História da Igreja II: Aula 10: Movimentos Espiritualistas pós-Wesley

3.914 visualizações

Publicada em

Aula ministrada no curso de História Eclesiástica II no Seminário Teológico Shalom, em 2013. A presente aula visa apresentar os movimentos espiritualistas pós-Wesley, como novos reavivamentos, Exército da Salvação, Adventismo, Testemunhas de Jeová e Mormonismo, além de citar o surgimento do Movimento Missionário protestante e trabalhar a obra de Charles Finney.

Publicada em: Espiritual
1 comentário
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Pr André, bom dia.

    Conheci este material pelo Twitter. Que Deus continue fazendo de ti uma poderosa ferramenta em Suas mãos para levar luz e esclarecimento ao Seu povo na Terra, é a minha oração.

    Se me permitir, gostaria de fazer algumas observações sobre o slide 25. É um erro histórico afirmar que a Igreja Adventista do Sétimo Dia (IASD) foi fundada por Miller. Depois do Grande Desapontamento de 1844, Miller retornou a sua fazenda em Low Hampton, Nova Iorque e em 1848 construiu uma capela em sua propriedade para o culto dos adventistas, morreu em 20 de dezembro de 1849. A IASD foi fundada oficialmente em 1863. Há uma confusão entre a IASD com o Movimento Milerita ou Adventistas. Muitos dos pioneiros da IASD faziam parte dos 'adventistas' do movimento de Miller, mas não são os mesmos movimentos doutrinariamente falando.

    Após o Grande Desapontamento de 1844:
    1. Um grupo de pessoas retornou às suas igrejas de origem e abandonou sua fé na volta de Jesus.
    2. Um outro grupo abandonou a fé cristã.
    3. O terceiro grupo continuou crendo na mensagem pregada por Miller.

    Este terceiro e último grupo se subdividiu naqueles que:
    1. Acreditavam que o retorno de Cristo estava certo, mas a data estava errada.
    2. Acreditavam que Cristo viera em 22/10/1844 de forma espiritual.
    3. Acreditavam que a data estava certa, mas o evento aguardado estava errado.

    Destes, o terceiro grupo era o menor. Continuaram estudando a Bíblia e quando relacionaram Daniel 8 e 9, com Levítico 16 e Hebreus 8 e 9, perceberam que não se tratava do 'santuário' (Dn 8:14) ser a terra e sim o santuário celestial, pois Jesus 'se assentou à destra do trono da Majestade nos céus, como ministro do santuário e do verdadeiro tabernáculo que o Senhor erigiu, não o homem' (Hb 8:1-2). Assim, perceberam que em 22/10/1844 não era bíblico aguardar a volta de Jesus, mas sim o início de uma nova fase de intercessão de Cristo no Santuário Celestial, agora fazendo a purificação final que antecede Sua volta predita em símbolos pelo Dia da Expiação (Yom Kippur) em Levítico 16.

    Outro detalhe. Quando a IASD surgiu já haviam guardadores do sábado. Desde a igreja apostólica sempre houveram guardadores do sábado, mesmo durante o período de perseguição papal. Quando a IASD surgiu já haviam Batistas do Sétimo Dia (e existem até hoje). Outros já criam no sono da alma por entender que nós não temos alma, mas somos alma e que também a doutrina do inferno é vinho de Babilônia (a espiritual) que contaminou o protestantismo, pois não há base bíblica para um tormento eterno com um Deus de amor e uma Nova Terra de paz. A única doutrina que distingue os Adventistas do Sétimo Dia de outras denominações é a Doutrina do Santuário. A paz do Senhor Jesus seja contigo, pastor.

    Vou deixar um link abaixo de um slide que fiz sobre a ORIGEM E HISTÓRIA DA IASD, caso se interesse por esses detalhes. Paulo disse: 'Julgai todas as coisas, retenha o que for bom' (1 Ts 5:21):

    http://pt.slideshare.net/hoffmann0711/origem-e-histria-da-igreja-adventista-do-stimo-dia
       Responder 
    Tem certeza que deseja  Sim  Não
    Insira sua mensagem aqui
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.914
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2.639
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
108
Comentários
1
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

