, Predicado e Predicativo.Sujeito, Núcleo do Sujeito, Predicado e Predicativo.
Sujeito, Núcleo do Sujeito, Predicado e Predicativo.
 
Funções do se
Funções do seFunções do se
Funções do se
 
Predicado
PredicadoPredicado
Predicado
 
Período composto por coordenação
Período composto por coordenaçãoPeríodo composto por coordenação
Período composto por coordenação
 
Gramática concordância
Gramática concordânciaGramática concordância
Gramática concordância
 
Aula concordância verbal e nominal apresentação
Aula concordância verbal e nominal apresentaçãoAula concordância verbal e nominal apresentação
Aula concordância verbal e nominal apresentação
 

Destaque

Destaque (7)

Atividade avaliativa de português simulado p2
Atividade avaliativa de português simulado p2Atividade avaliativa de português simulado p2
Atividade avaliativa de português simulado p2
 
Vanguardas Europeias
Vanguardas EuropeiasVanguardas Europeias
Vanguardas Europeias
 
Concordância Nominal
Concordância NominalConcordância Nominal
Concordância Nominal
 
Atividade de-portugues-pontuacao-5º-ano
Atividade de-portugues-pontuacao-5º-anoAtividade de-portugues-pontuacao-5º-ano
Atividade de-portugues-pontuacao-5º-ano
 
CONCORDÂNCIA VERBAL E NOMINAL
CONCORDÂNCIA VERBAL E NOMINALCONCORDÂNCIA VERBAL E NOMINAL
CONCORDÂNCIA VERBAL E NOMINAL
 
100 EXERCÍCIOS DE REGÊNCIA NOMINAL E VERBAL
100 EXERCÍCIOS DE REGÊNCIA NOMINAL E VERBAL100 EXERCÍCIOS DE REGÊNCIA NOMINAL E VERBAL
100 EXERCÍCIOS DE REGÊNCIA NOMINAL E VERBAL
 
Bimestral de português 5º ano
Bimestral de português 5º anoBimestral de português 5º ano
Bimestral de português 5º ano
 

Semelhante a Aula concordância verbal e nominal

8ª Série - ConcordâNcia Verbal (Material Complementar)
8ª Série - ConcordâNcia Verbal (Material Complementar)8ª Série - ConcordâNcia Verbal (Material Complementar)
8ª Série - ConcordâNcia Verbal (Material Complementar)Marcos Emídio
 
[02 11 07] ConcordâNcia Verbal RegêNcia Crase
[02 11 07] ConcordâNcia Verbal   RegêNcia   Crase[02 11 07] ConcordâNcia Verbal   RegêNcia   Crase
[02 11 07] ConcordâNcia Verbal RegêNcia CraseFernando Vieira
 
Concordância verbal simples e composto - ppt
Concordância verbal   simples e composto - pptConcordância verbal   simples e composto - ppt
Concordância verbal simples e composto - pptVilmar Vilaça
 
Concordância Verbal
Concordância VerbalConcordância Verbal
Concordância VerbalBlog Estudo
 
Concordância verbal ii
Concordância verbal iiConcordância verbal ii
Concordância verbal iiNádia França
 
02-11-07-concordncia-verbal-regncia-crase-1198038839748798-4.ppt
02-11-07-concordncia-verbal-regncia-crase-1198038839748798-4.ppt02-11-07-concordncia-verbal-regncia-crase-1198038839748798-4.ppt
02-11-07-concordncia-verbal-regncia-crase-1198038839748798-4.pptGil Guimarães
 
Concordância verbal
Concordância verbalConcordância verbal
Concordância verbalDon Veneziani
 
Concordância verbal 1
Concordância verbal 1Concordância verbal 1
Concordância verbal 1Vera Pinho
 
Concordâncias nominal e verbal.pptx
Concordâncias nominal e verbal.pptxConcordâncias nominal e verbal.pptx
Concordâncias nominal e verbal.pptxAnaCarolina853021
 
Concordância verbal
Concordância verbalConcordância verbal
Concordância verbalRita Cunha
 
1 regras de concordância
1   regras de concordância1   regras de concordância
1 regras de concordânciaLuciene Gomes
 
Concordancia%20verbal[1]
Concordancia%20verbal[1]Concordancia%20verbal[1]
Concordancia%20verbal[1]Sadrak Silva
 
Concordância com verbos de particular interesse verbo ser
Concordância com verbos de particular interesse  verbo serConcordância com verbos de particular interesse  verbo ser
Concordância com verbos de particular interesse verbo serMarcos Venícius
 
Concordancia verbal
Concordancia verbalConcordancia verbal
Concordancia verbalPreOnline
 

Semelhante a Aula concordância verbal e nominal (20)