História da Igreja II: Aula 10: Movimentos Espiritualistas pós-Wesley

  1. 1. Movimentos Espiritualistas pós Wesley A chama continua queimando História Eclesiástica II Pr. André dos Santos Falcão Nascimento Blog: http://prfalcao.blogspot.com Email: goldhawk@globo.com Seminário Teológico Shalom
  2. 2. Movimentos Espiritualistas pós John Wesley Movimento Evangélico Igreja Anglicana Igrejas Separatistas Avivamentos do séc. XIX Movimento Missionário Movimentos milenaristas Movimentos sectários
  3. 3. Movimento Evangélico Movimento inaugurado pelos avivamentos do séc. XVIII, possuindo quatro grandes pilares: Conversionismo: A necessidade de alguém “nascer de novo”, com uma completa transformação de vida. Biblicismo: Identificação com a história bíblica e alta confiança em sua autoridade. Crucicentrismo: Atenção à doutrina da morte e ressurreição de Cristo na cruz do calvário, oferecendo perdão dos pecados e nova vida. Ativismo: Tendência a compartilhamento ativo do evangelho em formas diversas, como pregação, evangelismo e ação social. A certeza da salvação diferenciou o movimento do puritanismo, pois este acreditava que a certeza da salvação vinha tarde na vida e após lutas na vida do fiel, enquanto os evangelicais acreditam na certeza da salvação imediatamente após a conversão.
  4. 4. Movimento Evangélico Anglicano - Pioneiros John Newton (1725-1807): Jovem incrédulo que degenerou tanto que chegou a ser escravo, converteu-se e foi ordenado ao ministério, tornando-se ministro em Olney, em 1764. Escreveu “Amazing Grace” e “Nome Bom”. Thomas Scott (1747-1821): Sucessor de Newton, escreveu um comentário bíblico amplamente usado pelos evangélicos. Isaac Milner (1750-1820) e Charles Simeon (1759-1836): Catedráticos de Cambridge, tornaram a universidade o centro de operações dos evangélicos, produzindo a teologia calvinista que conduziria o povo. Conduzia reuniões de oração às segundas-feiras à noite que inspiraram diversos missionários.
  5. 5. Facção de Clapham Movimento constituído de pessoas ricas que residiam em Clapham, apoiou muitos líderes leigos em uma reforma social de 1792 a 1813. Liderado por John Venn (1759-1833), o grupo se reunia na grande biblioteca oval de Henry Thornton (1760-1815), rico banqueiro que doava anualmente grande parte de seus rendimentos para filantropia. Entre os moradores do bairro estavam Charles Grant, presidente da Companhia das Índias Orientais, William Wilberforce, grande líder na luta contra a escravidão, James Stephen, cujo filho fez grades doações para os missionários nas colônias, dentre outros. Responsáveis pelo estabelecimento da colônia particular de Serra Leoa, em 1781, para servir de refúgio a escravos libertos, apoiando-os até que o governo assumisse a responsabilidade (evangélicos americanos fundariam, mais tarde, a colônia da Libéria).
  6. 6. Exeter Hall Movimento surgido nas dependências deste famoso prédio londrino, onde as sociedades missionárias tinham suas reuniões anuais, influenciando o governo a apoiar seus interesses. John Philip (1775-1851), superintendente das missões congregacionais na África do Sul de 1819 até sua morte, usou a influência do Exeter Hall para conseguir uma legislação capaz de evitar a exploração exercida sobre os hotentotes da colônia do Cabo. O movimento ficou conhecido por sua luta na tentativa de evitar a exploração ou opressão das populações nativas por parte de colonizadores e comerciantes brancos.
  7. 7. Abolição da escravatura Luta encampada por William Wilberforce (1759-1833), autor de Practical View, livro que retratava, entre outras coisas, a importância de uma piedade prática que redundasse em serviço relevante à sociedade. Juntou-se a vários evangélicos que buscaram reformas sociais na Inglaterra, por crerem que todo homem é um ser espiritual como filho de Deus, seja potencial, seja presente. Graças a seus esforços, a escravatura no Império Britânico foi erradicada em etapas: 1772: Impedimento de posse de escravos na Inglaterra. 1807: Ingleses não podem mais participar do comércio escravagista. 1815: Com apoio do delegado inglês no Congresso de Viena, o comércio de escravos é extinto na maioria dos países europeus. 1833: Escravidão erradicada nas posses britânicas, com compensação aos donos.