8ª Série - ConcordâNcia Verbal (Material Complementar)
8ª Série - ConcordâNcia Verbal (Material Complementar)8ª Série - ConcordâNcia Verbal (Material Complementar)
8ª Série - ConcordâNcia Verbal (Material Complementar)
 
[02 11 07] ConcordâNcia Verbal RegêNcia Crase
[02 11 07] ConcordâNcia Verbal   RegêNcia   Crase[02 11 07] ConcordâNcia Verbal   RegêNcia   Crase
[02 11 07] ConcordâNcia Verbal RegêNcia Crase
 
Concordância verbal simples e composto - ppt
Concordância verbal   simples e composto - pptConcordância verbal   simples e composto - ppt
Concordância verbal simples e composto - ppt
 
Concordância Verbal
Concordância VerbalConcordância Verbal
Concordância Verbal
 
Concordância verbal ii
Concordância verbal iiConcordância verbal ii
Concordância verbal ii
 
Concordancia verbal
Concordancia verbalConcordancia verbal
Concordancia verbal
 
02-11-07-concordncia-verbal-regncia-crase-1198038839748798-4.ppt
02-11-07-concordncia-verbal-regncia-crase-1198038839748798-4.ppt02-11-07-concordncia-verbal-regncia-crase-1198038839748798-4.ppt
02-11-07-concordncia-verbal-regncia-crase-1198038839748798-4.ppt
 
Concordância verbal
Concordância verbalConcordância verbal
Concordância verbal
 
Concordância verbal
Concordância verbalConcordância verbal
Concordância verbal
 
Concordância verbal 1
Concordância verbal 1Concordância verbal 1
Concordância verbal 1
 
Concordância
ConcordânciaConcordância
Concordância
 
Concordâncias nominal e verbal.pptx
Concordâncias nominal e verbal.pptxConcordâncias nominal e verbal.pptx
Concordâncias nominal e verbal.pptx
 
Verbos
VerbosVerbos
Verbos
 
Concordância verbal
Concordância verbalConcordância verbal
Concordância verbal
 
1 regras de concordância
1   regras de concordância1   regras de concordância
1 regras de concordância
 
Concordância Verbal
Concordância VerbalConcordância Verbal
Concordância Verbal
 
Concordancia%20verbal[1]
Concordancia%20verbal[1]Concordancia%20verbal[1]
Concordancia%20verbal[1]
 
Concordância.pptx
Concordância.pptxConcordância.pptx
Concordância.pptx
 
Concordância com verbos de particular interesse verbo ser
Concordância com verbos de particular interesse  verbo serConcordância com verbos de particular interesse  verbo ser
Concordância com verbos de particular interesse verbo ser
 