  8. 8. Reformas sociais na Inglaterra Lorde Shaftesbury (1801-1885): Consegue aprovação de lei, em 1840, que impede que menores de 16 anos sejam empregados na limpeza de chaminés, e, dois anos depois, consegue que se proíba a contratação de mulheres e crianças abaixo de 10 anos para trabalho nas minas. Em 1845, consegue impedir os passeios em asilos para se observar os comportamentos dos lunáticos. John H. Howard (1726-1790): Investe a vida na reforma penitenciária, garantindo remuneração e alimentação aos carcereiros, que tinham que extorquir dinheiro dos presos para viver. Elizabeth Fry (1780-1845) continuou a obra. Implantação das Escolas Dominicais: Aulas de leitura, caligrafia e aritmética básicas. Fundação de sociedades bíblicas: Religious Tract Society (1799) e British and Foreign Bible Society (1804).
  9. 9. Movimento de Oxford (1833-1845) Movimento vinculado à Universidade de Oxford que ressaltou a importância da igreja e do ritual na vida do indivíduo, sucessão apostólica, regeneração batismal e valor do ritual no culto. Seus líderes publicaram os Tracts for the Times (Folhetos do Momento), explicando essas necessidades. O Movimento Romântico, com seu destaque para as glórias do passado gótico e seu amor pela beleza ritual para estimular as emoções estéticas do culto, fomentou as ideias ritualistas do movimento, com os seguidores do movimento buscando restaurar ao culto a majestade do passado através do estudo da história dos ritos e vestes. O Movimento involuntariamente serviu de meio termo entre a Igreja Católica e os evangélicos mais radicais, pois defendia os elementos sacramentais sem a rigidez hierárquica católica, além de servir bastante aos pobres e incrédulos.
  10. 10. Movimento de Oxford - Expoentes John Keble (1792-1866): Autor de The Christian Year, obra de hinos em louvor da Igreja e do valor da ceia, é o autor mais importante do movimento. Pregou mensagem em que defendia a presença física e real do corpo e do sangue de Cristo na ceia, e que esta só era válida quando administrada por ministros ordenados segundo a sucessão apostólica. John Henry Newman (1801-1890): Líder dos tractarianos, depois de editar o primeiro volume do Tracts for the Times, em 1833, tornou-se líder de fato do Movimento até 1845, quando se torna católico romano e carrega 875 amigos seus, sendo 250 ministros e teólogos de Cambridge e Oxford, consigo para a ICAR. Torna-se cardeal antes de falecer. Edward Pusey (1800-1882): Professor de hebraico em Oxford, assume o posto de Newman após sua conversão ao catolicismo e manteve a direção de defesa da liturgia pelo grupo, que pregou a importância da arquitetura gótica ao culto e o uso de cruzes e velas na igreja. Também nesta época surgiram conventos e mosteiros para quem desejasse uma vida ascética.
  11. 11. Movimento Evangélico – Não conformistas Exército da Salvação: Movimento organizado pelo pastor metodista William Booth (1829-1912) para alcançar os marginais mediante evangelismo ao ar livre e serviço social. Sua esposa, Catherine (1828-1890) era hábil pregadora e defendia a participação das mulheres na pregação e no serviço. Movimento organizado em 1878 com um sistema autocrático e hierárquico e com uso de uniformes. Movimento de âmbito mundial nos dias de hoje, em forma de denominação, com mais de 15 mil congregações e 1,1 milhões de membros. Filosofia: 3 “S”: Primeiro a sopa, depois o sabão e, por fim, a salvação.
  12. 12. Movimento Evangélico – Não conformistas Os Irmãos (p. 436): Movimento criado por John N. Darby (1800-1822), advogado e pároco auxiliar da Igreja da Irlanda, pregando o arrebatamento dispensacional pré-milenista, o sacerdócio dos crentes e a orientação direta do Espírito Santo, não aceitando o ministério ordenado. Estudantes zelosos da Bíblia até hoje. Também conhecido como Irmãos de Plymouth. Igreja Apostólica Católica: Organizada em 1842 por discípulos de Edward Irwing, que criam que a igreja ainda desfrutava dos dons espirituais dados a ela na era apostólica e enfatizam o “falar em línguas”. Associação Cristã de Moços: Fundada por George Williams (1821-1905) em 1844 para atender necessidades dos jovens da cidade de esporte, sociabilidade e hospedagem em ambiente cristão. A AC Moças foi fundada em 1866 para prover serviço semelhante às mulheres.
  13. 13. Movimento Evangélico – Não conformistas Charles Haddon Spurgeon: Considerado o “Príncipe dos Pregadores”, Spurgeon (1834-1892), pastor batista reformado, foi o mais proeminente pregador da Inglaterra em meados do séc. XIX. Ao longo de seu ministério, teve que mudar para templos cada vez maiores, até que, em 1861, se mudou para o Tabernáculo Metropolitano, com 4700 assentos e capacidade para 12000 pessoas. Aproximadamente 15000 pessoas foram acrescentadas à sua igreja até 1891. Sua Faculdade de Pastores formou 900 obreiros até sua morte. Sua pregação era primordialmente expositiva e calvinista, levando às vezes duas horas para completar suas mensagens. A quantidade de pessoas que afluía a sua igreja era tanta que ele pedia que as pessoas se ausentassem da igreja de três em três meses para permitir que outros pudessem ouvir o evangelho.
  14. 14. Movimentos Missionários - Causas Reavivamentos metodista e evangélico. Conquistas territoriais de impérios holandês e inglês. Desbravamento de terras inexploradas. Conceito reformado da necessidade de relacionamento individual pessoal com Deus (ganhos indivíduos, e não nações).
  15. 15. Movimentos Missionários Baptist Missionary Society (1792): Fundada por William Carey (1761-1834) em Kettering, Inglaterra. Sapateiro, Carey aprendeu sozinho vários idiomas e escreveu um panfleto em 1792 conclamando batistas e outras igrejas a enviar missionários ao campo. Fundou a Faculdade de Serampore, colônia dinamarquesa na Índia. O maior expoente da Sociedade foi George Grenfell (1848-1906), responsável pelo mapeamento do Rio Congo. London Missionary Society (1795): Sociedade congregacional, fundada a partir de uma carta de Carey. Scottish Missionary Society (1796) e Glasgow Missionary Society (1797): Sociedades presbiterianas. Church Missionary Society (1799): Sociedade evangelical. Wesleyan Missionary Society (1813): Sociedade metodista.
  16. 16. Movimentos Missionários China Inland Society (1865): Fundada por Hudson Taylor (1832- 1905), esta sociedade foi formada com a intenção de levar o evangelho ao país asiático. Por volta de 1890, cerca de 40% dos missionários na China estavam filiados à sociedade. Taylor foi o primeiro missionário a entender a questão cultural, vestindo-se e usando o mesmo corte de cabelo que os chineses na época. Índia (1813): Obrigação da Companhia das Índias Orientais de aceitar missionários em seus quadros. China (1858): Obrigada a aceitar missionários após derrota na Segunda Guerra do Ópio.
  17. 17. Movimentos Missionários – Esforços individuais Robert Moffat (1795-1883): Tradução da Bíblia para idiomas de tribos importantes do sul da África. David Livingstone: Expandiu o conhecimento geográfico da região central da África de 1841 a 1873, combateu o comércio de escravos por parte dos árabes, fazendo ambos com o intuito de possibilitar a pregação do evangelho. Robert Morrison (1782-1832): Estudou mandarim e fez um dicionário chinês e uma tradução da Bíblia para serem usados assim que os missionários conseguissem entrar no país. Adoniram Judson (1788-1855): Fez um dicionário e traduziu a Bíblia para o birmanês, país de sua atuação. Samuel Marsden (1764-1838): Australiano que levou o evangelho aos maori da Nova Zelândia, ajudando na incorporação deste povo pela sociedade democrática branca.
  18. 18. Movimentos Missionários – Esforços individuais Mulheres missionárias: Amy Carmichael (1867-1951) foi pra Índia em 1895, resgatando meninas da prostituição nos templos pagãos, criando um lar para elas no sul da Índia. Ida Scudder (1870-1960): Continuou o trabalho médico do pai na Índia, construindo um complexo hospitalar. Mary Slessor (1848-1915): Trabalho solitário por 40 anos na África, com sucesso entre comunidades tribais. Clara Swain: Primeira mulher médica na Índia, em 1870.