Concordancia verbal
Concordancia verbalConcordancia verbal
Concordancia verbal
 

Aula concordância verbal e nominal

  • 1. CONCORDÂNCIA VERBAL E NOMINAL * Concordância Verbal A Concordância Verbal é a que diz respeito aos verbos, também podendo (como ocorre com a concordância nominal) ser regular ou irregular. Concordância Verbal regular é aquela em que o verbo concorda em número e pessoa com o seu sujeito, venha ele claro ou subentendido. Exemplos: Tu tinhas razão quando falaste. Nós precisamos voltar aqui. Carlos e Pedro saíram juntos. A maior parte dos sócios deste clube é rica. (“é” concorda com o núcleo do sujeito: “parte”)
  • 2.  Concordância Verbal irregular é a que se dá por atração ou por elipse de número ou de pessoa (também chamada de concordância ideológica). Exemplos:  A maior parte dos sócios deste clube são ricos (“são” concorda, por atração, com “sócios”, que não é o núcleo do sujeito).  Coisa curiosa é criança em dia de chuva: como ficam irrequietos! (= silepse de número → “ficam” não concorda com “criança” e sim com uma ideia coletiva: eles ficam irrequietos).
  • 3. Os brasileiros somos um povo esperançoso (=silepse de pessoa → “somos” não concorda com “brasileiros”, mas com o pronome pessoal “nós”, que está elíptico: nós, os brasileiros, somos...).
  • 4. CASOS ESPECIAIS DE CONCORDÂNCIA → O sujeito, sendo simples, com ele concordará o verbo em número e pessoa. Exemplos:  As saúvas eram uma praga.  Acontecem tantas desgraças nesse planeta!  Por dia, bastam quinze minutos de exercícios.  Apareceram as fórmulas salvadoras.  Surgiram, após acalorada discussão, boas soluções.
  • 5. → O sujeito, sendo composto e anteposto ao verbo, leva geralmente este para o plural: Exemplos: A esposa e o amigo seguem sua marcha. O Céu e a Terra passarão.
  • 6. Porém é lícito (mas não obrigatório) deixar o verbo no singular:  Quando os núcleos do sujeito forem sinônimos. Exemplos:  A decência e a honestidade ainda reinava.  A calma e a tranquilidade paira naquele ambiente.  Quando os núcleos do sujeito formarem sequência gradativa. Exemplo:  Uma ânsia, uma aflição, uma angústia repentina começou a me apertar a alma.
  • 7. → O sujeito, sendo composto e posposto ao verbo, esse poderá ir para o plural ou singular. Exemplos:  Bateram à nossa porta um mendigo e seu filho. (concordância regular)  Reinavam a paz e o silêncio ali. (concordância regular)  “Passará o Céu e a Terra, mas minhas palavras não passarão.” (concordância irregular, por atração)  Chegou Paulo e o seu irmão. (concordância irregular, por atração)
  • 8. → O sujeito, sendo composto por pronomes pessoais de pessoas diferentes, leva o verbo para o plural, concordando com a menor pessoa (numericamente falando). Exemplos: Eu (1ª) e tu (2ª) vamos ao cinema. (verbo = 1ª pessoa do plural) Tu (2ª) e ele (3ª) sois bons amigos (verbo = 2ª pessoa do plural)
  • 9. OBSERVAÇÃO: Na linguagem coloquial, se aceita a construção – “Tu e ele são bons amigos” – porque o conjunto tu + ele equivale ao pronome de tratamento vocês.
  • 10. → O sujeito, sendo composto e ligado por “ou” ou “nem”, leva o verbo para o singular ou para o plural, conforme haja ideia de ação individual (exclusivamente) ou de ação conjunta (alternância). Exemplos:  A neve no inverno ou o sol tropical atraem os turistas. (ação conjunta: os dois atraem).  Pedro ou Luís receberão a resposta, pois ambos devem saber a verdade. (ação conjunta)
  • 11.  Nem as greves nem a recessão preocuparam o ministro. (ação conjunta: as duas não preocuparam)  O pai ou o filho será escolhido presidente da fábrica. (ação individual: somente um será o presidente.)  Pedro ou Luís receberá a resposta, pois não quero responder a ambos. (ação individual)  Nem João nem Marcos será o juiz da partida. (ação individual)
  • 12. OBSERVAÇÕES →A expressão “um ou outro” pede o verbo no singular. Exemplos:  Um ou outro pássaro chilreava ao amanhecer.  Uma ou outra estrela brilhava no firmamento. → A expressão “nem um, nem outro” também pede o verbo no singular. Exemplo:  Suspeitava-se que nem um, nem outro disse a verdade.
  • 13. → A expressão “mais de um” pede verbo no singular, a não ser que esteja repetida ou haja ideia de reciprocidade. Exemplos:  Mais de um orador fez alusão ao aniversário do jornal.  Mais de um povo, mais de uma nação foram arrasados nessa guerra. (repetição)  Mais de um voluntário, corajosamente, deram- se as mãos nessa causa. (reciprocidade)
  • 14. Verbos HAVER e FAZER O verbo haver (com o sentido de existir) e fazer (indicando tempo) são impessoais; não devem concordar, portanto, com as expressões que os acompanham. Exemplos:  Houve vários debates sobre o assunto.  Havia candidatos despreparados.  Na Bahia, faz verões quentíssimos.  Fez dois anos que ele se formou.
  • 15. OBSERVAÇÕES: →Numa locução verbal com esses dois verbos, o auxiliar assume as características de impessoalidade do principal. Exemplos:  Deve haver coisas erradas. (Deve = auxiliar; haver = principal; deve haver = sentido de existir, portanto é impessoal).  Está fazendo dois anos que ela nasceu. (Está = auxiliar; fazendo =principal; está fazendo = indica tempo, portanto é impessoal)