  19. 19. Movimentos Missionários – Esforços individuais Esposas de missionários: Mary Livingstone: Viveu separada por anos de seu marido David, vivendo com poucos recursos enquanto ele explorava a África Central e a abria ao evangelho. Ann Judson (1789-1826): Ajudou seu marido na tradução da Bíblia para o birmanês e aliviou seu sofrimento quando foi preso pelo governo.
  20. 20. Avivamentos do séc. XIX Charles Finney (1792-1875) Segundo Grande Reavivamento Grande Reavivamento de 1843-44 Grande Reavivamento de 1857-58 (surge em reunião de oração durante hora do almoço em Nova Iorque) Reavivamento irlandês de 1859 Reavivamento galês de 1859 e de 1904-07
  21. 21. Avivamentos do séc. XIX – Charles Finney Charles Finney (1792-1875): Pastor originariamente presbiteriano, apesar de discordar de suas doutrinas fundamentais, foi responsável por iniciar diversos períodos de avivamento pelo mundo. Sua ênfase estava na oração e no derramamento instantâneo do Espírito Santo. Orava horas por dia, algo que chamava de carregar um “fardo de oração”, antes de entrar em uma cidade e pregar, pedindo por um reavivamento. As plateias manifestavam pesar enorme pela compreensão de seus estados de pecado, chorando, suspirando, gritando e gemendo. Também houveram fenômenos de quedas e tremores, dentre outros. As reuniões de Finney quando chegava a uma cidade envolviam em geral uma reunião de oração de dia, uma reunião de pessoas com dúvidas à tarde e cultos à noite.
  22. 22. Avivamentos do séc. XIX – Charles Finney Segundo o próprio Finney, as características do reavivamento que via ao seu redor eram: Predominância de um Espírito poderoso de oração que prevalece. Convicção esmagadora do pecado. Conversões súbitas e poderosas a Cristo. Grande amor e alegria entre os convertidos. Inteligência e estabilidade dos convertidos. Grande sinceridade, atividade e utilidade nas orações e trabalhos para outros.
  23. 23. Avivamentos do séc. XIX – 2º Grande Reavivamento O Segundo Grande Reavivamento teve início em 1787, em Hampden-Sidney, pequena faculdade da Virgínia. Dali, se espalhou para a Faculdade Washington e por toda a Igreja Presbiteriana do sul. A ênfase era o despertamento dos estudantes para sua condição espiritual. 1802: Início da fase congregacional do movimento na Nova Inglaterra, a partir de Yale, sob a liderança de seu reitor Timothy Dwight (1752-1817). 1820: Avivamento chega ao oeste, para onde muitos haviam emigrado (25% da população vivia fora dos 13 estados originários). Os presbiterianos eram os mais influentes na propagação do reavivamento neste local, onde faziam acampamentos. O mais famoso foi em Cane Ridge, Kentucky, que reuniu 10 mil pessoas em 1801.
  24. 24. Avivamentos do séc. XIX – 2º Grande Reavivamento Uma consequência do movimento foi a divisão de igrejas: Igreja Presbiteriana de Cumberland (1810): Cisão por ordenação de homens sem preparo intelectual para servirem nas igrejas do oeste, uso de acampamentos e sistema de pregadores itinerantes. Tornou-se uma das mais fortes do oeste. Discípulos (ou Igreja Cristã)(1832): Cisão por negação de ceia a pessoas fora do grupo, batismo por imersão e pregação da segunda vinda de Cristo. Igreja Unitária (1825): O movimento foi atacado por esta igreja, que negava a trindade e pregava a bondade do homem, salvação pelo desenvolvimento do caráter, da unidade de Deus, da humanidade de Cristo e da imanência de Deus no coração do homem.
  25. 25. Avivamentos do séc. XIX – Movimentos milenaristas Ao longo do séc. XIX, muitos começaram a se interessar pela volta de Jesus Cristo. Alguns começaram a realizar contas para tentar determinar o seu retorno, gerando alguns grupos religiosos. O primeiro a surgir foi a Igreja Adventista do Sétimo Dia. Fundada por William Miller (1782-1849), fazendeiro zeloso no estudo da Bíblia, que se convenceu que Cristo voltaria à terra 2300 anos (Dn. 8.14) após o retorno de Esdras a Jerusalém, em 457 a.C. O ano de retorno seria 1843. Milhares se prepararam para a data marcada, entre 21/3/1843 e 21/3/1844. Quando esta data passou, a maioria manteve a fé. Novas datas foram marcadas para 18/4 e 22/10. Quando esta última passou, a maioria abandonou a fé. O evento foi conhecido como o Grande Desapontamento. Vale notar que o movimento se estruturou em igreja em 1860, após Hiram Edison explicar a não-manifestação de Jesus com a teoria de que o santuário ao qual veio era celestial, e não terreno. Ellen G. White (1827-1915) o superou e teve seus escritos entendidos como inspirados. Suas principais crenças são: guarda do sábado, sono da alma e aniquilação dos ímpios (não há inferno).
  26. 26. Avivamentos do séc. XIX – Movimentos milenaristas Testemunhas de Jeová: Grupo fundado por Charles T. Russell em 1870 como um grupo independente para estudar a Bíblia na cidade de Pittsburgh, pregou contra diversas doutrinas bíblicas, como a imortalidade da alma, inferno, predestinação, o retorno corpóreo de Jesus Cristo, a trindade, a aniquilação do planeta no final dos tempos e a negação da cruz como o madeiro onde Cristo foi pregado. A partir de 1876, prega que Cristo retornou como um espírito invisível em 1874 e marca a “colheita dos salvos” para 1878. Quando não acontece, outras datas escatológicas vão sendo seguidamente marcadas: 1881, 1914 (o estabelecimento do reino de Deus na Terra (as TJs são pós-milenistas)), 1918, 1925 e 1975 foram datas que sugeriam o fim dos tempos, mas todas foram ressignificadas pela Sociedade Torre de Vigia quando não se cumpriram. Suas doutrinas são divulgadas nas revistas Sentinela e Vigiai, além de terem uma tradução própria da Bíblia, a Tradução do Novo Mundo das Sagradas Escrituras. São a maior casa publicadora de livros e folhetos religiosos do mundo, tendo sua sede em Brooklyn, Nova Iorque.
  27. 27. Avivamentos do séc. XIX – Movimentos sectários Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias (Mórmons): Comunidade formada por Joseph Smith (1805-1844), que afirmou ter descoberto por escavação em 1827 um livro de finas tábuas de ouro, publicando-o como o Livro de Mórmon em 1830 como um complemento à Bíblia. Surgiu em Kirkland, Ohio, em 1831, ficando na cidade até 1837. O grupo é obrigado a mudar para Independence, Missouri, de onde são expulsos em 1839. O novo centro do grupo se torna Nauvoo, Illinois, onde é perseguido por conta da poligamia (as mulheres não podiam ser salvas a menos que fossem casadas com um mórmon). Após a morte de Smith por conta da perseguição, o grupo emigra para Utah, onde se estabelece entre 1846 e 1848. Hoje, o centro do movimento é Salt Lake City, capital de Utah. Com um agressivo serviço missionário (todo jovem rapaz deve doar 2 anos de sua vida ao serviço missionário, a partir dos 18), aguardam uma Sião eterna, praticam o batismo pelos mortos e creem que podem alcançar o status de deuses de outros planetas (Iavé seria um homem evoluído de outro planeta, tornando-se Deus neste).
  28. 28. Avivamentos do séc. XIX – Movimentos sectários Espiritismo: Movimento surgido a partir de sons e barulhos estranhos que aconteciam no quarto das irmãs Kate e Margaret Fox em 1848, atribuídos a entidades do além. As jovens confessaram posteriormente que era uma brincadeira, mas outras pessoas passaram a crer que podiam se comunicar com os mortos através de pessoas especiais, os médiuns. Eles fundaram uma Igreja Espiritualista, mas o movimento hoje é difuso, com vários grupos que admitem os escritos de Allan Kardec como a fiel doutrina dos espíritos. Ciência Cristã: Fundado em Boston após a Guerra Civil, nascida da imaginação de Mary Baker Eddy (1821-1910), que negava a realidade da matéria, do mal e da enfermidade, sendo estes meras ilusões dos sentidos. Para ela, Deus é tudo e tudo é Deus, com a liberdade do mal e da enfermidade vindo da compreensão da identidade da pessoa com Deus ou o bem.
  29. 29. Fontes Texto base: CAIRNS, Earle E. O Cristianismo através dos séculos: uma história da igreja cristã. 3 ed. Trad. Israel Belo de Azevedo e Valdemar Kroker. São Paulo: Vida Nova, 2008. Textos auxiliares: DREHER, Martin N. Coleção História da Igreja, 4 vols. 4 ed. São Leopoldo: Sinodal, 1996. GONZALEZ, Justo L. História ilustrada do cristianismo. 10 vols. São Paulo: Vida Nova, 1983

×