  • 16. →Já numa locução verbal com verbo pessoal em que o auxiliar é o verbo haver, este se flexiona de acordo com seu sujeito. Exemplos:  Há de surgir uma pessoa interessada. (Há = auxiliar; surgir = principal)  Hão de surgir pessoas interessadas. (Hão = auxiliar; surgir = principal)  Havia aparecido uma mancha de óleo no mar. (Havia = auxiliar; aparecido = principal)  Haviam aparecido manchas de óleo no mar. (Haviam = auxiliar; aparecido = principal)
  • 17. → O verbo haver com sentido de existir é impessoal, mas o verbo existir não o é. Exemplos:  Há coisas mais sérias a pensar.  Existem coisas mais sérias a penar.  Havia plantas venenosas neste lugar.  Existiam plantas venenosas neste lugar.
  • 18. → O verbo haver com sentido de comportar- se é pessoal, flexionando-se. Exemplo:  Eles se houveram com dignidade. (eles se comportaram com dignidade)
  • 19. VOZ PASSIVA PRONOMINAL Em construções do tipo “vendem-se casas, consertam-se calçados, aluga-se um apartamento”, o verbo deve concordar com a expressão que o acompanha, porque ela é o seu sujeito. Se essa expressão, entretanto, vier precedida de preposição, ela não será sujeito e não teremos voz passiva. Assim, por exemplo, na expressão “vendem-se casas”, a palavra “casas” é sujeito. A frase deve ser entendida assim: “Casas (sujeito) são vendidas.”
  • 20. Observações: → Se o termo que acompanhar o verbo vier preposicionado, não haverá sujeito (porque o sujeito não pode ser preposicionado); o verbo ficará no singular e a voz não será passiva. Exemplos:  Precisa-se de operários.  Necessita-se de secretárias.  Aqui se assiste a bons filmes.  Lá se obedece às autoridades.
  • 21. Nestes exemplos o “se” é índice de indeterminação do sujeito, e a expressão preposicionada é objeto indireto.
  • 22. →Atenção! Às vezes, aparece, junto ao verbo, uma expressão preposicionada, estando, porém, o sujeito mais afastado. Exemplos:  Viam-se, além do horizonte, muitos pontos luminosos.  (Muitos pontos luminosos eram vistos além do horizonte.)  Observavam-se, daquele local, os lances da luta.  (Os lances da luta eram observados daquele local.)
  • 23. SUJEITO COMO EXPRESSÃO FRACIONÁRIA Sempre que a expressão for inferior a duas unidades o verbo ficará no singular. Exemplos:  É uma hora e cinquenta e oito minutos.  Um salário e meio parece pouco, não achas?
  • 24. VERBOS DAR, BATER, SOAR Os verbos dar, bater, soar e sinônimos concordam com o sujeito, seja ele o número que indica as horas ou outra expressão. Exemplos:  Deram dez horas.  Deu uma hora.  O relógio deu dez horas.  Batiam seis badaladas no sino. (no sino = adjunto adverbial de lugar)  O sino batia seis badaladas. (o sino = sujeito)
  • 25. LOCUÇÃO DE REALCE É QUE Nas frases em que ocorre a locução expletiva é que, o verbo concorda com o substantivo ou o pronome que a precede, pois são eles efetivamente o seu sujeito. Exemplos:  Os efeitos é que foram diversos.  Eu é que não posso cuidar dos problemas dele.
  • 26. Observação: A locução de realce “é que” é invariável e vem sempre colocada entre o sujeito da oração e o verbo a que ele se refere. Exemplo:  José é que trabalhou, mas os irmãos é que usufruíram sua riqueza.
  • 27. SUJEITO COM PLURAL APARENTE Sujeitos formados por nomes plurais de lugares e obras artísticas são tratados como singular se não vierem precedidos por artigo. Se lhes antecede o artigo, o verbo o acompanhará, fazendo-se singular ou plural de acordo com o artigo. Exemplos: Estados Unidos é um país rico. Os Estados Unidos são um país rico.
  • 28. SUJEITO RESUMIDO POR UM PRONOME INDEFINIDO (APOSTO RESUMITIVO) Quando os sujeitos são resumidos por um pronome indefinido (tudo, nada, ninguém etc.), o verbo fica no singular, em concordância com esse pronome. Exemplos:  A pasta, a caneta, o fichário, o documento, TUDO pertence ao meu colega de firma.  O diretor, o professor, os alunos, NINGUÉM faltou à aula hoje.
  • 29. VERBO SER Casos em que a concordância é facultativa Exemplos:  O perigo seria as febres.  O perigo seriam as febres.  Na vida, nem tudo é flores.  Na vida, nem tudo são flores. Na primeira frase de cada exemplo, o verbo concorda com o sujeito; na segunda, o verbo vai para o plural, concordando com o predicativo.
  • 30. → O verbo ser, nas indicações de hora, data ou distância, concorda com a expressão numérica. Esse caso vai aparecer sempre que não houver sujeito ( o verbo ser é impessoal) : a concordância, então, será feita obrigatoriamente com o predicativo. Exemplos:  São cinco horas da madrugada.  Hoje são quinze de abril.  São sete horas.  É meio-dia.  Que horas são?  Amanhã será primeiro de maio.
  • 31. Observe, porém:  Hoje é dia quinze de abril. (A palavra dia vem expressa –é predicativo –, e o verbo concorda com ela.) → Nas expressões é muito, é pouco, é mais de, é tanto, especificando preço, peso ou quantidade, o verbo vai para o singular. Exemplos:  Duas semanas não é muito para quem tanto esperou.